VARIABILIDADE DA FREQUENCIA CARDIACA E DA PRESSÃO ARTERIAL DE GESTANTES EM DIFERENTES PROFUNDIDADES DE IMERSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VARIABILIDADE DA FREQUENCIA CARDIACA E DA PRESSÃO ARTERIAL DE GESTANTES EM DIFERENTES PROFUNDIDADES DE IMERSÃO"

Transcrição

1 85 VARIABILIDADE DA FREQUENCIA CARDIACA E DA PRESSÃO ARTERIAL DE GESTANTES EM DIFERENTES PROFUNDIDADES DE IMERSÃO HEART RATE AND BLOOD PRESSURE VARIABILITY OF PREGNANTS AT DIFFERENT IMMERSION DEPTHS Danilo Sales Bocalini 1 Roberta Lukcevicius Rica Igor Maximiano Putarov Ana Martha A. Limongelli 2 1 Universidade Federal de São Paulo 2 Universidade São Judas Tadeu (Brasil) Resumo O objetivo do trabalho foi verificar qual a variabilidade da freqüência cardíaca (FC) e da pressão arterial (PA) de gestantes em diferentes profundidades de imersão. Material e métodos foram utilizadas 15 gestantes e submetidas ao seguinte procedimento: 3 minutos em pé fora da água para a avaliação inicial da FC e da PA, em seguida a gestante era encaminhada para a piscina e sendo posicionada nos pontos anatômicos do quadril, abdômen, processo xifóide e ombros com pausa de três minutos em cada posição para aferição da FC e da PA. Resultados: foram encontradas diferenças na FC, PA diastólica, PA media a partir do processo xifóide, já para a PA sistólica a diferença foi identificada a partir do abdômen. Conclusão: os resultados obtidos no presente estudo mostram diminuição da FC e da PA em diferentes pontos de imersão aquática comparada ao ambiente terrestre, podendo assim fazer inferências adequadas para a pratica e prescrição de atividade física nesta população. Palavras Chaves: gravidez, freqüência cardíaca e pressão arterial. Abstract The aim of this research was to assess the variability of the heart rate (HR) and of the blood pressure (BP) of pregnant at different depths immersion. Material and methods: were used 15 pregnant and submitted to the following procedure: 3 minutes in standing position to the initial evaluation of HR and BP, soon afterwards the pregnant woman was directed for the swimming pool and being positioned in the anatomical points of the hip, abdomen, xiphoid and shoulders with pause of three minutes in each position to verify the HR and BP. Results: were found differences in HR, diastolic BP and mean BP starting from the xiphoid, however, to systolic BP starting from the abdomen. Conclusion: the results obtained in the present study show decrease of HR and BP at different points of aquatic immersion compared to the terrestrial atmosphere. These results could make appropriate inference for practices and prescription of physical activity in this population. Keywords: pregnancy, heart rate and blood pressure. Recebido em: 10/05/2007 Revisado em: 06/09/2007

2 86 INTRODUÇÃO Exercícios na água têm sido bastante procurados devido aos benefícios terapêuticos atribuídos a sua pratica (TAKESHIMA et al 1997) sendo também útil em condições de desabilidade ortopédicas (ROBERT et al. 1983). São também potencialmente viáveis para melhorar a aptidão cardiovascular, pois a água é 700 vezes mais densa que o ar (MOENING et al., 1993), aumentando assim o gasto energético e reduzindo possíveis lesões de impacto (COSTILL, 1971). Em especial nas gestantes, a influência que a prática regular de exercícios realizados no meio líquido pode provocar na pressão hidrostática e nos aspectos circulatórios é considerada uma vantagem. Esse fato, acompanhado pela diminuição do peso hidrostático em imersão provocando maior flutuação, possibilita as gestantes continuarem a se exercitar ate os últimos dias de gestação (KATZ et al, 1990; KATZ et al., 1988). Durante a gestação ocorrem mudanças metabólicas e respiratórias expressivas no repouso garantindo uma adequada vascularização ao feto (LUMBERS, 2002). O controle da PA é de fundamental importância para a gestante devido à associação morbidade e mortalidade materno-fetal (MAGEE et al, 1999, REZENDE, 1998). O comportamento da freqüência cardíaca (FC) bem como da pressão arterial (PA) vem sendo estudada em diferentes profundidades referentes a gênero (KRUEL et al, 2002), faixa etária (KRUEL et al, 2002) e temperatura de água (CRAIG et al, 1966). Entretanto, a literatura é escassa em abordar o comportamento da FC e da PA em gestantes imersas (KENTY et al, 1999; McURRAY et al, 1988). Portanto, o objetivo deste trabalho foi verificar a variabilidade da FC e da PA em grávidas imersas em diferentes pontos anatômicos. MATERIAL E MÉTODOS Foram selecionadas 20 gestantes praticantes regulares de hidroginástica com idade media de 32 ± 2,4 anos e media de idade gestacional de 25 ± 4,5 semanas. De acordo com a resolução 196/96 do conselho Nacional de Saúde só foram admitidas ao estudo as participantes que deram o seu consentimento por escrito. Foi usado como critério de inclusão a idade gestacional superior a 15 semanas, sendo definida pela ultima menstruação. Como critério de exclusão a presença de uso de medicamento. Protocolo de avaliação e coleta dos dados Altura: foi mesurada utilizando um estadiômetro da marca Cardiomed, modelo WCS com precisão de 115/220 cm. A medida foi realizada com o cursor em angulo de 90 em relação à escala, sendo a estatura avaliada com o indivíduo sendo colocado na posição ortostática com os pés unidos, procurando pôr em contato com o instrumento de medida as superfícies posteriores do calcanhar, região occipital e cinturas pélvica e escapular. As avaliadas foram instruídas a ficar em apnéia inspiratória e com cabeça orientada paralela ao solo. Circunferência abdominal e altura uterina: a circunferência abdominal foi medida em posição ortostática e a altura uterina na posição de decúbito dorsal, para ambas as medidas foram utilizadas fitas métricas de precisão de 1 mm. Massa corporal: foi utilizada balança de marca Filizola, modelo Personal Line 150, com resolução de 100g e capacidade máxima de 150 kg e mínima de 2,5kg, com freqüência de 50/60 hz. O indivíduo avaliado foi colocado em pé de frente para a escala da balança com

3 87 afastamento lateral dos pés ereto e com o olhar fixo à frente. O índice de massa corporal foi calculado pela equação: IMC= kg/m 2. Freqüência cardíaca e pressão arterial: para mensurar a freqüência cardíaca foram utilizados freqüencímetros da marca Polar (modelos Polar Sport Training e Polar S810), sendo a FC foi registrada em intervalos 15 segundos e analisada em médias de um minuto. Já para a pressão arterial (PA) foram utilizados esfigmomanômetros convencionais sendo realizadas três medidas. Para a coleta dos dados em imersão, inicialmente foram demarcados os pontos anatômicos quadril, abdômen (cicatriz umbilical), processo xifóide e ombros em cada gestante avaliada. Em seguida, a gestante deslocava-se para a piscina e se posicionava em pé por três minutos para a avaliação da FC e da PA. A seguir foi realizada a imersão na água (temperatura de 31º C) nas diferentes profundidades demarcadas pelos pontos anatômicos e realizada as medidas da FC e da PA após dois minutos na posição. Análise estatística Os dados são apresentados sob a forma de médias ± erro padrão. Para efeito das comparações foi utilizado a two-way ANOVA com post hoc de Tukey com auxílio do software estatístico GraphPad Prism 4.0 (GraphPad Softwares Inc., San Diego, CA, USA) com nível de significância estabelecido para as análises de p < 0,05. RESULTADOS É possível observar a caracterização da amostra na tabela 1. Foi encontrada diferença estatística entre a posição inicial (94 ± 8,2 bpm) e as posições do processo xifóide (77 ± 5,6 bpm) e ombros (76 ± 7,8 bpm) que não diferiram entre si. Nas demais posições quadril (87 ± 5,6 bpm) abdômen (85 ± 8,5 bpm) não foram encontradas diferenças (figura 1). Tabela 1. Caracterização da amostra. Peso corpóreo (kg) 68 ± 7,5 IMC (kg/cm 2 ) 25,6 ± 4,5 Circunferência abdominal (cm) 92 ± 7,1 Dados expressos em media ± epm. Figura 1. Valores médios ± desvio padrão da freqüência cardíaca (FC) na submersão dos diferentes pontos anatômicos, inicial (INIC), quadril (QUA), Abdômen (ABD), processo xifóide (PX) e ombros (OMB). Letras minúsculas iguais indicam médias sem diferenças estatisticamente significantes (p ³ 0,05). Letras minúsculas diferentes indicam médias estatisticamente diferentes (p < 0,05). A figura 2 apresenta os resultados da PA. A pressão arterial sistólica (PAS) na posição inicial (110 ± 3,4 mmhg) não diferiu do quadril (105 ± 5,6 mmhg) e foi maior nas posições

4 88 abdominal (98 ± 6,7 mmhg), processo xifóide (94 ± 7,1 mmhg) e ombros (92 ± 6,7 mmhg) que não diferiram ente si (figura 2A). Já para as pressões diastólicas (PAD) nas diferentes profundidades, só foram encontradas diferenças entre a posição inicial (79 ± 8 mmhg) e as posições do processo xifóide (63 ± 5,6 mmhg) e ombros (62 ± 7,8 mmhg) que não diferiram entre si. Nas demais posições quadril (74 ± 5,6 mmhg) abdômen (72± 8,5 mmhg) não foram encontradas diferenças. Figura 2. Valores médios ± desvio padrão dos dados relativos à pressão arterial na submersão dos diferentes pontos anatômicos, inicial (INIC), quadril (QUA), Abdômen (ABD), processo xifóide (PX) e ombros (OMB). Painel A: pressão arterial sistólica (PAS). Painel B: pressão arterial diastólica (PAD). Letras minúsculas iguais indicam médias sem diferenças estatisticamente significantes (p ³ 0,05). Letras minúsculas diferentes indicam médias estatisticamente diferentes (p < 0,05). Na figura 3 é possível observar o comportamento da pressão arterial media (PAM) na posição inicial (89 ± 3,6 mmhg) foi maior que nas posições do processo xifóide (73 ± 5,6 mmhg) e ombros (72 ± 7,6 mmhg) que não diferiram das demais posições quadril (84 ± 6,6 mmhg) abdômen (80± 8,5 mmhg). Figura 3. Valores médios ± desvio padrão da pressão arterial media (PAM) na submersão dos diferentes pontos anatômicos, inicial (INIC), quadril (QUA), Abdômen (ABD), processo xifóide (PX) e ombros (OMB). Letras minúsculas iguais indicam médias sem diferenças estatisticamente significantes (p ³ 0,05). Letras minúsculas diferentes indicam médias estatisticamente diferentes (p < 0,05). DISCUSSÃO Estudos (KENTY et al, 1999; KATZ et al, 1988; McURRAY et al, 1988) variando entre a 15ª a 35ª semana encontraram diminuição de aproximadamente de 8 a 17 batimentos por minutos em temperatura de 30ºC a 31,5ºC variando nos pontos da axila (KENTY et al, 1999) e do processo xifóide e dos ombros (KATZ et al, 1988; McURRAY et al, 1988). Em nosso estudo encontramos diminuição de 17 batimentos na região do PX e 19 batimentos na região dos ombros em temperatura de 31ºC. Dados semelhantes ao nosso foram

5 89 encontrados por (KRUEL et al, 2002) em diferentes profundidades de indivíduos de ambos os sexos. Fica claro com os nossos resultados bem como os de outras pesquisas que a FC tende a reduzir conforme aumenta a profundidade de imersão. Estima-se que durante a imersão ocorra aumento do volume sanguíneo na região central de aproximadamente 700 ml, sendo que um quarto desse volume se concentra na câmara cardíaca aumentando cerca de 180 a 247 ml de sangue (ARBORELIUS et al, 1972), gerando aumento da pré-carga (CHRISTIE et al, 1990). A ação da pressão hidrostática (WATENPAUGH et al, 2000) e da termodinâmica (CRAIG et al, 1966) são as prováveis responsáveis pela redistribuição sanguínea, resultando em um aumento do retorno venoso e do volume sanguíneo central (CHRISTIE et al, 1990). Diferentes estudos com não gestantes, quando analisado na região do quadril tal efeito pode ter sido atenuado, devido ao fato da regulação do tônus vascular e da resistência vascular periférica ter seu papel potencializado na gravidez (CARBILLON et al, 2000) e pelo aumento do fluxo uterino. Estudos com gestantes e não gestantes têm evidenciado aumento (SRÁMEK et al, 2000; WATENPAUGH et al, 2000), redução (ASAI et al, 1994; CRAIG et al, 1966) e nenhuma alteração (WATENPAUGH et al, 2000; KENTY et al, 1999; CRAIG et al, 1966) nos valores da PAS, PAD e da PAM imersas em diferentes profundidades, variando de acordo com a temperatura da água bem como o tempo de permanência em imersão. Em relação à PAM estudos mostraram redução de 10 mmhg (KATZ et al, 1988) a 18 mmhg (KATZ et al, 1990) na região dos ombros em temperatura de 30ºC e em 34ºC (AIRES et al, 2001). Diferente dos demais estudos, em nosso trabalho encontramos redução de 16 mmhg a partir do processo xifóide. Hipóteses foram estabelecidas para poderem explicar a redução da PA. Estudos (ASAI et al, 1994) sugerem que a diminuição da renina plasmática e aumento da concentração de peptídeo natriurético atrial pode ser o responsável pela diminuição, outros (SRÁMEK et al, 2000) sugerem que a imersão em temperatura termoneutra pode estimular barorreceptores, já em água fria estimularia termorreceptores. Dessa forma diferentes mecanismos reguladores podem estimular a resposta e assim diminuir ou aumentar a PA. CONCLUSÂO Os resultados obtidos no presente estudo mostram diminuição significativa da FC e da PA a partir dos pontos processo xifóide e ombros na imersão aquática comparada ao ambiente terrestre, podendo assim contribuir para fundamentar a reflexão sobre a necessidade da adequação e prescrição das atividades aquáticas para esta população. Referências Bibliográficas AIRES, C. E.; MUAD-FILHO, F.; FERREIRA, A. C.; GOMES, U. A.; PINHEIRO-FILHO, L. S. Modificações no índice de liquido amniótico estimado pela ultra sonografia em gestantes submetidas à imersão subtotal em água. Revista Brasileira de Ginecologia Obstetrícia, 23: , ARBORELIUS, M.; BALLIDIN, U. I.; LILJA, B.; LUNDGREN, C. E.; Hemodynamic changes in manduring immersion with the head above water. Aerosp Medicine, 43: , ASAI, M.; SAEGUSA, S.; YAMADA, A. Effect of exercise in water on maternal blood circulation. Nippon Sanka Fujinka Gakkai Zasshi, 94: , CARBILLON, L.; UZAN, M.; UZAN, S. Pregancy, vascular tone, and maternal hemodynamics: a crucial adaptation. Obstetricy Gynecology Survey, 55: , CHRISTIE, J. L.; SHELDAHL, L. M.; TRISTANI, F. E. Et al. Cardiovascular regulation during head-out water immersion exercise. Journal Appplied Physiology, 69: , 1990.

6 90 COSTILL, D. L. Energy requiriments during exercise in water. Journal Sports Medicine Phys Fitness, 11: 87-92, CRAIG, A. B.; DVORAK, M. Thermal regulation during water immersion. Journal Appplied Physiology, 21: , KATZ, V. L.; McMURRAY, R.; BERRY, M. J.;CEFALO R. C. Fetal and uterine response to immersion and exercise. Obstetricy Gynecology, 72: ,1988. KATZ, V. L.; RYDER, R. M.; CEFALO R. C.; CARMICHAEL, S. C.; GOOLSBY, R. Acomparison of bed rest and immersion for treating the edema of pregnancy. Obstetricy Gynecology, 75: , KENTY, T.; GREGOR, J.; DEADORFF, L.; KATZ, V.; Edema of pregnancy: a comparison of water aerobics and static immersion. Obstetricy Gynecology, 94: , KRUEL, L. F. M.; TARTARUGA, L. A. P.; DIAS, A. C.; SILVA, R. C.; PICANÇO, P. S. P.; RANGEL, A. B. Freqüência cardíaca durante imersão no meio aquático. Fit Perform, 1: 46-51, LUMBERS, E. R. Exercise in pregnancy: physiological basis of exercise prescrition for the pregnant woman. Journal Science Medicine Sports, 5: 20-31, MAGEE, L. A.; ORNSTEIN, M. P.; VON DADELSZEN, P.; Fortnightly rewiew: management of hypertension in pregancy. British Medicine Journal, 318: ,1999. McURRAY, R. G.; KATZ, V. L.; BERRY, M. J.; CEFALO, R. C. Cardiovascular responses of pregnant women during aerobic exercise in water: a longitudinal study. Internacional Journal Sports, 9: , MOENING, D.; SCHEIDT, A.; SHEPARDSON, L.; DAVIES, G. J.; Biomechanical comparasion of water running and treadmill running. Isokinet Exerc Sci; 3: ; MOENING, D.; SCHEIDT, A.; SHEPARDSON, L.; DAVIES, G. J.; Biomechanical comparasion of water running and treadmill running. Isokinet Exerc Sci; 3: ; REZENDE, J. Obstetricia. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, ROBERT, J..J.; JONES, L.; BOBO, M. The physiologic response of exercising in the water and on land with and without the X 1000 walk N tone exercise Belt. Res. Q. Exerc. Sport, 48: , SRAMEK, P.; SIMECKOVA, M.; JANSKY, L.; SAVLIKOVA, J.; VYBIRAL, S. Human physiological responses to immersion into water of different temperatures. European Journal Applied Physiology, 81: , TAKESHIMA, N.; ROGERS, M. E.; WATANABE, E.; BRECHUE, W. F.; OKADA, A.; YAMADA, T.; ISLAM, M. M.; HAYANO, J. Water-based exercise improves health-related aspects of fitness in older women. Med Science Sports Exercise; 33: , WATENPAUGH, D. E.; PUMP, B.; BIE, P.; NORSK, P. Does gender influence human cardiovascular and renal responses to water immersion? Journal Applied Physiology, 80: ,

7 91 Currículo Danilo Sales Bocalini Graduado em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu (2002). Mestre em Ciências pela Disciplina de Clinica Medica do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina (2006). Doutorando em Ciências pela Disciplina de Clinica Medica do Departamento de Medicina da Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina. Roberta Lukcevicius Rica Graduada em Educação Física pela Faculdade de Educação Física de Santo André (2003). Especialização em Personal Trainer pela FMU (2006). Professora da Academia Planet Sport. Igor Maximiano Putarov - Graduado em Educação Física pela Universidade do Grande ABC (2002). Professor da Academia Planet Sport. Ana Martha A. Limongelli - Licenciada em Educação Física pela UNISA (1985). Mestre em Psicologia da Educação pela PUC-SP (1998). Doutora em Educação pela PUC-SP (2006). Docente do Curso de Educação Física da Universidade São Judas Tadeu. Endereço: Danilo Sales Bocalini Rua General Chagas Santos 392 Cep: Saúde SP São Paulo

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES HIDROTERAPIA PARA GESTANTES Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES ANATOMIA DO ABDOME E DA PELVE ÚTERO 3 camadas de músculos. NÃO GESTANTE GESTANTE FORMA ESFÉRICA CILÍNDRICA VOLUME 500 ml 5000 ml MASSA 70 g 1100

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Journal of Applied Physiology Outubro 2009

Journal of Applied Physiology Outubro 2009 INFLUÊNCIA DO COMANDO CENTRAL E ATIVAÇÃO DE AFERÊNCIAS MUSCULARES SOBRE A VELOCIDADE DO SANGUE NA ARTÉRIA CEREBRAL ANTERIOR EM RESPOSTA A EXERCÍCIO DE PANTURRILHA EM HUMANOS Lauro C. Vianna 1,2, Claudio

Leia mais

Efeito Agudo de uma Sessão de Hidroginástica sobre a Resposta da Pressão Arterial em Gestantes não Hipertensas

Efeito Agudo de uma Sessão de Hidroginástica sobre a Resposta da Pressão Arterial em Gestantes não Hipertensas 75 Efeito Agudo de uma Sessão de Hidroginástica sobre a Resposta da Pressão Arterial em Gestantes não Hipertensas Acute Effect of an Aquagym Session on Blood Pressure Response in Non-Hypertensive Pregnant

Leia mais

Juliana Monteiro Candeloro 1, Fátima Aparecida Caromano 2

Juliana Monteiro Candeloro 1, Fátima Aparecida Caromano 2 Efeitos de um programa de hidroterapia na pressão arterial e freqüência cardíaca de mulheres idosas sedentárias Effects of a hidrotherapy program on blood pressure and heart rate in elderly, sedentary

Leia mais

Freqüência cardíaca em homens imersos em diferentes temperaturas de água

Freqüência cardíaca em homens imersos em diferentes temperaturas de água Freqüência cardíaca em homens imersos em diferentes temperaturas de água Fabiane Graef Leonardo Tartaruga Cristine Alberton Luiz Kruel Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola Superior de Educação

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT

ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT Kilvia Paula Nogueira da Silva 1 ; Danilo Lopes Ferreira Lima 1 ; André Accioly Nogueira Machado 2 ; Frederico

Leia mais

O EFEITO DA ADAPTAÇÃO AO MEIO LÍQUIDO PARA PESSOAS HIPERTENSAS, UTILIZANDO MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS

O EFEITO DA ADAPTAÇÃO AO MEIO LÍQUIDO PARA PESSOAS HIPERTENSAS, UTILIZANDO MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS Recebido em: 03/02/2011 Emitido parece em: 14/03/2011 Artigo inédito O EFEITO DA ADAPTAÇÃO AO MEIO LÍQUIDO PARA PESSOAS HIPERTENSAS, UTILIZANDO MEDICAMENTOS ANTI-HIPERTENSIVOS Fabio Luiz Capeletti RESUMO

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

A prática de exercício físico durante o período de gestação

A prática de exercício físico durante o período de gestação A prática de exercício físico durante o período de gestação Cristiane Chistófalo* Ariane Jacon Martins* Sérgio Tumelero** tumelero.prof@toledo.br * Faculdades Integradas Toledo de Araçatuba Curso de Educação

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA

SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA A CONSULTA PEDIÁTRICA CONSTA DE QUATRO PARTES 1.Anamnese 2.Exame físico 3.Hipóteses diagnóstica 4. Conduta Roteiro da Anamnese 1.Identificação: Nome, idade, data nascimento, sexo,

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS?

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS? 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CEILÂNDIA CURSO DE FISIOTERAPIA AMANDA CASTELO BRANCO DUARTE HANNA LISSA RIBEIRO MIRANDA QUINTANILHA A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFMT01 ESTUDO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA (FC), PRESSÃO ARTERIAL (PA) E DUPLO- PRODUTO (DP) EM EXERCÍCIOS DE CORRIDA E NATAÇÃO Alison Germano Rocha da Silva (1), Alexandre Sérgio Silva (3). Centro de Ciências

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES DE TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO

COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES DE TREINAMENTO DE FORÇA NA MUSCULAÇÃO Comparação da resposta aguda da freqüência cardíaca... Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.9(2), mai./ago., 2005 COMPARAÇÃO DA RESPOSTA AGUDA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM DUAS MODALIDADES

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO MELHORA O DESEMPENHO DA SAÍDA DE BLOCO DE NADADORES

O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO MELHORA O DESEMPENHO DA SAÍDA DE BLOCO DE NADADORES 1 O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO MELHORA O DESEMPENHO DA SAÍDA DE BLOCO DE NADADORES THE PLYOMETRIC TRAINING INCREMENTS THE SWIMMING STARTING PERFORMANCE DANILO S. BOCALINI RÉGIS M. P. ANDRADE PATRICIA T. UEZU

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS

ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS ANÁLISE BIOMECÂNICA DO SALTO SOBRE A MESA: RELAÇÃO ENTRE O TIPO DE SALTO E SEUS PARÂMETROS CINEMÁTICOS Márcia Francine Bento 1, Marcelo Sato Yamauchi 1, Paulo Carrara 1,3, Cindy Santiago Tupiniquim 1 e

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM

CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM 1 ARTIGO ORIGINAL CRITÉRIOS DE PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS ATRAVÉS DE 1 RM Carlos Henrique Silva Leonardo Silva de Rezende Maria Amélia Paes Villas-Bôas da Fonseca Nádia Maria de Sales Pires Pós Graduação

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

a influência da FisioteraPia aquática no controle da Pressão arterial e capacidade Funcional de HiPertensas

a influência da FisioteraPia aquática no controle da Pressão arterial e capacidade Funcional de HiPertensas a influência da FisioteraPia aquática no controle da Pressão arterial e capacidade Funcional de HiPertensas The influence of aquatic therapy on blood pressure control and functional capacity in hypertensive

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

STEP AQUÁTICO: SOBRECARCA METABÓLICA E CARDIOVASCULAR EM DIFERENTES TIPOS DE PAUSAS

STEP AQUÁTICO: SOBRECARCA METABÓLICA E CARDIOVASCULAR EM DIFERENTES TIPOS DE PAUSAS STEP AQUÁTICO: SOBRECARCA METABÓLICA E CARDIOVASCULAR EM DIFERENTES TIPOS DE PAUSAS 2 Diana Miranda Carvalho 1, Erica Cristina da Costa 1, Elisângela Silva 2 RESUMO: O objetivo deste estudo foi comparar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL TATIANE CRISTINA LUZ DE ABREU O COMPORTAMENTO DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

TREINAMENTO FÍSICO EM ACADEMIAS

TREINAMENTO FÍSICO EM ACADEMIAS TREINAMENTO FÍSICO EM ACADEMIAS Flávia Batista Cezar O QUE VEM POR AÍ Modalidades oferecidas Metodologia de treinamento Planejamento Programa de retenção Kainágua Pesquisa científica em academias PRESCRIÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS ENTRE O CICLISMO INDOOR E AQUÁTICO.

COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS ENTRE O CICLISMO INDOOR E AQUÁTICO. COMPARAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS ENTRE O CICLISMO INDOOR E AQUÁTICO. Andréa Cristiane Ferreira 1 Roxana Macedo Brasil 2 Grace Barros de Sá 3 Ana Cristina Lopes Y. Glória Barreto 4 Marcos Aurélio

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

FREQUÊNCIA CARDÍACA: INDICADOR DA CARGA FISIOLÓGICA DE TRABALHO DE PROFESSORES DE GINÁSTICA EM ACADEMIAS

FREQUÊNCIA CARDÍACA: INDICADOR DA CARGA FISIOLÓGICA DE TRABALHO DE PROFESSORES DE GINÁSTICA EM ACADEMIAS FREQUÊNCIA CARDÍACA: INDICADOR DA CARGA FISIOLÓGICA DE TRABALHO DE PROFESSORES DE GINÁSTICA EM ACADEMIAS Ialuska Guerra 1 Jessica Gomes Mota 2 IFCE- Campus Juazeiro do Norte 1,2 GPDHAFES CNPq 1,2 RESUMO

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT02-P APLICABILIDADE TERAPÊUTICA DOS PRINCÍPIOS FÍSICOS DA ÁGUA Daiana Pereira Martins Costa (1), Larissa Coutinho de Lucena (1), Laura de Sousa Gomes Veloso (2) Centro de Ciências da Saúde/Departamento

Leia mais

Prática da yoga durante o período de gestação

Prática da yoga durante o período de gestação Prática da yoga durante o período de gestação Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Jéssica Daniela Nunes de Almeida Sérgio Tumelero http://www.efdeportes.com/

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação;

Assistência Pré-Natal. 1. Captação precoce das gestantes com realização da primeira consulta de pré-natal até 120 dias da gestação; Assistência Pré-Natal OBJETIVO DO PRÉ-NATAL Garantir o bom andamento das gestações de baixo risco e também o de identificar adequada e precocemente quais as pacientes com mais chance de apresentar uma

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DA ANTROPOMETRIA REALIZADA NA ATENÇÃO BÁSICA IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista): [ ] ( ) Pesquisador (professor orientador):

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Ocorrência de Hipertensão Arterial em Gestantes no Município de Araraquara/SP

Ocorrência de Hipertensão Arterial em Gestantes no Município de Araraquara/SP ORIGINAL /ORIGINAL Ocorrência de Hipertensão Arterial em Gestantes no Município de Arterial Hypertension Occurrence in Pregnant Women in RESUMO A hipertensão arterial é a intercorrência clínica mais freqüente

Leia mais

EFEITOS FISIOLÓGICOS E EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS DA EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA

EFEITOS FISIOLÓGICOS E EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS DA EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA EFEITOS FISIOLÓGICOS E EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS DA EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA Rodrigo Luiz Carregaro*, Aline Martins de Toledo** *Mestre em Fisioterapia pela Universidade Federal de São Carlos, Professor

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

Roteiro de Aulas Práticas - Fisiologia Humana

Roteiro de Aulas Práticas - Fisiologia Humana Universidade de Pernambuco Campus Petrolina Cursos de Enfermagem e Fisioterapia Roteiro de Aulas Práticas - Fisiologia Humana Professor Ricardo Freitas Técnico. Lauro Gonzaga Petrolina-PE 2011 AULA 01

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS

MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA F E DESPORTOS LABORATÓRIO RIO DE BIOMECÂNICA RELAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E EQUILÍBRIO CORPORAL DE IDOSOS Revista Brasileira de Cineantropometria

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 %MASSA GORDA SAUDÁVEL Homens 20 anos %MGsaudável = 10% (a partir dos 20 anos acresce-se 1% por cada 3 anos de idade, até ao limite de 25% ou até 50 anos de idade). Ou usando

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA PARA GRUPOS ESPECIAIS-GESTANTES

ATIVIDADE FÍSICA PARA GRUPOS ESPECIAIS-GESTANTES ESPECIALIZAÇÃO EM ATIVIDADE FÍSICA NA SAÚDE COLETIVA ATIVIDADE FÍSICA PARA GRUPOS ESPECIAIS-GESTANTES Prof. Msc. Moisés Mendes Universidade Estadual do Piauí- Teresina www.moisesmendes.com professormoises300@hotmail.com

Leia mais

Respostas Cardiovasculares Agudas ao Treinamento de Força Utilizando Diferentes Padrões de Respiração

Respostas Cardiovasculares Agudas ao Treinamento de Força Utilizando Diferentes Padrões de Respiração Moraes et al. Respostas Cardiovasculares Agudas ao Treinamento de Força Utilizando Diferentes Padrões de Respiração Acute Cardiovascular Responses in Strength Training Using Different Breathing Techniques

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

PRÁTICA FÍSICA E TERAPÊUTICA EM CICLOERGÔMETROS AQUÁTICOS: UMA REVISÃO

PRÁTICA FÍSICA E TERAPÊUTICA EM CICLOERGÔMETROS AQUÁTICOS: UMA REVISÃO 1 AMANDA DE SÁ ARAÚJO PRÁTICA FÍSICA E TERAPÊUTICA EM CICLOERGÔMETROS AQUÁTICOS: UMA REVISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇAO FISICA, FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL BELO HORIZONTE

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Adaptações EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Oliveira de Souza Estruturais Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO NA FREQUÊNCIA

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS A 60% DE 1RM NO LEG PRESS

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS A 60% DE 1RM NO LEG PRESS COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL APÓS EXERCÍCIOS RESISTIDOS A 60% DE 1RM NO LEG PRESS RESUMO Os efeitos dos exercícios resistidos sobre a pressão arterial ainda são pouco compreendidos e controversos.

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA EM OBSTETRÍCIA ASPECTOS PRÁTICOS. DR. RAFAEL FREDERICO BRUNS Professor Adjunto Departamento de Tocoginecologia - UFPR

ULTRASSONOGRAFIA EM OBSTETRÍCIA ASPECTOS PRÁTICOS. DR. RAFAEL FREDERICO BRUNS Professor Adjunto Departamento de Tocoginecologia - UFPR ULTRASSONOGRAFIA EM OBSTETRÍCIA ASPECTOS PRÁTICOS DR. RAFAEL FREDERICO BRUNS Professor Adjunto Departamento de Tocoginecologia - UFPR É necessário fazer ultrassonografia de rotina? Background Many clinicians

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Arq Sanny Pesq Saúde 1(2):134-140, 2008. Moura et al., Aderência de gestantes à hidroginástica.

ARTIGO ORIGINAL. Arq Sanny Pesq Saúde 1(2):134-140, 2008. Moura et al., Aderência de gestantes à hidroginástica. ARTIGO ORIGINAL Aderência de gestantes a um programa de hidroginástica "Adhesion of pregnant women in a water aerobics program" Diosele de Souza Moura, Roberta Bgeginski, Ilana Finkelstein, Luiz Fernando

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relatório do projeto de pesquisa Promoção de modos saudáveis de vida em adultos e idosos

Leia mais

EFEITOS DO ANDAMENTO MUSICAL SOBRE A FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA COM DIFERENTES NÍVEIS DE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA

EFEITOS DO ANDAMENTO MUSICAL SOBRE A FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA COM DIFERENTES NÍVEIS DE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA EFEITOS DO ANDAMENTO MUSICAL SOBRE A FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA COM DIFERENTES NÍVEIS DE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA Artur Guerrini Monteiro, FMU e UNICID Sérgio Gregório

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS Silva FRS, Oliveira MRS, Lazo-Osorio RA, Fagundes, AA, Goulart DGB Universidade

Leia mais

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde

Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN Orientações para a coleta

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

LAFI-DIETRE. Revista Fisioterapia Brasil - ano 4 - nº 1 - jan/2003 FÁTIMA A. CAROMANO* MÁRIO ROBERTO F. THEMUDO FILHO** JULIANA MONTEIRO CANDELORO***

LAFI-DIETRE. Revista Fisioterapia Brasil - ano 4 - nº 1 - jan/2003 FÁTIMA A. CAROMANO* MÁRIO ROBERTO F. THEMUDO FILHO** JULIANA MONTEIRO CANDELORO*** 1 EFEITOS FISIOLÓGICOS DA IMERSÃO E DO EXERCÍCIO NA ÁGUA Endereço para correspondência: * Profa Dra Fátima Caromano. ** Fisioterapeutas. LAFI REACOM (Laboratório de Fisioterapia e Reatividade Comportamental).

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO Laise Cordeiro Vaz 1 Prof. Dr. José Fernandes Filho 2 Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar o desenvolvimento

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

DESCONFORTO OSTEOMUSCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES EM DIFERENTES FASES DA GESTAÇÃO

DESCONFORTO OSTEOMUSCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES EM DIFERENTES FASES DA GESTAÇÃO 142 DESCONFORTO OSTEOMUSCULAR E QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES EM DIFERENTES FASES DA GESTAÇÃO Valeria Andrea Alegria Larrua, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira, Nathália Savian Elisa Bizetti

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular (Hemodinâmica) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade

Leia mais

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez Revista Uningá, Nº 01, p. 39-46, jan./jun.2004 Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez MARI ELEN FERREIRA 1 HELLEN CARLA RICKLI CAMPANA 2 RESUMO A DHEG (Doença Hipertensiva

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração

Anatomia do Coração. Anatomia do Coração Objetivos Descrever a estrutura do sistema circulatório. Descrever o ciclo cardíaco e o sistema de condução cardíaca. Citar os mecanismos de controle da atividade cardíaca. A FUNÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NA PRESSÃO ARTERIAL

A INFLUÊNCIA DA CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NA PRESSÃO ARTERIAL A INFLUÊNCIA DA CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL E DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL NA PRESSÃO ARTERIAL RESUMO A Hipertensão Arterial Sistêmica é uma doença assintomática, caracterizada como uma síndrome que apresenta

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO NA GESTAÇÃO

EXERCÍCIO FÍSICO NA GESTAÇÃO EXERCÍCIO FÍSICO NA GESTAÇÃO Artigo de Revisão SANTOS, Sione Cordeiro Discente do Curso de Graduação de Educação Física Bacharelado da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva (FAIT) Itapeva.

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Atividade Física Adaptada à Gestação

Atividade Física Adaptada à Gestação Atividade Física Adaptada à Gestação Atividade Física Adaptada à Gestação A única certeza que se tem é a de que nós, profissionais que vamos trabalhar com gestantes, devemos proporcionar a elas uma atividade

Leia mais

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD Dailson Paulucio da Silva Graduando em Educação Física dailson_educacaofisica@yahoo.com.br

Leia mais