Cód. 19 Analista de TIC II (Negócios)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 19 Analista de TIC II (Negócios)"

Transcrição

1 EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 19 Analista de TIC II (Negócios) 1. Após o, as fases que o seguem, em ordem cronológica, são,,, e. A) análise e negociação, especificação e documentação, identificação, estudo de viabilidade, gestão de requisitos e validação. B) estudo de viabilidade, identificação, análise e negociação, especificação e documentação, validação e gestão de requisitos. C) identificação, análise e negociação, estudo de viabilidade, especificação e documentação, gestão de requisitos e validação. D) análise e negociação, estudo de viabilidade, identificação, gestão de requisitos, validação e especificação e documentação. 2. A fase na qual se levam em conta as inovações tecnológicas, até as mudanças da natureza do negócio, é: A) identificação. B) estudo de viabilidade. C) especificação e documentação. D) gestão de requisitos. 3. Os requisitos que descrevem as funcionalidades esperadas (pelo utilizador) que o sistema disponibilize, de uma forma completa e consistente, são: A) requisitos do domínio. B) requisitos não-funcionais. C) requisitos funcionais. D) requisitos de desempenho. 4. Utilidade, confiança, desempenho, suporte e escalabilidade normalmente são considerados : A) Requisitos funcionais. B) Requisitos do domínio. C) Requisitos não-funcionais. D) Requisitos do utilizador do sistema. 5. Consistência, completude, rastreabilidade e conformidade com normas são atributos dos requisitos principalmente verificados na fase de: A) validação. B) estudo de viabilidade. C) análise e negociação. D) identificação. 6. A análise por pontos de função é uma métrica que enfatiza principalmente: A) o uso de número de linhas de código, como medida-chave. B) o tamanho e a complexidade da aplicação, de forma consistente, sob o ponto de vista do usuário. C) número de classes, número de métodos e número de métodos por classe e a profundidade da hierarquia de classes. D) custos de construção, instalação, operação e manutenção. 1

2 7. As métricas para aplicações orientadas a objetos se baseiam principalmente em: A) tamanho e a complexidade da aplicação, de forma consistente, sob o ponto de vista do usuário. B) uso de número de linhas de código, como medida-chave. C) custos de cons trução, instalação, operação e manutenção. D) número de classes, número de métodos e número de métodos por classe e a profundidade da hierarquia de classes. 8. A é uma métrica que se baseia na contagem do número de caminhos linearmente independentes ao longo do código-fonte A) complexidade ciclomática. B) análise por ponto de função. C) coesão. D) ordem de crescimento. 9. Nos últimos 20 anos, auxiliado pelo fantástico crescimento do poder dos processadores e computadores, a disciplina de modelagem de processo de negócios ganhou força. O método apresenta um conjunto de extensões baseado nos modelos existentes do UML Unified Modeling Language. Através do uso de estereótipos, essa técnica representa elementos dos processos de negócio da organização, podendo ser utilizada pelo analista de negócios visando a sua reutilização na fase de arquitetura e desenvolvimento de software. A) Johnsson B) Jordan & Martin C) Eriksson - Penker D) Johnsson & Martin 10. O método SWOT, muito utilizado na análise de empresas e negócios contempla: A) estratégias, fraquezas, pontos fortes e pontos fracos B) pontos fortes e pontos fracos, estratégias, oportunidades C) oportunidades, fraquezas, estratégias e pontos fracos D) oportunidades, fraquezas, pontos fortes e pontos fracos 11. Comportamento do negócio é o comportamento individual de cada recurso e processo importante no modelo de negócio. Para isso é importante modelar o estado com a modelagem de comportamento de um recurso e seus possíveis estados de acordo com o processo. Para tal utilizamos os seguintes diagramas: I. diagrama de estados. II. diagrama de seqüência e colaboração. III. digrama de processo. Dentro das afirmações acima, são verdadeiras: A) apenas II e III. B) apenas I e III. C) I, II e III. D) apenas I e II. 12. Não é considerada uma macroatividade da modelagem de negócios: A) elaborar o modelo de Use Cases de negócio. B) elaborar o MER do negócio (BPM). C) elaborar os modelos de interação (seqüência ou colaboração) de objetos para os Use Cases. D) elaborar diagramas de atividades para os workflows. 13. Cons idere as afirmações abaixo. I. A Especificação Funcional do Sistema deve descrever o que se espera que o sistema faça sem a preocupação de como ele faz. II. A Especificação Funcional do Sistema só deverá ser entregue ao cliente ao final do projeto. III. A fase de Análise de Requisitos não tem nenhuma influência sobre a Especificação Funcional do Sistema. São verdadeiras: A) somente a I. B) somente a III. C) somente I e II. D) somente I e III. 2

3 14. Umas das formas mais recomendadas para se descrever requisitos funcionais é a utilização de: A) diagrama de entidades e relacionamentos. B) algoritmos. C) diagramas de casos de uso. D) MER. 15. Os casos de uso são técnicas baseadas em cenários para a obtenção de. Na sua forma mais simples, um caso de uso identifica os envolvidos em uma interação e especifica o tipo de interação. A) processos / atributos B) atributos / processos C) especificações / construtores D) requisitos / agentes 16. O plano de comunicação do projeto contém: A) participantes, agenda e pauta das reuniões da equipe de projeto. B) informações que cada stakeholder receberá, periodicidade de recebimento e formato. C) regras práticas de comunicação por dentro da equipe de projeto. D) atividades em andamento na semana, responsável e data de término. 17. A fase do projeto em que o Project Charter é criado é denominada: A) planejamento. B) execução. C) início. D) programação. 18. Um cronograma detalhado do projeto somente pode ser criado depois da criação do(a): A) estrutura analítica do projeto (Work break-down structure). B) orçamento do projeto. C) plano de Riscos. D) plano de Gestão de Recursos Humanos. 19. Assinale a alternativa correta. A) Gerente de projetos tem mais poder que gerente funcional em uma organização matricial equilibrada. B) Gerente de projetos tem menos poder que gerente funcional em uma organização matricial equilibrada. C) Gerente de projetos tem menos poder que gerente funcional em uma organização orientada a projetos. D) Gerente de projetos e gerente funcional tem mesmo poder em uma organização matricial equilibrada. 20. Uma relação está na primeira forma normal (1FN) se: I. cada atributo contém apenas valores atômicos. II. não há conjuntos de atributos repetidos descrevendo a mesma característica. III. os atributos -chave dependem da totalidade da chave. Podemos afirmar que: A) apenas I e III estão corretas. B) apenas II e III estão corretas. C) apenas I, II e III estão corretas. D) apenas I e II estão corretas. 21. O Modelo Relacional pegou emprestado da teoria de funções da matemática o conceito de dependência funcional. Não é uma regra para acharmos as dependências funcionais: A) fatoração. B) acumulação. C) separação. D) transitividade. 3

4 22. Considere o método para controle de projeto PERT/COM. I. Folga livre é o atraso máximo em uma atividade sem alterar a data mais cedo de inicio da atividade seguinte. II. Última data de término é a última data possível para a conclusão da atividade do projeto total. III. Caminho crítico é um caminho formado por atividades com folga diferente de nula, entre o evento inicial e o final, e representa o menor tempo possível para a execução do projeto. Das afirmações acima está/estão correta(s): A) somente I e II. B) somente a I. C) somente II e III. D) somente a II. 23. O gráfico mostrado na figura abaixo chama-se: Figura: Controle de Projeto A) Gráfico Fishbone B) Gráfico de PERT C) Gráfico de Gantt D) Gráfico de CPM 24. There has been much activity in the past two or three years in developing web service-based execution languages for Business Process Management (BPM) systems. Languages such as BPEL4WS provide a formal mechanism for the definition of business processes. The key element of such languages is that they are optimized for the operation and inter-operation of BPM Systems. The optimization of these languages for software operations renders them less suited for direct use by humans to design, manage, and monitor business processes. BPEL4WS has both graph and block structures and utilizes the principles of formal mathematical models, such as pi-calculus1. This technical underpinning provides the foundation for business process execution to handle the complex nature of both internal and B2B interactions and take advantage of the benefits of Web services. A) JAVA B) ASP C) EDI D) XML 25. BPD (Business Process Diagram) trabalha com símbolos para mostrar o mapa de processo. A figura abaixo define um: A) Event B) Gateway C) Activity Looping D) Data Object 26. Considere o documento da OMG sobre BPM Notation Specification. A is a point in the Process where a single flow is divided into two or more flow. It is a mechanism that will allow activities to be performed concurrently, rather than sequentially. BMPN uses multiple outgoing Sequence Flow or a Paralell Gateway to perform it. A) Flow Object B) Fork C) Exception D) Exception choice 4

5 27. Considere o documento da OMG sobre BPM Notation Specification. A is a mechanism that signals the start of a business process. Triggers are associated with a Start Events and Intermediate Events and can be of the type: Message, Timer, Rule, Link, and Multiple. A) Transaction B) Swimlane C) Trigger D) Synchronization 28. Muitas empresas exigem que no contrato de prestação de serviços seja colocado um item de ressarcimento sobre perda de dados. Essa cláusula é controversa e sempre causa muito transtorno entre o contratante e o contratado. Segundo a legislação pertinente, excluem -se dessa cláusula: I. caso fortuito ou força maior; II. fato do titular do direito, que torne a execução impossível ou legitime a inexecução; III. perda da coisa prometida. Dessas afirmações, são verdadeiras: A) apenas II e III. B) apenas I e II C) apenas I e III. D) I, II e III. 29. Quando se elabora um contrato por tempo indeterminado, coloca-se nele uma cláusula de reajuste de preços. Essa cláusula normalmente contempla algum indicador financeiro de mercado. Não é um indicador de mercado o: A) IPC-M. B) INPC. C) IPCA. D) IGPM. 30. Um contrato ajuizado entre as partes acaba por colocar o contratante e o contratado em um regime de parceria jurídica, a qual normalmente acarreta no pagamento dos serviços prestados pela contratante à contratada. Quando firma-se o contrato, existem impostos em vigor que certamente foram computados para se chegar ao valor dos serviços. O regime de impostos no Brasil é complexo, e se acompanharmos os últimos anos, tivemos várias alterações nos percentuais de alguns impostos. Para que se tenha uma clareza sobre o que significa cada imposto e como eles influenciam os preços, primeiramente precisamos entender de onde os mesmos são gerados. São impostos Federal, Estadual e Municipal, respectivamente: A) IRPJ, CSSL e ISS. B) CSSL, ICMS e ISS. C) PIS, CSSL e ICMS. D) COFINS, ICMS e PIS. Cuidado: você pode ser o seu maior inimigo O psiquiatra Içami Tiba, autor, entre outros, de Quem ama, educa!, o livro de educação mais vendido em 2003, escolheu um tema polêmico para fazer a platéia pensar. Dentro de nós temos amigos e inimigos e, geralmente, aquelas características que mais nos incomodam em nosso inimigo também são características nossas, mas estão escondidas, diz. Para apresentar seu tema, Tiba propõe uma dinâmica que, a seu ver, funciona muito bem e ajuda as pessoas a pensarem e a aumentarem o seu autoconhecimento fundamental para quem deseja se desenvolver como pessoa e em todas as áreas da vida. Mas como é possível sermos nossos próprios inimigos? Para refletir sobre essa questão, o jogo poder ser uma boa opção. Pense no seu melhor amigo e em suas melhores características. Anote as palavras. Depois, pense no pior inimigo e anote também as suas características. Isso formará uma espécie de espelho de cada um e, especialmente aquilo que menos gostamos nos inimigos, que não perdoamos, temos também dentro de nós. Am igos e inimigos estão dentro de nós. Assim como Deus e o satanás. Quando vemos o inimigo, ficamos mal. Não temos o costume de olhar esse lado nosso, mas sabemos condenar os errados. Revista Vencer!, n o 54. 5

6 31. Leia as afirmativas abaixo, a respeito do texto. 1. Vemos os defeitos dos outros, mas não enxergamos nossos próprios defeitos. 2. A palavra grifada no segundo parágrafo significa o mesmo que conhecimento de si próprio. 3. O jogo a que se refere o último parágrafo é a formação de um espelho de si mesmo formado a partir de um retrato do inimigo. É correto o que se afirma: A) apenas na afirmativa 1. B) em todas as afirmativas. C) apenas nas afirmativas 1 e 2. D) apenas na afirmativa A palavra dinâmica, no contexto do segundo parágrafo, significa o mesmo que: A) energia. B) diligência. C) gesto. D) atividade. 33. Está corretamente acentuada a palavra da alternativa: A) rúbrica. B) púdica. C) tuiuiú. D) xampú. 34. O termo grifado está incorreto na alternativa: A) Conversamos a cerca de assuntos da empresa. B) Falávamos sobre assuntos a fins. C) Aonde está meu livro? D) Encontramo-nos a muitos anos atrás. 35. A alternativa em que o adjetivo está corretamente flexionado é: A) Mercúrio é mais pequeno que a Terra. B) O Concord é mais grande que um Fokker 100. C) Ela é lindésima. D) A peça de teatro a que assisti era chatérrima. 36. Indica situação futura o verbo grifado na alternativa: A) Iria, se amanhã não houvesse previsão de chuva. B) Faço porque gosto. C) Faço isso depois. D) Assim que chegasse a correspondência, eu leria e enviaria ao diretor. 37. Assinale a alternativa em que o pronome grifado está incorretamente utilizado. A) Quando me falou a respeito do assunto, não acreditei. B) Vossa Excelência podeis entrar. C) Ser-me-ía muito fácil fazer isso para você. D) Ele iria salvar-se de qualquer maneira. 38. Leia com atenção as orações abaixo. 1. Não preste atenção nisso. 2. Dei o presente à ela. Sobre elas, é correto afirmar que: A) 1 está correta em relação à regência nominal e 2 está correta em relação ao fenômeno crase. B) 1 está correta em relação à regência nominal e 2 está incorreta em relação ao fenômeno crase. C) 1 está incorreta em relação à regência nominal e 2 está correta em relação ao fenômeno crase. D) 1 está incorreta em relação à regência nominal e 2 está incorreta em relação ao fenômeno crase. 6

7 39. Assinale a alternativa em que haja erro de concordância verbal ou nominal. A) Seguem anexos os documentos. B) Os brasileiros gostamos muito de samba. C) Hoje são 17 de setembro. D) Proibido a entrada sem camisa. 40. Assinale a alternativa em que o hífen está mal empregado: A) super-estimado. B) anti-ruído. C) contra-espionagem. D) mal-acabado. 41. Leia com atenção as orações abaixo. 1. Os rapazes foram guiados pelo mais velho da turma. 2. O Brasil, o país do futuro, é o país do carnaval. Os termos grifados nelas são: A) 1. objeto indireto; 2. aposto. B) 1. agente da passiva; 2. vocativo. C) 1. agente da passiva; 2. aposto. D) 1. objeto indireto; 2. vocativo. 42. O antônimo de contestar é: A) reivindicar. B) exigir. C) reiterar. D) admitir. 43. O sinônimo de coibir é: A) punir. B) permitir. C) impedir. D) praticar. 44. Assinale a alternativa em que o termo grifado está correto. A) O réu foi discriminado pelo juiz e, portanto, saiu livre. B) Ele estava novamente a divagar. C) Ele tentou de tudo, mais não deu nada certo. D) Os meninos do acampamento ascenderam a fogueira. 45. Faz duas horas, que cheguei ao trabalho, mas, só comecei a trabalhar há poucos minutos. Com relação à pontuação da oração acima é correto afirmar que: A) está incorreta a vírgula depois de mas, apenas. B) está incorreta a vírgula depois de trabalho, apenas. C) estão incorretas as vírgulas depois de horas e de mas. D) está incorreta a vírgula depois de horas, apenas. 7

8 46. Observe a faixa formada pela construção lógica de figuras: A alternativa cuja construção lógica completa a faixa é: 47. A negação de: José é corintiano ou vascaíno, é: A) José não é corintiano ou José não é vascaíno. B) José é corintiano e José não é vascaíno. C) José não é corintiano e José não é vascaíno. D) José é corintiano ou José não é vascaíno. 48. Considere a sentença: Se segunda-feira for feriado então irei ao teatro. E as afirmações: I. Segunda-feira foi feriado e fui ao teatro. II. Segunda-feira não fui ao teatro e não foi feriado. III. Segunda-feira não fui ao teatro e foi feriado. IV. Segunda-feira não foi feriado e posso ir ou não ao teatro. Então podemos afirmar que são verdadeiras: A) I, II e III, apenas. B) I e IV, apenas. C) I, apenas. D) I, II e IV, apenas. 8

9 49. André, Benedito e Carlos, jogavam pingue-pongue e quebraram um objeto de estimação de seu pai, que, ao perguntar quem foi, recebeu as respostas: - Fui eu, disse Benedito. - Foi Carlos, disse André. - Foi Benedito, disse Carlos. O pai sabe que Benedito está mentindo e que somente um dos três diz a verdade, então: A) Carlos quebrou o objeto e está mentindo. B) Carlos não está mentindo e Benedito quebrou o objeto. C) Benedito diz a verdade e quebrou o objeto. D) André está mentindo e quebrou o objeto. 50. Sandra, Carlos, Beatriz e André moram não necessariamente nesta ordem em uma mesma rua. Sabe-se que: André mora entre Beatriz e Carlos. E Beatriz mora entre Carlos e Sandra. Logo: A) Beatriz mora entre André e Carlos. B) Sandra mora entre Carlos e André. C) Beatriz mora entre Sandra e André. D) Carlos mora entre Sandra e Beatriz. 9

Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos)

Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos) EMPRESA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO PRODAM/SP S.A SELEÇÃO PÚBLICA Nº 001/2007 Cód. 40 Analista de TIC III (Projetos) 1. Em uma organização orientada a projetos,

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Prof. Celia Corigliano. Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof. Celia Corigliano Unidade II GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR

SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR SISTEMA DE SENSIBILIZAÇÃO, PROSPECÇÃO E QUALIFICAÇÃO: PROPOSIÇÃO DE UM CONJUNTO DE ELEMENTOS PARA GUIAR AÇÕES DE MELHORIAS EM UMA INCUBADORA POTIGUAR RESUMO Maria Luiza Azevedo de Carvalho Anderson Paiva

Leia mais

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.2 2 ESCOPO 3 1 Gerência do Escopo Processos necessários

Leia mais

O que é, e para que serve o Cronograma:

O que é, e para que serve o Cronograma: O que é, e para que serve o Cronograma: O cronograma é um instrumento de planejamento e controle semelhante a um diagrama em que são definidas e detalhadas minuciosamente as atividades a serem executadas

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Redação um de texto dissertativo, de ate 30 linhas, a respeito de um tema relacionado aos conhecimentos específicos dos respectivos cargos

Redação um de texto dissertativo, de ate 30 linhas, a respeito de um tema relacionado aos conhecimentos específicos dos respectivos cargos MPOG - Cargo: Analista de Tecnologia da Informação 2015 Inscrições Data: 16/06/2015 a 06/07/2015 Observação:Via GRU Confirmação de Inscrição: Até dia 29/07/2015. Provas Data de aplicação: 30 de agosto

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012

Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 Maratona CBOK Brasília, 23 de outubro de 2012 BPM CBOK Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócios Corpo Comum de Conhecimento Modelagem de Processos de Negócios Modelagem de processos Análise de

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I BPMN I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br 1 + Processo de Negócio 2 n Coleção de atividades relacionadas e estruturadas que produzem um serviço ou produto específico.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

SOA Service Oriented Architecture. Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com

SOA Service Oriented Architecture. Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com SOA Service Oriented Architecture Fabiano Oss fabiano.oss@gmail.com 1 Roteiro SOA Serviços Tecnologias para o desenvolvimento de serviços Modelagem de Negócios 2 O que é SOA É uma arquitetura de desenvolvimento

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas. Aprimorando o Gerenciamento de Projetos com Mapeamento de Processos

Título do Slide Máximo de 2 linhas. Aprimorando o Gerenciamento de Projetos com Mapeamento de Processos Título do Slide Aprimorando o Gerenciamento de Projetos com Mapeamento de Processos Título Palestrante do Slide Renato Borges de Souza Diretor de Comunicação PMI AM, Chefe da Divisão de Produtos e Negócios

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Douglas Donizeti de Castilho Braz

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS. Douglas Donizeti de Castilho Braz UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Douglas Donizeti de Castilho Braz DEFINIÇÃO DE UM PROCESSO DE MODELAGEM DE NEGÓCIO PARA A FÁBRICA DE SOFTWARE

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

Uma extensão do BPMN para modelagem de Processos de Desenvolvimento de Software: BPMNt

Uma extensão do BPMN para modelagem de Processos de Desenvolvimento de Software: BPMNt Uma extensão do BPMN para modelagem de Processos de Desenvolvimento de Software: BPMNt Fabio L. Fonseca 1, Toacy C. Oliveira 1, Eliana B. Pereira 2 1 PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Programa 1. Conceitos básicos do PMBOK. 2. Gerenciamento do ciclo de vida do sistema: determinação dos requisitos, projeto

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

Guia BABOK 2.0 em Português. Projeto de Tradução. Visão Geral do Guia BABOK

Guia BABOK 2.0 em Português. Projeto de Tradução. Visão Geral do Guia BABOK Guia BABOK 2.0 em Português Projeto de Tradução Visão Geral do Guia BABOK Projeto de tradução do BABOK Projeto de voluntários do IIBA Capítulo SP 2009, 2010 e 2011 A equipe Tradutores: Claudio Kerber Flávio

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

MÉTRICAS DE SOFTWARE

MÉTRICAS DE SOFTWARE MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 Motivação Um dos objetivos básicos da Engenharia de Software é transformar o desenvolvimento de sistemas de software, partindo de uma abordagem artística e indisciplinada, para alcançar

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO AMAPÁ- SEBRAE/AP PROCESSO SELETIVO N O 001/2008 RETIFICAÇÃO Nº. 01 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 3º TRIMESTRE NOVEMBRO/2013 TURMA 311. Professora Grace

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 3º TRIMESTRE NOVEMBRO/2013 TURMA 311. Professora Grace TURMA 311 Professora Grace 01 Artes: Projeto Boa Alimentação. 02 03 04 05 06 07 08 Matemática: Leitura de gráficos e calendário dia, semana, mês e ano. 09 10 11 12 13 14 Prova de Natureza e Sociedade:

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

Palavras-chaves: VoIP, UML, Modelagem de Negócios

Palavras-chaves: VoIP, UML, Modelagem de Negócios XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12

W Projeto. Gerenciamento. Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 W Projeto BS Construindo a WBS e gerando o Cronograma. Gerenciamento Autor: Antonio Augusto Camargos, PMP 1/12 Índice Remissivo Resumo...3 1. Introdução...3 2. Conceituando a WBS (Work Breakdown Structure/Estrutura

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula!

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! Bete Masini A pontuação é, sem dúvida, um dos principais elementos coesivos do nosso texto. Certamente, não podemos crer no que muitos já falaram (e ainda falam):

Leia mais

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn.

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn. Professor Jailton Adjunto adnominal é o termo da oração que sempre se refere a um substantivo que funciona como núcleo de um termo, a fim de determiná-lo, indeterminá-lo ou caracterizá-lo. adj. adn. adj.

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br BPMN Business Process Modeling Notation Outubro/2006 Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br 1 Agenda Introdução História Especificação Swinlanes Atividades Eventos Gateways

Leia mais

UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação

UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação UML Aula III Diagramas de Estado, Atividades, Componentes e Instalação Ricardo Argenton Ramos Engenharia de Software II 2013.1 Diagrama de Estado Um diagrama de estados (statechart), também conhecido por

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 As 10 áreas de Conhecimento 2 INTEGRAÇÃO 3 Gerência da Integração Processos necessários

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Tópicos Especiais em Engenharia de Software

Tópicos Especiais em Engenharia de Software Tópicos Especiais em Engenharia de Software andre@faccamp.br Ian Sommerville 2000 - Software Engineering, 6th edition Slide 1 Tópicos Especiais em Engenharia de Software Gerenciamento de Projeto de Software

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer 1 O QUE REALMENTE MUDOU??? 2 1 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 2 CENÁRIO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Profª.: Elysângela Neves

Profª.: Elysângela Neves Profª.: Elysângela Neves Regência É a relação sintática que se estabelece entre um termo regente ou subordinante (que exige outro) e o termo regido ou subordinado (termo regido pelo primeiro) A regência

Leia mais

Estude com questões comentadas do Banco do Brasil

Estude com questões comentadas do Banco do Brasil Estude com questões comentadas do Banco do Brasil LÍNGUA PORTUGUESA 1. Ao mesmo tempo que se observa na mídia um grande número de matérias atinentes às Cortes de Justiça, às reformas na legislação (...)

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

Análise e projeto de sistemas PROF. REGILAN SILVA

Análise e projeto de sistemas PROF. REGILAN SILVA Análise e projeto de sistemas PROF. REGILAN SILVA Apresentação da disciplina Ver ementa... Solução Técnicas para identificação e detalhamento de requisitos Técnicas para modelagem de sistemas Definir

Leia mais

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL

Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL Professor Jailton CONCORDÂNCIA VERBAL CONCORDÂNCIA VERBAL Regra geral O verbo e seu sujeito deverão concordar em número e pessoa: Eu Tu Ele Os alunos sujeito cheguei. chegaste. chegou. chegaram. verbo

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais