INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS"

Transcrição

1 INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS Thaísa Siqueira Modesto Gonçalves Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida Mário Augusto Paschoal Função Autonômica Cardíaca e Atividade Física na Saúde e na Doença Centro de Ciências da Vida RESUMO: Há muitas maneiras de se avaliar a capacidade funcional cardiorrespiratória (CFCR). Uma das mais estudadas nos últimos anos, principalmente para se testar sua eficácia e aplicabilidade, é a análise do limiar de variabilidade da frequência cardíaca (LiVFC). Esse método tem ganhado relevância, pois além de não ser invasivo, tem baixo custo. No entanto, ele ainda não foi usado com o objetivo de determinar possíveis alterações da CFCR decorrente de programa de treinamento aeróbio (TA) de curta duração. Objetivo: Empregar o método de LiVFC em jovens sedentários saudáveis com a intenção de testar sua eficiência em revelar possíveis melhorias da CFCR destes indivíduos após serem submetidos a um treinamento aeróbio (TA) de curta duração.método: Estudo prospectivo longitudinal aplicado em 18 jovens sedentárias saudáveis, com idades entre 18 e 25 anos. As voluntárias foram submetidas a um protocolo de esforço máximo (PEM), feito em esteira rolante, sem inclinação, e com velocidade inicial de 4,0Km/h e acréscimos de 1,0Km/h/min, até atingir a exaustão. Para a análise do LiVFC, os batimentos cardíacos foram registrados durante o PEM e foram enviados a um computador por meio de uma interface de sinais infravermelhos e foi considerado o momento do LiVFC quando o indice SD1 atingiu o valor de 3ms. O TA foi composto por 12 sessões de 40 min (20min em esteira e 20min em cicloergômetro) e com intensidade relativa a uma FC equivalente a 65% da FC max obtida no PEM. Após o TA o PEM foi repetido e os dados obtidos no momento do LiVFC, pré e pós TA, foram comparados por meio do teste de Mann-Whitney, com significância p<0,05. Resultados: Os resultados, em medianas, estudados no momento do LiVFC, revelaram significativas diferenças, sendo: FC (bpm) 141bpm pré-ta e 149bpm pós TA (p=0,05); VO 2 (ml/kg/min) pré TA = 13,4 e pós TA = 30,0 (p<0,05); velocidade da esteira (km/h) pré TA= 6,0 e pós-ta = 8,0 com p<0,05. Conclusão: A aplicação de um programa de TA de curta duração, mostrou-se efetiva na melhoria da CFCR dos voluntários estudados. Palavras-chave: teste de esforço, sedentarismo, exercício Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Fisioterapia e Terapia Ocupacional. 1. INTRODUÇÃO Modificações contínuas dos impulsos simpáticos e parassimpáticos resultam em alterações na FC e a análise dessas oscilações é conhecida como variabilidade da frequência cardíaca (VFC). Essa ferramenta de investigação do sistema nervoso autônomo (SNA), atuando sobre o coração permite, portanto, a interpretação das variações instantâneas da frequência cardíaca (FC) e dos intervalos R-R (batimento a batimento) decorrentes do tônus simpático e parassimpático atuantes no controle da função cardíaca [1,2,3]. Recentemente, surgiu outra possibilidade do emprego da VFC, não apenas em condições controladas de repouso, mas como um meio de detecção do limiar anaeróbio durante esforço físico. O limiar anaeróbio (LA) se trata de um parâmetro fisiológico extremamente importante, obtido durante o exercício dinâmico progressivo ou incremental que permite definir em que momento do esforço o metabolismo anaeróbio começa a suplementar o metabolismo aeróbio como fonte de energia para os músculos em trabalho [4-8]. Desta forma, o LA distingue dois estados fisiológicos durante o exercício, ou seja, um abaixo do LA, no qual as respostas cardiorrespiratórias são estáveis e a oferta e o consumo de oxigênio (VO 2 ) estão equilibrados, e o outro, acima do LA, no qual as reações orgânicas não são equilibradas, portanto as variáveis cardiorrespiratórias são instáveis [7,8]. Há várias maneiras de se identificar o LA, desde a- quelas que necessitam de material sofisticado e caro, como é a determinação do limiar anaeróbio pelo mé-

2 todo ventilatório (que emprega aparelhos de ergoespirometria)[4,5,7,9] como outras menos complexas e menos dispendiosas, porém empregando métodos invasivos de dosagem de lactato e/ou bicarbonato plasmático presente no sangue [8,10]. Estudos mais recentes, como os de Fronchetti et al [11] apud Lima e Kiss [12] utilizando o índice SD1 (desvio padrão dos intervalos R-R instantâneos) da plotagem de Poincaré, da análise da variabilidade da frequência cardíaca (VFC) mostraram que há possibilidade de identificação do LA de VFC (LiVFC) que corresponderia à intensidade de trabalho físico que resultaria em aumento de FC cujo índice SD1 atingiria o valor de 3ms da curva de decréscimo da VFC em função da intensidade de um teste incremental. Dados obtidos durante a realização de testes incrementais de esforço, comparando o LiVFC com o LA ventilatório [13] e também com o limiar de lactato [12], mostraram altos índices de correlação e reforçaram a hipótese de que o LiVFC poderia ser uma das formas confiáveis para a determinação do LA. Sendo assim, o LiVFC pode ser considerado um indicador da capacidade aeróbia e, portanto, ser utilizado como parâmetro fisiológico para prescrição de exercício e treinamento físico. No entanto, por ser o LiVFC uma metodologia ainda recente, não se encontra na literatura sua aplicação como forma de avaliação da CFCR após curto programa de treinamento aeróbio (TA). Os estudos que se preocupam em avaliar modificações estruturais e funcionais no organismo humano, em decorrência da prática de exercícios físicos, geralmente são superiores a dois meses de treinamento. Desta forma, dificultam a aderência[14] de pessoas interessadas e que necessitam apresentar melhoria desses sistemas orgânicos, tanto voltadas à prevenção primária como para a prevenção secundária de disfunções cardiovasculares [15,16,17,18]. 2. OBJETIVO Empregar o método de LiVFC em jovens sedentários saudáveis com a intenção de testar sua eficiência em revelar possíveis melhorias da CFCR destes indivíduos após serem submetidos a um treinamento aeróbio (TA) de curta duração. 3. MÉTODO O presente estudo, considerado de caráter prospectivo e longitudinal, foi devidamente aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo seres humanos da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, constando no protocolo nº757/ Critérios de Seleção Indivíduos com idade de 18 a 25 anos, saudáveis, com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 18 e 30, para não interferir nas sessões de treinamento. Também serem sedentários, ou seja, não terem realizado atividades físicas regulares, no tempo mínimo de seis meses antes da coleta inicial de dados. Além disso, não apresentarem problemas cardiorrespiratórios, ortopédicos e neurológicos e nem estarem utilizando medicamentos que interferissem nos dados a serem analisados. Também não serem fumantes, gestantes ou realizarem a ingestão de bebida alcoólica com frequência maior que uma vez por semana e a ingestão de café, chá, chocolate ou refrigerante do tipo cola, antes da sessão. Por fim, assinarem o termo de consentimento livre e esclarecido pós-informado Amostra Foram selecionados 18 voluntários, todos do sexo feminino de modo não intencional, alunos do Centro de Ciências da Vida da Pontifícia Universidade Católica de Campinas PUC-Campinas Avaliação Antropométrica Primeiramente, foi realizada a medição de peso e estatura para possibilitar o cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC). Assim, os voluntários foram posicionados sobre uma balança mecânica Filizola précalibrada, contendo unidades de 100 gramas, para obtenção do peso corporal. Neste mesmo aparelho, por meio de uma haste metálica com valor escalar unitário em centímetros (cm) foi colhido a estatura. Posteriormente, foi feito o registro de perímetros dos segmentos corporais (braço, antebraço, coxa, perna, abdome, cintura e quadril) por meio de uma fita antropométrica flexível. As variáveis dos perímetros da cintura e quadril foram empregadas para efetuar o cálculo do índice cintura-quadril Avaliação Clínica Envolveu a coleta dos dados vitais e a constatação da condição cardiopulmonar. Portanto, a FC foi verificada por meio do método palpatório do pulso radial e a PA foi constatada na posição sentada, utilizando um esfigmomanômetro padrão de coluna de mercúrio Wan Med calibrado e um estetoscópio Littman Classic II. A partir deste, foram feitas as auscultas cardíaca e pulmonar, segundo técnicas amplamente descritas na literatura Protocolo de Esforço Máximo Empregado Antes e Após o Programa de Treinamento Aeróbio Nos dias em que foram coletadas as informações

3 para o presente estudo, era comprovado se cada voluntário havia cumprido com orientações prévias de não ingerir café, chá, refrigerante de cola, guaraná e chocolate e ter tido uma boa noite de sono, no dia do registro. O protocolo foi desenvolvido em uma esteira rolante Super ATL Inbrasport, (Porto Alegre, Brasil) sem inclinação e com velocidade inicial de 4,0km/h mantida por dois minutos para todos os voluntários a fim de promover adaptação ao esforço físico. Após esse tempo, a cada 1min, a velocidade era modificada com acréscimo de 1,0km/h até atingir a exaustão do voluntário. Além disso, o protocolo de esforço contínuo crescente é sintoma limitado, ou seja, o teste foi prontamente interrompido quando houve sinais de fadiga ou incapacidade de continuar o esforço. Finalizado o teste, a velocidade da esteira foi reduzida progressivamente durante 2 minutos para evitar a brusca interrupção do mesmo e dar o tempo suficiente para a adequada recuperação das funções cardiorrespiratórias e metabólicas da voluntária. Após isso, ela foi conduzida a uma cadeira onde se sentou e recebeu água, se assim desejasse. Durante a avaliação de esforço, todos os batimentos cardíacos foram registrados com o uso de um cardiofrequencímetro Polar S180, com o intuito de, posteriormente, ser calculada a intensidade de esforço que seria empregada durante o treinamento. Esta correspondeu ao valor de FC equivalente a 65% da FC máx obtida no referido teste 12. O cardiofrequencímetro foi colocado sobre a região do precórdio dos voluntários.posteriormente, os batimentos cardíacos registrados foram enviados a um computador por meio de uma interface, que permitiu através do software Polar Precision Performance (Kempele, Finlândia), a representação em gráfico dos intervalos R-R (irr) normais referentes ao protocolo de esforço Metodologia para detecção do Limiar Anaeróbio de Variabilidade da Frequência Cardíaca (LiVFC). Cabe ressaltar que em relação ao estudo da função autonômica cardíaca conduzido pela análise da VFC, é importante ressaltar que o índice irr (ms) expressa o valor de FC modulado pelos eferentes vago e simpático, e quanto maior o irr menor será a FC e vice-versa [3,19,20]. Portanto, com relação a esse índice (irr), eles foram registrados durante a realização do protocolo de esforço, sendo que os eventuais artefatos foram eliminados por meio da inspeção visual dos dados e pela seleção de um filtro muito alto ( very high ) opção essa existente no próprio software. Para a detecção do LiVFC, padronizou-se a análise dividindo-a em intervalos minuto a minuto de todo o registro da FC obtido durante o teste. Desta forma, a cada minuto do protocolo de esforço avaliou-se o valor de SD1 até se atingir o valor de 3ms, relativo ao momento do LiVFC. Portanto, a primeira intensidade de exercício na qual o SD1 tivesse alcançado um valor igual a 3 ms foi considerada a intensidade responsável pelo surgimento do LiVFC Treinamento aeróbio (TA) O TA foi constituído de 12 sessões, com 40min de duração, sendo 20min de exercício na esteira rolante Super ATL Inbrasport (Porto Alegre, Brasil) e 20min em uma bicicleta Johnson JPB 5100 (Xangai, China). Foi realizado três vezes por semana em dias intercalados. A intensidade foi descrita acima e o controle da mesma durante as sessões foi feito pela manutenção da FC dentro de uma zona alvo com 5bpm acima e 5bpm abaixo do valor de FC preestabelecido Análise dos Dados e Abordagem estatística Os dados relativos aos valores antropométricos e clínicos estão apresentados em médias e desvios padrão, apenas para caracterizar a amostra estudada. Os dados obtidos no momento do LiVFC estão apresentados tanto descritivamente como por meio de boxplots. Nesses últimos, os valores apresentados são de medianas, 1 e 3 quartis e valores extremos, sendo a significância estatística (p< ou =0,05) analisada pelo teste de Mann-Whitney, escolhido pelo fato de os dados não apresentarem característica de distribuição normal. 4. RESULTADOS Os dados das avaliações antropométricas e clínicas e dos perímetros dos segmentos corporais, das 18 voluntárias se encontram na tabela I e II, respectivamente. Os resultados, em medianas, estudados no momento do LiVFC, revelaram significativas diferenças, sendo: FC(bpm) 141bpm pré-ta e 149bpm pós TA (p=0,05); VO 2 (ml/kg/min) pré-ta=13,4 e pós-ta= 30,0 (p<0,05); velocidade da esteira (km/h) pré-ta= 6,0 e pós-ta= 8,0 com p<0,05.

4 Tabela I. Valores de médias e desvios padrões das idades e dos dados antropométricos e clínicos dos voluntários Variáveis Jovens Sedentários Saudáveis (n=18) Peso (Kg) 57,2 ± 7,5 Altura (cm) 1,61 ± 0,05 IMC (Kg/m²) 22,9 ± 2,8 PAS repouso (mmhg) 108,8 ± 10,7 PAD repouso (mmhg) 74,4 ± 10,9 FC repouso (bpm) 74,5 ± 8,4 IMC = índice de massa corporal; PAS = pressão arterial sistólica; PAD = pressão arterial diastólica; FC =frequência cardíaca. VO2(ml/kg/min) pré TA pós TA Figura II. Valores medianos da VO 2 (ml/o 2/min) no momento do LiVFC Pré e Pós- Treinamento Aeróbio. Os dados estão apresentados em forma de boxplots, que representam os valores de medianas, 1 0 e 3 0 quartis e valores extremos. Tabela II. Valores de médias e desvios padrões dos perímetros dos segmentos corporais e do índice cintura-quadril Variáveis Jovens Sedentários Saudáveis (n=18) Braço (cm) 26,3 ± 2,5 Antebraço (cm) 22,5 ± 1,7 Coxa (cm) 52,6 ± 4,9 Perna (cm) 35,0 ± 2,9 Abdome (cm) 79,0 ± 7,6 km/h vel. PRÉ vel. PÓS FC (bpm) FC média PRÉ FC média PÓS Figura I.Valores medianos, 1º e 3º quartis e valores extremos da frequência cardíaca (FC) média referente ao Pré e Pós- Treinamento Aeróbio. Figura III. Valores medianos da Velocidade no momento do LA, Pré e Pós- Treinamento Aeróbio. Os dados estão apresentados em forma de boxplots, que representam os valores de medianas, 1 0 e 3 0 quartis e valores extremos. 5. DISCUSSÃO A análise da tabela I mostra que os voluntários se adequaram ao critério previamente proposto, o qual foi de estudar jovens, na faixa etária dos 18 aos 25 anos, sedentários e saudáveis. Quanto aos valores da altura e peso, que promoveram o cálculo do IMC, nota-se que não há variação expressiva e que esta faixa de valor do índice é considerada normal, não ocasionando interferências no estudo [16]. Também, é evidente que os valores médios de PA sistólica, PA diastólica e FC de repouso estão de acordo com os padrões de normalidade [21]. Sobre os valores dos perímetros dos segmentos corporais e do índice cintura-quadril (tabela II), verificase que estão de acordo com os parâmetros normais

5 para as mulheres estudadas [22,23]. Esta análise, associada com o valor do IMC, serviu como um parâmetro a mais para confirmar se as voluntárias eram saudáveis. Com relação aos valores de FC mínima, média e máxima obtidos no momento do limiar de variabilidade da frequência cardíaca (LiVFC) Pré e Pós-TA, pode-se observar que após o TA houve elevação nos valores. Ou seja, os valores mínimos de FC encontrados no momento do LiVFC após o TA aumentaram em 14,5 bpm, enquanto que os médios elevaram-se 14,0 bpm e os maiores valores aumentaram 14,3 bpm. Esses dados tiveram reflexos sobre a análise estatística inferencial que revelou um valor de p=0,05 (Figura I) na comparação entre os dados de FC no LiVFC Pré e Pós- TA. Segundo Alonso et al [24] e Yamamoto e col [25,26], a FC aumenta progressivamente até o pico do exercício, enquanto a VFC é reduzida até o limiar de lactato, a partir do qual, mantém-se inalterada até o fim do exercício, o que evidencia que a diminuição da VFC ocorre durante a fase do exercício em que predomina o metabolismo aeróbio e é dependente, da retirada vagal, ao passo que nos estágios subsequentes a elevação da FC se deve a intensificação da atividade simpática. Desta forma, se os valores de FC no LiVFC se mostram mais elevados após o TA isso significa que houve ampliação da capacidade aeróbia o que pode ser confirmado pela análise dos demais dados do presente estudo. O que se constatou, portanto, com relação aos valores de FC analisados, é que mesmo num curto período de treinamento houve ampliação dos valores dessa variável no LiVFC, revelando que para uma população jovem sedentária mesmo o treinamento sendo feito em intensidade moderada e num pequeno período já há ampliação dos valores desse importante parâmetro que reflete a capacidade funcional cardiorrespiratória. E, na análise da figura III, identifica-se um significativo aumento na velocidade média alcançada pelas voluntárias após o TA. Esta foi de +1,2 Km/h na medição Pós Treinamento em relação a que foi feita no Pré Treinamento e, indiretamente, revela melhoria da eficiência do sistema cardiorrespiratório que passou a utilizar a suplementação anaeróbia em intensidade maior de esforço após o período de TA [11,27,28]. Obviamente essa elevação na velocidade média influenciou nos valores da FC no LiVFC, como foi comentado e esses dados estão diretamente intrincados aos dos valores de VO 2 mostrados na figura II. Eles também se modificaram significativamente com o TA, mostrando que a capacidade em captar o oxigênio para atender à demanda muscular sofreu expressiva elevação, contribuindo para melhorar, além da eficiência da musculatura esquelética, também a função cardíaca, retratada pela elevação da FC no momento do LiVFC [13,29,30,31]. A partir desses resultados, constatou-se que pessoas sedentárias saudáveis, mesmo que submetidas a curto programa de TA de intensidade moderada, a- presentam ampliação de suas capacidades físicas documentadas no momento do LiVFC. O aumento dos valores de parâmetros como FC e VO 2 é essencial para confirmação de que houve ampliação da capacidade funcional cardiorrespiratória. Da mesma forma, o outro objetivo do estudo que era o de constatar se a análise do LiVFC poderia ser utilizada como parâmetro de avaliação dessa melhoria da CFCR, os resultados sugerem que sim e que, possivelmente, pode vir a ser um parâmetro fisiológico de grande utilidade na área clínica de reabilitação cardíaca, uma vez que a prática de exercício físico em intensidades até o primeiro LiVFC fornece maior segurança ao portador de patologias cardiorrespiratórias. Para o terapeuta o emprego do LiVFC é útil para o controle da evolução do tratamento, pois ao se fazer os testes nos pacientes empregando esse método, pode interpretar as possíveis modificações da CFCR e também, da modulação autonômica cardíaca durante o exercício físico, além de ser importante para mudanças de prescrição de esforço adequando-o a uma nova condição física apresentada pelo paciente. 7. CONCLUSÃO Com base no exposto, o estudo concluiu que emprego do método do LiVFC pode revelar alterações na CFCR dos voluntários sedentários saudáveis após um de treinamento aeróbio de intensidade moderada e curta duração (12 sessões) e que seria muito útil para ser aplicado nessas mesmas condições a sedentários e/ou portadores de doença cardiorrespiratória. AGRADECIMENTO À PUC-Campinas pela bolsa FAPIC-Reitoria. REFERÊNCIAS [1] Bootsma, M.; Swenne, C. A.; Van Bolhuis, H.H.; Chang, P.C.;CATS, V.M.; Bruschke, A.V. Heart rate and heart rate variability as124 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 15, n. 2, p , 2007 indexes of sympathovagal balance. Am. J. Physiol., p. H1565- H1571,1994.

6 [2] Hautala, A. Effect of physical exercise on autonomic regulation of heart rate Academic Dissertation (Faculty of Medicine) -University of Oulu, Finland. [3] Task Force of the European Society of Cardiology and the North American Society of Pacing and Electrophysiology. Heart Rate Variability Standards of Measurement, Physiological Interpretation, and Clinical Use. Circulation 1996; 93(5): [4] Wasserman K, McIlroy MB. Detecting the threshold of anaerobic metabolism in cardiac patients during exercise. Am J Cardiol 1964;14: [5] Wasserman K, Whipp BJ; Koyal SN, Beaver WL. Anaerobic threshold and respiratory gas exchange during exercise. J Appl Physiol. 1973; 35: [6] Davis JA. Anaerobic threshold: review of concept and directions for future research. Med Sci Sports Exerc 1985;17:6-18. [7] Wasserman K, Beaver WL, Whipp BJ. Gas exchange theory and the lactic acidosis (anaerobic) threshold. Circulation 1990 (supplii); 81(1): [8] Brooks GA. Current concepts in lactate exchange. Med Sci Sports Exerc 1991; 23(8): [9] Wasserman K. Principles of exercise testing & interpretation: including pathophysiology and clinical applicatons. 3 a ed. Philadelphia:Lippincott Williams & Wilkins, p. [10] Yeh MP et al. Anaerobic threshold: problems of determinations and validation. J Appl Physiol: Resp Environ Exerc Physiol. 1983; 55(4): [11] Fronchetti L, Nakamura FY, Aguiar CA, De-Oliveira FR. Regulação autonômica em repouso e durante e- xercício progressivo Aplicação do limiar de variabilidade da freqüência cardíaca. Rev Port Ciên Desp. 2006; 6(1): [12] Lima JRP, Kiss MAPDA. Limiar de variabilidade da freqüência cardíaca. Rev Bras Ativ Fis Saúde 1999; 4(1): [13] Brunetto BC, Nakamura FY, Hirai DM, Roseguini BT, Brunetto AF. Comparação do limiar de variabilidade da freqüência cardíaca com o limiar ventilatório em indivíduos adultos saudáveis. In:XXVII Simpósio Internacional de Ciências do Esporte. Edição especial da Revista Brasileira de Ciência e Movimento. São Caetano do Sul: Celafiscs, 40. [14] Pollock ML. Prescribing exercise for fitness and adherence. In: Dishman RK, ed. Exercise Adherence. Champaign, 111: Human Kinetics Publishers; 1988: [15] Thompson PD, Buchner D, Piña IL, Balady GJ, Williams MA et at. Exercise and physical activity in the prevention and treatment of atherosclerotic cardiovascular disease: a statement from the council on clinical cardiology (subcommittee on exercise, rehabilitation, and prevention) and the council on nutrition, physical activity, and metabolism (subcommittee on physical activity). Circulation 2003; 107; [16] Blair SN, Jackson AS, Physical fitness and activity as separate heart disease risk factors: a meta anlysis. Med Sci Sports Exerc. 2001;33: [17] Powell KE, Thompson PD, Caspersen CJ et al. Physical activity and the incidence of coronary heart disease. Annu Rev Publ Health, 1987;8: [18] Ekelund LG, Haskell WL, Johnson JL, Wholey FS, Criqui MH, Sheps DS. Physical fitness as a prevention of cardiovascular mortality in asymptomatic. [19] Rassi Jr. A. Compreendendo melhor as medidas de análise da variabilidade da frequência cardíaca. J Diag Cardiol. 8 ed., [20] Niskanen JP, Tarvainen MP, Ranta-Aho PO, Karjalainen PA. Software for advanced HRV analysis. Comput Methods Programs Biomed. 2004;76(1): [21] Guyton, A.C., Hall, J.E. (2006), Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed., Elsevier. [22] Keenan, M., et.al. (1992), Distribution and correlates of waist-to-hip ratio in black adults: The Pitt County Study, Am J Epidemiol, vol. 135, p [23] Lean, M.E.J., et.al. (1995), Waist circumference as a measure for indicating need for weight management, BMJ, vol. 311, n. 6998, p [24] Alonso DO, Forjaz CLM, Rezende LO, Braga AA, Barreto ACP, Negrão, et al. Comportamento da frequência cardíaca e da sua variabilidade durante as diferentes fases do exercício físico progressivo máximo. Arq Bras Cardiol. 1998; 71(6): [25] Yamamoto Y, Hughson RL, Peterson JC - Autonomic control of heart rate during exercise studied by heart rate variability spectral analysis. J Appl Physiol 1991; 71: [26] Yamamoto Y, Hughson RL, Nakamura Y - Autonomic nervous system responses to exercise in relation to ventilatory threshold. Chest 1992; 101(suppl): [27] Ribeiro JP, Yang J, Adams RP, Kuka B, Knuttgen HG. Effect of different incremental exercise protocols on the determination of lactate and ventilatory threshold. Braz J Med Biol Res 1986; 19: [28] Conconi, F; Ferrari, M; Ziglio P. G.; Droghetti, P. & Codega, L. Determination of the anaerobic threshold by noinvasive field test in runners. J. Appl. Physiol. v.22, n. 4, p , [29] Öri Z, Monir G, Weiss J, Sayhouni X, Singer DH. Heart rate variability. Frequency domain analysis. Cardiol Clin 1992;10: [30] Anosov O, Patzak A, Kononovich Y, Persson PB. High-frequency oscillations of the heart rate during ramp load reflect the human anaerobic threshold. Eur J Appl Physiol 2000;83: [31] Cottin F, Médigue C, Leprêtre PM, Papelier Y, Koralsztein JP, Billat V. Heart rate variability during exercise performed below and above ventilatory threshold. Med Sci Sports Exerc 2004;36:

TREINAMENTO E VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA

TREINAMENTO E VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA TREINAMENTO E VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA 69 Influências de um curto programa de treinamento aeróbio sobre o valor do limiar de variabilidade da frequência cardíaca em mulheres sedentárias saudáveis

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO Alexandra Gomes Jesus Prestes, Marcelo Ricardo de Souza de Oliveira, Rodrigo Alexis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

MODIFICAÇÕES DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FRENTE AO EXERCÍCIO E TREINAMENTO FÍSICO

MODIFICAÇÕES DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FRENTE AO EXERCÍCIO E TREINAMENTO FÍSICO ARTIGO MODIFICAÇÕES DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FRENTE AO EXERCÍCIO E TREINAMENTO FÍSICO Lenise Fronchetti 1, 2 César A. de Aguiar 2 Andreo F. Aguiar 2 Fábio Y. Nakamura 2 Fernando R. De-Oliveira

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

Arq Sanny Pesq Saúde 1(1):72-82, 2008

Arq Sanny Pesq Saúde 1(1):72-82, 2008 Arq Sanny Pesq Saúde 1(1):72-82, 2008 Artigo de Revisão Variabilidade da frequência cardíaca e controle metabólico. Lucieli Teresa Cambri 1, Lenise Fronchetti 2, Fernando Roberto De-Oliveira 3, Monique

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica 106 EFEITOS CARDIORRESPIRATÓRIOS E HEMODINÂMICOS APÓS 12 MESES DE CONDICIONAMENTO FÍSICO EM UM GRUPO DE CARDIOPATAS. EFFECT CARDIO RESPIRATORY AND HEMODYNAMIC AFTER 12 MONTHS OF PHYSICAL CONDITIONING IN

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS

AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS Vol. ISSN 9 No. 1413-3555 2, 2005 Limiar de Anaerobiose em Homens Saudáveis e Coronariopatas 157 Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), 157-164 Revista Brasileira de Fisioterapia AVALIAÇÃO DO CONTROLE

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física 0 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física SULINO, R. M.; LAMOGLIA, L. J. A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBIO A PARTIR

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Atividade Física e Saúde

Atividade Física e Saúde Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte Elaboração Final: 16 de Agosto de 2001 Autores: Carvalho T, Nóbrega ACL, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, Oliveira MAB, De Rose EH, Araújo CGS,

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Dra. Fátima Dumas Cintra

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS Silva FRS, Oliveira MRS, Lazo-Osorio RA, Fagundes, AA, Goulart DGB Universidade

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO COMBINADO NA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO E NA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Exercício físico com doentes hemodialisados

Exercício físico com doentes hemodialisados Novo, André *#+ ;Travassos, Francisco ; Teixeira, Fernanda» ; Hernández Múrua, Aldo» ; de Paz Fernández, José» ; Nunes de Azevedo, José ; * Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

Técnica de aferição da pressão arterial

Técnica de aferição da pressão arterial Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão Técnica de aferição da pressão arterial O esfigmomanômetro

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular AVALIAÇÃO DA CONDIÇÃO FÍSICA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE

CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE CORRELAÇÃO ENTRE A APTIDÃO CARDIORESPIRATÓRIA E O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL DE ATLETAS AMADORES DE MOUNTAIN BIKE Tiago de Oliveira Santos 1 ; Renato Aparecido de Souza 1 LAFIPE/Faculdade Educação

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

ESPORTE E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

ESPORTE E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ESPORTE E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTRODUÇÃO A atuação de profissionais da área da saúde com a finalidade de trabalhar a reabilitação das pessoas com deficiência (lesão medular,

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das 12 1 INTRODUÇÃO O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das funções corporais involuntárias, entre elas, a freqüência cardíaca (FC). Os componentes simpático e parassimpático

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA

TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA ACIMA DO LIMIAR ANAERÓBIO PAULA ALMEIDA HOSPITAL PEDRO HISPANO 1/34 INTENSIDADE TREINO DOENTE CARDIACO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA COLABORAÇÃO BIBLIOTECÁRIOS HPH DRª JOANA

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Comportamento da Freqüência Cardíaca e da Sua Variabilidade Durante as Diferentes Fases do Exercício Físico Progressivo Máximo

Comportamento da Freqüência Cardíaca e da Sua Variabilidade Durante as Diferentes Fases do Exercício Físico Progressivo Máximo Arq Bras Cardiol Artigo Original Alonso e col Comportamento da Freqüência Cardíaca e da Sua Variabilidade Durante as Diferentes Fases do Exercício Físico Progressivo Máximo Denise de Oliveira Alonso, Claudia

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relatório do projeto de pesquisa Promoção de modos saudáveis de vida em adultos e idosos

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS

COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS JSSN 1413-3555 Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), 211-218 Revista Brasileira de Fisioterapia COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM AMBIENTE VIRTUALMENTE SIMULADO PELO NITENDO WII

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM AMBIENTE VIRTUALMENTE SIMULADO PELO NITENDO WII ROSILENI SOUZA MARTINS ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA E PRESSÃO ARTERIAL EM AMBIENTE VIRTUALMENTE SIMULADO PELO NITENDO WII Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Bacharel

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

ARRITMIA SINUSAL RESPIRATÓRIA E MODULÇÃO AUTONÔMICA CARDIACA, PRÉ E PÓS-TREINAMENTO AERÓBIO, EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS

ARRITMIA SINUSAL RESPIRATÓRIA E MODULÇÃO AUTONÔMICA CARDIACA, PRÉ E PÓS-TREINAMENTO AERÓBIO, EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS ARRITMIA SINUSAL RESPIRATÓRIA E MODULÇÃO AUTONÔMICA CARDIACA, PRÉ E PÓS-TREINAMENTO AERÓBIO, EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS Thais Maria Alvarenga Caruso Faculdade de Fisioterapia Centro de Ciências da

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO: Fisioterapia TURMA: Terceiro Período A HORARIO: Segundas-feiras às 21hs (1) e Terças-feiras às 20hs10mim (2) COMPONENTE

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira

Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira COMPARAÇÃ ÇÃO O DA RECUPERAÇÃ ÇÃO O ATIVA EM INDIVIDUOS TREINADOS E NÃO N O TREINADOS EM MEIOS AQUÁTICO E TERRESTRE Breno de Assis Gonçalves Keila Janice Pereira Natália Ferreira Moreira Orientador: Prof.Ms.

Leia mais

Pró-Reitoria de de Graduação Curso de de Educação Física Trabalho de de Conclusão de de Curso

Pró-Reitoria de de Graduação Curso de de Educação Física Trabalho de de Conclusão de de Curso Pró-Reitoria de de Graduação Curso de de Educação Física Trabalho de de Conclusão de de Curso TENDÊNCIAS EFEITO PROTETOR E ABORDAGENS DO SISTEMA PEDAGÓGICAS CARDIOVASCULAR EM AULAS APÓS DE EDUCAÇÃO O TESTE

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO Durante um jogo de futebol, tanto os atletas quanto os amigos que se reúnem em um fim de semana, assim como os jogadores da seleção brasileira que este mês começa

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões ANTECIPANDO TECNOLOGIAS Esteira e eletrocardiógrafo com conexões O sistema para teste de esforço ErgoPC 13 une qualidade e facilidade com capacidade de diagnóstico e prognóstico. Ele oferece a melhor relação

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS INTERATIVOS: Uma possibilidade de atividade física regular pela resposta do consumo de oxigênio

JOGOS ELETRÔNICOS INTERATIVOS: Uma possibilidade de atividade física regular pela resposta do consumo de oxigênio JOGOS ELETRÔNICOS INTERATIVOS: Uma possibilidade de atividade física regular pela resposta do consumo de oxigênio André Akira Kano Karen Regina Salgado Giovana Vergínia de Souza Mara Patrícia Traina Chacon-Mikahil

Leia mais

RESPOSTA CARDIOIRRESPIRATÓRIA AO EXERCÍCIO AERÓBICO COM VENTILAÇÃO NÃO-INVASIVA EM PORTADORES DE DPOC

RESPOSTA CARDIOIRRESPIRATÓRIA AO EXERCÍCIO AERÓBICO COM VENTILAÇÃO NÃO-INVASIVA EM PORTADORES DE DPOC RESPOSTA CARDIOIRRESPIRATÓRIA AO EXERCÍCIO AERÓBICO COM VENTILAÇÃO NÃO-INVASIVA EM PORTADORES DE DPOC JOZIELE DE CARVALHO 1, EDUARDO GARMATZ 1, AHLAM SAID ABALLAH ABDEL HAMID¹, TANIA CRISTINA MALEZAN FLEIG

Leia mais

Check-up Performance

Check-up Performance A Saúde pelo Esporte é nosso lema maior. É o nosso ponto de partida e também nosso norteador. Dr. Felix Abuquerque Drummond Parceria REMOSUL O INSTITUTO O Instituto de Medicina do Esporte - IME é um centro

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE TÍTULO: INFLUÊNCIA DA MÚSICA BRASILEIRA NO CONTROLE CARDÍACO AUTONÔMICO EM INDIVÍDUOS COM SOBREPESO E OBESIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello

Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello Ritmos Biológicos e Exercício Físico Prof. Ms. Marcos Santana Prof. Dr. Marco Túlio de Mello ... é a ciência que se preocupa com a investigação e objetivamente com a quantificação dos mecanismos da estrutura

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais