FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRIO SANTO ELIANE CORNÉLIA CAVALCANTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRIO SANTO ELIANE CORNÉLIA CAVALCANTE"

Transcrição

1 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRIO SANTO ELIANE CORNÉLIA CAVALCANTE AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE POLÍCIAIS MILITARES DO 1º BPM DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO VITÓRIA 2013

2

3 ELIANE CORNÉLIA CAVALCANTE AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE POLÍCIAIS MILITARES DO 1º BPM DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo, como requisito obrigatório para obtenção de título de Bacharel em Nutrição. Orientador: Prof.ª, Mª. Kelly Ribeiro Amichi. VITÓRIA 2013

4

5 ELIANE CORNÉLIA CAVALCANTE AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE POLÍCIAIS MILITARES DO 1º BPM DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Trabalho de Conclusão e Curso apresentado à Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo, como requisito obrigatório para obtenção do título de bacharel em Nutrição. Aprovado em 02 de dezembro de 2013, por: Prof.ª, Mª. Kelly Ribeiro Amichi, FCSES - Orientador Prof.ª, Esp. Paula Regina Lemos de Almeida Campos, FCSES Prof.ª, Esp. Geovana Dellaprane CTVA

6

7 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente à Deus, por me permitir alcançar mais essa vitória, por ser meu auxílio sempre presente. Muito obrigada! Agradeço à minha orientadora, Prof.ª, Mª., Kelly Ribeiro Amichi por sua cooperação e instrução dadas a mim contribuindo com meu aprendizado e possibilitando a realização deste trabalho. Agradeço também à Polícia Militar do ES, que permitiu a realização deste trabalho, e a todos os policiais do 1º BPM do ES que participaram desta pesquisa cooperando diretamente para a realização deste estudo. Agradeço também às minhas amigas, Mayara Oliveira, Sirlene Lobato e Wislane Mendes, que cooperaram diretamente para a realização desta pesquisa, e não somente por isto, mas também pela amizade e companheirismo nesses 4 anos de faculdade. Por fim, agradeço à minha família por seu apoio constante, pelas palavras de incentivo em todos os momentos, mesmo nos mais difíceis, obrigada por estarem sempre presente, por todas as orações e pela dedicação em me ajudar em tudo, muito obrigada!

8

9 RESUMO O estilo de vida contemporâneo tem sido marcado pela adoção de práticas alimentares inadequadas e o aumento do sedentarismo, resultando no acúmulo excessivo de massa corporal. O que tem causado prejuízos à saúde dos indivíduos, levando-os ao desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) tal como a obesidade, hipertensão arterial, diabetes melitos e doenças cardiovasculares. Os policiais militares (PM) devido às atividades que desempenham na sociedade necessitam estar sempre com um bom condicionamento físico. Sabendo que a obesidade também pode estar presente entre militares é necessário saber se após incorporados ao serviço militar eles permanecem com a mesma adequação do estado nutricional de quando ingressaram na corporação. Este estudo teve como objetivo realizar avaliação do estado nutricional e do nível de atividade física de policiais militares, tanto homens quanto mulheres, que atuam no 1º Batalhão da Polícia Militar do Espírito Santo, localizado em Vitória - ES. Foram avaliados 60 militares de ambos os sexos do 1º BPM do ES. Foram coletados peso e altura para a avaliação do estado nutricional através do Índice de Massa Corporal (IMC) o qual foi classificado de acordo com o National Institutes of Health (NIH). A Circunferência da Cintura (CC) foi aferida nos PM de acordo com os padrões adotados pelo SISVAN (2004), e seu resultado foi classificado de acordo com os padrões de Lean e outros (1995). Foram aferidas também a Circunferência do Braço de acordo com Martins e Lopes (2003) e a Prega Cutânea Tricipital de acordo com Heyward e Stolarczyk (2000). O nível de atividade física foi avaliado através do IPAQ (International Physical Activity Questionnaire) de versão curta. A amostra constituiu-se de 60 policiais militares, dos quais 93,33% eram do sexo masculino e 6,67% do sexo feminino. Quanto ao nível de atividade física (NAF), a maioria (56,67%) foram classificados com baixo nível de atividade física, 21,67% com alto nível, 10% com nível moderado e 11,67% eram sedentários. De acordo com o IMC apenas 16,67% foram classificados como eutróficos, 50% foram classificados como sobrepeso, 26,67% com obesidade grau I, 3,33% com obesidade grau II e 3,33% com obesidade grau III. Segundo a CC, a maioria (60%) dos indivíduos não apresentaram riscos para morbidades, sendo que 28,33% apresentaram risco aumentado e 11,67% foram classificados com risco muito aumentado. Foram encontradas correlações importantes entre a PCT e o IMC; entre o IMC e a CC; IMC

10 e idade; IMC e NAF; NAF e CC; NAF e idade. Concluí-se que 83,33% dos avaliados tinham massa corporal elevada ( 25 Kg/m²) e apenas 16,67% estavam eutróficos e mais da metade (56,67%) tinham baixo NAF. Notou-se também que quanto maior era o IMC, maior era o percentual de risco segundo a CC e quanto menor era o NAF maior era quantidade de indivíduos com sobrepeso e obesidade. Evidenciando o e feito negativo dos baixos níveis de atividade física para a saúde. Palavras-chave: Avaliação nutricional. Nível de atividade física. Policiais militares.

11 ABSTRACT The contemporary life style has marked by the adoption of inadequate feeding practices and increased sedentary lifestyle, resulting in excessive accumulation of body mass. Which has caused damage to the health of individuals, taking the announcement of chronic health not transmissible (CHNT) such as the obesity, arterial hypertension, diabetes mellitus and heart diseases. The military polices (MP) due to the activities they develop in society need always be in good physical conditions. Knowing the obesity also can be present among militaries and it is necessary to know whether after incorporated to the military service they still keep even acclimation of the nutritional status of when entered in the corporation. This study had as the objective to perform evaluation of the nutritional status and the level of the physical activities of the military polices, both men and women who acts in the First Battalion of Military Polices of the Espírito Santo (Holy Spirit), located in Vitória ES. It was evaluated 60 militaries of both sex of 1º BML of ES. It was collected weight and height for the evaluation of the nutritional status of the Corporal Mass index (CMI) which has classified in accordance with National Institutes of Health (NIH). Waist circumference (WC) measured in the MP in accordance with the standards adopted by SISVAN (2004), and the result has classified according to Lean Pattern and others (1995). Have been measured also the arm circumference in accordance with Martins and Lopes (2003) and Triceps skinfold (TS) in accordance with Heyward and Stolarczyk (2000). The level of physical activity has assessed by the IPAQ (International Physical Activity Questionnaire) of short version. The sample consisted of 60 military police officers, of which 93,33% were male and 6,67% female. As the level of physical activities (LPA), the most (56,67%) had classified with low level of physical activities, 21,67% with high level, 10% with moderate level and 11,67% were sedentary. In accordance with CMI only 16,67% had classified as eutrophic, 50% had classified as overweigh, 26,67% as obesity grade I, 3,33% as obesity grade II and 3,33% as obesity grade III. Second the WC, the most (60%) of the individuals do not present risks of rmorbidities, being 28,33% present risk increased and 11,67% had classified as risk of very increased. It was found important correlations between the TS and the CMI, between the CMI and the WC; CMI and age; CMI and LPA; LPA and WC; LPA and age. We conclude that 83.33% of the evaluated had elevated body mass ( 25 kg/m²) and just 16,67% were

12 eutrophic and the most of the half (56,67%) had low LPA. We noted that the greater the ICM, the greater the percentage of risk second the WC and the lower was the LAP greater the amount of individuals with overweight and obesity. Evidencing negative effect of the lower levels of physical activities for the health. Keywords: Nutritional evaluation. Level of physical activities. Military polices.

13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Perfil nutricional segundo o IMC por sexo Gráfico 2 - Classificação do risco cardiovascular por sexo de acordo com a circunferência da cintura Gráfico 3 - Perfil nutricional segundo a adequação da PCT por sexo Gráfico 4 - Perfil nutricional segundo a adequação da CB por sexo Gráfico 5 - Relação em percentual entre a classificação do IMC com a CC para risco de morbidades no sexo masculino Gráfico 6 - Relação em percentual entre a classificação do IMC com a CC para risco de morbidades no sexo feminino... 56

14

15 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Características Gerais da Amostra Tabela 2 - Medidas antropométricas, de composição0 corporal em média ± desvio padrão, mediana (mínimo - máximo) geral e por sexo Tabela 3 - Relação em percentual entre a classificação do IMC com a classificação da adequação da PCT Tabela 4 - Relação em percentual entre a classificação do IMC com a idade Tabela 5 - Relação em percentual entre a classificação do IMC com a classificação do nível de atividade física Tabela 6 - Relação em percentual entre o nível de atividade física e a circunferência da cintura Tabela 7 - Relação em percentual entre o nível de atividade física e idade... 58

16

17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA HISTÓRIA DA POLÍCIA MILITAR REQUISITOS PARA INGRESSO NA POLÍCIA MILITAR Teste de avaliação física (TAF) na PM Flexão na barra fixa (masculino e feminino) Abdominal remador (masculino e feminino) Corrida 100 metros (masculino e feminino) Apoio de frente (masculino e feminino) Corrida: 2.800m (feminino) / 3.200m (masculino) IMPORTÂNCIA DO BOM CONDICIONAMENTO FÍSICO NO MEIO MILITAR OBESIDADE OBESIDADE ABDOMINAL OBESIDADE E AS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS Tabagismo e doenças crônicas não transmissíveis SÍNDROME METABÓLICA OBESIDADE E ALIMENTAÇÃO OBESIDADE E DIABETES TIPO II OBESIDADE E HIPERTENSÃO ATIVIDADE FÍSICA METODOLOGIA ASPECTOS ÉTICOS AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA ANÁLISE DOS DADOS RESULTADO E DISCUSSÃO DA PESQUISA DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS... 67

18 REFERÊNCIAS ANEXO A - Aprovação do CEP ANEXO B - IPAQ: Questionário Internacional de Atividade Física - Forma Curta APÊNDICE A - Termo de Consentimento Livre e Esclarecido... 91

19 17 1 INTRODUÇÃO O estilo de vida contemporâneo tem sido marcado pela adoção de práticas alimentares inadequadas e o aumento do sedentarismo, resultando no excesso de peso, causando prejuízos à saúde dos indivíduos e levando ao desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) tal como a obesidade, hipertensão arterial, diabetes melitos e doenças cardiovasculares (CORSEUIL; PETROSKI; 2010). Estudos evidenciam que um baixo nível de aptidão física está relacionado com maior risco de doenças cardiovasculares e com o aumento nos índices de mortalidade (DUMITH; AZEVEDO JÚNIOR; ROMBALDI, 2008). Além do diabetes melitos tipo 2 e das doenças cardiovasculares, o excesso de peso em adultos (IMC 25kg/m 2 ) também está relacionado com dificuldades respiratórias, problemas dermatológicos, distúrbios do aparelho locomotor, dislipidemias e certos tipos de câncer (OMS, 1998 apud VELOSO; SILVA, 2010). No Brasil 72% das mortes ocorridas em 2007 foram causadas por DCNT (SILVA JÚNIOR, 2009 apud SCHMIDT et al., 2011). No estado do Espírito Santo, em 2010, 31% do total de óbitos ocorridos foram decorrentes de doenças do aparelho circulatório e 16% das mortes foram causadas por neoplasias. Nos adultos essas patologias representam grande causa de mortes, sendo causadoras de 19,66% e 15,43% das mortes, respectivamente (ESPÍRITO SANTO, 2010). A obesidade por contribuir para outras doenças crônicas não transmissíveis, também afeta a capacidade funcional, pois segundo Alves e outros (2007), o aumento de DCNT está ligado com maior incapacidade funcional. Segundo Farinati (apud ALVES et al., 2007) capacidade funcional é a aptidão que os indivíduos têm para desempenhar as atividades de vida diária ou para realizar determinado ato, sendo uma característica importante na qualidade de vida e que pode ser perdida em decorrência dos agravos da obesidade, causando prejuízos também no rendimento profissional dos indivíduos. Em contra partida, estudos mostram que um estilo de vida mais ativo com prática de atividade física regular, tem relação importante com o desempenho profissional em qualquer área (DOMINGUES, 2003 apud CORDEIRO, 2007), e segundo Costa e Thuler (2012) a prática regular de atividade física de intensidade moderada e

20 18 vigorosa, atua como um fator de proteção para a saúde, sendo útil na prevenção de DCNT tais como as cardiopatias e a obesidade. Um grupo de indivíduos que se destaca na população é o de policiais militares (PM), que devido às atividades que desempenham na sociedade necessitam estar sempre com um bom condicionamento físico (GARRIDO; PARAVIDINO, [200-]; FRANZ, 2011a). A rotina e o tipo de atividade que se exige de um policial militar associado à extensa jornada de trabalho podem propiciar ambientes estressantes a este profissional, levando-o a um desgaste físico e mental, tendo em vista que este lida com situações conflituosas diariamente, já que faz parte da segurança pública; estes fatores associados à falta de atividade física e alimentação desequilibrada podem levar ao excesso de peso e consequente piora nos níveis de saúde (OLIVEIRA, 2009), o que justifica o estudo com este grupo populacional específico. Espera-se que depois de incorporados ao serviço militar os PM mantenham um condicionamento físico adequado a fim de desenvolver da melhor forma possível suas atividades diárias. Visto que a obesidade pode estar presente entre militares é necessário saber se depois de incorporados ao serviço militar eles permanecem com a mesma adequação do estado nutricional de quando ingressaram na corporação. Portanto, o presente estudo teve como objetivo realizar avaliação do estado nutricional e do nível de atividade física de policiais militares, tanto homens quanto mulheres, que atuam no 1º Batalhão da Polícia Militar do Espírito Santo, localizado em Vitória ES.

21 19 2. REVISÃO DA LITERATURA 2.1. HISTÓRIA DA POLÍCIA MILITAR De acordo com a Polícia Militar do estado do Espírito Santo (ESPÍRITO SANTO, 2011), após a vinda de Tomé de Souza (primeiro governador geral) para o Brasil, que aportou no estado da Bahia trazendo consigo seiscentos soldados portugueses, deu-se início a história militar no Brasil. D. Pedro primeiro, em 1831, renunciou seu trono, deixando o império para Pedro de Alcântara (seu filho) que tinha apenas 5 anos. Fato que marcou o período regencial no Brasil, no qual os regentes do país eram eleitos pela Assembleia Nacional. Este acontecimento foi motivo de muitas revoltas. Para manter a ordem no País o governo necessitou de militares que o ajudasse, o que resultou na criação da "Guarda Nacional" a qual era responsável por combater as revoltas populares, e manter a escravidão (ESPÍRITO SANTO, 2011). A situação presente no País levou as províncias a tomarem providências preventivas a fim de manter a ordem. E foi assim que Manoel José Pires da Silva Pontes (presidente da província do Espírito Santo) criou a "Companhia de Guarda de Polícia Provincial" através da Lei Provincial nº 9, decretada em 06 de abril de 1835 pela Assembleia Legislativa. A companhia foi regulamentada pelo presidente Joaquim José de Oliveira em julho de 1835 e era composta por cerca de 115 soldados, surgindo assim, a polícia militar (ESPÍRITO SANTO, 2011). Porém devido a problemas econômicos em 1844, através da Lei nº 12, Manoel de Assis Mascarenhas desfez a Guarda Policial e a substituiu por um grupo de Guerrilha que tinha o objetivo de prender escravos fugidos e criminosos. A guarda da Capital passou a ser feita pela Companhia de Caçadores de Linha (ESPÍRITO SANTO, 2011). Ainda de acordo com a Polícia Militar do ES (ESPÍRITO SANTO, 2011), através da Lei nº 7 de 3 de julho, em 1861, a força pública foi denominada de "Companhia de Polícia", porém nessa época a companhia tinha apenas 41 homens em seu efetivo. Após a Proclamação da República a Polícia Militar do Espírito Santo (PMES) passou por várias denominações (Corpo de Segurança, Corpo de Polícia, Corpo Militar de

22 20 Polícia, Regimento Policial Militar, Força Policial; Polícia Militar e Força Policial Militar) até chegar ao nome atual (Polícia Militar). Segundo a constituição federal do Brasil (BRASIL, 1988) as polícias militares constituem-se como forças auxiliares e reserva do Exército, sendo subordinadas aos governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos territórios. A polícia militar realiza a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública, atuando na segurança pública (que é dever do Estado). 2.2 REQUISITOS PARA INGRESSO NA POLÍCIA MILITAR De acordo com a Lei Complementar nº 667 (ESPÍRITO SANTO, 2012), o ingresso na polícia militar se dá por meio de concurso público, através da aplicação de provas ou de provas de títulos dependendo do cargo que o ingressante irá ocupar. Para participar do concurso, dentre outros requisitos, é necessário ser brasileiro, ter altura mínima descalço e descoberto, de 1,65m para homens e de 1,60m para mulheres, estar em dia com as obrigações eleitorais, no caso dos homens, devem estar em dia com as obrigações militares, ser aprovado no concurso público, ser aprovado nos exames de saúde que se fizerem necessários e que comprovem a capacidade física para exercício do cargo, ser aprovado em exame toxicológico/antidoping e ser aprovado no exame de aptidão física, realizado por meio de teste de avaliação física (TAF), segundo normas internas da corporação e previstas em edital (ESPÍRITO SANTO, 2012) Teste de avaliação física (TAF) na PM De acordo com o Art. 7 da Lei complementar 667, (ESPÍRITO SANTO, 2012) o TAF tem o objetivo avaliar a condição física do candidato ao cargo na PM, o teste é realizado mediante apresentação de laudo médico indicando o candidato ao teste que é realizado em dois dias. De acordo com o Edital nº 001/2013 da Polícia Militar do Espírito Santo (ESPÍRITO SANTO, 2013), o teste de avaliação física é constituído dos seguintes exercícios: 1º dia: flexão na barra fixa, abdominal remador e Corrida de 100 metros. 2º dia: apoio

23 21 de frente, Corrida de 3200 metros para indivíduos do sexo masculino e 2800 metros para o sexo feminino Flexão na barra fixa (masculino e feminino) De acordo com o edital nº 001/2013 do concurso público da PMES (ESPÍRITO SANTO, 2013, p. 1-29), a flexão de barra fixa deve ser feita da seguinte forma: O tempo do teste será de 01 minuto. A metodologia para a preparação e a execução da flexão na barra fixa para os candidatos do sexo masculino (4 barras) e do sexo feminino (1 barra) obedecerão aos seguintes critérios: posição inicial: Ao comando em posição, o candidato deverá ficar suspenso na barra horizontal e imóvel; a largura da pegada deve ser aproximadamente a dos ombros; a pegada das mãos deverá ser em pronação (dorsos das mãos voltados para o corpo do executante); os cotovelos em extensão; não poderá haver nenhum contato dos pés com o solo; todo o corpo completamente na posição vertical. Execução: Ao comando iniciar, que será dado tão logo o candidato esteja na posição inicial, o candidato deverá flexionar os cotovelos, elevando o seu corpo até que o queixo ultrapasse o nível da barra paralelamente ao solo, sem apoiar o queixo na barra. Em seguida, deverá estender novamente os cotovelos, baixando o seu corpo até a posição inicial, com o corpo completamente na posição vertical e sem soltar a barra. Esse movimento completo, finalizado com o retorno à posição inicial, corresponderá a uma unidade de execução. A contagem das execuções corretas levará em consideração as seguintes observações: a) Um componente da banca irá contar em voz alta o número de repetições realizadas. b) Quando o exercício não atender ao previsto no edital vigente, o componente de banca repetirá o número do último realizado de maneira correta e quando se tratar movimento inicial, o componente de banca dirá zero ; c) Será considerada somente a contagem realizada pela banca examinadora; d) Cada execução começa e termina com os cotovelos totalmente estendidos e corpo completamente na posição vertical; e) O exercício somente será iniciado com o candidato na posição completamente vertical, corpo imóvel e após o comando dado pelo auxiliar de banca; f) Excepcionalmente e para evitar que os candidatos mais altos toquem os pés no solo estando na posição inicial, será permitida, neste caso, a flexão dos joelhos. g) O movimento deve ser dinâmico, ou seja, o candidato não pode parar para descansar ; h) O movimento a ser realizado deve ser unicamente de flexão e extensão de cotovelos, sem a utilização de impulso comas pernas. Não será permitido ao candidato, quando da realização da flexão na barra fixa:

24 22 a) Tocar com o (s) pé (s) no solo ou em qualquer parte de sustentação da barra após o início das execuções; b) Após a tomada de posição inicial, receber qualquer tipo de ajuda física; c) Utilizar luvas ou qualquer outro artifício para a proteção das mãos; d) Apoiar o queixo na barra; e) Após ultrapassar o queixo em relação à barra, simplesmente soltar as mãos, em vez de completar o movimento com os cotovelos totalmente estendidos e corpo na posição vertical; f) Utilizar um impulso de braços e tronco para frente e para cima, levando o peito para cima; g) Realizar a pedalada ; h) Realizar o chute ; i) Não manter o corpo (cabeça, tronco e membros inferiores) completamente na posição vertical, com exceção nos casos em que o examinador permitir expressamente a flexão de joelhos, para evitar os candidatos mais altos toquem os pés no solo estando na posição inicial Abdominal remador (masculino e feminino) De acordo com o edital nº 001/2013 do concurso público da PMES (ESPÍRITO SANTO, p. 1-29), o exercício abdominal remador é feito conforme descrito a seguir: O teste terá a duração de 01 (um) minuto e será iniciado e terminado com um apito. A metodologia para a preparação e a execução do teste abdominal remador para os candidatos do sexo masculino (35 repetições) e feminino (30 repetições) obedecerão aos seguintes critérios: Posição inicial: Candidato deitado de costas, na posição completamente horizontal de todo o corpo em relação ao solo, os braços atrás da cabeça, cotovelos estendidos, com o dorso das mãos, a cabeça, as costas, as nádegas e os calcanhares em contato pleno com o solo, joelhos estendidos. Execução: Após o silvo de apito, o candidato começará a primeira fase do teste, realizando um movimento simultâneo, onde os joelhos deverão ser flexionados, as plantas dos pés deverão tocar o solo, o quadril deverá ser flexionado (posição sentado) e os cotovelos deverão alcançar ou ultrapassar os joelhos pelo lado de fora do corpo. Em seguida e sem interrupção, o candidato deverá voltar à posição inicial realizando a ação inversa. O movimento completo, finalizado com o retorno à posição inicial, corresponderá a uma unidade de execução Corrida 100 metros (masculino e feminino) De acordo com o edital nº 001/2013 do concurso público da PMES (ESPÍRITO SANTO, 2013.p. 1-29), a corrida de 100 metros é feita da seguinte forma:

25 23 Teste que visa mensurar a capacidade anaeróbica, dentro dos seus componentes cardiovasculares, respiratórios e neuromusculares em prova de velocidade. O teste deve ser desenvolvido em pista de atletismo ou em área de superfície plana convenientemente demarcada. O avaliado deve se posicionar atrás da linha de largada, preferencialmente em afastamento anteroposterior das pernas, devendo o pé da frente estar o mais próximo possível da referida linha. Após dada a largada, momento em que é acionado o cronômetro, o avaliado deverá percorrer os 100 (cem) metros existentes entre a linha de largada e alinha de chegada, no tempo máximo de 19,3 segundos (homens) e 20 segundos (mulheres). Não haverá apoio de partida na largada da prova. Os comandos para iniciar e terminar o teste serão dados por um silvo de apito Apoio de frente (masculino e feminino) De acordo com o edital nº 001/2013 do concurso público da PMES (ESPÍRITO SANTO, 2013.p. 1-29), o teste chamado de apoio de frente deve ser feito da seguinte forma: Possui como objetivo a avaliação de resistência muscular realizada por meio de flexão e extensão dos membros superiores através de apoio de frente sobre o solo. O tempo do teste será de 01 (um) minuto e o candidato deverá realizar 13 repetições (mulheres) ou 21 repetições (homens). O candidato iniciará o exercício partindo da posição mãos e pés apoiados no solo (quatro pontos), braços estendidos e com o tronco e pernas num mesmo prolongamento (posição inicial). A largura do apoio das mãos deve ser aproximadamente a dos ombros. Deverá flexionar o cotovelo a um ângulo de 90º, no mínimo (posição 1), para, em seguida, retornar à posição inicial completando-se desta forma, o exercício Corrida: 2.800m (feminino) / 3.200m (masculino) De acordo com o edital nº 001/2013 do concurso público da PMES (ESPÍRITO SANTO, p. 1-29), a corrida de dois mil e oitocentos metros para o sexo feminino e de três mil e duzentos metros para o sexo masculino são feitas conforme descrito a seguir: Exercício de resistência aeróbica, resistência muscular, endurance, equilíbrio dinâmico, velocidade de deslocamento, visa verificar através de um esforço de média duração, a capacidade aeróbica do candidato, dentro dos seus componentes cardiovasculares e respiratórios. A metodologia para a preparação e a execução do teste de corrida para os candidatos dos sexos masculino e feminino obedecerão aos seguintes critérios: a) O candidato deve percorrer, em uma pista de atletismo, ou em uma área demarcada, a distância prevista (2800m para mulheres ou 3200m para homens), no tempo máximo de 17minutos e 10 segundos, sendo permitido caminhar durante o teste;

26 24 b) Os comandos para iniciar e terminar o teste serão dados por um silvo de apito; c) Ao passar pelo local de início da prova, cada candidato deverá dizer o seu nome e número em voz alta para o componente de banca que estiver marcando o seu tempo e será informado de quantas voltas completou naquele momento; A correta realização do teste de corrida de 2.800m/3.200m levará em consideração as seguintes observações: a) O tempo oficial da prova do candidato será controlado pelo relógio do seu avaliador da prova, sendo o único que servirá de referência para o início e término da mesma; b) Orienta-se que, após o apito que indica o término da prova, o candidato não pare bruscamente a corrida, evitando ter um mal súbito e que continue a correr ou caminhar; c) A distância percorrida pelo candidato, a ser considerada oficialmente, será somente a realizada pela banca examinadora; Não é permitido ao candidato, quando da realização do teste de corrida de 2.800m/3.200m: a) Dar ou receber qualquer tipo de ajuda física (como puxar, empurrar, carregar, segurar na mão etc.); b) Deixar de dizer seu nome ou número em voz alta para o avaliador que estiver marcando seu tempo, ao passar pelo local de início da prova; c) Abandonar a pista antes da liberação do fiscal. 2.3 IMPORTÂNCIA DO BOM CONDICIONAMENTO FÍSICO NO MEIO MILITAR De acordo com o edital nº 001/2013 da Polícia Militar do Espírito Santo (ESPÍRITO SANTO, 2013), nos exames médicos realizados para o ingresso na instituição, algumas patologias caracterizam o candidato como inapto para o serviço, dentre elas, aqui cabe ressaltar, a obesidade mórbida; doenças metabólicas e endócrinas (diabetes melitos, tumores hipotalâmicos e hipofisários), doença neoplásica maligna e doenças cardiovasculares (anormalidades congênitas ou adquiridas; infecções, inflamações, arritmias, doenças venosas, arteriais, hipertensão arterial sistêmica), o que mostra que o policial militar deve ter elevado nível de saúde. A rotina e o tipo de atividade realizada no trabalho de um policial militar (PM) exige que este tenha uma boa aptidão física para desempenhar adequadamente suas tarefas. A capacidade para o trabalho depende de diversos fatores tal como a idade, o estilo de vida, a aptidão física e o ambiente de trabalho (REIS JUNIOR, 2009; BOLDORI et al., 2005).

27 25 Devido ao trabalho que exercem, os policiais militares estão sujeitos a situações estressantes que associadas à inatividade física e alimentação inadequada os tornam mais susceptíveis à obesidade (OLIVEIRA, 2009). A obesidade está associada com a diminuição da capacidade funcional repercutindo negativamente na produtividade profissional. Estudos mostram que o aumento do IMC está relacionado coma piora da capacidade física, da vitalidade e de dores corporais (ORSI et al., 2008). Uma das patologias causadas pela obesidade é a osteoartrite, uma doença crônica caracterizada pela degeneração da cartilagem articular, provocando dores e dificuldades de locomoção, resultando em menor capacidade física e prejuízos ao rendimento profissional (VASCONCELOS; DIAS; DIAS, 2006). 2.4 OBESIDADE Estudos têm mostrado que a prevalência da obesidade e do sobrepeso tem aumentado cada vez mais, contribuindo para elevados índices de mortes decorrentes das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). De acordo com a World Health Organization (WHO, [200-]) dados do ano de 2008 mostram que 205 milhões de homens e 297 milhões de mulheres com idade de vinte anos ou mais são obesos e 35% dos adultos encontram-se com sobrepeso. Estima-se que 35,8% das mortes no mundo sejam causadas pelo excesso de peso e obesidade. No Brasil a tendência do aumento nos índices de sobrepeso e obesidade também é crescente. De acordo com dados da pesquisa de orçamentos familiares do IBGE (2011), o excesso de peso em era de 18,5% para homens e 28,7% para mulheres, já em esses valores passaram a ser de 50,1% e 48,0% respectivamente, já os índices de obesidade em foram de 2,8% para homens e 8,0% para as mulheres, e em , esses índices subiram para 12,4% e 16,9%, respectivamente. Obesidade é uma doença caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal de forma suficiente para causar graves danos à saúde (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE, 1998, apud, MONTEIRO; CONDE, 1999), levando ao aparecimento de doenças crônicas não transmissíveis, tais como doença cardíaca, acidente vascular cerebral (AVC), infarto agudo do miocárdio (IAM), hipertensão arterial,

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE?

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE? Obesidade O QUE É? Denomina-se obesidade uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo. COMO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

LOCAL: CAMPO DE FUTEBOL DA COHAB

LOCAL: CAMPO DE FUTEBOL DA COHAB EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PARA PROVIMENTO DE 86 (OITENTA E SEIS) VAGAS, PARA CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR, NÍVEL MÉDIO COMPLETO, MÉDIO/TÉCNICO COMPLETO, NÍVEL FUNDAMENTAL E FUNDAMENTAL INCOMPLETO

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3

CAPÍTULO IV. Das Formas de Aplicação do TAF-3 DEI - CSMFD - CENTRO DE SAÚDE MENTAL, FÍSICA E DESPORTOS - CEL PM OEZER DE CARVALHO - DIRETRIZ DE CONDICIONAMENTO FÍSICO DA POLÍ- CIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ( D-5 ) PUBLICAÇÃO Artigo 3º -

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

OBESIDADE. Prof. Marta E. Malavassi

OBESIDADE. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi SOBREPESO E OBESIDADE DIAGNÓSTICO A combinação de massa corporal e distribuição de gordura é, provavelmente, a melhor opção o diagnóstico do sobrepeso e obesidade. Mais recentemente,

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL CENTRO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO

Palavras - chave: Síndrome Metabólica; Fatores de riscos; Terapia Nutricional; Obesidade abdominal. 1 INTRODUÇÃO SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.1, n.1, 355-366, out. 2009 www.fapam.edu.br/revista 355 IDENTIFICAÇÃO, PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS FATORES DE RISCOS ASSOCIADOS À SÍNDROME METABÓLICA EM

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde 15 Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde Erika da Silva Maciel Licenciatura em Educação Física - Unimep Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - Unicamp Mestre

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no processo seletivo para o cargo de Policial Rodoviário

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA.

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA. ANEXO II TESTE DE APTIDÃO FÍSICA O Teste de Aptidão Física tem o objetivo de selecionar os candidatos cuja aptidão física seja compatível com o exercício da atividade de Bombeiro Militar e será realizado

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro www.cardiol.br Introdução As doenças cardiovasculares (DCV) afetam anualmente, no Brasil, cerca de 17,1 milhões de vidas. Registramos no país mais de 300 mil mortes por ano decorrentes dessas doenças,

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis

Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relação entre o nível de atividade e aptidão física e o desenvolvimento de doenças e agravos não transmissíveis Relatório do projeto de pesquisa Promoção de modos saudáveis de vida em adultos e idosos

Leia mais

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP Rafael Ribeiro Beatriz Vital Aline Souza Perla Silva Vitor Carloti Lucas Moreno Frantisek Oplustil

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana

CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica Coronariana HOSPITAL DAS CLÍNICAS - UFMG Programa de Reabilitação Cardiovascular e Metabólica Residência Multiprofissional em Saúde Cardiovascular CUIDANDO DO SEU CORAÇÃO Controle e Prevenção da Doença Aterosclerótica

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

Obesidade e Síndrome Metabólica

Obesidade e Síndrome Metabólica Obesidade e Síndrome Metabólica Leticia Fuganti Campos Nutricionista da NUTROPAR Mestre pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Pós-Graduada em Nutrição Clínica pelo GANEP Pós-Graduada

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Infância -Promoção e consolidação dos hábitos alimentares - Incremento das necessidades nutricionais para

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

ANÁLISE DOS RISCOS CORONARIANOS ATRAVÉS DO RCQ EM POLICIAIS MILITARES DA CIDADE DE MATIPÓ-MG

ANÁLISE DOS RISCOS CORONARIANOS ATRAVÉS DO RCQ EM POLICIAIS MILITARES DA CIDADE DE MATIPÓ-MG Centro Universitário de Caratinga UNEC Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Curso de Pós-Graduação em Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida HEIDY FRUTUOSO ANÁLISE

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO?

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? Carlos Alberto Machado O TAMANHO do problema Mortes por grupos de causas OMS Regiões 2000 75 50 % 25

Leia mais

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO O índice glicêmico dos alimentos é hoje reconhecidamente o fator mais importante na elaboração de qualquer dieta que vise perda e manutenção de

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL DO COMANDO GERAL EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO TOCANTINS QUARTEL DO COMANDO GERAL EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA EDITAL DE RECONVOCAÇÃO PARA EXAME DE CAPACIDADE FÍSICA O Coronel QOPM Jaizon Veras Barbosa, Presidente da Comissão do Concurso Público, em face de autorização concedida pelo Chefe do Poder Executivo Estadual

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO 1.1. Posição inicial: a) pegada na barra com as mãos em pronação

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais