PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos científico transitasse de maneira mais rápida, foi permitida ao profissional de educação física a apropriação dessas informações, contribuindo de forma extremamente positiva para o crescimento intelectual e científico no que diz respeito à prescrição e elaboração de programas individualizados. Hoje, o personal trainer é um dos campos de atuação do profissional de educação física com mais representatividade no mercado de trabalho. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é auxiliar estudantes e profissionais de educação física que buscam melhor entender as atividades personalizadas e suas particularidades. CONCEITO O personal trainer ou treinamento personalizado, segundo NOVAES & VIANNA (1998), é um processo de aplicação e execução de testes, com o propósito de conhecer o grau de condicionamento físico inicial e o objetivo do seu cliente, e através destes, organizar, planejar e estruturar a prescrição, buscando sustentação científica nos princípios do treinamento desportivo, fisiologia do exercício, biomecânica e outras áreas afins. PÚBLICO ALVO NOVAES & VIANNA (1998) consideram que o trabalho personalizado deva ser desenvolvido: individualmente; grupos reduzidos; supervisão; O acompanhamento individual permite uma maior aproximação cliente-professor no que diz respeito à execução, correção de movimentos e até mesmo a motivação. Em grupos reduzidos é necessário que não seja um número maior que 3 clientes simultaneamente, para que não haja prejuízo ao aluno. A vantagem deste tipo de trabalho é o valor monetário, que passa a ser dividido. A motivação é outra vantagem de se realizar uma atividade em grupo. A outra forma de acompanhamento é por supervisão. Neste trabalho, o cliente recebe uma planilha descrevendo todas as atividades que fazem parte de sua sessão de treino. Não há acompanhamento, mas ocorre revisão periódica.

2 VANTAGENS A atividade de personal trainer ou treinamento personalizado possuem inúmeras vantagens como a de permitir um melhor controle das variáveis de treinamento, conhecer melhor o aluno sabendo suas limitações, deficiências, além de motiva-lo a estar sempre buscando alcançar os objetivos determinados. ONDE ATUAR COMO PERSONAL TRAINER? Existe uma infinidade de lugares que podem ser usados para as suas aulas. É necessário um local que permita a realização da atividade programada, ou então, um local de preferência do seu cliente.. Os espaços hoje mais utilizados são: Estúdio de personal, clubes, academias, domicílio, ruas, parques, condomínios e o próprio local de trabalho. COMO INICIAR UM PROGRAMA DE PERSONAL TRAINER? Antes de iniciar um trabalho personalizado propriamente dito, é necessário que se estabeleçam normas e condutas, podendo estas ser disponibilizadas através de um contrato de prestação de serviços. Após o estabelecimento das normas contratuais é necessário que se realize uma anamnese, que pode ser produzido pelo próprio profissional, ou então se faz a opção pela utilização de questionários padronizados, como PARQ, Questionário AHA/ACSM (1998), etc. Através da anamnese o profissional vai conhecer o histórico do cliente, objetivo, dentre outros fatores importantes para a prescrição personalizada. Em seguida é realizada a avaliação física, que têm objetivo de identificar o grau de condicionamento físico inicial do seu cliente em termos de composição corporal, flexibilidade, capacidade aeróbica e força muscular. Para cada componente do condicionamento físico existe um teste com o objetivo e a finalidade de mensura-lo. Para isso, basta ao personal trainer escolher o teste mais indicado, respeitando seu protocolo de aplicação. GLOSSÁRIO Freqüência Cardíaca Máxima (FC max) - É a maior freqüência cardíaca atingida em um teste máximo. Pode também ser obtida por equações de predição. Freqüência Cardíaca Repouso (FC repouso) é a freqüência cardíaca obtida ao despertarmos, enquanto ainda estamos deitados. Freqüência Cardíaca Reserva (FC reserva) é a diferença entre a freqüência cardíaca máxima e freqüência cardíaca de repouso. VO2 máx É a capacidade máxima que um indivíduo apresenta de captar, transportar e modificar o oxigênio para a síntese oxidativa de ATP. Pode ser expresso na forma relativa (ml.kg -1.min -1 ) ou absoluta (l.min -1 ). (ROBERGES & ROBERTS, 2002).

3 METS representa a taxa metabólica de repouso e equivale a aproximadamente 3,5 ml.kg -1.min -1.(NOVAES & VIANNA, 1998). Kcal É quantidade de calor necessária para elevar em 1ºC a temperatura de 1l de água de 14,5ºC para 15,5ºC.(McARDLE, et al. 1998). Durante o exercício, a quilocaloria pode ser definida como a quantidade de energia dissipada pelo seu corpo nos processos metabólicos e térmicos do organismo. Taxa de esforço percebido. (TEP) instrumento precioso para indivíduos que têm dificuldade em palpação da FC e nos casos em que a resposta da FC pode estar alterada em decorrência de uso de medicamentos. (ASCM, 2003) PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBICO FC máx Segundo ACSM (2003), a freqüência cardíaca é utilizada para estabelecer a intensidade do exercício, em razão da relação relativamente linear entre a FC e o percentual de VO2. A FCmáx pode ser obtida através de um teste de esforço máximo ou através de equações de predição, como apresentamos a seguir: KARVONEN - FCmáx = idade (H); FCmáx = idade (M) JONES - FCmáx = (0,65 x idade); SHEFFIELD (ACMS) Destreinado FCmáx = (0,41 x idade) Treinado FCmáx = (0,41 x idade) Obs. Todas as equações de predição de FC máx possuem DP 10 bpm. (Howley, 2000). FC de reserva %FC máx 100 ZONA DE ESFORÇO MÁXIMO 90 ZONA MISTA (LIMIAR ANAERÓBIO) 80 ZONA AERÓBIA GLICOLÍTICA 70 ZONA AERÓBIA LIPOLÍTICA 60 ZONA DE MANUTENÇÃO 50 Fonte: NOVAES & VIANNA, 1998 Da diferença entre a FCmáx e a FCrepouso, onde temos FCreserva = FCmáx FC repouso % de intensidade da FC reserva é igual ao % VO2. FCtreino = FCrepouso + {( FCmáx FCrepouso ) x % de intensidade} FCtreino = FCrepouso + (FCreserva x % de intensidade) Ex:

4 Idade: 30 anos FCtreino = 80 + (110 x 0,70) FCmáx = 190 bpm FCrepouso = 80 bpm FCreserva = 110 bpm Intensidade. = 70% MÉTODO da FCmáx FCtreino = 157 bpm %FCreserva 100 ZONA DE ESFORÇO MÁXIMO 83 ZONA MISTA (LIMIAR ANAERÓBIO) 70 ZONA AERÓBIA GLICOLÍTICA 56 ZONA AERÓBIA LIPOLÍTICA 42 ZONA DE MANUTENÇÃO 28 Fonte: NOVAES & VIANNA, 1998 FREQÜÊNCIAS CARDÍACAS DE TREINAMENTO FREQÜÊNCIA CARDÍACA DE REPOUSO 60 bpm 70 bpm 80 bpm MÉTODO DA RESERVA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FC máx 70% 80% 60% 80% 60% 80% 60% 80% Fonte: ACSM (2003) Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua prescrição. 6º ed. Editora Guanabara Koogan

5 VO2 máx Para prescrever o treinamento baseado no VO2máx, é necessário identifica-lo através de testes específicos em laboratório (esteira, bicicleta, banco), em pista (corrida ou caminhada), em quadra, ou até mesmo através de equações de predição. %VO2máx 100 ZONA DE ESFORÇO MÁXIMO 83 ZONA MISTA (LIMIAR ANAERÓBIO) 70 ZONA AERÓBIA GLICOLÍTICA 56 ZONA AERÓBIA LIPOLÍTICA 42 ZONA DE MANUTENÇÃO 28 Fonte: NOVAES & VIANNA, 1998 Tabela de Classificação do VO 2 máximo Mulheres Faixa Etária MF F R B E < > < > < > < > < > 35 (AMERICAN HEART ASSOCIATION: fonte ACMS, 2003) Tabela de Classificação do VO 2 máximo Homens Faixa Etária MF F R B E < > < > < > < > < > 41 (AMERICAN HEART ASSOCIATION: fonte ACMS, 2003)

6 CORRELAÇÃO ENTRE FC MÁX E VO2 MÁX METS %VO2máx FC máx ZONA DE ESFORÇO MÁXIMO ZONA MISTA (LIMIAR ANAERÓBIO) ZONA AERÓBIA GLICOLÍTICA ZONA AERÓBIA LIPOLÍTICA ZONA DE MANUTENÇÃO Fonte: NOVAES & VIANNA (1998) apud MARION et al, 1994 Para identificar o valor do MET de um indivíduo é necessário conhecer qual o VO2máx. Existem vários livros que trazem tabelas relacionando o valor do MET e a atividade física correspondente. Exemplo: Cliente: VOD VO2máx= 60,0 ml.kg -1.min -1 1 MET ,5 ml.kg -1.min -1 x ,0 ml.kg -1.min -1 x = 60,0/3,5 x= 17,1 METs 17,1 METs 100% 14,5 METs 85% 13,7 METs 80% 12 METs 70% 10,1 METs 60% 8,6 METs 50% COMPÊNDIO DE ATIVIDADES FÍSICAS CLASSIFICADAS POR METs ATIVIDADE DESCRIÇÃO METS Caminhada 4,8 km/h 3,5 Caminhada 5,4 km/h 4,2 Caminhada 6,0 km/h 5,0 Caminhada 7,0 km/h 6,4 Caminhada Subir escadas 9,0 Correr 9,0 km/h 9,5

7 Correr 10,0 km/h 10,7 Correr 12 km/h 12,5 Correr 15 km/h 15,3 Musculação Esforço leve 3,0 Musculação Esforço vigoroso 6,0 Musculação Circuito geral 8,0 Natação Estilo livre, esforço vigoroso 10,0 Natação Estilo livre, esforço leve 10,0 AINSWORTH et al., Kcal A interação da freqüência, duração e intensidade determinam o custo energético do exercício. O ACSM (2003) recomenda que o dispêndio energético diário no exercício seja entre 150 a 400 kcal, o que corresponde de 750 a 2000 kcal para 5 vezes na semana. A prescrição através do custo energético é importante para estruturar programas de controle de peso ponderal (McARDLE et al, 1998). Para encontrarmos o custo energético de uma atividade basta conhecermos o valor do METs correspondente, duração da atividade e peso corporal (kg) do cliente. Kcal = METs X 0,0175 X Peso Corporal (kg) x tempo (min) (AINSWORTH et al, 2000) CORRELAÇÕES ENTRE AS VARIÁVEIS (VO2 máx, FC máx, METs e TEP) Intensidade Intensidade Relativa VO2 máx (%) FC Res (%) % FC máx (%) Atividade de Resistência RPE (BORG) Intensidade Absoluta (METs) em adultos Saudáveis Jovem (20-39) Meia Idade (40-64) Idoso (65-79) Muito Idoso (>79) Atividade de Força Intensidade Relativa Contração Voluntária Máxima (%) Muito Leve ,0 2,5 2,0 1,26 30 Leve ,0-4,7 2,5-4,4 2,0-3,5 1,26-2, Moderada ,8-7,1 4,5-5,9 3,6-4,7 2,3-2, Pesada ,2-10,1 6,0-8,4 4,8-6,7 3,0-4, Muito Pesada >16 10,2 8,5 6,8 4,25 >85 Máxima Fonte: PATE et al. (1995). JAMA 273:

8 Escala de Borg 6 Sem Nenhum Esforço Muito Leve Leve Um pouco intenso Intenso (Pesado) Muito Pesado Extremamente Intenso 20 Máximo Esforço Escala RPE de Borg Gunnr Borg, 1970, 1985, 1994, 1998 TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE AERÓBIA Teste de caminhada Single-Stage Treadmill (caminhada) Velocidade = 3,2 a 7,2 km/h. Duração: 2-4 min. a 0 % de inclinação (preparação/aquecimento). FC >120 bpm (FC alvo) 4 minutos de teste c/ inclinação de 5% FC = após o término de teste Equação: VO2 máx = 15,1 + 21,8 x veloc (mph) x FC - 0,263 x veloc. (mph) x idade + 0,00504 x FC x idade + 5,98 x sexo. (onde sexo: F=0, M=1) Teste de Banco Queens College (Step test) Altura do banco: 41 cm Duração: 3 minutos Cadência: 88 toques p/ min. (22 subidas) mulheres 96 toques p/ min. (24 subidas) homens Instrumento: metrônomo FC = após o término do teste

9 Equação: VO2 máx = 65,81 - (0,1847 x FC) - mulheres VO2 máx = 111,33 - (0,42 x FC) - homens Teste de Cicloergômetro (Submáximo) Protocolo de Ästrand-Ryhming (cicloergômetro) Equação: Carga inicial = w (mulheres) / w (homens) Duração: 6 minutos FC = média do 5º e 6º minuto. FC = deverá ficar entre bpm Cálculo do VO2 máx (homens) = x V02 carga FC - 61 Cálculo do VO2 máx (mulheres) = x V02 carga FC - 72 V02 carga (l.min -1 ) = 0,014 x carga (watts) + 0,129 Teste de Esteira (Submáximo) Teste de caminhada (Rockport) D = 1609 m. Equação: VO2 máx = (0.17 x PC) - (0.39 x Idade) + (6.31 x S) - (3.27 x T) - (0.156 x FC) onde: S = Sexo (0 = F / 1 = M) T = minutos e valor decimal TESTE DE AVALIAÇÃO DA FLEXIBILIDADE Teste de sentar e alcançar (Sit and Reach Test): objetivo: medir a flexibilidade do quadril, dorso e músculos posteriores dos membros inferiores; equipamento: um caixote de madeira com uma escala de medida (régua) na parte superior, graduada em milímetros. 54 cm Ponto de apoio do pés 32.5 cm 23 cm Procedimento: com o indivíduo descalço, sentado no chão e joelhos estendidos, os pés devem tocar o instrumento (que deve estar apoiado para não correr o risco de se mover durante a mensuração). O avaliado deve flexionar o quadril suavemente à frente com os braços estendidos, as mãos sobrepostas e com a palma

10 das mãos para baixo, procurando atingir o ponto mais distante na escala de medida (régua). É computada a melhor de três ou quatro tentativas. Teste de sentar e alcançar: homens (M) e mulheres (F) canadenses de 15 a 69 anos IDADE Categoria M F M F M F M F M F M F Excelente > 38 > 42 > 39 > 40 > 37 > 40 > 34 > 37 > 34 > 38 > 32 > 34 Acima da média Média Abaixo da média Fraco < 24 < 29 < 25 < 28 < 23 < 27 < 18 < 25 < 16 < 25 < 15 < 23 Fonte: Fitness and lifestyle in Canada, Fitness and lifestyle research institute, Fitness and amateur sports, Ottawa, Canada TESTES DE AVALIAÇÃO DA FORÇA Teste de peso por repetição Objetivo: Determinar o maior peso que o aluno consegue levantar em função do número de repetições previamente determinadas de acordo com os objetivos estabelecidos. Descrição: Estabelecer o número de repetições para o exercício, de acordo com o objetivo e fase de treino que o cliente se encontra. Selecionar o peso que julgamos ( feeling ) adequado para que o cliente realize o número de repetições estipuladas. Avaliação: a)caso o cliente tenha realizado o numero de repetições determinado, mantendo a eficiência mecânica mas com um certo grau de esforço, provavelmente este é o peso ideal. b) Se o aluno apresentou facilidade na execução, provavelmente a carga é insuficiente. c) Se o aluno não conseguir completar com sucesso o número de repetições estipuladas, provavelmente o peso excede as condições físicas do cliente. OBSERVAÇÕES: - É normalmente utilizado na fase inicial dos programas de musculação; - Pode ser aplicado para clientes iniciantes adolescentes, sedentários e idosos. - O peso utilizado no programa de adaptação servirá de referencial para a realização de um novo teste. TESTE DE PREDIÇÃO DE 1-RM O peso deve ser selecionado de forma que o aluno consiga fazer no máximo 10-RM. Através da utilização da tabela de correção a seguir, chegaremos ao peso de 1-RM. Depois, basta calcular o percentual de trabalho de acordo com os objetivos do aluno. REPS COMPLETADAS FATOR DE REPETIÇÃO BAECHLE, 1992

11 Objetivo % 1 rm Repetições N o de sets Intervalo entre sets força máxima 6 a 20 contrações 100 estática de 6" a 8" 3 a 4 1 a 2 minutos força máxima a 8 3 a a 5 minutos dinâmica força explosiva a 15 3 a 6 2 a 5 minutos força de resistência a 20 2 a 3 20" a 30" hipertrofia a 12 4 a 6 30" a 90" Fonte: Baechle, (1992); Manso, (1996); Benefícios da Atividade Física Maiores níveis de atividade física regular estão associados a menor taxa de mortalidade tanto para idosos quanto para adultos jovens Reduz o risco de desenvolvimento de doenças cardíacas Melhor controle do peso e composição corporal Melhora o nível de colesterol total Previne e ajuda a controlar a hipertensão Previne a perda óssea Melhora a disposição Ajuda a controlar o stress Alivia tensões Melhora o padrão do sono Aumenta a auto-estima Diminui ansiedade e depressão e aumenta o entusiasmo e otimismo Aumenta força muscular fornecendo maior capacidade para outras atividade físicas Fornece uma maneira de dividir uma atividade com a família e amigos Fonte: U.S. Department of Health & Human Services. Physical Activity and Health: A report of the Surgeon General, Atlanta, GA: US. DHHS, CDC, NCCDPHP, 1996 Posicionamento do ACSM (2000) para prescrição: Treinamento Aeróbio Flexibilidade 3-5 vezes/semana 55/65% - 90% FCmáx ou 45/50% - 85% VO2R ou FCR min (exercício contínuo ou inteiramente - mínimo de 10 min) Qualquer atividade que mobilize grandes grupos musculares 2-3 vezes/semana 2-4 séries 8-10 exercícios (para os maiores grupos musculares), s de duração Exercícios estáticos ou dinâmicos que proporcionam um "desconforto médio"

12 Treinamento de Força 1 série (havendo tempo - realizar +) 8-10 exercícios 2-3 vezes/semana 8-12 repetições (10-15 para idade > 50 anos) ACSM (2003). DIRETRIZES DO ACMS PARA OS TESTES DE ESFORÇO E SUA PRESCRIÇÃO. 6ª edição. Guanabara Koogan.

13 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. A quantidade e o tipo recomendados de exercícios para o desenvolvimento e a manutenção da aptidão cardiorrespiratória e muscular em adultos saudáveis. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v.4, n.3, p , AINSWORTH BE, HASKELL WL, WHITT MC, IRWIN ML, SWARTZ AM, STRATH SJ, O BRIEN WL, BASSET DR, SCHMITZ KZ, EMPLAINCOUNT PO, JACOBS, DR, LEON. Compendium of physical activities: an update of activity codes and MET intensities. Med Sci Sports Exer 32 (9 Suppl): S , AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 6ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003 BAECHLE, T.R. & GROVES, B. R: Weight Training. Champaign: Leisure Press, BORG, G. Escalas de Borg para Dor e o Esforço Percebido. São Paulo: Ed. Manole,2000. MANSO, J. M. G., VALDIVIELSO,M. N. & CABALLERO, J.A.R. : Bases Teóricas del Entrenamiento Deportivo. Madrid: Gymnos Editorial,1996. MCARDLLE, W.D.; KATCH, F.I.; KATCH, V.L. Fisiologia do Exercício Energia, Nutrição e Desempenho Humano. 4ª ed.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, NOVAES, Jefferson S.; VIANNA, Jeferson M.: Personal Training & Condicionamento Físico. Rio de Janeiro. Editora Shape, PATE RR, PRATT M, BLAIR SN, et al. Physical activity and public health: a recommendation from Centers for Disease Control and Prevention and the American College of Sports Medicine. JAMA 1995; 273: ROBERGS, RA & ROBERTS, SO. Princípios Fundamentais de Fisiologia do Exercício para Aptidão, Desenvolvimento e Saúde. São Paulo: Phorte Editora, 2002 U.S. Department of Health & Human Services. Physical Activity and Health: A report of the Surgeon General, Atlanta, GA: US. DHHS, CDC, NCCDPHP, 1996

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5

13/02/2012. peso. VO 2max l.min - 1 = Peso (kg) x VO 2max (ml.kg -1.min -1 ) VO 2max = 1 = 1 1000 3,5 CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Habilidade de realizar atividades físicas de caráter dinâmico que envolvam grande massa muscular com intensidade de moderada a alta por períodos prolongados (Fernandes Filho,

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM ATIVIDADES MOTORAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA.

PÓS GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM ATIVIDADES MOTORAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE CARATINGA-FUNEC ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE CARATINGA-EFISC PÓS GRADUAÇÃO LATO- SENSU EM ATIVIDADES MOTORAS PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA. AUTOR: ANDRÉ SALUSTIANO

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

ANÁLISE DO VO2 MÁXIMO DE FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL DA CIDADE DE CARATINGA - MG

ANÁLISE DO VO2 MÁXIMO DE FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL DA CIDADE DE CARATINGA - MG Centro Universitário de Caratinga UNEC Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Curso de Pós-Graduação em Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida CLEIDIMAR GOMES DE SOUZA

Leia mais

TREINAMENTO PERSONALIZADO

TREINAMENTO PERSONALIZADO TREINAMENTO PERSONALIZADO PROGRESSÃO E CONTROLE DA CARGA DE TREINO Prof. Jeferson Vianna, Msc. Dndo Ciência do Desporto- UTAD Periodização x Progressão Quais as informações científicas disponíveis sobre

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado ISSN-1980-7341 1 A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado Rafael Bordini da Silva 1 Eduardo Adrião de Araújo Silva 2 RESUMO Através do presente estudo verificamos

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100.

Curva de Performance. Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos. VO2máx desejado: 40ml/kg/min. 40 100% 32 x x = 100. PERIODIZAÇÃO CURVA DE PERFORMANCE Exemplo: VO2máx atual: 32ml/kg/min Idade: 40 anos VO2máx desejado: 40ml/kg/min 40 32 x x Homens Treinados: VO 2 máx(ml/kg.min -1 ) = 69,7 - (0,62 x idade) Homens Sedentários:

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física 0 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física SULINO, R. M.; LAMOGLIA, L. J. A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBIO A PARTIR

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Programa da Unidade Curricular TREINO PERSONALIZADO DOCENTES Dr. João Moutão (regente) Dr. Miguel Silva 2009/2010 Tempo Total

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais

2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais 2ª SÉRIE 1º BIMESTRE Caracterização da musculação e faixa etária; objetivos da musculação e contribuição dos suplementos nutricionais Musculação na academia De acordo com Chiesa (2002), a musculação, classicamente

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Sistema de cadastro de clientes e controle de mensalidades, frequência e avaliação física

Sistema de cadastro de clientes e controle de mensalidades, frequência e avaliação física Sistema de cadastro de clientes e controle de mensalidades, frequência e avaliação física O sistema a ser desenvolvido para a Academia EduFitness deverá cadastrar e controlar os dados pessoais dos alunos

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011

CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 1 CURSO MUSCULAÇÃO E CARDIO 2011 João Pedro Ramos, CPT, PES National Academy of Sports Medicine Certified Personal Trainer Performance Enhancement Specialist AVALIAÇÃO DA COMPONENTE MÚSCULO-ESQUELÉTICA

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul CONTANDO SAÚDE Contadoria do Foro Central de Porto Alegre Responsáveis Técnicos: Magdala de Leon Distribuidora e

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

Capitulo III Metodologia

Capitulo III Metodologia Capitulo III Metodologia 3.1. Caracterização da Amostra O presente estudo tem como base uma amostra a ser definida no próximo ano pela Faculdade de Ciências de Desporto e Educação Física da Universidade

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR Jacques Douglas ROMÃO 1 RESUMO Na profissão Bombeiro Militar, muitas das atividades profissionais realizadas no dia

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

Atividade Física e Saúde

Atividade Física e Saúde Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte Elaboração Final: 16 de Agosto de 2001 Autores: Carvalho T, Nóbrega ACL, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, Oliveira MAB, De Rose EH, Araújo CGS,

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO: Fisioterapia TURMA: Terceiro Período A HORARIO: Segundas-feiras às 21hs (1) e Terças-feiras às 20hs10mim (2) COMPONENTE

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal?

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal? Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Nader Alves dos Santos Ano Letivo - 2015 4º BIMESTRE Colégio da Polícia Militar de Goiás -NAS Aluno (a): Nº Faça o que se pede. MODALIDADES EM ALTA CONTEÚDO SIMULADO

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP

GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP GASTO ENERGÉTICO DA AULA DE STEP RESUMO Viviane Ribeiro de Ávila Vianna 1 Vinícius de Oliveira Damasceno 2 Jeferson Macedo Vianna 3 Jorge Roberto Perrout Lima 4 Jeferson da Silva Novaes 5 Estélio Henrique

Leia mais

Gi G n i ást s ic i a c d e aca c demi m a i Profa Erika

Gi G n i ást s ic i a c d e aca c demi m a i Profa Erika Ginástica de academia Profa Erika Programa 1. Apresentação da disciplina, plano de ensino, métodos e avaliação; 2. Conceitos em ginástica e fitness; 3. Histórico da academias no Brasil,tipos de ginástica

Leia mais

programa de exercícios físicos

programa de exercícios físicos programa de exercícios físicos Nome: Escola de Educação Fisíca e Esporte São Paulo 2012 Agradecemos aos alunos participantes do Curso de condicionamento físico para adultos (matutino/2011) da Escola de

Leia mais

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR Silvano Kruchelski Especialista em Didática do ensino Superior PUCPR Secretaria Municipal do Esporte e Lazer/ Programa Curitibativa Curitiba

Leia mais

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO

ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO ANEXO I - DAS PROVAS PARA O TESTE DE APTIDÃO FÍSICA BOMBEIRO MILITAR 1. DA PROVA DE FLEXÃO DE COTOVELO DINÂMICO EM BARRA FIXA MASCULINO 1.1. Posição inicial: a) pegada na barra com as mãos em pronação

Leia mais

O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!!

O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!! O QUE CONTA É A QUALIDADE DO PESO E NÃO A QUANTIDADE Pode parecer magro e afinal estar obeso!!! Por Personal Trainer Rui Barros PESO / ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO CORPORAL VS. PESO IDEAL O peso ideal é aquele

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

Exercício físico com doentes hemodialisados

Exercício físico com doentes hemodialisados Novo, André *#+ ;Travassos, Francisco ; Teixeira, Fernanda» ; Hernández Múrua, Aldo» ; de Paz Fernández, José» ; Nunes de Azevedo, José ; * Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais