AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS"

Transcrição

1 Vol. ISSN 9 No , 2005 Limiar de Anaerobiose em Homens Saudáveis e Coronariopatas 157 Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), Revista Brasileira de Fisioterapia AVALIAÇÃO DO CONTROLE AUTONÔMICO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E DETERMINAÇÃO DO LIMIAR DE ANAEROBIOSE EM HOMENS SAUDÁVEIS E CORONARIOPATAS Takahashi, A. C. M., 1 Novais, L. D., 1,2 Silva, E., 1,3 Sakabe, D. I., 1,4 Oliveira, L., 1 Milan, L. A., 5 Darezzo, F. 6 e Catai, A. M. 1 1 Núcleo de Pesquisa em Exercício Físico, Dep. de Fisioterapia, UFSCar, São Carlos, SP, Brasil 2 Dep. de Fisioterapia, Faculdades Federais Integradas de Diamantina (FAFEID), Diamantina, MG, Brasil 3 Faculdade de Ciências da Saúde, FACIS UNIMEP, Piracicaba, SP, Brasil 4 Dep. de Ginecologia e Obstetrícia, FMRP USP, Ribeirão Preto, SP, Brasil 5 Dep. de Estatística, UFSCar, São Carlos, SP, Brasil 6 Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, SP, Brasil Correspondência para: Anielle Cristhine de Medeiros Takahashi, Núcleo de Pesquisa em Exercício Físico (NUPEF), Dep. de Fisioterapia, UFSCar, via Washington Luís, km 235, C.P. 676, CEP , São Carlos, SP, Brasil Recebido: 8/10/2004 Aceito: 11/5/2005 RESUMO Objetivo: (a) Avaliar a freqüência cardíaca (FC) e sua variabilidade (VFC) em repouso e durante teste de exercício físico dinâmico descontínuo tipo degrau (TEFDD-d) em homens saudáveis sedentários (SS) e infartados ativos (IA); (b) determinar e comparar o limiar de anaerobiose (LA) dos grupos estudados. Metodologia: Foram estudados 10 SS (52,5 anos) e 6 IA (59,2 anos) em repouso nas posições supino e sentado e em TEFDD-d realizado em cicloergômetro, iniciando na potência de 25 Watts (W) para os SS e em 15 W para os IA, com incrementos de 10 W, e após dois níveis de potência com decréscimo de 5 W e acréscimo de 5 W. A FC (bpm) e os intervalos R-R (ir-r) em ms foram captados batimento a batimento em repouso e em TEFDD-d. Foram calculados os índices RMSSD dos ir-r e a FC média das condições de repouso e do trecho estável de cada nível de potência. O LA foi determinado aplicando o modelo semiparamétrico aos dados de FC. Os testes estatísticos utilizados foram Wilcoxon, Mann Whitney e Friedmann, nível de significância p < 0,05. Resultados: Em repouso os valores de RMSSD dos ir-r e da FC não atingiram diferenças estatísticas significativas entre os grupos, já os SS apresentaram diferenças significativas nos valores de FC durante a mudança postural. No nível da potência do LA ambos os grupos não apresentaram reduções significativas da VFC em comparação com 25 W. Conclusão: Nossos resultados sugerem que a atividade física regular realizada pelos IA contribuiu para manter tanto a capacidade aeróbia como a modulação autonômica da FC similares a dos SS. Palavras-chave: limiar de anaerobiose, freqüência cardíaca, variabilidade da freqüência cardíaca, doença coronariana, infarto do miocárdio, exercício físico. ABSTRACT Evaluation of autonomic heart rate control and determination of anaerobic threshold among healthy and coronary heart-diseased men Objective: a) To evaluate heart rate (HR) and its variability (HRV) at rest and during step-type discontinuous dynamic physical exercise test (s-ddpet) among sedentary healthy men (SH) and active men with coronary heart disease (CHD); b) To determine and compare the anaerobic threshold (AT) for the two groups. Method: Ten SH (52.5 years) and six CHD (59.17 years) were studied at rest, in supine and sitting positions, and during s-ddpet performed on a cycle-ergometer. The initial s-ddpet workload was 25 watts (W) for SH and 15W for CHD, followed by 10W increments and a final two power levels with 5W decrease and 5W increase. HR (bpm) and R-R intervals (R-Ri), in ms, were registered on a beat-to-beat basis, at rest and during s-ddpet. The RMSSD index of R-Ri and the mean HR were calculated for resting conditions and the stable interval of each power level. The AT was determined by applying the semi-parametric model to the HR data. Wilcoxon, Mann-Whitney and Friedman tests were used for statistical analysis, 138 Takahashi A C M.p65 157

2 158 Takahashi, A. C. M. et al. Rev. bras. fisioter. with the level of significance set at 5%. Results: At rest, there were no statistical differences in RMSSD and HR values between the groups. The SH group showed significant difference in HR values during the postural change. At the AT power level, neither group presented significant reduction in HRV, in comparison with 25W. Conclusion: our results suggest that regular physical activity performed by the CHD group contributed towards maintaining aerobic capacity and autonomic HR modulation resembling those of the SH group. Key words: anaerobic threshold, heart rate, heart rate variability, coronary heart disease, myocardial infarction, physical exercise. INTRODUÇÃO O limiar de anaerobiose (LA) é um importante parâmetro para avaliar a capacidade física de um indivíduo, sendo que ele corresponde ao nível de potência, ou consumo de oxigênio (VO 2 ) submáximo, ponto em que começa a haver desproporção entre o aumento de ácido láctico produzido pelo músculo e sua eliminação, ou seja, quando a demanda de oxigênio é maior que a oferta e o mecanismo aeróbio oxidativo passa a ser suplementado pelo mecanismo anaeróbio. 1 A identificação do LA pode ser realizada por métodos invasivos, como dosagem da concentração de lactato 1 e de bicarbonato plasmático, 1 e/ou por métodos não invasivos, como o ventilatório, por ergoespirometria, no qual o LA é obtido por meio das variações nas curvas de ventilação e de produção de CO 2, ou seja, um aumento não linear dessas variáveis em comparação ao aumento linear do consumo de oxigênio 1,3,4 pela análise do comportamento da resposta da freqüência cardíaca (FC), 2,5 pela variabilidade da freqüência cardíaca (VFC) 5 e mais recentemente pela aplicação de modelos matemáticos no sentido de detectar mudanças de inclinação da produção de dióxido de carbono, FC e root mean square (RMS) do sinal eletromiográfico. 4 Considerando que as técnicas que envolvem a FC e sua variabilidade são mais simples e menos onerosas 4 em relação à utilização do equipamento de ergoespirometria, que tem alto custo e não está presente na maioria dos ambulatórios de atendimento à população, 4 a utilização dessas novas metodologias trariam grandes benefícios à prática clínica de avaliação de indivíduos submetidos a programas de treinamento físico. 4 O estudo do controle do sistema nervoso autônomo do coração, durante teste de exercício físico dinâmico, em degraus descontínuos com carga crescente, nos permite observar duas fases do padrão de comportamento da resposta da FC. Primeiro nota-se um período de latência de cerca de 0,5 segundo, nos seguintes 10 a 20 segundos há a retirada vagal atuante sobre o nódulo sinoatrial causando rápida elevação da FC. Após esse período, em níveis baixos de potência de esforço físico verifica-se uma redução da FC que corresponde ao período da retomada vagal, assim, a FC pode se estabilizar até o final do trabalho muscular. 2,5,6 Em níveis de potências moderadas a mais intensas é possível identificar a partir da análise da FC por modelos matemáticos e estatísticos uma inclinação positiva de sua resposta, o que tem sido atribuído a um predomínio da função simpática, caracterizando, indiretamente, o LA. 2,5,6 Nas potências realizadas acima do LA é observado acréscimo da FC mais intenso à medida que o nível de atividade física aumenta. 2,5 Por sua vez, a VFC é um termo utilizado para indicar as oscilações entre freqüências cardíacas instantâneas consecutivas, assim como no intervalo entre batimentos cardíacos, que são determinados pela modulação das atividades dos sistemas nervoso simpático e parassimpático no nó sinoatrial. 7,8 Vários estudos têm mostrado que com o aumento da intensidade do exercício físico a VFC diminui progressivamente até o LA, em decorrência da diminuição da modulação vagal sobre o nó sinoatrial e do aumento da atividade simpática. 5,7,9 Em relação à VFC, no infarto do miocárdio ela tem sido considerada um marcador para o risco de mortalidade, uma vez que sua alteração estaria relacionada a uma depressão da atividade vagal, que apresenta forte associação com a patogênese de arritmias ventriculares e morte súbita. 10 A literatura refere que há grande diminuição da VFC após o evento agudo do miocárdio no 1 o mês e, em seguida, temos gradual normalização, porém, não completa, ou seja, indivíduos infartados apresentam menor VFC em relação a pessoas da mesma idade que não sofreram tal evento. 7,8,10 Considerando que a fisioterapia cardiovascular utiliza programas de treinamento físico como parte do protocolo de atendimento, a identificação do LA é importante para determinar prescrição mais adequada da atividade física, 2 bem como para avaliar as adaptações da modulação autonômica da FC e da capacidade aeróbia decorrentes do treinamento físico. Sendo assim, os objetivos do presente trabalho foram: avaliar a FC e sua variabilidade durante o repouso nas posições supina e sentada e determinar o limiar de anaerobiose pelo comportamento da resposta da freqüência cardíaca, bem como analisar a VFC no momento do LA comparando 2 grupos de indivíduos: um com infarto antigo do miocárdio que realiza atividade física regular e outro de saudáveis sedentários. 138 Takahashi A C M.p65 158

3 Vol. 9 No. 2, 2005 Limiar de Anaerobiose em Homens Saudáveis e Coronariopatas 159 MATERIAIS E MÉTODOS Voluntários Foram estudados 16 homens, sendo 10 saudáveis (SS) com idade mediana de 52,5 anos e 6 portadores de infarto antigo do miocárdio (IA) com idade mediana de 59,2 anos e não usuários de medicamentos beta bloqueadores ou bloqueadores de canais de cálcio. Os voluntários saudáveis realizavam atividade física esporadicamente, numa freqüência inferior a uma vez por semana, e por isso foram classificados como sedentários; os voluntários com infarto do miocárdio faziam parte de um programa de Fisioterapia Cardiovascular, realizando treinamento físico a aproximadamente um ano, com freqüência de 3 vezes por semana, com 1 hora de duração e intensidade de 70% a 75% da FC de pico atingida no teste de esforço de avaliação funcional, a qual correspondia ao nível do LA determinado por teste de esforço descontínuo do tipo degrau. 2 Todos foram submetidos às seguintes avaliações: anamnese, exame físico, eletrocardiograma em repouso, teste de esforço físico dinâmico máximo ou sintoma limitado com protocolo em degrau contínuo e exames laboratoriais (glicemia de jejum, colesterol total e frações, triglicérides, ácido úrico, creatinina e urina tipo 1). Os voluntários não eram diabéticos, etilistas ou fumantes. Todos foram orientados a não realizar esforços físicos extenuantes no dia anterior e no dia do teste, utilizar apenas os medicamentos e a dosagem indicados pelo médico e fazer uma refeição leve pelo menos 2 horas antes dos testes. Considerando as influências do ciclo circadiano nas respostas das variáveis estudadas, todos os experimentos foram realizados no período da manhã. Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética da instituição e os voluntários assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido de participação na pesquisa. Protocolo Experimental Protocolo I: Condição de repouso Esse protocolo teve por objetivo avaliar a freqüência cardíaca e sua variabilidade nas condições de repouso supino e sentado. Inicialmente, o voluntário permaneceu na postura supina para que fosse realizada tricotomia, limpeza e colocação de eletrodos. Em seguida, o eletrocardiograma (ECG), a FC e os intervalos entre duas ondas R do ECG (ir-r) eram coletados a partir da derivação MC5 (eletrodo vermelho: no manúbrio esternal, eletrodo amarelo: no 5 o espaço intercostal na linha axilar anterior e eletrodo preto: no rebordo costal direito) nas posições supina e sentada (sendo que na última foi utilizada uma cadeira com encosto, estando os braços dos voluntários apoiados nos membros inferiores). O período de coleta da FC foi de 15 minutos em cada posição. Para a captação e o processamento dos sinais eletrocardiográficos foi utilizado um monitor cardíaco de 1 canal (TC 500, ECAFIX) acoplado a um conversor analógico digital Lab PC + (National Instruments, Co), que constitui uma interface entre o monitor cardíaco e o microcomputador Pentium III. A partir da interface, o sinal analógico do ECG foi convertido em valores binários para o acesso no microcomputador, por meio de um programa de processamento dos sinais digitalizados. 11 Protocolo II: Teste de exercício físico dinâmico em degraus descontínuos (TEFDD-d). Esse teste foi realizado com o objetivo de avaliar a contribuição dos componentes dos sistemas nervosos autônomo, simpático e parassimpático no incremento da freqüência cardíaca induzida pelo esforço físico, em uma ampla faixa de variação de potências aplicadas, para a detecção do LA. Esse teste foi realizado num cicloergômetro de frenagem eletromagnética (Ergo 167 Cycle Ergo Fit), com potência inicial de 25 W para os SS e de 15 W para os IA, durante 360 segundos. Após esse nível de potência, os incrementos foram de 10 W, até que fosse identificada a inclinação positiva da resposta da FC pelo modelo semiparamétrico. A partir dessa foram realizados mais dois estágios, um com acréscimo de 5 W e outro com decréscimo de 5 W. Foi intercalado um período variável de repouso entre um nível de esforço e outro, para que a FC retornasse a seus valores basais. Os voluntários foram monitorizados na derivação MC5 durante cada degrau do protocolo II: 60 segundos pré-esforço, 360 segundos de exercício e 60 segundos no período de recuperação, utilizando o mesmo sistema de captação e processamento do ECG do protocolo I. Análise dos Dados Os dados de FC captados batimento a batimento foram processados para a obtenção do LA utilizando um modelo matemático e estatístico semiparamétrico a partir de uma rotina específica desenvolvida para esse fim, empregandose o aplicativo estatístico SPLUS (versão 2000 Professional Release 1 for MS Windows, 1999, Copyright Statistical Sciences, Inc. Copyright Lucent Technologies). Esse programa permite a identificação da potência em que a FC perde a estabilidade, o que tem sido atribuído ao predomínio da atuação simpática no nó sinoatrial, caracterizando indiretamente o LA. Para essa análise foi selecionado o trecho estável da série temporal de FC, no período entre 120 e 380 segundos de cada degrau. A análise da VFC foi realizada por meio do índice temporal RMSSD dos intervalos R-R (ir-r), em ms. Foram analisados os períodos de repouso, 15 minutos supino e 15 minutos sentado, bem como os trechos estáveis no período de 120 e 380 segundos em cada nível de esforço. O índice RMSSD corresponde à raiz quadrada da somatória do quadrado das diferenças entre os ir-r (ms) no registro, divididos pelo número de ir-r (ms) menos um. A análise estatística de significância foi realizada a partir dos testes não paramétricos de Wilcoxon (para a comparação entre as posições supina e sentada), Friedmann (na 138 Takahashi A C M.p65 159

4 160 Takahashi, A. C. M. et al. Rev. bras. fisioter. comparação dos dados nas condições sentada, em 25 W e no LA) e Mann-Whitney (na comparação intergrupos). Foram considerados níveis de significância de p < 0,05. RESULTADOS As características antropométricas, a idade e os dados de FC e RMSSD em repouso e em TEFDD-d dos SS e dos IA estão expressos na Tabela 1. Foi observado que os IA apresentavam idade mediana, em anos, significativamente maior do que os SS. Com base nos resultados do teste ergométrico clínico, os voluntários SS foram classificados como fracos e os IA como fracos e muito fracos segundo a classificação aeróbia da American Heart Association. A Figura 1A apresenta os dados da FC, em batimentos por minuto (bpm), e a 1B, os valores do índice RMSSD dos i-rr (ms) na condição de repouso, nas posições supina e sentada, nas potências de 25 W e de LA dos indivíduos SS e IA. Observa-se na análise da FC intragrupos que somente o grupo SS apresentou diferença estatisticamente significativa, na transição da posição supina para a sentada. Comparando os valores de FC na condição sentada, em 25 W e no LA, observa-se que há aumento significativo dessa variável da condição de repouso sentado para o LA, em ambos os grupos. Em relação aos valores de RMSSD dos ir-r, em ms, na mudança postural não houve diferença estatisticamente significativa para ambos os grupos. Tanto para os SS quanto para os IA observamos na transição do repouso sentado para a potência de 25 W redução do índice RMSSD dos ir-r, porém sem alcançar significância estatística. Durante o exercício da carga de 25 W para o LA, não se observou redução significativa do índice RMSSD dos ir-r em ambos os grupos. Na análise intergrupos, Tabela 1, não observamos diferenças significativas nos valores de FC e do índice RMSSD dos i-rr, tanto para as condições de repouso, supino e sentado como no exercício, na carga de 25 W e no LA. O valor mediano de potência (W) no qual foi identificado o momento do LA foi de 37,5 W para ambos os grupos, com valores mínimos e máximos de 25 W e 55 W para os SS e de 25 W e 40 W para os IA. DISCUSSÃO A literatura refere que o nível de condicionamento físico e a presença de patologias podem influenciar a FC na condição de repouso. 12 A VFC, por sua vez, apresenta importantes alterações em função da idade, sendo inclusive um marcador biológico do envelhecimento. 13 Essa variável também sofre alterações com o nível de condicionamento físico 14 e no infarto do miocárdio, no qual se encontra reduzida, sendo considerada parâmetro preditor de prognóstico de morbimortalidade. 7,8,10 Tabela 1. Valores medianos de idade, características antropométricas, variáveis FC (bpm) e índice RMSSD dos i-rr (ms), no repouso (supino e sentado) e nas potências de 25 W e de LA do teste no esforço físico dinâmico em degraus descontínuos (TEFDD-d) dos grupos saudáveis sedentários (SS) e infartados ativos (IA). SS IA Idade (anos) 52,5 59,2* Características antropométricas Peso corporal (kg) 72,9 75,2 Altura (m) 1,69 1,68 Índice de massa corporal (kg/m 2 ) 26,1 26,9 Variáveis estudadas em repouso e no TEFDD-d FC (bpm) supino 71,1 66 FC (bpm) sentado 74,1 73,5 FC (bpm) 25 W 84,5 94 FC (bpm) LA ,5 RMSSD dos i-rr (ms) supino 21,7 17,6 RMSSD dos i-rr (ms) sentado 21,7 16,1 RMSSD dos i-rr (ms) 25 W 9,8 6,5 RMSSD dos i-rr (ms) LA 8,1 6,9 *p < 0,05 obtido a partir do teste de Mann-Whitney (análise intergrupos). 138 Takahashi A C M.p65 160

5 Vol. 9 No. 2, 2005 Limiar de Anaerobiose em Homens Saudáveis e Coronariopatas p < 0,05 p < 0,05 A 110 Freqüência cardíaca (bpm) p < 0,05 p < 0,05 p > 0,05 p > 0,05 p > 0,05 p > 0,05 Máximo Mínimo 75% 25% 40 Supino Sentado 25 W LA Supino Sentado 25 W LA Saudáveis sedentários Infartados ativos Mediana Outliers p < 0,05 p < 0,05 B Índice RMSSD dos intervalos R R (ms) p > 0,05 p > 0,05 p > 0,05 p > 0,05 p > 0,05 p > 0,05 Máximo Mínimo 75% 25% 0 Supino Sentado 25 W LA Supino Sentado 25 W LA Saudáveis sedentários Infartados ativos Mediana Outliers Figura 1. Valores da freqüência cardíaca em batimentos por minutos (bpm) em A e valores dos índices RMSSD dos ir-r (ms) em B, dos grupos de saudáveis (SS) (n = 10) e infartados (IA) (n = 6), durante o repouso, nas posições supina e sentada, e nos trechos estáveis da resposta da FC batimento a batimento no período de 120 a 380 s, nas potências de 25 W e do nível do LA. Nível de significância p < 0,05. No presente trabalho não foram observadas diferenças significativas da FC entre os grupos na condição de repouso, nas posições supina e sentada. O índice RMSSD apresentou menores valores para os IA, não alcançando, porém, diferenças estatisticamente significativas quando comparado aos SS, sugerindo que o decréscimo da atividade parassimpática atuante no nó sinusal que é esperado em coronariopatas foi amenizado pelo fato de eles realizarem atividade física regular. Nosso estudo é concordante com outros trabalhos na literatura 15,16 que avaliaram coronariopatas ativos e saudáveis sedentários em repouso, nas condições supino e sentado, e não encontraram diferenças significativas entre os grupos 138 Takahashi A C M.p65 161

6 162 Takahashi, A. C. M. et al. Rev. bras. fisioter. para os valores de FC 15 e para o índice RMSSD. 16 Ressaltamos também que no presente estudo, apesar de os SS terem idade significativamente inferior aos IA, isso não influenciou os resultados da VFC e FC, uma vez que não houve diferença estatística significativa entre os grupos. Isso pode ter ocorrido em função dos SS não praticarem nenhum tipo de atividade física, sendo que hoje o sedentarismo é considerado um importante fator de risco cardiovascular, 17 ou ainda pela melhora da condição cardiovascular dos IA atribuída ao treinamento físico. 18 Em relação à mudança postural, ocorrem variações na modulação vago-simpática, envolvendo a ativação das vias eferentes simpáticas e menor ativação da eferência parassimpática para o coração. A mudança postural de supino para sentado ocasiona modificações das variáveis cardiovasculares em decorrência dos desvios hidrostáticos e das respostas reflexas adaptativas causadas pelo deslocamento de sangue das extremidades superiores para as inferiores, diminuição do volume sistólico, aumento da FC para manutenção do débito cardíaco e da pressão arterial sistêmica, ativação dos mecanoceptores arteriais e cardiopulmonares e integração de informações periféricas e centrais. 19 Nossos resultados são concordantes com os dados expostos em relação ao grupo de saudáveis, que apresentaram maiores valores de FC na posição sentada em relação à supina, os IA, por sua vez, não apresentaram diferenças estatísticas na mudança de postura, sugerindo que a presença de patologia pode alterar a dinâmica circulatória, afetando a resposta da FC de repouso. 15 Por outro lado, ao analisarmos o índice RMSSD dos ir-r em relação à mudança postural, este não mostrou diferença significativa entre os grupos. Apesar de a literatura indicar que tanto o sedentarismo 20 como o infarto do miocárdio podem provocar modificações no controle autonômico do coração, 15,16 o efeito do último pode ter sido amenizado pelo efeito do treinamento aeróbio realizado pelo grupo IA, proporcionando condições similares para ambos os grupos. Tem sido referido na literatura que a prescrição de treinamento físico baseada somente na resposta cronotrópica obtida por cálculos baseados na % da FC máxima prevista apresenta certas limitações, podendo na maioria das vezes superestimar a capacidade funcional dos indivíduos. 9 Em decorrência desse fato, tem-se buscado programas de treinamento físico baseados no estresse metabólico causado pelo exercício físico dinâmico, como no momento do LA. No entanto, para a identificação do LA ventilatório, os equipamentos utilizados em ergoespirometria são de alto custo, não estando disponíveis em várias clínicas e/ou laboratórios. Nesse sentido, este trabalho buscou a determinação do LA de maneira mais acessível, utilizando protocolo submáximo e metodologia de análise não invasiva e de baixo custo: a resposta da FC, bem como a análise da VFC no momento do LA. Em nosso trabalho os valores de potência e FC atingidos ao nível de LA para os SS foram 37,5 W e 95 bpm e para os IA, 37,5 W e 100 bpm. Assim, nossos valores de FC no LA são compatíveis com os obtidos por outros autores. Pokan 21 e Garcez, 2 estudando infartados, obtiveram FC de 97 e 109 bmp, respectivamente, enquanto Sakabe, 4 Catai 3 e Wanjgarten, 22 estudando homens de meia idade sedentários, obtiveram os valores respectivos de 95, 114 e 101 bpm. Em relação à potência no LA, nossos valores se encontram abaixo do relatado pela literatura, tanto para SS como para IA. No estudo de Pokan, 21 com coronariopatas foi utilizado protocolo degrau contínuo obtendo valores de 50 ± 15 W, enquanto Novais, 15 utilizando protocolo do tipo rampa, obteve valores de 63 W. Para os dados de homens de meia idade sedentários, utilizando protocolo do tipo rampa, Sakabe 4 obteve valores de 66,5 W, enquanto Wanjgarten 22 e Catai 3 encontraram valores de 50 ± 16 W e 77 W, respectivamente. Essas discordâncias podem ser explicadas pelos diferentes protocolos utilizados e pelo emprego da ergoespirometria para a detecção do LA. 3,4,15,21,22 Por outro lado, protocolo tipo degraus descontínuos semelhante ao nosso foi utilizado no trabalho de Garcez, 2 que estudou coronariopatas treinados em potências abaixo e acima do LA, cujos dados de FC foram processados por meio de modelos auto-regressivos integrando médias móveis (ARIMA), sendo que o LA foi determinado com valor mediano de potência de 75 W. Já Marães, 5 estudando homens saudáveis na faixa etária de 43 ± 3,5 anos, obteve valores de 60 W aplicando o modelo ARIMA e 55 W com a aplicação do modelo semiparamétrico. É importante ressaltar que os coronariopatas estudados por Garcez 2 realizavam a atividade física programada há cerca de 2,5 a 3 anos e os do presente estudo, há apenas 1 ano, e que os homens saudáveis estudados por Marães 5 eram fisicamente ativos e apresentavam idade inferior aos estudados neste trabalho. Em relação à utilização da variabilidade da freqüência cardíaca, por meio da análise dos índices RMSSD dos ir- R, com homens de meia-idade ativos, 5 que também utilizou protocolo descontínuo e análise do índice RMSSD, ocorreu redução estatisticamente significativa da VFC na potência do LA em relação à menor potência aplicada. Este estudo atribui menor participação do sistema nervoso parassimpático e predominância do simpático no controle da FC em intensidades acima do LA. Em contrapartida, em nosso estudo, durante o exercício não houve redução significativa do RMSSD dos ir-r na potência de 25 W em relação à correspondente ao LA em ambos os grupos. Essa resposta poderia ser explicada pelo fato de que tanto os coronariopatas quanto os sedentários partem de baixos valores basais de VFC, não sendo possível detectar uma redução no momento do LA. Os coronariopatas, em decorrência de sua patologia, 7,8,10 e os saudáveis, em razão de sua condição sedentária, apresentam valores inferiores 138 Takahashi A C M.p65 162

7 Vol. 9 No. 2, 2005 Limiar de Anaerobiose em Homens Saudáveis e Coronariopatas 163 de índice RMSSD (21,694 ms) em relação aos de referência da literatura para a mesma faixa etária, que é de 27 ± 12 ms. 8,23 Nossos achados estão de acordo com Takahashi et al., 24 que ao estudarem coronariopatas, utilizando protocolo tipo rampa, também não conseguiram observar redução significativa do índice RMSSD com os incrementos de potência em relação à potência de aquecimento. Esta investigação apresenta limitações no que diz respeito ao número de infartados estudados, uma vez que o critério de exclusão para a participação na pesquisa foi o uso de medicamentos betabloqueadores e bloqueadores de canais de cálcio, pois causam alterações na FC e VFC, que foram as variáveis analisadas. Além disso, esses medicamentos têm sido utilizados como terapia de escolha em grande parte dos casos de infarto do miocárdio, o que contribuiu para limitar o número de pacientes triados. Considerando que a presença de infarto do miocárdio contribua para diminuição do controle autonômico da FC 18 e da capacidade física e funcional em relação aos saudáveis, no presente estudo observamos que a realização de fisioterapia cardiovascular proporcionou aos infartados condições similares às dos saudáveis sedentários. Dessa maneira, ressaltase a importância da instituição de programas de fisioterapia cardiovascular com prescrição individualizada quanto à intensidade, freqüência e duração para indivíduos portadores de infarto do miocárdio e, para tanto, sugere-se o uso de metodologia de baixo custo, como a utilizada neste trabalho, uma vez que ela se mostrou efetiva para avaliar a capacidade funcional por meio da detecção do limiar de anaerobiose. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Wasserman K, Hansen JE, Sue D, Whipp BJ, Casaburi R. Principles of exercise testing and interpretation. 3 a ed. Philadelphia: Lippincott Williams and Wilkins; Garcez ARR, Visconde FJ, Zaitune MAP, Marães VRFS, Moura MAS, Verzola RMM, et al. Avaliação do limiar de anaerobiose em homens com fatores de risco para doença da artéria coronária e com doença da artéria coronária. Rev Soc de Cardiol Estado de São Paulo 2001; 11(3): Catai AM, Chacon-Mikahil MPT, Martinelli FS, Forti VAM, Silva E, Golfetti R, et al. Effects of aerobic exercise training on heart rate variability during wakefulness and sleep and cardiorespiratory responses of young and middle-aged healthy men. Braz J Med Biol Res 2002; 35(6): Sakabe, DI. Quantificação do limiar de anaerobiose durante exercício físico dinâmico em homens de meia idade: análise da resposta de variáveis cardiorrespiratórias e musculares [dissertação]. São Carlos: UFSCar; Marães VRFS, Teixeira LCA, Catai AM, Milan LA, Rojas FAR, Oliveira L, et al. Determinação e validação do limiar de anaerobiose a partir de métodos de análise da freqüência cardíaca e de sua variabilidade. Rev Soc de Cardiol Estado de São Paulo 2003; 4 a Suppl A: Gallo JR L, Maciel BC, Marin Neto JÁ. Control of heart rate during exercise in health and disease. Braz J Med Biol Res 1995; 28: Longo A, Ferreira D, Correia MJ. Variabilidade da freqüência cardíaca. Rev Port Cardiol 1995; 14(3): Task Force. Heart rate variability: standards of measurement, physiological interpretation and clinical use. Task Force of the European Society of Cardiology and the North American Society of Pacing and Electrophysiology. Circulation 1996; 93(5): Alonso DO, Forjaz CLM, Resende LO, Braga AMFW, Barretto ACP, Negrão CE, et al. Comportamento da freqüência cardíaca e da sua variabilidade durante as diferentes fases do exercício físico progressivo máximo. Arq Bras Cardiol 1998; 71(6): Barbosa PR, Barbosa Filho J, de Sa CA. Effects of age, sex and coronary heart disease on the autonomic modulation of the heart. Arq Bras Cardiol 1996; 67(5): Silva E, Catai AM, Trevelin LC, Guimarães JO, Silva Jr LP, Silva LMP, et al. Design of a computerized system to evaluate the cardiac function during dynamic exercise. Anais do world congress of medical physics and biomedical engineering; p Tulppo MP. Vagal modulation of heart rate during exercise: effects of age and physical fitness. Am J Physiol 1998; 274(2): H Migliaro ER, Contreras P, Bech S, Etxagibel A, Castro M, Ricca R, et al. Relative influence of age, resting heart rate and sedentary life style in short-term analysis of heart rate variability. Braz J Med Biol Res 2001; 34(4): De Meersman RE. Heart rate variability and aerobic fitness. Am Heart J 1993; 125(3): Novais, LD. Comparação da modulação autonômica da freqüência cardíaca em repouso e da capacidade aeróbia entre homens saudáveis e coronariopatas de meia idade [dissertação de mestrado em Fisioterapia]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos (UFSCar); Novais LD, Sakabe DI, Takahashi ACM, Gongora H, Taciro C, Martins LEB, et al. Avaliação da variabilidade da freqüência cardíaca em repouso de homens saudáveis sedentários e de hipertensos e coronariopatas em treinamento físico. Rev Bras Fisioter 2004; 8(3): Giannuzzi P, Mezzani A, Saner H, Bjornstad H, Fioretti P, Mendes M, et al. Physical activity for primary and secondary prevention. Position paper of the working group on cardiac rehabilitation and exercise physiology of European Society of Cardiology. Eur J Cardiovasc Prev Reabil 2003; 10(5): Lucini D, Milani RV, Constantino G, Lavie CJ, Porta A, Pagani M. Effects of cardiac reabilitation and exercise training on autonomic regulation in patients with coronary artery disease. Am Heart Journal 2002; 143: Lindqvist A. Noninvasive methods to study autonomic nervous control of circulation. Acta Physiol Scand 1990; Suppl: 588: Takahashi A C M.p65 163

8 164 Takahashi, A. C. M. et al. Rev. bras. fisioter. 20. Tulppo MP, Hautala AJ, Makikallio TH, Laukkanen RT, Nissila S, Hughson RL, et al. Effects of aerobic training on heart rate dynamics in sedentary subjects. J Appl Physiol 2003; 95(1): Pokan R, Hoffman NP, Duvvilard SPV, Beaufor F, Smekal G, Gasser R, et al. The heart rate performance curve and left ventricular function during exercise in patients after myocardial infarction. Med Sci Sports Exerc 1998; 95: Wajngarten M, Kalil L, Negrão C, Braga A, Yazbek P, Bellotti G, et al. Avaliação cardiorrespiratória ao exercício no idoso sadio. Arq Bras Cardiol 1994; 63(1): Bigger Jr JT, Fleiss JL, Steinmman RC, Rolnitzky LM, Schneider WJ, Stein PK. R-R variability in healthy, middleaged persons compared with patients with chronic coronary heart disease or recente acute myocardial infarction. Circulation 1995; 91: Takahashi ACM, Oliveira L, Silva E, Gallo Jr L, Novais LD, Catai AM. Determinação do limiar de anaerobiose pela variabilidade da freqüência cardíaca e produção de dióxido de carbono. Anais do XI Congresso de Iniciação Científica da UFSCar, São Carlos; p Takahashi A C M.p65 164

COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS

COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR DOIS MÉTODOS INDIRETOS JSSN 1413-3555 Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), 211-218 Revista Brasileira de Fisioterapia COMPARAÇÃO DOS NÍVEIS DE POTÊNCIA E DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA NO LIMIAR DE ANAEROBIOSE DETERMINADO POR

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO Alexandra Gomes Jesus Prestes, Marcelo Ricardo de Souza de Oliveira, Rodrigo Alexis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS Silva FRS, Oliveira MRS, Lazo-Osorio RA, Fagundes, AA, Goulart DGB Universidade

Leia mais

Processamento de sinais eletrocardiográficos João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. http://www.ene.unb.br/~joaoluiz Universidade de Brasília Faculdade UnB-Gama Especialização em Engenharia Clínica 3 de março

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS PARA DETERMINAR O LIMIAR DE ANAEROBIOSE DE IDOSOS SAUDÁVEIS

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS PARA DETERMINAR O LIMIAR DE ANAEROBIOSE DE IDOSOS SAUDÁVEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MÉTODOS PARA DETERMINAR O LIMIAR DE ANAEROBIOSE DE IDOSOS

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica

Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício ISSN 1981-9900 versão eletrônica 106 EFEITOS CARDIORRESPIRATÓRIOS E HEMODINÂMICOS APÓS 12 MESES DE CONDICIONAMENTO FÍSICO EM UM GRUPO DE CARDIOPATAS. EFFECT CARDIO RESPIRATORY AND HEMODYNAMIC AFTER 12 MONTHS OF PHYSICAL CONDITIONING IN

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

Arq Sanny Pesq Saúde 1(1):72-82, 2008

Arq Sanny Pesq Saúde 1(1):72-82, 2008 Arq Sanny Pesq Saúde 1(1):72-82, 2008 Artigo de Revisão Variabilidade da frequência cardíaca e controle metabólico. Lucieli Teresa Cambri 1, Lenise Fronchetti 2, Fernando Roberto De-Oliveira 3, Monique

Leia mais

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões

Esteira e eletrocardiógrafo com conexões ANTECIPANDO TECNOLOGIAS Esteira e eletrocardiógrafo com conexões O sistema para teste de esforço ErgoPC 13 une qualidade e facilidade com capacidade de diagnóstico e prognóstico. Ele oferece a melhor relação

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS

INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS INFLUÊNCIAS DE UM CURTO PROGRAMA DE TREINAMENTO AERÓBIO SOBRE O VALOR DO LIMIAR DA FREQUÊNCIA CARDÍ- ACA EM JOVENS SEDENTÁRIOS SAUDÁVEIS Thaísa Siqueira Modesto Gonçalves Faculdade de Medicina Centro de

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITO DO TREINAMENTO COMBINADO NA PERCEPÇÃO SUBJETIVA DE ESFORÇO E NA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Dra. Fátima Dumas Cintra

Leia mais

Munhoz Eva - Detecção de Isquemia Miocárdica Esforço Induzida: um novo Cenário para o teste de Esforço Cardio...

Munhoz Eva - Detecção de Isquemia Miocárdica Esforço Induzida: um novo Cenário para o teste de Esforço Cardio... QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

TREINAMENTO E VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA

TREINAMENTO E VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA TREINAMENTO E VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA 69 Influências de um curto programa de treinamento aeróbio sobre o valor do limiar de variabilidade da frequência cardíaca em mulheres sedentárias saudáveis

Leia mais

Comportamento da Freqüência Cardíaca e da Sua Variabilidade Durante as Diferentes Fases do Exercício Físico Progressivo Máximo

Comportamento da Freqüência Cardíaca e da Sua Variabilidade Durante as Diferentes Fases do Exercício Físico Progressivo Máximo Arq Bras Cardiol Artigo Original Alonso e col Comportamento da Freqüência Cardíaca e da Sua Variabilidade Durante as Diferentes Fases do Exercício Físico Progressivo Máximo Denise de Oliveira Alonso, Claudia

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE MEDIÇÃO E DA POSIÇÃO CORPORAL NA FREQUÊNCIA CARDÍACA DE REPOUSO

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE MEDIÇÃO E DA POSIÇÃO CORPORAL NA FREQUÊNCIA CARDÍACA DE REPOUSO Recebido: 31/07/2013 Parecer emitido em: 18/08/2013 Artigo original INFLUÊNCIA DO TEMPO DE MEDIÇÃO E DA POSIÇÃO CORPORAL NA FREQUÊNCIA CARDÍACA DE REPOUSO João Paulo Nogueira da Rocha Santos 1, Luizir

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA

TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA TREINO AERÓBIO EM REABILITAÇÃO CARDIACA ACIMA DO LIMIAR ANAERÓBIO PAULA ALMEIDA HOSPITAL PEDRO HISPANO 1/34 INTENSIDADE TREINO DOENTE CARDIACO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA COLABORAÇÃO BIBLIOTECÁRIOS HPH DRª JOANA

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica

Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica Atividade Física para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica: recomendações para o trabalho da Atenção Básica 5 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1 RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA FREQUÊNCIA DE ARRITMIAS E ANÁLISE DE VARIABILIDADE DE FREQUÊNCIA CARDÍACA EM CÃES COM EHRLIQUIOSE MONOCÍTICA CRÔNICA FREQUENCY

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA 8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA Autor(es) TAIS MENDES DE CAMARGO Co-Autor(es) ESTER

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS?

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS? 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CEILÂNDIA CURSO DE FISIOTERAPIA AMANDA CASTELO BRANCO DUARTE HANNA LISSA RIBEIRO MIRANDA QUINTANILHA A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA INFLUÊNCIA DA IDADE SOBRE A MODULAÇÃO AUTONÔMICA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA E A CAPACIDADE AERÓBIA

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

MODIFICAÇÕES DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FRENTE AO EXERCÍCIO E TREINAMENTO FÍSICO

MODIFICAÇÕES DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FRENTE AO EXERCÍCIO E TREINAMENTO FÍSICO ARTIGO MODIFICAÇÕES DA VARIABILIDADE DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA FRENTE AO EXERCÍCIO E TREINAMENTO FÍSICO Lenise Fronchetti 1, 2 César A. de Aguiar 2 Andreo F. Aguiar 2 Fábio Y. Nakamura 2 Fernando R. De-Oliveira

Leia mais

Condicionamento físico aplicado a doenças cardiovasculares

Condicionamento físico aplicado a doenças cardiovasculares ARTIGO DE REVISÃO Condicionamento físico aplicado a doenças cardiovasculares Magnus Benetti 1 RESUMO Tendo em vista a relevância da prevenção das doenças cardiovasculares, este artigo visa discutir alguns

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

PERFIL CLÍNICO E ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR E METABÓLICA

PERFIL CLÍNICO E ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR E METABÓLICA PERFIL CLÍNICO E ANTROPOMÉTRICO DE PACIENTES PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR E METABÓLICA (ANTROPOMETRY AND CLINICAL PROFILES OF PATIENTS PARTIPATING IN A CARDIOVASCULAR AND

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA: TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO

FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO FREQUÊNCIA CARDÍACA E EXERCÍCIO FÍSICO Durante um jogo de futebol, tanto os atletas quanto os amigos que se reúnem em um fim de semana, assim como os jogadores da seleção brasileira que este mês começa

Leia mais

Teste ergométrico: e teorema de Bayes

Teste ergométrico: e teorema de Bayes Teste ergométrico: Conceitos básicos b e teorema de Bayes Prof. Dr. Tales de Carvalho (SC) Doutor em Medicina pela USP (Área de Patologia); Professor da Universidade do Estado de Santa Catarina; Diretor

Leia mais

Sistemas de monitorização em UTI

Sistemas de monitorização em UTI Sistemas de monitorização em UTI # Monitorização cardíaca não invasiva; # Noções básicas de eletrocardiograma; Monitorizar visualização freqüente e repetida das variáveis fisiológicas Logo: Prevenir, Avisar,

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

Marco Aurélio do Sacramento 1 Alderico Rodrigues de Paula Junior 2 Rodrigo Aléxis Lazo Osório 3 Wellington Ribeiro 4

Marco Aurélio do Sacramento 1 Alderico Rodrigues de Paula Junior 2 Rodrigo Aléxis Lazo Osório 3 Wellington Ribeiro 4 Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 224 ANÁLISE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM ALUNOS DO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA DURANTE O EXERCÍCIO DE TRANSPOSIÇÃO

Leia mais

Modulação autonômica cardíaca: influência da aptidão aeróbia, nível de atividade física e idade.

Modulação autonômica cardíaca: influência da aptidão aeróbia, nível de atividade física e idade. Universidade Federal de Juiz de Fora Pós Graduação em Educação Física Mestrado em Educação Física Tatyana de Oliveira d Agosto Modulação autonômica cardíaca: influência da aptidão aeróbia, nível de atividade

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE A RECUPERAÇÃO DO CONTROLE REFLEXO CARDIOVASCULAR APÓS EXERCÍCIO MÁXIMO E CAPACIDADE FUNCIONAL

CORRELAÇÃO ENTRE A RECUPERAÇÃO DO CONTROLE REFLEXO CARDIOVASCULAR APÓS EXERCÍCIO MÁXIMO E CAPACIDADE FUNCIONAL 1 CORRELAÇÃO ENTRE A RECUPERAÇÃO DO CONTROLE REFLEXO CARDIOVASCULAR APÓS EXERCÍCIO MÁXIMO E CAPACIDADE FUNCIONAL Pedro Paulo da Silva Soares 1,3 Kelb Bousquet Santos 1 Leonardo Protásio 1 Jean M. Figueiredo

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Manutenção dos benefícios obtidos durante a reabilitação cardiovascular ambulatorial com programa de exercício físico não supervisionado após a alta

Manutenção dos benefícios obtidos durante a reabilitação cardiovascular ambulatorial com programa de exercício físico não supervisionado após a alta Manutenção dos benefícios obtidos durante a reabilitação cardiovascular ambulatorial com programa de exercício físico não supervisionado após a alta Mariana Balbi Seixas * Vinícius Faria Weiss ** Lilian

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira²

Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique Sales Oliveira² COMPARAÇÃO DO EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR INSPIRATÓRIO E SUA INFLUÊNCIA NA CAPACIDADE FUNCIONAL DE SADIOS SEDENTÁRIOS MENSURADO PELO TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS Ana Clara de Oliveira¹; Luís Henrique

Leia mais

MODELO PARA ANÁLISE DE ARRITMIAS CARDÍACAS USANDO CADEIAS DE MARKOV

MODELO PARA ANÁLISE DE ARRITMIAS CARDÍACAS USANDO CADEIAS DE MARKOV MODELO PARA ANÁLISE DE ARRITMIAS CARDÍACAS USANDO CADEIAS DE MARKOV Domingos Vanderlei Filho Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Engenharia Eletrônica e de Sistemas, Rua Acadêmico Hélio

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA. 450 mil mortes nos EUA em 2004; 13 milhões de indivíduos; Custo anual ao sistema de saúde de US$ 15 bilhões.

DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA. 450 mil mortes nos EUA em 2004; 13 milhões de indivíduos; Custo anual ao sistema de saúde de US$ 15 bilhões. ELABORANDO PROGRAMAS DE EXERCÍCIOS PARA CARDIOPATAS DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA 450 mil mortes nos EUA em 2004; 13 milhões de indivíduos; Ricardo Brandão de Oliveira Custo anual ao sistema de saúde de

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE SAÚDE CARDIOVASCULAR EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDÍACA

ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE SAÚDE CARDIOVASCULAR EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDÍACA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM GERIATRIA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE SAÚDE CARDIOVASCULAR

Leia mais

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial 89 Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial Carlos Eduardo Negrão, Maria Urbana P. Brandão Rondon Resumo O exercício físico agudo e crônico, desde que adequadamente planejado

Leia mais

Exercício físico com doentes hemodialisados

Exercício físico com doentes hemodialisados Novo, André *#+ ;Travassos, Francisco ; Teixeira, Fernanda» ; Hernández Múrua, Aldo» ; de Paz Fernández, José» ; Nunes de Azevedo, José ; * Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança

Leia mais

AVALIAÇÃO AERÓBIA PRÉ E PÓS-MENSTRUAL PRE AND POST-MENSTRUAL AEROBIC ASSESSMENT

AVALIAÇÃO AERÓBIA PRÉ E PÓS-MENSTRUAL PRE AND POST-MENSTRUAL AEROBIC ASSESSMENT RBCS ARTIGOS ORIGINAIS AVALIAÇÃO AERÓBIA E -MENSTRUAL PRE AND POST-MENSTRUAL AEROBIC ASSESSMENT Luciene Braz 1 e Jorge Roberto Perrout de Lima 2 1 Professora mestre da Faculdade de Educação Física da Universidade

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das 12 1 INTRODUÇÃO O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das funções corporais involuntárias, entre elas, a freqüência cardíaca (FC). Os componentes simpático e parassimpático

Leia mais

Coração do Atleta é Anormal? ABORDANDO O TEMA... ABORDANDO O TEMA... Conceito de normalidade. Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais

Coração do Atleta é Anormal? ABORDANDO O TEMA... ABORDANDO O TEMA... Conceito de normalidade. Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais Coração do Atleta: o que há de novo para interpretarmos o fisiológico e o patológico? Dr. Claudio Gil Araújo ABORDANDO O TEMA... Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais Congresso do DERC Rio

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida

Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida Protocolo em Rampa Manual de Referência Rápida 1 O que é o Protocolo em Rampa O protocolo em rampa é um protocolo para testes de esforço que não possui estágios. Nele o incremento da carga se dá de maneira

Leia mais

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a

Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a 18 1 INTRODUÇÃO Doenças cardiovasculares constituem um dos maiores problemas que afligem a população dos países industrializados. Essas doenças são responsáveis por mais de cinco milhões de pessoas hospitalizadas

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE?

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? Amaral, Mayra Ternes¹; Noronha, Alessandra Ferreira de² ¹Pós Graduanda em Fisioterapia Dermatofuncional Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI - Pós graduação);

Leia mais

Programa de Reabilitação Metabólica no DM2

Programa de Reabilitação Metabólica no DM2 Programa de Reabilitação Metabólica no DM2 Luíz Antônio de Araújo Presidente do Instituto de Diabetes de Joinville IDJ Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da SBEM Diretor da Comissão de Campanhas

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais