Artigos e Estudos Comentados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigos e Estudos Comentados"

Transcrição

1 Artigos e Estudos Comentados A frequência cardíaca mais elevada pode predispor para a Obesidade e a Diabetes Mellitus: estudo prospectivo de 20 anos na população geral Yoshiyuki Shigetoh 1, Hisashi Adachi 1, Sho-ichi Yamagishi 1, Mika Enomoto 1, Ako Fukami 1, Maki Otsuka 1, Shun-ichi Kumagae 1, Kumiko Furuki 1, Yasuki Nanjo 1 and Tsutomu Imaizumi 1, 1. Department of Internal Medicine, Division of Cardio- Vascular Medicine, Kurume University School of Medicine, Kurume, Japan Davide Carvalho Professor Agregado da Faculdade de Medicina do Porto. Chefe de Serviço do Hospital de S. João. Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade. Membro do Executive Board do Mediterranean Society for the Study of Diabetes. Coordenador do Sub-Grupo 2 do Plano Nacional de Luta Contra a Obesidade. Membro da Comissão Científica do Programa Doutoral de Medicina Oncologia Molecular da Faculdade de Medicina do Porto. Vários estudos demonstraram que a frequência cardíaca elevada é um importante factor preditivo de morte, nomeadamente cardiovascular. A associação entre taquicardia e doença cardiovascular pode ser explicada pelo facto da taquicardia se associar a obesidade, activação simpática e hipertensão. O agregado de factores cardiometabólicos como obesidade e hipertensão constitui a chamada síndrome metabólica. Embora o mecanismo subjacente não esteja estabelecido, a taquicardia pode ser um componente da síndrome metabólica. Contudo, a activação simpática pode ser causa, consequência, ou apenas epifenómeno. Para elucidar esta questão, foi avaliado o poder preditivo da frequência cardíaca em repouso para o desenvolvimento, 20 anos mais tarde, de alterações da tolerância à glicose e do metabolismo lipídico na amostra da população em geral. Métodos Um total de 637 participantes (com mais de 20 anos) habitantes de uma região rural do sul do Japão foi submetido a um exame de saúde em 1979 incluindo estatura, peso, Índice Massa Corporal (IMC), PA (determinada duas vezes com três minutos de intervalo com um esfigmomanómetro convencional) e determinações bioquímicas sanguíneas (colesterol total, triglicerídeos, HDL, glicose, creatinina e ácido úrico). A frequência cardíaca em repouso (fcr) foi determinada por electrocardiograma (ECG) nas derivações I e V6. A taxa de filtração glomerular foi avaliada pela fórmula Cockcroft-Gault. Em 1999, todos os participantes foram de novo submetidos a um exame de saúde, incluindo ECG e bioquímicas sanguíneas. Dado que quatro deles tinham fibrilhação auricular, e 19 indivíduos tomavam medicação anti-hipertensora em 1979, foram excluídos da análise. Portanto, estava disponível uma base de dados completa de 614 indivíduos (390 mulheres). Resultados Como reportado em artigo anterior os autores observaram no estudo transversal uma relação linear e significativa (P <0,05) entre a frequência cardíaca em repouso e o agregado de factores de risco cardiometabólicos Pressão Arterial (PA), ácidos gordos livres (AGL), glicose plasmática de jejum (GPJ), e o índice de avaliação da insulinoresistência (HOMA). A maior frequência cardíaca basal (frequência cardíaca 80 bpm em 1979) predizia o desen- 68 Recebido para publicação: Fevereiro de 2009 Aceite para publicação: Julho de 2009

2 Revista Factores de Risco, Nº14 JUL-SET 2009 Pág Quadro I Odds ratios e intervalos de confiança de parâmetros para o desenvolvimento de factores de risco cardiometabólico por análise de regressão múltipla ajustado para idade, género, IMC e glicemia de jejum em 1979 Frequência Cardíaca (bpm) < Número Obesidade Ref 0.65 ( ) 0.66 ( ) 2.34 ( ) Obesidade abdominal Ref 1.47 ( ) 1.18 ( ) 1.91 ( ) Hipertensão Ref 1.38 ( ) 1.61 ( ) 1.95 ( ) Hipercolesterolemia Ref 0.69 ( ) 0.87 ( ) 1.11 ( ) HDL-colesterol baixo Ref 0.84 ( ) 0.93 ( ) 0.36 ( ) Hipertrigliceridemia Ref 0.95 ( ) ( ) 1.03 ( ) AGL elevados Ref 1.03 ( ) 1.03 ( ) 1.83 ( ) Insulino-resistência Ref 1.35 ( ) 1.15 ( ) 2.20 ( ) Diabetes mellitus Ef 2.15 ( ) 2.91 ( ) 5.39 ( ) volvimento da obesidade, diabetes mellitus (DM), e insulino-resistência em 1999 após ajustamento para a idade, género, e outros confundidores (Quadro 1). este é um dos primeiros estudos prospectivos a demonstrar que uma maior frequência cardíaca predispõe para o desenvolvimento da obesidade e DM, sugerindo que o sistema nervoso simpático pode ter um papel no desenvolvimento da obesidade e DM. Discussão Os autores colocaram como hipótese que uma maior frequência cardíaca pudesse predispor para a síndrome metabólica e/ou diabetes. O presente estudo é o primeiro prospectivo e confirmou resultados anteriores do mesmo grupo de que um aumento da frequência se associa a uma constelação de factores cardiometabólicos. Para além disso demonstrou que uma frequência cardíaca basal?80 bpm permite predizer o desenvolvimento de obesidade, insulino-resistência e diabetes 20 anos mais tarde. Os autores sugerem que a activação simpática pode ter um papel causal na obesidade e diabetes. Observaram numa análise transversal uma relação entre frequência cardíaca e PA, AGL, GPJ, Insulina ou índice HOMA. Não observaram relação com o IMC, colesterol total, colesterol HDL e TG. Não é clara a razão para não associa IMC e perfil lipídico na análise de É sabido que os obesos apresentam uma frequência cardíaca elevada, mas os autores admitem que tal possa resultar da baixa incidência de obesidade na população japonesa (25,4% para IMC 25 kg/m2 e 2,1% para IMC 30 kg/m2). Apesar do uso relativamente elevado de anti-hipertensores, observou-se no estudo transversal uma associação significativa entre frequência cardíaca e PA. Alguns anti-hipertensores afectam a frequência cardíaca. Os autores desconhecem a terapêutica 69

3 A frequência cardíaca mais elevada pode predispor para a Obesidade e a Diabetes Mellitus: estudo prospectivo de 20 anos na população geral antihipertensora iniciada após 1979 até 1999, e por isso admitem a sua influência na análise transversal. Como se pode observar, os odds ratios para o desenvolvimento de factores cardiometabolicos quando a frequência cardíaca é >80 bpm foram superiores a 2,0, indicando um significativo valor preditivo de uma frequência cardíaca 80 bpm para o desenvolvimento da obesidade, insulino-resistência e DM. Previamente outros autores não encontraram qualquer relação entre a frequência cardíaca e o desenvolvimento de diabetes após ajustamento para o IMC num estudo a longo prazo. Os autores admitem que tal possa ser devido ao facto da incidência de obesidade ser tão baixa na população estudada (IMC médio = 22,7 kg/m 2 ) comparativamente com a população desses autores (IMC médio = 26,1 kg/m 2 ). Curiosamente esses autores referem que a frequência cardíaca foi associada positivamente com diabetes em indivíduos não obesos, tal como neste estudo. A frequência cardíaca elevada não permitiu predizer o desenvolvimento de hipertensão. A razão para tal facto não é clara mas pode ser devida ao uso de antihipertensores, dados de que os autores não dispõem. Uma possibilidade pode ser a idade de inclusão. O estudo Tecumseh descreveu uma relação entre frequência cardíaca e hipertensão em adolescentes. Alguns confundidores para a relação activação do sistema nervoso simpático e PA podem existir durante 20 anos, entre os 20 e os 40. A frequência cardíaca é influenciada pelas actividades simpáticas e parassimpáticas. Se se considerar a frequência cardíaca como um sinal predominante de hiper-actividade simpática, os resultados deste estudo podem parecer paradoxais dado que a activação simpática aumenta o dispêndio energético. Contudo, evidências de estudos longitudinais (estudos Tecumseh e Osaka) sugerem que a activação nervosa simpática pode desempenhar um papel no desenvolvimento de diabetes. É conhecido que a perda de peso induzida por um programa alimentar diminui a actividade simpática em indivíduos com síndrome metabólica. Para além disso, a hiper-actividade simpática crónica pode facilitar o desenvolvimento da obesidade por diminuição das respostas termogénicas mediadas pelos receptores ß adrenérgicos. Há pelo menos três mecanismos pelos quais a activação simpática pode predispor para a diabetes. Anteriormente Deibert e DeFronzo demonstraram que a estimulação dos receptores ß adrenérgicos causava insulino-resistência aguda. A infusão de adrenalina no homem causa uma redução aguda na captação de glicose mediada pela insulina. Segundo, a estimulação ß-adrenérgica crónica aumenta a proporção de fibras musculares de contracção rápida insulino-resistente. O terceiro mecanismo e talvez mais importante: a activação simpática causa vasoconstrição e diminui o fluxo sanguíneo do músculo-esquelético, resultando na alteração da captação de glicose pelo músculo estriado. A coorte estudada era uma comunidade agrícola típica que, tal como noutras áreas do Japão, sofreu uma rápida ocidentalização de 1979 a Dado que os japoneses são mais magros do que os caucasianos, os critérios para obesidade merecem discussão. Nos países ocidentais, a obesidade é definida como IMC 30 kg/m 2, enquanto no Japão é definida como IMC 25 kg/m 2. Da mesma forma, a definição da obesidade abdominal no Japão de acordo com a Sociedade Japonesa de Diabetes, é definida como um perímetro da cintura >85 cm para os homens e 90 cm para as mulheres. As limitações deste estudo são em primeiro lugar, não haver dados de base - há 20 anos - para o perímetro da cintura, AGL, A1c, insulina, marcadores inflamatórios, e medicação da diabetes e dislipidemia. Em segundo lugar, o estudo foi realizado no Japão onde a incidência de obesidade é menor comparada com os caucasianos. Embora estes dados sugiram o papel da activação simpática no desenvolvimento da obesidade e diabetes, os autores chamam a atenção de que em estudos de hipertensão o uso de bloqueadores ß podem causar maior incidência de diabetes de novo, especialmente se associados a diuréticos. Conclusão: este é um dos primeiros estudos prospectivos a demonstrar que uma maior frequência cardíaca predispõe para o desenvolvimento da obesidade e DM, sugerindo que o sistema nervoso simpático pode ter um papel no desenvolvimento da obesidade e DM. Comentário A obesidade tem uma etiopatogenia multifactorial, incluindo a predisposição genética, influências ambientais obesogénicas e mecanismos biológicos complexos que afectam quer o comportamento alimentar quer a termogénese 1,2. De entre os factores ambientais obesogénicos destaca-se a menor actividade física. É conhecido há longo tempo que o sedentarismo também se associa a maior risco de diabetes tipo 2. Os resultados de vários estudos epidemiológicos e observacionais demonstraram que a actividade física regular tem um efeito protector no desenvolvimento da diabetes tipo 2 3,4,5,6,7. Para além da notável consistência dos resultados, alguns estudos demonstraram a existência de um efeito de dose/resposta entre a frequência de actividade física e o grau de protecção. Uma hipótese explicativa alternativa para a relação da frequência cardíaca elevada e obesidade e diabetes poderá ser a de que os indivíduos com maior frequência cardíaca eram indivíduos mais sedentários e com menor condição física e por isso acabaram por desenvolver obesidade e, associadamente, diabetes. A maioria dos atletas de endurance tem uma bradicardia sinusal em repouso 8,9. Tradicionalmente tal é atribuído a um aumento do tonus vagal induzido pela actividade física. Estudos nos quais se administrou atropina e propranolol para bloquear as vias 70

4 Revista Factores de Risco, Nº14 JUL-SET 2009 Pág Uma hipótese explicativa alternativa para a relação da frequência cardíaca elevada e obesidade e diabetes poderá ser a de que os indivíduos com maior frequência cardíaca eram indivíduos mais sedentários e com menor condição física e por isso acabaram por desenvolver obesidade e, associadamente, diabetes. parassimpáticas e simpáticas sugerem que a fisiologia intrínseca do nó sino-auricular pode ser alterada 10. Admite-se que a condição física é um factor preditivo poderoso da morbilidade e mortalidade das doenças crónicas. Estudos prospectivos observacionais em adultos demonstraram que a menor condição física se associa ao risco de desenvolver doença coronária 11,12,13, hipertensão 14, e diabetes tipo 2 15, bem como mortalidade de doença cardiovascular 16, cancro 17, e mortalidade de qualquer causa 18. Vários estudos demonstram que o intervalo RR basal era mais longo nos grupos com boa condição física e não era afectado pela idade 19. O treino físico resulta num aumento do VO2max estimado e bradicardia durante o repouso e exercício sub-máximo 20. No estudo em discussão, os autores não referem a condição física dos participantes podendo ser este o maior determinante do risco de desenvolver obesidade e diabetes. Noutro estudo recente, os autores estabelecem claramente uma relação entre frequência cardíaca e risco de desenvolver obesidade e condição física (Quadro 2). Adipócito e activação do sistema simpático É hoje um lugar-comum dizer-se que o adipócito deixou de ser um mero armazém de energia e passou a ser considerado um activo órgão endócrino. A leptina, hormona produzida pelo tecido adiposo, tem sido indicada como potencial mediador da acção sobre o SNS 22,23,24. A leptina é uma proteína segregada pelo tecido adiposo que está envolvida primariamente na regulação da ingestão alimentar e no dispêndio energético. As concentrações de leptina são proporcionais à quantidade de tecido adiposo e estão marcadamente aumentadas nos indivíduos obesos. Estudos recentes sugerem que a leptina está envolvida nas complicações cardiovasculares da obesidade, nomeadamente a hipertensão arterial 25. A administração aguda da leptina não tem efeito na PA, provavelmente Quadro II Características da população em estudo por quintis de frequência cardíaca de base bpm (n=32195) bpm (n=23213) bpm (n=24235) bpm (n=25453) >76 bpm (n=24039) Valor P IMC kg/m 2 27 (5) 27 (5) 28 (6) 28 (6) 29 (6) <0,001 Actividade Física, equivalentes metabólicosh/semana 16 (16) 13 (14) 13 (14) 12 (13) 11 (12) <0,001 71

5 A frequência cardíaca mais elevada pode predispor para a Obesidade e a Diabetes Mellitus: estudo prospectivo de 20 anos na população geral porque estimula simultaneamente o sistema nervoso simpático e os mecanismos depressores compensatórios como a natriurese e o vaso-relaxamento dependente do óxido nítrico (ON). Pelo contrário, a hiperleptinemia crónica aumenta a PA dado que estes efeitos depressores agudos estão alterados e aparecem efeitos simpáticos pressores suplementares, tais como o stress oxidativo, deficiência de ON, reabsorção renal facilitada de Na e produção excessiva de endotelina. Embora a relação causal directa entre leptina e hipertensão no homem não tenha sido demonstrada, tem sido demonstrada elevação da leptina em doentes com hipertensão essencial e uma correlação positiva significativa entre leptina e PA independente da adiposidade quer em hiper quer normotensos. A Angiotensina II, produzida em consequência do aumento da produção de angiotensinogénio pelo adipócito, pode aumentar também a actividade do SNS no homem, isto é, uma desregulação do SRAA pode estimular o SNS. Por outro lado, quer a actividade aumentada do SNS quer a desregulação da actividade do SRAA pode resultar da menor actividade dos Péptidos Natriuréticos Cardíacos (PNC). Os péptidos natriuréticos auricular e ventricular são capazes de inibir directamente a produção de renina e aldosterona, bem como a actividade do SNS e a secreção de vasopressina 26. A diminuição da actividade do sistema natriurético pode ser o primum movens do aumento da actividade do SRAA e do SNS ou, melhor, da actividade não suprimida. Com efeito há vários anos foi demonstrado que o tecido adiposo humano exprime níveis elevados de receptores de péptidos natriuréticos (RPN). O receptor associado a guanilil ciclase tipo-a (NPRA) e depuração do receptor (NPRC) estão geralmente co-expressos 27,28. O NPRC liga todos os péptidos natriuréticos que após internalização são sujeitos a proteólise 27. O NPRC é simultaneamente via de depuração sistémica e modulador da rede final de ligação ANP/BNP ligando-se ao NPRA a nível celular e, portanto é um modulador do efeito final dos péptidos natriuréticos nas células alvo 27,29,30. Também, a endopeptidase neutra EC (neprilisina) está envolvida no catabolismo dos péptidos natriuréticos cardíacos e é alvo de drogas de investigação 31. O NPRC tem a mais alta expressão no rim, o principal local conhecido de depuração dos péptidos natriuréticos 29, mas, surpreendentemente, o segundo tecido com maior expressão é o adiposo 28. O jejum diminui dramática e selectivamente a expressão do NPRC no tecido adiposo 32 e também induz uma marcada diminuição da PA. Posteriormente foi demonstrado o mesmo no homem. De facto, a razão da expressão de NPRA e NPRC está reduzida no tecido adiposo subcutâneo de doentes obesos hipertensos 35, sugerindo um aumento da depuração e/ou diminuição da actividades dos péptidos natriuréticos neste tecido. A infusão do ANP era menos eficaz (em termos de redução da PA média, aumento da natriurese e diureses) em mulheres obesas premenopausicas 33, que tinham aumento da densidade de ligação do ANP nas plaquetas (que possuem apenas NPRC) 34. Noutro estudo 35, o ANP foi infundido em doentes obesos hipertensos antes e após dieta hipocalórica. Os efeitos do ANP, biológicos (cgmp e natriurese) e clínicos (PA e diurese), foram significativamente aumentados após uma dieta de muito baixo valor calórico. Para além disso, uma variante ancestral do promotor do gene do NPRC associou-se a maior PA e menores níveis de ANP em doentes obesos hipertensos 36. A mesma variante do gene masculino associou-se a aumento do perímetro abdominal e com o risco de desenvolver obesidade abdominal numa grande amostra de população masculina não seleccionada 37. Na realidade, um número variável de repetições em tandem na região que flanqueia o gene NPRC parece influenciar a PA na hipertensão associada à obesidade 38. Por último, foi recentemente descrito o efeito inibidor do ANP na proliferação dos pré-adipócitos diferenciados e dos adipócitos maduros da gordura visceral humana 39. Na realidade, o aumento da expressão do NPRC no tecido adiposo pode modificar a adiposidade visceral pela redução do efeito inibitório natriurético. Em conclusão, a actividade física poderá ser um modulador do desenvolvimento do tecido adiposo o qual por modificação do sistema de péptidos natriuréticos cardíacos pode induzir um activação simpática. Bibliografia Davide Carvalho 1 - Haslam DW, James WP. Obesity. Lancet 2005; 366: Loos RJ, Rankinen T. Gene-diet interactions on body weight changes. J Am Diet Assoc 2005; 105 (Suppl 1):S29 S Manson JE, Rimm RB, Stamfer MJ, Colditz GA, Willer WC, Krolewski AS, et al. A prospective study of exercise and incidence of diabetes among US male physicians. JAMA 1992; 268: Helmrich SP, Ragland DR, Leung RW, Paffenberger RS. Physical activity and reduced occupancy of non-insulin-dependent diabetes mellitus. New England J Med 1991; 325: Manson JE, Rimm RB, Stamfer MJ, Colditz GA, Willet WC, Krolewski AS, et al. Physical activity and incidence of non-insulin-dependent diabetes in women. Lancet 1991; 338: Burchfield CM, Sharp DS, Curb D, Rodriguez BL, Physical activity and incidence of diabetes: The Honolulu Heart Program. Am J Epidemiol 1995; 141: Lynch J, Helmrich SP, Lokka TA, Kaplan GA, Cohen RD, Salonen R, e tal. Moderately intense physical activity and high levels of cardiorespiratory fitness reduce the risk of non-insulin dependent diabetes mellitus in middle-aged men. Arch Intern med 1996; 156:

6 Revista Factores de Risco, Nº14 JUL-SET 2009 Pág Talan DA, Bauernfeind RA, Ashley WW, Kaonakis C Jr, Rosen KM. Twenty-four hour continuous ECG recordings in long-distance runners. Chest 1982; 82: Abdon NJ, Landin K, Johansson BW. Athlete s bradycardia as an embolising disorder? Symptomatic arrhythmias in patients aged less than 50 years. Br Heart J 1984;52: Stein R, Medeiros CM, Rosito GA, Zimerman LI, Ribeiro JP. Intrinsic sinus and atrioventricular node electrophysiologic adaptations in endurance athletes. J Am Coll Cardiol ;39: Blair SN, Cooper KH, Gibbons LW, et al. Changes in coronary heart disease risk factors associated with increased treadmill time in 753 men. Am J Epidemiol 1983;118: Laukkanen JA, Kurl S, Salonen R, et al. The predictive value of cardiorespiratory fitness for cardiovascular events in men with various risk profiles: a prospective population-based cohort study. Eur Heart J 2004;25: Talbot LA, Morrell CH, Metter EJ, et al. Comparison of cardiorespiratory fitness versus leisure time physical activity as predictors of coronary events in men aged < or = 65 years and >65 years. Am J Cardiol 2002;89: Blair SN, Goodyear NN, Gibbons LW, et al. Physical fitness and incidence of hypertension in healthy normotensive men and women. JAMA 1984;252: Sawada SS, Lee IM, Muto T, et al. Cardiorespiratory fitness and the incidence of type 2 diabetes: prospective study of Japanese men. Diabetes Care 2003;26: Church TS, LaMonte MJ, Barlow CE, et al. Cardiorespiratory fitness and body mass index as predictors of cardiovascular disease mortality among men with diabetes. Arch Intern Med 2005;165: Evenson KR, Stevens J, Cai J, et al. The effect of cardiorespiratory fitness and obesity on câncer mortality in women and men. Med Sci Sports Exerc 2003;35: Blair SN, Kohl HW III, Barlow CE, et al. Changes in physical fitness and all-cause mortality: a prospective study of healthy and unhealthy men. J Am Med Assoc 1995;273: Lee K, Picard G, Beske SD, Hwang GS, Taylor JA. Effects of fitness and age on the response to vagotonic atropine. Auton Neurosci ; 139: Leicht AS, Allen GD, Hoey AJ. Influence of age and moderate-intensity exercise training on heart rate variability in young and mature adults. Can J Appl Physiol. 2003;28: Judith Hsia, Joseph C Larson, Judith K Ockene, et al, Resting heart rate as a low tech predictor of coronary events in women: prospective cohort study BMJ 2009;338;b Narkiewicz K, Kato M, Phillips BG, Pesek CA, Choe I, Winnicki M, et al. Leptin interacts with heart rate but not sympathetic nerve traffic in healthy male subjects. J Hypertens 2001; 19: Rumantir MS, Vaz M, Jennings GL, Collier G, Kaye DM, Seals DR, et al. Neural mechanisms in human obesity-related hypertension. J Hypertens 1999; 17: Beltowski J. Role of leptin in blood pressure regulation and arterial hypertension. J Hypertens. 2006;24: Potter LR, Abbey-Hosch S, Dickey DM. Natriuretic peptides, their receptors, and cyclic guanosine monophosphate-dependent signaling functions. Endocr Rev 2006; 27: Sarzani R, Paci MV, Dessi-Fulgheri P, Espinosa E, Rappelli A. Comparative analysis of atrial natriuretic peptide receptor expression in rat tissues. J Hypertens Suppl 1993; 11:S214 S Sarzani R, Dessi-Fulgheri P, Paci MV, Espinosa E, Rappelli A. Expression of natriuretic peptide receptors in human adipose and other tissues. J Endocrinol Invest 1996; 19: Maack T, Suzuki M, Almeida FA, Nussenzveig D, Scarborough RM, McEnroe GA, Lewicki JA. Physiological role of silent receptors of atrial natriuretic factor. Science 1987; 238: Matsukawa N, Grzesik WJ, Takahashi N, Pandey KN, Pang S, Yamauchi M, Smithies O. The natriuretic peptide clearance receptor locally modulates the physiological effects of the natriuretic peptide system. Proc Natl Acad Sci U S A 1999; 96: Corti R, Burnett JC Jr, Rouleau JL, Ruschitzka F, Lu scher TF. Vasopeptidase inhibitors: a new therapeutic concept in cardiovascular disease? Circulation 2001; 104: Sarzani R, Paci MV, Zingaretti CM, Pierleoni C, Cinti S, Cola G, et al. Fasting inhibits natriuretic peptides clearance receptor expression in rat adipose tissue. J Hypertens 1995; 13: Sarzani R, Paci MV, Zingaretti CM, Pierleoni C, Cinti S, Cola G, et al.fasting inhibits natriuretic peptides clearance receptor expression in rat adipose tissue. J Hypertens 1995; 13: Blaise V, Wolf JP, Regnard J, Berthelay S. Characterization of human platelet receptors for atrial natriuretic peptide: evidence for clearance receptors. Cell Mol Biol (Noisy-le-grand) 1996; 42: Dessi-Fulgheri P, Sarzani R, Serenelli M, Tamburrini P, Spagnolo D, Giantomassi L, et al. Low calorie diet enhances renal, hemodynamic, and humoral effects of exogenous atrial natriuretic peptide in obese hypertensives. Hypertension 1999; 33: Sarzani R, Dessi-Fulgheri P, Salvi F, Serenelli M, Spagnolo D, Cola G, et al. A novel promoter variant of the natriuretic peptide clearance receptor gene is associated with lower atrial natriuretic peptide and higher blood pressure in obese hypertensives. J Hypertens 1999; 17: Sarzani R, Strazzullo P, Salvi F, Iacone R, Pietrucci F, Siani A, et al. Natriuretic peptide clearance receptor alleles and susceptibility to abdominal adiposity. Obes Res 2004; 12: Aoi N, Soma M, Nakayama T, Rahmutula D, Kosuge K, Izumi Y, Matsumoto K. Variable number of tandem repeat of the 50-flanking region of type-c human natriuretic peptide receptor gene influences blood pressure levels in obesity-associated hypertension. Hypertens Res 2004; 27: Sarzani R, Marcucci P, Salvi F, Bordicchia M, Espinosa E, Mucci L, et al. Angiotensin II stimulates and atrial natriureticpeptide inhibits human visceral adipocyte growth. Int J Obes 2008; 32: Correja ML, Rahmouni K. Role of leptin in the cardiovascular and endocrine complications of metabolic syndrome. Diabetes Obes Metab 2006; 8:

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA E Í

NUTRIÇÃO ESPORTIVA E Í NUTRIÇÃO ESPORTIVA E FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Í Resposta p neuro-endócrina durante o exercício físico. Metabolismo energético no exercício aeróbico X exercício anaeróbico. óbi MsC. Roberta Maria Miranda

Leia mais

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato

RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato RELEPTIN Irvingia gabonensis extrato Redução de peso, colesterol e glicemia. Reduz medidas pela queima de gordura ao mesmo tempo em que controla a dislipidemia, reduzindo o colesterol LDL e triglicérides

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ENVELHECIMENTO PAPEL DA RESTRIÇÃO CALÓRICA E DA ACTIVAÇÃO DAS SIRTUÍNAS

SÍNDROME METABÓLICA E ENVELHECIMENTO PAPEL DA RESTRIÇÃO CALÓRICA E DA ACTIVAÇÃO DAS SIRTUÍNAS SÍNDROME METABÓLICA E ENVELHECIMENTO PAPEL DA RESTRIÇÃO CALÓRICA E DA ACTIVAÇÃO DAS SIRTUÍNAS Pedro von Hafe Professor de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Assistente Graduado

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Atividade Física e Saúde

Atividade Física e Saúde Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte Elaboração Final: 16 de Agosto de 2001 Autores: Carvalho T, Nóbrega ACL, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, Oliveira MAB, De Rose EH, Araújo CGS,

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa

Somatropina no adulto. Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Somatropina no adulto Fernando Baptista Serviço de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. Hospital de Santa Maria. Lisboa Secreção de GH Concentração integrada de GH nas 24h em 173 indivíduos de ambos

Leia mais

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo

Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Efeitos da Ampla Modificação no Estilo de Vida como Dieta, Peso, Atividade Física e Controle da Pressão Arterial: Resultado de 18 Meses de Estudo Randomizado Apresentado por Tatiana Goveia Araujo na reunião

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

Resistência à Insulina e Câncer

Resistência à Insulina e Câncer Resistência à Insulina e Câncer Prof. Adaliene 1 Resistência à Insulina e Câncer Câncer Sobreviventes 11 milhões Resistência à insulina Obesidade 2 1 Obesidade/ Resistência à Insulina e Câncer OVERWEIGHT,

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

OBESIDADE. Prof. Marta E. Malavassi

OBESIDADE. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi SOBREPESO E OBESIDADE DIAGNÓSTICO A combinação de massa corporal e distribuição de gordura é, provavelmente, a melhor opção o diagnóstico do sobrepeso e obesidade. Mais recentemente,

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial 89 Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial Carlos Eduardo Negrão, Maria Urbana P. Brandão Rondon Resumo O exercício físico agudo e crônico, desde que adequadamente planejado

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Cerveja e Risco Cardiovascular

Cerveja e Risco Cardiovascular Cerveja e Risco Cardiovascular Martin Bobak Departmento de Epidemiologia e Saúde Pública University College London Antecedentes Muitos estudos referem o efeito cardio protector do consumo moderado de bebidas

Leia mais

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP

Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP Relatório Estatístico da Pesquisa Realizada no 23º Congresso Estadual da APEOESP (1 a 3 de dezembro de 2010) Objetivos da Pesquisa: 1) Gerais: Conhecer mais profundamente a saúde e condições de trabalho

Leia mais

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Adaptações EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Oliveira de Souza Estruturais Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO NA FREQUÊNCIA

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA

DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA DIABETES MELLITUS E RESISTÊNCIA À INSULINA MALDONADO, Rafael Resende RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mellittus. ABSTRACT: - KEYWORDS: 1. INTRODUÇÃO relacionados ao aumento da glicemia, re nos hábitos alimentares

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta

Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura. Bernardo Lessa Horta Amamentar: um investimento na qualidade de vida futura Bernardo Lessa Horta Redução da mortalidade e morbidade por doenças infecciosas Amamentar é um bom investimento no curto prazo Efeitos a curto prazo

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 20 a 24 de outubro de 2008 ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GASTO ENERGÉTICO EM ADOLESCENTES OBESOS E ESTILO DE VIDA DOS PAIS Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

Estudo com Mais de 6.000 Pacientes Confirma

Estudo com Mais de 6.000 Pacientes Confirma Estudo com Mais de 6.000 Pacientes Confirma Bezafibrato Melhora o Perfil Lipídico e Reduz Hemoglobina Glicada Ideal para Pacientes Dislipidêmicos com Diabetes Tipo 2 Isento de Efeitos Adversos Graves Diabetes

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA UMA INTERVENÇÃO SISTEMATIZADA NO SÍNDROME DE APNEIA DO SONO NO ÂMBITO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA UMA INTERVENÇÃO SISTEMATIZADA NO SÍNDROME DE APNEIA DO SONO NO ÂMBITO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016 PROPOSTA DE PROGRAMA PARA UMA INTERVENÇÃO SISTEMATIZADA NO SÍNDROME DE APNEIA DO SONO NO ÂMBITO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 2011-2016 1 - PONTOS CHAVE 1 - O Síndrome de Apneia do Sono (SAS) é uma doença frequente,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal

Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal Do agonismo inverso à Farmacologia Paradoxal Luís Santos, Nilma Harilal e Ricardo Viais Farmacologia Molecular e Celular Mestrado em Bioquímica 5 de Junho de 2012 O que é a Farmacologia Paradoxal? Observações

Leia mais

NEUROGENE Laboratório de Genética Humana

NEUROGENE Laboratório de Genética Humana NEUROGENE Laboratório de Genética Humana Informativo Técnico 06/2009 ANÁLISE GENÉTICA COMBINADA DO ANGIOTENSINOGÊNIO E ÓXIDO NÍTRICO ENDOTELIAL PARA AVALIAR A PREDISPOSIÇÃO À HIPERTENSÃO ARTERIAL Consideráveis

Leia mais

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra

VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO. Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra VACINAÇÃO DA GRIPE NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR DO IDOSO Manuel Teixeira Veríssimo HUC Faculdade de Medicina de Coimbra Gripe e idade A gripe é mais frequente em crianças e adultos jovens do que em idosos

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

Curso de Inverno PBC 2013 Laboratório de Biologia Celular da Secreção

Curso de Inverno PBC 2013 Laboratório de Biologia Celular da Secreção Curso de Inverno PBC 2013 Laboratório de Biologia Celular da Secreção Curso 12. O envolvimento do tecido adiposo marrom no metabolismo e combate a obesidade. Docente: Douglas Lopes de Almeida Prof. Paulo

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Cardiovascular risk and glycemic indexes of the elderly patients at a university

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Dia: 28 de Novembro de 2015 Local: Porto, Fundação Cupertino de Miranda Tema:

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

o desafio em criar coorte de adultos brasileiros para estudar doenças cardiovasculares e diabetes

o desafio em criar coorte de adultos brasileiros para estudar doenças cardiovasculares e diabetes o desafio em criar coorte de adultos brasileiros para estudar doenças cardiovasculares e diabetes Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica Faculdade de Medicina da USP palotufo@usp.br doenças

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

Da ingestão de sódio s à hipertensão arterial sistêmica no Brasil

Da ingestão de sódio s à hipertensão arterial sistêmica no Brasil Da ingestão de sódio s à hipertensão arterial sistêmica no Brasil Dr. Flávio Sarno Médico Mestre em Saúde Pública Doutorando em Nutrição em Saúde Pública fsarno@usp.br Novembro 2009 Índice Sódio Introdução

Leia mais

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida

Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida ago. l 2008 l N i, Nº 2 l 17-33 iniciação científica 17 Doença Cardiovascular na mulher: importância do estilo de vida danielle da silva dias*; marcelo velloso heeren* ; kátia de angelis* Resumo l As doenças

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS Juliane Mara Sabatini 1 ; Rafael Cardia Sardim Barros

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

Lípidos e dislipidemia. Cláudio David

Lípidos e dislipidemia. Cláudio David Lípidos e dislipidemia Cláudio David Os lípidos Os 3 principais tipos de lípidos são: Glicéridos (triglicéridos) Esteróis (colesterol) Fosfolípidos (fosfatidil colina=lecitina e esfingomielina) Glicerol

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

TIFICAMENTE NIEC OD C O MPROVA

TIFICAMENTE NIEC OD C O MPROVA CIENTIFICAMENTE C O M P R O V A D O Estudo de Eficácia e Adesão ao Método 3 Fases Abstract Autor: Filipa Cortez Eficácia e Adesão a uma Dieta Hipoglucídica Hiperproteica em Indivíduos com Excesso de Peso

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade

Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Doenças Desencadeadas ou Agravadas pela Obesidade Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

ATIVIDADE FISÍCA E CRESCIMENTO FÍSICO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PHYSICAL ACTIVITY AND PHYSICAL GROWTH IN CHILDHOOD AND ADOLESCENCE

ATIVIDADE FISÍCA E CRESCIMENTO FÍSICO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PHYSICAL ACTIVITY AND PHYSICAL GROWTH IN CHILDHOOD AND ADOLESCENCE ATIVIDADE FISÍCA E CRESCIMENTO FÍSICO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PHYSICAL ACTIVITY AND PHYSICAL GROWTH IN CHILDHOOD AND ADOLESCENCE Marco Cossio-Bolaños Miguel de Arruda Faculdade de Educação Física UNICAMP

Leia mais

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade.

Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Os efeitos endocrinológicos na cirurgia da obesidade. Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DOPING DROGAS E MÉTODOS

DOPING DROGAS E MÉTODOS DOPING Considera-se doping (*), o uso de substâncias, técnicas ou métodos, proibidos pela regulamentação desportiva, que visam alterar o estado físico e ou mental do atleta com o objectivo de aumentar

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Terapia Nutricional nas Dislipidemias

Terapia Nutricional nas Dislipidemias Terapia Nutricional nas Dislipidemias Autoria: Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Sociedade Brasileira de Cardiologia Colégio Brasileiro de Cirurgiões Sociedade Brasileira de Clínica

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais