2. A Modelagem do processo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. A Modelagem do processo"

Transcrição

1 ADS-Flow: Uma Ferramenta para Construção de Sistemas Alinhados a Processos Daniel André Klinger 1, Kurt Werner Molz 1 1 Departamento de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Caixa Postal Santa Cruz do Sul RS Brazil Abstract. This work is focused on two major problems of the current companies: managing their processes, and the search for a way to store knowledge independent of technology. This research is segmented into four papers which approached the modeling of process, the engine that interprets and execute these processes, a module to define indicators (which is the base for a system BAM system), and a module that deals with the paradigm oriented knowledge. Although developed separately, they are integrated and they constitute a BPM system. The definition and collection of process indicators are innovations in BPM tools, and they can meet the process perspective of the BSC methodology. Resumo. Este trabalho está focado em dois grandes problemas das empresas atuais: a gestão de seus processos, e a busca por uma forma de armazenar o conhecimento independente de tecnologia. Esta pesquisa está segmentada em quatro trabalhos, os quais abordaram a modelagem dos processos, o motor que interpreta e executa estes processos, um módulo de definição de indicadores, que é a base para um sistema BAM, e um módulo que trata o paradigma orientado ao conhecimento. Embora concebidos separadamente, eles são integrados e constituem um sistema BPM. A definição e coleta de indicadores de processo é uma inovação em ferramentas desta natureza, e poderá atender a perspectiva de processo da metodologia BSC. 1. Introdução Este trabalho concentra-se em duas questões: o quê e como as empresas podem fazer para gerenciar seus processos; e como uma empresa pode sair do paradigma onde todo o seu conhecimento do negócio está em sistemas e dependente de uma determinada tecnologia. A busca da melhoria na produtividade empresarial tem sido um dos objetivos fundamentais de TI. Primeiro, foram os sistemas departamentais, depois os ERP (Enterprise Resource Planning), e hoje aponta para BPM (Business Process Management). Na atual conjuntura, cada vez mais as empresas vêm automatizando o registro de suas informações através de sistemas ERP. Porém, estes sistemas não suportam o gerenciamento de informações dentro da visão de processo. Este gerenciamento se faz cada vez mais necessário, devido à demanda imposta por um mercado globalizado. Nesse contexto, apresenta-se uma proposta inovadora para o desenvolvimento de um software de BPM. Este compreende desde a modelagem do processo, passando pela execução, através do motor, e por fim a definição de indicadores estratégicos, baseados

2 na modelagem e na execução dos processos. Este último deve atender a Perspesctiva de Processo da metodologia BSC. Com isso, a estrutura para um sistema BAM (Business Activity Monitoring) está incorporada na ferramenta. Além disso, buscou-se a integração de uma ferramenta para geração de código para regras de negócio, onde a especificação do negócio é armazenada em um metamodelo independente de tecnologia. Este módulo tem como característica principal a abstração da complexidade tecnológica e a conseqüente eliminação dos riscos relacionados com a tecnologia empregada nos projetos. Assim, retiram-se as preocupações com tecnologia do processo de desenvolvimento, fazendo com que a equipe trabalhe focada nas funcionalidades e requisitos do negócio, ou seja, mudando o paradigma e concentrando todo o foco no conhecimento puro, que tem valor permanente, e é independente dos elementos plataforma, arquitetura e tecnologia. Este último módulo é utilizado para a automatização das atividades do processo. A seguir, serão apresentados os módulos que fazem parte do sistema de BPM. 2. A Modelagem do processo A modelagem de um processo de negócio compreende a definição dos seus componentes e suas respectivas propriedades ou atributos. O processo, sem dúvida, é o principal fundamento de um sistema BPM, uma vez que o objetivo é a automatização destes. Atividade é a unidade de trabalho executada por um único responsável. O responsável por uma atividade pode ser um papel (atividades executadas por usuários do sistema), assim como o próprio motor do sistema (atividades automatizadas). Na figura 1, o meta-modelo utilizado para persistir esses componentes em uma base de dados. Figura 1 Representação do modelador As principais atividades suportadas na ferramenta são:

3 Instrução (IN): é uma atividade realizada por um usuário do sistema. Para tanto, esse usuário poderá se utilizar de recursos como: formulários, documentos anexos e demais instruções necessárias, contidas nas propriedades da atividade. Aprovação (AP): é uma atividade com as mesmas características e comportamentos da atividade Instrução. O que as difere, é que na atividade de Aprovação, existe a necessidade, por parte do usuário que a está executando, de emitir um parecer de aprovação ou rejeição. Invocação de Aplicativo (IA): é uma atividade que também é realizada por um usuário do sistema, porém, através da invocação de um aplicativo externo ao sistema BPM. Execução de Procedimento (EP): é uma atividade realizada pelo motor, sem a necessidade de interferência de um usuário do sistema. Consiste na execução de um procedimento em um determinado banco de dados. Este tipo de atividade, quando ainda não automatizada, permite que seja usado o módulo de gerador de software, automatizando a atividade, como uma transação, dentro de uma visão de processo. Exportação de Dados (ED): é uma atividade realizada pelo motor, sem a necessidade de interferência de um usuário do sistema. Consiste na exportação de dados relativos aos atributos do processo para um arquivo xml ou txt. Subprocesso (SP): é uma atividade que consiste na execução de um outro processo de negócio, chamado, nesse caso, de subprocesso. Outro aspecto relevante em um sistema BPM é o tempo. Os tempos podem comprometer a eficiência do processo, a produtividade e lucratividade da organização. Os tempos podem ser de ciclo, processamento e espera. Durante a modelagem do processo, tempos previstos de processamento e espera são atribuídos às atividades para futura comparação dos resultados pelo módulo de gerenciamento de indicadores e dados estratégicos. Além dos principais componentes de um sistema BPM, o meta-modelo apresentado suporta também a definição de formulários Web, os quais poderão ser utilizados como ferramenta auxiliar para a execução de atividades do tipo Instrução e Aprovação. Basicamente, a definição de um formulário compreende em especificar os atributos do processo que poderão ser visualizados e/ou modificados, o título do formulário, textos livres para o cabeçalho e rodapé. Com base nesses dados, é possível gerar o código de um formulário Web, que será posteriormente invocado e controlado pelo motor no momento em que a atividade, que tiver o formulário associado, for executada. 3. O Motor do sistema As funcionalidades típicas de um motor de um BPMS (Business Process Management System) estão relacionadas com o armazenamento de dados, que representam informações sobre o estado interno de cada processo e atividade. A definição do processo a ser interpretado é gerado pelo modelador de processos, que é um módulo separado da execução, e o controle de execução do motor é baseado na definição interpretada. A execução de processos inicia-se na leitura e interpretação da sua definição. Na leitura, deverá ser mapeada a representação do processo, descrevendo a rede de atividades e suas dependências, os critérios de inicio e de término, os participantes do processo e as regras de integridade.

4 A definição do processo não especifica um participante, mas sim um papel. Em tempo de execução, este papel precisa ser atribuído a um participante, acontecendo a resolução de papel. Para isto, pode-se permitir que um usuário indique o próximo participante, ou que se utilize um algoritmo de balanceamento de carga, o qual se baseia na lista de trabalho (lista que reúne os itens de trabalho sob a responsabilidade de um participante). Na definição do processo, é possível vincular atividades com aplicativos externos, assim, ao selecionar-se um item de trabalho na lista, o aplicativo externo correspondente pode ser invocado. Cada atividade deste tipo tem especificado o aplicativo externo a ser executado. De acordo com o tipo de aplicativo, o componente de controle de aplicativos externos fará a invocação. Normalmente as organizações enfrentam dificuldades em executar processos de negócio que utilizam diversos sistemas de informação, entre eles, sistemas legados, bases de dados e aplicações. O desafio é encontrar uma solução que seja flexível e se adapte aos sistemas legados existentes. Então, fazer a integração destes sistemas com a arquitetura BPM é uma tarefa complexa devido ao custo e riscos de mau funcionamento. O motor em questão possui web services visando uma solução orientada a serviços, sendo utilizado o padrão mundial WSDL. 4. Gestão de Indicadores A gestão por processos, diferente da administração funcional, coordena todas as tarefas e atividades inerentes ao(s) processo(s) sob gestão da área de domínio delimitada, como hierarquicamente vinculada a cada Gerência de Serviços/Processos definida. Tal definição tem como ponto de partida a delimitação de todos os processos da organização, feita a partir da aplicação da metodologia de padronização de processos, em suas fases de mapeamento global dos processos através de macrofluxograma e decorrente identificação dos processos-chave da organização. É evidente que a automação dos processos por meio de um BPM contribui com a gestão por processos. Tendo em vista a proposta do trabalho em questão, é possível observar que, além da automatização dos processos, os dados gerados por esses podem ser amplamente analisados e utilizados. Busca-se com isso, a gestão por processos, e tornando-a muito mais funcional. Este módulo tem por objetivo viabilizar a gestão de indicadores construídos com base em processos de negócio. É possível segmentar o módulo de gestão em: Construção Consulta Monitoramento (BAM) Indicadores específicos baseados nos atributos dos processos (atributos provenientes da modelagem desses processos). Indicadores específicos Análise de regras construídas para os indicadores Produção de dados baseado na execução dos processos Indicadores genéricos Análise de dados comuns a processos de negócio, oriundos de sua execução Funcionalidade que analisa os indicadores informando nãoconformidades.

5 Integração Interface que fornece os dados dos indicadores a ferramentas externas 4.1. Indicadores Segundo Soares, citado por Müller (2003, p.129), o Balanced Scorecard (BSC) foi criado com a finalidade de desenvolver um novo grupo de medidas de desempenho, a partir da crença de que a gestão, baseada somente nas medidas financeiras, estava se tornando obsoleta e que a dependência destas medidas estava prejudicando a capacidade da empresa de criar valor econômico futuro. Portanto, a base de um Balanced Scorecard são indicadores como suas metas e seus resultados (Kaplan, 1997). Um dos objetivos do módulo Gestão de Indicadores é dar suporte ao BSC, fornecendo os dados necessários à Perspectiva do Processo Interno. Segundo Hronec (1994), medidas de desempenho são sinais vitais da organização, comunicando a estratégia para baixo, os resultados dos processos para cima e o controle e melhoria dentro dos processos, devendo, por isso, ser desenvolvidas de cima para baixo, interligando as estratégias, recursos e processos. O módulo Gestão de Indicadores tem por objetivo viabilizar uma completa gerência dos indicadores de gestão. Para isso, permite que indicadores sejam construídos, consultados, monitorados e utilizados por sistemas externos a ele. A Gestão de Indicadores está totalmente integrada aos módulos de modelagem e motor. Para a construção dos indicadores são utilizados atributos dos processos modelados, já os resultados desses indicadores são provenientes da execução dos processos. Isso tudo acontece em uma base de dados que é compartilhada pelos módulos Business Activity Monitoring Segundo Balloni (2005), BAM trata-se do Monitoramento das Atividades de Negócio ferramenta que provê acesso em tempo real aos indicadores críticos de desempenho do negócio, melhorando a rapidez e eficácia das operações de negócios. Essa funcionalidade é implementada através de um serviço que constantemente monitora a base de dados e emite avisos de não-conformidade nos indicadores. Para validar e provar os conceitos inerentes a mensuração de resultados, implementouse um protótipo nomeado Dynamic Business EStrategic data, ou simplesmente DBEST. O DBEST contempla: a criação de indicadores específicos, a utilização de indicadores genéricos, um mecanismo de BAM, integração com sistemas heterogêneos e a visualização de relatórios e gráficos configurados pelo próprio usuário. Como ilustra a figura 2, para a construção dos indicadores, o usuário tem a sua disposição todos os dados do processo e pode utilizá-los para construir a fórmula do indicador. O usuário pode ainda definir algumas características para o indicador como: a meta, o instante da compilação, a atividade mãe e se o indicador deve ser monitorado pelo BAM.

6 Figura 2 DBEST: construção de indicadores A consulta dos indicadores específicos é feita por meio de um assistente que permite ao usuário configurar as suas visões. Para isto, ele pode mostrar quais indicadores, o período e os dados para análise. Já na consulta de indicadores genéricos, o usuário tem a sua disposição uma série de dados pré-definidos, e com eles, pode montar a sua pivot table. Desta forma, o usuário tem a completa liberdade de combinar dados e analisar os resultados. O Activity Monitoring pode ser visualizado em todas as interfaces do configurador de saída de dados. Ele está localizado na barra inferior dessa interface e pode se apresentar em dois estados: um estático, mostrando que todos os indicadores estão sob controle e, outro, no formato de alerta (com um aviso piscante), que aponta a existência de indicadores fora de controle. Portanto, quando o BAM estiver em modo de alerta, o usuário pode visualizar os indicadores fora de controle e montar uma visão sobre eles, verificando o motivo da não conformidade. A integração deste módulo com outras ferramentas pode ser feita de duas formas: por meio da importação dos dados das planilhas eletrônicas (Excel) geradas pelos relatórios; ou por intermédio de uma camada de serviços (Web Services), oferecida pelo protótipo. Para a integração por meio da camada de serviços, as demais ferramentas terão a seu dispor um Web Service chamado Integração, que expõem publicamente dois métodos: um para a busca da lista de indicadores disponíveis, e outro, para a busca dos resultados desses indicadores. 5. Automatização de Atividades Acredita-se firmemente que é inevitável a substituição do paradigma atual (como 40 anos atrás orientado aos programadores e à programação algoritma e manual) por um novo paradigma orientado ao conhecimento. Esta substituição é inevitável, pois a programação manual se mostra cada vez mais inviável e hoje implica em produtividade muito baixa do desenvolvimento e custos elevados (dinheiro e tempo) de manutenção de sistemas. Muitas vezes, isto obriga as empresas a sacrificar sua individualidade e renunciar a vantagens competitivas para adotar pacotes padrão, com suas conseguintes rigidezes, porque é impossível para elas construir e manter os aplicativos que realmente necessitam.

7 A principal característica desta ferramenta é a abstração da complexidade tecnológica e a conseqüente eliminação dos riscos relacionados com a tecnologia empregada nos projetos, ou seja, retirando as preocupações com tecnologia do processo de desenvolvimento e fazendo com que a equipe trabalhe focada nas funcionalidades e requisitos de negócio. O conhecimento puro tem um valor permanente, e é independente de elementos de menor nível, tais como a plataforma (hardware, sistema operativo, servidor de base de dados, servidor de aplicações, etc.), a arquitetura (centralizada, cliente-servidor de duas camadas, cliente-servidor de três camadas, multiservidor orientado à rede como Java ou Microsoft.NET) e a tecnologia disponível. Protege-se o conhecimento de todos os usuários, independentemente da tecnologia utilizada. Quaisquer que sejam as tecnologias usadas no futuro, o conhecimento será o mesmo; portanto, construindo os geradores necessários, este conhecimento será reutilizado para gerar sistemas para as novas tecnologias. A figura 3 apresenta a interface onde as regras de negócios são especificadas. Figura 3 Interface do módulo de especificação de regras de negócio. Isto significa dizer que o conhecimento estratégico do negócio, estando uma vez documentado, pode ser reutilizado para qualquer tecnologia, sem gerar custos muito elevados com a atualização tecnológica. Vale lembrar, a quantidade de empresas que gastam grandes quantias em recursos para migrar seus sistemas para uma nova tecnologia, pois possuem todo o conhecimento do negócio da empresa programada dentro de suas aplicações e dependentes destas tecnologias. Ao utilizar o ambiente, as especificações de projeto realizadas em uma ferramenta CASE são importadas para o metamodelo da ferramenta, deixando de ser meramente documentacionais, pois formam a base para a geração de código-fonte. A seguir, o analista passa a especificar os componentes de negócio. Feitas as especificações, o ambiente permite a geração automática das estruturas principais dos componentes de negócio. Componentes de negócio com regras muito complexas, podem ser implementadas por programadores e depois importados para o metamodelo, para que possam ser criadas na próxima geração do sistema. Devido a integração entre as fases e ferramentas de desenvolvimento, não há retrabalho e a documentação mantêm-se atualizada, pois o analista será conduzido a proceder as

8 modificações dos sistemas no ambiente da ferramenta e não diretamente no códigofonte, como acontece nos processos tradicionais. 6. Conclusão Essa pesquisa, através dos trabalhos de graduação, originou protótipos que compartilham informações entre si, ou seja, o motor executa os processos modelados e o modulo de gestão de indicadores permite a construção de indicadores sobre a modelagem, porém analisando dados produzidos pelo motor. Para a automatização das atividades é proposto um ambiente de geração de software. Apesar da grande abrangência conseguida através da integração dos protótipos, outras funcionalidades ainda podem ser adicionadas, como, por exemplo, a utilização de notação BPMN, recursos de GED/EDI, além da utilização de arquitetura SOA. Mais detalhes sobre a pesquisa realizada e os protótipos desenvolvidos podem ser encontrados nos trabalhos de Feldens (2006), Santos (2006) e Machado (2006). References Balloni, Antonio José.(2005) Por que gestão em Sistemas e Tecnologias de Informação? II.2" <http://www.ccuec.unicamp.br/revista/infotec/ artigos/gesiti_final.pdf>. Acesso em 27 maio São Paulo. Cruz, Tadeu. (2001). E-Workflow: como implantar e aumentar a produtividade de qualquer processo. São Paulo: Cenadem. Carvalho, L. (1995). Indicadores de desempenho gerencial. Apostila (Projeto Gestão Empresarial e Qualidade) Serviço Nacional da Indústria (SENAI), Federação das Indústrias do estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Porto Alegre. Feldens, Gunter. (2006). Definição de um meta-modelo para especificação de processos e atividades em um ambiente de Workflow, Trabalho de Conclusão Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul. Hronec, Steven. (1994). M. Sinais vitais: usando medidas de desempenho da qualidade, tempo e custo para traçar a rota para o futuro de sua empresa. São Paulo: Makron Books. Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação: Balanced Scorecard. Tradução de Luiz Euclydes Trindade Frazão Filho. Rio de Janeiro: Campus. Machado, Tiago. (2006). Especificação de Indicadores de Gestão Baseada na Gerência de Processos, Trabalho de Conclusão Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul. Muller, Cláudio J. (2003). Modelo de gestão integrando planejamento estratégico, sistemas de avaliação de desempenho e gerenciamento de processos (MEIO Modelo de Estratégia, Indicadores e Operações) Tese (Doutorado em Engenharia) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Santos, Alan Ricardo dos. (2006). Uma Arquitetura para Suporte a Execução de Workflow, Trabalho de Conclusão Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul.

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Sistemas Dinâmicos Baseados em Metamodelos

Sistemas Dinâmicos Baseados em Metamodelos Sistemas Dinâmicos Baseados em Metamodelos Diego Moreira 1, Marcelo Mrack 1 1 Setor de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Av. Independência, 2293 Bairro Universitário 96.815-900 Santa

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Automação de Processos de Negócios com BPMS:

Automação de Processos de Negócios com BPMS: Automação de Processos de Negócios com BPMS: Um Relato de Experiência da ATI ATI- /UPG Unidade de Processos de Negócios do Governo Adelnei Felix adelnei.felix@ati.pe.gov.br 1 Agenda Introdução Relato da

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Um Novo Paradigma para Sistemas de Informação

Um Novo Paradigma para Sistemas de Informação Por Antonio Plais Antonio Plais é proprietário da Centus Consultoria, e parceiro da Knowledge Partners International, LLC (KPI) para o mercado brasileiro, possuindo mais de trinta anos de experiência no

Leia mais

1. P06 Recursos Tecnológicos. Plataformas de ECM e BPMS P06.005

1. P06 Recursos Tecnológicos. Plataformas de ECM e BPMS P06.005 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.005 Revisão v. 2015 2. PUBLICAÇÃO Plataformas de ECM e BPMS Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2015 02 de outubro de 2015 PORTARIA N

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

MARATONA CBOK UNICORREIOS

MARATONA CBOK UNICORREIOS MARATONA CBOK UNICORREIOS Capítulo 10 Tecnologia de BPM Bruno Lima, CBPP Analista de sistemas/processos Agenda Porque tecnologia é importante; O que está envolvido na tecnologia de BPM? Modelagem, análise

Leia mais

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Wikipédia Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School (HBS) Robert Kaplan

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos Este curso é ideal para quem está buscando sólidos conhecimentos em como desenvolver com sucesso um projeto de BPM. Maurício Affonso dos

Leia mais

Modalidade educação a distância - 2ª edição

Modalidade educação a distância - 2ª edição Modalidade educação a distância - 2ª edição OBJETIVOS: Propiciar aos participantes o desenvolvimento das seguintes competências: Pensar estrategicamente o uso da gestão por processos; Estruturar projetos

Leia mais

Prof.: Gilberto Onodera

Prof.: Gilberto Onodera Automação de Sistemas Prof.: Gilberto Onodera Aula 21-maio maio-2007 Revisão Conceitos de Macro-economia: Globalização Objetivo: Entender os principais drivers de mercado Economia de escala Paradigma da

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR Karin Maria Sohnlein (UNISC) karin.sohnlein@gmail.com Rafael Bortolini (UNISC) rfbortolini@gmail.com Vinicius

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o

www.mpl.com.br C o n t a b i l i d a d e C o n t a s a P a g a r C o n t a s a R e c e b e r O r ç a m e n t o A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 ASPECTOS DE MUDANÇA CULTURAL

Leia mais

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart

Sistemas ERP. Profa. Reane Franco Goulart Sistemas ERP Profa. Reane Franco Goulart Tópicos O que é um Sistema ERP? Como um sistema ERP pode ajudar nos meus negócios? Os benefícios de um Sistema ERP. Vantagens e desvantagens O que é um ERP? ERP

Leia mais

Disciplina: Automação de Processos de Negócio

Disciplina: Automação de Processos de Negócio Disciplina: Automação de Processos de Negócio PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Eros Viggiano Ementa da disciplina Viabilização da otimização de processo através da

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud.

www.mpl.com.br ERPOracleInTheCloud. A MPL Corporate Software, em parceria com a Oracle e a Amazon WebServices(AWS),lançouasolução ERPOracleInTheCloud,uma implantação SaaS (Software as a Service) do JD Edwards EnterpriseOne. A solução compreende

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM

Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM Habilitando um Centro de Serviços Compartilhados através do SAP NetWeaver BPM SAP FORUM BRASIL GRUPO ARG Daniel Brito Faria Maciel daniel.maciel@grupoarg.com Antônio de Pádua Pereira antonio.pereira@grupoarg.com

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System Definições BPM - Business Process Management BPMN Business Process Modeling Notation BPMS Business Process Management System Erros da Gestão de Processos / BPM 1. Fazer a Gestão sem Automação Desenho,

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Modelagem de Processos para Automação

Modelagem de Processos para Automação Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos para Automação [ipe03] Implementando a Visão Futura: um curso prático para vencer a barreira existente entre negócio e TI. Implantar processos

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações.

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. - - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. Com Q-flow, uma organização pode tornar mais eficientes os processos que permitem

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Treinamentos em Gestão por Processos Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Da modelagem e análise ao monitoramento da execução de processos automatizados: tudo o que você precisa saber para fazer a Gestão

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Aplicativo Cliente/Servidor multicamadas para controle de uma rede de lojas via web utilizando Java

Aplicativo Cliente/Servidor multicamadas para controle de uma rede de lojas via web utilizando Java Aplicativo Cliente/Servidor multicamadas para controle de uma rede de lojas via web utilizando Java Aluno: Henrique Eduardo M. Oliveira Orientador: Prof. Dr. Leandro J. Komosinski Banca: Prof. M. Maria

Leia mais

Siscore: Uma Aplicação Web para Balanced Scorecard

Siscore: Uma Aplicação Web para Balanced Scorecard Siscore: Uma Aplicação Web para Balanced Scorecard Leandro Sorgetz, Francisco Assis Moreira do Nascimento Faculdades Integradas de Taquara (FACCAT) Rua Oscar Martins Rangel, 4500 95.600 000 Taquara RS

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22001POR Versão do Manual: 1.2 Última revisão: 28/6/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Manual de Introdução

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22001POR Versão do Manual: 1.2 Última revisão: 28/6/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Manual de Introdução Q-flow 2.2 Código de Manual: Qf22001POR Versão do Manual: 1.2 Última revisão: 28/6/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2 Manual de Introdução Qf22001POR v1.2 Q-flow Manual de Introdução Urudata Software Rua Canelones

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões CRICIÚMA 2015 Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões Maurício Bitencourt, CBPP Vice-presidente e co-fundador da ABPMP Brasil Criciúma, 16 de junho de 2015 http://mauriciobitencourt.com

Leia mais

Processos como elo entre a TI e estratégia

Processos como elo entre a TI e estratégia RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Processos como elo entre a TI e estratégia Leandro Jesus Copyright ELO Group 2012 - Confidencial Quem é a ELO Group? Consultoria de Transformação 1. Desdobramento

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MILLENA SILVA PAIVA ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GOIÂNIA 2015 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008

PRD Tecnologia de Gestão Ltda. Julho/2008 O Processo de Desenvolvimento Telescope Julho/2008 Página 1 Sumário Introdução...3 O desenvolvimento de software tradicional...3 O problema da produtividade...3 O problema da portabilidade...6 O problema

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Gestão Estratégica. Visão. Transparência. Resultado.

Gestão Estratégica. Visão. Transparência. Resultado. Gestão Estratégica. Visão. Transparência. Resultado. A importância da gestão estratégica Ver além é ter visão abrangente e integrada: a empresa como um todo e cada detalhe. É buscar o desempenho ideal

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais