mais ético O Brasil avança no combate à corrupção. O mundo nunca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mais ético O Brasil avança no combate à corrupção. O mundo nunca"

Transcrição

1 Ç J J K K E G E M G G M M G M M L M K U L T K Y U E W T C Y S E R W P Y C O S M R W P Y O M W H A K K E E S M S M K M L K O L R P O Y R O P M Y W J O L M O W J E T L U O N W E T U N K U T T Y Y E W E C W O C R O P Y R O P M Y W O H M J K W E H G J M G K M E M G LM G M M L F A A L L S T S M T E M R E R A R O R V A U O I P V L U M I G D P S L W M E G H HD S W E H H H J J K K E E G M G G M M G M M L M K U L T K Y U E W T C Y O E R W P Y C O O M R WP Y O M W F A A L L S T S M T E M R E R A R O R V A U O I P V L U M I G D P S L W M E G H HD S W E H H C O M M P P L L I R I T R D I T V D I F I O V E I S E F M O R E H S E H E E M YR H E H E Y A S D D E E R T R U T I U O P I N O M P N N B S M D N F B G S L M D N F I G O L P M N I O P Q E D D C C V C B V G B H G J R H T J T R U E T E T W U S D E G E V W C S B MD G V C B M U U I I O O E W E S W F S G F H J G K H M J I O K P M G I H O H S P E G W H A H Q S E W A Q exame CeO abril ABriL ABRIL 2014 ed.17 R$29, ED.17 R$29,90 B M J J K K T O T S O L S R E L G R I E L E G G I A L T E A G W A Z L X C T BIdeias A W para Z quem X decide C B A S D D E E R T R O T I O E R I E E V R A L E O V R A E S L L O Q R K E O S PL Q K E O P H J J K K V V G I G C I M C G C M O G R C R O U P R Ç R Ã U O P R M Ç Y Ã X O V R W M Y X V W P T T R R A A N S N P S A P R Ê A N R C Ê I A N P C L I M A G D P O L W M T G I HD O W T I H R J J K K L E L O E E O M E A I M E A C I A L E E C W A C L O R E R W Y C O O R WR R Y O R W O H T T P P T R T G R O G S O D C S O D R C J U O S R T J I Ç U A S S T R T I P Ç A S R T P P É É T T I C I A C Q A S Q U B S O U R B N O A R O N S O F A E L O E S U F CE L E S U C I S S D D E T E L T D L C O D M C P O R M O P M R I S O S M O U I S S O S Ã O D RU S O Ã D R N E Ç Ç S S O V O E V G E H G E E H I E O V E L I M O E V M L E W M O E O M E E I W O O E I A U I I O Um O E W E E W F E G F S U G B S mundo O U R N B O G R H N H O S E G W H N H M S E W N M H V J J K K T O T P O L P H G L I H O G P D I E O S P R T D A E W S Z R X C T EA W Z X C E N E F F E E R T R U T I O U P I N O M P N N B S M D N F B G S L M D K F I G O PL M K I O P mais ético G R R R E E G M G G M M G M M L M K U L T K Y U E W T C Y O E R W P C Y O A R R P Y O A R F D A A S S T M T E M R E R R A O R V A U O I P V L U M I G P D S L W M E G B D I S W E B I D A U U P P L I L R I T R D I T V D I F I O V E I S E F M O R E H S E H E U M N R H E H U N O Brasil avança no combate à corrupção. O mundo nunca W D D E debateu E R R T U T tanto I U O I o P assunto. N O M P N Estamos N B M S D N aprendendo F B G S L D M N F a ser I G S melhores? L C M N I S C I E E E E C C V C B V G B H J G R H T Artigos ARTIGOS T J U R E e E T E entrevistas ENTREVISTAS W T S U D E G E V W R O S Í D G V R O Í Clóvis de Barros Filho Dimitri vlassis Vlassis Harry Kraemer irina Irina raicu Raicu ivan Ivan Krastev Laurence Cockcroft Leonard McCarthy Marcos Fernandes g. G. da silva Silva Michael Hershman Muhammad Yunus Peter singer Singer D U I I O O E W E S W F S G F H J G K H M J I O K P M G I H O H S P E G A H A PH S E A A P E M J J K K T O T P O L P H G L I H O G P I D E O S P R D T A E W S Z R E T C I A W Z E C I D V D D I I R E R I E T O I I T N O M I N B N S M D N E L B I S T D O I E O L O I T O I O O A S P P U U R B R U B A U O A P B O S P S B A Q S Z S F A G Q L M Z K F Z G Y L Q M K Z Y Q

2 APRESENTAÇÃO NÍGER, NA ÁFRICA Grupo de mulheres e crianças cava o leito seco de um rio em busca de água: países pobres sofrem mais com o desvio de dinheiro de obras públicas UM DESAFIO GLOBAL A corrupção é um dos três principais problemas em quase metade dos 148 países analisados em um estudo do Fórum Econômico Mundial. O prejuízo anual chega a 2,6 trilhões de dólares. Essa doença atinge todos os países, mas seus efeitos são mais perversos na população de baixa renda ERNESTO YOSHIDA Aubrey Wade/Panos 10 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 11

3 APRESENTAÇÃO ão são poucos os que comparam a corrupção a um tumor difícil de ser tratado. A corrupção é o câncer do mundo moderno, disse o líder tibetano Dalai Lama em janeiro deste ano, ao visitar a Índia. Assim como o câncer, a corrupção pode se alastrar de forma incontrolável. Pode até matar um Estado. O filósofo francês Montesquieu, criador da teoria de separação do Estado em três poderes Executivo, Legislativo e Judiciário como forma de evitar os desmandos do governo, citou a corrupção como uma das causas do colapso do Império Romano no século 5. A grandeza do Estado fez a grandeza das fortunas particulares, escreveu Montesquieu na obra Considerações sobre as Causas da Grandeza dos Romanos e de Sua Decadência, de Os que não foram inicialmente corrompidos por sua riqueza foram-no em seguida por sua pobreza. Com bens acima de uma condição privada, era difícil ser bom cidadão. O custo de negligenciar essa doença é alto. O Fórum Econômico Mundial estima que a corrupção seja responsável por perdas de 2,6 trilhões de dólares por ano, ou 5% do PIB global. Somente em suborno calcula-se que seja pago 1 trilhão de dólares a cada ano. Embora comumente associada a países pobres, a corrupção, como o câncer, é uma doença que não escolhe vítimas. Em 71 dos 148 países pesquisados em um estudo do Fórum Econômico Mundial, a corrupção aparece como um dos três principais problemas que prejudicam o ambiente de negócios. Em média, segundo o estudo, a corrupção representa um custo adicional de 10% para fazer negócios nos países em desenvolvimento, esse custo extra pode atingir 25%. Além de afastar investidores e minar a competitividade de um país, a corrupção retarda o desenvolvimento ao desviar para contas particulares o dinheiro que poderia ser aplicado em áreas essenciais, como infraestrutura, educação e saúde. O Banco Mundial estima que de 20% a 40% dos recursos destinados pelos países ricos aos países em desenvolvimento a título de doações ou empréstimos são apropriados por funcionários corruptos. As consequências aparecem de forma implacável na sociedade. Alguns estudos mostram que a taxa de mortalidade infantil em países com alto nível de corrupção é quase 30% maior do que em nações que mantêm a corrupção sob controle. A proporção de crianças que abandonam a escola nos países mais corruptos é cinco vezes maior do que nos países com baixo grau de corrupção. No fim, quem mais sofre com a situação é a população pobre. O Banco Mundial estima que a redução da corrupção a níveis civilizados poderia elevar a renda per capita de um país até quatro vezes no longo prazo. A boa notícia é que, como vários tipos de câncer que são curáveis e podem ser prevenidos com bons hábitos e vigilância constante, a corrupção também tem jeito. Alguns de nossos vizinhos realizaram avanços notáveis nos últimos anos. No mais recente ranking de corrupção da organização Transparência Internacional, o Uruguai aparece em 19 o lugar e o Chile em 22 o lugar entre 177 países. O Brasil está em 72 o lugar. Mas o Brasil dá mostras de que quer deixar a incômoda posição. A indignação da população que tomou as ruas PROTESTO PACÍFICO NO RIO DE JANEIRO Manifestantes aglomeram-se perto da Câmara Municipal durante a onda de protestos de junho de Medidas mais rigorosas contra a corrupção estavam entre as reivindicações do grupo para protestar contra a farra no uso de dinheiro público é um sinal dos novos tempos. A ação de oportunistas e vândalos que se misturaram aos manifestantes pacíficos não invalida os avanços. Como declarou o americano Martin Luther King em sua luta pelos direitos civis dos negros nos anos 60, as maiores tragédias são causadas pela apatia humana. O que me assusta não são as ações e os gritos das pessoas más, mas a indiferença e o silêncio das pessoas boas, disse King. Ao que parece, pessoas boas começaram a gritar. Gustavo Oliveira/Corbis/LatinStock 12 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 13

4 NEGÓCIOS DE CONSCIÊNCIA LIMPA O movimento pela ética vem ganhando força entre as grandes corporações no mundo inteiro. Mas o que significa, afinal, ser ético? Quais os riscos para quem não leva essa questão a sério? E quais as vantagens de ser uma empresa comprometida com a ética? MELINA COSTA QUIOSQUE DA L ORÉAL EM BERLIM A fabricante francesa de cosméticos enfrenta dilemas éticos em sua investida em busca de novos mercados Andreas Rentz/Getty Images 14 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 15

5 NEGÓCIOS NA MANHÃ de 24 de abril do ano passado, um prédio com sérias falhas de infraestrutura nos arredores de Daca, capital de Bangladesh, desabou e deixou mais de mortos. As vítimas atuavam como trabalhadores terceirizados de algumas das maiores empresas de vestuário do mundo. O episódio expôs um lado perverso da indústria global da moda, questionada frequentemente pelo uso de mão de obra barata em países pobres. Em meio à comoção causada pela tragédia, a sueca H&M, segunda no ranking global de varejo de vestuário, decidiu se posicionar publicamente. Mesmo sem ter envolvimento com o colapso em Daca, a companhia foi a primeira a se comprometer com um novo conjunto de regras para a segurança de trabalhadores em Bangladesh e foi seguida por mais de 100 marcas. Nós temos a responsabilidade, com outras companhias, de garantir a segurança das fábricas, declarou a H&M em um comunicado. Na economia globalizada de hoje, não cabe mais questionar se empresas como a H&M devem estar presentes em países em desenvolvimento. A questão é como vamos fazê-lo. TRAGÉDIA EM BANGLADESH Escavadeira remove destroços de prédio que desabou na capital do país em O local abrigava várias confecções Munir Uz Zaman/AFP Photo A declaração é parte do esforço da H&M para se apresentar como uma empresa ética no setor de vestuário. Para evitar problemas de segurança e o uso de mão de obra infantil, a companhia realizou mais de auditorias nas fábricas de seus fornecedores no ano passado. Em sua iniciativa mais ambiciosa, a H&M começou a implantar um novo método de remuneração em sua cadeia de produção para pagamento de salários mais justos. Os trabalhadores têm sido incentivados a negociar seus aumentos por meio de comitês de representantes. O presidente da H&M, Karl-Johan Persson, reuniu-se com os primeiros-ministros de Bangladesh e do Camboja para discutir a necessidade de reajustes anuais de salários nos dois países. Essa aparente inversão de papéis no mundo corporativo em que a empresa compradora tenta fortalecer o poder de barganha da mão de obra de seus fornecedores é um caso exemplar da dimensão que o conceito de ética corporativa ganhou nos últimos anos. Entre as grandes multinacionais, é difícil encontrar uma que não tenha código de conduta, canais para denúncias anônimas, metas de redução do impacto ambiental e de engajamento com comunidades. Os mais céticos dirão que essas medidas têm menos a ver com o altruísmo e mais com a necessidade de proteção da imagem dessas companhias. De fato, a reputação das empresas passou a ser considerada o fator de risco com maior impacto nas estratégias de negócios, segundo um estudo realizado no ano passado pela consultoria Deloitte com 300 executivos de grandes empresas globais. Três anos antes, esse fator era o terceiro de uma lista em que constavam preocupações com a marca e com a economia. Percebemos que a reputação passou a ser levada mais a sério, diz Simon Webley, diretor de pesquisa do Institute of Business Ethics, com sede em Londres. Essa é, provavelmente, uma reação contra a má reputação. Pense no que aconteceu com o setor financeiro. A crise de imagem enfrentada pelos bancos como resultado do colapso financeiro global é apontada como um dos principais motivos por trás do interesse crescente das empresas por políticas de responsabilidade corporativa. Outro motivo é a exposição das companhias aos perigos das redes sociais. Como diz Jennifer Evans, diretora de risco do banco australiano ANZ, citada no estudo da Deloitte: Reputações construídas durante anos podem ser, de uma hora para a outra, colocadas em xeque. Nesse cenário, o modo de operação de muitos investidores começou a mudar. Hoje, há 34 trilhões de dólares em ativos sendo administrados por signatários dos Princípios para Investimento Responsável das Nações Unidas. Trata-se de um montante quase três vezes superior ao de 2008, quando estourou a crise imobiliária americana. Isso significa que, numa tentativa de mitigar riscos, cada vez mais administradores de fundos têm analisado o comportamento das empresas 16 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 17

6 NEGÓCIOS além de seus números operacionais e financeiros. O canadense Ethical Funds, que administra o equivalente a 12,6 bilhões de reais, é um dos líderes em investimento socialmente responsável. Apesar de manter uma fatia minoritária em grandes companhias, o fundo costuma interagir com diretores e CEOs, de modo a apontar conflitos e sugerir mudanças. Recentemente, o Ethical Funds conseguiu alterar a política de remuneração de um dos maiores bancos do mundo, o Royal Bank of Canada. Agora o banco inclui variáveis como satisfação dos clientes no cálculo dos salários e decidiu usar um novo método que leva em conta a remuneração de funcionários médios para definir a de executivos. As novas políticas não acabam com os excessos no alto escalão, mas representam avanços. Nosso maior desafio é lidar com a expectativa de que investimos em empresas perfeitas. Obviamente, isso não existe, diz Bob Walker, vice-presidente do Ethical Funds. O que fazemos é identificar aquelas que respondem às nossas expectativas em relação a responsabilidade ambiental e governança e interagir com elas para melhorar essa performance. Mike Blake/Reuters HÁ 34 TRILHÕES DE DÓLARES NO MUNDO GERIDOS PELOS PRINCÍPIOS DE INVESTIMENTOS RESPONSÁVEIS BARISTAS FAZEM CAFÉ EM LOJA DA STARBUCKS A rede americana de cafeterias figura há oito anos entre as empresas mais éticas do mundo, de acordo com o ranking do Instituto Ethisphere, de Nova York A perfeição pode não ser alcançável, mas o comportamento ético tornou-se um mantra entre as companhias. Em geral, a ética corporativa é entendida como a promoção da responsabilidade nos âmbitos social, ambiental e financeiro e da sustentabilidade na relação com clientes, fornecedores, acionistas e comunidades. Mas esse conceito amplo esclarece pouco. Na prática, é a postura diante de desafios nas mais diversas áreas que define a imagem de uma empresa. Há oito anos, o Instituto Ethisphere, de Nova York, divulga a lista de companhias mais éticas do mundo. Entre os critérios analisados estão a reputação, a capacidade de liderança e de inovação das empresas, seus modelos de governança e de responsabilidade corporativa, sua cultura e a qualidade dos programas de ética e compliance (área que disciplina os padrões internos de conduta). Centenas de documentos são analisados e uma investigação independente é feita para checar o histórico dessas companhias na Justiça e na imprensa. Lidamos com empresas multibilionárias que mantêm operações em centenas de países. Inevitavelmente, todas têm alguma questão sendo discutida em algum tribunal de alguma localidade, diz Stefan Linssen, editor-chefe do Ethisphere. Tentamos não testa seus produtos em animais e passou a investir na pesquisa de métodos alternativos, como o uso de pele artificial. O problema é que na China, um dos mercados de cosméticos que mais crescem no mundo, o teste em animais é obrigatório. O próprio governo chinês realiza os testes não a L Oréal diretamente. De todo modo, a companhia francesa decidiu deixar sua marca de apelo sustentável Body Shop fora do mercado chinês, mas entrou no país com marcas como L Oréal Paris e Maybelline. O que é ético nesse caso? É sustentar o princípio de não crueldade contra os animais que a L Oréal adota há mais de 20 anos? Ou o imporidentificar se isso é sistemático ou um caso isolado e analisar como a empresa reagiu. A fabricante francesa de cosméticos L Oréal figurou cinco vezes na lista das empresas mais éticas do mundo do Ethisphere. Para qualquer aspecto da operação que se olhe, parece haver uma política de estímulo à ética. Alguns exemplos: até 2020, 100% da matéria-prima renovável da L Oréal deverá ter origem em fontes sustentáveis; e todos os anos há um dia da ética para o presidente Jean Paul Agon responder a perguntas de funcionários sobre o tema. Mas mesmo as empresas mais preparadas não estão isentas de dilemas éticos. Desde 1989, a L Oréal 18 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 19

7 NEGÓCIOS tante é assegurar a participação no mercado chinês, o que pode ter um impacto brutal no futuro da companhia? Acredito que ninguém esteja sugerindo que deixemos nossa operação na China e demitamos funcionários. Nosso departamento de pesquisa e inovação está trabalhando com as autoridades chinesas para dividir nosso conhecimento a respeito de outros métodos, afirma Emmanuel Lulin, diretor de ética da L Oréal. Se as corporações atuassem apenas em países com as melhores práticas de negócios ou sem problemas com direitos humanos e corrupção, provavelmente faríamos negócios em poucos países do mundo. Atuação responsável Não há consenso sobre de que modo as empresas devem reagir em situações como a enfrentada pela L Oréal. Mas se há algo que as fabricantes de bens de consumo aprenderam é que se esquivar das discussões sobre ética pode trazer sérios danos às marcas. Essa é a maior lição deixada pela Nike depois de sua experiência nos anos 90. Inicialmente, a fabricante de material esportivo tentou se desvincular do envolvimento em casos de uso de trabalho infantil por seus fornecedores. Sob pressão da opinião pública, voltou atrás, admitiu sua responsabilidade e tornou-se pioneira em políticas de responsabilidade corporativa. A Coca-Cola é outro exemplo da nova postura adotada por muitas empresas. No fim de 2013, ela anunciou uma política de tolerância zero com a apropriação de terras por seus fornecedores depois de denúncias da Oxfam, ONG que combate a pobreza no mundo. Em seu relatório sobre a cadeia do açúcar, a Oxfam revelou casos de comunidades indígenas e rurais expulsas de suas terras para dar lugar a usineiros que se tornaram fornecedores de grandes empresas. A Coca-Cola comprometeu-se a avaliar seus fornecedores de forma independente, revelar informações sobre sua cadeia e aderir ao princípio de Consentimento Livre, Prévio e Informado (acordo internacional que prevê a participação de comunidades nas decisões sobre as terras que ocupam). A ideia de que o comportamento pouco ético causa estragos parece consolidada entre as empresas. O que ainda não está claro é o outro lado da moeda: quais as vantagens de ser uma empresa reconhecidamente ética? Não há uma resposta fácil. A consultoria Mercer analisou 36 artigos acadêmicos sobre o assunto nos últimos seis anos. Em suma, 20 deles mostraram evidências de uma relação positiva entre fatores de governança corporativa, social e ambiental LINHA DE PRODUÇÃO DE COCA-COLA A fabricante de bebidas anunciou em 2013 uma política de tolerância zero com fornecedores de açúcar envolvidos em denúncias de apropriação de terras de comunidades indígenas e rurais Marcelo Correa e o desempenho financeiro de companhias ou portfólios de investimento; 13 mostraram relações neutras; e três mostraram relações negativas. De forma mais pragmática, as empresas costumam citar dois benefícios de suas políticas de promoção da ética: a estabilidade nas relações com parceiros e a habilidade de atrair talentos. Construímos relações de confiança com nossos fornecedores, o que é importante para garantir café de alta qualidade para nossos consumidores, diz Kelly Goodejohn, diretora de fornecimento da rede de cafeterias Starbucks, que figurou em todas as oito edições do ranking anual do Ethisphere. Para crescer, precisamos de profissionais de alta qualidade, e nossos valores são a principal forma de atrair talentos. É mais fácil entender esse raciocínio quando aplicado à Starbucks, uma empresa que colocou a ética no centro da estratégia de marketing SE AS EMPRESAS EVITASSEM OS PAÍSES COM PROBLEMAS DE ÉTICA, FARIAM POUCOS NEGÓCIOS e, com isso, consegue cobrar 6,80 reais por um café expresso com leite. Mas esses argumentos são menos óbvios no caso de companhias sem contato direto com consumidores. A indiana Wipro, uma das maiores do mundo em serviços de tecnologia da informação, tem um dos mais elogiados programas de responsabilidade socioambiental. O esforço é proporcional aos desafios da Índia, onde muitas de suas unidades estão instaladas mas o problema é que isso não garante uma vantagem competitiva. Afinal, não é fácil cobrar mais por um serviço de TI altamente ético, por exemplo. Em casos como esse, apesar de algum benefício na atração de parceiros e talentos, a escolha pela ética ultrapassa a lógica dos negócios. No fim das contas, as pessoas precisam tomar decisões sobre o que é o certo a fazer, diz Anurag Behar, diretor de sustentabilidade da Wipro. É assim que escolhemos ser do jeito que somos. 20 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 21

8 BRASIL Obra em São Paulo Sob a nova legislação, as investigações sobre a máfia dos fiscais da prefeitura seriam mais ágeis; e as penas, mais duras A LEI QUE QUER MUDAR O PAÍS Uma nova legislação coloca o Brasil no mesmo nível de países desenvolvidos no que diz respeito a regras para combater a corrupção. Mas o país ainda precisa fazer sua lição de casa para que essa promessa se torne realidade GUILHERME MANECHINI Germano Lüders que o Brasil perca todos os anos até 2,3% de seu PIB por causa do elevado nível de corrupção. É mais que Estima-se o dobro do que é contabilizado pela União Europeia, onde a perda gira em torno de 1% do PIB. Não à toa, o ranking de percepção da corrupção elaborado pela organização não governamental Transparência Internacional coloca o Brasil na 72 a colocação entre 177 países analisados. Há dois meses, no entanto, o Brasil deu um passo importante para virar esse jogo ao ingressar no grupo de países que contam com legislação específica para casos de corrupção transnacional, aquela que ultrapassa as fronteiras de uma nação. A entrada em vigor da Lei n o , de 2013, era uma demanda antiga de tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário. Mas mais importante do que punir as empresas nacionais que atuam em outros países é o fato de que a nova lei ampliará significativamente o combate à corrupção no Brasil um avanço regulatório que, na teoria, permitirá ao país reduzir o enorme custo da corrupção e, de quebra, atrair mais investimentos estrangeiros. A corrupção, como se sabe, está longe de ser um fenômeno novo no mundo. Há mais de 700 anos, o escritor italiano Dante Alighieri já colocava os subornadores entre os seres mais desprezíveis do Inferno, uma das partes mais marcantes de sua obra Divina Comédia. Entretanto, foi só na década de 90, após a Guerra Fria, que a luta contra a corrupção ganhou relevância. Nessa época, grandes organismos multilaterais, como o Banco Mundial, a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), aderiram à causa do combate à corrupção. Um bom exemplo dessa transição é o Banco Mundial. Somente em 1996, mais de meio século após 22 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 23

9 BRASIL sua fundação, a instituição começou a tratar publicamente do tema. Foi quando o economista James Wolfensohn, então presidente do Banco Mundial, classificou a corrupção como um câncer que impõe um grande fardo, sobretudo aos países em desenvolvimento. Nos quatro anos seguintes, a OCDE e a ONU firmaram convenções para combater a corrupção transnacional. Além da corrupção em outros países, a expectativa em torno da Lei n o se deve aos impactos que ela poderá trazer ao ambiente de negócios. O Brasil ainda é considerado um país de alto risco quando o assunto é corrupção. Por isso, a aplicação da nova lei será fundamental para a imagem do país no exterior, diz Stephen Chipman, presidente da consultoria americana Grant Thornton. Até então, o poder das autoridades brasileiras para punir uma empresa era limitado e exigia uma quantidade de provas e evidências praticamente impossível de ser obtida sem a colaboração dos próprios envolvidos. Agora, uma vez que se comprove que a empresa foi benefi- David Coleman Foi só no fim dos anos 90 que o Banco Mundial alertou, pela primeira vez, para os prejuízos causados pela corrupção Sede da Justiça americana Desde o fim dos anos 70, os Estados Unidos contam com uma legislação para punir empresas envolvidas em corrupção fora de seu território ciada pela corrupção, será mais fácil aplicar sanções civis e administrativas, que podem significar multas de até 20% da receita bruta do ano anterior e levar até mesmo à dissolução da companhia. Outra novidade da lei é o conceito de responsabilidade objetiva. Isso significa que uma companhia pode ser considerada culpada por não ter evitado um pagamento de propina, mesmo que tenha mecanismos de controle nos parâmetros recomendados pelo governo. A responsabilidade também recai sobre empresas coligadas, controladas e consorciadas, além de parceiros comerciais. Diante desse risco, especialistas alegam que a lei não incentiva as empresas a denunciar um funcionário corrupto. Em outros países, como Estados Unidos e Reino Unido, um bom programa de controle de riscos isentaria a empresa de culpa, diz Heloisa Estellita, professora de direito da Fundação Getulio Vargas e sócia do escritório Alonso Leite Groch + Heloisa Estellita Advogados, de São Paulo. A advogada, porém, não tem dúvidas sobre qual recomendação dar a seus clientes. Se não quiser ter problema com essa lei anticorrupção, é muito mais barato se adequar. Os Estados Unidos têm sido o grande incentivador da luta contra a corrupção. Em 1997, o país resolveu intensificar o cumprimento de uma legislação criada na esteira do escândalo de Watergate, no fim dos anos 70, e passou a pressionar outros países a ter o mesmo comprometimento com a causa. A lógica era simples. Sem a adesão de outras potências, as mais prejudicadas seriam as próprias multinacionais americanas. Aprovadas as convenções internacionais, o passo seguinte foi aplicar a legislação. Acordos e multas O cerco da Justiça americana contra multinacionais envolvidas em casos de corrupção apertou a partir de 2007 e foi percebido em diversos países, inclusive no Brasil. Os valores de acordos e multas já se aproximam dos 5 bilhões de dólares. O maior deles, de 800 milhões de dólares, foi firmado pela alemã Siemens, em Fora o acordo com as autoridades americanas, a Siemens já informou ter gastado mais de 1 bilhão de dólares para mudar sua estrutura nos mais de 100 países onde atua. No Brasil, a mudança resultou, entre outras ações, em um acordo de leniência firmado com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), por formação de cartel entre empresas do setor metroferroviário para a venda de trens e sistemas para o governo do estado de São Paulo. O caso mais recente envolvendo uma empresa com capital estrangeiro é a máfia dos fiscais da prefeitura de São Paulo. A construtora Brookfield, cujo principal acionista é um fundo de investimento canadense, admitiu o pagamento de mais de 4 milhões de reais em propinas para fiscais da capital paulista. O Canadá, que conta com legislação contra corrupção de suas empresas no exterior, enviou uma equipe de investigadores para se inteirar das investigações. Entre as empresas brasileiras, o caso mais emblemático é a fabricante de aviões Embraer. Desde 2011, a empresa é investigada por violar a lei anticorrupção americana em mais de um país. A investigação corre em sigilo de Justiça e conta com a colaboração de autoridades brasileiras. Enquanto o processo não é concluído, a empresa seguirá obrigada a comunicar que está sob investigação nos Estados Unidos. 24 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 25

10 BRASIL Alan Marques/Folhapress Jorge Hage, ministrochefe da Controladoria- Geral da União SÓ FALTA A PRESIDENTE ASSINAR MINUTA DO DECRETO QUE REGULAMENTA A NOVA LEI ESTÁ PRONTA Germano Lüders Apesar de já ter entrado em vigor, a Lei n o ainda precisa ser regulamentada pelos governos federal, estaduais e municipais. A regulamentação é primordial para que a nova lei anticorrupção seja bem-sucedida. Inspirada em leis estrangeiras, como a americana FCPA e a britânica UK Bribery Act, a lei brasileira conta com atenuantes de penas conforme o comprometimento da empresa em evitar a corrupção. Para isso, a companhia deve mostrar como funcionam seus mecanismos de controle e colaborar com a investigação no jargão de advogados, trata-se de ter um bom programa de compliance. Para implementá-lo, porém, muitas empresas estão aguardando a regulamentação para saber quais critérios serão considerados pelas autoridades na hora de julgar um caso. A ansiedade das empresas se justifica pelo investimento necessário para se adequar à nova legislação. Em uma empresa de grande porte, por exemplo, um programa de compliance com canal de denúncia, treinamento de funcionários, elaboração de código de ética e auditoria em contratos e fornecedores pode custar mais de meio milhão de reais. Além disso, a regulamentação também é fundamental para que as empresas interessadas em firmar um acordo de leniência denunciem um caso de corrupção. Seria uma forma de dar maior transparência e previsibilidade para as empresas, diz Ana Paula Martinez, advogada do escritório paulista Levy & Salomão. Ou seja, a promessa de mudar o ambiente de negócios do país já poderia estar em um passo mais acelerado para se tornar realidade. Embraer na mira A fabricante de aeronaves é a principal empresa brasileira sob investigação de autoridades americanas por causa de corrupção de funcionários públicos estrangeiros EXAME CEO O que a lei anticorrupção representa para o Brasil? JORGE HAGE Trata-se da primeira iniciativa do governo brasileiro para criar um instrumento capaz de alcançar a pessoa jurídica como agente corruptor. Isso é algo que o país só teve de forma muito limitada na lei de licitações e na lei de improbidade administrativa. Na primeira, é difícil alcançar o patrimônio da empresa. Na lei de improbidade, é preciso antes comprovar a responsabilidade do agente público, para só então chegar à empresa como terceira beneficiada. O senhor acha que as empresas não temiam as legislações antigas? Até então, as multas previstas para casos de corrupção eram absolutamente ridículas. A empresa que pratica corrupção se compraz em pagá-las. São penas contratuais que não têm nenhum poder dissuasório. A nova lei prevê multas de até 20% do faturamento bruto do ano anterior ou de até 60 milhões de reais. Mais do que aplicar essas multas, o que interessa é o poder inibitório delas. As multas não são o grande avanço da lei? Acho que teremos avanços também na regulamentação, principalmente nos atenuantes das penas. Posso adiantar alguns. Serão levados em conta fatores como o grau da lesão do crime de corrupção, o risco que ele representava, a situação econômica das empresas envolvidas, a cooperação delas nas investigações, a existência de bons mecanismos de controle... Até mesmo a transparência das doações políticas será um critério. Falta transparência nas doações de campanha feitas por empresas? Em outros países, talvez não seja um problema. Mas, aqui, a influência do poder econômico nas eleições seguramente é uma questão séria. Enquanto não se faz uma reforma constitucional, é preciso ao menos garantir a transparência das doações antes das eleições. Hoje, isso só ocorre após as eleições. Especialistas têm criticado o poder que a lei dá a autoridades municipais e estaduais. O senhor acha que elas estão capacitadas? Também temos essa preocupação, sobretudo no que se refere às prefeituras. Metade dos municípios brasileiros não tem mais de habitantes, o que dá uma dimensão do desafio da qualificação. Mas não podemos interferir, apenas oferecer assistência a eles. A regulamentação é uma maneira de orientar essas prefeituras. Quando ela deverá ser publicada? A minuta do decreto está pronta. Já foi bastante discutida e agora está na Casa Civil. Isso significa que depende apenas da assinatura da presidente Dilma Rousseff. Por que a demora? Não sei lhe responder, a não ser pela sobrecarga de atividades da presidente, que tem tido seguidos compromissos internacionais. 26 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 27

11 REPUTAÇÃO COMO LIMPAR Turbina eólica da Siemens A multinacional alemã criou uma tropa de elite mundial de compliance para ajudar na investigação de qualquer caso suspeito A BARRA Depois de ter seu nome envolvido em um escândalo de corrupção, as empresas precisam encarar os fatos e agir para recuperar a confiança do mercado e do público interno. A pior estratégia é manter o silêncio e fingir que nada aconteceu LUCAS ROSSI e RENAN FRANÇA o dia 15 de julho de 2013, o tema das conversas nos corredores entre os funcionários da filial no Brasil da multinacional alemã Siemens era um só: as notícias na imprensa a respeito de um suposto envolvimento da empresa num cartel. Após três anos de investigação interna, a Siemens tinha levado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) documentos que denunciavam a existência de um esquema do qual fazia parte em licitações para a compra de equipamentos ferroviários e para a construção e a manutenção de linhas de metrô e de trem em São Paulo e no Distrito Federal. Ao entregar a papelada, a empresa obteve a garantia de que, se o cartel fosse comprovado e condenado, ela e seus executivos teriam mais chance de se livrar das punições. Naquela Nsegunda-feira, porém, os funcionários não ouviram ne- Divulgação 28 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 29

12 REPUTAÇÃO Divulgação Unidos, 40% da clientela não entrou mais em determinadas lojas após alguma decepção. Já na Inglaterra, metade dos consumidores passou a evitar empresas nas quais deixou de confiar. Para companhias que se relacionam com outras empresas ou mesmo outros governos, some-se a isso o prejuízo bem palpável. A Siemens exemplifica bem esse tipo de perda: está impedida de participar de licitações públicas para obras no Brasil e de fechar contratos com governos pelo país. Em 2013, também foi suspensa de licitações na Europa por 18 meses por causa de irregularidades descobertas e teve de pagar 13,5 milhões de euros para instituições europeias dedicadas a projetos de combate à corrupção. Isso sem falar na perda de imagem com os investidores. Logo que o primeiro caso veio a público, as ações da Siemens caíram cerca de 20%. Nos últimos anos, a empresa conseguiu se recuperar e tem crescido acima de dois dígitos. Menos visível mas igualmente complexo é conter o estrago na reputação entre os próprios funcionários. No auge da apuração, é comum os in- Fábrica de trens da Alstom Investigada por suspeita de pagamento de propinas em São Paulo, a empresa francesa preferiu adotar o silêncio De acordo com uma pesquisa, sete em cada dez brasileiros deixaram de comprar produtos ou serviços de empresas envolvidas em irregularidades nhuma declaração oficial dos executivos sobre o assunto. O silêncio seguiu por um mês durante a qual não faltaram especulações na imprensa e na hora do cafezinho. Como havia assinado um acordo de confidencialidade com o Cade, a Siemens era obrigada a manter sigilo total. Do contrário, toda a investigação seria paralisada. A multinacional só foi autorizada a falar um mês depois. E, ainda assim, com restrições. Ela continuou impedida de contar qual projeto estava sendo investigado e quem eram os envolvidos. Só no dia 16 de agosto, Paulo Stark, presidente da subsidiária brasileira, pôde, enfim, enviar um comunicado explicando o que havia acontecido. Desde então, o assunto virou tema de uma newsletter semanal sobre as investigações. Nesse período ficamos algemados, mas, assim que tivemos chance, adotamos a transparência para manter a confiança dos funcionários, diz Wagner Giovanini, diretor de compliance da Siemens para a América do Sul. O episódio demonstra como pode ser doloroso conviver à sombra de um escândalo público. O pesadelo, no caso da Siemens, começou em Naquele ano, uma investigação global desvendou um esquema de pagamento de propinas por parte dos executivos da Siemens em pelo menos dez países de 1999 a 2006 e rendeu multas superiores a 2 bilhões de dólares. Na época, a companhia demitiu 250 executivos do alto escalão, entre eles Adilson Primo, presidente da subsidiária brasileira até 2011, e pagou 800 milhões de dólares num acordo com as autoridades americanas para que a averiguação fosse encerrada. Segundo o relatório anual do Instituto Americano de Gestão de Crise publicado em 2013, o crime de colarinho-branco foi o principal motivo de crises em grandes empresas, com 16% dos casos à frente, por exemplo, de ocorrências de má gestão e acidentes de trabalho, com 15% e 11%, respectivamente. Um escândalo de corrupção é o pior tipo de crise para uma empresa, pois afeta por muitos anos a reputação em geral, afirma Paulo Sabbag, especialista em resiliência empresarial e professor da Fundação Getulio Vargas de São Paulo. Pela complexidade das investigações, o problema se arrasta e o dano à imagem é muito difícil de apagar. Para empresas que vendem produtos ou serviços para o cidadão comum, o efeito desse tipo de golpe costuma se traduzir em perda de fidelidade. De acordo com um levantamento da consultoria americana Cone, sete em cada dez brasileiros afirmam ter deixado de consumir produtos e serviços de empresas no ano passado depois de descobrir algum tipo de comportamento condenável por parte delas. Nos Estados vestigadores entrarem na empresa para analisar documentos, apreender computadores, fazer entrevistas. Nesse contexto, os executivos começam a desviar para o processo de investigação os esforços que seriam do negócio. Cria-se uma situação de insegurança muito grande dentro da empresa, porque ninguém sabe o tamanho da multa, quais serão as consequências e se alguém será demitido, diz José Francisco Compagno, sócio da área de investigação de fraudes e suporte a litígios da consultoria EY. Para reduzir esse impacto e evitar o surgimento de problemas semelhantes no futuro, a Siemens montou uma tropa de elite de compliance. O departamento tem 500 pessoas ao redor do mundo só no Brasil, são dez funcionários dedicados à área e 35 empregados de outros setores que fazem parte da força-tarefa. Eles trabalham em outras áreas e são como soldados que estão sempre atentos a 30 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 31

13 REPUTAÇÃO qualquer questão suspeita. Também ajudam em investigações e dão apoio a quem tem dúvidas sobre as regras, diz Giovanini. Uma das armas mais fortes da empresa, que resultou em várias investigações, é o canal de denúncia. No Brasil, cerca de 70% das denúncias não são feitas anonimamente os funcionários contam tudo o que sabem ao vivo. Isso mostra como eles estão engajados em melhorar os processos, diz. Ações como a da Siemens ajudam a limpar a barra da empresa com os funcionários, com os fornecedores e com o mercado. Além disso, essa estrutura pode ajudar a diminuir a pena da empresa. Vale ver o caso da multinacional de engenharia canadense SNC-Lavalin, que tem mais de funcionários nos 100 países onde atua, inclusive no Brasil. Acusada de corrupção no projeto de construção de uma ponte em Bangladesh, a empresa está impedida por dez anos de participar de licitações em projetos financiados pelo Banco Mundial. Desde o ano passado, sua área de compliance está sendo estruturada. Começou com a contratação de Andreas Pohlmann, executivo responsável pelo projeto da área da Siemens. Além das ações típicas, como revisão do código de ética e imposição de regras mais claras, agora tudo o que é feito em relação a compliance e processos é divulgado em um portal, aberto a qualquer um que queira ver. A transparência é a melhor medida, porque traz segurança para quem interage conosco até porque é do conhecimento de todos que existem denúncias Protesto contra a SNC-Lavalin A multinacional canadense de engenharia, que atua em 100 países, é acusada de pagar suborno para ganhar uma concorrência de obra em Bangladesh sobre esses eventos, diz Diogo Moretti, diretor jurídico e de compliance da SNC-Lavalin para a América Latina. Não podemos colocar a cabeça debaixo da terra e negar que existem fatos. Mas há empresas que decidem seguir o caminho contrário. É o caso da francesa Alstom, que adotou o silêncio desde o início das investigações brasileiras, em Segundo documentos enviados ao Ministério da Justiça do Brasil pelo Ministério Público da Suíça, de 1998 a 2003, 23 milhões de reais teriam sido pagos pela Alstom em propinas a integrantes do governo de São Paulo. Até o início de março, a Alstom negou as acusações e manteve a postura de esperar o processo correr na Justiça procurada, a empresa não quis comentar como tem lidado internamente com as acusações. Quando uma empresa é acusada, manter o silêncio é a pior escolha possível. Não comentar as acusações prejudica ainda mais a imagem de uma companhia, afirma Clarke Caywood, especialista na área de relações públicas e professor da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos. Como esses escândalos raramente se restringem a um país, a reputação é afetada globalmente, o que torna tudo mais complexo. Não há saída fácil. Ou a empresa aceita que terá de conviver com a crise por um bom tempo, tenta lidar com tudo da melhor maneira possível e passa a fazer negócios de uma forma diferente, ou ela adota uma atitude reativa. O problema é que, se for verdade, a mancha na reputação será ainda pior. Michel Emond/Corbis/LatinStock 32 EXAME CEO ABRIL 2014

14 ENTREVISTA É possível harmonizar os interesses das empresas e dos consumidores, mas isso exige transparência divulgação 34 EXAME CEO ABRIL 2014

15 A QUATRO MÃOS Um dos mais conhecidos e polêmicos especialistas em ética do mundo, o filósofo australiano Peter Singer, professor da Universidade de Princeton, diz que a construção de um ambiente de negócios que seja pautado pela ética depende tanto das empresas quanto dos consumidores. Cada um precisa fazer a sua parte, afirma MELINA COSTA EXAME CEO Nos últimos tempos, as discussões em torno das relações entre ética e negócios vêm ganhando crescente relevância. Esses dois conceitos são realmente compatíveis? É possível fazer negócios de forma ética? PETER SINGER Certamente, os negócios podem ser éticos. Afinal, não há nada antiético em um modelo de negócios que tenha por objetivo produzir e distribuir mercadorias. E o capitalismo, pela nossa experiência, é a melhor forma de produzir e distribuir mercadorias. Houve várias tentativas de substituí-lo, mas foram menos efiaustraliano Peter Singer, de 67 anos, professor de bioética na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, é um dos filósofos mais controversos da atualidade. Seu livro Libertação Animal, publicado no Brasil em 2004, tornou-se uma bíblia para os ativistas dos direitos dos animais. Nele, Singer compara a exploração de animais à de seres humanos e defende o vegetarianismo como a única dieta ética. Mais recentemente, ele passou a estudar a globalização e a defender modelos de governança que levem em conta todo o planeta e não apenas os interesses de cada país isoladamente. Do ponto de vista ético, segundo o filósofo, há apenas um planeta, uma atmosfera, uma economia. Na entrevista a seguir para EXAME CEO, Singer analisa os dilemas éticos do mundo corporativo e aponta os dois requisitos que considera fundamentais para assegurar a ética nos negócios: consumidores bem informados e empresas transparentes. cientes e produtivas. Então, os negócios podem ser éticos, sim. A pergunta é se eles estão sendo conduzidos de uma forma ética ou se a busca de benefícios individuais está acima de todo o resto. Esse é o grande perigo para os negócios. Em essência, um negócio deve gerar lucro. Em busca desse objetivo, as empresas nem sempre agem conforme os interesses dos consumidores. Como conciliar essas duas instâncias? É possível haver harmonia entre os valores dos consumidores e os das empresas, mas isso exige ABRIL 2014 EXAME CEO 35

16 ENTREVISTA consumidores bem informados e um alto nível de transparência. Muitas pessoas que estão trabalhando para assegurar a ética nos negócios se dedicam exatamente a isso. Por um lado, os consumidores precisam se conscientizar de questões como as condições dos trabalhadores em uma empresa e o impacto ambiental causado por ela. Por outro, as empresas devem ser transparentes em relação a seu impacto global e ao modo como tratam os animais, por exemplo. Todas essas são questões éticas. Se as empresas forem razoavelmente transparentes, teremos práticas de negócios mais éticas. Como saber se a ética corporativa não é apenas uma jogada de marketing, um discurso vazio das grandes empresas? Temos visto sinais reais de mudança em diversas áreas. Eu mesmo estive envolvido em questões como o tratamento de animais e vi mudanças reais das corporações por pressão dos consumidores. A rede McDonald s é um exemplo. Ela convidou Temple Grandin para inspecionar os abatedouros de onde obtém sua carne (Temple Grandin é uma autista americana que obteve o título de Ph.D. em zootenica e se tornou uma das principais ativis tas do mundo em defesa do bem-estar animal nas fazendas). Claro que precisamos continuar e ex pan dir essas iniciativas, mas há evidências de que as empresas têm feito a diferença. Também é preciso perceber que os E por que esse movimento pela ética ganha força exatamente agora? O contexto atual é de maior reconhecimento das ramificações globais dos negócios e das corporadivulgação O senhor acha que as empresas estão genuinamente preocupadas em ser éticas? Acredito que sim. Um exemplo recente é a apropriação de terras por empresas que produzem açúcar para grandes companhias de alimentos, como a Coca-Cola. A organização Oxfam (que atua no combate à pobreza no mundo) tem divulgado relatórios mostrando que pequenos agricultores estão sendo expulsos de suas terras, e a Coca-Cola anunciou uma política de tolerância zero em relação a essas práticas. Mesmo não sendo dona das empresas de açúcar ela apenas compra matéria-prima dessas companhias, a Coca-Cola decidiu tornar-se responsável. Esse é um caso recente de uma companhia que adotou um novo modelo de ética devido à conduta de seus fornecedores (leia mais sobre o caso envolvendo a Coca-Cola na pág. 18). líderes nas corporações são pessoas como você e eu. Eles querem se sentir bem com seu trabalho, e não apenas aumentar os lucros. Eles também querem pensar: Não destruí o meio ambiente, Não expulsei pessoas de suas terras, Não tratei animais de forma cruel. A maioria das pessoas no mundo corporativo é decente, com valores decentes. Se encontrarmos uma forma de permitir que elas sobrevivam em um ambiente competitivo, isso será bom para a ética corporativa. 36 EXAME CEO ABRIL 2014

17 ções. Isso tem a ver com o desenvolvimento da internet, que facilita a difusão de informações pelo mundo e cria uma comunidade global mais forte. Pessoas do mundo todo podem se juntar facilmente em campanhas em torno de certos temas. Acredito que tem a ver, também, com o aumento do percentual de população com boa educação. É a combinação entre maior consciência global e mais educação que tem feito os consumidores se tornarem mais conscientes. Em seu livro One World: The Ethics of Globalization ( Um só mundo: a ética da globalização, numa tradução livre), o senhor argumenta que não há mais fronteiras nacionais para a ética. Como a globalização mudou a responsabilidade das empresas e dos executivos? Temos corporações com cadeias de fornecimento e fábricas no mundo todo. Os impactos ambientais são globais. Sabemos que gases emitidos em qualquer lugar do globo impactam o clima do planeta. Tudo isso tem feito as pessoas expandirem suas preocupações para além de seu país. Essa visão também se estende para arranjos internacionais, como a Organização Mundial do Comércio. A realidade nos fez perceber que temos de ser cidadãos globais. Não podemos construir fortalezas ao redor de nosso país. Somos todos afetados pelo que acontece no mundo. A ascensão de países emergentes pode mudar as regras do que se considera ético? Certamente. Tem sido interessante ver a ascensão do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Não podemos erguer fortalezas ao redor de nossos países. Somos todos afetados pelo que acontece no mundo

18 ENTREVISTA eu não diria que a crise financeira foi resultado exclusivamente do colapso da ética. Quando essas transgressões vieram à tona, o problema já estava lá. A bolha foi causada pela confiança nesses investimentos, que, claramente, não eram tão seguros como se apregoava. Os países emergentes trazem o potencial de mudança. Eles podem ser a voz dos pobres Índia, China e África do Sul). Isso tem reduzido a hegemonia dos poderes tradicionais, basicamente os Estados Unidos, com alguma influência da União Europeia e do Japão. Agora temos esse grupo de crescente influência que traz o potencial de mudança. Eles podem, particularmente, ser a voz dos pobres. É uma pergunta interessante: como esses países vão usar seu poder global? Eles vão usá-lo apenas para benefício próprio ou vão falar pelos pobres em geral? Temos iniciativas em direções diferentes. Alguns países se preocupam com as mudanças climáticas, outros defendem que o direito a se desenvolver vem antes. Com relação às condições dos trabalhadores, alguns apontam que salários mais altos enfraqueceriam as exportações de países que dependem de mão de obra barata. Mas esses trabalhadores, obviamente, precisam ter salários que permitam uma vida decente. Essa é uma importante pergunta ética, mas precisamos esperar para ver o que vai acontecer. Muitos argumentam que a crise financeira global é uma crise da ética. O senhor concorda? Acho que houve transgressões éticas específicas. As investigações das operações americanas dos bancos Goldman Sachs e JP Morgan Chase mostram que eles sabiam o suficiente sobre os produtos que estavam vendendo e que deveriam ter chamado a atenção para isso, que eles estavam vendendo produtos para atender aos seus interesses, e não aos de seus clientes. Mas O professor de filosofia política Michael Sandel, da Universidade Harvard, afirma que cada vez mais aspectos de nossa vida têm sido guiados pela lógica do mercado. Para ele, há poucas coisas que o dinheiro não pode comprar. O senhor concorda? Não concordo com Michael Sandel e já debatemos a respeito disso algumas vezes. Na verdade, algumas barreiras que estão sendo colocadas ao mercado são danosas. Um exemplo é a questão de um mercado para órgãos humanos, particularmente rins. A venda desses órgãos é banida internacionalmente. Mas há um grande mercado ilegal, o mercado negro internacional, e não parece ser possível suprimi-lo completamente. Quando as pessoas estão morrendo, elas fazem o possível para conseguir um rim e, se os doadores são pobres e você oferece dinheiro suficiente, eles vendem o próprio rim. É um exemplo de situação em que é melhor ter um mercado regulado do que tentar suprimi-lo. Esse argumento é usado normalmente em relação às drogas, especialmente a maconha. É outro caso em que as tentativas de suprimir o comércio falharam. Temos um mercado ilegal e grandes lucros das organizações criminosas. Não há meios de assegurar a pureza dos produtos vendidos e temos mais casos de overdose de heroína por causa disso. Devemos nos preparar para experimentar. Nos Estados Unidos, os estados do Colorado e de Washington começaram a experimentar a venda legal de maconha, mas a situação de drogas como heroína também é trágica. Deveríamos experimentar não com um mercado livre, mas com um mercado regulado, para que o assunto seja tratado às claras. Então o senhor é a favor de um mercado legal para órgãos humanos e para drogas? Deixe-me colocar da seguinte forma: temos situações desastrosas com o mercado negro em ambos os casos. É sensato promover algumas experiências em algumas regiões ou em alguns países para ver o que acontece quando se permite um mercado regulado. Isso pode levar a um resultado muito melhor e, se esse não for o caso, poderemos dizer que tentamos e que não existe uma alternativa ao mercado negro. 38 EXAME CEO ABRIL 2014

19 NEGÓCIOS GLOBAIS BERGEN, CIDADE NA NORUEGA Estudos apontam uma correlação entre o alto grau de confiança das pessoas e o baixo nível de corrupção Rumo à Escandinávia Os países nórdicos alcançaram um grau de integridade e confiança difícil de ser replicado. Mas um bom começo é a tolerância zero contra a corrupção JOÃO WERNER GRANDO, de Aarhus, Dinamarca Raga Jose Fuste/Glowimages 66 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 67

20 NEGÓCIOS GLOBAIS CARRINHOS DE BEBÊ NA DINAMARCA Cena comum no país, o hábito de deixar crianças aguardando fora das lojas levou à prisão de uma mulher que tentou fazer o mesmo em Nova York penho dos escandinavos tem a ver com o fato de eles serem ricos e bem-educados parece óbvio. Mas como explicar o fato de terem deixado para trás vizinhos mais ricos e poderosos, como a Alemanha e o Reino Unido? Afinal, o que há de especial nas águas gélidas do mar do Norte? Historiadores e cientistas políticos apontam para duas direções: história e cultura. A líder do ranking da Transparência Internacional dominava há 500 anos tudo o que é hoje conhecido como Escandinávia e foi o berço desse fenômeno. Os reis da Dinamarca usaram o combate à corrupção para manter sua legitimidade diante de um povo que, graças à Reforma Protestante, aprendeu a ler e a escrever cedo. A primeira grande mudança ocorreu no fim dos anos 1600, quando as estruturas do reino se abalaram com a perda do território da Suécia. O rei Frederico 3 o aproveitou para se livrar dos nobres que ameaçavam sua soberania e instituiu regras para a contratação de funcionários públicos, estabelecendo as bases para um sistema de seleção por meritocracia. A DINAMARCA LIDEROU EM 2013 O RANKING DE NAÇÕES MENOS CORRUPTAS mineira Fernanda Gláucia Pinto chegou à Dinamarca há quase 11 anos. Fez sua graduação e seu mestrado no país, arranjou um bom emprego e foi casada com um dinamarquês (depois se separou). Diz que não pensa em ir embora tão cedo, mas ainda não se acostumou com algumas coisas. Em uma sexta-feira no fim de fevereiro, enquanto almoçava em sua sala na Universidade de Aarhus, onde é professora de estudos brasileiros, ela apresentou suas queixas. De-zes-se-te horas de sol, disse, desenhando o número no ar com o dedo indicador. Foi o que tivemos no mês passado inteiro. Mas o clima não é o exemplo que Fernanda mais gosta de citar para falar sobre a vida em Aarhus, cidade de habitantes, a segunda maior do país. Há dois anos, ao voltar para casa à noite após uma viagem, ela foi direto ao quarto para descansar. Minutos depois, ouviu alguém arrombar a porta. Ficou paralisada. Em poucos segundos relembrou as piores histórias de violência que costumava ouvir da tia, escrivã de polícia em Cataguases, sua cidade natal no interior de Minas Gerais. Não demorou para o ladrão perceber que havia gente em casa e fugir para nunca mais ser visto. Mas a essa altura Fernanda já gritava ao telefone, pedindo socorro à polícia. A viatura chegou em seguida, para acalmá-la. Eles disseram que o ladrão só entrou porque pensou que a casa estava vazia. O larápio provavelmente não carregava uma arma. Dias depois, o boletim da polícia no jornal local resumiu o caso da seguinte maneira: Mulher, 33 anos, assusta ladrão que tentou invadir sua casa. Como se vê, a Dinamarca e seus vizinhos na Escandinávia não são civilizações livres de todo o mal, como muitos imaginam. Problemas como violência e outras mazelas do Terceiro Mundo existem, mas, assim como o sol, numa intensidade muito, mas muito menor. Uma das maiores evidências disso é a percepção sobre corrupção nesses lugares uma medida que indica as chances de uma tentativa de suborno ou favorecimento ilícito dar certo no país. Ao longo dos últimos anos, os escandinavos se firmaram no topo da lista das nações menos corruptas do mundo, conforme pesquisa publicada anualmente pela organização Transparência Internacional. Em 2013, a Dinamarca encabeçou a lista pela terceira vez em cinco anos, seguida pelos vizinhos Finlândia, Suécia e Noruega a Nova Zelândia chegou empatada em primeiro lugar e a Islândia, o menor dos escandinavos, ficou em 12 o (o Brasil ficou em 72 o lugar). Que o desem- A segunda transformação veio no início dos anos A Dinamarca pagava o preço de ter apoiado o derrotado Napoleão Bonaparte e, dessa vez, teve de entregar as terras da Noruega. Uma crise econômica tomou conta do reino, e os casos de corrupção se multiplicaram. Para piorar, ideias liberais e democráticas ameaçavam o poder e o pescoço do rei. A saída foi iniciar uma campanha de tolerância zero na administração real, com comitivas para auditar as repartições no interior e um novo código penal com punições mais duras contra a corrupção. Desde então, o número de casos de corrupção nunca mais se elevou, diz Mette Frisk Jensen, professora de história na Universidade de Aarhus. As premissas de integridade se tornaram fortes desde essa época e em grande parte isso explica por que permanecem sólidas até hoje. 68 EXAME CEO ABRIL 2014 ABRIL 2014 EXAME CEO 69

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

"FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção" São Paulo, 05 de setembro de 2013. Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados

FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção São Paulo, 05 de setembro de 2013. Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados "FCPA e a Lei 12.846/2013 - Lei Anticorrupção" São Paulo, 05 de setembro de 2013 Fabyola Emilin Rodrigues Demarest Advogados CORRUPÇÃO, O MALDOSÉCULO http://www.transparency.org/ http://g1.globo.com/economia/noticia/2012/12/ranking-do-indice-de-percepcao-da-corrupcao-no-mundo.html

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA

Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção. 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA Responsabilidade do Setor Privado na Prevenção e no Combate à Corrupção 23º encontro Comitê de especialistas MESICIC/ OEA O Instituto Ethos Fundado em 1998 por um grupo de empresários Conselho Deliberativo

Leia mais

Garrastazu Advogados

Garrastazu Advogados PROGRAMA DE INTEGRIDADE CORPORATIVA Garrastazu Advogados Constituída a partir de uma história profissional de trinta e cinco anos de experiência na advocacia, a Garrastazu Advogados foi criada em 1999

Leia mais

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA Prezados, O Código de Ética apresenta os princípios éticos que devem orientar as decisões e a conduta dos funcionários do Ultra e parceiros da companhia. Além de expressar os compromissos

Leia mais

Corrupção: cada NÃO conta!

Corrupção: cada NÃO conta! A corrupção é um problema seu A corrupção é um problema mundial e ocorre em todos os níveis - dos pequenos delitos diários aos grandes desvios financeiros nos setores público e privado. O maior impacto

Leia mais

Guia de Prevenção e Combate à Corrupção

Guia de Prevenção e Combate à Corrupção Guia de Prevenção e Combate à Corrupção Objetivo Estabelecer diretrizes e definir o que são práticas de corrupção, bem como reiterar qual é a conduta e a postura da Brasil Kirin frente a este tema, reafirmando

Leia mais

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft 1 Versão em português Bem-vindo Bem-vindo Bem-vindo ao Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft. Este curso foi desenvolvido para ajudar

Leia mais

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014 A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE Agosto, 2014 Lei Anticorrupção Brasileira: Lei 12.846/2013 Aspectos Gerais: Vigência: Entrou em vigor em 29/01/2014; Será regulamentada. Objetivo: Responsabilizar

Leia mais

Brasília, em 28 de setembro de 2015. Aos Servidores e Servidoras da Controladoria-Geral da União (CGU)

Brasília, em 28 de setembro de 2015. Aos Servidores e Servidoras da Controladoria-Geral da União (CGU) Brasília, em 28 de setembro de 2015 Aos Servidores e Servidoras da Controladoria-Geral da União (CGU) Jamais imaginei que algum dia viesse a precisar escrever o que escrevo agora: uma manifestação contra

Leia mais

Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14

Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14 Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14 Aprovada em agosto de 2013 Lei de âmbito Federal, entrou em Vigor em janeiro de 2014, prevendo punições para as empresas que cometerem atos de Corrupção

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA PROFISSIONAIS DE GOVERNANÇA

GOVERNANÇA CORPORATIVA PROFISSIONAIS DE GOVERNANÇA PROCURA-SE: PROFISSIONAIS DE GOVERNANÇA 64 REVISTA RI Julho Agosto 2015 A crise e os escândalos recentes de corrupção fizeram com que algumas áreas ligadas à governança corporativa tivessem forte demanda

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Política de Integridade

Política de Integridade Política de Integridade 1. INTRODUÇÃO Os procedimentos aqui descritos são complementares às diretrizes do Código de Conduta da empresa, e são norteados pelo compromisso assumido junto ao Pacto Empresarial

Leia mais

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor.

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor. Código de Conduta COERÊNCI Transformando Visão em Valor. Índice Prefácio... 3 Ética empresarial da HOCHTIEF: Princípios... 5 Conflitos de interesse... 7 Confidencialidade... 8 Regras sobre controle de

Leia mais

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Conflito de Interesses - Relacionamento pessoal com outros associados. Conflito de Interesses - Relacionamento pessoal com fornecedores

Conflito de Interesses - Relacionamento pessoal com outros associados. Conflito de Interesses - Relacionamento pessoal com fornecedores Conflito de Interesses Geral Conflito de Interesses - Investimentos Financeiros Conflito de Interesses - Brindes e Gratificações Conflito de Interesses - Emprego paralelo ao Walmart Conflito de Interesses

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este Manual servirá como guia e descreverá alguns conceitos como:

INTRODUÇÃO. Este Manual servirá como guia e descreverá alguns conceitos como: I. INTRODUÇÃO A integridade é um dos valores da Marfrig Global Foods, sendo assim, tal princípio exclui qualquer hipótese de corrupção e exige uma atuação com retidão, legalidade, honestidade e que busque

Leia mais

BRASIL SALOMÃO E MATTHES ADVOCACIA

BRASIL SALOMÃO E MATTHES ADVOCACIA BRASIL SALOMÃO E MATTHES ADVOCACIA Fundação - 1.3.1969-46 anos Thiago Pena Advogado com atuação em contratos, societário e contencioso cível. 2º Panorama Econômico e Jurídico Painel Jurídico I Módulo:

Leia mais

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 04/2014

INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 04/2014 INFORMATIVO CONTÁBIL/FISCAL OCB/ES Nº 04/2014 (29 de Janeiro de 2014) 01. OBRIGATORIEDADE SPED FISCAL A partir de 1º/01/2014, todos os estabelecimentos contribuintes do ICMS estão obrigados ao envio do

Leia mais

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS. Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade

HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS. Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade A Hillenbrand, Inc., incluindo todas suas subsidiárias (referidas em conjunto como a Empresa ), mantém

Leia mais

Código de Ética. Rio Bravo Investimentos

Código de Ética. Rio Bravo Investimentos Código de Ética Rio Bravo Investimentos Sumário Palavra do CEO 5 i. Do Código de Ética 10 ii. Visão Geral 14 iii. Filosofia Corporativa 16 iv. Valores 20 v. Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas

Leia mais

Manual Anticorrupção

Manual Anticorrupção Manual Anticorrupção pág. 2 Estrutura do Manual Anticorrupção 1. Introdução pág. 04 2. Definições pág. 06 3. Regras e Procedimentos pág. 08 4. Violações e Sanções Aplicáveis pág. 16 pág. 3 1. Introdução

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO - RESPONSABILIZAÇÃO CIVIL E ADMINISTRATIVA DAS PESSOAS JURÍDICAS.

LEI ANTICORRUPÇÃO - RESPONSABILIZAÇÃO CIVIL E ADMINISTRATIVA DAS PESSOAS JURÍDICAS. LEI ANTICORRUPÇÃO - RESPONSABILIZAÇÃO CIVIL E ADMINISTRATIVA DAS PESSOAS JURÍDICAS. LEI ANTICORRUPÇÃO LEI 12.846 de 1º de agosto de 2013 (publicada em 02/08/2013) LEI ANTICORRUPÇÃO BRASILEIRA LEI ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

Jurídico (Setor de Ética e Conformidade) Laurel Burke, Advogado Responsável Conformidade, laurel.burke@regalbeloit.com

Jurídico (Setor de Ética e Conformidade) Laurel Burke, Advogado Responsável Conformidade, laurel.burke@regalbeloit.com Função/ Unidade de Negócios: Especialista no assunto: Data da primeira versão: Julho de 2011 Revisão nº: 3 Periodicidade de revisão: Anual Autor (Departamento, título e e-mail): Equipe de análise multidisciplinar:

Leia mais

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce

Compromissos de Sustentabilidade. Coelce Compromissos de Sustentabilidade Coelce ÍNDICE 5 5 5 6 6 6 7 8 8 9 INTRODUÇÃO 1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1.1 Valores 1.2 Política de Sustentabilidade 2. COMPROMISSOS INSTITUCIONAIS 2.1 Pacto

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Política Mundial Anticorrupção

Política Mundial Anticorrupção Política Mundial Anticorrupção I. OBJETIVO A legislação da maioria dos países considera crime o pagamento, oferta de pagamento, ou mesmo o recebimento de suborno, propina, ou outro pagamento corrupto,

Leia mais

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC)

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) 14 DE MARÇO DE 2014 LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) FABIO VALGAS Chefe Regional Controladoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro Lei 12.846/2013 Lei Anticorrupção - LAC A Lei n.º 12.846/13

Leia mais

RESPONSABILIDADE DOS ADMINISTRADORES/ACIONISTAS À LUZ DA NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO. Caroline B. Brandt

RESPONSABILIDADE DOS ADMINISTRADORES/ACIONISTAS À LUZ DA NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO. Caroline B. Brandt RESPONSABILIDADE DOS ADMINISTRADORES/ACIONISTAS À LUZ DA NOVA LEI ANTICORRUPÇÃO Caroline B. Brandt LACAZ MARTINS, PEREIRA NETO, GUREVICH & SCHOUERI ADVOGADOS SUMÁRIO CONTEXTO INTERNACIONAL E NACIONAL VISÃO

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013]

LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] LEI ANTICORRUPÇÃO [LEI NO. 12.846, DE 1º. DE AGOSTO DE 2013] PROGRAMA DE COMPLIANCE E ACORDO DE LENIÊNCIA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BELO HORIZONTE BRASÍLIA SALVADOR www.scbf.com. br SUMÁRIO A Lei Anticorrupção

Leia mais

A gente faz um país. Cartilha Anticorrupção

A gente faz um país. Cartilha Anticorrupção A gente faz um país Cartilha Anticorrupção Não deixe a corrupção tomar conta. Se vir algo, tome uma atitude. Diga algo! 4/5 Cerco contra a corrupção Sumário O que diz a Lei Anticorrupção brasileira 12.846/2013

Leia mais

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO)

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO) Código de Conduta Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global John Snyder Presidente e Diretor Executivo (CEO) Mike Janssen Diretor de Operações (COO) Stephan

Leia mais

Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em

Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais Preâmbulo As Partes, Considerando que a corrupção é um fenômeno difundido nas Transações

Leia mais

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Nossa Visão e Nossos Valores Compartilhar uma única ambição é a chave para a história de sucesso do BTG Pactual. Ela só poderá ser atingida através

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2

Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1. Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Breves comentários sobre Dodd-Frank e o programa de recompensa para delatores de fraudes 1 Por Carlos Henrique da Silva Ayres 2 Em julho de 2010, entrou em vigor nos Estados Unidos o Dodd Frank Wall Street

Leia mais

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção.

MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. MEMORANDO AOS CLIENTES ANTICORRUPÇÃO E COMPLIANCE FEVEREIRO/2014 Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 Lei Anticorrupção. Entrou em vigor no dia 29 de janeiro a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013,

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA

LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? ÉTICA LEI ANTICORRUPÇÃO FLEXIBILIDADE ÉTICA & RISCOS DE PESSOAS QUAL O PAPEL DO RH? 10 REVISTA RI Abril 2014 Dois meses após a entrada em vigor da Lei de Combate à Corrupção (no 12.846), pesquisas de mercado

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COMBRASCAN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COMBRASCAN O CONTEÚDO DESTA POLÍTICA É DE PROPRIEDADE DA COMBRASCAN E DESTINADO AO USO E DIVULGAÇÃO INTERNA, NÃO SENDO PERMITIDA A REPRODUÇÃO POR MEIO ELETRÔNICO OU FÍSICO, SEM PRÉVIA A AUTORIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES

1. DIRECIONADORES DAS RELAÇÕES E AÇÕES 1 A Endesa Brasil é uma das principais multinacionais privadas do setor elétrico no País com ativos nas áreas de distribuição, geração, transmissão e comercialização de energia elétrica. A companhia está

Leia mais

Monitor de Responsabilidade Social Corporativa

Monitor de Responsabilidade Social Corporativa Monitor de Responsabilidade Social Corporativa 2005 Síntese dos principais achados do único estudo comparativo mundial O Monitor de Responsabilidade Social Corporativa é um estudo global realizado anualmente

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Visão geral anticorrupção. Guia de treinamento para empresas que fazem negócios com a Abbott

Visão geral anticorrupção. Guia de treinamento para empresas que fazem negócios com a Abbott Visão geral anticorrupção Guia de treinamento para empresas que fazem negócios com a Abbott Objetivo A Abbott tem o compromisso de fazer negócios de maneira ética e com conformidade legal, e adere à Lei

Leia mais

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens.

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens. Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios www.siemens.com/compliance "A cultura de uma empresa e seus valores fazem a diferença.

Leia mais

FINANÇAS E COOPERATIVISMO

FINANÇAS E COOPERATIVISMO O CARREGA NA ESSÊNCIA OS VALORES DA HUMANIDADE Cooperativismo é a união voluntária de pessoas com o objetivo de atender necessidades e aspirações comuns, de natureza econômica, social, cultural ou outras.

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Gestão profissional e sustentável

Gestão profissional e sustentável Gestão profissional e sustentável A governança corporativa pode ser entendida como o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo relacionamentos entre proprietários,

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

Compliance e a Lei Anticorrupção

Compliance e a Lei Anticorrupção Compliance e a Lei Anticorrupção 25 de Julho de 2013 Erica Sarubbi Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil O que é Compliance? 2 Definição Compliance é a prática relacionada ao cumprimento das

Leia mais

FID - Fraudes, Investigações e Disputas A Nova Lei Brasileira Anticorrupção 12.846/13 Câmara de Com. e Ind. Japonesa do Brasil

FID - Fraudes, Investigações e Disputas A Nova Lei Brasileira Anticorrupção 12.846/13 Câmara de Com. e Ind. Japonesa do Brasil FID - Fraudes, Investigações e Disputas A Nova Lei Brasileira Anticorrupção 12.846/13 Câmara de Com. e Ind. Japonesa do Brasil Page 1 BDO Brazil TÓPICOS BDO Brazil Valores BDO no Brasil Serviços Departamento

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

MEGAINVEST. Código de Ética

MEGAINVEST. Código de Ética Código de Ética Sumário - Do Código de Ética - Filosofia Corporativa - Valores - Do Relacionamento Interno, Externo e Políticas Relacionadas - Exceções ao Código, Sanções e Punições Acreditamos que, no

Leia mais

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 FRAUDE Vantagem sobre outro por meio de sugestões falsas ou omissão da verdade COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer

Leia mais

Política de Anticorrupção Grupo Estado

Política de Anticorrupção Grupo Estado Política de Anticorrupção Grupo Estado 1. O que é anticorrupção?... 2 2. As políticas Anticorrupção do Grupo Estado... 2 3. Para quem e como?... 3 4. O que são atos de corrupção?... 3 a. Ok, mas quem são

Leia mais

Política Antissuborno e Anticorrupção

Política Antissuborno e Anticorrupção Política Antissuborno e Anticorrupção Agosto 2015 1 de 8 Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Suborno e Pagamento de Propina... 1 5. Brindes, Presentes,

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Código de Conduta. Conduta Empresarial Excelência na Administração. Relações do Trabalho

Código de Conduta. Conduta Empresarial Excelência na Administração. Relações do Trabalho A primeira frase deste documento sintetiza os objetivos desse trabalho, quando abrimos o tema Conduta Empresarial. Está lá: Mantemos a Governança Corporativa da Seguros Unimed alinhada com as boas práticas

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

Código de Conduta Ética e Compliance

Código de Conduta Ética e Compliance Construindo um programa de ética e conformidade Nalu Ribeiro Biasus Setembro 2015 Conceito e origens O QUE É COMPLIANCE? É estar em conformidade com leis e regulamentos internos e externos, aplicáveis

Leia mais

A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento?

A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento? A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento? Luiz Carlos Bresser-Pereira O Estado de S.Paulo, 1.8.2007. O ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira e o ex-diretor de Política Econômica

Leia mais

Cenário Mundial - Corrupção

Cenário Mundial - Corrupção Cenário Mundial - Corrupção Pesquisa aponta 10 práticas de corrupção comuns no dia a dia do brasileiro 1. Não dar nota fiscal 2. Não declarar Imposto de Renda 3. Tentar subornar o guarda 4. Falsificar

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

CÓDIGO EMPRESARIAL DA MAHLE

CÓDIGO EMPRESARIAL DA MAHLE CÓDIGO EMPRESARIAL DA MAHLE INTRODUÇÃO O nome MAHLE está relacionado ao desempenho, precisão, perfeição e inovação. Buscando performance como fazemos, nosso objetivo primordial é maximizar a satisfação

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL Fatores que tornam o sistema tributário regressivo Fatores que potencializam a evasão fiscal Mitos são assim: alguém cria, outros repetem e os demais acreditam e passam adiante.

Leia mais

Política de Recursos Humanos e Prevenção de Riscos Laborais

Política de Recursos Humanos e Prevenção de Riscos Laborais LIVRO DE POLÍTICAS ÍNDICE Lista de políticas: SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO Política de Sustentabilidade Política de Inovação ÂMBITO ECONÔMICO E DE BOA GOVERNANÇA Política de Anticorrupção Política de Antitruste

Leia mais

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos.

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos. 1 REPUTAÇÃO DIGITAL Na era da informação digital, sua reputação não é construída apenas e partir das informações que você disponibiliza. Blogueiros, ativistas, funcionários, clientes e outras pessoas participam

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Responsabilidade Social da Empresa e Comunicação Maria Cristina Mattioli Introdução. Em matéria veiculada no Valor Econômico de 27 de março de 2003, Duda Mendonça afirma que os produtos

Leia mais

Capa. Por Cristine Prestes

Capa. Por Cristine Prestes Vigilâ a çad refor n c ia Capa ão: traç Ilus ini / anc M rco Ma u1 Gra 80 Em vigor desde janeiro, Lei Anticorrupção impõe multas pesadas a quem corromper funcionários públicos e estimula companhias a investirem

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

ÉTICA E CORRUPÇÃO. 6º AUDITE Rio de Janeiro Apresentação: Lélio Lauretti (lauretti@osite.com.br)

ÉTICA E CORRUPÇÃO. 6º AUDITE Rio de Janeiro Apresentação: Lélio Lauretti (lauretti@osite.com.br) ÉTICA E CORRUPÇÃO 6º AUDITE Rio de Janeiro Apresentação: Lélio Lauretti (lauretti@osite.com.br) 1 Roteiro da apresentação 1. Invertendo a ordem (e visitando o dicionário...) 2. O que entendemos por corrupção?

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais