O PROCESSO LEGISLATIVO ESPÉCIES NORMATIVAS, CONCEITOS E QUESTÕES CONTROVERTIDAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO LEGISLATIVO ESPÉCIES NORMATIVAS, CONCEITOS E QUESTÕES CONTROVERTIDAS"

Transcrição

1 O PROCESSO LEGISLATIVO ESPÉCIES NORMATIVAS, CONCEITOS E QUESTÕES CONTROVERTIDAS Rafael Diogo D. Lemos SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Emenda Constitucional. 3. Lei complementar. 4. Lei ordinária. 5. Medida provisória. 6. Lei delegada. 7. Decreto legislativo. 8 Resoluções. 9. Conclusões. 10. Referências 1. Introdução O processo legislativo é uma exigência do Estado de Direito, não devendo ser considerada válida uma espécie normativa sancionada sem, necessariamente, ter percorrido todos os passos previstos pela Constituição. Partindo a Constituição como vértice do ordenamento jurídico, todas as demais espécies normativas são dela diretamente decorrentes. Essa idéia encontra guarida no artigo 59 da CF/88 que prevê a elaboração de emendas à Constituição, leis complementares, leis ordinárias, leis delegadas, medidas provisórias, decretos legislativos e resoluções. Além destas sete, convém ressaltar ainda existência das Leis Financeiras que, a despeito de não estarem no rol previsto pelo artigo 59, são previstas no artigo 166 da Carta Magna. O processo de tramitação de códigos será comentado juntamente com o processo de lei ordinária, mesmo porque seu rito encontra previsão tão-somente nos regimentos internos das Casas Legislativas, vigorando, não raro, como leis ordinárias. Não pretendemos, neste texto, apresentar elucubrações acerca da crise da democracia,1 da crise institucional2 ou mesmo de possíveis crises de representatividade ou outras infindáveis e incomensuráveis crises parlamentares. O presente texto gira em torno do direito positivo, visa a explicar o processo legislativo, 1

2 com enfoque no disposto na Constituição e nos regimentos da Câmara e do Senado, bem como apresentar algumas discussões que possam surgir no decorrer da problemática, buscando sempre a aplicação prática, sendo de grande valia a análise dos julgados pátrios, especialmente decisões exaradas pelo Supremo Tribunal Federal. 2. Emenda Constitucional A Constituição, apesar de revestida do caráter de rigidez, decorrente de sua supremacia, não pode ser imutável, sob pena de tornar-se caduca. Ainda mais maléfico do que um Estado sem constituição escrita seria a presença desta em desacordo com a sociedade, em desatino com os anseios sociais e em confronto com os fatores reais do poder. A Constituição, como lei, não pode ser a mais fiel expressão do ser, sob pena de ser dispensável; o dever-ser nela contido, entretanto, deve ser legítimo, justo e almejável por quem a ela obedece. Isso em vista, são criados mecanismos para a reforma da Constituição ao longo dos tempos. Esta reforma pode ser formal por meio de Emendas Constitucionais ou Reformas Constitucionais, estas não mais possíveis na vigência da CF/88 ou informal, por meio de interpretações do texto constitucional, como a denominada mutação constitucional.3 A emenda constitucional, entretanto, apesar de introduzir aspectos novos no texto constitucional, sempre deve respeitá-la, em aspectos explícitos e implícitos. A despeito de inexistir hierarquia formal entre os dispositivos insertos na Constituição, constata-se uma hierarquia axiológica4 entre estes. Desta afirmação, facilmente se conclui pela incidência do controle de constitucionalidade difuso ou concentrado em emendas constitucionais.5 Assim, a Constituição positiva limitações expressas e implícitas ao poder de reforma da Constituição. As limitações expressas são aquelas contidas no artigo 60, I, II e III, 1º, 2º, 3º, 4º e 5º. 2

3 Os incisos I, II e III do artigo 60 dizem respeito à fase introdutória do processo de Emenda Constitucional. Desta feita, o artigo 60, I e III atestam a iniciativa de PEC parlamentar; o inciso II traz à tona a iniciativa de PEC extraparlamentar, ou seja, iniciativa de proposta de Emenda pelo Presidente da República. As limitações circunstanciais (artigo 60, 1º) não oferece maiores dificuldades, estabelecendo que a Constituição não poderá ser Emendada em vigência de intervenção federal, estado de defesa ou estado de sítio. A vedação de alteração à Constituição nestes períodos atípicos (também denominados de estados de legalidade extraordinária) deve-se suspender, inclusive, tramitação de quaisquer processos de Emenda à Constituição, mesmo que iniciada anteriormente à decretação da intervenção federal, estado de sítio ou estado de defesa. Por ser a Constituição fruto maior da vontade popular, o constituinte originário pretende que esta não seja maculada por eventuais distorções normalmente presentes nestes períodos de exceção.6 Ademais das limitações circunstanciais, em virtude do princípio da supremacia da Constituição, faz-se necessária a existência de um processo legislativo diferenciado das leis infraconstitucionais, com quorum mais rígido e maiores exigências formais. Desta feita, já foi explicitada em linhas anteriores a fase introdutória para apresentação de projeto de Emenda Constitucional. A fase constitutiva, por seu turno, prevê que a proposta para alteração da Constituição seja discutida em dois turnos, nas duas Casas Parlamentares, considerada aprovada se obter número igual ou superior a 3/5 dos votos dos respectivos membros, em cada votação (artigo 60, 2º). Para a aprovação da PEC, ambas as Casas Legislativas devem concordar in totum com o respectivo projeto. A despeito de cada Casa ter que apresentar aquiescência à emenda ao projeto apresentada pela outra Casa, esta obrigação é relativizada quando a emenda não tocar no conteúdo da PEC, mas, tão-somente, em aspectos textuais ou para corrigir imperfeições que não lhe penetrem o conteúdo. Neste aspecto, válido citar ADIn nº MC/DF, da relatoria do então 3

4 Ministro Sepúlveda Pertence, citando, ainda, ADC nº 3, em que aborda, expressamente, a questão da substancialidade das emendas à PEC: (...) O retorno do projeto emendado à Casa iniciadora não decorre do fato de ter sido simplesmente emendado. Só retornará se, e somente se, a emenda tenha produzido modificação no sentido da proposição jurídica. Ou seja, se a emenda produzir proposição jurídica diversa da proposição emendada. Tal ocorrerá quando a modificação produzir alteração em qualquer um dos âmbitos da aplicação do texto emendado: material, pessoal, temporal ou espacial. O aresto malgrado exarado a propósito de processo legislativo ordinário tem aplicação plena ao de emenda constitucional, como o Tribunal igualmente já assentou. 7 O Legislativo, por ser o clássico habitat do povo tem preponderância no processo legislativo para aprovação de Emenda Constitucional. O Presidente da República, ao contrário da maioria das outras espécies legislativas, não tem nenhuma ingerência sobre o procedimento da PEC (excetuando-se a possibilidade de apresentação de proposta), sendo sua promulgação bem como a publicação de competência do Congresso Nacional. As limitações expressas podem ser ainda de cunho material, traduzidas pelas cláusulas pétreas inscritas no artigo 60, 4º, da CF/88. Aduz o referido dispositivo constitucional que não podem ser objetos de deliberação a proposta de emenda que abolir a forma federativa de Estado, voto direto, secreto, universal e periódico, separação dos poderes e os direitos e garantias individuais. Observe-se que consiste em verdadeiro direito subjetivo que não seja sequer deliberado acerca de proposta de Emenda que tenda a abolir tais cláusulas. Assim, a Constituição proibiu, em suma, sejam abolidos ou reduzidos os princípios fundamentais, aqueles que dão consistência axiológica ao Texto Constitucional. Democracia, separação de poderes, Estado Federal e direitos fundamentais constituem o sustentáculo valorativo da Carta Magna. Muito se indagou se a expressão direitos e garantias individuais eram especificamente aqueles do artigo 5º e, mais especialmente, as individuais (excluindo, por exemplo, o mandado de segurança coletivo, direitos sociais, dentre outros). 4

5 O Constituinte originário, ao dotar a Constituição cidadã de um extenso rol de direitos coletivos, difusos ou individuais homogêneos, ao lado de direitos sociais, direitos e garantias individuais e coletivos não estabeleceu hierarquia entre estes. Em face do princípio da unidade da Constituição, tantos direitos individuais como coletivos têm a mesma posição hierárquica, o mesmo locus constitucional, qual seja, dos direitos fundamentais. Claramente, o constituinte disse menos do que pretendia dizer, sendo válido se interpretar que a expressão direitos e garantias individuais, do artigo 60, 4º, IV abrange direitos sociais, difusos, coletivos e individuais homogêneos, além de garantias coletivas, ao lado das vedações positivadas.8 Vale ressaltar que é vedado ao constituinte originário tão-somente restringir ou abolir os direitos fundamentais; a criação ou a ampliação de sua abrangência não encontra proibições. Ademais das limitações materiais, resta claro que há, ainda, algumas limitações implícitas ao poder de reformar. A primeira delas, não é difícil se imaginar, é a proposta de reformar as expressas limitações de reformar. Tem-se, assim, o artigo 60 como verdadeira cláusula pétrea implícita. Paulo Bonavides explica que a existência de tais limitações é uma prevenção a uma fraude à Constituição. Tais fraudes consistem em reformas totais, feitas por meios de reformas parciais. 9 Afirma, ainda, o professor cearense que: Essas limitações tácitas são basicamente aquelas que se referem à extensão da reforma, à modificação do processo mesmo de revisão e a uma eventual substituição do poder constituinte derivado pelo poder constituinte originário. 10 A despeito de não constarem expressamente na Constituição, acreditamos que também constituem direito subjetivo, amparado pela via do mandado de segurança, que tais propostas sequer sejam deliberadas pelo Congresso Nacional. Por final, ressalte-se que a matéria da PEC rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de proposta na mesma sessão legislativa (artigo 60, 5º, CF/88). Assim, temos que o processo legislativo para aprovação de Emenda Constitucional percorre o seguinte caminho: 5

6 Proposta (artigo 60, I, II e III) -> Votação da Casa originária (3/5 dos membros) -> Votação da Casa Revisora (3/5 dos membros) -> 2ª Votação da Casa originária (3/5 dos membros) -> 2ª Votação da Casa Revisora (3/5 dos membros) -> Promulgação e Publicação pelo Congresso Nacional. 3. Lei Complementar A lei complementar é uma espécie híbrida na ordem jurídica brasileira, nem tendo força de norma constitucional, exigindo, entretanto, um processo legislativo mais rigoroso para sua aprovação do que o previsto para lei ordinária. Gilmar Ferreira Mendes explicita que esta se diferencia das demais espécies legislativas por quorum de maioria absoluta para ser aprovada (artigo 69, CF/88), bem como abrange tão-somente aquelas situações previstas pelo constituinte.11 A questão que atormenta os estudiosos da matéria, entretanto, não é a possível diferença entre lei complementar e lei ordinária, já praticamente pacificada entre os doutrinadores. Indaga-se, contudo, se há hierarquia entre estas duas espécies legislativas. Conforme visto em linhas anteriores, as diferenças entre ambas as espécies legislativas são de cunho formal (quorum diferenciado) e de ordem material (reserva de determinadas matérias pela Constituição Federal que só poderá ser tratada mediante lei complementar). Do mesmo modo, os doutrinadores também se dividem: aqueles que pregam uma hierarquia entre ambas parte do pressuposto da diferença formal entre as leis; os que pugnam pela inexistência de hierarquia, por seu turno, baseiam-se que apenas tratam de assunto diverso, não podendo haver distinção de grau entre estas. Assim, Michel Temer afirma que não há hierarquia alguma entre a lei complementar e a lei ordinária. O que há são âmbitos materiais diversos atribuídos pela Constituição a cada qual destas espécies normativas. 12 Manoel Gonçalves 6

7 Ferreira Filho, seguido por juristas de nomeada como Geraldo Ataliba, Pontes de Miranda, entre outros, advogam a tese contrária, verbis: É de se sustentar, portanto, que a lei complementar é um tertium genus interposto, na hierarquia dos atos normativos, entre a lei ordinária (e os atos que têm a mesma força que esta lei delegada e o decreto-lei) e a Constituição (e suas emendas). Não é só, porém, o argumento de autoridade que apóia essa tese; a própria lógica o faz. A lei complementar só pode ser aprovada por maioria qualificada, a maioria absoluta, para que não seja, nunca, o fruto da vontade de uma minoria ocasionalmente em condições de fazer prevalecer sua voz. Essa maioria é assim um sinal certo da maior ponderação que o constituinte quis ver associada ao seu estabelecimento. Paralelamente, deve-se convir, não quis o constituinte deixar ao sabor de uma decisão ocasional a desconstituição daquilo cujo estabelecimento exigiu ponderação especial. 13 A este respeito, o Supremo Tribunal Federal já possui firme posicionamento no sentido de inexistir hierarquia entre lei ordinária e lei complementar.14 No RE /DF, o Ministro Sepúlveda Pertence, relator daquele recurso, admitiu inexistir princípio da hierarquia das leis, denominando-o de reserva constitucional da lei complementar, corroborando o que dissemos acima dos fundamentos utilizados por quem advoga a existência ou inexistência de hierarquia entre lei complementar e ordinária. A possibilidade de lei ordinária revogar lei complementar não encontra posição assente na jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, devendo-se ressaltar, entretanto, a Rcl-Agr 2475, tendo como Relator o Ministro Carlos Velloso e Relator para o acórdão o Ministro Marco Aurélio, onde a questão de lei formalmente complementar e materialmente ordinária é amplamente discutida, sendo que a decisão encontra outros fundamentos, não havendo chegado a decisão acerca deste tema, entretanto. Parece-nos, todavia, que, se uma lei complementar versar sobre tema que não lhe seja próprio, adquire contornos de lei ordinária, podendo ser revogada por outra lei ordinária posterior. Assim, o processo legislativo para a promulgação de lei complementar, em síntese, percorre o seguinte caminho: 7

8 Proposta -> Votação na Casa Originária (maioria absoluta dos membros da casa) -> Votação na Casa Revisora (maioria absoluta dos membros da casa) -> Promulgação ou veto pelo Presidente da República -> Publicação. 4. Lei Ordinária A lei ordinária é a clássica manifestação do povo representado; é o ato legislativo típico.15 Assim como as diversas emanações do Poder Legislativo, veicula normas gerais, abstratas, gerais, não sendo de sua natureza descer a miudezas ou direcionar-se a um grupo determinado de indivíduos, embora, em virtude das facetas do Estado moderno, esta regra não é absoluta. O procedimento para a elaboração da lei ordinária é o mais geral previsto pela Constituição Federal, também com o maior número de legitimados para sua propositura, inclusive com a possibilidade de iniciativa popular. Desta feita, trataremos do tema da legitimação para a propositura de projeto de lei ordinária, sendo que esta espécie legislativa não suscita maiores dúvidas dada sua generalidade e ampla (por vezes, até excessiva) utilização. Assim, têm legitimidade para propor projeto de lei ordinária qualquer membro ou Comissão da Câmara dos Deputados, Senado ou Congresso Nacional; Presidente da República; Supremo Tribunal Federal, Tribunais Superiores, Procurador Geral da República; Tribunal de Contas da União e, por fim, cabe, ainda, iniciativa popular. A existência de matérias de iniciativas privativas (do Presidente da República, Poder Judiciário, Ministério Público, dentre outros) é importante marco na teoria da separação de poderes. Lembra Clèmerson Merlin Clève que cabia, inicialmente, ao Governo provocar a manifestação do órgão legislativo, não havendo direito autônomo dos parlamentares e sequer processo legislativo específico. Com a evolução do constitucionalismo moderno e, especialmente, após a tripartição das funções do poder, proposta por Montesquieu, o Parlamento ganhou soberania na 8

9 apresentação de projetos de leis, cabendo aos outros poderes uma parcela limitada do mister de legislar.16 Vale ressaltar que as matérias de iniciativas privativas encontram expressa disposição constitucional e devem ser interpretadas de maneira restritiva, sob pena de uma eventual omissão do dever de legislar. Ressalte-se, ainda, que, em geral, as iniciativas privativas previstas na Constituição Federal devem ser obedecidas pelos constituintes estaduais, ocorrendo clara ofensa a princípios constitucionais sua não observância.17 Após a proposta, o projeto segue para as Comissões (Comissão de Constituição e Justiça e Comissão Temática) para que sejam analisados sua constitucionalidade e seu mérito. Após a aprovação pelas comissões, o projeto seguirá para a Casa Originária onde deverá ser aprovada pela maioria simples dos membros, presente a maioria qualificada na respectiva sessão. Se aprovada na Casa Originária, o projeto seguirá para a Casa Revisora, onde deverá obter o mesmo quorum para aprovação, seguindo, posteriormente, para o Presidente da República para o veto ou sanção. Observe-se que se o projeto de lei for rejeitado, a matéria (mesmo que surja um novo projeto, com alterações gramaticais, rejeita-se se a essência deste for idêntica a projeto rejeitado anteriormente) só poderá ser novo projeto na próxima sessão legislativa, salvo exceção prevista no artigo 67 da Constituição Federal. Sendo aprovado o projeto, pela Casa Revisora, com emendas substanciais a este (e não apenas formais), este deverá voltar à Casa Originária para deliberação. Neste sentido, Alexandre de Moraes, explica que: Importante ressaltar que em face do princípio do bicameralismo, qualquer emenda ao projeto aprovado por uma das Casas, haverá, obrigatoriamente, que retornar à outra, para que se pronuncie somente sobre esse ponto, para aprová-lo ou rejeitá-lo, de forma definitiva. Dessa forma, o posicionamento da Casa que iniciar o processo legislativo (Deliberação Principal) prevalecerá nesta hipótese. 18 As emendas, conforme o artigo 118, 1º, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, podem ser supressivas, aglutinativas, substitutivas, modificativas ou aditivas. Com vistas à racionalidade do processo legislativo, entendemos, entretanto, 9

10 que as emendas modificativas (que, segundo o artigo 118, 5º, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, altera a proposição sem a modificar substancialmente) não são aptas a devolver à Casa Originária a proposta emendada pela Casa Revisora. Ressalte-se, ainda, que o poder de emendar não é irrestrito; este encontra vedações no artigo 63 da Constituição Federal. Exemplificativamente, acórdão da lavra do Ministro Sepúlveda Pertence na ADin 805-RS: Por ofensa ao artigo 63, I, da CF ( Não será admitido aumento da despesa prevista: I nos projetos de iniciativa exclusiva do Presidente da República... ), o Tribunal, julgando procedente ação direta ajuizada pelo Governador do Estado do Rio Grande do Sul, declarou a inconstitucionalidade do 5º, do artigo 1º, da Lei nº 9.693/92, do mesmo Estado, que, resultante de emenda parlamentar, concedia aos servidores públicos estaduais reajuste salarial além daquele proposto pelo projeto de lei encaminhado pelo Poder Executivo. Precedente citado: ADI 766-RS. 19 Após a aprovação do projeto pelas duas casas, este irá para o Presidente da República para que o sancione ou o vete. Assim, o chefe do Executivo tem quinze dias para vetar, expressamente, o projeto. Quedado silente no prazo constitucional, tem-se a sanção tácita do projeto. Caso haja o veto, total ou parcial do projeto, o Presidente da República comunica, em quarenta e oito horas, ao Presidente do Senado os motivos de sua opção; com isso, o Congresso Nacional, por maioria absoluta dos membros, pode derrubar o veto, devendo, então, sancionar o projeto e publicar a lei. Desta feita, o processo legislativo para a promulgação de lei ordinária, em síntese, percorre os seguintes passos: Proposta -> Votação na Casa Originária (maioria simples dos membros da casa) -> Votação na Casa Revisora (maioria simples dos membros da casa) -> Promulgação ou veto pelo Presidente da República -> Publicação. 10

11 5. Medida Provisória O artigo 62 da Constituição Federal estabelece que, em casos de relevância e urgência, e respeitando as limitações impostas pelo próprio Diploma Constitucional, o Presidente da República poderá lançar mão de um expediente igualmente emergencial e temporário, com força de lei, denominado medida provisória. Embora aparentemente consista em uma usurpação da clássica função do legislativo, a edição de medidas provisórias afigura-se extremamente legítima em situações calamitosas que não esperam a adoção do procedimento para elaboração de uma lei ordinária. Ressalte-se, também, que a possibilidade do chefe do executivo legislar não é novidade no Brasil (os famigerados decretos-lei das Constituições anteriores) e tampouco nas Constituições estrangeiras (os decretilegge in casi straordinarí di necessità e d urgenza da Constituição italiana). Sequer afronta o princípio da separação de poderes, visto que esta não é estanque, havendo um entrelaçamento entre as funções e inexistindo exercício exclusivo das atividades típicas por cada função (cabe ao Legislativo não somente elaborar leis, como julgar o Presidente da República nos casos previstos constitucionalmente; ao Judiciário não apenas julgar, mas elaborar regimentos internos de seus Tribunais, e.g.). O chefe do Executivo pode adotar medidas provisórias, obedecidos os critérios previstos pelo artigo 62 e seus parágrafos. Estas têm prazo de sessenta dias, prorrogáveis por mais sessenta, contada da sua publicação, se a votação não houver sido encerrada nas duas casas do Congresso Nacional. As medidas provisórias consistem em uma das maiores causas do abarrotamento da pauta das Casas, tão alardeada pelos congressistas, que leva, segundo os próprios, a um adiamento da votação de matérias mais importantes em trâmite no Congresso. Isso porque o artigo 62, 6º, da CF/88 prevê que, se a medida provisória não houver sido apreciada pelo Legislativo em até quarenta e cinco dias, entrará em regime de urgência, subseqüentemente em cada uma das 11

12 Casas (iniciando-se na Câmara dos Deputados), ficando suspensas as demais deliberações. Submetida à apreciação do Congresso Nacional, será facultada a este a apresentação de emendas, sua rejeição ou aprovação integral, conforme apresentada pelo Presidente da República. Analisemos, resumidamente, cada uma das possibilidades. Havendo apresentação de emendas à medida provisória, esta deverá ser proposta à comissão mista de deputados e senadores para que elaborem um parecer exclusivamente opinativo sobre o assunto. Após o parecer da comissão, a medida seguirá para apreciação bicameral, iniciando-se pelo Congresso Nacional (artigo 62, 8º) e, se aprovado, seguirá para o Presidente da República para a sanção ou o veto. Caso ocorra o veto, segue o mesmo procedimento explicitado em linhas anteriores de veto à proposta de lei ordinária, quando então o projeto deve voltar ao Congresso que pode derrubar o veto, por maioria absoluta dos seus membros quando, então, deverá promulgar e publicar a lei. Sendo a medida provisória aprovada e, conseqüentemente, convertida em lei, sem emendas, pelo Congresso, caberá ao Presidente do Senado sua promulgação e ordenar sua publicação. Questão interessante aparece quando ocorre a aprovação de uma medida provisória (com ou sem emendas) inconstitucional. Indaga-se: a lei oriunda da medida provisória será, também, inconstitucional? A lei ordinária criada não é uma espécie legislativa completamente autônoma da medida provisória a que lhe deu origem; afinal, a lei é editada porque o Congresso foi provocado a legislar, ao ser editada a medida provisória. A medida provisória foi o fato deflagrador do processo legislativo da lei que a ratificou. 20 Parece, assim, que uma medida provisória inconstitucional, caso aprovada, levará seu vício à lei. Caso a inconstitucionalidade centre nos aspectos formais da medida provisória (especialmente nos quesitos de relevância e urgência, o Supremo Tribunal Federal possui entendimento em ambos os sentidos, ou seja, de que a aprovação e conseqüente edição da lei prejudicará o debate jurisdicional, bem como de que será possível a decretação de sua inconstitucionalidade).21 12

13 Observe-se ainda que será necessário o aditamento do pedido de inconstitucionalidade, caso esta tenha sido impetrada contra medida provisória e esta seja convertida em lei. A rejeição poderá ser expressa, quando o Congresso vota a emenda, não sendo obtida maioria para sua aprovação ou tácita, quando o Congresso deixa escoar o prazo de vigência da medida sem deliberar (artigo 62, 3º, CF). Assim, rejeitada a medida provisória, em tese, ela perderia sua eficácia ex tunc; entretanto, pode o Congresso, por meio de decreto legislativo, disciplinar a perda dos efeitos jurídicos, em nome da segurança jurídica. Observando a práxis congressista, Valladão leciona que: Poder-se-ia dizer que a regra é a perda de eficácia com efeitos ex tunc, desde a edição, com a edição do decreto legislativo, e apenas se esse decreto legislativo não for elaborado é que a perda de eficácia será ex nunc, a partir da rejeição. No entanto, a prática é que, na maioria das vezes em que uma medida provisória é rejeitada, o Congresso não elabora o decreto legislativo. Portanto, o mais comum é que a rejeição implique a perda de eficácia com efeitos ex nunc, preservando-se a medida provisória para o período em que teve vigência Lei Delegada O Poder Legislativo pode conceder ao Presidente da República autorização para que edite lei, nos estritos limites estabelecidos por aquele, em razão de um sem-número de motivos, como a falta de tempo do Parlamento, sobrecarga de matérias, caráter técnico de certos assuntos, dentre outros.23 Cabe exclusivamente ao chefe do Executivo solicitar delegação ao Congresso Nacional, devendo tal solicitação conter o assunto referente à lei ser editada, bem como o tempo determinado para a elaboração da lei (caso não expresso, entende-se que a delegação vale somente por uma legislatura) sofrendo, entretanto, as limitações previstas pelo artigo 68, 1º, da CF/88. 13

14 A delegação ainda poderá ser típica ou própria e atípica ou imprópria. Será típica quando o Presidente da República, recebendo a delegação do Congresso Nacional, elabora o texto normativo, promulga-o e publica-o, não tendo o Legislativo qualquer ingerência na elaboração desta lei, afora a concessão da delegação. Será atípica ou imprópria, por seu turno, quando, após a elaboração pelo Presidente da República, o projeto de lei retorna ao Legislativo para apreciação em votação única, que só poderá aprová-lo in totum ou rejeitá-lo, valendo aí a limitação do artigo 67. Ressalte-se que a delegação típica ou atípica é ato exclusivo e discricionário do Congresso Nacional, que optará por qual das duas realizará e não terá efeito vinculante ao Executivo, ou seja, mesmo que este receba a delegação não será obrigado a elaborar o texto normativo; elaborando-o, entretanto, deve observar os limites impostos pela delegação. 7. Decreto legislativo O decreto legislativo tem a função primordial de veicular matérias de competência exclusiva do Congresso, explicitadas pelo artigo 49 c/c 62 da CF/88. Atualmente, uma das aplicações em que tal espécie legislativa mais ganha corpo é na incorporação de tratados de direito internacional ao ordenamento jurídico pátrio. Cabe ao Congresso, conforme artigo 49, I, da Constituição Federal, mediante decreto legislativo, aprovar tratados e atos internacionais, dispensando, por conseguinte, qualquer intervenção do Presidente da República. Alexandre de Moraes explica que são três as fases de incorporação de um ato ou tratado internacional no ordenamento jurídico interno: 1ª fase: compete privativamente ao Presidente da República celebrar todos os tratados, convenções e atos internacionais; 2ª fase: é de competência exclusiva do Congresso Nacional resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou 14

15 compromissos gravosos ao patrimônio nacional (CF, artigo 49, I). A deliberação do Parlamento será realizada através da aprovação de um decreto legislativo, devidamente promulgado pelo Presidente do Senado Federal e publicado; 3ª fase: edição de um decreto do Presidente da República, promulgando o ato ou tratado internacional devidamente ratificado pelo Congresso Nacional. É nesse momento que adquire executoriedade interna a norma inserida pelo ato ou tratado internacional, podendo, inclusive, ser objeto de ação direta de inconstitucionalidade. 8. Resoluções As resoluções são atos eminentemente internos, do Congresso Nacional ou de qualquer de suas casas, possuindo efeitos internos e, excepcionalmente, externos, como os que dispõem acerca da delegação legislativa. A resolução prevista pelo artigo 52, X (suspensão de lei declarada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal) também é típica resolução com efeitos mais externos do que internos, visto que retira do ordenamento jurídico norma viciada (importante ressaltar que alguns autores como Gilmar Ferreira Mendes vêem em tal ato uma mera concessão de publicidade da decisão do Supremo Tribunal Federal e não ato que concede eficácia ergma omnes de seu acórdão). 9. Conclusões Sem pretensão de ser exaustivo, o presente texto visa sintetizar, de forma didática, o processo legislativo aplicável às espécies de normas previstas pela Constituição Federal, abordando-o sob a ótica do Supremo Tribunal Federal, não olvidando, por seu turno, de posicionamentos abalizados da doutrina nacional. O processo legislativo, corolário do Estado Democrático de Direito, é matéria de crucial importância que, infelizmente, não vem sendo tratada com a importância merecida pelos diversos manuais de Direito Constitucional de autores pátrios. 15

16 Por seu caráter sintético e pontual, o presente texto visa ser apenas um guia de estudo para aqueles que buscam iniciar no estudo da matéria, bem como ser uma consulta rápida a estudantes e profissionais em seu labor diário, no que espera ter logrado êxito. 10. Referências Sítios eletrônicos: Supremo Tribunal Federal Textos e livros BACHOF, Otto. Normas Constitucionais Inconstitucionais? Trad. Jose Manuel M. Cardoso da Costa. Coimbra: Almedina, 1994 BARROSO, Luis Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição. 6. ed. São Paulo: Saraiva, BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 12. ed. São Paulo: Malheiros, FERRARI FILHO, Sérgio Antônio. A iniciativa privativa no processo legislativo diante do princípio interpretativo da efetividade da constituição. Revista de Direito. Rio de Janeiro, v. 5, nº 9, jan./jul FERRAZ, Sérgio Valladão. Curso de Direito Legislativo. Rio de Janeiro: Elsevier, FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Do Processo Legislativo. 3. ed. São Paulo: Saraiva, Do Processo Legislativo. 6. ed. São Paulo: Saraiva, MENDES, Gilmar Ferreira, COELHO, Inocêncio Mártires e BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 2. ed. São Paulo: Saraiva,

17 MORAES, Alexandre. Direito Constitucional. 23. ed. São Paulo: Atlas, STRECK, Lenio Luiz, OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni e LIMA, Martonio Mont Alverne. A Nova Perspectiva do Supremo Tribunal Federal Sobre o Controle Difuso: mutação constitucional e limites da legitimidade da jurisdição constitucional. Disponível em:. TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. 11. ed. São Paulo: Malheiros, 1995 NOTAS 1. FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Do Processo Legislativo. 6. ed. São Paulo: Saraiva, BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 12. ed. São Paulo: Malheiros, Sobre o fenômeno na Constituição Brasileira e aspectos democráticos, STRECK, Lenio Luiz, OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni e LIMA, Martonio Mont Alverne. A Nova Perspectiva do Supremo Tribunal Federal Sobre o Controle Difuso: mutação constitucional e limites da legitimidade da jurisdição constitucional. Disponível em:. Acesso em: 16 abr MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo apud BARROSO, Luis Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição. 6. ed. São Paulo: Saraiva, Na doutrina, vide BACHOF, Otto. Normas Constitucionais Inconstitucionais? Trad. Jose Manuel M. Cardoso da Costa. Coimbra: Almedina, Na jurisprudência, vide, dentre outras, STF Pleno ADin nº 829-3/DF Rel. Min. Moreira Alves. 6. FERRAZ, Sérgio Valladão. Curso de Direito Legislativo. Rio de Janeiro: Elsevier, STF, ADIn nº MC/DF, Rel. Min. Sepúlveda Pertence. Disponível em:. Acesso em: 17 abr

18 8. STF, ADIn nº /DF. Rel. Min. Sidney Sanches. Disponível em:. Acesso em: 20 abr BONAVIDES, Paulo. op. cit. p Ibidem. p MENDES, Gilmar Ferreira, COELHO, Inocêncio Mártires e BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 2. ed. São Paulo: Saraiva, TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. 11. ed. São Paulo: Malheiros, p FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves apud MORAES, Alexandre. Direito Constitucional. 23. ed. São Paulo: Atlas, p STF, RE nº /RS, Rel. Min. Celso de Mello, AI Agr/PR, Rel. Min. Cezar Peluso, RE /DF, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, dentre outros. Disponível em:. Acesso em: 21 abr FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Do Processo Legislativo. 3. ed. São Paulo: Saraiva, p CLÈVE, Clèmerson Marlin. apud FERRARI FILHO, Sérgio Antônio. A iniciativa privativa no processo legislativo diante do princípio interpretativo da efetividade da constituição. Revista de Direito. Rio de Janeiro, v. 5, nº 9, jan./jul STF, Adin nº 274-1/PE, Rel. Min. Octávio Gallotti, 5 maio Disponível em:. Acesso em: 28 abr MORAES, Alexandre. Direito Constitucional. 23. ed. São Paulo: Atlas, p STF, Adin 805-RS, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, 17 dez Disponível em:. Acesso em: 29 abr MENDES, Gilmar Ferreira. et al. op. cit. p Em nota de rodapé, os autores citam a ADI 3.090, julgamento ainda não concluído, estando com vistas à PGR, até a conclusão deste texto.14 maio

19 21. STF, respectivamente ADI /DF, Rel. Min. Carlos Britto e ADin MC/DF. 22. FERRAZ, Sérgio Valladão. op. cit. p SAMPAIO, Nelson de Souza. apud MORAES, Alexandre. op. cit. p

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL

FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO NACIONAL - legislatura: tem duração de quatro anos e corresponde ao período que vai do início do mandato dos membros da Câmara dos Deputados até o seu término (art. 44, par.

Leia mais

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21

SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 17. INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 STF00094362 SUMÁRIO NOTA DO AUTOR... 15 AGRADECIMENTOS... 17 LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 19 INTRODUÇÃO... 21 A importância da Lei na sociedade contemporânea... 21 CAPÍTULO 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Vícios de Constitucionalidade

Vícios de Constitucionalidade Vícios de Constitucionalidade Vício Formal Nomodinâmico O Vício Formal ocorre durante o processo legislativo, dando a idéia de dinamismo, movimento. Vício quanto ao processo legislativo Vicio Formal é

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23

ADI, ADC, ADO e ADPF. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946. Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 Brasília, 27 de maio de 2014-18:23 ADI, ADC, ADO e ADPF AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE (Med. Liminar) - 1946 Origem: DISTRITO FEDERAL Entrada no STF: 21/01/1999 Relator: MINISTRO SYDNEY SANCHES Distribuído:

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*)

R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) REPUBLICAÇÃO ATOS DO CONGRESSO NACIONAL R E S O L U Ç Ã O Nº 1, DE 2002-CN(*) Faço saber que o Congresso Nacional aprovou, e eu, Ramez Tebet, Presidente do Senado Federal, nos termos do parágrafo único

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II

Faculdade de Direito de Sorocaba. Direito Constitucional II Faculdade de Direito de Sorocaba Direito Constitucional II Controle da constitucionalidade O controle da constitucionalidade na Constituição Federal Art.. 102, I, a ADI e ADC Art.. 103,? 2º - ADI-omissão

Leia mais

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux:

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux: QUESTÃO DE ORDEM Nos termos do art. 131 e seguintes do Regimento do Congresso Nacional, venho propor a presente QUESTÃO DE ORDEM, consoante fatos e fundamentos a seguir expostos: O Congresso Nacional (CN)

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta:

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta: Antonio Henrique Lindemberg 1 - Assinale a assertiva correta: a. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, pode-se invocar validamente o princípio do direito adquirido em face das leis de ordem

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Tribunal de Justiça do Estado J julgou improcedente ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo Prefeito do município W, tendo o acórdão declarado constitucional

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Tribunal Pleno

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Tribunal Pleno fls. 1 ACÓRDÃO Classe : Direta de Inconstitucionalidade n.º 001628-1.201.8.05.0000 Foro de Origem : Foro de comarca Ubaitaba Órgão : Relator(a) : Desembargador Jatahy Júnior Requerente : Prefeito do Município

Leia mais

O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL

O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade Católica de Brasília Mestrando em Direito na Universidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 237, de 2013, que define crime conexo, para fins do disposto no art. 1º, 1º, da Lei nº 6.683,

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA PA nº 1.36.000.000703/2008-95/GAB.01/PRTO Os Procuradores da República signatários, no cumprimento da determinação contida na CF/88, art. 127,

Leia mais

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO Ação Direta de Inconstitucionalidade Autos n. 2008.005668-5 Requerente: Partido Socialista.Brasileiro -PSB Advogada: Flávia Manarte Hanna Relator: Desdor. Rafael de Araújo Romano EMENTA:

Leia mais

REDAÇÃO OFICIAL LEIS

REDAÇÃO OFICIAL LEIS REDAÇÃO OFICIAL LEIS Lei Ordinária Definição A lei ordinária é um ato normativo primário e contém, em regra, normas gerais e abstratas. Embora as leis sejam definidas, normalmente, pela generalidade e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 157, de 2002, do Senador Carlos Bezerra, que acrescenta art. 392-B à Consolidação das Leis

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

CESPE/UnB Câmara dos Deputados Aplicação: 2014 PROVA DISCURSIVA P 3

CESPE/UnB Câmara dos Deputados Aplicação: 2014 PROVA DISCURSIVA P 3 PROVA DISCURSIVA P 3 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso queira, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 250, de 2005 Complementar, do Senador PAULO PAIM, que estabelece requisitos e critérios diferenciados

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. A contratação de servidores por prazo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público e a competência da Justiça do Trabalho. Cleber Lúcio de Almeida 1 I. Constitui objeto

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

DECISÕES INTERESSANTES SOBRE GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO

DECISÕES INTERESSANTES SOBRE GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO DECISÕES INTERESSANTES SOBRE GREVE NO SERVIÇO PÚBLICO MANDADOS DE INJUNÇÃO MI 702 EMENTA: MANDADO DE INJUNÇÃO. GARANTIA FUNDAMENTAL (CF, ART. 5º, INCISO LXXI). DIREITO DE GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO Enunciado PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL - C003061 O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE INTRODUÇÃO: o controle de constitucionalidade só é possível nos sistemas jurídicos em que vige uma Constituição escrita e rígida, pois é tão somente nesses sistemas jurídicos

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Professora Chrystiane Mariz

Professora Chrystiane Mariz Professora Chrystiane Mariz -> CF, EC -> LC, LO, MP -> Atos da administração (ex: portarias) 1* Tratados internacionais sem ser de direitos humanos -> LC, LO, MP 2* Tratados internacionais de direitos

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO CONSTITUCIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB EXAME DE ORDEM 2010/2 PROVA DISCURSIVA DIREITO CONSTITUCIONAL Questão 1 O Congresso Nacional aprovou e o Presidente da República sancionou projeto de lei complementar modifi cando arti gos do Código Civil, nos termos do art. 22, I da CRFB. Três meses após a entrada

Leia mais

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros

Da competência privativa da União para legislar sobre seguros Da competência privativa da União para legislar sobre seguros A autonomia das entidades federativas pressupõe repartição de competências para o exercício e desenvolvimento de sua atividade normativa. (HORTA,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 (MENSAGEM Nº 865, DE 2009) Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO

CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO CAPÍTULO 1 QUESTÕES DE PROVA DE JUIZ DO TRABALHO 1.1 COMENTÁRIOS INICIAIS DO CAPÍTULO ANÁLISE DA DISCIPLINA NAS PRO- VAS DE JUIZ DO TRABALHO A disciplina Direito Constitucional, como não poderia deixar

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Integração Nacional e Meio Ambiente

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Integração Nacional e Meio Ambiente Nota Técnica n.º 27/12 Admissibilidade de Emendas Dezembro/2012 Antônio Paulo Rodrigues Marcelo de Rezende Macedo Salvador Roque Batista Junior Setor III Integração Nacional e Meio Ambiente Endereço na

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário CRIAÇÃO DE MUNICÍPIOS. DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL QUE SUSPENDEU, EM CARÁTER LIMINAR, A EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PINTO BANDEIRA (ADIN N O 2.381-1) REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

HIERARQUIA DAS LEIS. Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2

HIERARQUIA DAS LEIS. Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2 HIERARQUIA DAS LEIS Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2 Resumo O presente estudo visa proporcionar conhecimentos básicos sobre cada norma jurídica que compõe o arcabouço

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei

Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei Processo Legislativo é o procedimento a ser observado para a formação das Leis, estabelecido por disposições constitucionais e pelos regimentos

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL.

O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL. O DIREITO DE ADESÃO AOS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL POR PARTE DOS REFUGIADOS RESIDENTES NO BRASIL. Carolina Scherer Procuradora Federal Procuradora-Chefe junto ao Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc

RELATÓRIO. TRF/fls. E:\acordaos\200381000251972_20080211.doc *AMS 99.905-CE (2003.81.00.025197-2) APTE: INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC: PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO: LAR ANTÔNIO DE PÁDUA ADV/PROC: LEONARDO AZEVEDO PINHEIRO BORGES

Leia mais

PROCESSO LEGISLATIVO FEDERAL DA LEI COMPLEMENTAR E DA LEI ORDINÁRIA NO BRASIL 1

PROCESSO LEGISLATIVO FEDERAL DA LEI COMPLEMENTAR E DA LEI ORDINÁRIA NO BRASIL 1 PROCESSO LEGISLATIVO FEDERAL DA LEI COMPLEMENTAR E DA LEI ORDINÁRIA NO BRASIL 1 EDUARDO CANTERGI RESUMO O presente trabalho examina o processo legislativo da lei complementar e da lei ordinária no Brasil.

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição,

ATOS DO PODER EXECUTIVO. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, ATOS DO PODER EXECUTIVO DECRETO N o 4.520, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a publicação do Diário Oficial da União e do Diário da Justiça pela Imprensa Nacional da Casa Civil da Presidência da República,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Presidente da República editou o Decreto nº 5555, estabelecendo a obrigatoriedade, como exigência à obtenção do diploma de graduação em engenharia, de um elevado

Leia mais

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA

INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA INTENSIVO OAB REGULAR MÓDULO I - MANHÃ Disciplina: Direito Constitucional Prof. Nathalia Masson Aula: 03/04 MATERIAL DE APOIO MONITORIA I. Anotações de aula II. Simulado III. Lousas I. ANOTAÇÕES DE AULA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015

Renovação de Reconhecimento CEE/GP 266/06 de 13 de julho de 2006 - D.O.E. 14/07/2006 Autarquia Municipal DEPARTAMENTO DE DIREITO DO ESTADO 2015 DE DIREITO DO ESTADO 2015 EMENTA O Direito Constitucional é a referência axiológica para a aplicação de todos os ramos do Direito. Nesse sentido, este curso de Prática Jurídica Constitucional possibilita

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ALVARO DIAS RELATOR AD HOC: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ALVARO DIAS RELATOR AD HOC: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 95, de 2003, primeiro signatário o Senador Paulo Paim, que dá nova redação ao inciso III,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000 PROJETO DE LEI Nº 2.576, DE 2000 (Apensos: PL s nºs 4.399, de 2001; 4.505, de 2001; 4.587, de 2001; 5.241, de 2001; 5.843, de 2001; 6.835, de 2002) Dispõe sobre a instalação de fontes emissoras de radiação

Leia mais

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica

Sentidos tradicionais de constituição. Preâmbulo. Constituição Sociológica. Constituição Sociológica. Constituição Jurídica. Constituição Jurídica Preâmbulo Sentidos tradicionais de constituição 1) IRRELEVANCIA JURIDICA Natureza Jurídica do Preâmbulo? 2) PLENA EFICÁCIA CONSTITUIÇÃO SOCIOLÓGICA CONSTITUIÇÃO JURÍDICA CONSTITUIÇÃO POLÍTICA 3) TESE DA

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA 32.299 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

Vem a exame desta Consultoria Técnica na área Jurídica, por determinação do Ilmo. Sr. Chefe da UCCI, a seguinte consulta:

Vem a exame desta Consultoria Técnica na área Jurídica, por determinação do Ilmo. Sr. Chefe da UCCI, a seguinte consulta: ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER 050/07 CONSULTA UCCI ÓRGÃO CONSULENTE: Diretoria Administrativa

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR

Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Relatora: Ministra Rosa Weber Impetrante: Airton Galvão Impetrados: Presidente da República e outros MANDADO DE INJUNÇÃO. APOSENTADORIA ESPE- CIAL. SERVIDOR PÚBLICO COM DEFICIÊNCIA.

Leia mais

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 27 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DAS FRANQUIAS ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) POSTAIS DO BRASIL :MARCELO

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais