FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA FESP CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO FILIPE JOSÉ VILARIM DA CUNHA LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA FESP CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO FILIPE JOSÉ VILARIM DA CUNHA LIMA"

Transcrição

1 0 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAÍBA FESP CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO FILIPE JOSÉ VILARIM DA CUNHA LIMA OS EFEITOS TRANSCENDENTES DOS MOTIVOS DETERMINANTES DAS DECISÕES DO STF EM SEDE DE CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE JOÃO PESSOA 2010

2 1 FILIPE JOSÉ VILARIM DA CUNHA LIMA OS EFEITOS TRANSCENDENTES DOS MOTIVOS DETERMINANTES DAS DECISÕES DO STF EM SEDE DE CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE Monografia apresentada à Coordenação do Curso de Graduação em Direito da Faculdade de Ensino Superior da Paraíba, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Ms. Jossano Mendes de Amorim, da Faculdade de Ensino Superior da Paraíba. Área de Concentração: Direito Constitucional JOÃO PESSOA 2010

3 2 FILIPE JOSÉ VILARIM DA CUNHA LIMA OS EFEITOS TRANSCENDENTES DOS MOTIVOS DETERMINANTES DAS DECISÕES DO STF EM SEDE DE CONTROLE CONCENTRADO DE CONSTITUCIONALIDADE Monografia apresentada à Coordenação do Curso de Graduação em Direito da Faculdade de Ensino Superior da Paraíba, como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Direito. Data de aprovação: BANCA EXAMINADORA Prof. Ms. Jossano Mendes de Amorim Orientador Examinador Examinador

4 3 AGRADECIMENTOS A Deus, por tudo que tenho na vida. Aos meus pais, Aurivan e Niedge, por estarem ao meu lado em todos os momentos e me ensinarem o verdadeiro valor da vida. A minha irmã, Camila, amiga de todas as horas. A minha filha, Appia, fonte de amor e dedicação. A minha namorada, Maria, pela dedicação e compreensão diárias. Ao meu orientador, Jossano Mendes de Amorim, pelo empenho na orientação do presente trabalho. Ao amigo Felipe Ribeiro Coutinho, pelos ensinamentos referentes à dinâmica da prática jurídica. A todos os meus professores, por fazerem brotar a semente do conhecimento jurídico. A todos os amigos que estiveram ao meu lado durante a formação acadêmica.

5 4 RESUMO A tutela dos direitos subjetivos pressupõe, em última análise, a existência de instrumento apto a garantir a aplicação prática dos diplomas normativos substantivos. Para tal, o ordenamento jurídico pátrio outorgou ao instituto do processo a tarefa de cumprir esse papel instrumental, concretizador dos direitos materiais assegurados aos jurisdicionados. Mutatis mutandis, afirma-se que a eficácia e efetividade dos preceitos constitucionais estão indissociavelmente ligadas à existência de mecanismos idôneos a assegurar a aplicação prática dos ditames insertos na Lei Fundamental. Nessa senda, observa-se que grande parte dos países serve-se da jurisdição constitucional como forma de garantir a supremacia das normas fundamentais em detrimento dos atos editados pelos agentes do poder. Assim, tem-se que a fiscalização jurisdicional acerca da compatibilidade dos atos infraconstitucionais em face dos ditames insertos na Carta Política realizar-se-á por meio do processo judicial, em cujo panorama a Corte Constitucional proclamará a existência (ou não) do vício de inconstitucionalidade que eventualmente repouse sob os atos estatais, por considerá-los contrários à moldura esculpida pelo legislador constituinte. Por se tratar de instrumento destinado a assegurar a supremacia do Texto Maior, o processo objetivo de controle de constitucionalidade tem características que o distingue do processo judicial ordinário, notadamente no que tange aos efeitos da decisão proferida em seu âmbito, a qual ostenta o caráter vinculante em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e da administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal. Nesse diapasão, e com as atenções voltadas à teoria processual clássica, sempre se sustentou que o aludido efeito vinculante restringia-se à parte dispositiva do decisum, responsável pela veiculação do comando judicial. No entanto, o estudo da estrutura da decisão judicial e da teoria do precedente judicial permite concluir que os fundamentos das decisões proferidas em sede de controle abstrato de constitucionalidade traz em seu bojo uma norma jurídica geral que deve ser obrigatoriamente observada na solução de casos concretos que possuam o mesmo substrato fático-jurídico, tendo em vista o caráter vinculante inerente às decisões proferidas nessa espécie de fiscalização judicial. Trata-se, portanto, de atribuir-se efeito vinculante não só ao dispositivo, mas também aos fundamentos determinantes do julgado. Eis, em síntese, a teoria da transcendência dos motivos determinantes. Palavras-chave: Controle concentrado de constitucionalidade. Efeito vinculante. Transcendência dos fundamentos determinantes.

6 5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 8 CAPÍTULO 1 - O PAPEL DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO A jurisdição constitucional no contexto da evolução histórica do constitucionalismo O surgimento da jurisdição constitucional Argumentos contrários da jurisdição constitucional para o Estado Democrático de Direito A duvidosa legitimidade democrática da jurisdição constitucional A ausência de eleição e responsabilização popular dos juízes constitucionais A dimensão criativa da interpretação em face da normatização dos princípios Argumentos favoráveis da jurisdição constitucional para o Estado Democrático de Direito A jurisdição constitucional como instrumento garantidor dos direitos e garantias constitucionais A independência dos juízes constitucionais A legitimidade das decisões judiciais e a metodologia para o exercício da jurisdição constitucional Emprego de metogologia racional A democratização do exercício da jurisdição constitucional A jurisdição constitucional como instrumento de realização dos direitos da minoria. A dificuldade contra-majoritária A jurisdição constitucional é imprescindível à democracia? CAPÍTULO 2 - O CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Aspectos gerais do controle de constitucionalidade Classificações das espécies de inconstitucionalidade Inconstitucionalidade formal e inconstitucionalidade material Inconstitucionalidade por ação e por omissão Modelos de controle judicial de constitucionalidade Modelo americano controle difuso... 33

7 Modelo austríaco ou europeu controle concentrado Modelo brasileiro controle misto Controle difuso de constitucionalidade Instrumentos de provocação do controle abstrato de constitucionalidade Ação Direta de Inconstitucionalidade ADI Considerações gerais Legitimidade Competência Objeto Efeitos da decisão Ação Declaratória de Constitucionalidade ADC Considerações gerais Legitimidade e Competência Efeitos da decisão Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão ADI por omissão Considerações gerais Legitimidade e competência Objeto Efeitos da decisão Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental ADPF Considerações gerais Legitimidade Competência Objeto Efeitos da decisão CAPÍTULO 3 - A TEORIA DOS EFEITOS TRANSCENDENTES DOS MOTIVOS DETERMINANTES A estrutura da decisão judicial Relatório Fundamentação A vinculação dos motivos determinantes das decisões do STF em sede de controle concentrado Dispositivo... 65

8 7 3.2 Precedentes jurisprudenciais Reclamação 2986 MC/SE - Sergipe Reclamação 2363 PA - Pará CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 72

9 8 INTRODUÇÃO O presente trabalho monográfico tem por objeto o estudo do controle judicial da constitucionalidade das leis e demais atos normativos do Poder Público, notadamente no que tange aos efeitos decorrentes da decisão do Supremo Tribunal Federal neste panorama, bem como a possibilidade de atribuição de efeitos transcendentes aos motivos determinantes dos pronunciamentos judiciais proferidos no âmbito do controle em questão. A análise da evolução histórica do constitucionalismo permite concluir que a tarefa originariamente outorgada às Cartas Políticas regulamentação das estruturas fundamentais do Estado e do processo legiferante se mostrou insuficiente para a proteção dos cidadãos frente os agentes do poder, dada a inclinação natural destes últimos em desdenhar os escritos constitucionais. Destarte, e tendo em vista a premente necessidade de instituir um instrumento idôneo a fulminar o massacre político patrocinado pelos regimes autoritários, as vozes da dogmática constitucional passaram a defender a tese de que a incumbência das Cartas Constitucionais ultrapassaria a simples afirmação dos pilares fundamentais do Estado e do processo de criação das normas jurídicas, abrangendo, por conseguinte, a declaração dos direitos fundamentais do cidadão núcleo individual intangível. Tem-se, portanto, o marco histórico daquilo que se pode denominar de projeto de limitação do poder estatal. Prospera que o aludido projeto não se mostrou eficiente, uma vez que o desrespeito das normas constitucionais por parte dos agentes políticos, os quais ocupavam o vértice superior da hierarquia do Estado, não lhes acarretaria maiores prejuízos efetivos. Ademais, impende destacar que a incompatibilidade constitucional dos atos estatais também era visualizada no âmbito do Poder Legislativo, responsável pela edição de atos normativos nitidamente contrários aos ditames insertos na Lei Maior. À luz do acima exposto, verificou-se que o êxito do projeto de limitação do poder estatal pressupunha a existência de um mecanismo de controle capaz de fazer valer na realidade social a supremacia constitucional, não obstante a constatação de que as normas descritas na Carta Política nem sempre ostentaram efetiva posição hierárquica superior às regras infraconstitucionais. Nessa senda, convém destacar que a operacionalização do referido controle pode ser visualizada sob dois ângulos. De um lado, observa-se a fiscalização da compatibilidade dos atos positivos estatais em face da Constituição e, em caso de contraste, a primazia desta última tem o condão de expungir do ordenamento jurídico os atos que lhes forem contrários.

10 9 Por outro lado, tem-se que o controle das omissões estatais que configuram afronta aos preceitos constitucionais representa instrumento de realização prática dos valores e princípios preconizados pelo Constituinte. Eis, em breve síntese, o surgimento do controle de constitucionalidade dos atos e omissões do Poder Público. Assim sendo, salta aos olhos a importância do tema ora focalizado para toda a comunidade jurídica, porquanto representa o estudo acerca do instituto destinado a fiscalizar a compatibilidade das condutas estatais em face da moldura traçada na Lei Fundamental. Para alcançar os fins do presente trabalho monográfico, analisar-se-á, inicialmente, a jurisdição constitucional no contexto da evolução histórica do constitucionalismo, com ênfase nos argumentos teóricos firmados acerca da compatibilidade democrática desse instrumento de controle do Poder Estatal. Em continuidade, será realizado um estudo descritivo sobre a origem histórica do controle de constitucionalidade, o seu fundamento teórico, conceito, bem como a evolução deste no ordenamento jurídico pátrio. Firmadas as premissas iniciais, e com as atenções voltadas aos aspectos gerais da supremacia constitucional, serão observadas as modalidades de efetivação do controle judicial de constitucionalidade, quais sejam, o controle difuso e o controle concentrado, debruçandose especificamente sobre os seus conceitos, legitimados, competência, características, decisão e seus efeitos. A esse respeito, convém destacar que, no âmbito do controle concentrado de constitucionalidade modalidade sobre a qual repousa o objeto central do presente trabalho, os efeitos das decisões proferidas pelo Supremo Tribunal Federal têm o toque da vinculação em relação aos demais órgãos do Poder Judiciário e da Administração Pública, consoante adiante se demonstrará. No entanto, do ponto de vista processual, o referido efeito alcança tão-somente a parte dispositiva da decisão judicial. Trilhando para o cerne do presente trabalho, serão analisadas a estrutura da decisão judicial e a teoria do precedente judicial, com o fito de se observar a legitimidade da corrente doutrinária que se pretende sustentar. Após o estabelecimento das premissas teóricas, indaga-se: é possível atribuir efeitos vinculantes aos motivos determinantes fundamentação das decisões da Corte Constitucional em sede de controle concentrado de constitucionalidade? Em arremate de conclusão, será analisada, à luz da atual sistemática jurídicoprocessual e da jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a possibilidade de atribuição de efeitos vinculantes aos motivos determinantes das decisões da referida Corte em sede de

11 10 controle concentrado de constitucionalidade, equiparando-os aos efeitos outorgados à parte dispositiva do julgado. No que tange ao método de abordagem, será utilizada a pesquisa qualitativa, porque será feita uma análise interpretativa do controle judicial de constitucionalidade, da estrutura da decisão judicial e da teoria do precedente judicial, sem serem enfocados dados estatísticos. Concomitantemente, o método dedutivo, pois serão analisadas, propedeuticamente, a decisão judicial e o controle concentrado de constitucionalidade. Por fim, realizar-se-á a correlação dos institutos acima mencionados, verificando a possibilidade de se atribuir, com lastro nas teorias em questão, efeitos transcendentes aos fundamentos determinantes das decisões tomadas pelo STF em sede de controle concentrado de constitucionalidade. Quanto aos métodos de procedimento, será empregado o método histórico para demonstrar a origem do controle judicial de constitucionalidade, objetivando a compreensão dos fundamentos teóricos do tema em questão, para a solução eficaz da problemática enfocada. Finalmente, no que diz respeito às técnicas de pesquisa, serão realizadas pesquisas doutrinárias, legislativas e jurisprudencial.

12 11 CAPÍTULO 1 O PAPEL DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO 1.1 A jurisdição constitucional no contexto da evolução histórica do constitucionalismo Em linha de princípio, e objetivando analisar o papel da jurisdição constitucional no âmbito do Estado Democrático de Direito, cumpre realizar uma digressão histórica acerca do fenômeno constitucional, uma vez que a atividade dos juízes constitucionais consiste, basicamente, na interpretação e aplicação das normas constitucionais. Nesse diapasão, à exceção do regime político norte-americano em que a Carta Fundamental tinha feição marcadamente normativa observa-se que, até meados do séc. XX, os demais países do mundo apresentavam a idéia de Constituição como uma proclamação política importante, de tal sorte que as prescrições constitucionais não ostentavam caráter normativo, destinando-se tão-somente a regular o processo de criação do Direito e as estruturas orgânicas fundamentais do Estado (SARMENTO: 2006, p. 86). Ocorre que, diante dos valores e tarefas atribuídas à Constituição (regulação do processo legislativo e definição da estrutura orgânica do Estado), visualizava-se a existência de governos autoritários que desdenhavam deliberadamente dos direitos mínimos do cidadão, tendo em vista a inexistência de limites materiais ao exercício do poder. O quadro acima descrito permaneceu inalterado até a segunda metade do século XVIII, período de surgimento do constitucionalismo moderno com a promulgação das Constituições dos Estados Unidos da América (1787) e da França (1791), as quais se revestiram de duas características fundamentais: a) regulação da organização do Estado; b) instituição de limitação ao poder estatal, mediante a declaração expressa de direitos e garantias fundamentais (CUNHA JÚNIOR: 2008, p. 31/32). Em conformidade com as lições do constitucionalista Dirley da Cunha Júnior (2008, p. 32): O constitucionalismo moderno, portanto, deve ser visto como uma aspiração a uma Constituição escrita, que assegurasse a separação de Poderes e os direitos fundamentais, como modo de se opor ao poder absoluto, próprio das primeiras formas de Estado. Destarte, cumpre salientar que o grande mérito do constitucionalismo moderno foi a atribuição de força normativa aos dispositivos constitucionais, os quais eram, conforme afirmado em linhas anteriores, meras proclamações políticas destinadas aos agentes do Poder.

13 12 No entanto, a evolução histórica demonstrou que o só reconhecimento de direitos fundamentais não seria suficiente para garantir a supremacia material do texto constitucional, evidenciando a necessidade de instituição de mecanismo de controle dos atos estatais. Tratava-se, a bem da verdade, de uma supremacia meramente formal do texto constitucional, o qual não se fazia presente na realidade da vida social, seja porque os agentes estatais não cumpriam as suas determinações, seja porque os cidadãos não podiam invocar os seus preceitos para a tutela de direitos individuais subjetivos. A análise da dogmática política nos mostra que o polo de tensão da sociedade modificou-se a depender do modelo constitucional adotado. Nessa senda, verifica-se que no constitucionalismo liberal este polo de tensão encontrava-se no Poder Legislativo, uma vez que o Estado tinha a incumbência precípua de garantir as liberdades individuais e a segurança nacional. Por seu turno, o constitucionalismo social tem como nota essencial a preponderância dos Poderes Legislativo e Executivo, dada a confiança da sociedade na justeza dos diplomas legais. Finalmente, com o implemento do pós-positivismo, tem-se que o polo de tensão da sociedade passa a residir, conjuntamente, no Poderes Judiciário e Executivo, com sensível relevância em favor do primeiro, como se demonstrará nas linhas seguintes do presente trabalho monográfico. Assim, não se deve perder de vista que as normas fundamentais do texto constitucional são direcionadas, em grande parte, aos agentes e órgãos estatais que ocupam o vértice superior da hierarquia do Estado, razão pela qual a probabilidade de descumprimento do comando constitucional revela-se acentuada, tendo em vista que as disposições da Carta Fundamental não ostentavam o caráter de normas materialmente supremas. Ademais, impende destacar a necessidade de instituição de um órgão jurisdicional de cúpula, responsável pela efetivação da proteção dos ditames constitucionais e pelo controle da constitucionalidade dos atos e omissões do Poder Público. Em outras palavras, não obstante o reconhecimento do caráter normativo das disposições constitucionais, forçoso concluir que a Constituição, por si só, não era capaz de assegurar o cumprimento de seus dispositivos e valores por seus destinatários. Eis o surgimento do mecanismo de controle da compatibilidade dos atos estatais em face das premissas constitucionais.

14 O surgimento da jurisdição constitucional A análise da jurisdição constitucional nos remonta ao célebre caso Marbury vs. Madison, julgado pela Suprema Corte Norte-Americana em 1803, no qual o Chief Justice John Marshall declarou a inconstitucionalidade de lei ordinária que atribuía a Suprema Corte competência não fixada originariamente pela Constituição Norte-Americana. Nesse diapasão, são extraídas da decisão proferida pelo Chief Justice John Marshall as seguintes premissas fundamentais: a) a ideia da supremacia constitucional; b) a legitimidade do Poder Judiciário para, fazendo valer o disposto na constituição expressão maior da soberania popular declarar a inconstitucionalidade dos atos praticados pelos agentes estatais que eventualmente afrontem o Texto Maior (MENDONÇA: 2009, p. 213). Com vista no acima exposto, constata-se, em um primeiro momento, que a jurisdição constitucional consubstancia um instrumento democrático, uma vez que possibilita o controle dos atos estatais que atentem contra os princípios, regras e valores constitucionais. N outro dizer, na medida em que a constituição é a expressão maior da soberania popular, a jurisdição constitucional constitui o instrumento de efetivação desta mesma soberania, afastando os atos estatais que desrespeitem ou inobservem os valores consagrados pela Lei Maior. A propósito do tema, convém trazer à colação a seguinte lição de Dieter Grimm (2006, p. 7): Tendo em vista essa particular fraqueza da norma constitucional, quando o povo providencia um órgão específico cuja atribuição é determinar o sentido e o alcance da constituição em casos de conflito; conhecer ações envolvendo conflitos de competência; avaliar atos governamentais tendo em vista a sua conformidade com a constituição, a existência desse órgão e o exercício do poder que lhe foi atribuído não podem ser considerados antidemocráticos. Desta forma, a existência de um órgão estatal cuja incumbência precípua repousa no controle da constitucionalidade dos atos dos poderes legislativo e executivo representa instrumento eficaz de garantir a supremacia do texto constitucional. Mas não é só. A importância da instituição de mecanismo com a fisionomia e competência indicadas no parágrafo anterior é mais bem visualizada com o crescimento e destaque do próprio papel que as cartas constitucionais passam a assumir. Nesse contexto, cumpre atentar que as Constituições, que antes tratavam apenas os aspectos políticos fundamentais do Estado ou, quando muito, traziam em seu corpo um elenco de direitos individuais do cidadão, passam a disciplinar outros assuntos que estavam sob a

15 14 égide do Poder Legislativo, notadamente os aspectos relacionados à economia, relações trabalhistas, saúde, educação etc. Sobre o tema, escreve Daniel Sarmento (2006, p. 89): [...] Contudo, a partir das Constituições do México de 1917, e de Weimar de 1919, este modelo vai se alterar. A maioria das constituições editadas posteriormente agregará ao seu temário vários outros assuntos, como economia, relações de trabalho, proteção à família, cultura etc. Muitas delas vão também garantir, além dos clássicos direitos individuais, direitos sociais e econômicos, que demandam prestações positivas do Estado, viabilizadas através de políticas públicas onerosas: direitos à educação, à saúde, à previdência, à moradia etc. Diante da constatação acima descrita, questiona-se: a regulamentação constitucional de determinadas matérias outrora disciplinadas pelo legislador ordinário, retirando-as do âmbito de apreciação do parlamento órgão popular por excelência não constituiria uma decisão contra-majoritária e, por conseguinte, antidemocrática? Assim, em decorrência dessa universalização material da Constituição, constata-se que os princípios e normas constitucionais passam a influenciar na leitura e aplicação dos demais ramos do direito, cujos institutos são interpretados à luz do modelo constitucional (filtragem constitucional), caracterizando o que Daniel Sarmento denominou de Ubiquidade Constitucional (2006, p. 83). No mesmo norte de exposição, o tema ora focalizado é tratado por Luís Roberto Barroso com as seguintes palavras (2006, p. 30): A ideia de constitucionalização do Direito aqui explorada está associada a um efeito expansivo das normas constitucionais, cujo conteúdo material e axiológico se irradia, com força normativa, por todo o sistema jurídico. Os valores, os fins públicos e os comportamentos contemplados nos princípios e regras da Constituição passam a condicionar a validade e o sentido de todas as normas do direito infraconstitucional. Cotejando o acima exposto com a realidade constitucional pátria, observa-se que os institutos do direito administrativo sofreram sensível modificação diante da necessária observância da filtragem constitucional do direito, salientando-se, a título de exemplo, o hodierno entendimento acerca da legitimidade do controle judicial do mérito dos atos administrativos discricionários, com base em princípios constitucionais, tais como o da razoabilidade, proporcionalidade, moralidade e eficiência. Por outro lado, cumpre observar que a relevância prática do papel das Constituições é expressivamente acentuada ao se observar a eficácia horizontal dos direitos fundamentais, ou seja, a aplicabilidade dos valores, garantias e direitos fundamentais também às relações privadas.

16 15 No mesmo norte, urge salientar a importância e complexidade do papel desempenhado pela jurisdição constitucional no âmbito de uma constituição tida como dirigente, tal como a Constituição da República Federativa do Brasil de Trata-se de modelo constitucional que traça expressa e pontualmente metas de governo a serem alcançadas por meio de políticas públicas de caráter positivo. Segundo Daniel Sarmento (2006, p. 94): [...] Essas metas e diretrizes, estabelecidas em regra através de normas programáticas, não devem ser vistas como meras proclamações retóricas. Elas são normas jurídicas, que de alguma maneira vinculam os poderes políticos, estabelecendo balizas para o exercício das respectivas competências. Ante as razões expendidas, e com as atenções voltadas ao fato de que a constituição é, indubitavelmente, dotada de caráter normativo, indaga-se: até que ponto é legitima a atribuição de competência a um órgão judicial - composto por membros que não são escolhidos diretamente pelo povo -, a pretexto de estar garantindo a efetividade das normas constitucionais, para fixar e compelir os agentes políticos a adotarem determinada política pública, sobretudo levando-se em consideração a dimensão criativa inerente à interpretação em geral e a interpretação constitucional em especial? (2006, p. 99): Acerca da dimensão criativa da jurisdição constitucional, leciona Daniel Sarmento Ademais, há o problema semântico. Boa parte das prescrições constitucionais está expressa em linguagem muito vaga: dignidade da pessoa humana, igualdade, solidariedade social, moralidade administrativa etc. Pessoas razoáveis podem discordar e de fato frequentemente discordam sobre o que significa aplicar uma norma com esta estrutura num determinado caso. No mesmo esteio, eis a lição de Eduardo Mendonça (2009, p. 220): [...] A positivação constitucional de princípios vinculados à ideia de justiça ou o tratamento de tais princípios como normas pelo Tribunal Constitucional poderia introduzir um deslocamento de poder indesejável, das maiorias para os tribunais. Assim, a utilização de conceitos vagos no texto constitucional não representaria uma ampliação indevida e desproporcional do âmbito decisório da jurisdição constitucional, a qual poderá imiscuir-se em matérias de políticas públicas reservadas ordinariamente aos Poderes Legislativo e Executivo? Afinal, a jurisdição constitucional é compatível com os princípios do Estado Democrático de Direito?

17 16 No que tange ao tema em debate, uma observação preliminar se faz necessária: as respostas às indagações acima formuladas têm por premissa a realidade politicoconstitucional brasileira, sem embargo das posições teóricas edificadas sob a égide de outros regimes políticos, reclamando, antes de fixar-se a mais acertada posição sobre o tema, a análise dos argumentos favoráveis e contrários acerca da compatibilidade da jurisdição constitucional no âmbito do Estado Democrático de Direito. É o que se passa a fazer. 1.3 Argumentos contrários da jurisdição constitucional para o Estado Democrático de Direito A duvidosa legitimidade democrática da jurisdição constitucional Em linha de princípio, cabe destacar que a jurisdição constitucional representa mecanismo destinado a tutelar a intangibilidade dos direitos da minoria, mediante a fiscalização da compatibilidade dos atos estatais em face dos ditames consagrados na Lei Maior. Com as atenções voltadas à referida destinação da jurisdição constitucional, qual seja, a proteção da inviolabilidade dos direitos da minoria, pode-se vislumbrar, como efetivamente se observa nos entendimentos doutrinários, a inexistência de legitimidade democrática para o exercício da jurisdição constitucional, conforme se analisará nas linhas seguintes do presente tópico (GRIMM: 2006, p. 13). Surge, por conseguinte, o problema relacionado à legitimidade democrática da jurisdição constitucional, neste passo encarado como um aspecto negativo desta para o Estado Democrático de Direito. Em síntese, a relação entre democracia e jurisdição constitucional pode ser visualizada nas seguintes linhas extraídas das palavras de Dieter Grimm (2006, p. 6): [...] Alguns teóricos temem que o jogo democrático seja paralisado por uma camisade-força constitucional. Outros temem que o dique constitucional possa ser rompido por uma inundação democrática. [...] Destarte, o efeito contra-majoritário da jurisdição constitucional, a impulsionar a tese de ilegitimidade democrática deste mecanismo de controle, é ressaltado também diante do papel exercido pela constituição no âmbito de determinado regime político. Saliente-se, por oportuno, que a suposta ilegitimidade democrática decorrente do efeito contra-majoritário

18 17 reside no fato de que a jurisdição constitucional poderá transitar na contramão do que seria a vontade popular de determinado momento. Ora, conforme apontado em momento anterior do presente trabalho, os textos fundamentais contemporâneos, notadamente o brasileiro de 1988, têm alçado ao patamar da constitucionalidade matérias e temas anteriormente disciplinados pelo legislador ordinário (relação de trabalho, saúde, educação etc.). Acrescente-se, além disso, o fenômeno da constitucionalização do direito (filtragem constitucional). Tal evolução constitucional irá desaguar na subtração de parcela do direito-dever de conformação do Poder Legislativo, o qual possui a legitimidade democrática por excelência, dada a representatividade popular de seus membros. Em face das razões expendidas, constata-se que a excessiva constitucionalização do Direito e das matérias outrora disciplinadas pelo legislador ordinário, bem como a atribuição de competência a órgão judiciário para garantir a efetividade e respeito constitucionais poderá traduzir uma contrariedade à vontade majoritária externada por meio de atos normativos editados pelo parlamento. Trata-se do que a doutrina constitucionalista convencionou chamar de dificuldade contra-majoritária da jurisdição constitucional. Logo, analisada a questão sob esse enfoque, posicionamento que não se deve endossar, a jurisdição constitucional careceria de legitimidade democrática A ausência de eleição e responsabilização popular dos juízes constitucionais Outro aspecto negativo da jurisdição constitucional, que também não deve prevalecer, refere-se à ausência de eleição popular das autoridades judiciais responsáveis pela efetivação do controle da compatibilidade entre os atos estatais e os comandos constitucionais. Nesse diapasão, na medida em que os juízes constitucionais não são eleitos pelo voto da maioria, não lhes seria legítimo substituir-se à atuação conformadora do parlamento, sob pena de irreversível violação ao princípio majoritário do regime democrático. No mesmo norte, convém observar que a ausência de responsabilização política dos juízes perante a sociedade civil também representa, para parte da doutrina constitucionalista, aspecto negativo da jurisdição constitucional. Isso porque, consoante as palavras de Dieter Grimm, [...] o judiciário pode afastar a vontade dos representantes do povo eleitos sem gozar de legitimidade democrática e sem ser igualmente responsável perante o povo. Isso é verdade mesmo nos países onde os juízes são eleitos e não indicados. (2006, p. 13).

19 18 Em que pese a repetição de ideias, cumpre mencionar que tal argumento também não merece prosperar, conforme adiante se demonstrará. Em razão da ausência de controle democrático da jurisdição constitucional, anote-se que a Suprema Corte Norte-Americana, no julgamento do case United States vs. Carolene Products Co., em 1938, deixou assentado que a adoção de uma postura ativista seria necessária quando se estivesse diante de proteger a funcionalidade do processo político, adotando-se um controle mais restrito diante da legislação econômica (MENDONÇA: 2009, p. 216). Nesse diapasão, percebe-se que o entendimento ora focalizado inclina-se no sentido de defender o ativismo judicial constitucional apenas nos casos de garantir a funcionalidade do processo democrático, ao passo que, no controle exercido nas demais áreas em que o parlamento se faz mais presente no desiderato de conformar os destinos da sociedade a jurisdição constitucional assumiria uma feição mais restrita. Com base nas lições de Carl Schmitt, citado por Eduardo Mendonça (2009, p. 221), [...] o controle de constitucionalidade só seria legítimo quando o conteúdo da norma constitucional envolvida fosse inequívoco e incompatível com o conteúdo de lei em tese aplicável. Diante do confronto, caberia ao juiz, no exercício de sua atividade típica, realizar a subsunção do fato à norma da Constituição, deixando de aplicar a norma inferior. Da exegese do excerto acima transcrito, conclui-se que Carl Schmitt adota uma posição restritiva da jurisdição constitucional, inadmitindo o exercício desta para compelir os agentes políticos a adotarem determinada política pública com base em valores expressos no texto maior A dimensão criativa da interpretação em face da normatização dos princípios Outro potencial aspecto negativo da jurisdição constitucional consiste na já mencionada dimensão criativa da atividade interpretativa. Aliás, a aludida dimensão criativa deve ser analisada, para os fins do presente trabalho, sob o enfoque da normatização dos princípios. Como cediço, a fase intitulada de pós-positivismo é marcada pela atribuição de força normativa aos princípios constitucionais, cuja aplicação se faz imperiosa diante dos casos concretos submetidos à apreciação do Poder Judiciário. Tem-se, portanto, de um lado, a norma-princípio e, de outro, a norma-regra.

20 19 Por outro lado, não se desconhece que os princípios são marcados por uma acentuada abertura semântica, o que enseja a possibilidade de elaboração de exegeses das mais variadas. A título ilustrativo, observe-se que uma infinidade de questões pode ser fundamentada, em posições diametralmente opostas, com lastro no princípio-matriz da dignidade da pessoa humana. Nesse contexto, cumpre lembrar que as posições antagônicas acerca da constitucionalidade da utilização de células tronco-embrionárias para fins de pesquisa, enfrentada pelo Supremo Tribunal Federal no ano de 2009, fundamentavam-se justamente na dignidade da pessoa humana. A observação acima realizada quanto à dimensão criativa da interpretação e a abertura semântica dos princípios tenciona trazer à baila a discussão acerca do fenômeno denominado por Daniel Sarmento de carnavalização constitucional (2006, p. 112). Sobre o tema, analisemos as palavras do referido autor (2006, p. 113/114): [...] Esta euforia com os princípios abriu um espaço muito maior para o decisionismo judicial. Um decisionismo travestido sob as vestes do politicamente correto, orgulhoso com seus jargões grandiloquentes e com a sua retórica inflamada, mas sempre um decisionismo. Os princípios constitucionais, neste quadro, converteram-se em verdadeiras varinhas de condão : com eles, o julgador de plantão consegue fazer quase tudo o que quiser. Veja-se, por oportuno, a clássica definição de princípio proposta por Celso Antônio Bandeira de Mello (2000, p. 747): [...] princípio é, por definição, mandamento nuclear de um sistema, verdadeiro alicerce dele, disposição fundamental que se irradia sobre diferentes normas compondo-lhes o espírito e servindo de critério para sua exata compreensão e inteligência, exatamente por definir a lógica e a racionalidade do sistema normativo, no que lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico. É o conhecimento dos princípios que preside a intelecção das diferentes partes componentes do todo unitário que há por nome de sistema jurídico positivo. Nesse diapasão, na medida em que o art. 196 da Carta Constitucional pátria de 1988 assenta que a saúde é direito de todos e dever do estado, facilmente se percebe que qualquer cidadão poderá bater às portas do judiciário pleiteando prestação estatal ativa no sentido de garantir-lhe os meios necessários à manutenção da saúde (realização de procedimentos médico-cirúrgicos, fornecimento de medicamentos, dentre outros). De outro lado, o órgão jurisdicional, alheio às questões concernentes à disponibilidade orçamentária, poderá, lastreando-se em normas-princípios, determinar ao ente público a prestação da atividade pleiteada, evidenciando uma suposta substituição do administrador público pelo juiz constitucional de plantão.

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber:

A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos, a saber: Posição Compromissória da CRFB e a Doutrina da Efetividade A partir desta posição compromissória da Constituição de 1988, a efetividade dos direitos sociais fica submetida a uma miríade de obstáculos,

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA

NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA NEOCONSTITUCIONALISMO E PLURALIDADE DEMOCRÁTICA Shirlene Marques Velasco * RESUMO: O objetivo do trabalho é abordar alguns questionamentos que se apresentam na relação entre Constituição e democracia.

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE INTRODUÇÃO: o controle de constitucionalidade só é possível nos sistemas jurídicos em que vige uma Constituição escrita e rígida, pois é tão somente nesses sistemas jurídicos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

O DIREITO À SAÚDE E O PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL 2 O DIREITO À SAÚDE COMO GARANTIA FUNDAMENTAL

O DIREITO À SAÚDE E O PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL 2 O DIREITO À SAÚDE COMO GARANTIA FUNDAMENTAL O DIREITO À SAÚDE E O PRINCÍPIO DA RESERVA DO POSSÍVEL Patrícia Gomes Ribeiro * 1 INTRODUÇÃO No ordenamento jurídico pátrio, a Constituição Federal de 1988 prevê em seu artigo 196, a saúde como direito

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III

Faculdade Pitágoras de Ipatinga Campus Bom Retiro Direito Constitucional III 1. CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE 1.1. Noções gerais. 1.2. Espécies de inconstitucionalidade. 1.3. Teoria geral do controle de constitucionalidade. 1.4. Modelos de controle de constitucionalidade. 1.5.

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS 1 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O ELO ENTRE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E OS DIREITOS FUNDAMENTAIS TRABALHISTAS Fábio Lucas Telles de Menezes Andrade Sandim ( * ) O art. 1º da Constituição Federal dispõe

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica AS FEDERAÇÕES SINDICAIS E A IMPORTÂNCIA DEA SUA PARTICIPAÇÃO COMO AMICUS CURIAE NAS AÇÕES DIRETAS DE NCONSTITUCIONALIDADE Orlando Spinetti Advogado INTRODUÇÃO Considerando-se

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DIFUSO I) CONCEITO: Também chamado de controle pela via de exceção ou de defesa ou controle aberto, o controle difuso pode ser realizado por qualquer juiz ou tribunal.

Leia mais

érito, o pedido do benefício pensão por morte encontra respaldo legal no artigo 74 da Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991, que assim prevê:

érito, o pedido do benefício pensão por morte encontra respaldo legal no artigo 74 da Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991, que assim prevê: Vistos, etc. Trata-se de pedido de concessão do benefício previdenciário de pensão por morte, pleiteado pelo autor na condição de companheiro, tendo em vista a união homoafetiva mantida com o falecido

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador ANTONIO ANASTASIA PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 237, de 2013, que define crime conexo, para fins do disposto no art. 1º, 1º, da Lei nº 6.683,

Leia mais

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por :

Controle de Constitucionalidade. Desenvolvido por : Controle de Constitucionalidade Desenvolvido por : Prof. Raul de Mello Franco Júnior e-mail: raul@mp.sp.gov.br Página: www.raul.pro.br Versão para Impressão www.tonirogerio.com.br Conceito Controlar a

Leia mais

Preliminarmente, devem ser afastadas as preliminares agitadas pelo Município de Florianópolis.

Preliminarmente, devem ser afastadas as preliminares agitadas pelo Município de Florianópolis. AÇÃO CIVIL PÚBLICA Nº 5021653-98.2013.404.7200/SC AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉU: MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS; UNIÃO - ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO DECISÃO (liminar/antecipação da tutela) O MINISTÉRIO

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho AGTR 95997/SE (2009.05.00.027575-4) AGRTE : UNIÃO AGRDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 3ª Vara Federal de Sergipe (Competente p/ Execuções Penais) RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL VLADIMIR SOUZA

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF Nota Técnica AJN/CONDSEF n. 07/2011 CONDSEF. Possibilidade de conversão de tempo de serviço prestado em condições especiais em tempo de serviço comum após o advento da Medida Provisória n. 1.663, posteriormente

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS *

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * CARLOS EDUARDO CAPUTO BASTOS Interpretar a lei, assevera Bevilaqua, é revelar o pensamento que anima suas palavras, daí por

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

AULA 06. Conteúdo da aula: Hermenêutica constitucional (cont.). A visão pós-positivista. Teoria dos princípios. Ponderação de interesses.

AULA 06. Conteúdo da aula: Hermenêutica constitucional (cont.). A visão pós-positivista. Teoria dos princípios. Ponderação de interesses. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 06 Professor: Marcelo Leonardo Tavares Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 Conteúdo da aula: Hermenêutica constitucional

Leia mais

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO, qualificada nos autos, interpôs embargos declaratórios à sentença de fls. 181/182, que extinguiu

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A CONTRATAÇÃO DIRETA DE INSTITUIÇÕES PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Sebastião Botto de Barros Tojal e Luiz Eduardo P.Regules Recentemente, agentes políticos têm sido alvo de reportagens veiculadas na imprensa,

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22

Escrito por Administrator Ter, 13 de Setembro de 2011 13:23 - Última atualização Ter, 13 de Setembro de 2011 16:22 Proteção Internacional de Direitos Humanos Coordenação: Profa. Dra. Cristina Figueiredo Terezo Resumo O pioneiro projeto de extensão visa capacitar os discentes para acionar a jurisdição do Sistema Interamericano

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE *

QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * QUATRO PERGUNTAS E QUATRO RESPOSTAS SOBRE O AMICUS CURIAE * Cassio Scarpinella Bueno SUMÁRIO: 1) O que é amicus curiae?; 2) O amicus curiae é previsto no direito brasileiro?; 3) Qual é a função primordial

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES 1. DIREITO: é o conjunto de normas de conduta coativa impostas pelo Estado, se traduz em princípios de conduta social, tendentes a realizar Justiça, assegurando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE Princípios da Administração Pública PRINCÍPIOS A palavra princípio significa início, começo, origem das coisas, verdades primeiras,

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA PA nº 1.36.000.000703/2008-95/GAB.01/PRTO Os Procuradores da República signatários, no cumprimento da determinação contida na CF/88, art. 127,

Leia mais

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA Elaborado em 01.2009 Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Seção Cível de Direito Público DECISÃO MONOCRÁTICA

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA BAHIA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Seção Cível de Direito Público DECISÃO MONOCRÁTICA fls. 1 DECISÃO MONOCRÁTICA Classe : Procedimento Ordinário n.º 0009818-73.2014.8.05.0000 Foro de Origem : Salvador Órgão : Relator(a) : Ilona Márcia Reis Autor : Município de Serra do Ramalho Advogado

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 779.487 RIO DE JANEIRO RELATORA RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :ESTADO DO RIO DE JANEIRO :PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RECDO.(A/S) :FRANCISCO

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008

A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008 A NOVA SISTEMÁTICA DO SEGURADO ESPECIAL, APÓS O ADVENTO DA LEI N. 11.718/2008 O presente artigo tem o desiderato de analisar as alterações trazidas com o advento da Lei n. 11.718/08, dentre as quais destacam-se

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO.

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. 1 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. Clarissa Felipe Cid 1 Sumário:1. Introdução. 2. A distinção entre direitos humanos e fundamentais. 3. Como são aplicadas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 461/2011 Poder Executivo

PROJETO DE LEI Nº 461/2011 Poder Executivo DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 18 de maio de 2012. PRO 1 Poder Executivo Introduz modificação na Lei nº 11.781, de 17 de abril de 2002, que autoriza o Poder Executivo

Leia mais

1. Discute-se sobre a constitucionalidade da chamada discriminação positiva ou, como preferem alguns, ação afirmativa.

1. Discute-se sobre a constitucionalidade da chamada discriminação positiva ou, como preferem alguns, ação afirmativa. A Constitucionalidade da Discriminação Positiva por Fernando Trindade 1. Discute-se sobre a constitucionalidade da chamada discriminação positiva ou, como preferem alguns, ação afirmativa. 2. De nossa

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO

ACÓRDÃO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Desembargador RAFAEL DE ARAÚJO ROMANO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO Ação Direta de Inconstitucionalidade Autos n. 2008.005668-5 Requerente: Partido Socialista.Brasileiro -PSB Advogada: Flávia Manarte Hanna Relator: Desdor. Rafael de Araújo Romano EMENTA:

Leia mais

A judicialização das questões sociais (UEPG) (UEPG) (UEPG) Resumo: Palavras-chave: Introdução

A judicialização das questões sociais (UEPG) (UEPG) (UEPG) Resumo: Palavras-chave: Introdução A judicialização das questões sociais Angela Benvenutti (UEPG) angelabenvenutti@hotmail.com Débora Viale Fernandes (UEPG) deborajviale@hotmail.com Orientador: Prof. Me. Alexandre Almeida Rocha (UEPG) professor.alexandre.rocha@gmail.com

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 3.836, DE 2008 Obriga os fornecedores de produtos e de serviços a darem o troco das frações da unidade do Sistema Monetário Nacional

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia CARLOS VALDER DO NASCIMENTO 02 A Lei da Ficha Limpa Ilhéus-Bahia 2014 Copyright 2014 by Carlos Valder do Nascimento Direitos desta edição reservados à EDITUS - EDITORA DA UESC A reprodução não autorizada

Leia mais

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N. 239746-74.2014.8.09.0000 (201492397466) DES. ALAN S. DE SENA CONCEIÇÃO

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N. 239746-74.2014.8.09.0000 (201492397466) DES. ALAN S. DE SENA CONCEIÇÃO PARECER N. 2/388/2015 AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE N. 239746-74.2014.8.09.0000 (201492397466) REQUERENTE PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS REQUERIDO PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ITUMBIARA

Leia mais

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO Renato Braz Mehanna Khamis Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Professor do

Leia mais

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

08/11/2012 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 08/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 675.505 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

JUSTIÇA CONSTITUCIONAL: O PROBLEMA DO PODER NO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

JUSTIÇA CONSTITUCIONAL: O PROBLEMA DO PODER NO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL: O PROBLEMA DO PODER NO CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE LUÍS ANTÔNIO ROSSI. Advogado. Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Doutorando em Direito

Leia mais

UMA LEITURA DO PAPEL JURISDICIONAL A PARTIR DO NOVO CÓDIGO CIVIL

UMA LEITURA DO PAPEL JURISDICIONAL A PARTIR DO NOVO CÓDIGO CIVIL Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume I 89 UMA LEITURA DO PAPEL JURISDICIONAL A PARTIR DO NOVO CÓDIGO CIVIL CRISTIANE TOMAZ

Leia mais

O PAPEL DO JUDICIÁRIO NA EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE

O PAPEL DO JUDICIÁRIO NA EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE O PAPEL DO JUDICIÁRIO NA EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE ISRAEL PEDRO DIAS RIBEIRO 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) RESUMO O presente artigo discute o papel do Judiciário na efetivação do direito

Leia mais

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos.

Palavras-chave: Controle de constitucionalidade; efeitos; cobrança de tributação previdenciária de inativos. EFEITOS DAS DECISÕES JUDICIAIS ASSECURATÓRIAS DE PREVALÊNCIA DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS: REPERCUSSÕES EM RELAÇÃO A DECISÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO TOCANTE A COBRANÇA DE TRIBUTAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

Assistência Social e OSCIPs: paralelismo ou parceria 1?

Assistência Social e OSCIPs: paralelismo ou parceria 1? Ementa: ASSISTÊNCIA SOCIAL E OSCIPs. DISTINÇÃO ENTRE QUALIFICAÇÃO (OSCIP) E INSCRIÇÃO EM CONSELHO DE POLÍTICAS PÚBLICAS. OBRIGATORIEDADE DE INSCRIÇÃO Assistência Social e OSCIPs: paralelismo ou parceria

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 18 Mandado de Segurança nº 2091014-12.2015.8.26.0000 - São Paulo Impetrante : Desembargador Pedro Cauby Pires de Araújo Impetrado : Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo Vistos.- Trata-se

Leia mais

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR Arguição de descumprimento de preceito fundamental 292/DF Relator: Ministro Luiz Fux Requerente: Procuradoria-Geral da República Interessado: Ministério da Educação Arguição

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO O Ministério Público Federal, com fundamento no artigo 129, III, da Constituição Federal de 1988, artigo 6º, VII, b,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAIBA GABABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO BENEDITO DA SILVA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAIBA GABABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO BENEDITO DA SILVA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAIBA GABABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO BENEDITO DA SILVA ACÓRDÃO Agravo em Execução Nº 2014069-24.2014.815.0000 RELATOR: Dr. João Batista Barbosa, Juiz Convocado

Leia mais

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul

Marcel Brasil F. Capiberibe. Subprocurador do Ministério Público Especial Junto ao Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Critérios institucionais diferençados entre as funções do Ministério Público junto à justiça ordinária e as atribuições funcionais do Ministério Público especial junto ao Tribunal de Contas Marcel Brasil

Leia mais