Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF!! "#$% % '. /(, '0(1(1 +

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF!! "#$% % '. /(, '0(1(1 +"

Transcrição

1 Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF!! "#$% &' '&('( )*+',- % '. /(, '0(1(1 +

2 ,. 1 ( ( 1( (,4,.,. ( &4,. '(+"( 33340,4,46. (. 2 ('. 1( 3334(4, (,4, ,46

3 !! "#$ 1( ',- &/ 7,18 '&, 51(* ( ')( &/ '- '

4 ')( 5

5 ')( &/ 9('8. &/,' :;< ( & "5 =(, ( (!"#$"%&"!$& '(")*) '(")*+,#-.. '(")*)+!"/- 0 0 '(")*,"+!""-..!11$1 1"!""2 0 0!"#&")3!&. 0 1!4 1"!"45".. 1!& 1"!"&" $"" +&!,- 0 0!"#,")+/7 $"'," 8'94)-.. 16(( $"'/:;":&"# :<"#:&'< ;" 7. '<2:&=$>:&$:$""/:&1,$:1$ ; ((?A> A 47 " >4B 74B?4?A?

6 ',- &/ ) ) ',(& &. 0&/ ) ) ',(& )& + ; ''(' 1"!"45" 1"!"&"62!"#&" )3 "" '(". 1( "" '(". ( "" '(". ( "" '(". 1!"#$"%&" $"',"!"# ( 1, ((28%.,', C#<"#

7 ',- &/ ) ) ',(& & ','/ &/,'('1 1)' 0 1'( )18 ' '0(1(1,', "" "(" )*"?7<") & ),( 51' ('( (D E18 ( '( 0( 1,(*" <" 7C '(18 51 #) ") "2A 1'( )1(& 51','06 )-'')&8 6'(D?7 ),,,'( 1( )/ '" ' & 55D ),(8 ) )0'( )0' '<) " <" <""' "C -,,,)'. 1,(& )&'(&,','(28 ' )'"A A"#

8 !! "#$ 1( ',- &/

9 1( ',- &/ "'G '" ')* A<# ), ((28 (& 0( ),( )(& ','( )G6,%??B +??A "6%')!! F.- '8 0 G6, F 7.- ) ' + (A <"?7<)!!-??> 4)"<" ))B )* 1F!! F A>.8,- H'8 )( )(8 & (')( 0&/ ) ',(& &%??> +? ' ") &7" 'E F BBB.- + ' ") &7" 'E = R$ 5,40 Bilhões de Concessão e Arrendamento??A +? "?7 &7" '&H1E F?.- + "?7 &7" '&H1E F?.8 = R$ 13,80 Bilhões de Concessão e Arrendamento, Impostos e CIDE.

10 1( ',- &/ '<" ")% " '&('('. 9('(,', C ',(& & +I)*B (% -4)"' #'<"C- ('#' C-"#)"7" '(% (" ??A +? $)>7 F B 6.8??A +? $)&2" F $)&2" 6.- &"'?BI A"")% ' Investimentos da União Investimentos das concessionárias Projeção de Investimentos das concessionárias para 2011

11 1( ',- &/ #'1F<7 )*<"$"<"!"#2" &" Concessionária 6 &/ 9,18 ) ',(& & Expansão da Malha Ferroviária Valor Estimado (Bilhões de R$) Extensão da Construção (Km) ALL - Malha Norte Trecho Alto Araguia - Rondonópolis/MT da Ferronorte 0, TLSA Ferrovia Transnordestina (remodelação de 550 km) 5, FCA Variante Ferroviária Litorânea Sul/ES 2, '(%,$!J=)? & %: Concessionária Total 8, &/ 9,18 ) #&' Expansão da Malha Ferroviária Valor Estimado (Bilhões de R$) Extensão da Construção (Km) VALEC Tramo Norte da Ferrovia Norte-Sul (Arguianópolis - Palmas/TO) 1, VALEC Tramo Sul da Ferrovia Norte-Sul (Palmas/TO - Ouro Verde/GO - Estrela d Oeste/SP) 6, VALEC Ferrovia da Integração Oeste-Leste FIOL (Figueirópolis/TO - Ilhéus/BA) 7, '(% J=)? & %: "<# 1F<7 )* Total 15, Valor Estimado Extensão da Concessionária Projetos de Expansão da Malha Ferroviária (Bilhões de R$) Construção (Km) ALL - Malha Norte Construção do trecho (ligação) Inocência - Água Clara 0, FTC Ampliação da Malha Ferroviária em Santa Catarina (PNLT) 1, VALEC Ferrovia de Integração Centro Oeste - FICO (Campinorte/GO - Lucas do Rio Verde/MT - Vilhena /RO) 6, Fonte: Associadas ANTF, J=)? & %:e VALEC/MT. Total 8,

12 1( ',- &/ #'<"# <"'#"''' '<" ")% $F &"'( )+&M- 18 &/ +/)*B $K>- BI 7??A >AA @ AA @ 5 # &"' L '= &8 ' &"' 0L $) JH &"' I A" ")% ' 0. 0 (% $K>N$) O)G'"P)$"<" &ME&'< )M"Q* '(%,$$,$! Projeção da Produção das concessionárias para 2011

13 1( ',- &/ '#'?7 ")% ' &'(8 5 ')( ) & +')*B $> I BA B BB 7? BB ,9 100,6 99,5 117,4 101,8 338,5?7 99,4 > 338,3 80,9 91,7 98,0 296,0 303,6 73,8 72,9 266,5 268,6 207,2 217,8 237,0 186,1 185,5 183,1 199,9 0. 0??A +? 5 #,'( '= &8 ','(?I $) #'?7 BA.- H &"'?I A" ")% ' (% $>N$) P '(%,$$,$! Projeção de Movimentação de carga das concessionárias para 2011

14 1( ',- &/ D""<" ")% ' 47 >4>????47 @?4B? 4 47A >47B? A74 0 '(%,$!. 0 Projeção da quantidade de Contêineres transportados pelas concessionárias em 2011 $"<""' )A"#" A &2 %?7( &'<"<"#"' $"<""' '( 61(/,'-, 0&/ (4

15 1( ',- &/ & "<"A"#2" ''<" )(& ')( &/ 5 9 B??A +? 1'( 7? I ' 1'( AABI JH S??A + 1'( ' 1'( BI JH Nota: Índice base 100,00 em Fontes: ANTF e PAC.

16 1( ',- &/ #)?7 A" '")" ) #) " <)&2" ( ( '( (& +<" - '(%,$$,$! K8 E18 ( '( : <% '#N 4BN ) = ( 5-% N N. "6?7N0 64% # R) #B(.

17 1( ',- &/ 7#' #<"# " ' '" ' $',,'( + <"')*7"8'- - 79,7% A >?7 >B? 7 7?B 7 77> 7B 7? BA BB B> > '(%,$$,$! 0L', '(','% 1"0 <"')*7"8'

18 1( ',- &/ " '<"" '<" "!"#2",) )5 ( '( '. 9('( B B 74A A4>? >4>> 47 4? 4 B47A 0 '(%,$$,$!. 0 Projeção do número de empregos nas concessionárias para 2011 O9F<7 E,#$"" +$-C $"*)" 5<)+-

19 1( ',- &/ "<"A"#2"()'",61(& + $', 0,L', '5=(, +" H)<")$K>- B B? BA? B> B BB??? + BA BB B Redução de 19,92% + '(%,$!. 0 Redução de 7,87% ' )"<" ')*B )" )<"")%""#? $K>'

20 !! "#$,18 '&, 51(* ( ')( &/

21 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ '2"F# 51(* 0&/ )'( ' =,? (19 5' &' ) ( &',)('( E1(- )'( ('5' )''( 6K(& &16 C =),D '(('(,,,'(,'M, '& 9)'( ) ) )-,, ),)8 5&''( = E1 ( ), ('5 1 '& )( )'. E1 K1(0, 8 1 '& 51(* ") /6# #"' )")5" '' # "% <" '"F'' )' ""<"<<) #"<"?7 A/"# F<"D ") "A #)'/""'#' )")5"'/F" "<"' ")?79)5#$)' "')* /6# < "+-#/)%"<"?7<"# ")#''<)'</)%?7'' )# +-<"<"'<)A"' '"?7#)2" " A""'' A*/(A<"#"<"2"

22 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ &'#") "<""'#<'" '<* 6K(& )(8 & '(12 )G6, E1 ',1( )& ) 11/444 )'6,8 6K(& A<"#" ",1' ),6 ) 5&' ) ('5'( '& )( '<)/"" 1F<7 ')*/F 62#) 7 "'5" )*F/<"# +FD "*')%?7-2"'"A"#2#) HA"? "' 2""#? & # "" " 2"!) )"%"" # '#"* N1 & )" H'<"' " "!)*"#? 0,L', ' " # 1AD"( ')")#. 51', (0/?7 R'" <"< "B " $"A"D * <" # 2" &'<# A"#' ")?7"' "<"+1F" #2"-, '"#'")?7 < #) ")'" <" # 9/F'<?7"<" "A"#2" $"' "'5"F) AF?7 "A 444 ), '&('(,!,$1E1"#C<")<<C00 "<" )!' #)#' 1F < D #'<R/)<"F<7 G'''%?7 ')*+'<" # 9A) ' #' #' "- +/#?B<R/)-"!) ''"<"'' #'</)*/" +<R/)T<"# -')*

23 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ 1'A?7 '(" "#"')"'' A"' A '<"< "<" ) ',) '( ))(,( UV H"F<)"?7 A""" A"#2" <"?7 "#? "<" "C /)")%?7 ''' A"""A"#2"<"' '<" " "#? "<"A"#2" "C 4/)%"' R'" "<" "A"#2" "C 4 1/)"'<""* ')* A"#2"C 4 '<)"""' )%?7 "#? "<"A"#2" " A"""A"#2"C 41')""D<"?7 "#? "<"A"#2" "C 4 M""<"?7A" "<" " )%?7 A""" A"#2" 4&"/"<"' "A2"U!,$1E"< H"C2) < 1' 01''( '(12 ) '1(,( 558 " 5( '0(1(1 )( & "<" 8 9,1& )%?7 A""" <)"<" " 1/)' ( )%?7 < <"(,. '&',), 9,'(<" (')(!F?7 "<"")% <" 2"+ F< <"?7" -"A F<)"?7 A"""A"#2" (,. ')*'8 1(2 F<)" ' " '' )%?7 '&('( 65(* <" <" " A""" "< ")?7 /)'"<)' R "

24 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ '2"F# ' #?<" '<)'B'<"' <)' /6##)'/" F<"' " <""'#<'" '# ' )")5",', 6K(& )(, )G6, 9( & 51(* )'&, 1, 0'(,,((, 6'0,,1(D '/ ','(& (2 ), 1 15 E1 9( '( E1 ))( ) 5&' ),',18 6K(& )(', 0( 6& 9)L', '(',' "A #)'/""'#' )")5"'/F" "<"' ")?79)5#$)' "')* /6# < "+-#/)%"<"?7<"# ")#''<)'</)%?7'' )# +-<"<"'<)A"' '"?7#)2" " A""'' A*/(A<"#"<"2"

25 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ ""<A "<"A"#2"A%''/A "?7 #")'")#'" R" Interconectividade técnica entre a infraestrutura e o material rodante Necessidade de compatibilização de: Manutenção Sinalização Sistema operacional Padrões de qualidade e segurança Fluxo operacional entre usuários Operação complexa devido a: Via fixa e inflexível Muitos pontos de cruzamento Impacto entre trens Economia de escala e densidade Custo variável e total diminui com quantidade por conta da composição dos trens Custo marginal de servir o cliente dentro de um trecho existente diminui, desde que o trecho não esteja congestionado Preços dependentes Custos de utilização da rede e do material rodante são fortemente impactos por terceiros, p.ex.: "'< )%?7 ')* '")" " AD"( +<" ' <" - ' WW ' FONTE: Análise da equipe

26 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ H#" A '"?7 A"""<"?7 (1 (' ')( ' 5.( 1,(&(P &3? 1'(O( #7 <"/)' <" # "<" A"#2"") ',1- "?77("" )<"')""DC '?7 R'" #)# '" "") <#<"?7 PQ #6 5.( '1(P+('5 (.5P )(? #3(,. ' R(2 S1' 0 ')(,', ',P? (2' S1' 0 ')(,', ',P 7 & ',115.,1' ) 4 B7? B 47") ' ) "(" )A?7 <" # '<* "<" A"#2"+)/)-.A"#' < "<"V )'<* " " A"#" '" "<" "&)" 0V A"#" '" "<" "&)" 0V+1>-!"#")'<"5<"" <"'<?B ') "8 )A?7M" 5) F A2#<"'')*") <"<"'"" '"'# 7")#''A A"#<"'" C.L A"#" /"# <""'' < 1# D ' "?7 <"?B)#'" 1# D ' < *"%)#")"?7< "<"" L '<" # < '"'" ")""A"'<" N1'(0,8 1'(,1( BI E1' )8 = 55 1' <"A"'/F " '<"?76!,$1E;")") X%)") A#")<"

27 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ '<""* )" 7/" '" "#?''"R'" 2". 69 ' (/05, &'( )'L',. ( ' ' E1 ' 5'(1 ) 0,L', '0( (6= (,. 69 ' 6( = ',)(&, 098 ( &1 T (( (0/ )' & '8 (''(,'( ' $"*7 )% >2" /A <"'R)<) '< " &) 7 < " +'<"?7- +F<"?7- '"* ) $"2AF)#''')* /F ()'!,$1E2) < ''A"'<" AD'')* /F '/('A'')* ) " %"AD" %<"?7 "<"A"#2":' / <R/),'' ) '"'"2#"' '"<)"#< "'" "#?

28 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ 1F'''")5"<""A""* <" # 2"#'" A"?7G''A ) <"?7'A ( <" "R" V#")'''<5) & 0,'( )18 ) ('5 & 518 E1'( :(< O1 & 518 )444,1( 5' I<"$K> [ D") ' '<)7") " % A" <" < "'"<"?' <"6%2"< "' " +'''" '"- "2'<)')% <" "<"/)'(")" ' ""0,..'( 1 6'( )''(,)((& 6 8 5'. 0,L', "? ' ")?7 51 1)/"' ")?7 O A" ' ")?7 " )# N1'( 51 "'2"<" /""AF ""/"<) '<" & H' 1 (')( $K>!,$1E"" '"'C2) <

29 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ "#)?7 ) ")?7' #"<, '&4, &'( )(,)8 0& ' (2 (')( 5,','( 9)(8, 5'( 5 05'(, ( )(,)8 )5 H '/!0, 4 1(/ G.' $' '. H )'. G ). +&)- +" - \. \ (,)8 ' 0&/ ' (2 (')(.L L L.L.L 00L L L L L.L '(58 (&+ )8 " " " 6"" ' " " " " " " +'' *) - " ", C 0&/ 6"" ' A* 6"" ' A*!* H< A"#!* 6"" ' A*!*!* /" /" /" ) (1(1 6"" ' <"# 6"" ' <"# R/) H< A"# R/) <"# + B- R/) R/) R/) R/) R/) R/) ( '( "# "# 6"" ' <R/) H< A"# "# 6"" ' <R/) R/) R/) 0L <R/) "# L <R/) )'6 '&('( R/) <"# R/) <"# R/) R/) R/) R/) R/) R/) <"# <"# R/) R/) R/)!,$1E>&C,$$CC>=C1>$$C&*$"<]"/8C&'<")" "M")A C&C$"<"& C2) <

30 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ #"A'' )" ' ) " '< <'""'#'<"?7L, '&4, &'( )(,)8 0& ' (2 (')( 5,','( 9)(8, 5'( 5 05'(, ( )(,)8 )5 H '/!0, 4 1(/ G.' $' '. H )'. G ) 5 (,)8 ' 0&/ ' (2 (')(. +&)-..L +" - L '(5,, 6( 9( 6,'( ' 1) 58 E1 0, 0& 8 )5 '0(1(1 (')( 0&/ 8 ','( )G6, \ L.L.L 00L L L \. L L.L '(58 (&+ )8 " " " 6"" ' " " " " " " +'' *) - " ", C 0&/ 6"" ' A* 6"" ' A*!* H< A"#!* 6"" ' A*!*!* /" /" /" ) (1(1 ( '( )'6 '&('( 6"" ' <"# "# R/) <"# 6"" ' <"# "# R/) <"# R/) H< A"# R/) <"# + B- R/) R/) R/) '(5 = )&'( ('(,,5 1 E1'( ) 5'( 1 9)( 6"" H< "# 6"",( ' A"# ' <R/), = ','( 0,.D <R/) )',,, 51' ),'- 9,),' R/) R/) R/) R/) "# R/) R/) R/) <"# R/) R/) R/) 0L <R/) "# L <R/) R/) R/) R/)!,$1E>&C,$$CC>=C1>$$C&*$"<]"/8C&'<")" "M")A C&C$"<"& C2) <

31 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ '2"F# ' #?<" '<)'B'<"' <)' /6##)'/" F<"' " <""'#<'" '#' ) ")5" ") /6# #"' )")5" '' # "% <" '"F'' )' ""<"<<) #"<"?7 A/"# F<"D ") 0' '& 51'(8 & ),'(( ' ) 1 8 )+ &16 1 '& 51(*, )(1 8 C *5, &5'(4 = ( '. 6K(& 5&' ) :< &62 )8 )&.,'(18 6, 1,',(&,. 9('( :< (&'( ),)(628, &5'( :7< )), 1 )(0 58 &1'(/,'(( (1 E1 ),'051, 1 0,. 6'=0, ('( ) 5&' E1'( ),','/

32 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ A"#' '</)%?7'"<#'' '"?7#)2" A &5 ) '&,'(( & (,.,'(18 1,'(1 ) " '(( ' (=','(( (1 :>+A< )''( 18 B ' '</)%?7 "' )"' #' ) C ' '"?7#)2" "' #"<"#' ) FONTE: Análise da equipe Foco próximas páginas

33 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ )<"<<)2"2" '?7 "?7 <"<" "<" "''' " '<# <"? '( 01''( ))( '(58 )) )8 5, 7 )(8 B (,5 &1 '( 8 )''(,'( '( (8 1,)''( ) '&62,)('( 0 >,. '&( '8 '+( 1(2 E1 FONTE: Análise da equipe

34 ,18 '&, 51(* ( ')( &/,8 12 ))( :O< )( ) '& 6K(& )(, )G6, &( ) 11/444 '(58 )) )8 5, ) <"<" # <"?7A"#2"" '''' H" '2"9')* ""?BE "" " *6" ""'(<"''<"7 <' H</)%?7 " <'*#"< +' 7A- H</)%?7 " <' '<"*#"#' #''')*<"<" 2" '"?7<) " <') )(' )'<")<"#"# ')*+<F<") "- 7 )(8 H"F)# <?7 " "'2" A)D 2",5 B ( &1 <)?7 ' ) /'<<" "'?7 ") "<2#) 2" A)D A"# <"" ") ' '+'/?7 <") "")'F) #)') "' <""*" "<"A)F) <" <A A"#?792"<)7'<"' ' #)' '<"# E 1F<" "DF5+'7'' #7"' "A"D "- &"" )"3' %) #"?7") <"? ' 6<"<"<" 'F)# <!,$1E2) <

35 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ A,8 12 ))( :O< Propostas para o novo modelo Objetivos da política pública voltadas para o usuário... 5 Tarifa Sistema de regulação de teto tarifário (price cap) com objetivos de: (1) Remunerar capital e promover incentivos para operador eficiente (2) Permitir operação de mecanismos de subsídios cruzados entre clientes/fluxos de modo a assegurar aumento de penetração do modo de transporte ferroviário (3) Garantir acesso não-discriminatório e isonômico do meio de transporte ferroviário 6 Trechos não Regra diferente para casos de "operação seletiva" versus trechos que perderam racional social de utilizados utilização Trechos não utilizados por conta de "operação seletiva" podem ser devolvidos ao poder concedente desde que restaurados ao estado em que foram recebidos e mediante pagamento de multa que iguale VPL do prejuízo a ser incorrido até final da concessão Trechos cujo sentido social de utilização não mais exista podem ser devolvidos pelo concessionário, com indenização por eventual valor a ser economizado pelo operador Possibilidade de retomada, pelo poder concedente, de trechos sistematicamente operados abaixo da meta de tráfego ajustada pós-expurgo de fatores exógenos 7 Segurança e qualidade Definição prévia em edital das metas de segurança de indicadores de qualidade de serviço a serem cumpridos pelas concessionárias, sempre em termos físicos... e para a sociedade 8 Investimentos de rentabilidade privada Regra geral de que investimentos a serem custeados pelo concessionário são aqueles com lógica Entretanto, possibilidade de fixação em edital dos investimentos os quais o concessionário estará obrigado a realizar, sempre em termos físicos FONTE: Análise da equipe

36 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ )<"< "?")')<"/ ' '"' A''"<#)<" +:- 6K(& &( ) )(8 11/ 1 Disponibilidade Lacuna percebida pelo governo para atingimento do novo patamar e como são resolvidas pelo modelo proposto Expansão da malha abaixo do desejável )7 "*<A<"F<7#" ' " Malha existente sub-aproveitada (existência de trechos sem utilização) Diferenças de tratamento dos usuários no acesso aos serviços Pouca conectividade entre as redes das grandes concessionárias Falta de clareza nas regras de conectividade com novos trechos #)'<" ' " A <?7 <A<"2"#"<" Y<"?7 )#Z )?7 4 <"?7 '"**<" )<"A'"""*:#' <)") " )?7 "A"D " - ' <"?7 ' ) "/"'<)' <)*' #)"<"<<)<" #"7 <"" <" " <'/""2A 'R H" <'/"5"<"*#"< G' #")<"2" ' " <'"+#G'<#- H" <'" <"#"* ' " FONTE: Entrevistas; press clippings; Lei 8.987/1995, minuta de decreto presidencial

37 ,18 '&, 51(* ( ')( &/ )<"< "?")')<"/ ' '"' A''"<#)<" +:- Objetivos voltados para prestação aos usuários 4 Segurança ",1' ),6 ) 5&' ) ('5'( '& )( , 8 & ) ))(, '&('( ' 18 )5' '&,'(' 5 16' )7 ""<A "? # ' "+'")/" G'A"- 5 Modicidade tarifária &, (')( 9,&'(, 5' )( & C 69,)(8 '( ) 0&/ )?7 <"?"#( ^/F<"'_<"" <) "A"#2#)' "7 ' <"'"' <" " ' AD"""'<#)'"?7 <"# <) ('(,'(* 9,1'( ' 098 (0 )?7 "A+'-</) "/"'' <"<Y'"Z...e para a sociedade 6 Investimento social 9, )'L', '&('( )G6, ) 9)'8. : )( & C 0( ( '&('( ','(( (1< /) "A"D 6<"<"#7' ' "+'")/"- (,' ','(( (1 E1 )( '&('( )16, 1.6 :)G6, T )&< '. (1 /) )7 ##'# ' ")")/"G'A" /) )%?7 #'("<" A?7 <") "" '+<F<")AFT<") #"2#)+I<"$K>"<" - FONTE: Entrevistas; press clippings; Lei 8.987/1995, minuta de decreto presidencial

38 !! "#$ UV 7

39 ,8,' ')( &/ '0(1(1 ')( 5 "5(,% 6 '0'(' )- (')( '(% 1F 3 3") /"< ' 9 "E "<" 7 "D D") " #2" 5"7C "? 6" C 1F /"" "A" 7 " '<" A) #/)%?7 #' "A"' " 5(, E1 = ('( )''( '0(1(1 (')(,5D 18 W1( "5(,X = 1 0( )('( ),' 1 '&&'(,'M, ' 9)(- Cliente de origem Porto origem Porto destino Ferrovia Terminal Multimodal Cliente de destino Navio

40 ,8,' ')( &/ '0(1(1 ')( '01',,' % '"")5"#<""<"'" '01'8 (1 ' '&,'- (,'*5,,'M, (')(,5C E16 ' 51'(8 ','( 0'( "' #'<# # "?B '"% ) "<"C A(')*"" ' "<"<"<)'&' ' 0 = )2 A"' '( '(58 5(, 6'F )(, )G6,4 '.,' '(58 (, ')( + " <) : (1(1 ),( (5"7'"/?7 <"<"<) "?7 A"' "<" Cliente de origem Porto origem Porto destino Ferrovia Terminal Multimodal Cliente de destino Navio

41 ,8,' ')( &/ ),(& ( ' 55 9)'. 0'( '( ) E1 ( ),,,% 1' <"<")'< ' #)#' " <"6 '"'G') 1F<7 ')*'"<"<?7 A"#'"% #'<"# ''

42 ,8,' ')( &/ ) ','/ ""'< "C <"#' #'<R/)<"# A"""C "<" # ')*"AD ' "<" "C "B #%')# "</) "'2#) "C?7 ' " '?7 '7 '")<") 'A" &8 01(1% "<?7 #)?7 #)#'G'

43 4E3334'( "% 54&,Y'( Siga-nos! Rodrigo Otaviano Vilaça AntfFerrovia

44 !! "#$ Z 5' ((=5, &

45 0 ) '&&'( ( &/ #)#' A"# < '6 A" "' 1"(<"" $"<"!"#2" &" 1"(<"" $"<"!"#2" &"E '((1,' 51'(8 51' '(,1( 9('( '0(1(1 '8 #5 9)'8. '( 5' ((=5, & 1('(6 6'(,'5 #'(,+61(/ 61(8 ', )((&

46 5' ((=5, & HH + '8 #5 ') '( H6', #5 ' '0(1(1 &/% ' < ' #BF <'#)C &"?B")"9'" % <" # "'C 1F < '<"' "?<"' " # )'C D ""2"'<"<% " ' )A" )( 18% )%?7 6,'(' (& ' / % ' #) 1F?7 )K( &'(, )( '"' ')'?7 #BAF '

47 5' ((=5, & HH + '8 #5 1. #5 ' '0(1(1 &/% ',) 6, &/ ( ' < ' # #BF <'#)C D ""2"'<"<% " ' )A", &/ ' 6* + " 9 '((

48 5' ( ( =5, HH 2. # B `" + AF )%"< " ) " " # ) # 8 ' ' A (" & ' " *7 / " " <"?C < #' C 16 ( 8 + 5'* (, '& - < "# /" R ) 6( F ' 7A ),0, ' " E )? 7 ' 09 AF (<!! ' ' ) ) % ( 2+? ') " '& " /

49 5' ((=5, & HH + '8 #5 2. '&- ' 09 '% "< )?7 <<"",$$2" '<"' &" &7C >)%?7 <""' M#"F<"")?7 ")?7 '" ")" <"#7 */?7 _ &1!C &"?7 "A"#2"<)H,$ "A"#2"<)H,$2" '3 #B) )* 1?B</)"718 E1(- 51' )'. ),' '"#) '( 8':* <".8':*2""/ 8 7 ' '&8 ' 9 ' S1' '( ) % '("CC"A" & ; :

50 5' ((=5, & HH + '8 #5 3. 5' & (,% C,')%?7 A C,) ' +S,G + 5'*(,? (2 + 5( Q ) "4>?,',(, ")"A> Q,(,O )(/ < <)&2"

51 5' ((=5, & HH + '8 #5 3. 5' & (,% "< )?7?7,$$%?7 5"7"<2#<) "?7'?7,+"A"H1-C )%?7'?7 /" A " " "A"H1C &"?7 F, #B) 1!1 1!1 5 & + 5 & + ['<" " 51(' 0 ( )G6, <" "#/)%"')*"?B "?2")'"A A"#

52 5' ((=5, & HH + '8 #5 + 5,' 51' &/O 6K(&% )*"""?")?B ##D"A"# ' ) '"#" "?) # <"?7A"#2" ',)8% " #)# <"" " "<"<"'%" E A?7 "<" '2" "/2"""C "<?7 <"/)'< (18% 1 1!1<"#7 )7'!#"": <"'"2'(&'- /,(,, '( )8 0&/,1'

53 5' ((=5, & HH + '8 #5 CONCESSIONÁRIAS ALL - Malha Sul "<"6< <)&2"!"#2":'('1< PROJETOS DE ELIMINAÇÃO DE GARGALOS VALOR ESTIMADO (R$ Milhões) Desvio Guarapuava - Ipiranga /PR (PPP e PNLT) 450,00 Contorno Ferroviário de Curitiba /PR 150,00 Duplicação da Serra do Mar (Variante Curitiba - Paranaguá/PR) 450,00 Remoção de invasões na faixa de dominio 30,00 Contorno Ferroviário de Jaraguá do Sul, Joinville (PNLT) e São Francisco do Sul (PAC e PNLT) 150,00 ALL - Malha Paulista ALL - Malha Norte ALL - Malha Oeste Eliminação de passagens em nível nos Pátios de Votuporanga, Caucaia, Americana, Bueno Andrade, Embuguaçu e Aldeinha(viadutos) 500,00 Sinalização de passagens em nível municipais, no Estado de São Paulo 20,00 Remoção de invasões na faixa de domínio no Estado de São Paulo 20,00 Duplicação do trecho Campinas(SP) - Evangelista de Souza (SP) 450,00 Duplicação do trecho Paratinga (SP) - Valongo (SP) 100,00 Duplicação do trecho Itirapina (SP) - Campinas (SP) 350,00 Duplicação do trecho Araraquara (SP) - Itirapina (SP) 250,00 Eliminação de passagens em nível com rodovias Federais e Estaduais em SP 200,00 Acesso ao Porto de Santos 29,00 Eliminação de passagens em nível com rodovias Federais e Estaduais 5,00 Recuperação de pontes Pantanal 350,00 Trem do pantanal 12,00 Contorno ferroviário Três Lagoas/MS 20,00 Implantação do Pólo Logístico de Campo Grande, junto ao novo contorno da cidade 50,00 Eliminação de passagens em nível com rodovias Federais e Estaduais 10,00 Remoção de invasões na faixa de domínio 20,00 '(%,$!+#:-&+J=)? & A#:-

54 5' ((=5, & HH + '8 #5 "<"6< <)&2"!"#2" :'('18< CONCESSIONÁRIAS PROJETOS DE ELIMINAÇÃO DE GARGALOS VALOR ESTIMADO (R$ Milhões) TLSA Recuperação do Trecho Linha Sul (Cabo/PE - Porto Real do Colégio/AL) 112,00 FCA FTC MRS Linha FCA na Bahia (Contorno Ferroviário de São Felix - Cachoeira/BA) (PAC) 150,00 Contorno de Vila Velha 99,00 Variante Camaçari - Aratu/BA (PAC e PNLT) 99,00 Linha FCA na Bahia (capacitação/recuperação de Brumado - Salvador) 400,00 Linha FCA na Bahia (capacitação/recuperação de Juazeiro - Aratu) 164,00 Ampliação do Ramal de Siderópolis - Treviso (12 km) 12,00 Construção de Viaduto/ trincheira em Criciúma /SC 18,00 Contorno Ferroviário em Tubarão/SC - Transferência das instalações para remoção de trilhos da cidade 8,00 Segregação das linhas de carga na Região Metropolitana de São Paulo 250,00 Ferroanel de São Paulo - Tramo Norte (PPP, PAC e PNLT) 1.200,00 Remoção de invasões na faixa de dominio (Rio de Janeiro, Guarujá e Belo Horizonte) 81,00 Solução de Interferências nos perímetros urbanos (Baixada Santista e Fluminense, Vale do Paraíba e regiões urbanas em MG) 300,00 Contorno Ferroviário de Juiz de Fora (MG) 400,00 Contorno Ferroviário de Santos Dumont (MG) 40,00 Total Geral de Investimentos Estimados 6.949,00 '(%,$!+#:-&+J=)? & A#:-

55 5' ((=5, & HH + 9)'8. $ # "! &' %! " # $ 9('8. &/ :;<! ( :J[< ' )'* 0 ") 0.. & 2 &* 0. 1> 0 W" R @4B?4BA 7B )(,)8 &/ 0&/ "<" "/")"( A#'0'( E1 ','( 1( ) 'B

56 5' ((=5, & HH + 9)'8. 5,8,'( + '(% &'"?:

57 5' ((=5, & HH + 9)'8. & ''(' & ( 1 &"?7 "*!"#,") ",):$

58 5' ((=5, & HH + '( "' "' ) (A ')<"')*")%?7 A"""=")<"E '"AD<" # % W1( "' "<"C 1"1 &'(5', '?7 ' "<"<"<" "<"#"' "?7 ' $"<"E &?B A"#2""C '$"/2"E <"A?' <"<")%?7 $ <" " $"<")' E $"3' 'A "<" "1 C >)%?7 D"C #A<""?7 "' "'

59 0 5' ((=5, & HH + '( >)%?7 #2" # 'F

60 5' ((=5, & HH + '( '( )(% 9) '(58 "5(, 1 &')?7 " '<"?7 ')*B ) "7 =")&") '(% #1F' "?: ' #8 )+#

61 5' ((=5, & H" + 6'( $" "'' L' 5F "/+&-L''5F "/+&- '*BE,61(& + '&&'( '& (,'5 &( % OB'/9<<)?7#)# <"?BA"#2" '<)?7 )'# '# / ) ( ) '= +

62 5' ((=5, & H" +,'5 " "=")62<"'') < ' (L (+&/ >O% #?""/)* "#7 "' &=:=,$C,"')%"<)?7 #'")C <9")%?7 1"$( <" "!/" )8 ) '&&'( (,'*5,% &'/#)"# '/ $"' $) A"'?7,, '((1-,L,,. ) 5' & +

63 5' ((=5, & H" +#'(!"'?7 <"A<" "" ' <"'7 /" <)% 2"A"#2"+C&") " $"2AC$(3 1)("C?7 4C?7 4BC<" $"?7-E #?B)5<"#'1' ' )0 )0'C )7"))" 08 (=,', (=, C )/(, 0&/C,, '((1- ''E!?7H'&/"):MC >&:MC 1:;C &1H:>!;C 1,C &1!1$1:MC &11!1

64 5' ((=5, & H" +#'( '&('(,),(8 ) 1 H#)#' 1 )8 (=,', H :H'& 8 1<D '&('( F?.- ' "#7 )C 8 74 '&('(,','/ 0&/ E10,8 8++6% '&('( #&' E10, :( (<% E')*B E')*B '(%,$! '(% (" $"/)*1'<"+&H1!$-

65 5' ((=5, & H" + 51'(8 <"A?' ")?7<")# &" / '")/"" "/"?B <"#)#, 9 1(% ")?7 <"/#?B<"2 7 % * <" # C E16 ( 65-% &'<"' /"?B M#"")#9#B AF <# "</) >7:1F!! 16,8 ' ),0, )% 5 &D )( ",(&C' &&C,( ('(&4 &6 ' '% H"' '&('( 8 <"'G %"2&2",2"51'(8 #' 2" /"#"# 0'8 5 ) '&8 ',-4

66 5' ((=5, & H" + '(,1( '&'(' 9('( ""?7 " $"<"E " '4\ 477 O>O &"?7 5"7E &)*,) "?7 ) $"<"&,$ 5L',,' ')( ( + D,) $"<"#2",$O )('(,' '0+(1(1 ')( +,( '4\ B47 7OO )?7,$$,( '4\ B4? 7OO )?7 H,$,( '4\ OOA )'#"?!!,( '4\ >4 )?7 &,$ #)%?7 "!"#2"E &* '4 77 " '] 7OOA 1F?7!!)" <# :

67 5' ((=5, & H" + '(,1( '&'(' 9('( ) " $"<"!"#2"E + 5L',,' ')( (% <2#)<)")?7A)%?7 " BA"#2"/"' ')*A ") : "/?7<A '""E &" A)% F?7C &" " ' /<" + &/ 44 +(:: -% &" " "&2"!!

68 5' ((=5, & H" + '(,1( '&'(' 9('( 9('8 &/ 44 ++" '4 H<B/""#)%?7 "A"#2")" <# A <"" :: E ^H'8 1,/ 9('( ' ( K1, " < " C 6' *& 9('( 0, ('0 ) < "0 _ H<)/"'<D?B #)# <" #"? "/"?B F!!C $ (& )& 0 1 ) "A"D )" / '"?7 "' "<"# <" "<R/)!!!"!"

69 5' ((=5, & H" + 51' ' E1(8 51' )- 0&/ ',)'. 1,(& (^'(% 5 F#9A"#C &'<*,)1 ) "?6 '(= '(= M#"! ") #'( '(5 '(-,5% ""#"<"'G<R/) A"#C 1#"#B AF 'C <"'""'C "/?7 < " <)9)!"#2",) (18 0(1 ' '28 Q 6 1 )'6D 1,' E1(8 '&- ' 09 ' ' 9, 4

70 5' ((=5, & H" + 51' )'. 51' 1,,'% )"')=)%<"5F'9)*A(" )'. 2 ) ',(& & B> B 7AB 7BA?A G ('5 )'. 1,,' 51' :.-< 4A 4?? > +? A.- '(%,$! 0 :K8 < '(%,$! 0 :K8 <

71 5' ((=5, & H" + 51' ""7 "? <"?BA"#2"&'<*1 # $"3 5 9('& C & &'<*,)1 ) "?6 '(= '(= M#"! ") *5 ^'( :" ']?47O?A<!"" #! % &"'( # $%& ' (&)) *!!!"!+,""!#!, #$-$#$$!$" $" $"$#!!! "

72 5' ((=5, & +H! + 61(8 "< '$"/2"<"#9 "%?7'<)?7 1""!"#2"1$E "M#"! ")'<)"' #) 9) E (1 28 '&('( ' '28 )8 0& 6 % 4 '" " " '<" <)&2"!"#2"<")%?7 E '< '<"?7 &!, &,<"?7 "#? "<"A"#2" ' "' <" EO _?I & ) ( AF?I 1?I #" 4

73 5' ((=5, & +H! + ', '(0,8 K( '&&'( &,'5',',' '(','# "3'/ <" <"'"' A" " " '<" ' #" R" A"#2" ) ' )(- ' / '8,)((&% )A?7 " ' ^<?_<"^A"<?_C #)?7 ) '<"?7 ) &(28 '1( &/,'D '( 1 )18 ',' 0(,)((& 09&% O) "? "%

74 5' ((=5, & +H! + )((& =A "?7"' )E H'?7 "<")6(' 1(28 &/ (')( = )&(, 1 ' 1,'(9(C ' AD <" # ')C )*"AD A""" "<"FC )&('( '&('( )G6, )& ' '0(1(1D )*"?B " B ' "C ')( )( )(, '( ) ')*6 &2"!"#2"#D' ),,,'( 1( ) # / '" ' & 554

75 5' ((=5, & +H! + )((& =A "?7"' )E H'?7 "<")6(' 1(28 &/ (')( = )&(, 1 ' 1,'(9(C ' AD <" # ')C )*"AD A""" "<" FC <"#' #'<R/) <"# A"""C )*"?B " /''"?7 ' "C $"<"<"<"

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - 2010 Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 22 de Fevereiro de 2011 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS - Coletiva de Imprensa ANTF - Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários

Leia mais

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO

ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO ENTRAVES NO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO 1 INTRODUÇÃO A ANTF Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários congrega oito empresas Concessionárias prestadoras dos serviços públicos de transporte

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões Miguel Andrade Comitê de Planejamento da ANTF São Paulo, 12 de maio de 2011 TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL: Avanços e investimentos pós-concessões www.antf.org.br Associadas ANTF Malhas Sul,

Leia mais

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo

O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo O Círculo Vicioso da Instabilidade Política e a Necessidade de Planejamento Estratégico de Longo Prazo Figura importada dos relatórios do PPIAF - Public Private Infrastructure Advisory Facility (http://www.ppiaf.org/)

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA:

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA: Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 08 de julho de 2008. TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA: Inovação Tecnológica e a Importância da Infra-Estrutura Câmara dos Deputados: Seminário Propostas

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS DE 2011

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS DE 2011 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Brasília, 17 de maio de 2012 Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS DE 2011 Associação

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO. IV Brasil nos Trilhos. Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO. IV Brasil nos Trilhos. Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO IV Brasil nos Trilhos Maurício Muniz Brasília, 11/08/2010 FERROVIAS INVESTIMENTOS DA UNIÃO 2000-2010* (RAP + Pago) R$ milhões 2.500 904 998 125 133 112 57 133 279

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA NO BRASIL: Transporte Ferroviário de Carga

INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA NO BRASIL: Transporte Ferroviário de Carga Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 26 de novembro de 2008. INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA NO BRASIL: Transporte Ferroviário de Carga Senado Federal: I Simpósio Infra-Estrutura e Logística

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO CONTEXTO DA INTERMODALIDADE

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO CONTEXTO DA INTERMODALIDADE Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Uberlândia, 3 de março de 2008. O TRANSPORTE FERROVIÁRIO NO CONTEXTO DA INTERMODALIDADE Fórum Excelência Brasil Central Associadas da ANTF Malhas da ALL, Ferroban,

Leia mais

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011

Pesquisa CNT de Ferrovias 2011 Cresce o transporte de cargas nas ferrovias brasileiras As ferrovias brasileiras se consolidaram como uma alternativa eficiente e segura para o transporte de cargas. A, que traçou um panorama do transporte

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos

IV Brasil nos Trilhos IV Brasil nos Trilhos Crescimento do Setor Ferroviá Bruno Batista Diretor Executivo CNT Brasília, 11 de agosto de 2010. Objetivos da Pesquisa Identificar as alterações ocorridas no setor nos últimos anos

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO. Superestrutura de Ferrovias Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 259 Aula 3 SISTEMA FERROVIÁRIO BRASILEIRO Malha Ferroviária Brasileira Transporte Ferroviário O sistema ferroviário brasileiro totaliza 29.706

Leia mais

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006

PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 PESQUISA FERROVIÁRIA CNT 2006 1. Introdução 2. Sistema Ferroviário no Brasil 3. Avaliação dos Principais Corredores Ferroviários 4. Avaliação do Nível de Serviço 5. Conclusões Objetivos Identificar as

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013

Infraestrutura e Logística do Brasil. Bahia. Situação atual e perspectivas futuras. Ministério dos Transportes. Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Infraestrutura e Logística do Brasil Bahia Situação atual e perspectivas futuras Salvador/BA, 20 de maio de 2013 Ministério dos Transportes Dimensão dos Transportes no Brasil/Bahia Malha Rodoviária Federal

Leia mais

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE NOVEMBRO/2011 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS FERROVIA km ALL - Malha Oeste (ex - NOVOESTE) 1.945 Ferrovia Centro-Atlântica S.A. - FCA 8.066 MRS Logística

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012

BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 BALANÇO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL DE 2012 Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 03 de Abril de 2013 Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia

Leia mais

REGULAÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL

REGULAÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL Ellen Capistrano Martins Assessora Técnica da ANTF São José dos Campos, 18 de Outubro de 2011 REGULAÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGA NO BRASIL Colóquio de Engenharia Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

O RUMO E OS NÚMEROS DO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO

O RUMO E OS NÚMEROS DO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 22 de março de 2011 O RUMO E OS NÚMEROS DO SETOR DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO MAPA: 12ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Soja www.antf.org.br

Leia mais

MATRIZ DE TRANSPORTE COM FOCO NAS FERROVIAS

MATRIZ DE TRANSPORTE COM FOCO NAS FERROVIAS MATRIZ DE TRANSPORTE COM FOCO NAS FERROVIAS Matriz de Transportes do Brasil Aquaviário Rodoviário Ferroviário Dutoviário e Aéreo 58% 25% 4% 13% Fonte: PNLT Matriz de Transportes Comparada Ferroviário Rodoviário

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Logística e Desenvolvimento Econômico

Logística e Desenvolvimento Econômico Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura Logística eficiente Modicidade tarifária Programa de Aceleração

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres

Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Seminário: Terminais, Ferrovias e Contêineres Secretaria dos Transportes do Estado de São Paulo SECRETARIA DOS TRANSPORTES O Foco da questão: Terminais, Ferrovias e Contêineres Centra-se no intermodalismo,

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

Nos trilhos do progresso

Nos trilhos do progresso Nos trilhos do progresso brasil: polo internacional de investimentos e negócios. Um gigante. O quinto maior país do mundo em extensão e população e o maior da América Latina, onde se destaca como a economia

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

PERSPECTIVAS DO SETOR FERROVIÁRIO DE CARGAS

PERSPECTIVAS DO SETOR FERROVIÁRIO DE CARGAS Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF São Paulo, 19 de Agosto de 2011 PERSPECTIVAS DO SETOR FERROVIÁRIO DE CARGAS PAINEL V: SISTEMAS DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA DE COMERCIO EXTERIOR - GARGALOS E SOLUÇÕES

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística

Programa de Investimentos em Logística Programa de Investimentos em Logística Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos

Leia mais

INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA

INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo ANTF São Paulo, 06 de Novembro de 2010 INFRAESTRUTURA FERROVIÁRIA BRASILEIRA Perspectivas Logísticas, Competitividade e Sustentabilidade IV Encontro de Logística Mackenzie

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista www.all-logistica.com Ferrovia Norte Sul

Leia mais

DECONCIC GRUPO DE TRABALHO RESPONSABILIDADE COM O INVESTIMENTO

DECONCIC GRUPO DE TRABALHO RESPONSABILIDADE COM O INVESTIMENTO DECONCIC GRUPO DE TRABALHO RESPONSABILIDADE COM O INVESTIMENTO Soluções para interferências na execução de obras ferroviárias Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 7 de julho de 2014 ABIFER,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Engenharia, Construções e Ferrovias S.A. FERROVIA NORTE SUL TRAMO SUL ESTUDOS OPERACIONAIS Revisão Dezembro 2008 Volume 1 Texto PROJETO OPERACIONAL DA FERROVIA NORTESUL TRAMO

Leia mais

TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL:

TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL: Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF Brasília, 1 de outubro de 2008. TRANSPORTE PARA O COMÉRCIO E A INTEGRAÇÃO REGIONAL: Setor Ferroviário de Cargas Seminário CNI e BID Associadas da ANTF Malhas da

Leia mais

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA

PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA INSTITUTO BESC PAINEL 2015 LUIS HENRIQUE T. BALDEZ Presidente Executivo BRASÍLIA, 07/10/2015 A INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA ESQUEMA DE ANÁLISE RODOVIAS

Leia mais

O dilema da manifestação de interesse

O dilema da manifestação de interesse ANO II n o 7 setembro 2007 O dilema da manifestação de interesse Pontos principais: 1) Após 44 meses, os 22 projetos da I Carteira de Projetos de Infra-estrutura de PPP do governo federal tiveram destinos

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA Palestra Logística Ferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar o crescimento

Leia mais

ANTT Panorama, desafios e projetos

ANTT Panorama, desafios e projetos ANTT Panorama, desafios e projetos Competências legais Em que atua a ANTT? Exploração da infraestrutura ferroviária Transporte ferroviário de cargas e passageiros Transporte rodoviário interestadual e

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

Ferrovias em expansão

Ferrovias em expansão Ferrovias em expansão Brasil pode ter acréscimo de 8.040 quilômetros de ferrovias. Atualmente, 4.849 km estão em obras O o transporte de carga e oito para passageiros. conta com mais 19 projetos no papel

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia. Ferroviária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP

Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia. Ferroviária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP Projeto 010 : Construção de contorno ferroviário de Tutóia E6 Ferroviária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Araraquara - SP INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Reúnion del Grupo de Trabajo sobre Integración Ferroviaria Suramericana

Reúnion del Grupo de Trabajo sobre Integración Ferroviaria Suramericana Reúnion del Grupo de Trabajo sobre Integración Ferroviaria Suramericana UNASUL / COSIPLAN Montevideo 21 de mayo de 2014 Ministério dos Transportes As ferrovias na reforma do estado brasileiro PROGRAMA

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS NO BRASIL As Concessionárias do Transporte Ferroviário de Carga Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Brasília, 31 de Julho de 2013. Malhas Sul, Oeste, Norte e Paulista

Leia mais

PLANO DE INVESTIMENTOS. Abril 2015

PLANO DE INVESTIMENTOS. Abril 2015 PLANO DE INVESTIMENTOS Abril 2015 Disclaimer 2 Esta apresentação contém estimativas e declarações sobre operações futuras a respeito de nossa estratégia e oportunidades de crescimento futuro. Essas informações

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE FERROVIÁRIO OUTUBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS O transporte ferroviário responde por 20,7% do transporte de cargas no Brasil e por 0,5% do transporte

Leia mais

Visão Geral do Programa de Portos

Visão Geral do Programa de Portos Visão Geral do Programa de Portos São Paulo, 3 de setembro de 2013 O que é a EBP? Aporte de capital em partes iguais Um voto cada no Conselho Desenvolvimento de projetos de infraestrutura: Em parceria

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária

Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Seminário Empresarial Brasil-China Investimentos em Infraestrutura Ferroviária Francisco Luiz Baptista da Costa Brasília, 16.07.2014 Ferrovias Expansão da Malha Santarém Barcarena Miritituba Pecém Açailândia

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade

Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga Revisão das Tarifas Ferroviárias Uma Realidade EXPOSIÇÃO NA CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Luis Henrique Teixeira

Leia mais

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011

Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Balanço do Transporte Ferroviário de Cargas 1997 2011 Resultados positivos dos quinze anos de concessões ferroviárias comprovam a importância das ferrovias para o desenvolvimento do País Crescimento de

Leia mais

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury

Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados. Setembro 2011 Paulo Fleury Infraestrutura: situação atual e investimentos t planejados Setembro 2011 Paulo Fleury Agenda Infraestrutura Logística Brasileira PAC: Investimentos e Desempenho PAC: Investimentos e Desempenho Necessidade

Leia mais

Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF

Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Rodrigo Vilaça Presidente-Executivo da ANTF Belo Horizonte, 16 de Outubro de 2012 I PAINEL METROFERROVIÁRIO O O O TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários www.antf.org.br

Leia mais

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS

O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS O NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS REGULAÇÃO DO OPERADOR FERROVIÁRIO INDEPENDENTE (OFI) EXPOSIÇÃO NA CTLOG / MAPA BRASÍLIA, 07 DE MAIO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS

Leia mais

Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução?

Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução? Tráfego de Carga e Passageiros na Malha Ferroviária da RMSP. Tem Solução? Secretaria dos Transportes Planejamento de Transportes SECRETARIA DOS TRANSPORTES set/2008 Tráfego de Carga e Passageiros na Malha

Leia mais

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1.

Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. Extensão de 1. Originalmente projetada para se constituir no principal vetor de desenvolvimento dos Estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. PORTO DE ITAQUI/MA AÇAILÂNDIA/MA Extensão de 1.550 km; Açailândia/MA Goiânia/GO;

Leia mais

Carta de Infraestrutura

Carta de Infraestrutura Ferrovia Norte-Sul. Ministério dos Transportes, 2012; divulgação. 28 de fevereiro de Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios Ano I, n. 2 Ferrovia Norte-Sul. Ministério dos

Leia mais

II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO

II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO II - INFRA-ESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO aceleração do desenvolvimento sustentável no Brasil. Dessa forma, o país poderá superar os gargalos da economia e estimular o aumento da produtividade e a diminuição

Leia mais

1 Súmula Empresarial. Consultoria. Tempo de Atuação: 18 anos

1 Súmula Empresarial. Consultoria. Tempo de Atuação: 18 anos Logística de Transportes e Gestão de Ativos Consultoria, Engenharia e Soluções de TI PERFIL EMPRESARIAL 1 Súmula Empresarial Tempo de Atuação: 18 anos Sede: : Rua da Quitanda, 52 sala 601 Centro Rio de

Leia mais

A Ferrovia Centro Atlântica no Estado da Bahia 06/12/2010

A Ferrovia Centro Atlântica no Estado da Bahia 06/12/2010 A Ferrovia Centro Atlântica no Estado da Bahia 06/12/2010 Agenda Ferrovia Centro-Atlântica Visão Geral da FCA FCA na Bahia: - Transporte - Estações de Alagoinhas - Imóveis e áreas em Juazeiro - Iniciativas

Leia mais

Categoria: Construção de Ferrovia

Categoria: Construção de Ferrovia Projeto 015 : Construção do contorno ferroviário de São Francisco do Sul E2 Ferroviária LOCALIZAÇÃO: São Francisco do Sul - SC INTERVENÇÃO: Construção Categoria: Construção de Ferrovia EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME:

Leia mais

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Serviços de Transporte de Cargas SUCAR Gerência de Transporte Ferroviário de Cargas - GEFER EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Brasília, agosto de 2012 Apresentação A Agência Nacional

Leia mais

64º Fórum de Debates Brasilianas Logística e Integração Territorial no Brasil

64º Fórum de Debates Brasilianas Logística e Integração Territorial no Brasil Prioridades do Ministério dos Transportes para 2015 64º Fórum de Debates Brasilianas Logística e Integração Territorial no Brasil Os Avanços e Desafios da Infraestrutura Logística no Brasil Roberto Menezes

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL Impactos causados por gargalos e desbalanceamento da Matriz de Transportes Custo de Logística: Resultado: Agricultura e Mineração:

SITUAÇÃO ATUAL Impactos causados por gargalos e desbalanceamento da Matriz de Transportes Custo de Logística: Resultado: Agricultura e Mineração: Reunião do Conselho Superior de Infraestrutura FIESP O PROGRAMA DE CONCESSÕES São Paulo, 12 de Setembro de 2013 SITUAÇÃO ATUAL Impactos causados por gargalos e desbalanceamento da Matriz de Transportes

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL

PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL GEIPOT Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes PROJETOS DE TRANSPORTES NO BRASIL Eixo Mercosul Chile Eixo Brasil Paraguai Bolívia Peru - Chile IIRSA Integração da Infra-estrutura Regional na

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos 7º Encontro de Logística e Transporte FIESP maio/2012 Conrado Grava de Souza Conselheiro ANPTrilhos Apoio: ANPTrilhos Objetivo

Leia mais

Eduardo Parente. Benony Schmitz Presidente Ferrovia Tereza Cristina S.A. Marcello Spinelli Presidente Ferrovia Centro-Atlântica

Eduardo Parente. Benony Schmitz Presidente Ferrovia Tereza Cristina S.A. Marcello Spinelli Presidente Ferrovia Centro-Atlântica A movimentação dos trens sinaliza avanços e desafios na economia do País. A ANTF, Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários, ciente da responsabilidade das suas associadas neste momento decisivo

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos

Leia mais

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na

Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na Objetivo 3.2. Melhorar a infra-estrutura de transporte e logística do Estado. As prioridades estaduais, segundo a visão da indústria, estão na ampliação do número de terminais portuários, rodovias, ferrovias

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA

FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA FÓRUM DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA 5ª REUNIÃO PLENÁRIA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES (28/10/2015) APRESENTAÇÃO DAS ANÁLISES E PROPOSTAS DO GT3 ESTRUTURA DO GRUPO DE TRABALHO 3 (GT3) OBJETIVO: Formular

Leia mais

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS

MRS Logística. Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio. Famasul SENAR. Claudenildo dos Santos Chaves. 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS MRS Logística Seminário Logística, Infraestrutura e Agronegócio Famasul SENAR Claudenildo dos Santos Chaves 20 de julho de 2012 Campo Grande - MS A MRS e sua malha 2 2 MRS Uma Visão Geral Alguns fatos

Leia mais

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009

O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil. Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 O sistema de Transporte Hidroviário no Brasil Seminário Internacional sobre Hidrovias - Antaq Brasília, 4 de março de 2009 Hidrovia Paraná-Paraguai PAC FERROVIAS, HIDROVIAS E MARINHA MERCANTE Terminais

Leia mais

SUBSÍDIO EXPEDITO SOBRE A FERROVIA LESTE - OESTE MARACAJÚ (MS) MAFRA(SC) e PORTOS SC e PR

SUBSÍDIO EXPEDITO SOBRE A FERROVIA LESTE - OESTE MARACAJÚ (MS) MAFRA(SC) e PORTOS SC e PR SUBSÍDIO EXPEDITO SOBRE A FERROVIA LESTE - OESTE MARACAJÚ (MS) MAFRA(SC) e PORTOS SC e PR Realização: Apoio: Execução: Fl. 1 Apresentação Este estudo é uma iniciativa da FIESC, que conta com o apoio do

Leia mais

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO

CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO CORREDOR MULTIMODAL DO SÃO FRANCISCO SUMÁRIO DO PROJETO Contexto geral do projeto: potencias benefícios Eixo de integração e desenvolvimento regional Corredor facilitador do comércio interno: produção

Leia mais

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA

INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA INVESTIMENTOS PAC E PIL BAHIA 1 PAC NA BAHIA R$ 49,4 bilhões entre 2015-2018 Eixo R$ bilhões Transportes 5,8 Energia 30,1 Cidade Melhor 9,4 Comunidade Cidadã 0,9 Urbanização* 0,8 Água e Luz para Todos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS

CONSELHO NACIONAL DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS CONSELHO NACIONAL DE USUÁRIOS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO DE CARGAS UMA PROPOSTA José Ribamar Miranda Dias Vice Presidente da ANUT ANTT Brasília / DF 27/11/2009 PRESSUPOSTO I Lei 8.987 de 13/02/1995, que

Leia mais

MRS Logística S.A. 180

MRS Logística S.A. 180 MRS Logística S.A. 180 11 MRS - MRS LOGÍSTICA S.A. 11.1 Informações Gerais da Ferrovia A MRS Logística S.A. obteve a concessão da Malha Sudeste, pertencente à Rede Ferroviária Federal S.A., no leilão realizado

Leia mais

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG

Agenda. A Vale Logística da Vale. Números Corredores Logísticos. Novos Corredores. FNS Noroeste de MG Agenda A Vale Logística da Vale Números Corredores Logísticos Novos Corredores FNS Noroeste de MG A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais de 500 comunidades ao

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE FERROVIÁRIO Superintendência de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Cargas SUFER Gerência de Regulação e Outorga de Infraestrutura e Serviços de Transporte Ferroviário de Carga - GEROF EVOLUÇÃO

Leia mais

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba

Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba Sincromodalidade destaque da saída por Miritituba TRANS 2015 VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA Iana Araújo Rodrigues Setembro 2015 Agenda Conceitos

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

A infraestrutura de transporte ferroviário como fator de desenvolvimento Marcus Quintella, D.Sc.

A infraestrutura de transporte ferroviário como fator de desenvolvimento Marcus Quintella, D.Sc. A infraestrutura de transporte ferroviário como fator de desenvolvimento Marcus Quintella, D.Sc. Consultor em transportes da FGV Projetos Professor e Coordenador Acadêmico da FGV Management Marcus.Quintella@fgv.br

Leia mais

CLIPPING EVENTO DO DIA 26/11 COM PRESIDENTE DA EPL

CLIPPING EVENTO DO DIA 26/11 COM PRESIDENTE DA EPL CLIPPING EVENTO DO DIA 26/11 COM PRESIDENTE DA EPL 27/11/2012 27/11/2012 27/11/2012 Meta da EPL é que Trem de Alta Velocidade Rio-São Paulo opere em 2018 Em palestra na Amcham Rio, o presidente da EPL,

Leia mais

Infraestrutura, Segurança e PPPs

Infraestrutura, Segurança e PPPs www.pwc.com Infraestrutura, Segurança e PPPs Dezembro, 2011 Agenda - Características de uma PPP - Alguns Projetos de PPP no Brasil - Exemplos de PPP em Infraestrutura e Segurança 2 Características de uma

Leia mais

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte

Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Processo Brasileiro de Privatização dos Modais de Transporte Prof. Manoel de Andrade e Silva Reis - FGV 1 Sumário Matriz Brasileira de Transportes Características do Sistema Logístico Brasileiro O Plano

Leia mais

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Bernardo Figueiredo Julho/2013 TRENS DE ALTA VELOCIDADE Segurança: Trem de Alta Velocidade é mais seguro. AVIÃO Número de mortes por bilhão de passageiro/km RODOVIA

Leia mais

Contrato de Concessão de Colaboração Financeira Não Reembolsável nº. 09.2.0408.1 firmado entre o BNDES e as empresas citadas abaixo:

Contrato de Concessão de Colaboração Financeira Não Reembolsável nº. 09.2.0408.1 firmado entre o BNDES e as empresas citadas abaixo: 1 Este trabalho foi realizado com recursos do Fundo de Estruturação de Projetos do BNDES (FEP), no âmbito da Chamada Pública BNDES/FEP nº 02/2008. Disponível em http://www.bndes.gov.br PESQUISAS E ESTUDOS

Leia mais

Nº 6. Considerações sobre os marcos regulatórios do setor ferroviário brasileiro 1997-2012

Nº 6. Considerações sobre os marcos regulatórios do setor ferroviário brasileiro 1997-2012 Considerações sobre os marcos regulatórios do setor ferroviário brasileiro 1997-2012 Fabiano M. Pompermayer Carlos A. S. Campos Neto Rodrigo Abdala F. Sousa Nº 6 Brasília, dezembro de 2012 Considerações

Leia mais

Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística

Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística ESTUDOS E PESQUISAS Nº 636 Concessões de Infraestrutura Logística no Brasil: a segunda fase do Programa de Investimento em Logística Maurício Muniz, Ian Guerriero e Renato Rosenberg * Fórum Nacional (Sessão

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013

OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013 OBRAS DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES ESTRATÉGICAS PARA A INDÚSTRIA DA REGIÃO SUL SUGESTÕES AO PLO 2013 Índice 3 Paraná 3 Infraestrutura de Transportes Modal Rodoviário 6 Infraestrutura de Transportes

Leia mais