ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA PROF. DR. IVO DANTAS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA PROF. DR. IVO DANTAS 1"

Transcrição

1 ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA PROF. DR. IVO DANTAS 1 CONSULTA Consulta-me a ANPAF ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROCURADORES FEDERAIS sobre a sua legitimação para propor Ação Direta de Inconstitucionalidade junto ao SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, em especial quanto à Pertinência Temática na ADI 5017, protocolada em 17/07/2013, visando declaração de Inconstitucionalidade da Emenda Constitucional n. 73/13 que cria mais quatro Tribunais Regionais Federais. 1 Professor Titular da Faculdade de Direito do Recife - UFPE. Doutor em Direito Constitucional - UFMG. Livre Docente em Direito Constitucional - UERJ. Livre Docente em Teoria do Estado - UFPE. Membro da Academia Brasileira de Letras Jurídicas. Membro da Academia Brasileira de Ciências Morais e Políticas. Presidente do Instituto Pernambucano de Direito Comparado. Membro da Comissão para elaboração do Código Brasileiro de Processo Constitucional, designado pelo Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Conselho Federal, através da Portaria n. 445/2013. Presidente da Comissão de Estudos Constitucionais, OAB Pernambuco. Presidente da Academia Pernambucana de Ciências Morais e Políticas. Miembro del Instituto IberoAmericano de Derecho Constitucional México). Miembro del Consejo Asesor del Anuario IberoAmericano de Justicia Constitucional, Centro de Estudios Políticos y Constitucionales (CEPC), Madrid. Ex- Diretor da Faculdade de Direito do Recife UFPE. Membro da Academia Pernambucana de Letras Jurídicas. Fundador da Associação Brasileira dos Constitucionalistas Democráticos. Membro Efetivo do Instituto dos Advogados de Pernambuco. Membro do Instituto Pimenta Bueno - Associação Brasileira dos Constitucionalistas. Ex-Professor Orientador Visitante do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, conforme aprovação do Colegiado, em 31 de maio de Ex-Professor do Curso de Mestrado em Direito da Universidade da Amazônia, UNAMA, Belém do Pará. Juiz Federal do Trabalho - (aposentado). Advogado e Parecerista.

2 SUMÁRIO 1. As circunstâncias e o conteúdo ideológico da Constituição de A Supremacia e a Supralegalidade Constitucionais. p A amplitude e o sentido dados à legitimação para propositura do controle concentrado: do Procurador Geral da República ao art. 103 da CF. p O entendimento da expressão entidade de classe de âmbito nacional (CF art. 103, IX). p A ANPAF e a questão da pertinência temática e o objeto da ADIN. p CONCLUSÃO p. 28 2

3 PARECER 1. As circunstâncias e o conteúdo ideológico da Constituição de A Supremacia e a Supralegalidade Constitucionais. No itinerário percorrido pelos diversos textos constitucionais, nenhum outro se mostrou mais valorizador da Democracia e da República, do que a Constituição de 5 de outubro de Neste sentido, é um texto que valoriza a atividade do Supremo Tribunal Federal ao qual compete, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe (I) processar e julgar originariamente (a) a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual e a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal. Neste sentido, o atual texto constitucional marcha de acordo com todo o constitucionalismo ocidental, ou seja, (a) valoriza a Constituição e o Controle de Inconstitucionalidade como pilar essencial da Democracia contemporânea, e (b) mostra uma coerência invejável entre o seu Preâmbulo, seus Títulos I e II (e capítulos) e a enumeração de suas Cláusulas Pétreas, expressão que entre nós se fez presente na Doutrina nacional após aquele ano, muito embora, pessoalmente, prefiramos aquela outra antes adotada, ou seja, Limites Materiais e Formais ao Poder de Reforma Preferimos esta expressão, e não outras como Poder Constituinte Derivado, Poder Constituinte de Segundo Grau ou outras, por entendermos que o Poder

4 Na Constituição de 1988 seu texto, sem exceção alguma, e em sua integralidade, está marcado pela característica da Supremacia, em favor da qual, o constituinte criou os instrumentos necessários à Defesa de sua Supralegalidade. Dizendo melhor: se a matéria constasse da Constituição por opção do constituinte ou do poder de reforma (via emenda ou revisão 4 ) de nada adiantaria, se qualquer espécie de norma viesse alterá-la para lhe tirar o destaque de que é portadora. É aí que surge o conceito de Supralegalidade, ou seja, conjunto de procedimentos que poderão ser acionados em defesa do conteúdo constitucional marcado pela Supremacia. São os meios e/ou processos de Controle da Constitucionalidade. Neste sentido, demos um exemplo: de nada significaria ou valeria o comportamento do constituinte, ao estabelecer a estrutura da Constituição, fazendo nela constatar o Título I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS se estes não tivessem um arsenal de instrumentos que defendesse o conteúdo do seu art. 1º, deixando-o à mercê da vontade dos governantes de cada período: A República federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e como fundamentos: I a soberania; II a cidadania; III a dignidade da pessoa humana; IV os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V o pluralismo político. Parágrafo único: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. 4 Constituinte só pode ser corretamente entendimento como aquele que constitui e como tal é inicial, prévio a qualquer sistema jurídico positivo. Neste sentido o ordenamento não lhe opõe nenhum limite, salvo os naturais. O Poder de Reforma, ao contrário, é limitado pelo sistema, existe nele, e só existe porque o Poder Constituinte assim o permitiu, pois que poderia o texto que o prevê, não o ter feito, supondo a possibilidade de Constituição Eterna. Mencionamos este aspecto porque será ele utilizado mais adiante. 3 Pois bem, este conteúdo se explica pelo período que lhe antecedeu, ou seja, pelo período militar e sua Constituição de 1967 e a Emenda 1/69, expressões com as quais não concordamos e por isto as juntamos para utilizar a expressão Texto 67/69, cuja natureza, ao nosso sentir, não passou de um Pacto Constitucional. 4 Utilizamos as duas expresses, adiantando, entretanto, que a Revisão Constitucional no Brasil, foi prevista pela CF/88 para que ocorresse uma única vez, como de fato ocorreu ( ). Qualquer tentativa em sentido contrário é Golpe contra a Constituição.

5 Vale observar que e foi de propósito o exemplo trazido este conteúdo encontra-se transcrito, de forma telegráfica, no art. 60 4º, incisos I a IV nos seguintes termos: 4º Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir: I a forma federativa de estado; II o voto direto, secreto, universal e periódico; III - a separação dos Poderes; IV os direitos e garantias individuais. Por outro lado, quando a Constituição aponta os procedimentos pelos quais poderá ser defendida toda vez que qualquer lei ou ato, parta do Legislativo, do Executivo ou do próprio Judiciário, desejar atingi-la, não poderão ditos comandos ser ampliados salvo pelo Poder de Reforma como, p. ex. a EC 3/93 nem ter interpretação restritiva, devendo esta ser praticada nos exatos limites da própria determinação constitucional. Voltaremos a este ponto mais adiante. 2. A amplitude e o sentido dados à legitimação para propositura do controle concentrado: do Procurador Geral da República ao art. 103 da CF. 5 O tema do Controle de Constitucionalidade, em qualquer sistema de Constituição Rígida, é, como já o dissemos, um dos pilares do sistema jurídico, sendo tal sua importância, que autores já se referem a uma troisième vague como sendo o estágio atual em que se encontram os diversos modelos de controle 5, visto que a Primeira Onda corresponderia ao período posterior a Iª Grande Guerra Mundial, com o controle concentrado consagrado pelas Constituições de Weimar e da Áustria, enquanto a Segunda Onda se deu após a IIª Grande Guerra, com os textos constitucionais da Itália, Japão e Alemanha Ocidental. 5 LOUIS FAVOREU, Europe Occidentale, in LOUIS FAVOREU et JOHN-ANTHONY JOLOWICZ, Le Controle Juridictionnel des Lois. Légitimité, effectivité et développements récents. Paris: Economica, 1986, p. 19.

6 No caso do Brasil, com a aprovação e vigência da Constituição Federal de o Controle de Constitucionalidade sofreu inúmeras inovações, todas elas no sentido de uma maior possibilidade de defesa do texto da Lei Maior. Neste sentido, no modelo de controle concentrado, é de se destacar algumas inovações trazidas ao sistema jurídico brasileiro pela EC 45/2004 (Reforma do Judiciário), a qual já fora precedida pela aprovação da Lei n ( ), que dispõe sobre o processo e julgamento da ação direta de inconstitucionalidade e da ação declaratória de constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal. No mesmo sentido, mencione-se ainda a Lei n ( ), que dispõe sobre o processo e julgamento da arguição de descumprimento de preceito fundamental, nos termos do 1º do art. 102 da Constituição Federal. No modelo de controle difuso, por outro lado, o instituto do recurso extraordinário, único veículo de, no caso concreto chegar-se ao pronunciamento do STF sobre a matéria constitucional, igualmente foi alcançado pela já citada EC 45, de que lhe introduziu várias inovações, dentre as quais, a necessidade de que o recorrente demonstre a repercussão geral das questões constitucionais discutidas no caso. 6 Apesar de todas as considerações que fizemos em diversos estudos, vale que transcrevamos a lição de HUMBERTO THEODORO JUNIOR 7 ao tratar do tema no item Relevância da questão federal (CF de 1967 EC 6 nº 1, de e EC nº 7, de ) e repercussão geral da questão constitucional (CF 1988 EC nº 45, de ), quando afirma: a Constituição revogada permitia ao Supremo Tribunal Federal criar limitações regimentais ao cabimento do recurso extraordinário, nos casos de negativa de vigência de lei federal e de divergência interpretativa entre tribunais (art. 199, 1º). A atual Constituição, em seu texto primitivo, deixou de outorgar semelhante poder tanto 6 Veja-se IVO DANTAS, Novo Processo Constitucional Brasileiro. Curitiba: Juruá Editora, 2010, cap. IV. 7 Curso de Direito Processual Civil Teoria Geral do Direito Processual Civil e Processo de Conhecimento vol. I atualizado de acordo com a Emenda Constitucional nº 45, de e a Lei nº , de Lei de Falência (43ª edição, Rio de Janeiro: Editora Forense, 2005, p Negrito no original.

7 para o Supremo Tribunal Federal como para o Superior Tribunal de Justiça. Desaparecia, de tal forma, o instituto da arguição de relevância, que era um mecanismo de filtragem do recurso extraordinário criado pelo Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal para amenizar a sobrecarga, quase intolerável, do volume daquele recurso. No regime então implantado, caberia tanto ao Supremo Tribunal Federal como ao Superior Tribunal de Justiça conhecer e julgar todos os recursos (extraordinários e especiais), sem outros condicionamentos e limitações que não fossem aqueles traçados pelo próprio texto constitucional (arts. 102, nº III; 105, nº III). A matriz constitucional do recurso extraordinário veio ainda segundo THEODORO JUNIOR -, porém, a sofrer significativas alterações por força da Emenda nº 45, de , dentre elas a que figurou no novo 3º do acrescido ao art. 102 da Constituição. Por força desse dispositivo, doravante caberá à parte fazer, em seu recurso, a demonstração da repercussão geral das questões constitucionais discutidas no caso. À luz desse dado, o STF poderá, por voto de dois terços de seus membros, recusar o recurso. Ou seja: está o Tribunal autorizado a não conhecer do recurso extraordinário se, preliminarmente, entender que não restou demonstrada a repercussão geral das questões sobre que versa o apelo extremo. Tal como dito no enunciado deste item - A amplitude e o sentido dados à legitimação para propositura do controle concentrado: do Procurador Geral da República ao art. 103 da CF. enfrentemos de forma direta o Controle Concentrado, sem dúvida, matéria ligada aos objetivos deste parecer. Nas Ações Diretas de Controle da Constitucionalidade, o constituinte de modificou, profundamente, a legitimação ativa dos que as podem propor, embora não tenha chegado ao modelo alemão. Esta ampliação, em última análise, atendeu reivindicação antiga da Doutrina Nacional, que apontava graves inconvenientes no fato de o 7

8 Procurador Geral da República ser o único legitimado para provocar o Supremo Tribunal Federal à análise da matéria. A Legislação ordinária manteve a legitimação ativa daqueles que estão enumerados no art. 103 da Constituição Federal, em sua redação originária, salvo o acréscimo feito aos incisos IV e V, que incluíram a Mesa da Câmara Legislativa do Distrito Federal e o Governador do Distrito Federal. Vale lembrar que, à época da edição da Lei n /99 8, esta situação apresentou-se, pelo menos de constitucionalidade duvidosa, o que foi corrigida pela EC 45/2004 a denominada Reforma do Poder Judiciário, ao incorporar as inovações da Lei, trazendo-as para o plano constitucional. Mesmo assim, há uma alteração provocada pela EC 45, que reconheceu a mesma legitimação tanto para a ADIN como para a ADC (revogando o art º da CF). Em nosso entendimento, marchou no sentido correto, visto que assim defendemos desde nossa Tese para Professor Titular da Faculdade de Direito do Recife (UFPE), O Valor da Constituição. Do Controle de constitucionalidade como garantia da supralegalidade constitucional 9. A propósito, determina o art. 103 da Constituição, com a redação que lhe deu a EC 45/2004: 8 Art Podem propor a ação direta de inconstitucionalidade e a ação declaratória de constitucionalidade: I - o Presidente da República; II - a Mesa do Senado Federal; III - a Mesa da Câmara dos Deputados; IV - a Mesa de Assembleia Legislativa ou da Câmara Legislativa do Distrito Federal; V - o Governador de Estado ou do Distrito Federal; VI - o Procurador-Geral da República; VII - o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil; VIII - partido político com representação no Congresso Nacional; IX - confederação sindical ou entidade de classe de âmbito nacional (negrito nosso). Em decorrência, da alteração ocorrida nos incisos IV e V, fica evidente que a legitimação prevista nas legislações infraconstitucionais, deve 8 Dispõe sobre o processo e julgamento na ação direta de inconstitucionalidade e ação declaratória de constitucionalidade perante o STF. 9 3ª edição, (Histórica), Curitiba: editora Juruá, 2010.

9 ser lida sob a óptica da EC 45. Em nosso entender, trata-se de uma inversão de valores, pois, para ampliar a legitimação, a iniciativa deveria partir de uma alteração constitucional para, só depois, ocorrer na Lei Ordinária. No caso concreto, ocorreu o inverso. Exatamente por esposarmos este entendimento, escrevemos no já citado livro O Valor da Constituição Do Controle de constitucionalidade como garantia da supralegalidade constitucional 10 que limitaremos nossas observações a um aspecto que nos parece de fundamental importância: quando a Lei nº 9.868, , em seu art. 2º, ao fixar os legitimados para a Ação Direta de Inconstitucionalidade, resolveu inovar nos incisos IV e V, entendemos que, indo além do art. 103 da CF, pecou por inconstitucionalidade material. Apesar do entendimento aqui esposado, vale lembrar que o STF, através da ADIn nº (Rel. Min. ILMAR GALVÃO. DJU , p. 1693), o mesmo acontecendo na ADIn nº 665 (Rel. Min. OCTÁVIO GALLOTTI (DJU , p. 5376) já havia entendido ser possível a Ação Direta de Inconstitucionalidade, através do Governador do Distrito Federal. Neste sentido, na mencionada ADIn nº 645-2, entendeu o Min. ILMAR GALVÃO que a legitimação ativa do Governador do Distrito Federal se dava por via de interpretação compreensiva do texto do art. 103, V, da CF/88, c/c o art. 32, 1º, da mesma Carta. Em que pese defendermos uma interpretação sistêmica da Constituição 11, cremos que, no caso, não caberia ao STF ir além dos termos fixados na Carta Magna, inovando o art. 103 (antes da EC 45/2004), da mesma forma como não poderá ir além, na interpretação dos preceitos contidos no art. 60, ao fixar o procedimento para o exercício do Poder de Reforma ob. cit. p A propósito, consulte-se nosso livro Princípios Constitucionais e Interpretação Constitucional (Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 1995), bem como os já mencionados O Valor da Constituição (3ª edição, revista e aumentada, Curitiba: Juruá Editora, 2011) e Instituições do Direito Constitucional Brasileiro (3ª edição, revista e aumentada, Rio de Janeiro: Editora Juruá, 2012). Ao indicarmos trabalhos nossos não temos outro objetivo senão o de demonstrar que a nossa posição neste Parecer não é encomendada, feita por encomenda, mas é uma posição científica, de há muito sedimentada.

10 3. O entendimento da expressão entidade de classe de âmbito nacional (CF art. 103, IX). Aqui começamos a discussão da expressão entidade de classe de âmbito nacional (contida no inciso IX), visto que, só depois de conceituada esta categoria, poder-se-á verificar a existência, ou não, da denominada pertinência temática para proposição pela ANPAF de Ação Direta de Inconstitucionalidade. De início, cabe a lição que nos é dada pelo Min. GILMAR FERREIRA MENDES e PAULO GUSTAVO GONET BRANCO em seu Curso de Direito Constitucional 12, ao analisarem a Legitimação de Confederação sindical e entidade de classe de âmbito nacional, quando não encontram um critério único para definir a expressão entidade de classe de âmbito nacional. Neste sentido, é sua lição: O direito de propositura das confederações sindicais e das organizações de classe de âmbito nacional prepara significativas dificuldades práticas. A existência de diferentes organizações destinadas à representação de classe de determinadas profissões ou atividades e a não existência de disciplina legal sobre o assunto tornam indispensável que se examine, em cada caso, a legitimação dessas diferentes organizações. Causam dificuldade, sobretudo, a definição e a identificação das chamadas entidades de classe, uma vez que, até então inexistia critério preciso que as diferençasse de outras organizações de defesa de diversos interesses. Por isso, está o tribunal obrigado a verificar especificamente a qualificação dessa confederação sindical ou organização de classe instituída em âmbito nacional. Por isso, merece especial referência sobre a legitimação das confederações sindicais e das entidades de classe de âmbito nacional, tendo em vista os problemas suscitados, desde então, pela jurisprudência do Supremo Tribunal Federal ª edição revista e atualizada, São Paulo: Editora Saraiva, 2011, p O autor manteve o mesmo texto na 8ª edição, 2ª tiragem revista e atualizada, 2013, p do Curso Ob. cit. p Negrito e sublinhado, nossos. Itálico no original.

11 lapidar: Logo em seguida, escreve o Ministro com linguagem clara e Em decisão de (ADIn-MC 34 DF) tentou o Tribunal definir a noção de entidade de classe, ao explicitar que é apenas a associação de pessoas que representa o interesse comum de uma determinada categoria intrinsecamente distinta das demais. 14 Em outra passagem, GILMAR FERREIRA MENDES enfatiza o que se deve entender por âmbito nacional. Total razão tem o Ministro, até porque, esta flexibilidade terminológica, existente em todos os ramos da Ciência Jurídica, é exigência que tem de ser superada para uma compreensão do que está contido, expressamente, no art. 103, IX da CF/88. E diz: Quanto ao caráter nacional da entidade, enfatiza-se que não basta simples declaração formal ou manifestação de intenção constante de seus atos constitutivos. Faz-se mister que, além de uma atuação transregional, tenha a entidade membros em pelo menos um terço das Unidades da Federação, ou seja, em 9 dessas unidades (Estados-membros e Distrito Federal) número que resulta da aplicação analógica da Lei Orgânica dos Partidos Políticos (Lei n /95, art. 7º, 1º) Agora em outro livro, desta feita Controle Abstrato de Constitucionalidade: ADI, ADC e ADO comentários à Lei 9.868/99 16 ainda GILMAR MENDES, é mais incisivo ao escrever: Relativamente à legitimação das entidades de classe de âmbito nacional e das confederações sindicais é difícil admitir a juridicidade da exigência quanto à representação da entidade em pelo menos nove Estados da Federação, como resultado decorrente da aplicação analógica da Lei Orgânica dos Partidos Políticos. Ainda que se possa reclamar a fixação de um critério preciso sobre tais noções - entidades de classe de âmbito nacional e das confederação sindical não há dúvida de que eles devem ser fixados pelo legislador, e não pelo Tribunal, no exercício de sua atividade jurisdicional. O recurso à analogia, aqui, é de duvidosa exatidão Ob. cit. p Idem, p Negrito e sublinhado nossos. São Paulo: Saraiva, 2012,110.

12 No sentido de que não cabe limitação por parte do STF, CLÈMERSON MERLIN CLÈVE, em livro hoje indispensável para o estudo da matéria, intitulado A Fiscalização Abstrata de Constitucionalidade no Direito Brasileiro 17, ao tratar da Ação direta genérica de inconstitucionalidade discute a Legitimidade processual ativa e passiva e menciona o acúmulo e quantidade de ações que têm sido impetradas nos diversos tribunais, e em especial no STF, em razão da nova estrutura do Poder Judiciário. Em seguida, destaca o caráter objetivo do controle abstrato, tudo isto, de forma corretíssima, sem merecer nenhum reparo. Ato contínuo, doutrina textualmente: O Supremo Tribunal Federal reconhece que alguns legitimados ativos - o Presidente da República, o Procurador Geral da República, as Mesas do Senado e da Câmara dos Deputados, os partidos políticos e o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil têm interesse em preservar a supremacia da Constituição por força de suas próprias atribuições institucionais. Quanto aos demais legitimados ativos, entretanto, o Supremo Tribunal Federal inclina-se a estabelecer restrições. O Excelso Pretório caminha para só admitir a ação direta por parte de Governadores e Mesas das Assembleias Legislativas, se a lei impugnada disser respeito, de algum modo, às respectivas unidades federadas; e por parte de confederações sindicais ou entidades de classe, se a norma em causa ferir os interesses dos respectivos filiados ou associados Logo na linha seguinte, CLÈMERSON MERLIN CLÈVE nos dá o cuidado que deve ter o STF ao tratar da matéria. Escreve: Com a exigência da demonstração do interesse dos filiados ou associados das confederações sindicais ou entidades de classe, o Supremo não pode chegar ao ponto de transformar a ação direta em processo subjetivo de tutela de interesse concreto (ainda que coletivo). Sendo processo objetivo, cumpre exigir e apenas para efeito de aferição da legitimidade, porquanto esses órgãos não dispõem de interesse genérico de preservação da supremacia constitucional, a demonstração do interesse de seus São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1995, p. 110 e segs. ob. cit. p. 121.

13 filiados e associados na questão constitucional para o fim de evitar a multiplicação de ações propostas nem sempre com propósitos sérios. 19 ZENO VELOSO (Controle Jurisdicional de Constitucionalidade) 20 de forma lapidar, contundente e direta dá-nos uma importante lição que, mesmo sendo em texto longo, merece ser citado e lido. Ensina-nos que Para reconhecer a legitimidade ativa das confederações sindicais e das entidades de classe no tema do controle abstrato, o Supremo Tribunal tem exigido critérios rígidos, e sua interpretação, sem dúvidas, é restritiva, tendo por objeto limitar o número das mesmas. Mas a compreensão redutiva não parou aí. O STF já firmou jurisprudência, numa visão teológica do art. 103 da Constituição, de que as confederações sindicais e as entidades de classe de âmbito nacional, para propor ações diretas de inconstitucionalidade, só têm legitimidade ad causam se preencherem o requisito objetivo da pertinência temática entre o interesse específico da classe ou categoria, para cuja defesa essas entidades são constituídas, e a lei ou ato normativo, cuja inconstitucionalidade é arguida. Não basta, pois que demonstrem a existência de um interesse de agir, de índole subjetiva, mas uma vinculação das finalidades estatutárias com a lei ou ato normativo que almejam impugnar. Não podem, então, esses entes privados, perante o STF, alegar a inconstitucionalidade de toda e qualquer norma, mas somente, daquelas que lhe dizem respeito, das que tenham uma relação com os interesses das categorias ou classes representadas (cf. ADIns 77, 138, 159, 202, 305, 893, 913-3, ) Em seguida, o autor vai direto a um ponto que já foi mencionado por GILMAR MENDES e por CLEMERSON CLÈVE, ou seja, a inconstitucionalidade da limitação. Ensina: Sem dúvida, esta interpretação restritiva, um verdadeiro processo de filtragem 22, leva em conta que tais entes são privados, e a Suprema Corte, assoberbada, repleta de questões, num número fantástico, quase impossível 19 Idem, p Belém: CEJUP, 1999, p. 83 e segs. 21 Ob. cit. p Negrito e sublinhado nossos. 22 Veja-se, a propósito de filtragem IVO DANTAS, Novo Processo Constitucional Brasileiro. Curitiba: Juruá Editora, 2010, p

14 de, humanamente, dar conta, quer estabelecer critérios rígidos, para evitar o aumento imprevisível das ações diretas de inconstitucionalidade. 23 E prossegue: Do ponto de vista estritamente jurídico, no entanto, entendemos data vênia, que a exigência da mencionada relação de pertinência não encontra qualquer amparo na Constituição. Fere, inclusive, o princípio da igualdade, pois não se requer tal relação de pertinência a respeito de todos os órgãos ou pessoas legitimados pelo art O nosso controle abstrato de normas é um processo objetivo, sem contraditório, marcado pela impessoalidade, não sendo pertinente falar-se num interesse jurídico subjetivo e específico do autor. É incabível criar-se uma condição de ação, natural do processo comum, tanto mais quando a Carta Magna elencou os órgãos e pessoas legitimados para o controle direto, sem mencionar qualquer restrição ao direito de propositura conferida aos membros. Tais legitimados entes legitimados funcionam, antes, como defensores abstratos, advogados da Constituição. 24 Finalmente, no plano doutrinário, leia-se o que escreve ANDRÉ RAMOS TAVARES (Curso de Direito Constitucional 25 ) em item intitulado Interesse de agir: a solução da pertinência temática: 14 A construção feita pelo Supremo Tribunal quanto à demonstração, por alguns legitimados ativos do art. 103 da Constituição Federal da existência de uma relação de pertinência temática não está bem inserida no contexto dos processos objetivos. Dúvida não pode haver de que a pertinência temática é um sucedâneo do interesse de agir no processo subjetivo. Ora, essa mescla é extremamente prejudicial à clara compreensão do processo de índole objetiva. Significa, em última análise, que o Supremo Tribunal acaba por aplicar regras processuais impróprias ao processo objetivo. De qualquer sorte, por desenvolverse consoante determinado processo, poder-se-ia admitir que determinado ordenamento positivo consagrasse essas diversificações e aproximações com o processo comum, como aquela acima indicada 26 pelo Supremo Idem, p. 84. Ibidem, p São Paulo: Editora Saraiva, 9ª edição revista e atualizada, 2011, p O autor estuda a Legitimidade ad causam.

15 Tribunal. Contudo, ainda que se admitisse esses desvirtuamento parcial, são necessárias novas expressas nesse sentido, já que contrariam a natureza própria do processo constitucional objetivo. A pertinência temática refere-se à necessidade de demonstração, por alguns legitimados, como as entidades de classe e as confederações sindicais, de que o objeto da instituição guarda relação (pertinência) com o pedido da ação direta proposta por referida entidade. Vale recordar aqui, a título de peroração de tudo o que foi dito, a decisão proferida na ADI MC-AgR, Rel. Min. CELSO DE MELLO (julgamento em , Dj de ): Não se discutem situações individuais no âmbito do controle abstrato de normas, precisamente em face do caráter objetivo de que se reveste o caráter de fiscalização concentrado de constitucionalidade. Permitam-me sublinhar dois pontos que são destacados pelos citados doutrinadores e pelo Decano do STF, Min. CELSO DE MELLO: a) o processo de controle centralizado tem um caráter objetivo nunca subjetivo o que acontece em outro horizonte. Por tal motivo a pertinência temática descabe no controle concentrado, por ser este feito através de um processo objetivo; b) embora não esteja prevista a exigência de limitação, no texto da CF, o STF, ao lado da pertinência temática inclui mais uma exigência, ou seja, a necessidade de uma existência geograficamente situada (9 estados). Exatamente coincidentes, nestes pontos, a posição dos ilustres constitucionalistas (o primeiro deles, Ministro do STF), isto porque, se trata mais uma vez, de estarmos frente a um conceito indeterminado, tal como ocorre em vários instantes de nosso ordenamento jurídico. Nestas hipóteses, temos defendido uma interpretação ampla do conceito, sobretudo, quando estiver em jogo a defesa da Supremacia Constitucional, como elemento definidor do atual Estado Constitucional. Vale lembrar e o dissemos acima - que esta defesa encontra-se garantida 15

16 pelo instituto da Supralegalidade, exatamente, para que a Supremacia não seja mera palavra decorativa, mas que se concretiza através dos diversos tipos de Controle de Constitucionalidade. Ademais, em nosso entender, é menos gravoso errar reconhecendo a legitimidade das entidades de classe de âmbito nacional e das confederações sindicais, para provocar o pronunciamento de mérito do STF sobre de determinada matéria entendida como inconstitucional, do que ferir-se de morte a possível apreciação e reconhecimento de inconstitucionalidade do objeto da Ação. Em outras palavras: quanto maior o número de advogados da Constituição (ZENO VELOSO), MELHOR. Com este procedimento limitatório e sem amparo no texto da Lex Magna, toda a intenção do constituinte no sentido de democratizar a iniciativa do controle, perde-se no vazio, quase que se identificando ao tempo, condenado sob todos os pontos de vista, em que encaminhar a representação era prerrogativa exclusiva do Procurador da República. Neste sentido, O Min. LUIZ FUX traz à discussão o conceito de sociedade aberta e escreve nos autos da ADI 4.029, em que foi Relator, julgamento em , Plenário, DJE de : 16 Ação direta de inconstitucionalidade. Lei federal /2007. Criação do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Legitimidade da Associação Nacional dos Servidores do Ibama. (...) A democracia participativa delineada pela Carta de 1988 se baseia na generalização e profusão das vias de participação dos cidadãos nos provimentos estatais, por isso que é de se conjurar uma exegese demasiadamente restritiva do conceito de entidade de classe de âmbito nacional previsto no art. 103, IX, da CRFB. A participação da sociedade civil organizada nos processos de controle abstrato de constitucionalidade deve ser estimulada, como consectário de uma sociedade aberta dos intérpretes da Constituição, na percepção doutrinária de Peter Häberle, mercê de o incremento do rol dos legitimados à fiscalização abstrata das leis indicar esse novel sentimento constitucional. In casu, a entidade proponente da ação sub judice possuir

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 06/12/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 701.511 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN.

Leia mais

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta:

Antonio Henrique Lindemberg. 1 - Assinale a assertiva correta: Antonio Henrique Lindemberg 1 - Assinale a assertiva correta: a. Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, pode-se invocar validamente o princípio do direito adquirido em face das leis de ordem

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

: MIN. ROBERTO BARROSO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM

: MIN. ROBERTO BARROSO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM MANDADO DE INJUNÇÃO 3.750 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :SINDICATO DOS SERVIDORES DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO - AMAZONAS E RORAIMA - SITRAAM : JANNE

Leia mais

A legitimidade da CNseg

A legitimidade da CNseg 18 A legitimidade da CNseg Para provocar o controle abstrato de constitucionalidade pelo Supremo Tribunal Federal FELIPE MONNERAT 19 A Constituição Federal de 1988 prevê mecanismos de controle da compatibilidade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux:

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux: QUESTÃO DE ORDEM Nos termos do art. 131 e seguintes do Regimento do Congresso Nacional, venho propor a presente QUESTÃO DE ORDEM, consoante fatos e fundamentos a seguir expostos: O Congresso Nacional (CN)

Leia mais

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório.

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório. A C Ó R D Ã O 7ª Turma CMB/fsp EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE REVISTA. Embargos acolhidos apenas para prestar esclarecimentos, sem efeito modificativo. Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

- Jornada de trabalho máxima de trinta horas semanais, seis horas diárias, em turno de revezamento, atendendo à comunidade às 24 horas do dia...

- Jornada de trabalho máxima de trinta horas semanais, seis horas diárias, em turno de revezamento, atendendo à comunidade às 24 horas do dia... Parecer Coletivo Lei 14.691/15. Agentes Municipais de Fiscalização de Trânsito. Servidores Locais. Competência Constitucional do Município. Cláusula Pétrea da CF/88. Lei Estadual Inconstitucional. Interposição

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS

IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS Ives Gandra da Silva Martins Marilene Talarico Martins Rodrigues SUMÁRIO: Considerações Iniciais. Imunidades como Limitação ao Poder de Tributar. Imunidade das Instituições - Educacionais

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO O EXMO. SR. MINISTRO DIAS TOFFOLI: Ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Procurador-Geral da República em face da Emenda

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARIA DO CARMO ALVES

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARIA DO CARMO ALVES PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 504, de 2011, do Senador Humberto Costa, que altera o parágrafo único do art.

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

Proposição: Projeto de Lei e Diretrizes Orçamentárias. a) O Excelentíssimo Relator da Lei de Diretrizes

Proposição: Projeto de Lei e Diretrizes Orçamentárias. a) O Excelentíssimo Relator da Lei de Diretrizes NOTA TÉCNICA CONJUNTA Associação Nacional dos Procuradores da República Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Associação Nacional

Leia mais

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional

Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Comentário a Acórdão do Supremo Tribunal Federal sobre o princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional Universidade de Brasília Disciplina: Teoria Geral do Processo II Professor: Dr. Vallisney

Leia mais

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações:

DECISÃO. 1. O Gabinete prestou as seguintes informações: AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 27 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO REQTE.(S) :ASSOCIACAO NACIONAL DAS FRANQUIAS ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) POSTAIS DO BRASIL :MARCELO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Presidente da República editou o Decreto nº 5555, estabelecendo a obrigatoriedade, como exigência à obtenção do diploma de graduação em engenharia, de um elevado

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MANDADO DE SEGURANÇA 32.833 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :CARLOS RODRIGUES COSTA :LUZIA DO CARMO SOUZA :PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE

DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE DIREITO PROCESSUAL DO CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...7 CAPÍTULO I JUSTIFICATIVA, ASPECTOS HISTÓRICOS E SISTEMAS EXISTENTES DE CONTROLE DA CONSTITUCIONALIDADE...19 1. Justificativa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Arthur Oliveira Maia) Altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.650, de 20 de abril de 1993, para suprimir qualquer restrição ou preferência legal na contratação de treinador

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

SABER DIREITO FORMULÁRIO

SABER DIREITO FORMULÁRIO Programa Saber Direito TV Justiça Outubro de 2010 Curso: Poder Constituinte Professor: André Alencar SABER DIREITO FORMULÁRIO TÍTULO DO CURSO PODER CONSTITUINTE PROFESSOR ANDRÉ ALENCAR TÍTULO Máximo de

Leia mais

20/03/2014 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO

20/03/2014 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 20/03/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 784.682 MINAS GERAIS RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO RECTE.(S)

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.169 ESPÍRITO SANTO RELATORA AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 19/09/2013 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 759.244 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Flávia Morais) Altera o art. 20 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993 Lei Orgânica da Assistência Social, e o art. 34 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 Considerando que a Lei Estadual n 6.417, de 26 de maio de 2008, com vigência retroativa a 1 de maio de 2008, dispõe sobre a revisão geral anual dos servidores

Leia mais

* por Bruno Barata Magalhães (advogado)

* por Bruno Barata Magalhães (advogado) * por Bruno Barata Magalhães (advogado) A efetivação de servidores sem concurso público e o Recurso em Mandado de Segurança nº 25.652-PB O poderoso precedente inaugurado pelo Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 Torna obrigatório o exame de ordem para todos os que quiserem inscrever-se como advogado. Autor: Deputado Almir Moura Relator:

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA

CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA CONTROLE DE CONVENCIONALIDADE: STF REVOLUCIONOU NOSSA PIRÂMIDE JURÍDICA Elaborado em 01.2009 Luiz Flávio Gomes Doutor em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade Complutense de Madri, mestre

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: PROJETO DE LEI Nº 131/2010 Dispõe sobre a criação do Fundo Especial dos Procuradores, Consultores Jurídicos, Assessores Técnicos Jurídicos e Advogados Públicos Municipais de Foz do Iguaçu. Autor: Vereador

Leia mais

SENTENÇA. outros Associação Novos Independentes dos Oficiais de Justiça do Estado de São Paulo - Aniojesp

SENTENÇA. outros Associação Novos Independentes dos Oficiais de Justiça do Estado de São Paulo - Aniojesp SENTENÇA CONCLUSÃO Em 15/01/2010, faço estes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito, Dr. RÉGIS RODRIGUES BONVICINO. Eu,..., Odilon Ferreira Junior, escrevente, subscrevi. Processo: Requerente: Requerido:

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 827.424 ALAGOAS RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX : CARLO COELHO TAGLIALEGNA E OUTRO(A/S) :MARCOS ANTÔNIO DE ABREU :UNIÃO :ADVOGADO-GERAL DA

Leia mais

PARECER N, DE 2009. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER N, DE 2009. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER N, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o PLS n 260, de 2003, de autoria do Senador Arthur Virgílio, que altera art. 13 da Lei nº 8.620, de 5

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR

Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Nº 108771/2015 ASJCIV/SAJ/PGR Relatora: Ministra Rosa Weber Impetrante: Airton Galvão Impetrados: Presidente da República e outros MANDADO DE INJUNÇÃO. APOSENTADORIA ESPE- CIAL. SERVIDOR PÚBLICO COM DEFICIÊNCIA.

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp&

0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& r. 0emâe>6Ín& ;^- racámtfstfrúíe-jfcis6táijp& NOTA TÉCNICA N 15/2013 Assunto: Projeto de Lei n 02, de 2013-CN (Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2014). O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO N. : 14751-89.2012.4.01.3400 AÇÃO ORDINÁRIA/SERVIÇOS PÚBLICOS CLASSE 1300 AUTOR (A): ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL RÉ: UNIÃO SENTENÇA TIPO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br (In)competência da Justiça do Trabalho para execuções fiscais de créditos oriundos de penalidades administrativas impostas aos empregadores pela fiscalização do trabalho Carlos Eduardo

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais