Implementação e Perspetivas futuras. Engª Ana Bárbara Oliveira. DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação e Perspetivas futuras. Engª Ana Bárbara Oliveira. DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária"

Transcrição

1 Implementação e Perspetivas futuras Engª Ana Bárbara Oliveira DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária 1

2 Enquadramento do PAN produzido na sequência da publicação da Diretiva nº2009/128/cee e pretende, tal como previsto no Artº4ºdaquele diploma, ser um instrumento de operacionalização das suas várias disposições, transpostas para o direito nacional através da Lei n.º26/2013 de 11 de abril e D.L. n.º86/2010 (inspeção equipamentos); aprovado pela Portaria nº304/2013 de 16 outubro e publicitado em O PAN representa o produto final de um trabalho conjunto que envolveu a participação de várias entidades públicas e privadas, que constituíram o Grupo de Trabalho designado pelo Despacho nº 13879/2012, de 25 outubro; Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, como Autoridade Coordenadora Nacional éresponsável pela implementação das obrigações decorrentes da Diretiva e da Lei que a transpõe e pela coordenação e execução das medidas, acções e monitorização previstas no PAN. 2

3 Objetivos: a redução do risco e efeitosda utilização de produtos fitofarmacêuticos na saúde humana e no ambiente; O fomento do desenvolvimento e introdução da protecção integrada e abordagens ou técnicas alternativas destinadas a reduzir a dependência da utilização de pesticidas. Operacionalização: através de medidas e açõesa desenvolver no âmbito de diferentes áreas, designadamente: formação, venda, informação e sensibilização relativa a PF; aplicação de PF; utilizações e práticas específicas relativas a PF. Monitorização: O PAN integra indicadores de monitorização da utilização dos PF, com particular atenção sobre: incidências na saúde, sociais, económicas e ambientais das medidas previstas. 3

4 Estratégias : cumprimento estrito da legislação em vigor em matéria de segurança humana, ambiental e relativa ao uso sustentável de produtos fitofarmacêuticos; fomento do recurso e implementação de boas práticas agrícolas e ambientais antes, durante e após a aplicação de produtos fitofarmacêuticos, complementado por um adequado acompanhamento, sensibilização e formação dos utilizadores profissionais para o seu cumprimento; promoção da investigação, inovação e transferência tecnológica com vista a incentivar a incorporação do conhecimento nas práticas e técnicas utilizadas na proteção fitossanitária e produção agrícola; fomento, ao nível da administração central e regional, do aconselhamento responsável para a utilização de produtos fitofarmacêuticos de menor nocividade para os organismos não visados e a promoção do desenvolvimento e aplicação de alternativas aos produtos fitofarmacêuticos; fomento da divulgação e acessibilidade dos utilizadores de produtos fitofarmacêuticos no que respeita às normas, orientações e procedimentos a implementar para a correta utilização de produtos fitofarmacêuticos; adequada fiscalização, monitorização e vigilância das práticas agrícolas e fitossanitárias,com incorporação de medidas corretoras e disciplinadoras de más práticas. 4

5 Estratégia do PAN 5 Fiscalização, Monitorização e Controlo

6 Neste contexto, o PAN que foi elaborado categoriza as acções a desenvolver em Eixos Estratégicos, a saber: Investigação, Inovação e Transferência Tecnológica; Formação, Sensibilização e Informação; Proteção da Saúde Humana; Proteção do Ambiente; Promoção de Sistemas de Produção Agrícola e Florestal Sustentável. 6

7 No domínio do Eixo Estratégico Investigação, Inovação e Transferência Tecnológica: Reunir informação atualizada sobre os sistemas culturais e práticas associadas incluindo em PI, PRODI e MPB; Incorporar o conhecimento nos Guias, Manuais, Orientações ; Criar redes operacionais e parcerias de investigação aplicada e de demonstração que apoiem a PI e o uso sustentável de PF, incluindo o recurso a meios alternativos de proteção das culturas; Recolha de informações e produção de indicadores no âmbito da vigilância da saúde e do uso sustentável dos PF 7

8 No domínio do Eixo Estratégico de Formação, Sensibilização e Informação: Levantamento das necessidades em formação; Disponibilização de bolsa de formadores e plataforma eletrónica de aprendizagem; Realização de ações de sensibilização para utilizadores profissionais e não profissionais; Elaboração e/ou atualização dos programas e ações de formação: DCAPF, DCPF, APF, Inspeção de Equipamentos, Operadores aéreos agrícolas, ASAE, Autoridades policiais, Técnicos e conselheiros em PI, PRODI, MPB; Elaboração e/ou atualização de Códigos de Conduta, Orientações técnicas, Guias, Manuais, etc Apoio e ou participação em projetos de apoio ao uso sustentável de PF 8

9 No domínio do Eixo Estratégico de Proteção da Saúde Humana: Reforçar a fiscalização e monitorização de alimentos de origem animal e vegetal; Implementar a monitorização e a fiscalização da aplicação de produtos fitofarmacêuticos; Promover as boas práticas no manuseamento, no armazenamento, na aplicação e na gestão dos resíduos de embalagens e de produtos fitofarmacêuticos através da formação, sensibilização e aconselhamento; Fomentar o uso de Equipamento de Proteção Individual adequado; Limitar o uso de certas categorias de produtos apenas a utilizadores profissionais; Aumentar a perceção dos utilizadores não profissionais para os riscos associados ao uso de produtos fitofarmacêuticos 9

10 No domínio do Eixo Estratégico de Proteção do Ambiente: Promover e incrementar a gestão de resíduos de embalagens e de resíduos de produtos fitofarmacêuticos; Implementar sistema de autorização, registo e monitorização de aplicações aéreas e incrementar o sistema de autorização de aplicações terrestres; Promover as boas práticas no manuseamento, no armazenamento, na aplicação e na gestão dos resíduos de produtos fitofarmacêuticos através da formação, sensibilização e aconselhamento; Enquadrar e promover sistemas de tratamento de efluentes associados à preparação de caldas e limpeza de equipamentos; Implementar sistemas de gestão e recolha de resíduos de excedentes de produtos fitofarmacêuticos (obsoletos); Implementar monitorização e fiscalização da aplicação terrestre de produtos fitofarmacêuticos; Promover práticas de promoção da biodiversidade e proteção dos polinizadores 10

11 No domínio do Eixo Estratégico Promoção de Sistemas de Produção Agrícola e Florestal Sustentável: Fomentar maior disponibilização de informação e instrumentos de apoio à decisão aos utilizadores profissionais; Incentivar a adesão ao Sistema Nacional de Avisos Agrícolas Reforçar o Sistema de Aconselhamento Agrícola e o apoio técnico aos agricultores, em particular, no âmbito da PI, PRODI e MPB; Reforçar o controlo àimportação, distribuição e venda ilegal de produtos fitofarmacêuticos; Promover a formação, sensibilização e divulgação de boas práticas na aplicação de produtos fitofarmacêuticos; Promover a investigação e divulgação de técnicas e práticas alternativas ao uso de produtos fitofarmacêuticos. 11

12 A reter: Todos os utilizadores profissionais devem aplicar os princípios de proteção integrada a partir de 1 janeiro 2014; Todos os que manuseiam e aplicam produtos fitofarmacêuticos autorizados para uso profissional deverão estar habilitados para o fazer até26 Novembro 2015, data a partir da qual não poderão vender, distribuir, adquirir ou aplicar estes produtos; O registo da venda, distribuição e aplicação de produtos fitofarmacêuticos é obrigatório, desde 16 Abril 2013; Todos os pulverizadores não manuais (e manuais com barra > 3m) em uso devem ter sido inspecionados, pelo menos uma vez, até26 Novembro 2016; os equipamentos novos (no mercado a partir de 16 outubro 2010) devem ser inspecionados até 15 julho O PAN éde implementação quinquenal, sendo revisto cada 5 anos. 12

13 Obrigada pela atenção. Engª Ana Bárbara Oliveira DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária 13

Plano de ação nacional para o uso sustentável de produtos fitofarmacêuticos e sua execução para 2014

Plano de ação nacional para o uso sustentável de produtos fitofarmacêuticos e sua execução para 2014 Plano de ação nacional para o uso sustentável de produtos fitofarmacêuticos e sua execução para 2014 Bárbara Oliveira & Miriam Cavaco Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Divisão de Gestão

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - ESTABELECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO (VOLUME I)

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - ESTABELECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO (VOLUME I) PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - ESTABELECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO (VOLUME I) PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ESTABELECIMENTO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - ESTABELECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO (VOLUME I)

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - ESTABELECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO (VOLUME I) PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - ESTABELECIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO (VOLUME I) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO DIREÇÃO-GERAL

Leia mais

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável

A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável A aplicação de produtos fitofarmacêuticos no contexto da Diretiva do Uso Sustentável Paula Mourão Seminário gorgulho do eucalipto, Arouca, 16 abril 2015. ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO Decreto-Lei n.º 187/2006,

Leia mais

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação

- Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos - Aplicação Terrestre segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação Maria Paula Mourão

Leia mais

O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos

O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos O uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Fiscalização da venda e distribuição de Produtos Fitofarmacêuticos Fitofarmacêuticos São as substâncias ativas e as preparações, que contendo uma ou mais

Leia mais

Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas

Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas Workshop Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Implicações da Lei n.º 26/2013, de 11 de Abril nas explorações agrícolas Maria Paula Mourão DGAV Direção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária

Leia mais

USO NÃO PROFISSIONAL

USO NÃO PROFISSIONAL Segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos - Explorações florestais - Paula Mourão Representante da DGAV USO NÃO PROFISSIONAL Decreto-Lei n.º 101/2009, de 11 de Maio Uso não profissional de Produtos

Leia mais

PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS USO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS USO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS ORIENTAÇÃO TÉCNICA CONDICIONALIDADE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS USO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS O Regulamento (CE) nº 1107/2009, de 21 de outubro que veio revogar a Directiva 91/414/CEE, de 15 de julho,

Leia mais

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Workshop Peso da Régua, 26 de Novembro 2013 Teotónio Manuel Castro teotoniocastro@drapn.mamaot.pt 1 Sumário: Controlo das obrigações nas explorações vitícolas;

Leia mais

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro

Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Formação de Agricultores na Região centro Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Formação de Agricultores na Região centro Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Objetivo das ações de formação: Utilização correta no uso e manuseamento

Leia mais

DSTAR. Divisão da Diversificação da Atividade Agrícola, Formação e Associativismo. Norma orientadora n.º 07/2010 3ª Revisão

DSTAR. Divisão da Diversificação da Atividade Agrícola, Formação e Associativismo. Norma orientadora n.º 07/2010 3ª Revisão DSTAR Divisão da Diversificação da Atividade Agrícola, Formação e Associativismo Norma orientadora n.º 07/2010 3ª Revisão Assunto: Homologação de Cursos na área da Distribuição, Comercialização e Aplicação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Esclarecimento 1/2015

Esclarecimento 1/2015 Segurança Alimentar Produção primária de vegetais e operações conexas Esclarecimento 1/2015 Clarificam-se: o conceito de produção primária de vegetais e operações conexas, as medidas a adotar para o controlo

Leia mais

Decreto-Lei 173/2005, de 21 de Outubro

Decreto-Lei 173/2005, de 21 de Outubro Decreto-Lei 173/2005, de 21 de Outubro Artigo 1º - Âmbito de aplicação 1 O presente diploma regula as actividades de distribuição, venda, prestação de serviços de aplicação de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Habilitação de aplicadores de produtos fitofarmacêuticos / operadores de venda Patacão, 5 de Novembro de 2014 Nídia Ramos e Maria José Romana 1 Seminário

Leia mais

Sessão de esclarecimento relativa à Lei 26/2013, de 11 de abril (aplicação da Lei 26/2013, de 11 de abril ao nível das Autarquias)

Sessão de esclarecimento relativa à Lei 26/2013, de 11 de abril (aplicação da Lei 26/2013, de 11 de abril ao nível das Autarquias) Sessão de esclarecimento relativa à Lei 26/2013, de 11 de abril (aplicação da Lei 26/2013, de 11 de abril ao nível das Autarquias) A P L I C A Ç Ã O D E P R O D U T O S F I T O F A R M A C Ê U T I C O

Leia mais

Como funciona O sistema Valorfito?

Como funciona O sistema Valorfito? Como funciona O sistema Valorfito? Em campo por amor à terra. www.valorfito.com Como funciona O sistema Valorfito? O VALORFITO é responsável pela gestão de: Resíduos de Embalagens de Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE)

Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE) Direção Geral Diretiva do Uso Sustentável (Diretiva 2009/128/CE) Pulverizações aéreas www.dgav.pt Direção Geral Diretiva Quadro do Uso Sustentável dos Pesticidas Estabelece um quadro para uma utilização

Leia mais

Inspeção de Equipamento de Pulverização Centros de Inspeção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP)

Inspeção de Equipamento de Pulverização Centros de Inspeção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP) Inspeção de Equipamento de Pulverização Centros de Inspeção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP) Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária Direcção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Divisão

Leia mais

DESPACHO CONJUNTO N.º 1/2016 REGIME ESPECIAL E TRANSITÓRIO FORMAÇÃO DE APLICADORES DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE UTILIZAÇÃO PROFISSIONAL

DESPACHO CONJUNTO N.º 1/2016 REGIME ESPECIAL E TRANSITÓRIO FORMAÇÃO DE APLICADORES DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE UTILIZAÇÃO PROFISSIONAL DESPACHO CONJUNTO N.º 1/2016 REGIME ESPECIAL E TRANSITÓRIO FORMAÇÃO DE APLICADORES DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS DE UTILIZAÇÃO PROFISSIONAL O Decreto-Lei n.º 254/2015, de 30 de dezembro veio estabelecer

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA 2100 Diário da República, 1.ª série N.º 71 11 de abril de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 52/2013 de 11 de abril O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS PROGRAMA DA ACÇÃO Entidade Acção Produção Integrada em vinha Nº OBJECTIVO GERAL Qualificar os técnicos com competências teóricas e práticas,

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Distribuição, Comercialização e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Nº Local Duração 9 horas Data a Laboral Pós-Laboral

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão da Comissão Permanente de Economia reuniu no dia 25 de fevereiro de 2015, na Delegação da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade de Ponta Delgada,

Leia mais

mhtml:file://c:\users\pm760120\appdata\local\microsoft\windows\inetcache\con...

mhtml:file://c:\users\pm760120\appdata\local\microsoft\windows\inetcache\con... Página 1 de 5 Problemas na visualização deste email? Clique aqui #14 Junho 2015 Neste boletim Governo dos Açores disponibiliza sistema eletrónico de consulta de reclamações ou denúncias à IRAE Melhor treino

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - CONTEXTO NACIONAL DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS

PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - CONTEXTO NACIONAL DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA O USO SUSTENTÁVEL DOS PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS - CONTEXTO NACIONAL DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS (VOLUME II) Lisboa 2013 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO

Leia mais

GOVERNAÇÃO. ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1

GOVERNAÇÃO. ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Atualização janeiro 2015. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1 GOVERNAÇÃO ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA F GOVERNAÇÃO PROTEÇÃO E SALVAGUARDA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A 1-F-2 GOVERNAÇÃO (PROTEÇÃO E SALVAGUARDA)

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Manual de Gestão e Controlo Interno

Manual de Gestão e Controlo Interno Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Agricultura e Pescas Divisão de Protecção e ontrolo Fitossanitário Manual de Gestão e ontrolo Interno Definido ao abrigo do Plano

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA PREÂMBULO O projeto Agricultura semente de sustentabilidade tem como desígnio trazer para um sector de atividade tradicional de baixa tecnologia, um elevado

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO MEMORANDO DE ENTENDIMENTO Tendo em consideração o inquestionável papel central dos sectores agrícola e agroalimentar na atividade económica da Região de Lisboa e Vale do Tejo e observando-se a inexistência

Leia mais

CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS. Relatório de Monitorização - 2014

CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS. Relatório de Monitorização - 2014 CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS Relatório de Monitorização - 2014 Departamento da Qualidade na Saúde Maio de 2015 Índice I. Enquadramento... 2 II. Monitorização do projeto Cirurgia Segura, Salva Vidas em 2014...

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013 M3. VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA AÇÃO 3.1 JOVENS AGRICULTORES NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC,

COMISSÃO EXECUTIVA. c) Um docente por cada Unidade Orgânica, nomeado pelo Presidente do IPC, REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO DE VOLUNTARIADO SOCIAL DO IPC E DA COMISSÃO EXECUTIVA Artigo 1º (Âmbito) De acordo com o estabelecido no ponto 5 do Artigo 4º do Regulamento de Enquadramento da Rede do

Leia mais

Responsabilidade Social Temas do Consumo Boas Práticas na Agriloja Retalho Especializado de Agricultura e Pecuária

Responsabilidade Social Temas do Consumo Boas Práticas na Agriloja Retalho Especializado de Agricultura e Pecuária Responsabilidade Social Temas do Consumo Boas Práticas na Agriloja Retalho Especializado de Agricultura e Pecuária Patrícia Garcia Diretora Recursos Humanos e Qualidade Agridistribuição, S.A. Semana da

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 6 de novembro de 2012. Série. Número 145

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 6 de novembro de 2012. Série. Número 145 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 6 de novembro de 2012 Série 2.º Suplemento Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL E SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DO AMBIENTE

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA 3900 Diário da República, 1.ª série N.º 137 18 de julho de 2014 5 - Sempre que seja dado provimento ao recurso, o júri efetua, no prazo de três dias úteis contados da data da última decisão, as correções

Leia mais

ESTRATÉGIA 1. PRINCIPAIS NECESSIDADES ALVO DE INTERVENÇÃO DO PDR

ESTRATÉGIA 1. PRINCIPAIS NECESSIDADES ALVO DE INTERVENÇÃO DO PDR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL 2014-2020 CONTINENTE ESTRATÉGIA 1. PRINCIPAIS NECESSIDADES ALVO DE INTERVENÇÃO DO PDR A economia do complexo agro-florestal, o território onde esta se realiza, incluindo

Leia mais

Os DS numa nova realidade da SP Os Diretores de Segurança numa nova realidade da Segurança Privada

Os DS numa nova realidade da SP Os Diretores de Segurança numa nova realidade da Segurança Privada Os Diretores de Segurança numa nova realidade da Segurança Privada 1 JARA FRANCO A segurança privada não se esgota jamais nas empresas de segurança mas inclui também as empresas com necessidades de segurança

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade

Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade Comissão Ministerial de Coordenação do Programa Operacional Fatores de Competitividade Alteração ao regulamento específico do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) Deliberação aprovada por consulta

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 1286 Diário da República, 1.ª série N.º 29 11 de fevereiro de 2014 verificação da utilização agrícola, florestal ou silvopastoril do prédio e do cumprimento por parte do adquirente ou do arrendatário de

Leia mais

Projeto 7 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores

Projeto 7 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Projeto 7 do Plano de Ação Lixo Marinho Açores Avaliação das práticas de gestão de resíduos a bordo de atuneiros (por observadores do POPA) No Mar Lixo 0: Concurso de boas práticas. Descrição Sabe-se que

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.2 ACONSELHAMENTO Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO

ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO RECURSOS NATURAIS RECURSOS VIVOS ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA J RECURSOS NATURAIS - PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-J-1 RECURSOS NATURAIS (PESCA E INDÚSTRIA DO PESCADO)

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária

A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária A Segurança Alimentar no Âmbito da Autoridade Veterinária Escola Professional de Hotelaria e Turismo da Madeira 7 de Junho de 2006 João Carlos Dória Médico Veterinário D. R. Veterinária Código Bases de

Leia mais

Da produção ao consumidor

Da produção ao consumidor Da produção ao consumidor 1 Da produção ao consumidor O Esporão concluiu que o seu modo de produção não estava adequado à visão da empresa: fazer os melhores produtos que a terra proporciona, de forma

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

colas. Qualidade e segurança

colas. Qualidade e segurança Curso Tecnologia Pós-Colheita P e Processamento Mínimo M de Produtos Hortofrutícolas colas. Qualidade e segurança Legislação respeitante à produção e comercialização de produtos minimamente processados

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Dia Nacional da Prevenção

Dia Nacional da Prevenção Relatório da Organização Internacional do Trabalho A proteção dos trabalhadores e do meio ambiente Este relatório da celebração do Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho 2014 analisa a situação atual

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos

Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos IMPLEMENTAÇÂO DO DECRETO LEI 173/2005 Distribuição e Venda de Produtos Fitofarmacêuticos Algumas orientações para a construção e beneficiação das instalações bem como para o armazenamento de produtos fitofarmacêuticos

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

DESPACHO PC 9/2013 - MANDATO 2013/2017 SUBDELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DESPACHO PC 9/2013 - MANDATO 2013/2017 SUBDELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DESPACHO PC 9/2013 - MANDATO 2013/2017 SUBDELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS Tendo a Câmara Municipal procedido, em 21 de outubro de 2013, à delegação de competências nos termos permitidos pela Lei n.º 75/2013,

Leia mais

Formar para criar um novo perfil de competências

Formar para criar um novo perfil de competências Formar para criar um novo perfil de competências Formar para criar um novo perfil de competências Com a entrada em funcionamento das diferentes infraestruturas do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva,

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Embalagens e Resíduos de Embalagens 1. Qual o enquadramento legal para embalagens e resíduos de embalagens? 2. Na adesão à entidade gestora do sistema integrado de embalagens e resíduos

Leia mais

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO!

PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Candidaturas abertas até 18 de Setembro QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PREPARE O SEU PROJETO FALE CONNOSCO! Tel./Fax: 22 600 71 20 projectos@advancedway.pt www.advancedway.pt Qualificação e internacionalização

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Enquadramento Regulamentar Art. 19º do Regulamento (UE) 1305/2013,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte

Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte Referenciais GFSI para as atividades de Logística, Armazenagem e Transporte AGRO&FOOD é a área de serviços da APCER que se dedica exclusivamente ao sector alimentar: do campo à mesa A alta especificidade

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

10 / 2013 7 de Junho. Bichado da fruta

10 / 2013 7 de Junho. Bichado da fruta 10 / 2013 7 de Junho Pomoídeas Macieiras e Pereiras Pedrado O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê a ocorrência de precipitação a partir de 7 de Junho, prolongando se por toda a semana Nesta

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE

PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE PLANO MUNICIPAL DE AMBIENTE Divisão de Obras, Ordenamento do Território e Ambiente 2 Conteúdo INTRODUÇÃO... 5 OBJETIVOS... 5 METODOLOGIA... 5 Figura 1. Fase de elaboração do Plano... 6 PARTICIPAÇÃO DOS

Leia mais

I CRITÉRIOS DE APLICAÇÃO DOS BLOCOS FORMATIVOS CAPITALIZÁVEIS

I CRITÉRIOS DE APLICAÇÃO DOS BLOCOS FORMATIVOS CAPITALIZÁVEIS INTRODUÇÃO A regulamentação da Intervenção Medidas Agro-ambientais introduziu a obrigatoriedade de os seus beneficiários obterem formação específica, designadamente sobre Protecção e Produção Integrada,

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR 944 Diário da República, 1.ª série N.º 24 4 de fevereiro de 2014 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Decreto-Lei n.º 18/2014 de 4 de fevereiro O Decreto -Lei n.º 86 -A/2011, de 12 de julho, estabeleceu,

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Avisos para a apresentação de

Avisos para a apresentação de Avisos para a apresentação de Ref Mês/Ano Domínio Temático OT PI Tipologia de Intervenção PO CI PO SEUR PO CH PO ISE PO Lisboa PO Algarve PO Norte PO Centro PO Alentejo Abertura Calendário Encerramento

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FORMULÁRIO

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR FORMULÁRIO FORMULÁRIO 1. Estabelecimento de ensino: INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): 3. Curso: SAÚDE AMBIENTAL 4. Grau ou diploma: Licenciado 5. Área científica

Leia mais

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA

D.4 RELATÓRIO FINAL, VERSÃO REVISTA CORRIGIDA 1. RESUMO Existe um amplo reconhecimento da importância do desenvolvimento profissional contínuo (DPC) e da aprendizagem ao longo da vida (ALV) dos profissionais de saúde. O DPC e a ALV ajudam a assegurar

Leia mais

GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMPETITIVIDADE

GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMPETITIVIDADE IMPLEMENTAÇÃO NACIONAL: DESENVOLVIMENTOS E PERSPETIVAS GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE COMPETITIVIDADE ÍNDICE O PACOTE LEITE - PRINCIPAIS VETORES CONTRATUALIZAÇÃO PREOCUPAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 2.ª série N.º 164 24 de agosto de 2015 24159

MINISTÉRIOS DA ECONOMIA E DO AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E ENERGIA. Diário da República, 2.ª série N.º 164 24 de agosto de 2015 24159 Diário da República, 2.ª série N.º 164 24 de agosto de 2015 24159 mente, a composição e afetação dos inspetores às diversas Áreas e definindo orientações técnicas de serviço para o respetivo funcionamento;

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 373/2012 de 12 de Março de 2012

S.R. DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 373/2012 de 12 de Março de 2012 S.R. DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 373/2012 de 12 de Março de 2012 O Programa do X Governo Regional dos Açores inclui nos seus objectivos o fomentar a qualificação

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015. Artigo 1º Âmbito e definição PROGRAMA DE VOLUNTARIADO JOVEM EQUIPA DE VIGILÂNCIA FLORESTAL 2015 Artigo 1º Âmbito e definição 1. As presentes normas instituem e regulam o Programa de Voluntariado Jovem para operacionalização da Equipa

Leia mais