Desenvolvimento de grandes aplicações com a programação orientada a objeto do LabVIEW

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de grandes aplicações com a programação orientada a objeto do LabVIEW"

Transcrição

1 1

2 Desenvolvimento de grandes aplicações com a programação orientada a objeto do LabVIEW Alisson Kokot Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Sistemas 2

3 Agenda 1. Arquitetura da Aplicação 2. Apresentação Separada 3. Inserção de Dependências 4. HAL Camada de Abstração de Hardware 3

4 Desafios no Projeto de Grandes Sistemas Complexidade Construído por times Gerenciar Mudanças Multiplas versões de produtos DEMO 4

5 JKIphone Dr. T - Mobile 555? Componentes de Hardware Bateria Receptor Transmissor 5

6 Modelo de Objeto Separação de Conceitos Tela Interf. Usuário Ger. Energia Ger. Chamadas Telefone Bateria Transmissor Receptor 6

7 Projeto em camadas Camada de Apresentação Camade de Serviço Camada de Domínio Camada de Dados Apresentação e lógica da apresentação Coordenação de accesso ao negócio / Dominio lógico Negócio / Dominio lógico Dados e abstração de Hardware 7

8 Exemplo de projeto em camadas Camada de Apresentação Tela Interf. Usuário Camada de Serviço Telefone Camada de Domínio Ger. de energia Ger. Chamadas Camada de Dados Bateria Receptor Transmissor 8

9 Conteúdo 1. Arquitetura da Aplicação 2. Apresentação Separada 3. Inserção de Dependências 4. HAL Camada de Abstração de Hardware 9

10 Apresentação Separada Código que manipula apresentação Somente manipula apresentação Todo o domínio e fonte de dados lógicos em partes claramente separadas do programa 10

11 Padrão de Projetos Modelo- Visualização-Controle Visualização Controlador Modelo 11

12 Padrão de projetos Modelo- Visualização-Apresentador Visualização Apresentador Modelo 12

13 Natureza Especial da Interface de Usuário no LV Eventos de usuário são convenientemente gerenciados somente no VI que contém a interface de usuário Separação de interface de usuário da lógica pesada 13

14 Garantindo uma apresentação testável Realizar Unit Testing de uma máquina de estados é um desafio Mova a apresentação lógica da máquina de estados para VIs A máquina de estados deve atuar apenas como um chamador 14

15 Conteúdo 1. Arquitetura da Aplicação 2. Apresentação Separada 3. Inserção de Dependências 4. HAL Camada de Abstração de Hardware 15

16 Dependências Inter-Classes Camada de Domínio Ger. Energia Ger. Chamadas Camada de Dados Bateria Receptor Transmissor 16

17 Testando Gerenciamento de Energia Camada de Domínio Camada de Dados Ger. Energia Bateria Real O Gerenciamento de energia é acoplado a bateria real O teste automático é difícil 17

18 Simulando Hardware Camada de Domínio Camada de Dados Bateria Real Ger. Energia Bateria Herança de bateria Bateria Simulada Como podemos alternar entre o hardware real e simulado? 18

19 Construindo Gerênciamento de Energia sem Inserção de dependências 19

20 Conteúdo 1. Arquitetura da Aplicação 2. Apresentação Separada 3. Inserção de Dependências 4. HAL Camada de Abstração de Hardware 20

21 Ciclos de Vida Diferentes Produtos com cliclos de vida de décadas ou de meses Ciclo de Vida Longo O dispositivo em teste não muda Os instrumentos usados no teste se tornam obsoletos Ciclo de Vida Curto O dispositivo em teste não muda Os instrumentos usados para o teste continuam o mesmo A aplicação do teste muda 21

22 Aplicação Típica de Teste Aplicação de Teste Drivers de Instrumento Instrumentos 22

23 Aplicação Típica de Teste: Migração Aplicação de Teste Novo Desenvolvimento, Validação e Documentação Drivers de Instrumento Novos Instrumentos 23

24 Aplicação Típica de Teste: Migração Aplicação de Teste Mudanças CamadaDevido de Abstração ao Novo de Hardware Instrumento Drivers de Instrumento Novo Instrumento 24

25 Benefícios do HAL Gerenciamento de Equipamentos Obsoletos Inserção de Tecnologia Menor Custo de Migração Menor Tempo de Migração Flexibilidade e Reuso Manutenção Simplificada 25

26 Desafios Desenvolvimento mais caro Convencer Gerenciamento Projeto Não Trivial 26

27 Implementação da Hierarquia de Classes Device Specific Software Plug-in (DSSP) Classe Pai Comum Baseada em Medição Ag Sig Gen Tektronix Scope Fluke DMM NI Sig Gen NI Digitizer NI DMM 27

28 Implementação da Classe Pai Device Specific Software Plug-in (DSSP) Classe Pai Comum Sig Gen Plug-in Scope Plug-in DMM Plug-in DUT Plug-in Baseada em Medição Ag Sig Gen NI Sig Gen Tektronix Scope NI Digitizer Fluke DMM NI DMM DUT Type B DUT Type A 28

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

Adicionando Novas Dimensões para Testes Real-Time com NI VeriStand 2012

Adicionando Novas Dimensões para Testes Real-Time com NI VeriStand 2012 Adicionando Novas Dimensões para Testes Real-Time com NI VeriStand 2012 Alisson Kokot Engenheiro de Vendas de Campo, National Instruments Anderson Takemoto Engenheiro de Aplicações de Campo, National Instruments

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Validação

Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Validação Engenharia de software para desenvolvimento com LabVIEW: Orientação a Objetos, Statechart e Validação André Pereira Engenheiro de Vendas (Grande São Paulo) Alexsander Loula Coordenador Suporte Técnico

Leia mais

Seja um Guru de Aquisição de Dados. Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments

Seja um Guru de Aquisição de Dados. Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments Seja um Guru de Aquisição de Dados Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição Américas National Instruments On-demand Dia 06/10/2015 Às 10h Agenda Dia 06/10/2015 Às 14h Dia 07/10/2015 Às 10h

Leia mais

National Instruments. Aerospace & Defense Day 2013. ni.com

National Instruments. Aerospace & Defense Day 2013. ni.com National Instruments Aerospace & Defense Day 2013 1 Big Analog Data - Soluções para gerenciamento de dados de teste Alisson Kokot - Engenheiro de vendas Ilton Pereira - Gerente de engenharia de aplicações

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

OTIMIZE OS SEUS PROCESSOS! Base sólida para negócios de sucesso

OTIMIZE OS SEUS PROCESSOS! Base sólida para negócios de sucesso OTIMIZE OS SEUS PROCESSOS! Base sólida para negócios de sucesso O SIGA Cloud é um sistema integrado de gestão administrativa que engloba todas as componentes de gestão documental e processos das organizações,

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Melhores práticas para desenvolvimento de software e gerenciamento de código

Melhores práticas para desenvolvimento de software e gerenciamento de código Melhores práticas para desenvolvimento de software e gerenciamento de código Osvaldo Santos Engenheiro de Sistemas Ilton Pereira Gerente de Engenharia de Aplicações Agenda Gestão de documentos Requisitos

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e Engenharia de! Engenharia de e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Modelagem de Software

Modelagem de Software Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação CPCX Modelagem de Software Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin Machado UFMS/FACOM

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e! e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do Processo de Desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

Projeto Gráfico de Sistemas. Tecnologias e Aplicações na Indústria Pesquisa e Ensino

Projeto Gráfico de Sistemas. Tecnologias e Aplicações na Indústria Pesquisa e Ensino Projeto Gráfico de Sistemas Tecnologias e Aplicações na Indústria Pesquisa e Ensino Arnaldo Clemente André Oliveira Perfil Líderes em Medição e Automação Baseados em PC Longa história de crescimento e

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista Banco de Dados Capítulo 1: Introdução Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

como instalar os drivers de USB

como instalar os drivers de USB como instalar os drivers de USB O referencial em comunicações móveis via satélite instalação dos drivers de USB É necessário instalar os drivers de USB no seu computador antes de instalar as ferramentas

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Desenvolvendo sistemas de inspeção automatizadas com o Vision Builder AI e LabVIEW. Marcelo Costa Engenheiro de Vendas

Desenvolvendo sistemas de inspeção automatizadas com o Vision Builder AI e LabVIEW. Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Desenvolvendo sistemas de inspeção automatizadas com o Vision Builder AI e LabVIEW Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Tiposde Software de Visão Bibliotecas Programação NI Vision Development Module Grande

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste

Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Desenvolva aplicações mais eficientes de teste estrutural e bancos de teste Alisson Kokot Engenheiro de Vendas - National Instruments Arquiteturas de medição condicionada Centralizada Distribuída Sala

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Acordo global de serviços com a Delphi Visão geral, 5/2011. Chad Ruwe, gerente de contas da NI Marni Schwartz, gerente sênior de programa

Acordo global de serviços com a Delphi Visão geral, 5/2011. Chad Ruwe, gerente de contas da NI Marni Schwartz, gerente sênior de programa Acordo global de serviços com a Delphi Visão geral, 5/2011 Chad Ruwe, gerente de contas da NI Marni Schwartz, gerente sênior de programa Acordo global de serviços com a Delphi Acesso ilimitado ao software

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira

MANUTENÇÃO DE MICRO. Mário Gomes de Oliveira MANUTENÇÃO DE MICRO Mário Gomes de Oliveira 1 IRQ Pedido de atenção e de serviço feito à CPU, para notificar a CPU sobre a necessidade de tempo de processamento. 2 IRQ (Interrupt Request line ou Linha

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Análise de Requisitos Conceitos

Análise de Requisitos Conceitos Tema da Aula Conceitos Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Analisar (v) 1. Decompor um todo em partes, componentes; fazer análise 2. Observar, examinar com minúcia; esquadrinhar 3. Examinar

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Design de Software e Projeto Arquitetural de Software Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Agenda 1. Contexto da Arquitetura e Projeto de Software 2. Definição de Arquitetura

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2 Processos de Desenvolvimento de Software Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 2 A Engenharia de Software Uma Tecnologia em Camadas ferramentas métodos processo foco na qualidade

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

II Conferência IceWarp América do Sul. Case Silicom ISP. Solução centralizada de e-mail IceWarp Mail Server e integração com Parallels Plesk Expand

II Conferência IceWarp América do Sul. Case Silicom ISP. Solução centralizada de e-mail IceWarp Mail Server e integração com Parallels Plesk Expand 1 II Conferência IceWarp América do Sul Case Silicom ISP Solução centralizada de e-mail IceWarp Mail Server e integração com Parallels Plesk Expand 2 Objetivos: -Centralizar solução de email e webhosting

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Aulas 01-04 Prof. Adilson G. Damasceno Este material não substitui o livro texto, as referências recomendadas e nem as aulas expositivas. 10/09/2014 Aula 01 1 Paradigmas

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. AssetView FDT. AssetView FDT

MANUAL DO USUÁRIO. AssetView FDT. AssetView FDT MANUAL DO USUÁRIO AssetView FDT AssetView FDT A S T V W F D T M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão

Leia mais

Otimize e reduza o tempo do seu teste com LabVIEW e TestStand. ni.com

Otimize e reduza o tempo do seu teste com LabVIEW e TestStand. ni.com Otimize e reduza o tempo do seu teste com LabVIEW e Stand Agenda Introdução à aplicações de testes Software de gerenciamento de teste Necessidade de aumentar o rendimento do teste Opções para aumentar

Leia mais

Windows 8 no Surface, Data Dashboard e a evolução do mercado de tecnologia móvel

Windows 8 no Surface, Data Dashboard e a evolução do mercado de tecnologia móvel Windows 8 no Surface, Data Dashboard e a evolução do mercado de tecnologia móvel Mike Hall, Engenheiro principal National Instruments R&D Crescimento explosivo de dispositivos móveis 400 350 300 250 200

Leia mais

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA

Introduçãoa Engenhariade. Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA Introduçãoa Engenhariade Software Prof. Anderson Cavalcanti UFRN-CT-DCA O que é Software? O que é software? São programas de computadores, em suas diversas formas, e a documentação associada. Um programa

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão

Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Integração avançada entre sistemas de movimento e visão Marcelo Costa Engenheiro de Vendas Telles Soares Engenheiro de Campo Agenda Benefícios da integração Tipos de integração e exemplos MOVIMENTO VISÃO

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Introdução a Organização e Arquitetura de Computadores

Introdução a Organização e Arquitetura de Computadores ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES Introdução a Organização e Arquitetura de Computadores Alexandre Amory Edson Moreno Na Aula Anterior 2 Desktop Freqüência e operação está estagnada Como aumentar

Leia mais

Aplicações e Serviços Baseados em Localização

Aplicações e Serviços Baseados em Localização Aplicações e Serviços Baseados em Localização Introdução à Computação Móvel Adolfo Correia Sumário Introdução Taxonomia de Aplicações Arquitetura Técnicas de Localização Conclusão Introdução Integram a

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Teste em tempo real com

Teste em tempo real com Teste em tempo real com Nick Keel Gerente de Produto - NI VeriStand Aplicações de teste em tempo real Simulação Hardware-in-the-Loop Controle de dinamômetro Teste estrutural / fadiga Teste ambiental Teste

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Android Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Universidade Federal de Santa Catarina November 18, 2008 Agenda 1 Introdução 2 Dalvik 3 Linux 2.6 Introdução

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Programação em LabVIEW Real- Time e LabVIEW FPGA

Programação em LabVIEW Real- Time e LabVIEW FPGA Programação em LabVIEW Real- Time e LabVIEW FPGA André Pereira Gerente de Marketing Técnico Anderson Takemoto Engenheiro de Campo Arquitetura de E/S reconfigurável (RIO) 3 1 Construindo uma interface de

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

ÁREA: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

ÁREA: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) ADAPTAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO PROCESSADOR RISCO A UMA ARQUITETURA MULTI-CORE PARA SISTEMAS EMBARCADOS DE PROPOSITO GERAL Laysson Oliveira Luz (Bolsista PIBIC/CNPq), Ivan Saraiva Silva (Orientador, Departamento

Leia mais

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados 1021 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados Cássia Zottis¹, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 (orientadora) 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Noções básicas de Informática: Software

Noções básicas de Informática: Software Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Noções básicas de Informática: Software DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Sobre

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about. PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS -ARQUITETURAS DE APLICAÇÃO MÓVEL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução Cliente-Servidor Cliente Servidor Tipos de conexão

Leia mais

Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento

Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento 1 Vantagens da arquitetura LabVIEW RIO para aplicações de controle de movimento Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Telles Soares Engenheiro de Sistemas National Instruments O

Leia mais