UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DE APOIO DIDÁTICO PELOS DOCENTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNESC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DE APOIO DIDÁTICO PELOS DOCENTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNESC"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM DIDÁTICA E METODOLOGIA DO ENSINO SUPERIOR SANDRELÍ VIEIRA DE JESUS UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DE APOIO DIDÁTICO PELOS DOCENTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNESC CRICIÚMA - SC, MARÇO DE 2006

2 SANDRELÍ VIEIRA DE JESUS UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DE APOIO DIDÁTICO PELOS DOCENTES DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO DA UNESC Monografia apresentada à Diretoria de Pós-graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, para a obtenção do título de especialista em Didática e Metodologia do Ensino Superior. Orientadora: Profª MSc. Christine Vieira Scarpato. CRICIÚMA - SC, MARÇO DE 2006

3 Aos meus pais, Waldir (in memoriam) e Arlete, que sempre me estimularam a viver a vida em estado de permanência celebração. Ao meu esposo, Edson, pelo incentivo em mais esta etapa em minha vida. À minha filha, Ana Carolina, que me inspira a ir adiante na concretização dos meus sonhos.

4 AGRADECIMENTO À minha Orientadora, Profª MSc. Christine Vieira Scarpato, pelo acompanhamento competente. Aos professores e colegas do Programa de Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior da UNESC, que tanto contribuíram nas discussões e construção do conhecimento.

5 ...o constante avanço da revolução tecnológica exigirá do homem a dedicação de uma grande parcela de seu tempo para aprender a dominar inovações. Só haverá lugar para quem for capaz de aprender continuamente. Lampert

6 RESUMO Este estudo é resultado de um processo de verificação se os docentes do curso presencial de graduação em Secretariado Executivo da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC fazem uso de softwares de apoio didático nas disciplinas por eles ministradas. Foram sujeitos da pesquisa realizada 21 docentes. Pretendeu-se verificar até que ponto os programas/aplicativos educacionais podem favorecer o desenvolvimento da criatividade e da iniciativa dos educandos, tornando as disciplinas mais significativas para os alunos do curso, motivando-os a fim de lançar-se ao mercado de trabalho com segurança e maturidade suficientes para desempenhar as funções relacionadas à sua área. Procedeu-se inicialmente uma revisão bibliográfica, com o intuito de mostrar a informática no contexto educativo no Brasil, bem como o de apresentar definição de softwares educacionais e sua importância no processo de ensino e aprendizagem, enfatizando a necessidade da capacitação de professores informatizados. Os resultados demonstraram que as novas tecnologias, sobretudo os softwares de apoio didático, são utilizadas por poucos docentes em sua proposta pedagógica disciplinar. Diante disso, constatou-se que, em virtude do avanço incontestável das novas tecnologias, muitos dos docentes não possuem conhecimento específico e habilidades sobre os recursos computacionais para interagir com os acadêmicos, não atendendo assim a realidade educacional. Para tanto, é necessária uma análise cuidadosa por parte dos docentes sobre a integração de softwares educacionais como material de apoio às atividades que desenvolvem em sala de aula, superando barreiras de ordem administrativa e pedagógica, possibilitando a transição de um sistema tradicional de ensino para uma abordagem voltada à construção do conhecimento e a produção de novos saberes. Palavras-chave: softwares de apoio didático. universidade. educação. docentes.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Faixa etária...41 Figura 2 Gênero...42 Figura 3 Graduação...43 Figura 4 Pós-Graduação...43 Figura 5 Capacitação continuada...44 Figura 6 Conhecimento em línguas estrangeiras...45 Figura 7 Conhecimento em informática...45 Figura 8 Tempo de docência...46 Figura 9 Carga horária semanal...47 Figura 10 Atuou como docente...47 Figura 11 Tempo de docência no curso de Secretariado Executivo...48 Figura 12 Outro vínculo empregatício...49 Figura 13 Perspectiva em relação à carreira de docente...50 Figura 14 Utilização do computador...51 Figura 15 Quando utiliza o computador...51 Figura 16 Aprendeu a utilizar o computador empiricamente...52 Figura 17 Domínio do Microsoft Word...53 Figura 18 Domínio do Microsoft Excel...53 Figura 19 Domínio do Outlook Express...54 Figura 20 Domínio Webmail...55 Figura 21 Domínio Eudora...55 Figura 22 Domínio MSN...56

8 Figura 23 Microsoft PowerPoint...56 Figura 24 Domínio Datashow...57 Figura 25 Domínio Scanner...58 Figura 26 Domínio Impressoras multifuncionais...58 Figura 27 Domínio Gravador de CD ou DVD...59 Figura 28 Domínio da Máquina fotográfica digital...60 Figura 29 Domínio de Webcan...60 Figura 30 Domínio de outras tecnologias...61 Figura 31 Videoconferência...62 Figura 32 Teleconferência...63 Figura 33 Editores colaborativos...63 Figura 34 Listas de discussões...64 Figura 35 Correios eletrônicos...65 Figura 36 FAQ (Frequently Asked Questions)...65 Figura 37 Bate-papo (chat)...66 Figura 38 Outras tecnologias...66 Figura 39 Utiliza a Internet...67 Figura 40 Acesso à Internet...68 Figura 41 Tipo de acesso à Internet...69 Figura 42 Página pessoal na Internet...69 Figura 43 Atividades pedagógicas no laboratório de informática...70 Figura 44 Freqüência de utilização do laboratório de informática...71 Figura 45 Conhece o Ambiente de Aprendizagem Virtual da UNESC (LearnLoop)...72 Figura 46 Utilização espaço virtual (LearnLoop) na disciplina...73

9 Figura 47 Conhece softwares de apoio didático à sua disciplina...74 Figura 48 Utilização software de apoio didático à disciplina...74 Figura 49 Motivos para não fazer uso de softwares de apoio didático...76 Figura 50 Utiliza softwares para preparar as aulas...77 Figura 51 Conhece algum software específico para área de Secretariado Executivo...78 Figura 52 Interesse dos discentes com relação ao uso de softwares de apoio didático...79 Figura 53 Avaliação com relação aos softwares de apoio didático...80 Figura 54 Softwares de apoio didático contribuição na construção de novos conhecimentos...80 Figura 55 Softwares de apoio didático auxiliam no ensino e aprendizagem...81 Figura 56 Softwares de apoio didático na formação do profissional secretário...82 Figura 57 Formação específica para analisar e utilizar softwares de apoio didático...83 Figura 58 Plano de ensino...84 Figura 59 Metodologia...84 Figura 60 Avaliação (resultados, exercícios)...85 Figura 61 Divulgação de notas...85 Figura 62 Desenvolvimento de projetos, pesquisas...86 Figura 63 Publicação de artigos...87 Figura 64 Serviço de busca, trabalhos desenvolvidos pelos alunos das disciplinas...87 Figura 65 Comunicação (correio eletrônico, chat, fórum de discussão)...88 Figura 66 Outros materiais...89

10 Figura 67 Pesquisas vinculadas à atuação do profissional de Secretariado Executivo...89 Figura 68 Pesquisas pertinentes à disciplina...90 Figura 69 Pesquisas sobre mercado de trabalho de Secretariado Executivo...91 Figura 70 Criar e participar de chat (bate-papo online)...91 Figura 71 Contribuição no ensino e aprendizagem dos discentes...92 Figura 72 Internet para outras finalidades...93 Figura 73 Freqüência utilização da Internet para Secretariado Executivo...93 Figura 74 Comunicação via correio eletrônico ( ) com os discentes...94 Figura 75 Formação do profissional com as exigências da sociedade tecnológica95 Figura 76 Uso das novas tecnologias na formação do profissional de Secretariado Executivo...96 Figura 77 Softwares de apoio didático possibilitam o profissional de Secretariado Executivo desempenhar suas funções no mercado de trabalho...97 Figura 78 Integração tecnologia e proposta de ensino e aprendizagem formam Secretários Executivos capazes de construir novos conhecimentos...98

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Faixa etária...41 Tabela 2 Gênero...42 Tabela 3 Graduação...42 Tabela 4 Pós-Graduação...43 Tabela 5 Capacitação continuada...44 Tabela 6 Conhecimento em línguas estrangeiras...44 Tabela 7 Conhecimento em informática...45 Tabela 8 Tempo de docência...46 Tabela 9 Carga horária semanal...47 Tabela 10 Atuou como docente...47 Tabela 11 Tempo de docência no curso de Secretariado Executivo...48 Tabela 12 Outro vínculo empregatício...49 Tabela 13 Perspectiva em relação à carreira de docente...49 Tabela 14 Utilização do computador...50 Tabela 15 Quando utiliza o computador...51 Tabela 16 Aprendeu a utilizar o computador empiricamente...52 Tabela 17 Domínio do Microsoft Word...52 Tabela 18 Domínio do Microsoft Excel...53 Tabela 19 Domínio do Outlook Express...54 Tabela 20 Domínio Webmail...54 Tabela 21 Domínio Eudora...55 Tabela 22 Domínio MSN...56

12 Tabela 23 Domínio do Microsoft PowerPoint...56 Tabela 24 Domínio Datashow...57 Tabela 25 Domínio Scanner...58 Tabela 26 Domínio Impressoras multifuncionais...58 Tabela 27 Domínio Gravador de CD ou DVD...59 Tabela 28 Domínio da Máquina fotográfica digital...59 Tabela 29 Domínio de Webcan...60 Tabela 30 Domínio de outras tecnologias...61 Tabela 31 Videoconferência...62 Tabela 32 Teleconferência...62 Tabela 33 Editores colaborativos...63 Tabela 34 - Listas de discussões...64 Tabela 35 Correios eletrônicos...64 Tabela 36 FAQ (Frequently Asked Questions)...65 Tabela 37 Bate-papo (chat)...66 Tabela 38 Outras tecnologias...66 Tabela 39 Utiliza a Internet...67 Tabela 40 Acesso à Internet...68 Tabela 41 Tipo de acesso à Internet...68 Tabela 42 Página pessoal na Internet...69 Tabela 43 Atividades pedagógicas no laboratório de informática...70 Tabela 44 Freqüência de utilização do laboratório de informática...71 Tabela 45 Conhece o Ambiente de Aprendizagem Virtual da UNESC (LearnLoop)...72 Tabela 46 Utilização espaço virtual (LearnLoop) na disciplina...73

13 Tabela 47 Conhece softwares de apoio didático à sua disciplina...73 Tabela 48 Utilização software de apoio didático à disciplina...74 Tabela 49 Motivos para não fazer uso de softwares de apoio didático...76 Tabela 50 Utiliza softwares para preparar as aulas...77 Tabela 51 Conhece algum software específico para área de Secretariado Executivo...77 Tabela 52 Interesse dos discentes com relação ao uso de softwares de apoio didático...78 Tabela 53 Avaliação com relação aos softwares de apoio didático...79 Tabela 54 Softwares de apoio didático contribuição na construção de novos conhecimentos...80 Tabela 55 Softwares de apoio didático auxiliam no ensino e aprendizagem...81 Tabela 56 Softwares de apoio didático na formação do profissional secretário...82 Tabela 57 Formação específica para analisar e utilizar softwares de apoio didático...82 Tabela 58 Plano de ensino...83 Tabela 59 Metodologia...84 Tabela 60 Avaliação (resultados, exercícios)...85 Tabela 61 Divulgação de notas...85 Tabela 62 Desenvolvimento de projetos, pesquisas...86 Tabela 63 Publicação de artigos...86 Tabela 64 Serviço de busca, trabalhos desenvolvidos pelos alunos das disciplinas...87 Tabela 65 Comunicação (correio eletrônico, chat, fórum de discussão)...88 Tabela 66 Outros materiais...88

14 Tabela 67 Pesquisas vinculadas à atuação do profissional de Secretariado Executivo...89 Tabela 68 Pesquisas pertinentes à disciplina...90 Tabela 69 Pesquisas sobre mercado de trabalho de Secretariado Executivo...90 Tabela 70 Criar e participar de chat (bate-papo online)...91 Tabela 71 Contribuição no ensino e aprendizagem dos discentes...92 Tabela 72 Internet para outras finalidades...92 Tabela 73 Freqüência utilização da Internet para Secretariado Executivo...93 Tabela 74 Comunicação via correio eletrônico ( ) com os discentes...94 Tabela 75 Formação do profissional com as exigências da sociedade tecnológica...95 Tabela 76 Uso das novas tecnologias na formação do profissional de Secretariado Executivo...96 Tabela 77 Softwares de apoio didático possibilitam o profissional de Secretariado Executivo desempenhar suas funções no mercado de trabalho...96 Tabela 78 Integração tecnologia e proposta de ensino e aprendizagem formam Secretários Executivos capazes de construir novos conhecimentos...97

15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Estrutura do trabalho BREVE HISTÓRICO DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO NO BRASIL Informática no contexto educativo deste século Reflexão: universidade educador educando CAPACITAÇÃO CONTINUADA DOS DOCENTES: O PROFESSOR INFORMATIZADO SOFTWARES EDUCACIONAIS Conceituações Categorias dos softwares educacionais e suas aplicabilidades De tutoriais De exercitação De programação De investigação De simulação e modelagem De jogos De aplicativos De autoria, multimídia METODOLOGIA Caracterização da pesquisa Instrumento de coleta de dados População e amostra Contexto de realização Procedimento de análise dos dados UNIVERSO DE INVESTIGAÇÃO História da Universidade do Extremo Sul Catarinense...37

16 6.2 Curso de Graduação em Secretariado Executivo Objetivo geral do curso Objetivo específico do curso Mercado de trabalho do Secretariado Executivo APRESENTAÇÃO DOS DADOS Pesquisa com os docentes do curso de Secretariado Executivo Identificação pessoal Identificação profissional Novas tecnologias (laboratório de informática) Computador Aplicativos Outros domínios tecnológicos Interação com os acadêmicos ou com outras pessoas utilizando tecnologias Internet Prática pedagógica e visão do profissional formado em Secretariado Executivo pela UNESC Prática pedagógica Visão do profissional formado em Secretariado Executivo pela UNESC ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS DADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES APÊNDICE A Questionário aplicado aos docentes do curso presencial de graduação em Secretariado Executivo da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC...116

17 11 1 INTRODUÇÃO A sociedade tecnológica está sendo vivida em toda a sua amplitude, seja no cotidiano pessoal, nas escolas ou nas relações de trabalho. Cada vez mais se constata a presença da informática nas vidas das pessoas, da robótica e de todos os produtos gerados pela tecnologia. Todo esse desenvolvimento produz mudanças em vários aspectos da sociedade, desde a sua organização até as suas relações. Medo, recusa, insegurança e ao mesmo tempo sedução são sensações que afloram nas pessoas através do contato com as máquinas na sua rotina diária, e a resistência natural às tecnologias mais novas reflete todos esses sentimentos. Vivendo num mundo tão ligado à tecnologia, não há como desconsiderar a formação do cidadão. Dentro desse contexto, é importante salientar o papel da universidade que convive com todo esse processo de informatização, seja no comprometimento de formação do cidadão-trabalhador em especial, pois este depende dela para a sua integração no mundo do trabalho e para lidar com a tecnologia no seu cotidiano pessoal ou profissional, ou na utilização do computador como ferramenta auxiliar do processo de ensino e aprendizagem em sala de aula. Os equipamentos eletrônicos na instituição de ensino colocam a comunidade frente a frente com o desafio de trabalhar com essas ferramentas na educação, e isto exige que os professores invistam em seu próprio desenvolvimento, através do apoio da própria instituição de ensino, para que a sua prática pedagógica possa se beneficiar dessa ferramenta tecnológica, e o ambiente da sala de aula se torne mais dinâmico e o aluno cada vez mais interessado.

18 12 Nessa rapidez com que a informática vem avançando, ultrapassando as barreiras e entrando nas instituições de ensino, o presente trabalho urge iniciar uma reflexão a respeito dos softwares de apoio didático, se estes estão sendo utilizados pelos docentes do curso de Secretariado Executivo da Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina, localizada em Criciúma. O interesse em trabalhar com este tema, referente aos recursos da informática educativa no curso de Secretariado Executivo, surge ao se deparar com inúmeras dúvidas, tais como: quais são os softwares existentes na universidade, além do ambiente virtual, que podem ser usados na prática pedagógica do curso? Os docentes do curso fazem uso de softwares de apoio didático nas disciplinas por eles ministradas? Os docentes proporcionam situações positivas no ensino e aprendizagem? Os docentes estão capacitados para o uso da informática como ferramenta de apoio em sala de aula? Ainda existem educadores receosos quanto ao uso dos computadores em sala de aula? O propósito deste trabalho, ainda, é conhecer a realidade para poder transformá-la. Pesquisador e pesquisados são sujeitos de um trabalho em comum, embora com tarefas e situações bem diferentes. Uma revisão teórica fornecerá as bases para alicerçar as reflexões, podendo contribuir para que os educadores passem a tomar consciência de que é preciso dedicar-se à capacitação continuada. Com isso, os docentes abrangem conhecimentos específicos sobre informática, ou seja, aspectos técnicos para a manipulação do computador. Também, alcançam conhecimentos sobre o processo de ensino e aprendizagem, que são as teorias que auxiliam na escolha de diferentes ferramentas computacionais e suportam a aplicação educacional das mesmas. Por fim, o processo de formação do educador para uso de softwares de apoio didático às

19 13 disciplinas favorece a aquisição de um conhecimento, a fim de que ele (o docente) possa assumir o seu papel de protagonista e ator nas ações educacionais. Todas estas razões justificam e ressaltam a importância do trabalho, as quais poderão evidenciar o estágio atual das tecnologias dentro da instituição de ensino em foco, bem como trazer reflexões críticas, positivas e/ou negativas, necessárias sobre tais avanços. 1.1 Tema Utilização de Softwares de apoio didático pelos docentes do curso de Secretariado Executivo da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC 1.2 Objetivos Objetivo geral Verificar se os docentes do curso presencial de graduação em Secretariado Executivo da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC fazem uso de softwares de apoio didático nas disciplinas por eles ministradas Objetivos específicos - identificar os softwares de apoio didático, se são utilizados em sala de aula; - evidenciar se a utilização desses softwares agrega conhecimento e prática na disciplina;

20 14 - obter informações dos docentes sobre suas necessidades de formação para analisar e utilizar softwares educativos em sua proposta pedagógica disciplinar. 1.3 Estrutura do trabalho Para proporcionar um entendimento na leitura, o trabalho está estruturado em nove capítulos. O primeiro contextualiza o tema, apresentando a introdução, os objetivos, a justificativa teórica e prática para a elaboração deste trabalho. O segundo mostra um breve histórico da informática na educação no Brasil e a sua importância no contexto educativo deste século, refletindo-se sobre universidade educador educando. O terceiro demonstra que o professor necessita refletir sobre seus saberes, dedicando uma grande parcela de seu tempo para aprender a dominar às inovações, para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem no contexto tecnológico atual. O quarto aborda a definição de softwares educacionais e os diversos tipos que podem ser classificados em algumas categorias, de acordo com os objetivos pedagógicos, uma vez que este estudo tem como característica fundamental a identificação de softwares de apoio didático usados na Universidade. O quinto discute a metodologia e as técnicas de pesquisas utilizadas para a construção deste trabalho. O sexto apresenta o universo de investigação. O capítulo seguinte expõe o material colhido nos questionários realizados com os docentes do curso de graduação em Secretariado Executivo da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC. O oitavo capítulo analisa e discute os dados confrontando com o material teórico. O último capítulo apresenta conclusões e recomendações, com base nos resultados da pesquisa realizada, que podem contribuir para futuros trabalhos sobre o mesmo tema. Logo em seguida, é descrita a bibliografia utilizada.

21 15 2 BREVE HISTÓRICO DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO NO BRASIL A história da informática educacional no Brasil nasceu no início da década de setenta do século XX. Nessa época, discutiu-se em um seminário intensivo, promovido pela Universidade de São Carlos, o uso do computador no ensino de física. Logo depois, aconteceu a Primeira Conferência Nacional de Tecnologia da Educação Aplicada ao Ensino Superior 1ª CONTECE realizada no Rio de Janeiro, na qual educadores fizeram menção ao uso de diversas tecnologias educacionais, dentre elas o ensino auxiliado por computadores. Outras iniciativas pessoais e de grupos de professores e pesquisadores nas Universidades Federais do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul (UFRJ e UFRGS) e na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) procuravam descobrir, segundo Andrade e Lima (1993, p. 37) os efeitos do computador como recurso auxiliar ao processo de ensino e aprendizagem. Nos anos 80, havia uma forte persuasão de que surgia uma nova sociedade dirigida para a informação e o conhecimento. A partir daí, órgãos governamentais e instituições de ensino superior começaram a demonstrar uma preocupação com a humanização do uso da informática na educação, com o intuito de permitir uma ação educativa que tivesse identidade, raízes sólidas e relativa maturidade para a criação e construção de novos conhecimentos. E é nesta perspectiva que sentimos a necessidade de refletir sobre a educação e a informática no sentido de possibilitar a formação de homens que ampliem os horizontes da ciência, dominem a tecnologia e se apropriem do conhecimento acumulado para gerar conhecimento novo, em benefício da sociedade, em busca da paz e da harmonia entre os homens. É desta forma que a associação informática e educação deverá ser equacionada, a partir de uma visão humanística do uso da tecnologia, que coloca o homem como centro de referência, e a sua realização total concebida como finalidade maior. (ANDRADE e LIMA, 1993, p. 29).

22 16 A primeira conexão da Internet, no Brasil, deu-se no meio acadêmico e científico, entre o Laboratório Nacional de Computação Científica-LNCC, do Rio de Janeiro, e a Universidade de Maryland. Conforme Pacheco (1999, p. 15), a rede chegou em 1988, para auxiliar o trabalho de pesquisa, disseminando-se rapidamente pelas universidades. Atualmente, grande parte das pessoas já tem conhecimento dessa comunicação por meio do computador, e o número de usuários cresceu consideravelmente. Para poder situar e compreender melhor esse estágio atual da informática no Brasil, é importante conhecer os fatos anteriores que influenciaram essa trajetória. Os Estados Unidos e a França foram os países que mais influenciaram na trajetória da informática na educação do Brasil. Durante o início dos anos 60, houve um investimento muito grande por parte do governo americano na produção de instrução auxiliada por computador, também conhecidos, na versão brasileira, como PEC Programas Educacionais por Computador. A história do desenvolvimento do software educacional mostra que os primeiros programas nesta área são versões computadorizadas imitando a atividade que acontecia em sala de aula. À medida que este uso se disseminava outras modalidades de uso do computador iam se originando. Porém, a propagação nas instituições de ensino somente aconteceu com a introdução dos microcomputadores. Isto consentiu uma enorme produção de cursos e uma diversificação de tipos de softwares educacionais. Praticamente é impossível identificar a quantidade de softwares educacionais produzidos e comercializados. De acordo com estudos feitos, a

23 17 produção maciça de softwares educacionais aconteceu durante somente três anos após a comercialização dos microcomputadores. No entanto, essa proliferação não produziu as mudanças no paradigma educacional. Mesmo nos dias atuais, a preparação dos docentes continua sendo como mero transmissor de informações, em vez de participarem de cursos voltados à formação de caráter pedagógico. Para Jhonson apud Valente e Almeida (1997, p. 48) O resultado desse tipo de uso têm sido questionados em termos do custo e dos benefícios educacionais alcançados. Nos Estados Unidos, a utilização de computadores na área educacional é completamente descentralizada e não dependente das decisões governamentais. O desenvolvimento tecnológico e a competição estabelecida pelo livre mercado das empresas produtoras de softwares são os que mais pressionam a utilização destes programas nas instituições de ensino. As mudanças de ordem tecnológica são sensíveis, mas não têm correspondência com as mudanças pedagógicas. (VALENTE e ALMEIDA, 1997). O uso de computadores na educação dos Estados Unidos e as experiências foram muito parecidas com as do Brasil, inclusive os tipos de computadores utilizados. No início dos anos 80, o aparecimento dos primeiros microcomputadores permitiu maior propagação nas instituições de ensino. Entretanto, não produziu mudanças pedagógicas, pois foi amplamente utilizado de forma a ensinar conceitos de informática ou automação da instrução, através de softwares educacionais dos tipos tutorial, exercício e prática, simulação simples, jogos, livros animados. A capacitação dos professores para o uso pedagógico do computador não aconteceu de maneira organizada e sistemática, pois receberam treinamento somente para a utilização de softwares. Já na França, o primeiro país ocidental que se programou como nação para enfrentar e vencer o desafio da informática na educação, serviu de modelo para o mundo.

24 18 Os programas de informática na educação desenvolvidos na França não tinham como objetivo mudanças pedagógicas, mas sim a preparação do aluno para ser capaz de usar a tecnologia da informática. Apesar disso, a França avançou em muitos aspectos da informática aplicada na educação. A preocupação em formar jovens capazes de se adaptarem a diversas situações no decorrer de suas vidas, transformou-se em um plano de intenções e ações concretas, dos quais o uso de recursos tecnológicos se fez cada vez mais presente, e isso impôs mudanças nos métodos de trabalhos dos docentes, gerando alterações pedagógicas que não haviam sido planejadas. A formação de professores e técnicos foi uma das grandes preocupações da França, e foi considerada como condição principal para uma verdadeira integração da informática na educação. Outra garantia importante é que todos os indivíduos tenham acesso à informação e ao uso da informática, a qual é reforçada pelos projetos de implantação de redes de computadores e de comunicação à distância para a educação e a formação. Como se havia mencionado, os Estados Unidos e França tiveram uma grande influência nos projetos de informática educativa no Brasil. Em 1997, foi constituído o Programa Nacional de Informática na Educação PROINFO, visando dar ênfase aos aspectos pedagógicos, inspirando-se no modelo francês. No entanto, esse programa, como também alguns projetos anteriores, por questões político-administrativas continuam inviabilizando sua realização, por não levar em frente os propósitos e objetivos educativos definidos. Apesar dos insistentes apelos dos meios de comunicação e das qualidades inerentes ao computador, a sua disseminação na área da educação está hoje muito longínqua do que se noticiava e se almejava.

25 19 Em diferentes países a introdução de computadores nas escolas não produziu o sucesso esperado, ou seja, o projeto ambicioso, em grande escala, não tem conduzido aos objetivos programados, mesmo quando deixados ao sabor do livre mercado, como no caso dos Estados Unidos ou quando são bem planejados em termos público alvo, equipamentos, software, meios de distribuição, instalação e manutenção, como é o caso da França. (VALENTE e ALMEIDA, 1997). 2.1 Informática no contexto educativo deste século O conhecimento, neste século, será uma das forças que pesarão no balanço socioeconômico e terá como poderoso parceiro as tecnologias de informação e comunicação. A sociedade contemporânea exige dos educadores e dos dirigentes dos sistemas educativos o provimento de uma educação de qualidade. Essa qualidade se define também pela contemporaneidade da educação, pela atualização das instituições de ensino e, especificamente, pela competência do docente. Acompanhar o desenvolvimento de recursos da informática é uma das tarefas que as universidades, dirigentes e docentes, devem se preocupar. Isto não quer dizer, que tenham que dominar e se interessar por tudo, mas devem ter o conhecimento e o domínio necessário para saber escolher o que é útil e aplicável a suas atividades administrativas e pedagógicas. Para que isso aconteça, é extremamente importante e inevitável que as instituições educacionais propiciem ambientes de estudos e capacitação continuadas de seu quadro de professores. Além disso, elas devem abordar temas sobre a importância da utilização dessas novas tecnologias, sobretudo, o uso de softwares como instrumentos de apoio didáticos e pedagógicos que auxiliam, e muito, o professor a desempenhar o seu papel de mediador no processo de ensino e aprendizagem de seus alunos.

26 20 Por isso a formação do professor envolve muito mais do que provê-lo com conhecimento técnico sobre computadores. Ela deve criar condições para o professor construir conhecimento sobre os aspectos computacionais; compreender as perspectivas educacionais subjacentes aos softwares em uso, isto é, as noções de ensino, aprendizagem e conhecimento implícitas no software; e entender por que e como integrar o computador na sua prática pedagógica. (VALENTE, 1999, p. 23). 2.2 Reflexão: universidade educador educando Conforme já mencionado anteriormente, está sendo posto no mundo contemporâneo a exigência de uma formação de qualidade dos professores, uma vez que estes são agentes responsáveis pela construção e transformação dos processos pedagógicos, organizacionais, didáticos, curriculares. Há uma exigência visível de mudança na identidade profissional e nas formas de trabalho dos professores. O tipo de trabalho convencional do professor está mudando em decorrência das transformações no mundo do trabalho, na tecnologia, nos meios de comunicação e informação, nos paradigmas do conhecimento, nas formas de exercício da cidadania, nos objetivos de formação geral que hoje incluem com mais força a sensibilidade, a criatividade, a solidariedade social, a qualidade de vida, o reconhecimento da diversidade cultural e das diferenças, a preservação do meio ambiental. (LIBÂNEO, 2000, p. 53). Assim, com as novas tecnologias que estão surgindo, os docentes devem aproveitá-las de forma a criar um novo encantamento na universidade, oferecendo múltiplas possibilidades de utilização. O reencantamento, enfim, não reside principalmente nas tecnologias - cada vez mais sedutoras mas em nós mesmos, na capacidade em tornarmo-nos pessoas plenas, num mundo de grandes mudanças. É maravilhoso crescer, evoluir, comunicar-se plenamente com tantas tecnologias de apoio. É frustrante, por outro lado, constatar que muitos só utilizam essas tecnologias nas suas dimensões mais superficiais, alienantes ou autoritárias. O reencantamento, em grande parte, vai depender de nós. (MORAN, 1996). Nessa linha de pensamento, o papel que o professor exerce é primordial para a obtenção de resultados positivos quando da utilização de novas tecnologias na educação. Cabe a ele a tarefa de integrar a tecnologia com a sua proposta de ensino, de formar cidadãos críticos, informados e capazes, de construir novos

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES

FACULDADE ZACARIAS DE GÓES FACULDADE ZACARIAS DE GÓES DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Valença Bahia Dezembro 2011 DIEGO DE JESUS BONFIM EDUCAÇÃO ONLINE Resenha a ser apresentada como avaliação da disciplina EAD em Ambiente

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS)

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE HISTÓRIA E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TICS) Isléia Rössler Streit Universidade de Passo Fundo istreit@upf.br Resumo: A evolução tecnológica das últimas duas

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida O uso da tecnologia de informação e comunicação TIC - na escola carrega em si mesmo as contradições da sociedade

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO TECNOLOGIA EDUCACIONAL PROJETO VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO TECNOLOGIA EDUCACIONAL PROJETO VEZ DO MESTRE 8 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO TECNOLOGIA EDUCACIONAL PROJETO VEZ DO MESTRE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: UM AUXÍLIO NA APRENDIZAGEM MICHELLE ARANDA STORTTI Orientador: Mario Luiz Rio de Janeiro

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: O USO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA¹. EIXO TEMÁTICO: Ensino, aprendizagem, pesquisa e avaliação na educação Básica.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: O USO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA¹. EIXO TEMÁTICO: Ensino, aprendizagem, pesquisa e avaliação na educação Básica. RELATO DE EXPERIÊNCIA: O USO DE JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa² Elizia Araujo Vieira³ RESUMO: O presente trabalho tem por objetivo salientar as contribuições do PIBID na formação

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA

CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA CURSO ONLINE DE ESPANHOL PARA A EJA Porto Alegre - RS - Maio 2012 Jozelina Silva da Silva UFRGS/ UAB SESI jozelinasilvadasilva@gmail.com Categoria: C Setor Educacional: 1 Classificação das Áreas de Pesquisa

Leia mais

Gestão de tecnologias na escola

Gestão de tecnologias na escola Gestão de tecnologias na escola Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida 1 As tecnologias de informação e comunicação foram inicialmente introduzidas na educação para informatizar as atividades administrativas,

Leia mais

UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DA PLANILHA DO EXCEL NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DA PLANILHA DO EXCEL NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DA PLANILHA DO EXCEL NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Msc. Eugênio Carlos Stieler (UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso-MT) Dr. Marcio Violante Ferreira (UNIFRA Centro

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?.

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?. Wellington Alves de Araújo 1 (CEDMB, EEX-II). Antônio Marcos Feitosa Gomes 2 (EMCDF). Péricles Souza

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA TECNOLOGIAS NAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS E INCLUSÃO DIGITAL

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio Filipe Cesar da Silva Discente da Universidade do Sagrado Coração (USC) felipe_mirc@hotmail.com Melissa

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Introdução: Como Professora do Colégio Pedro II (CPII), a mais de vinte anos,

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia.

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Educação à distância; Informática; Metodologia. 1 O PAPEL DA INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: Um Estudo de Caso no pólo UNOPAR, Machadinho do Oeste - RO Izaqueu Chaves de Oliveira 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo compreender a importância

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento

Categoria: A Estratégicas e políticas. Setor Educacional: 5 Educação continuada em geral. Natureza: B Descrição de projeto em andamento FORMAÇÃO CONTINUADA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA EXPERIÊNCIA EM CURITIBA Maio/2007 Eloina de Fátima Gomes dos Santos Prefeitura Municipal de Curitiba eloinas@curitiba.org.br Cíntia Caldonazo

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

II ENCONTRO DE MATEMÁTICA

II ENCONTRO DE MATEMÁTICA Perspectivas atuais para pesquisa em : Ensino e TECNOLOGIA EDUCACIONAL: POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO ENTRE PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ALUNO NO AMBIENTE ESCOLAR Ediênio Farias Célia Gomes Resumo: O presente

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Ação Educativa em Espaços não Escolares Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo)

Leia mais

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas

Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Reflexão das Monitorias de Química Oferecida pelo Projeto PIBID nas Escolas de Pelotas Eduardo Vargas Pereira (IC) 1*, Diego Soares de Moura (IC) 1, Caroline Pereira Dutra (IC) 1, Roberta Almeida dos Santos

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL

ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL 1 ATORES HUMANOS NA EAD: UMA PESQUISA A PARTIR DAS METODOLOGIAS E EXPERIÊNCIAS EXITOSAS NA REDE E-TEC BRASIL Florianópolis - SC - abril/2015 Júlio César da Costa Ribas IFSC julio@ifsc.edu.br Andreza Regina

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Introdução à Pedagogia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) A disciplina se constitui como

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais