DIRIGENTES. Chanceler Prof. Paulo Vasconcelos de Paula. Reitora Profa. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira. Vice-Reitor Prof.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRIGENTES. Chanceler Prof. Paulo Vasconcelos de Paula. Reitora Profa. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira. Vice-Reitor Prof."

Transcrição

1

2

3 3 DIRIGENTES Chanceler Prof. Paulo Vasconcelos de Paula Reitora Profa. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Vice-Reitor Prof. Aarão Lyra Pró-Reitora de Graduação Profa. Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-graduação Prof. Aarão Lyra Pró-Reitora de Extensão e Ação Comunitária Profa. Jurema Márcia Dantas da Silva - protempore 3

4 4 APRESENTAÇÃO A Universidade Potiguar UnP, fundada em 98, integra a Rede Laureate, a maior rede de Instituições de Ensino Superior no mundo, desde 007. Presente em mais de 0 países, conta com mais de 40 universidades e mais de 500 mil alunos. A UnP foi a primeira instituição do Nordeste e segunda em todo o Brasil a se integrar à rede, ampliando as possibilidades e oportunizando aos seus alunos uma formação multicultural e atuação mundial, por meio de programas exclusivos de intercâmbio para complemento da grade curricular, múltipla diplomação, estágio internacional, entre outros. Através da Escola de Comunicação e Artes, constituída pelos cursos de Comunicação Social, com habilitações na área de Publicidade e Propaganda e Jornalismo, e do Curso de Design Gráfico, com ênfase na área tecnológica, a Universidade Potiguar coloca à disposição da comunidade acadêmica uma excelente infra-estrutura com espaço físico perfeitamente adequado para atender às necessidades dos três cursos, que por sua vez estão voltados para a formação e evolução da cultura, da arte e da ciência. Neste contexto, a elaboração de um projeto pedagógico significa a expressão e o comprometimento de uma comunidade envolvida no processo de ensino e aprendizagem. Há cerca de 00 anos, pensadores da educação como Dewey e Freinet já afirmavam o valor dos projetos, uma assertiva atual para uma sociedade em que tudo o que se pretende desenvolver, transformar e construir deve ser planejado. Neste sentido, o Projeto Pedagógico do Curso de Publicidade Propaganda ampara-se na discussão e definição coletiva de processos e procedimentos de ensino e aprendizagem que visam à melhoria de seus autores e das condições de vida dos sujeitos na sociedade. As diretrizes que orientam o desenvolvimento de suas práticas estão amparadas nos princípios da missão institucional e fundamentadas nas dimensões políticas, filosóficas e pedagógicas do Projeto Pedagógico Institucional da Universidade Potiguar. Por sua vez, a gestão do Curso está organizada em consonância com o Plano de Desenvolvimento Institucional, que orienta as ações voltadas para a excelência acadêmica, expressa pelos elevados níveis de qualidade dos serviços e produtos educacionais; a sustentabilidade econômica, implicada no controle de variáveis econômicas de viabilidade dos cursos e, finalmente, pela 4

5 5 perspectiva da educação continuada enquanto uma premência constante de atualização profissional. A necessidade social de sua inserção no cenário educacional do Estado do Rio Grande do Norte visa ao atendimento de uma formação integral e cidadã de profissionais da comunicação social, habilitados para atuar no setor de serviços da publicidade e propaganda com visão crítica, criativa e autônoma e qualificação para compreender a dinâmica das transformações técnicas e tecnológicas implicadas diretamente no desenvolvimento deste campo social. Trata-se de uma formação que, para além dos conhecimentos funcionais, orienta para o posicionamento ético e atitude responsiva para com as próprias ações no mundo e sobre o mundo. Os objetivos de formação profissional, adotados, procuram responder aos anseios teóricos e práticos para o planejamento, execução e administração de projetos de comunicação e de publicidade e propaganda, com domínio da linguagem e da estética, das técnicas e das tecnologias, além de sensibilidade para um posicionamento ético e responsável diante das transformações sociais, políticas, econômicas e empresariais do contexto local e regional, face ao movimento mundial de globalização. Espera-se ainda que o percurso de formação proposto seja eficaz no desenvolvimento do espírito investigativo dos alunos, como forma de aquisição de habilidades e competências para uma atuação criativa e empreendedora. Com base nessas proposições, este projeto pedagógico organiza a sua estrutura curricular através de ciclos básicos, básico-profissionalizante e profissionalizante, adotados pela Instituição para a concepção de todos os Cursos por ela ofertados, e em respeito às Diretrizes Curriculares da Comunicação que orientam para a adoção de conteúdos gerais de identidade do Curso como de Comunicação Social e conteúdos específicos para o esforço de formação da diversidade de habilitações da área. A primeira parte deste documento apresenta o contexto institucional da Universidade Potiguar. A segunda parte concentra as informações de caráter administrativo, além do projeto pedagógico do Curso. A terceira destaca os dados do corpo docente, discente e técnico-administrativo. A quarta e última discorre sobre as instalações físicas e gerais, nesta dimensão incluso o parque laboratorial que dá sustentação às atividades práticas a serem realizadas no processo formativo previsto para o ano de 00. 5

6 6 A configuração ora apresentada deve ser percebida na dialética da dinâmica e do contexto das inserções institucional, geográfica e mercadológica de oferta desta formação, o que significa um processo que tanto influencia como é influenciado pelos desafios contínuos da instituição de ensino no esforço da ressignificação de todos os envolvidos. 6

7 7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PARTE I O CONTEXTO INTERNO DA UNIVERSIDADE POTIGUAR VISÃO GERAL.... PRINCÍPIOS E FINALIDADES....3 MISSÃO E VISÃO ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E ACADÊMICA ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA Atividades de Ensino Campus Natal Campus Mossoró Sobre a pesquisa, extensão e ação comunitária PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL... 0 PARTE II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DADOS DO CURSO Denominação Regime acadêmico Modalidade de oferta Total de vagas e turno de funcionamento Carga horária total Integralização do Curso Local de funcionamento Histórico Diretoria do Curso ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA Da direção de cursos de graduação na UnP Da Diretoria do Curso de Publicidade e Propaganda Conselho de curso AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Necessidade social

8 8.5. Concepção Objetivos Perfil profissional Competências e Habilidades Campo de Atuação do Egresso Organização curricular Estruturas Curriculares Organização curricular Ementário e Bibliografia METODOLOGIA Atividades de Pesquisa, Iniciação Científica, Extensão e Ação Comunitária Eventos do Curso de Publicidade PARTE III CORPO DOCENTE, CORPO DISCENTE E CORPO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO PERFIL DOCENTE Formação e experiência profissional ATENÇÃO AOS DISCENTES CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO Equipe de apoio técnico-administrativo para o Curso Atividades de capacitação PARTE IV INSTALAÇÕES FÍSICAS INTALAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA Funcionamento do SIB/UnP Acervo Acervo do Curso INSTALAÇÕES PARA O CURSO LABORATÓRIOS Laboratórios de informática Laboratórios específicos do Curso Complexo Laboratorial de Fotografia Laboratório de Mídia Laboratório de Rádio

9 Laboratório de Televisão ESPAÇOS DE ATIVIDADE PRÁTICA E ACADÊMICA Núcleo de Cinema e Vídeo Agência Escola... 6 ANEXO 9

10 0 PARTE I O CONTEXTO INTERNO DA UNIVERSIDADE POTIGUAR 0

11 . VISÃO GERAL Com mais de 5 anos de funcionamento, a Universidade Potiguar (UnP), com sede em Natal, capital do Rio Grande do Norte (RN), iniciou suas atividades em 98 (Parecer CFE n. 70, de 8 de fevereiro de 98; Decreto n /98, D.O.U. de 0 de março de 98), tendo sido transformada em Universidade por meio de Decreto de 0 de dezembro de 996 (D.O.U. de 9 de dezembro de 996). A partir de outubro de 007, passa a integrar a Laureate International Universities, como primeira Instituição de Ensino Superior do Nordeste brasileiro a compor essa Rede. Mantida pela Sociedade Potiguar de Educação e Cultura (APEC) - pessoa jurídica de natureza privada, constituída como sociedade anônima e com finalidade lucrativa -, a UnP é a única Universidade particular do RN, atuando ao lado de três outras instituições públicas, da mesma natureza: as Universidades Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) e Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), as duas últimas com sede em Mossoró/RN. Com uma imagem de credibilidade consolidada local e regionalmente, conforme indicado no seu Autoestudo 008., a Universidade Potiguar tem a sua estrutura organizada em dois campi: o Campus Natal, abrangendo quatro Unidades - Floriano Peixoto, Salgado Filho, Nascimento de Castro e Roberto Freire -, e o Campus Mossoró, autorizado nos termos da Portaria/MEC n..849, de 3 de dezembro de 00, e situado na Zona Oeste do Estado. O Estatuto Social original da APEC foi inscrito no Cartório do Ofício de Notas da Comarca de Natal - Registro Civil das Pessoas Jurídicas - no livro próprio A - n. 0, à fl. 09, sob o número 5, data de O Estatuto atual tem seu registro no dia 09/0/007, na Junta Comercial do Estado do Rio Grande do Norte (JUCERN) - NIRE e CNPJ/MF n / UNIVERSIDADE POTIGUAR. Comissão Própria de Avaliação. Autoestudo 007/008.. Natal, out./008.

12 . PRINCÍPIOS E FINALIDADES Filosófica e politicamente, a administração da Universidade é regida por diretrizes fundamentadas na ética, em valores culturais, sociais e profissionais, expressos nos seus princípios e finalidade. Os princípios, explicitados no Estatuto, art. 3, indicam a necessidade de uma atuação que expresse 3 : a defesa dos direitos humanos; a excelência acadêmica; a formação cidadã; o exercício pleno da cidadania; a liberdade no ensino, na pesquisa e na divulgação da cultura, da arte e do saber; a pluralidade de idéias e concepções pedagógicas; a participação e a descentralização na gestão acadêmica e administrativa; a igualdade de acesso aos bens culturais e serviços prestados à comunidade; a valorização do profissional da educação; a participação integrada e solidária no processo de desenvolvimento sustentável e na preservação do meioambiente. Esses princípios, por sua vez, são orientadores da finalidade precípua da Universidade, qual seja, a de promover o bem comum pelo desenvolvimento das ciências, das letras e das artes, pela difusão e preservação da cultura e pelo domínio e cultivo do saber humano em suas diversas áreas. 3 UNIVERSIDADE POTIGUAR. Estatuto. Natal, 009. (Documentos Normativos da UnP. Série azul Normas da Organização Universitária. V. ).

13 3.3 MISSÃO E VISÃO A Universidade Potiguar tem como missão formar cidadãos comprometidos com os valores éticos, culturais, sociais e profissionais, contribuindo - através do ensino, da pesquisa e da extensão de excelência para o desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região e do País. No Descritivo Analítico da Declaração de Missão para a Comunidade Interna e Externa 4, ficam claros como principais compromissos da UnP: a excelência dos serviços prestados institucionalmente; a formação para a cidadania, pelo desenvolvimento de processos que propiciem a construção de um determinado perfil profissional e que culminem na inserção do futuro profissional na contemporaneidade; a promoção de condições de integração entre pessoas, cursos, programas, projetos e atividades, na perspectiva da indissociabilidade ensino/pesquisa/extensão; a sintonia com as necessidades sociais. De acordo com a sua visão, a UnP pretende ser uma Universidade de excelência na formação cidadã, pela prática efetivamente integrada do ensino, da pesquisa e da extensão, por uma gestão ética, ágil e inovadora e pela sua participação constante no desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região e do País. 4 UNIVERSIDADE POTIGUAR. Declaração de Missão. Declaração de valores. Declaração de Visão de Futuro. Natal,

14 4.4 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E ACADÊMICA A Universidade está organizada em duas instâncias, conforme o seu Estatuto, art. 7 : a) a Administração Superior, que engloba a Chancelaria, os órgãos de natureza deliberativa - Conselho Superior Universitário (ConSUni) e Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE) - e a Reitoria, como órgão executivo; b) a Administração Acadêmica, com uma estrutura de planejamento (Comitê de Planejamento Institucional e a Avaliação Institucional); órgãos de natureza deliberativa e consultiva - Conselho Didático-Pedagógico (CDP) e Conselho de Curso (CC); e órgãos executivos (unidades acadêmicas especializadas - escolas, diretorias de curso e coordenadorias de programa). Destaque-se, dentre os mecanismos de participação, a dinâmica dos colegiados, principalmente do Conselho Didático-Pedagógico (CDP), órgão que, tendo a função de articular a interação das diversas áreas no referente ao ensino, à pesquisa e à extensão, conta em sua composição com todos os diretores dos cursos de graduação, além de representações de outros segmentos definidos no Estatuto, art. 3, dentre os quais de docentes e de discentes. Com esta organização, a Universidade efetiva um modelo de gestão participativa, estando consolidados a estrutura de planejamento e os procedimentos de avaliação institucional iniciados na década de 90 e redimensionados a partir de nos termos da Lei n. 0.86/004, que institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES). 5 UNIVERSIDADE POTIGUAR. Comissão Própria de Avaliação. Projeto de Auto-avaliação institucional. Natal, mar./005. 4

15 5.5 ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA As atividades de ensino, pesquisa, extensão e ação comunitária da Universidade Potiguar, além de regidas pelo ordenamento jurídico-normativo do ensino superior brasileiro, são desenvolvidas em conformidade com o normativo institucional e políticas e diretrizes estabelecidas no Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI 007/06). Academicamente, nos termos do Estatuto, art. 7, parágrafo único, os cursos estão organizados em 4 (quatro) áreas do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Biológicas e da Saúde, Ciências Humanas, Letras e Artes e Ciências Exatas e Engenharias. No primeiro semestre de 009, a Universidade instalou unidades acadêmicas especializadas que recebem a denominação de escolas, cumprindo uma das metas do PDI 007/06, prevista para a dimensão organização administrativa: implantar uma estrutura gestora por área, visando a integração de cursos, programas e projetos de ensino, pesquisa e extensão. As escolas são em número de sete e objetivam fortalecer a integração entre cursos de graduação e destes com os de pós-graduação, reforçando, dessa forma, iniciativas conjuntas de pesquisa e de extensão e a indissociabilidade ensino/pesquisa/extensão. Correspondendo às áreas do conhecimento estabelecidas no Estatuto da UnP, estão em funcionamento as escolas de Comunicação e Artes; Direito; Engenharias e Ciências Exatas; Gestão e Negócios; Hospitalidade e Gastronomia; Licenciaturas; Saúde..5. Atividades de Ensino Numa visão de síntese 00, é possível se estabelecer, do ponto de vista do ensino: de graduação: total de cursos em oferta: 6 (sessenta e um), sendo 44 (quarenta e quatro) em Natal e 7 (dezessete) em Mossoró. de pós-graduação: 5

16 6 total de cursos lato sensu: 68 (sessenta e oito), dos quais 63 (sessenta e três) no Campus Natal e 5 (cinco) em Mossoró; total de cursos stricto sensu: (dois) mestrados, Campus Natal..5.. Campus Natal Ensino de graduação Na sede da UnP, Campus Natal, a oferta presencial em 00. abrange 6 (vinte e seis) bacharelados; 06 (seis) licenciaturas e (doze) cursos superiores de tecnologia. Do ponto de vista da educação a distância, foi desenvolvido o bacharelado em Administração, parceria com o IUVB. Como iniciativa da própria Universidade, está em tramitação o processo de autorização do curso de Direito. Ensino de pós-graduação Nível stricto sensu Na pós-graduação stricto sensu são oferecidos dois () mestrados Mestrado Acadêmico em Odontologia e Mestrado Profissional em Administração. Nível lato sensu Em 00. estão sendo ofertados 63 (sessenta e três) cursos que atendem às diversas áreas de conhecimento, como educação, gestão, saúde..5.. Campus Mossoró Situado fora da sede da Universidade, o Campus Mossoró começa suas atividades no ano 00, após autorização do Ministério da Educação (Portaria n..849, de 3 de dezembro de 00, publicada no D.O.U de 8//00, seção I, p. 3). 6

17 7 Instalado originariamente no Colégio Diocesano São José, o Campus tem, atualmente, novo local de funcionamento, com arrojados espaços físicos, construídos e organizados especialmente para o funcionamento de uma instituição educacional de nível superior. Ensino de graduação Se a origem desse Campus é marcada pela oferta de apenas duas graduações, Administração e Ciências Contábeis, em 00. o quadro já se encontra ampliado e diversificado. São 7 (dezessete) cursos, dentre os quais: 9 (nove) bacharelados e 8 (oito) cursos superiores de tecnologia. Ensino de pós-graduação A oferta da pós-graduação, em Mossoró, abrange o nível lato sensu, totalizando, em 00, 5 (cinco) cursos em andamento..5. Sobre a pesquisa, extensão e ação comunitária No campo da pesquisa, as políticas institucionais expressas no PPI e no PDI 007/06 são viabilizadas por uma estrutura específica, cujo funcionamento é da responsabilidade da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (ProPeP), que conta com o apoio de órgãos especiais: Comitê de Pesquisa (ComPesq); Comitê de Ética em Pesquisa (CEP); Comissão Interna de Biossegurança (COINB), conforme o Regimento Geral da Universidade. A extensão e a ação comunitária, também implementadas com base nas políticas institucionais e na Política Nacional de Extensão, são levadas a efeito sob a responsabilidade da Pró-Reitoria de Extensão e Ação Comunitária (ProEx), considerando as demandas sociais e sua pertinência com os processos formativos da UnP, sendo desenvolvidas por meio de programas, projetos, eventos, cursos e prestação de serviços, em um processo de interação Universidade/comunidade. Em 00, a Universidade aperfeiçoa seus procedimentos de organização da pesquisa e da extensão e ação comunitária, agora alicerçados em eixos temáticos, de caráter interdisciplinar, de modo a fortalecer: a) a indissociabilidade ensino, 7

18 8 pesquisa e extensão; b) a integração entre as escolas; d) o ensino e o corpo docente, com ampliação de professores em regime de tempo integral; e) o alcance social e os resultados das ações institucionais. São 0 (dez) os eixos temáticos em torno dos quais cada escola e respectivos cursos devem desenvolver a pesquisa, a extensão e a ação comunitária: meio ambiente e desenvolvimento sustentável; perícia investigativa; desenvolvimento de produtos e projetos; inteligência artificial; produtos naturais, farmacológicos e cosméticos; neurociências; atenção integral, capacitação e formação de pessoas; 30 anos UnP; constituição, cidadania e efetivação de direitos; comunicação e cultura. Esses eixos são implementados com recursos da própria Universidade, tais como, o Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP); Programa de Bolsas de Iniciação Científica (ProBIC); a Gratificação de Incentivo à Pesquisa (GIP). Na extensão e ação comunitária são implementados o Fundo de Apoio à Extensão (FAeX); a Gratificação de Incentivo à Extensão (GIEx) e o Programa de Bolsas de Extensão (ProBEx). Os resultados dos projetos de extensão, de ação comunitária e de outros trabalhos científicos têm a sua divulgação principalmente por meio de iniciativa da própria Universidade: o congresso científico e mostra de extensão, de periodicidade anual. Destacam-se, ainda outros meios, conforme apontado no Auto-Estudo 007/008.: a veiculação da revista PSI, do Curso de Psicologia, em meio eletrônico; a veiculação das Revistas UnP Jurídica e Verbus, sob a responsabilidade do bacharelado em Direito; a apresentação, em eventos, de artigos produzidos a partir de resultados 8

19 9 de pesquisas; a estruturação da Editora da Universidade (Edunp) 6 ; RaUnP - revista eletrônica do Mestrado em Administração; Juris Rationis - revista do Mestrado em Direito; Anais do Congresso Científico Natal e Mossoró. 6 Para informações sobre publicações da UnP v. UNIVERSIDADE POTIGUAR. Catálogo de publicações da Universidade Potiguar. Natal: Edunp,

20 0.6 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL As atividades de planejamento, na UnP, são assumidas em sua natureza política, estratégica e de intervenção, de modo que se possa viabilizar uma gestão acadêmica e administrativa com foco na qualidade, em sintonia com a missão institucional. Nesse sentido, a ação do planejamento institucional, na perspectiva do aprimoramento dos diversos processos, é efetivada sob os requisitos de: a) flexibilidade; b) apreensão objetiva da realidade social, política, econômica, educacional e cultural, e da própria UnP, identificando-se necessidades a atender; c) avaliação contínua de ações e resultados; d) participação dos vários segmentos acadêmicos. Esse delineamento tem como ponto de partida o fato de que o planejamento é um dos fundamentos da organização, sistematização e qualidade das ações institucionais, sendo desenvolvido à luz de três princípios enunciados no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI 007/06): Excelência acadêmica; sustentação econômica dos cursos; educação continuada. Com vistas à viabilização desses princípios, são adotados quatro instrumentos básicos, estruturados em congruência com a missão e a visão da Universidade Potiguar: o Projeto Pedagógico Institucional (PPI); o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI; o Plano Anual de Trabalho (PAT); o Plano de Metas (PM). Ressalte-se, nesse contexto, o Projeto Pedagógico de Curso (PPC), instrumento por excelência da gestão acadêmica de cursos, constituindo-se no esteio para onde convergem políticas e ações previstas no PPI e no PDI, tendo à frente a formação profissional dos alunos, coerentemente com o aparato jurídiconormativo da educação superior brasileira. Fica estabelecida, assim, uma linha de raciocínio em que o planejamento assume níveis diferenciados, mas intercomplementares, partindo de uma visão ampla da política educacional brasileira, para chegar às especificidades da Universidade Potiguar e, depois, às peculiaridades de unidades acadêmicas especializadas (escolas), cursos, programas e projetos de ensino, pesquisa e extensão. 0

21 Essencial ao processo de planejamento, no sentido de imprimir-lhe confiabilidade e factibilidade, está a avaliação institucional, da qual fluem informações substanciais à tomada de decisões e ao aperfeiçoamento de todos os processos, quer acadêmicos e pedagógicos, quer gerenciais. Auto-avaliação institucional As iniciativas de avaliação institucional interna, promovidas pela Universidade, tiveram início na década de noventa, com continuidade a partir dos anos 000, quando, então, se adotavam critérios e processos estabelecidos pelo Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB). Com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído pela Lei 0.86/004, todo o processo avaliativo é redimensionado pela Comissão Própria de Avaliação (CPA/UnP), considerando a experiência acumulada no campo da avaliação institucional. Desse redimensionamento, resulta um novo Projeto de Auto-avaliação Institucional, em implementação a partir de 005, focalizando três contextos: o institucional, o acadêmico e o administrativo, aos quais correspondem dimensões, categorias e indicadores. Com vistas ao aperfeiçoamento crescente do modelo de gestão, bem como dos cursos, programas e projetos, em desenvolvimento e a desenvolver, o processo avaliativo na UnP tem uma dinâmica em que: a) são envolvidos todos os segmentos acadêmicos: aluno, professor, diretoria de curso de graduação, coordenação de pós-graduação, pessoal técnico-administrativo e dirigentes; b) os instrumentos, revistos continuamente, têm aplicação em meio eletrônico, conforme cronograma próprio, podendo ser adotadas outros procedimentos de coleta de dados; c) são efetivadas análises comparativas entre os resultados das avaliações externas e internas; d) os resultados são divulgados pelo auto-atendimento e em seminários anuais com a participação de toda a comunidade acadêmica, ou, ainda, por meio do mural UnP.

22 Conforme cronograma prévio definido em plano de trabalho da CPA e divulgado na Universidade (site e mural, principalmente), são aplicados questionários contendo questões fechadas e abertas, cujo preenchimento, a partir de 005., passa a ser eletrônico - Sistema de Avaliação Institucional (SAI). Os resultados, tratados estatisticamente pela CPA, são analisados, tanto no âmbito de cada curso, quanto pela Reitoria e setores institucionais. A cada semestre, são liberados relatórios eletrônicos, elaboradas sínteses dos principais dados e, a partir de 008., estruturados relatórios qualitativos. Ao final, há registro em documento próprio da situação geral da Universidade, o autoestudo, cujas análises sinalizam fragilidades a superar e aspectos a fortalecer, alimentando, assim, o processo de planejamento e identificando necessidades de transformação (figura ). Figura Ciclos de Avaliação

23 3 PARTE II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA 3

24 4. DADOS DO CURSO.. Denominação Comunicação Social, Habilitação em Publicidade e Propaganda... Regime acadêmico Seriado semestral...3 Modalidade de oferta Presencial...4 Total de vagas e turno de funcionamento O Curso oferta 60 vagas para 00., turno noturno, conforme edital para os processos seletivos/ Carga horária total A carga horária total de integralização do Curso é de horas, incluídas as atividades complementares e disciplinas semi-presenciais e optativas...6 Integralização do Curso A integralização mínima do Curso dar-se-á em um mínimo de 8 (oito) semestres letivos e um máximo de 6 (dezesseis)...7 Local de funcionamento Campus Natal, Unidade Nascimento de Castro, situada na Av. Nascimento de Castro, 597 Dix-Sept Rosado, Natal/RN. 4

25 5..8 Histórico Integrante da Escola de Comunicação e Artes da Universidade Potiguar, o Curso de Publicidade e Propaganda foi autorizado através do Decreto Presidencial de , publicado em D.O.U., de 0..93, e começou a funcionar em fevereiro de 994. O Curso de Publicidade e Propaganda prepara profissional com perfil generalista de comunicador e específico da publicidade e propaganda, está formando a 5ª turma e já colocou 674 egressos no mercado de trabalho. Objeto de Reconhecimento pelo Ministério da Educação (MEC) em junho de 998, o Curso oferece uma infra-estrutura laboratorial moderna e um corpo docente qualificado para a preparação exigida pelo mercado. Na condição de pioneiro no ensino da Publicidade e Propaganda no Estado do Rio Grande do Norte, em quinze anos de atuação, este Curso tem contribuído para o desenvolvimento deste campo social, conforme ele se estrutura no mercado local. Esta contribuição teve início a partir da própria inserção de conhecimentos teóricos e tendências práticas que identificam a profissão em um mercado, à época, constituído de profissionais sem a formação acadêmica adequada de um lado e, de outro, de anunciantes em sua grande maioria desconhecedora dos benefícios de investir nessa forma de difusão de produtos e idéias. Assim, de acordo com os princípios basilares, dispostos na missão da Universidade Potiguar de formar cidadãos comprometidos com os valores éticos, culturais, sociais e profissionais, contribuindo através do ensino, da pesquisa e da extensão de excelência para o desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, este Curso tem fomentado também a reflexão deontológica que normatiza a atuação ética dos seus agentes e promovido a educação do mercado para a compreensão da atividade publicitária enquanto um vetor decisivo para o crescimento dos negócios e o desenvolvimento do município, estado e região. Numa perspectiva histórica, a aceitação do Curso pode ser demonstrada a partir de alguns dados, sendo o principal deles o percentual de inserção dos seus egressos no mercado de trabalho. Em pesquisa realizada no ano de 00, por ocasião da renovação do seu reconhecimento e formação da quinta turma, foi constatado que 73,6% (setenta e três vírgula seis) por cento do total de profissionais atuantes nas vinte e duas agências de publicidade e propaganda, então integradas ao SINAPRO-RN Sindicato das Agências de Propaganda do Rio Grande do Norte 5

26 6 - eram egressos do Curso. Segundo dados da Comissão Própria de Avaliação, divulgado em 3 de outubro de 005, 64,3% dos egressos da Universidade atuam na profissão de formação. Segundo estimativas das presidências do SINAPRO e da ABAP Associação Brasileira de Agências de Propaganda seção Rio Grande do Norte, os egressos de Publicidade e Propaganda participam dessa grandeza com um percentual médio em torno de 65%. Dois registros se fazem importantes. Primeiro: estas projeções têm superado a média brasileira de inserção de egressos dos cursos de publicidade e propaganda no mercado, segundo números apresentados na pesquisa realizada pela ECA/USP, que envolveu inúmeras universidades do país. Ao pesquisar sobre os egressos dos cursos de comunicação no Brasil e apresentar os resultados publicamente, a área de publicidade ficou entre as mais bem resolvidas do ponto de vista institucional, mostrando que mais de 60% dos alunos que cursaram publicidade e que participaram daquela mostra estavam empregados no campo, em agências, assessorias, veículos, órgãos governamentais, indústria, comércio, entre outros (QUEIROZ, 003, p.68). O segundo diz respeito aos dados da pesquisa interna, realizada exclusivamente com alunos do Curso de Publicidade e Propaganda, no primeiro semestre de 005, com o intuito de produzir a segunda edição do título Filhos da Mídia. O destaque vai para a confiança nas possibilidades de inserção no mercado trabalho, uma vez que 73,% desses alunos afirmaram a crença de oportunidades neste mercado. Ainda no primeiro semestre de 005, pesquisa realizada pelo Curso junto às principais agências do mercado, sindicalizadas ao SINAPRO, dentre elas a Pandora, Art&C, A, Virttus e Armação, foi entrevistada uma população de 50 informantes, todos egressos do Curso. 33% desse universo atuavam nas funções de atendimento e planejamento; 4% nas Direções de Arte e nos departamentos de Criação e Redação e % faziam Planejamento de Mídia. O destaque vai para o reconhecimento do Curso em suas vidas profissionais, uma vez que 33% atribuíram o valor ótimo e 54,% valor bom no quesito contribuição do Curso para o seu desempenho profissional. Quanto ao quesito dificuldade para ingressar no mercado, 75% afirmaram não ter enfrentado grandes obstáculos. Importante ressaltar outros números da contribuição do Curso. À época de sua autorização, o mercado local era constituído de 6 empresas cadastradas à 6

27 7 antiga Associação das Agências de Propaganda, que depois se transformou em SAP. Neste número estão incluídas apenas oito agências de publicidade e propaganda Dumbo, Máxima, TP, RAF, Faz Propaganda, Armação Propaganda, Garra Propaganda, Briza Propaganda. As demais eram gráficas, assessoria de eventos, estúdio de arte, e demais prestadoras de serviço para o setor. Esta associação transformou-se em sindicato, que por sua vez, passou a ser denominado de Sindicato das Agências de Propaganda SINAPRO e hoje está associado a Federação Nacional das Agências de Propaganda - FENAPRO, entidade sindical de grau superior, objetivando conforme o atual estatuto, proporcionar uma maior assistência ao crescimento do mercado local de agências. Atualmente estima-se a existência de 00 agências de propaganda, sendo 5 delas cadastradas no SINAPRO - das quais 06 são formadas por egressos da UNP (Aragão, Pandora, Executiva, Virttus, Bora e New Comunicação) e 04 cadastradas na ABAP-RN Associação Brasileira de Agências de Propaganda seção RN, além de filiadas ao CENP Conselho Executivo das Normas-Padrão, 8 foram fundadas e são dirigidas por egressos da UnP (Aragão Publicidade, Bora Comunicação, Brava Publicidade, Comitê de Soluções Criativas, Executiva Propaganda, Noz Comunicação, Pandora Comunicação e Virttus Propaganda). A estima de 00 agências é confirmada pelo Departamento Comercial da InterTV Cabugi, afiliada local da TV Globo. Dentre as 04 agências associadas à ABAP, destacamos a participação da Armação Propaganda, cujo presidente, Sr. Jenner Tinôco, é membro do Conselho do Curso de Publicidade e Propaganda, como representante do mercado. Com desenvolvimento de novas demandas e outros marcos em 004, percebia-se que o mercado publicitário crescia em desequilíbrio com o mercado de propaganda, considerando aqui o significado político-eleitoral atribuído ao termo. O processo eleitoral daquele ano revela esta desigualdade através da importação de profissionais de marketing político e uma insipiente contratação de profissionais locais. Esta desigualdade, percebida em campanhas eleitorais anteriores, inspira a reestruturação curricular e a inclusão de disciplinas que tratam da distinção entre as atividades da publicidade e as atividades da propaganda. Outro marco histórico do Curso é a substituição gradual do quadro docente, nos primeiros anos, formado exclusivamente por professores com formação em jornalismo, além de profissionais de notório saber, mas sem a formação acadêmica 7

28 8 relevante para o aprofundamento crítico e teórico pertinentes à construção da autonomia dos futuros dos alunos. Hoje o quadro docente conta egressos do próprio Curso, três deles, especialistas, cinco em processo de especialização e 0 com mestrado. Outras escolas de ensino superior de publicidade e propaganda locais também contam nos seus quadros com professores egressos deste Curso. Em 008, o Curso também registrou conquistas importantes: ganhou 5 prêmios experimentais no Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, em nível regional e também nacional, através dos projetos experimentais dos seus alunos concluintes, bem como conquistou em 009 oito prêmios regionais e um nacional no referido Congresso. O curso ainda recebeu por dois anos consecutivos, 008 e 009, a classificação de quatro estrelas pelo Guia do Estudante Abril Melhores Universidades, que é reconhecido como a mais importante publicação do Brasil para orientação do vestibulando, e, em suas últimas edições, mais de 9000 cursos com titulação de bacharelado, entre mais de.00 instituições de ensino superior foram avaliadas. Além disso, 008 marcou o início dos programas de intercâmbios internacionais com duração de 6 meses e ano para os alunos de Publicidade e Propaganda. Em 008., 4 alunos foram para a UEM Universidad Europea de Madrid, na Espanha, e alunos para a UAB Universidad Andres Bello, no Chile. Em 009, através do Curso de Publicidade, mais alunos realizaram intercâmbio estudantil com instituições estrangeiras, dos quais foram para a UVM - Universidad Valle del México, no México e 9 para UEM Universidad Europea de Madrid, na Espanha...9 Diretoria do Curso Diretor: Francisco de Paula Costa Telefone: (84) ; E.mail: Diretora-adjunta: Melissa Cirne de Lucena Telefone: (84) ; E.mail: 8

29 9. ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA.. Da direção de cursos de graduação na UnP Os cursos de graduação da Universidade Potiguar têm sua administração sob a responsabilidade de uma direção executiva que poderá contar, quando necessário, com uma direção adjunta. De acordo com o Regimento Geral da Universidade, art. 5, a Diretoria de Curso, órgão executivo da Administração Acadêmica da Universidade, é exercida pelo Diretor e, quando necessário, auxiliado por Diretor-Adjunto, ambos designados pelo Reitor para mandato de dois anos, sendo permitida a recondução. A direção atua com base no Projeto Pedagógico Institucional (PPI) e no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), implementando e avaliando o Projeto Pedagógico do Curso (PPC) com as políticas aí definidas. Na estrutura da Diretoria de Curso existe também um Assistente Executivo para apoio acadêmico-administrativo ao Diretor 7, bem como ao Diretor adjunto, e atendimento ao aluno... Da Diretoria do Curso de Publicidade e Propaganda O Diretor do Curso de Publicidade e Propaganda está, desde 008, sob a responsabilidade do professor Francisco de Paula Costa, graduado em Publicidade e Propaganda pela Universidade Potiguar de 995 a998, tendo cursado especialização em Gestão Estratégica de Empresa de 999 a 000, também pela Universidade Potiguar. Em sua vida profissional, o professor Francisco de Paula Costa, atuou no mercado local como gerente de marketing da rede de panificadoras Gosto de Pão de 995 a 998, onde desenvolveu várias ações de marketing empresarial, bem como endomarketing contribuindo para o crescimento da empresa, situando-a como a maior rede de panificadoras do Estado do Rio Grande do Norte. Ainda no mercado potiguar, atuou no período de 004 a 006, na agência Maxmeio. Agência de 7 As atribuições do diretor de Curso podem ser encontradas no Regimento Geral da Universidade, art. 55 (Documentos Normativos da UnP. Série Normas da Organização Universitária. V. ). Natal, mar./009. 9

30 30 Comunicação Digital (desenvolvimento para Web) como contato publicitário e nos anos de 007 e 008 desenvolveu suas atividades como atendimento e planejamento de campanhas publicitárias, junto ao cliente anunciante Banco Votorantim Finanças BV Financeira, filial RN, da agência Virttus Multimídia e Design Ltda (Virttus Propaganda). O professor integra o quadro de funcionários da Universidade Potiguar desde 0 de março de 000. Já ministrou as disciplinas de Empreendedorismo em Comunicação, Trabalho de Conclusão de Curso I e Introdução à Publicidade e Propaganda. De 000 a 007, esteve à frente da Coordenação dos Trabalhos de Conclusão do Curso (TCC), realizando um trabalho de qualidade com os formandos e contribuindo para o crescimento do mercado publicitário local. Também atuou como Diretor Adjunto do Curso de Publicidade no período de Janeiro a Julho de 008, quando teve a oportunidade de ampliar seu conhecimento administrativo e pedagógico para a gestão do Curso que hoje dirige. A Direção Adjunta do Curso de Publicidade e Propaganda está, desde agosto de 008, sob a responsabilidade da professora Melissa Cirne de Lucena, integrante do quadro de docente da Universidade Potiguar a partir de 006. Graduada em Publicidade e Propaganda pela Universidade Potiguar ( ) e graduada em Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte ( ). Atualmente cursa Especialização em Administração de Varejo e em Docência no Ensino Superior (00), também pela Universidade Potiguar. Em 3 de fevereiro de 00, fundou a Virttus Propaganda cuja razão social é Virttus Multimídia & Design Ltda e, desde então tem se firmado no mercado publicitário local como administradora, atendimento e planejamento de campanhas. Conquistou várias contas publicitárias ao longo de 09 anos de atuação pela Virttus e atualmente assume a função de atendimento e coordenação de campanhas de clientes anunciantes como Lojas TIM, Concessionária Honda Cirne Motos, Daguia Tortas Finas, BV Financeira S/A, Ornatos Móveis Planejados, Multimedical, Casa das Cozinhas, Rede Drogarias Paiva, entre outros. Através da Virttus, conquistou 07 prêmios Bárbaros no Festival de Propaganda do RN, sendo 0, em 003, para os clientes Daguia Tortas Finas, bronze em Campanha Publicitária, categoria Varejo de Pequeno e Médio Porte e Haircult, prata em Campanha Publicitária, categoria Serviços Privados. Em 007, penúltima edição do Prêmio, a conquista foi para o cliente Revendas TIM Facell, 3 0

31 3 prata em Outdoor, na categoria Varejo. Em 009, conquistou seu primeiro prêmio de ouro no referido festival, para o cliente Genot Cafés Especiais (Categoria Varejo, Design de Identidade Visual0, tendo conquistado ainda outros 3 prêmios, sendo de prata para Modus Bio (Categoria Indústria, design para Identidade Visual) e de bronze, também para Modus Bio (Categoria Indústria, Design de Peça Gráfica) e outro para Daguia Tortas Finas (categoria Verajo, website). A Professora Melissa Cirne integrou o quadro da Diretoria do Sinapro-RN, de dezembro de 007 a dezembro de 009, ocupando o cargo de Tesoureira, apoiando a gestão deste Sindicato junto ao então Presidente Sr. Arturo Arruda. Atualmente é Conselheira Fiscal do Sinapro-RN, na gestão do novo Presidente Sr. Rogério Nunes. Foi monitora (000 00) do Curso de Publicidade e Propaganda, tendo desenvolvido atividades de: Monitoria nas disciplinas Criação e Redação Publicitária e Produção e Direção em RTV, e Monitoria no Núcleo de Cinema e Vídeo e na, hoje extinta, Hemeroteca e Videoteca, ambos vinculados aos Cursos de Comunicação Social. Como docente, já ministrou as disciplinas de Criação e Redação Publicitária e Produção e Artes Gráficas. Atualmente é titular da disciplina Tópicos Especiais em Publicidade e Propaganda, é orientadora de Trabalho de Conclusão de Curso I e professora de Planejamento de Mídia. Assumiu em fevereiro de 009 a coordenação de Estágios e da Agência Escola, onde está dando continuidade ao desenvolvimento deste espaço plural de aprendizado e realizando um trabalho técnico e prático com os discentes, contribuindo para a formação intelectual e profissional dos mesmos. Desde 00., exerce a função de é orientadora do Projeto de Pesquisa Científica intitulado Novas arenas da comunicação: a revolução das mídias sociais...3 Conselho de curso O Conselho de Curso de Graduação (CC), nos termos do art. 36 do Estatuto 8, é um órgão de natureza consultiva e auxiliar, com função de analisar e propor medidas didático-pedagógicas, administrativas e disciplinares para o funcionamento do curso e para a sua integração nos diversos programas de pesquisa e de extensão e de Pós-graduação. 8 UNIVERSIDADE POTIGUAR. Estatuto. (Documentos Normativos da UnP. Série Normas da Organização Universitária. V. ). Natal, mar./009. 3

32 3 Ainda de acordo com o referido artigo, o CC tem em sua composição: o Diretor do Curso ( seu Presidente ); três representantes do corpo docente; um representante do corpo discente; um representante de entidade profissional afeta ao curso. O Conselho do Curso de Publicidade e Propaganda O Conselho do Curso de Publicidade e Propaganda foi criado por meio da Portaria nº 0/007 - Reitoria/UnP, em 3 de fevereiro de 007 e está constituído pelos seguintes membros: a) Presidente: Diretor do Curso - Prof.Francisco de Paula Costa Suplente: - Melissa Cirne de Lucena b) Representantes dos professores Titulares: - Melissa Cirne de Lucena - Fábio José da Silva - Gustavo Henrique Ferreira Bittencourt Suplentes: - Bruna Werner Gabriel - Patrícia Gallo - Lúcio Masaaki Matsuno c) Representante dos discentes: Titular: Rebeca Marques Nascimento Suplente: Cyrillo Antônio Fernandes dos Anjos d) Representante da entidade profissional afeta ao curso: Publicitário Jenner Tinoco de Andrade, representante da Associação Brasileira das Agências de Propaganda no Rio Grande do Norte. 3

33 33 Publicitário Arturo Arruda Câmara, presidente do Sindicato das Agências de Propaganda SINAPRO, no Rio Grande do Norte. 3 3

34 34.3 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A avaliação da aprendizagem, realizada de forma continuada, segue o constante do Regimento Geral: é feita por disciplina, incidindo sobre a freqüência (mínimo de 75%) e aproveitamento - média mínima para aprovação: 7,0 (sete). A cada verificação da aprendizagem é atribuída nota de 0,0 (zero) a 0,0 (dez). Cada disciplina comporta duas unidades de avaliação (U e U), ocorrendo a verificação da aprendizagem em duas modalidades: a) por disciplina em oferta continuada: consiste de quatro momentos de verificação da aprendizagem, contemplando cada momento a programação da disciplina cumprida na primeira e segunda unidades. Cada unidade, por sua vez, abrange duas etapas (E e E), de natureza cumulativa. Concluídas as avaliações referentes a essas etapas, será realizada a apuração da média, resultante da aplicação da seguinte fórmula: U= E + E b) por disciplina em oferta em blocos: inclui dois momentos de verificação da aprendizagem que correspondem à programação da disciplina cumprida nas unidades e. Cada unidade compreende apenas uma única etapa avaliativa. Segunda chamada Existe a possibilidade de segunda chamada, com vistas à substituição de resultado nulo por falta do aluno a uma avaliação de qualquer dos momentos avaliativos, desde que devidamente comprovado o motivo da ausência e pagamento de taxa. Essa oportunidade, porém, somente pode ocorrer em relação a uma avaliação. Avaliação de recuperação da aprendizagem 3 4

35 35 Caso o aluno não obtenha resultado igual ou superior a 4,0 (quatro) em apenas uma das unidades, ele poderá participar do processo avaliativo de recuperação da aprendizagem (AR), que corresponde a uma terceira unidade avaliativa. A apuração da média final será feita de acordo com a fórmula a seguir, devendo ser computado o resultado em que o aluno tenha obtido a maior nota: MF = (U ou U) + AR Ao final do processo, o aluno deverá ter obtido média final igual ou superior a 7,0 (sete), como condição de aprovação. U= (U ou U) + AR Procedimentos No âmbito do Curso, são considerados essenciais os procedimentos que possibilitam a identificação das fragilidades no aprendizado do aluno, com a adoção de formas de intervenção docente; o trabalho em cooperação; as orientações individuais ou a pequenos grupos; a revisão de conteúdos nos quais os discentes apresentam dificuldades mais expressivas de compreensão e que interfiram na consolidação das competências e habilidades previstas no perfil profissional do egresso; a observação do desempenho do aluno em atividades práticas. Instrumentos e critérios São adotados, em geral, provas escritas, relatórios de seminários e de visitas técnicas, relatórios de estágios, dentre outros, portfólio. Como critérios principais podem ser indicados: participação/envolvimento com as atividades curriculares; postura ética; assiduidade; domínio de conteúdos estudados na disciplina; uso da língua culta; atitudes que expressem uma convivência harmoniosa e solidária. 3 5

36 36 Exame de proficiência De conformidade com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9394/96, o estudante poderá, excepcionalmente, se submeter a exame de proficiência com vistas à abreviação de seus estudos. Esse exame, de acordo com o Regimento Geral, requer a avaliação das potencialidades, conhecimentos e experiência profissional anteriores do aluno, que lhe possibilita avançar nos estudos, mediante comprovada demonstração do domínio do conteúdo e das habilidades e competências requeridas por disciplina ou grupo de disciplinas do currículo do seu curso. 3 6

37 37.4 AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO A avaliação do Curso está integrada ao Projeto de Auto-avaliação Institucional, desenvolvido pela Comissão Própria de Avaliação (CPA/UnP), conforme plano de ação para cada ano. Está previsto o envolvimento de docentes, discentes e pessoal técnicoadministrativo, de modo que, em 00: a) os alunos irão avaliar: I. o desempenho do docente; II. o desempenho da direção do Curso; III. o atendimento prestado pelo Call Center, biblioteca, recepção dos cursos e lanchonetes; IV. as instalações físicas: salas de aula; banheiros e laboratórios; b) os docentes irão avaliar: o atendimento e as instalações físicas; o desempenho da direção do Curso; c) o diretor do Curso irá avaliar: o desempenho docente; as condições de oferta de curso. d) a Reitoria e Pró-Reitorias irão avaliar: o desempenho da direção do Curso. Os resultados obtidos serão analisados pelo Conselho do Curso e com representantes de turma, estabelecendo-se condições de envolvimento de alunos e professores em ações que venham a ser empreendidas em função do aperfeiçoamento crescente do Curso. Em 009. o Curso de Publicidade e Propaganda da UnP participou da avaliação do ENADE com as turmas ingressantes e os alunos concluintes, porém ainda não foram divulgados os resultados e a previsão é que o Curso consiga manter ou superar os resultados obtidos na última edição do ENADE. 3 7

38 38.5 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO.5. Necessidade social O Curso de Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda, da Universidade Potiguar, dispõe-se a atender à necessidade de uma formação integral e cidadã do profissional da comunicação, com habilidades e competências específicas e aprofundadas para atuar no campo social da publicidade e propaganda. O cumprimento desses propósitos significa perseguir a formação de um profissional de visão integral, crítico, criativo e autônomo, com qualificação para compreender e atuar na dinâmica das transformações técnicas e tecnológicas implicadas diretamente no desenvolvimento deste campo. É sabido que a gênese desse cenário encontra-se nas demandas, advindas do processo de globalização dos mercados e do desenvolvimento das novas tecnologias da comunicação, os principais protagonistas das recentes transformações sociais, econômicas e culturais da contemporaneidade. A realidade que se engendra no fluxo dessas mudanças forja novos e complexos desafios para a atuação profissional da comunicação e da publicidade e propaganda. Em termos de formação, trata-se da aquisição de competências e habilidades que, para além dos conhecimentos funcionais e técnicos da profissão, exige um posicionamento ético, crítico e atitude responsiva diante dos descaminhos que levaram às desigualdades sociais e à insustentabilidade, anunciada para a continuidade da vida num planeta fragilizado pelo modelo atual de relacionamento entre o homem e o meio ambiente. Para uma maior compreensão das atuais exigências da formação profissional em publicidade e propaganda faz-se relevante evocar os acontecimentos econômicos que moldaram o comportamento do consumidor da década de 990, com a abertura do mercado, a estabilidade da moeda, a queda da inflação e as privatizações das estatais. A transformação radical ocorrida no âmbito do consumo nesse período pode ser referida em duas dimensões. A primeira diz respeito ao aumento de oferta de produtos e serviços, ampliando de forma significativa o mercado a partir da inclusão das classes C e D. A segunda dimensão acontece com o surgimento de um consumidor consciente de sua força e dos instrumentos legais de proteção e defesa de seus direitos. 3 8

39 39 Nesse contexto, o acirramento da concorrência se complexifica, bem como da publicidade e propaganda, passando a exigir a construção de marcas fortes, mas sob a ação de investimentos em curto prazo, como forma de sobrevivência dos negócios dos anunciantes. Até hoje, mesmo para as marcas que, para além da ação básica de consumo, são reconhecidas como ícones culturais, nunca foi tão necessário dialogar com o varejo, tanto para discutir questões de preço quanto para colocar os produtos em posições de destaques nos pontos-de-venda. Em síntese, a atividade da publicidade e propaganda passou a enfrentar desafios mais complexos, caracterizados pela multiplicidade de ofertas de produtos e um maior amadurecimento do consumidor. A esses desafios somam-se profundas mudanças, capitaneadas pelas novas tecnológicas da comunicação, que geraram frutos com a popularização da internet e criaram uma ambiência favorável à segmentação levada ao extremo e à interatividade. Dentre os exemplos desses desafios está, de um lado, a necessidade de compreender a linguagem, o conteúdo e a estética para as mídias móveis e para a futura televisão interativa, já em fase de teste e, de outro, a premência para identificar os fatores mais subjetivos e singulares que influenciam os hábitos dos indivíduos. É sabido que o domínio pleno dessas novas plataformas de comunicação deflagra uma revolução nos modos de fazer publicidade e propaganda em razão da segmentação radical possibilitada pela fragmentação e multiplicação dos meios de comunicação. Deste novo cenário midiático emerge um receptor ativo e com autonomia para individualizar a forma de consumir programação e produtos dispostos nas mídias. Para os profissionais do setor, dentre eles os publicitários, esses novos comportamentos revelam-se pela redução da zona do conforto estatístico e suas inferências e aferições dos espaços midiáticos passíveis de contato com o público consumidor. Evidentemente isso não significa uma redução da importância da estatística. Agora, durante o planejamento e análise desses dados, são inseridos os esforços de perceber a singularidade que marca as decisões do ser que há dentro dos consumidores. Este esforço de personalização assemelha-se às técnicas de convencimento corpo-a-corpo que marcaram o início da comunicação persuasiva, só que de forma virtual e mediada por algum tipo de veículo de comunicação. 3 9

40 40 Daí, a conclusão de Pedrebon (004) que preconiza o enfrentamento dessa nova realidade através de soluções e ações preferencialmente integradas entre si ou com outras disciplinas. Hoje, para que haja um controle mais eficiente da identidade trabalhada nos principais pontos de contato da marca com seu(s) público(s), é comum o uso da expressão comunicação integrada de marketing (PREDEBON, 004, p.53). Neste sentido, dentre as mais recentes estratégias de marketing e de comunicação domina o conceito de branding, que se dedica a explorar as possibilidades que as marcas têm de se relacionar com os consumidores em diferentes dimensões. É possível referir-se ao conceito de branding como a tradução mercadológica mais próxima do pensamento e atitude interdisciplinares, em franca perseguição no âmbito da formação acadêmica. Na Publicidade e Propaganda, o modo de percepção e ação interdisciplinar revela-se útil, por exemplo, nas proposições de articulação e integração entre as mídias tradicionais e os meios alternativos, aqui inclusas as mais inusitadas formas de difusão de mensagens e conquista do consumidor, além da utilização do espaço urbano evidentemente que dentro dos limites legais. Como exemplo dessa perspectiva, apresenta-se a criação de festivais de música com nomes de operadoras telefônicas ou marcas de cervejas, ou ainda a nomeação de casas de espetáculo como verdadeiros subprodutos das grandes marcas, se destacando como eficazes soluções customizadas de comunicação. Não acontece à-toa o crescimento dos investimentos em eventos, promoções, pontos-devenda, pesquisas de mercado, marketing direto, patrocínio, marketing social e cultural, internet e merchandising. O mercado publicitário do Rio Grande do Norte reflete grande parte desse quadro. Este efeito reflexo se deve principalmente à interconexão planetária de mercados e consumidores via internet, que faz com que as transformações e tendências de um determinado contexto tornem-se modelos básicos repetidos, mesmo numa escala ou num contexto menor. Contudo, para além das ocorrências e regularidades que tornam o mercado local um quadro reflexo da realidade nacional, faz-se importante apresentar as potencialidades que revelam a especificidade de sua estrutura produtiva. A evolução dos indicadores como o PIB Produto Interno Bruto, as exportações, o número de empregos formais, o volume de novos investimentos e a 4 0

41 4 renda familiar domiciliar apontam que a economia do rio Grande do Norte cresceu mais que a maioria dos estados do nordeste, e mais que o crescimento médio do país, de acordo com os dados do IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Vale o registro de que estes dados referem-se ao ano de 005 e que somente foram divulgados em setembro de 007. Segundo estes dados, o PIB estadual alcançou a cifra de R$ 7,9 bilhões, valor que o elevou ao 8º lugar no ranking da economia dos estados brasileiros e ao 5º lugar no Nordeste, com um crescimento real de 4,3% em relação ao ano anterior, 004. O Rio Grande do Norte ficou ainda,% à frente do valor registrado nacionalmente. Os dados do IBGE demonstram também que o Estado do Rio Grande do Norte figura na 6ª colocação, em ritmo de crescimento entre os nove estados nordestinos, crescendo mais que Pernambuco, Paraíba e Ceará. Em nível nacional, o Rio Grande do Norte assumiu o 4º lugar neste mesmo quesito. Atividades econômicas como comércio e serviços de manutenção e reparação (4,%), serviços domésticos (0,%), serviços prestados às empresas (7,3%), construção (6,7%), atividades imobiliárias e aluguel (6,4%) e ainda serviços de informação (6,%) registraram incremento significativo no período. De acordo com o supervisor técnico do IBGE, José Aldemir Freire, em entrevista ao Jornal Tribuna do Norte, de , as atividades de expressivo crescimento estão associadas a setores com elevada demanda, principalmente em função do aumento na renda da população, redução dos juros e aumento do crédito e de prazos de financiamento. Nesse desempenho, Freire destaca principalmente o comércio, a construção e as atividades imobiliárias. Outros indicativos mais atualizados corroboram com a compreensão da continuidade deste crescimento. O aumento de 8,87% das exportações, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que comparam o primeiro semestre de 007 em relação ao mesmo período de 006 é um desses indicativos. Quanto aos investimentos no Estado, o último relatório da Coordenação Geral de Imigração, do Ministério do Trabalho, divulgado pela revista RN Negócios, em setembro de 007, revelam que 30% dos novos investimentos estrangeiros, aplicados no país, no primeiro semestre daquele ano, colocaram no Rio Grande do Norte em primeiro lugar no ranking dos estados brasileiros a receberem esse tipo de investimentos. Neste período, de acordo com a mesma 4

42 4 fonte, foram investidos R$ milhões de reais principalmente na construção e compra de empreendimentos turísticos e imobiliários em terra potiguar. Outros setores se destacam. Considerado pelos estudiosos como um fenômeno mundial, o turismo alcança expressão econômica para o desenvolvimento do RN. Essa vocação decorre de seus 400 km de costa, com atrações naturais como praias e lagoas, gastronomia regional, artesanato, ecoturismo, esportes de aventura, folclore, facilidade de deslocamentos e serviços de hotelaria, atualmente contabilizando mais de 30 mil leitos ocupados pelos mais de,3 milhões de turistas/ano que visitam o estado, segundo dados da Secretaria de Estado do Turismo do RN. Além desse contingente sazonal, o Rio Grande do Norte está sendo descoberto, como a segunda residência de brasileiros de outras regiões e estrangeiros, investidores ou não. Para os estrangeiros que se destinam a investir, registra-se a participação anual de cerca de 300 empresários dos setores imobiliários, construtoras e turismo no II BONTURN Bolsa de Oportunidades Turísticos e Imobiliários do RN, evento que têm o objetivo de oportunizar rodadas de negócios, visitas técnicas e ciclo de palestras e diretrizes sobre como se portar dentro do mercado brasileiro e local. São os participantes investidores principalmente de Portugal, Espanha e Itália. Ainda sobre o mercado imobiliário, segundo reportagem da revista Meio&Mensagem, em sua edição especial Regional Nordeste de outubro de 008, nos últimos dois anos as construtoras ficaram concentradas na prospecção de terreno, no desenvolvimento de estudos de viabilidade, fazendo o chamado land bank, e a expectativa é de que, nos próximos anos, aumente a presença de empresas desse segmento, cresça expressivamente a chegada de grandes marcas e lançamentos imobiliários, o que possibilitará a contratação direta de agências locais ou através de acordos operacionais para divulgação desses empreendimentos. O varejo de gêneros alimentícios também merece registro, com a abertura de mais 06 novas grandes lojas que proporcionaram um aumento de mais de 9 mil metros quadrados destinados à venda de produtos e,9 mil postos de emprego diretos, além de uma verdadeira batalha de mídia. Finalmente, o setor da educação, com a proliferação de creches e escolas particulares, inclusive de nível superior tem fomentado também investimentos em Publicidade e Propaganda. 4

43 43 Contudo, de um modo geral, o mercado de publicidade e propaganda do Rio Grande do Norte apresenta-se como um espelho reflexo das condições das demais praças do País, e isso até em maior grau, uma vez que neste mercado vivencia-se a ditadura do varejo. Predominam no estado as empresas varejistas em detrimento das empresas dos grandes centros urbanos, que trabalham preferencialmente a publicidade institucional, como indústrias, multinacionais e empresas de prestação de serviço de grande porte. Em nível local, há menos investimento em marca e mais em ações de curto prazo, promocionais. Porém vale ressaltar a presença eficiente do varejo local através da força de anunciantes como o Supermercado Nordestão, que continua líder, embora tenha de concorrer com grandes marcas brasileiras e mundiais, como Extra, Wal-Mart e Carrefour, como destaca a Meio&Mensagem Regional Nordeste de 008. No setor automobilístico, estima-se que entre outubro de 007 a outubro de 008, o volume de vendas cresceu,6 mil unidades mês para,5 mil, e segundo o publicitário Arturo Arruda, personagem da matéria de Meio&Mensagem Regional Nordeste de 008, o maior acesso ao crédito das classes C, D e E é o principal estimulador para que essas empresas ampliem sua comunicação e consigam incluir essa parcela de consumidores em sua carteira de clientes. Os investimentos publicitários locais estão distribuídos principalmente na indústria automobilística, varejo de gêneros alimentícios (supermercados), promocional da construção civil, além do setor da educação, que se prolifera em franca concorrência. Para atender às necessidades de alcançar um público cada vez mais segmentado, protegido e cônscio dos seus direitos de consumidor, as agências têm se movimentado na formação de equipes multiespecialistas, capazes de propor planos de comunicação integrada que envolva, simultaneamente, o varejo nas mídias tradicionais e as ações diferenciadas de marketing direto, patrocínio, propaganda direta e promoção de eventos. Nesse contexto, percebe-se ainda a insipiência de ações no campo da responsabilidade social, portanto uma janela de oportunidades para o campo da formação dos vários atores da atividade: anunciantes, agências, produtoras e veículos. 4 3

44 44 Outro aspecto deste mercado, como todos os pequenos mercados publicitários 9, é o de ser dependente da propaganda governamental, de suas verbas que sustentam o desenvolvimento da profissão. A maior verba publicitária do Rio Grande do Norte é a do Governo do estado, seguida pela verba publicitária da Prefeitura do Natal e da Prefeitura de Mossoró, a segunda cidade em tamanho e importância. Essas verbas são distribuídas por poucas agências, selecionadas por processo de concorrência pública. O notável, no entanto, é o potencial que possuem as demais prefeituras municipais para investirem em propaganda. Do ponto de vista político-eleitoral, um olhar para o interior do estado revela as mesmas necessidades de comunicação das grandes cidades, que podem ser satisfeitas à medida que os governos de cada município arrecadam e destinam verbas para este fim. Essa realidade torna-se um campo promissor para os profissionais egressos, tanto nas equipes das agências de comunicação quanto nas próprias equipes do poder público. São relevantes os investimentos feitos sazonalmente durante as campanhas políticas. O mercado se abastece, a cada dois anos, dos investimentos vultosos das campanhas políticas majoritárias ou proporcionais. Elas promovem ganhos pessoais para os profissionais da publicidade e aporte de recursos para equipar produtoras, agências e veículos de comunicação. Nas últimas campanhas eleitorais, percebemos a necessidade de formação da mão de obra local na criação e produção das peças de propaganda, o que nos leva a crer em um aumento da demanda por profissionais com formação específica, voltada para a compreensão de processos de propaganda ideológica e política, das formas de convencimento e das ferramentas específicas, que dizem respeito à responsabilidade social, tanto da iniciativa privada quanto do poder público. O cenário apresentado revela a dimensão das possibilidades de crescimento econômico e de desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Norte, atualmente com uma população de mais de três milhões de habitantes, distribuídos em seus 67 municípios. Mais que isso, revele a necessidade de uma educação e qualificação profissional para uma população que, contados apenas os indivíduos que se encontram na faixa entre 0 e 7 anos de idade, alcança a estimativa de 34 9 Segundo dados do Departamento Comercial da InterTV Cabugi, afiliada local da TV Globo, existe no mercado local cerca de 00 agências, nesse número incluindo-se os corretores (agentes individuais para compra de mídia). 4 4

45 45 mil crianças, jovens e adolescentes sem freqüentar a escola, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 006, do IBGE. Conforme dados divulgados na pesquisa (IBGE 006), o ensino médio indica um total de alunos, representando público alvo para o ensino superior. Portanto verifica-se que, por todos os indicativos apontados, há demanda potencial que justifique a necessidade do Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Potiguar, bem como em função dessa potencialidade fomentou-se em nosso estado a abertura desse e de outros cursos em outras IES particulares. É para uma fatia desse público que se destinam as vagas anualmente ofertadas pelas instituições de ensino superior dos cursos de Publicidade e Propaganda do estado, que constituem o mercado local dessa formação. Com o crescimento do mercado, registra-se a criação de outros Cursos de Publicidade e Propaganda, com a presença das seguintes instituições: FANEC Faculdade Natalense de Educação e Cultura; FATERN Faculdade Tecnológica de Excelência Educacional do Rio Grande do Norte; UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte e, UERN Universidade Estadual do Rio Grande do Norte. As três primeiras estão localizadas em Natal, capital do estado, e a última no interior, mais precisamente na cidade de Mossoró..5. Concepção O Curso de Publicidade e Propaganda da UnP, em sintonia com o Projeto Pedagógico Institucional (PPI), concentra-se na formação do profissional generalista, humanista e pluralista, com formação técnico-científica e consciência ética, sensível às demandas sociais e apto a trabalhar de forma interdisciplinar, visando sempre o crescimento do mercado da comunicação persuasiva e o desenvolvimento do Estado e da Região. Essa perspectiva orienta-se pela compreensão de que o acadêmico deve construir um corpo de conhecimentos essenciais ao entendimento da comunicação enquanto prática social, implicada nas dimensões procedimentais, conteudinais e atitudinais da interação humana, das quais decorre a necessidade do manuseio eficaz dos sistemas lingüísticos, ético-estéticos e técnico-tecnológicos para o exercício profissional responsável e posicionado sobre as questões sociais, políticas 4 5

46 46 e econômicas que envolvem a atuação e emergência dessa atividade na sociedade contemporânea. Essas linhas gerais implicam nos princípios norteadores, assumidos pelo Curso: - espírito crítico e autônomo: capacidade de elaborar questionamentos fundamentados nos conhecimentos da comunicação e da publicidade e propaganda, com compreensão crítica e histórica dos fenômenos sociais, econômicos, culturais e políticos, considerando os direitos humanos e o desenvolvimento da cidadania como os princípios da responsabilização sobre as próprias ações no mundo e sobre o mundo; - atitude empreendedora e criativa: conduta motivada, receptiva e contributiva para a identificação e realização de oportunidades favoráveis à geração de emprego e renda através do manuseio eficaz das informações, conhecimentos, técnicas e tecnologias da comunicação e da publicidade e propaganda; - integração teoria e prática: aptidão para sistematizar e articular significados e sentidos aos procedimentos de ensino/aprendizagem à medida que os conhecimentos teóricos são gradualmente relacionados às práticas durante todo o processo formativo; - compreensão e reconhecimento da diversidade: entendimento da amplitude, multideterminação e complexidade dos fenômenos da comunicação, em interface com os processos culturais e sociais e articulação com as demais habilitações da comunicação e com a área da Administração e do Marketing, com vistas à formação de profissionais multiespecialistas e capacitados para a proposição de comunicações integradas que atendam à diversidade, individualidade, especificidade e singularidade que marcam o esforço de comunicação mercadológica da atualidade. - compromisso social: atuação sensível às problemáticas contemporâneas e às demandas sociais historicamente construídas, contribuindo para a 4 6

47 47 conscientização e priorização da necessidade de investimentos efetivos no desenvolvimento humano enquanto possibilidade de redução e resolução dos conflitos entre os homens e entre o homem e o seu habitat; - espírito investigativo: interesse pela produção de conhecimentos na Comunicação e na Publicidade e Propaganda, com competência para o manejo dos métodos de investigação científica na área, e compreensão da indissociabilidade entre pesquisa e prática profissional; - consciência ética: apropriação da ética como elemento, princípio e vetor de orientação do homem em suas diferentes formas de interação, atuando profissionalmente em respeito ao código de ética e à deontologia, definida para o exercício legítimo da profissão; - educação continuada e permanente: capacidade de aprimoramento contínuo e percepção da diversidade de espaços de aprendizagens e experiências de formação, visando à manutenção e consolidação dos níveis de empregabilidade e trabalho, na dinâmica e mutabilidade que constituem o desenvolvimento teórico, técnico e tecnológico dos setores produtivos da comunicação e da publicidade e propaganda. - Interdisciplinaridade: promoção de uma dinâmica viva do conhecimento, com valorização das bases experimentais entre disciplinas que derivam a partir de um trabalho singularizado e de múltiplas facetas. Estímulo a uma atuação voluntária e compartilhada na perseguição de conquista de metas comuns, buscando um emergente perfil de profissional apto a responder aos problemas de comunicação do cotidiano com atitudes interdisciplinares. Além desses princípios, o Curso de Publicidade e Propaganda orienta suas atividades em consonância com a missão institucional de formar cidadãos comprometidos com os valores éticos, culturais, sociais e profissionais, contribuindo - através do ensino, da pesquisa e da extensão de excelência - para o desenvolvimento sustentável do Rio Grande do Norte, da Região e do País, em razão do que, assume as finalidades e prioridades expressas no Plano de 4 7

48 48 Desenvolvimento Institucional da Universidade Potiguar, que enfatiza como objetivo geral a promoção do bem comum pelo desenvolvimento das ciências, letras e artes, pela difusão da cultura e pelo domínio e cultivo do saber humano em suas diversas áreas. Neste sentido, o Curso integra-se ao conjunto de finalidades institucionais, dentre elas, o estímulo ao desenvolvimento de uma postura ética, empreendedora e crítica e realização de pesquisas visando ao desenvolvimento do campo social da atividade objeto de formação do Curso e suas implicações sociais, econômicas e educacionais. A concepção do Curso, ainda em consonância com o PDI, orienta-se pelas políticas de ensino, pesquisa e extensão, no que enfatiza os seguintes pressupostos para o ensino: formação profissional para atender ao desenvolvimento do mercado, gerando condições para que os alunos superem as exigências da empregabilidade, sejam estimulados ao empreendedorismo e atuem de acordo com os valores éticos e com os princípios da cidadania. [...] compromisso ético como expressão relevante dos valores da vida humana presentes nas relações sociais e no acesso à produção e à cultura na sociedade e, ainda, na sustentabilidade do meio ambiente, assegurando a continuidade de diversas formas de vida (PDI , p.30). Quando às prioridades para a pesquisa, este Curso orienta-se pelo pressuposto de que os projetos de pesquisa devem se basear no estudo contínuo de novos e diferentes fenômenos, construir e reconstruir mapas conceituais e metodológicos, bem como questionar a realidade da vida sócio-comunitária observada às demandas sociais, profissionais e as condições de aplicabilidade dos saberes produzidos (ibidem, p. 3). Finalmente, no que diz respeito às políticas institucionais para a extensão e ação comunitária, este Curso percebe o trabalho extensionista como elemento articulador entre a Universidade e a sociedade, constituindo-se, assim, um canal voltado para as aprendizagens teóricas e práticas, especialmente para os discentes, na medida em que contextualiza as questões científicas com as da sociedade, e, em particular, da comunidade regional e local (ibidem, p.33). Ainda ponto de vista institucional, este Curso de Publicidade e Propaganda assume as diretrizes programáticas expressas no PAT - Plano Anual de Trabalho da Universidade, dentre elas, o reforço às diretrizes institucionais que visam a indissociabilidade ensino pesquisa extensão, em todas as atividades acadêmicas e a demonstração, permanentemente, e em tempo real, da integração 4 8

49 49 da teoria com a prática. Quanto ao PPI - Projeto Pedagógico Institucional, além da missão já expressa anteriormente, o Curso evoca como princípio geral a expressão da responsabilidade social da Instituição em promover a implementação de estratégias para formar pessoas capazes de interpretar a realidade e nela intervir de forma ética, responsável e eficaz (PPI 006, p.). Finalmente, este Curso obedece às Diretrizes Curriculares Nacionais para a área de Comunicação e suas habilitações, integrantes dos Pareceres CNE/CES 49/00 e.363/00 que orientam a concepção de projetos pedagógicos para a área e suas habilitações, e propõem a adoção de perfil, competências e habilidades que garantam a identidade do Curso como de Comunicação, bem como o perfil, as competências e habilidades para a habilitação em questão, o que significa o respeito à forma distinta de utilização dos meios, linguagens e práticas profissionais e de pesquisa no âmbito da habilitação específica em questão. Com relação às Diretrizes Curriculares, este Curso utiliza-se do princípio da flexibilização para a estruturação de sua proposta curricular, como forma de atender a especificidade das circunstâncias geográficas, político-sociais e acadêmicas de sua inserção..5.3 Objetivos Geral Formar profissionais éticos e responsáveis, com visão técnica, científica e crítica dos processos sócio-culturais na área da comunicação, capazes de compreender a diversidade e a dinâmica das transformações técnicas e tecnológicas da publicidade e propaganda e atender, de forma empreendedora, criativa e autônoma, às exigências do mercado. Específicos Proporcionar ao aluno as condições necessárias para planejar, executar e administrar projetos de comunicação integrada e soluções eficazes para os objetivos de mercado, de negócios de anunciantes e institucionais, das organizações públicas e privadas; 4 9

50 50 Instruir o aluno para o domínio da linguagem e da estética, da técnica e da tecnologia de criação e comunicação publicitária, de acordo com a dinâmica e a diversidade que caracterizam a segmentação, personalização, exigência e amadurecimento das relações de consumo da contemporaneidade; Oferecer condições para que o aluno assimile, de forma crítica e criativa, as teorias e práticas da publicidade e propaganda, com sensibilidade e fundamentação para um posicionamento ético e responsável, diante das transformações sociais, políticas, econômicas e empresariais no contexto local e regional, face ao movimento de globalização e acompanhando as transformações da Indústria da Comunicação; Oportunizar a compreensão da comunicação, como uma indústria formada por veículos, agências de todas as disciplinas e fornecedores de serviços, que, em conjunto, têm o dever de fazê-la eficiente e atrativa para os clientes, rentável para as empresas que a compõem e respeitada pela sociedade; Possibilitar o desenvolvimento do espírito investigativo através de pesquisas de caráter interdisciplinar, como forma de orientar para a natureza complexa e coletiva da produção em Publicidade e Propaganda..5.4 Perfil profissional A formação do profissional Bacharel em Publicidade e Propaganda, na Universidade Potiguar, está pautada nas Diretrizes Curriculares Nacionais e no Projeto Pedagógico Institucional- PPI que abrange as dimensões interligadas: humana e profissional. O perfil desse profissional compreende uma formação generalista, humanística e critico - reflexiva, com capacidade criativa e empreendedora para atuar na dinâmica dos processos sócio culturais da área da comunicação. O egresso do Curso deverá ter o conhecimento cientifico e a capacidade técnica e demonstrar habilidades e competências necessárias ao desenvolvimento da sua profissão, conforme se apresentam a seguir: Geral da Comunicação O egresso deverá apresentar um perfil com características comuns à formação em Comunicação Social, de acordo com as Diretrizes Curriculares 5 0

51 5 Nacionais, propostas para esta área, conforme apresentadas nas seguintes dimensões: capacidade para as práticas profissionais e sociais da comunicação e posicionamento crítico e fundamentado da influência das mídias nos processos sócio-culturais da cidade; compreensão integral e especializada do processo de fragmentação dos modelos de comunicação midiáticos e a dialética da sua emergência, fomentando sua visão integradora e horizontalizada; adequação à dinâmica, multiplicidade, instabilidade e complexidade das novas necessidades sociais e profissionais da sociedade contemporânea; manuseio das teorias e práticas da comunicação para atuar de forma socialmente responsável frente às demandas da área e à diversidade de suas relações nas várias dimensões da sociedade. Específico da Publicidade e Propaganda: espírito crítico, criativo, empreendedor e autônomo no manuseio de teorias e práticas de planejamento, criação, produção, difusão e gestão de soluções eficazes de comunicação publicitária para atender os apropriados objetivos institucionais, empresariais e mercadológicos; domínio de processos e procedimentos para a proposição de comunicação publicitária integrada e interativa, demandada pela segmentação do mercado e pelo comportamento ativo que caracteriza o atual modelo de recepção e consumo de mídias; posicionamento ético e socialmente responsável para atuar como agente de transformação da sociedade, a partir de um lócus profissional legitimado pela assimilação, fundamentada nos pressupostos conceituais, técnicos e deontológicos constituintes do campo social da publicidade e propaganda. percepção interdisciplinar e motivação investigativa orientada para compreensão da natureza complexa, dinâmica e coletiva da produção em Publicidade e Propaganda; 5

52 5 compreender a gestão da publicidade e da propaganda como negócio com justa remuneração e gerador de lucro, em decorrência da formação de uma indústria da comunicação, alargando a percepção e captação das demandas presentes e futuras Competências e Habilidades Competências e habilidades gerais e específicas a serem desenvolvidas por série. Quadro 0 Competências e Habilidades por série Competências e habilidades SÉRIE GERAIS ª ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª Articular os diferentes conteúdos, teorias e conceitos da comunicação relacionando-os ao contexto da sociedade da informação da X X X X X X X atualidade; Compreender as práticas profissionais do campo da comunicação com visão crítica da sua inserção nos acontecimentos sociais, políticos e X X X X X X X X econômicos que moldam a história contemporânea; Perceber a importância da diversidade cultural para a adequação das mensagens a uma ambiência de recepção segmentada pela X X X X multiplicidade dos meios de comunicação; Dominar as linguagens habitualmente usadas nos processos de comunicação, nas dimensões de criação, de produção, de interpretação e da técnica, experimentando e apropriando-se do X X X X X ineditismo, do talento e da inovação no uso destas linguagens; Planejar com autonomia, responsabilidade social X X X X X e empreendedorismo a trajetória profissional; ESPECÍFICAS ª ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª Atuar como intérprete da realidade na compreensão dos mecanismos envolvidos nos processos de comunicação mercadológica e o seu impacto nos diversos setores da sociedade; Priorizar o interesse público diante das relações entre a mídia, a política e a economia na estrutura da sociedade brasileira; Perceber a reorganização do universo publicitário a partir do desenvolvimento tecnológico com posicionamento crítico e fundamentado sobre o impacto da exclusão digital; Identificar nichos de mercado na área de comunicação com visão empreendedora das plataformas tradicionais, digitais e alternativas; Propor soluções de comunicação para problemas de mercado, de anunciantes e institucionais, X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X 5

53 53 envolvendo o uso da propaganda e de outras formas de comunicação, como a promoção de vendas, o merchandising e o marketing direto; Aplicar os princípios básicos da administração na gestão dos negócios da comunicação; Distinguir as funções que compõem o processo de produção em publicidade e propaganda; Personalizar a prospecção de acordo com a diversidade, segmentação, categoria de produtos e porte empresarial dos clientes para a ordenação das informações e diagnóstico da situação dos clientes; Realizar planejamentos estratégicos, sistematizando e articulando os dados/informações do mercado e categoria dos produtos e serviços do cliente; Compreender a correlação existente entre o ciclo de vida dos produtos e/ou serviços e os respectivos esforços promocionais; Utilizar o processo de abstração na busca de soluções criativas e eficazes para os problemas de comunicação dos clientes Realizar pesquisas de mercado e opinião para definir objetivos de comunicação e obter mensuração dos resultados das proposições de comunicação mercadológica e de marketing político-eleitoral; Conhecer os processos psicossociais do comportamento de consumo e sua aplicabilidade na elaboração de material publicitário e de propaganda; Sistematizar os conceitos, elementos e tipologia arquetípica do inconsciente coletivo como instrumento eficaz de criação publicitária; Manusear com eficiência e propriedade a diversidade de linguagens, técnicas persuasivas e recursos visuais e sonoros para a criação, redação e estruturação de peças publicitárias; Empregar as técnicas de criação em artes gráficas na construção de identidades corporativas e para a composição da tipologia, medidas, cores e papéis em adequação aos objetivos e diversidade dos meios impressos; Promover a unidade de significados e sentidos no planejamento, execução e avaliação de comunicações integradas; Operar programas para edição de imagens, composição e gerenciamento de web sites na confecção de interfaces e conteúdos dentro dos padrões de ergonomia e usabilidade; Planejar e executar produções para os veículos eletrônicos em geral; Conhecer a legislação e o código de ética que normatizam a atividade profissional da publicidade e propaganda; Desenvolver a capacidade de trabalhar em equipe no exercício da solidariedade, companheirismo, responsabilidade e comprometimento. X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X 5 3

54 Campo de Atuação do Egresso O profissional da Publicidade e Propaganda poderá atuar em diversas atividades da área de comunicação, como planejamento e desenvolvimento de campanhas publicitárias e comunicação mercadológica integrada e interativa, nos departamentos de marketing das empresas, agências de publicidade, organizações públicas, produtoras de vídeo, emissoras de televisão, gráficas, empresas de eventos e de promoções de vendas, órgãos culturais, articulando apoios e patrocínios para projetos culturais. Nas agências de publicidade, o principal setor de sua atuação, este profissional desenvolverá funções de atendimento, promovendo estudos de custos, orçamentos e sistematizando informações do planejamento, no setor de criação. Sua atuação perpassa a concepção, elaboração de anúncios comerciais e outras peças publicitárias, definindo as especificações de elementos visuais, sonoros e verbais; na área de marketing, ele deve atuar na elaboração de estratégias de lançamento e sustentação de produtos e serviços, definindo as estratégias de venda, promoção, distribuição e divulgação dos produtos e serviços, a partir do levantamento das necessidades e expectativas do mercado-alvo. Ainda no mercado de agências, esse profissional da publicidade e propaganda desenvolve pesquisas de mercado e de opinião, coletando, sistematizando e analisando os dados do público consumidor no auxílio da definição dos objetivos, conteúdos e formas de divulgação das campanhas publicitárias e promocionais, lançamento e posicionamento de produtos no mercado, mensurando ainda os resultados da campanha. No setor de planejamento de mídia, ele pesquisa, avalia e decide a melhor forma de otimizar a verba do cliente em termos de divulgação das peças publicitárias. Finalmente, nas atividades de planejamento, este profissional analisa o briefing sobre a empresa, seus produtos ou serviços e mercado em que atua, estabelecendo uma estratégia de comunicação com insights criativos que servirão de base para as estratégias de criação e mídia. Ainda tendo a agência como principal unidade de negócio da publicidade, podem-se destacar as funções de diretor de criação, diretor de arte, redator, arte finalista, produção e mídia. O diretor de criação é profissional que tem a tarefa de idealizar campanhas publicitárias e coordenar a equipe de criação, geralmente formadas por duplas (diretor de artes e redator) no desenvolvimento das peças que 5 4

55 55 integram essas campanhas. O diretor de artes por sua vez é especializado em executar a parte visual e gráfica das peças publicitárias, em harmonia com o trabalho do redator que se dedica a criação e redação de conceitos, títulos, slogans e todo o conteúdo textual. O profissional de arte final é o responsável por preparar e finalizar os arquivos criados pelas duplas, bem como por garantir a qualidade de tratamento de imagens e diagramação dos produtos finais. O profissional de produção pode ser especializado em áreas como rádio e TV ou atuar de forma geral dentro da agência conforme cada tipo de estrutura. O produtor seleciona fornecedores, tais como gráficas, fotógrafos e produtoras de audiovisual, negocia e viabiliza todos os elementos necessários para execução das peças tais como modelos, figurinos, objetos de cena, cenários, etc. O profissional de mídia por sua vez é o publicitário especializado na técnica publicitária que estuda e indica os melhores meios, veículos, volumes, formatos e posições para veicular as mensagens publicitárias visando garantir que tudo o que foi criado atinja o públicoalvo, otimizando os investimentos de comunicação, assegurando o contato com o maior número possível de potenciais consumidores com soluções estratégicas de menor custo para o anunciante. Além desses espaços, os profissionais da publicidade e propaganda atuam em departamentos de marketing das empresas em geral, intermediando e facilitando a compreensão entre a especificidade e objetivos dos negócios e as proposições advindas dos prestadores de serviços de comunicação externos. Nessa função também atuam definindo estratégias de comunicação interna através de propostas de endomarketing e aprofundando a percepção das estratégias de comunicação integradas, desempenhando ainda as funções na elaboração de campanhas educativas, institucionais, corporativas e mercadológicas, dentre outras funções. O publicitário atua ainda no mercado de desenvolvimento de comunicações especificamente para soluções on-line e digitais de empresas de comunicação em linguagem web, produzindo e realizando peças publicitárias para veiculação na mídia web, no desenvolvimento de site e de provedores de conteúdo. Finalmente, o egresso em Publicidade e Propaganda pode atuar na docência do ensino superior, sendo o universo acadêmico mais uma possibilidade de mercado de trabalho em pleno desenvolvimento, tendo ainda condições de desenvolver projetos extensionistas e pesquisas científicas. 5 5

56 Organização curricular 006 O Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Potiguar é desenvolvido em 08 semestres letivos e apresenta uma carga horária de atividades de.740 horas. No sentido da consecução de ações pedagógicas, que desenvolvam o espírito crítico, criativo, empreendedor e autônomo dos alunos, a organização curricular do Curso adota a iniciação à cultura da investigação através de projetos interdisciplinares, a serem realizados e defendidos durante o processo de formação. Em conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais, o conjunto das disciplinas que compõe o processo de formação deste Curso, pode ser distribuído em conteúdos básicos e específicos. Os conteúdos básicos, relacionados tanto à parte comum do curso quanto às diferentes habilitações e os conteúdos específicos, escolhidos para organizar o currículo pleno, tem como referência as competências e habilidades e os perfis comum e específico, anteriormente definidos. Os conhecimentos básicos incluem estudos da comunicação e sua relação com a sociedade e as diversas formas de expressão e podem ser categorizados em conteúdos teórico-conceituais (Antropologia, Fundamentos da Filosofia, Introdução à Sociologia, História da Comunicação, Metodologia Científica e Teoria da Comunicação, que somam um total de 60 horas); conteúdos analíticos e informativos sobre a atualidade (Comunicação e Sociedade I e II, Comunicação, Comunidade e Economia do RN e Empreendedorismo em Comunicação, que somam um total de 80 horas); conteúdos de linguagem, técnicas e tecnologias midiáticas (Comunicação e Expressão I, Comunicação, Estética e Cultura de Massa, Novas Tecnologias da Comunicação, Cinematografia, Computação Gráfica e Multimídia, que somam um total de 340 horas) e conteúdos éticos e políticos (Legislação em Comunicação, Ética em Publicidade e Propaganda e Mídia e Poder, que somam um total de 60 horas). Os conteúdos específicos correspondem a recortes dentro do campo geral da Comunicação, que estão ligados aos estudos da instrumentação de meios técnicos e tecnológicos, abrangendo o desenvolvimento de projetos de publicidade, categorizados em conhecimentos e práticas profissionais (Introdução à Publicidade e Propaganda; Novas Tecnologias em Publicidade e Propaganda, Fotografia Publicitária, Produção e Artes Gráficas, Atendimento, Planejamento e Apresentação 5 6

57 57 de Campanha, Produção e Direção em Televisão, Radiopublicidade e Planejamento de Mídia, que somam 50 horas/aula); abordagem a questões teóricas (Psicologia do Consumidor, Teoria da Publicidade e Propaganda, Semiótica em Publicidade e Propaganda e Tópicos Especiais em Publicidade e Propaganda, que somam 0 horas/aula); e, finalmente, práticas sobre linguagens e estruturas (Língua Portuguesa Aplicada à Publicidade e Propaganda, Pesquisa de Mercado, Criação e Redação Publicitária, Direção e Arte Publicitária, Administração em Publicidade e Propaganda, Marketing e Endomarketing, Mercadologia, Marketing Político, Promoção e Merchandising e Trabalhos de Conclusão de Curso I e II, que somam 90 horas/aula). Informamos que a elaboração crítica e a discussão da atualidade, previstas pelas Diretrizes Curriculares, são conteúdos que perpassam todas as disciplinas de modo transversal e atravessam a formação do graduando em toda estrutura curricular Estruturas Curriculares No Curso de Comunicação Social, habilitação em Publicidade e Propaganda da Universidade Potiguar, vigora atualmente duas estruturas curriculares. Uma implantada em 004, cuja previsão de encerramento era no ano de 008, mas que ainda não foi extinta em função de apenas alguns alunos que estão em regime de adaptação e/ou em conclusão e, portanto permanecem vinculados a essa estrutura, e outra organizada em 006. As modificações curriculares para os ingressantes a partir de 006. ocorreram em atendimento às definições institucionais, formuladas para a graduação/unp, observados os princípios de autonomia indicados na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDB/96, e de flexibilidade e diversidade curriculares previstos nas diretrizes curriculares nacionais para os cursos de graduação. As orientações da UnP, formuladas para a sua graduação em 006, tiveram como base os resultados de avaliações, efetivadas junto aos cursos, identificada a necessidade de efetuar algumas revisões, tendo em vista o crescente aperfeiçoamento curricular. Além disso, levou-se em conta o fato de que, sendo a graduação uma importante etapa da educação permanente, seria preciso redimensionar cada curso, inclusive em termos de carga horária, de modo a consolidar-se uma formação plural e generalista, entendida esta como base de 5 7

58 58 qualquer profissão, no atual contexto da essencialidade do aprender a aprender, mantendo-se o padrão de qualidade/unp. As decisões institucionais, postas em prática na graduação a partir de 006., indicaram como principais necessidades a adoção de estratégias para o fortalecimento ou consolidação da integração entre os cursos de uma mesma área, pela oferta e desenvolvimento de disciplinas comuns, de natureza integrativa; de mecanismos para racionalização da carga horária de cada curso, otimizando-se os recursos humanos, materiais e financeiros; a organização dos currículos dos cursos de modo a abranger três ciclos de formação: Geral, Básico-Profissionalizante e Profissionalizante. A modificação ocorrida na estrutura curricular de Publicidade e Propaganda acontece pela substituição das disciplinas Comunicação e Expressão II e Direito e Cidadania pelas disciplinas Comunicação e Sociedade I e II, que se posicionam para o atendimento aos objetivos da integração anunciados institucionalmente. No Curso de Comunicação Social, habilitação em Publicidade e Propaganda, o ciclo de Formação Geral inclui estudos que possibilitam ao discente efetuar uma leitura crítica da realidade e o motivem à reflexão dos fenômenos sociais, instrumentando-o para compreender, comunicar-se e agir cientificamente diante das questões que lhe forem apresentadas. Constam deste momento de formação as disciplinas que envolvem os conhecimentos das ciências humanas e sociais, as disciplinas comuns às demais habilitações da comunicação, além de duas disciplinas integrativas, cuja proposta é promover uma abordagem articulada com os demais cursos da área de comunicação e das letras e artes. Com base na possibilidade da flexibilização prevista pelas Diretrizes Curriculares da Comunicação, no que diz respeito ao atendimento das variedades de circunstâncias geográficas, político-sociais e acadêmicas do contexto institucional de inserção da formação, fica mantida, durante um ano, a oferta de disciplinas em comum com a habilitação em Jornalismo. Neste período de formação, além da iniciação ao desenvolvimento da atitude criativa, empreendedora e autônoma, estão contemplados ainda os estudos da comunicação e sua relação intrínseca com as várias formas de expressão humana, além da iniciação ao planejamento de projetos de averiguação do mercado nas dimensões do consumo e da legislação. Desta forma, o Curso expressa o estímulo à educação permanente, sendo o estudante motivado a aprender a aprender em 5 8

59 59 fontes diversificadas e a desenvolver novas habilidades tais como a capacidade de fazer pesquisa, interpretar e explicar dados daí resultantes. Espera-se ao final deste ciclo que o educando tenha condições de posicionar-se de forma crítica, criativa e analítica sobre as práticas que institui o mercado consumidor, a partir dos principais elementos conceituais e teóricos da comunicação e suas inserções culturais, políticas e econômicas. O Ciclo Básico profissionalizante abrange disciplinas de iniciação aos conhecimentos teóricos e práticos específicos da Publicidade e Propaganda. É objetivo deste ciclo a constituição de uma base de conhecimentos inerentes à formação do profissional, devendo ser observadas, simultaneamente, as possibilidades de um trabalho interdisciplinar e a necessidade do atendimento às especificidades da profissão. Neste momento, o estudante toma contato com as práticas profissionais e com as funções, responsabilidade social e meios técnicos e tecnológicos que envolvem o desenvolvimento de projetos de Publicidade e Propaganda. Ao término deste ciclo o aluno terá assimilado criticamente os conceitos que permitem compreender as teorias e as práticas da profissão e adquirido a competência para criar, orientar e julgar produtos da comunicação persuasiva, além de realizar e interpretar pesquisas, ordenando informações da situação dos clientes para diagnóstico e execução de campanhas publicitárias e de propaganda para os veículos impressos e eletrônicos. O Ciclo Profissionalizante congrega a continuidade, aprofundamento e especificidades dos conteúdos, procedimentos e atitudes relacionadas às práticas profissionais, de forma a que sejam viabilizados estudos e práticas em um crescente nível de complexidade, chegando-se às especificidades da formação profissional adequada à realidade de atuação, considerando o avanço tecnológico e suas possibilidades de aplicação. Os conteúdos estão voltados para a gestão, as técnicas e tendências da comunicação integrada e do marketing, além da consolidação da atitude criativa, empreendedora e autônoma, através da prospecção, planejamento, execução e avaliação de soluções de comunicação pra clientes reais. Ao concluir este ciclo, o aluno estará apto para definir objetivos e estratégias de comunicação para problemas de mercado, de negócios, de anunciantes e institucionais e capacitado para conceber meios de mensurar, avaliar e corrigir os rumos das campanhas. Estará apto ainda para planejar, executar e administrar campanhas de comunicação persuasiva, envolvendo o uso da promoção de vendas, o 5 9

60 60 merchandising, o marketing direto e outras formas de integração dos meios de divulgação de produtos e idéias. Currículo de Publicidade e Propaganda para 006 Quadro 0 Estrutura Curricular 006 ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Antropologia Comunicação e Expressão I Comunicação e Sociedade I Comunicação e Sociedade II Fundamentos da Filosofia História da Comunicação Introdução à Sociologia Metodologia Científica C.H. de Atividades Complementares 0h ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Comunicação, Comunidade e Economia no RN Comunicação, Estética e Cultura de Massa Empreendedorismo em Comunicação Legislação em Comunicação Novas Tecnologias em Comunicação Teoria da Comunicação C.H. de Atividades Complementares 0h 3ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Introdução à Publicidade e Propaganda h Língua Portuguesa Aplicada à Publicidade e Propaganda h Novas Tecnologias em Publicidade e Propaganda h Psicologia do Consumidor h Teoria da Publicidade e Propaganda h C.H. de Atividades Complementares 0h 4ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Cinematografia h Ética em Publicidade e Propaganda h Fotografia Publicitária h Pesquisa de Mercado h Produção e Artes Gráficas h Semiótica em Publicidade e Propaganda h C.H. de Atividades Complementares 0h 5ª SÉRIE 6 0

61 6 Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Atendimento, Planejamento e Apresentação de Campanha h Criação e Redação Publicitária h Direção e Arte Publicitária h Produção e Direção em Televisão h Radiopublicidade h C.H. de Atividades Complementares 0h 6ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Administração em Publicidade e Propaganda h Computação Gráfica h Marketing e Endomarketing h Mercadologia h Mídia e Poder h Tópicos Especiais em Publicidade e Propaganda h C.H. de Atividades Complementares 5h 7ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Marketing Político h Multimídia h Planejamento de Mídia h Promoção e Merchandising h Trabalho de Conclusão de Curso I h C.H. de Atividades Complementares 5h 8ª SÉRIE Carga Horária (h/a) Disciplinas Semanal Teórica Prática Total Total Trabalho de Conclusão de Curso II h C.H. de Atividades Complementares 0h Total de disciplinas: 4 C.H. todas das disciplinas:.600 C.H. total de atividades complementares: 40 Carga Horária Total do Curso:.740 Mesmo com as modificações processadas, com base nas orientações da Universidade para a sua graduação, o Curso continua com.740 horas e duração mínima de 04 anos, mantendo o padrão de qualidade UNP. Como demonstrado, as alterações promovidas são de ordem geral, com destaque para a constituição dos três ciclos formativos, conforme figura a seguir, e a introdução das disciplinas integrativas, comuns aos cursos da área. Essas disciplinas possibilitam o fortalecimento dos objetivos de formação geral relativos à atitude autônoma. A sua 6

62 6 oferta ocorre por meio de metodologia semipresencial, estimulando o aluno a comprometer-se pelo próprio processo de formação. Distribuição das Disciplinas por Ciclo de Formação Curso de Publicidade Ciclo de Formação Geral Ciclo Básico Profissionalizante Ciclo Profissionalizante - Antropologia - Comunicação e Expressão I - Comunicação e Sociedade I e II - Fundamentos da Filosofia - História da Comunicação - Introdução à Sociologia - Metodologia Científica - Comunicação, Comunidade e Economia do RN - Comunicação, Estética e Cultura de Massa - Empreendedorismo em Comunicação - Legislação em Comunicação - Novas Tecnologias em Comunicação Teoria da Comunicação - Introdução à Publicidade e Propaganda - Língua Portuguesa Aplicada à PP - Novas Tecnologias em PP - Psicologia do Consumidor - Teorias da Publicidade e Propaganda - Cinematografia - Ética em Publicidade e Propaganda - Fotografia Publicitária - Pesquisa de Mercado - Produção e Artes Gráficas - Semiótica em Publicidade e Propaganda - Atendimento, Planejamento e Apresentação de Campanha - Criação e Redação Publicitária - Produção e Direção em Televisão - Radiopublicidade - Administração em Publicidade e Propaganda - Computação Gráfica - Marketing e Endomarketing - Mercadologia - Mídia e Poder - Tópicos Especiais em Publicidade e Propaganda - Marketing Político - Multimídia - Planejamento de Mídia - Promoção e Merchandising - Trabalho de Conclusão de Curso I e II - Trabalho de conclusão de Curso I e II Atividades Complementares 6

63 Organização curricular 00 A organização curricular do Curso, para alunos ingressantes na ª série a partir de 00., apresenta elementos comuns à organização anterior, mas, também, algumas particularidades motivadas pela Reforma Curricular 00 0 e pela necessidade de atendimento a normativas do Conselho Nacional de Educação relativas à duração de cursos de graduação e à hora aula/hora relógio (Pareceres CNE/CES n. 8, de 3 de janeiro de 007; Resoluções CNE/CES n., de 8 de junho de 007, n. 3, de de julho de 007. Dentre os aspectos que têm continuidade destacam-se: a) o atendimento às diretrizes curriculares nacionais; b) o desenvolvimento de disciplinas situadas nas dimensões humanística e técnico-científica, conforme o Projeto Pedagógico Institucional e o Plano de Desenvolvimento Institucional 007/06, com detalhamentos no Plano Anual de Trabalho da Universidade (PAT); c) o desenvolvimento dos três ciclos de formação instalados desde 006; d) as atividades complementares como componente curricular obrigatório. Aponta-se, ainda, o reforço à interdisciplinaridade, pela ampliação da oferta de disciplinas comuns nos níveis institucional e da Escola de Comunicação e Artes, assim como o fortalecimento da flexibilidade curricular, com a introdução de disciplinas optativas, também nesses dois níveis. Ciclos de formação Ainda que a lógica curricular do Curso, sob a Reforma 00, mantenha os três ciclos de formação, esses mesmos ciclos passam a ter outro desenho, com a inclusão de blocos de conhecimentos, geradores de disciplinas, em um movimento de interações e de aproximações sucessivas: do geral para o particular; do mais simples para o mais complexo (figura ). 0 Iniciativa da Pró-Reitoria de Graduação envolvendo todas as graduações da Instituição. Para mais detalhes, v. UNIVERSIDADE POTIGUAR. Reforma Curricular 00. Natal,

64 64 Figura Ciclos de Formação Apresentando peculiaridades próprias, porém intercomplementares, os ciclos são assim denominados e caracterizados: a) de formação geral e humanística, comportando uma base de conhecimentos necessários à educação continuada e à compreensão de conceitos que circundam o exercício do futuro profissional; b) básico profissionalizante, destinado a estudos próprios da área de Comunicação Social, abrangendo disciplinas que irão compor a base para a compreensão do objeto da profissão; c) profissionalizante, compreendendo estudos específicos e mais verticalizados do próprio Curso de Publicidade e Propaganda, consolidando-se, nessa etapa, o processo de formação. Blocos de conhecimentos Compondo cada um dos ciclos de formação, os blocos de conhecimentos agrupam estudos teórico-metodológicos que apresentam uma base conceitual comum ou de aproximação entre seus constitutivos, de acordo com o especificado no quadro

Projeto Pedagógico do CST em Gestão Pública 2010

Projeto Pedagógico do CST em Gestão Pública 2010 1 2 DIRIGENTES 3 Reitora Profª. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação Profª. Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Prof. Aarão Lyra 4 ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE POTIGUAR DIRIGENTES. Reitora Profa. M.Sc. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira

UNIVERSIDADE POTIGUAR DIRIGENTES. Reitora Profa. M.Sc. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira UNIVERSIDADE POTIGUAR DIRIGENTES Reitora Profa. M.Sc. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação e Ação Comunitária Profa. Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Turismo - 2010 PA GE 8

Projeto Pedagógico do Curso de Turismo - 2010 PA GE 8 1 2 DIRINTES 3 Chancelaria Prof. Paulo Vasconcelos de Paula Reitoria Profa. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitoria de Graduação Profa. Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Direitos desta edição reservados à Universidade Potiguar

Direitos desta edição reservados à Universidade Potiguar 0 1 2 Catalogação na fonte: Biblioteca Unidade Roberto Freire U58p Universidade Potiguar. Escola de Gestão e Negócios. Curso Superior Tecnológico em Gestão Financeira. Projeto pedagógico do curso / Elaboração

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós- graduação Prof. Dr. Aarão Lyra

Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós- graduação Prof. Dr. Aarão Lyra 1 2 3 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Reitora Profª. Mcs. Samêla Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação e Ação Comunitária Profª Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

1 Projeto Pedagógico do Curso de Fisioterapia

1 Projeto Pedagógico do Curso de Fisioterapia 1 2 3 DIRIGENTES UNIVERSIDADE POTIGUAR Presidente Milton Camargo Reitora Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora Acadêmica Sandra Amaral de Araújo Diretora da Escola da Saúde Giselle Gasparino dos

Leia mais

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE www.unp.br PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE Diretoria dos Pilares Estratégicos Núcleo de Apoio Psico-Pedagógico - NAPe Programa apresentado ao CONSELHO SUPERIOR UNIVERSI- TÁRIO ConSUni

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Projeto Pedagógico do curso de Jornalismo

Projeto Pedagógico do curso de Jornalismo 1 2 DIRIGENTES 3 Reitor Prof a. Mcs. Samêla Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação e Ação Comunitária Prof a. Mcs. Sandra Amaral Pró-Reitora de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação Prof. Dr. Aarão

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Projeto Pedagógico 2010 - Serviço Social - bacharelado

Projeto Pedagógico 2010 - Serviço Social - bacharelado 1 2 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Reitora Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação e Ação Comunitária Sandra Amaral Pró-Reitor de Pesquisa, e Pós-Graduação Aarão Lyra 3 ESCOLA DA

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

MANUAL DISCENTE 2012

MANUAL DISCENTE 2012 MANUAL DISCENTE 2012 SUMARIO 1. Apresentação da Instituição 02 2. Organização Institucional 03 3. Missão, Visão, Princípios e Valores 04 4. Procedimentos Acadêmicos 05 5. Estágio Supervisionado e Trabalho

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

DIRIGENTES. Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação Prof. Dr. Aarão Lyra

DIRIGENTES. Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação Prof. Dr. Aarão Lyra 1 2 DIRIGENTES Reitora Profª. MSc. Samêla Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação e Ação Comunitária Profª. Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e Pós-graduação Prof. Dr.

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A CAPACITAÇÃO DOCENTE PACD

PROGRAMA DE APOIO A CAPACITAÇÃO DOCENTE PACD Coleção Documentos Normativos da UnP Série Verde: Gestão de Recursos Humanos Título: Programa de Apoio à Capacitação Docente - PACD Volume 8 PROGRAMA DE APOIO A CAPACITAÇÃO DOCENTE PACD NATAL/RN 2008 UNIVERSIDADE

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS 1 PERFIL DO CURSO A comunicação integrada é, cada vez mais, um instrumento necessário para a sobrevivência

Leia mais

DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR

DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR 1 2 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Reitora Profª. MSc. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora de Graduação e Ação Comunitária Profª. Sandra Amaral de Araújo Pró-Reitor de Pesquisa, Extensão e

Leia mais

www.unp.br Regulamento

www.unp.br Regulamento www.unp.br Regulamento DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEaD NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEaD REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (Aprovado pela Resolução nº 022/2015-ConEPE, de 28 de março de 2015) Natal/RN

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO

PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO Relatório Final de Autoavaliação Institucional 2014 Comissão Permanente de Avaliação CPA. A publicação desta síntese do Relatório

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200 PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 529, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso de Odontologia

Projeto Pedagógico do Curso de Odontologia 1 2 3 DIRIGENTES UNIVERSIDADE POTIGUAR Presidente Milton Camargo Reitora Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora Acadêmica Sandra Amaral de Araújo Diretor da Escola de Saúde Giselle Gasparino dos Santos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt**

AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC. Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** AUTOAVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNISC Ana Karin Nunes* Rosângela Gabriel** Christian Ricardo Rohr* Maria Elisa Baumhardt** * Assessoria de Avaliação Institucional da Universidade de Santa

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA. (aprovado pela Resolução Nº 015/2004-ConEPE-UnP, de 11/05/2004)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA. (aprovado pela Resolução Nº 015/2004-ConEPE-UnP, de 11/05/2004) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA (aprovado pela Resolução Nº 015/2004-ConEPE-UnP, de 11/05/2004) Série: Documentos Normativos da UnP Volume 02 Regulamento e Normas das Atividades Acadêmicas Número

Leia mais

DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR

DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR 1 2 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Reitora Profª. Msc. Sâmela Soraya Gomes de Oliveira Pró-Reitora Acadêmica Profª. Msc. Sandra Amaral de Araújo ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS Diretor Raniery Christiano

Leia mais

NORMAS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME DE PROFICIÊNCIA

NORMAS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME DE PROFICIÊNCIA NORMAS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME DE PROFICIÊNCIA UNIVERSIDADE POTIGUAR UnP Av. Nascimento de Castro, nº 1597, Dix-Sept Rosado, CEP 59054-180. Natal-RN E-mail: reitoria@unp.br Paulo Vasconcelos de Paula

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Universidade Potiguar CPA/UnP (Aprovado pela Resolução nº 018/2007-ConSUni, de 14/06/2007)

Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Universidade Potiguar CPA/UnP (Aprovado pela Resolução nº 018/2007-ConSUni, de 14/06/2007) Coleção Documentos Normativos da UnP Série Azul: Organização Universitária Título: Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação - CPA Volume 25 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

Projeto Pedagógico - Ciências Biológicas - licenciatura

Projeto Pedagógico - Ciências Biológicas - licenciatura Projeto Pedagógico - Ciências Biológicas - licenciatura Projeto Pedagógico - Ciências Biológicas - licenciatura Projeto Pedagógico - Ciências Biológicas - licenciatura DIRIGENTES UNIVERSIDADE POTIGUAR

Leia mais

Catalogação na fonte: Sistema Integrado de Bibliotecas. Universidade Potiguar. Curso Superior de Tecnologia em Segurança do Trabalho.

Catalogação na fonte: Sistema Integrado de Bibliotecas. Universidade Potiguar. Curso Superior de Tecnologia em Segurança do Trabalho. 1 2 3 Catalogação na fonte: Sistema Integrado de Bibliotecas U58p Universidade Potiguar. Curso Superior de Tecnologia em Segurança do Trabalho. Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Segurança

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do Curso: Prof. Dirceu Tavares de Carvalho Lima Filho IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS/UEMG Maio de 2015 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO...2 II - CONCEPÇÃO EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA...3 III - CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS Fevereiro 2011 PLANO DE MELHORIAS ACADÊMICAS DA FEAMIG Introdução Desde o final do ano de 2007 e o início de 2008, a FEAMIG

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 5 PARTE 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL...

APRESENTAÇÃO... 5 PARTE 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL... 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 PARTE 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL... 6 1.1 VISÃO GERAL... 7 1.2 PRINCÍPIOS E FINALIDADES... 8 1.3 MISSÃO E VISÃO... 9 1.4 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E ACADÊMICA... 10 1.5 ENSINO,

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

MANUAL DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO Coleção Documentos Normativos da UnP Série Laranja: Regulamentos e Normas das Atividades Acadêmicas Título: Manual de estágio não obrigatório Volume: 19 MANUAL DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO NATAL/RN 2011

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL DE EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDITAL 2015 CAMPUS NATAL 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica, torna

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Petróleo e Gás

Curso Superior de Tecnologia em Petróleo e Gás Catalogação na fonte: Biblioteca Unidade Roberto Freire U58p Universidade Potiguar. Escola de Engenharias e Ciências Exatas.. Projeto pedagógico de curso / Elaboração de Felipe Lira Formiga Andrade e Franklin

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

PROCESSO Nº 1693/07 PROTOCOLO Nº 9.080.702-1 PARECER Nº 677/07 APROVADO EM 09/11/07

PROCESSO Nº 1693/07 PROTOCOLO Nº 9.080.702-1 PARECER Nº 677/07 APROVADO EM 09/11/07 PROTOCOLO Nº 9.080.702-1 PARECER Nº 677/07 APROVADO EM 09/11/07 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: FACULDADE MUNICIPAL VIZINHANÇA VALE DO IGUAÇU - VIZIVALI MUNICÍPIO: DOIS VIZINHOS ASSUNTO: Pedido

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais