Comunicação Social. Publicidade e Propaganda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Social. Publicidade e Propaganda"

Transcrição

1 Comunicação Social Habilitação Publicidade e Propaganda Projeto Pedagógico 1

2 2

3 CURSO DE BACHARELADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Reconhecido pela Portaria nº 3.317/04 D.O.U. de 19/10/2004. CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS (CEULP) Av. Teotônio Segurado, 1501 Sul Fone: (63) COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Prédio 2, Sala 208. Fone: (63) /8078 Telefones Úteis: Agência de Comunicação Integrada (63) Assessoria de Comunicação Social - (63) Assessoria da Direção - (63) Biblioteca - (63) Central de Atendimento ao Aluno - (63) Complexo Laboratorial - (63) Coordenação dos Labins de Informática - (63) Coordenação de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão (COPPEX) - (63) Laboratório de Produção de Conhecimento (NEP) - (63) Laboratório de Rádio e Tv - (63) Laboratório Núcleo de Estudos e Projetos - (63) Núcleo de Apoio Educacional (NAE): (63) Núcleo de Atendimento Especializado ao Discente (ALTERIDADE): (63) Ouvidoria - (63) / (63) Pastoral Universitária - (63) Secretaria - (63)

4 4

5 EXPEDIENTE CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS (CEULP) Diretora Geral: Kelen Beatris Lessa Mânica Coordenadora de Ensino: Parcilene Fernandes de Brito Coordenadora de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão: Conceição Aparecida Previero Coordenador da Comissão Própria de Avaliação: Fabiano Fagundes Capelão: Pastor Ari Schulz Assessoria Administrativa: José Francisco Pereira de Castro Assessoria da Direção Geral: Sinara Goiás de Paiva Assessoria de Comunicação Social: Marcela Pinheiro Damasceno Pires CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenadora: Irenides Teixeira Núcleo Docente Estruturante (NDE): Fabiano Fagundes, Irenides Teixeira, Maria de Fátima Rocha Medina, Renato Bichara Grilo, Valdirene Cássia da Silva e Vladimir Alencastro Feitosa. Conselho de Curso: Irenides Teixeira, Renato Bichara Grilo, Valdirene Cássia da Silva e Vladimir Alencastro Feitosa. Corpo Docente: Antônio César, Ari Schulz, Carlos Clementino, Conceição Previero, Edglei Rodrigues, Fabiano Fagundes, Fernando Machado, Irenides Teixeira, Jocyelma Santana, Kézia Reis, Maria de Fátima Medina, Maria Joaquina, Paulo Benincá, Valdirene Cássia, Vladimir Feitosa e Wagner Quintanilha. Caderno Projeto Pedagógico de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Projeto Gráfico e Editoração: Fabiano Fagundes, Felipe Botelho, Irenides Teixeira Ano: 2011/1 5

6 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 7 CONCEPÇÃO... 8 MISSÃO... 9 OBJETIVOS DO CURSO...10 PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO...11 ATRIBUIÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO...12 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR...14 METODOLOGIA...15 ATIVIDADES COMPLEMENTARES...20 AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM...22 ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO...24 ATENÇÃO AOS DISCENTES...25 PESQUISA...28 EXTENSÃO...34 ESTÁGIO SUPERVISIONADO...38 CORPO DOCENTE...44 INSTALAÇÕES...45 LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL...46 CONSIDERAÇÕES FINAIS

7 APRESENTAÇÃO Brasil, Surge o primeiro curso de publicidade e propaganda no território nacional. A partir daí, o país começa a assistir a concretização de algumas profecias sobre a indústria cultural, mas precisamente sobre a segunda industrialização presente na obra de Edgar Morin, em que espíritos eram comercializados no processamento das imagens e dos sonhos. E diante da nova realidade que surgia, nascia também o modelo já adotado em outros países de uma ciência que influencia comportamentos, divulga informações, determina mercados e produtos. Nesse contexto, assim como o mercado e os produtos, as universidades passam por algumas transformações. A urgente reflexão sobre a realidade faz com que a estratégica atividade de publicidade e propaganda constitua-se em recurso fundamental nas esferas política, econômica e cultural, transformando inclusive seu papel atual. E foi nesse ambiente de transformação que o CEULP passa a perceber no Estado do Tocantins um mercado carente de um agente de visibilização que significa, em última instância, que qualquer fato, assunto, produto ou ideia só passa a existir concretamente quando é medido pelos processos comunicativos e não pelo ensaio tecnicista, até então, implantados nas campanhas publicitárias do mercado tocantinense. Em junho de 2000, o CONSEPE Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do CEULP autoriza o funcionamento do curso de Comunicação Social, com a habilitação em Publicidade e Propaganda. Motivado pelo fascínio dessa ferramenta de comunicação e fenômeno de dimensão global, o curso é implantado na perspectiva de oferecer aos estudantes novas possibilidades no mercado quanto à profissionalização. A primeira turma entrou com o vestibular de 2000, no turno matutino, em regime semestral. Rapidamente, o curso se destaca a partir do tratamento de interdisciplinaridade que mantém o estudante interagido, também, com os conteúdos das outras áreas que formam o tripé da comunicação integrada: jornalismo e relações públicas, no intuito de compreender os benefícios da complementaridade, tornando-se um profissional mais eficaz no atendimento das demandas atuais, apoiada no rádio, na televisão, no cinema e nas novas tecnologias. O curso de Publicidade e Propaganda caminha com a firme proposta de trabalhar o fenômeno comunicação social dentro do contexto da ciência e compartilhamento de saberes. 7

8 CONCEPÇÃO O curso de Comunicação Social, habilitação em Publicidade e Propaganda, do CEULP fundamenta-se nas Teorias da Comunicação e na abordagem interdisciplinar, buscando a articulação vertical e horizontal entre as disciplinas de fundamentos básicos e complementares do currículo, com as práticas midiáticas, através da reflexão-ação e com o objetivo de formar, do ponto de vista critico, criativo e ético, o profissional publicitário. Através de seus componentes curriculares, propõe desenvolver as competências e habilidades necessárias para a formação profissional nas seguintes áreas: Atendimento, Planejamento, Pesquisa, Criação, Mídia, Produção e Administração de Marketing. No âmbito da Comunicação Social, o mercado de publicidade absorve pessoal cujo perfil é caracterizado pela falta de formação em cursos de nível superior e sem qualificação adequada para as funções exercidas. As agências de publicidade e os anunciantes são, na maioria, pequenas e médias empresas, sem departamentos de marketing ou de comunicação bem estruturados. Estes fatores, entre outros, concorrem para que a publicidade produzida no Tocantins não apresente os requisitos técnicos, científicos e artísticos em conformidade com os padrões de qualidade já desenvolvidos nos grandes centros urbanos do país. Mas, o mercado de trabalho para o profissional da comunicação vai além das mídias tradicionais. Hoje é grande a demanda por profissionais desta área em Assessorias de Comunicação, que crescem em todas as regiões onde estão presentes empresas nacionais ou multinacionais de médio e grande porte além das instituições e órgãos governamentais. Diante desses pressupostos, o Curso de Comunicação Social do CEULP preocupou-se com a superação de modelos mecanicistas de reprodução do conhecimento e do ensino descompromissado com a prática social. Assim, resgata a noção de Universidade como espaço de produção e socialização do conhecimento, interagindo com a comunidade regional e não perdendo de vista a dimensão ética e os valores de cidadania. Os publicitários formados pelo CEULP devem estar preparados para o mercado de trabalho, atendendo às novas demandas midiáticas, quer seja no domínio da técnica, quer seja na linguagem, mas sem nunca perder a dimensão da reflexão, da crítica, da criatividade, da ética e da cidadania. Além da preparação para o mercado convencional, o aluno de Comunicação Social do CEULP deve ser incentivado a práticas de natureza política e científico-profissional, através da pesquisa e da extensão. Por isso, deverá ser motivado a trabalhos comunicacionais voltados para projetos populares e comunitários. Ao conhecer melhor sua realidade, identificando problemas e intervindo com ações, no seu âmbito de formação, o futuro profissional provoca a melhoria da qualidade de vida e a democratização da informação. Gradativamente, esse aluno acaba se inserindo no processo de regionalização e segmentação dos meios de comunicação, ao atuar em órgãos locais e regionais. Pensando dessa maneira, as diretrizes para o Curso de Comunicação Social do CEULP estão em sintonia com a missão da instituição no que se refere à contribuição ao crescimento regional, através das relações com o saber, à formação de cidadãos críticos e éticos, ao desenvolvimento da pesquisa e à interatividade com a região. 8

9 MISSÃO DO CEULP Produzir conhecimentos, promover a formação profissional e o bem-estar da sociedade mediante prestação de serviços educacionais, de saúde e tecnológicos, conforme princípios da fé cristã e da ética luterana. DO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Contribuir para formação do publicitário crítico e criativo, preparado para a prática profissional e da cidadania, capaz de intervir significativamente na sociedade. A partir de uma visão integrada de sua área do conhecimento, qualificá-lo para o exercício da profissão com domínio teórico, técnico e prático adequado às exigências do mercado, mas também com condições de refletir sobre a realidade onde está inserido para interpretá-la. 9

10 OBJETIVOS DO CURSO Geral Formar publicitários habilitados e capacitados para exercer atividades profissionais de jornalismo nas diversas áreas e meios de comunicação, atuando no mercado de trabalho com uma postura criativa, responsável, ética e reflexiva, aplicando o raciocínio lógico e científico, capaz de identificar e solucionar problemas pertinentes ao seu meio profissional. Específicos Como objetivos específicos sustentados, contínua e sistematicamente, no ensino, na pesquisa e na extensão, o curso de Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, visa: desenvolver o raciocínio crítico para e através da criação, distribuição, recepção e análise dos dados referentes às mídias e às práticas profissionais e suas inserções culturais, políticas e econômicas; instrumentalizar o profissional para a compreensão do campo da comunicação como espaço de mediação amplo e complexo, capacitando-o a refletir criticamente sobre as especificidades profissionais de cada área de atuação numa visão integrada; promover a formação profissional utilizando conteúdos técnicos e práticos, além do conhecimento das novas tecnologias da comunicação aplicadas à publicidade; proporcionar ao discente a análise reflexiva das constantes transformações que ocorrem no mercado local, regional e nacional, considerando sua inserção numa economia e sociedade globalizadas; e, estimular o aluno a exercer seu papel de cidadão, capacitado a interferir nos acontecimentos da atual realidade sócio-econômica, política e cultural, sabendo compreender, respeitar e conviver com as diversidades de aspectos que caracterizam o mundo à sua volta. 10

11 PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O egresso do Curso de Comunicação Social do CEULP, em suas duas habilitações, caracteriza-se por: sua capacidade de criação, produção, distribuição, recepção e análise crítica referentes às mídias, às práticas profissionais e sociais e a suas inserções culturais, políticas e econômicas; sua habilidade em refletir a variedade e mutabilidade de demandas sociais e profissionais na área, adequando-se à complexidade e velocidade do mundo contemporâneo; sua visão integradora e horizontalizada - genérica e ao mesmo tempo especializada de seu campo de trabalho possibilitando o entendimento da dinâmica das diversas modalidades comunicacionais e das suas relações com os processos sociais que as originam e que destas decorrem; utilizar criticamente o instrumental teórico-prático oferecido em seu curso, sendo, portanto, competente para posicionar-se de um ponto de vista ético-político sobre o exercício do poder na comunicação, sobre os constrangimentos a que a comunicação pode ser submetida, sobre as repercussões sociais que enseja e ainda sobre as necessidades da sociedade contemporânea em relação à comunicação social. 11

12 ATRIBUIÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO 12 O curso de Publicidade e Propaganda pretende formar um profissional que possua como característica um conjunto de habilidades complementares, relacionadas aos objetivos do curso e que de forma resumida podem ser assim referidas: competência para utilizar e relacionar os conhecimentos sócio-culturais, de base humanística, adquiridos em sua formação acadêmica, no desempenho de suas funções profissionais; capacidade para pensar criticamente a realidade sócio-econômica, política e cultural, na atual conjuntura mundial e nacional, aliada ao desenvolvimento da reflexão abstrata, estabelecendo relações, analogias e interpretações sobre o conjunto de fenômenos que marcam o presente momento e seus efeitos sobre a região de sua atuação profissional; capacidade para relacionar conhecimentos teóricos e metodológicos específicos da comunicação social, com a identificação e solução dos problemas inerentes à publicidade e propaganda; habilidade para identificar, analisar criticamente, tomar decisões e resolver novos problemas e desafios, principalmente os relacionados às áreas de atuação do publicitário; domínio dos instrumentais e das linguagens oriundas do campo profissional da comunicação possibilitando o uso e a experimentação de instrumentos tradicionais e de novas tecnologias de forma criativa e inovadora, considerando suas especificidades; conhecimento das principais funções requeridas pelo mercado profissional, nas áreas onde se faz necessária a presença e atuação do publicitário, principalmente com relação às demandas específicas de sua região; habilidade para identificar problemas, conceber, planejar, avaliar e executar, com espírito de iniciativa, os diversos projetos pertinentes às áreas da publicidade e propaganda e sua adequação às necessidades regionais; conhecer os diferentes processos e linguagens decorrentes das novas tecnologias de comunicação e sua conseqüente utilização nas diversas atividades publicitárias, preservando o bom domínio da língua portuguesa, com relação à leitura, compreensão, expressão oral e produção de texto escrito; atitude empreendedora, flexível e aberta às inovações para o exercício criativo da atividade profissional, com espírito de liderança e cooperação; capacidade para atuar profissionalmente em equipe, associada a uma consciente postura responsável, cooperativa e de respeito, face às diversidades sócio-culturais, mantendo, também, um adequado relacionamento social, em seu ambiente de trabalho; e, desenvolver espírito de iniciativa e de criatividade, relacionado a uma postura ética, face não só às atividades do publicitário, como também ao seu posicionamento como pessoa e cidadão. O profissional de Publicidade e Propaganda egresso do CEULP, formado nesse quadro de conhecimentos, e possuidor de um perfil com as características já

13 mencionadas, deve estar capacitado a exercer sua profissão e resolver problemas em diversas áreas de atuação no mercado de trabalho, tais como: em agências de comunicação, seja de propaganda, de promoções, de eventos, de assessoria de imprensa ou de relações públicas, prestando consultoria ou assessoria; em agências de publicidade, propriamente ditas, exercendo funções diversas no atendimento, planejamento, criação, pesquisa, mídia e em outras áreas correlatas; em empresas de produção e computação gráfica, produzindo anúncios, material promocional, brindes e outras peças publicitárias, inclusive material para pontos de venda; em empresas de produção audiovisual, produzindo e dirigindo fotos, peças para rádio (textos, jingle, e spots), para TV e cinema (comerciais, vinhetas e merchandising), além de poder atuar no atendimento e administração dessas empresas; em divisões e departamentos de comunicação de empresas, em geral, cuidando de toda a comunicação interna e externa da organização e de seus produtos, gerenciando custos e orçamentos, lançando produtos por meio de práticas de marketing, mantendo contatos com agências de comunicação e com os próprios clientes da empresa, objetivando criar uma linguagem unificada; em editoras e nos meios de comunicação, como emissoras de rádio, TV e órgãos de imprensa; em institutos de pesquisa, realizando os diversos tipos de pesquisas, como as de mercado, de audiência, de opinião e as político-eleitorais, entre outras; na assessoria de empresas que produzem e realizam eventos, convenções, seminários, exposições e feiras; e, na assessoria publicitária e de comunicação de órgãos governamentais. 13

14 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR A Organização curricular do curso de Bacharelado em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, pauta-se pela busca em oferecer ao aluno uma conexão entre as premissas de formação genérica e teórica, formação cultural e ético-política e formação técnica. Os produtos resultantes do esforço de planejamento são: os Planos de Ensino das disciplinas, unidade básica do planejamento; e o Projeto Pedagógico, documento síntese do planejamento global do Curso, definidor das diretrizes pedagógicas gerais a serem adotadas, e dos objetivos e metas perseguidos. O curso de Comunicação Social habilitação em Publicidade e Propaganda do CEULP enfatiza em seu cotidiano didático pedagógico a aplicação de técnicas metodológicas que propiciem uma vivência mais aprofundada das temáticas das disciplinas e da sua relação com o mercado e a sociedade. Para tanto, a intersecção teoria e prática, com a utilização intensiva dos laboratórios do curso, é realizada de forma a promover um maior entendimento nos conteúdos ministrados. A metodologia que permeia os planos de ensino do curso é pautada na premissa da interdisciplinaridade, o que fica evidenciado especialmente nas relações que são estabelecidas nos diversos eixos que compõem a matriz curricular, e tem como ponto norteador a necessidade de instigar o espírito empreendedor. 14

15 METODOLOGIA O curso de Publicidade e Propaganda do CEULP enfatiza em seu cotidiano didático pedagógico a aplicação de técnicas metodológicas que propiciem uma vivência mais aprofundada das temáticas das disciplinas e da sua relação com o mercado e a sociedade. Para tanto, a intersecção teoria e prática, com a utilização intensiva dos laboratórios do curso, é realizada de forma a promover um maior entendimento nos conteúdos ministrados. A metodologia que permeia os planos de ensino do curso é pautada na premissa da interdisciplinaridade, o que fica evidenciado especialmente nas relações que são estabelecidas nos diversos eixos que compõem a matriz curricular, e tem como ponto norteador a necessidade de instigar o espírito empreendedor. O delinear da metodologia específica se faz presente nos planos das disciplinas. De uma forma genérica, os professores se utilizam de atividades como: a) ensino teórico: Aulas expositivas dialogadas, nas quais os conteúdos programáticos podem ser abordados em nível básico, avançado ou aprofundado, consoante a natureza da matéria ou localização curricular, quer do ponto de vista conceitual ou experimental. b) ensino prático: Exposições e atividades dirigidas, com o objetivo não apenas de estimular e desenvolver as capacidades de reflexão e crítica do acadêmico, mas também de proporcionar a realização de exercícios de revisão e aplicação dos conhecimentos construídos. Estes objetivos podem ser atingidos através da resolução de problemas, estudo e discussão de casos, treino de consulta de fontes bibliográficas bem como compilação e sistematização das mesmas. c) ensino laboratorial: A maior parte das disciplinas do curso é realizada nos laboratórios de informática. Para tanto, é realizada uma sistematização semestral das plataformas de programação necessárias em cada disciplina. Assim, disciplinas como Banco de Dados, Gerência de Projetos, Engenharia de Software, Desenvolvimento de Sistemas de Informação, dentre outros, que utilizam softwares específicos são organizadas no início do semestre a partir de uma tabela sistematizada e apresentada ao aluno. Há, também, sistemas criados no próprio curso e utilizados nos laboratórios e que contribuem para o ensino de disciplinas como Algoritmos e Programação, por exemplo. d) atividades semipresenciais: Em conformidade com a Portaria n 4059 de 10 de dezembro de 2004, o currículo desenvolvido em aula com os acadêmicos é complementado com a realização de três atividades semipresenciais em cada disciplina. Tais atividades são elaboradas pelos professores com o objetivo de proporcionar momentos de aprendizagem dos conteúdos e de desenvolvimento das habilidades propostas no Plano de Ensino. Seu planejamento consiste na sistematização de momentos de autoaprendizagem, com a utilização de recursos das tecnologias da informação, organizados com estratégias didáticas como, por exemplo, estudos dirigidos, estudos de caso, pesquisas bibliográficas, resolução de exercícios, dentre outras, conforme a proposta de cada disciplina. A realização dessas atividades pelos discentes segue um cronograma organizado e publicado no Calendário Acadêmico da IES, o qual é explicado pelos professores no decorrer das suas aulas. Cada atividade semipresencial corresponde a seguinte carga horária: 2h para disciplinas de 34h; 4h para disciplinas de 68; e 8h para disciplinas de 136h. 15

16 e) Atividades Complementares: Tem a finalidade de proporcionar maior interação entre o discente e a sociedade, através de atividades que envolvem o tripé ensino, pesquisa e extensão. A ideia básica destas atividades é estimular uma maior autonomia do discente de forma que este participe mais ativamente de eventos da área, bem como busque aprimoramento em determinadas vertentes do curso a partir da realização de ações extracurriculares. A instituição oferece a possibilidade dos alunos participarem de programas de monitoria e iniciação científica, que também são consideradas no processo de cômputo das horas. O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM É ORGANIZADO EM GRUPOS DE DISCIPLINAS: - de conhecimento universal: oferecem embasamento filosófico-cultural que visam contribuir para a formação genérica e teórica, além de fornecer elementos que contribuam para a formação cultural e ético-política do egresso; - introdutórias do curso: abordam informações básicas sobre a comunicação social, em especial, aquelas concernentes à cada habilitação, no intuito de esclarecer as respectivas atribuições e interfaces entre elas; - teóricas do curso: oferecem embasamento científico sobre as teorias da comunicação e de cada habilitação; - técnico-práticas de cada habilitação: proporcionam o conhecimento e a aplicação das técnicas específicas; - de planejamento: orientam e aplicam o processo de ordenamento e execução das estratégias e ações da comunicação social; - projetos experimentais: possibilitam a aplicação de todos os conhecimentos adquiridos no decorrer do Curso, através de atendimento 16

17 MATRIZ CURRICULAR (043156) 1º Semestre 2º Semestre 3º Semestre 4º Semestre Comunicação e Expressão Fund de Comunicação Comunicação Visual Cultura Religiosa Fundamentos de PP Inst Científica Com Mídia e Cultura Teorias da Comunicação Redação para Comunicação Fund de Fotog para PP Marketing Ética Estética e Comunicação Atend e Planej de Com Criação em PP Redação Publicitária I Sociedade e Contemp Ciência Política Produção Publicitária I Redação Publicitária II Direção de Arte Introdução à Economia Planejamento de Mídia Pesquisa Mercadológica 5º Semestre 6º Semestre 7º Semestre Optativas Produção Publicitária II Redação Publicitária III Processo Negocial Noções de Direito Estratégias Promo em Com Optativa I Produção Publicitária III Assessoria e Cons em Com Prop Ideológica Mark Político Projeto Exp em PP I Pesquisa Aplicada à Com Produção de Artigo Científico Gestão da Com Integrada Projeto Exp em PP II Optativa II Fotografia Publicitária Libras Planejamento Gráfico Psicologia da Comunicação Webjornalismo Créditos: 148 Horas/aula:

18 COERÊNCIA ENTRE O CURRÍCULO PROPOSTO E O OBJETIVO GERAL E OS ESPECÍFICOS PRETENDIDOS: Objetivos do Curso Coerência Curricular instrumentalizar o profissional para a compreensão do campo da comunicação como espaço de mediação amplo e complexo, capacitando-o a refletir criticamente sobre as especificidades profissionais de cada área de atuação numa visão integrada; promover o desenvolvimento do raciocínio crítico e científico na área da publicidade e propaganda que forneça ao discente a concepção da publicidade como forma de conhecimento inter-relacionada às outras formas de conhecimento; estimular o aluno a exercer seu papel de cidadão, capacitado a interferir com eticidade nos acontecimentos da atual realidade sócio-econômica, política e cultural, sabendo compreender, respeitar e conviver com as diversidades de aspectos que caracterizam o mundo à sua volta. undamentos de Comunicação Fundamentos de Publicidade e Propaganda Comunicação e Expressão Instrumentalização Científica Sociedade e Contemporaneidade Cultura Religiosa Fundamentos de Fotografia para Publicidade e Propaganda Comunicação Visual Ética Estética e Comunicação Redação para Comunicação Optativa I Comunicação Mídia e Cultura Teorias da Comunicação Ciência Política Introdução à Economia Processo Negocial Noções de Direito 18

19 Objetivos do Curso desenvolver o raciocínio crítico para e através da criação, distribuição, recepção e análise dos dados referentes às mídias e às práticas profissionais e suas inserções culturais, políticas e econômicas; instrumentalizar o profissional para a compreensão do campo da comunicação como espaço de mediação amplo e complexo, capacitando-o a refletir criticamente sobre as especificidades profissionais de cada área de atuação numa visão integrada; promover a formação profissional, utilizando conteúdos técnicos e práticos, de forma semelhante à pratica profissional cotidiana (nos moldes do estágio), além do conhecimento das novas tecnologias da comunicação aplicadas à publicidade; proporcionar ao discente a análise reflexiva das constantes transformações que ocorrem no mercado local, regional e nacional, considerando sua inserção numa economia e sociedade globalizadas; Marketing Coerência Curricular Propaganda Ideológica e Marketing Político Direção de Arte Redação Publicitária I Impressos Redação Publicitária II Áudio Redação Publicitária III Vídeo Criação em Publicidade e Propaganda Pesquisa Mercadológica Planejamento de Midia Estratégias Promocionais em Comunicação Pesquisa Aplicada a Comunicação Metodologia Produção de Artigo Científico Assessoria e Consultoria em Comunicação Gestão da Comunicação Integrada Objetivos do Curso estimular a reflexão para o empreendedorismo e para a gestão comunicacional visando a identificação e solução de problemas pertinentes ao seu meio profissional e a criação de mercados alternativos; suscitar no acadêmico a busca pela produção científica e pelo aprofundamento temático e técnico que possa aprimorar-lhe a capacidade e a habilidade de interpretação e crítica da Comunicação e do campo publicitário. Coerência Curricular Assessoria e Consultoria em Comunicação Gestão da Comunicação Integrada Produção Publicitária I Impressos Produção Publicitária II Áudio Produção Publicitária III Vídeo Projeto Experimental em Publicidade e Propaganda I Produto de Comunicação Projeto Experimental em Publicidade e Propaganda II Ação Comunitária Optativa II 19

20 ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares têm por finalidade oportunizar ao acadêmico a realização, concomitantemente às disciplinas do currículo, de atividades autônomas e flexíveis centradas em temáticas comunicacionais e afins, que representem instrumentos úteis e válidos para a formação e o aprimoramento básico do futuro bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda. As atividades complementares do curso de Publicidade e Propaganda do CEULP/ULBRA são compostas com uma carga horária de duzentos e quatro (204) horas, limitando-se cada modalidade de atividade ao máximo de 50% (cinqüenta por cento) da carga horária total a ser cumprida por todos os acadêmicos nas áreas de ensino, pesquisa, extensão e produção publicitária, prevista no regulamento. Modalidades das atividades complementares Grupo Modalidade documento(s) comprobatório(s) Qt Horas Disciplinas não previstas no Currículo do curso de Publicidade e Propaganda Atestado fornecido pela IES onde conste a aprovação Até 60 horas Ensino Monitoria de Ensino Atestado e Relatório Até 50 horas Estágios Extracurriculares Atestado e Relatório fornecido pela Entidade conveniada Até 50 horas Cursos de Aperfeiçoamento (ex.: Informática, idiomas) Certificado Até 60 horas Pesquisa Atestado e Relatório de desempenho pelo professor orientador validado pela coordenação de pesquisa da IES. Até 40 horas Eventos Científicos Certificado Até 40 horas Pesquisa Trabalhos Científicos Publicados Cópia da publicação Até 40 horas Assistência a Defesas de: - Monografias Finais - Dissertações de Mestrado - Teses de Doutorado de Cursos da Atestado de Assistência Até 40 horas 20

21 área Sociais Aplicadas. Projetos e Programas de Extensão Certificado Até 50 horas Atuação como voluntário Atestado de participação Até 50 horas Eventos Certificado Até 50 horas Extensão Administração e Representações em Entidades Estudantis Cópia da Ata das Reuniões dos órgãos da IES Até 30 horas Participação em órgãos de conselho de curso Cópia da Ata das Reuniões dos Conselhos Até 30 horas Atestado e Relatório de Pesquisas publicitárias desempenho pelo professor Até 30 horas orientador Produção Trabalhos publicados/veiculados publicitários Cópia do produto Até 40 horas Exercício de função publicitária Atestado de participação pelo coordenador da Agência Até 60 horas Outras atividades: de acordo com disposição do Conselho do Curso de Publicidade e Propaganda 21

Comunicação Social. Jornalismo

Comunicação Social. Jornalismo Comunicação Social Habilitação Jornalismo Projeto Pedagógico 1 2 CURSO DE BACHARELADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Reconhecido pela Portaria nº 718/06 D.O.U. de 10/10/2006. CENTRO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

Administração. Projeto Pedagógico

Administração. Projeto Pedagógico Administração Projeto Pedagógico 1 2 CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Autorizado pela Resolução CONSUN nº 64/91, de 31/10/91. Reconhecido pela Portaria MEC nº 128, de 30/05/06. CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Educação Física. Licenciatura. Projeto Pedagógico

Educação Física. Licenciatura. Projeto Pedagógico Educação Física Licenciatura Projeto Pedagógico 1 2 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Resolução CONSEPE N.º004, 12 de Julho de 2000. Reconhecido pela Portaria MEC Nº3.319, de 18 de Outubro de 2004.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 21/10/1966 São Luís Maranhão RESOLUÇÃO N 125-CONSUN, de 2 de maio de 20 Aprova o projeto de criação do Curso de Licenciatura em Artes Visuais, em substituição à Habilitação em Artes Plásticas do Curso de Licenciatura em Educação Artística

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO

FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO Faculdade Internacional da Paraíba Rua Monsenhor Walfredo Leal nº 512, Tambiá CEP: 58020-540. João

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS 1 PERFIL DO CURSO A comunicação integrada é, cada vez mais, um instrumento necessário para a sobrevivência

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba RESOLUÇÃO Nº 07 DE 20/09/2004 Estabelece normas para a realização das Atividas Complementares nos cursos graduação do CESVALE. Art. 1 - Define como Ativida Complementar toda e qualquer ativida não prevista

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DA FACULDADE SOCIAL DA BAHIA - FSBA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DA FACULDADE SOCIAL DA BAHIA - FSBA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DA FACULDADE SOCIAL DA BAHIA - FSBA Art. 1.º - As atividades complementares (de caráter acadêmico-científicoculturais), parte integrante das matrizes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno.

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno. Regulamento de Atividades Complementares dos cursos de Bacharelado em Administração, Ciências Contábeis, Sistemas de Informação e Enfermagem da Libertas Faculdades Integradas 20 Capítulo I Das Disposições

Leia mais

MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) CURSO DE DIREITO

MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) CURSO DE DIREITO MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) CURSO DE DIREITO 1 MANUAL DE INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS DO NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (NAC) DA FAJS CURSO DE

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PALMAS TO, 2014 2 1. AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este manual define as orientações básicas da Escola Politécnica da Católica do Tocantins com a finalidade de normatizar

Leia mais

Educação Física. Bacharelado. Projeto Pedagógico

Educação Física. Bacharelado. Projeto Pedagógico Educação Física Bacharelado Projeto Pedagógico 1 2 CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Autorizado pela Resolução CONSEPE nº 279, de 26/09/07. CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS (CEULP) Av. Teotônio

Leia mais

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo

O CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA, no uso de suas atribuições, e CONSIDERANDO a importância do Princípio da Indissociabilidade, estabelecido pelo REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Aprovado na CamEx, na 84 Sessão, realizada em 18 de março de 2015, apreciada no CONSEPE, na 54ª Sessão,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2015 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES

GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES GUIA ACADÊMICO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURRICULARES Válido para ingressantes a partir do 1º/2010 Prezado (a) acadêmico (a), Seja bem vindo ao Centro Universitário Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. R E S O L V E:

RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. R E S O L V E: RESOLUÇÃO nº 177, de 11 de setembro de 2015. O Conselho Universitário CONSUNI, no uso de suas atribuições, em conformidade com Parecer nº 030, de 20 de agosto de 2015, R E S O L V E: Art. 1º - Aprovar

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA 2013 ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são? São práticas acadêmicas de múltiplos formatos, obrigatórias, que podem ser realizadas dentro ou fora

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC)

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) 2012 / 2013 Prezado(a) aluno(a), É com muito orgulho e satisfação que oferecemos

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 06/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO- CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LETRAS DA FACULDADE VILLAS BOAS São Paulo, 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CURSO DE LETRAS - LICENCIATURA

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. COORDENADORA: Profª. Fatima Rangel dos Santos de Assis

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. COORDENADORA: Profª. Fatima Rangel dos Santos de Assis REGULAMENTO DE COORDENADORA: Profª. Fatima Rangel dos Santos de Assis Rio de Janeiro 2008 REGULAMENTO DAS OBRIGATÓRIAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO I DAS Art. 1º.As atividades complementares dos Cursos

Leia mais

Em qualquer uma das modalidades, o TCC deverá estar inserido em um das 3 linhas de pesquisa da Escola de Comunicação:

Em qualquer uma das modalidades, o TCC deverá estar inserido em um das 3 linhas de pesquisa da Escola de Comunicação: Curso de Comunicação Social Relações Públicas Regulamento TCC 2008/1 Capítulo 1 Considerações Preliminares: O presente regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do TCC I

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4000 - JORNALISMO MISSÃO DO CURSO O curso de Jornalismo do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar o profissional dentro

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais