PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA HABILITAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA HABILITAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA HABILITAÇÃO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

2 JOSÉ IVONILDO DO REGO REITOR NILSEN CARVALHO FERNANDES DE OLIVEIRA FILHO VICE-REITOR ANTÔNIO CABRAL NETO PRÓ-REITOR DE GRADUAÇÃO MÁRCIO MORAES VALENÇA DIRETOR DO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES ÂNGELA MARIA PAIVA CRUZ VICE-DIRETORA DO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES NEWTON AVELINO ANDRADE CHEFE DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL MOACIR BARBOSA DE SOUSA COORDENADOR DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Comissão de elaboração Moacir Barbosa de Sousa (Presidente) Gerson Luiz Martins Ricardo A. Rosado de Holanda Abril

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO FORMANDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES SITUAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO METODOLOGIA AVALIAÇÃO DO CURSO DEMANDAS PROJETO EXPERIMENTAL TCC AGÊNCIA JÚNIOR DE PUBLICIDADE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NA ELABORAÇÃO DESTE PRO JETO PORTARIA DE DESIGNAÇÃO DA COMISSÃO 3

4 1. INTRODUÇÃO N o final do ano de 2006, atendendo a uma solicitação da administração superior da UFRN, através da direção do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, um grupo de professores do Departamento de Comunicação Social discutiu a possibilidade de implantação de nova habilitação no âmbito do curso de Comunicação Social. Várias sugestões foram consideradas, sendo decidido pela criação de um curso de Publicidade e Propaganda. Depois de reuniões com a direção do CCHLA, foi constituída uma comissão, conforme portaria 014/2007-CCHLA, de 27 de fevereiro de 2007, formada pelos professores Moacir Barbosa de Sousa, Ricardo Antônio Rosado de Holanda e Gerson Luiz Martins. Devido ao pouco tempo para aprofundar as discussões com a totalidade dos docentes e discentes do curso de Comunicação Social, a comissão usou o correio eletrônico para informar os detalhes do andamento dos trabalhos e pedir sugestões a fim de aperfeiçoar o projeto. A equipe pedagógica da Pró-Reitoria de Graduação prestou um assessoramento ao processo em todas as etapas. Vale destacar o apoio, a participação e o incentivo da direção e vice-direção do CCHLA. Este Projeto Político Pedagógico tem por finalidade implantar a habilitação Publicidade e Propaganda no curso de Comunicação Social, que já conta com outras duas habilitações, Radialismo e Jornalismo. Inicialmente apresenta a trajetória das escolas de comunicação no país, a criação das diversas habilitações e a situação na atualidade. Em seguida discorre sobre as necessidades da infra-estrutura como: laboratórios, quadro de docentes, organização didáticopedagógica, organização de conteúdos e gestão do curso. A justificativa tem como referência as demandas da sociedade e do mercado para a implantação do curso. Os objetivos do curso são formulados de conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais, aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação, e com a missão da UFRN apresentada no seu Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI. Em consonância com os objetivos foram definidos o perfil do formando e as competências e habilidades a serem desenvolvidas no processo de formação do aluno, que serão a referência básica para o processo de avaliação do ensino e da aprendizagem. 4

5 A estrutura curricular do curso compreende a organização dos conteúdos, carga horária, elenco de disciplinas obrigatórias e optativas e os cadastros das disciplinas. Em seguida, será desenhado um quadro do curso a partir da infra-estrutura necessária, laboratórios, quadro de docentes, organização didático-pedagógica, organização de conteúdos e gestão do curso. Logo depois, é apresentada a metodologia de ensino que tem como princípios: a integração do tripé ensino-pesquisa-extensão, a flexibilização curricular, que possibilitará ao estudante aprofundar conhecimentos dentro do campo da Publicidade e Propaganda, a interdisciplinaridade e a integração teoria-prática. 5

6 2. CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA O s cursos na área de comunicação surgiram no Brasil de forma isolada; eram cursos superiores de jornalismo, relações públicas, cinema ou publicidade. A primeira tentativa de unir as habilitações mencionadas ocorreu na Universidade de Brasília, quando Pompeu de Souza propôs a Darcy Ribeiro a criação de uma Faculdade de Comunicação de Massa. O projeto fracassou devido ao golpe militar de 1964, sendo retomada após dois anos pela Universidade de São Paulo, quando foi criada a Escola de Comunicações Culturais, atual Escola de Comunicações e Artes ECA. A mais antiga escola de jornalismo do Brasil é a Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, fundada em maio de Inicialmente foi vinculada à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bento, da Universidade Católica de São Paulo. Há referências a um curso de jornalismo e publicidade na Universidade do Distrito Federal, em A universidade foi extinta em 1939 e o acervo transferido para a Universidade do Rio de Janeiro. O curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norteteve sua origem na Lei Estadual n , de 10 de maio de 1962, assinada pelo então Governador Aluízio Alves, que criou a Faculdade de Jornalismo. No ano seguinte, através da Lei Estadual de n , o curso foi incorporado à Fundação José Augusto, recém-criada em Natal, com a denominação de Faculdade de Jornalismo Eloy de Souza, em homenagem a um dos mais respeitáveis jornalistas do estado. O Conselho Federal de Educação reconheceu o curso em 25 de setembro de 1968, através do Decreto no , publicado no dia seguinte, no Diário Oficial da União. Em 1965, a faculdade diplomou sua primeira turma, composta por 23 alunos, dos quais, aproximadamente, 80% atuavam nos meios de comunicação da capital. Passaram pelas suas salas intelectuais, empresários, políticos e jovens estudantes entusiasmados pela nova formação acadêmica. Em 1974 a Faculdade de Jornalismo Eloy de Souza recebeu a denominação de Curso de Comunicação Social, vinculado ao CCHLA, passando a funcionar no Campus Universitário. Concluída a transferência do curso, uma nova realidade se impôs como mudanças no seu sistema de funcionamento que, do regime seriado, com tempo determinado em três 6

7 anos, passou para um sistema de créditos, permitindo ao aluno integralizar os estudos durante um tempo médio de quatro anos, podendo ser concluído, no mínimo, em quatro e no máximo em sete anos. Ao longo do tempo, professores e alunos se empenharam em dinamizar o curso, haja vista o êxito de atividades pedagógicas como o programa de entrevistas Xeque-Mate, que marcou época na década de 1970, a Agência de Notícias Tec-Tec, a produção radiofônica veiculada, semanalmente, pelos alunos na Rádio Poti de Natal, as práticas laboratoriais na TV Universitária, várias edições de jornais-laboratório, que circulavam na cidade, bem como a destacada atuação de seus egressos nas redações das empresas jornalísticas, agências de publicidade, órgãos públicos, entidades e na iniciativa privada deste e de outros estados. Atualmente, mesmo diante dos desafios de formar profissionais adequados a uma comunicação midiatizada por tecnologias inovadoras, que parecem adiantar-se à própria dinâmica da sociedade, o Curso de Comunicação Social da UFRN capacita jornalistas e radialistas para atuar no mercado da informação coletiva do Rio Grande do Norte Publicidade e Propaganda sua inserção na Comunicação Social O ano de 1913 marca o surgimento da primeira agência brasileira de publicidade do país, A Eclética, fundada em São Paulo por iniciativa de João Cataldi e Jocelyn Bennaton. Na época, além dos jornais, as principais revistas eram A Cigarra, destinada para o público feminino, e A Revista da Semana, suplemento do Jornal do Brasil. Em 1929, em São Paulo, a Publix iniciava as atividades de outdoor. Em 1920, a agência Pettinati de Publicidade Ltda se encarregou da campanha eleitoral de Júlio Prestes à Presidência da República. O Decreto , de 05/11/1924, ditava normas para a telefonia sem fio, proibindo a publicidade no rádio em sua fase embrionária. Daí a ocorrência de emissoras que levavam o nome de Rádio Clube ou Sociedade, pois seus ouvintes, amantes e adeptos mantinham as rádios no ar com a participação de doações e empréstimos de discos para serem tocados nas programações. A publicidade no rádio só foi liberada pelo Decreto /32, que regulamentou o Decreto-Lei /31, substitutivo do Ainda no rádio, a publicidade ganhou força depois 7

8 da década de 1940, gerando consumismo e impulsionando as empresas à produtividade. A publicidade se desenvolveu dentro das redações de jornais e nas emissoras de rádio; nestas últimas, seus locutores, redatores, programadores e até diretores atuaram como vendedores de anúncios, produzindo, eles próprios, os textos comerciais, conseguindo, dessa forma, manter o faturamento das estações a altura da folha de pagamento. Na década de 1920, a indústria holandesa Philips instala-se no Brasil e para divulgar seus produtos, funda em 12 de março de 1930, na antiga capital federal, a PRA-X - Sociedade Rádio Philips do Brasil. Era possuidora do melhor som dentre as demais emissoras da época, não só pela potência do sinal irradiado, mas também pelo bom funcionamento dos rádios da marca, vendidos à elite carioca por um pernambucano que viria a se tornar em um dos mais famosos produtores de programas de rádio da época: Ademar Casé (avô da atriz e apresentadora de programas Regina Casé). Os locutores da emissora propagavam-na como sendo a rádio do signo das estrelas, já que compunha sua logomarca o desenho de 4 estrelas. Ademar Casé iniciou sua trajetória de sucesso no rádio em um domingo, 14 de fevereiro de 1932, com o primeiro programa de rádio a veicular comerciais, ou reclames, como eram chamados naquela época. O primeiro patrocínio de um programa de rádio ocorreu em 1924, nos Estados Unidos, pelas pilhas Eveready. Conforme conta seu neto Rafael Casé no livro Programa Casé - O Rádio Começou Aqui ( ), duas horas antes de entrar no ar, todos estavam reunidos no estúdio da rádio Philips, localizado no quinto andar da Rua Sacadura Cabral, 43 - perto da Praça Mauá, no centro do Rio de Janeiro. Tudo pronto para a primeira irradiação do programa, Victoriano Augusto Borges, diretor da Rádio Philips, foi convidado para saudar os rádio-ouvintes em nome da emissora. Porém, poucos minutos antes de iniciar o programa o diretor descobriu que este não tinha nome. Casé, só então, deu conta de que havia se esquecido desse "pequeno detalhe"; coube a Victoriano, no improviso, criar o nome. Às oito da noite, ele abriu a chave do microfone e anunciou: "A Rádio Philips do Brasil, PRAX, vai começar a irradiar o Programa Casé." (Casé, ). Esta é a tendência na maior parte das estações de rádio e televisão no Brasil, atualmente: dar o nome do apresentador ao programa. Foi assim no passado e continua hoje. Em 13 de maio de 1942, 8

9 Auricélio Penteado fundou o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística IBOPE, primeiro instituto de pesquisa da América Latina. A criatividade sempre foi uma característica da propaganda, como nas frases de humor que já eram consideradas bons anúncios, no passado: Sente-se mal? Compre uma cadeira de balanço na Casa Bela Aurora e sente-se bem. Pilogênio [produto para os cabelos] é tão bom que faz crescer cabelos até em uma bola de bilhar. (Baldo, ) Nascido em 1911 e falecido em 1999, em seu pequeno castelo na França, David Ogilvy, conhecido como o pai da propaganda moderna, fundou a agência de propaganda Ogilvy & Mather em 1948, hoje conhecida só como Ogilvy, uma das maiores do Brasil. Ele dizia: Quando fundei a Ogilvy& Mather, nas quintas e sextas-feiras eu era o diretor de pesquisas. Nas segundas, terças e quartas-feiras, eu era o diretor de criação. Sempre enxerguei a função criativa com olhos de pesquisador. A primeira agência de propaganda de Natal foi a Vésper Propaganda inaugurada em 1962 por Fernando Luís da Câmara Cascudo, filho de Luís da Câmara Cascudo. Nos primórdios da propaganda na capital potiguar, os anúncios eram feitos por corretores, sendo o rádio o veículo mais utilizado, seguido pelo jornal. Os próprios comerciantes às vezes redigiam seus próprios textos publicitários. Havia uma tabela de preços, cabendo ao corretor 20% do valor pago ao veículo, de acordo com Maranhão Filho ( ): A redação ficava a cargo do radialista, a locução com [...], a cobrança voltava para [a estação de rádio] e a comissão... ah, esta demorava um pouquinho, mas vinha no final do mês, para reforço da feira. Com o desenvolvimento da propaganda nos veículos de comunicação, surgiram outras agências em Natal, destacando-se a J.Propaganda, cujo dono era o radialista Jota Oliveira. Entre os anunciantes, destacaram-se a Casa Régio ( uma como nenhuma ), Girafa Tecidos, Lojas Utilar, A Formosa Syria, Casas Duas Américas, J.Resende e A Sertaneja (esta, com o nome do proprietário Radir Pereira sempre em destaque nos anúncios). A Casa Vesúvio, localizada na Rua João Pessoa (Grande Ponto), patrocinava na Rádio Poti Alma Itálica, um programa diário de 10 minutos, que ia ao ar antes da Voz do Brasil. 9

10 Na capital do estado existem cursos de Publicidade e Propaganda funcionando na Universidade Potiguar UNP, na FATERN/Gama Filho, na Fanec e na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, sendo que as três primeiras são particulares. Com relação ao mercado de trabalho, as agências de propaganda natalenses empregam 300 pessoas, possibilitando cerca de 5000 outros empregos indiretos em serviços prestados pelas gráficas, produtoras de vídeo, serigrafias, confecção e venda de brindes etc. O mercado movimenta anualmente 100 milhões de reais, sendo que 40 por cento das cifras têm origem em anúncios do poder público, como o estado e prefeituras (Natal e Mossoró) e Assembléia Legislativa com a divulgação de editais e publicidades oficiais. 10

11 3. JUSTIFICATIVA A publicidade brasileira, em virtude do Milagre Econômico dos anos 70 consolidou-se no país tornando-se um negócio rendoso e reconhecido. Criou-se então uma estrutura industrial composta por anunciantes, veículos de comunicação e agências de propaganda. Como resultado, houve uma expansão natural de cursos de publicidade impulsionada pelas reformas de ensino que se sucederam. Com o seu poder de utilizar o belo dentro de uma estética cuidadosamente planejada, a propaganda brasileira aos poucos tomou seu lugar ao sol no panorama mundial. A propaganda atualmente no país acompanha os a- vanços tecnológicos como a internet. A General Motors, por exemplo, grande anunciante na web, foi a primeira em todo o mundo a lançar um novo modelo de automóvel pela rede mundial de computadores. O Astra teve um site próprio No campo do ensino, as universidades brasileiras iniciaram o século XXI despertando para a urgência de preparar os alunos para enfrentar o desafio que se refere à dicotomia mercado de trabalho, demandas sociais e academia. Não basta adaptar e maquiar antigos cursos, introduzindo três ou quatro novas disciplinas e com isso supor que já estão sendo atendidas todas as exigências do mercado. É preciso reconstruir a formação acadêmica em sua totalidade. Conceitos como reflexão crítica, interdisciplinaridade e fluência discursiva são pontos essenciais na formação do estudante. Faz-se imperativo dar ferramentas ao aluno para que a- prenda a raciocinar, levando em conta todas as variáveis que o mundo moderno lhe impõe para tomar decisões. O importante não é a informação em si, mas como se processam e se gerenciam as significações que essas informações comportam. O conjunto de conhecimentos do campo da Comunicação pode ser agrupado nas seguintes áreas: 1) área das Ciências Sociais, englobando conteúdos que permitam ao estudante o conhecimento da realidade social em que vai operar e, ao mesmo tempo, lhe forneçam modelos teóricos e metodológicos para analisar o sistema de produção e os processos de mudança social; 2) áreas de Ciências da Comunicação e da Linguagem, permitindo o conhecimento dos sistemas de comunicação existentes ou necessários à sociedade; 3) áreas de Filosofia e Arte, 11

12 enfatizando os aspectos estéticos dos fenômenos; 4) as áreas de administração e informática, considerando o avanço tecnológico e suas demandas para a Comunicação Social. Desde o seu surgimento, o curso está alicerçado nas leis que regem o ensino superior brasileiro. A base de sustentação é a Lei de Diretrizes e Bases n 9.394/96, os atos legais dela derivados, as novas Diretrizes Curriculares para o Curso de Comunicação Social e suas habilitações, bem como a legislação específica de cada campo de atuação profissional. Ao aluno formado será conferido o título de Bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Publicidade e Propaganda. Para a Comunicação, o mercado comporta os seguintes setores: agências de publicidade e propaganda, emissoras de rádio e TV, empresas jornalísticas, empresas ou assessorias especializadas em marketing; composição gráfica de revistas, jornais, livros e outras publicações; produtoras de jingles, filmes e spots. A profissão é regulamentada pela Lei 4.680, de 18/06/65. Diante do exposto, a UFRN, como instituição pública, oferece à comunidade um curso de Publicidade e Propaganda, cujo mercado tem amplas possibilidades de absorver egressos dos mais diferentes ramos da publicidade, tais como: planejamento, atendimento, criação, mídia, pesquisa de mercado e elaboração de planos de marketing. A fundamentação pedagógica do curso que se pretende criar está focada em quatro parâmetros: articulação entre a teoria e a prática; a instrumentalização do ingressante; prática da extensão como formação da cidadania, articulada à pesquisa e ao ensino; e, desafios que o futuro profissional irá enfrentar. Na sua formação, o aluno, a partir do quarto período desenvolve projetos específicos a- través dos quais ele irá construindo o próprio conhecimento, auxiliado pelos professores do curso, que atuarão de maneira interdisciplinar, de acordo com o andamento do projeto. Dessa forma, sob a orientação do professor, o perfil profissional do aluno vai se formando na medida em que as fases são ultrapassadas, chegando à fase final, no oitavo e nono períodos. O mercado de trabalho hoje espera um profissional preparado e não admite um recémformado sem experiência. Por isso, o trabalho prático específico da carreira publicitária ocorrerá através do desenvolvimento de experiências de estágios em entidades do terceiro setor e em agências e veículos prestadores de serviços, com apoio e orientação dos professores. No campo profissional, a função de diretor de criação é o mais valorizado na carreira, mas, apenas um 12

13 grupo reduzido de publicitários das agências trabalha nessa área, incluindo, ainda, pesquisa de mercado, arte e redação. Trabalhar em propaganda não significa apenas entender de anúncios, mas ainda de administração e de custos. Há poucos especialistas em planejamento e promoção de vendas e cresce a necessidade das empresas nessa área. 13

14 4. OBJETIVOS DO CURSO C onforme o Plano de Desenvolvimento Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a missão da instituição é educar, produzir e disseminar o saber universal, contribuir para o desenvolvimento humano, comprometendo-se com a justiça social, a democracia e a cidadania. Dentro deste princípio, o curso objetiva: Formar profissionais de comunicação críticos, reflexivos e criativos, habilitados ao planejamento, execução e supervisão de estratégias de comunicação, no exercício da publicidade e propaganda. Proporcionar uma sólida formação técnica e metodológica para que os estudantes possam, frente às aceleradas conquistas científicas do início do século XXI, atuar de forma dinâmica e inovadora. Deter o conhecimento e o domínio de técnicas e instrumentos necessários para atender às demandas sociais, de mercado e institucionais; 14

15 5. PERFIL DO FORMANDO D e acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Comunicação Social, aprovadas pelo Parecer 492/2001, de 3 de abril de 2001, o perfil comum do egresso corresponde a um objetivo de formação geral que deve ser atendido por todos os cursos da área e em todas as habilitações de Comunicação, qualquer que seja sua ênfase ou especificidade. Trata-se de base que garante a identidade do curso como de Comunicação Social. O egresso do Curso de Graduação em Comunicação, em qualquer de suas habilitações, caracteriza-se por: a. sua capacidade de criação, produção, distribuição, recepção, e análise crítica referentes às mídias, às práticas profissionais e sociais relacionadas com estas, e a suas inserções culturais, políticas e econômicas; b. sua habilidade em refletir a variedade e mutabilidade de demandas sociais e profissionais na área, adequando-se à complexidade e velocidade do mundo contemporâneo; c. sua visão integradora e horizontalizada - genérica e ao mesmo tempo especializada de seu campo de trabalho possibilitando o entendimento da dinâmica das diversas modalidades comunicacionais e das suas relações com os processos sociais que as originam e que destas decorrem; d. utilizar criticamente o instrumental teórico-prático oferecido em seu curso, sendo portanto competente para posicionar-se de um ponto de vista ético-político sobre o exercício do poder na comunicação, sobre os constrangimentos a que a comunicação pode ser submetida, sobre as repercussões sociais que enseja e ainda sobre as necessidades da sociedade contemporânea em relação à comunicação social. O perfil do egresso na habilitação Publicidade e Propaganda se caracteriza: a. pelo conhecimento e domínio de técnicas e instrumentos necessários para a proposição e execução de soluções de comunicação eficazes para os objetivos de mercado, de negócios de anunciantes e institucionais; 15

16 b. pela tradução em objetivos e procedimentos de comunicação apropriados os objetivos institucionais, empresariais e mercadológicos; c. pelo planejamento, criação, produção, difusão e gestão de comunicação publicitária, de a- ções promocionais e de incentivo, eventos e patrocínio, atividades de marketing, venda pessoal, design de embalagens e de identidade corporativa, e de assessoria publicitária de informação. 16

17 6. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES 6.1. As competências gerais do campo da Comunicação Social são as seguintes: a. discutir informações atualizadas, de acordo com a diversidade teórico-prática; b. fomentar a pesquisa em comunicação a partir do desenvolvimento do pensamento crítico e da competência metodológica; c. desenvolver uma formação profissional, voltada ao compromisso com a realidade social e qualidade de vida; d. desenvolver e consolidar uma prática profissional baseada em princípios éticos; e. capacidade de assimilar criticamente conceitos que permitam a apreensão de teorias; f. capacidade de usar tais conceitos e teorias em análises críticas da realidade; g. capacidade de dominar as linguagens habitualmente usadas nos processos de comunicação, nas dimensões de criação, de produção, de interpretação e de técnica; h. experimentar e inovar no uso destas linguagens; i. refletir criticamente sobre as práticas profissionais no campo da Comunicação; j. ter competência no uso da língua nacional para escrita e interpretação de textos gerais e especializados na área As habilidades específicas para a Publicidade e Propaganda são: a. ordenar as informações conhecidas e fazer diagnóstico da situação de clientes; b. realizar pesquisas de consumo, de motivação, de concorrência, de argumentos etc. c. definir objetivos e estratégias de comunicação como soluções para problemas de mercado e institucionais dos anunciantes; d. conceber meios de avaliar e corrigir resultados de programas estabelecidos; e. executar e orientar o trabalho de criação e produção de campanhas de propaganda em veículos impressos, eletrônicos e digitais; f. realizar e interpretar pesquisas de criação como subsídio para a preparação de campanhas publicitárias; 17

18 g. dominar linguagens e competências estéticas e técnicas para criar, orientar e julgar materiais de comunicação pertinentes a suas atividades; h. planejar, executar e administrar campanhas de comunicação com o mercado, envolvendo o uso da propaganda e de outras formas de comunicação, como a promoção de vendas, o merchandising e o marketing direto; i. identificar e analisar as rápidas mudanças econômicas e sociais em escala global e nacional que influem no ambiente empresarial; j. identificar a responsabilidade social da profissão, mantendo os compromissos éticos estabelecidos; k. assimilar criticamente conceitos que permitam a compreensão das práticas e teorias referentes à publicidade e à propaganda. 18

19 7. SITUAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - DECOM C onforme o Plano Trienal do Decom para , o quadro de docentes atual do departamento é formado por 32 professores, sendo 25 efetivos e sete substitutos. Entre os primeiros, 10 têm o título de doutor, 11 de mestre, 3 de especialista e apenas 1 graduado. O quadro de apoio técnico é composto por 5 funcionários com funções administrativas e 8 com funções técnicas (áudio e vídeo) Bases de Pesquisa No Decom existem 2 bases de pesquisa. Elas contribuem para despertar no estudante o gosto pela pesquisa através do programa de iniciação científica, articulando-se, assim, com o ensino de graduação. São as seguintes: a. Comídia Estudos da Comunicação, Cultura e Mídia, com a participação de 7 professores, conforme quadro a seguir: Professor Pesquisador Adriano Lopes Gomes Gerson Luiz Martins Moacir Barbosa de Sousa Itamar Moraes Nobre Miriam Moema F.Pinheiro Área de pesquisa História da mídia Estudos de Jornalismo História da Mídia Imagem, comunicação, cultura e sociedade Estudos da televisão José Carlos Aronchi Mídia e Globalização Gêneros na Comunicação Eletrônica Maria Érica da Silva Pensamento Comunicacional no RN: Mídia e Memória Fonte: Plano Trienal Departamento de Comunicação Endereço eletrônico: Diretório de grupos de pesquisa do CNPq: 19

20 b. Gemini Estudos de Mídia: análises e pesquisas em cultura, processos e produtos midiáticos, com a participação de 4 professores, de acordo com o quadro abaixo: Professor Pesquisador Josimey da Costa Silva Kênia Beatriz Maia Marcelo Bolshaw Gomes Área de pesquisa Corporeidade, Artifícios e Fluxos A Informação Científica nos Meios de Comunicação Comunicação e Política Maria das Graças Pinto Coelho Fonte: Plano Trienal Departamento de Comunicação Endereço eletrônico: Diretório de grupos de pesquisa do CNPq: Processos Socioculturais e de Significação Setores de apoio didático Hemeroteca A Hemeroteca foi implantada no curso de Comunicação Social em 1990, com o objetivo de oferecer aos estudantes de Comunicação, um espaço para leitura e pesquisa dentro do curso. Para facilitar o trabalho de pesquisa de estudantes e professores, os técnicos trabalham em sistema de escala com tarefas definidas. O acervo da Hemeroteca, fruto de doações efetuadas pelos seus usuários ou por instituições de caráter educativo e cultural e empresas, é composto por: jornais; revistas; boletins; Projetos Experimentais monográficos catalogados por áreas da Comunicação Social; um pequeno acervo de livros de comunicação doados por estudantes e professores; recortes de jornais, com temas classificados em ordem cronológica; arquivo de matérias publicadas em peri- 20

21 ódicos; arquivo de textos acadêmicos de autoria de professores e outros textos classificados por área de conhecimento Biblioteca O Campus Universitário da UFRN dispõe da Biblioteca Central Zila Mamede - BCZM - uma unidade suplementar vinculada à Reitoria, dentro de uma área física de 4.937,32 m2, diretamente subordinada ao Gabinete do Reitor. É órgão central executivo, responsável pela administração, planejamento, coordenação e supervisão das atividades do Sistema de Bibliotecas - SISBI - da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O Sistema de Bibliotecas - SISBI - compreende, além da Biblioteca Central, as bibliotecas setoriais, que funcionam em unidades acadêmicas e as bibliotecas setoriais especializadas, depositárias de acervos específicos dos cursos de Pós-graduação. O serviço ofertado pelo Sistema de Bibliotecas da UFRN tem como objetivo fornecer suporte informacional ao ensino, à pesquisa e à extensão universitária. As coleções didáticas básicas e literárias são circulantes, exceto as coleções de periódicos de referência e de obras raras. A consulta ao acervo é de livre acesso para a comunidade em geral. O empréstimo é oferecido apenas à comunidade universitária: alunos de graduação (3 livros por 15 dias), professores (5 livros por 30 dias) funcionários (3 livros por 15 dias) e alunos de pós-graduação (5 livros 30 dias). As Bibliotecas têm funcionamento de segunda a sexta-feira, das 07h 30m às 22h. A Biblioteca põe em prática os seguintes serviços especiais: 1) Garantia de um exemplar da coleção circulante, na coleção reserva, para possibilitar a consulta local; 2) Rastreamento das publicações não localizadas nos acervos do SISBI e fornecimento de cópias dos artigos de periódicos, de teses, de capítulos de livros, através do COMUT/IBICT; 3) Participação em sistemas on-line de pesquisa e comutação - LILACS e MEDILINE (Biblioteca Setorial do Centro de Ciências da Saúde e Biblioteca Setorial do Departamento de O- dontologia, ambos da UFRN), Rede Antares e CCN (Catálogo Coletivo Nacional de Periódicos/ IBICT/ Biblioteca Zila Mamede ). 21

22 Dentre as várias ofertas de Serviços, a BCZM instrui os usuários sobre o uso dos serviços oferecidos pelas Bibliotecas. Através de visitas programadas, orienta e atende aos pedidos de busca bibliográfica em base de dados através de CD-Rom e internet. A BCZM dispõe de salas para estudo em grupo e individual, com ar condicionado, sala para projeção de fitas de vídeo com 20 lugares, auditório com capacidade para 140 pessoas, hall para exposições, lançamento de livros e outros eventos culturais Laboratório de Comunicação Labcom O Labcom é um complexo de salas de aula, estúdios de rádio e televisão, auditório, salas de bases de pesquisa, salas para laboratórios de computadores e fotografia, e pequenas salas com destinos diversos. Foi construído em 2004 e sua estrutura garante uma ampliação com mais salas de aula, salas para coordenação do curso, chefia de departamento e ambientes para os professores (projeto que se encontra em estudos). Quando concluído, o projeto permitirá o funcionamento de uma Escola de Comunicação. 22

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 90/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Relações Públicas, Bacharelado,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do Curso: Prof. Dirceu Tavares de Carvalho Lima Filho IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 06/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUINTES EM 2015/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE: RESOLUÇÃO Nº /00-CEPE 1 Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. O,

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITORIAL Profª. Dra. Lúcia Helena Vasques Diretora Acadêmica Prof. Me. Domingos Sávio

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Publicidade e Propaganda Rádio e Televisão Relações Públicas ATIVIDADES COMPLEMENTARES: REGULAMENTO CONCLUÍNTES EM 2014/1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Publicidade e Propaganda NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2015 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual, de oferta especial, na modalidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução: Resolução CONSUN n o 046/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento Geral da Agência de Comunicação Integrada, do Curso de Comunicação Social

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Agencia Experimental Unideias 1. Guilherme Pereira da ROSA 2 Andreia Chiara PRIETO 3 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP, MS

Agencia Experimental Unideias 1. Guilherme Pereira da ROSA 2 Andreia Chiara PRIETO 3 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP, MS Agencia Experimental Unideias 1 Guilherme Pereira da ROSA 2 Andreia Chiara PRIETO 3 UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP, MS RESUMO Agências experimentais ou pedagógicas dos cursos de Publicidade e Propaganda

Leia mais

Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro

Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE CINEMA E AUDIOVISUAL Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS 1 PERFIL DO CURSO A comunicação integrada é, cada vez mais, um instrumento necessário para a sobrevivência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos ANEXO 1 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO FATOR IV PRODUTIVIDADE 1 A avaliação do Fator Produtividade será realizada de acordo com as atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Produção Intelectual, e Gestão,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Publicidade e Propaganda

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Publicidade e Propaganda REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Publicidade e Propaganda do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: Comunicação Social 2.

Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: Comunicação Social 2. Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: Comunicação Social 2. Código: 12 3.Modalidade(s): Bacharelado X Licenciatura Profissional

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 2013 1.1.1 Estágio Curricular Supervisionado As novas diretrizes curriculares (2013) estabeleceram

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

PRIMEIRO SEMESTRE. Fundamentos Teóricometodológicos SUB-TOTAL 360 TOTAL 360

PRIMEIRO SEMESTRE. Fundamentos Teóricometodológicos SUB-TOTAL 360 TOTAL 360 PRIMEIRO SEMESTRE Teórica Fundamentos da Comunicação e do Jornalismo Comunicação em Língua Portuguesa I Teoria da Comunicação Sociologia da Comunicação Introdução à Economia Fundamentos Epistemológicos

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM Laboratório de Comunicação Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação 2005 2 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 03 II. OBJETIVOS... 03 III. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS...

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO)

CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO (BACHARELADO) O Curso de Graduação em Turismo da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga foi reformulado no ano de 2008, tendo a proposta de adaptação do seu

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES]

Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES] 2012 Faculdades Futurão [REGULAMENTO SOBRE AS ] REGULAMENTO SOBRE AS 1 Tendo em vista a necessidade de formar profissionais generalistas e compreendendo que a trajetória das Atividades Complementares deve

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Cinema

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CRISTO REI 1 APRESENTAÇÃO O Presente Regulamento visa esclarecer ao acadêmico, a estrutura e o funcionamento das Atividades

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO Atividades Complementares são atividades desenvolvidas pelos alunos, ao longo da vida acadêmica,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 15/2015 - PPG/UEMA

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 15/2015 - PPG/UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL N 15/2015 - PPG/UEMA A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Maranhão (PPG/UEMA) torna

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

COORDENAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Disciplina: CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA I Código: HT/OC 261 Curso: Comunicação Social Publicidade e Propaganda Pré-requisito: não tem Natureza: Semestral Carga horária: Aulas teóricas: 30 horas-aula Aulas práticas:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 20/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 20/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 20/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual, de oferta especial, na modalidade

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Curso de Jornalismo CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Área 1 Jornalismo Especializado (1 vaga) Graduação Exigida: Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo Titulação mínima exigida:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

25º SET Universitário

25º SET Universitário 25º SET Universitário O SET Universitário é um evento que estimula a troca de experiências entre alunos, professores e profissionais das áreas de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas,

Leia mais