CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA"

Transcrição

1 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA 3º Ciclo 7º, 8º e 9º Anos ANO LETIVO 2014/15 1- Domínios Domínios Saber e Saber Fazer Saber ser/ estar Parâmetros a avaliar - Revelar conhecimentos. - Compreensão/interpretação e expressão escrita - Aplicação de conhecimentos a novas situações. - Utilização da linguagem científica adequada. -Seguimento de um protocolo (executar experiências) - Organização e método de trabalho - Manipulação do material - Análise e discussão de dados/ideias - Aplicação de conhecimentos a novas situações - Aquisição de novos conhecimentos - Compreensão de ideias, termos e conceitos - Relacionar ideias e conceitos. - Seleção de informação - Apresentação - Utilização das novas tecnologias na pesquisa, seleção e apresentação da informação Empenho Cumprimento de regras - Curiosidade; - Participação coerente/ordenada; - Perseverança na realização do trabalho e do estudo; - Realização dos trabalhos propostos; - Trazer o material essencial. - Respeito pelas regras em vigor na escola. Instrumentos de avaliação e peso (%) Testes Trabalho Prático/ laboratorial Relatórios Registos de observação Atividades práticas não laboratoriais (ex: fichas de trabalho, mapas de conceitos, mini-testes, questões de aula) Trabalhos individuais/ grupo Registos de observação 7º 8º 9º % Relacionamento e cooperação - Voluntariedade - Disponibilidade - Cooperação * Será conveniente a consulta dos Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento de Escolas de Barcelos 2- TESTES 2.1- Duração dos Testes Os testes, geralmente, têm a duração de um segmento de 45 minutos Distribuição dos testes Durante o ano lectivo serão realizados cerca de cinco/seis testes escritos, dois no 1º e no 2º períodos e 1 ou 2 no 3º período. 1 Critérios Específicos de Físico-Química 3º Ciclo Grupo disciplinar de Física e Química

2 2.3- Tipologia dos testes Nos testes incluem-se itens de seleção (predominantemente, de escolha múltipla) e itens de construção, de acordo com o quadro seguinte. QUADRO 1 Tipologia, número de itens e cotação Tipologia de itens ITENS DE SELEÇÃO Escolha múltipla Associação/correspondência Ordenação ITENS DE CONSTRUÇÃO Número de itens 5 a 10 Cotação por item (em pontos) 1 a 5 Resposta curta Resposta restrita Cálculo Resolução de problemas 10 a 15 1 a Critérios de correcção de acordo com a tipologia das questões. Serão anuladas as respostas que contêm letras ou números não perfeitamente legíveis. Nas questões de escolha múltipla serão anuladas as respostas que excedem o número de opções pedidas. Nas questões de associação/correspondência, considera-se incorreta qualquer associação/correspondência que relacione um elemento de um dado conjunto com mais do que um elemento do outro conjunto. Nas questões de ordenação a cotação total do item só é atribuída às respostas em que a sequência esteja integralmente correta e completa. São classificadas com zero pontos as respostas em que seja apresentada uma sequência incorreta, seja omitido qualquer um dos elementos da sequência solicitada. Não há lugar a classificações intermédias. Nas questões de verdadeiro/falso, são classificadas com zero pontos as respostas em que todas as afirmações sejam identificadas como verdadeiras ou como falsas. Nas questões de resposta curta, as respostas corretas são classificadas com a cotação total do item, exceto no caso de legendas. Nas questões de resposta orientada, os critérios de classificação dos itens apresentam-se organizados por níveis de desempenho. A cada nível de desempenho corresponde uma dada pontuação. 3- Classificações dos testes As classificações dos testes obedecerão à seguinte terminologia: 0 a 19%- Não Satisfaz Nível 1 20 a 49% - Não Satisfaz Nível 2 50 a 69%- Satisfaz Nível 3 70 a 89%- Satisfaz Bastante Nível 4 90 a 100%- Excelente Nível 5 APROVADOS EM REUNIÃO DE GRUPO DISCIPLINAR EM 1 DE OUTUBRO DE Critérios Específicos de Físico-Química 3º Ciclo Grupo disciplinar de Física e Química

3 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA 3º Ciclo Vocacional: HDAS e PAL ANO LETIVO 2014/15 1- Domínios Domínios Saber e Saber Fazer Saber ser/ estar Parâmetros a avaliar - Revelar conhecimentos. - Compreensão/interpretação e expressão escrita - Aplicação de conhecimentos a novas situações. - Utilização da linguagem científica adequada. -Seguimento de um protocolo (executar experiências) - Organização e método de trabalho - Manipulação do material - Análise e discussão de dados/ideias - Aplicação de conhecimentos a novas situações - Aquisição de novos conhecimentos - Compreensão de ideias, termos e conceitos - Relacionar ideias e conceitos. - Seleção de informação - Apresentação - Utilização das novas tecnologias na pesquisa, seleção e apresentação da informação Empenho Cumprimento de regras - Curiosidade; - Participação coerente/ordenada; - Perseverança na realização do trabalho e do estudo; - Realização dos trabalhos propostos; - Trazer o material essencial. - Respeito pelas regras em vigor na escola. Instrumentos de avaliação e peso (%) 8º 9º Testes 50 Trabalho Prático/ laboratorial Relatórios Registos de observação Atividades práticas não laboratoriais (ex: fichas de trabalho, mapas de conceitos, mini-testes, questões de aula) Trabalhos individuais/ grupo Registos de observação Relacionamento e cooperação - Voluntariedade - Disponibilidade - Cooperação * Será conveniente a consulta dos Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento de Escolas de Barcelos 2- TESTES 2.1- Duração dos Testes Os testes, geralmente, têm a duração de um segmento de 45 minutos Distribuição dos testes Durante o ano lectivo serão realizados cerca de três testes escritos, um por cada módulo. 1 Critérios Específicos de Físico-Química 3º Ciclo Grupo disciplinar de Física e Química

4 2.3- Tipologia dos testes Nos testes incluem-se itens de seleção (predominantemente, de escolha múltipla) e itens de construção, de acordo com o quadro seguinte. QUADRO 1 Tipologia, número de itens e cotação Tipologia de itens ITENS DE SELEÇÃO Escolha múltipla Associação/correspondência Ordenação ITENS DE CONSTRUÇÃO Número de itens 5 a 10 Cotação por item (em pontos) 1 a 5 Resposta curta Resposta restrita Cálculo Resolução de problemas 10 a 15 1 a Critérios de correcção de acordo com a tipologia das questões. Serão anuladas as respostas que contêm letras ou números não perfeitamente legíveis. Nas questões de escolha múltipla serão anuladas as respostas que excedem o número de opções pedidas. Nas questões de associação/correspondência, considera-se incorreta qualquer associação/correspondência que relacione um elemento de um dado conjunto com mais do que um elemento do outro conjunto. Nas questões de ordenação a cotação total do item só é atribuída às respostas em que a sequência esteja integralmente correta e completa. São classificadas com zero pontos as respostas em que seja apresentada uma sequência incorreta, seja omitido qualquer um dos elementos da sequência solicitada. Não há lugar a classificações intermédias. Nas questões de verdadeiro/falso, são classificadas com zero pontos as respostas em que todas as afirmações sejam identificadas como verdadeiras ou como falsas. Nas questões de resposta curta, as respostas corretas são classificadas com a cotação total do item, exceto no caso de legendas. Nas questões de resposta orientada, os critérios de classificação dos itens apresentam-se organizados por níveis de desempenho. A cada nível de desempenho corresponde uma dada pontuação. 3- Classificação dos testes A nota de classificação dos testes é de 0 a 20. APROVADOS EM REUNIÃO DE GRUPO DISCIPLINAR EM 1 DE OUTUBRO DE Critérios Específicos de Físico-Química 3º Ciclo Grupo disciplinar de Física e Química

5 CURSO CIENTÍFICO-HUMANISTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Física e Química (10º e 11º anos) Critérios Específicos de Avaliação 1- AVALIAÇÃO A NÍVEL do saber e saber fazer - percentagem atribuída: 90% 1.1. TESTES-TEÓRICOS PRÁTICOS 90% Distribuição dos testes Durante o ano lectivo serão realizados cerca de cinco/seis testes escritos, dois no 1º e no 2º períodos e 1 ou 2 no 3º período, Elaboração dos testes Cada teste permite avaliar a aprendizagem passível de avaliação numa prova escrita de duração limitada. Conhecimentos e Capacidades a avaliar: - Conhecimento e compreensão de dados, de conceitos, de modelos e de teorias; - Interpretação de dados fornecidos em diversos suportes; - Mobilização e utilização de dados, de conceitos, de modelos e de teorias; - Explicação de contextos em análise, com base em critérios fornecidos; - Estabelecimento de relações entre conceitos; - Reconhecimento da função da observação na investigação científica; - Identificação/formulação de problemas/hipóteses explicativas de processos naturais; - Identificação de argumentos a favor ou contra determinadas hipóteses/conclusões; - Interpretação/alteração de procedimentos experimentais fornecidos Tipologia dos itens: - Itens de seleção: escolha múltipla. - Itens de construção: resposta curta, resposta restrita e cálculo Estrutura do teste (24 a 28 questões) Tipologia de itens Número de itens Cotação por item (em pontos) ITENS DE SELEÇÃO Escolha múltipla 8 a 12 5 a 8 ITENS DE CONSTRUÇÃO Resposta curta Resposta restrita Cálculo 1 a 4 2 a 4 4 a Critérios de correção A- Fatores de desvalorização/penalização: - expressão escrita; - erros de linguagem ou linguagem confusa; - os elementos que se contradigam entre si; - erros científicos. B- Todas as respostas deverão estar perfeitamente legíveis e corretamente identificadas, caso contrário, é atribuída a cotação de zero pontos à(s) resposta(s) em causa. 1 Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo disciplinar de Física e Química 2014/15

6 CURSO CIENTÍFICO-HUMANISTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Física e Química (10º e 11º anos) Critérios Específicos de Avaliação C- Não é permitido o uso de verniz corretor; quando se verificar um engano, deve ser riscado e corrigido à frente. D- Correção de acordo com a tipologia das questões: 1- Nos itens de escolha múltipla, a cotação total do item é atribuída às respostas que apresentam de forma inequívoca a única alternativa correta; São classificados com zero pontos as respostas em que é assinalada uma alternativa incorreta ou mais do que uma alternativa; Não há lugar a classificações intermédias. 2 Os critérios de classificação das respostas aos itens de resposta restrita apresentam-se organizados por níveis de desempenho. A cada nível de desempenho corresponde uma dada pontuação. É classificada com zero pontos qualquer resposta que não atinja o nível 1 de desempenho. A classificação das respostas aos itens de resposta restrita centra-se nos tópicos de referência, tendo em conta a organização dos conteúdos e a utilização de linguagem científica adequada. Caso as respostas contenham elementos contraditórios, são considerados para efeito de classificação apenas os tópicos que não apresentem esses elementos. 3 Nos itens de resposta curta as respostas corretas são classificadas com a cotação total do item. As respostas incorretas são classificadas com zero pontos. Não há lugar a classificações intermédias. 4 - Nos itens de cálculo, a classificação a atribuir decorre do enquadramento da resposta em níveis de desempenho relacionados com a consecução das etapas necessárias à resolução do item, de acordo com os critérios específicos de classificação, e em níveis de desempenho relacionados com o tipo de erros cometidos. Erros de tipo 1 erros de cálculo numérico, transcrição incorreta de dados, conversão incorreta de unidades ou apresentação de unidades incorretas no resultado final, desde que coerentes com a grandeza calculada. Erros de tipo 2 erros de cálculo analítico, ausência de conversão de unidades, ausência de unidades no resultado final, apresentação de unidades incorretas no resultado final não coerentes com a grandeza calculada e outros erros que não possam ser considerados de tipo 1. - A componente prática terá de ser avaliada num dos testes sumativos realizados em cada período e terá a cotação de 60 pontos. Assim, este teste terá de ter a classificação de 200 pontos divididos da seguinte maneira: - A componente teórica tem um peso de 70% (140 pontos num total de 200 pontos); - A componente prática tem o peso de 30% (60 pontos num total de 200 pontos). 2- AVALIAÇÃO A NÍVEL do saber ser - percentagem atribuída: 10%, reflete os resultados obtidos pelo aluno a partir da observação de comportamentos e atitudes, tais como: Empenho: Curiosidade; Perseverança na realização do trabalho e do estudo; Realização dos trabalhos propostos; Trazer o material essencial. Cumprimento das regras (deveres/ regras dos alunos). Relacionamento e cooperação: Voluntariedade; Disponibilidade; Cooperação com os colegas e professores na realização das atividades. Envolvimento dos alunos nas atividades desenvolvidas no projeto de apoio por nível de desempenho: ph exames* *Nota: Para os alunos do 11º ano inscritos no projeto. APROVADOS EM REUNIÃO DE GRUPO DISCIPLINAR EM 1 DE OUTUBRO DE Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo disciplinar de Física e Química 2014/15

7 CURSO CIENTÍFICO-HUMANISTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Química (12º ano) e Física (12º ano) Critérios de Específicos Avaliação A- AVALIAÇÃO A NÍVEL do saber e saber fazer - percentagem atribuída: 90% 1. TESTES TEÓRICOS E TRABALHOS DE PESQUISA (60%) 1.1. TESTES TEÓRICOS Distribuição dos testes Durante o ano letivo serão realizados dois testes no 1º período, um teste e um trabalho ou dois testes no 2º período e um trabalho no 3º período Elaboração dos testes Cada teste permite avaliar a aprendizagem passível de avaliação numa prova escrita de duração limitada. Conhecimentos e Capacidades a avaliar: - Conhecimento e compreensão de dados, de conceitos, de modelos e de teorias; - Interpretação de dados fornecidos em diversos suportes; - Mobilização e utilização de dados, de conceitos, de modelos e de teorias; - Explicação de contextos em análise, com base em critérios fornecidos; - Estabelecimento de relações entre conceitos; - Reconhecimento da função da observação na investigação científica; - Identificação/formulação de problemas/hipóteses explicativas de processos naturais; - Identificação de argumentos a favor ou contra determinadas hipóteses/conclusões; - Interpretação/alteração de procedimentos experimentais fornecidos; - Interpretação dos resultados de uma investigação científica Tipologia dos itens: escolha múltipla; associação/correspondência, ordenação, verdadeiro/falso, legendagem de figuras, resposta curta e resposta restrita /orientada/condicionada Número de questões do teste: entre 12 e 24 questões Critérios de correção A- Factores de desvalorização/penalização: - expressão escrita; - erros de linguagem ou linguagem confusa; - os elementos que se contradigam entre si; - erros científicos. B- Todas as respostas deverão estar perfeitamente legíveis e corretamente identificadas, caso contrário, é atribuída a cotação de zero pontos à(s) resposta(s) em causa. C- Não é permitido o uso de verniz corrector; quando se verificar um engano, deve ser riscado e corrigido à frente. D- Correção de acordo com a tipologia das questões: D1- Nos itens de escolha múltipla, a cotação total do item é atribuída às respostas que apresentam de forma inequívoca a única alternativa correcta; São classificados com zero pontos as respostas em que é assinalada uma alternativa incorrecta ou mais do que uma alternativa; Não há lugar a classificações intermédias. D2- Nos itens relativos a sequências, a cotação total do item só é atribuída às respostas em que a sequência está integralmente correcta e completa; São classificados com zero pontos as respostas em que é apresentada uma sequência incorreta ou é omitido pelo menos um dos elementos da sequência solicitada; não há lugar a classificações intermédias. 1 Critérios de avaliação específicos das disciplinas de Química e Física 12º ano 2014/15

8 CURSO CIENTÍFICO-HUMANISTICO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Química (12º ano) e Física (12º ano) Critérios de Específicos Avaliação D3 Nas questões de associação ou correspondência e verdadeiro/ falso a classificação é atribuída de acordo com o nível de desempenho. Considera-se incorreta qualquer associação ou correspondência que relacione um elemento de um dado conjunto com mais do que um elemento de outro conjunto ou considere todas as afirmações verdadeiras ou todas falsas. D4 Nos itens de resposta curta as respostas corretas são classificadas com a cotação total do item. As respostas incorretas são classificadas com zero pontos. Não há lugar a classificações intermédias TRABALHOS DE PESQUISA Distribuição dos trabalhos de pesquisa Durante o ano letivo serão realizados um ou dois trabalhos de pesquisa Elaboração dos trabalhos de pesquisas Nos trabalhos de pesquisa serão avaliadas diversas competências das quais se destacam: - Grau de conhecimento dos conteúdos abordados; - Organização dos conteúdos apresentados; - Rigor científico; - Linguagem científica; - Fontes bibliográficas utilizadas; - Facilidade na transmissão dos conhecimentos; - Originalidade do trabalho; - Interação com os colegas. 2. COMPONENTE PRÁTICA (30%) A componente prática será avaliada com recurso a diversos parâmetros/instrumentos de avaliação, tais como: grelhas de registo de desempenho no laboratório, fichas de trabalho, trabalhos realizados em grupo ou outros que se possam enquadrar neste parâmetro e que se revelem pertinentes para a aprendizagem do aluno. B- AVALIAÇÃO A NÍVEL do saber ser - percentagem atribuída: 10% Esta avaliação reflecte os resultados obtidos pelo aluno a partir da observação de comportamentos e atitudes, tais como: Empenho Cumprimento das regras (deveres/ regras dos alunos) Relacionamento e cooperação (participação nas atividades extracurriculares). APROVADOS EM REUNIÃO DE GRUPO DISCIPLINAR DE FÍSICA E QUÍMICA DE 1 DE OUTUBRO DE Critérios de avaliação específicos das disciplinas de Química e Física 12º ano 2014/15

9 Cursos Profissionais (HST, EAC, ER) Componente de Formação Técnica CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2014/2015 (Assentes numa Estrutura Modular dos conteúdos da formação) Competências Domínios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Ponderação - Conhecimento de regras - Testes sumativos. CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (Saber e Saber fazer) e conceitos dos módulos do programa. - Relação entre conceitos. - Aplicação dos conhecimentos na resolução de problemas - Trabalhos escritos individuais e/ou de grupo. - Trabalhos apresentados oralmente. - Relatórios. 80% /questões específicas da disciplina. -Grelhas de observação. ATITUDES E VALORES (Saber Ser) - Empenho. - Cumprimento das regras. - Relacionamento e cooperação. - Registos diários. - Grelhas de observação. -Listas de verificação da participação nos trabalhos. 20% Nota: A avaliação sumativa interna ocorre no final de cada módulo. APROVADOS EM REUNIÃO DE GRUPO DISCIPLINAR EM 1 DE OUTUBRO DE 2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado em Conselho

Leia mais

Informação/Exame de Equivalência à Frequência. Ano letivo de 2012/2013

Informação/Exame de Equivalência à Frequência. Ano letivo de 2012/2013 ESCOLA MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITA Informação/Exame de Equivalência à Frequência Ano letivo de 2012/2013 Disciplina: Ciências da Natureza 2º Ciclo do Ensino Básico 1.-

Leia mais

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 Os critérios específicos presentes neste documento constituem uma base

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro..

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro.. PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Físico-Química 9º Ano de Escolaridade Prova 11 / 1ª Fase Duração da Prova: 90 minutos. Informações da prova INTRODUÇÃO

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS - PROVA ESCRITA e ORAL 2016 Prova 16 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário INFORMAÇÃO EXAME DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 2016 12º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139/ 2012, DE 5 DE JULHO) Prova 163 Escrita e Prática

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS Abril de 2015 Agrupamento de Escolas da Gafanha da Encarnação INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS Abril de 2015 Prova 02 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento

Leia mais

COTAÇÕES. 2... 8 pontos. 1.3... 16 pontos. 52 pontos. 48 pontos. 16 pontos Subtotal... 84 pontos. TOTAL... 200 pontos

COTAÇÕES. 2... 8 pontos. 1.3... 16 pontos. 52 pontos. 48 pontos. 16 pontos Subtotal... 84 pontos. TOTAL... 200 pontos Teste Intermédio Física e Química A Critérios de Classificação 12.02.2014 11.º Ano de Escolaridade COTAÇÕES GRUPO I 1.... 8 pontos 2.... 16 pontos 3.... 12 pontos 4.... 8 pontos 5.... 8 pontos 52 pontos

Leia mais

Prova Escrita de Biologia e Geologia

Prova Escrita de Biologia e Geologia Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Biologia e Geologia 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 702/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE A PROVA ESCRITA

INFORMAÇÃO SOBRE A PROVA ESCRITA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês (Prova Escrita + Prova Oral) 2016 Prova 06 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência - História- 9º Ano Prova Código 19-2016 3º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS_9º ANO / 2015. 3. Ciclo do Ensino Básico

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS_9º ANO / 2015. 3. Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS_9º ANO / 2015 3. Ciclo do Ensino Básico [Despacho

Leia mais

Data: 2010.11.08. Para: Inspecção-Geral de Educação. Direcções Regionais de Educação. Escolas com Ensino Secundário CIREP FERLAP CONFAP

Data: 2010.11.08. Para: Inspecção-Geral de Educação. Direcções Regionais de Educação. Escolas com Ensino Secundário CIREP FERLAP CONFAP Prova de Exame Nacional de Biologia e Geologia Prova 702 2011 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Informação - Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 1ª Fase 2013 9º Ano

Leia mais

EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016

EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA INFORMAÇÃO-PROVA EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016 Prova 23 1.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (LE II) COMPONENTE ESCRITA

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (LE II) COMPONENTE ESCRITA INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS (LE II) COMPONENTE ESCRITA PROVA 16 2016 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de simulação de exame nacional do ensino secundário da disciplina de Matemática A, a realizar no 2º período. O presente documento

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Economia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Critérios de Classificação

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Escrita de Economia A. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Critérios de Classificação EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase Critérios de Classificação 11 Páginas 2016 Prova

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA GEOMETRIA DESCRITIVA A Novembro de 2016 Prova 708 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final

Leia mais

Prova Escrita de Biologia e Geologia

Prova Escrita de Biologia e Geologia EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Biologia e Geologia 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 702/Época Especial 10 Páginas Duração da Prova: 120

Leia mais

Versão 2 COTAÇÕES. 13... 5 pontos. 6... 4 pontos 7... 7 pontos. 5... 6 pontos. 8... 9 pontos. 9... 8 pontos

Versão 2 COTAÇÕES. 13... 5 pontos. 6... 4 pontos 7... 7 pontos. 5... 6 pontos. 8... 9 pontos. 9... 8 pontos Teste Intermédio de Matemática Versão 2 Teste Intermédio Matemática Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 07.02.2011 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro 1. 2. COTAÇÕES 1.1....

Leia mais

Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência

Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência Informação sobre a Prova de Exame de Equivalência à Frequência Prova de Francês LEII 3º Ciclo do Ensino Básico Duração da Prova: 90 minutos (escrita); 15 minutos (oral) 1.Objeto de avaliação A prova a

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 62/1.ª Fase Braille, Entrelinha 1,5, sem figuras Critérios de Classificação 9 Páginas 2015 Prova 62/1.ª

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOMÍNIOS CRITÉRIOS INDICADORES INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Eficácia na aquisição e aplicação

Leia mais

Informação n.º 24.13. Data: 2012.12.19. Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral da Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação

Informação n.º 24.13. Data: 2012.12.19. Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral da Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação Prova Final de Ciclo de Matemática Prova 92 2013 3.º Ciclo do Ensino Básico Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral da Educação e Ciência Direções Regionais de Educação Secretaria Regional da Educação

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência 2011/2012 Escola Secundária da Ramada

Exame de Equivalência à Frequência 2011/2012 Escola Secundária da Ramada Exame de Equivalência à Frequência 2011/2012 Escola Secundária da Ramada Ensino Básico INGLÊS INFORMAÇÃO-EXAME Ciclo 3º Ciclo do Ensino Básico Legislação Dec. Lei n.º6/2001, de 18 de janeiro Data 11 de

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução Matriz da Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 2016 9.º Ano de

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 62/1.ª Fase Critérios de Classificação 10 Páginas 2015 Prova 62/1.ª F. CC Página 1/ 10 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

Prova Escrita de Biologia e Geologia

Prova Escrita de Biologia e Geologia EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de Março Prova Escrita de Biologia e Geologia 11.º/1.º Anos de Escolaridade Prova 70/Época Especial 11 Páginas Duração da Prova: 10 minutos.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação (Matemática) 3º Ciclo - 8.º Ano de Escolaridade Despacho

Leia mais

Prova Escrita de Biologia e Geologia

Prova Escrita de Biologia e Geologia EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Biologia e Geologia 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 702/1.ª Fase 10 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARQUÊS DE MARIALVA CANTANHEDE INFORMAÇÃO-PROVA FRANCÊS 2016 Prova 16 3.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho Normativo n.º1-f/2016 de 5 de Abril e Despacho Normativo n.º1-g/2016 de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2.º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

Tipo de Prova: Escrita e Oral

Tipo de Prova: Escrita e Oral INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 2016 Prova 06 Tipo de Prova: Escrita e Oral 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) Introdução O presente documento visa

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos Disciplina: PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos - Responsabilidade: (6%) assiduidade/pontualidade (2%) material (2%) organização do caderno diário (2%) - Comportamento: (5%) cumpre as regras estabelecidas - Empenho/Participação:

Leia mais

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL Cont. 11º Ano de Escolaridade Prova 368 2016 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

ESPANHOL Abril de 2015. Prova 15 2015

ESPANHOL Abril de 2015. Prova 15 2015 INFORMAÇÃO PROVA FINAL DE CICLO ESPANHOL Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Curso Tecnológico de Administração/12.º Nº de anos: 1 Duração: 120 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho

Curso Tecnológico de Administração/12.º Nº de anos: 1 Duração: 120 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Curso Tecnológico de Administração/12.º Prova: Prática Nº de anos: 1 Duração: 120 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da

Leia mais

Matemática A COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II. Teste Intermédio. Versão 2. Duração do Teste: 90 minutos 29.11.2013. 12.º Ano de Escolaridade. 5...

Matemática A COTAÇÕES GRUPO I GRUPO II. Teste Intermédio. Versão 2. Duração do Teste: 90 minutos 29.11.2013. 12.º Ano de Escolaridade. 5... Teste Intermédio Matemática A Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 29..203 2.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março????????????? COTAÇÕES GRUPO I.... 0 pontos 2.... 0 pontos 3....

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mem Martins Informação n.º /2014

Agrupamento de Escolas de Mem Martins Informação n.º /2014 Agrupamento de Escolas de Mem Martins Informação n.º /2014 Prova 527/ 2014 INFORMAÇÃO EXAME FINAL DE ESCOLA: Português 12º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

Escola Básica 2,3 Pêro de Alenquer Ano letivo 2015/16 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade: 9º ano

Escola Básica 2,3 Pêro de Alenquer Ano letivo 2015/16 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade: 9º ano Informação DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica, Pêro de Alenquer Ano letivo 0/6 Código:6 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade:

Leia mais

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas.

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas. 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 9º ANO DURAÇÃO DA PROVA ESCRITA: 90 minutos TOLERÂNCIA: 00 minutos DURAÇÃO DA PROVA ORAL: ± 15 MINUTOS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º CICLO - 1.ª e 2.ª

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) 2011 9º Ano de Escolaridade 1. INTRODUÇÃO O exame desta disciplina

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2014/2015 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores METODOLOGIA CIENTÍFICA Redes de Computadores Metodologia e Introdução à Pesquisa AULA Inaugural AGENDA EMENTA OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA COMPETÊNCIAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

Leia mais

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática Reforço em Matemática Professora Daniela Eliza Freitas Disciplina: Matemática PROPOSTA PEDAGÓGICA Justificativa: Existe um grande número de alunos que chegam no ensino médio sem saberem a matemática básica

Leia mais

Inglês. COTAÇÕES (Parte II) Atividade A... 50 pontos. Atividade B... 50 pontos. Teste Intermédio de Inglês. Parte II Produção e interação escritas

Inglês. COTAÇÕES (Parte II) Atividade A... 50 pontos. Atividade B... 50 pontos. Teste Intermédio de Inglês. Parte II Produção e interação escritas Teste Intermédio de Inglês Parte II Produção e interação escritas Teste Intermédio Inglês Duração do Teste: 40 minutos (Parte II) 22.02.2013 9.º Ano de Escolaridade COTAÇÕES (Parte II) Atividade A... 50

Leia mais

Escrita (peso de 50%) + Oral (peso de 50%) Cada prova (escrita e oral) é cotada para 100 pontos. Escrita: 90 minutos Oral: até 15 minutos

Escrita (peso de 50%) + Oral (peso de 50%) Cada prova (escrita e oral) é cotada para 100 pontos. Escrita: 90 minutos Oral: até 15 minutos DECRETO-LEI Nº 139/2012, DE 5 DE JULHO, NA REDAÇÃO ATUAL Ano Letivo 2015 / 2016 Prova de Equivalência à Frequência de FRANCÊS Código 16 2016 INFORMAÇÃO-PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FRANCÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2016 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova 358 2014. Ensino Secundário 12º Ano

INGLÊS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova 358 2014. Ensino Secundário 12º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DE VERGÍLIO FERREIRA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova 358 2014 1ª e 2ª Fases Tipo de prova: Escrita e Oral Ensino Secundário

Leia mais

História da Cultura e das Artes

História da Cultura e das Artes Prova de Exame Nacional de História da Cultura e das Artes Prova 724 2013 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e Ciência Direções Regionais de Educação

Leia mais

Este documento deve ser dado a conhecer aos alunos para que fiquem devidamente informados sobre o exame que irão realizar.

Este documento deve ser dado a conhecer aos alunos para que fiquem devidamente informados sobre o exame que irão realizar. Exame de equivalência à frequência de Francês - 16 015 3.º Ciclo do Ensino Básico Informação Exame de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características do exame

Leia mais

Educação Física. Código: 28. Agrupamento de Escolas de Abação. Escola EB 2,3 Abação. Informação n.º 1. Data: 12/05/2014

Educação Física. Código: 28. Agrupamento de Escolas de Abação. Escola EB 2,3 Abação. Informação n.º 1. Data: 12/05/2014 Agrupamento de Escolas de Abação Escola EB 2,3 Abação Informação n.º 1 Data: 12/05/14 Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Código: 28 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/12,

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado em: Animação Artística Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em Artes 2007 / 2008 Carlos Morais Pré - requisitos Antes da

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes:

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes: CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1. Avaliação A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador

Leia mais

Inglês Prova 06 2016. 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº17/2016, de 4 de abril) 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação.

Inglês Prova 06 2016. 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei nº17/2016, de 4 de abril) 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês Prova 06 2016 PROVA ESCRITA E ORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Informação n.º 03.13. Data: 2013.01.31. Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. AE/ENA com ensino secundário CIREP

Informação n.º 03.13. Data: 2013.01.31. Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. AE/ENA com ensino secundário CIREP Prova de Exame Nacional de Desenho A Prova 706 2013 12.º Ano de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e Ciência Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Secretaria

Leia mais

Prova escrita de FILOSOFIA

Prova escrita de FILOSOFIA Prova de Equivalência à Frequência Prova escrita de FILOSOFIA Informação -Prova Data: 20 Abril 2015 Prova 161/2015 11º Ano de escolaridade Decreto-Lei nº 74/2004, 26 de março Apresentação O presente documento

Leia mais

Informação n.º 27.12. Data: 2012.01.05 (Republicação) Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com 3.

Informação n.º 27.12. Data: 2012.01.05 (Republicação) Para: Inspeção-Geral de Educação. Direções Regionais de Educação. Escolas com 3. Prova Final de Ciclo de Matemática Prova 92 2012 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspeção-Geral de Educação

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º/11.º Anos ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 835/1.ª Fase

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA FÍSICA E QUÍMICA A 2016 Prova 715 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de exame final nacional do

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Tema: Geometria Tópico: Orientação Espacial Posição e localização Mapas, plantas e maquetas Propósito principal de ensino: Desenvolver nos alunos o sentido

Leia mais

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA As metas que aqui se apresentam constituem uma referência relativamente aos resultados de aprendizagem dos alunos

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA. 7 de Dezembro de 2005 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO - VERSÃO 1

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA. 7 de Dezembro de 2005 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO - VERSÃO 1 TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA 7 de Dezembro de 2005 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO - VERSÃO 1 COTAÇÕES Grupo I... 63 Cada resposta certa... 9 Cada resposta errada... 0 Cada questão não respondida ou anulada...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino e da aprendizagem, que orienta o percurso escolar dos alunos e certifica as aprendizagens

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIROS DAS AULAS

ANEXO 4 ROTEIROS DAS AULAS ANEXO 4 ROTEIROS DAS AULAS 160 ESCOLA SECUNDÁRIA/3 PADRE ALBERTO NETO QUELUZ Língua Portuguesa 8.º Ano Turma C Roteiro de Aula Ano lectivo 2009/2010 Unidade didáctica : Oficina de Pontuação Duração : 90

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO De acordo com o estipulado no Decreto-Lei nº139/2012 de 5 de julho e do Despacho Normativo nº14/2011, estabelecem-se os seguintes Critérios Gerais de Avaliação, que passarão

Leia mais

alemão; espanhol; francês; inglês Janeiro de 2015

alemão; espanhol; francês; inglês Janeiro de 2015 Informação-Exame Final Nacional Línguas estrangeiras alemão; espanhol; francês; inglês Janeiro de 2015 Provas 501; 547; 517; 550 2015 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) MÓDULO 1 MATRIZ DA PROVA

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) MÓDULO 1 MATRIZ DA PROVA Cursos Científico - Humanísticos de Ciências e Tecnologias ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS AGUALVA - SINTRA Ensino Recorrente de Nível Secundário FÍSICA E QUÍMICA A (10º ANO) MÓDULO 1 TIPO DE PROVA: ESCRITA

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 2016

EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Prova 311 Ensino Secundário I - OBJETO DE AVALIAÇÃO A prova tem por referência o Programa do ensino secundário da disciplina de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei nº 64/2006, de 21 de Março, com as alterações produzidas pelo Decreto-Lei nª.

Leia mais

Literatura Portuguesa

Literatura Portuguesa Prova de Exame Nacional de Literatura Portuguesa Prova 734 2013 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e Ciência Direções Regionais de Educação Secretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

Prova Escrita de Francês

Prova Escrita de Francês EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 7/0, de 2 de Março Prova Escrita de Francês 0.º e.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 7/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: minutos. Tolerância:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Abril 2016 Prova 302 2016 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO Teste Intermédio Matemática Critérios de Classificação 30.05.2014 2.º Ano de Escolaridade CRITÉRIOS GERAIS DE CLASSIFICAÇÃO Os critérios seguintes apresentam, para cada item, um conjunto de descritores

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Leia mais

ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS 2012 2013 PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS 2012 2013 PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS 2012 2013 PROJETO E TECNOLOGIAS 10º ANO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I - CRITÉRIOS GERAIS A avaliação da aprendizagem na disciplina de e Tecnologias, deverá ter em atenção as

Leia mais

1. Objeto de avaliação

1. Objeto de avaliação INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Biologia Maio de 2015 Prova 302 Escrita e Prática Ensino Secundário (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. Objeto de avaliação A prova de equivalência

Leia mais

SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL Ensino Secundário DISCIPLINA: Português ANO: 10º PROFISSIONAL ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

Leia mais

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO

Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO ANO: 10.º Curso Profissional Técnico de Informática de Gestão Disciplina: Linguagens de Programação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/13 Módulo 1 Algoritmia 1 - Introdução à Lógica de Programação Lógica Sequência

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estágio (L4325) 5. Área Científica

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2. PROJETO de pesquisa

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2. PROJETO de pesquisa METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2 PROJETO de pesquisa 1. Orientações Gerais 1.1. Oferta da disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica A disciplina de Metodologia da Pesquisa é oferecida

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática

Prova de Aferição de Matemática PROVA DE AFERIÇÃO DO ENSINO BÁSICO A PREENCHER PELO ALUNO Nome A PREENCHER PELO AGRUPAMENTO Número convencional do Aluno Número convencional do Aluno A PREENCHER PELA U.A. Número convencional do Agrupamento

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Reitoria Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 Regulamento n.º 285/2010 Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS E ESPECÍFICOS. Aprovados pela Direção após ouvir o Conselho Coordenação Pedagógico para vigorarem no:

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS E ESPECÍFICOS. Aprovados pela Direção após ouvir o Conselho Coordenação Pedagógico para vigorarem no: ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS E ESPECÍFICOS Aprovados pela Direção após ouvir o Conselho Coordenação Pedagógico para vigorarem no: ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I - Enquadramento 3 II -

Leia mais

Avaliação da aprendizagem

Avaliação da aprendizagem Delarim Martins Gomes Avaliação da aprendizagem delarim@hotmail.com aval iaç ão Introdução verificação que objetiva determinar a competência, o progresso etc. de um profissional, aluno etc. (HOUAISS) Estabelecer

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016 \ REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016 SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (SAICT) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

Disciplina de Português 3º Ciclo (7º e 8º anos) Critérios de Avaliação 2013/2014

Disciplina de Português 3º Ciclo (7º e 8º anos) Critérios de Avaliação 2013/2014 Conhecimentos Atitudes Disciplina de Português 3º Ciclo (7º e 8º anos) Critérios de Avaliação 2013/2014 Comportamento (Respeito/Cooperação com os outros) 5% Trabalhos de Casa (Cumprimento das Tarefas)

Leia mais

2012 COTAÇÕES. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/Época Especial. Critérios de Classificação GRUPO I GRUPO II GRUPO III

2012 COTAÇÕES. Prova Escrita de Filosofia. 11.º Ano de Escolaridade. Prova 714/Época Especial. Critérios de Classificação GRUPO I GRUPO II GRUPO III EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/Época Especial Critérios de Classificação 12 Páginas 2012 COTAÇÕES

Leia mais

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo)

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo) Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (1º ciclo) Departamento de Línguas Estrangeiras Ano Letivo 2015/2016 1 Considerações Gerais 1. Pretende-se que a

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ponto 8 do Aviso n.º 4376/2016, de 31 de março

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ponto 8 do Aviso n.º 4376/2016, de 31 de março CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ponto 8 do Aviso n.º 4376/2016, de 31 de março Recrutamento de um trabalhador da carreira e categoria de técnico superior ou da carreira e categoria de assessor parlamentar, com

Leia mais

Na sequência do processo de certificação da qualidade em curso na Câmara Municipal de Lagos,

Na sequência do processo de certificação da qualidade em curso na Câmara Municipal de Lagos, SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE BENS E SERVIÇOS Na sequência do processo de certificação da qualidade em curso na Câmara Municipal de Lagos, informa-se que foi criado um processo

Leia mais

UFRN/CCSA DCC CONSTRUINDO O SEU TCC PASSO A PASSO

UFRN/CCSA DCC CONSTRUINDO O SEU TCC PASSO A PASSO UFRN/CCSA DCC CONSTRUINDO O SEU TCC PASSO A PASSO Prof. Dr. Ridalvo Medeiros Alves de Oliveira Prof. M. Sc. Daniele da Rocha Carvalho Começando a conversa... Cronograma Resolução Começando o projeto: escolha

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais