CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016"

Transcrição

1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 1- De acordo com o disposto no Despacho Normativo n.º 17-A/2015, de 22 de setembro, no seu artigo 4º, até ao início do ano letivo, o Conselho Pedagógico da escola, de acordo com as orientações do currículo, nomeadamente as metas curriculares e outras orientações gerais do Ministério da Educação e Ciência, define os critérios de avaliação para cada ciclo e ano de escolaridade, sob proposta dos departamentos curriculares que devem estar centrados nos conhecimentos e nas capacidades dos alunos, designadamente na avaliação dos progressos dos alunos nas metas curriculares e incluir o peso da avaliação nas suas várias componentes (escrita, oral e prática). 2- Os critérios de avaliação mencionados no número anterior constituem referenciais comuns na escola, sendo operacionalizados pelo ou pelos professores da turma, no 1.º ciclo, e pelo conselho de turma, nos 2.º e 3º ciclos. - Circular nº4 /DGIDC/DSDC/2011, de 11 de abril. - Despacho Normativo n.º 17-A/2015, de 22 de setembro regulamenta a avaliação e certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas pelos alunos do ensino básico, bem como os seus efeitos e as medidas de promoção do sucesso escolar que podem ser adotadas. - Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei n.º 91/2013 de 10 de julho, pelo Decreto- Lei n.º 176/2014, de 12 de dezembro estabelecem-se os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos dos ensinos básico e secundário, da avaliação dos conhecimentos a adquirir e das capacidades a desenvolver pelos alunos e do processo de desenvolvimento do currículo dos ensinos básico e secundário. - Portaria n.º 644-A/2015, 24 de agosto define as regras a observar no funcionamento das atividades de enriquecimento curricular (AEC). - Portaria n.º 225/2012, e 30 de julho cria o Curso Básico de Dança e o Curso Básico dos 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e aprova os respetivos planos de estudo. - Lei nº 51/2012, de 5 de setembro - Estatuto do Aluno e Ética Escolar I- AVALIAÇÃO NO PRÉ-ESCOLAR 1- A intencionalidade educativa no jardim-de-infância fundamenta-se nas Orientações Curriculares para o Pré- Escolar e nas Metas de Aprendizagem propostas pela Direção Geral de Educação, Desenvolvimento e Inovação Curricular e na Circular nº4 /DGIDC/DSDC/2011, de 11 de abril de Os critérios de avaliação abrangem as seguintes competências: 2.1-Competências Sociais e Emocionais Autonomia; Relação com os outros; Identidade; Comportamento; 2.2- Competências Linguísticas e Cognitivas Expressão motora Expressão plástica Expressão dramática Expressão musical Área da matemática Área da linguagem oral e da abordagem à escrita 2.3- Competências do Conhecimento do Mundo Conhecimento de si e do meio; 1

2 Conhecimento do ambiente natural 2.4- Tecnologias de Informação e Comunicação Informação Comunicação Produção Segurança 3- Na avaliação serão utilizados os seguintes instrumentos: Ficha Diagnóstico e Grelhas de Observação/Registo Individual da docente em relação à criança/grupo e ainda uma grelha final de competências por período, com recurso à nomenclatura: Adquirido, Em Aquisição, Não adquirido e Não Avaliado. II- ESPECIFIDADES DA AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1- A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao aluno, ao encarregado de educação e aos restantes intervenientes informação sobre a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades, de modo a permitir rever e melhorar o processo de trabalho. 2- A avaliação dos alunos incide sobre os conteúdos definidos nos programas e obedece às metas curriculares em vigor para as diversas disciplinas nos 1º, 2º e 3º ciclos. 3- A avaliação sumativa interna é da responsabilidade do ou dos professores da turma, ouvido o conselho de docentes, no 1º ciclo, dos professores que integram o conselho de turma, nos 2º e 3.º ciclos, dos órgãos de administração e gestão, de coordenação e supervisão pedagógicas da escola. A avaliação sumativa interna destina -se a: a) Informar o aluno e o seu encarregado de educação sobre o desenvolvimento da aprendizagem definida para cada disciplina; b) Tomar decisões sobre o percurso escolar do aluno. 4- A avaliação sumativa interna é realizada através de um dos seguintes processos: a) Avaliação pelos professores, no 1.º ciclo, ou pelo conselho de turma, nos restantes ciclos, no final de cada período letivo; b) Provas de equivalência à frequência. 5- O processo de avaliação interna é completado com a realização de provas nacionais que visam a obtenção de resultados cuja validade tem por referência padrões de âmbito nacional, fornecendo indicadores da consecução das metas curriculares e dos conhecimentos dos conteúdos programáticos definidos para cada disciplina sujeita a prova final de ciclo. 6- A avaliação sumativa externa é da responsabilidade dos serviços do Ministério da Educação e Ciência ou de entidades designadas para o efeito e compreende a realização de provas finais de ciclo nos 4.º, 6.º e 9.º anos de escolaridade, nas disciplinas de: a) Português e Matemática; b) PLNM e Matemática, para os alunos que tenham concluído o nível de proficiência linguística de iniciação (A2) ou o nível intermédio (B1), nos 1.º, 2.º e 3.º ciclos. 7- A avaliação sumativa externa nos 4.º, 6.º e 9.º anos de escolaridade destina-se a aferir o grau de desenvolvimento da aprendizagem dos alunos, mediante o recurso a critérios de avaliação definidos a nível nacional. 8- Não são admitidos às provas finais do 9º ano de escolaridade os alunos que tenham obtido um conjunto de classificações na avaliação sumativa interna que já não lhes permita obter, após a realização das provas finais a Português e Matemática, um conjunto de classificações que lhes permitam a aprovação. 9- A classificação final a atribuir a cada uma destas disciplinas, na escala de 1 a 5, integra a classificação obtida pelo aluno na prova final, com uma ponderação de 30 %, arredondada às unidades. 10- A classificação final a atribuir às disciplinas sujeitas a provas finais de Português e Matemática dos 1º, 2º e 3º ciclos é o resultado da média ponderada, com arredondamento às unidades, entre a classificação obtida na 2

3 avaliação sumativa interna do 3º período da disciplina e a classificação obtida pelo aluno na prova final, de acordo com a seguinte fórmula: CF = (7Cf + 3Cp)/10 em que: CF = classificação final da disciplina; Cf = classificação de frequência no final do 3.º período; Cp = classificação da prova final. 11- Nos 1º, 2º e 3º anos de escolaridade, a informação resultante da avaliação sumativa interna, nos três períodos letivos, expressa-se de forma descritiva em todas as componentes não facultativas do currículo. 12- No 4º ano de escolaridade, a avaliação sumativa interna, nos três períodos letivos, expressa -se numa escala de 1 a 5 nas disciplinas de Português e de Matemática e de forma descritiva nas restantes componentes não facultativas do currículo, sendo, neste caso, atribuída uma menção qualitativa de Muito Bom, Bom, Suficiente e Insuficiente. 13- A classificação interna final anual de cada disciplina é atribuída no final do 3º período pelo professor titular em articulação com os restantes professores da turma, quando existam, no 1.º ciclo, e pelo conselho de turma nos 2º e 3º ciclos. 14-A classificação interna final de cada uma das disciplinas nos 4º e 6º anos de escolaridade é atribuída no final do 3º período e antes de serem divulgados os resultados da avaliação externa das disciplinas de Português e de Matemática. 15- A informação resultante da avaliação sumativa interna nos 2º e 3º ciclos expressa-se numa escala de 1 a 5, em todas as disciplinas, podendo ser acompanhada, sempre que se considere relevante, de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno. 16- Nos 2º e 3º ciclos, a informação resultante da avaliação sumativa materializa-se numa escala de 1 a 5, em todas as disciplinas. 17- Nos Cursos Vocacionais, a informação resultante da avaliação sumativa materializa-se numa escala de 1 a 20, em todas as disciplinas. EFEITOS DA AVALIAÇÃO 1- A avaliação sumativa permite tomar decisões relativamente à: a) Classificação em cada uma das disciplinas; b) Transição no final de cada ano, sem prejuízo do disposto no nº 2; c) Aprovação no final de cada ciclo; d) Renovação de matrícula; e) Conclusão do ensino básico. 2- As decisões de transição e de progressão do aluno para o ano de escolaridade seguinte e para o ciclo subsequente revestem caráter pedagógico e são tomadas sempre que o professor titular de turma, no 1º ciclo, ou o conselho de turma, nos 2º e 3º ciclos, considerem: a) Nos anos terminais de ciclo, que o aluno adquiriu os conhecimentos e desenvolveu as capacidades necessárias para prosseguir com sucesso os seus estudos no ciclo subsequente; b) Nos anos não terminais de ciclo, que o aluno demonstra ter adquirido os conhecimentos e desenvolvido as capacidades essenciais para transitar para o ano de escolaridade seguinte. 3- No 1º ano de escolaridade não há lugar a retenção, exceto se tiver sido ultrapassado o limite de faltas e, após cumpridos os procedimentos previstos no Estatuto do Aluno e Ética Escolar, o professor titular da turma em articulação com o conselho de docentes, decida pela retenção do aluno. 4- No 2º ano e 3º anos de escolaridade apenas há lugar a retenção, numa das seguintes circunstâncias: a) O aluno tiver ultrapassado o limite de faltas e, após cumpridos os procedimentos previstos no Estatuto do Aluno e Ética Escolar, o professor titular da turma, em articulação com o conselho de docentes, decida pela retenção do aluno; 3

4 b) Após um acompanhamento pedagógico do aluno, em que foram traçadas e aplicadas medidas de apoio para garantir o seu acompanhamento face às primeiras dificuldades detetadas, o professor titular da turma, em articulação com o conselho de docentes, decida que a retenção desse aluno é mais benéfica para o seu progresso. 5- A disciplina de Educação Moral e Religiosa, nos três ciclos do ensino básico, as Atividades de Enriquecimento Curricular e o Apoio ao Estudo, no 1º ciclo e as disciplinas de oferta complementar, nos 1º, 2º e 3º ciclos, não são consideradas para efeitos de progressão de ano e conclusão de ciclo. 6- No final de cada um dos ciclos do ensino básico, o aluno não progride e obtém a menção de Não Aprovado, se estiver numa das seguintes condições: a) Tiver obtido simultaneamente classificação inferior a 3 nas disciplinas de Português ou PLNM e de Matemática; b) No caso dos 2.º e 3.º ciclos, tiver obtido classificação inferior a 3 em três ou mais disciplinas e, no caso do 1.º ciclo, tiver obtido classificação inferior a 3 simultaneamente nas disciplinas de Inglês, de Português ou Matemática e, cumulativamente, menção insuficiente em pelo menos uma das outras disciplinas. 7- A retenção em qualquer ano de um dos ciclos do ensino básico implica a repetição de todas as componentes do currículo do respetivo ano de escolaridade. CRITÉRIOS DE RETENÇÃO (Anos não terminais) NÍVEIS NEGATIVOS - Quatro ou mais níveis inferiores a três/suficiente - Português, Matemática e outra disciplina (5º, 7º e 8º anos) - Português e Matemática (2º e 3º anos) - Português ou Matemática e outras duas disciplinas (2º e 3º anos) EFEITO Retenção CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO (a favor da progressão em anos não terminais) - Ausência prolongada por motivo de saúde - A frequentar, pela segunda vez no 1º ciclo, e pela terceira vez (no 2º e 3º ciclos), desde que demonstre interesse e motivação. - Idade cronológica, desde que demonstre interesse e motivação A avaliação interna de cada um dos períodos será considerada na avaliação final dos períodos subsequentes. ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO - ENSINO REGULAR (1º, 2º e 3º ciclos) De 0 a 19% - Fraco (Nível 1) De 20 a 49% - Insuficiente (Nível 2) De 50 a 69% - Suficiente (Nível 3) De 70 a 89% - Bom (Nível 4) De 90 a 100% - Muito Bom (Nível 5) ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO 4

5 PONDERAÇÃO DO DOMÍNIO COGNITIVO/SÓCIO AFETIVO - ENSINO REGULAR (1º, 2º e 3º ciclos) ÁREAS CURRICULARES DISCIPLINARES DOMÍNIOS INDICADORES PONDERAÇÃO Domínio Cognitivo e Psicomotor Apropriação de conhecimentos e desenvolvimento de capacidades e competências Domínio Sócio- Afetivo Atitudes e Valores - Aquisição de conhecimentos: - Compreensão e expressão em língua portuguesa e utilização das tecnologias de informação e comunicação - Capacidade de questionar, problematizar e produzir - Domínio de técnicas - Evolução na compreensão, aquisição e aplicação de conhecimentos revelados pelas competências demonstradas - Iniciativa e criatividade - Análise da competência evidenciada pelo aluno em relação à Língua Portuguesa, nomeadamente quanto ao desenvolvimento da sua capacidade de comunicação oral e escrita. - Educação para a cidadania - Comportamento - Participação - Responsabilidade 75% 25% APOIO AO ESTUDO E OFERTA COMPLEMENTAR (1º CICLO) ÁREAS Apoio ao Estudo Educação Cívica INDICADORES - Empenho na realização das tarefas. - Capacidade de organização do trabalho. - Domínio de métodos de estudo e trabalho. - Domínio progressivo do acesso e tratamento da informação (TIC). - Capacidade em questionar e concretizar propostas de resolução de problemas. - Responsabilidade. - Respeito pelos outros. - Atitude crítica perante o grupo. - Empenho na execução das atividades propostas. - Consolidação de conhecimentos das temáticas desenvolvidas. FORMA EXPRESSÃO Descritiva Menção qualitativa Muito Bom Bom Suficiente Insuficiente 5

6 SÓCIO AFETIVO (Saber ser e Saber estar) COGNITIVO/OPERACIONAL (Saber e Saber fazer) SÓCIO AFETIVO (Saber ser e Saber estar) COGNITIVO /OPERACONAL (Saber e Saber fazer) ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA - 1º grau ao 5º grau CLASSES DE CONJUNTO DOMÍNIOS % PARÂMETROS INSTRUMENTOS/MEIOS 70% - Compreensão/desempenho musical - Leitura e interpretação dos textos literários/musicais orquestrais e/ou corais) - Domínio técnico do instrumento/voz - Domínio dos pré-requisitos técnicos que favorecem o desempenho musical (coral/orquestral) - Conhecimento explícito do protocolo em contexto de sala de aula/concerto. - Domínio explícito da notação musical apreendida. - Empenho do aluno na aprendizagem - Ser pontual - Revelar hábitos de estudo e de trabalho autónomo. - Mostrar empenho e participação nas atividades propostas - Realizar os trabalhos propostos com regularidade - Manifestar atitudes de curiosidade e interesse. - Avaliar criticamente o seu trabalho - Organização do aluno na sua aprendizagem - Apresentar o material necessário - Cuidados demonstrados com o material - Relacionamento interpessoal e de grupo - Respeitar as convicções e atitudes dos outros - Manifestar atitudes de cooperação, sentido de liberdade e responsabilidade. - Respeitar a comunidade escolar. Teste formativo Observação direta de: Atividades de expressão musical em contexto de sala de aula e/ou concerto: grelha de observação ao aluno Grelha de observação Grelha de autoavaliação FORMAÇÃO MUSICAL DOMÍNIOS % PARÂMETROS INSTRUMENTOS/MEIOS Compreensão/produção escrita e oral: - Leitura; - Produção escrita; - Teste de Avaliação Sumativa 40% - Conhecimento do léxico musical; - Expressão oral e escrita em interação (ler/ver/ouvir/escrever). Compreensão/produção escrita e oral: - Leitura; - Produção escrita; - Conhecimento do léxico musical; - Expressão oral e escrita em interação (ler/ver/ouvir/escrever). - Observação direta de tarefas de componente oral e escrita em sala de aula; - Grelhas de observação - Fichas de Trabalho escritas e/ou orais Empenho do aluno na aprendizagem: - Ser pontual; - Revelar hábitos de estudo e de trabalho autónomo; - Mostrar empenho e participação nas atividades propostas; - Realizar os trabalhos propostos com regularidade; - Manifestar atitudes de curiosidade e interesse; - Avaliar criticamente o seu trabalho. Organização do aluno na sua aprendizagem: - Apresentar o material necessário; - Apresentar o caderno diário organizado. Relacionamento interpessoal e de grupo: - Respeitar as convicções e atitudes dos outros; - Manifestar atitudes de cooperação, sentido de liberdade e responsabilidade; - Respeitar a comunidade escolar. - Grelhas de observação - Ficha de autoavaliação 6

7 SÓCIO AFETIVO (Saber ser e Saber estar) COGNITIVO /OPERACIONAL (Saber e Saber fazer) INSTRUMENTO DOMÍNIOS % PARÂMETROS INSTRUMENTOS/MEIOS - Compreensão/desempenho musical: - Leitura, memorização e interpretação de textos musicais - Teste de Avaliação (solo, duo, estúdio). Sumativa. 40% - Domínio técnico do instrumento e da postura corporal. - Improvisação musical. - Apresentação em palco. - Compreensão/desempenho musical: - Leitura, memorização e interpretação de textos musicais (solo, duo, estúdio). - Domínio técnico do instrumento e da postura corporal. - Improvisação musical. - Apresentação em palco. - Empenho do aluno na aprendizagem: - Ser pontual. - Revelar hábitos de estudo e de trabalho autónomo. - Mostrar empenho e participação nas atividades propostas. - Realizar os trabalhos propostos com regularidade. - Manifestar atitudes de curiosidade e interesse. - Avaliar criticamente o seu trabalho. - Organização do aluno na sua aprendizagem: - Apresentar o material necessário. - Participar na montagem do material. - Atentar a boa preservação do material. - Relacionamento interpessoal e de grupo: - Respeitar as convicções e atitudes dos outros - Manifestar atitudes de cooperação, sentido de liberdade e responsabilidade. - Respeitar a comunidade escolar. - Observação de: - Atividades de expressão musical em contexto de sala de aula e/ou palco. - Grelha de observação ao aluno. - Grelha de observação. - Grelha de autoavaliação. 7

8 TÉCNICA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA TÉCNICA DE DANÇA CLÁSSICA ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO EM DANÇA (3º ciclo) TÉCNICAS DE DANÇA (TÉCNICA DE DANÇA CLÁSSICA 70% + TÉCNICA DE DANÇA CONTEMPORÂNEA ) DOMÍNIOS % PARÂMETROS INSTRUMENTOS/MEIOS 70% Avaliação Contínua (70%) Prova Prática de Final do Período () Avaliação Contínua (70%) Prova Prática de Final do Período () É efetuada ao longo de cada período letivo. O documento de avaliação é facultado ao aluno e encarregado de educação. Os critérios de avaliação dizem respeito às seguintes Competências: Competências Motoras, Competências Interpretativas, Competências Musicais, Competências Espaciais, Terminologia, Competências de Memorização, Atitudes, Comportamentos e Socialização. É efetuada no final de cada período. No 2º e 3º período esta prova é aberta ao público em geral. Os critérios de avaliação apresentam-se em tabela/grelha e baseiam-se nos seguintes parâmetros: - Postura e Colocação peso; - Controlo do en dehors (rotação externa dos membros inferiores); - Articulação do trabalho de pé; - Coordenação Motora; - Port de Bras/Adágio; - Allegro; - Capacidade Memorização; - Capacidade de Concentração; - Uso do Espaço; - Musicalidade; - Performance; - Pontas (raparigas); Ballon (rapazes). É efetuada ao longo de cada período letivo. O documento de avaliação é facultado ao aluno e encarregado de educação. Os critérios de avaliação dizem respeito às seguintes Competências: Competências Motoras, Competências Interpretativas, Competências Musicais, Competências Espaciais, Terminologia, Competências de Memorização, Atitudes, Comportamentos e Socialização. É efetuada no final de cada período. No 2º e 3º período esta prova é aberta ao público em geral. Os critérios de avaliação baseiam-se nos seguintes parâmetros: - Exploração Corporal; - Exploração Espacial; - Exploração das Diferentes Dinâmicas; - Relação - com outro corpo/objeto; - Relação com a Música; - Capacidades Interpretativas; - Análise Crítica. PRÁTICAS COMPLEMENTARES DE DANÇA (PCD) De acordo com a Portaria nº 225/2012, a disciplina de Práticas Complementares de Dança constitui-se por saberes das disciplinas de Técnica de Dança Clássica e de Técnica de Dança Contemporânea, ao encontro do projeto educativo da EDDALM e bem como do projeto curricular de cada turma, pelo que os seus critérios de avaliação equiparam-se aos das referidas disciplinas. Avaliação Contínua 70% Domínio Cognitivo: - Perguntas diretas, individuais. - Formas de expressão musical - Aplicação dos conhecimentos adquiridos - Escrita musical - Testes - Fichas Formativas MÚSICA Prova Escrita É efetuada no final de cada período. Domínio Procedimental: - Compreensão de sons, ritmos e instrumentos Capacidade de reproduzir e ler sons e ritmos - Interpretação de pequenos excertos musicais - Técnicas de leitura e de execução instrumental - Aplicação dos conhecimentos adquiridos - Expressão oral e escrita corrente - Execução dos trabalhos de casa - Fichas de trabalho - Fichas formativas Domínio Atitudinal: - Interesse pelas aprendizagens relacionadas, direta ou indiretamente, com a disciplina. - Diálogo professor/aluno - Relação com os colegas e adultos - Contribuição no trabalho do grupo - Oportunidade nas intervenções (participação na aula) - Avaliação do trabalho (auto e heteroavaliação - Autonomia (confiança em si próprio e espírito de iniciativa) - Comportamento do aluno nas diversas atividades letivas - Perseverança (assiduidade, organização e esforço) - Crítica e fundamentação 8

9 CURSOS VOCACIONAIS A avaliação será contínua e basear-se-á nas contribuições dos alunos, quer sejam no plano sócio-afetivo, cognitivo ou motor, de acordo com a especificidade de cada disciplina e a diversidade das aprendizagens. Os alunos serão avaliados, de 1 a 20, por módulos. De 0 a 3,9 - Fraco De 4 a 9,9 - Insuficiente De 10 a 13,9 - Suficiente De 14 a 17,9 - Bom De 18 a 20 Muito Bom ESCALA DE CLASSIFICAÇÃO ÁREAS CURRICULARES DOMÍNIOS INDICADORES PONDERAÇÃO Domínio Cognitivo e Psicomotor Apropriação de conhecimentos e desenvolvimento de capacidades e competências Domínio Sócio- Afetivo Atitudes e Valores - Aquisição de conhecimentos - Compreensão - Capacidade de questionar, problematizar e produzir - Domínio de técnicas - Organização e utilização do material escolar - Evolução na compreensão, aquisição e aplicação de conhecimentos revelados pelas competências demonstradas - Iniciativa e criatividade - Análise da competência evidenciada pelo aluno em relação à Língua Portuguesa, nomeadamente quanto ao desenvolvimento da sua capacidade de comunicação oral e escrita. - Comportamento - Participação - Responsabilidade 50% 50% EDUCAÇÃO ESPECIAL 1- Os alunos abrangidos pelo Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de Janeiro, serão avaliados, de acordo com o regime de avaliação definido no presente diploma. 2- A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do ensino básico abrangidos pelo artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, nas disciplinas e áreas disciplinares específicas, expressa-se numa menção qualitativa de Muito Bom, Bom, Suficiente e Insuficiente, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno. ÁREAS CURRICULARES DOMÍNIOS INDICADORES PONDERAÇÃO Domínio Cognitivo e Psicomotor De acordo com o Programa Educativo Individual 40% Domínio Sócio- Afetivo De acordo com o Programa Educativo Individual 60% 3- Os alunos com necessidades educativas especiais de caráter permanente, abrangidos pelo disposto no n.º 1 do artigo 20.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, realizam as provas finais de ciclo e as provas de equivalência à frequência previstas para os restantes examinandos, podendo, no entanto, usufruir de condições especiais de realização de provas, ao abrigo da legislação em vigor. 9

10 ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (AEC) A escala de avaliação da aprendizagem nas AEC traduz-se em Adquirido/ Não Adquirido. ÁREAS CURRICULARES DOMÍNIOS INDICADORES PONDERAÇÃO Domínio Cognitivo e Psicomotor Domínio Sócio- Afetivo Atitudes e Valores - Aquisição de conhecimentos - Compreensão - Domínio de técnicas - Iniciativa e criatividade - Comportamento - Participação - Responsabilidade 50% 50% PRELIMINARY ENGLISH TEST (PET) 1- No 9º ano de escolaridade, a avaliação sumativa interna da disciplina de Inglês é complementada com o teste Preliminary English Test (PET) de Cambridge English Language Assessment da Universidade de Cambridge. 2- O PET tem duas componentes (escrita e oral) e é aplicado em todos os estabelecimentos do ensino público, particular e cooperativo, com caráter obrigatório para todos os alunos. 3- A classificação final do PET é a obtida na prova realizada, expressa numa escala de 0 a 100, convertida na escala de 1 a A ponderação a atribuir à classificação obtida na avaliação interna do 3.º período da disciplina e à classificação obtida pelo aluno na prova PET para a obtenção da classificação final é a seguinte: CF = (8Cf + 2PET)/10 em que: CF = classificação final da disciplina; Cf = classificação de frequência no final do 3.º período; PET = classificação da prova PET. Aprovado em Conselho Pedagógico de 14 de outubro de A Presidente do Conselho Pedagógico Maria Guiomar Ferreira da Silva 1 0

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas pelo aluno ao longo

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2014/2015 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO LOURENÇO VALONGO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano letivo 2015-2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO De acordo com o estipulado no Decreto-Lei nº139/2012 de 5 de julho e do Despacho Normativo nº14/2011, estabelecem-se os seguintes Critérios Gerais de Avaliação, que passarão

Leia mais

Encontros Regionais de Educação

Encontros Regionais de Educação Encontros Regionais de Educação Princípios e regulamentação da avaliação Ensino básico Abril de 2016 Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril (terceira alteração ao Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS E NORMAS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino e da aprendizagem, que orienta o percurso escolar dos alunos e certifica as aprendizagens

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 2014 / 2015. PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos Disciplina: PORTUGUÊS 5.º e 6.º Anos - Responsabilidade: (6%) assiduidade/pontualidade (2%) material (2%) organização do caderno diário (2%) - Comportamento: (5%) cumpre as regras estabelecidas - Empenho/Participação:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SIDÓNIO PAIS CAMINHA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015 / 2016 1 Índice I- INTRODUÇÃO.. 3 II- ASPETOS FUNDAMENTAIS DA AVALIAÇÃO. 4 1. PRINCÍPIOS GERAIS.. 4 2. ENQUADRAMENTO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes:

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. 1. Avaliação. 2. Intervenientes: CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1. Avaliação A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e ano de escolaridade,

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO 3º CICLO 2016 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais do 3.º ciclo destinam-se a todos os alunos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015-16 Critérios de : Disciplina de Instrumento Departamento de Sopros, Canto e Percussão Critérios Gerais Critérios Específicos Instrumentos Indicadores de reflexo no domínio dos

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para:

CIRCULAR. Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Para: CIRCULAR Data: 2016/04/ Circular nº.: S-DGE/2016/1421 (DSDC/DMDDE) Processo nº: Assunto: Adoção de manuais escolares com efeitos no ano letivo de 2016/2017 Para: Secretaria Regional Ed. dos Açores Secretaria

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (Aprovado em Conselho Pedagógico de 17.fevereiro.2012) (Revisto em Conselho Pedagógico de 06.novembro.2012) (Retificação das ponderações finais de período em Conselho Pedagógico

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 23 /2015, de 27 de fevereiro revogou a Portaria nº 9/2013, de 11 de fevereiro referente à avaliação das aprendizagens e competências

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto

CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. SABER Interpretação e Produção de Texto CURSO VOCACIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE AQUICULTURA COMUNICAR EM INGLÊS 11º 13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DOMÍNIOS CRITÉRIOS INDICADORES INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Eficácia na aquisição e aplicação

Leia mais

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo)

Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo. Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira. (1º ciclo) Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Critérios de Avaliação em Língua Estrangeira (1º ciclo) Departamento de Línguas Estrangeiras Ano Letivo 2015/2016 1 Considerações Gerais 1. Pretende-se que a

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação ÍNDICE Introdução 3 A A avaliação na educação pré-escolar 3 1 Intervenientes 3 2 Modalidades da avaliação 3 3 Critérios de avaliação 3 4 Ponderação 4 B A avaliação no ensino

Leia mais

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE

CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE CURSO VOCACIONAL DE ARTE E PUBLICIDADE Planificação Anual - 2015-2016 Ensino Básico 9º Ano 2º Ano - Atividade Vocacional FOTOGRAFIA DIGITAL MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS Conteúdos Procedimentos

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 27380-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 185 22 de setembro de 2015

PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 27380-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 185 22 de setembro de 2015 27380-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 185 22 de setembro de 2015 PARTE C MINISTÉRIO DA SAÚDE Gabinete do Ministro Despacho n.º 10563-A/2015 A Portaria n.º 194/2014, de 30 de setembro que estabelece

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1º Âmbito e Definição 1 - A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a):

1º Ciclo. Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): 1º Ciclo Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória (a): Áreas não disciplinares (b): Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas Físico-motoras Área de projeto

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas.

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas. 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 9º ANO DURAÇÃO DA PROVA ESCRITA: 90 minutos TOLERÂNCIA: 00 minutos DURAÇÃO DA PROVA ORAL: ± 15 MINUTOS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º CICLO - 1.ª e 2.ª

Leia mais

CGA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2014/2015. (Triénio 2013-2016) Doc033.03

CGA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2014/2015. (Triénio 2013-2016) Doc033.03 CGA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (Triénio 2013-2016) ANO LETIVO 2014/2015 Doc033.03 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO GERAL. 3 1.1. Informação Sobre a Aprendizagem... 3 1.2. Finalidades. 4 1.3. Princípios.. 4

Leia mais

COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA

COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA COLÉGIO de SÃO MIGUEL - FÁTIMA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo 2012/2013 ( ) Não me prendas as mãos não faças delas instrumento dócil de inspirações que ainda não vivi Deixa-me arriscar o molde talvez

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Os critérios de avaliação pretendem ajudar a complementar a organização da vida escolar. Tendo em conta esse objetivo, o

Leia mais

2013/2014 1. INTRODUÇÃO

2013/2014 1. INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOURE E RIBEIRA DO NEIVA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Educação Pré-escolar e Educação Básica 2013/2014 1. INTRODUÇÃO Na lógica do Despacho normativo nº24-a/2012 de 6 de dezembro

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alijó

Agrupamento de Escolas de Alijó Agrupamento de Escolas de Alijó CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO I. ENQUADRAMENTO LEGAL A avaliação das aprendizagens dos alunos do Ensino Secundário, do Ensino Básico e do ensino Pré-escolar é regulada pelos

Leia mais

Critérios gerais de avaliação

Critérios gerais de avaliação Critérios gerais de avaliação Ano letivo 204-205 ESCOLA LUÍS MADUREIRA PRÍNCIPIOS QUE REGULAM A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS A avaliação tem uma vertente contínua e sistemática e fornece ao professor, ao

Leia mais

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA

ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO ORGANOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ARTICULAÇÃO PARA O TRIÉNIO 2010-13 MARÇO 2013 ORGANOGRAMA DE DESENV. DA ARTICULAÇÃO 2010-2013 ARTICULAÇÃO 2010/11 2011/12 2012/13

Leia mais

Cursos Vocacional Informática e Tecnologias Web Planificação Anual 2015-2016 Educação Física

Cursos Vocacional Informática e Tecnologias Web Planificação Anual 2015-2016 Educação Física Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Cursos Vocacional Informática e Tecnologias Web Planificação Anual 2015-2016

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 22/2008, de 13 de Maio) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9943, válido até 31/12/2014» AEC - ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 2015/2016 Índice I Enquadramento da avaliação. II Processo de Avaliação III Efeitos da Avaliação 2 2 3 Avaliação Diagnóstica. 3 Avaliação Formativa... 3 Avaliação Sumativa.. 3 IV

Leia mais

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE

ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE ENSINO BÁSICO 2016/2017 NORMAS DE TRANSIÇÃO E APROVAÇÃO E CONDIÇÕES DE ADMISSÃO ÀS PROVAS FINAIS DO 9.º ANO DE ESCOLARIDADE As normas de transição para os anos não terminais de ciclo constituem normas

Leia mais

3 AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MONTE DA LUA I. INTRODUÇÃO

3 AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MONTE DA LUA I. INTRODUÇÃO 3 AVALIAÇÃO I. INTRODUÇÃO A avaliação é um ato pedagógico que, na Educação Pré-Escolar, se utilizará como elemento regulador e promotor da qualidade da prática educativa e da aprendizagem das crianças;

Leia mais

I. Critérios gerais de avaliação 2. II. Critérios gerais de avaliação por disciplina 4. III. Cursos Profissionais 5

I. Critérios gerais de avaliação 2. II. Critérios gerais de avaliação por disciplina 4. III. Cursos Profissionais 5 ÍNDICE I. Critérios gerais de avaliação 2 II. Critérios gerais de avaliação por disciplina 4 2º Ciclo º Ciclo Ensino Secundário III. Cursos Profissionais 5 IV. Percurso de Currículos lternativos 6 V. Cursos

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) Nos termos da alínea e) do art.º 33.º do Regime de Autonomia, Administração e Gestão, constante do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei nº 64/2006, de 21 de Março, com as alterações produzidas pelo Decreto-Lei nª.

Leia mais

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA

OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS A ATINGIR DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS/METAS EDUCATIVAS DA ESCOLA As metas que aqui se apresentam constituem uma referência relativamente aos resultados de aprendizagem dos alunos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE FÍSICO-QUÍMICA 3º Ciclo 7º, 8º e 9º Anos ANO LETIVO 2014/15 1- Domínios Domínios Saber e Saber Fazer Saber ser/ estar Parâmetros a avaliar - Revelar conhecimentos. - Compreensão/interpretação

Leia mais

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014

D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 D e p a r t a m e n t o d e C i ê n c i a s E x p e r i m e n t a i s G r u p o 5 2 0 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ano letivo de 2013/2014 Os critérios específicos presentes neste documento constituem uma base

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho normativo n.º 13/2014 15 de setembro de 2014 Artigo 1.º Objeto avaliação e certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS - PROVA ESCRITA e ORAL 2016 Prova 16 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução. 2. Objeto de avaliação. A) Competências COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Informação - Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 1ª Fase 2013 9º Ano

Leia mais

PROJETO Melhores Turmas da Escola

PROJETO Melhores Turmas da Escola 1 Projecto Educativo PROJETO Melhores Turmas da Escola 2011/2012 Índice A. Enquadramento do Projeto (MTE)... 2 B. Objetivo Estratégico e Objetivos Operacionais... 3 C. Definição de Métricas e Indicadores

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 66 5 de abril de 2016 11440-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 66 5 de abril de 2016 11440-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 66 5 de abril de 2016 11440-(3) ANEXO VIII Calendário de exames nacionais e de provas de equivalência à frequência do ensino secundário 1.ª Fase Horas Quarta -feira 15

Leia mais

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR

ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO 2012/2013 AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DO PRÉ-ESCOLAR 1º PERÍODO Lamego, 14 de janeiro de 2013 INTRODUÇÃO Para uma eficaz monitorização das competências esperadas para cada criança, no final

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP)

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Lisboa outubro 2013 REGULAMENTO ESPECIFICO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Faz parte integrante dos Cursos Profissionais a realização de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIANA DO ALENTEJO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 Conteúdo INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO i... 6 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR... 6 CAPÍTULO ii... 8 AVALIAÇÃO NO ENSINO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei 43/2014,

Leia mais

LEGISLAÇÃO. A legislação referente aos exames encontra-se disponível na página Web do Agrupamento de escolas António Nobre.

LEGISLAÇÃO. A legislação referente aos exames encontra-se disponível na página Web do Agrupamento de escolas António Nobre. LEGISLAÇÃO A legislação referente aos exames encontra-se disponível na página Web do Agrupamento de escolas António Nobre www.ae-anobre.pt Secretariado de Exames 4º e 6º anos Ano letivo 2013 /2014 AVALIAÇÃO

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Reitoria Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 Regulamento n.º 285/2010 Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

PROJECTO DE DECRETO - LEI DE ALTERAÇÂO DO ECD. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2011 de x de Outubro

PROJECTO DE DECRETO - LEI DE ALTERAÇÂO DO ECD. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2011 de x de Outubro PROJECTO DE DECRETO - LEI DE ALTERAÇÂO DO ECD MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Decreto-Lei n.º xx/2011 de x de Outubro Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. Assim:

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos

Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS. - Leitura de textos Planificação INGLÊS 6ºAno Ano letivo 2015-16 MATRIZ DE CONTEÚDOS E DE PROCEDIMENTOS CONTEÚDOS Teste diagnóstico Atividades recuperação Unidade starter: revisão de identificação pessoal, alfabeto, países

Leia mais

ANEXO 1. Quadro de Mérito. Critérios para atribuição do Quadro de Mérito aos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos, a apresentar em cada período lectivo:

ANEXO 1. Quadro de Mérito. Critérios para atribuição do Quadro de Mérito aos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos, a apresentar em cada período lectivo: ANEXO 1 Quadro de Mérito Critérios para atribuição do Quadro de Mérito aos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos, a apresentar em cada período lectivo: No 1º ciclo, Muito Bom a Língua Portuguesa, Matemática e Estudo

Leia mais

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução

INGLÊS PROVA ESCRITA. 1. Introdução Matriz da Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Prova de Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico de: Prova 21 2016 9.º Ano de

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA A NÍVEL DE ESCOLA DE INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (PROVA 24) 2011 9º Ano de Escolaridade 1. INTRODUÇÃO O exame desta disciplina

Leia mais

ESCOLA DOMINGOS SÁVIO REGIMENTO ESCOLAR

ESCOLA DOMINGOS SÁVIO REGIMENTO ESCOLAR ESCOLA DOMINGOS SÁVIO REGIMENTO ESCOLAR Título VI Da Organização Pedagógica Capítulo IV Do Sistema de Avaliação Art.61- No Ensino Fundamental a verificação do rendimento escolar compreende a avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas Infanta D. Mafalda Ano Letivo 2014/2015 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 2.1 - PRÉ-ESCOLAR...4 2.2-1º CICLO...4 2.3-2º

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico

Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de Carregal do Sal Departamento Curricular do 1º Ciclo do Ensino Básico Critérios Específicos de Avaliação 2013/2014 Introdução Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estágio (L4325) 5. Área Científica

Leia mais

2. Não são abrangidos pelo disposto no número anterior: a) Os nacionais de um Estado membro da União Europeia;

2. Não são abrangidos pelo disposto no número anterior: a) Os nacionais de um Estado membro da União Europeia; O acolhimento de estudantes estrangeiros, ao abrigo de programas de mobilidade e intercâmbio bem como do regime geral de acesso, reveste-se de particular importância para aumentar a utilização da capacidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação de um tipo de formação

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Nazaré

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Nazaré Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-escolar da Nazaré Projeto: Ano letivo 2014-2015 Docente: Ana Neves Índice INTRODUÇÃO... 3 CARATERIZAÇÃO DA TURMA... 4 OBJETIVOS DO CLUBE... 5 METAS / ATIVIDADES / CALENDARIZAÇÃO...

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro..

Deve ainda ser tido em consideração o Despacho Normativo n.º 24-A/2012, de 6 de dezembro, bem como o Despacho n.º 15971/2012, de 14 de dezembro.. PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Físico-Química 9º Ano de Escolaridade Prova 11 / 1ª Fase Duração da Prova: 90 minutos. Informações da prova INTRODUÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

DGAE-Direção-Geral da Administração Escolar SESSÕES TEMÁTICAS. Pessoal Docente. Avaliação do Desempenho Progressão na Carreira

DGAE-Direção-Geral da Administração Escolar SESSÕES TEMÁTICAS. Pessoal Docente. Avaliação do Desempenho Progressão na Carreira SESSÕES TEMÁTICAS Pessoal Docente Avaliação do Desempenho Progressão na Carreira maio e junho de 2015 CICLO AVALIATIVO Docentes de carreira o ciclo inicia-se na data correspondente ao momento da sua última

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico.

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico. Documento Data Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA 2014Jul29 Conselho Pedagógico Conselho Científico Conselho Direção Técnico- de REVISÃO DO DOCUMENTO Versão Alteração Por Data

Leia mais

Ensino Básico. Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro

Ensino Básico. Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro Sistema de avaliação Ensino Básico Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro Decreto-Lei nº 43/2003 de 27 de Outubro A Lei de Bases do Sistema Educativo Lei nº 103/III/90, de 29 de Dezembro, determina que

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 05 ÍNDICE 08 Departamento de Línguas 09 Português 13 Inglês 15 Espanhol 17 Departamento das Ciências Experimentais 18 Matemática para as Artes 25 Física e Química Aplicada

Leia mais

Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento

Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2015/2016 INTRODUÇÃO O processo de avaliação das aprendizagens, na Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento,

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE A PROVA ESCRITA

INFORMAÇÃO SOBRE A PROVA ESCRITA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês (Prova Escrita + Prova Oral) 2016 Prova 06 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Normas do Sistema de Avaliação

Normas do Sistema de Avaliação Normas do Sistema de Avaliação Ano Letivo 2014/15-28 DE NOVEMBRO DE 2014 - 2 NORMAS DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO CONSERVATÓRIO REGIONAL DE CASTELO BRANCO Introdução A avaliação do aproveitamento escolar dos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto O regime de qualificação para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário encontra o seu enquadramento jurídico estabelecido no artigo

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário INFORMAÇÃO EXAME DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 2016 12º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139/ 2012, DE 5 DE JULHO) Prova 163 Escrita e Prática

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas Projeto Curricular de Escola Ensino Secundário - 2011 / 2012. Projeto Curricular. do Ensino Secundário

Escola Básica e Secundária de Velas Projeto Curricular de Escola Ensino Secundário - 2011 / 2012. Projeto Curricular. do Ensino Secundário Projeto Curricular do Ensino Secundário Ano Letivo 2011/2012 1 1- Introdução De acordo com o Decreto -Lei n.º 74/ 2004, de 26 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006, de 6

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHO E REDACÇÃO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1.

REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHO E REDACÇÃO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1. REGULAMENTO DO CONCURSO DE DESENHO E REDACÇÃO DO MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA E REINSERÇÃO SOCIAL Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento

Leia mais

EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016

EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA INFORMAÇÃO-PROVA EXPRESSÕES ARTÍSTICAS E FÍSICO MOTORAS 2016 Prova 23 1.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DE NOVA ODESSA Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação O presente Regulamento, nos termos dos artigos 11º, Condições de Ingresso, e 24º,

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Curso de Ciências Contábeis

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Curso de Ciências Contábeis MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADE 9 Currículo Pleno aprovado pelo Conselho de Curso para o ano de 2013 Cód. Disc. DISCIPLINAS 1º SEMESTRE CRÉD. CH TOTAL TEÓRICA PRÁTICA 3201-1 Matemática

Leia mais

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE FORMADORES/AS Projecto Preâmbulo Considerando que o Regime Jurídico de Formação Contínua de Professores/as (RJFCP), aprovado

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO Nos termos das disposições constantes da legislação em vigor, o Conselho Pedagógico do Agrupamento de Escolas Garcia de Orta aprovou, em sessão ordinária

Leia mais

Escola Básica 2,3 Pêro de Alenquer Ano letivo 2015/16 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade: 9º ano

Escola Básica 2,3 Pêro de Alenquer Ano letivo 2015/16 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade: 9º ano Informação DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica, Pêro de Alenquer Ano letivo 0/6 Código:6 Disciplina: Educação Física, prova escrita e prática Ano de escolaridade:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS. Critérios Gerais de Avaliação VAGOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS. Critérios Gerais de Avaliação VAGOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VAGOS Critérios Gerais de Avaliação VAGOS ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL... 2 ÍNDICE DE TABELAS/QUADROS... 4 PREÂMBULO... 5 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO... 5 SECÇÃO I... 5 PRINCÍPIOS

Leia mais