NEGÓCIO JURÍDICO E CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL: CONTRATOS IMOBILIÁRIOS E A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NEGÓCIO JURÍDICO E CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL: CONTRATOS IMOBILIÁRIOS E A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS"

Transcrição

1 NEGÓCIO JURÍDICO E CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL: CONTRATOS IMOBILIÁRIOS E A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS BUSINESS LAW AND INTERNATIONAL ECONOMIC CRISIS: BUILDING CONTRACTS AND ALIENATION FIDUCIARY OF REAL ESTATE RESUMO Jussara Suzi Assis Borges Nasser Ferreira Iliane Rosa Pagliarini A rendição à globalização que permeou os contextos sócio-econômicos em todo o mundo e os conseqüentes efeitos diretos e indiretos têm sido inevitáveis e, se dúvidas ainda subsistissem, a constatação do chamado efeito dominó provocado pela crise norte americana, de pronto as espancaria. Nesta abordagem se discutiu o básico direito à moradia, o Sistema Financeiro de Habitação composto pelos subsistemas lastreados por suas principais fontes de recursos Poupança e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço. Foram analisados os reflexos da crise econômica internacional nos contratos habitacionais nacionais, considerando a análise sobre a hipoteca, na condição de principal lastro de segurança na aplicação da Lei de Mercado de Capitais, e sobre a Alienação Fiduciária em Garantia, desdobramentos no campo processual referentes às cobranças judicial e extrajudicial, interpretadas à luz dos princípios contratuais, encerrando com o exame sobre a possibilidade de revisão de pactos atingidos pela crise. PALAVRAS-CHAVES: CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL. DIREITO À MORADIA. HIPOTECA. ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. REVISÃO CONTRATUAL. ABSTRACT The surrender to globalization that permeated the socio-economic contexts throughout the world and the consequent direct and indirect effects are unavoidable, and if doubts remain, the finding of the effect called "domino" crisis caused by U.S., ready for the beat. This approach is discussed the basic right to housing, the Housing Finance System, composed of subsystems backed by its main sources of funds - Savings and Guarantee Fund for Length of Service. We analyzed the effects of international economic crisis in national housing contracts, considering the analysis of the mortgage, provided the main ballast in the implementation of Security Act, Capital Market, and the transfer in Fiduciary Warranty, procedural developments in the field for the judicial and extrajudicial collection, interpreted in light of the principles of contract, ending with an examination of the possibility of revision of agreements reached by the crisis. KEYWORDS: INTERNATIONAL ECONOMIC CRISIS. RIGHT TO HOUSING. MORTGAGE. FIDUCIARY ALIENATION. CONTRACT REVIEW. 7147

2 1 INTRODUÇÃO A crise econômica dos Estados Unidos, levada ao mundo por todos os meios de comunicação, pareceu, a princípio, tratar-se de problema localizado, sem reflexos ou maiores conseqüências para outros países. Contudo, vivendo há algum tempo em uma sociedade totalmente globalizada, em que as negociações vêm constantemente desrespeitando fronteiras, a conscientização do problema, suas reais dimensões e conseqüências, desde logo levou os governos atingidos a se posicionarem para enfrentála. Com a experiência de situações de exceção anteriores (1929 nos Estados Unidos e 1990 no Japão) e dos efeitos por ela provocados durante quase uma década, governantes começaram a intervir no sistema financeiro, buscando controlar aquela situação ímpar, considerada pela maioria um autêntico furacão e por alguns uma simples onda passageira, que não se confirmaria. A empreitada não foi nem será, fácil, já que a crise veio impregnada, profundamente, do pleno liberalismo, de grandes períodos de desenvolvimento econômico e ipso facto, do crescimento do consumo, ligado direta e estreitamente ao excesso de crédito e de um reprovável descontrole bancário. Críticas ao liberalismo econômico-financeiro não têm sido poupadas, exercitando-se amplamente a liberdade de repressão às vozes que se arvoraram em defesa da intervenção econômica e controle de mercado pelo Estado. A presente análise se constituiu de enfoque pontual, específico da situação brasileira, já que o controle e as diretivas do Governo Federal, ainda que morosas e não raras vezes equivocadas, no setor bancário têm sido reconhecidas como positivas na busca de solução para o que se revelou ser uma seríssima tormenta. Juntamente com outros países, o Brasil não poderia ter ficado imune aos efeitos da crise, ainda que seu sistema financeiro não fosse pautado pela existência de bancos imobiliários como nos Estados Unidos, responsáveis diretos pela subversão da ordem econômica naquele país, fazendo com que muitos trabalhadores sentissem risco ou perda de seus empregos. A diferença entre teoria e prática foi sempre o grande divisor de águas. Com a efetiva constatação do surgimento e evolução da crise no setor imobiliário americano, este estudo confrontou-a com a realidade brasileira, em especial no campo dos contratos habitacionais, iluminando-a com a luz de sua principal garantia: a alienação fiduciária, uma lei incensada por alguns e execrada por outros, porque medularmente capitalista. Por meio de novo olhar para a alienação fiduciária foi possível constatar algumas diferenças nas concessões de crédito imobiliário, entre os Estados Unidos e o Brasil. E, sempre que se falou em contratos habitacionais, nunca foi possível deixar de lado o 7148

3 prisma idealístico e abordar o sagrado direito à moradia, no elenco das políticas públicas, hoje monitoradas pela Lei de Alienação Fiduciária em Garantia de imóveis, também conhecida como de Mercado de Capitais. 2 SISTEMA FINANCEIRO DE HABITAÇÃO O homem que, a princípio, andava em bandos como animais, agrupando-se pela necessidade de proteção, alimentação e satisfação de necessidades básicas, foi levado e, aos poucos, por suas crenças, costumes e normais morais, como resultante do gregarismo em que vivia, fez nascer o Direito. O pensamento sempre foi meio, jamais fim. Quando não se transformou em idéia, para bem pouco serviu. Contudo, apenas a transformação em idéia nunca foi suficiente, sendo indispensável sua consubstanciação em ação positiva. As idéias, levadas ao campo das ações, criaram um hábito, um comportamento; do comportamento se originou a formação do caráter e, este, para o bem ou para o mal, tem traçado o destino dos homens. Nunca foi da natureza ou pretensão, do Direito ser absoluto e imutável, afirmou Coulanges[1]. A lei, que até então era decretada exclusivamente pelos guias espirituais, sempre em nome dos deuses, passou a ser elaborada por legisladores que, recebendo o poder outorgado pelo povo, a exerciam em seu nome e, reflexivamente, no interesse coletivo. E Coulanges, com a invulgar capacidade que o caracterizou, em traços seguros, apresentou uma didática idéia de como tudo se processou. O legislador, portanto, não representa mais a tradição religiosa, mas a vontade popular. A lei, doravante, tem por princípio o interesse dos homens, e por fundamento o assentimento da maioria. Daqui resultaram duas conseqüências: primeiro, a da lei já não se apresentar como fórmula imutável e indiscutível. Ao tornar-se obra humana, reconhece-se alterações. Dizem-nos as XII Tábuas: Aquilo que os sufrágios do povo em último lugar ordenaram, é a lei. De todos os textos que nos restam desse código, nenhum há de maior importância do que aquele, nem que melhor indique o caráter da revolução então operada no direito. A lei não é mais uma tradição sagrada, mos, mas simples texto, lex; e como a vontade dos homens que as fez, essa mesma vontade pode modificá-la.[2] 7149

4 Em realidade mais próxima, indispensável foi considerar que o pensamento do homem sempre decorreu de sua racionalidade, e que o agrupamento de ações individuais acabou por resultar em um outro ente, inteiramente diverso do indivíduo isolado: a sociedade. Acompanhando a linha do tempo foi possível visualizar e compreender a evolução do homem, da sociedade, do pensamento e das ciências, com seus reflexos sobre os ideais e dogmas que sobreviveram aos anos para, ao fim e ao cabo, legitimar o poder, a dominação econômica, política e social. A evolução social define, dentre outras necessidades humanas, aquela referente à moradia como local indispensável ao abrigo da pessoa humana. O trajeto temporal, cultural, social e jurídico instalam o direito à moradia no rol dos direitos fundamentais, consagrado no ordenamento brasileiro pela Emenda Constitucional n. 26/2000 nas texturas do largo espectro de dimensões sociais. Segundo Bastos, a grande lacuna que existia na área urbana e a grande pressão popular (...) dificultavam a estabilidade do país e poderia atrapalhar o desenvolvimento pretendido (...) daí a importância de se ofertar moradia própria aos trabalhadores, aos mais pobres, criando nestes, sentimentos de propriedade e simpatia ao regime.[3] A questão do direito à moradia no Brasil também poderia ser analisada por esse prisma ao se constatar que, desde 1964 (criação do Sistema Financeiro de Habitação pelo governo militar, lei 4.380/64), a principal preocupação foi resolver o déficit habitacional. O Sistema Financeiro de Habitação SFH dividia-se em dois subsistemas, baseados em suas principais fontes de recursos: o Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimos SBPE e o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço FGTS. Assim, os recursos do SBPE[4] eram disponibilizados para empreendedores construírem imóveis para atender interessados com renda média e alta.[5] Por sua vez, os recursos do FGTS, geridos pelo Banco Nacional de Habitação BNH, então órgão central do SFH, destinavam-se (...) basicamente à construção de casas e conjuntos populares e, em menor escala, ao saneamento e desenvolvimento urbano.[6] A crise no setor imobiliário no Brasil iniciou-se nos anos 70, reflexo da crise econômica vivida no cenário mundial. Nesse passo, a farsa do milagre econômico, tão difundido no governo de Ernesto Geisel (1974/1979), revelou-se: a inflação sobe, o crescimento econômico cai, a dívida externa aumenta e, em conseqüência, os investimentos do governo diminuem.[7] A inadimplência aos contratos firmados foi reflexo da diminuição do poder aquisitivo do trabalhador que já não conseguia pagar as prestações habitacionais que se tornaram demasiadamente elevadas. O governo, então, na tentativa de solucionar a crise do SFH criou o Plano de Equivalência Salarial PES e o Fundo de Compensação das Variações Salariais FCVS. O PES previa que o reajuste das prestações seria anual e na proporção do aumento do salário mínimo, e os saldos-devedores (repetição: suprimir), devendo os saldosdevedores variar de acordo com a inflação. Daquela forma, o prazo de amortização aumentava e, para cobrir tal aumento, o FCVS deveria quitar a dívida restante do 7150

5 mutuário quando o prazo ultrapassasse 50% do pacto originário, funcionando como uma espécie de seguro para quitação do saldo-devedor.[8] Em 1986, o Sistema Financeiro de Habitação sofreu grandes alterações com a edição do Decreto-lei n /1986, que extinguiu o BNH e transmitiu suas atribuições entre o então existente Ministério de Desenvolvimento Urbano, Banco Central do Brasil e Caixa Econômica Federal. Destacou-se que a Constituição Federal de 1988 não previa originariamente a moradia como um direito social, mas com a Emenda Constitucional n. 26, de 14/02/2000, passou a constar no rol dos direitos sociais (artigo 6º da Constituição Federal). Nos anos que se seguiram foram diversas as tentativas do Governo em superar o déficit habitacional: em 1990 foi lançado o Plano de Ação Imediata para Habitação, que se propunha a financiar 245 mil habitações totalmente custeadas com recursos do FGTS; entre 1992 a 1995 incluiu-se o da Carta de Crédito Individual; em 2001 foi criado o programa de Arrendamento Residencial pela lei n , de 12/02/01, destinado à população de baixa renda; em 2004, com a Lei n , de 15/12/04, foi alterado o Programa de Subsídio à Habitação de Interesse Social.[9] Os efeitos da crise surgida no final da década de 70 que se estendeu por toda a década de 80, se fez sentir no Poder Judiciário, que teve, e ainda tem, que julgar as demandas envolvendo revisões e execuções de contratos habitacionais. O Supremo Tribunal Federal ao reconhecer a execução do contrato pela via extrajudicial (Decreto-lei n. 70/1966), frustrou o direito à moradia, como maior expressão de conquista, constitucionalmente garantido, bem como a sobrevivência do próprio SFH, como meio social coletivo que efetivou aquele direito, restando aos mutuários apenas a possibilidade de revisão de cláusulas contratuais. Atualmente, com a grande expansão do mercado imobiliário no país, o sistema de garantia real previsto na Lei 9.514/1997, por meio da alienação fiduciária de bem imóvel, tem sido bastante utilizada pela segurança que tem representado ao investidor que, além da garantia real, dispõe de mecanismos céleres para a execução do contrato. Eis aqui o primeiro fator que diferenciou a concessão de crédito mobiliário no Brasil em relação aos Estados Unidos. 3 A CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL E SEUS REFLEXOS 3.1 Euforias financeiras e crises econômicas Antecedendo às crises econômicas, sempre ocorreram períodos de euforia financeira relacionados a grandes ou pequenos eventos, envolvendo notas bancárias, títulos, imóveis, artes, ouro e outros ativos. Nesse sentido Galbraith: 7151

6 Títulos, terrenos, objetos de arte ou outros bens adquiridos hoje passam a valer mais amanhã. Esse aumento e a esperança de outros aumentos atraem novos compradores; os novos compradores garantes novos aumentos. Outros tantos são então atraídos e outros tantos também compram. E o movimento altista continua: a especulação alimentando-se de si mesma confere a si mesma o seu próprio ímpeto.[10] A crise financeira possui alguns estágios que a caracterizam e que se repetem na história, tais como: os eventos especulativos, endividamento alavancado e, após o inevitável colapso, a busca por culpados.[11] As principais características que antecedem uma crise para Hyman Minsky, são: oferta de crédito quando a economia está em fase de prosperidade, seguida por endividamento, diminuição da avaliação de risco de crédito e redução dos empréstimos quando a situação econômica começa a dar sinal de enfraquecimento.[12] Charles F. Kindleberger aponta três situações que podem atenuar uma situação de pânico no mercado: (1) os preços caem tanto que as pessoas sentem-se estimuladas a manter parte de suas riquezas em ativo menos líquidos, (2) o estabelecimento de um circuit breaker que interrompa as quedas dos preços no mercado de ações como, por exemplo, o encerramento de transações ou o fechamento da bolsa de valores por um determinado tempo, (3) a presença de um fornecedor de empréstimos que possa convencer os agentes do mercado de que a quantidade de moeda disponível será suficiente para atender a demanda.[13] Nas economias modernas as crises financeiras vêm sendo demarcadas de forma recorrente pelas freqüentes crises bancárias e monetárias, não obstante todo o progresso e integração mundial de mercados e a atuação de organismos internacionais (FMI, Banco Mundial, BID), diferentemente das ocorridas anteriormente, pois causadoras de um efeito de contágio, espalhando-se rapidamente para os demais países.[14] 3.2 Quebra de confiança e abalo na concessão de crédito no setor imobiliário americano Após acompanhar os passos da crise econômica internacional, iniciada nos Estados Unidos, a conclusão obtida pareceu simplória: os contratos deveriam continuar sendo cumpridos; as partes deveriam comportar-se de forma leal e de boa-fé durante toda a 7152

7 contratação; por fim, as partes deveriam confiar em seus parceiros negociais. Em tal passo, a sociedade americana se encontrou diante de princípios contratuais não observados. Para comprovação, bastou um breve resgate sobre as origens da crise econômica. Superada a crise das empresas de internet em 2001, o Banco Central Americano (Federal Reserve), num período de dois anos reduziu a taxa de juros de 6% para 1% ao ano, objetivando, certamente, acelerar o desenvolvimento econômico com a concessão de crédito. Com isso, os imóveis dobraram de preço e as empresas começaram a emprestar desprovidas de garantias, confiando, apenas nas negociações na Bolsa de Valores, pois os títulos representativos dos créditos hipotecários eram vendidos no mercado financeiro como se tivessem total credibilidade. Contudo, quando o valor dos imóveis passou a baixar e os financiadores deixaram de pagar as prestações dos empréstimos, todo o sistema sentiu os efeitos. A crise na confiança se iniciou com o descumprimento dos contratos de financiamento imobiliário nos Estados Unidos, a longos prazos, quando o próprio bem era dado em garantia e as hipotecas eram renegociadas com fulcro em falsa valorização dos imóveis. Embora a hipoteca representasse uma garantia de que, em caso de descumprimento do contrato, o financiador retomasse o imóvel, ficou evidente que aquele não era o objetivo do banco, uma vez que, além de deixar de auferir os juros do empréstimo, caso tivesse que retomar o bem, teria grandes despesas com o procedimento, acrescidas da conservação do imóvel, até a revenda para terceiros. A análise do risco de concessão do crédito sempre foi um fator importante na operação, nó górdio da questão e fonte dos problemas que começaram a surgir Para reduzir as chances de ter de retomar o imóvel, o banco que empresta a hipoteca, tradicionalmente, fazia uma análise detalhada da ficha de crédito do candidato a financiamento, examinando sua renda, seu crédito na praça, suas perspectivas profissionais etc., de modo a reduzir a chance de fazer um empréstimo a alguém que não pudesse pagar de volta o dinheiro tomado. Os tomadores que não preenchessem essas condições não receberiam empréstimos. O termo sub-prime, que se tornou tão conhecido em todo o mundo, identifica precisamente os indivíduos que não teriam renda, ou garantias, ou história de crédito que justificassem a concessão do empréstimo. Em outras palavras, essas eram as pessoas que ficavam de fora do mercado de financiamento de imóveis, por falta de qualificações suficientes para convencer as instituições financeiras de que eram um risco aceitável.[15] Levando em consideração o grande número de pessoas que se encontravam nessa situação (sub-prime), os investidores passaram a percebê-los como potenciais financiadores, flexibilizando-se a análise do risco, na crença de que a economia americana continuaria bem e, nas estatísticas, tais pessoas, mesmo sem empregos fixos, possuíam renda estável e trabalho contínuo. Segundo Fernando Cardim de Carvalho[16], para convencer as pessoas a contratarem empréstimos, os bancos cobravam taxas de juros baixas nos primeiros anos do 7153

8 financiamento imobiliário, aumentando de forma drástica depois de certo tempo, e, por conseqüência, as famílias que aceitaram o empréstimo na crença de que poderiam arcar com os juros, acabavam descobrindo que o débito se tornava muito elevado e, assim, deixavam de pagar as prestações. A outra face da operação foi a venda daqueles títulos para fundos de investimento, bancos, empresas, sem que o comprador daquele título tivesse noção do risco, por desconhecerem que as hipotecas eram a garantia da operação. Por sua vez, quando a inadimplência começou a se generalizar, os financiadores deixaram de aplicar no setor imobiliário, diminuindo a concessão de crédito e os investidores que compraram os títulos passaram a perceber que não teriam o retorno financeiro que esperavam e começaram a tentar vender esses papéis, que naquela altura não possuíam grande valor A tentativa de se livrar deles, de qualquer forma, foi o suficiente para fazer com que o valor desses papéis no mercado caísse vertiginosamente. Na verdade, a desconfiança passou a atingir também outros papéis semelhantes aos subprime, contagiando outros segmentos do mercado de capitais. Na dúvida, é melhor tentar vender todos esses papéis antes que outros o façam. Os preços de todos os títulos vão desabando, um a um.[17] Essa sensação de insegurança e desconfiança piorou a situação, pois mesmo os bancos que não haviam sofrido os efeitos imediatos da crise passaram a não conceder créditos, o que contribuiu para entrave da economia mundial. E foi para dar um fôlego à confiança e ao crédito que o governo de George Bush conseguiu aprovar a liberação de 850 bilhões de dólares para socorrer o sistema financeiro, com a compra dos títulos desvalorizados advindo das hipotecas no final de Em tal passo, a crise foi agravada pela inobservância de princípios contratuais basilares, tais como o da boa-fé objetiva, função social e eqüidade. Com efeito, sempre decorreu do princípio da boa-fé objetiva a transparência, o dever de informação entre as partes na relação negocial, sobretudo por parte da detentora do poder econômico e que predispôs as cláusulas contratuais. Quando existisse efetiva lealdade, eliminada estaria a linguagem obscura e, comutativamente, a possibilidade de onerosidade excessiva, consagrando a confiança na relação contratual. Sobre a transparência e seu desdobramento, foi destacado: E a confiança contratual nunca se fez tão importante, uma vez que cresce o desestímulo à leitura do instrumento previamente redigido, em face da incapacidade do aderente em alterá-lo, pois inexistente o poder de negociação. Do que adianta ler, se não posso modificá-lo? Assino-o e consumo o bem da vida! A confiança negocial há de ser garantida pelo respeito ao princípio da transparência.[18] 7154

9 A informação tem se tornado um fator cada vez mais importante, destacando-se que deve ser apresentada de forma clara e objetiva no contrato, possibilitando aos contratantes, entender termos, objeto, condições e efeitos dela decorrentes. Por tal ângulo, a relevância da confiança e da informação, avultaram em significado frente à padronização dos contratos, eis que inexistiam pré-negociação de cláusulas, e, ao aderente, só haveria possibilidade de aceitar todas as disposições ou não contratar. Assim, diante da real desigualdade econômica e social existente entre as partes, tornouse imperativo reconhecer que uma parte na relação negocial era mais forte que a outra, por deter informações e poder econômico. Couto e Silva[19] preleciona que O dever de esclarecimento, como seu nome indica, dirige-se ao outro participante da relação jurídica, para tornar clara, certa circunstância de que, o alter tem conhecimento imperfeito, ou errôneo, ou ainda, ignora totalmente. A crise econômica internacional comprovou que o contrato descumprido afetava a coletividade, com elevação de preços dos produtos e serviços, alta dos juros bancários, exigências cada vez maiores de garantias contratuais, aumento de demandas judiciais, contribuindo, assim, para a sensação coletiva de insegurança. 3.3 O espaço imobiliário brasileiro e a resistência à crise Considerando as origens da crise econômica, quanto maior fossem ligação e dependência com o sistema financeiro americano que uma região tivesse, maiores seriam as conseqüências por ele sofridas, como foi o caso do continente asiático dependente do mercado consumidor americano e da Europa, cujos sistemas bancários sempre estiveram ligados a Wall Street. Os reflexos da crise econômica internacional não se fizeram sentir no setor imobiliário brasileiro. Os números demonstraram efetivo crescimento na concessão de crédito para financiamento de imóveis. O fato se deveu em grande parte ao próprio governo brasileiro e suas políticas de incentivo à concessão de crédito, às fontes seguras de recursos provenientes da poupança e do FGTS, aliado ao modelo contratual adotado pelas instituições financeiras (rigorosas análises de risco na concessão de créditos), taxas elevadas de juros, superiores a 12% ao ano e ao sistema de garantia pactuada que se implementou por via da alienação fiduciária. Segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança ABECIP, as contratações de financiamento imobiliário pareceu ser um dos poucos setores do crédito que manteve crescimento relativamente alto em relação aos dados do ano passado: 7155

10 Os bancos concederam R$ 1,905 bilhão em empréstimos no primeiro mês do ano, avanço de 17,5% em relação ao patamar de Os recursos foram suficientes para a construção e aquisição de 17,7 mil unidades, crescimento anual de 3,85%. Nos últimos doze meses, o número de unidades financiadas superou 300,3 mil e o volume de recursos, R$ 30 bilhões.[20] Destacou-se que aquelas operações foram realizadas com recursos da caderneta de poupança, feitas pelos agentes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), sublinhando-se que no ano de 2008 o volume de concessão de empréstimos imobiliários para mutuários e empresas da construção civil chegou a R$ 30,048 bilhões, registrando avanço de 64,4% em relação aos R$ 18,282 bilhões de 2007.[21] Nos primeiros meses do corrente ano, o crescimento de contratos imobiliários firmados também cresceu, tendo a Caixa Econômica Federal atingido números recordes, com a liberação em janeiro e fevereiro do total de R$ 4,2 bilhões para as operações de crédito, representando crescimento de 119% em relação às liberações feitas no mesmo período do ano passado. O número de unidades financiadas chegou a 94,68 mil, o que indicou um aumento de 130%. Nos meses citados, os empréstimos com recursos das cadernetas de poupança totalizaram R$ 2,4 bilhões, o equivalente a 57% do volume contratado até o dia 28 de fevereiro. Ao todo foram 54,75 mil unidades financiadas por via dessa modalidade.[22] Os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), no montante de R$ 1,7 bilhão, serviu para o financiamento de 35,96 mil imóveis. A média diária de contratação nacional chegou a R$ 108 milhões, para 2,39 mil contratos. Em igual período de 2008, a média diária desses negócios estava em R$ 49,4 milhões e 1,039 mil contratos.[23] Aquele crescimento não passou despercebido à comunidade internacional, constando de notícia veiculada em página da Caixa Econômica que a revista semanal inglesa, The Economist, publicou matéria reconhecendo a participação dos bancos brasileiros como um ponto positivo no combate à crise financeira internacional. Foi ressaltado que os aspectos da economia brasileira ainda que considerados negativos e atrasados, com a forte participação estatal naquele setor, criou cenário de menores perdas na crise internacional, direcionando recursos e financiamento aos setores da economia, nos quais havia mais e maior necessidade e (...) impondo reservas compulsórias e taxas elevadas ao crédito, que desencorajaram os riscos selvagens, responsáveis pela queda do sistema bancário na Europa e EUA.[24] Com o crescimento na contratação dos créditos destinados à aquisição de bem imóvel, necessário foi ressalvar que tanto a aplicação de taxas de juros mais elevadas em relação aos Estados Unidos e aos países europeus, como o sistema de garantia utilizado, por via da alienação fiduciária, não resguardaram ou garantiram a inocorrência de inadimplência ou de conflitos em torno de algumas cláusulas insertas nos contratos de financiamento o que, de resto, sempre compôs o processo. Assim, importante traçar algumas considerações sobre o contrato imobiliário com garantia de alienação fiduciária. 7156

11 4 UMA QUESTÃO DE GARANTIA: O DECLÍNIO DA HIPOTECA E A LEI 9.514/97 O instituto da hipoteca no Direito apresenta-se como direito real de garantia, visando, a um só tempo, assegurar o pagamento da dívida e, por conseqüência, o credor. A utilização da hipoteca como garantia do débito demonstrou ser onerosa e lenta quando de sua execução, gerando grandes controvérsias judiciais. Sob certo aspecto, a Súmula 308, do Superior Tribunal de Justiça, disciplinou a questão ao dispor: A hipoteca firmada entre a construtora e o agente financeiro, anterior ou posterior à celebração da promessa de compra e venda, não tem eficácia perante os adquirentes do imóvel. Não obstante, o entendimento da Súmula, na hipoteca contratada a favor da instituição financeira, mesmo que a incorporadora não a pagasse, a liberação do gravame poderia ser efetuada. Para dotar o SFH de um mecanismo eficaz na recuperação de seus recursos, foram criados dois procedimentos de execução de hipotecas, além do sistema tradicional de execução, previsto no Código de Processo Civil, a execução extrajudicial, do Decreto- Lei 70, de 1966, e a execução judicial por rito especial, da Lei 5.741/1971. A execução extrajudicial é realizada pelo agente fiduciário que não mantenha vínculo com o credor hipotecário ou o devedor. Com o inadimplemento, o devedor deveria ser notificado pelo agente fiduciário para purgar a mora e, não o fazendo, o imóvel iria a leilão público nos 15 dias subseqüentes, pelo valor da dívida e demais encargos. Caso houvesse licitante e o valor proposto para arrematação fosse superior ao valor da dívida, a diferença seria devolvida ao devedor. Não havendo licitante, o imóvel seria adjudicado ao credor hipotecário pelo valor da dívida, incumbindo-lhe, se o imóvel continuasse ocupado pelo devedor, ingressar em juízo pleiteando a imissão na posse do imóvel cuja hipoteca foi executada. Pela execução judicial prevista pela Lei 5.741/71, específica para cobrança de crédito hipotecário, o devedor que estivesse com mais de três prestações em atraso, seria executado e teria penhorado o imóvel objeto da hipoteca, devendo desocupar o imóvel para que a execução prosseguisse. Nas execuções comuns no direito brasileiro, há obrigação, de antes de se levar um bem a leilão, que se faça uma avaliação para esse fim, mas na execução na forma da lei 5.741/71 a avaliação é dispensada. Conforme a letra da lei, se não houver o pagamento dos valores em atraso, o bem deve ser vendido em hasta pública, em um único leilão e, não havendo licitante, o imóvel pode ser adjudicado pelo credor. Observou Fleury que o Poder Judiciário brasileiro ao longo dos anos modificou algumas disposições desse tipo de execução, pois os Tribunais passaram a exigir do credor que, antes do leilão, fizesse avaliação do bem imóvel por perito judicial. Ainda, os credores não conseguiam que os magistrados determinassem a desocupação do imóvel para que se procedesse a execução. Dessa forma, os devedores permaneciam nos 7157

12 imóveis mesmo após a adjudicação do bem, sendo necessário que o credor interpusesse ação específica para desocupação do imóvel. Todos esses ônus oneravam a execução e causavam prejuízos para o credor, além de atrasar o andamento. Em relação ao leilão a jurisprudência passou a determinar a realização de pelo menos dois leilões, o que acarreta, mais uma vez, em aumento de custos que prejudicam a recuperação de valores investidos.[25] Como conseqüência do desenvolvimento econômico do país, aumentou a demanda por crédito imobiliário, problemas em relação à hipoteca, ocasionando a busca de formas mais eficazes para garantia da operação. Com relação às garantias tradicionais ao crédito, observou Moreira Alves: As existentes nos sistemas jurídicos de origem romana e são elas a hipoteca, o penhor e a anticrese não mais satisfazem a uma sociedade industrializada, nem mesmo nas relações creditícias entre pessoas físicas, pois apresentam graves desvantagens pelo custo e morosidade em executá-las, ou pela superposição a elas de privilégio em favor de certas pessoas, especialmente do Estado.[26] Assim, a alienação fiduciária em garantia, originariamente concebida para aplicar-se às relações contratuais envolvendo coisas móveis, com o advento da lei 9.514/97, passou a ser aplicada para financiamentos imobiliários, como forma de garantia da operação. Em seu artigo 17 a lei dispôs que operações de financiamento imobiliário em geral poderiam ser garantidas por hipoteca, cessão fiduciária de direitos creditórios decorrentes de contratos de alienação de imóveis, caução de direitos creditórios ou aquisitivos, decorrentes de contratos de venda ou promessa de venda de imóveis, prevendo no inciso IV, a alienação fiduciária de bem imóvel. Para Feliciano[27] o legislador procurou (...) estimular a atividade econômica disponibilizando às financeiras modalidade de garantia sem precedentes no direito pátrio, na tentativa de combater o déficit nas habitações brasileiras. Mezzari[28] não reconheceu qualquer cunho social à lei, acreditando que seu objetivo era fundamentalmente econômico, pois buscou, acima de tudo, criar um mercado atrativo ao emprego do capital nacional, conseqüente à segurança nela inserta. Alguns objetivos foram alcançados pela lei, uma vez que com a experiência obtida no Sistema Financeiro de Habitação (criado pela lei 4.380/64), o Sistema Financeiro Imobiliário SFI acabou por incrementar o acesso à moradia sem o dispêndio de recursos públicos, autorizando os interessados a captarem recursos no mercado financeiro e de valores mobiliários. A definição de alienação fiduciária foi trazida no artigo 22 da lei: (...) é o negócio jurídico pelo qual o devedor, ou fiduciante, com o escopo de garantia, contrata a transferência ao credor, ou fiduciário, da propriedade resolúvel de coisa imóvel. O 7158

13 contrato ficaria vinculado a uma linha de financiamento imobiliário, para a qual o credor fiduciário forneceria recursos ao devedor fiduciante, objetivando a aquisição ou construção de imóvel. O parágrafo primeiro do artigo 22, renumerado pela Lei /2007, previu a tendência de se generalizar a utilização do instituto, autorizando a alienação fiduciária de imóveis contratados por pessoa física ou jurídica, (...) podendo ter como objeto bem imóvel concluído ou em construção e a tornaria não privativa das entidades que operam no SFI.[29] Com a generalização da aplicação da alienação fiduciária pela iniciativa privada, não foi difícil concluir que os contratos formalizados acabaram por ser apreciados pelo Poder Judiciário, considerando a probabilidade de serem incluídas cláusulas abusivas, viabilizando, então, a revisão ou anulação de anomalias contratuais. 5 O CONTRATO DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS: INADIMPLÊNCIA E ASPECTOS PROCESSUAIS Nunca pairaram dúvidas de que o sonho do brasileiro sempre foi a aquisição da casa própria. Como, na maioria das vezes as pessoas não possuíam o valor em dinheiro para pagar vendedor ou construtor, viram-se obrigadas a procurar crédito perante as instituições financeiras. O contrato de alienação fiduciária seria fruto daquela premente necessidade de financiamento creditório, no qual a instituição financeira concedia empréstimo para pagamento da aquisição do imóvel e, em garantia, fazia a transferência da propriedade resolúvel e a posse indireta do bem, mediante registro do contrato assinado, formalizado em cartório imobiliário. Assim, ao se falar em fidúcia sempre se teve presente confiança, crença na existência de boa-fé, já que a origem etimológica da palavra (...) está na confiança (confidere), que é o ato de quem espera que o outro se conduza como o desejado, pois tem fé (fidúcia) no cumprimento da palavra empenhada.[30] Nos demais negócios jurídicos, as partes deveriam sempre agir com lealdade e boa-fé desde as tratativas iniciais até a contratação, com registro do contrato na circunscrição imobiliária competente, dali surgindo a propriedade fiduciária, o conseqüente desdobramento da posse. Por tal processo, o credor fiduciário teria posse indireta do imóvel e o devedor fiduciante, direta, podendo usar e gozar do bem conforme sua destinação, responsabilizando-se pela sua conservação e eventuais destruições ou deterioração. O constituto possessório caracterizou-se pela (...) inversão no título da posse do objeto, pela qual o fiduciante que o detinha, na qualidade de proprietário (em nome próprio), continua a mantê-lo, só que agora na condição de depositário.[31] Por tal meio, o novo proprietário adquiriria a posse indireta por ficção, porque (...) não foi preciso qualquer ato material de entrega da coisa por parte do fiduciante ao tempo da alienação.[32] 7159

14 A propriedade resolúvel se definiria pelo próprio objetivo do negócio, consubstanciado na garantia, fazendo nascer com previsão expressa de ser extinta, de ser resolvida, já que com o pagamento do financiamento, a propriedade retornaria ao fiduciante[33]. Outra característica da propriedade fiduciária, advinda do contrato de alienação devidamente registrado, seria a afetação patrimonial, que (...) consiste em uma restrição pela qual determinados bens que se encontrem no patrimônio de uma pessoa serão tratados como bens independentes do patrimônio geral da pessoa.[34] Na prática, isso significou que o bem afetado, por não integrar o patrimônio do credor fiduciário, não sofreria com as ações de cobrança interpostas por terceiros. 5.1 Considerações sobre cobranças judicial e extrajudicial Para que o credor fiduciário, ante o inadimplemento do contrato, pudesse consolidar-se no domínio da propriedade dada em garantia, deveria atender às formalidades previstas em lei. O artigo 39, inciso II, da lei 9.514/97 previu que para as operações de financiamento imobiliário, seriam aplicáveis as disposições dos artigos 29 a 41 do Decreto-lei nº 70, de 21 de novembro de O artigo 29 do Decreto-lei 70/66 dispôs que o credor (no caso, hipotecário) poderia promover execução da dívida na forma do Código de Processo Civil ou extrajudicial, constante da própria lei. Face ao exposto, o contrato de financiamento com garantia de alienação fiduciária, atendido os requisitos legais, constitui-se em título executivo, com autonomia para ser exigido judicialmente. Ponderou Saad[35] que se o fiduciário escolhesse interpor cobrança judicial não poderia, posteriormente, desistir daquele procedimento e optar pela via extrajudicial, porque, uma vez eleita uma forma de cobrança, haveria implícita renúncia a outro procedimento, conforme disposto na lei 9.514/97. Na cobrança extrajudicial, primeiramente deveria o fiduciário constituir o fiduciante em mora, intimando-o por meio do Cartório do Registro de Imóveis a satisfazer, no prazo de quinze dias, a prestação vencida e as que se vencessem até a data do pagamento, acrescida de juros convencionais, penalidades e demais encargos contratuais, legais, inclusive tributos, contribuições condominiais imputáveis ao imóvel, além de despesas com a cobrança. No 3º do artigo 26, da lei 9.514/97, a intimação deverá ser pessoal, por meio do representante legal ou procurador legalmente constituído. Pode, ainda, ser feita a intimação pelo correio, com aviso de recebimento, sendo que, caso não se encontre o devedor fiduciante, deverá ser publicado em edital. Problemas iniciais oriundos da cobrança extrajudicial poderão surgir, seja porque muitas vezes o recebimento da intimação não foi feito pelo próprio fiduciante ou pessoa 7160

15 legalmente habilitada por ele, mas por funcionário de uma pessoa jurídica ou empregado da pessoa física ou, não raras vezes, pelo porteiro do prédio onde ele reside.[36] A intimação deve ser feita pessoalmente ao devedor ou seu representante com poderes expressos para o recebimento de intimações, sendo que, se a correspondência for remetida pelos Correios, o AR deve ter sido assinado pelo próprio devedor ou seu representante, objetivando garantir-lhe a possibilidade de saldar a dívida ou tomar medidas cabíveis em defesa de seu patrimônio. As despesas a serem cobradas do fiduciante, além das mencionadas no 1º do artigo 26, serão as realizadas para conservação ou recuperação do imóvel. Não têm sido poucas as vezes em que o fiduciário recebeu o imóvel em péssimo estado de conservação ou, ainda, quando a degradação foi provocada dolosamente pelo fiduciante, acrescida de má-fé. Assim, desde que houvesse cláusula contratual dispondo sobre a hipótese, também haveria responsabilidade.[37] Caso não ocorresse purgação da mora e se consolidasse a propriedade em nome do fiduciário, teria ele 30 dias, a contar da data da averbação da transmissão na matrícula do imóvel, para promover leilão público destinado à venda do imóvel e se, na primeira praça, o maior lance fosse inferior ao valor do imóvel, uma segunda tentativa deveria ser levada a efeito nos quinze dias seguintes. Na segunda hasta pública seria possível aceitar o maior lance, desde que igual ou superior ao valor da dívida, incluindo-se despesas com os prêmios de seguro, encargos legais, inclusive tributos, contribuições condominiais, conforme disposição expressa no 2º, do artigo 27 da Lei 9.514/97. Importante destacar que, obtido valor superior ao da dívida com o leilão, o saldo remanescente deveria ser devolvido ao fiduciante e, caso não se obtivesse com o segundo leilão valor igual ao da dívida, pelo 5º do artigo 27, considerar-se-ia extinto o débito, devendo o fiduciário dar quitação mediante termo próprio ao fiduciante. A obrigação se extinguiria e, por conseqüência, não se poderia continuar a cobrança do chamado débito residual. Uma questão para reflexão foi trazida por Saad: A norma legal, ao proceder desta forma e sem maiores cuidados, abriu margem para que no futuro se realizem operações fraudulentas, em atentado ao direito do fiduciante, bastando, para tanto, que se frustrem os leilões, transfira-se a propriedade para o fiduciário que poderá alienar, em pouco tempo, o bem por qualquer preço: melhor seria se o comando legal tivesse propagado os efeitos do 5º, da Lei 9.514/97, por um período de anos.[38] Quando o bem imóvel a ser leiloado fosse estimado em valor muito superior ao débito, não sendo alienado no primeiro leilão, seria de se indagar: o imóvel poderia ser arrematado pelo valor da dívida? Mais: caso não fosse vendido no segundo leilão, o credor fiduciário poderia efetivar-se na propriedade definitivamente, mesmo sendo o 7161

16 valor desta superior ao da dívida? A resposta pela negativa foi apresentada por Cristiano Farias e Nelson Rosenvald: Há evidente inconstitucionalidade no 2º, do art. 27, da Lei 9.514/97. O dispositivo permite que no segundo leilão se aceite o maior lance oferecido, sendo bastante que supere o valor do débito em aberto. Assim, se A pagou R$ ,00 de um débito total de R$ ,00, quando o seu imóvel for a leilão, nada impede que no segundo leilão seja a coisa vendida por apenas R$ ,00. Neste caso A não só perderá o imóvel, como tudo que pagou. Há ofensa ao devido processo legal, pois a pessoa será privada do direito de propriedade sem a garantia constitucional do processo e do Estado-juiz. Sempre devemos lembrar que o trinômio vida/liberdade/propriedade é genericamente garantido pelo due process of law.[39] Se a lei não desse resposta às situações práticas, passíveis de ocorrer, tanto credores como devedores poderiam e deveriam valer-se do Poder Judiciário para dirimir questões que agredissem seus direito fundamentais. No caso sub examen houve clara mutilação do princípio da igualdade, no instante em que o dispositivo legal dispensou tratamento privilegiado ao credor, estimulando legalmente o enriquecimento sem causa, previsto nos artigos 884 a 886 do Código Civil brasileiro. 5.2 Aplicação dos princípios contratuais na solução dos conflitos Tendo em vista que ambos os contratos têm sido utilizados na comercialização de bens imóveis e haver uma sólida jurisprudência sobre promessa de compra e venda favorável à restituição, com fulcro no artigo 53 do Código de Defesa do Consumidor, devedores têm tentado equiparar a alienação fiduciária à promessa de compra e venda, visando à restituição de valores pagos ao credor fiduciário, já que tais pactos vêm sendo utilizados na comercialização de bens imóveis, havendo sólida jurisprudência favorável à tais pretensões. Tais contratos sempre foram distintos um do outro, tanto em estrutura como em função. A promessa de compra e venda definiu pacto autônomo, nascendo, se desenvolvendo e se extinguindo independentemente de outra convenção; a alienação fiduciária se definiu como avença acessória de garantia, em razão da qual o proprietário de certo imóvel o transmitiria ao credor, em caráter resolúvel, vinculando-o ao cumprimento de determinada obrigação, como explicou Chalub[40]. No inadimplemento do devedor, a extinção do contrato de promessa por meio de ação judicial, as partes retornariam ao estado anterior, conservando o promitente- vendedor a propriedade do imóvel e, conseqüentemente obrigando-se a devolver valores recebidos do promitente comprador, (...) depois de deduzir a multa contratual compensatória e demais encargos [41]. 7162

17 Na alienação fiduciária, com a extinção do contrato por inadimplemento, a parte devedora ficaria obrigada à restituição da quantia financiada, devendo o credor, que possuísse direito ao conteúdo econômico do bem, vendê-lo em leilão público e, posteriormente, restituir ao devedor o saldo restante. Embora o artigo 53 do CDC tenha disposto sobre a nulidade da cláusula que previsse perda total das quantias pagas pelo comprador, se o contrato fosse resolvido por inadimplemento, Chalub[42] entendeu que a lei especial da alienação fiduciária estabeleceu modo específico de equilíbrio dos haveres, em coerência com as disposições do dispositivo legal supracitado. Em caso de antinomias, para o autor prevaleceriam os dispositivos legais sui generis sobre os gerais, (...) sendo certo que as leis que regulam a alienação fiduciária são leis especiais em relação ao CDC, aquelas é que prevalecerão, devendo o art. 53 submeterse à especialização daquelas normas [43]. Em tal passo, permanece ainda a discussão em relação a aplicabilidade ou não do CDC aos contratos de alienação fiduciária de imóveis. Pelo fato de a cobrança extrajudicial (à semelhança da execução extrajudicial do Decreto-lei 70/66) ser considerada legal, seria o caso de se questionar: de que maneira o devedor fiduciante poderia defender seus direitos quando discordasse do valor do débito que lhe fosse apresentado? O que fazer quando entendesse que o preço da alienação do bem arrematado no leilão foi vil ou o fiduciário pretendesse ficar com o imóvel, cujo valor fosse superior ao do débito, em situação em que não tivesse ocorrido sua venda nos dois leilões realizados? Seria inimaginável pensar que o sistema legal pudesse privilegiar de tal forma uma das partes deixando sem meios de defesa seus direitos. Ainda que não pudessem ser aplicadas as normas do CDC àqueles pactos, o devedor fiduciante poderia ir ao Poder Judiciário postular: anulação da venda extrajudicial, comprovando a existência de irregularidades formais; revisão do contrato, demonstrando a existência de cláusulas excessivamente onerosas ou sua extinção por serem abusivas; ressarcimento dos danos sofridos, provando o enriquecimento ilícito da outra parte, bem como outras medidas que julgasse conveniente e pertinente para a defesa de seu patrimônio. O Superior Tribunal de Justiça[44] tem admitido a concessão de cautelar para a suspensão de execução extrajudicial ou leilão, na hipótese de questionamento judicial referente aos valores das prestações, sobretudo quando já houvesse depósito em juízo das parcelas incontroversas. Para que se excluísse o nome de devedores dos cadastros de proteção ao crédito, em razão do ajuizamento de ação revisional, deveriam eles [...] necessária e concomitantemente, estar presentes esses três elementos: a) que haja ação proposta pelo devedor contestando a existência integral ou parcial do débito; b) que haja efetiva demonstração de que a contestação da cobrança indevida se funda na aparência do bom direito e em jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça; c) que, sendo a contestação apenas de parte do débito, deposite o valor referente à parte tida por incontroversa, ou preste caução idônea, ao prudente arbítrio do magistrado". (REsp n , relator Ministro César Asfor Rocha, DJ de ). 7163

18 O devedor deveria agir na defesa de seus direitos tempestivamente, pois adjudicado o imóvel, o STJ tem decidido que inexistiria interesse processual.[45] Os princípios do ordenamento jurídico brasileiro, como o da boa-fé objetiva e os deveres anexos, laterais ou secundários (transparência, confiança, proteção, eqüidade, vigilância, cooperação e assistência), da igualdade material e da função social dos contratos devem ser aplicados em todas as situações, e não somente às relações protegidas pela legislação consumerista. Se os princípios do ordenamento jurídico foram revestidos de imperiosidade, devem ter lugar e vez em todas as relações sócioeconômicas. De acordo com Enzo Roppo O contrato muda a sua disciplina, as suas funções, a sua própria estrutura segundo o contexto econômico-social em que está inserido [...] a liberdade de contratar assegura também a justiça de cada relação contratual, em virtude da igualdade jurídica entre os contraentes.[46] Nalin[47] afirmou que a justiça contratual a ser implementada deveria, fundamentalmente, conter comutatividade, de forma a que cada contratante recebesse, de maneira eqüitativa e equivalente ao que entregou, afastando-se a abusividade de cláusulas contratuais, permitindo-se revisão da avença para manutenção do equilíbrio contratual a fim de que o julgador não ficasse reduzido apenas à condição de expectador ou de instrumento para o preenchimento das lacunas legais, em especial porque ele sempre deveria utilizar o princípio ético-jurídico da eqüidade, noção exata do Direito, senso do bem comum e comutatividade. 6 ANÁLISE SOBRE O REVISIONISMO CONTRATUAL A grande consolidação ou estruturação definitiva do revisionismo ocorreu na República Romana (500 a.c. a 27 a.c.). Tinha como fulcro não a necessidade de revisão, mas outros pressupostos, assemelhados à apelação. Muito cedo se constatou que nas relações entre os homens nada poderia ser definitivo, já que a própria vida era contingente e situacional, definida pela lei natural de relacionamento entre as coisas. Em tal caminhar, regida pela relatividade dos acontecimentos, sedimentou-se o entendimento de que nenhuma manifestação decisória poderia ser considerada perfeita e acabada e, por isso, revestida de definitividade, como resultado do exame de qualquer irregularidade comportamental denunciada, resultante de convenções privadas ou públicas, em decisões judiciais ou extrajudiciais, singular ou coletiva, na precária disciplina de relacionamento entre os homens. Isso porque sempre existiria espaço para a readequação daquilo que, em dado momento e envolvido por 7164

19 determinadas circunstâncias, representou a melhor forma do querer das partes, mas que, conseqüente à irregularidade contratual, exigiu intervenção da autoridade. Sinteticamente: nunca foi possível afastar de vez a circunstancialidade que sempre cercou os acontecimentos entre os homens resultantes de ações ou omissões e, conseqüentemente, seus reflexos diretos e indiretos. A força do velho princípio da obrigatoriedade, arraigado no fiel e integral cumprimento dos contratos (lei entre as partes pelo art do Código Civil francês de 1804)[48], aos poucos foi sendo mitigada pela imposição de uma justiça contratual assentada na saudável filosofia que substituiu a iluminista individualidade oitocentista pelo coletivismo do século XX. O pertinente contributo de Fachin não poderia ser esquecido, quando observou que Não se pode, então, conviver com uma atitude de indiferença ou renúncia a uma posição avançada na inovação e mesmo na revisão e superação dos conceitos, contribuindo, abertamente, para fomentar questionamentos e fazer brotar inquietudes que estimulem o estudo e a pesquisa comprometidos com seu tempo e seu dilema. Abrir-se para esse horizonte é uma opção de sentido que se afasta das concepções didáticas meramente ilustrativas; é um caminho de sacrifícios e eleição de finalidade que não convive com a inércia e com a repetição.[49] Os contratos cuja origem se perdeu na noite dos tempos sempre foram sublinhados por natureza eminentemente interacionista. Realizado por uma ou mais pessoas, caracterizou-se por vincular e pautar suas ações na interdependência das partes, em busca de um mesmo e único fim. No universo obrigacional tem sido este um postulado de caráter axiomático: sempre que alguém se dispôs a estudar o contratualismo, dois nomes avultaram como marcos epistemológicos definitivos: Lucius Neratius Priscus, conhecido apenas como Neratius e Domitius Ulpiano, que o mundo iria reverenciar como Ulpiano, também responsável pelos princípios honeste vivere, alterum non laedere e suum cuique tribuere. Na saga dos contratos nunca foi possível discutir os princípios pacta sunt servanda e rebus sic stantibus ou vice-versa de forma dissociada. Sempre que se discutiu um deles, necessariamente, de forma expressa ou implícita, houve referência ao outro, tãosomente por representarem expressões cunhadas para um único e mesmo fim: equilibrar de forma segura as contratações.[50] O revisionismo contratual, através dos milênios e tal como hoje se encontra, nasceu de uma condição implícita na formulação de Neratius. Ao exigir que as convenções mantivessem seu estado inicial de criação, a conseqüência lógica foi inferida: se forem alterados por qualquer fato devem ser revistos ou extintos.[51] À luz da eqüidade e comutatividade dos pactos, entre os princípios sempre existiu equilíbrio perfeito e harmonia necessária, direcionados para um mesmo objetivo, a 7165

20 despeito dos argumentos falaciosos apresentados por anti-revisionistas, contrários à axiomática existência de seu correto e indiscutível equacionamento. O ordenamento jurídico brasileiro, principalmente depois do advento do Código Civil de 2002 a despeito de algumas falhas e lacunas congênitas que o tempo, via doutrina e jurisprudência, acabarão por depurar, tem sido considerado um dos mais avançados do mundo. Destacou-se, para tanto, inclusão dos artigos 317 e 478 a 480 (revisão contratual), 421 (função social das convenções) e 422 (exigência expressa da boa-fé contratual), com ênfase constitucional para o respeito à dignidade humana, dispositivos que lhe asseguraram, com toda certeza, um lugar de destaque no cenário mundial. Os institutos colocados à disposição do relacionamento entre os homens, em especial das contratações, com garantias reais (hipoteca e penhor) ou pessoais (aval e fiança), ao lado das inúmeras inovações no campo das obrigações têm sido até certo ponto satisfatórias nas relações entre os homens, condicionando-se apenas ao decorrer do tempo seu aperfeiçoamento. A questão nuclear permanece atrelada à possibilidade de revisão dos contratos, cuja onerosidade excessiva tenha sido motivada por crise econômica internacional. Sem adentrar no estudo do caso americano, de conformidade com o ordenamento jurídico brasileiro a matéria deve ser analisada à luz dos dispositivos do Código Civil de 2002 e, também, do Código de Defesa do Consumidor, em atenção ao diálogo das fontes. O Código Civil de 2002 trata da revisão contratual por fato superveniente diante de uma imprevisibilidade somada à onerosidade excessiva, contudo, de forma diferente daquela adotada pelo CDC e observado o Enunciado 22 do CJF face a relevância do acolhimento do princípio da conservação contratual. Nesse sentido, afirma Nelson Borges: Haveria espaço para o emprego da Teoria da Imprevisão se, depois de adquirido o bem, paga algumas prestações do outro lado entregue parte do pedido, sobreviesse acontecimento imprevisível, de proporções internacionais ou locais, que alterando a base da contratação, tornasse extremamente difícil o cumprimento da obrigação de qualquer das partes.[52] Tartuce, ao sustentar a necessidade e adequação da revisão contratual, em acréscimo, explicita que até mesmo uma pequena oscilação de preço pode representar excessiva onerosidade para a parte vulnerável, especialmente em contrato de financiamento onde para uma família de baixa renda a oscilação pode provocar forte desequilíbrio contratual.[53] Por estas considerações e com a cautela indispensável à observação dos desdobramentos da crise econômica internacional, cabe reafirmar que futuros e possíveis desequilíbrios contratuais decorrentes dos pactos firmados junto ao sistema financeiro habitacional e que venham acarretar excessiva onerosidade para a parte vulnerável caberá, por indispensável, a revisão do contrato. 7166

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) Altera a Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997, que "Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE DIREITOS CREDITÓRIOS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: CEDENTE ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São Paulo -SP, na Praça Alfredo Egydio de Souza Aranha, nº 100 Torre Olavo Setubal,

Leia mais

Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel

Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel Questões problemáticas da Alienação Fiduciária Bem Imóvel 28 de Outubro de 2011 ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE BENS IMÓVEIS Alienação fiduciária de bens imóveis - surgiu com a edição da Lei 9.514, de 20 de novembro

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta Guia de Compra Segura Apartamentosna planta de A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso a Tecnisa criou esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior.

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. Sumário: I Considerações iniciais; II Características dos contratos de incorporação imobiliária; III Elementos dos contratos

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: PROMITENTE VENDEDOR ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São

Leia mais

O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS. Francisco José Rezende dos Santos

O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS. Francisco José Rezende dos Santos O MERCADO DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, A ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA E O REGISTRO DE IMÓVEIS O que é a propriedade fiduciária? A propriedade fiduciária decorre de um negócio jurídico, denominado alienação fiduciária,

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1980 Aprova regulamento que disciplina direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstismo (SBPE) e as operações de financiamento

Leia mais

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO Advogado: Marcelo Terra 1. Objetivo do patrimônio de afetação O patrimônio de afetação se destina à consecução da incorporação correspondente e entrega das unidades imobiliárias

Leia mais

Guia de Compra Segura

Guia de Compra Segura Guia de Compra Segura de Apartamentos na planta A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso criamos esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do mercado

Leia mais

Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário. Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015

Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário. Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015 Melhim Namem Chalhub Jurista especializado em Direito Imobiliário Rio de Janeiro 6 de Setembro 2015 NOVO SISTEMA E GARANTIAS NO BRASIL Lei 9.514/1997 Propriedade fiduciária Garantia dos financiamentos

Leia mais

A INCLUSÃO DAS TAXAS CARTORÁRIAS NOS FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS PARA O SEGMENTO DE BAIXA RENDA: VIABILIDADE E UTILIDADE

A INCLUSÃO DAS TAXAS CARTORÁRIAS NOS FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS PARA O SEGMENTO DE BAIXA RENDA: VIABILIDADE E UTILIDADE A INCLUSÃO DAS TAXAS CARTORÁRIAS NOS FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS PARA O SEGMENTO DE BAIXA RENDA: VIABILIDADE E UTILIDADE CASSIANO LUIZ CRESPO ALVES NEGRÃO Consultor Legislativo da Área VII Sistema Financeiro,

Leia mais

JOSÉ MARIA ARAGÃO Doutor em Direito, pós-graduado em Economia

JOSÉ MARIA ARAGÃO Doutor em Direito, pós-graduado em Economia JOSÉ MARIA ARAGÃO Doutor em Direito, pós-graduado em Economia Sistema Financeiro da Habitação Uma análise sociojurídica da gênese, desenvolvimento e crise do Sistema 3ª edição Revista e Atualizada Com

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE VEÍCULO AUTOMOTOR APREENDIDO POR CONTA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA

PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE VEÍCULO AUTOMOTOR APREENDIDO POR CONTA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE VEÍCULO AUTOMOTOR APREENDIDO POR CONTA DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA Realização de promessa de venda e compra de veículos apreendidos, objeto de busca e apreensão, em face de alienação

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender.

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender. Como comprar o seu imóvel Um jeito único de vender. NOSSA MISSÃO A Impacto Engenharia investe constantemente em um relacionamento mais estreito com seus clientes e assim oferece um jeito único de servir,

Leia mais

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel.

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Dentre as inúmeras espécies contratuais previstas na legislação civil, emerge uma utilizada em larga escala no dia-a-dia tanto empresarial como

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

STJ00029248. 2.2 Principais tipos de depósito..."... "... 30

STJ00029248. 2.2 Principais tipos de depósito...... ... 30 STJ00029248 SUMÁRIO À GUISA DE EXPLICAÇÃO À 1." EDIÇÃO... 5 I. CRÉDITO BANCÁRIO 1.1 Atividade creditícia dos bancos..."... 15 1.2 Operações bancárias... 16 1.3 Contratos de crédito bancário... 18 1.4 Natureza

Leia mais

GUIA DO COMPRADOR. Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br. Pag 1

GUIA DO COMPRADOR. Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br. Pag 1 Pag 1 CRECI J 23 004 Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br 1 - QUAL A VANTAGEM DE SE COMPRAR UM IMÓVEL NO SEU LANÇAMENTO? 2 - O QUE SIGNIFICA COMPRAR UM IMÓVEL NA

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA

INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA Segundo o SINDUSCON-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de São Paulo) a construção civil brasileira deve registrar uma expansão de 8,8% no PIB (Produto Interno

Leia mais

INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS CONTRATUAIS

INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS CONTRATUAIS INVESTIR NO BRASIL INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS CONTRATUAIS Cristina Bogado Menezes Advogada RSA Advogados 12 de Abril de 2012 INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador GILVAM BORGES

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador GILVAM BORGES PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 158, de 2008, que dispõe sobre o seguro no arrendamento residencial e imobiliário especial e dá

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO N 2519 Documento normativo revogado pela Resolução 3.005, de 30/07/2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Sugestão de Contrato de Promessa de Compra e Venda de Imóvel MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Pelo presente instrumento de promessa de compra e venda, de um lado como promitente

Leia mais

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial

A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial A responsabilidade pelo pagamento das cotas condominiais em caso de aquisição do imóvel mediante arrematação judicial Por Maria Angélica Jobim de Oliveira À luz do artigo 1.336, inciso I, do Código Civil,

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1.446 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1.446 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente do CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, por ato de 18.12.87, com base no artigo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

Principais características:

Principais características: 1 - Entendendo a sua situação Se você contratou financiamento imobiliário através da PREVI/CARIM, saiba que são 4 (quatro) os tipos de contratos e situação possíveis. Conforme quadro comparativo abaixo,

Leia mais

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS...

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO COMPRADOR QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... Rubens Leonardo Marin SECOVI / SP 11/05/2015 O problema:

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO,

Leia mais

WWW.MFRA.COM.BR. Apresentação

WWW.MFRA.COM.BR. Apresentação WWW.MFRA.COM.BR Apresentação 10 de outubro de 2014 ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA ÍNDICE Conceito e Aplicação: alienação fiduciária em garantia de bens móveis e imóveis Diferença entre Propriedade Fiduciária e Propriedade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 10 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.514, DE 20 DE NOVEMBRO DE 1997. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu Estatuto

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP.

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP. REVISÃO NO CONTRATO DE CONSUMO. EQUILIBRIO CONTRATUAL E A POSIÇÃO DO STJ. No atual cenário econômico brasileiro, aonde a oferta pelos bens de consumo alcança cada vez mais todas as classes, as instituições

Leia mais

O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR.

O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. BRUNO MATTOS E SILVA O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. BRUNO MATTOS E SILVA

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé.

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 15 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: Princípios: Boa fé Objetiva; Fases do Contrato: Formação

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL (razão social do devedor), com inscrição no CNPJ nº, devidamente representada por (nome e qualificação do representante), DECLARA, para os fins da RN

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALTER PINHEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2011, que altera o inciso III do art. 18 da Lei nº 4.380, de 21 de agosto de

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS Art. 2º da Lei 11.795/08: Consórcio é a reunião de pessoas naturais e jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida

Leia mais

Introdução Origem e Utilização

Introdução Origem e Utilização Precatórios Introdução Origem e Utilização PRECATÓRIOS: ORIGEM E UTILIZAÇÃO Descrição e Histórico Precatórios: são ordens judiciais de pagamento objeto de decisões finais proferidas contra entidades governamentais

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 1 REGULAMENTA O FUNDO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE ALTO BELA VISTA GERAINVEST, REVOGA DECRETO 1883 E DA OUTRAS PROVIDENCIAS O Prefeito Municipal de Alto Bela Vista, Estado de Santa Catarina, no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002.

RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. RESOLUÇÃO Nº 3.005 de 30 de julho de 2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005).

Contatos RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS. Conectando Oportunidades em Fusões & Aquisições LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS (LEI Nº 11.101, DE 09/02/2005). A nova legislação brasileira destinada às empresas em dificuldades econômico-financeiras. Lei de Recuperação de Empresas disciplina a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial. Aspectos legais.

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

Garantia Bancária Parte 02

Garantia Bancária Parte 02 Garantia Bancária Parte 02 Garantias Definição: As garantias tem com objetivo dar reforço a segurança nas operações de crédito. Durante uma operação de crédito as garantias deverão ser examinadas em conjunto

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO. Leonardo Almeida Magalhães

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO. Leonardo Almeida Magalhães PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO O impacto dos novos mecanismos de crédito imobiliário sobre as atividades de construção civil e

Leia mais

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt

O Novo Regime Jurídico dos Fundos de. investimento imobiliário em Angola. 15 de novembro de 2013. angola@vda.pt 15 de novembro de 2013 angola@vda.pt Foi publicado o Decreto Legislativo Presidencial n.º 7/13 ( Decreto 7/13 ) que veio consagrar o Regime Organismos de Coletivo ( OIC ) 1 e, entre estes, dos Imobiliário

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.514, DE 20 DE NOVEMBRO DE 1997. Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013

EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013 EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013 1. INTRODUÇÃO 1.1 A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO MINAS GERAIS, por seu Presidente, DR. LUÍS CLÁUDIO DA SILVA CHAVES, para conhecimento

Leia mais

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das obrigações; Introdução; Divisão patrimonial; Distinção entre os direitos reais e pessoais; Direitos mistos; Obrigações propter

Leia mais

LEILÃO EXTRAJUDICIAL BANCO PINE S/A.

LEILÃO EXTRAJUDICIAL BANCO PINE S/A. LEILÃO EXTRAJUDICIAL BANCO PINE S/A. O Leiloeiro Oficial José Valero Santos Júnior, matriculado na Junta Comercial do Estado de São Paulo sob o n.º 809, devidamente autorizado pelo proprietário BANCO PINE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 496, DE 19 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre o limite de endividamento de Municípios em operações de crédito destinadas

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

Congresso Regional de Direito Notarial e de Registro do Centro Oeste. dias 14, 15 e 16 de abril de 2011 Campo Grande Mato Grosso do Sul

Congresso Regional de Direito Notarial e de Registro do Centro Oeste. dias 14, 15 e 16 de abril de 2011 Campo Grande Mato Grosso do Sul 1 Congresso Regional de Direito Notarial e de Registro do Centro Oeste dias 14, 15 e 16 de abril de 2011 Campo Grande Mato Grosso do Sul O Registro de Imóveis e o Desenvolvimento da Nação Colegas notários,

Leia mais

OS DIREITOS DOS ADQUIRENTES DE IMÓVEIS NA PLANTA

OS DIREITOS DOS ADQUIRENTES DE IMÓVEIS NA PLANTA OS DIREITOS DOS ADQUIRENTES DE IMÓVEIS NA PLANTA Elaborado por Daniel Menegassi Reichel Advogado Fundador do Escritório de Advocacia Menegassi Reichel Advocacia Elaborado em 13/08/2013. Trabalho protegido

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONDIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOA FÍSICA Condições Gerais Abaixo estão as Condições Gerais do

Leia mais

Resumo. Responsabilidade civil (continuação):

Resumo. Responsabilidade civil (continuação): Resumo Responsabilidade civil (continuação): Responsabilidade civil: questões importantes a) Súmula 492, STF: A empresa locadora de veículos responde, civil e solidariamente com o locatário, pelos danos

Leia mais

Informativo sobre Feirão de imóveis

Informativo sobre Feirão de imóveis Informativo sobre Feirão de imóveis 2013 Realização: PROCON Campinas - DICAS DE AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS: 1- Pesquise o preço do imóvel Se for o caso, procure outros imóveis à venda no mesmo prédio, condomínio

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional.

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 12 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: Obrigações: V - Transmissão das Obrigações: 2. Assunção de Dívida. Contratos: Teoria Geral

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS

A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS Informe Jurídico - nº I - 2014 A indevida contribuição de 10% sobre o FGTS De acordo com o artigo 1º da Lei Complementar nº 110, de 29 de junho de 2001, em caso de demissão de empregado sem justa causa,

Leia mais