ESTUDO SOBRE A GESTÃO TERRITORIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DA JUNÇÃO: ESTADO, CAPITAL IMOBILIÁRIO E FINANCEIRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE A GESTÃO TERRITORIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DA JUNÇÃO: ESTADO, CAPITAL IMOBILIÁRIO E FINANCEIRO."

Transcrição

1 ESTUDO SOBRE A GESTÃO TERRITORIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DA JUNÇÃO: ESTADO, CAPITAL IMOBILIÁRIO E FINANCEIRO. Nicolau Martins Graduado em geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. INTRODUÇÃO A expressiva valorização imobiliária que vem ocorrendo ao longo da última década na cidade do Rio de Janeiro, nos remete a uma série de questionamentos acerca de como tem sido afetada a população residente na cidade, bem como abre espaços para questionamentos sobre as causas desta valorização tão expressiva em tão curto espaço de tempo. Uma das questões que vem sendo estudada para explicar tal fenômeno tem sido a de que a origem do forte crescimento dos preços dos imóveis seria decorrente de uma crise financeira, onde o capital estaria se deslocando de outros setores da economia para o setor imobiliário, buscando um setor de investimento mais seguro para o excedente de capital. Segundo Harvey a urbanização proporciona um caminho para resolver o problema do capital excedente (HARVEY, 2009, p. 10). Neste sentido, não só a urbanização de um determinado espaço geográfico seria uma espécie de solução para crises de superacumulação, como seria também a valorização (e em muitos casos a especulação imobiliária) uma espécie de escape ao grande capital em crise. Ou seja, os investimentos na construção e compra de imóveis agiria no sentido de permitir ao capital uma espécie de investimento mais seguro, em comparação a outros investimentos tais

2 como: bolsa de valores, mercados de títulos públicos ou o mercado de câmbio e proporcionaria uma solução para crises de sobreacumulação de capital. OBJETIVOS Os objetivos deste trabalho é tentar identificar como o processo de desregulamentação e crise financeira tem influenciado ou não na alta dos preços dos imóveis no Rio de Janeiro e, além disso, identificar quais são os agentes principais que contribuem para a alta dos preços desses imóveis e como isso tem repercutido no território da cidade. METODOLOGIA A metodologia empregada neste trabalho se consiste em um levantamento bibliográfico relacionado ao tema da gestão do território urbano, bem como pesquisa sobre diversos veículos de informações acerca do processo de especulação imobiliária que vem ocorrendo na cidade do Rio de Janeiro. ESTÁGIO DA PESQUISA Este trabalho é fruto da continuação da pesquisa feita para o trabalho de conclusão de curso e ainda se encontra em desenvolvimento principalmente no que se refere à participação do sistema financeiro no processo de especulação imobiliária e gestão (mesmo que indireta) do território da cidade. DESREGULAMENTAÇÃO ECONÔMICA E MIGRAÇÃO DO CAPITAL PARA O SETOR FINANCEIRO Para explicar o processo de migração do capital produtivo para o setor financeiro, é necessário voltarmos às origens do processo de desregulamentação do capital que teve como símbolo histórico a ascensão ao poder de Ronald Reagan ( ) nos EUA e Margareth Thatcher ( ) no Reino Unido e os seus projetos econômicos baseados na teoria neoliberal. Esses governos em conjunto com os seus sucessores nos anos 1990 e 2000 e

3 juntamente com a criação do consenso de Washington 1 possibilitaram que houvesse uma desregulamentação do setor bancário que acabou gerando um processo de especulação financeira intensa que veio a desencadear anos depois numa crise do setor imobiliário nos EUA, que repercutiu no mundo todo. É evidente que a crise de 2008 não foi causada diretamente pelos governos de Thatcher e Reagan, mas foram as suas políticas econômicas baseadas na diminuição por parte dos governos no controle dos bancos que possibilitaram essa crise. A crise foi gerada por inúmeros fatores, mas alguns deles se destacam como o não controle do governo americano sobre os empréstimos de risco, também chamados de subprime ARIENTI (2010, p.16) que possibilitaram que um número expressivo de pessoas adquirissem imóveis sem, no entanto terem condições de pagar pelos empréstimos, ou então a negligência do federal reserve em fiscalizar os níveis de alavancagem dos bancos americanos PEREIRA (2009). O resultado de todo este processo foi uma grave crise econômica causada pela insolvência de uma parcela significativa de pessoas que haviam pegado empréstimos em bancos que ofereceram dinheiro a juros baixos e com poucas garantias, além do alastramento desta crise para outras instituições financeiras em decorrência da venda dos papéis (também chamados de derivativos) que tinham sua rentabilidade atrelada ao pagamento dos juros dos empréstimos concedidos para a venda de imóveis, FILHO (2008). Com o não pagamento dos empréstimos, esses bancos se viram a beira da bancarrota e iniciou-se uma grave crise de confiança em alguns bancos que até então eram vistos como sinônimos de solidez e credibilidade, tais como o Lehman Brothes (pediu concordata em 2008) e/ou o Bank of America (recebeu empréstimos do governo americano para não falir). Esta crise se espalhou pelo restante do mundo e afetou de forma bastante significativa à economia de diversos países, especialmente os países mais ricos situados na Europa Ocidental. Isto se deu por conta dos inúmeros bancos europeus que possuíam derivativos 1 O consenso de Washington previa entre outras coisas a redução dos gastos públicos, abertura comercial, privatização de empresas estatais, desregulamentação das leis trabalhistas e econômicas.

4 emitidos por bancos norte americanos que eram ancorados nos empréstimos concedidos a pessoas com capacidade de pagamentos duvidosos. Como resultado, os bancos europeus que haviam comprado esses derivativos passaram a não receber o que haviam esperado por conta do não pagamento dos empréstimos imobiliários o que acabou gerando uma crise de confiança nas instituições financeiras tanto dos EUA como também das instituições financeiras europeias. Com a desconfiança gerada por esta crise, os clientes dos bancos passaram a retirar o seu dinheiro dessas instituições financeiras, o que acabou por piorar ainda mais a já precária situação financeira desses bancos. Como resultado houve uma expressiva queda no valor das ações dessas instituições financeiras que acabaram por pedir socorro aos governos dos países centrais que tiveram de arcar com boa parte das despesas para evitar um colapso no sistema financeiro mundial. Portanto o que temos observado é que esta crise é fruto de uma política econômica que busca a estabilidade fiscal a qualquer custo, mesmo que para isso comprometa o crescimento da economia e a consequente criação de empregos, onde o capital financeiro-especulativo tem prioridade absoluta SAMPAIO (2013), restando para a população em geral muito pouco dos investimentos tão necessários nas melhorias das condições sociais. A consequência deste processo de priorizar o capital financeiro tem sido observada pelo mundo todo, onde temos constatado uma deterioração das condições sociais como: o aumento do desemprego, a diminuição dos gastos públicos em saúde, educação entre outros, além do aumento do número de simpatizantes a teorias políticas radicais como o neonazismo e o xenofobismo exarcebado que vem aumentando as suas participações no cenário político, muito em consequência da piora das condições sociais pelo mundo, especialmente no continente europeu. As consequências deste processo de desregulamentação financeira são conhecidas e servem como um alerta para os demais países do mundo acerca dos perigos que podem ocasionar um processo de não intervenção estatal no setor bancário e também no setor imobiliário.

5 A ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO BRASIL Para começarmos a falar sobre o processo de especulação imobiliária no Brasil, é necessário definirmos o que é especificamente especulação imobiliária. Segundo CAMPOS FILHO (2001, P.48) a especulação imobiliária é: Uma forma pela qual os proprietários de terra recebem uma renda transferida dos outros setores produtivos da economia, especialmente através de investimentos públicos na infraestrutura e serviços urbanos. Essa definição nos ajuda a entender como o espaço urbano tem sido apropriado pelo capital privado e como isso tem sido observado cotidianamente na cidade do Rio de Janeiro. O que tem diferenciado esse processo dos demais períodos de especulação imobiliária na cidade é como os projetos são desenvolvidos pelo Estado com o intuito claro de beneficiar o processo de especulação imobiliária. Os exemplos dessa postura por parte do Estado são inúmeros, podendo se destacados entre outros o intenso investimento feito na região da Barra da Tijuca (área conhecida de especulação imobiliária) ou então o projeto de revitalização da zona portuária do Rio de Janeiro que é quase todo conduzido por um consórcio de empreiteiras e que tem contribuído para o significativo aumento dos preços dos imóveis na região. Mais apesar de todos esses fatos conhecidos, o Brasil vem passando nos últimos anos por um processo de aumento expressivo do valor dos imóveis que vem chamando a atenção de alguns economistas e estudiosos das áreas sociais devido aos já conhecidos efeitos negativos para a economia de países que já passaram por esta experiência de valorização intensa no preço das habitações. A recente valorização dos preços do setor imobiliário no Brasil se deve a alguns fatores tais como: a ampliação do crédito, o aumento da renda, entre outros fatores. Mais só estes elementos não são suficientes para explicar todo o processo de aumento nos preços dos imóveis. Tem-se observado nos últimos 10 anos, um aumento significativo da participação de empresas e investidores estrangeiros na compra e construção de novos empreendimentos imobiliários no país. Essa participação pode ser observada pelo total de investimentos feitos

6 neste setor por empresas estrangeiras que somaram em 2012 a quantia de US$ 3,6 bilhões LOTURCO (2013), o que demonstra o grande interesse que este setor vem alcançando junto aos investidores estrangeiros. Essas expressivas somas nos levam a refletir sobre a natureza desta valorização imobiliária no Brasil, especialmente nos grandes centros urbanos como o Rio de Janeiro e São Paulo. Alguns questionamentos começam a ser feitos sobre as reais causas destes aumentos nos preços das casas e apartamentos. Seria a recente valorização imobiliária fruto de um aumento real da renda com o consequente aumento da demanda para a compra de imóveis para moradia (tendo em vista o déficit habitacional no Brasil)? Ou esta valorização seria fruto de um processo especulativo do capital em busca de investimentos alternativos pós-crise financeira. Para começarmos a responder estas indagações, temos que observar a variação do crescimento médio real da renda do brasileiro, que segundo o IPEA (2010) foi de aproximadamente 17,1 % entre os anos de 2004 e Enquanto isso a valorização média dos preços dos imóveis na cidade de São Paulo, por exemplo, havia crescido 59 % PETRUCCI (2010) no mesmo período. Isto demonstra que somente a valorização da renda do brasileiro não consegue explicar o crescimento no valor da habitação no Brasil, especialmente nas grandes metrópoles. Sendo assim, a valorização imobiliária nas grandes regiões metropolitanas do Brasil, não se explica tão somente pelo aumento da renda da população, mas também pelo crescimento dos investimentos estrangeiros no setor de imóveis no Brasil, especialmente no Rio de Janeiro SERRA (2012). Este crescimento expressivo no preço desses imóveis vem causando certa apreensão entre alguns economistas que veem a alta dos preços dos imóveis como uma bolha imobiliária. O ESPAÇO URBANO CARIOCA

7 Como resultado de todo este crescimento no preço dos imóveis, temos observado que tornar-se cada vez mais difícil que as camadas mais pobres da população residentes no Rio de janeiro tenham acesso à compra de moradias dignas ou mesmo a possibilidade de alugarem estes imóveis. Isso tem afetado de forma bastante significativa à questão sócio-espacial no meio urbano, onde temos observado um processo de elitização de algumas áreas da cidade, notadamente as de expansão imobiliária devido ao crescimento dos preços das moradias. Exemplos de algumas áreas da cidade, onde este fenômeno tem sido observado com maiores destaques são: a Barra da Tijuca e o seu contínuo e crescente processo de especulação imobiliária que teve nos últimos anos uma ajuda extra, muito em decorrência da concentração das construções e instalações que serão utilizadas nos jogos olímpicos nesta região da cidade. Outras áreas também contempladas com projetos relacionados aos grandes eventos (copa do mundo e olimpíadas) foram às regiões da Tijuca e a zona sul da cidade do Rio de Janeiro que receberam alguns dos investimentos relacionados aos grandes eventos. Além desses investimentos, essas regiões também sofreram intervenções estatais no âmbito da segurança pública, com a instalação das chamadas UPPs (Unidades de polícia pacificadora) que tem por objetivo, (pelo menos no discurso governamental) a pacificação dessas áreas por meio da retomada do território das favelas cariocas por parte do Estado. Ao menos no objetivo a intenção parecesse bastante razoável. Mas o que não tem sido exposto á população é que as UPPS tem servido também como um importante instrumento utilizado pelas empresas ligadas ao setor imobiliário como algo que valoriza o território no entorno destas UPPS, em decorrência de uma suposta diminuição da violência na região. Esta valorização nos preços dos imóveis vem acarretando que um número crescente de cidadãos de baixa renda tenha que se deslocar para locais cada vez mais longínquos da região central da cidade em busca de moradias e condições de vida mais acessíveis, onde a oferta de empregos é mais escassa e os sistemas de transportes são deficitários, o que acaba dificultando que estas pessoas possam buscar empregos com maior remuneração que geralmente se encontram na região central da cidade. Desta forma, o território da cidade se mantém desigual a nível sócio econômico, onde as camadas mais pobres da população se

8 veem obrigadas a se deslocarem para áreas mais longínquas da cidade, ou mesmo para outros municípios da região metropolitana. Este fenômeno social acaba por exemplificar como o território é um espaço socialmente produzido (Santos, 2000), e um conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas de ações, suscetível de ser governado, ordenado e administrado TAMAYO (2012, p.74) onde o Estado tem um papel fundamental no planejamento e ocupação/gestão deste território. No caso da cidade do Rio de Janeiro, o território vem sendo historicamente planejado e organizado visando atender aos interesses privados, notadamente aos setores ligados a construção e venda de imóveis. É importante salientar, no entanto que ao contrário que se apregoam no sistema neoliberal onde o Estado deveria suprimir as suas funções e passar a exercer uma função secundária na economia não têm sido observados no caso da cidade do Rio de Janeiro. O que temos acompanhado é uma corrupção das prioridades, que deixaram de ser o bem comum e passaram e/ou permaneceram a ser a reprodução do capital, onde a cidade é vista não mais como espaço de convívio social, mas sim uma mera mercadoria. Ou seja, o que temos observado hoje é o que KOWARICK (1993) chama de espoliação urbana onde cada vez mais a uma apropriação dos recursos e território da cidade dentro de uma lógica e de um discurso neoliberal (MARICATO, ARANTES, VAINER, 2011) que priorizam apenas alguns setores econômicos presentes na cidade. O resultado desta priorização quase que absoluta por parte do Estado, em favorecer e facilitar a privatização de enormes áreas da cidade por parte das grandes empreiteiras pode ser visto em praticamente todo o território da cidade. Ou seja, a enorme exclusão socioespacial é explicitada visualmente por meio das enormes aglomerações de submoradias também conhecidas como favelas. RESULTADOS PRELIMINARES

9 Os resultados deste trabalho têm apontado que a grande valorização imobiliária que vem ocorrendo na cidade do Rio de Janeiro é fruto de uma união política e econômica entre o Estado brasileiro e a iniciativa privada notadamente o setor imobiliário e financeiro que vem utilizando a cidade como meio de investimentos alternativos a sobreacumulação de capital e fazendo do território da cidade um espaço de maior reprodução de capital, onde o Estado investe nas áreas de interesse do capital imobiliário. As consequenciais sociais desse processo tem sido a expulsão de grandes contingentes populacionais das áreas de interesse do capital para áreas mais distantes da região central fazendo com que haja cada vez mais uma separação entre pessoas de alta renda e outras com baixa renda reafirmando assim a ideia de espaço dividido de Milton Santos (2004).

10 BIBLIOGRAFIA ARENTI, P. F. F. Instabilidade, desregulamentação financeira e a crise do sistema financeiro atual. Cadernos Cedec, São Paulo, Nov CAMPOS FILHO, C. M. Cidades brasileiras: seu controle ou caos. 4 edição. São Paulo. Studio Nobel, FILHO, E. T. T. Analisando a crise do subprime. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 15, n.30, p , Dez HARVEY, D. A liberdade da cidade. GEOUSP. Espaço e Tempo, São Paulo, n 26, pp , IPEA. Renda média do trabalhador aumentou no país. Disponível em KOWARICK, L. A espoliação urbana. Editora Paz e Terra. São Paulo. 2 ed LOTURCO, R. Imóveis: Investidores estrangeiros ampliam apostas no Brasil. Valor econômico, 29/maio/2013. MARICATO, E. ARANTES, O. VAINER, C. A cidade do pensamento único. Petrópolis. Ed. Vozes, 2011 PEREIRA, L. C. B. A crise financeira de Revista de economia política. Vol. 29, n 1. São Paulo, jan/ mar PETRUCCI, C. Balanço do mercado imobiliário, A década da retomada. Secovi - SP, SÃO PAULO

11 SAMPAIO, P. A. Os problemas acumulados começaram a vir à tona. Instituto Humanista Unisinos. São Leopoldo, RS SANTOS, M. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. São Paulo. Edusp O espaço dividido. São Paulo. Edusp SERRA, M. Crescem os investimentos estrangeiros no Rio. Portal PUC- Rio, 13/06/2012. TAMAYO, A. L. G. Formación ciudadana en Iberoamérica: La apuesta desde las ciências de la educación, las ciências políticas y el enfoque crítico de la geografia. São Paulo. Terra livre- n 38 (1):

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Os 10 bairros onde o aluguel mais subiu no Rio de Janeiro.

Os 10 bairros onde o aluguel mais subiu no Rio de Janeiro. CDURP Tópico: Porto Maravilha 09/08/2012 Exame.com - SP Editoria: Economia Pg: 07:00:00 Os 10 bairros onde o aluguel mais subiu no Rio de Janeiro. Priscila Yazbek Veja quais foram os bairros que tiveram

Leia mais

A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL

A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL SITUAÇÃO ECONÔMICA Em que pé nós estamos? Maturidade e crescimento Início da crise Bolha imobiliária Copa do Mundo Eleição

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP.

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP. Felipe Comitre Silvia Aparecida Guarniéri Ortigoza Universidade Estadual Paulista UNESP Rio Claro fcomitre@rc.unesp.br As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011. Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011

Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011. Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011 Balanço do Mercado Imobiliário - Primeiro Semestre 2011 Mercado de Imóveis Novos Residenciais no Primeiro Semestre 2011 1 DIRETORIA Presidente João Crestana Economista-chefe Celso Petrucci Mercado de Imóveis

Leia mais

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Las Vegas - EUA Barro Recife/PE Qual é o imóvel mais caro? Fonte: Blog

Leia mais

O estágio atual da crise do capitalismo

O estágio atual da crise do capitalismo O estágio atual da crise do capitalismo II Seminário de Estudos Avançados PC do B Prof. Dr. Paulo Balanco Faculdade de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia Universidade Federal da Bahia São Paulo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008

AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008 AVALIAÇÃO DE ALGUMAS MODALIDADES DE INVESTIMENTO, CONSIDERANDO A CRISE DE 2008 CAVALHEIRO, Everton Anger 1 ; FERREIRA, Juliana 2 ; CUNHA, Carlos Frederico de Oliveira 3 ; CORRÊA, Jose Carlos Severo 4 ;

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA.

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Brasília, 10 de Janeiro de 2013 NOTA À IMPRENSA 2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice de preços imobiliários verifica a existência de

Leia mais

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA

CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA 170 CRISE NORTE-AMERICANA: UM MODELO EXPLICATIVO DE SUA CAUSA GALLE, Juliano M. 1 CAVALI, Roberto 2 SANTOS, Elaine de O. 3 Resumo: A crise financeira que surgiu nos EUA tem afetado o mercado financeiro

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008

Imagem 1 Imagem 2. Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./ Imagem 2 Le Monde Diplomatique ano 2, nº16 novembro de 2008 Nome: Nº: Turma: Geografia 3º ano Gabarito - Prova Augusto Mar/10 1. Observe as imagens abaixo e faça o que se pede: Imagem 1 Imagem 2 Fontes: Imagem 1 ROBIN, M. - 100 fotos do século, Evergreen, 1999./

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

Subtítulo da Apresentação

Subtítulo da Apresentação Subtítulo da Apresentação MOTIVAÇÃO METODOLOGIA 15 cidades analisadas Análise do valor médio dos imóveis cadastrados no VivaReal 15 cidades + 1,8 mi Maior Base de imóveis entre os portais Análise de Intenção

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto ESA@EUROPE Escola Secundária De Arouca Ana Tavares Lara Pereira José Gomes Armindo Fernandes Dezembro de 2011 COMO TUDO COMEÇOU

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL 1 -- SISTEMA FINANCEIRO E SEUS COMPONENTES BÁSICOS: >> Sistema financeiro = é formado pelo conjunto de mercados e instituições que servem para relacionar poupadores

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Estados Unidos: a polêmica em torno do financiamento do governo federal que beneficia as IES com fins lucrativos e aumenta o endividamento dos estudantes Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 No

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG. Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz

1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG. Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz 1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz Tendências do Mercado Imobiliário a partir do Índice de Evolução dos Preços do Mercado Imobiliário IEPMI-H

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Clipping Vendas de construção caem 4%

Clipping Vendas de construção caem 4% Vendas de construção caem 4% 4221866 - DCI - SERVIÇOS - SÃO PAULO - SP - 10/03/2014 - Pág A9 As vendas do varejo de material de construção caíram 4% em fevereiro. A informação é do estudo mensal realizado

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh

Gestão dos Negócios. Desempenho da Economia. Consumo de Energia Elétrica GWh Desempenho da Economia Em 2005, o PIB do Brasil teve crescimento de 2,6 %, segundo estimativas do Banco Central. A taxa de desemprego registrou leve recuo, cedendo de 10,2 % em janeiro/05 para 9,6 % em

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE

Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Óticas para o Desenho, Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas CHAMADA PARA DEBATE TEXTOS PARA DISCUSSÃO Óticas para o Desenho, Monitoramento

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia História Universidade Federal de Uberlândia 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 A) O candidato deverá argumentar acerca de fatores relacionados, direta e indiretamente, com o impacto do sistema

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos:

Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos: Gunther Calvente Grineberg Maio 2011 Mercado Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos: Alguém conhece

Leia mais

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito

Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito Perguntas realizadas na apresentação do Fundo Garantidor de Crédito - O que significa DPEG? - O que é DPGE 1 e 2? Quais suas finalidades? Qual a diferença para o FGC? DPGEs são títulos de renda fixa representativos

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA AGOSTO/01 Nº 57 O Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Ao longo da década de 90, o volume de recursos do BNDES destinados ao

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: A APROPRIAÇÃO DA PLANICIE DE INUNDAÇÃO DO RIO MARANGUAPINHO EM FORTALEZA-CEARÁ. Denis Melo da Silva Universidade Estadual do Ceará UECE. Bolsista do Programa de Educação Tutorial

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO

EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO EVASÃO ESCOLAR EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA A PARTIR DA VIVÊNCIA NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO Everton Pereira da Silva Departamento de Geografia

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Crise Atual: Papel e Mercado de Trabalho do Economista

Crise Atual: Papel e Mercado de Trabalho do Economista Crise Atual: Papel e Mercado de Trabalho do Economista César Rissete Economista Maringá,, Abril de 2009. Crises fazem parte do Sistema, mas não são todas iguais... Ignorar Especificidades levam a Subestimação

Leia mais