SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01"

Transcrição

1

2

3

4

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01 Capítulo I GLOBALIZAÇÃO E CRISE FINANCEIRA Hegemonia financeira, exacerbação das crises e ortodoxia econômica Minsky e a hipótese da fragilidade financeira Marx, crédito, capital fictício e crise Globalização financeira: etapa superior do capitalismo?...17 Capítulo II RAÍZES DA CRISE FINANCEIRA DOS DERIVATIVOS SUBPRIME O retorno das crises financeiras O crédito imobiliário e o ciclo da construção A evolução do sistema financeiro habitacional dos Estados Unidos até a crise dos Saving & Loan O desenvolvimento do mercado de hipotecas securitizadas O ciclo da construção e a bolha financeira A reversão do ciclo e o estouro da bolha As raízes da crise...48 Capítulo III OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO Os primeiros sinais da crise Explode a bolha do subprime Da crise do subprime ao pânico global Do Plano Paulson ao Plano Brown O mergulho na recessão dias de pânico Mergulhando na Grande Depressão de 2009? Capítulo IV BRASIL: DA MAROLINHA AO TSUNAMI? O despertar tardio A intervenção do Banco Central Sinais do tsunami Enfrentando a crise Chega o Tsunami? Capítulo V O OCASO DA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA? REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AUTORES...170

6

7 INTRODUÇÃO Este trabalho foi desenvolvido durante e no calor do avanço e desdobramentos da atual crise econômica mundial, considerada oficialmente instalada no cenário internacional em agosto de Teve início com a preocupação de avaliar como o Banco Central norte-americano, o FED, e outros bancos centrais, principalmente dos países desenvolvidos, se comportariam e de que instrumentos lançariam mão para debelar ou reverter uma crise que, desde os seus primeiros sinais, em 2007, foi diagnosticada como um problema restrito às instituições que haviam se envolvido com créditos hipotecários de alto risco (subprime), o que, acreditava-se, uma boa injeção de liquidez, combinada com um movimento de redução dos juros, seria mais do que suficiente para corrigir. Este foi o caminho inicial seguido pelo FED e outros bancos centrais, mas não deu certo: a crise ignorou essas iniciativas, continuou avançando e conduzindo o sistema financeiro para uma situação de completo derretimento e a economia real para uma profunda e prolongada recessão. Tal diagnóstico, que se revelou equivocado, deve-se, em boa medida, ao próprio desconhecimento pelas autoridades governamentais da extensa e interconectada rede financeira que se formou, em escala global, especialmente a partir da década de 1990, e de seu poder de multiplicação, via alavancagem, das aplicações financeiras dos investidores que ingressaram nesse circuito. Este movimento terminou criando e alimentando bolhas em determinados ativos, sobretudo no de habitação, por meio da expansão desmesurada do crédito e do efeito-riqueza, incapazes de se sustentarem no tempo. No caso específico dessa crise, além da base restrita em que ocorreu essa multiplicação, garantindo lucros fabulosos para os especuladores e bons anos de crescimento para a economia mundial, essa base se encontrava contaminada por ativos podres (os créditos hipotecários subprime), os quais, fatiados e mesclados com créditos de boa qualidade (prime), foram securitizados, vendidos a e multiplicados por toda a rede financeira mundial, com o aval das agências de rating, responsáveis por avaliar o grau dos riscos envolvidos nos investimentos do sistema. Quando a base ruiu, com a queda do preço dos imóveis e a inadimplência dos mutuários aumentou progressivamente, abalando a pirâmide especulativa, as instituições financeiras viram-se descapitalizadas, dado o seu SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 1

8 grau de alavancagem, para pagar a seus credores, tornando-se insolventes. Em efeito dominó, as primeiras que começaram a cair arrastaram as demais enredadas nessa teia, instalando a desconfiança no mercado, o que levou à interrupção do crédito interbancário e à fuga do restante do sistema bancário para o colchão da liquidez, aprisionando a economia no que é conhecido como armadilha da liquidez. Neste quadro, meras injeções de recursos no sistema tornam-se infrutíferas, porque, imperando a desconfiança sobre a capacidade de pagamento dos que mais precisam de recursos para cobrir posições, o dinheiro não flui, empoçando-se nos caixas dos que se encontram em melhor posição e em aplicações seguras em títulos da dívida pública. Se o crédito, oxigênio da produção, dos investimentos e do consumo, deixa de fluir e lubrificar esses circuitos, a economia real perde forças e vai sendo empurrada, inexoravelmente, para a recessão. Foi o que terminou acontecendo, apesar da mudança tardia que se verificou, com as mudanças de diagnóstico sobre a sua natureza e na trajetória da política econômica, na composição dos remédios prescritos para combatê-la, aos quais foram acrescentadas iniciativas voltadas para a recapitalização dos bancos e pacotes de estímulo à economia, nos moldes keynesianos, quando a recessão se tornou uma realidade. A essa altura, os germes da crise já haviam se fortalecido e seus estragos ainda se encontravam e se encontram enquanto este trabalho estava sendo elaborado em curso, não mais restando dúvidas de que será longa e profunda até que tenha início um novo período de recuperação. Como toda crise, essa deixa uma série de lições que, certamente serão rebatidas com novos argumentos e esquecidas pelos ardorosos defensores das virtudes do mercado tão logo seja superada. A primeira refere-se à fantasia, que integra o arcabouço teórico da ortodoxia, sobre a capacidade de auto-regulação, da eficiência e do equilíbrio dos mercados: princípios e dogmas por ela construídos, como os de risco moral (moral hazard), equilíbrio orçamentário e condições de sustentabilidade da dívida, para conter os excessos e desperdícios do Estado e manter as condições para o equilíbrio dos mercados, caíram por terra para que este pudesse tanto atender os seguidos pedidos de bailouts do setor financeiro, evitando seu derretimento, quanto para salvar o sistema da derrocada. Uma evidência de que o mercado, mais uma vez na história do capitalismo e já foram tantas! sempre que procurou caminhar por suas próprias pernas, dispensando a 2

9 ajuda do Estado, encontrou dificuldades para sua reprodução pelo excesso de pecados capitais que comete na busca desenfreada pelo lucro. A segunda, de que a crise, novamente gerada pelo excesso de criação de riqueza financeira em relação à real e no caso atual numa amplitude inusitada vis-à-vis as anteriores e disseminada pelo mundo globalizado - costuma cobrar um preço cada vez mais alto para sua solução: além de não recuar enquanto não for liquidado o excesso de papéis podres e do capital fictício que a alimenta e ainda hoje se desconhece sua dimensão deve propiciar, quando isso ocorrer, uma recuperação lenta da atividade econômica a um nível bem mais reduzido de crescimento, com todas implicações que isso representa para o desemprego, as tensões e a exclusão social e para a própria reprodução do sistema. A terceira, a de que os governos, em geral, devem dela sair altamente fragilizados financeiramente, devido aos colossais déficits em que vêm incorrendo e ao aumento espetacular de suas dívidas, não para redistribuir a riqueza para as camadas menos favorecidas o que representa uma heresia para a ortodoxia -, mas para salvar o mercado de seus desvarios, socializando mais uma vez os prejuízos. Esse enfraquecimento financeiro dos Estados deverá, com certeza, limitar sua ação pró-ativa em prol de uma recuperação mais rápida, já que terão de se submeter a ajustes mais severos em suas finanças, tornando mais difícil sua contribuição para estimular a atividade econômica. Todas essas questões se encontram discutidas neste trabalho. Para tanto, além dessa introdução, ele está organizado em cinco capítulos. No primeiro, apresenta e problematiza as visões de diversas correntes teóricas sobre a origem, a natureza e conseqüências das crises financeiras do capitalismo, procurando mostrar que, recorrentes, seu grau de amplitude e velocidade têm aumentado no tempo e tornado cada vez mais problemático definir e ajustar instrumentos eficientes para combatê-la, o que pode estar indicando que, em algum momento, o sistema poderá caminhar para o desmoronamento. O segundo discute as origens da crise dos créditos hipotecários, que a deflagrou, e a rede financeira especulativa que se formou especialmente a partir da década de 1990 e que se valeu desses papéis tóxicos para multiplicar, num capitalismo desregulado, a riqueza financeira fictícia, cujo edifício desabou com a queda dos preços dos imóveis a base que sustentava essa pirâmide e o aumento da inadimplência dos mutuários, causando perdas SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 3

10 trilionárias do crédito para as instituições com ele envolvidas e conduzindo o sistema para uma situação de derretimento. O terceiro, acompanha a evolução da crise desde os seus primeiros sinais, avaliando o pânico que foi se instalando no mercado e a reação e medidas que foram sendo adotadas pelos distintos governos para combatêla, alternando injeção de pacotes de liquidez na economia, com iniciativas de recapitalização dos bancos e de estímulo à atividade econômica, mas sem conseguirem alterar seu rumo, apesar do esforço e da montanha de dinheiro despendido do contribuinte. O quarto avalia seus impactos na economia brasileira, que vinha, no embalo do crescimento da economia mundial no período , colhendo frutos importantes para consolidar seus fundamentos e candidatarse a ingressar no paraíso do crescimento sustentado, mesmo que seguindo fielmente o receituário da cartilha neoliberal. Com o enfraquecimento das forças que atuavam como mola propulsora dessa condição, o país foi vendo, gradativamente sendo minadas, as bases que a sustentavam, e colocada, em xeque, a arrogante competência da política econômica interna, apegada à crença de que conseguira, por moto próprio, corrigir os problemas do país e torná-lo imune às crises externas. Tal como se verificou no resto do mundo, o Brasil, atingido principalmente pela exaustão do crédito e pela desconfiança dos investidores no sistema, começaria a rumar novamente, numa velocidade de cruzeiro, para uma situação de baixo crescimento, que marcou o período de , ou mesmo para uma recessão. No quinto, são feitas considerações procurando compreender os resultados da crise para a ordem econômica estabelecida e para o funcionamento do sistema capitalista, à luz das grandes perdas sofridas pelo capital financeiro, das políticas econômicas que vêm sendo implementadas para combatêla, mas que têm se mostrado ineficientes para essa finalidade, e da adoção de medidas que, apesar de conflitarem com o pensamento econômico dominante, passaram gradativamente a ser vistas como necessárias para salvar o sistema da depressão e evitar sua derrocada, casos mais específicos do processo de estatização do sistema bancário e de participações acionárias em empresas do setor produtivo. Ao término deste trabalho, passados seis meses após a quebra do Lehman Brothers, a crise ainda caminhava fazendo estragos e, ao contrário de seus momentos iniciais, já se formara o consenso de que ela não somente seria profunda, mas que viera para ficar por um bom tempo. 4

11 CAPÍTULO I GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E CRISE 1. Hegemonia Financeira, Exacerbação das Crises e Ortodoxia Econômica Desde o estouro das bolhas das empresas Mares do Sul, em Londres, e Mississipi, em Paris, respectivamente em 1719 e 1720, a economia capitalista já atravessou algumas centenas de crises financeiras, muitas das quais desembocaram, como promete a atual, em contrações econômicas de grande profundidade. Tendo se tornado fenômeno mais ou menos decenal a partir de 1825, as crises financeiras praticamente desapareceram no pós-guerra, até que o credit crunch dos Estados Unidos 1, em 1966, demonstrou que o manejo de políticas keynesianas não havia resultado na superação do fenômeno, como muitos chegaram a sustentar. Desde então, as crises financeiras têm se exacerbado, aumentando sua freqüência e profundidade, tendo sido registradas, desde 1970, 124 crises bancárias sistêmicas, 208 crises cambiais e 63 episódios de não-pagamento de dívida soberana (Assessoria Técnica da Presidência da República, 2009, p. 2). Apesar de seguirem determinado padrão comum, de modo que se [o]s detalhes proliferam-se, a estrutura permanece (Kindleberger, 1989, p. 40), ainda assim cada crise financeira é única, produto de um conjunto único de circunstâncias (idem, p. 29), cabendo ao estudioso descrevê-lo, apontando as causas particulares da crise sob exame 2. Além disso, embora as crises financeiras geralmente estejam associadas com os ápices dos ciclos econômicos, nem todas conduzem a economia à recessão (idem, p. 19), sendo, pois, necessário discriminar as circunstâncias particulares que, num processo expansivo, geram as condições para a emergência das crises financeiras, assim como aquelas que fazem com que redundem em contrações reais. 1 Define-se como credit crunch, credit squeeze ou ainda crise de crédito, à redução dramática da oferta de crédito, geralmente acompanhada de recessão e, em muitos casos, de problemas de liquidez ou solvência nas instituições financeiras. 2 Nas palavras de Minsky (1982, p. 4), certamente que em seus detalhes, cada crise de deflação de dívida é única. SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 5

12 No caso da crise internacional gerada a partir da bolha das hipotecas subprime, é possível encontrar entre os seus analistas várias explicações sobre as suas origens. Não poucos têm atribuído essa responsabilidade às baixas taxas de juros que foram mantidas pelo Federal Reserve (Fed) para reanimar a economia, após o estouro da bolha da internet, em 2000, e dos ataques terroristas ao WTC, em 2001, o que teria levado à formação da bolha. Outros têm destacado a fraqueza do sistema de regulamentação do sistema financeiro, especialmente a partir da década de 1990, que teria possibilitado um grande crescimento do sistema bancário paralelo, desregulamentado, que conseguiu produzir, por meio de seu poder de alavancagem e da criação de novos e sofisticados produtos financeiros, uma expansão da liquidez e do crédito muito acima da capacidade da economia de gerar riqueza real. Este desequilíbrio teria se tornado insustentável quando ruíram as bases dessa equação, com a queda do preço dos imóveis residenciais e o aumento progressivo da inadimplência no ramo das hipotecas. Apesar de tratar-se de causas aparentes que ajudam no entendimento da crise, elas não dão conta das suas razões profundas, que, articulando essas causas particulares num processo complexo, devem ser buscadas na crescente especulação financeira resultante da etapa de globalização financeira do capitalismo, fenômeno que tem se manifestado desde o final da década de 1970 frente ao declínio relativo da taxa de lucro no período recente. Em um contexto de crescimento lento em relação ao montante de capitais que buscam se valorizar em aplicações, é inevitável que crises graves estourem sob a forma de crises financeiras que se podem atribuir unicamente à especulação ou a uma instabilidade sistêmica congênita (Chesnay, 2004b, p. 62-3). 3 Entende-se por especulação financeira o processo de compra/venda de ativos financeiros títulos de crédito e direitos de propriedade sobre os rendimentos do capital produtivo e a celebração de contratos financeiros com vistas a se obter ganhos com mudanças esperadas dos preços ou rendimentos desses ativos. Invariavelmente, está associada à acumulação de riqueza financeira, cuja lógica, ao se desconectar das suas bases reais, torna inevitáveis os ajustes na forma de crises mais ou menos violentas. 4 3 Segundo Foster e Magdoff (2009, p. 19), nessa etapa a demanda na economia passou a ser estimulada graças a bolhas de ativos. 4 A definição clássica de especulação se deve a Kaldor (1939) e consiste na atividade de compra/venda de mercadorias com o objetivo de revenda (ou recompra) em data posterior com o objetivo de se ganhar com mudanças esperadas de preços. 6

13 De fato, conforme demonstrado por Chesnay (2004b), Philon (2004), Epstein (2004), Epstein e Jayadev (2005) e Crotty (2005), no ambiente da financeirização da riqueza que se formou a partir de fins da década de 1970 e se intensificou nos anos 1990, com a retirada ou enfraquecimento dos mecanismos de regulação do sistema bancário, enquanto, por um lado, crescia a relação ativos financeiros/pib, e ampliava-se, também, a participação dos rentiers na apropriação da renda e nos lucros das empresas não financeiras, encolhiam, por outro, como proporção do PIB, os investimentos e os lucros do setor produtivo e os salários dos trabalhadores, para não falar na relação lucros retidos/lucros gerados nas empresas não-financeiras. No caso dos EUA em particular, assistiuse, além de forte queda da poupança líquida e da taxa de investimento líquido/pib, também à diminuição da taxa de lucro retido por parte das corporações não financeiras, assim como ao aumento da relação rendas obtidas no exterior/lucros gerados domesticamente, para não falar do passivo externo líquido (Duménil e Lévy, 2004). Particularmente a partir de princípios da década de 1990, à medida que a base real se contraía e a riqueza virtual se expandia, o crédito, em abundância, foi se tornando fácil e barato, abrindo as portas do paraíso do consumo e da aquisição de imóveis, principalmente nos EUA, que mantiveram as taxas de juros em níveis rastejantes até maio de De um lado, neste período de hegemonia do capital financeiro em escala global (Chesnay, 1996b; 2002), à medida que se fortalecia novamente a crença no poder auto-regulador do mercado, a capacidade criativa das instituições financeiras em gerar novos produtos e em multiplicar, via alavancagem, o crédito e a liquidez da economia, ampliava-se, de forma crescente, como salientado por Canuto e Laplane (1995), Chesnay (1995; 1996b; 2004b), Coutinho e Belluzzo (2004) e outros, a instabilidade sistêmica, com a formação de bolhas sucessivas de ativos desembocando em crises mais ou menos violentas. Mas, por outro lado, as intervenções razoavelmente bem sucedidas dos bancos centrais no combate às bolhas que surgiram na era da globalização financeira, aliadas à crença de que a turbulência corresponde a uma transição de aprendizado, ou, ainda, que ela se origina de orientações equivocadas de política econômica, nada havendo de intrinsecamente instável nas finanças globais (Canuto e Laplane, 1995, p. 31), tornaram autoconfiantes as autoridades econômicas, que, diante da eclosão da crise SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 7

14 do subprime, em agosto de 2007, não perceberem a sua gravidade, até mesmo pelo desconhecimento da complexidade dos novos instrumentos financeiros, do grau de alavancagem do sistema bancário e do volume de recursos fictícios envolvidos neste processo. Cegas pela crença na disciplina do mercado, em sua suposta eficiência e auto-regulação, difundidas pelas escolas de pensamento dominante, trataram inicialmente o problema como uma mera questão de liquidez. Demonstraram, assim, não ter consciência da possibilidade de desmoronamento do edifício especulativo, capaz de conduzir o sistema bancário para uma situação de insolvência e a economia real à recessão, com provável desembarque em profunda depressão. Nesse contexto, a injeção de recursos via bancos centrais, endereçada à superação da suposta crise de liquidez e, após o crash do dia 15 de setembro, os sucessivos pacotes de resgate do sistema financeiro, ameaçado em sua solvência, mostraram-se claramente insuficientes para se evitar o mergulho na recessão. Com custos que, somados aos dos pacotes anteriores, inevitavelmente serão lançados sobre os ombros dos contribuintes - que pagarão, mais uma vez, a conta da especulação, os novos pacotes de cunho keynesiano, destinados a recuperar a economia real, mesmo se bem-sucedidos, devem manter o crescimento econômico mundial em níveis bem baixos por um período que se estima longo. Preso ao dogma do caráter auto-regulador do capitalismo, 5 o pensamento econômico dominante sustenta que as crises financeiras se originam de choques externos, mesmo de eventos aleatórios (sunspots), graças à existência de informações assimétricas, conectada à seleção adversa e ao moral hazard, ou risco moral (Mishkin, 1992), aliada ao problema dos agentes (Heffernan, 2003, p.368). 6 Informação assimétrica se deve ao fato de que os diferentes agentes possuem conjuntos de informação diversos sobre as condições de uma instituição ou operação financeira, o que pode levar a decisões aparentemente irracionais, como precificação incorreta e corridas bancárias. O problema da seleção adversa decorre do fato de 5 Nesse sentido, ressalte-se que, para Milton Friedman (1963), a especulação, resultante da busca de maximização de lucros, é estabilizadora do mercado. 6 Não há aqui espaço para discutir os modelos de bolhas racionais (Blanchard, 1979; Flood e Garber, 1980), que tentam o impossível: conciliar a hipótese de eficiência dos mercados financeiros, baseada no modelo de equilíbrio geral de Arrow-Debreu com expectativas racionais, característico da escola novo clássica, com a existência de bolhas especulativas, registradas desde Para uma crítica desses modelos, veja-se Canuto e Laplane (1995) e Oreiro (2004). 8

15 que, devido a falta de informações adequadas, quem se beneficia dos empréstimos é o solicitante com menos garantias, o que aumenta o risco dessas operações. Por risco moral se entende o incentivo que o seguro ou garantia governamental dá ao agente econômico a engajar-se em atividades de alto risco, na presunção de que não sofrerá perdas. Já o problema do agente principal surge do fato dos interesses dos acionistas diferirem dos que guiam os administradores e demais funcionários das corporações financeiras e não financeiras, os quais podem, assim, agir em busca de seus próprios interesses, comprometendo a racionalidade do comportamento organizacional. Embora esses elementos estejam presentes em todas as crises, parece extremamente difícil conjugá-los de modo a explicar o colapso do sistema financeiro, pois se, para começar, os problemas de agente são inerentes à forma de organização corporativa, a tese do moral hazard confunde o seguro oferecido à atividade financeira em geral com o seguro ao investidor, que, de mais a mais, não existe na maioria dos casos, ou é fornecido por instituições privadas. No caso específico da crise atual, esta não teve origem no excesso de empréstimos assegurados; pelo contrário, os contratos subprime eram reconhecidos como de alto risco, sendo as RMBSs deles derivadas seguradas principalmente através de derivativos de mercado, que supostamente precifica os riscos, ainda que, neste caso, se saiba que as agências de classificação de risco recebiam comissões dos bancos originadores. Isto para não falar no fato de que, em muitos casos, foram os mais bem informados inclusive os gerentes das instituições financeiras os maiores perdedores com a crise. De mais a mais, ao contrário do que se pensa, o pânico não resulta de qualquer informação assimétrica, mas de um comportamento perfeitamente racional dos correntistas ou investidores, que, além de saberem que, numa corrida bancária, somente os primeiros a chegarem não sofrem perdas, também estão cientes, como salientam Diamond e Dybvig (1883, p. 410), de que qualquer coisa que faça com que os depositantes antecipem uma corrida bancária, provocará uma corrida. 7 Finalmente, os defensores dessa abordagem não percebem que, na maioria dos casos, não se têm choques externos, mas choques engendrados endogenamente, para não falar em situações de alta fragilidade, em que, 7 Veja-se, também, Romo (1997, p. 875). SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 9

16 como num barril de pólvora, qualquer faísca pode desencadear uma catástrofe. Não é sem motivo, pois, que tampouco parece sustentável a idéia, admitida por Kindleberger (1989) e outros autores, entre os quais se destaca até mesmo Keynes, de que a especulação e/ou o pânico se originam de um comportamento irracional do tipo psicologia das multidões ou de estouro da boiada. 8 A dificuldade consiste não somente em explicar porque agentes supostamente racionais, como admite a ortodoxia econômica, se comportam de modo oposto em determinadas circunstâncias, mas em ignorar a racionalidade mesma desses fenômenos, que, como demonstrado por vários autores, nem de longe são manifestações de histeria coletiva. Tendo isto em vista, há de se buscar, no âmbito da teoria, explicações que mostrem como se geram, endogenamente, as condições de fragilidade que tornam o sistema econômico, particularmente o segmento financeiro, susceptível a irrupções violentas, que surgem, para os agentes econômicos, como tempestades em dia de céu azul. Isso significa a necessidade de deslindar a lógica da especulação, que, segundo alguns autores, como Minsky e Marx, representa, por mais irracional que possa parecer, uma manifestação extremada da lógica mesma do capitalismo, vinculando-se à sua própria razon d etre. É o que se procura fazer nas seções a seguir. 2. Minsky e a Hipótese da Fragilidade Financeira Certamente que Keynes, por ressaltar a conexão entre expectativas incertas e as crises financeiras, concebidas como um momento do ciclo econômico, 9 tem sido apontado entre aqueles que sustentam a endogeneidade das crises, na medida em que, conforme apontam Dutt e Amadeo (1990, p. 109), a existência de incerteza em oposição ao risco faz com que pequenas mudanças na conjuntura podem alterar drasticamente o grau de confiança dos agentes econômicos, 10 modificando substancialmente o seu 8 Referindo-se às expectativas de longo prazo, Keynes menciona a influência da psicologia de massa de grande número de indivíduos ignorantes, de pessoas que não têm conhecimento especial das circunstâncias, reais ou esperadas, da influência excessiva e mesmo absurda das flutuações de curto prazo dos lucros sobre os mercados, etc a substituição de uma fase ascendente por uma descendente [do ciclo econômico] geralmente ocorre de modo repentino e violento (Keynes, 1936, Cap. 22, p. 218). 10 A distinção entre incerteza e risco, atribuída a Knight (1921), encontra-se expressamente em Keynes (1937). 10

17 comportamento [e] tornando a economia inerentemente instável. A mesma posição é também sustentada por Arestis (1996, p. 124), para o qual [a] natureza onipresente das expectativas que, sob a égide da incerteza, influenciam o animal spirits é de vital importância no processo de acumulação de capital, de forma que se argumenta que a volatilidade das expectativas incertas potencialmente conduz a fraturas estruturais e a crises. A incerteza leva à volatilidade, no sentido de que a estabilidade que emerge da criação de instituições e convenções adequadas para tratar da incerteza está sujeita a mudanças periódicas, descontínuas e imprevisíveis. 11 Embora se apóie largamente em Keynes, Minsky não deixa de apontar insuficiências na abordagem keynesiana, em particular nos aspectos financeiros do ciclo econômico, que tornam a crise provável, senão inevitável. Para Minsky (1975, p. 12), [e]sta é a lacuna lógica, o elo faltante na Teoria Geral como foi deixada por Keynes em De forma a completar o quadro keynesiano, Minsky (1975, p. 64) procura construir um modelo de geração endógena de booms, crises e deflações, introduzindo, para tanto, as finanças e examinando explicitamente a evolução dos balanços das empresas durante os vários estágios da economia (idem, p.129). A análise minskyana baseia-se na decisão especulativa fundamental de uma economia capitalista, que diz respeito a quanto, do fluxo de caixa antecipado das operações normais, uma firma, família ou instituição financeira reserva para o pagamento dos juros e do principal de suas obrigações, assumidas para financiar posições em ativos (Minsky, 1975, p ). O caráter especulativo da decisão reside no fato de estar o agente econômico apostando que as situações viventes em datas futuras serão tais que os compromissos financeiros poderão ser cumpridos (Minsky, 1975, p. 87). No período de estagnação que se segue à crise, recompõem-se as finanças empresariais e tem início a recuperação e a expansão, num contexto de baixo endividamento das empresas. Mas [a] estabilidade mesmo da expansão é desestabilizante e formas mais aventureiras de financiamento dos investimentos dá resultados positivos, e outros seguem os aventureiros (Minsky, 1975, p. 126), e a economia caminhará para o boom. Nessa fase, 11 Canuto e Laplane (1995), citados anteriormente, também esposam essa idéia. Veja-se, também, Romo (1997, p. 874). SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 11

18 as famílias, empresas e instituições financeiras são forçadas a empreender atividades de assumir posições ainda mais aventureiras (idem, p.124). Ocorre, assim, à medida que se desdobra o ciclo econômico, a transição das finanças hedge, em que o fluxo de caixa esperado é mais do que suficiente para cobrir as obrigações financeiras atuais e futuras das famílias e empresas (Minsky, 1986, p ), para as finanças especulativas, em que os fluxos de caixa próprio são menores do que os compromissos financeiros em algum período, e, destas, para as finanças Ponzi, caracterizada pela insuficiência dos fluxos de caixa esperados em termos dos compromissos financeiros assumidos, de modo que o valor de face da dívida aumenta (Minsky, 1986, p. 207). 12 Como resultado do aumento da proporção das finanças especulativas e Ponzi durante o boom, desenvolve-se uma crescente fragilidade financeira, de forma que acontecimentos inesperados podem desencadear sérias dificuldades financeiras (Minsky, 1975, p ). Em outras palavras, depois que a fragilização financeira alcança níveis elevados, [c]írculos viciosos na direção oposta se instalam a partir de qualquer pequena virada no ritmo de dinamismo econômico (Canuto e Laplane (1995, p. 50), ou mesmo por um evento qualquer (Kindleberger, 1989). A crise, portanto, é causada por choques inesperados, que se desenvolvem num contexto em que os agentes econômicos se encontram financeiramente vulneráveis. Apesar de suas inequívocas contribuições no sentido de esclarecer os condicionantes financeiros dos movimentos da eficácia marginal do capital, responsáveis, segundo Keynes, pela emergência das crises, inclusive financeiras, Minsky não esclarece por que as expectativas otimistas formadas durante o boom não são confirmadas. Aliás, conforme confirma o estudo da crise dos créditos hipotecários subprime, o comportamento hedge não é suficiente para se evitar a crise, em razão da desvalorização geral dos ativos financeiros privados, demonstrando claramente a natureza especulativa de toda posição financeira, inclusive a mais hedge. Em particular, não fica claro como ocorre a transição das finanças especulativas para as finanças Ponzi, até porque, durante a fase de expansão, as expectativas otimistas respaldam amplamente as posições alavancadas, de modo que, ao fim e ao cabo, persiste a questão de saber como e porque as expectativas otimistas 12 Para uma descrição do significado das finanças hedge, especulativas e Ponzi, veja-se Mollo (1986), da Costa (1992, p ), Wolfson (1994, p ) e Lourenço (2005). Este último faz uma boa e sucinta descrição do pensamento de Minsky. 12

19 são contrariadas, originando o seu colapso, causa final das crises, segundo Keynes. Outro aspecto negligenciado tanto por Minsky quanto por Keynes reside no distanciamento progressivo da produção em relação ao consumo, o qual se revela na crescente acumulação de estoques que tem lugar durante o boom, resultando na conhecida crise de superprodução, ressaltada pelos marxistas Ainda no caso da crise do subprime, por exemplo, tudo começou no verão de 2005, quando os preços de mercado das construções residenciais caíram nos EUA como resultado do excesso de oferta, deixando claro para os empresários, de um momento para outro, a existência de um estoque indesejado de residências prontas para venda ou em construção. As expectativas de curto prazo referentes a preços e quantidades foram contrariadas, pois, com efeitos negativos sobre a produção de residências e sobre o restante da economia. Não há, portanto, como, em se tratando da explicação da crise, evitar o exame do balanço entre oferta e demanda agregadas, o que passa necessariamente pela acumulação de estoques, que, de desejada, passa a indesejada da noite para o dia, como resultado da percepção do seu caráter excessivo, o que se dá pela frustração das expectativas de curto prazo. Finalmente, apesar de Minsky fazer referência a crises financeiras que não resultam em crises econômicas gerais, na medida em que sua análise do processo de fragilização financeira envolve o conjunto da economia, não parecem claros quais seriam os mecanismos que as tornam possíveis. O mesmo, na verdade, é válido para Keynes, que não possui uma teoria que dê conta de crises financeiras a não ser aquelas que representam um momento do processo de reversão do ciclo de negócios. 3. Marx: Crédito, Capital Fictício e Crise Em relação a Minsky, a teoria marxista das crises financeiras momentos necessários do ciclo econômico possui a vantagem de explicar, de forma lógica, embora complexa, como se geram, durante o boom e o auge, os desequilíbrios que deságuam nas crises, também concebidas como processos violentos de restabelecimento do equilíbrio. Na explicação marxista, a especulação financeira se conjuga com a queda da taxa de lucro e a acumulação de estoques, num processo complexo em que o ímpeto SUBPRIME: OS 100 DIAS QUE ABALARAM O CAPITAL FINANCEIRO MUNDIAL E OS EFEITOS DA CRISE SOBRE O BRASIL 13

20 da acumulação de capital ultrapassa tanto as estreitas bases do consumo das massas quanto os requerimentos das inter-relações setoriais graças ao crédito, que assume assim, conjuntamente com o capital fictício e a tendência à queda da taxa de lucro, posição estratégica na geração das crises. Assim como todas as categorias marxistas, o crédito surge como resultado dos desdobramentos da mercadoria, forma elementar que, segundo Marx, contém, de modo não desenvolvido, a totalidade da ordem capitalista de produção, concebida como um sistema organicamente articulado. Com o desenvolvimento das trocas, a diferenciação existente no seio da mercadoria, como síntese de valor de uso e de troca, ou seja, de produto necessário para a reprodução da sociedade e de cristalização de trabalho social abstrato, se desdobra na oposição entre mercadoria e dinheiro. Mais do que isso, a própria circulação mercantil se torna meio de acumulação de dinheiro, que, assim, se torna capital, ou seja, em processo de acumulação ilimitada de dinheiro, cuja finalidade está em si mesmo. Na presença de trabalho assalariado fruto da separação do trabalhador da propriedade dos meios de produção, o capital, gerado na circulação mercantil, se transforma em senhor da produção social, envolvendo-a como um momento de seu ciclo, como produção de mais-valor, a alimentar o processo de acumulação (Marx, 1867, Livro I, Cap. I a IV, p. 41 a 197). Marx admite que o crédito, que nasce quando a venda ocorre sem pagamento, mas em troca de apenas uma promessa de pagamento, e se desenvolve numa rede de relações creditícias, substituindo o dinheiro na medida em que os títulos de crédito se compensam nos bancos e demais clearing houses (Marx, 1867, v. I Cap. I, p ), possui natureza contraditória. O motivo reside em que, enquanto a venda por dinheiro permite confirmar, ainda que a posteriori, que a mercadoria produzida (valor de uso) é necessária socialmente (tem valor), o mesmo não ocorre com a venda por título de crédito, até porque a mudança das condições econômicas pode tornar insolvente o comprador-devedor. Com isso, perde-se o trabalho concreto gasto na produção da mercadoria, não porque a mesma não se venda, mas porque o pressuposto de que o comprador teria condições de honrar a promessa de pagamento que, diga-se de passagem, escapa ao seu controle não se verifica. Por essas razões, diz Marx (idem, p. 152) que a função do dinheiro como meio de pagamento de dívidas e, portanto, o crédito, envolve uma contradição direta, a qual se manifesta 14

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01

SUMÁRIO INTRODUÇÃO...01 APRESENTAÇÃO Elaborado e escrito durante e no calor da grande e última crise do capitalismo, oficialmente iniciada em agosto de 2007, este trabalho foi publicado, numa primeira versão, pelo Conselho Regional

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Teoria dos ciclos de investimento

Teoria dos ciclos de investimento Teoria dos ciclos de investimento elaborada por Kalecki KALECKI, Michal. Teoria da dinâmica econômica. São Paulo, Abril Cultural, 1976. (original de 1954). COSTA (2000), Lição 6.3: 241-245. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Leia mais

O estágio atual da crise do capitalismo

O estágio atual da crise do capitalismo O estágio atual da crise do capitalismo II Seminário de Estudos Avançados PC do B Prof. Dr. Paulo Balanco Faculdade de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia Universidade Federal da Bahia São Paulo,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2007 A VOLATILIDADE NAS BOLSAS DE VALORES GLOBAIS E OS IMPACTOS NAS EMPRESAS DE REAL ESTATE LISTADAS NA BOVESPA Prof. Dr. Claudio

Leia mais

São Paulo, 09 de agosto de 2013.

São Paulo, 09 de agosto de 2013. São Paulo, 09 de agosto de 2013. Discurso do Presidente Alexandre Tombini no VIII Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária. Senhoras e senhores: É com grande satisfação

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Sugerida:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015

Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015 Bancos Centrais para o que servem? Prof. Dr. Antony P. Mueller UFS www.continentaleconomics.com 9 de Setembro de 2015 Banco Central origem Bank of England O primeiro banco central foi o Banco da Inglaterra

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

O Processo Cumulativo de Wicksell:

O Processo Cumulativo de Wicksell: O Processo Cumulativo de Wicksell: Preços e Taxas de Juros Referências: CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia Monetária e Financeira: Teoria e Política. Rio de Janeiro, Campus, 2007, cap.3. WICKSELL, Lições

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A concentração bancária no Brasil é uma ameaça à justiça econômica e social 1 Quais as ameaças

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips):

A curva de Phillips demonstrada na equação abaixo é ampliada e com expectativas racionais (versão contemporânea da curva de Phillips): Concurso TCE/MG elaborado pela FCC em abril de 2007. Atendendo a alguns pedidos de colegas que frequentaram o curso de Economia parte teórica nos meses de fevereiro, março e abril de 2007 bem como aqueles

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

5. Moeda e Política Monetária

5. Moeda e Política Monetária 5. Moeda e Política Monetária 5.1. Introdução 5.3. Procura de Moeda 5.4. Equilíbrio de curto Prazo no Mercado Monetário Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 9 Nota: A secção 5.2. é muito abreviada, porque

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Os seguros na crise financeira

Os seguros na crise financeira Os seguros na crise financeira Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Conferência Os seguros em Portugal, organizada pelo Jornal de Negócios Lisboa, 13 maio 2014

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Monetary Policy. Economic Outlook - IMF. Seminário em Política Econômica Puc-Rio

Monetary Policy. Economic Outlook - IMF. Seminário em Política Econômica Puc-Rio The Changing Housing Cycle and the Implications for Monetary Policy Third Chapter of the World Economic Outlook - IMF Seminário em Política Econômica Puc-Rio -Introdução -Desenvolvimento no Financiamento

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Melhor método para avaliar investimentos 16 perguntas importantes 16 respostas que todos os executivos devem saber Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Globalização Financeira e Fluxos de Capital. Referências Bibliográficas. Referências Bibliográficas. 1) Mundialização Financeira

Globalização Financeira e Fluxos de Capital. Referências Bibliográficas. Referências Bibliográficas. 1) Mundialização Financeira e Fluxos de Capital Wilhelm Eduard Meiners IBQP/UniBrasil/Metápolis Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas Chesnais, F. Mundialização Financeira, cap.1 Baumann, Canuto e Gonçalves. Economia

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

CARACTERIZAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais