O COMPORTAMENTO DO MERCADO ACIONÁRIO DA EMPRESA GAFISA S/A (Estudo de Caso)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COMPORTAMENTO DO MERCADO ACIONÁRIO DA EMPRESA GAFISA S/A (Estudo de Caso)"

Transcrição

1 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RODRIGO WEILER ZARO O COMPORTAMENTO DO MERCADO ACIONÁRIO DA EMPRESA GAFISA S/A (Estudo de Caso) Ijuí (RS) 2013

2 1 RODRIGO WEILER ZARO O COMPORTAMENTO DO MERCADO ACIONÁRIO DA EMPRESA GAFISA S/A (Estudo de Caso) Monografia apresentada ao Curso de Graduação em Economia, do Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação (DACEC), da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Economia. Orientadora: Ms. Marlene Köhler Dal Ri Ijuí (RS) 2013

3 2 A Banca Examinadora abaixo-assinada aprova a Monografia: O COMPORTAMENTO DO MERCADO ACIONÁRIO DA EMPRESA GAFISA S/A (Estudo de Caso) elaborada por RODRIGO WEILER ZARO como requisito parcial para obtenção do Grau de Bacharel em Economia. Ijuí (RS), 27 de junho de BANCA EXAMINADORA Ms. Marlene Köhler Dal Ri Orientadora Prof. Examinador Titular

4 3 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a Deus, por me conceder a oportunidade de cursar a Faculdade de Economia. À minha família, pelo apoio e incentivo nos momentos mais difíceis. À minha orientadora, mestre Marlene Dal Ri, pelos conhecimentos transmitidos e pela orientação segura.

5 4 RESUMO O presente estudo visa estudar uma das maiores empresas brasileiras do setor imobiliário habitacional que atua no mercado acionário a Gafisa S/A, bem como seu comportamento no mercado acionário no período de janeiro de 2008 a dezembro de Para tanto se baseia numa análise técnica, que corresponde ao estudo de ações individuais e do mercado, com base na oferta e na procura, ou seja, estuda o preço e o volume de negociação de ativos financeiros do passado com o objetivo de fazer previsões sobre o comportamento futuro dos preços. Além de analisar se a empresa Gafisa S/A sofreu oscilações no valor de comercialização de suas ações no mercado financeiro no período em estudo, pretende-se ainda fundamentar teoricamente o mercado de ações; fundamentar as metodologias de análise técnica e/ou gráficas no mercado acionário; realizar a análise técnica da empresa em diversos momentos do período considerado; e interpretar os resultados dos indicadores da análise gráfica da empresa. O interesse pelo tema é evidenciado pelo fato que o mercado de capitais é uma das formas mais importantes para a consolidação de empresas, pois através dele as instituições se autofinanciam e a população também gera riquezas, ocorrendo inúmeras atividades capazes de fomentar uma estratégia bem-sucedida de crescimento da economia. O estudo apresenta um referencial teórico que visa auxiliar os novos investidores no sentido de lhes transmitir confiança no mercado acionário. A metodologia adotada é descritiva e explicativa, uma vez que procura analisar o comportamento das ações da empresa em estudo num determinado período de tempo. Quanto aos meios, classifica-se como pesquisa bibliográfica, uma vez que foram buscados subsídios em estudiosos da área, artigos de periódicos e em sites eletrônicos da Internet. O estudo permitiu concluir que a análise técnica é importante como auxílio na tomada de decisões quanto à entrada no mercado de ações. Palavras-chave: Mercado de ações. Mercado imobiliário. Análise técnica de ações.

6 5 LISTA DAS SIGLAS ABECIP Associação Brasileira das Entidades de Crédito e Poupança BACEN Banco Central do Brasil CBLC Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia CMV Comissão de Valores Mobiliários FAR Fundo de Arrendamento Residencial FGTS Fundo de Garantia por Tempo de Serviço IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística LLC Equity Group Investments NYSE New York Stock Exchange PAC Programa de Aceleração do Crescimento PAR Programa de Arrendamento Residencial PIB Produto Interno Bruto PlanHab Plano Nacional de Habitação PNH Plano Nacional de Habitação PPAs Planos Plurianuais SFH Sistema Financeiro da Habitação Un-Habitat Órgão das Nações Unidas para o Desenvolvimento da Habitação

7 6 LISTA DAS FIGURAS Figura 1. Etapas do processo de subscrição de novas ações Figura 2. Fases de negociações no mercado acionário Figura 3. A crise imobiliária americana e seus efeitos Figura 4. Representação do gráfico de linhas Figura 5. Representação do gráfico de barras Figura 6. Representação do gráfico de barras Figura 7. Representação gráfica do Candlestick Figura 8. Representação do gráfico de linhas formado por Candlestick Figura 9. Representação do gráfico de linhas formado por Candlestick Figura 10. Representação gráfica do gap Figura 11. Comparação entre as escalas de análise de ações Figura 12. Desempenho econômico da Gafisa S/A Figura 13. Gafisa S/A Figura 14. Estados nos quais a Gafisa S/A ou suas subsidiárias já lançaram empreendimentos Figura 15. Representação gráfica da empresa Gafisa S/A Figura 16. Evolução semanal da cotação das ações da Gafisa S/A no período em estudo Figura 17. Gráfico diário da cotação das ações da Gafisa S/A no período em estudo Figura 18. Estratégias diárias de compra e venda das ações da Gafisa S/A no período em estudo Figura 19. Cotação das ações da Gafisa S/A com gráfico mensal do período em estudo... 50

8 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS Produto Interno Bruto (PIB) A importância da Bolsa de Valores no desenvolvimento econômico Abertura de capitais Mercado de ações Mercado primário Mercado secundário Tipos de mercados Preço de emissão da ação Crise imobiliária nos EUA Setor imobiliário no Brasil Déficit habitacional Incorporação imobiliária no Brasil O Governo na habitação O Plano Nacional de Habitação (PNH) Programa Minha Casa, Minha Vida Metodologia da pesquisa Apresentação da pesquisa Instrumento de coleta de dados ANÁLISE DAS AÇÕES NO MERCADO ACIONÁRIO Análise fundamentalista Análise técnica ANÁLISE DOS RESULTADOS Características da empresa e da sua área de atuação Dados econômicos da empresa em estudo Histórico da companhia Estudo do mercado acionário da Gafisa S/A CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 54

9 8 INTRODUÇÃO Convive-se atualmente com a constante busca pelo lucro em todos os setores. No mercado acionário isso não é diferente, o que leva os investidores a munirem-se de conhecimentos a respeito das melhores estratégias de investimentos. A Bolsa de Valores tem sido um importante meio de obtenção de lucro, entretanto, seus investimentos exigem conhecimento, atenção e respeito pelas origens das empresas acionistas. A globalização é um fenômeno mundial que não encontra barreiras. No mercado financeiro ela vem influenciando tanto as empresas de grande como as de pequeno porte. A economia americana ainda vem impulsionando os avanços da maior parte dos mercados mundiais, cabendo aos investidores analisar os cenários financeiros americano e mundiais a fim de realizar a opção mais acertada. A tecnologia tem favorecido os investidores, pois lhes é possibilitado o acesso a jornais noticiosos, os quais demonstram o comportamento do mercado acionário nacional e internacional. Um exemplo a ser citado é a crise imobiliária americana, ocorrida em 2008, e que causou uma verdadeira crise financeira internacional. Esta crise foi originada nos financiamentos imobiliários de alto risco os subprime 1, cujos efeitos negativos refletiram no mercado imobiliário brasileiro. As empresas imobiliárias brasileiras também possuem momentos de crise, e enfrentam desvalorizações no mercado acionário com conseqüente redução de seus lucros. Nesse sentido cabe transcrever a expressão do presidente do Creci de São Paulo, José Augusto Viana Neto a este respeito: O primeiro grande erro é debitar à crise financeira internacional o insucesso de empresas imobiliárias que abriram seu capital, fato ocorrido em larga escala nos anos de 2006 e 2007, período de euforia jamais visto no Brasil e no mundo com o sucesso destes lançamentos que, restava evidente, não poderiam prosperar. Foi uma corrida para aquisição de terrenos, comprados por preços supervalorizados, num ambiente de absoluta artificialidade que saltava aos olhos dos mais inexperientes e infantis iniciantes deste mercado. Ficou claro, por inúmeras publicações pela imprensa especializada, que o excessivo investimento em projetos pouco estudados além de campanhas de lançamentos de baixa liquidez destas empresas provocaram expressiva desvalorização em seus papéis e, a partir disso, vieram as absorções das maiores pelas menores e o cancelamento de lançamentos com evidente demonstração de esperado fracasso. (REVISTA DO CRECI, dez./2008). 1 Subprime: crédito dado àqueles tomadores que têm maior risco de inadimplência.

10 9 As cotações do mercado acionário são assunto diário da imprensa escrita e falada. Mesmo assim, o tema ainda é desconhecido por grande parte da população brasileira. Aos poucos, porém, uma parcela da população tem tomado consciência da importância do tema, uma vez que a oscilação do mercado mostra seus reflexos em todos os segmentos da economia, desde as grandes empresas multinacionais até a doméstica. Nesse sentido, após a crise imobiliária americana ter deflagrado uma crise financeira mundial, houve por parte da população brasileira um maior interesse em acompanhar as oscilações e reflexos do mercado internacional. Segundo muitos analistas ainda hoje se convive com os efeitos negativos gerados na época, o que é confirmado por Matsura (2007). A presente monografia visa a analisar o desempenho de uma das maiores empresas do setor imobiliário habitacional que atua no mercado acionário a Gafisa S/A, no período de 2008 a Existem duas formas de se analisar o desempenho das empresas, uma é a análise fundamentalista e a outra é a análise gráfica, sendo esta última usada no presente estudo. As duas formas podem ser utilizadas para analisar o desempenho das empresas na Bolsa de Valores, gerando assim subsídios para auxiliar nas decisões dos investidores de ações. Em face da situação anteriormente descrita formulou-se a seguinte questão para o estudo: o comportamento no mercado acionário da empresa Gafisa S/A foi influenciado com oscilações de preços a partir da crise imobiliária dos Estados Unidos? A partir disso, define-se como objetivo do estudo analisar a empresa Gafisa S/A, procurando esclarecer se a mesma sofreu oscilações no valor de comercialização de suas ações no mercado financeiro, no período em estudo, utilizando para tanto a análise gráfica. Como objetivos específicos, apresenta-se: fundamentar teoricamente o mercado de ações; fundamentar as metodologias de análise técnica e/ou gráficas no mercado acionário; realizar a análise técnica da empresa em diversos momentos do período considerado; e interpretar os resultados dos indicadores da análise gráfica da empresa. Pelo seu grau de relevância, o estudo se justifica, pois os incentivos apresentados pelo próprio Governo Federal permitem a conversão de saldos do FGTS em ações de empresas estatais, tornando-se cada vez mais popular o tema Bolsa de Valores no cenário das sociedades urbanas. Ainda, como aluno do curso de Economia desta Universidade, no decorrer das aulas o acadêmico teve contato com o componente curricular Finanças e Mercado de Capitais, o qual evidencia o comportamento do mercado acionário e da Bolsa de Valores. Simpatizando com o assunto que até há poucos anos parecia bastante confuso mas muito atraente, decidiu aprofundar seus conhecimentos nesta área. Atualmente, o economista precisa ter opinião

11 10 formada a respeito da contextualização do cenário econômico que se apresenta. Sendo assim, do ponto de vista pessoal, o estudo interessa-lhe para a realização de duas aspirações: contribuir para o melhor conhecimento do público menos privilegiado sobre o assunto e concluir a sua graduação em Economia. A presente monografia está estruturada em quatro capítulos. O primeiro traz os conceitos fundamentais sobre mercado financeiro, desenvolvimento econômico, setor imobiliário nos EUA e no Brasil, déficit habitacional, Plano Nacional de Habitação, entre outros conceitos. O segundo capítulo faz uma análise técnica das ações no mercado acionário, enquanto o terceiro capítulo aborda a metodologia usada para a realização do estudo. Finalmente, o quarto capítulo apresenta a caracterização e o histórico da Gafisa S/A e os resultados obtidos com a análise gráfica do mercado acionário da proposta desta pesquisa. Seguem as considerações finais e as referências utilizadas no embasamento teórico. Assim, este estudo visa possibilitar conhecimentos profissionais, os quais contribuirão para a atuação de profissionais que desejam ter um referencial a respeito do assunto, bem como um meio de gerar novas informações relativas ao tema.

12 11 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS Este capítulo tem a finalidade de proporcionar um embasamento sobre o mercado financeiro e o setor imobiliário no Brasil, fornecendo subsídios para posterior análise de uma empresa de grande porte do mercado acionário a Gafisa S/A. Nesse sentido, traz os conceitos de Produto Interno Bruto, Bolsa de Valores, mercado de capitais, crise imobiliária nos EUA, setor imobiliário no Brasil, com destaque para o déficit habitacional e a incorporação imobiliária no Brasil. 1.1 Produto Interno Bruto (PIB) Segundo Sandroni (2004, p. 459), o Produto Interno Bruto (PIB) representa a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região durante um determinado período de tempo. Muitos aspectos dessa definição exigem saber que o período de tempo para seu cálculo anual inclui somente a produção corrente deste período. Portanto, o PIB exclui as transações intermediárias, é medido a preço de mercado e pode ser calculado sob três aspectos: produção, renda e dispêndio, em que: Ótica da produção o PIB corresponde à soma dos valores agregados líquidos dos setores primários, secundário e terciário da economia, mais os impostos indiretos, mais a depreciação do capital, menos os subsídios governamentais. Ótica da renda é calculado a partir das remunerações pagas dentro do território econômico de um país, sob a forma de salários, juros, aluguéis e lucros distribuídos; somam-se a isso os lucros não distribuídos, os impostos indiretos e a depreciação do capital e, finalmente, subtraem-se os subsídios. Ótica do dispêndio resulta da soma dos dispêndios em consumo das unidades familiares e do governo, mais as variações de estoque, menos as importações de mercadorias e serviços e mais as exportações. Sob essa ótica o PIB é denominado Despesa Interna Bruta. (SANDRONI, 2004, p. 459). Para o mesmo autor, o PIB, embora seja um indicador linear, pode demonstrar num cálculo per capita, ou seja, o quanto cada indivíduo receberia se a produção interna bruta fosse distribuída igualmente entre seus habitantes. De outra banda, Stiglitz e Walsh (2003) corroboram afirmando que o Produto Interno Bruto pode ser avaliado a preço de mercado, e é determinado em um período de tempo calculado por meio da soma de todos os bens e serviços finais produzidos dentro do território nacional.

13 12 O PIB pode ser conceituado de diferentes formas, entre elas como Interno ou Nacional, Bruto ou Líquido e a preço de mercado ou a custo de fator. Stiglitz e Walsh (2003, p. 215) prosseguem em suas reflexões apresentando os seguintes conceitos: Produto Interno: é a produção realizada no país. O conceito de produto interno, portanto, é um conceito geográfico, ou seja, pertence ao produto interno de um país todo bem ou serviço final produzido dentro dos limites geográficos desse país, não importando se é produzido por empresas nacionais ou empresas multinacionais instaladas nesse país. Produto Nacional: É a produção do país, que pertence ao país. O conceito de produto nacional é um conceito de titularidade, assim, pertence ao produto nacional de um país os produtos que empregam fatores de produção que pertencem aos residentes desse país, independente do local onde esse produto foi realizado. (STIGLITZ; WALSH, 2003, p. 215). Deduz-se dos estudos de Stiglitz e Walsh (2003), que a diferença entre o produto interno e o produto nacional é a renda líquida enviada ao exterior (RLE), pois o produto interno inclui (contabiliza) a RLE enquanto que o produto nacional o exclui (não contabiliza). Como exemplo pode-se citar: a renda que a Ford do Brasil envia para sua filial nos Estados Unidos pertence ao Produto Interno brasileiro (pois foi produzida no Brasil) e não pertence ao Produto Nacional brasileiro (pois não pertence a residentes no Brasil). Em resumo, o conceito de Produto Interno inclui a renda líquida enviada ao exterior, já o conceito de Produto Nacional exclui a renda líquida enviada ao exterior. Após uma breve explanação a respeito do Produto Interno Bruto (PIB), o item que segue discorre sobre a importância da Bolsa de Valores no desenvolvimento econômico do país. 1.2 A importância da Bolsa de Valores no desenvolvimento econômico Lameira (2003), em seus estudos, dedica-se à compreensão e análise das Bolsas de Valores. Segundo seu entendimento, a organização do mercado financeiro em Bolsas de Valores é frequente nos setores em que a alocação de recursos não gera custos. Além disso, as Bolsas de Valores buscam não apenas viabilizar a negociação propriamente dita, mas também oferecer garantias àqueles que utilizam sua infraestrutura. Dessa forma, é visível a contribuição positiva do mercado acionário no desenvolvimento econômico de uma nação. O mercado acionário, nesse contexto, não apenas segue o crescimento econômico, mas ainda proporciona os meios para prever as taxas futuras de crescimento do capital, da produtividade e da renda per capita.

14 13 Nesse mesmo rumo, a BM&FBOVESPA relaciona as contribuições do mercado acionário no desenvolvimento econômico do país: a poupança tem se mostrado fundamental no processo de crescimento autossustentado e na manutenção do desenvolvimento econômico do país. Portanto, ao transferir recursos dos poupadores para o uso dos investidores, o mercado de ações incentiva não apenas a formação da poupança interna, mas também a geração de poupança de longo prazo; a correta tomada de decisão do investidor quanto ao uso eficiente dos recursos proporciona maximização do seu retorno, comprovando a eficiência do mercado acionário; um mercado eficiente proporciona ampla gama de alternativas de financiamento, de forma isolada ou pela combinação entre as diversas opções, reduzindo custos financeiros. Isso contribui decisivamente para a saúde financeira das empresas, com consequente valorização do capital investido pelos acionistas; ao apresentar bom volume, liquidez e adequada regulamentação, um mercado acionário desenvolvido facilita os negócios, contribuindo para o aumento da produtividade econômica a nível global; um mercado acionário que prima pela demanda de informações e demonstrações financeiras de qualidade estimula a cultura empresarial e do público geral, com frutos para toda a atividade econômica; os diagnósticos e recomendações originadas do mercado acionário refletem a opinião dos principais agentes sobre a conjuntura econômica doméstica e internacional e suas perspectivas, constituindo-se também em importante formador de opinião; o mercado de ações possui papel fundamental para atrair, maximizar e consolidar o capital externo. A volatilidade desse mercado é controlável na medida em que persistir a credibilidade e a adequada regulação dos mercados locais, proporcionando assim a sua estabilidade político-econômica. A partir da breve exposição da Bolsa de Valores e da sua importância para o desenvolvimento econômico do país, o texto que segue trata da abertura de capitais, considerada uma das decisões mais importantes para uma empresa. 1.3 Abertura de capitais Ao abrir seu capital, uma empresa transcende à simples obtenção de recursos, pois ela passa a ter acesso a inúmeras alternativas de negócios, bem como lhe é possibilitado usar as próprias ações como moeda de compra.

15 14 No entendimento de Oliveira (2005), a abertura de capital constitui-se numa oferta pública de parte da companhia, cujas ações passam a ser negociadas no mercado e distribuídas entre outros acionistas por meio de um processo primário ou secundário. O autor enfatiza que a abertura de capital proporciona inúmeros benefícios à empresa, como recursos a custos mais baratos do que a captação de financiamentos bancários. Além disso, a marca da empresa se fortalece no mercado e ainda reforça a governança corporativa. Esse processo de abertura de capital, entretanto, requer o atendimento de algumas exigências, a exemplo de um cuidadoso planejamento com trabalho estratégico. Ademais, apresenta alguns desafios que uma empresa precisa estar preparada para enfrentar. A Bovespa (2006) destaca as seguintes etapas que uma empresa precisa cumprir para participar do processo de abertura de capital: 1. Conveniência nesta etapa, a empresa deve verificar os benefícios que a abertura de capital pode lhe proporcionar, bem como os custos que advirão com o processo, e se a empresa possui um perfil adequado para participar do mercado acionário. 2. Escolher o intermediário financeiro cabe à empresa interessada em abrir seu capital contratar uma instituição financeira, atividade relevante para o sucesso e para o custo financeiro da operação. 3. Documentação e reforma estatutária a empresa precisa solicitar registro de companhia aberta, de distribuição pública e de listagem na Bovespa. Para tanto devem ser seguidos os regulamentos específicos da Bovespa e da CMV. A Figura 1, a seguir, apresenta as etapas do processo de subscrição e integralização de novas ações, o qual se desenvolve dentro do segmento acionário do mercado de capitais, e que segue um fluxo sequencial de atividades. Empresa emitente de novas ações Instituição financeira intermediadora Mercado primário Mercado secundário Figura 1. Etapas do processo de subscrição de novas ações. Fonte: Assaf Neto (2006, p. 389). Ao aumentar seu capital por meio da subscrição e integralização de novas ações, a empresa precisa oferecer condições de atratividade econômica, bem como bons resultados

16 15 econômicos e financeiros. Essas condições são avaliadas principalmente pelos seus resultados e conveniência de abertura de capital, pelo estudo setorial, pelas características de emissão e lançamento das ações, pelo intermediário financeiro e auditoria independente, bem como pelo cenário conjuntural. A avaliação é realizada durante as diferentes etapas do processo de subscrição, tanto pela instituição financeira intermediadora como pelos agentes que compõem o mercado primário e secundário de ações. Normalmente o desempenho de uma empresa é avaliado pelos seus resultados históricos, porém, também podem ser utilizadas prospecções futuras, considerando para tanto a viabilidade do investimento acionário e os resultados esperados. Nesse sentido, as técnicas de análise que avaliam os resultados econômico-financeiros de uma empresa podem envolver a atual situação societária, a capacidade de atender às exigências legais e as condições gerais do mercado e da economia. Já o estudo setorial considera o mercado consumidor, o mercado fornecedor de matérias primas e as empresas concorrentes, sendo desenvolvido também com base no comportamento futuro esperado. Nessas avaliações são considerados, entre outros aspectos relevantes, o acesso às fontes supridoras de matérias primas, a estrutura e a evolução dos custos, a tecnologia, as vantagens competitivas, o potencial e a participação no mercado de empresas concorrentes, entre outros. As características básicas de emissão e lançamento de ações levam em consideração a existência de incentivos fiscais na subscrição primária de ações, as condições fixadas de pagamento (integralização) da subscrição, a existência de garantias de liquidez no mercado secundário, o preço de lançamento das ações, a política de dividendos definida no estatuto social da sociedade, etc. De outra banda, a Lei das Sociedades por Ações exige a presença de um intermediário financeiro nas operações de subscrição de ações, podendo ser bancos de investimento, bancos múltiplos, sociedades corretoras ou sociedades distribuidoras de valores. A experiência e a qualificação técnica em operações de abertura de capital são fatores essenciais na escolha da instituição, influindo diretamente sobre o sucesso da colocação das ações no mercado. Em relação à auditoria independente, a sociedade que optar por abrir seu capital deve contratar seus serviços, contando que esteja devidamente credenciada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Os trabalhos de auditoria são importantes para avaliar os processos e procedimentos das diversas atividades da empresa, bem como transmitir maior garantia da idoneidade das informações contábeis publicadas ao mercado.

17 16 Finalmente, a situação conjuntural avalia, basicamente, as condições do desempenho e as perspectivas do mercado acionário em geral, bem como os níveis das taxas de juros de mercado, as projeções econômicas e os indicadores macroeconômicos, etc. De posse das informações supracitadas, parte-se agora para o estudo do mercado de ações propriamente dito, com base em obras de Rudge e Cavalcante (1993) e de Fortuna (2005). 1.4 Mercado de ações Estudos de Rudge e Cavalcante (1993) mostram que os investidores podem ser tanto institucionais e como individuais. Nesse cenário, os institucionais possuem diversificação na carteira de ações e, dessa forma, estão sempre presentes no mercado. Sua atuação é fundamental, pois garante o nível de estabilidade do mercado. Ademais, o especulador que investe apenas com o objetivo do lucro imediato garante o nível de liquidez do mercado. Enquanto isso, os investidores individuais são pessoas físicas que compram e vendem suas ações para si próprios, usando muitas vezes um consultor de investimentos para auxiliar no processo, o qual age individualmente, com seus próprios interesses e recursos. Segundo Fortuna (2005) e da CVM (2008), as ações podem ser classificadas em dois tipos, ou seja, ordinárias e preferenciais. As ações ordinárias concedem ao seu proprietário o direito de voto nas assembleias de acionistas, enquanto as preferenciais não lhe conferem este direito. No entanto, o possuidor de ações preferenciais tem prioridade no recebimento dos dividendos da companhia. Além de ordinárias e preferenciais as ações também são divididas, segundo dados da CVM (2008), em: Ações de primeira linha são ações de grande liquidez e com grande quantidade de negócios, constituindo-se nas mais procuradas para compra. Em geral pertencem a empresas tradicionais de grande porte e âmbito nacional, como a Vale do Rio Doce e a Petrobrás. Ações de segunda linha são ações com menos liquidez, pertencentes a empresas de boa qualidade, de grande e médio porte, a exemplo da Souza Cruz e da Brahma. Ações de terceira linha são ações de pouca liquidez, originadas de empresas de pequeno e médio porte, mas não necessariamente de menor qualidade, como a Inepar e a Duratex.

18 17 No momento de investir os investidores buscam três aspectos, isto é: retorno, prazo e segurança. Já a rentabilidade está relacionada diretamente ao risco do investimento, e é uma questão a ser decidida pelo investidor no momento de optar pelo investimento. Quanto às formas apresentadas pelas ações, tem-se a partir da CVM (2008), a seguinte classificação: Nominativas cautelas ou certificados que apresentam o nome do acionista, cuja transferência é feita com a entrega da cautela e a averbação de termo, em livro próprio da sociedade emitente, identificando o novo acionista. Escriturais ações que não são representadas por cautelas ou certificados, funcionando como uma conta corrente, na qual os valores são lançados a débito ou a crédito dos acionistas, não havendo movimentação física dos documentos. Ainda de acordo com o conteúdo publicado pela CVM (2008) quanto aos tipos de mercados existentes na Bolsa de Valores, pode-se constatar a existência do mercado primário e do secundário, os quais são explicitados nos itens que seguem. O primário significa a primeira vez que as ações são negociadas, sendo estas articuladas entre a empresa e o investidor. Já no mercado secundário a negociação se dá entre investidores, o que pode ser melhor compreendido mediante a observação da Figura 2, que apresenta as fases de negociações no mercado acionário. F A S E S D A N E G O C IA Ç Ã O C O M A Ç Õ E S M e r ca d o p r im á r i o M e r c a d o s e cu n d á r io C o m p a n h ia a b e r ta X A ç ã o X $ P ú b lic o A A ç ã o X $ P ú b lic o B M E R C A D O S S E C U N D Á R IO S D E B A L C Ã O E D E B O L S A N o r m a lm e n te, a s n e g o c ia çõ e s d o m e r c a d o s e c u n d á r io p o d e m se r r e a liz a d a s p o r m e io d e d o is lo c a is d i st in t o s, q u e r e p r e se n ta m o s m e r c a d o s se c u n d á r io s d e b a lcã o e d e b o lsa d e v a l o r e s. In v e s tid o re s M e r c a d o d e b a lc ã o M e r c a d o d e b o lsa d e v a lo r e s I n v e s t id o r e s Figura 2. Fases de negociações no mercado acionário. Fonte: Dal Ri (2008).

19 Mercado primário É no mercado primário que ocorre a primeira compra e venda de ações de uma empresa, ou seja, as ações criadas pelas empresas e imediatamente são adquiridas pelos investidores. Ao fazer a emissão de ações ou a sua venda no mercado primário a empresa está captando recursos para financiar seus projetos e fazer investimentos (FORTUNA, 2005). Nesse momento os recursos obtidos entram para o caixa da empresa, que pode colocar ações no mercado ou fazer a emissão de um novo lote de ações, isto é, colocar mais uma parte da empresa à venda em forma de ações. No entendimento de Fortuna (2005), a decisão de vender ações é decorrente de uma situação em que a empresa precisa levantar recursos, podendo optar também pela contração de dívidas. A opção pela venda das ações representará menores riscos para as empresas, uma vez que se tornarão sócios apenas dos lucros. O mercado primário apresenta algumas restrições, como o receio do empresário em permitir a entrada de novos sócios no seu capital. Além disso, as empresas convivem também com a falta de incentivos para a emissão de ações, decorrentes dos tratamentos fiscais de juros e dividendos (FORTUNA, 2005). O autor supracitado menciona ainda a concorrência desigual dos títulos de renda fixa como outra dificuldade do mercado primário. No passado havia a promessa de pagamento pleno da correção monetária, considerada uma desvantagem em relação às ações, mas desde 1991 ela deixou de existir, mantendo-se tão somente as taxas de juros reais, as quais oscilam entre 15 e 25% ao ano, e que acabam desestimulando a aquisição de ações. Ademais, a lista de dificuldades encontradas no mercado primário de ações é ampliada pela falta de credibilidade dos intermediários, afirma Fortuna (2005). Essa falta de credibilidade era sentida apenas pelos médios e pequenos investidores, geralmente pessoas físicas que tinham dificuldade em se fazer respeitar por parte das corretoras e distribuidoras. Fortuna (2005) apresenta, finalmente, a instabilidade da economia brasileira como fator prejudicial à emissão de títulos primários. Desde a década de 1980 houve um decréscimo significativo no número de companhias abertas. Em 1983 eram 1.152, número que caiu para 839 em 1993, sendo que atualmente são 874. Destas, menos de 200 participam ativamente do mercado de capitais, e apenas 50 ações podem ser consideradas com liquidez adequada em Bolsa de Valores. Outrossim, diminuir os custos de abertura de capital melhoraria a percepção do mercado por parte do pequeno poupador.

20 Mercado secundário O mercado secundário, segundo Fortuna (2005), constitui-se no Mercado de Bolsa, propriamente dito, local onde os acionistas vendem suas ações para outros investidores. As Bolsas de Valores são locais onde os investidores em ações compram ou vendem seus papéis por meio da atuação de corretoras. Nesta etapa as empresas não se envolvem e os negócios no pregão da Bolsa são feitos entre antigos e novos acionistas das empresas. Um eficiente mercado primário garante o mercado secundário, ou seja, o Mercado de Bolsa. Nesse sentido, Fortuna (2005) esclarece que as empresas não lucram diretamente com os negócios na Bolsa. Por outro lado, ninguém compra uma ação diretamente de uma empresa se não puder vendê-la quando lhe aprouver. Portanto, a empresa que tiver ações com boa liquidez, ou seja, bem cotadas na Bolsa, terá mais facilidade para captar novos recursos no mercado primário, enquanto que os novos sócios estarão mais confiantes com a possibilidade de vender as ações no momento em que desejarem. Nos últimos anos, segundo Fortuna (2005), constatou-se um incremento no mercado de ações, o que tem se manifestado de diversas formas. O autor expressa ainda que os negócios concentrados em poucas ações, geralmente de empresas estatais, podem ser citados em primeiro plano. Isso decorre do fato de essas empresas terem baixo risco de falência e controlarem os mercados cok os quais operam. Dados da CVM (2008) indicam que as cinco ações mais negociadas em 1980 foram responsáveis por 31% do volume total de negócios, e em 1994 esse percentual subiu para 67%. Hoje, compreendem 80% do mercado acionário negociado na Bolsa. Em segundo plano se encontra a concentração ao nível dos investidores, expressa Fortuna (2005). Isso significa que 24% do valor de mercado das companhias abertas são obtidos por investimentos institucionais em ações, em particular os fundos de pensão, onde se inclui os de empregados de empresas estatais. Finalmente, em terceiro plano, Fortuna (2005) apresenta a concentração no setor de intermediários financeiros. Nesse sentido percebe-se que o número de corretoras e distribuidoras diminuiu entre os anos de 1980 e 1995, mas aumentou no agregado o de bancos comerciais e múltiplos. Como consequência, ao invés de corretoras independentes que teriam maior interesse no mercado de ações de renda fixa, o mercado estaria mais dominado do que antes por corretoras de bancos. O item que segue apresenta os tipos de mercados acionários existentes atualmente, contribuindo para ampliar o estudo a respeito do tema.

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2009 O papel do private equity na consolidação do mercado imobiliário residencial Prof. Dr. Fernando Bontorim Amato O mercado imobiliário

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO O MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO Antônio Emygdio Circuito Universitário CVM 2ª Semana Nacional de Educação Financeira http://www.semanaenef.gov.br http://www.vidaedinheiro.gov.br Agenda 1. Mercado de Capitais

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito.

Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor ao par O valor de face uma ação ou título. No caso de ações, o valor ao par é, meramente, um registro contábil e não serve a outro propósito. Valor da cota de um fundo de investimento É calculado

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima

Fonte: AZ Investimentos / Andima. Fonte: AZ Investimentos / Andima ANÁLISE CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA OFERTAS PUBLICAS DE AÇÕES Por: Ricardo Zeno 55 21 3431 3831 27 de Fevereiro, 2008 Em 2007, o destaque foi para as emissões de Renda Variável, o volume total das ofertas

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A.

ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. ITAÚSA - INVESTIMENTOS ITAÚ S.A. CNPJ 61.532.644/0001-15 AVISO AOS ACIISTAS Companhia Aberta AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES, APROVADO PELO CSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa.

[CONFIDENCIAL] Aprenda com o SAGAZ. Primeiros passos para investir na Bolsa. 1 Aprenda com o SAGAZ Primeiros passos para investir na Bolsa. Está pensando em investir em ações e não sabe por onde começar? Fique tranqüilo, você está no lugar certo. Aqui você terá a melhor orientação

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Gestão Financeira de Organizações

Gestão Financeira de Organizações Gestão Financeira de Organizações Módulo 10 - Política de Dividendos e Relações com Investidores Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail: luiz.campagnac@gmail.com Livro Texto Administração Financeira: princípios,

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF Conceito 1 Conceito Integração dos mercados imobiliário e de capitais, de modo a permitir a captação de recursos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Resultados 2005 Resultados 2005

Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 2005 Resultados 1T06 Bovespa: RSID3 NYSE (ADR): RSR2Y Receita Líquida alcança R$ 85,2 milhões VGV totaliza R$ 94,3 milhões Vendas contratadas crescem 63% São Paulo, 11 de maio

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda Urban View Urban Reports Quando o imóvel vira renda Programa Elas & Lucros, Rádio Brasil 2000 FM 107,3 Coluna minha cidade, meu jeito de morar e investir Quando o imóvel vira renda Aqueles com menos de

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA FAÇA A SUA ESCOLHA. VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTO VALIA VALIA FIX VALIA MIX 20 VALIA MIX 35 O melhor perfi l de investimento é o que mais se parece com você. FAÇA A SUA ESCOLHA. A Valia está disponibilizando três perfis

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010

ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010 ABECIP / SECOVI / ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL IMPLEMENTAÇÃO DO S.F.I. SECURITIZAÇÃO NO BRASIL 05/08/2010 A IMPORTÂNCIA DO SFI NO BRASIL LEGISLAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ARCABOUÇO LEGAL PRONTO Base Legal Fonte

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais