Comportamento macroeconômico do Brasil após a crise financeira internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamento macroeconômico do Brasil após a crise financeira internacional"

Transcrição

1 Comportamento macroeconômico do Brasil após a crise financeira internacional Brunna Barros Pugim 1 Marcelo Balloti Monteiro 2 Ricardo Lerche Eleutério 3 Resumo: A partir de um breve histórico da crise econômico-financeira originada em 2007 no mercado imobiliário dos Estados Unidos, chamado subprime, leva a quebra do Banco Lehman Brothers com o estouro da bolha em 2008 atingindo o mercado internacional. No Brasil, o reflexo desta crise começa a surgir em meados de 2008 trazendo ao país um aumento na taxa de desemprego e a redução do consumo da população. Com base em levantamentos bibliográficos da crise global e dos indicadores econômicos brasileiros, analisamos a relação desta crise no Brasil nos anos de 2008 até Com políticas econômicas, o estado brasileiro intervém no mercado a fim de retomar o crescimento econômico do nosso país. Palavras-chave: crise econômico-financeira, Brasil, indicadores econômicos mercado, políticas econômicas. Abstract: From a brief history of the economic and financial crisis originated in 2007 in the real estate market in the United States, named subprime, leads to breakdown of Lehman Brothers with the bubble burst in 2008 reaching the international market. In Brazil, the impact of this crisis begins to emerge in mid bringing the country to a rise in the unemployment rate and the reduction of public consumption. Based on literature surveys of the global crisis and the Brazilian economic indicators, analyze the relationship of this crisis in Brazil in the years 2008 to With economic policies, the Brazilian state intervenes in the market to resume economic growth of our country. Keywords: economic and financial crisis, Brazil, economic indicators, market, economic policy. 1 Formada em Ciências Econômicas pela FMU Faculdades Metropolitanas Unidas 2 Mestre em Economia pela PUC/SP, é Professor da FMU Faculdades Metropolitanas Unidas 3 Mestrando em Administração UNIP Universidade Paulista, é Professor da FMU Faculdades Metropolitanas Unidas

2 INTRODUÇÃO A crise do chamado subprime, que estourou em 2008 com a quebra do Banco Lehman Brothes nos Estados Unidos, atingiu os países em desenvolvimento e os desenvolvidos, que buscam o crescimento com o aumento do comércio internacional. As medidas protecionistas dos países atingidos pela crise buscavam o fortalecimento de suas economias e de outros países com relações comerciais. Um breve histórico da considerada maior crise financeira desde a Grande Depressão de 1929, apresenta o início em 2007 com a compra de bancos por outras instituições, o descrédito do mercado, a intervenção do estado norteamericano no mercado, com a nacionalização de companhias do mercado financeiro até a volatilidade dos preços das ações. A desconfiança do mercado financeiro, no início, foi considerada falta de liquidez no sistema norteamericano, o que não foi considerado posteriormente, pois, tanto o governo norte-americano, como de outros países tomaram medidas protecionistas e de incentivo à economia para fugir da recessão que estava se concretizando. O impacto inicial dessa crise no Brasil foi a diminuição das exportações, devido ao problema de liquidez no sistema financeiro mundial e o aumento da taxa de desemprego. O governo brasileiro adota medidas macroeconômicas para diminuir o impacto para a população e tentar manter o maior número de pessoas empregadas possíveis. A manutenção do emprego da população brasileira é importante para a política econômica brasileira adotada pelo governo federal, pois buscava o crescimento do país no consumo de produtos, e não na produção dos mesmos, que podiam ser importados, ou não. Algumas medidas adotadas pela área econômica brasileira foram o incentivo ao consumo, ao crédito, que estava escasso no mundo e o governo utilizou os bancos federais para isso. Sendo assim, o presente artigo visando a discussão sobre a crise econômica de 2008 ocorrida nos Estados Unidos, busca analisar suas origens levando em conta as consequências que trouxe para todo o mercado financeiro

3 internacional, além de ressaltar as políticas adotadas pelo governo brasileiro a fim de contornar o cenário externo. O trabalho será divido em seis partes, sendo na primeira parte um breve histórico da crise norte-americana de Na segunda parte análise dos dados econômicos brasileiros no período de 2008, na próxima parte a análise dos dados de 2009, na quarta parte a análise de 2010, na quinta parte a análise de 2011 e por último a conclusão do trabalho. ARTIGO Considerada como a maior crise financeira desde a Grande Depressão de 1929, a crise no mercado hipotecário subprime dos Estados Unidos de 2007 atingiu países desenvolvidos e países em desenvolvimento de maneira assimétrica. A intensidade com que a crise financeira atingiu os países ao redor do mundo e a velocidade com que ela se dissipou pode encontrar explicação em dois fatos que são apontados por Terrones, Köse e Claessens (2010, p.2): inovações tecnológicas, principalmente no mundo financeiro e liberalização das finanças mundiais com a sua desregulamentação. A liberalização das finanças mundiais não veio acompanhada de um aparato regulatório capaz de domesticar os impulsos gananciosos dos gestores da alta finança mundial. Desta vontade desenfreada de auferir os maiores lucros possível, surgiram novos produtos no mercado financeiro e muitas instituições ampliaram seus tentáculos na sociedade atuando no mercado à margem do sistema legal, o chamado shadow banking system. (FURCERI e MOUROUGANE, 2009, p.12) Ademais, a desregulamentação financeira provoca assimetria de informações na concessão de créditos. Enquanto a economia possui sólidos indicadores de crescimento econômico, a chance de ocorrer inadimplência é reduzida; isto, por si só, aumenta o desejo dos gestores de carteiras de ampliar

4 o número de clientes e como consequência aumentar os seus lucros. A busca por novos clientes e a reduzida probabilidade de default faz com que diminua as exigências e quantidade de informações para novos empréstimos, aonde começa a aumentar as chances de calote. Conforme o BIS (2009), a crise do subprime, pode ser dividida em cinco etapas distintas conforme os acontecimentos iam acontecendo. Entre junho de 2007 e março de 2008, quando o banco de investimentos Bear Stearns foi comprado pelo J.P.Morgan, chamamos de primeira fase; a segunda etapa está compreendida entre meados de março e meados de setembro de 2008, é marcada pela generalização das dificuldades do mercado hipotecário para o sistema financeiro; a terceira fase e talvez a pior de todas elas foi a falência do banco Lehman Brothers em 15 de setembro de 2008, quando a confiança minguada dos agentes financeiros praticamente acabou e o Estado teve que atuar na economia. Tais intervenções em quase nada contribuíram para a recuperação da confiança e o pessimismo era cada vez maior; essa é a chamada quarta etapa da crise e durou de outubro de 2008 a março de A quinta é última fase é, após março de 2009, quando alguns indicadores apresentar razoável melhora. (BIS, 2009, p.16-17) A primeira etapa da crise pode ser considerada uma fase norte-americana dado que as perdas no mercado hipotecário subprime, aconteceram preponderantemente na maior economia do mundo. Nesse momento, o mercado interbancário reduz sensivelmente a concessão de empréstimos na tentativa de reduzir as perdas, que já se encontravam em patamares bastante elevados. (BIS, 2009, p.17) Esta etapa encerra-se com a falência do banco de investimento Bear Stearns e o aumento dos temores de que outras instituições importantes poderiam estar com problemas de solvência como já havia acontecido com bancos no Reino Unido e na Islândia. Naquele momento, nenhuma autoridade econômica acreditava que uma crise sistêmica estava sendo gestada no coração do capitalismo. (BIS, 2009, p.17) A segunda etapa da crise é marcada por um rápido momento de tranquilidade no mercado financeiro que foi contrastado pela percepção

5 generalizada que a atividade econômica sofreria uma queda não só nos Estados Unidos como nas principais economias mundiais. Isto lançaria mais pressão nos balanços das instituições financeiras e aumentava-se o temor de que os planos de recapitalização antevistos não seriam suficientes. (BIS, 2009, p.19) A desconfiança que aumentava paulatinamente tomou contornos dramáticos quando as agências hipotecárias Fannie Mae e Freddiy Mac apresentaram resultados trimestrais muito abaixo do que estava sendo previsto no mercado. A falência destas agências do mercado secundário de hipotecas no mercado dos Estados Unidos era dada como única solução, quando o governo do país assumiu, ambas, no dia 7 de setembro de (BIS, 2009, p.21-22) A terceira etapa e talvez a mais delicada da crise aconteceu uma semana após o governo dos Estados Unidos assumirem as duas agências hipotecárias. No dia 15 de setembro de 2008, o banco de investimento Lehman Brothers entrou com um pedido de proteção contra falência. Neste momento, o pânico se disseminou pelo mundo todo e what many had hoped would be merely a year of manageable Market turmoil the escalated into a full-fledged global crisis. (BIS, 2009, p.23) A crise financeira, que parecia apenas uma crise de liquidez, reservada ao sistema financeiro começou a fazer vítimas em outros segmentos da economia. Dois dias após a falência do Lehman Brothers, uma das maiores companhias de seguros do mundo, AIG, foi nacionalizada pelo valor de US$ 87 bilhões. O mês de outubro ficou marcado pelas intervenções dos governos pelo mundo afora no sistema financeiro na tentativa de garantir liquidez para que a atividade econômica não cessasse. Ademais uma ação conjunta orquestrada pelos bancos centrais dos Estados Unidos, União Europeia e Inglaterra, reduziu sensivelmente as taxas de juros na intenção de garantir o que fosse preciso ser feito para salvar o sistema financeiro, isso seria feito. (BIS, 2009, p.30) A quarta etapa da crise que tem início em meados de outubro e durou até março de 2009 foi marcada por forte apreensão das autoridades e do sistema financeiro em geral, que previam um mergulho da atividade econômica e quiçá

6 até mesmo uma recessão mundial. O início de 2009 não apresentou qualquer melhora nos indicadores econômicos, pelo contrário: os números do final de 2008 foram sofríveis, o que aumentava a expectativa de que a economia caminhava para algo muito semelhante ao Crash de (BIS, 2009, p.31-32) A última etapa da crise pode ser sintetizada pelo pequeno aumento dos preços dos ativos da economia e uma redução marginal na volatilidade das bolsas de valores. No entanto, essa pequena dose de otimismo do mercado financeiro era contrabalanceada pela economia real pois: [...], signs of dysfunction and related distortions remained, suggesting that the combined efforts of governments and central banks had not yet fully restored confidence in the global financial system. Thus, the process of normalisation seemed likely to be protracted and subject to considerable risks. (BIS, 2009, p.34) Tabela 1: Informações da economia brasileira de 2008 até PIB (%) 5,08-0,30 7,50 2,70 Consumo Total (%) 5,40 4,00 6,20 4,10 Exportação (%) -0,60-10,30 11,50 4,80 Importação (%) 18,50-11,40 35,80 11,00 Saldo de Transações Correntes (US$ , , , ,00 Milhões) Metas de Inflação (%) 4,50 4,50 4,50 4,50 IPCA - Inflação (%) 5,90 4,31 5,91 6,50 IGPM - Inflação (%) 9,80-1,72 11,32 5,10 Câmbio (R$ por US$) 1,83 2,00 1,76 1,67 Taxa de Desemprego (%) 7,90 8,10 6,70 6,00 Taxa Selic (%) 13,75 8,75 10,75 11,00 Elaborado pelos autores, fontes: Bacen, IPEA, TCU, IBGE

7 Os efeitos da crise financeira do mercado imobiliário norte-americano no Brasil serão apresentados, dos anos de 2008 até 2011, e quais foram as medidas adotas pelo governo federal para reduzir esses efeitos no nosso país. Serão analisados dados econômicos, como: (i) PIB (produto interno bruto); (ii) índices de inflação IPCA (índice nacional de preços ao consumidor amplo) e IGP-M (índice geral de preços do mercado), (iii) taxa de câmbio, (iv) taxa de desemprego, (v) a taxa básica de juros taxa Selic, (vi) meta da inflação, entre outros. No ano de 2008 a balança comercial teve uma redução de 38% em relação ao ano anterior, ocasionado pela taxa de câmbio desvantajoso (TCU, 2009), já o PIB da economia brasileira aumentou 5,08%, em relação ao ano de 2007, mesmo com uma variação negativa de 3,6% no último trimestre, sendo o principal fator de crescimento da economia brasileira, o consumo das famílias, que representou 60,7% do PIB nacional, o consumo total aumento 5,4% de 2007 para Em contrapartida, o setor de indústria recuou 2,1% no mesmo período, a contribuição da indústria no PIB, que estava crescendo nesse ano, 1,1% no segundo trimestre e 2,83% no terceiro trimestre, teve uma redução e cresceu somente 0,25% no quarto trimestre, já com o impacto da crise. (IPEA, 2009). O processo de inclusão social e de melhora na distribuição de renda, algo consolidado macroeconomicamente em economias emergentes, mesmo aquelas que sofreram com a crise global (BARROS; GIAMBIAGI, 2009). Em razão da crise, o mercado externo também foi afetado com reduções da demanda e aumento das taxas de desemprego. O dólar ficou valorizado no Brasil por conta das remessas em moeda estrangeira. (IPEA, 2009) Considerando as políticas macroeconômicas adotadas, como, a política fiscal aumentou a arrecadação federal, mesmo com estímulos à economia, como a redução da alíquota do IRPF 2009, redução do IPI (imposto sobre produtos industrializados) para automóveis até março de 2009, a desoneração do IOF (imposto sobre operações financeiras) para empréstimos ao consumidor, buscando melhora do crédito privado (PIRES, 2009), mantendo uma política expansiva com o aumento dos gastos do governo.

8 Já a política monetária foi contracionista em relação a taxa de juros, o aumento da taxa Selic meta de 11,25% a.a. no início de 2008 para 13,75% a.a. em dezembro de 2008, a redução dos depósitos compulsórios de 45% para 42% nos depósitos à vista em outubro de Os juros mais altos não impediram o aumento do crédito que elevou sua oferta ao longo de Somente em 2009, a crise afetou o canal comercial, com a queda nas exportações (NAKANO, 2012). Resultado, o PIB foi negativo, mas do lado da demanda houve um crescimento no consumo das famílias de 4,1%. Por conta de uma baixa demanda internacional as exportações diminuíram 10,3% e as importações 11,4%, conforme aponta o TCU (2009). A taxa de desemprego não se alterou em relação ao ano anterior, mantendo-se em 6,8%. Neste período o governo aumentou de cinco para seis meses o período de recebimento do seguro desemprego. As principais políticas macroeconômicas monetárias aplicadas foram a redução dos depósitos compulsórios 4, o aumento do crédito por intermédio dos bancos públicos e a redução da taxa Selic. Com essas medidas, o governo conseguiu estimular o investimento, aumentar o consumo doméstico com taxas baixas de juros e maior oferta de crédito. Estas medidas monetárias aumentaram a liquidez na economia. O Governo Federal liberou linha de crédito ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para o setor produtivo no curto prazo, esse setor com problemas de liquidez. (TCU, 2010). A política econômica fiscal adotada teve por objetivo reduzir algumas alíquotas de impostos, alterar datas de pagamentos e também a diminuição do superávit primário. Do ponto de vista do nível de emprego e da demanda agregada, essa política teve um regime expansionista. A expectativa do governo era que essas mudanças gerassem um alívio de R$ 21 bilhões aos caixas das empresas brasileiras. (TCU, 2010). O Governo Federal, através da CEF (Caixa Econômica Federal) disponibilizou R$ 2 bilhões para serem utilizados no consumo por pessoas físicas para a aquisição de eletrodomésticos, móveis e materiais de construção. Em 4 Maneira com que o Banco Central garante o poder de compra da moeda nacional.

9 abril de 2009, o governo federal reduziu as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de fogões, geladeiras, lavadoras e tanques. (TCU, 2010, pg. 17). No mesmo período a Caixa Econômica Federal aumentou o limite de crédito para aquisição de materiais de construção para R$ , antes R$ Já o BNDES disponibilizou US$ 6,9 bilhões para as empresas do setor automotivo. Em 11 de Novembro, o governo estadual de São Paulo, aprovou uma linha de crédito em conjunto com a Nossa Caixa no valor de R$ 4 bilhões para o mesmo setor. O governo federal põe em prática uma medida fiscal contracionista isentando o IPI em veículos de motor 1.0, além dos cortes tributários. Em 2010 o PIB teve uma recuperação de 6,5% e um aumento na produção de bens e serviços nacionais. Segundo o TCU (2011), o Brasil ficou em 5 lugar no crescimento do PIB em comparação aos demais membros do G20 5, ficando atrás da China, Índia, Argentina e Turquia. Com a evolução do PIB podemos observar que o país conseguiu superar a crise internacional financeira desenvolvida em As operações de crédito nacional cresceram 20,5% o que corresponde a um total de R$ 1,7 trilhão, conforme o TCU (2011), as exportações cresceram uma média de 32%. Para a China houve crescimento de 46%, para a Argentina 44,3%, para o Mercosul 42,2% e o bloco asiático 39,3%, (TCU, 2011) O nível de desemprego diminuiu e houve um amento na renda média recebida pelo trabalhador. Conforme explica o TCU (2011), a taxa de desocupação vem diminuindo ao longo dos anos e conta com um aumento médio na renda do trabalhador desde O emprego formal acompanha os índices de evolução. Em 2010 o governo adotou uma política fiscal ainda mais expansionista, conforme aponta o TCU (2011), a receita primária chegou a um montante R$ 779,1 bilhões enquanto a despesa primária R$ 700,1 bilhões, já a política 5 Foi criado nos anos 90. É formado por 19 países mais a União Europeia e tem por objetivo promover debates entre os países envolvidos com o interesse de manter uma estabilidade econômica mundial.

10 monetária neste período foi contracionista, aumentando o IOF e os depósitos compulsórios. O Banco Central do Brasil passou a remover os estímulos monetários expansionistas adotados em 2009, aumentando, gradualmente, as alíquotas dos depósitos compulsórios sobre recursos a prazo. (TCU, 2011, pg. 34). Nos anos de 2009 até 2011, observamos o aumento da inflação calculada pelo IPCA saindo dos 4,31%, em 2009, chegando ao teto da meta de inflação de 6,50% em 2011, sendo o aumento dos juros, frequentemente usado como instrumento de combate à inflação (ROSSI, 2011), a taxa Selic passou de 8,75% a.a., em 2009, para 11% a.a., em O PIB de 2009 apresentou um resultado negativo de 0,30%, passando para 7,50% em 2010 e voltando ao patamar de 2,70% em 2011, sendo o crescimento do consumo de 2009 de 4,00% para 6,20% em 2010 e 4,10% em CONCLUSÃO / CONSIDERAÇÕES FINAIS Entre junho de 2007 e março de 2009, a crise de subprime foi dividida em cinco etapas (BIS). Com a quebra do Lehman Brothers, um dos maiores bancos americanos, a crise financeira foi desencadeada por uma crise imobiliária que se intensificou com a falência de vários outros bancos, financeiras e seguradoras. A concessão de empréstimos hipotecários de forma irregular foi a causa direta da crise, emprestavam para quem não tinham capacidade de pagar ou de se responsabilizar com o ônus das taxas mais altas. Com a falta de confiança, o crédito começa a diminuir, o desemprego cresce e o crescimento econômico fica comprometido. Os dados demonstrados neste artigo deixam claro que a crise que estourou em 2008, só apresentou impacto econômico no final do mesmo ano e no primeiro semestre de Considerando o crescimento no segundo semestre, a melhoria de alguns indicadores financeiros e comerciais, levou ao ufanismo de empresários e de alguns economistas apressados, com o apoio da mídia, de que a fase crítica da crise tinha passado (CARVALHO, 2010).

11 As taxas de desemprego diminuíram de 8,10% em 2009 para 6,70% em O consumo voltou a ser positivo, gerando impacto na inflação (IPCA), que chegou ao teto da meta. As exportações diminuíram principalmente pela valorização da nossa moeda e por consequência, as importações mantiveramse em alta, causando o aumento do déficit na conta de transações correntes no ano de Fica evidente que o governo brasileiro a fim de conter os efeitos da crise financeira no país colocou em prática medidas de incentivo econômico. Observamos também que as medidas políticas adotadas pelo governo, foram de extrema importância para a recuperação da economia nacional. REFERÊNCIAS BANCO CENTRAL DO BRASIL. (BACEN) Histórico das Taxas de Juros fixadas pelo Copom e evolução da taxa selic Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?copomjuros>. Acesso em: 15 set Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/ptbr/paginas/default.aspx>. Acesso em 15 mar Metas para Inflação. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?metasnorma>. Acesso em: 15 set BANK FOR INTERNATIONAL SETTLEMENTS (BIS). 79 th annual report. Basiléia: BIS, Disponível em: <http://www.bis.org/publ/arpdf/ar2009e.htm>. Acesso em 23 de março de BARROS, O de; GIAMBIAGI, F, Brasil pós-crise: seremos capazes de dar um salto? In: GIAMBIAGI, F; BARROS, O de, Brasil pós-crise: agenda para a próxima década. Rio de Janeiro, 2ª Reimpressão, CARVALHO, David Ferreira. A crise financeira dos EUA e suas prováveis repercussões na economia global e na América Latina: uma abordagem pósminksyana. ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO KEYNESIANA BRASILEIRA, v. 3, FURCERI, D; MOUROUGANE, A. Financial crisis: past lessons and policy implications. Disponível em: <https://www1.oecd.org/governance/publicfinance/ pdf>. Acesso em: 22 de março de INSTITUTO BRASILERIO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Produto Interno Bruto Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. Rio de Janeiro, Disponível em:

12 <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pibmunicipios/2004_2008/pi bmunic2004_2008.pdf>. Acesso em: 15 mar Produto Interno Bruto Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasregionais/2009/conta sregionais2009.pdf >. Acesso em: 15 mar Produto Interno Bruto Sistema de Contas Nacionais Trimestrais e Acumulados. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/pib/defaultcnt.shtm>. Acesso em 15 mar Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo IPCA. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/defaultin pc.shtm>. Acesso em 15 mar INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Carta de Conjuntura, Diretoria de Estudos Macroeconômicos. Governo Federal, n. 5, Dez Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/pdfs/conjuntura/cc05_completa. pdf>. Acesso em 17 mar Carta de Conjuntura, Diretoria de Estudos Macroeconômicos. Governo Federal, n. 8, Set Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/pdfs/conjuntura/cc08_completa. pdfacesso em 17 mar Carta de Conjuntura, Diretoria de Estudos Macroeconômicos. Governo Federal, n. 11, Out Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/pdfs/conjuntura/cartaconjuntura _pdf_final_ pdf>. Acesso em 17 mar Carta de Conjuntura, Diretoria de Estudos Macroeconômicos. Governo Federal, n. 15, Dez Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/pdfs/conjuntura/cc15_completa5 _final2.pdf>. Acesso em 17 mar Carta de Conjuntura, Diretoria de Estudos Macroeconômicos. Governo Federal, n. 17, Dez Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/pdfs/conjuntura/cc17_completa. pdf>. Acesso em 17 mar MARTINS, Diogo. Desemprego médio em 2012 é o mais baixo desde 2003, diz IBGE. Revista Valor Econômico, Rio de Janeiro, jan NAKANO, Y. A grande recessão: oportunidade para o brasil alcançar os países desenvolvidos. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 52, n. 2, março-abril, 2012.

13 PIRES, M. C. C., Multiplicadores Fiscais: Uma contribuição ao debate sobre políticas fiscais anticíclicas. In: Anpec 2009, Foz do Iguaçu. Anpec. PORTAL DE FINANÇAS. Disponível em: <http://www.portaldefinanças.com>. Acesso em 16 mar TERRONES, M.E; KÖSE, M.A; CLAESSENS, S. The global financial crisis: how similar? How different? How costly? Disponível em: <http:// Acesso em: 23 de março de TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TCU. Política Fiscal e Monetária. Desempenho da Economia Brasileira em Disponível em <http://www.tcu.gov.br/contasdogoverno>. Acesso em: 20 out Relatório e Pareceres Prévios Sobre as Contas do Governo da República, Exercício de Brasília, Disponível em: <http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/tcu/comunidades/contas/contas_g overno/contas_08/textos/cg_2008_relatorio_completo.pdf>. Acesso em: 20 out Relatório e Pareceres Prévios Sobre as Contas do Governo da República, Exercício de Brasília, Disponível em: <http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/tcu/comunidades/contas/contas_g overno/contas_09/textos/cg%202009%20relat%c3%b3rio.pdf>. Acesso em: 20 out Relatório e Pareceres Prévios Sobre as Contas do Governo da República, Exercício de Brasília, Disponível em: <http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/tcu/comunidades/contas/contas_g overno/contas_10/cg%202010%20relat%c3%b3rio.pdf>. Acesso em: 20 out

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira

A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira A crise econômica internacional e a reação da economia brasileira Claudio Roberto Amitrano Dr. em Economia UNICAMP DIMAC-IPEA claudio.amitrano@ipea.gov.br Principais determinantes da crise Crise: inadimplência

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA 2.1 - DESEMPENHO DA ECONOMIA BRASILEIRA E DA POLÍTICA ECONÔMICA-FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL 2.1.1. Panorama Econômico em 2009 O ano de 2009 transcorreu sob os efeitos da crise financeira internacional

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 08 AGOSTO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes divulgações dos principais indicadores de desempenho da economia brasileira mostram

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Preferência pela Liquidez e a Natureza da Crise Brasileira +

Preferência pela Liquidez e a Natureza da Crise Brasileira + Preferência pela Liquidez e a Natureza da Crise Brasileira + Luiz Fernando de Paula * Considerando a solidez dos fundamentos econômicos (reservas cambiais elevadas, bons indicadores de vulnerabilidade

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO?

AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? AS CONTAS EXTERNAS DO BRASIL ESTÃO SE DETERIORANDO? Josué Pellegrini 1 As contas externas de um país estão retratadas no seu balanço de pagamentos, registros das transações econômicas entre residentes

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Economic Outlook October 2012

Economic Outlook October 2012 Economic Outlook October 2012 Agenda Economia global Consolidação de crescimento global fraco. Bancos centrais estão atuando para reduzir riscos de crise. Brasil Crescimento de longo prazo entre 3.5% e

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA

CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA CRISE FINANCEIRA GLOBAL e IMPACTOS NA ECONOMIA BRASILEIRA Fundamentos da Crise Financeira Global Conceito: O setor financeiro faz a ponte de ligação entre a macro e a microeconomia. Qualquer falha no funcionamento

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais

Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais Anexo III Metas Fiscais III.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101,

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar Quando os mercados financeiros globais enfrentam dificuldades, os bancos centrais coordenam swaps de moedas para aliviar a tensão. Devido ao importante

Leia mais

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Sergio Lamucci, de São Paulo Valor Econômico, 09/04/2009 O economista Yoshiaki Nakano acha improvável o Brasil escapar de uma contração do Produto Interno

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA MUNICIPAL DE NOVA PRATA RS RELATÓRIO BIMESTRAL 01/2015 JANEIRO E FEVEREIRO DE 2015 Como Presidente e Gestora do Instituto de Previdência

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico COMBATE INFLACIONÁRIO, INCERTEZA POLÍTICA 1 28 de Dezembro de 2015 O cenário fiscal ainda se mantem desafiador, uma vez que o quadro político permanece incerto, com a recente troca no comando do Ministério

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Octubre- Diciembre 2015

www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Octubre- Diciembre 2015 www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Octubre- Diciembre 2015 Prof. Rubens Sawaya Assistente: Maria Gorete da Silva PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais