Margarete Padueli 1. O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE Artigo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Margarete Padueli 1. O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE Artigo"

Transcrição

1 O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE Artigo O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE Margarete Padueli 1 RESUMO: Atualmente a ciência ambiental apresenta-se mais complexa do que nunca. Consequentemente, os conhecidos instrumentos utilizados pelos cientistas fogem dos parâmetros da ciência normal e requerem novo enfoque crítico. As ferramentas próprias do Direito Ambiental são insuficientes para a solução dos problemas sócio-ambientais modernos, se aplicadas isoladamente. Faz-se necessária a associação da ciência jurídica a um processo de redefinição política e inclusão social. Reflexão e remodelação do paradigma de desenvolvimento são as chaves para se atingir a sustentabilidade integral. Palavras-chave: Ciência Ambiental. Direito Ambiental. Sustentabilidade. ABSTRACT: Today, environmental science seems to be more complex than ever. As a consequence, the known tools used by scientists are out of the parameters of the normal science and require a new critical focus. The tools of the Environmental Law are insufficient for the solution of the modern social environmental problems, if applied isolated. There is the need of a re-defining politics process and social inclusion process. Thinking over and remodeling are the keys to achieve integral sustainability. Keywords: Environmental Science. Environmental Law. Sustainability. A ciência ambiental enfrenta o desafio de apontar caminhos para uma ciência contemporânea complexa e interdisciplinar. A complexidade 1 Possui graduação em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie; especialização em Direito Empresarial pela PUC/SP; especialização em Administração de Empresas pela FEA; MBA pela FIA; mestrado em Gestão Integrada em Saúde, Segurança e Meio Ambiente pelo Centro Universitário Senac; atualmente doutoranda pelo PROCAM-USP. 175

2 Padueli, M. no estudo das questões ambientais vai muito além das análises de risco e vulnerabilidade das sociedades modernas. A ciência normal, limitada a realizações científicas passadas, se apresenta como insuficiente no estudo de temas contemporâneos, sendo que frequentemente se mostra insuficiente quando o êxito do cientista normal consiste tão somente em mostrar que a teoria dominante pode ser apropriada e satisfatoriamente aplicada na obtenção de uma solução para o enigma em questão. 2 Em verdade a crise do mundo globalizado nos obriga a enfrentar os problemas ambientais que não mais podem ser analisados sob óticas tradicionais. A globalização e a complexificação do ambiente, leva a gerar novas perspectivas epistemológicas e metodológicas. 3 Sobre a crise do mundo globalizado, Leff aponta para a preocupação constante em demonstrar que o processo de degradação da qualidade do meio ambiente, encerra também o avanço da desigualdade social e a corrosão da qualidade de vida. O caráter global e complexo dos problemas ambientais contemporâneos traz consigo efeitos transfronteiriços e transdisciplinares, ensejando a necessidade de se encontrar métodos capazes de articular processos sociais de diferentes escalas temporais e espaciais, e de diferentes ordens conceituais, em enfoques compreensivos que expliquem os fenômenos multicausados e heterogêneos que constituem os sistemas ambientais. É na construção da racionalidade ambiental, desconstrutora da racionalidade capitalista que se forma o saber ambiental que pressupõe a integração inter e trans-disciplinar do conhecimento, para explicar o comportamento de sistemas sócio-ambientais complexos. Os problemas ambientais contemporâneos, agravados pelo processo de globalização, assumem um nível de complexidade que nos leva a inusitadas suposições de que a crise ecológica se apresenta como uma crise civilizatória. 4 De fato, os modelos econômicos capitalistas utilizados atualmente, associados a modelos produtivos destrutivos do meio ambiente apontam para um processo de destruição e desequilíbrio nos meios ambientais e sociais. A idéia de que o desenvolvimento tecnológico é totalmente positivo não pode ser concebida de maneira simplista, pois, se por um lado, toda a civilização se beneficia dos confortos advindos dos processos tecnológicos, por outro lado, nunca se atingiu tamanho grau de degradação ambiental sendo que os desníveis econômico-sociais estão cada vez mais evidentes. Atualmente, o cenário produtivo do planeta apresenta uma dinâmica diretamente impulsionada pela necessidade de crescimento e de circulação de capital, não obstante tal imediatismo leve ao aumento de desigualdades sociais. Neste cenário complexo, a ciência pósnormal se apresenta como novo modelo de abordagem, pois assume as conseqüências, as incertezas e os ricos da crise ecológica e toma medidas, tanto de ordem epistemológica, como prática, no sentido de garantir que, se as incertezas e os ricos são globais, toda a sociedade deve participar da avaliação e controle da ciência e da tecnologia. O mestre Sachs traz um discurso atual no qual se propõe novos critérios e indicadores, tendo em vista uma internalização dos custos sociais e ecológicos das estratégias de desenvolvimento nas áreas de planejamento e gestão. Surge, então, o conceito (ainda controverso) de desenvolvimento e sutentabilidade integral, nos qual se conjugam preocupações pluridimensionais nas esferas: social, política, econômica, cultural, ambiental, e tantos outros adjetivos que levem à idéia maior de integralidade. 5 Menciona-se a controvérsia do conceito uma vez que nele, explicitamente, há que ser incorporada a ética máxima, na qual a condução dos mecanismos de desenvolvimento seja acompanhada da responsabilidade das sociedades humanas em proteger o planeta (em todos os seus aspectos, em especial ambiental e social). Seria possível construir um conceito eficaz fundado em aspectos eminentemente humanos? Estaria o ser humano moderno disposto a alterar seus costumes e até mesmo valores por um ideal maior de desenvolvimento e sustentabilidade integral? A realidade é que não há alternativa senão a busca pela sustentabilidade que encerra em si o sentido amplo da palavra sobrevivência. Atualmente a percepção de tudo afeta a todos 176

3 O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE está se tornando cada vez mais aparente e o problema da redução da biodiversidade assumiu, principalmente nas últimas décadas, proporções nunca antes atingidas, conforme aponta o Relatório da Diversidade Biológica, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) em A taxa atual de extinção é cerca de vezes superior à taxa natural. Grande parte das espécies terrestres estão extintas e a sobrevivência de muitas outras está ameaçada, como o Panda na China, os gorilas em África (o Gabão e a República do Congo possuem cerca de 80% da população mundial de gorilas), o lobo e o lince ibérico em Portugal (estima-se que não haja mais do que 50 linces ibéricos em Portugal). 6 As razões pelas quais devemos preservar a diversidade biológica são inúmeras, sendo que as intervenções humanas sobre os biomas de forma direta ou indireta sempre causam alteração, normalmente adversas, na qualidade do meio ambiente. Atualmente, as intervenções humanas têm causado degradação de elevado nível e desastres ambientais, que por sua vez, desencadeiam sucessivas degradações decorrentes que trazem consigo efeitos de desequilíbrio sobre a terra e afetam diretamente os seres vivos. Ressalte-se que a extinção de uma espécie pode levar ao desaparecimento de outras, uma vez que há inter-relação sistêmica entre os serres vivos do planeta. O Direito Internacional do Meio Ambiente nos fornece alguns instrumentos de aplicação na proteção da biodiversidade. A normatização no Direito internacional está disposta em inúmeros tratados e convenções sobre o assunto, sejam eles globais ou regionais, que datam a partir do século XX. Vale ressaltar, que até então, as questões relacionadas ao meio ambiente eram revestidas de um caráter cornucopista, associado à percepção de inesgotabilidade dos receosos naturais. No início do século XX, surge nos Estados Unidos a preocupação com os grandes parques nacionais, sendo que, ainda com uma visão utilitarista, as visitas deveriam ser cobradas. Seguindo a visão utilitarista, logo ao final da Primeira Guerra Mundial, em 1911, surge uma convenção para preservação e proteção das peles das focas, Convention for the Preservation and Protection of Fur Seals ( Convenção para a Preservação e Proteção da Pele das Focas ), com objetivo puramente comercial. A partir da Segunda Guerra Mundial, a conservação e a preservação emergiram como abordagens conceituais aplicadas à regulamentação dos recursos naturais, o que levou a acordos de proteção à fauna e à flora. Aos poucos, a visão utilistarista cede espaço para uma percepção conservacionista; na Europa, surgem as normas objetivando a proteção da biodiversidade, como a Convenção relativa à preservação da Fauna e Flora em seu Estado Natural, de 1933, que consistia em regras para que os países europeus preservassem a biodiversidade nas suas colônias africanas por meio de reservas naturais, London Convention Relative to the Preservation of Fauna and Flora in their Natural State ( Convenção de Londres para a Preservação da Fauna e Flora em seu Estado Natural ). 7 A partir dessa data, a lista de convenções, tratados e acordos que versam sobre a proteção ao meio ambiente se torna relativamente longa, e a partir da Segunda Guerra Mundial, a conservação e a preservação foram incorporados à regulamentação dos recursos naturais, o que levou à celebração acordos de proteção à fauna e à flora. Dentre eles os mais relevantes são: em 1946 International Convention for the Regulation of Whaling ( Convenção Internacional para a Regulação da Pesca de Baleia ), em 1950 Paris International Convention for the Protection of Birds ( Convenção Internacional de Paris para a Proteção das Aves ) e em 1951 International Plant Protection Convention ( Convenção Internacional de Proteção de Plantas ). 8 A partir do final da década de 1960 o número de acordos ambientais aumentou consideravelmente, e passa a contar não somente com os Estados, mas também com o setor privado, organizações internacionais, ONGs e a própria sociedade. A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972, constitui um importante marco para o Direito Internacional do Meio Ambiente, pois atenta à necessidade 177

4 Padueli, M. de regulação e instituição de princípios comuns capazes de oferecer ferramentas para a preservação do meio ambiente. Além da adoção de tratados, os acordos ambientais multilaterais constituem uma forma de materialização do Direito Internacional do Meio Ambiente, associada aos acordos ambientais multilaterais A adoção de declarações solenes também contribuiu sobremaneira para a evolução desse campo do direito internacional, pois mesmo que não sejam mandatórias elas podem influenciar a conduta dos Estados e, na medida em que forem bem sucedidas, e consequentemente, podem levar à consolidação de um costume internacional. Porém, poucos são os princípios legais derivados do costume, na área ambiental, pois ainda não decorreu tempo bastante para que a prática dos Estados se consolide em costumes aceitos internacionalmente como fonte do direito. O Direito Internacional clássico sempre defendeu o princípio da soberania territorial dos Estados, entretanto, com o surgimento dos tratados internacionais na área ambiental, esse princípio passou a sofrer restrição no tocante à ação dos Estados, em benefício e interesse da comunidade internacional. Desta forma, os Estados passam a exercer sua soberania no interior de suas jurisdições de acordo com os interesses comuns da humanidade. É importante mencionar a existência de duas convenções: a Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e da Fauna Selvagens em Perigo de Extinção 9 (CCIEFFSPE ou CITES, Convention on International Trade in Endangered Species), de 1973, e a Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica 10 (CNUDB ou UNCBD, United Nations Convention on Biological Diversity), de Tais convenções são importantes no que concerne a biodiversidade, pois discutem questões de conservação, que acabam servindo de escopo para o surgimento de novos regulamentos, como o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, de Com igual grau de importância, a Convenção das Nações Unidas sobre Direito do Mar (CNCDM ou UNCLOS United Nations Convention on the Law of the Sea), de 1982, 11 ainda é o principal instrumento internacional a estabelecer direitos e obrigações dos Estados e outros membros da Comunidade Internacional, visando à conservação e o uso sustentável dos recursos marinhos, como a sua biodiversidade, dispondo também sobre o manejo e conservação dos recursos pesqueiros. Atualmente, a relação de acordos e tratados é bastante extensa, e pode-se afirmar que o Direito Internacional do Meio Ambiente possui um conjunto normativo moderno, amplo e que aparenta ser eficaz. Então porque as espécies da Terra estão se extinguindo a uma taxa sem precedentes desde a extinção dos dinossauros. O Índice Planeta Vivo 12 apresenta o impacto devastador da ação da humanidade sobre a fauna. Houve um declínio da fauna una em quase um terço entre 1970 e O relatório mostra que as espécies terrestres declinaram 25%, as marinhas, 28% e as de água doce, 29%. 13 Tal relatório conclui que a atualmente a ação humana sobre o meio ambiente resulta em um excesso de 30% sobre a capacidade de regeneração do planeta. Sendo que, a continuar nesse ritmo, em meados de 2030 serão necessários dois planetas para manter nosso estilo de vida. 14 Além dos instrumentos já mencionados, o Direito Internacional do Meio Ambiente ainda conta com os princípios do Direito Internacional Público, tais como: Princípio da Soberania Estatal, Princípio da Prevenção, Princípio da Cooperação, Princípio do Desenvolvimento Sustentável, Princípio da Precaução, Princípio do Poluidor Pagador, Princípio da Responsabilidade Comum, Princípio da Equidade, entre outros. Da mesma forma, o Direito Internacional do Meio Ambiente pode lançar mão da doutrina e jurisprudência, mesmo que ainda modesta, face à sua tenra idade comparativamente a outros ramos do Direito. Ainda, existem as resoluções das organizações internacionais, que mesmo revestidas de força relativa, representam fonte da Soft Law. Tais resoluções contribuem para a formação de informações futuras e trazem para o Direito 178

5 O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE Internacional do Meio Ambiente, condutas que devem ser seguidas pelo Estado e servem como instrumento de pressão. Não obstante, todos estes instrumentos ainda parecem insuficientes. Em verdade, não se trata de um grau de suficiência a ser atingido. Ocorre que a humanidade passa por uma situação complexa e inovadora, cuja solução está além das ferramentas conhecidas disponíveis pela ciência jurídica. Todo esse cenário vasto em convenções internacionais multilaterais, a consolidação de uma jurisprudência na área ambiental e a contribuição da doutrina, cada vez mais rica, nos leva à impressão de que o Direito Internacional do Meio Ambiente se encontra em elevado grau de maturidade, porém ainda nos deparamos com dificuldades na aplicação de tais normas, como bem aponta o Prof. Guido: 15 a superposição de assuntos entre vários tratados e convenções sobre temas vizinhos, a existência de organismos com competências paralelas, a falta de coordenação de ações políticas globais entre os Estados, a inexistência de uma organização mundial com a competência unificada para todos os assuntos do meio ambiente internacional, bem como de organizações centralizadas na administração dos mecanismos de solução de litígios ambientais entre os Estados, são apenas alguns indicativos da completa falta de racionalidade na condução dos assuntos relativos ao meio ambiente, no âmbito global. Ainda no que concerne à convenção, acordos, tratados, enfim, atos jurídicos internacionais, questiona-se sobre sua efetividade sobre a ordem global e o seu poder coercitivo: erga omnes ou apenas inter alia. Na mesma linha, comenta o mestre Celso D. Albuquerque Mello: 16 A forma convencional é muito utilizada a fim de evitar litígios no mundo internacional. As convenções normalmente permitem aos Estados contratantes exercerem poderes de polícia neste assunto não apenas nos seus navios, mas também nos dos demais contratantes. A sua desvantagem é que as convenções se restringem apenas aos Estados contratantes e, muitas vezes, a não participação de um Estado na convenção põe todo o sistema a perder. Assim, diante da premência em solucionar a problemática da degradação acelerada da biodiversidade, sugere-se que as convenções ambientais sejam atos jurídicos de efeito global, atos jurídicos emanados pela ONU por meio de sua Assembléia Geral com efeitos erga omnes. E mesmo assim, ainda estaríamos diante da questão da coercivitidade de um instrumento jurídico internacional unilateral sobre Estados que eventualmente não queiram sua implementação. Em verdade, os instrumentos oferecidos pelo Direito Internacional do Meio Ambiente não são insuficientes, porém, utilizados pelos Estados consoante uma base metodológica e interpretativa tradicional, porém inadequada. Os Estados, vencidos pela matriz produtiva tradicional, não se sujeitam às disposições lógicas, coerentes e fundamentadas das normas e princípios que visam à proteção do meio ambiente. O grau de coercitividade dessas ferramentas se mostra pequeno diante das pressões internas de cada Estado para atingir as metas de desenvolvimento econômico. Ao mesmo tempo em que o Direito oferece instrumentos para a proteção ambiental, falta-lhe soluções pra a problemática relacionada à aplicação de tais meios. O prof. Salem Nasser faz uma colocação a esse respeito que merece menção: se somos homens de boa vontade e não juristas, devemos centrar nossas atenções nos problemas reais e descuidar dos detalhes técnico jurídicos; se somos juristas, ainda que de boa vontade, talvez queiramos buscar o rigor e a precisão necessários ao direito mesmo quando os problemas reais são vitais. Pode-se hesitar entre rechaçar o direito imperativo porque o conceito é impreciso e inconsistente e negar a qualidade de fontes do direito aos instrumentos de soft law porque, no 179

6 Padueli, M. fundo, admiti-los como tal equivaleria a aceitar que os Estados produzem direito negociado sem querer ; ou abraçar um e outro conceito porque instintivamente sabemos que há normas mais importantes e porque, observando a realidade, vemos os instrumentos do soft law pautando efetivamente os comportamentos dos Estados. Assim, temos que conjugar as duas posições tendo de uma lado o jus cogens, com as normas imperativas de Direito Internacional geral, e de outro lado o soft law, com as normatizações abertas, e finalmente equilibrar a utilização de ambas ferramentas na regulação dos temas internacionais de meio ambiente. Lembrando sempre de que a questão ambiental está em uma esfera de novidade e magnitude, cuja complexidade foge aos padrões de abordagem científica até então delineada pelos cientistas, inclusive da ciência jurídica, quiçá o conceito de conscientização seja mais interessante que o conceito de coerção. Talvez a ONU possa auxiliar no cumprimento das convenções, acordos e tratados internacionais por todos os Estados Membros por meio da conscientização dos governos e suas populações sobre o risco do não cumprimento de tais normas. A ciência jurídica do meio ambiente apresenta instrumentos tradicionais que parecem se perder em meio a esta complexidade. Inclusive os Tribunais Internacionais enfrentam corriqueiramente o desafio de publicar sentenças que representem um equilíbrio entre a proteção do meio ambiente e o abalo financeiro, político ou social que tal decisão possa resultar ao país vencido. Será que a sociedade contemporânea abandonou, de fato, a visão utilitarista com relação ao meio ambiente? A prática do utilitarismo pela raça humana será uma constante na sua história, porém o nível de tal utilização e o caráter de razoabilidade devem ser urgentemente ajustados; e tal ajuste não é fácil diante das variáveis que compõem a necessidade de utilização dos recursos naturais e conseqüência desta utilização. Tal ajuste se depara com a complexidade no estudo das questões ambientais e a ciência (inclusive a ciência jurídica) deve preparar-se para extrapolar os limites tradicionais de interpretação e uso das ferramentas oferecidas pelo Direito Internacional do Meio Ambiente. Mas afinal, o que seria complexidade, ao se referir ao padrão problemas sócio- ambientais atuais? Normalmente dizemos que algo é complicado quando envolve um número elevado de interações. Esta é certamente uma das características da complexidade, mas esta seria muito mais uma noção lógica do que quantitativa. A complexidade possui um aspecto quantitativo que desafia os modos de cálculo, mas é mais do que isso, é uma noção a explorar, a definir. A complexidade surge principalmente com a idéia de irracionalidade, incerteza e angústia. 18 O Século XXI traz consigo a complexidade e marca o fim da ciência normal. A ciência pós normal se coloca como desafiadora no tratamento dos problemas contemporâneo, e a ciência jurídica deve acompanhar esta mudança, adequando sua base metodológica de utilização das ferramentas tradicionais oferecidas pelo Direito Internacional do Meio Ambiente. A consciência ecológica estimula um esforço de reflexão que leva a abordagens inovadoras, talvez menos suscetíveis de formalização, aspecto bastante repudiado na ciência jurídica, mas que em contrapartida nos levará à melhor compreensão da problemática ambiental de maneira sistêmica. A proposta de um modelo de desenvolvimento amplo que contemple os aspectos sócio- econômicos da sociedade é mais do que necessária, uma vez que os núcleos de pobreza tem aumentado e não há como cuidar do meio ambiente sem erradicar a miséria e tratar das desigualdades sociais. Existe inter-relação estreita entre degradação ambiental, miséria, crescimento econômico desorientado e tantos outros aspectos que devem ser considerados. Porém é importante refletir sobre as mudanças de estilo de vida que são requeridas das sociedades industrializadas. E, mais uma vez o mestre Sachs nos ensina: Somos todos, em grande medida, prisioneiros do passado vivo tradições 180

7 O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE culturais e hábitos profundamente arraigados e do labirinto institucional articulado para a produção do consumo pelo consumo. Por um lado ainda prevalecentes as desigualdades de riqueza, renda e acesso aos recursos e, por outro, as memórias da longa e difícil luta da classe trabalhadora por melhores padrões de vida explicam com mais clareza o apelo do consumismo. A forma das nossas cidades, os sistemas de transporte e todos os outros ativos sociais, inclusive o aparato produtivo, limitam, pelo menos a curto prazo, o leque de opções disponíveis. A própria existência desses ativos e o fato de terem custado tanto no passado atuam como mecanismos de dissuasão contra a mudança de padrões de uso Na vida do homem contemporâneo, o ter assume peso maior do que o ser e nos posicionamos muito distantes da prática do conceito de simplicidade voluntária. É necessária a readaptação das sociedades para viabilizar modos de vida menos esbanjadores, e ainda, mais satisfatórios. Objetivo este, que não se alcança da noite para o dia, e nem na ausência de vontade política. A importância das ações políticas é enfocada por Angel Valencia ao afirmar que uma das chaves da dimensão ecológica da política reside no reconhecimento da vulnerabilidade do mundo natural como conseqüência da ação humana. Nessa linha, se desenvolve uma redefinição da representação política, com uma ampliação da ação da comunidade, na qual o conceito de cidadania ecológica pressupõe responsabilidades cidadãs. 20 A própria consciência individual merece reajustes. O ser humano não está acostumado a abrir mão do individual pelo coletivo. A comunidade internacional se arvora diante das ameaças resultantes de sua própria ação devastadora, porém, se coloca como um cliente exigente diante da natureza consumindo irracionalmente, não se privando de produtos supérfluos, não se mobilizando no sentido de fiscalizar a origem de produtos, permanecendo confortável na sua posição de usuária da natureza. Ações políticas de aspecto top down, impostas pelo poder público, de nada adiantarão, pois a problemática ambiental não se reduz a uma área exclusivamente política ou econômica, porém é muito mais abrangente. A ação política é reflexo da comunidade representada e a sociedade atual ainda se posiciona de maneira a cobrar políticas públicas rápidas e milagrosas. O ecologismo político se constitui de um fenômeno político caracterizado por uma diversidade de teorias e práticas que convergem para uma forma de movimento descentralizado, multiforme, articulado em rede e onipresente que cria, por sua vez, uma nova identidade, uma cultura da espécie humana como componente da natureza. O objetivo é ampliar a idéia do ecologismo político de maneira que contemple ao mesmo tempo uma ideologia e uma teoria política, um conjunto de movimentos sociais e partidos políticos que influenciem nas políticas ambientais em território amplo e irrestrito. 21 Reflexão, conscientização e remodelação do paradigma de desenvolvimento são as chaves para se atingir a sustentabilidade integral. O mestre Sachs propõe três princípios que nos levariam a um paradigma de desenvolvimento autocentrado do ponto de vista econômico, voltado para o atendimento das necessidades básicas e ambientalmente saudável, levando ao que ele denomina racionalidade social ampliada : O primeiro princípio preceitua que o crescimento deve se processar de forma sustentada, buscando-se a utilização prudente dos recursos naturais e o equilíbrio na gestão ambiental. Os sistemas produtivos devem ser inovados no sentido de assegurar a integridade dos ecossistemas. 2. O segundo princípio indutor de uma racionalidade social ampliada prescreve que deveriam ser mantidos em aberto, sempre que possível, as opções para o futuro. Trata-se do compromisso em minimizar os danos irreversíveis. 3. O terceiro princípio trata da proteção do ambiente físico, no sentido estrito do termo, nos levando à necessidade de uma visão mais abrangente sobre 181

8 Padueli, M. os impactos do homem sobre a natureza. A proteção ao meio ambiente deve ir além de medidas protecionistas de curta duração ou ainda setorizadas. Finalmente, podemos concluir que o Direito Internacional do Meio Ambiente dispõe de ferramentas muito úteis nas questões que envolvam a proteção da biodiversidade e do meio ambiente de forma geral. Tais instrumentos próprios da ciência jurídica são dotados de diferentes graus de formalização, aplicação, coercitividade, jurisdição, enfim, compõem um arcabouço precioso, porém não suficiente para se atingir a sustentabilidade, principalmente se utilizados com o tradicional rigor da conceituação formalista, ou ainda se aplicados pontualmente, desprovidos de uma visão holística. Adicionalmente, a aplicação eficaz do enfoque de sustentabilidade está condicionada pela capacidade de utilizar as ferramentas disponíveis no Direito Internacional do Meio Ambiente, conjuntamente com um processo de redefinição política e de inclusão social. O impacto do paradigma ecológico nas ciências em geral, em especial nas ciências sociais tem sido crescente. O direito, a sociologia, a economia, tem sido revisados e reformulados da visão ecológica do mundo que o paradigma oferece. As mesmas ciências naturais tem sofrido também a influencia do paradigma ecológico de tal modo que não existe hoje campo do conhecimento científico onde a perspectiva ecológica não esteja presente, em maior ou menor grau. 23 Notas 2 POPPER, Karl R. A Ciência Normal e seus perigos. In Lakatos, Imre e Musgrave, Alan. Crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Cultrix, p LEFF, ENRIQUE. Saber Ambiental: sustentabilidade, complexidade e poder. Petrópolis: Vozes, p PEÑA, Francisco Garrido. Sobre la Epistemología Ecológica. In: El Paradigma Ecológico en las Ciencias Sociales. Barcelona: Icaria, p SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia. São Paulo : Cortez, p 2926 Disponível em: confagri.pt/ambiente/areastematicas/consnatureza/ TextoSintese/Antecedentes/Acesso em 09 de dezembro Convenção relativa à proteção da Fauna e Flora em seu Estado Natura, disponível em:http://www.uff.br/peteconomia/pages/textospage/transgenicos/conferencias/ conferenciasclarisse001frame004.htm acesso em 10 de dezembro de Convenção Internacional para a Regulação da Pesca de Baleia, Convenção Internacional de Proteção de Plantas e Convenção Internacional de Paris para a Proteção das Aves, disponível em:http://www.uff.br/peteconomia/pages/textospage/transgenicos/conferencias/conferenciasclarisse001frame004.htm acesso em 10 de dezembro de Convenção sobre comércio internacional das Espécies da Flora e da Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CI- TES), adotada em 3 de Março de 1973; informações sobre a convenção disponível em:http://www.ibama.gov.br/ flora/convecao.htm, acesso em 10 de dezembro de ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica (UNCBD), adotada em 5 de Junho de 1992, disponível em: acesso em 10 de dezembro de ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Convenção das Nações Unidas sobre Direito do Mar (UNCLOS), adotada em 10 de Dezembro de Disponível em: convention_overview_convention.htm, acesso em 1º de dezembro de O relatório Planeta Vivo é editado a cada 2 anos, produzido pelo WWF, pela Sociedade Zoológica de Londres e pela Global Footprint Network. Relatório Planeta Vivo Disponível em: Acesso em 10 de dezembro de Relatório Planeta Vivo Disponível em: assets.wwfbr.panda.org/downloads/wwf_brasil_planeta_vivo_2008.pdf Acesso em 10 de dezembro de A ex ministra do meio ambiente Marina Silva enfatiza em seu artigo os danos acelerados ao planeta evidenciados pelo relatório Planeta Vivo. Disponível em: magazine.terra.com.br/interna/0,,oi ei11691,00- Indice+Planeta+Vivo.html Acesso: 10 de dezembro de SILVA SOARES, Guido F. Direito Internacional do Meio Ambiente: emergência, obrigações e responsabilidades. São Paulo: Atlas, 2001 p MELLO, Celso D. Albuquerque. Curso de Direito Internacional Público. 2.vol. 15. ed. Rio de Janeiro: Renovar, p NASSER, Salem Hikmat. Direito Internacional do meio ambiente, direito transformado, jus cogens e soft law. IN: Direito Internacional do Meio Ambiente Ensaio em Homenagem ao Prof. Guido Fernando Silva Soares. São Paulo, Ed. Atlas. p MORIN, Edgard. La Epistemología de la Complejidad. In: El Paradigma Ecológico en las Ciencias Sociales. Barcelona: Icaria, p SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia. São Paulo: Cortez, p VALENCIA, Angel. Nuevos Enfoques de la Política. In: El Paradigma Ecológico en las Ciencias Sociales. Barcelona: Icaria, p Bis in idem p

9 O PAPEL DOS INSTRUMENTOS DO DIREITO INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE NO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 22 SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia. São Paulo : Cortez, p PEÑA, Francisco Garrido. Sobre la Epistemología Ecológica. In: El Paradigma Ecológico en las Ciencias Sociales. Barcelona: Icaria, p. 53. Referências LEFF, ENRIQUE. Saber Ambiental: sustentabilidade, complexidade e poder. Petrópolis: Vozes, pp MELLO, Celso D. Albuquerque. Curso de Direito Internacional Público. 2.vol. 15. ed. Rio de Janeiro: Renovar, p MORIN, Edgard. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 11ª. Edição, 344 p., Edgard. La Epistemología de la Complejidad. In: El Paradigma Ecológico en las Ciencias Sociales. Barcelona: Icaria, pp NASSER, Salem Hikmat. Direito Internacional do meio ambiente, direito transformado, jus cogens e soft law. IN: Direito Internacional do Meio Ambiente Ensaio em Homenagem ao Prof. Guido Fernando Silva Soares. São Paulo, Ed. Atlas. 216 p. PEÑA, Francisco Garrido. Sobre la Epistemología Ecológica. In: El Paradigma Ecológico en las Ciencias Sociales. Barcelona: Icaria, pp POPPER, Karl R. A Ciência Normal e seus perigos. In Lakatos, Imre e Musgrave, Alan. Crítica e o desenvolvimento do conhecimento. São Paulo: Cultrix, pp SACHS, Ignacy. Rumo à ecossocioeconomia. São Paulo : Cortez, SILVA SOARES, Guido F. Direito Internacional do Meio Ambiente: emergência, obrigações e responsabilidades. São Paulo: Atlas, 2001 VALENCIA, Angel. Nuevos Enfoques de la Política. In: El Paradigma Ecológico em las Ciências Sociales. Barcelona: Içaria, pp

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente

Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente; Tendo-se reunido em Estocolmo de 5 a 16 de junho de 1972; Tendo considerado a necessidade

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e

DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO. (Estocolmo/junho/72) Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO SOBRE O AMBIENTE HUMANO (Estocolmo/junho/72) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, Tendo-se reunido em Estocolmo, de 5 a 16 de junho de 1972, e Considerando a necessidade

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável

Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso Nacional pela Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável A educação é de importância crítica para promover o desenvolvimento sustentável. Por conseguinte, é essencial mobilizar os

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL O PAPEL DAS LEIS AMBIENTAIS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL O estudo da proteção ambiental tem como pressuposto uma análise necessariamente transdiciplinar, por meio da qual profissionais e estudiosos das mais

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

Carta Verde das Américas 2013

Carta Verde das Américas 2013 Carta Verde das Américas 2013 CONSIDERANDO que o Planeta Terra não tem recursos inesgotáveis que possam sustentar um consumo desordenado, sem consciência socioambiental! Que, em função disso, precisamos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

CONCEITO Meio ambiente (Lei 6.938/81 art. 3 , I) Visão antropocêntrica

CONCEITO Meio ambiente (Lei 6.938/81 art. 3 , I) Visão antropocêntrica DIREITO AMBIENTAL CONCEITO Meio ambiente (Lei 6.938/81 art. 3, I) conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética da UnB por solicitação da Sociedade Brasileira de Bioética SBB Tradução: Mauro Machado

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO 1 www.oxisdaquestao.com.br Carta da Terra PREÂMBULO Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNDIAS SOBRE O DIREITO AMBIENTAL 1

CONFERÊNCIAS MUNDIAS SOBRE O DIREITO AMBIENTAL 1 CONFERÊNCIAS MUNDIAS SOBRE O DIREITO AMBIENTAL 1 Cecilia Zanon Rossato 2 Waleska Mendes Cardoso 3 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar o direito ambiental internacional a partir das conferências

Leia mais

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Boletim ABLimno 41(1), 19-23, 2015 Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Francisco de Assis Esteves Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau

PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau XII CONGRESSO BRASILEIRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MEIO AMBIENTE PROTEÇÃO DOS BENS AMBIENTAIS: PELA CRIAÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE (OME). Brasília, 20/04/2012 Sandra Cureau FUNDAMENTOS

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Comunicação e cidadania: relato de experiência sobre a abordagem do conceito de desenvolvimento sustentável pela Revista Geração Sustentável

Comunicação e cidadania: relato de experiência sobre a abordagem do conceito de desenvolvimento sustentável pela Revista Geração Sustentável Comunicação e cidadania: relato de experiência sobre a abordagem do conceito de desenvolvimento sustentável pela Revista Geração Sustentável Criselli MONTIPÓ 1 Pedro SALANEK FILHO 2 Juliana SARTORI 3 Revista

Leia mais

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESIGUALDADE SOCIAL E O FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 1 RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 RESUMO: Este trabalho pretende discutir a relação existente entre educação e organização

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR Referência: 2015 Curso: Bacharelado em Relações Internacionais DURAÇÃO IDEAL: 08 SEMESTRES 1 o semestre Aula Trabalho Semestral Anual DFD0125 Instituições de Direito EAE0110 Fundamentos

Leia mais

SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS

SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS SOCIAMBIENTALISMO, MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DIREITOS HUMANOS ALGUNS MECANISMOS JURÍDICOS A PARTIR DA PERPECTIVA DA VULNERABILIDADE E RESILIÊNCIA DOS POVOS TRADICIONAIS SANDRA AKEMI SHIMADA KISHI skishi@prr3.mpf.gov.br

Leia mais

A Educação Ecológica das Organizações Não Governamentais na Construção da Cidadania Ambiental

A Educação Ecológica das Organizações Não Governamentais na Construção da Cidadania Ambiental derphilosopher A Educação Ecológica das Organizações Não Governamentais na Construção da Cidadania Ambiental Eliane Thaines Índice INTRODUÇÃO... 2 A EDUCAÇÃO ECOLÓGICA DAS ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS...

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

Breves comentários sobre a base constitucional da proteção da biodiversidade

Breves comentários sobre a base constitucional da proteção da biodiversidade Conservação da Biodiversidade Legislação e Políticas Públicas Breves comentários sobre a base constitucional da proteção da biodiversidade Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras A primeira referência

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência Claudia Ligia Miola Lima O navio quando obtém o registro de propriedade está submetido às leis inerentes à bandeira e pode gozar dos benefícios

Leia mais

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ RECONHECIDA PELO GOVERNO FEDERAL, CONFORME DECRETO Nº 69.599 DE 23/11/1971 CNPJ (MF) 80 904 402/0001-50 Campus Universitário Frei Ulrico Goevert

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

DIREITO AMBIE TAL: REFLEXÕES SOBRE A ORIGEM E AS FO TES DE DIREITO

DIREITO AMBIE TAL: REFLEXÕES SOBRE A ORIGEM E AS FO TES DE DIREITO _ DIREITO AMBIE TAL: REFLEXÕES SOBRE A ORIGEM E AS FO TES DE DIREITO Inez lopes Matos C. de Farias 1 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade analisar a importância do Direito Ambiental como instrumento

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Urbanismo, Meio Ambiente e Interdisciplinaridade Geraldo Milioli, Dr. (UNESC) Sociólogo, Professor/Pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) e Coordenador do Laboratório de

Leia mais

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho

ANEXOS. Proposta de decisão do Conselho COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.3.2014 COM(2014) 133 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da Proposta de decisão do Conselho relativa à posição a adotar, em nome da União Europeia, na Comissão para a Conservação

Leia mais

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA

RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA RIO+10 E ERRADICAÇÃO DA POBREZA SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativo da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável

Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável Crescimento versus Desenvolvimento- O termo Desenvolvimento Sustentável 1 A grande preocupação dos países sempre foi e continua sendo com o crescimento econômico, crescimento do PIB etc... Um país ou mesmo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010

6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 6o. Fórum Global de Parlamentares para o Habitat Rio de Janeiro - RJ, Brasil - 18 a 20 de março de 2010 Tema: Mudanças Climáticas Palestrante: Érika Pires Ramos Resumo. O presente ensaio pretende ser uma

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Palavras-chave: desenvolvimento local, responsabilidade social, cidadania.

Palavras-chave: desenvolvimento local, responsabilidade social, cidadania. MARIA IVONETE SOARES COELHO E CARLA MONTEFUSCO DE OLIVEIRA DESENVOLVIMENTO LOCAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL: ESTRATÉGIAS DE CIDADANIA OU MARKETING SOCIAL? Resumo: Desenvolvimento local e responsabilidade

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Governança maritima, o meio ambiente marinho e o transporte marítimo internacional

Governança maritima, o meio ambiente marinho e o transporte marítimo internacional Governança maritima, o meio ambiente marinho e o transporte marítimo internacional Escrito por Mardônio da Silva Girão advogado, mestre em Direito Ambiental e doutorando em Direito Ambiental Internacional

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais