CURRÍCULUM VITAE. II) Formação Acadêmica e Cursos de Especialização no Exterior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURRÍCULUM VITAE. II) Formação Acadêmica e Cursos de Especialização no Exterior"

Transcrição

1 CURRÍCULUM VITAE LUIZ CARLOS BARBOZA I) Dados Pessoais Brasileiro, 57 anos, casado, 3 filhos Escritório : LCB Consultoria Organizacional S/C Ltda Rua Marechal Espiridião Rosa, 25 Laranjeiras Rio de Janeiro Telefone : (021) II) Formação Acadêmica e Cursos de Especialização no Exterior i. Graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo, em Pós-graduado em MBA-Executivo, pela COPPEAD Universidade Federal do Rio de Janeiro, em Capacitação em Mediação e Facilitação de Diálogo Social e Ambiental para o Cone Sul, em 1998, na cidade de Buenos Aires Argentina, promovido pela Fundação Futuro Latinoamericano e Centro de Estudos Antropológicos da Argentina. Especialização em Gestão Empresarial pela Escola de Orientação Industrial, em 1992, em Madrid Espanha, promovido pela União Européia. v. Especialização em Gestão Ambiental, em 1994, na Inglaterra, promovido pela BSI British Standard Institute. vi. Missão de Estudos sobre Sistemas de Certificação de Profissionais em Turismo nos Estados Unidos da América, México e Porto Rico, em v Especialização em Gestão da Qualidade nos Negócios, em 1995, nos Estados Unidos, promovido pelo USIS United States Information Service. 1

2 v ix. Especialização em Gestão de Pequenos e Médios Negócios, em 1995, nos Estados Unidos, promovido pela SBA Small Business Administration e pela ASBDC Associação dos Small Business Development Centers. Capacitação em Transferência de Tecnologia para Países em Desenvolvimento, em 1993, em New Delhi Índia, promovido pela UNIDO. x. Especialização em Gestão Executiva pelo INSEAD, em 2000, em Fontanebleau França. xi. Capacitação Políticas de apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas, em 1997, em Santiago do Chile, promovido pela OIT Organização Internacional do Trabalho. x x Capacitação em Contaminação Atmosférica no Mercosul Desenvolvimento Sustentável, em 1998, em Buenos Aires Argentina, promovido pela Fundação Futuro Latinoamericano e pela Cooperação Internacional da Suécia. Missão Técnica sobre Gestão Tecnológica, em 1998, no ICT Instituto Catalão de Tecnologia, em Barcelona e na Universidade de Compiegne, na França. x Programa de Capacitação Internacional para o Desenvolvimento do Empreendedorismo, em 2009, no BABSON College, em Boston, Estados Unidos. III) Eventos que Participou no Exterior, como Palestrante i. I ao IV Foro Bolívar da Empresa Latinoamericana, de 1995 a 1998, nas cidades de Punta D Este, Arequipa, Guatemala e São Paulo, promovidos pelo Programa Bolívar e Banco Interamericano de Desenvolvimento. Assembléias Anuais do BID Banco Interamericano de Desenvolvimento, em Buenos Aires 1996, Barcelona 1997 e Fortaleza Conferencia Anual dos SBDC Small Business Development Centers, em San Diego, nos Estados Unidos, em TriNations 2006 e 2008 e 2009 Encontros sobre Pequenas Empresas na África do Sul e na Índia, reunindo os países Brasil, África do Sul e Índia, dentro da Iniciativa IBAS v. Missões de estudos e pesquisas no campo da competitividade e inovação para pequenas empresas: Espanha e Portugal, Dubai, Índia, França, Estados Unidos e Itália. 2

3 vi. GESTEC 2009 Conferência Internacional de Gestão Tecnológica, em Havana Cuba. v Congresso Internacional de Artesanato, promovido pelo BID Banco Interamericano de Desenvolvimento, em Lima, Perú. v Assembléia e Congresso Anual da INSME Rede Internacional de Instituições de Tecnologias para Pequenas Empresas, ocorrido em Dubai, Emirados Árabes, em 2009 ix. Conferência Diálogo para o Futuro, em Montevideo, no Uruguay, em x. Assembléia da OMT Organização Mundial do Turismo, organismo da ONU, ocorrido em Cartagena das Índias, na Colômbia, em IV) Experiência Profissional i. Banco Real de Investimentos S/A, de 1969 a 1974, atuando em atividades de captação de investimentos. Companhia Real de Processamento de Dados, de 1974 a 1979, atuando como coordenador de Processos, na interface entre a produção e os especialistas da informação de todo o Grup Empresarial Real. Indústrias Coelho S/A, de 1980 a 1988, atuando como Gerente Financeiro (1980/81), Diretor Financeiro (1981/83) e Diretor Superintendente (1984 / 89) empresa familiar que passou pelo processo de governança corporativa e profissionalização da gestão, situada no Nordeste. Microlab S/A, de 1989 a 1991, atuando como Vice-Presidente de Administração e Planejamento. v. Confederação Nacional da Indústria CNI, de 1991 a 1998, atuando como Coordenador da Unidade de Negócios de Competitividade Industrial, respondendo pelos temas de gestão da qualidade e produtividade, tecnologia, design, meio ambiente, infra-estrutura e pequenas e médias empresas. vi. Instituto de Hospitalidade IH, de dezembro de 1998 a dezembro de 2002, organização sem fins lucrativos dedicada à educação e cultura da hospitalidade e turismo. Nesta organização atuou como Diretor responsável por Certificação da Qualidade, e pela articulação, mobilização e pesquisas na área turística do Brasil. Coordenou a implantação do sistema de Certificação da Qualidade Profissional para o Setor de Turismo no período de 1999 a 2002 e concebeu e viabilizou o sistema da Certificação em Turismo Sustentável. 3

4 v v Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa SEBRAE, desde janeiro de 2003 até dezembro de 2010, no cargo de Diretor Técnico. Teve importante participação na implantação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados GEOR, do novo modelo de estrutura organizacional, da ampliação da política de Arranjos Produtivos Locais APLs, na Revolução do Atendimento e na implementação de projetos para estímulo à inovação em pequenas empresas. LCB Consultoria Organizacional S/C Ltda, desde novembro de 1998, como sócio principal. É uma empresa prestadora de serviços com mais de 12 anos de experiência e excelentes resultados alcançados na concepção, elaboração, execução, monitoramento, orientação estratégica e avaliação externa de projetos de desenvolvimento, de inovação e de competitividade empresarial, de todos os setores econômicos, especialmente envolvendo empresas de menor porte. Já executou serviços para diversas entidades empresariais, instituições governamentais e organizações do terceiro setor, dentre elas: Confederação Nacional da Indústria- CNI, Instituto Euvaldo Lodi - IEL, Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil CACB, Confederação Nacional do Turismo - CNTUR, Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo FACESP, Associação Brasileira da Indústria Eletro e Eletrônica ABINEE, Associação Brasileira das Empresas Organizadoras de Eventos ABEOC, Instituto de Pesquisa Aplicada e Gerencial IPGA, Instituto Brasileiro do Vinho IBRAVIN, Sistema SEBRAE. V) Principais pesquisas e projetos realizados sob sua Coordenação i. Pesquisa Estado Atual da Gestão pela Qualidade e Produtividade nas Indústrias Brasileiras, em 1992, junto a empresas, contendo resultados sobre o relacionamento com os fornecedores, relacionamento com clientes, gestão de recursos humanos e uso de técnicas voltadas para a qualidade e tecnologia. Pesquisa Serviços Tecnológicos para a Qualidade e Produtividade, em 1994, junto a 909 indústrias e 35 instituições prestadoras de serviços tecnológicos, contendo questões de avaliação sobre normas técnicas, aferição e calibração, testes e ensaios e certificação. Pesquisa Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira A Visão Empresarial, em 1993, realizada junto a 660 dirigentes de empresas, sobre as principais estratégias de ajuste da indústria frente à abertura comercial. Pesquisa Qualidade e Produtividade na Indústria Brasileira, em 1996, realizada pela CNI, BNDES e SEBRAE, junto a empresas, contendo sobre relacionamento com clientes e fornecedores, recursos humanos, uso de técnicas de qualidade e produtividade, estratégias competitivas e um conjunto de indicadores de desempenho produtivo. 4

5 v. Pesquisa Demanda por Informação Tecnológica pelo Setor Produtivo, em 1996, realizada pela CNI e SENAI / CIET, junto a 1990 empresas, contendo questões relacionadas ao uso da informação tecnológica, demanda por área de atuação da indústria, demanda por produtos e serviços de informação. vi. Pesquisa Indicadores de Qualidade e Produtividade na Indústria Brasileira 1995 e 1996, realizada pela CNI, BNDES e SEBRAE, em 1997, junto a empresas, contendo indicadores de produtividade, qualidade, tecnologia e recursos humanos. v v ix. Pesquisa Estudo da Demanda do Setor Privado por Investimentos em Tecnologia 1997 a 2001, em 1997, junto a empresas, para subsidiar as decisões e o planejamento em relação às reais necessidades do setor industrial quanto a financiamentos e outras modalidades de apoio. Pesquisa O Estágio atual da Gestão do Design nas Indústrias Brasileiras, em 1998, junto a 554 empresas de alguns setores selecionados, contendo informações sobre a utilização do design, investimentos, processo de inovação, recursos humanos, normas técnicas e, propriedade industrial. Pesquisa Gestão Ambiental na Indústria Brasileira, em 1998, realizada pela CNI, BNDES e SEBRAE, junto a 1490 empresas, contendo informações sobre as percepções das questões ambientais, práticas ambientais, relação com órgãos ambientais, expectativas de atuação governamental e das instituições de apoio. x. Pesquisa Indicadores de Qualidade e Produtividade na Indústria Brasileira 1997, realizada pela CNI, BNDES e SEBRAE, em 1998, junto a empresas, contendo indicadores de desempenho produtivo, produtividade, qualidade, tecnologia e recursos humanos. xi. Pesquisa Sondagem Empresarial da Pequena e Média Indústria, realizada trimestralmente desde 1991, contendo informações sobre o nível de atividade (produção, vendas, capacidade instalada, estoques, situação financeira), investimentos, principais dificuldades enfrentadas e perspectivas. x Pesquisa Demanda por Capacitação Profissional para o Setor de Turismo, realizada em 2001 em 15 Estados brasileiros junto a hotéis, restaurantes e agências de viagens. x x Pesquisa Oferta de Capacitação Profissional para o Setor de Turismo, realizada em 2001, em todo o Brasil, coletando informações de todas as instituições educacionais com cursos voltados para o setor de Turismo. Pesquisa Perfil dos Profissionais que atuam no Mercado de Trabalho do Turismo no Brasil, realizada em 2001, contendo informações de quantos são e quem são os profissionais que atuam diretamente no turismo Brasileiro. 5

6 xv. xvi. xv xv xix. xx. xxi. xx xx xx Pesquisa Interesse na Certificação em Turismo Sustentável no Brasil, realizada em todo o Brasil, no mês de maio de Programa EMPREENDER COMPETITIVO, na CACB Confederação das Associações Comerciais do Brasil, com projetos sendo executados em 23 Estados, em e Projeto Desenvolvimento da Cadeia Produtiva de Vinhos, Espumantes e Sucos de Uva, no IBRAVIN Instituto Brasileiro do Vinho, em 2010, 2011 e Projeto Fortalecimento da Gestão das Micros e Pequenas Empresas do Turismo Brasileiro, na CNTUR Confederação Nacional do Turismo, em 2011 e Projeto TREM É TURISMO, na Associação Brasileiro das Operadores de Trens Turísticos e Culturais ABOTTC, beneficiando mais de 700 micros e pequenos empreendimentos no entorno das operações de 24 trens turísticos e culturais no Brasil, de maio de 2010 a fevereiro de Programa Desenvolvimento de Fornecedores, uma parceira da CNI/IEL e SEBRAE, com projetos em execução em 17 Estados do Brasil, em 2011 e Projeto SEBRAE na Copa 2014 que visa apoiar as micro e pequenas empresas para aproveitarem as oportunidades de negócios geradas pela COPA FIFA 2014, no Estado do Rio de Janeiro, de 2010 a Projeto ABC INOVAÇÃO, na Agência de Desenvolvimento Econômico do Grande ABC, nos setores de metal mecânica e de plásticos, em São Paulo, de 2011 a Projeto MÃO DUPLA, no Instituto de Pesquisa Gerencial e Aplica IPGA, implantando projeto de empreendedorismo e geração de renda nas margens das Rodovias BA 099 e Sistema BA 093, no Estado da Bahia, de janeiro de 2011 a julho de Projeto Programa de Qualidade ABEOC Brasil, na ABEOC visando preparar e conceder Selo de Qualidade para empresas do setor de eventos em 12 Estados brasileiros, teve inicio em janeiro de 2013 e encerrará em dezembro de VI) Publicações de sua autoria i. Mecanismos para Financiamento das Pequenas Empresas experiências internacionais, em 1995, publicada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI. 6

7 Manual de Sobrevivência na Crise Recomendações para Pequenas e Médias Empresas, em 1998, publicadas pela CNI e pela Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo.. ISO 9000 Como Instrumento de Competitividade A Experiência Brasileira, em 1996, em conjunto com José Augusto Coelho Fernandes e Carlos Luiz Regazzi, publicada pela CNI e pela Editora Qualitymark. Agrupamentos (Clusters) de Pequenas e Médias Empresas Uma Estratégia de Industrialização Local, em 1998, publicada pela CNI. v. PBQP na Indústria Brasileira, 1996, publicada pela CNI. vi. Desenvolvimento do Turismo Sustentável, em 2007, com outros autores, publicada pelo Instituto de Hospitalidade. VII) Projetos que Elaborou, Coordenou e Executou i. Coordenação dos Setores Industriais no âmbito do PBQP Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade, de 1992 a 1998, promovendo a sensibilização, mobilização e articulação junto a 350 entidades empresariais, governamentais e instituições de apoio. Coordenou os Workshops que definiram a Meta Mobilizadora da Indústria que objetiva aumentar a produtividade de 6% ao ano, em média, de 1998 a Representação da indústria brasileira nos seguintes programas: PADCT Programa de Apoio ao desenvolvimento Científico e Tecnológico, PACTI Programa de Apoio à Capacitação Tecnológica da Indústria, PBD Programa Brasileiro do Design. Representação da indústria brasileira junto a diversos Comitês e Grupos de Trabalho: INMETRO Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial, ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, IBQP Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade, ANPEI, INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial, CONAMA CONSELHO Nacional de Meio Ambiente. Representação da Indústria brasileira junto à Comissão Empresarial das Micro, Pequenas e Médias Empresas do Mercosul, junto ao Conselho do Fundo de Aval do SEBRAE e junto ao Conselho Consultivo da FINEP. v. Coordenação das Conferências Internacionais da Qualidade em 1997 e 1999, realizadas em parceria pela CNI, IBQP, FPNQP, MCT e SEBRAE, com a participação de especialistas internacionais e brasileiros discutindo a Gestão para a Excelência e Tendências e inovações em qualidade para produtos, serviços, saúde e educação. 7

8 vi. v v ix. Elaboração e Coordenação de Programas de Apoio às Micro, Pequenas e Médias Indústrias, realizado em parceria pela CNI e SEBRAE, através das Federações Estaduais das Indústrias e Associações Setoriais das Indústrias, promovendo palestras, cursos, seminários, workshops, missões empresariais, estudos, diagnósticos e consultorias voltadas para as empresas de menor porte. Este Programa movimentou, em 1998, recursos totais de R$ 25 milhões. Formulação e Coordenação do Prêmio CNI de Incentivo à Qualidade e Produtividade, de 1991 a 1998, estimulando a apresentação de sugestões e idéias provenientes dos empregados das indústrias que visem aumentar os níveis de qualidade e produtividade. Em 1998 participaram indústrias, com um total de propostas. Formulação e coordenação do Prêmio CNI Gestão do Design e do Prêmio CNI de Ecologia, estimulando as empresas brasileiras para uma maior utilização da gestão do design e da gestão ambiental. Coordenação Geral da implantação do Sistema Brasileiro da Certificação da Qualidade Profissional para o Setor de Turismo, no Instituto de Hospitalidade, com o apoio do BID / FUMIN e do SEBRAE, no período de 1999 a x. Coordenação do Programa SEBRAE de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais, de 2003 a xi. Coordenação da implantação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados, no SEBRAE, em x Formulação e coordenação do Programa SEBRAE para Empresas Avançadas SEBRAE MAIS, em x x xv. xvi. Formulação e coordenação do Programa Agentes Locais de Inovação, do SEBRAE, em Elaboração de diversos projetos de desenvolvimento de pequenos negócios para várias entidades empresariais e órgãos de apoio, com destaque para a promoção da inovação, da melhoria da competitividade e de acesso aos mercados brasileiro e externo. Elaboração e Acompanhamento da Implantação do Projeto MÃO DUPLA, um projeto de Responsabilidade Social, para a Concessionária Linha Norte, uma empresa controlada pelo Grupo OAS, beneficiando 400 micros e pequenos empreendimentos no entorno da Rodovia BA-093 e 099, na Bahia. Elaboração de Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental para a empresa Rio Parque Rímac, controlada pelo Grupo OAS, na Região Metropolitana de Lima, capital do Perú. É um projeto para beneficiar o entorno social, econômico e ambiental da grande obra viária que está em construção naquela cidade peruana. 8

9 VIII) Participações em Conselhos, Comitês e outros Colegiados i. Exercício da Secretaria Executiva do Conselho de Meio Ambiente da CNI, de 1996 a Membro do Conselho de Turismo da Confederação Nacional do Comércio CNC, desde 2001 até hoje. Membro do Conselho Diretor do Conselho Brasileiro de Desenvolvimento Sustentável (CBTS) até dezembro de 2002 até Integrou o Comitê Gestor do Programa Pólos de Ecoturismo no Brasil, instituído pelo Ministério do Esporte e Turismo, até dezembro de v. Exerceu a Secretaria Técnica do Comitê Brasileiro de Normalização em Turismo CB 54, da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. vi. Exerceu a Secretaria Técnica do Comitê Mercosul de Normalização em Turismo CSM23, da Associação Mercosul de Normalização AMN. v Membro do Conselho Nacional de Turismo, desde 2003 até v Membro do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, desde 2004 até ix. Membro do Conselho de Afiliados da Organização Mundial de Turismo, desde 2005 até x. Membro do Conselho Curador da Fundação Nacional da Qualidade, FNQ, desde 2005 até xi. x Membro do Conselho Deliberativo da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial ABDI, desde 2007 até Membro do Conselho de Administração da empresa Condor S/A Tecnologias não Letais, desde janeiro de IX) Outras Informações i. Visitou 48 países nos continentes Americano, Europeu, Africano e Asiático. 9

10 Comunica-se nas línguas portuguesa, espanhola e inglesa. Domina as principais ferramentas tecnológicas de comunicação e informação. Membro da Casa do Gestor, uma rede dos principais consultores nacionais e internacionais sobre sustentabilidade e responsabilidade social. Rio de Janeiro, 16 de Julho de LUIZ CARLOS BARBOZA 10

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br A Inovação nas Micro e Pequenas Empresas O Brasileiro é Empreendedor Fonte:GEM 2010 O Brasileiro é Empreendedor Dados Oficiais Público-Alvo POTENCIAL do Sebrae 22,9 milhões de empreendedores 23% da PEA

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios

Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Soluções tecnológicas aplicadas a serviços laboratoriais no apoio aos pequenos negócios Hulda O. Giesbrecht Enqualab 2013 Congresso da Qualidade em Metrologia São Paulo, 27 de agosto de 2013 Diretoria

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

Centro Internacional de Inovação. Ronald Dauscha

Centro Internacional de Inovação. Ronald Dauscha Centro Internacional de Inovação Ronald Dauscha V Encontro da Rota MM (24.11.2010, CIETEP) C2i Centro Internacional de Inovação Ronald M. Dauscha, Sistema FIEP Federação das Indústrias do Estado do Paraná

Leia mais

1ª Conferência Estadual de APLs Oficina Inovação e Sustentabilidade Porto Alegre, 22 de novembro de 2012.

1ª Conferência Estadual de APLs Oficina Inovação e Sustentabilidade Porto Alegre, 22 de novembro de 2012. IEL/RS 1ª Conferência Estadual de APLs Oficina Inovação e Sustentabilidade Porto Alegre, 22 de novembro de 2012. IEL/RS Instituição criada em 1969, vinculada à Confederação Nacional da Indústria CNI. O

Leia mais

Claudio Cesar Chaiben Emanuela dos Reis Porto Patrícia Granemann

Claudio Cesar Chaiben Emanuela dos Reis Porto Patrícia Granemann Claudio Cesar Chaiben Emanuela dos Reis Porto Patrícia Granemann SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; É uma entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014

Plano Brasil Maior 2011/2014 Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer 1ª. Reunião do Conselho de Competitividade Serviços Brasília, 12 de abril de 2012 Definições O PBM é: Uma PI em sentido amplo: um

Leia mais

Relatório Geral. Abril - 2015

Relatório Geral. Abril - 2015 Relatório Geral Abril - 015 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL DE HPPC Objetivo Promover o desenvolvimento das empresas do setor de HPPC de forma sustentável, por meio da gestão e difusão de conhecimento,

Leia mais

O SISTEMA SEBRAE. Dados históricos

O SISTEMA SEBRAE. Dados históricos O SISTEMA SEBRAE Dados históricos A história do SEBRAE começa realmente bem antes do nascimento dessa Instituição com a marca que conhecemos atualmente. Na verdade, nossa história está intimamente relacionada

Leia mais

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL Paulo Íris Ferreira SEMINÁRIO SOBRE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E PEQUENAS

Leia mais

POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS & POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS & POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO POLÍTICA DE RECURSOS HUMANOS & POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO REGINALDO BRAGA ARCURI Presidente Brasilia, 08 de março de 2010 Brasil: dados sobre educação FONTE: IBGE Segundo a ONU, na América Latina

Leia mais

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê

Turismo de Negócios, Congressos e Eventos. 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades. Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Turismo de Negócios, Congressos e Eventos 1º. Encontro de Secretários de Turismo da Rede Mercocidades Mercodestinos Capitais Gauchas Rotas Tchê Visão, Acordos, Compromissos, Estratégias e Ações Porto Alegre,

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

IEL no Brasil. Integrante do Sistema Indústria. Criado em 1969 (presente nas 27 UFs e DF) Foco: Gestão

IEL no Brasil. Integrante do Sistema Indústria. Criado em 1969 (presente nas 27 UFs e DF) Foco: Gestão IEL no Brasil Integrante do Sistema Indústria Criado em 1969 (presente nas 27 UFs e DF) Foco: Gestão O diálogo constante com o setor produtivo faz do IEL uma das instituições mais atuantes no aperfeiçoamento

Leia mais

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes

Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior. Ministro Augusto Nardes Infraestrutura Turística, Megaeventos Esportivos e Promoção da Imagem do Brasil no Exterior Ministro Augusto Nardes TEMA 2: Geração de emprego e renda na economia nacional 1. Frente Parlamentar e a micro

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos

Financiadora de Estudos e Projetos Financiadora de Estudos e Projetos Cenário da Metrologia Nacional: Demandas e Oportunidades Carlos A. M. Couto Superintendente da ATED Área dos Institutos de Pesquisa Tecnológica. Rio de Janeiro, 17 de

Leia mais

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na competitividade e acesso a mercados, através da articulação

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Missão Institucional da REMEQ-PB Promover a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de metrologia e qualidade, apoiando o desenvolvimento de pessoal e de infra-estrutura laboratorial,

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore. Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore

O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore. Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore O potencial do Rio Grande do Sul na indústria de Petróleo, Gás, Naval e Offshore Comitê de Competitividade em Petróleo, Gás, Naval e Offshore Porto Alegre, 27 de julho de 2011 Panorama Brasileiro Novo

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

A ABRESI fomenta o desenvolvimento econômico do setor. A CNTur é a representante oficial do setor do Turismo no Brasil QUEM SOMOS

A ABRESI fomenta o desenvolvimento econômico do setor. A CNTur é a representante oficial do setor do Turismo no Brasil QUEM SOMOS A CNTur é a representante oficial do setor do Turismo no Brasil A Confederação Nacional do Turismo é entidade sindical patronal, de grau máximo, que congrega em todo território nacional 7 federações e

Leia mais

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade

PGQP. Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade PGQP Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Qualidade Gestão Inovação Competitividade Sustentabilidade visão das lideranças A Excelência de qualquer organização depende da sinergia entre três fatores:

Leia mais

Apoio do Sebrae em inovação e acesso à tecnologia para micro e pequena empresa

Apoio do Sebrae em inovação e acesso à tecnologia para micro e pequena empresa Audiência Pública Inmetro - Programa de Avaliação da Conformidade de Componentes de Bicicletas de Uso Adulto Apoio do Sebrae em inovação e acesso à tecnologia para micro e pequena empresa Ricardo Wargas

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio e Serviços Departamento de Micro, Pequenas e Médias M Empresas Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 12/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO DE PROCESSO PRODUTIVO E PRODUTO Contatos Luiz

Leia mais

no Ceará. Para o seu funcionamento, o Programa conta com três categorias de centros dinamizadores de conhecimento: 1) Os Centros de Ensino

no Ceará. Para o seu funcionamento, o Programa conta com três categorias de centros dinamizadores de conhecimento: 1) Os Centros de Ensino ATA DA SÉTIMA REUNIÃO DO COMITÊ TEMÁTICO TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Aos treze dias do mês de junho de dois mil e um, reuniram-se no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, na Esplanada

Leia mais

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 PROGRAMA DE COMPETITIVIDADE DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO ENCADEAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 Desempenho recente da Construção Civil De

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC

Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Ata da 2ª Reunião do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC Data: 18/04/2013 Horário: 14 às 17h30 Local: Sede do Sistema FIESC Objetivo do Comitê de Petróleo e Gás do Sistema FIESC: Incrementar e Promover

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS INTEGRAÇÃO COM A ÁFRICA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014

Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Um Mundo para Todos Declaração da Cimeira Mundial dos Destinos para Todos Montreal, 2014 Tendo- nos reunido em Montreal, Canadá na Cimeira Mundial dos Destinos para Todos, de 19-22 Outubro de 2014, nós,

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09)

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Publicada no D.O.U. nº 217, de 13/11/09 Seção 1 Página 183 e 184 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 374, de 12 de novembro de 2009 (Alterada pela Resolução Normativa CFA nº 379 de 11/12/09) Aprova o registro profissional

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41

26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 26 JANEIRO/FEVEREIRO 2005 diga lá nº 41 Profissional com SELO DE QUALIDADE Certificar os conhecimentos e as habilidades do trabalhador em sua área de atuação torna-se uma receita para garantir a competitividade

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS

RUMO DAS FORMAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE DOS PROGRAMAS Natureza Jurídica Característica da Qualidade Rio Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Rio de Janeiro Critérios de Excelência da FNQ e Norma ISO 9001:2000

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO II FORO MUNDIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL ÍNDICE 1. ANTECEDENTES... 2 2. ORGANIZADORES... 2 3. OBJETIVOS DO FÓRUM... 4 4. PARTICIPANTES... 5 5. PROGRAMA E CONTEÚDOS...

Leia mais

Histórico do Programa Brasileiro do Design

Histórico do Programa Brasileiro do Design Histórico do Programa Brasileiro do Design 1995 Lançamento do Programa Brasileiro do Design; Exposição: "O Brasil Mostra sua Marca". 1996 Concurso da Logomarca do PBD; Estudo: "Design para a Competitividade".

Leia mais

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA

LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA LISTA DE CURSOS DE TECNOLOGIA COM BASE NAS RN's 374/2009, 379/2009, 386/2010, 396/2010 404/2011, 412/2011, 414/2011 DO CFA Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior Exportação e Importação Gerência

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009

A Inovação. como Fator de Desenvolvimento das MPEs. Luiz Carlos Barboza. Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional. 27 de outubro 2009 A Inovação como Fator de Desenvolvimento das MPEs Luiz Carlos Barboza Diretor-Técnico del SEBRAE Nacional 27 de outubro 2009 Ambiente Institucional Pro-inovaç inovação Fundos setoriais (16) estabilidade

Leia mais

Entendemos Pernambuco.

Entendemos Pernambuco. Entendemos Pernambuco. SUMÁRIO A Empresa... 3 Produtos e Serviços... 4 Unidades Estratégicas... 7 Clientes... 8 Principais Trabalhos Realizados... 9 Equipe... 10 Outras Informações em Anexo... 11 Página

Leia mais

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Reunião Plenária do GTP-APL GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Brasília, 19 de agosto de 2010 SEBRAE Governança Envolve uma rede de diferentes agentes - governos, instituições financeiras, instituições de ensino

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Foz do Iguaçu, Junho/2012

Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Foz do Iguaçu, Junho/2012 Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Foz do Iguaçu, Junho/2012 Trajetória 1984 Iniciativa CNPq 1987 Criação da ANPROTEC 1994 Plano Real 2001 II Conferência CTI 2007

Leia mais

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008

Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Apresentação do APL de TI de Fortaleza 26/11/2008 Jorge Cysne Alexandre Galindo Roteiro - Panorama do Setor de TI - Principais Realizações - Caracterização do APL - Plano de Desenvolvimento do APL Panorama

Leia mais

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso

Ingressos de Turistas Internacionais no RS por via de acesso Anuário Estatístico de Turismo 2015 ano base 2014* *Publicado em 08/07/2015, pelo Ministério do Turismo. A publicação apresenta uma compilação de informações anuais relativas ao comportamento de diversos

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos

Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos Mobilização Empresarial pela Inovação: Estratégia e Objetivos 1. Introdução Inovar é transformar ideias em valor. Seu motor é o mercado: é um imperativo da concorrência. É a capacidade de atender as necessidades

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Resultados do GTP APL

Resultados do GTP APL 2ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Resultados do GTP APL Cândida Maria Cervieri Secretária Técnica do GTP APL Diretora do Departamento de Micro, Pequena e Média Empresa/SDP/MDIC

Leia mais

Copa do Mundo 2014: ações da Prefeitura de São Paulo. 12ª Câmara Temática de Transparência Copa 2014

Copa do Mundo 2014: ações da Prefeitura de São Paulo. 12ª Câmara Temática de Transparência Copa 2014 : ações da Prefeitura de São Paulo 12ª Câmara Temática de Transparência Copa 2014 Copa em São Paulo: a gestão municipal SPCOPA: Comitê Integrado de Gestão Governamental Especial para a Copa do Mundo de

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

Conheça o Sistema Fiep

Conheça o Sistema Fiep sistemafiep.com.br Conheça o Sistema Fiep sistema fiep. nosso i é de indústria. SISTEMA S Já ouviu falar? AGRICULTURA INDÚSTRIA COMÉRCIO O SISTEMA S EMPREENDEDORISMO COOPERATIVISMO TRANSPORTE AGRICULTURA

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. Aprova o Regulamento do Sistema Brasileiro de Tecnologia. O Presidente do Comitê

Leia mais

PMI e FUTEBOL. Project Management Institute. Making project management indispensable for business results.

PMI e FUTEBOL. Project Management Institute. Making project management indispensable for business results. Making project management indispensable for business results. Project Management Institute Global Operations Center Fourteen Campus Boulevard, Newtown Square, PA 19073-3299 USA TEL: +1-610-356-4600 FAX:

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação

Projeto Extensão Industrial Exportadora. Título da apresentação Título da apresentação DEFINIÇÃO: É um sistema de resolução de problemas técnico-gerenciais e tecnológicos que visa incrementar a competitividade e promover a cultura exportadora empresarial e estrutural

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Educação Corporativa. e o. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Educação Corporativa. e o. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Educação Corporativa e o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Brasília, agosto 2008 Perguntas Freqüentes O que é Educação Corporativa? Educação Corporativa: Necessidade ou Modismo?

Leia mais

La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil

La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil La Incubadora de Empresas como Herramienta de Desarrolo Regional Brasil Mariza Almeida, DsC Incubadora de Empresas Phoenix Universidade do Estado do Rio de Janeiro Projeto aprovado pelo Programa Nacional

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina

DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL. ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina DTR DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO REGIONAL ADEOSC Agência de Desenvolvimento do Extremo Oeste de Santa Catarina Sistema Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Instituto Euvaldo Lodi IEL

Leia mais

Estratégias de atuação da FNQ

Estratégias de atuação da FNQ Estratégias de atuação da FNQ Mudanças na estrutura organizacional FNQ Estrutura organizacional principais mudanças Direção Executiva COMEX Diretor Executivo: Ricardo Correa Martins Principais Processos

Leia mais

Rede Brasileira de Produção mais Limpa

Rede Brasileira de Produção mais Limpa Rede Brasileira de Produção mais Limpa Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável SENAI Sistema FIERGS Rede Brasileira de Produção mais Limpa PARCEIROS Conselho Empresarial Brasileiro

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais