O CONTRIBUTO DAS REDES DE COOPERAÇÃO PARA A PROMOÇÃO E O MARKETING DO TER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONTRIBUTO DAS REDES DE COOPERAÇÃO PARA A PROMOÇÃO E O MARKETING DO TER"

Transcrição

1 ESCOLA PROFISSIONAL DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL MARCO DE CANAVESES, 11 DE MAIO DE JORNADAS DE MAIO 2007 O CONTRIBUTO DAS REDES DE COOPERAÇÃO PARA A PROMOÇÃO E O MARKETING DO TER Por: Maria do Céu Sá Lima Directora de Marketing da TURIHAB A TURIHAB Associação de Turismo de Habitação, criada em 1983, teve como principal estratégia a recuperação e preservação, associando Casas com valor patrimonial, interessadas em abrir as suas portas ao Turismo de Habitação. Para esse efeito desenvolveu uma estrutura associativa que funciona como agente moderador e de controlo, para apoiar as casas servindo de interlocutor junto dos mercados e da tutela do turismo. Com a preocupação de consolidar a associação e a sua estrutura, concentrou os esforços num produto de qualidade, que serviu de exemplo a novas adesões, proporcionando condições para a afirmação de uma marca forte identificadora do produto e do destino que é Portugal. A TURIHAB lançou, em 1993, a marca Solares de Portugal. Esta rede de abrangência nacional congrega cerca de 100 casas, inscritas obrigatoriamente numa das modalidades TER Turismo no Espaço Rural, de cariz familiar: Turismo de Habitação, Agroturismo ou Turismo Rural.

2 Para a promoção e o marketing da marca Solares de Portugal, quer a nível nacional quer internacional, foi necessário clarificar as nomenclaturas usadas na legislação portuguesa e organizar a oferta em três categorias: Casas Antigas (TH), Quintas e Herdades (AG) e Casas Rústicas (TR), consideraramse parâmetros fundamentais de avaliação e valorização: a vivência familiar, a recuperação, preservação do património, a decoração, os espaços envolventes e a sua localização. Esta classificação permitiu criar uma diferenciação da oferta e capacitar a TURIHAB com uma ferramenta essencial para a comercialização do TER, criação de circuitos, itinerários temáticos e pacotes turísticos. Também, a institucionalização da tabela de preços com a tipologia A, B e C para todos os Solares de Portugal contribuiu fortemente para a diminuição da concorrência entre as casas, o aumento do associativismo e a credibilização da oferta junto de operadores turísticos, agentes de viagem e do consumidor final. Com o objectivo de capacitar a TURIHAB com uma estrutura organizacional que permitisse implementar novas tecnologias de comunicação, promoção e marketing em 2000, conjuntamente com a ATA Associação do Turismo de Aldeia, foi criada a central de reservas CENTER Central Nacional de Turismo no Espaço Rural. A CENTER dispõe de um programa de reservas CENTERNET (sistema operacional de reservas e informação) que permite a organização de dados da oferta TER; apresentar uma base de dados com a informação detalhada de todas as casas, devidamente estruturada passível de ser consultada pelos clientes através dos diferentes canais de comunicação; permite ainda o tratamento de toda a informação online (B2B e B2C) quer para as reservas quer para a promoção das unidades TER. Durante este ano, está previsto o incremento de novas ferramentas na CENTERNET para proporcionar a ligação com as casas on-line, dando oportunidade aos donos das casas de fazer uma gestão da sua ocupação.

3 A CENTER e a TURIHAB administram directamente 8 websites (www.solaresdeportugal.pt e A estes websites estão associados mais de 50 diferentes domínios registados pela CENTER e pela TURIHAB. A Web representa para a TURIHAB o principal canal de distribuição dos Solares de Portugal. O esforço que têm desenvolvido foi largamente recompensado, o número de visitas aos websites, que promovem os Solares de Portugal, representa uma média mensal de cerca de 93 mil visitas, totalizando de visitas em Comparando os registos de visitas de 2005 e 2006, verificou-se um aumento de cerca de 20%. Este aumento é reflexo do trabalho de actualização e inovação permanente, assim como da articulação entre os diferentes websites que promovem e potenciam a oferta das casas associadas às redes Solares de Portugal, Europa das Tradições, Aldeias de Portugal, Aldeias de Tradição e Fazendas do Brasil. As comunicações por meios electrónicos ( s e websites) representaram em 2006 mais de 60% de todas as comunicações efectuadas, no entanto o custo destas comunicações representa apenas 12% dos custos totais das comunicações realizadas. (fonte: Relatório de Actividades 2006 da TURIHAB) A implementação desta plataforma tecnológica permitiu diminuir os custos de comunicação e aumentar largamente a promoção de todas as redes. Permitiu ainda criar um fórum informativo e de consulta sobre a legislação TER, as promoções, estudos, newsletters, o apoio ao investidor, candidaturas ao TER, protocolos de cooperação institucional e informação sobre a Especificação de Requisitos do serviço TER, de certificação dos Solares de Portugal e do Manual de Boas Práticas desenvolvido especificamente para a qualificação da rede Solares de Portugal.

4 Qualificação da Rede Solares de Portugal A Qualificação da Oferta Solares de Portugal foi um projecto prioritário nos últimos anos. A TURIHAB e a sua Central de reservas a CENTER passaram por um processo de certificação tendo sido certificadas com a ISO 9001:2000, seguindo-se a certificação de toda a rede Solares de Portugal. A motivação para a certificação dos serviços da TURIHAB e da CENTER, bem como da rede Solares de Portugal, centrou-se na procura da melhoria contínua da oferta TER e do incremento da notoriedade dos Solares de Portugal. No âmbito da Qualificação da rede, foi elaborada uma Especificação de Requisitos de Serviços ERS 3001 um instrumento de certificação do Turismo no Espaço Rural e um Manual de Boas Práticas para os Solares de Portugal. A qualificação dos Solares de Portugal é o resultado de 24 anos de trabalho da Associação, dos seus colaboradores, mas principalmente dos seus associados, uma vez que, sem o empenho dos proprietários das casas, não seria possível criar um produto de qualidade com esta expressão nacional. Pretendeu-se, também, contribuir para a melhoria contínua dos serviços prestados nos Solares de Portugal; e para a sensibilização, respeito e preocupação concretas com as questões do ambiente e da preservação do património edificado. Os Solares de Portugal apresentam um complemento decisivo para a oferta turística portuguesa, tendo o ICEP no ano passado, certificado a marca Solares de Portugal como Marca Certificada - PORTUGAL, que muito contribuirá para a internacionalização da rede Solares de Portugal. A Certificação da rede Solares de Portugal contribuirá ainda para a dinamização de um modelo europeu de acolhimento no espaço rural a implementar nas redes de cooperação internacional.

5 Redes de Cooperação Internacional Europa das Tradições e Fazendas do Brasil No âmbito da cooperação internacional, em 1996 a TURIHAB e quatro associações da UE formaram o ETC - Europa Traditionne Consortium. São fundadores do consórcio: TURIHAB, de Portugal, Chateaux Accueil, da França, Wolsey Lodges, do Reino Unido, Hidden Ireland, da Irlanda e Erfgoed Logies, da Holanda. Os objectivos do consórcio são: promover um produto turístico único de qualidade de alojamento em casas privadas de família; promover o turismo da Europa, particularmente no Japão, América e Austrália; trabalhar e contribuir através da conservação e preservação do património para o desenvolvimento da cultura e tradição nos respectivos países e regiões. Em 1998 desenvolveu-se o alargamento aos novos países do Leste Europeu através do programa Ecos-Overture. O objectivo deste projecto foi contribuir para o desenvolvimento do turismo rural na Eslovénia, Hungria e região da Baviera na Alemanha, através da criação de redes nacionais e regionais de castelos, quintas e casas rurais. Deste projecto, resultou a criação da Associação Hises Tradicijo da Eslovénia que integrou em 2004 o consórcio ETC. A TURIHAB desenvolveu, também, o projecto Europa das Tradições: uma visão transatlântica com a AMETUR Associação Mineira da Empresa de Turismo Rural no Estado de Minas Gerais, o PRESERVALE Instituto de Preservação e Desenvolvimento do Vale do Paraíba no Estado do Rio de Janeiro e a ACETER Associação Cearense do Turismo no Espaço Rural no Estado do Ceará, que deu origem à rede Fazendas do Brasil. e da qual já fazem parte a APPAN Associação de Pousadas Pantaneiras (Mato Grosso do Sul), a APETURR Associação Pernambucana de Turismo Rural e Ecológico (Pernambuco) e a ABRATURR

6 Associação Brasileira de Turismo Rural (São Paulo). Em 2006 a TURIHAB assumiu a presidência da Assembleia Geral da rede Fazendas do Brasil. O estabelecimento desta rede passou pelo levantamento da capacidade de oferta, na articulação com a tutela do turismo estadual e federal, preparação do enquadramento legislativo na área da recuperação de apoios financeiros, criação de uma central de informação e reservas e consequentemente a articulação com a CENTER. Em 2006, concluiu-se o projecto Eurotrad Europa das Tradições: uma ponte para as Euroregiões - co-financiado pelo INTERREG IIIC SUD. Neste projecto a TURIHAB foi parceira da ADRIL Associação de Desenvolvimento Integrado do Lima - Região Norte de Portugal; da Xunta da Galiza - Espanha; da Provincia de Belluno e Provincia de Venezia Região de Venetto Itália, da Provincia de Udine Região de Friuli Venezia Guilia - Itália, da Niederosterreich e Eco-Plus - Áustria, do Turismo de Ljubljana - Eslovénia, do Vas County -Hungria; teve como objectivos principais o alargamento e a consolidação da rede e a criação de novas parcerias. No âmbito deste projecto foi produzido um guia geral com todas as Associações criadas. Em Espanha foi criada a associação das Casas Grandes de Hispania. Em Itália criou-se a associação Case Della Tradizione. Na Áustria a associação Tradition Österreich e na Hungria implementou-se a Magyar Vendégváró Óden Házak Egyesület Houses of Tradition. Foram também produzidos mapas individuais dos países parceiros e desenvolvido o site Depois da adesão à ETC destas novas associações, a rede Europa das Tradições contará com mais de 500 casas associadas. Com o desenvolvimento de todas estas redes os Solares de Portugal constituem o epicentro de uma Teia de promoção, transversal e articulada que integra todos os países da rede Europa das Tradições e do Mercosul através da rede Fazendas do Brasil. Apresentação de DVD Solares de Portugal ( 8 minutos)

Pense Global e Actue Localmente A Certificação como Motor da Competitividade

Pense Global e Actue Localmente A Certificação como Motor da Competitividade IX Fórum APCER 15 de Março de 2006 Pense Global e Actue Localmente A Certificação como Motor da Competitividade A TURIHAB Associação de Turismo de Habitação foi criada há 22 anos. A principal estratégia

Leia mais

Fórum Mundial do Turismo

Fórum Mundial do Turismo Fórum Mundial do Turismo Para a Paz e o Desenvolvimento Sustentável Dia 3 de Dezembro, sala 2, 14 horas, no Trapiche Eventos Working with local communities/ Strategic Planning O Turismo é hoje uma das

Leia mais

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO

I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO I CONFERÊNCIA NACIONAL DE DIREITO DO TURISMO Local: Auditório do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz Organização: APDC Direito do Consumo Data: 09 de Fevereiro de 2006 pelas 16 horas Palestra:

Leia mais

Plano de Actividades

Plano de Actividades Plano de Actividades Ano de 2003 O ano de 2003 ficará assinalado pela comemoração dos 20 anos da TURIHAB Solares de Portugal. Este acontecimento estará presente em todas as acções de promoção da TURIHAB.

Leia mais

ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR

ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR ENCONTROS PATRIMONIAIS: CONHEÇA O PATRIMÓNIO E PROMOVA-O TURISMO NO ESPAÇO RURAL: OFERTAS A VALORIZAR O TER Turismo no Espaço Rural representa o maior dos desafios para conhecer, interpretar e promover

Leia mais

Plano de Actividades

Plano de Actividades Plano de Actividades Ano de 2004 O ano 2004 ficará assinalado pela qualificação dos Solares de Portugal e pela realização do EURO 2004 que pensamos virá a influenciar fortemente a imagem de Portugal como

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 9 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2009, desenvolverá as suas acções em três vertentes fundamentais: a Internacionalização através do

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 3 O ano de 2013 ficará assinalado pela comemoração dos 30 anos da TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, ao serviço dos seus Associados e do Turismo.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E CONCEITO DO TURISMO DE HABITAÇÃO E DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

DESENVOLVIMENTO E CONCEITO DO TURISMO DE HABITAÇÃO E DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL DESENVOLVIMENTO E CONCEITO DO TURISMO DE HABITAÇÃO E DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo de Habitação tem como conceito geral preservar as casas, a tradição, a cultura, a arquitectura quer erudita quer

Leia mais

EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM. Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições

EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM. Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições Ponte de Lima, Janeiro de 2000 EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM 1 - TÍTULO: Solares de Portugal na Europa das Tradições 2 AUTOR:

Leia mais

Experiência Portuguesa em Turismo Rural

Experiência Portuguesa em Turismo Rural Experiência Portuguesa em Turismo Rural O Turismo é com certeza a actividade económica estratégica para Portugal do século XXI e o grande desafio para o futuro. Todos caminhamos para o cultivo da indústria

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 2000

Plano de Actividades Ano de 2000 Plano de Actividades Ano de 2000 O ano de 2000 ficará assinalado pela cooperação transnacional e a implementação da CENTER Central Nacional do Turismo no Espaço Rural. I INTERNACIONALIZAÇÃO COOPERAÇÃO

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 4 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2014, desenvolverá o seu plano de actividades em três vertentes fundamentais: - Inovação e Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 1999

Plano de Actividades Ano de 1999 Plano de Actividades Ano de 1999 O ano de 1999 ficará assinalado pela reorganização da Central de Reservas com o lançamento da CENTER - Central Nacional de Turismo no Espaço Rural. CENTER - Central Nacional

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 7 Para TURIHAB e para os Solares de Portugal, 2007 será o ano da Internacionalização. Com a certificação dos Solares de Portugal com a ERS3001TER e a

Leia mais

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural I Seminário sobre Turismo Rural e Natureza Diferenciar o Produto, Qualificar a Oferta, Internacionalizar o Sector MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural TÂNIA

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 0 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2010, desenvolverá as suas acções em quatro vertentes fundamentais: Organização do Turismo de Habitação

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e M M X V A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, instituirá 2015 como o ano da cooperação e da internacionalização do modelo a arte de bem receber. Visão

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 0 6 O ano 2006 ficará assinalado pelo reforço do associativismo e pela reformulação dos sites dos Solares de Portugal, apostando ainda mais no desenvolvimento

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 2001

Plano de Actividades Ano de 2001 Plano de Actividades Ano de 2001 O ano de 2001 ficará assinalado pela cooperação transatlântica - desenvolvimento de parcerias e iniciar a implementação da CENTER nos países do MERCOSUL e do Leste Europeu.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA FUNDOS ESTRUTURAIS

UNIÃO EUROPEIA FUNDOS ESTRUTURAIS FINANCIAMENTOS TER EM PORTUGAL FUNDOS ESTRUTURAIS 149 FINANCIAMENTOS TER Fonte: Instituto de Financiamento e Apoio ao Turismo No âmbito da aplicabilidade dos apoios financeiros e no que se refere ao alojamento

Leia mais

P l a n o d e A c t i v i d a d e s

P l a n o d e A c t i v i d a d e s P l a n o d e A c t i v i d a d e s A n o d e 2 0 1 1 A TURIHAB Associação do Turismo de Habitação, em 2011, desenvolverá o seu plano de actividades em três vertentes fundamentais: Associativismo e Cooperação

Leia mais

Plano de Actividades Ano de 2002

Plano de Actividades Ano de 2002 Plano de Actividades Ano de 2002 O ano de 2002 ficará assinalado pelo desenvolvimento de parcerias e a certificação da qualidade. O acolhimento e a segurança serão fundamentais para restabelecer a confiança

Leia mais

Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições

Título: Solares de Portugal na Europa das Tradições Mosteiro de Jerónimos - - Lisboa - (20 de Janeiro de 2000) EUROPA, UM PATRIMÓNIO COMUM Título: na Europa das Tradições Ponte de Lima, Janeiro de 2000 Mosteiro de Jerónimos - - Lisboa - (20 de Janeiro de

Leia mais

- Propriedade da ATA ASSOCIAÇÃO DO TURISMO DE ALDEIA

- Propriedade da ATA ASSOCIAÇÃO DO TURISMO DE ALDEIA ALDEIAS DE PORTUGAL - Referencial de Certificação - Propriedade da ATA ASSOCIAÇÃO DO TURISMO DE ALDEIA - Marca criada pelas Associações de Desenvolvimento Local que fundaram esta instituição e que hoje

Leia mais

INMOTION CARACTERIZAÇÃO:

INMOTION CARACTERIZAÇÃO: INMOTION CARACTERIZAÇÃO: O PROVERE INMotion identifica como recursos endógenos a natureza e Biodiversidade assentes nos patrimónios natural e cultural com características únicas e diferenciadoras desta

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

PARCEIROS ESTRATÉGIA ESTRATÉGIA OBJECTIVOS OBJECTIVOS PROJECTO DE COOPERAÇÃO INTERTERRITORIAL

PARCEIROS ESTRATÉGIA ESTRATÉGIA OBJECTIVOS OBJECTIVOS PROJECTO DE COOPERAÇÃO INTERTERRITORIAL PROJECTO DE COOPERAÇÃO INTERTERRITORIAL PARCEIROS ADER SOUSA Vale do Sousa ADRIL Vale do Lima ADRIMAG Serras de Montemuro Arada e Gralheir ADRIMINHO Vale do Minho ATAHCA Alto Cávado BEIRA DOURO Vale do

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011 TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal Abrantes, 2011 O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural motiva a viagem e, por isso, aproxima

Leia mais

Oportunidades a explorar

Oportunidades a explorar Oportunidades a explorar 1. Candidatura ao reconhecimento da Dieta Mediterrânica de PORTUGAL (liderada por Tavira) 2. Notoriedade do ALGARVE nos principais mercados turísticos europeus [Reino Unido, Alemanha,

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Região Centro como

Leia mais

P lano de A ctividades Ano de 1998

P lano de A ctividades Ano de 1998 P lano de A ctividades Ano de 1998 O ano de 1998 ficará assinalado pela consolidação da rede Europa das Tradições e cooperação internacional com os países do Leste Europeu. I - PRONORTE CD-ROM Solares

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave

Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave Estudo - Estratégias de Diferenciação das Principais Fileiras de Produtos Agrícolas, Agro- Alimentares de Alimentação do Vale do Ave NOTAS INTRODUTÓRIAS - Objetivo do estudo: Definir estratégias de atuação

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Agrupamento de escolas de Coruche. CURSO PROFISSIONAL Ano letivo 2014/2015 Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Agrupamento de escolas de Coruche. CURSO PROFISSIONAL Ano letivo 2014/2015 Técnico de Turismo Ambiental e Rural Agrupamento de escolas de Coruche CURSO PROFISSIONAL Ano letivo 2014/2015 Técnico de Turismo Ambiental e Rural Componente de formação: Sócio-cultural: Total de horas (a) (ciclo de formação) Português Língua

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ITINERÁRIOS DE TURISMO EQUESTRE METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO

ITINERÁRIOS DE TURISMO EQUESTRE METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO METODOLOGIA DE IMPLEMENTAÇÃO estudo de caso minho - lima Fevereiro 2012 O Turismo Equestre representa um importante segmento do produto Touring Cultural e Paisagístico, de Turismo de Natureza e de valorização

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO E MARKETING DE PRODUTOS ALIMENTARES DE QUALIDADE (DOP) QUEIJO SERRA DA ESTRELA

COMERCIALIZAÇÃO E MARKETING DE PRODUTOS ALIMENTARES DE QUALIDADE (DOP) QUEIJO SERRA DA ESTRELA Ovinicultura Actividade Tradicional e de Futuro 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela COMERCIALIZAÇÃO E MARKETING DE PRODUTOS ALIMENTARES DE QUALIDADE (DOP) QUEIJO SERRA DA ESTRELA Maria

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Portal do Golfe. Informação, Colaboração e Reservas Online

Portal do Golfe. Informação, Colaboração e Reservas Online Informação, Colaboração e Campo Real, 25 de Junho de 2010 Objectivos Reforçar a competitividade internacional da oferta de golfe em Portugal Reforçar a parceria com o Turismo de Portugal ao nível da estratégia

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO

SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO SESSÕES DE PROMOÇÃO DO BALCÃO DO EMPRESÁRIO INSIDE E REDE DE COOPERAÇÃO EMPRESARIAL DO ALENTEJO Vendas Novas, 29 outubro 2014 1 I. Serviços do Balcão do Empresário a. Enquadramento b. Questionário às necessidades

Leia mais

Os PROVERE em movimento: ponto de situação dos Programas de Acção

Os PROVERE em movimento: ponto de situação dos Programas de Acção Os PROVERE em movimento: ponto de situação dos Programas de Acção Ana Abrunhosa Vogal Executiva da Comissão Directiva do Mais Centro Pilares essenciais da iniciativa PROVERE do QREN: i) os projectos âncora

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 11 de Novembro de 2011 PLANO DE ACTIVIDADES PARA O EXERCÍCIO DO ANO DE 2011 I. NOTA INTRODUTÓRIA Tendo em consideração a estratégia de desenvolvimento da ADERE- Peneda Gerês,

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta

Agenda. O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta Agenda O Diagnóstico Os Desafios A Estratégia Os Produtos a Promover Os Mercados A Promoção A Oferta O Diagnóstico Turismo marítimo e costeiro Náutica de Recreio 60 Turismo Maritimo e Costeiro 123 Nautica

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação The importance of Information and Communication Technologies for the development of Portuguese Wine Routes 21st 23rd JUNE OPORTO Estrutura da Apresentação 2. Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL -

ANEXO TURISMO SUSTENTÁVEL BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO BASES PARA A DEFINIÇÃO DE UM PROGRAMA DE TURISMO SUSTENTÁVEL VER PLANTA CASAS E MONTES AGRÍCOLAS ESTRATÉGIA DE TURISMO SUSTENTÁVEL - ANEXO AO RELATÓRIO 3 ANEXO AO RELATÓRIO 3_ PROGRAMA DE EXECUÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo

A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO. Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo A IMPORTÂNCIA DO VINHO NA PROMOÇÃO DO TURISMO Fórum Anual Vinhos de Portugal 26 de novembro 2014 João Cotrim de Figueiredo O potencial competitivo de Portugal Vinhos únicos no mundo Porto e Madeira Vinhos

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020. Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014

SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020. Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 O TURISMO SUSTENTÁVEL Qual o caminho? A iniciativa CETS e

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017 Lista B Programa de Candidatura Introdução A presente lista candidata à SPTF é composta por um conjunto de colegas ligados pelas ideias que partilham

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL

RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL RETRATO DO TURISMO RURAL PELO SEBRAE NACIONAL PEC Nordeste - 2015 Evelynne Tabosa dos Santos Gestora Estadual do Programa de Turismo do Ceará TURISMO NO BRASIL - HISTÓRICO Atividade presente na Constituição

Leia mais

Estratégias da ART para Desenvolvimento do Turismo Subaquático nos Açores

Estratégias da ART para Desenvolvimento do Turismo Subaquático nos Açores Turismo Subaquático nos Açores I. Enquadramento POTRAA Plano de Ordenamento Turístico da RAA Estratégia de desenvolvimento sustentável do sector do turismo e o modelo territorial para os Açores Linhas

Leia mais

Atividade Turística com resultados positivos em 2014

Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Estatísticas do Turismo 2014 28 de julho de 2015 Atividade Turística com resultados positivos em 2014 Segundo os dados provisórios da Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas internacionais,

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

IERA um projeto gerador de oportunidades. 30 de junho de 2015 celso guedes de carvalho

IERA um projeto gerador de oportunidades. 30 de junho de 2015 celso guedes de carvalho IERA um projeto gerador de oportunidades 30 de junho de 2015 celso guedes de carvalho um projeto da Região A criação da IERA foi um desafio estratégico assumido por 14 parceiros comprometidos com a promoção

Leia mais

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção GRUPO 2 Áreas Protegidas em processo de adesão à CETS Parques en proceso de adhesion a la CETS Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE ACÇÃO Exemplo

Leia mais

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural

Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural Carta de São Paulo 1º FEIRATUR Feira Nacional de Turismo Rural No período compreendido entre os dias 16 e 19 do mês de setembro de 2004, realizou-se a Primeira Feira Nacional do Turismo Rural - 1º FEIRATUR,

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 1 PROBLEMA Como responder às crescentes exigências económicas e ambientais, às alterações permanentes e aos diversos estilos

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) 2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014) Azucena de la Cruz Martin Gabinete CETS Terra do Priolo 01-01-2015 Marca Priolo Balanço do desenvolvimento e implementação (2013-2014)

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

Palmela - Experiências com Sabor

Palmela - Experiências com Sabor Promover a notoriedade da marca turística Palmela, como território associado à gastronomia, aos produtos locais de qualidade e às boas experiências que proporciona a quem o visita. Objectivo global Incentivar

Leia mais

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.

Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua. Maria João Carneiro mjcarneiro@ua.pt Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Vítor Brandão vmbrandao@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Universidade de Aveiro, Portugal Avaliar os discursos sobre o

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

TUREL CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO CULTURAL E RELIGIOSO GRANDES LINHAS FORÇA EMERGENTES DOS TRABALHOS DO CONGRESSO

TUREL CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO CULTURAL E RELIGIOSO GRANDES LINHAS FORÇA EMERGENTES DOS TRABALHOS DO CONGRESSO TUREL CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO CULTURAL E RELIGIOSO GRANDES LINHAS FORÇA EMERGENTES DOS TRABALHOS DO CONGRESSO 1. As estatísticas mostram que as receitas totais do turismo ultrapassam 640 milhões

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

ORIGEM OBJECTIVOS: Iniciado em 2004, por um desafio lançado ado pelo Governo Português, para o Campeonato Europeu de Futebol. MISSÃO: Criar e desenvolver, em contínuo, nuo, uma Rede de Estabelecimentos

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais