Estudo de Caso Rede Escolar Livre RS Rio Grande do Sul (Brasil): Mario Teza 1) Resumo. Público alvo:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Caso Rede Escolar Livre RS Rio Grande do Sul (Brasil): Mario Teza mlteza@softwarelivre.org. 1) Resumo. Público alvo:"

Transcrição

1 Estudo de Caso Rede Escolar Livre RS Rio Grande do Sul (Brasil): 1) Resumo Público alvo: Escolas Públicas do Rio Grande do Sul, Brasil, atingindo alunos e professores Situação problema : Informatizar as escolas públicas estaduais do Rio Grande do Sul, proporcionando acesso a internet e softwares pedagógicos. Alternativas encontradas: Coube a Procergs (Companhia de Processamento de Dados do Rio Grande do Sul), pensar uma proposta para o uso da informática no âmbito pedagógico. Dois estudos realizados: o primeiro baseado nos critérios do PROINFO (Programa de Informatização das Escolas), do Ministério da Educação do Governo Federal, baseado em softwares convencionais. Custo previsto de R $ ,00.O segundo estudo foi uma adaptação ao plano do Ministério da Educação mas substituindo os softwares convencionais por softwares livres. Custo previsto de R $ ,00. Caminho adotado: Adotamos o estudo número dois, com software livre. Objetivos: Informatizar escolas com mais de 100 alunos, atingindo alunos e professores(as), com, no mínimo 10 micros por laboratório, chegando a estações de trabalho.

2 Conclusões: Informatizamos 950 escolas com laboratórios, distribuindo computadores. Considerando-se quem em 2000 tínhamos 386 escolas com laboratórios de informática, que essa rede foi montada com recursos do Governo do Estado, ou campanhas de doação das comunidades locais, foi um grande avanço. 2) Pontos Chave: Atender a demanda do Governador do Estado. Atender a expectativa da Secretária da Educação no aspecto apoio ao Projeto Pedagógico em curso. Apresentar a melhor proposta técnica com o menor custo de investimento. Prover as escolas de tecnologia de ponta na área. Aproveitar as boas idéias de outras experiências e não repetir seus erros. 3) Questão Crítica: Conseguir em pouco tempo reunir pesquisa, implementação e suporte para a solução que fora projetada, com poucos recursos humanos e financeiros locais e nacionais, atingindo escolas. 4) Problema: Dificuldade financeira para investir no projeto. Desconhecimento de quais software livre poderiam substituir os convencionais, além do desconhecimento específico na questão pedagógica. Projetos nacionais que viabilizariam hardware, por diversos motivos, atrasaram ou nem aconteceram. Impossibilidade de contarmos com admnistradores de rede das própias Escolas envolvidas. Inexistência de conhecimento técnico em número suficiente nas escolas para proverem suas prórprias soluções. Regulamentação do FUST questionada por parlamentares, Tribunal de Contas e Judiciário. Custo elevado para termos conexão internet nas escolas do Projeto. Resistência ao uso do computador com fim pedagógico por parte dos/das professores/as Situação geradora :

3 Situação do Magistério gaúcho após a greve fez com que Governador Olívio Dutra propusesse políticas compensatorias. A recusa da Assembléia Legislativa em aprovar proposta do Executivo de Reforma Tributária, o que traria mais recursos para o Governo Estadual aumentou as dificuldades da situação. Daí a necessidade de melhoria das condições de trabalho, concessão de crédito para moradia, melhoria do ambiente pedagógico. Isso porque o magistério significa quase 50% do funcionalismo e um aumento, que era necessário, significaria ir além da capacidade de pagamento do Governo afim de atender todas as categorias do Estado conforme a legislação atual. Atrativo maior foi o item economia para os cofres públicos. Sair de um investimento de R$ 87 milhões para R$ 47 milhões foi muito convincente. CUSTOS Custo Previsto Para o Projeto Rede Escolar Livre RS RS (Totalmente Baseado nos critérios do PROINFO-MEC) CUSTOS QTD US$ x 1,000,000 ITEM BRASIL A B C D CAPACITAÇÃO E SUPORTE RS US $ 1.1 Hardware e Software Operacional ,00 para NTE 1.2 Custeio de NTE , Formação de multiplicadores , Formação de Suporte Técnico ,00 p/escolas 1.5 Custeio dos Multiplicadores , Custeio Suporte Técnico , Capacitação Professores , Reciclagem, Formação e Capacitação ,50

4 SUBTOTAL: ,00 SISTEMAS DE INFORMÁTICA 2.1 Hardware e Software Operacional ,00 para Escolas 2.2 Consultoria ,00 Xn ,00 micros 2.3 Telecomunicações ,00 Xn ,00 micros 2.4 Suprimentos ,00 Xn. micros ,00 SUBTOTAL: ,00 OUTROS INVESTIMENTOS 3.1 Adaptações físicas e cabeamentos ,00 X n. micros ,00 SUBTOTAL: ,00 CUSTEIO EQUIPES 4.1 Equipe MEC ,00 X n. micros 4.2 Equipes Estaduais ,00 X n. micros , ,00 SUBTOTAL: ,00 USTO TOTAL ESTIMADO ,00 Em valores na data deste estudo (13/01/2003) = R$ ,04

5 5) Objetivos: Objetivo institucional atingido junto ao magistério parcialmente, na comunidade em torno da escola plenamente. Como prova desta afirmação temos a enorme demanda feita pela população através do Orçamento Participativo, mecanismo local para definição de prioridades na Gestão Olívio Dutra. Forma mais de computadores, centenas de laboratórios de informática, entregues. Objetivo de negócios parcialmente atendido. Tínhamos a idéia de comercializar a Solução REL-RS para as empresas operadoras de telecomunicações que participariam do edital do Fust. Como o processo foi sustado, a idéia foi congelada temporariamente. Essa comercialização se dará por 5 anos, prazo do FUST. Com certeza, será o maior negócio de TI do mundo nos próximos anos. Estão previstos 5 bilhões de reais no período para todo o Brasil. Especificamente para o Rio Grande do Sul, preparamos também uma infra-estrutura de gerenciamento de toda essa Rede, a ser remunerada pelo FUST nos moldes da sala de controle da Marinha dos EUA. O provimento internet também estava previsto na nossa proposta. Objetivos filosóficos foram plenamente atendidos. Apesar de estarmos iniciando o uso intensivo da solução, conseguimos provar no Brasil a viabilidade do uso de software livre com alta qualidade e baixo custo, dando conta de todos os problemas envolvidos. A prova maior disso foi a votação no Congresso Nacional do Brasil de uma emenda ao Orçamento prevendo a obrigatoriedade da solução do Fust conter duas ou mais solução de software (além do convencional que já era prevista, o software livre também). Objetivo Cultural só agora começa começa a ser atendido. A idéia é criarmos no Rio Grande do Sul um centro de excelência em alta tecnologia baseado em software livre. Hoje o Rio Grande do Sul já é referência nacional na divulgação e uso de software livre. Queremos agora enraizar esses conceitos, nas escolas, universidades, empresas privadas e públicas. Ao formarmos a primeira geração de jovens em software livre, estaremos formando uma seleção de Pelés na tecnologia. A satisfação dos usuários com a solução é muito elevada. O primeiro contato com alguma pesquisa de satisfação foi com a Escola Protásio Alves, com mais de alunos. O retorno é excelente por parte dos/as professores/as e, principalmente, alunos/as. Quanto a performance, a versão atual consegiu resolver os problemas da primeira: dificuldade extrema de atualização, falta de padronização, universalidade de resposta para ambientes tão diversos, etc. É claro que a configuração das máquinas que farão o papel de servidores de rede determina uma melhor ou pior performance. 6) Métricas:

6 Situação em 2000 Escolas com microcomputador para uso administrativo com INE (Software Administrativo da PROCERGS): Total Geral Escolas Escolas c/ micro administrat Alunado coberto % Alunos Cobertos % Professores Atingid % Professor Atingidos Regentes Ating. % Regentes Ating % % Escolas com microcomputador para uso pedagógico: Total Geral Escolas Escolas c/ micro pedagógico Alunado coberto % Alunos Cobertos % Professores Atingid % Professor Atingidos Regentes Ating. % Regentes Ating % % O número de escolas era maior do que o projeto prevê pois existem escolas sazonais, itinerantes e indígenas, que no Projeto não contavam. Regentes, são os/as professores/as que estão em sala de aula. Professores, são os totais de professores regentes e em funções admnistrativas. Micro admnistrativo é aquele usado na secretária da escola Micro pedagógico é aquele usado em laboratórios como apoio ao aluno. Total (Censo 2000) Esc. Com mais 100 alunos Proinfo/ 1996 Anatel / FUST PROCERG S OP / 2000 OP / 2001 Rede Airton Senna Total dos Teleinformacional Projetos (mais 100 alunos) Escolas Alunos

7 Professo res Regente s Micros Previsto s Micros Realizad os Micros em 03/ Os dados são de O Censo Escolar de 2002 irá mostrar números melhores ainda. Segundo a Secretaria da Educação, exitem hoje micros nas escolas. Em torno de 950 Escolas tem laboratório de informática. 7) Abordagem/Estratégia/Plano: Apresentação

8 O governo do Estado do Rio Grande do Sul, através da Secretaria Estadual da Educação (SE) e da Companhia de Processamento de Dados do Estado (PROCERGS), fizeram o lançamento do projeto Rede Escolar Livre RS dia 28/05/2001, na Escola Estadual Fernando Ferrari, em Porto Alegre (rua Upamoroti, 1200). Desenvolvido pela Secretaria de Estado da Educação (SE) e pela PROCERGS, o projeto viabilizará o uso da informática nas escolas públicas estaduais, possibilitando a inclusão de estudantes, professores, funcionários e comunidade escolar no mundo da tecnologia e da informação. O projeto, até julho de 2002, preve estar disponível para as escolas estaduais do RS, que terião acesso aos diferentes serviços e benefícios através de seus laboratórios de informática, oriundos de diferentes projetos como FUST e Orçamento Participativo. Inicialmente, a Rede Escolar Livre RS foi implantada através de um projeto-piloto em cinco escolas da rede estadual, quatro delas em Porto Alegre (Protásio Alves, Carlos Rodrigues da Silva, Cândido Portinari e Fernando Ferrari) e uma em Alvorada (Érico Veríssimo). O programa beneficiará escolas com mais de 100 alunos, que contarão com laboratórios de informática com 10 microcomputadores ligados em rede local, utilizando softwares livres e com acesso à Internet. Estes laboratórios serão conectados às demais escolas estaduais, às Coordenadorias Regionais de Educação e à rede da Secretaria da Educação, possibilitando a construção de uma comunidade escolar. A implantação da Rede Escolar Livre RS foi viabilizada por uma série de parcerias. Durante o ato de lançamento, a CRT Brasil Telecom firmou protocolo de intenções com o Governo do Estado para disponibilizar canal de acesso à Internet para cerca de 40 escolas integrantes do projeto. A PROCERGS participou com a doação de computadores, mais acesso à rede local e Internet. As empresas Dell Computer, Conectiva (PR) e Samurai também doaram equipamentos para as escolas. As escolas do projeto-piloto contarão com aplicativos livres em seus laboratórios, entre eles o GNU/Linux e o StarOffice. O software livre trabalha com código aberto, permitindo que os programadores tenham acesso e possam modificar as suas configurações. Além disso, tem livre difusão, o que possibilita que um mesmo programa possa ser instalado em quantas máquinas o usuário desejar. A economia de custo do software livre é outra vantagem. Com a sua utilização no Rede Escolar Livre RS RS serão economizados cerca de R$ 40 milhões. Objetivo Geral Viabilizar o uso da informática nas escolas públicas estaduais do Rio Grande do Sul, possibilitando assim a inclusão do alunado, dos professores, dos funcionários e da comunidade escolar no novo mundo que se apresenta através da tecnologia da informação. Objetivos Específicos Acompanhar os projetos já em andamento com vistas a obtenção de uma visão única do Estado.

9 Facilitar o gerenciamento da SE no processo de informatização como um todo e, em especial, dos Núcleos de tecnologia Educacional - NTEs e dos Laboratórios de Informática das Escolas. Fomentar a obtenção de novos projetos que venham a enriquecer o processo de informatização na escola. Facilitar as ações da SE no encaminhamento da linha pedagógica adotada nas escolas públicas estaduais do Rio Grande do Sul. Facilitar a obtenção da qualificação dos professores para o uso, na educação, das novas tecnologias. Facilitar a integração das ações da SE com as CREs com a implantação de uma rede de comunicação. Criar novas formas de construção do conhecimento nos ambientes escolares, através do uso adequado das novas tecnologias. Disseminar as tecnologias de informática nas escolas públicas de maneira a possibilitar um alto padrão de qualidade na educação e modernizar a gestão escolar. Soluções Propostas A solução proposta abrange itens relacionados equipamentos, redes locais, softwares, sistemas de informações, acesso a internet, capacitação dos professores/as e educação sem distância. Pôr este motivo, serão detalhados todos estes itens fundamentais à compreensão e definição do projeto. Cada escola, com mais de 100 alunos, deverá contar com laboratório de informática constituído por 10 microcomputadores (e periféricos necessários), ligados em rede local, utilizando software livre e com estrutura para acesso à Internet. Estes laboratórios serão conectados às demais escolas estaduais, às CREs e à rede da SE, permitindo assim, uma maior integração da comunidade escolar. O Quadro 1 abaixo, apresenta alguns dados sobre a evolução do número total de microcomputadores existentes nas escolas, os considerados pelas escolas como de uso pedagógico e aqueles que já incluem o uso do sistema INE. A Constituinte Escolar, que definiu os Princípios e Diretrizes para a construção da Escola Democrática e Popular, aponta na Temática 3 - Políticas Públicas e Educação, no Princípio 6 - "O acesso às tecnologia, na rede pública estadual, deve possibilitar a qualificação e inclusão social." Sendo assim, a qualificação dos professores torna-se um ítem da maior importância para o sucesso do projeto entendendo a informática educativa como suporte fundamental para o desenvolvimento da aprendizagem em todos os campos do conhecimento.

10 Quadro 1 Distribuição dos Microcomputadores Segundo o Número de Escolas Censo 1999 Censo 2000 Total de escolas estaduais Escolas com acesso à Internet Total de microcomputadores nas escolas Escolas com computadores para uso pedagógico Alunado nestas escolas Professores nestas escolas Professores regentes de classes Escolas que tem computadores com INE (uso administrativo) Alunado destas escolas Professores destas escolas Professores regentes de classe Equipamentos O Quadro 2 apresenta os equipamentos que estão sendo obtidos através de recursos provindos de diversos projetos, concluídos ou em andamento. OBSERVAÇÕES: As escolas atingidas pelos projetos em andamento são 913, possuem alunos, professores e regentes.

11 Através do OP 1999 PI 2000, foi repassada a verba para as escolas selecionadas adquirirem 1258 microcomputadores. Pelo OP 2000 PI 2001, a SE adquiriu 1400 microcomputadores para serem colocados nas escolas estaduais selecionadas. Pelo PROINFO/1996, estão destinados ao estado do Rio Grande do Sul microcomputadores para serem colocados em 378 escolas estaduais e municipais. Até o momento foram contempladas 56 escolas estaduais e 45 escolas municipais, num total aproximado de 1450 microcomputadores. Através do projeto Rede Teleinformacional, da SE com verba do FNDE, foram colocados 809 microcomputadores em 262 escolas durante o ano de 1999/2000. A lei 9998 de 17/08/2000, institui o Fundo de Universalização do Serviços de Telecomunicações - FUST - onde o Governo Federal vai contemplar diversos recursos para as escolas de ensino médio no Estado a partir de A Secretaria de Educação, por sua parte, construirá uma proposta para a Informática na Educação nas escolas estaduais, envolvendo a comunidade escolar, osnúcleso de Tecnologia Educacional (NTE), equipes das Coordenadorias Regionais de Ensino (CREs) e a própria Secretaria, a partir dos princípios e diretrizes definidos pela Constituinte Escolar, propondo a utilização da informática como ferramenta que auxilie na construção da Escola Democrática e Popular. Os equipamentos previstos para constituir os laboratórios seguem a configuração sugerida pelo grupo do Software Livre PROCERGS e seguirão a seguinte configuração: Quadro 2 / Dados Censo 2000 Projetos em Andamento Total Esc. (Cen com so mais 2000) 100 aluno s Proin fo/ 1996 Anat el / FUS T PRO CER GS OP / OP / Rede Telei nform acion al Airto n Senn a Total dos Proje tos (mais 100 aluno s)

12 Escolas Alunos Professores Regentes Micros Previstos Micros Realizados Micros em 03/ Núcleos de Tecnologia Educacional Novas Tecnologias na Educação O Projeto Estadual de Informática, desenvolvido pela Secretaria de Estado da Educação através da Central de Apoio Tecnológico à Educação (Cate), em conjunto com as Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) e Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs) propõe democratizar o acesso às novas tecnologias. Os NTEs possuem ambientes computacionais e profissionais qualificados para apoiar as escolas no desenvolvimento de propostas pedagógicas associadas à informática educativa, bem como na área técnica (hardware, software e telecomunicações). Objetivos do Projeto Estadual de Informática na Educação Educar para a cidadania global numa sociedade tecnologicamente desenvolvida e interdependente; Criar novas formas de construção do conhecimento nos ambientes escolares, através do uso adequado das novas tecnologias da informação e da comunicação; Disseminar as tecnologias de informática nas escolas públicas de maneira a possibilitar um alto padrão de qualidade na educação e a modernizar a gestão escolar.

13 Núcleos de Tecnologia Educacional O Rio Grande do Sul tem 11 Núcleos de Tecnologia Educacional, localizados no municípios de Caxias do Sul, Carazinho, Gravataí, Osório, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria, Santana do Livramento, Santo Ângelo e Porto Alegre. Estão em fase de implantação mais 19 NTEs, nos municípios sedes de 19 Coordenadorias Regionais de Educação existente no Estado. Com esta expansão, todas as CREs terão um Núcleo de Tecnologia. Atuam nos NTEs, professores da rede municipal e rede estadual, formados em curso de pós-graduação Lato-Sensu "Especialização em Informática Educativa para Professores Multiplicadores nos Núcleos de Tecnologia Educacional". Os NTEs já capacitaram em Informática Educativa, desde 1999, cerca de cinco mil professores da rede pública. Principais funções dos NTEs: Sensibilização e motivação das escolas para incorporação da tecnologia de informação e comunicação; Capacitação e formação dos professores; Assessoria pedagógica para uso da tecnologia no processo de aprendizagem; Incentivo e o apoio à realização de cursos para o aperfeiçoamento de professores, através da metodologia de educação à distância, por meio de redes de telecomunicações; Acompanhamento e avaliação local do processo instaurado nas escolas. Nucleação das Coordenações Regionais de Educação (CREs) por Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE)

14 Endereços dos Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs)

15 NTE - PORTO ALEGRE I Rua Vigário José Inácio, 730 Centro Porto Alegre RS - CEP: Coordenadora: Maria Helena Sório de Carvalho NTE - NOVO HAMBURGO Rua Cinco de Abril, Rio Branco Novo Hamburgo RS - CEP: Coordenadora: Lurdes Marilene da S. Jung NTE - CAXIAS DO SUL Av. Júlio de Castilhos, 3947 Bairro Cinqüentenário Caxias do Sul RS CEP: Coordenadora: Suzana Elizabeth Rodrigues Missaglia NTE - PELOTAS Rua Olenka L. S. Rassier, 20 Fragata Pelotas RS - CEP: Coordenadora: Cleide R. de Almeida Sabbadini NTE - SANTA CRUZ DO SUL R. Marechal Floriano - Nº Centro Santa Cruz do Sul RS - CEP: Coordenadora: Maria Beatriz Jacques Fraga da Silva Fone: (0xx51) , Fax: (0xx51) Site: Fone: (0xx51) , Fax: (0xx51) Site: Fone: (0xx54) , Fax: (0xx54) Site: Fone: (0xx53) Fax: (0xx53) Site: Fone: (0xx52) ª CRE 2ª CRE 4ª CRE 5ª CRE 6ª CRE

16 NTE - PASSO FUNDO Av. Pres. Vargas, 100 Sala 203 Centro. Passo Fundo RS - CEP: Coordenadora: Rose Mary Stangler NTE - SANTA MARIA Av. Rio Branco, 66 Centro Santa Maria/RS - CEP: Coordenadora: Egla R. da Silva Dornelles NTE - URUGUAIANA Rua Duque de Caxias, 2827 Uruguaiana - RS - CEP: Coordenadora: Vânia Rejane Nascimento Mendeszabal NTE - OSÓRIO Rua: Marquês do Herval, 333 Osório RS - CEP: Coordenadora: Anilda Machado de Souza NTE - BAGÉ Av. José do Patrocínio, s/nº - São Judas Bagé - RS - CEP: Coordenadora: Cleide Mary Silva Paz Fone: (0xx54) , 313-7ª CRE 4232 Fax: (0xx54) Site: Fone: (0xx55) , 222-8ª CRE 6066 Fax: (0xx55) Site: Fone: (0xx55) ª Fax: CRE Site: Fone: (0xx51) , Fax: (0xx51) Site: br Fone: (0xx53) Fax: (0xx53) Site: 11ª CRE 13ª CRE

17 NTE - SANTO ÂNGELO R.Barão do Triunfo, 264 Santo Ângelo RS - CEP: Coordenadora: Gerta Madalena von Mecheln NTE - ERECHIM Escola Estadual Normal José Bonifácio R. Nelson Ehlers, 243 Erechim RS NTE - SANTANA DO LIVRAMENTO Rua Gen. Daltro Filho, 1960 Santana do Livramento RS - CEP: Coordenadora: Mirta Noris Dutra NTE - PALMEIRA DAS MISSÕES Escola Estadual de Ensino Médio Venina Palma R. Santa Tereza, s/nº - Vila Westphalen Palmeira das Missões RS Coordenadora: Araci de Fátima Rocha NTE - TRÊS PASSOS Instituição Estadual Érico Veríssimo R. Gaspar Silveira Martins, 1415 Três Passos RS Coordenadora: Izamir S. Griebler Raffaelli Fone: (0xx55) , Fax: (0xx55) Site: m.br Fone: (0xx54) Fone: (0xx55) , Fax: (0xx55) Site: Fone: Fone: (0xx55) ª CRE 15ª CRE 19ª CRE 20ª CRE 21ª CRE

18 NTE - VACARIA Instituto Estadual de Educação Irmão Getúlio Rua 3 de Dezembro, 75 - Centro Vacaria RS Coordenadora: Marinice Cordeiro Noya NTE - CANOAS Escola Estadual de Ensino Médio Profª. Margot Terezinha Noal Giacomazzi R. Arroio do Sal, 55 - Jardim Atlântico Canoas RS Coordenadora: Maria de Fátima Leal de Leal NTE - GRAVATAÍ Av. dos Ciprestes, s/nº - Castelo Branco Gravataí RS - CEP: Coordenador: Alexandre Rodrigues Soares NTE SÃO LUIZ GONZAGA Instituto Estadual Osmar Poppe. Rua Dr. Júlio de Castilhos, Centro Fone/Fax: (0XX-54) ª CRE Fone: (0xx51) Fone: (0xx51) , Fax: (0xx51) Site:http://br.geocities.com/ntegti Fone: (0XX55) Site: 27ª CRE 28ª CRE 32ª CRE São Luiz Gonzaga - RS Coordenadora: Maria Elisabete Ames Pereira NTE - CARAZINHO Rua Epitácio Pessoa, 380 Bairro Broecker Carazinho RS - CEP: Coordenadora: Almira de Arruda Birk Fone:(0xx54) Fax: (0xx54) Site: 39ª CRE

19 NTE - BENTO GONÇALVES Em instalação Bento Gonçalves/RS - CEP: NTE - CACHOEIRA DO SUL Em instalação Cachoeira do Sul/RS - CEP: NTE - IJUÍ Em instalação Ijuí/RS - CEP: ª ª CRE 36ª CRE Nucleação das Coordenações Regionais de Educação (CREs) por Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) Configuração Sugerida Para Servidores Hardware - Pentium IV - 1 Gb Mhz ou superior recomendado - 2 Gb RAM - 30 Gb de disco rígido - Duas interfaces de rede compatíveis com a tecnologia a ser aplicada Para Estações de Trabalho rodando GNU/GNU/GNU/Linux

20 Hardware recomendado - Pentium 166 Mhz - 32 Mb RAM - 2 Gb disco rígido - Placa de rede ethernet 10/100 OBS: Em breve opção para 386 e 486 Softwares O Projeto Rede Escolar Livre RS pretende disponibilizar em todas as escolas da rede pública do Estado do Rio Grande do Sul uma infraestrutura que permita o acesso à informações e recursos pedagógicos na Internet bem como uma maior integração entre os diversos estabelecimentos de ensino da rede pública estadual. Esta infra-estrutura será baseada em software livre como Sistemas Operacionais e Servidores (WEB, de Correio, Firewall, etc.). A proposta é que cada escola seja um núcleo independente de serviços (inicialmente Correio Eletrônico, Hospedagem de Páginas WEB e Transferência de Arquivos) e que, através de padrões, definições e orientações definidos pela PROCERGS, consiga-se formar uma grande Rede Escolar que insira os corpos docente e discente da rede pública na rede mundial. A PROCERGS criará, distribuirá e manterá atualizada uma configuração padrão de serviços que será repassada, através dos NTEs, para instalação nas escolas segundo as definições apresentadas a seguir. Caberá a cada escola a administração e operacionalização do seu ambiente (manutenção de contas de , atualização dos conteúdos WEB e de arquivos, execução de backup de dados, etc.) Configuração Lógica da Rede As escolas deverão estar ligadas a internet, obedecendo a nomenclatura de domínio estabelecida pela PROCERGS. Cada escola/nte deverá ser um subdomínio da rede escolar do Estado, como, por exemplo: Domínio da rede escolar = rs.g12.br ou rel.rs.gov.br Domínio da escola São Paulo = saopaulo.rs.g12.br ou saopaulo.rel.rs.gov.br Cada aluno terá uma conta de no servidor de sua escola. Exemplo: ou

21 Esta estrutura permite a integração da escola na Rede Escolar, facilitando o controle e mantendo uma estrutura de simples reconhecimento por todos como parte da rede. Configuração de Hardware e Software A configuração dos servidores e das Estações de Trabalho rodando GNU/Linux seguem àquelas apresentadas na seção Equipamentos O Sistema Operacional recomendado para o servidor: Sistema Operacional Liberdade, desenvolvido pela Procergs e baseado na Distribuição Debian GNU/Linux. Os seguintes serviços deverão ser obrigatoriamente instalados e habilitados: SSH e SSH2: Secure Shell. Postfix e Cyrus: "Mail Transfer Agent". ftpd-bsd: "file transfer protocol daemon". ipchains: filtro de pacotes para implementação de firewall e roteamentos. Apache/Mysql/PHP: Webserver Samba: É uma coleção de programas que implementa o protocolo SMB em systemas unix-like, habilitando um servidor de arquivos e impressão para máquinas windows, NT, OS/2 e DOS. dhcpd: Protocolo de configuração dinâmica de hosts. Squid: Web Cache Proxy. Os softwares a serem utilizados serão os escolhidos pela SE entre os existentes, mas, para facilitar esta seleção, será realizada uma análise inicial pela PROCERGS. Dentre os softwares existentes existe um conjunto chamado Linux for Kids, que reúne uma gama de softwares de cunho educacional. Esta pré-análise busca identificar uma gama relativamente grande de softwares e resumir seu escopo para que a SE possa analisar e escolher os que considerar condizentes com sua proposta pedagógica

22 Redes Diante da perspectiva de um projeto que possibilite disponibilizar recursos de informática para as escolas estaduais, foi elaborado um estudo apresentando uma estimativa do que seria necessário para viabilizar a implantação de um laboratório de informática com acesso dedicado à Internet para uma escola. A solução adotada prevê a implantação de uma infra-estrutura que permita a conexão de dez microcomputadores através de uma rede local. Esta, por sua vez, estaria conectada à Rede RS possibilitando acesso à Internet e também a interligação das escolas entre si, com as CREs e a Secretaria da Educação. Inicialmente seria utilizado a Solução Liberdade para a função de servidores da rede e também como roteadores, diminuindo substancialmente o custo com software e com a utilização de um roteador convencional. Para as estações haveria um processo progressivo de migração do ambiente convencional para uma plataforma de Software Livre. Este processo está amparado num projeto pedagógico e prevê também a utilização de aplicações de caráter administrativo nas escolas. Análise da Solução Está análise representa uma primeira estimativa. Em função do universo de escolas estaduais consideramos que os valores deveriam ter como referência uma escola que tivesse as seguintes prerrogativas: Distância de 200Km de Porto Alegre (média). Sem instalações ou equipamentos de informática. Aos softwares que serão utilizados nas estações caberão aos setores competentes, envolvendo tanto as definições específicas dos softwares básicos como das aplicações específicas, sejam de âmbito pedagógico como administrativo. Tecnicamente a PROCERGS, através da Divisão de Telecomunicações (DTC) será responsável pela instalação, configuração e gerenciamento do software que implementará os serviços de roteamento, NAT e Firewall no equipamento destinado para tal fim, no caso o próprio servidor da rede, que utilizará a Solução Liberdade, com a instalação dos pacotes destinados à prover os serviços citados.

Estudo de Caso Rede Escolar Livre RS Rio Grande do Sul (Brasil): Mario Teza mlteza@softwarelivre.org. 1) Resumo. Público alvo:

Estudo de Caso Rede Escolar Livre RS Rio Grande do Sul (Brasil): Mario Teza mlteza@softwarelivre.org. 1) Resumo. Público alvo: Estudo de Caso Rede Escolar Livre RS Rio Grande do Sul (Brasil): 1) Resumo Público alvo: 3.033 Escolas Públicas do Rio Grande do Sul, Brasil, atingindo 1.300.000 alunos e 80.000 professores Situação problema

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Experiência: E@D - PROJETO SERPRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Serviço Federal de Processamento de Dados SERPRO Universidade Corporativa Ministério da Fazenda Responsável: Margareth Alves de Almeida - Chefe

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002 Liberdade Manual de instalação Liberdade Manual de instalação Versão 1.0.0-31/10/2002 Versão 1.0.0-31/10/2002 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.br

Leia mais

: LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA : OTIMIZANDO RECURSOS

: LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA : OTIMIZANDO RECURSOS Título: LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA : OTIMIZANDO RECURSOS Área Temática: Educação e Comunicação / Tec. Educacionais Autores: FREDERICO HENRIQUE GOLDSCHMIDT NETO e EDEMILSON JORGE BRANDÃO Instituição: Universidade

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 42.15

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 42.15 REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 42.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 42.15 sob contratação em regime

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Proposta de serviços Plot

Proposta de serviços Plot Proposta de serviços Plot Situação da Plot e expectativas Por favor confira. A proposta depende destas informações serem corretas. A Plot possui hoje aproximadamente 30 estações de trabalho para seus funcionários

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO DE INFORMÁTICA

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES:

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU PROFISSIONAL CONSULTOR PARA O DESENHO, HABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PORTAL NA WEB DO INSTITUTO SOCIAL DO MERCOSUL. 1. ANTECEDENTES: Atualmente o site do Instituto

Leia mais

gladiador INTERNET CONTROLADA

gladiador INTERNET CONTROLADA gladiador INTERNET CONTROLADA funcionalidades do sistema gladiador sistema Gerenciamento de usuários, gerenciamento de discos, data e hora do sistema, backup gladiador. Estações de Trabalho Mapeamento

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI) PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MICROBACIAS II ACESSO AO MERCADO SELEÇÃO DE CONSULTORES PELOS

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

A EMPRESA. www.ngrnetwork.com.br

A EMPRESA. www.ngrnetwork.com.br A EMPRESA Desde a sua função, em 2003, a NGR Network vem desenvolvendo e implantando projeto de automação de escritórios em ambientes Multi plataforma integrando servidores, e soluções abertas nos ambientes

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management

Catálogo de Cursos. Knowledge for excellence management Knowledge for excellence management Atenção: as informações deste catálogo estão sujeitas à alteração sem prévio aviso. Assegure-se de consultar sempre a revisão vigente deste documento. www.softexpert.com.br

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo

Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo ANEXO 4: Proposta para Cooperação MERCOSUL/UE no âmbito do Projeto RECyT da Escola Virtual da Sociedade da Informação Ministério da Ciência e Tecnologia Programa Sociedade da Informação - SocInfo Proposta

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth.

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Éverton Foscarini, Leandro Rey, Francisco Fialho, Carolina Nogueira 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Informática Educativa no Brasil Professor: Fernando Zaidan 1 Referências: SANTINELLO, J. Informática educativa no Brasil e ambientes

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013.

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. ACRESCENTA À ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO DISPOSITIVOS DE ACESSO, O PADRÃO TECNOLÓGICO CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Fundamentos de Administração de Sistemas

Fundamentos de Administração de Sistemas Fundamentos de Administração de Sistemas Este curso tem como objetivo ensinar aos alunos conceitos de administração de um sistema Linux. Isto inclui o gerenciamento de contas de usuários, automação de

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Universo Online S.A 1

Universo Online S.A 1 Universo Online S.A 1 1. Sobre o UOL HOST O UOL HOST é uma empresa de hospedagem e serviços web do Grupo UOL e conta com a experiência de mais de 15 anos da marca sinônimo de internet no Brasil. Criado

Leia mais

Uso de Softwares Livres para Educação Experiências Metasys. Home

Uso de Softwares Livres para Educação Experiências Metasys. Home Uso de Softwares Livres para Educação Experiências Metasys Experiência Metasys na Educação Projeto Escolas em Rede Pilotos UCA Projetos Internacionais Casos de Sucesso: Escolas em Rede Secretaria de Educação

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 2

Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Regulamento Etapa 2 Programa de Capacitação em Gestão de Projetos e Empreendimentos Criativos Etapa 2 1. Apresentação 1.1 O Programa de Capacitação em Projetos e Empreendimentos Criativos é uma iniciativa do Ministério da

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

O e-business é a bola da vez A Empresa Portal de Relacionamentos Hospedagem Serviços Projetos Customizados Certificados

O e-business é a bola da vez A Empresa Portal de Relacionamentos Hospedagem Serviços Projetos Customizados Certificados O e-business é a bola da vez A Empresa Portal de Projetos Customizados pág. 4 pág. 5 pág. 7 pág. 8 pág. 12 pág. 13 pág. 14 3 O e-business é a bola da vez A Empresa A cada ano cresce a busca por novas tecnologias

Leia mais

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia

KeeP Desenvolvimento e Tecnologia KeeP Desenvolvimento e Tecnologia Transformar Necessidade em Realidade! KeeP Integrando Soluções: Conectando pessoas, processos e dados. KeeP-Backup Nós da KeeP desenvolvemos uma solução de backup/clonagem

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Moodle. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens

Moodle. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens Moodle Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens O que é? Alternativa às soluções comerciais de ensino on-line

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2

Índice. Brasil Profissionalizado SIMEC/DTI/MEC 2 Índice 1. Prefácio... 2 2. Requisitos Mínimos... 3 3. Como acessar o SIMEC... 4 4. Solicitando cadastro... 5 5. A Estrutura do Módulo... 7 6. Instruções Gerais... 8 6.1. Diagnóstico/BRASIL PROFISSIONALIZADO...9

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Curso de Formação Continuada em Videoconferência. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À WEB COM O ALT LINUX SCHOOL. Douglas Henrique Ribeiro da Silva ¹ Samuel Apolo Ferreira Lourenço ² Eduardo Alves de Almeida ³

CONTROLE DE ACESSO À WEB COM O ALT LINUX SCHOOL. Douglas Henrique Ribeiro da Silva ¹ Samuel Apolo Ferreira Lourenço ² Eduardo Alves de Almeida ³ CONTROLE DE ACESSO À WEB COM O ALT LINUX SCHOOL Douglas Henrique Ribeiro da Silva ¹ Samuel Apolo Ferreira Lourenço ² Eduardo Alves de Almeida ³ Faculdade de Tecnologia de Ourinhos - FATEC INTRODUÇÃO O

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes.

Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes. Projeto, Implementação e Avaliação de um Espaço Virtual para Apoiar a Disciplina Introdução às Redes. Abril/2004 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET sallesantonio@aol.com Ana Paula Morgado Carneiro

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

SOLUÇÕES BASEADAS NO USO DE SOFTWARE LIVRE: ALTERNATIVAS DE SUPORTE TECNOLÓGICO À EDUCAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

SOLUÇÕES BASEADAS NO USO DE SOFTWARE LIVRE: ALTERNATIVAS DE SUPORTE TECNOLÓGICO À EDUCAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA SOLUÇÕES BASEADAS NO USO DE SOFTWARE LIVRE: ALTERNATIVAS DE SUPORTE TECNOLÓGICO À EDUCAÇÃO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA 099-TC-C5 05/2005 Fabio Rafael Segundo Universidade Regional de Blumenau, fabio@furb.br

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

SYSLOG - Sistema de Logística

SYSLOG - Sistema de Logística Integrantes (Grupo 3) Douglas Antony (Gerente) Bruno Sout Erika Nascimento Horácio Grangeiro Isaque Jerônimo Paulo Roriz Rodrigo Lima Versão:01.00 Data:18/05/2011 Identificador do documento:lr Versão do

Leia mais

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS QUE DEVERÃO COMPOR AS EQUIPES TÉCNICAS PREVISTAS NESSA CONTRATAÇÃO PARA AMBOS OS LOTES. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais