DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES"

Transcrição

1 DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39

2 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição Olimpíada do Conhecimento. O Descritivo Técnico consiste no seguinte: 1. INTRODUÇÃO COMPETÊNCIAS E ESCOPO DO TRABALHO O PROJETO TESTE GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÕES DA OCUPAÇÃO AVALIAÇÃO EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA ESPECÍFICAS DA OCUPAÇÃO MATERIAIS E EQUIPAMENTOS MARKETING E MÍDIA DA OCUPAÇÃO PARA OS VISITANTES Coordenação Técnica da OC2014 Data: Descritivo Técnico 1 de 12

3 1. INTRODUÇÃO 1.1. Nome e descrição da ocupação O nome da ocupação é Tecnologia da Informação e Administração de Sistemas de Rede Descrição da ocupação: O profissional que atua na área de Tecnologia da Informação e Administração de Sistemas de Rede realiza serviços de administração de ambientes computacionais, definindo parâmetros de utilização, implantando rotinas e projetos, controla os níveis de serviço dos sistemas operacionais e redes e presta suporte técnico no uso de equipamentos e programas. Efetua configuração, instalação e manutenção de recursos e sistemas locais e remotos de redes e o gerenciamento de segurança do ambiente computacional, de acordo com projetos e normas técnicas, focando qualidade, segurança e preservação ambiental Escopo da aplicação Todo avaliador e Competidor deverão conhecer este Descritivo Técnico Em caso de divergência entre as línguas em que são publicados os Descritivos Técnicos, prevalecerá à versão em português Documentos associados Como este Descritivo Técnico contém apenas informações específicas da ocupação, deverá ser usado em conjunto com os seguintes documentos: RC Regulamento da Competição; RON Recursos on-line conforme indicados neste documento; PSSO Programa de Saúde e Segurança Ocupacional. 2. COMPETÊNCIAS E ESCOPO DO TRABALHO. O escopo do trabalho consiste em uma resolução da situação proposta que está baseada em competências profissionais, conhecimento e domínio técnico da ocupação Especificação das competências É apresentada ao competidor uma situação proposta contemplando elementos necessários para a resolução, dentro de prazos e condições determinadas, exigindo assim uma atitude ativa e um esforço para demonstrar suas competências Conhecimento Teórico Conhecimento teórico é necessário, mas não explicitamente testado Conhecimento das normas e regulamentações não é examinado. Data: Descritivo Técnico 2 de 12

4 PC Competidor deve ser capaz de: Instalar sistemas operacionais de acordo com as especificações de usuário e fabricantes. Determinar os requisitos de hardware para instalação e processamento do sistema operacional (OS). Configurar um sistema operacional para alcançar os requisitos de clientes. Instalar drivers para todo o hardware conforme requisitos. Instalar aplicações de software. Atualizar software dos computadores conforme requisitos. Particionar e Formatar um disco rígido. Instalar e atualizar drivers para aumentar desempenho do sistema. Instalar e atualizar drivers para reparar problemas. Realizar backups de dados importantes Instalar software de virtualização para servidores. Dispositivos de Interconexão Cisco Competidor deve ser capaz de: Acessar um roteador, usando console e Telnet. Configurar os modos usuário e privilegiado, e senhas de acesso telnet. Configurar o roteador com um nome um banner de login Configurar interfaces Ethernet e interfaces WAN com um enderço IP, uma máscara de subrede, e uma descrição de interface. Verificar configuração adequada de roteadores usando os comandos show e debug. Configurar clientes de rede para acesso à rede. Conectar computadores clientes à rede usando cabos apropriados. Testar conectividade usando ping, traceroute, e telnet. Configurar roteadores para prover serviços de roteamento usando protocolos de roteamento. Gerenciar arquivos de sistema do Cisco IOS. Configurar um roteador para carregar o software do IOS a partir de: memória flash, servidor TFTP, ou ROM. Realizar backup e atualizar o software do IOS. Realizar recuperação de senha. Criar um backup do arquivo de configuração em um servidor TFTP Gerenciar listas de acesso em um roteador Cisco para aumentar a segurança de comunicação. Configurar listas de acesso padrão para filtrar tráfego IP. Verificar a operação das listas de acesso selecionadas no roteador. Configurar listas de acesso estendidas para filtrar tráfego IP. Monitorar a operação das listas de acesso selecionadas no roteador. Testar funcionalidade de rede. Configurar endereçamento VLSM Monitorar tráfego de rede usando software de captura de pacotes. Monitor dispositivos de rede usando o Simple Network Management Protocol (SNMP). Localizar problemas de rede usando Ping, Traceroute, e Telnet. Identificar parâmetros básicos para configurar uma rede sem fio. Configurar componentes da infraestrutura de redes sem fio. Data: Descritivo Técnico 3 de 12

5 Configurar STP em um switch Cisco. Configurar VTP em um switch Cisco Configurar switches para prover comunicações LAN de alta velocidade. Configurar um switch Cisco para desempenho de rede máximo. Configurar e verificar operação de VLAN em um switch Cisco. Configurar roteamento entre VLAN Cisco router. Configurar NAT e PAT em um roteador Cisco. Configurar subinterfaces Frame Relay. Configurar Frame Relay em um roteador Cisco. Segurança de Rede: Competidor deve ser capaz de: Configurar IPSec e L2TP. Configurar mapeamento de interface virtual VMWare. Configurar um servidor Radius ou TACACS+. Configurar autenticação AAA. Configurar autenticação PEAP. Configurar um servidor VPN. Configurar uma rede sem fio segura. Sistema Operacional Windows Competidores devem ser capaz de: Usar diferentes operações para tarefas comuns. Identificar nomes, locais, propostas, locais, e conteúdo dos arquivos de sistemas. Demonstrar habilidades para usar funcionalidades através de linhas de comando para gerenciar a operação do sistema, incluindo a sintax correta e mudanças. Identificar conceitos básicos e procedimentos para criar, verificar e gerenciar discos, diretórios e arquivos. Gerenciar vários sistemas operacionais instalando e configurando, fazendo upgrade para assegurar continuidade de funções para os clientes. Identificar procedimentos para instalação do sistema operacional e deixar o ambiente funcional. Identificar a sequência de boot e os métodos de boot para criação de uso do disco de emergência. Identificar procedimentos para instalar e ou adicionar dispositivos corretamente com drives e software especifico se necessário. Identificar procedimentos necessários para otimiza o uso do através da melhores práticas de mercado sistema operacional e subsistemas. Realizar instalações, configurações e upgrade dos sistemas operacionais. Reconhecer e interpretar os significados dos códigos de erros comuns e mensagens de inicialização da sequência de boot. Identificar passos para corregir problemas na sequência de boot. Reconhcer quando usar ferramentas de diagnostico. Reconhecer os problemas mais comuns de usabilidade do sistema operacional e determine como corrigi-los. Configure PCs com endereçamento IP, subnet mask, e default gateway. Data: Descritivo Técnico 4 de 12

6 Windows Server Competidor deve ser capaz de: Gerenciamento local, roaming, e user profiles mandatoria. Implementar usuários, grupos e contas de computadores no ambiente Windows Active Directory. Configure acesso a pastas compartilhadas. Instalar e configurar Terminal Services para administração remota. Instale e configure Terminal Services para servir como servidor remoto de aplicação. Configure as permissões ntfs. Crie politicas segurança para controle de usuários e computadores. Gerenciamento de políticas de aplicação. Instale softwares usando politicas. Configure e gerencie um web server. Configure web-site authentication. Realizar system recovery para servidores Windows. Gerenciar procedimentos de backup. Recupere servidor de uma falha hardware. Configure serviço DNS Server Configure diferentes tipos de RAID Implemente software de virtualização. Realizar recuperação de sistema dentro ambiente virtual Gerenciar configurações de auditoria auditar logs. Configure DHCP. Verificar configuração de reserva do DHCP. Instale imagens de sistema operacional. Configure o network policy server. Linux Competidor deve ser capaz de: Instalar distribuição Linux com as especificações. Instalar e configurar os serviços do Linux, como o Apache, MySQL, etc Particionar de acordo com os planos pré -instalação. Configurar sistemas de arquivos. Gerenciar pacotes após a instalação dos sistemas operacionais. Selecionar a configuração e protocolos de rede apropriada. Selecionar os parâmetros apropriados para a instalação do Linux. Configurar periféricos, se necessário. Gerenciar dispositivos de armazenamento de acesso adequado a segurança do usuário. Montar e desmonstar sistemas de arquivos variados. Criar e modificar arquivos e diretórios. Executar conteúdo e pesquisas de diretório. Criar arquivos vinculados. Modificar permissões de diretório e de propriedade do arquivo e. Data: Descritivo Técnico 5 de 12

7 Identificar e modificar as permissões padrão para arquivos e diretórios. acessar e gravar dados na mídia de gravação. Gerenciar serviços / processos do Linux para o uso eficiente dos recursos. gestão de níveis de execução e inicialização do sistema. Controle de processos por meio da identificação, execução, kill e gestão. pacotes de reparo e scripts. Monitorar e resolver problemas a atividade da rede. Gerenciar trabalhos de impressão e filas de impressão. realizar o gerenciamento remoto. Gerenciar scripts básicos do shell por criar, modificar e usar. Gerenciar contas de usuário e grupo de criar, modificar e apagar. gerenciar e acessar as filas de correio. Agendar tarefas para executar no futuro usando daemons. Configurar serviços de rede de cliente e configurações. Configurar serviços básicos de rede do servidor. Implementar roteamento básico e sub- redes. Configure o sistema e realizar mudanças básicas Criar arquivo para suportar aplicações de compilação e motoristas. Configurar arquivos que são usados para montar drives ou partições. Implementar DNS. Configurar uma Placa de Interface de Rede. Configurar impressão Linux. Aplicar permissões básicas da impressora. Configurar arquivos de log. Configure o sistema X Window. Definir as variáveis de ambiente. Gerenciar parâmetros de segurança do servidor / estação de trabalho para manter o sistema operacional e integridade dos dados. Configurar arquivos ambiente de segurança. Considerando os requisitos de segurança, implementar configuração de criptografia apropriado. Use o nível de acesso apropriado para login. Definir processo e permissões especiais. Considerando os requisitos de segurança, implementar tabelas / correntes IP básicos. Implementar auditoria de segurança de arquivos e autenticação. Configure a segurança em nível de usuário. Configurar o hardware do sistema removível. Configurar o RAID (Redundant Array of Independent Disks ) 2.3. Trabalho Prático Instalar módulos adicionais e periféricos para um computador pessoal. Estes podem incluir dispositivos que utilizam métodos I/O; Identificar e corrigir problemas de hardware e software; Conduzir procedimentos de rotinas em computador, como: Planejar e implementar procedimentos de backup Desenvolver e realizar testes de sistemas para verificação da eficiência, confiabilidade e integridade dos dados. Instalar e configurar sistemas operacionais; Instalar pacotes de software para rodar localmente em um computador pessoal; Instalar pacotes de software para rodar remotamente em um computador pessoal; Data: Descritivo Técnico 6 de 12

8 Instalar e configurar uma rede, incluindo ponto a ponto e cliente/servidor Instalar e configurar um cartão de rede Conectar um cabo corretamente para uma LAN Instalar e configurar um sistema operacional de rede (NOS) Instalar e configurar protocolos de rede e clientes NOS Instalar e configurar serviços e dispositivos específicos de rede. Administrar uma LAN/WAN (incluindo configurações de usuário avançado / software / segurança e hardware) Localizar e corrigir problemas de rede; Usar software ferramentas de diagnósticos Implementar um rede; Realizar configurações de switch, roteadores, firewall e redes sem fio (IEEE). Implementar segurança de rede incluindo contas e autenticação. Integrar servidores e serviços de rede. Instalar e configurar recursos VoIP Configurar mecanismos de qualidade de serviço (QoS) Promover interoperabilidade entre sistemas operacionais, equipamentos e dispositivos Cisco. 3. O PROJETO TESTE Formato/estrutura do Projeto Teste O formato do Projeto Teste é modular, sendo um módulo a cada dia da competição conforme segue:. Período Módulo Tarefa Ilha A Ambiente Linux Instalação, configuração e atualização. Ilha B Ambiente Windows Instalação, configuração e atualização. Ilha C Rede e Comunicação Unificada Instalação, configuração e atualização. Ilha D Integração e Segurança de Rede Instalação, configuração e atualização Exigências na criação do Projeto Teste Cada módulo do Projeto Teste deve: Ser possível a realização dentro do tempo especificado Ter um nível para que o Competidor possa realizar a prova Auto explicativa Estar acompanhado das folhas de avaliação que serão finalizadas na competição, de acordo com o descritivo técnico. Testar habilidades em Cisco baseadas no conjunto de certificações CCNA, CCNA Security e CCNA Voice. Testar habilidades em Microsoft baseadas no conjunto de certificações MCITP ou mais atual. Testar habilidades em RHCE ou habilidades equivalentes. Uma variedade de técnicas para a execução dos projetos: Projetos de dias completos, balancemanto a cada dia, vários métodos para coleta de evidências: Impressões ou screenshots, etc. Outros softwares e serviços não especificados nestes descritivo, deverão ser discutidos e votados no Fórum Data: Descritivo Técnico 7 de 12

9 3.3. Desenvolvimento do Projeto Teste O Projeto Teste proposto deve ser preparado com os modelos fornecidos pela (www.senai.br/olimpiada). O software usado para textos será o Word, e para desenhos serão utilizados arquivos com extensões *.DWG Quem desenvolve o Projeto Teste/módulos. Cada Avaliador desenvolve uma proposta para Projeto Teste (Produto completo), com módulos) e apresenta para analise e votação dos demais Avaliadores. Três meses antes da competição, serão selecionadas através de votação 4 propostas de cada módulo. Após definidas as propostas, as mesmas sofrerão sugestões de modificação de no mínimo 30% e será apresentada pelos Avaliadores na competição. O Avaliador líder designa aos demais Avaliadores o projeto teste / Módulo a ser modificado e apresentado para seleção. Cada Avaliador desenvolve uma alteração de projeto teste / módulo e este será selecionado (votado) no local de competição Como e onde o Projeto Teste/módulos é desenvolvido. O projeto teste é desenvolvido independentemente pelos Avaliadores da Ocupação Quando o Projeto Teste é desenvolvido. O projeto teste é desenvolvido Três meses antes da competição e apresentado com alterações para seleção Avaliação do Projeto Teste. Cada módulo alterado deverá ser acompanhado de uma proposta de Avaliação baseada nos critérios definidos na Seção A proposta de avaliação será desenvolvida pela(s) pessoa(s) que realizar(em) a alteração do módulo. A Avaliação é detalhada, desenvolvida e aprovada pelos Avaliadores da ocupação A Avaliação deverá ser registrada no SIAC (Sistema Integrado de Avaliação da Competição) antes da Competição Validação do Projeto Teste. Cada Projeto Teste/Módulo final será validado por uma equipe de especialistas (equipe de garantia da qualidade), que não participou do desenvolvimento do módulo. Eles vão garantir que: - O Projeto Teste/Módulo pode ser completado no tempo especificado - A ficha de avaliação está clara e devidamente desenvolvida - O Projeto Teste/Módulo enquadra-se na descrição técnica da ocupação 3.6. Seleção de Alteração do Projeto Teste. A seleção do Projeto Teste será por voto secreto dos Avaliadores, antes da Competição. Os membros de cada equipe (módulo) irão propor o teste final após sua chegada à Competição. Todos os avaliadores deverão sugerir questões e dados que contribuam ao mínimo de 30% para todas as mudanças exigidas no Projeto Teste. Procedimentos de garantia da qualidade irão assegurar que a decisão sobre o teste final será feita em conformidade com a descrição técnica e as regras da competição. Data: Descritivo Técnico 8 de 12

10 3.7. Veiculação do Projeto Teste. O Projeto é veiculado através do sítio da como segue: Três meses antes do início da competição Coordenação do Projeto Teste (preparação para a Competição). A coordenação do Projeto Teste estará a cargo do Avaliador Líder e da. 4. GERENCIAMENTO E COMUNICAÇÕES DA OCUPAÇÃO Fórum de Discussões. Antes da Competição, todas as discussões, comunicação, colaboração e tomadas de decisões relativas à ocupação deverão ocorrer no Fórum de Discussões específico da ocupação. Todas as decisões e comunicação relativas à ocupação só terão validade se ocorridas no fórum. O Avaliador Líder (ou Avaliador por este nomeado) será o moderador nesse fórum. Consulte o Regulamento da Competição, para cronograma de comunicação e exigências no desenvolvimento da competição Informações ao Competidor. Toda informação aos Competidores estará disponível no site da (www.senai.br/olimpiada). Essas informações incluem: Regulamento da Competição; Descritivos Técnicos; Outras informações relativas à Competição Projetos de Teste. Projetos de Teste veiculados estarão disponíveis em (www.senai.br/olimpiada) Gerenciamento diário. As atividades diárias dos avaliadores da ocupação serão definidas pelo Avaliador Líder e apresentada em forma de cronograma no início da competição. 5. AVALIAÇÃO. A avaliação está baseada em competências e utiliza como instrumentos de avaliação Situação Proposta que contemplam, de forma global, integrada e contínua a implementação de um Produto. Esta seção descreve o modo pelo qual os Avaliadores irão avaliar o Projeto Teste/módulos. Também define os critérios de avaliação, procedimentos e exigências na pontuação Critérios de avaliação Esta seção define os critérios de avaliação e a pontuação (objetiva). A pontuação total para todos os critérios deve ser de 100. Data: Descritivo Técnico 9 de 12

11 A avaliação desta ocupação abrange de forma global, integrada e contínua determinadas atividades que irão gerar um Produto: Produto: 100% O resultado será avaliado segundo a conformidade com as especificações técnicas fornecidas, tendo como base a tabela abaixo: Seção 5.2. Pontuação subjetiva. Não aplicada. Critério Pontos Subjetivos Objetivos Total A Ambiente Linux B Ambiente Windows C Rede e Comunicação Unificada D Integração e Segurança de Rede Total = EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA ESPECÍFICAS DA OCUPAÇÃO. Consulte a documentação de Segurança e Saúde Ocupacional específica da ocupação. 7. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Documento de Infraestrutura. O documento detalha todos os equipamentos, materiais e instalações que serão fornecidos pelo organizador. Encontra-se online (www.senai.br/olimpiada). O documento de infra-estrutura detalha os itens e quantidades solicitados pelos Avaliadores para a Competição. O Avaliador Líder, progressivamente, atualizará o documento de infra-estrutura, especificando quantidade, tipo e marca/modelo dos itens. A cada Competição, os Avaliadores deverão revisar e atualizar o documento de infra-estrutura em preparação para o próximo evento. O documento de infra-estrutura não inclui itens que os Competidores e/ou Avaliadores devam trazer. A versão dos softwares a serem utilizados será fornecida pelo Avaliador Líder 03 meses antes da Competição. Data: Descritivo Técnico 10 de 12

12 7.2. Materiais, equipamentos e ferramentas de responsabilidade dos participantes. Três teclados e três mouses. Os teclados devem ser suportados pelos softwares usados na competição Materiais, equipamentos e ferramentas trazidos pelos Avaliadores. Não aplicável Materiais e equipamentos proibidos na área da ocupação. Todo material e equipamento trazido por Competidores terá que ser apresentado aos Avaliadores. O Avaliador Líder desclassificará quaisquer itens que possam ser considerados inadequados, ferramentas, equipamentos relacionados à ocupação, que possam dar ao Competidor vantagem Amostra de diagramas de oficina e estação de trabalho. Diagramas de oficina e estação de trabalho estão disponíveis em: (www.senai.br/olimpiada) Leiaute da oficina: Data: Descritivo Técnico 11 de 12

13 8. MARKETING E MÍDIA DA OCUPAÇÃO PARA OS VISITANTES 8.1. Maximizando a atração do público visitante e mídia jornalística Utilizar telas para o público Overdrive (tarefa surpresa) Descrições dos Projetos Testes Melhorar o entendimento público das atividades desenvolvidas pelo Competidor Perfil do competidor Oportunidades de carreira Relatórios diários da competição 8.2. Sustentabilidade Reciclagem Uso de materiais verdes Aproveitamento do Projeto Teste completo após a competição Uso de um gerador de PDF ao invés da impressão Data: Descritivo Técnico 12 de 12

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Nome da Ocupação: Tecnologia da Informação e Administração de Sistemas de

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO

Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO 30 Confecção de Roupas DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA (CEGOS)

DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA (CEGOS) DESCRITIVO TÉCNICO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CEGOS) P4 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO

DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO 44 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate

CENTRO DE INFORMATICA CCNA. Cisco Certified Network Associate CENTRO DE INFORMATICA CCNA Cisco Certified Network Associate E ste currículo ensina sobre redes abrange conceitos baseados em tipos de redes práticas que os alunos podem encontrar, em redes para residências

Leia mais

Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO

Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO 09 Tecnologia da Informação DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES 09 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO

DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO DESCRITIVO TÉCNICO DESIGN GRÁFICO 40 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição.

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES

MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES www.lanuniversity.com.br MANDRIVA CONECTIVA LINUX - ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E REDES Preparatório para certificações Mandriva Systems Administrator, Mandriva Network Administrator, e exames do LPI Nível

Leia mais

Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO

Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO 40 Design Gráfico DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15

1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES...15 1.1 INTRODUÇÃO À GERÊNCIA DE REDES DE COMPUTADORES...16 1.2 O PAPEL DO GERENTE DE REDES...18 1.3 VOCÊ: O MÉDICO DA REDE...20 1.4 REFERÊNCIAS...23 1.4.1 Livros...23

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO ACTIVE DIRECTORY DO WINDOWS SERVER 2003

PROGRAMA DE TREINAMENTO ACTIVE DIRECTORY DO WINDOWS SERVER 2003 PROGRAMA DE TREINAMENTO ACTIVE DIRECTORY DO WINDOWS SERVER 2003 CARGA HORÁRIA: 64 horas. O QUE É ESTE TREINAMENTO: O Treinamento Active Ditectory no Windows Server 2003 prepara o aluno a gerenciar domínios,

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

Mecânica de Refrigeração DESCRITIVO TÉCNICO

Mecânica de Refrigeração DESCRITIVO TÉCNICO 38 Mecânica de Refrigeração DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 2 - Introdução aos Roteadores 1 Objetivos do Capítulo Descrever a finalidade e operação básica do IOS; Identificar vários recursos do IOS; Identificar

Leia mais

Fundamentos de Administração de Sistemas

Fundamentos de Administração de Sistemas Fundamentos de Administração de Sistemas Este curso tem como objetivo ensinar aos alunos conceitos de administração de um sistema Linux. Isto inclui o gerenciamento de contas de usuários, automação de

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO DE INFORMÁTICA

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

Sumário. 1 Instalando o Windows XP Professional...19

Sumário. 1 Instalando o Windows XP Professional...19 Agradecimentos... 5 O autor... 6 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer -

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Serviços de informática. Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS

TERMO DE REFERÊNCIA. Serviços de informática. Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS TERMO DE REFERÊNCIA Serviços de informática Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS 1 I VISITA IN LOCO No dia 24 de junho de 2014 na sede da Prefeitura Municipal de Vitória das Missões-RS realizamos

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO LINUX ESSENTIALS Presencial (40h) - À distância (48h) Conhecendo um Novo Mundo Introdução ao GNU/Linux Distribuições GNU/Linux Linux Inside: Instalação Desktop Debian e CentOS Primeiros

Leia mais

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Fluxo de processo de alto nível para gerenciamento de configuração Criar padrões Controle e gerenciamento de versão

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação Diretoria Técnica-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo II Especificação Técnica 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 9 do TR-007-3700 de Este anexo tem por objetivo detalhar

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO

Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO 19 Eletricidade Industrial DESCRITIVO TÉCNICO A AmericaSkills, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

Especificações da oferta Remote Infrastructure Monitoring

Especificações da oferta Remote Infrastructure Monitoring Visão geral do Serviço Especificações da oferta Remote Infrastructure Monitoring Este serviço oferece o Dell Remote Infrastructure Monitoring ("Serviço" ou "Serviços" RIM), como apresentado mais especificamente

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Manual de Administração

Manual de Administração Manual de Administração Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 04/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Cisco ASA Firewall Guia Prático

Cisco ASA Firewall Guia Prático Cisco ASA Firewall Guia Prático 2014 v1.0 Renato Pesca 1 Sumário 2 Topologia... 3 3 Preparação do Appliance... 3 3.1 Configurações de Rede... 7 3.2 Configurações de Rotas... 8 3.3 Root Básico... 9 3.4

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal

Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Laboratório - Gerenciamento de arquivos de configuração de roteador com software de emulação de terminal Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 42.15

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 42.15 REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 42.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 42.15 sob contratação em regime

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Arquitetura da solução de implantação da série Dell KACE K2000

Arquitetura da solução de implantação da série Dell KACE K2000 Arquitetura da solução de implantação da série Dell KACE K2000 Como aproveitar a performance da solução para revolucionar a implantação de sistemas Introdução As organizações, independentemente do tamanho

Leia mais

CHEKLIST PARA SERVIDORES

CHEKLIST PARA SERVIDORES CHEKLIST PARA SERVIDORES SERVIDOR (FUNÇÃO ) SETOR NETNAME ENDEREÇO DE RDE HARDWARE 1. HD do Sistema Operacional com Capacidade adequada (acima 30% livre) 2. HD da Partição de Dados com Capacidade adequada

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Sumário. Introdução. Capítulo 1 Instalação e configuração de servidores 1. Certificações da Microsoft... xi. Suporte técnico...xii

Sumário. Introdução. Capítulo 1 Instalação e configuração de servidores 1. Certificações da Microsoft... xi. Suporte técnico...xii Introdução Certificações da Microsoft.............................................. xi Suporte técnico.......................................................xii Preparando-se para o exame...........................................xii

Leia mais

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH

Laboratório - Acesso a dispositivos de rede com SSH Topologia Tabela de endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de subrede Gateway padrão Objetivos R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 ND S1 VLAN 1 192.168.1.11 255.255.255.0 192.168.1.1 PC-A

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Instalação Remota Distribuição Linux

Instalação Remota Distribuição Linux Instalação Remota Distribuição Linux A distribuição linux utilizada para a instalação é a Debian. Download pode ser realizado acessando o site: http://www.debian.org Distribuição Linux Instalação Remota

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. Pacote VIP. Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense

AS CONSULTORIA & TREINAMENTOS. Pacote VIP. Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense Pacote VIP Linux Básico Linux Intermediário Samba 4 Firewall pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on L i n u x 2 Sumário 1 Linux Básico... 3 2 Conteúdo Samba 4 (Servidor de arquivos / Controlador

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

Resolução de Problemas de Rede. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Resolução de Problemas de Rede. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Resolução de Problemas de Rede Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Ferramentas para manter o desempenho do sistema Desfragmentador de disco: Consolida arquivos e pastas fragmentados Aumenta

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais