Técnicas de Compartilhamento de Recursos no Ambiente Metasys

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de Compartilhamento de Recursos no Ambiente Metasys"

Transcrição

1 Lamarque Vieira Souza Técnicas de Compartilhamento de Recursos no Ambiente Metasys Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Ciência da Computação. Belo Horizonte Junho de 2003

2 ii Resumo Recursos, tais como contas de usuários, dispositivos e poder de processamento são bastante utilizados em redes de computadores. Redes locais apresentam grandes desafios ao compartilhamento de recursos, tais como meios de localizá-los, acessá-los, configurá-los, definir permissões de acesso, além de problemas de interoperabilidade entre vários sistemas operacionais e de escalabilidade. Neste trabalho estudamos e propomos soluções para esses problemas e as integramos ao Metasys. O Metasys é um ambiente composto por dois sistemas baseados em Linux, um cliente e um servidor. Nesta arquitetura o cliente está intimamente ligado ao servidor e pode ser utilizado de duas formas: como cliente inteligente ou como cliente leve, este último com a maior parte do processamento sendo realizado no servidor. O ambiente Metasys faz com que compartilhamento de recursos seja particularmente importante porque clientes precisam acessar recursos no servidor e vice-versa. A proposta de integração do ambiente Metasys exige alto grau de compartilhamento com o mínimo de intervenção por parte do usuário. Definimos e implementamos meios de acesso a recursos no Metasys e avaliamos a eficácia dos mesmos. O resultado é um sistema integrado que permite o compartilhamento de recursos de forma simples e transparente para o usuário.

3 iii Abstract Resources, such as user accounts, devices, and processing power are largely used in computer networks. Local networks pose great challenges to resources sharing, such as definition of means to locate them, to access them, to configure them, to define access permissions, as well as interoperability problems between the operating systems which comprises the network and scalability problems. We have studied and proposed solutions to these problems and integrated them to the Metasys. Metasys system is an environment which comprises two systems based on Linux, a client and a server. In this architecture the client has very close connection to the server and can be used in two ways: as a smart client and as a thin client. In the latter most of the the processing is done on the server. The Metasys environment makes resource sharing particularly important because clients need to access resources on the server and vice-versa. The proposal of integration of the Metasys evironment demands high degree of resource sharing with minimum intervention from the user. We have defined and implemented means of accessing information and evaluated their efficiency. As a result we have obtained an integrated system that allows resource sharing by the user in a simple and transparent way.

4 A Deus e a meus pais... iv

5 v Agradecimentos Agradeço de maneira muito especial a meus pais, Maria do Carmo e Marcílio, que desde o início me incentivaram em cada decisão que tomei e que me apoiaram em todos os momentos da minha vida, sobretudo nos momentos mais difíceis. A Deus, que me iluminou nos momentos difíceis. Agradeço ao meu irmão, Leandro Márcio, e a todos que acreditaram em mim, em especial ao Guilherme Rocha pelo incentivo e à Daniela Alvim por me convencer a continuar a tentar o mestrado. Agradeço também a três pessoas que conheci durante o período em que estava no mestrado: Kaísa, Rafaela e Fabiane. Adorei ter conhecido e convivido com vocês durante esse período de dificuldades que é trabalhar, estudar e ter pouco tempo para quem gostamos. Agradeço também pela paciência e pelo carinho que tiveram comigo, vocês são muito importantes para mim e sempre vão estar no meu coração. Muito obrigado por tudo. Ao meu orientador, Dr. Sérgio Vale Aguiar Campos, aos professores que de alguma forma participaram desse processo. Aos também membros da banca, Dr. Dorgival Olavo Guedes Neto e Dr. Wagner Meira Júnior, pelas várias experiências em conjunto, pela orientação, pelas oportunidades, pela motivação em sempre tentar superar suas expectativas. Aos funcionários do DCC, que estavam sempre prontos para ajudar. Aos meus amigos da universidade. Ao pessoal de todos os laboratórios do DCC onde já trabalhei ou com os quais convivi durante estes últimos anos: Vídeo sob Demanda (VoD), Laboratório de Universalização de Acesso à Internet (LUAR), Metasys, e-speed, redes ATM e Laboratório de Sistemas de Informação em Ambientes Móveis (SIAM). Ao pessoal da república onde moro: André, Gurvan, Hervaldo, Paulo e Pavel. Aos meus colegas de mestrado e de trabalho, Bruno, Fabrício Konzen, Guilherme Rocha, João Torres, Alexandre Laredo e Hélio, agradeço muito pela oportunidade da convivência. Aos que não apareceram aqui, mas que sabem estar nos meus agradecimentos. Por fim, ao Comitê Gestor da Internet (CGI), Departamento de Ciência da Computação da UFMG, ao pessoal da Akwan Information Technologies e da International Syst, que me acolheram durante o tempo em que trabalhei nesta dissertação.

6 vi Sumário Lista de Tabelas Lista de Figuras viii ix 1 Introdução Metodologia Trabalhos Relacionados LDAP Sistema para Descoberta de Serviços Directory Services for Linux Organização da Dissertação Metasys O Metasys Inicialização Remota Modos de Processamento Interface de Configuração Web Eventos Modelos de Arquivos de Configuração Diretórios Serviço de Diretório Diretórios Globais LDAP Diretivas de Utilização do LDAP Compartilhamento de Recursos 4.1 O que Compartilhar Gerenciamento Centralizado de Usuários Compartilhamento de Desktop Compartilhamento de Áudio Compartilhamento de Dispositivos de Armazenamento LDAPfs Compartilhamento de Impressoras Organização da DIT

7 vii 5 Testes Preliminares e Validação da Implementação 5.1 Testes Gerenciamento Centralizado de Usuários Compartilhamento de Desktop Compartilhamento de Áudio Compartilhamento de Dispositivos de Armazenamento Compartilhamento de Impressoras Considerações Finais Conclusão e Trabalhos Futuros Conclusão Trabalhos Futuros Referências Bibliográficas 58

8 viii Lista de Tabelas 3.1 Opções de indexação de atributos de pesquisa no LDAP Nomes dos diretórios utilizados para acessar dispositivos no Metasys

9 ix Lista de Figuras 1.1 Exemplo de rede heterogênea Arquitetura do SLP Arquitetura dos clientes Metasys Interface de configuração Web do servidor Metasys Exemplo de um evento gerado pela interface de configuração web Serviço de diretório centralizado Árvore de diretório LDAP Dados de diretório distribuídos em três servidores Serviço de diretório replicado com dados distribuídos em três servidores Processo de início e término de sessões no Linux Processo de início e término de sessões VNC no cliente Metasys Processo de início e término de sessões XDMCP no cliente Metasys Caminho percorrido pelo áudio no ambiente Metasys Caminho da configuração no LDAPfs Acesso ao LDAPfs Exemplo de estrutura de diretórios do LDAPfs Resumo da arquitetura do Metasys DIT utilizada no Metasys Konqueror utilizando LDAPfs

10 1 Capítulo 1 Introdução É notório o crescimento contínuo no número de redes de computadores durante a última década. Atualmente toda organização possui uma rede de computadores, muitas vezes conectada à Internet, a rede mundial de computadores. Um organização pode ser pequena como uma pequena empresa ou pode ser grande como uma multi-nacional com várias redes de computadores geograficamente dispersas e interligadas por algum meio de comunicação [15, 48, 17]. Em todos esses casos é necessário compartilhar os recursos disponíveis na rede para diminuir custos de aquisição e manutenção de equipamentos e de gerenciamento da rede. Em um ambiente de rede típico existem um ou mais computadores servidores e vários computadores clientes, como mostrado na figura 1.1. Gerenciar um servidor que provê diversos serviços é uma tarefa complexa, seja pelo desafio de manter os serviços disponíveis a maior parte do tempo, seja pelo desafio de configurar esses serviços de acordo com a organização da rede, seja pelo desafio de evitar redundância de dados ou mantê-los sincronizados quando não for possível evitar a redundância. O mercado de servidores de rede têm evoluído bastante e o uso do sistema operacional Linux neste contexto constitui grande vantagem, pois este pode ser adquirido gratuitamente e seu código fonte está disponível na Internet, assim como o código fonte da maioria dos programas que rodam nele. Contudo, configurar um servidor Linux ainda é uma tarefa complexa que exige alto grau de conhecimento sobre o funcionamento de seus programas. O Metasys visa resolver este e outros problemas através de um sistema de fácil utilização e com o máximo possível de integração entre seus componentes. A proposta de integração exige alto grau de compartilhamento de recursos com o mínimo possível de intervenção do

11 2 servidor switch Linux Windows XP Windows 98 Machintosh Figura 1.1: Exemplo de rede heterogênea. usuário. Recursos podem ser representados por um componente físico (disco rígido, poder de processamento da CPU, impressora) ou uma entidade lógica (contas de usuários, processos, serviços em geral). Além de computadores encontramos outros tipos de dispositivos computacionais em uma rede, como Personal Digital Assistents (PDAs), impressoras com processadores, etc. Compartilhamento também é utilizado como forma de minimizar custos de gerenciamento. Este é o caso típico de contas de usuários, as quais todos os dispositivos computacionais da rede utilizam, independente de qual hardware ou sistema operacional estejam utilizando. Em um ambiente heterogêneo a interoperabilidade entre diversos sistemas operacionais é de crucial importância para um sistema como o Metasys. O Metasys é composto por dois ambientes baseados em Linux. O primeiro é utilizado como servidor de rede local e o outro como cliente, os dois executam em computadores distintos. Apesar de serem executados independentemente, servidor e clientes Metasys estão intimamente interligados como veremos mais adiante. O servidor Metasys provê serviços essenciais (autenticação de usuários, compartilhamento de disco e impressoras, páginas web, etc) tanto para computadores excutando o sistema operacional Linux quanto o sistema operacional Windows. O cliente Metasys pode funcionar de duas formas: cliente leve: neste modo a maior parte do processamento dos programas é feito no servidor. O cliente abre uma sessão remota no servidor e as aplicações, que executam no servidor, podem acessar os dispositivos do cliente (disquete, cdrom, placa de som) de forma transparente para o usuário.

12 3 cliente inteligente: neste modo o processamento é feito no próprio cliente, como ocorre na maioria dos computadores atuais. Em ambos os modos de processamento é utilizada inicialização remota e não há armazenamento de dados no cliente, sendo os mesmos armazenados no servidor. Desta forma compartilhamento é importante para integrar cliente e servidor na arquitetura do Metasys. Redes locais possuem grandes desafios na área de compartilhamento de recursos. Como por exemplo: localizar e acessar recursos: por causa do crescente número de computadores que formam uma rede, localizar um recurso de forma simples se torna uma tarefa nãotrivial. Uma forma automática de obter a localização e quais os meios para acessar os recursos minimiza em muito o custo de gerenciamento da rede. Sistemas como o SLP e JINI são mecanismos para implementar tais funcionalidades. Esses dois sistemas serão descritos mais adiante. configuração: geralmente as configurações sobre os recursos são feitas de forma estática. Se houver alguma mudança de localização dos recursos será necessário configurar todos os computadores da rede para refletir essa mudança. permissões de acesso: permissões de acesso são necessárias em todo ambiente de rede para evitar acessos indevidos. falhas de comunicação: as conseqüências deste tipo de falha podem afetar a rede inteira caso um servidor importante esteja fora do ar. Isso exige o uso de mecanismos de tolerância a falhas, como por exemplo replicação de dados em vários servidores. interoperabilidade: devemos utilizar protocolos padronizados para permitir interoperabilidade entre os diversos sistemas operacionais utilizados na rede. escalabilidade: soluções para os problemas anteriores utilizam alguma forma de banco de dados. Para que este funcione satisfatoriamente devemos utilizar mecanismos que permitam que o sistema escale com o número de computadores na rede. O objetivo deste trabalho é propor soluções para estes problemas através do uso de compartilhamento de recursos, gerenciamento centralizado de usuários e do uso de padrões que enfoquem escalabilidade e interoperabilidade entre os sistemas operacionais utilizados em redes locais.

13 4 Alguns dos problemas citados podem ser resolvidos através do gerenciamento centralizado de usuários. Gerenciamento centralizado não significa necessariamente centralizá-lo em um único computador, mas sim utilizar um único método de acesso padronizado. Tal método pode ser implementado através de um sistema distribuído, por exemplo através de um serviço de diretório como o Lightweight Directory Access Protocol (LDAP) [44]. Um diretório pode ser entendido como um banco de dados otimizado para pesquisa [35, 21, 10]. Apresentaremos mais detalhes sobre o que são diretórios, suas principais características e aplicações no capítulo 3. Diversas funcionalidades encontradas no Metasys são frutos do trabalho desenvolvido e discutido nesta dissertação. Como principais resultados podemos citar: compartilhamento de contas de usuários através do gerenciamento centralizado de usuários. O sistema implementado pode ser utilizado não só por clientes Metasys para autenticar usuários mas também por outros sistemas operacionais. compartilhamento de desktop, o que permite o uso do cliente Metasys como um cliente leve. Este compartilhamento também pode ser utilizado para acessar um desktop Metasys a partir de outros sistemas operacionais. compartilhamento de dispositivos de áudio. Quando o cliente Metasys é utilizando como cliente leve os processos do usuários são executados no servidor. Através do nosso sistema esses processos podem acessar a placa de som que esteja no cliente de forma transparente para o usuário e desta forma permitir o uso do cliente leve como uma estação multimídia. compartilhamento de dispositivos de armazenamento. criamos o LDAPfs como forma de acessos aos dispositivos. O LDAPfs é um pseudo sistema de arquivos e será explicado em detalhes no capítulo 4. compartilhamento de impressoras utilizando LDAP como protocolo de comunicação. Alteramos o código fonte de um servidor de impressão, o CUPS, para permitir que ele compartilhasse impressoras utilizando o LDAP. As alterações no código fonte do CUPS são outra contribuição deste trabalho. O compartilhamento pode ocorrer nos dois sentidos, do servidor Metasys para o cliente Metasys ou vice-versa, sendo que alguns sentidos são mais utilizados do que outros. Por

14 5 exemplo, no compartilhamento de desktop o recurso poder de processamento está no servidor e é compartilhado com o cliente. No compartilhamento de áudio o recurso placa de som está no cliente e é compartilhado com os processos que executam no servidor. 1.1 Metodologia Utilizamos um serviço de diretório para armazenar dados sobre os recursos a serem compartilhados. Estudamos como funciona um serviço de diretório e como configurá-lo para que pudéssemos utilizá-lo. O uso de um serviço de diretório que pudesse ser acessado por vários sistemas operacionais foi de vital importância para nosso trabalho, pois o servidor Metasys pode ser acessado por computadores executando sistemas operacionais distintos. Definimos a representação dos dados que iríamos armazenar no diretório e também como esses dados são organizadas seguindo as recomendações da RFC (Request For Comments) Naming and Structuring Guidelines for X.500 Directory Pilots [32]. Para implementar o compartilhamento de impressoras alteramos o código fonte de um servidor de impressão disponível na WEB, o Common Unix Printing System (CUPS), para que este pudesse armazenar dados sobre impressoras no diretório. Criamos uma representação de impressoras para que o serviço de diretório soubesse como manipular os dados sobre elas. Tal representação segue padrões rígidos para evitar seu uso de forma errônea, estudamos como utilizar tais padrões e definimos nossa representação de impressoras utilizando como base as informações contidas na RFC LDAP Schema for Printer Services [33]. Após definirmos como armazenar os dados criamos diversos programas para permitir o acesso a cada tipo de compartilhamento de forma transparente para o usuário. O método de acesso escolhido para cada tipo de compartilhamento seguiu o critério de maior interoperabilidade entre sistemas operacionais. Para dispositivos de armazenamento fizemos com que seu acesso fosse feito através da estrutura de diretórios do Linux, que é a forma usual de se acessá-los neste sistema operacional. Contudo, nosso sistema dispensa o usuário de executar diversos comandos para configurar e acessar o dispositivo, inclusive dispositivos do tipo hot pluggable (USB, PCMCIA, firewire, etc). Afim de povoar o diretório desenvolvemos programas para detectar o hardware nos clientes Metasys. Os dados obtidos por esses programas são armazenadas no diretório e podem ser consultados por todos os computadores da rede, inclusive os que não são clientes Metasys. Para acessar os dados os programas que implementam os compartilhamentos só

15 6 precisam ter suporte ao LDAP. O escolha do LDAP como diretório levou em consideração sua alta interoperabilidade, o fato de estar sendo largamente utilizado como padrão de acesso a dados do tipo atributo-valor em diversas áreas [17, 27, 9, 24], além de ser o padrão escolhido pela Internet Engineering Task Force (IETF) para modelar e pesquisar informações de diretórios. Dessa forma conseguimos criar um sistema integrado que permite o acesso a recursos de forma transparente para o usuário. Os clientes Metasys podem ser utilizados como clientes leves (processamento no servidor) ou clientes inteligentes (processamento no cliente) sem que o usuário perceba diferença, em termos de funcionalidades, em cada modo de funcionamento. Isso é importante em um sistema que visa o máximo possível de simplicidade para o usuário. Utilizando métodos de acesso padronizados também obtivemos alto grau de interoperabilidade entre o Metasys e outros sistemas operacionais. 1.2 Trabalhos Relacionados Diversos trabalhos discutem métodos para localização de recursos em redes locais, alguns deles serão apresentados a seguir LDAP O Lightweight Directory Access Protocol (LDAP) [44] é um protocolo de acesso a dados do tipo atributo-valor altamente otimizado para operações de leitura em grande volume. Diferente dos servidores banco de dados relacionais, o LDAP não implementa operações de transação. Ele provê um sistema de nomeação global e hierárquico semelhante ao utilizado pelo Domain Name Service (DNS) [23]. Foi projetado para armazenar milhões de entradas com pequeno investimento de hardware e software. Existem diversas implementações deste protocolo [24], sendo que a mais utilizada no Linux é o OpenLDAP [35]. Falaremos mais sobre serviço de diretório e de LDAP no capítulo Sistema para Descoberta de Serviços Um sistema para descoberta de serviços é utilizando por clientes (uma pessoa ou um programa) para descobrir serviços disponíveis na rede de forma automática.

16 7 Geralmente esses sistemas são constituídos por dois ou três componentes. Dois componentes sempre presentes são o agente de serviço e o agente de usuário. O agente de serviço é responsável por anunciar um ou mais serviços disponíveis através dele. O agente de usuário é responsável por pesquisar os serviços disponíveis na rede. Em alguns casos pode existir um terceiro componente, o agente de diretório. Este é responsável por agrupar os serviços disponíveis na rede em um repositório para que possam ser mais facilmente localizados. Sem os agentes de diretórios os agentes de usuários precisariam contactar todos os agentes de serviço da rede para descobrir os serviços disponíveis [11]. Alguns serviços de descoberta de serviços são: SLP O Service Location Protocol (SLP) visa criar um padrão independente e escalável para a Internet [6]. Ele utiliza repositórios centrais gerenciados pelos agentes de diretório como forma de implementar escalabilidade [37] e também possui uma API para desenvolvimento de aplicações. Ele também visa automatizar os seguintes procedimentos: casar as necessidades dos agentes de usuários com os serviços oferecidos pelos agentes de serviço. anunciar serviços providos pelos agentes de serviço. organizar serviços em diretórios gerenciados pelos agentes de diretório. obter informações sobre serviços para os agentes de usuário sem a necessidade de configuração prévia. prover meios para que os serviços informem suas funcionalidades e seus requisitos de configuração às aplicações clientes. Existem três componentes na arquitetura do SLP: 1. Agente de Usuário (UA em inglês): realiza a descoberta do serviço para o usuário, que pode ser uma pessoa ou uma aplicação. 2. Agente de Serviço (SA em inglês): anuncia a localização e as características dos serviços, além de registrar essas informações nos agentes de diretórios. 3. Agente de Diretório (DA em inglês): armazena os dados enviados pelos agentes de serviço em seu repositório e responde às requisições dos agentes de usuários.

17 8 O SLP pode funcionar sem o uso dos DAs, que são utilizados para permitir a descoberta de serviços em grandes redes sem gerar muito tráfego. Aplicações que não possuem suporte direto ao SLP podem ser representadas por proxies, que realizam as mesmas funções que um agente usuário ou agente de serviço. O SLP dinamicamente mantém os atributos dos serviços para que os agentes de usuários possam obter dados mais atualizados sobre eles. Isso permite inserir e retirar serviços dinamicamente do seu banco de dados. Cada serviço possui um tempo de vida, após o qual ele é retirado do banco de dados a menos que o seu tempo de vida seja atualizado periodicamente. Os serviços podem ser localizados automaticamente pelas aplicações ou listados ao usuário através de um navegador. Pode-se limitar a pesquisa por serviços através do que o SLP chama de escopo. Desta forma podemos, por exemplo, fazer com que um usuário de uma empresa pesquise por uma impressora que esteja no mesmo andar em que ele trabalha ao invés de todas as impressoras do prédio. A pesquisa é feita através de uma consulta em forma de cadeia de caracteres contendo os atributos do serviço desejado e o escopo da pesquisa. A resposta é retornada na forma de uma Uniform Resource Locator (URL) contendo o endereço IP do agente de serviço e quaisquer outras informações para se acessar o serviço. Por exemplo, para impressoras também é retornado o nome da fila de impressão. Para o exemplo de impressora uma possível URL retornada é service:printer.lpr: // /nome_fila_impressao. Aplicação Subrede x Serviço Serviço Agente de Usuário (UA) Agente de Serviço (SA) Agente de Serviço (SA) Agente de Diretório (DA) Intranet Agente de Serviço (SA)... Agente de Serviço (SA) Figura 1.2: Arquitetura do SLP.

18 9 A figura 1.2 mostra a arquitetura do protocolo SLP. Na figura vários agentes estão se comunicando via um diretório central DA. Uma aplicação e um serviço na mesma subrede x podem se comunicar diretamente sem a necessidade de um DA. A figura também ilustra que os UAs podem contactar o DA para acessar os serviços em qualquer lugar dentro da intranet. Os SAs de outras redes podem registrar seus serviços no DA e os UAs escolhem os serviços que eles precisam realizando pesquisas em uma linguagem de pesquisa booleana simples. O DA pode ser um diretório do tipo LDAP, ou seja, os dois podem trabalhar em conjunto pra implementar um serviço de descoberta de recursos. Um das desvantagens do SLP reside no fato de ele ainda não ser largamente adotado como o LDAP [16]. Além disso, a maior parte do que o SLP é capaz de fazer pode ser feito utilizando-se LDAP. Para demonstrar isso implementamos um serviço para disponibilizar impressoras em um servidor de impressão de rede (CUPS) que já suportava o protocolo SLP. Outras aplicações importantes, como gerenciamento centralizado de usuários e livro de endereços eletrônicos ( s) centralizado, não podem ser feitas de forma simples utilizando-se SLP. Com o LDAP é possível fazer isso e ainda manter interoperabilidade entre vários sistemas operacionais distintos. A grande aceitação do LDAP é muito importante para um sistema como o Metasys, que visa ser um servidor de rede para diversos sistemas operacionais. JINI Outro serviço de descoberta de serviços é o JINI 1, o qual é uma arquitetura criada pela Sun Microsystems que permite interconectar dispositivos em uma rede de forma transparente para fornecer serviços que não estariam disponíveis com os dispositivos separados [41, 3]. Essa tecnologia permite aos usuários conectar qualquer número de dispositivos digitais e acessar seus serviços fornecidos por uma comunidade dinâmica tais como Personal Digital Assistants (PDAs), televisores, câmeras digitais, fax, telefones celulares e leitores de smart cards. A arquitetura proposta é baseada em serviços que podem migrar de um dispositivo para outro. Serviços podem ser procurados a partir de suas características e a interação entre eles é feita de forma transparente para o usuário. As características básicas do JINI são semelhantes às do SLP. Os objetos que provém serviços podem ser escritos em qualquer linguagem de programação. No entanto, a interface 1 JINI não tem nenhum significado, é simplesmente uma outra forma de pronunciar genie em inglês.

19 10 deve ser escrita em Java [42]. No SLP não existe essa exigência. Tanto o SLP quanto o JINI possuem em sua arquitetura o uso de um ou mais diretórios para armazenar informações sobre serviços. Uma das características importantes dos sistemas de descoberta de serviços como o JINI e SLP é a capacidade de detectar e se recuperarem de uma falha, principalmente em ambientes altamente voláteis, como ambientes móveis [11, 27]. O JINI assim como o SLP não são largamente adotados como o LDAP. No contexto do Metasys serviços podem ser localizados utilizando-se LDAP sem a necessidade de colocar uma máquina virtual Java executando em todos os computadores da rede. Por esse motivo decidimos utilizar somente o LDAP em nosso sistema de compartilhamento de recursos Directory Services for Linux Em [24] são definidas as exigências a serem satisfeitas por um gerenciamento centralizado de usuários. Ele também mostra como implementar tal sistema no Linux e como fazer com que computadores executando o sistema operacional Windows autentiquem usuários diretamente no OpenLDAP. Diversos problemas relacionados com gerenciamento centralizado são apresentados e discutidos. Tais problemas incluem autenticação de senhas, criptografia de senhas e dados, alteração de senhas e single sign-on. Este último permite ao usuário se autenticar somente uma vez no sistema e partir daí poder acessar recursos utilizando uma credencial temporária sem que seja necessário apresentar sua senha a cada acesso. Após o tempo de validade da credencial, geralmente várias horas ou dias, o usuário deverá apresentar novamente sua senha. Este trabalho também compara várias implementações de servidores LDAP, dentre elas o OpenLDAP, em termos de características, incompatibilidades com o padrão LDAP e desempenho em operações simples. Também são mostrados os resultados do estudo de caso feito com um servidor de correio eletrônico atendendo usuários e utilizando diretório (LDAP) para autenticação de usuários e roteamento de s. Baseado nas comparações de desempenho e interoperabilidade feitas neste trabalho, decidimos utilizar o OpenLDAP como servidor LDAP do Metasys. Levamos em consideração também o fato de o OpenLDAP ser um programa de código fonte aberto. O trabalho apresentado em [24] não trata de compartilhamento de recursos de forma geral, se atendo somente ao uso de serviço de diretórios em geral e no gerenciamento centralizado de usuários. Algumas informações deste trabalho foram úteis para implementarmos

20 11 o sistema de gerenciamento de usuários utilizado no Metasys. 1.3 Organização da Dissertação Esta dissertação encontra-se organizada da seguinte forma: No Capítulo 2 descrevemos o ambiente Metasys. No Capítulo 3 descrevemos o que é um diretório, suas características e como eles foram utilizados neste trabalho. No Capítulo 4 apresentamos os métodos de compartilhamento de recursos que implementamos no Metasys e suas vantagens e desvantagens. Os testes realizados e os resultados obtidos são apresentados no capítulo 5. Por fim, no Capítulo 6 apresenta as conclusões e os possíveis trabalhos futuros.

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Introdução ao Active Directory AD

Introdução ao Active Directory AD Introdução ao Active Directory AD Curso Técnico em Redes de Computadores SENAC - DF Professor Airton Ribeiro O Active Directory, ou simplesmente AD como é usualmente conhecido, é um serviço de diretórios

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

V WSPPD 2007. Uma visão geral do OpenLDAP e Active Directory para autenticação de usuários em sistemas heterogêneos e distribuídos

V WSPPD 2007. Uma visão geral do OpenLDAP e Active Directory para autenticação de usuários em sistemas heterogêneos e distribuídos V WSPPD 2007 Uma visão geral do OpenLDAP e Active Directory para autenticação de usuários em sistemas heterogêneos e distribuídos Porto Alegre, Agosto de 2007. Guilherme Matte Macedo, Rafael Bohrer Ávila

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Controle de Acesso em Rede

Controle de Acesso em Rede Segurança de Rede Segurança de rede e segurança de sistema (servidor individual) têm muito em comum Há redes onde o usuário faz login no domínio da rede para ter acesso aos recursos; em outras, se conecta

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Grid e Gerenciamento Multi-Grid

Grid e Gerenciamento Multi-Grid Principais Benefícios Alta disponibilidade, Escalabilidade Massiva Infoblox Oferece serviços de rede sempre ligados através de uma arquitetura escalável, redundante, confiável e tolerante a falhas Garante

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente

Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente Setor Corporativo Desafio Atingir máxima eficiência e segurança por meio da administração centralizada de recursos de redes distribuídas geograficamente Solução Tecnológica Librix AD SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Network Services Location Manager. Guia para os administradores de rede

Network Services Location Manager. Guia para os administradores de rede apple Network Services Location Manager Guia para os administradores de rede Este documento descreve o software Network Services Location (NSL) Manager e fornece informações sobre como configurar uma

Leia mais

3 SCS: Sistema de Componentes de Software

3 SCS: Sistema de Componentes de Software 3 SCS: Sistema de Componentes de Software O mecanismo para acompanhamento das chamadas remotas se baseia em informações coletadas durante a execução da aplicação. Para a coleta dessas informações é necessário

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

ESTUDO DE CASO: AUTENTICAÇÃO IEEE 802.1X BASEADA NO PROTOCOLO RADIUS E SERVIÇO DE DIRETÓRIO LDAP APLICADO A REDE GIGAUFOPNET

ESTUDO DE CASO: AUTENTICAÇÃO IEEE 802.1X BASEADA NO PROTOCOLO RADIUS E SERVIÇO DE DIRETÓRIO LDAP APLICADO A REDE GIGAUFOPNET ESTUDO DE CASO: AUTENTICAÇÃO IEEE 802.1X BASEADA NO PROTOCOLO RADIUS E SERVIÇO DE DIRETÓRIO LDAP APLICADO A REDE GIGAUFOPNET Tiago Rodrigues Chaves Orientador: Ricardo Augusto Rabelo de Oliveira 16 de

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS

CONCEITOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS 1 - Objetivos Existe uma grande distância entre os circuitos eletrônicos e dispositivos de hardware e os programas aplicativos em software. Os circuitos são complexos, acessados através de interfaces de

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19

Sumário Instalando o Windows 2000 Server... 19 O autor... 11 Agradecimentos... 12 Apresentação... 13 Introdução... 13 Como funcionam as provas de certificação... 13 Como realizar uma prova de certificação... 13 Microsoft Certified Systems Engineer

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY

Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Sistemas Operacionais de Rede INTRODUÇÃO AO ACTIVE DIRECTORY Conteúdo Programático! Introdução ao Active Directory (AD)! Definições! Estrutura Lógica! Estrutura Física! Instalação do Active Directory (AD)!

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

1 Introdução. O sistema permite:

1 Introdução. O sistema permite: A intenção deste documento é demonstrar as possibilidades de aplicação da solução INCA Insite Controle de Acesso - para controle de conexões dia-up ou banda larga à Internet e redes corporativas de forma

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1 Laboratório I 2012 Prof. Hélder Sato MSc 2/14/12 Laboratório I 1 Apresentação Prof Hélder Sato MSc Bacharel Informática Universidade Positivo Especialista em Redes PUC-PR Mestrado em Informática Aplicada

Leia mais

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução Conceitos sobre TCP/IP Endereços IP (Internet Protocol) Introdução O uso de computadores em rede e, claro, a internet, requer que cada máquina tenha um identificador que a diferencie das demais. Para isso,

Leia mais

Benefícios INFORMAÇÕES DO PRODUTO: SOFTWARE DELIVERY O CA. IT Client Manager fornece recursos de distribuição de software. plataformas.

Benefícios INFORMAÇÕES DO PRODUTO: SOFTWARE DELIVERY O CA. IT Client Manager fornece recursos de distribuição de software. plataformas. INFORMAÇÕES DO PRODUTO: SOFTWARE DELIVERY CA IT Client Manager Software Delivery O CA IT CLIENT MANAGER FORNECE RECURSOS AUTOMATIZADOS DE DISTRIBUIÇÃO DE SOFTWARE PARA GARANTIR QUE LAPTOPS, DESKTOPS, SERVIDORES

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Sistemas de Arquivos Distribuídos. Universidade Federal do ABC Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto

Sistemas de Arquivos Distribuídos. Universidade Federal do ABC Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Sistemas de Arquivos Distribuídos Universidade Federal do ABC Prof. Dr. Francisco Isidro Massetto Conceitos Dois tipos Stateless Statefull Statefull Mantém informações de estado Nome do arquivo Ponteiro

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE REDE

MANUAL DO USUÁRIO DE REDE MANUAL DO USUÁRIO DE REDE Armazenar registro de impressão na rede Versão 0 BRA-POR Definições de observações Utilizamos o seguinte ícone neste Manual do Usuário: Observações indicam como você deve reagir

Leia mais

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais.

Projeto OBAA. Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias. Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais. Edital MCT/FINEP/MC/FUNTTEL Plataformas para Conteúdos Digitais 01/2007 Projeto OBAA Relatório Técnico RT-OBAA-07 Grupo Agentes e Ontologias Proposta de Federação de Repositórios de Objetos Educacionais

Leia mais

Via Prática Firewall Box Gateway O acesso à Internet

Via Prática Firewall Box Gateway O acesso à Internet FIREWALL BOX Via Prática Firewall Box Gateway O acesso à Internet Via Prática Firewall Box Gateway pode tornar sua rede mais confiável, otimizar sua largura de banda e ajudar você a controlar o que está

Leia mais

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth.

Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Instalação e personalização do Debian Etch para servidores LDAP e Shibboleth. Éverton Foscarini, Leandro Rey, Francisco Fialho, Carolina Nogueira 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento

Leia mais

Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha PSI

Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha PSI Exercícios da Parte II: Segurança da Informação Walter Cunha PSI 1. (CESGRANRIO/Analista BNDES 2008) NÃO é uma boa prática de uma política de segurança: (a). difundir o cuidado com a segurança. (b). definir

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Configurando e Implantando o Windows Server 2003 Fabricio Breve Requisitos de Hardware de Sistema Processador Mínimo: 266 MHz Mínimo ideal:

Leia mais