A Computação na Educação Infantil Computadores e Sociedade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Computação na Educação Infantil Computadores e Sociedade"

Transcrição

1 A Computação na Educação Infantil Computadores e Sociedade Guilherme Weigert Cassales 1 1 Acadêmico(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Resumo. Hoje em dia, é impossível isolar-se completamente da tecnologia, seja nos afazeres domésticos, no trabalho, no lazer e até mesmo na educação. Mesmo assim, muitos defendem a não utilização do computador ou qualquer dispositivo eletrônico na educação, e em alguns casos a proibição do uso geral destes por crianças. Embora isso envolva questões culturais e seja um assunto muito subjetivo, será feita uma busca de informações e argumentos que defendem que o ensino infantil continue em sua forma clássica, e então uma análise dos mesmos. 1. Introdução Inserido neste contexto está o nosso mundo atual, onde cada vez mais integramos a tecnologia ao nosso dia-a-dia. A tecnologia continua desenvolvendo-se a todo vapor, a partir disto criam-se diversas correntes de pensamentos. Existem os mais otimistas que acreditam que o ensino e a educação serão tarefas exclusivas de um computador ou um robô, os mais conservadores que acreditam que computadores não devem ser inseridos em escolas e nem utilizados por crianças e também aqueles que não. É claro que toda corrente de pensamento tem argumentos válidos, porém muitas vezes estas não consideram os defeitos ou os pontos ruins que possuem, este artigo será focado nos argumentos contra a utilização do computador como meio de melhorar o aprendizado na infância. É válido lembrar que desde seu momento de criação, o computador, foi um instrumento idealizado para auxiliar o homem em suas tarefas, e é dever da computação auxiliar na educação provocando o mínimo de efeitos colaterais possíveis. 2. Principais Argumentos São diversos os argumentos por parte daqueles que defendem que o uso do computador na infância é nocivo. Nas próximas seções estes serão expostos e analizados Maturidade Segundo Setzer, o uso do computador ou qualquer outro meio eletrônico, requer uma enorme autodisciplina e um enorme autocontrole, coisas que crianças e jovens ainda não desenvolveram por completo [Setzer 2002]. Além disso, ele também afirma que a capacidade de discernir certo do errado, verdadeiro do falso, entre outros, está em pleno desenvolvimento e colocar as crianças Trabalho apresentado à Prof a Andrea Schwertner Charão, como requisito parcial da disciplina de Computadores e Sociedade do Curso de Ciência da Computaçao da UFSM, em Abril de 2011.

2 diante de um artefato cheio de possibilidades e informações é uma porta para muitos perigos, portanto o uso do computador antes dos 17 anos é condenado [Setzer 2002]. Seguindo essa pedagogia, existem escolas como a Escola de Educação Infantil Jardim Michaelis, localizada no Catete, zona sul do RJ. A pedagogia foi criada pelo austríaco Rudolf Steiner, hoje ela é defendida por alguns especialistas como o caso de Setzer. Segundo a orientadora da escola, Rosa Fantini, A base é deixar que a criança brinque por si, com o mínimo possível de estímulo externo. É importante que não haja interferência no desenvolvimento, o que não significa falta de limites, pautados sempre na autoridade amorosa do professor. Assim, elas podem criar recursos próprios [da Ciência 2004]. Nesta mesma linha está Nina, professora da escola, ela afirma que não é contra o uso do computador, mas contra seu uso precoce. Na opinião dela, quando uma criança usa o computador exige muita concentração e faz mal a saúde, O que o computador preenche de maneira mecânica, a gente tenta preencher de maneira humana. acrescenta Nina. Já para a coordenadora psicopedagógica da educação Infantil, Paula Lacombe, da Escola Sá Pereira localizada no Humaitá, Não há nada mais limitador do que aprender sozinho, sem espaço de socialização, sem troca.. Setzer afirma que o acesso ao computador não necessita ser precoce para a pessoa ser bem sucedida, já que ele não deixou nenhum de seus quatro filhos e na época da reportagem um deles era diretor da Oracle [da Ciência 2004] Acesso ao Computador Outro assunto que gera muitas discuções é o acesso ao computador pelas crianças, como e com que frequência é feito? Onde fica o computador que a criança tem acesso? O acesso é regrado? Estas são apenas algumas perguntas levantadas. Em 2003 a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OECD), através do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), publicou pesquisas que mostraram que as crianças que possuíam acesso a computador, em casa e na escola, apresentavam um melhor rendimento escolar [Deutsche-Welle 2005]. Porém o Instituto de Pesquisas Econômicas (Ifo) de Munique, publicou resultados de pesquisas que apresentam que crianças com computadores em seus quartos têm piores notas, já que os usam mais para brincar do que para estudar, e o seu emprego, nas escolas, só é proveitoso se ele não for usado mais do que uma vez por semana [Deutsche-Welle 2005]. Segundo Ludger Wössmann e Thomas Fuchs, do instituto de Munique, alguns fatores que influenciam decisivamente no rendimento escolar não foram considerados. Eles argumentam que crianças cujos pais possuam profissões intelectualmente mais exigentes geralmente possuem computadores em casa e que elas apresentam melhor rendimento pelo exemplo e cobrança dos pais e não pelos computadores [Deutsche-Welle 2005]. Reforçando a teoria de Setzer que o uso do computador é prejudicial, estão estudos feitos pelo Instituto de Criminologia da Baixa Saxônia (KFN) com crianças de 10 a 15 anos. Estes estudos provaram que os maiores passatempos dessas crianças eram a televisão e o computador, e que o abandono escolar estaria ligado diretamente a este fato [Deutsche-Welle 2005].

3 2.3. Maneira de Pensar Conforme Setzer, o uso do computador em idade precoce força um raciocínio matemático que irá inibir a liberdade da criança, e fará a mesma comportar-se como adulto. Ele acrescenta que, o estímulo desde raciocínio antecipado, priva a criança de um desenvolvimento global, estimulando-a a criar uma rigidez mental, implicando riscos à saude mental e física dela, além de uma visão extremamente crítica que induz à indisciplina [Setzer 2002]. Essa característica torna-se uma grande ameaça para o futuro destas crianças, dada a sociedade atual, onde espera-se que os profissionais sejam cada vez mais capazes de trabalhar em grupo, ter um pensamento multidisciplinar capaz de criar soluções que abrangem diversas áreas do conhecimento, além da baixa tolerância a erros do mercado de trabalho. Sobre esse ponto de vista é importante lembrar que a criança pode confundir divertimento com educação, chamado de edutainment, acrescenta Moreira [Moreira 1999]. Mais uma vez, caso a criança confundisse divertimento com educação, poderia mais tarde vir a confundir obrigações com direitos(divertimento) tornando-se um profissional improdutivo, que utiliza horário de trabalho para outros afazeres que não estão inclusos na prática normal de seu serviço Profissionais Para Moreira, é necessário que haja uma integração entre profissionais da computação e da pedagogia, para que os meios sejam adequados aos objetivos, caso contrário a atividade estará condenada. Outro argumento dele, diz respeito à tendência atual de esquecer de outras áreas que podem ser integradas na educação para focar somente na computação, como é o caso da arte, do esporte, entre outros [Moreira 1999]. Para Chaves, os profissionais devem adequar-se a tecnologia, e não encará-la como uma ameaça. Porém não é o que acontece, uma vez que muitos professores se negam em utilizar o computador [Chaves desc]. É importante recordar que os professores da educação infantil de hoje em dia, em sua grande parte, não tiveram contato com o computador antes de uma idade adulta. Isso colabora para estes serem um tanto céticos e relutantes em relação ao uso do computador na educação, como eles próprios nunca tiveram esse recurso e mesmo assim tornaram-se cidadões corretos e profissionais competentes, julgam seu uso desnecessário. 3. Desafios Os problemas não terminam com os argumentos contrários à utilização, mesmo que os autores destes sejam convencidos de que o computador irá acrescentar qualidade à educação, há ainda os desafios que serão enfrentados na hora de implementar o computador na mesma. Seria necessário um forte acompanhamento do professor para cuidar da postura das crianças e também do tempo médio de utilização, seguindo as regras de intervalos recomendadas pelos especialistas [Cerveira desc]. A utilização do computador não deve causar males à saude dos alunos, felizmente hoje há muitos profissionais qualificados para realizar um acompanhamento necessário para este fim, portanto não há motivos para o mesmo não ser feito. Sabe-se ainda que, por mais avançado que seja um computador e por melhor que seja a integração do mesmo com a educação, a presença humana é insubstituível,

4 [Cerveira desc]. Partindo desta afirmação de Cerveira e lembrando da crise imobiliária norte-americana que repercutiu no mundo inteiro e que muitos países ainda estão sofrendo as consequências, o computador seria mais um gasto e esvaziaria ainda mais os cofres públicos, fato que as autoridades não gostariam que acontecesse. Outro desafio, seria o de manter a população contente, já que uma linha das críticas é de que existem prioridades maiores num país como o Brasil do que introduzir o uso do computador na educação [Chaves desc]. Prioridades maiores como a segurança pública, a corrupção, entre outros. Fica claro a disparidade entre países de primeiro e terceiro mundo, neste quesito. Uma vez que países de primeiro mundo não possuam alguns dos problemas sociais presentes no dia-a-dai de países de terceiro mundo. Por exemplo os reflexos do índice a alfabetização na implementação de computadores no ensino infantil. Numa população onde o índice de alfabetização e elevado (próximo a 100%) fica muito mais fácil implementar o uso do computador, uma vez que ele irá auxiliar e acrescentar, por outro lado, num país com baixa alfabetização o computador teria que primeiro suprir uma deficiência no sistema de ensino (exercendo um papel que não deveria ser seu) para então cumprir com sua real utilidade. 4. Considerações Finais Conforme exposto nas seções anteriores, existem vários argumentos contra a utilização do computador na educação, principalmente infantil. É conhecido também o grande poder de processamento dos computadores atuais, além da capacidade e necessidade de integração da computação com outras áreas do saber, dado o fato que a computação está fortemente inserida no dia-a-dia seja qual for o lugar ou a atividade em questão, utilizamos a computação para andar de ônibus, alugar filmes, retirar livros na biblioteca, e até mesmo para almoçar num buffet a kg. A partir destas informações, não é difícil imaginar um cenário positivo, onde desenvolvedores trabalhem em conjunto com pedagogos, pois esta seria apenas mais uma área que a computação trabalharia em conjunto. Os argumentos contra a utilização do computador, são em grande parte falhos em algum aspecto, pois existem muitas variáveis que influenciam no resultado das pesquisas, porém é impossível ou muito custoso levantar todos estes dados e levar todos eles em consideração para chegar a uma conclusão concisa. É claro que existem riscos no uso do computador, mas esse risco pode ser controlado de forma simples. Assim como em atividades físicas onde é imprescindível o acompanhamento profissional para a prática benéfica desta, na utilização do computador não é difirente, é necessário o acompanhamento de fisioterapeutas, oftalmologistas, psicólogos, pedagogos e todo auxílio disponível. É importante o auxílio de profissionais da educação na hora de criar softwares, pois de nada adianta usar toda capacidade do computador, se este software não for capaz de desenvolver as aptidões que são necessárias para as crianças. Já quanto ao regramento, é importante ter quem acompanhe as atividades de perto para estabelecer e fazer as crianças cumprirem os limites impostos para o uso do computador, sejam eles de tempo ou de permissões. Por último, mas não menos importante também é preciso monitorar a postura correta das crianças enquanto estão utilizando o computador. Apesar de todos estes cuidados é necessário também uma contrapartida por parte dos educadores, estes precisam estabelecer claramente métodos e objetivos condizentes, ou seja, eles de-

5 vem criar um método que será o mais eficiente possível e irá ao encontro dos resultados esperados, caso contrário o uso do computador seria feito de maneira errônea, sem objetivos concretos e definidos, levando assim a um desvio de função e possivelmente a uma má utilização trazendo resultados adversos em comaparação com os esperados. Apesar de toda discussão, o computador continua sendo apenas uma máquina, mesmo que já existam tecnologias para simulação de redes neurais, algoritmos que simulam aprendizagem e inteligência artificial, o controle do seu uso ainda está nas mãos do usuário e este deve decidir se vai utilizar essa ferramenta de forma benéfica ou maléfica. Uma vez constatado que o computador continua atuando somente como um servo do homem e que precisa de instruções inseridas pelo homem para funcionar, não há motivo para considerar o computador uma ameaça. Portanto o computador é capaz tanto de auxiliar como de dificultar a educação. Como toda inovação, ele exige um acompanhamento de profissionais, além do estabelecimento de normas e o cumprimento das mesmas para que não hajam problemas no decorrer de sua utilização. Referências Cerveira, P. (desc). O computador no jardim de infância. Disponível em: Acesso em: março de Chaves, E. O. C. (desc). O computador na educação. Disponível em: Acesso em: março de da Ciência, J. (2004). Professor combate uso precoce do computador. Disponível em: Acesso em: abril de Deutsche-Welle (2005). O computador, a escola, a criança e uma eterna discussão. Disponível em: Acesso em: abril de Moreira, M. A. (1999). Teorias de aprendizagem. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária Ltda. Setzer, V. (2002). Computadores na educação:porquê, quando e como. Disponível em: vwsetzer/pqqdco.html. Acesso em: março de 2011.

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

ENSINANDO A APRENDER!

ENSINANDO A APRENDER! ENSINANDO A APRENDER! A hora do estudo da criança em casa pode ser produtiva, eficaz e até prazerosa se você colocar em prática uma série de dicas valiosas dos especialistas. Confira! Estudar é fundamental.

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Dificuldades no Aprendizado

Dificuldades no Aprendizado Dificuldades no Aprendizado REGADAS, Kegilla Neris 1 BUGILA, Stephany 2 Resumo: Vamos constatar neste artigo, os tipos de dificuldades mais comuns encontradas na sala de aula, o papel da família, onde

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes

TRABALHO INFANTIL. Fabiana Barcellos Gomes TRABALHO INFANTIL Fabiana Barcellos Gomes Advogada, Pós graduada em Direito e Processo Penal com ênfase em Segurança Pública, Direito do Trabalho e Pós graduanda em Direito de Família e Sucessões O que

Leia mais

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA Casou-se em 1924. Pesquisou profundamente sobre o comportamento e desenvolvimento humanos. Dizia que o conhecimento é decorrente da interação da história social e pessoal. Escreveu

Leia mais

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

A CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICADA NO PERÍODO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICADA NO PERÍODO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO APLICADA NO PERÍODO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Regina Lucia Napolitano e Felício Felix Batista ISEP, Mestranda em Ciências Pedagógicas, UNIG, Brasil 1. INTRODUÇÃO Segundo estudos desenvolvidos

Leia mais

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos

Instituto Educacional Santa Catarina. Faculdade Jangada. Atenas Cursos Instituto Educacional Santa Catarina Faculdade Jangada Atenas Cursos Curso de Capacitação em AEE Aluna: Ivete D. Poleto De Cezare Vanini, 01 de Maio de 2015. 1 - Tema: Deficiência Intelectual 2 - Problema:

Leia mais

EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Iraci Müller Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul-SC iracimuller@uol.com.br

EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Iraci Müller Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul-SC iracimuller@uol.com.br EDUCAÇÃO FINANCEIRA Iraci Müller Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul-SC iracimuller@uol.com.br Resumo: A Educação Financeira nas escolas torna-se necessária para formar futuros empreendedores que compreendam

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

LEITURA Redação 8ºAno Professora Patrícia Pinheiro TEXTO DE OPINIÃO Objetivo Quando escrevemos um texto de opinião, nosso objetivo é o de convencer. Apresentamos nossa opinião em relação a determinado

Leia mais

NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047

NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047 1 NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047 FEVEREIRO /2006 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

TIC E COORDENAÇÃO MOTORA

TIC E COORDENAÇÃO MOTORA TIC E COORDENAÇÃO MOTORA SILVA, Gisele Bozza da, SME Curitiba giselebs@hotmail.com COSTA, Sirley Terezinha Golemba, SME Curitiba sirley.sme@curitiba.org.br Área Temática: Educação: Comunicação e Tecnologia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

ESTÁGIO EM MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais

ESTÁGIO EM MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO. GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais ESTÁGIO EM MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Renan Gabbi, UNIJUÍ, renan.matematica@yahoo.com.br Raquel Taís Breunig, UNIJUÍ,

Leia mais

Garantia do direito à educação da criança e do adolescente (Ensino Fundamental)

Garantia do direito à educação da criança e do adolescente (Ensino Fundamental) da criança Ensino fundamental da criança e do, ciclo de ano a ano E FAMÍLIA Identificar escola mais próxima à residência da criança e e efetivar a matrícula Art. 53, V (ECA) Há escola próxima com relação

Leia mais

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA

METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA Educação Infantil METODOLOGIA & Hábito de estudos AULA DADA AULA ESTUDADA s s s Precisao e organizacao nos conceitos A agitação é a mesma. Com algumas adaptações ao espaço e ao tempo, a rotina e as histórias

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

RELAÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA, EMENTAS E TEMAS PARA ORIENTAÇÃO DE TCC PEDAGOGIA

RELAÇÃO DE LINHAS DE PESQUISA, EMENTAS E TEMAS PARA ORIENTAÇÃO DE TCC PEDAGOGIA RELAÇÃO DE LINHAS DE, S E PARA METODOLOGIAS DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DOS PROCESSOS EDUCATIVOS Constituição histórica das metodologias do ensino e as diferentes concepções de ensino

Leia mais

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA Andrea Polena Universidade Federal do Paraná - UFPR andrea.ufpr@yahoo.com.br Tania T. Bruns Zimer Universidade Federal

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1

O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos O APRENDIZADO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Moabe Vieira 1 Sônia Ferreira de

Leia mais

O lado positivo do videogame no desenvolvimento cognitivo e físico de crianças/adolescentes e adultos

O lado positivo do videogame no desenvolvimento cognitivo e físico de crianças/adolescentes e adultos O lado positivo do videogame no desenvolvimento cognitivo e físico de crianças/adolescentes e adultos Prof. Dr. Emílio Takase Universidade Federal de Santa Catarina Cazuo Matsumoto, atleta da seleção brasileira

Leia mais

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL

CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL CONCLUSÕES DOS GRUPOS DE TRABALHO DO ENCONTRO NACIONAL SOBRE TRABALHO INFANTIL BRASÍLIA/DF, 22 de agosto de 2012. Grupo de Trabalho sobre Autorizações para o Trabalho Infanto-juvenil: I. Não cabe autorização

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL 2 OBrasil tem uma legislação ampla sobre a proteção da criança e do adolescente e a proibição do trabalho infantil. Vamos conhecê-la? A Constituição Federal

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 16/2015

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 16/2015 ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 16/2015 TÓPICO DE ESTUDO: TAREFA DE CASA 1 TARIK Essa é a expressão (etimologia) árabe para tarefa de casa e significa: obra ou porção de trabalho que tem de ser concluída num

Leia mais

Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar. Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB

Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar. Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB Transcrição do vídeo Projeto Participar Duração: 10 minutos e 43 segundos Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Usabilidade na Informática

Usabilidade na Informática Usabilidade na Informática Jonathan Alves 1 1 Acadêmico do Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) jla@inf.ufsm.br Resumo. A usabilidade e ergonomia sempre foi um fator

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após vermos um breve conceito de T.I. e T.I.Cs abordarmos a partir de

Leia mais

Universidade de Brasília CRISTIANE GODOY TROMBINI. PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: objetivos do programa X objetivos dos participantes

Universidade de Brasília CRISTIANE GODOY TROMBINI. PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: objetivos do programa X objetivos dos participantes Universidade de Brasília CRISTIANE GODOY TROMBINI PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: objetivos do programa X objetivos dos participantes São Paulo 2007 CRISTIANE GODOY TROMBINI PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: objetivos do

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS HÁBITOS DE ESTUDO: NÃO BASTA DIZER, HÁ QUE ENSINAR A FAZER

A IMPORTÂNCIA DOS HÁBITOS DE ESTUDO: NÃO BASTA DIZER, HÁ QUE ENSINAR A FAZER A IMPORTÂNCIA DOS HÁBITOS DE ESTUDO: NÃO BASTA DIZER, HÁ QUE ENSINAR A FAZER Rosângela Prestes Neitzke Pedagoga Especialista em Alfabetização Especialista em Psicopedagogia Institucional e Clínica SERÁ

Leia mais

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 486 VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA * Camila Tworkowski ** Luciano Leal Loureiro RESUMO O presente artigo procura relatar através de uma revisão de literatura a importância

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

æ opinião PROJETAR DEVE SER DIVERTIDO! Yopanam Rebello

æ opinião PROJETAR DEVE SER DIVERTIDO! Yopanam Rebello æ opinião PROJETAR DEVE SER DIVERTIDO! Yopanam Rebello PROJETAR DEVE SER DIVERTIDO! Yopanan Rebello a Parece que hoje em dia muitos profissionais esqueceram o que é projetar. A falsa urgência, a pressa,

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA 3. O tema: Capacitação e formação continuada como ingredientes indispensáveis ao sucesso do profissional da educação. A exposição e a defesa das ideias do autor do texto

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação AUTOMAÇÃO Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Conceitos iniciais Automação é todo um ferramental

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO Área Temática: sociedade e educação. Anilde Tombolato Tavares da Silva (Coordenadora da Ação) Autores

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

A evasão dos professores das classes de alfabetização nas escolas municipais de Pirapora-MG: uma análise.

A evasão dos professores das classes de alfabetização nas escolas municipais de Pirapora-MG: uma análise. A EVASÃO DOS PROFESSORES DAS CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PIRAPORA MG: UMA ANÁLISE. MÁRCIO ANTÔNIO SILVA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES). Resumo O presente texto tem como

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE- OBRA INFANTIL!

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE- OBRA INFANTIL! Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Carlos Lupi Ministro do Trabalho e Emprego André Figueiredo Secretário-Executivo Ruth Beatriz de Vasconcelos Vilela Secretária de Inspeção do Trabalho

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Proteção ao Trabalhador Menor

Proteção ao Trabalhador Menor Proteção ao Trabalhador Menor O trabalhador menor ganhou proteção legal para o desempenho de suas atividades, razão que lhe assiste por se encontrar num processo de amadurecimento físico, mental, moral,

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Impactos e interferências das inovações tecnológicas no desempenho do Profissional de Secretariado

Impactos e interferências das inovações tecnológicas no desempenho do Profissional de Secretariado Impactos e interferências das inovações tecnológicas no desempenho do Profissional de Secretariado Profa. Dra. Andréa Aparecida Konzen Curso de Secretariado Executivo Sustentabilidade Inovação Relações

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico

Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Desenvolvimento e aplicação de um software como ferramenta lúdica para a memorização das regras do novo acordo ortográfico Maria José Basso Marques*, Elisângela Mazei da Silva** Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Neste dia, apelamos:

Neste dia, apelamos: Neste dia, apelamos: A reformas legislativas e políticas para garantir a eliminação do trabalho infantil no trabalho doméstico e a criação de condições de trabalho dignas e de proteção adequada para os(as)

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DAS 4 OPERAÇÕES PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1

DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DAS 4 OPERAÇÕES PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DAS 4 OPERAÇÕES PELOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 MATTE, Margarete C. M. 2 ; OLIVEIRA, Adriana P. 3 ; RIGH, Taígete P. 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos NOTA DE REPÚDIO A presente Nota faz considerações referentes à Proposta de Emenda Constitucional PEC nº 18 de 2011, de autoria do Deputado Federal Dilceu Sperafico e outros, que propõe o seguinte texto

Leia mais

Educação Especial 60 GUIA DE PROGRAMAS

Educação Especial 60 GUIA DE PROGRAMAS Educação Especial O direito à inclusão é o principal tema desta seção. Os programas mostram os obstáculos enfrentados por crianças e jovens portadores de deficiências, apresentados como pessoas apenas

Leia mais