PATRÍCIA DA SILVA NUNES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATRÍCIA DA SILVA NUNES"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PATRÍCIA DA SILVA NUNES Análise de custos entre aquisição ou locação de empilhadeiras como redução logística na operação X da empresa LOG. São Paulo 2.009

2 NUNES, Patrícia da Silva Análise de custos entre aquisição ou locação de empilhadeiras como redução logística na operação X da empresa LOG. Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística na FATEC ZL para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte. Aprovado em : Banca Examinadora Prof. Arnaldo Prestes Oliveira Instituição: Faculdade de Tecnologia Da Zona Leste Julgamento: Assinatura: Prof. Rosana Novais Instituição: Faculdade de Tecnologia Da Zona Leste Julgamento: Assinatura: Prof. Paulo Cândido Pires Instituição: ETEC / ZL Julgamento: Assinatura:

3 FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE PATRÍCIA DA SILVA NUNES Análise de custos entre aquisição ou locação de empilhadeiras como redução logística na operação X da empresa LOG. Monografia apresentada no curso de Tecnologia em Logística com ênfase em transporte na FATEC ZL como requerido parcial para obter o Título de Tecnólogo em Logística com ênfase em Transporte Orientador: Profº Arnaldo Prestes Oliveira São Paulo 2.009

4 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. Catalogação da Publicação FATEC-ZL Faculdade de Tecnologia da Zona Leste Nunes, Patrícia da Silva. Análise de custos entre aquisição ou locação de empilhadeiras como redução logística na operação X da empresa LOG / Patrícia da Silva Nunes; orientador Arnaldo Prestes Oliveira. - São Paulo / SP, f. Monografia Centro Paula Souza, FATEC - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. 1. Custos. 2. Empilhadeira. 3. Logística. CDU : 000

5 AGRADECIMENTOS A Deus por me deixar livre para escolher meus caminhos e por me conduzir diante das minhas opções. Aos meus pais Glória e Antônio pelo apoio no decorrer deste período, principalmente à minha mãe pelo constante incentivo. Ao meu namorado Ricardo pelo estímulo que me deu, muitas vezes estudando junto comigo, me apoiando a continuar e concluir este trabalho. Ao professor Arnaldo Prestes Oliveira por toda atenção, compreensão e apoio durante a elaboração deste trabalho.

6 Sei que meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele o oceano seria menor. Madre Tereza de Calcutá

7 RESUMO NUNES, Patrícia da Silva, Análise de custos entre aquisição ou locação de empilhadeiras como redução logística na operação X da empresa LOG. Monografia (Graduação em Tecnologia Logística com ênfase em Transportes) - FATEC - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. As empresas ao dimensionarem uma operação logística têm inúmeros itens a verificar e considerar. Um desses itens que geram grande dúvida é equipar o depósito, armazém ou centro de distribuição, pois se deparam com duas opções: locar ou comprar as empilhadeiras para movimentação e armazenagem? A locação se mostra vantajosa pela flexibilidade e pelo custo imediato a ser disponibilizado em relação à aquisição, que desprende um alto valor de investimento. Porém, como uma das funções logísticas é reduzir custos, o objetivo do presente trabalho é estabelecer parâmetros para a decisão empresarial sobre a viabilidade da locação em relação à compra e vice versa. No desenvolvimento dessa pesquisa foram preparados fluxos de caixa com base nos dados da empresa LOG e uma das suas operações, buscando verificar a taxa interna de retorno por um período de cinco anos em relação à aquisição, os investimentos e as despesas necessárias com o aluguel e a aquisição e os benefícios que se pode ter com a locação e com a compra das empilhadeiras. Palavras-chave: Custos, Empilhadeiras, Logística.

8 ABSTRACT NUNES, Patrícia da Silva, Cost analysis of acquisition or rental of forklifts and reduce logistics operation X in the company LOG. company s. Monograph (Graduation in Technologic Logistics with enphasis in Transports) - FATEC - Faculdade de Tecnologia da Zona Leste. The companies sizing a logistics operation have numerous items to check. One of those items that generate big doubt is equip the deposit, warehouse or center of distribution, therefore have an encounter with two options: rent or buy the forklifts for movement and storage? The rental itself sample worthwhile by the flexibility and by the immediate cost it to be disposed regarding the acquisition, that removes a high value of investment. However, as one of the functions logistics is going to reduce costs, the objective of the present work is establish parameters for the business decision about the feasibility of the rental regarding the purchase and vice versa. In the development of that research were prepared cash flows with base in the given of the company LOG and one of his operations, seeking verify the internal rate of return by a period of five years regarding acquisition, the investments and the necessary expenses with the rent and the acquisition and the benefits that can have with the rental and with the purchase of the forklifts. Key-words: Cost, Truck-lift, Logistics.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Papel Estratégico da Logística na empresa...25 Figura 2: Fluxo logístico em uma típica cadeia de suprimentos...29 Figura 3: Composição dos Custos Logísticos...34 Figura 4: Significância dos Custos Logísticos...34 Figura 5: Custos Diretos...38 Figura 6: Custos Indiretos...39 Figura 7: Tipos de empilhadeiras elétricas...43 Figura 8: Modelo de empilhadeiras à combustão / GLP...44 Figura 9: Empilhadeira...44 Figura 10: Diagrama do fluxo de caixa residual...65

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Valores unitários para aquisição das empilhadeiras, paleteiras e periféricos...56 Quadro 2: Valores para aquisição de todos os equipamentos dimensionados e periféricos...56 Quadro 3: Valores unitários mensais para locação dos equipamentos dimensionados e periféricos...57 Quadro 4: Valores totais mensais para locação dos equipamentos dimensionados e periféricos...57 Quadro 5: Depreciação de todos os equipamentos dimensionados e periféricos...60 Quadro 6: Resumo da depreciação...61 Quadro 7: Despesa com manutenção estimada em cinco anos...61 Quadro 8: Despesa com locação por cinco anos...62 Quadro 9: Resumo do fluxo líquido de caixa operacional incremental...63 Quadro 10: Cálculo do valor contábil de todos os equipamentos...63 Quadro 11: Valor com a venda dos equipamentos...64 Quadro 12: Custo médio do capital total investido...65

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Maneiras de Competir por Meio da Logística na Cadeia de Suprimento...31 Tabela 2: Comparação dos custos logísticos totais e seus principais componentes de diversos setores como porcentagem das receitas...36 Tabela 3: Formato básico para a determinação do investimento inicial...51

12 LISTA DE SIGLAS BAR BNDES CLM CO² EUA GLP IR NCM OTAN PBR PVC SA SI TIR TJLP VLP Unidade de medida de pressão do Sistema Internacional (SI) Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Concil of Logistics Management Dióxido de carbono Estados Unidos da América Gás Liquefeito do Petróleo Imposto de Renda Nomenclatura Comum do Mercosul Organização do Tratado do Atlântico Norte Palete Brasil padronizado Poli Cloreto de Vinila Sociedade anônima Sistema Internacional Taxa Interna de Retorno Taxa de Juros de Longo Prazo Valor Presente Líquido

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO LOGÍSTICA Histórico A evolução da Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL O importante papel da Logística nas empresas e na economia moderna A função da Logística na Cadeia de Suprimentos Logística vista como redução de custos às empresas Custos Logísticos Conceituação de custos Custos Diretos Custos Indiretos EMPILHADEIRAS PARA MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Definição sobre empilhadeiras Características e aplicações dos modelos de Empilhadeiras Vantagens e limitações dos tipos de empilhadeira Considerações para seleção de empilhadeiras para uma operação ou uso FLUXO DE CAIXA e TÉCNICAS DE TOMADA DE DECISÃO Fluxos de caixa e depreciação Técnicas de tomada de decisão Valor Presente Líquido (VLP) Taxa Interna de Retorno (TIR) ESTUDO DE CASO Dados para apresentação de empilhadeiras na operação X da empresa LOG Apresentação das quantidades e modelos necessários à operação X Custos com empilhadeiras Custo para aquisição de empilhadeiras Custo para locação de empilhadeiras Vantagens com locação de empilhadeiras...57

14 6.4 Análise de custos entre aquisição ou locação de empilhadeiras por um período de cinco anos Estimativa do fluxo de caixa inicial Estimativa dos fluxos de caixa operacionais incrementais Depreciação dos Equipamentos do Projeto Despesa com manutenção Locação de todos os equipamentos Fluxo líquido de caixa operacional incremental Fluxo de caixa residual Diagrama do fluxo de caixa residual Análise econômica do projeto para aquisição de equipamentos Conclusão sobre a análise econômica do projeto CONSIDERAÇÕES FINAIS...68 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...69

15 13 1 INTRODUÇÃO Na busca de redução de custos logísticos, muitas empresas procuram uma alternativa no momento de escolher os equipamentos para movimentação e armazenagem. Porém, fica a dúvida: alugar ou comprar empilhadeiras? O presente estudo visa conceituar logística e apresentar o importante papel que a logística empresarial representa na cadeia de suprimentos, integrando as áreas e as suas funções. Será abordado um histórico referente a logística e a evolução do estudo sobre esta ciência e também sobre sua atuação no mercado empresarial. Conceituará os custos logísticos de modo sucinto, enfatizando os custos pertinentes à movimentação e armazenagem. Apresentará um esboço sobre empilhadeiras, seus tipos e modelos, bem como as características e aplicações, as vantagens e as limitações. Abordará técnicas para tomada de decisão com base em fluxos de caixa utilizados atualmente nas empresas. Serão verificados os dados de uma operação logística, denominada X em um centro de distribuição da empresa LOG 1. Com estes dados serão dimensionados os modelos e as quantidades de empilhadeiras de movimentação e armazenagem necessárias e será feita a escolha do fabricante desses equipamentos, realizando uma apresentação de custos para aquisição das empilhadeiras, bem como para a locação. Assim, será então possível fazer uma análise de custos entre aquisição e locação de empilhadeiras como redução logística nesta operação. A análise de custos será realizada para um 1 Por questão de sigilo, a sigla LOG, utilizada para identificação da empresa referente ao estudo de caso é fantasia.

16 14 período de cinco anos onde se busca verificar o que se constituirá em maior vantagem entre o aluguel e a compra de empilhadeiras. Para realização deste trabalho será feito um estudo de caso e também será utilizado o método de pesquisa bibliográfica.

17 15 2 LOGÍSTICA O estudo sobre Logística se comparado a outras ciências é muito recente, principalmente no Brasil. Atualmente vê-se inúmeras definições para o termo logística, descartando tudo o que engloba. Para Ballou (1993, p. 23) logística não tem o mesmo significado para todas as pessoas, inclusive para aquelas que estão ativamente engajadas no assunto. Ainda segundo Ballou (2001, p 19-20) a logística empresarial é considerada um campo novo da gestão integrada, mas é de vital importância nos dias atuais dentro das empresas. Bowersow (2001, p. 20) apud CLM - Council of Logistics Management a definição sobre logística no ano de 1991: Processo de planejamento, implementação e controle eficiente e eficaz do fluxo de armazenagem de mercadorias, serviços e informações relacionadas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o objetivo de atender as necessidades dos clientes. Tigerlog (2009) apud OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte define logística como: A ciência de planejamento e de realização da movimentação e manutenção das forças abrangendo o desenho, desenvolvimento, aquisição, estoque, movimentação, distribuição, manutenção, evacuação e disponibilização de materiais; processo de planejamento, implementação e controle eficiente e eficaz do fluxo de armazenagem de mercadorias, serviços e informações relacionadas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o objetivo de atender as necessidades dos clientes. 2.1 Histórico Tigerlog (2009) descreve sobre a história da logística e afirma que a

18 16 palavra Logística vem do grego logistikos, do qual o latim logisticus é derivado e que o significado para as duas palavras é cálculo e raciocínio no sentido matemático. Aponta ainda que a partir do século XVII a logística passou a ser utilizada nos modernos princípios: Por volta de 1.670, um conselheiro do Rei Luís XIV sugeriu a criação de uma nova estrutura de suporte para solucionar os crescentes problemas administrativos experimentados com o novo exército desenvolvido a partir do caos medieval. Foi criada a posição de Marechal General de Logis, cujo título se originou do verbo francês loger, que significar alojar. Entre seus deveres estavam a responsabilidade pelo planejamento das marchas, seleção dos campos e regulamentação do transporte e fornecimento. Também para Hara (2005, p19), logística provém do radical grego logos, que significa razão. E desse princípio etimológico pode-se entender que logística implica a arte de calcular ou a manipulação dos detalhes de uma operação. Para Rodrigues (2003, p.123), a primeira tentativa de definir logística foi feita pelo Barão Antoine Henri Jomini ( ), general do exército francês sob o comando de Napoleão Bonaparte, como a arte prática de movimentar exércitos, assegurando que a logística é tudo ou quase tudo no campo das atividades militares, exceto o combate. O Barão Jomini era visto como principal teórico militar da primeira metade do século XIX. Ele desenvolveu o termo logistique, posteriormente traduzido para o inglês logistics, sendo que dividiu a arte da guerra em cinco: estratégia, grandes táticas, logística, engenharia e táticas menores. Para ele, logística não estava restrita a estrutura de transportes, mas ao suporte, administração, reconhecimentos e inteligência, movimentando e sustentando as forças militares (TIGERLOG, 2009).

19 17 Hara (2005, p. 17) afirma que a logística aplicada no campo militar designava atividades de suprimentos, estocagem, movimentação e transportes de bens como remédios, equipamentos, armamentos, uniformes e as próprias tropas. Conforme Pozo (2004, p 15), a atividade logística militar na Segunda Guerra Mundial foi o ponto de partida para muitos conceitos logísticos utilizados atualmente. Rodrigues (2003, p.123), refere que após a Segunda Guerra Mundial, o termo Logística abrange uma intensidade bem maior, sendo, portanto, a Guerra, fato primordial para a alavancagem da Logística no âmbito empresarial. É a partir de meados do século XX que a logística passa a ser empregada no meio empresarial. 2.2 A evolução da logística Após a Segunda Grande Guerra Mundial, na década de 50, houve grande estimulo do governo norte americano à reestruturação dos procedimentos industriais em todo o planeta. Foi alavancada a massificação da produção e no Japão e na Europa Continental vários países destruídos pela guerra iniciaram a reconstrução de suas nações, gerando emprego à mão-deobra disponível (RODRIGUES, 2005, p. 125). Para Pozo (2004, p. 17), após a segunda Guerra havia um novo cenário para a economia e principalmente no início dos anos 50 foi um forte instrumento para fomentar a logística. Os novos conceitos logísticos começavam a aflorar na mente dos administradores, oferecendo a oportunidade de melhorar os resultados das empresas.

20 18 Porém, ainda não se apostava no computador como ferramenta útil à indústria. Os computadores ainda eram tidos como obra da imaginação humana (NEXTG, 2009). Rodrigues (2005, p. 125) afirma que nos anos 60 as empresas se voltaram para o marketing e a distribuição, buscando poder efetivo de barganha frente ao mercado e as fontes de suprimento ao passo que se reerguiam e consolidavam. Os problemas logísticos tornam-se cada vez mais complexos com o desenvolvimento da tecnologia, exigindo maior visão sistêmica da organização e do mercado. Em meados da década de 50 e 60, essa complexidade começou a ser tratada efetivamente, por novas tecnologias (POZO, 2004, p. 19). Foi na década de 70 que a logística tomou grande importância. O mercado começou a exigir variedade de produtos e um melhor nível de serviço de modo que elevada a produtividade, era necessário um melhor gerenciamento da produção, enfatizando a racionalização dos custos, buscado preços que pudessem gerar crescentes vendas, melhorando a lucratividade. As atividades relacionadas a logística tomaram lugar dentro das organizações, vista a necessidade de criar parcerias e agregar tecnologia, tornando-se então, estratégicas (RODRIGUES, 2005, P. 125). E deste modo, nos anos 70 houve o investimento real das empresas em tecnologia (CRUZ, 2002, p. 79). Para Rodrigues (2005, p. 125) nos anos 80 houve grande revolução tecnológica e o custo com sistemas informatizados foi barateado. Isso possibilitou que as informações estivessem disponíveis em tempo hábil e que fossem precisas. O uso do computador foi estimulado e viabilizou uma rápida e

21 19 realista avaliação as situações que se apresentavam, diminuindo o tempo de resposta e possibilitando um aumento no sucesso empresarial. Rodrigues afirma ainda quanto à década de 80: O campo era fértil para as soluções logísticas, de forma a reverter as ameaças geradas pelo inevitável aumento da complexidade operacional. A adoção de sofisticadas abordagens do gerenciamento logístico passou a representar o ponto-chave na sustentação das estratégias mercadológicas inovadoras invadiam o mercado. O processo decisório tornava-se mais ágil, os ciclos operacionais mais curtos e as adaptações ao sistema menos traumáticas. O monitoramento permanente do processo logístico e a análise sistemática dos indicadores de custos e serviços a clientes possibilitavam maior flexibilidade às operações, capitalizando todos os esforços em oportunidades mais lucrativas. Havia agora uma preocupação em integrar todas as áreas da empresa em torno de uma finalidade comum, buscando uma posição distinta no mercado, através de uma estrutura de armazenagem e distribuição eficiente e que possibilitasse reduzir custos, otimizar tempo e espaço, sendo o alvo aumentar a satisfação do cliente (FARIA e COSTA, 2007, p.19). Ainda nos anos 80, foi notada pelas empresas que a tecnologia de informação poderia ser uma importante e decisiva ferramenta para as organizações, contribuindo para o aumento da competitividade (NEXTG, 2007). Já nos anos 90 as indústrias e o comércio começam considerar todo o mercado mundial como fornecedores e clientes, onde os atacadistas diminuem seus estoques e aumentam o giro das mercadorias. Tudo isso em decorrência do processo de globalização da economia mundial e o acirrado ambiente competitivo, que foi estimulado pelos avanços nas telecomunicações (RODRIGUES, 2005, p. 126). Para Ching (2001, p. 27) logística aparece como uma ferramenta preciosa para medir os reflexos de um bom planejamento na distribuição de mercadorias em aspectos externos, como consumidores e fornecedores e

22 20 também em aspectos internos, como fluxo de materiais e armazenamento físico de matéria-prima e produtos acabados. Deste modo, com a aplicação da logística integrada, Ching acredita na redução de custos e no aumento da competitividade diante dos concorrentes no atual mercado globalizado, onde o fator como redução de custos é essencial para continuidade das empresas. Para Fleury (2000, p. 27), os conjuntos de mudanças econômicas e tecnológicas é o que têm permitido que a logística seja vista como uma das ferramentas gerenciais mais modernas no cenário atual. E esta afirmação foi feita no ano A rede logística é formada por fornecedores, depósitos, centros de distribuição e pontos de varejo como também por matérias-primas, estoque em processo e produtos acabados que fluem entre as instalações (SIMCHI-LEVI, KAMINSKY e SIMCHI-LEVI, 2003, p.41). Para Faria e Costa (2007, p. 19) o momento atual iniciado na década de 80, caracterizou a logística pela importância dada à integração externa, entre os diferentes elos que interliga a cadeia de suprimentos, destacando o desenvolvimento dos sistemas de informação. Devido às mudanças de tecnologia, de mercado e da concorrência, que são mudanças internas e externas, o ambiente logístico evolui constantemente e para desenvolver e focalizar a estratégia das empresas é necessário utilizar metodologias de planejamento (BOWERSOX, CLOSS e COOPER, 2006, p. 390). Conforme Rodrigues (2005, p. 126) com a evolução decorrente das últimas décadas, a logística se mostra ligada diretamente com a qualidade, havendo obrigação então, para se obter sucesso nas estratégias logísticas, o

23 21 planejamento, visando o atendimento contínuo das necessidades dos clientes, tanto no âmbito da produção de bens como na prestação de serviços.

24 22 3 LOGÍSTICA EMPRESARIAL A Logística empresarial tem ganhado espaço nas empresas, está em fase de expansão e tem sido vista como um diferencial quando bem aplicada. O tempo da logística empresarial está chegando e uma nova ordem das coisas está começando (BALLOU, 1993, p. 38). A logística empresarial trata de todas atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto e aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável (Id, 1995, p. 24). Neste âmbito, Hara (2005, p. 18) afirma que o escopo da logística pode ser a gestão de materiais e mercadorias em repouso e também em movimento, apresentando a missão da logística como sendo de dispor a mercadoria ou o serviço certo, no lugar certo, no tempo certo e nas condições desejadas fornecendo ao mesmo tempo uma maior contribuição de valores às empresas. Segundo Viana (2002, p. 45) logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, tendo planejamento, coordenação e execução de todo o processo visando à redução de custos e o aumento da competitividade. Para Ching (2001, p. 55) a integração das áreas e processos da empresa é o conceito básico da logística a fim de se obter melhor desempenho que seus concorrentes nas áreas de suprimento, produção e distribuição, por exemplo. Ballou (1993, p. 38) pondera ainda que a administração, adequada as

25 23 atividades chave da logística: transportes, manutenção de estoques, processamento de pedidos e as várias atividades de apoio adicionais podem prover o cliente com níveis de serviço desejados. Isto ocorrendo, a logística empresarial atinge seu objetivo, providenciando bens e serviços corretos, no lugar certo, no tempo exato e na condição desejada ao menor custo possível. Para Viana (2002, p. 45) não somente deve ser estimulado o conhecimento pleno dos processos, integrando as áreas, mas o desenvolvimento de novos modelos sob o ponto de visa logístico, buscando uma moderna e apropriada administração sempre estudando o impacto que o que é novo gera. Salienta ainda, que os processos e modelos logísticos devem apresentar um sistema que facilite a comunicação e relação entre clientes e fornecedores (Id., 2002, 45). Martins e Gasparin (2005, p. 25) citam que é a logística que deve garantir o atendimento das necessidades do cliente final, bem como criar necessidades nos clientes potenciais. Quando o cliente quiser o produto, caberá a logística dispor o produto ao menor tempo possível, com a melhor qualidade e quando se tratar de um produto idêntico, além de apresentar disponibilidade e valor agregado deverá ter também menor preço que o concorrente. A logística empresarial busca como parte dos objetivos gerais da companhia alcançar processos da cadeia de suprimentos que venham a conduzir a empresa para objetivos globais. A meta então, é desenvolver atividades logísticas que resultem no máximo de retorno possível do investimento no menor prazo. Essa meta tem duas dimensões segundo Ballou

26 24 (2006, p. 43): o impacto do projeto do sistema logístico em termos de contribuição de rendimentos e o custo operacional e as necessidades de capital desse projeto. 3.1 O importante papel da Logística nas empresas e na economia moderna Atualmente o ambiente empresarial é acelerado e de constantes mudanças, em razão de diversos fatores, entre eles, o avanço da tecnologia e alterações na economia, exigindo que as empresas se adaptem constantemente, colocando a prova o desempenho e procurando sempre superar uma nova ordem das coisas - nova visão empresarial (CHING, 2001, p. 28). A logística é importante, pois trata da criação de valor valor para os clientes e fornecedores da empresa e valor para todos aqueles que têm nela interesse direto. O valor da logística é manifestado primariamente em termos de tempo e lugar (BALLOU, 2006, p. 33). Novaes (2001, P. 35) afirma que a logística envolve elementos humanos, materiais, tecnológicos e de informação que implica na redução de custos e deve agregar valor de lugar, de tempo, de qualidade e de informação a toda cadeia produtiva. Ballou (2001, p. 25) apresenta que produtos e serviços não têm valores, a menos que estejam sob a posse do cliente, quando (tempo) e onde (lugar) eles desejam consumi-los, ou seja, a grande função da logística é criar disponibilidade, valor de tempo e lugar. Segundo Novaes (2001, p. 14), o papel atual da logística na empresa é criar uma vantagem competitiva, completar o esforço do setor de marketing,

27 25 garantindo um nível aceitável de serviço. E neste mesmo sentido, Viana (2002, p. 45) enfatiza que diante das constantes mudanças no cenário econômico, a logística passa a existir como ferramenta fundamental a ser utilizada para produzir vantagens que sejam competitivas. A seguir a figura 1 que representa o papel estratégico de logística na empresas. O PAPEL ESTRATÉGICO DA LOGÍSTICA NA EMPRESA FUNÇÕES REGULADORAS DO CICLO LOGÍSTICO SUPRIMENTOS + DISTRIBUIÇÃO FÍSICA COMPOSTO LOGÍSTICO ADMINISTRAÇÃO DE COMPRAS PLANEJAMENTO DE ESTOQUES + MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS TRANSPORTES Figura 1: Papel Estratégico da Logística na empresa Fonte: Viana, 2002, p. 45 Dias (1993, p. 13) aponta seis principais razões para o crescente interesse das empresas brasileiras pela administração logística: 1. rápido crescimento dos custos, particularmente dos relativos aos serviços de transporte e armazenagem; 2. desenvolvimento de técnicas matemáticas e do equipamento de computação capazes de tratar eficientemente a massa dos dados normalmente necessária para a análise e um programa logístico; 3. complexidade crescente da administração de matérias e da distribuição física, tornando necessários sistemas mais complexos; 4. disponibilidade de maior gama de serviços logísticos; 5. mudanças de mercado e de canais de distribuição, especialmente para bens de consumo; 6. tendência de os varejistas e atacadistas transferirem as responsabilidades de administração dos estoques para os fabricantes.

28 26 A valorização do setor logístico pelas empresas brasileiras é crescente, mas há algumas limitações a serem suplantadas, como por exemplo, a divisão das empresas por departamentos, a concentração de esforços nas funções financeiras, mapas digitalizados, pseudo-soluções, à informática e ao tratamento da informação, parcerias entre as empresas, sistemas de custos, dentre outros (NOVAES, 2001, p ). Para situar a logística em um nível mais elevado de importância para grande parte das empresas alguns fatores de força econômica foram cruciais: crescente desregularização dos negócios, a proliferação dos acordos de livre comércio, a crescente concorrência externa, a incrementada globalização das indústrias e as novas e aperfeiçoadas necessidades de desempenho logístico rápido preciso (BALLOU, 2006, p. 45). Dornier et al. (2000, p. 43) destaca que os ambientes de negócios estão em constante mudança e criam a necessidade de modificações significativas nos sistemas logísticos, sendo essas mudanças influenciadas pelo mercado, pela concorrência, pela evolução tecnológica e por regulamentações governamentais diversas. Compartilham deste mesmo pensamento Hitt, Ireland e Hoskisson (2005, p. 50) afirmando que as empresas obtêm as informações que necessitam através de um entendimento integrado dos ambientes externo e interno, entender o presente e prever o futuro. Para Ballou (1993, p. 19) a logística tem importância global na economia, onde sistemas logísticos eficientes e utilizados criam bases para o comércio e para a manutenção de um alto padrão de vida para uma nação. Novaes (2001, p. 349) aponta que as empresas deste tempo de

29 27 economia globalizada adotam atitudes defensivas ou pró-ativas em relação ao ambiente externo, pois aprendem a conviver com as incertezas do mercado, relacionadas ao produto o serviço, sendo decorrentes da evolução tecnológica ou geradas pelo ambiente econômico-financeiro. A logística está gerando um ambiente competitivo e só sobreviverá quem seguir a regra dos outros, integrando os processos e se atualizando quanto as novas tecnologias (CHING, 2001, p. 28). Uma boa gestão da cadeia de suprimentos e a consideração da Logística como fator importante a ser trabalhado nas empresas pode gerar vendas, e não apenas reduzir gastos, como enfatiza Ballou (2006, p. 36): As empresas gastam tempo buscando maneiras de diferenciar suas ofertas de produtos em relação à concorrência. Quando a administração reconhece que a logística afeta uma significativa parcela dos custos das empresas e que o resultado as decisões tomadas quanto aos processos da cadeia de suprimentos proporciona diferentes níveis de serviços aos clientes, atinge uma condição de penetrar de maneira eficaz em novos mercados de aumentar sua fatia do mercado e de aumentar os lucros. Ballou (2006, p. 45) acredita que o crescimento observado no setor de serviços e as questões ambientais aliados a tecnologia da informação são novas oportunidades para o gerenciamento logístico e possibilitarão o suporte à natureza vital da logística no futuro. Buscando uma conceituação mais definida e abrangente, a administração de materiais está mudando o enfoque tradicional produza, estoque, venda para um atual e moderno conceito que compreende definição de mercado, planejamento do produto, apoio logístico (DIAS, 1993, p. 11). Para Dias (1993, p. 17) a logística permite reduzir as imperfeições e é essencial que as empresas entendam o seu papel e a sua importância.

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Visão Geral da Logística Empresarial

Visão Geral da Logística Empresarial Visão Geral da Logística Empresarial Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes email: ngualda@usp.br LOGÍSTICA Verbo Loger

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift Empilhadoras Elétricas Os empilhadores com braços de suporte oferecem uma solução efetiva e econômica para todos os tipos de armazém grandes ou pequenos. A BT oferece o grupo mais completo de empilhadores

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTE II COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A Como estruturar o orçamento? A importância dos centros de custos. O plano de contas orçamentário. Qual a função da árvore de produtos? Autores: Carlos Alexandre Sá(carlosalex@openlink.com.br)

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais