FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDAS"

Transcrição

1 Unidade I FORMAÇÃO DE PREÇOS DE VENDAS Prof. Me. Livaldo Dos Santos

2 Objetivos Preços e custos premissas da análise e maximização dos lucros a natureza dos custos de produção a precificação e as receitas da firma break-even point, ou ponto de equilíbrio ou, ainda, ponto de nivelamento cálculo da quantidade de equilíbrio Q* a maximização do lucro custo de produção

3 Aspectos fundamentais da precificação ou apreçamento RELAÇÃO DE PREÇOS E CUSTOS ANÁLISE DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA PREÇOS E Ç CLIENTES

4 Conceitos importantes Custo todo e qualquer gasto pra se colocar o produto na prateleira Gasto todo pagamento efetivamente realizado ou compromissado saída de caixa, por conta de aquisição de algum bem ou serviço. Despesa despesa é diferente de custo gasto é pra se levar o produto até o cliente final fretes e carretos, com correio material de escritório

5 Premissas da análise e maximização dos lucros Custos fora de controle crescendo em demasia inibem a geração de caixa do negócio menor capacidade de formação de riqueza não há empreendimento que se sustente Conhecimento profundo da natureza dos custos de produção Atuação eficaz no momento e na intensidade requeridas

6 Premissas da análise e maximização dos lucros Objetivos básicos de toda organização maximização dos resultados da empresa Preciso obter a maior receita possível Com custos mínimos de produção Dado que os lucros totais - LT serão obtidos pela diferença entre as receitas totais - RT) e os custos totais CT LT = RT - CT

7 Premissas da análise e maximização dos lucros Considera-se que o empresário ái conhece bem o seu mercado Em curto prazo não há alterações suas instalações básicas sua capacidade de produção Não será efetuada, nenhuma modificação que requeira investimento Outras firmas não se introduzirão na indústria Mercado com uma capacidade de produção determinada e fixa Não há modo de sair ou entrar na indústria

8 A natureza dos custos de produção Custos totais t da empresa CT Soma dos custos fixos totais CFT E custos variáveis totais CVT CT = CFT + CVT

9 Custos fixos ou custos indiretos Recursos de produção Não variam em função das variações na quantidade Custos relativos à capacidade instalada da empresa aluguel de edifícios aluguel de equipamentos depreciação salários e encargos do pessoal administrativo

10 Custos variáveis Recursos que variam de acordo com variações da quantidade produzida Ex. Consome-se mais matéria-prima quanto maior seja a quantidade produzida Partes e peças que compõem o produto final os chamados semiacabados Maior consumo de energia elétrica quanto mais tempo as máquinas funcionarem

11 Interatividade Analisando as características ti dos custos de produção, pode-se afirmar que os Custos Variáveis, consistem em: a) Todos os custos que variam b) Os custos que variam em longo prazo c) Custos relativos à capacidade instalada da empresa d) Gastos que variam de acordo com variações da quantidade produzida e) As alternativas a e d estão corretas

12 Custos fixos versus variáveis versus custos totais

13 Custos fixos versus variáveis versus custos totais

14 Medidas de custo Custo fixo médio CFMe A um dado nível de produção (Q) CFMe é igual ao custo fixo total - CFT dividido por este nível de produção CFT CFMe = Q

15 Medidas de custo Custo variável médio CVMe A um dado nível de produção Q CVMe é igual ao custo variável total (CVT) dividido por este nível de produção CVT CVMe = Q

16 Medidas de custo Custo total t médio CTMe A um dado nível de produção Q CTMe é igual ao custo total de produção (CT) dividido pela quantidade correspondente a este nível CT CTMe = Q Custo total médio - CTMe também pode ser determinado pela soma do CFMe com o CVMe CTMe = CFMe + CVMe

17 Medidas de custo Custo Marginal CMg A adição feita ao custo total como consequência da produção de uma unidade a mais Também é conhecido por custo incremental Demonstra qual é o incremento no custo total de produção a cada unidade a mais produzida

18 Medidas de custo Custo Marginal CMg Dado pela relação entre um acréscimo no custo total CT Como decorrência de um acréscimo na quantidade produzida Q ΔCT CMg = ΔQ

19 Custos fixos, custos variáveis, custos totais, custo marginal e custos médios

20 A precificação e as receitas da firma Lucros totais t (LT) são o resultado da diferença entre as receitas totais (RT) e os custos totais (CT) do negócio LT = RT CT

21 A precificação e as receitas da firma Receitas se contrapõem aos custos Quanto maior for a receita originada das operações maior será o incentivo para a sobrevivência da empresa Receita total (RT) multiplicação da quantidade vendida (Q) de um produto ou serviço pelo seu respectivo preço de venda (P) RT = P. Q

22 Interatividade ΔCT X = ΔQ Analisada a fórmula acima, conclui-se que X é igual a a. Custo Médio b. Custo Absoluto Unitário c. Custo Marginal d. Custo Médio Ponderado e. Somente as alternativas b e c estão erradas

23 A precificação e as receitas da firma Receita Média Rme Definida como o resultado da divisão da receita total (RT) pela quantidade comercializada (Q) RT RMe = Q

24 A precificação e as receitas da firma Receita Média Rme RT RMe = Q Substituindo RT por P. Q P. Q RMe = Q Essa relação indica que a receita média da firma (RMe) é igual ao próprio preço do produto (P) RMe = P

25 A precificação e as receitas da firma Receita marginal RMg Um conceito importante pode ser depreendido das relações entre receita e quantidade conceito de custo marginal (CMg) Acréscimo de receita observada em RT Devido ao acréscimo de uma unidade a mais Q na quantidade vendida ΔRT RMg = ΔQ

26 A precificação e as receitas da firma Receita marginal RMg Parte dos ganhos de escala deve ser transferida ao comprador Quando a quantidade adquirida é grande, o preço unitário será menor Se um cliente compra uma grande parte do produto estocado atividades de logística podem ser executadas com ganhos de escala

27 Receita total, receita média e receita marginal

28 Ponto de equilíbrio Análise conjunta das informações de receita e custo Quantidade que torna a receita total (RT) igual ao custo total (CT) Essa quantidade indica o ponto de nivelamento entre a receita total e o custo total Também chamado de break-even point Em tal quantidade produzida e comercializada o lucro será igual a zero

29 Ponto de equilíbrio

30 Ponto de equilíbrio No caso de venda inferior i a essa quantidade espera-se que haja prejuízo custos fixos exercem uma forte pressão sobre a lucratividade Acima dessa quantidade de equilíbrio espera-se que as receitas sejam superiores ao custo do produto caracteriza-se uma área de lucro

31 Calculo da quantidade de equilíbrio q* Equilíbrio i entre a receita total t e os seus custos totais RT = CT Viu-se que RT = P. Q Quantidade de equilíbrio - Q* Então, RT = P. Q* Substituindo RT por CT, tem-se: CT = P. Q*

32 Interatividade Quanto a Receita Marginal RMg, pode se afirmar que: a. Parte dos ganhos de escala deve ser transferida ao comprador b. É o resultado da divisão da receita total (RT), pela quantidade comercializada c. Quando a quantidade adquirida é grande, o preço unitário será menor d. Quando um cliente compra uma grande quantidade do produto aumenta o custo e. Alternativas a e c estão corretas

33 Calculo da quantidade de equilíbrio q* CT = P. Q* Custos totais (CT), compreendem a soma dos custos fixos totais (CFT) com os custos variáveis totais (CVT) CT = CFT + CVT Logo, CFT + CVT = P. Q*

34 Calculo da quantidade de equilíbrio q* CFT + CVT = P. Q* Por sua vez, os custos variáveis totais são o resultado de CVT = CVun. Q* Substituindo, teremos CFT + (CVun. Q*) = P. Q* Transpondo as variáveis comuns e isolando CFT, tem-se que CFT = (P. Q*) (CVun. Q*) CFT = Q* (P CVun) Isolando a incógnita Q*, resultará CFT Q* = (P CVun)

35 Custo de produção Material direto Compreende todos os componentes físicos do produto final matéria-prima, partes, peças e componentes, embalagem do produto Mão de obra direta (MOD) Gastos efetivos com o pessoal diretamente alocado na fabricação

36 Custo de produção Custos Indiretos de Fabricação (CIFs) Custos que são relacionados com a fabricação não podem ser economicamente alocados no produto. Classificam-se aí os aluguéis de imóveis aluguéis de equipamentos, instrumentos e veículos

37 As diferentes composições do custo de produção

38 Método de custeio critérios de escolha Ramo de atuação da empresa comércio, indústria ou serviços Existência de produtos e processos padronizados Tamanho da empresa Significância dos custos indiretos no custo unitário do produto Utilização de recursos de informática e sistemas de gestão nas atividades-meio Cultura organizacional voltada para resultados geração de caixa

39 Sistemas de Custeio Sistema de custeio por absorção Considera-se os custos variáveis Custos fixos são considerados, sob a forma de rateio Sistema de custeio direto ou variável Considera unicamente os custos variáveis na composição do custo Demais despesas e custos fixos são cobertos pelo lucro

40 Sistemas de Custeio Sistema de custeio por atividades id d ou ABC Activitybased Costing Esforço nas etapas de planejamento do produto com os requisitos do mercado estabelecimento de custos-alvo, e gastos referentes aos investimentos Sistema de custo-padrão Definições pela área de engenharia horas de mão de obra quantidade de dado material para cada parte ou componente do produto

41 Precificação, ou formação de preços de venda Mark-up Fator aplicado sobre o custo, que resulta no preço de venda de tal produto Custo X Mark-up = Preço de Venda 100,00 X 1,50 = 150,00 Denominações utilizadas na formação de preços de venda margem de contribuição o lucro operacional lucro líquido Utilizados na composição de nosso Demonstrativo Gerencial de Resultado (DGR)

42 Demonstrativo gerencial de resultado (dgr)

43 Demonstrativo gerencial de resultado (dgr)

44 Interatividade Para escapar do dilema da escolha do sistema de custeio, deve-se considerar como critérios: a) Ramo de atuação da empresa b) Existência de produtos e processos padronizados c) Significância dos custos variáveis no custo unitário do produto d) Cultura organizacional voltada para resultados e) Somente a alternativa c está incorreta

45 ATÉ A PRÓXIMA!

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO 22/02/2016 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS BÁSICAS Dispêndio

Leia mais

Por que devemos conhecer os Custos?

Por que devemos conhecer os Custos? Terminologias e Classificação em Custos OBJETIVOS DA AULA: Entender o por que estudar os custos. Explorar a terminologia adotada. Definir e classificá los. Apresentar os elementos básicos. Por que devemos

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

3ª Aula. Desenvolvimento do Tema: Custos

3ª Aula. Desenvolvimento do Tema: Custos 3ª Aula Desenvolvimento do Tema: Custos Os participantes poderão apresentar entendimentos e experiências com base em suas atividades cabendo ao professor os comentários pertinentes com destaque dos aspectos

Leia mais

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08.

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. Atualização da obra Contabilidade de Custos 9ª para a 10ª edição Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. (Especialista/Anatel/2014) Com relação aos custos, julgue os itens de 09 a 11.

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

Profa. Luciana Rosa de Souza

Profa. Luciana Rosa de Souza Profa. Luciana Rosa de Souza o Curto prazo e Longo prazo No estudo da produção, é importante que se diferencie o curto prazo do longo prazo. Curto Prazo: refere-se ao período de tempo no qual um ou mais

Leia mais

Institute of Finance - Consultoria e Treinamento de Executivos em Finanças consulte o nosso site: www.gecompany.com.br CASES PARA ESTUDO

Institute of Finance - Consultoria e Treinamento de Executivos em Finanças consulte o nosso site: www.gecompany.com.br CASES PARA ESTUDO CASES PARA ESTUDO 1) A AMBEV na produção da SKOL apresentou os seguintes dados em volume de Hectolitros (01 ponto). Preço unitário de vendas: R$ 66,80; custo variável de produção R$ 57,60 e um custo fixo

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Exercícios Complementares Custeio Variável (Direto) / Custeio por Absorção e Custos para Decisão (Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição) Cap. 1 e 2 1 O único produto da empresa

Leia mais

01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários:

01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários: Página 1 de 14 01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários: Produto Preço Custos Diretos Matéria-prima

Leia mais

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com

Empreendedorismo CAPÍTULO [13] UNIDADE I. Plano de Negócios: Plano Financeiro. www.demostenesfarias.wordpress.com Empreendedorismo Plano de Negócios: Plano Financeiro [13] UNIDADE I CAPÍTULO PLANO DE NEGÓCIOS - Dever de casa (1) Capa; SUMÁRIO EXECUTIVO: Enunciado do Projeto; Competência dos responsáveis; os produtos

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA:

Leia mais

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Nov/2012 Para que serve? Definir as quantidades de cada matéria prima necessária para

Leia mais

CONTROLADORIA E CUSTOS

CONTROLADORIA E CUSTOS PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM NEGÓCIOS DE ALIMENTOS MÓDULO: 15 CONTROLADORIA E CUSTOS Coordenador: Hellen Coelho Professora: Marisa Lipi Data: 28/05/2010 CONTROLADORIA E CUSTOS Marisa Lipi www.companhiadoscursos.com.br

Leia mais

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2)

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. Custo Fixo Médio Quando se

Leia mais

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar?

Teoria da Firma. Capítulo VI. Introdução. Introdução. Medição de custos: quais custos considerar? Introdução Teoria da Firma A tecnologia de produção representa a relação entre os insumos e a produção. Dada a tecnologia de produção, os administradores da empresa devem decidir como produzir. Capítulo

Leia mais

Apuração do custo da atividade produtiva de uma pequena propriedade rural. ral

Apuração do custo da atividade produtiva de uma pequena propriedade rural. ral Apuração do custo da atividade produtiva de uma pequena propriedade ru APURAÇÃO DO CUSTO DA ATIVIDADE PRODUTIVA DE UMA PEQUENA PROPRIEDADE RURAL Acadêmico: Luiz Kelvis Betti Prof. Orientador: Ms. Eloi

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada FUNÇÃO RECEITA

CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada FUNÇÃO RECEITA CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada FUNÇÃO RECEITA Conforme Silva (1999), seja U uma utilidade (bem ou serviço) cujo preço de venda por unidade seja um preço

Leia mais

Administração Geral Administração de Custos

Administração Geral Administração de Custos Material de Apoio 04 Custos Diretos 1. Conceitos Custos gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens e serviços. Custeio método de apropriação de custos. Custeio por absorção

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos Marcia Sousa Nascimento Ariede Contabilista com Pós Graduação em MBA Controladoria pela FMU - Universidades Metropolitanas Unidas, atuando na contabilidade e Controladoria de uma

Leia mais

Profa. Daciane de Oliveira Silva. FONTE: Adm. de pequenas Empresas LONGENECKER, Justin et. al MBA em Gestão Estratégica de Negócios-FACCEBA

Profa. Daciane de Oliveira Silva. FONTE: Adm. de pequenas Empresas LONGENECKER, Justin et. al MBA em Gestão Estratégica de Negócios-FACCEBA Profa. Daciane de Oliveira Silva FONTE: Adm. de pequenas Empresas LONGENECKER, Justin et. al MBA em Gestão Estratégica de Negócios-FACCEBA Relação entre faturamento X volume de vendas SITUAÇÃO A Qtde vendida

Leia mais

Orçamento é... Expressão quantitativa Plano de aquisição e uso de recursos financeiros Plano de como alocar recursos para cada unidade organizacional

Orçamento é... Expressão quantitativa Plano de aquisição e uso de recursos financeiros Plano de como alocar recursos para cada unidade organizacional Orçamento Empresarial Orçamento é... Expressão quantitativa Plano de aquisição e uso de recursos financeiros Plano de como alocar recursos para cada unidade organizacional Plano, meta, demonstrações pro-forma.

Leia mais

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira CUSTOS Para Leone (2000), custos são o consumo de um fator de produção, medido em termos monetários para a obtenção de um produto, de um serviço ou de uma atividade que poderá ou não gerar renda. Martins

Leia mais

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira CUSTOS Para Leone (2000), custos são o consumo de um fator de produção, medido em termos monetários para a obtenção de um produto, de um serviço ou de uma atividade que poderá ou não gerar renda. Martins

Leia mais

Projeção da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) HALLYSON VIEIRA ANTÔNIO ADILTON VALDÉLIO FERREIRA

Projeção da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) HALLYSON VIEIRA ANTÔNIO ADILTON VALDÉLIO FERREIRA Projeção da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) HALLYSON VIEIRA ANTÔNIO ADILTON VALDÉLIO FERREIRA Adoção do Sistema Orçamentário O objetivo será a apuração de valores que irão refletir a atividade

Leia mais

COMO DETERMINAR O 1º PREÇO DE VENDA DE UM PRODUTO NOVO

COMO DETERMINAR O 1º PREÇO DE VENDA DE UM PRODUTO NOVO COMO DETERMINAR O 1º PREÇO DE VENDA DE UM A construção de um fluxo de caixa. A relação VPL / Investimento Depois do primeiro preço, o que vale é a margem de contribuição. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome: Prof. Valbertone C. Araújo Página 0 Exame de Suficiência - 01/2000 II - CONTABILIDADE DE CUSTOS 7 - O conceito de Custo Padrão é: a) não é baseado em princípios científicos,

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 5. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 5. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 5 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 03 Relação Custo X Volume X Lucro 3. Ponto Equilíbrio Contábil 3.1.1 Métodos de apuração

Leia mais

Exercícios - 02. Contabilidade Gerencial. Prof. Ederson Firmino Página 1 de 6. Análise da relação de Custo-Volume-Lucro.

Exercícios - 02. Contabilidade Gerencial. Prof. Ederson Firmino Página 1 de 6. Análise da relação de Custo-Volume-Lucro. Página 1 de 6 Análise da relação de Custo-Volume-Lucro. 1) A Cia Eletrônica Rykor produz um aparelho de CD sofisticado que é vendido por R$ 1.200,00. As despesas operacionais totais de julho foram as seguintes:

Leia mais

Custos Indiretos de Fabricação. Prof. Laércio Juarez Melz

Custos Indiretos de Fabricação. Prof. Laércio Juarez Melz Custos Indiretos de Fabricação Prof. Laércio Juarez Melz Conceito São os gastos aplicados nos produtos que não são quantificados nos produtos. Impossibilidade de determinar a quantidade aplicada; Utilização

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA PARA COMÉRCIO. Olá, quero lhe dar as boas vindas a mais um conteúdo exclusivo do Instituto Empreenda!

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA PARA COMÉRCIO. Olá, quero lhe dar as boas vindas a mais um conteúdo exclusivo do Instituto Empreenda! 1 Sobre o autor Roberto Lamas é empresário há 26 anos e possui dois negócios sendo um deles no ramo de alimentação e outro no setor de educação online. É graduado em Administração de Empresas e especialista

Leia mais

Assunto: Plano Financeiro (I parte)

Assunto: Plano Financeiro (I parte) Assunto: Plano Financeiro (I parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Nesta disciplina, todos os assuntos

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Conhecimentos Básicos em Administração Financeira: Fundamentos e Técnicas; Orçamento e Controle de Custos Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários

Leia mais

Engenharia Econômica

Engenharia Econômica Engenharia Econômica Aula 1: Conceitos Básicos Lucas Motta Universidade Federal de Pernambuco 23 de Março de 2015 Engenharia Econômica Definição Trata-se de um estudo econômico e financeiro de um projeto,

Leia mais

Feira de Negócios. Capitulo 5.3.3 - Utilizando a Planilha Custos-MarkUp nas Estratégia de Preço Promoções Brincadeiras com o Promotor

Feira de Negócios. Capitulo 5.3.3 - Utilizando a Planilha Custos-MarkUp nas Estratégia de Preço Promoções Brincadeiras com o Promotor TIC- Trabalho Interdisciplinar Elaborado por Prof.Mestre Rosimeire Ayres Feira de Negócios Capitulo 5.3.3 - Utilizando a Planilha Custos-MarkUp nas Estratégia de Preço Promoções Brincadeiras com o Promotor

Leia mais

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 08/05/1963 - Distância da capital: 357 km - Área: 245 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 6.997 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Aula 6 Contextualização

Aula 6 Contextualização Gestão Financeira Aula 6 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Fluxo de Caixa Fluxo de caixa é o conjunto de movimentações, de entradas e saídas de dinheiro, de um período determinado nas

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Aula Orçamento de produção. Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br

Aula Orçamento de produção. Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br Aula Orçamento de produção Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Orçamento de produção tem a finalidade de determinar a quantidade de produtos que

Leia mais

Cristhiane Carvalho Teles - 0001005101

Cristhiane Carvalho Teles - 0001005101 Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Departamento de Ciências Contábeis Disciplina: Analise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Heber Lavor Moreira Custeio Variável Cristhiane Carvalho

Leia mais

Oportunidade de Negócio: CLÍNICA DE ESTÉTICA

Oportunidade de Negócio: CLÍNICA DE ESTÉTICA Oportunidade de Negócio: CLÍNICA DE ESTÉTICA Maio/2007 1 OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Prestação de Serviços - Clinica de Estética DESCRIÇÃO: Prestação de serviços pessoais na área de

Leia mais

Análise de Mercado. Plano de Negócios

Análise de Mercado. Plano de Negócios Análise de Mercado Plano de Negócios Estudo de Clientes 1 º passo Identificando as características gerais dos clientes Se pessoas físicas Qual a faixa etária? Na maioria são homens o mulheres? Tem família

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE ANALISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO PARA QUESTÕES DE APREÇAMENTO CONSIDERANDO AS QUANTIDADES TRANSACIONADAS

UMA ABORDAGEM SOBRE ANALISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO PARA QUESTÕES DE APREÇAMENTO CONSIDERANDO AS QUANTIDADES TRANSACIONADAS 1 UMA ABORDAGEM SOBRE ANALISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO PARA QUESTÕES DE APREÇAMENTO CONSIDERANDO AS QUANTIDADES TRANSACIONADAS SOBREIRO, Vinicius Amorim 1 INTRODUÇÃO A analise de Ponto de Equilíbrio é um

Leia mais

A Companhia Pasteurizadora Genoveva Uaaaaaaiiiiii produz leite tipos C e B. O ambiente de produção é composto por quatro departamentos:

A Companhia Pasteurizadora Genoveva Uaaaaaaiiiiii produz leite tipos C e B. O ambiente de produção é composto por quatro departamentos: A Companhia Pasteurizadora Genoveva Uaaaaaaiiiiii produz leite tipos C e B. O ambiente de produção é composto por quatro departamentos: de auxílio à produção: manutenção e adm. prod.; de produção: pasteurização,

Leia mais

TP043 Microeconomia 16/11/2009 AULA 20 Bibliografia: PINDYCK capítulo 11 Determinação de Preços e Poder de Mercado.

TP043 Microeconomia 16/11/2009 AULA 20 Bibliografia: PINDYCK capítulo 11 Determinação de Preços e Poder de Mercado. T043 Microeconomia 6//009 AULA 0 Bibliografia: INDYCK capítulo Determinação de reços e oder de Mercado. Quem administra uma empresa com grau de monopólio, tem um trabalho mais difícil do que quem administra

Leia mais

Biblioteca de Custos

Biblioteca de Custos Biblioteca de Custos 22 21 Ciências Contábeis Pode ler qualquer um dos livros de minha biblioteca, encontrando dicas para a 4 BIMESTRE 2013. (é só clicar nas estantes). 21 e 22 deverão ser os últimos a

Leia mais

CEAP Exercícios Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos

CEAP Exercícios Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos CEAP s Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos Data: Nota: 1) Dos livros da empresa Cosmopolitec foram extraídos os seguintes dados, relativos ao período findo 31 de dezembro

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2 1 OBJETIVOS Revisão dos principais aspectos da contabilidade de custos (conteúdos mais frequentes nas últimas

Leia mais

O QUE É UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EFETIVAMENTE BOA

O QUE É UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EFETIVAMENTE BOA O QUE É UMA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO EFETIVAMENTE BOA (Qual a margem de contribuição ideal)! Alcançar o ponto de equilíbrio basta?! A margem de contribuição unitária diz alguma coisa?! A TIR responde se

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "thiago" Empreendedor(a): THIAGO HANNEY MEDEIROS DE SOUZA

PLANO DE NEGÓCIOS. thiago Empreendedor(a): THIAGO HANNEY MEDEIROS DE SOUZA PLANO DE NEGÓCIOS "thiago" Empreendedor(a): THIAGO HANNEY MEDEIROS DE SOUZA Maio/2015 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Paulo J. Körbes

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PIMES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Paulo J. Körbes 15) O bem y é produzido segundo a tecnologia. O preço de é de R$ 1,00 por unidade; é de R$ 4,00 por unidade, e o de é, inicialmente, de R$ 2,00 por unidade. Várias firmas podem entrar nesta indústria,

Leia mais

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO XI (CONSOLIDADO) PARÂMETROS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este anexo tem por objetivo orientar as Licitantes na elaboração do Plano de Negócios, conforme requerido no Edital,

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS. Palavras chave: Gestão de custos. Custeio. Gastos. Produção.

GESTÃO DE CUSTOS. Palavras chave: Gestão de custos. Custeio. Gastos. Produção. GESTÃO DE CUSTOS Loures, Rodrigo¹ SOBRENOME, Nome do orientador (professor) ² RESUMO Um dos maiores desafios das empresas mundiais é possuir na mão dos gestores dados capazes de orientá-los para as tomadas

Leia mais

Despesas. Cálculos do BDI Benefícios e Despesas Indiretas

Despesas. Cálculos do BDI Benefícios e Despesas Indiretas 5ª Aula Desenvolvimento do Tema: Despesas. Cálculos do BDI Benefícios e Despesas Indiretas Os participantes poderão apresentar entendimentos e experiências com base em suas atividades cabendo ao professor

Leia mais

ANÁLISE DA RELAÇÃO CUSTO VOLUME LUCRO

ANÁLISE DA RELAÇÃO CUSTO VOLUME LUCRO ANÁLISE DA RELAÇÃO CUSTO VOLUME LUCRO A análise da Relação Custo Volume Lucro tem a finalidade de calcular o ponto de equilíbrio, isto é, o ponto em que as receitas de vendas se igualam com a soma dos

Leia mais

ATENDIMENTO. Item 2.4- Concorrência:

ATENDIMENTO. Item 2.4- Concorrência: ATENDIMENTO Item 2.4- Concorrência: ATENDIMENTO Item 2.4- Concorrência: Mercado composto por players (diversos atores que compõem as relações comerciais e disputam a atenção e a conquista dos consumidores);

Leia mais

Como definir a melhor meta de vendas através do Índice da Margem de Contribuição (Imc)

Como definir a melhor meta de vendas através do Índice da Margem de Contribuição (Imc) Como definir a melhor meta de vendas através do Índice da Margem de Contribuição (Imc)! Qual a quantidade ideal de venda de cada produto, considerando uma maior rentabilidade?! Se os produtos de menor

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS V TEORIA DA FIRMA, PRODUÇÃO E OS CUSTOS DE PRODUÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS V TEORIA DA FIRMA, PRODUÇÃO E OS CUSTOS DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DISCIPLINA: ANÁLISE MICROECONÔMICA I PROF. RAFAEL TIECHER CUSINATO LISTA DE EXERCÍCIOS V TEORIA DA FIRMA,

Leia mais

Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) RATEIO DE GASTOS E ECONÔMICA ANÁLISE O problema está no rateio em si, e não no critério utilizado. As distorções provocadas na análise econômica. Quando ratear é válido e quando não é. Francisco Cavalcante

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%)

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 30/12/1943 - Distância da capital: 71 km - Área: 240 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Agreste Potiguar - População: 14.483 (IBGE/2007)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS

DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE VENDA DOS PRODUTOS Wagner Machado dos Santos Professor-Tutor Externo: Rosangela Becker Cossa Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0090)

Leia mais

APURAÇÃO DOS CUSTOS PARA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DE CAXIAS DO SUL

APURAÇÃO DOS CUSTOS PARA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DE CAXIAS DO SUL APURAÇÃO DOS CUSTOS PARA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DE CAXIAS DO SUL 1 INTRODUÇÃO Elisandra Juventina de Lima Paz Zanchin 1 Odir Berlatto 2 Catherine Chiappin

Leia mais

Formação de Preços de Venda

Formação de Preços de Venda Formação de Preços de Venda Professor conteudista: Fauzi Timaco Jorge Sumário Formação de Preços de Venda Unidade I 1 PREÇOS E CUSTOS...3 1.1 Premissas da análise e maximização dos lucros...4 1.2 A natureza

Leia mais

APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTO

APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTO Questões conceituais APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO ORÇAMENTO 1. O que é um orçamento? O que é controle orçamentário? 2. Discuta alguns dos principais benefícios obtidos com a criação de orçamentos. 3. O que

Leia mais

Noções de Microeconomia

Noções de Microeconomia Noções de Microeconomia Demanda, Oferta e Equilíbrio de Mercado: A Demanda e a Lei da Demanda; A Curva da Demanda; A Oferta e a Lei da Oferta; A Curva da Oferta; Equilíbrio de Mercado; Elasticidades. Introdução

Leia mais

ANÁLISE GERENCIAL DE CUSTOS DE UMA LANCHONETE LOCALIZADA EM CRICIÚMA-SC

ANÁLISE GERENCIAL DE CUSTOS DE UMA LANCHONETE LOCALIZADA EM CRICIÚMA-SC 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GUILHERME SCARDUELLI ANTUNES ANÁLISE GERENCIAL DE CUSTOS DE UMA LANCHONETE LOCALIZADA EM CRICIÚMA-SC CRICIÚMA, NOVEMBRO

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV QUESTÃO 01 PROVA ESPECÍFICA São fins da Contabilidade I - Assegurar o controle do patrimônio. II - Fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais. III - Fornecer informações sobre

Leia mais

CONTABILIDADE DE GESTÃO I. 1º Mini Teste Ano letivo de 2014/2015 1º Ano de GESTÃO. 11 de março de 2015 Duração: 75 min. Versão B.

CONTABILIDADE DE GESTÃO I. 1º Mini Teste Ano letivo de 2014/2015 1º Ano de GESTÃO. 11 de março de 2015 Duração: 75 min. Versão B. CONTABILIDADE DE GESTÃO I 1º Mini Teste Ano letivo de 2014/2015 1º Ano de GESTÃO 11 de março de 2015 Duração: 75 min Versão B Curso Turma Nome Nº Tenha em atenção: 1 Não deve desagrafar o teste. Vai ter

Leia mais

Aula 01 Balanço de Pagamentos

Aula 01 Balanço de Pagamentos Aula 01 Balanço de Pagamentos 1. (ESAF- AFRF- 2005) Considere as seguintes informações para uma economia hipotética (em unidades monetárias): Exportações de bens e serviços não fatores: 200 Importações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DA GESTÃO DE CUSTOS PARA EMPRESAS COMERCIAIS

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DA GESTÃO DE CUSTOS PARA EMPRESAS COMERCIAIS A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE DA GESTÃO DE CUSTOS PARA EMPRESAS COMERCIAIS Gestão Empresarial Dalva Daniela Pereira Acadêmica do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG e-mail: ddanyp@hotmail.com

Leia mais

Função do 2º Grau. 2 =, onde 2. b 4ac. , é um número REAL que pode ser: positivo, nulo ou negativo.

Função do 2º Grau. 2 =, onde 2. b 4ac. , é um número REAL que pode ser: positivo, nulo ou negativo. Função do º Grau Equação do segundo grau: Chama-se equação do º grau toda sentença da forma: a b c + + = 0, com abc,, R ea 0 Fórmula resolvente (BHÁSKARA): ± b b 4ac =, onde a b 4ac = Observe que b 4ac,

Leia mais

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Matemática e suas Tecnologias Matemática

Atividade extra. Exercício 1. Exercício 2. Matemática e suas Tecnologias Matemática Atividade extra Exercício 1 O preço do litro da gasolina no Estado do Rio de Janeiro custa, em média R$ 2,90. Uma pessoa deseja abastecer seu carro, em um posto no Rio de Janeiro, com 40 reais. Com quantos

Leia mais

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares

Projetos CUSTOS. Prof. Anderson Valadares Projetos CUSTOS Prof. Anderson Valadares Gerenciamento de custo O gerenciamento de custos visa essencialmente assegurar aos patrocinadores que o projeto será concluído dentro do orçamento aprovado. Gerenciamento

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Volume 2 Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92.

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA e ANÁLISE FINANCEIRA

ANÁLISE ECONÔMICA e ANÁLISE FINANCEIRA ANÁLISE ECONÔMICA e ANÁLISE FINANCEIRA Nívea Cordeiro 2011 www.cordeiroeaureliano.com.br nivea@cordeiroeaureliano.com.br 2011 SE LIGA... Data de entrega: Curso a Distância FGV/SEBRAE 05 pontos prazo: 31/05/2011

Leia mais

Análise e Gestão de Custos Prof.ª Marisa Gomes da Costa

Análise e Gestão de Custos Prof.ª Marisa Gomes da Costa 1.2 Fator de Limitação (Restrição ou Gargalo) O objetivo desta aula é identificar os tipos de informações de custos relevantes para a tomada de decisão de produção e venda de múltiplos produtos mediante

Leia mais

a) Bens não duráveis de consumo; b) Serviços de consumo; c) Bens de consumo e investimento. Marque a alternativa que complete os espaços acima:

a) Bens não duráveis de consumo; b) Serviços de consumo; c) Bens de consumo e investimento. Marque a alternativa que complete os espaços acima: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO ECONOMIA E SEMINÁRIOS GRUPO: ECONOMIA E SEMINÁRIOS DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO:

Leia mais

b b 4ac =, onde 2 , é um número REAL que pode ser: positivo, nulo ou negativo.

b b 4ac =, onde 2 , é um número REAL que pode ser: positivo, nulo ou negativo. Função do º Grau Equação do segundo grau: Chama-se equação do º grau toda sentença da forma: a, b, c R e a 0 a b c + + = 0, com Fórmula resolvente (BHÁSKARA): ± b b 4ac =, onde a = b 4ac Observe que b

Leia mais

Bons estudos! 1) Julgue os itens.

Bons estudos! 1) Julgue os itens. Olá, pessoal! Como prometido, aqui estão algumas questões sobre o assunto depreciação. Espero que gostem. Vamos aproveitar este período magro de concursos para estudar e chegar afiado ao ano que vem, quando

Leia mais

Custos e Orçamentos 63 Prof. Tamanaha --------------------------------------------------------------------------- CUSTO PADRÃO 1.

Custos e Orçamentos 63 Prof. Tamanaha --------------------------------------------------------------------------- CUSTO PADRÃO 1. Custos e Orçamentos 63 CUSTO PADRÃO 1. CONCEITO: Dutra, R.Gomes: Em Custos uma abordagem prática,pg.236, assim relata com respeito ao Custo :..aplicação do custo padrão apresenta grande resistência muito

Leia mais

5. Plano Financeiro. Investimento total. 5.1. Estimativa dos investimentos fixos

5. Plano Financeiro. Investimento total. 5.1. Estimativa dos investimentos fixos 44 5. Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: Investimentos

Leia mais

José Wammes, Toledo, Paraná, 2013. 1

José Wammes, Toledo, Paraná, 2013. 1 1 José Wammes Coordenação Editorial: Osmar Antonio Conte Editoração: José Wammes Ficha Catalográfica: Rute Teresinha Schio - CRB 1095 Wammes, José W243 Depreciação: um fato contábil e econômico / José

Leia mais

Exercícios de Macro III

Exercícios de Macro III Acadêmico(a): Disciplina: Macroeconomia III Semestre: 5º Professor: Felipe Ferraz Vazquez Exercícios de Macro III Lista 01: Blanchard (Cap. 10 e 11) e Jones (até o item 2.2) Atenção: Esta lista foi montada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

ORÇAMENTO DOS CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO. Raul Oliveira Tiago Figueiredo

ORÇAMENTO DOS CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO. Raul Oliveira Tiago Figueiredo Raul Oliveira Tiago Figueiredo CUSTOS X DESPESAS Custos: De acordo com a NPC 2 do IBRACON, Custo é a soma dos gastos incorridos e necessários para a aquisição, conversão e outros procedimentos necessários

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) Fiscal de Rendas 2009 RJ

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) Fiscal de Rendas 2009 RJ Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) - Concurso para Fiscal de Rendas 2009 (SEFAZ-RJ). Prezados amigos, saudações! Após a batalha do último domingo, por ocasião da aplicação das provas referentes

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 2 Características, Ambiente, Natureza e Hierarquia dos Sistemas Professora: Cintia Caetano RELEMBRANDO Um sistema é : Um conjunto de elementos Dinamicamente relacionados

Leia mais

Análise de Regressão. Notas de Aula

Análise de Regressão. Notas de Aula Análise de Regressão Notas de Aula 2 Modelos de Regressão Modelos de regressão são modelos matemáticos que relacionam o comportamento de uma variável Y com outra X. Quando a função f que relaciona duas

Leia mais

Glossário de termos financeiros PARTE 4

Glossário de termos financeiros PARTE 4 Glossário de termos financeiros PARTE 4 Activo Qualquer bem útil ou valioso pertença de um indivíduo, empresa ou organização. Activos de curto prazo Disponibilidade de Caixa ou outros bens que a empresa

Leia mais

Custos na Prestação de Serviços: um estudo de caso realizado em uma empresa de enlonamento de caminhões

Custos na Prestação de Serviços: um estudo de caso realizado em uma empresa de enlonamento de caminhões Custos na Prestação de Serviços: um estudo de caso realizado em uma empresa de enlonamento de caminhões Daniela Ferreira Bueno (UEPG) danifb1@hotmail.com Karin Fontoura (UEPG) karin_fontoura@hotmail.com

Leia mais

UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIPAC Araguari FACAE - Faculdade de Ciências Administrativas e Exatas SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAD Sistemas de Apoio à Decisão 2011/02 Aula Cinco crishamawaki@yahoo.com.br Modelos de decisão Sistemas de

Leia mais

Política de Rateio e Divisão de Ordens. Agosto de 2016

Política de Rateio e Divisão de Ordens. Agosto de 2016 Política de Rateio e Divisão de Ordens Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior 700 11º andar Itaim Bibi São Paulo SP 04542000 Brasil +55 11 3701.8500 verdeasset.com.br Sumário 1. Escopo... 1 2. Processo

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) A FACULDADE DA DEPRECIAÇÃO ACELERADA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À PRODUÇÃO, ADQUIRIDOS A PARTIR DE 01-10- 04, PODE SER EXERCIDA DESDE

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Tapiocaria Dona Vandete "Plano de Negócio Bem da Gente" Empreendedor(a): VANDETE FELÍCIO DA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS Tapiocaria Dona Vandete Plano de Negócio Bem da Gente Empreendedor(a): VANDETE FELÍCIO DA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS Tapiocaria Dona Vandete "Plano de Negócio Bem da Gente" Empreendedor(a): VANDETE FELÍCIO DA SILVA Fevereiro/2015 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano

Leia mais

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T

Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste de Concreto Duplo T ITA 012 Rev. 1 Janeiro / 2007 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Critérios Básicos para Elaboração de Projeto e Construção de Rede de Distribuição com Poste

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

ANEXO V - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO V - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO V - TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1.0 QUANTITATIVOS DE REFERÊNCIA. Item 1 2 3 4 5 6 7 8 Serviços Coleta, Transporte e Destinação Final de Resíduos Sólidos Domiciliares

Leia mais

APOSTILA DO CURSO 1. GESTÃO DE CUSTOS. Definições e Conceitos

APOSTILA DO CURSO 1. GESTÃO DE CUSTOS. Definições e Conceitos PFO - PROCESSOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS 1 APOSTILA DO CURSO PFO - PROCESSOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS 2 1. GESTÃO DE CUSTOS Definições e Conceitos Para poder discutir o processo de formação dos custos

Leia mais