Professor Fernando Aprato 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor Fernando Aprato 1"

Transcrição

1 RECURSOS DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prova de Técnico do Seguro Social do INSS - Modelo 1 - Caderno de prova B02 - Tipo 002 Questão nº 29 Prova tipo João fora casado com Maria, com quem teve três filhos, João Junior, de 22 anos e universitário; Marília, com 18 anos e Renato com 16 anos, na data do óbito de João, ocorrido em dezembro de João se divorciara de Maria que renunciou ao direito a alimentos para si. Posteriormente, João veio a contrair novas núpcias com Norma, com quem manteve união estável até a data de seu óbito. Norma possui uma filha, Miriam, que mora com a mãe e foi por João sustentada. Nessa situação, são dependentes de João, segundo a legislação previdenciária: (A) Marília, Renato, Miriam e Norma. (B) Maria, João Junior, Marília, Renato e Norma. (C) João Junior, Marília, Renato, Maria, Norma e Miriam. (D) João Junior, Marília e Renato. (E) João Junior, Maria, Marília, Renato e Norma. O gabarito oficial é letra A. Art. 16. São beneficiários do Regime Geral de Previdência Social, na condição de dependentes do segurado: I - o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado de qualquer condição, menor de vinte e um anos ou inválido; 3º Equiparam-se aos filhos, nas condições do inciso I, mediante declaração escrita do segurado, comprovada a dependência econômica na forma estabelecida no 3º do art. 22, o enteado e o menor que esteja sob sua tutela e desde que não possua bens suficientes para o próprio sustento e educação. De acordo com o art. 16, inciso I do RPS a idade limite para ser considerado dependente do segurado é 21 anos, ou seja, o filho ou equiparado tem que possuírem menos de 21 anos para serem considerados dependentes do segurado. Observe que o examinador não informa a idade de Miriam, requisiti indispensável para se aferir a qualidade de dependente do segurado, portanto, não há como afirmar que Miriam faz parte do conjunto de dependentes de João. Pelo acima exposto, não há nenhuma alternativa correta, portanto, solicito que a questão seja ANULADA. Professor Fernando Aprato 1

2 Questão nº 31 Prova tipo João montou seu próprio negócio em 2010, obteve receita bruta, no ano-calendário anterior, de R$ ,00 (trinta mil reais) e é optante do Simples Nacional. João não pretende receber aposentadoria por tempo de contribuição. Nessa situação, a contribuição previdenciária a ser recolhida por João é de (A) 11% (onze por cento) do limite mínimo do salário de contribuição. (B) 8% (oito por cento) do limite mínimo do salário de contribuição. (C) 9% (nove por cento) do limite mínimo do salário de contribuição. (D) 5% (cinco por cento) do limite mínimo do salário de contribuição. (E) 20% (vinte por cento) do limite mínimo do salário de contribuição. O gabarito oficial é letra D. Ocorre que a opção A também pode ser considerada correta. Para resolvermos a questão há necessidade de conhecimentos sobre a Lei Complementar 123/2006(Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte), matéria esta que não consta do conteúdo programático do edital 01/2011. Ainda que admitamos a figura do MEI, há outra falha que se pode constatar na questão, que é em relação ao período em que se dá a contribuição a ser recolhida por João, se é referente a 2010, 2011 ou Observe que a questão nos informa, de forma vaga, a receita bruta no ano-calendário anterior a 2010, portanto, não há informações claras se a contribuição é referente a 2010, 2011 ou De acordo com o art. 21, 2 o da Lei n 8.212/91, na redação da LC 123/2006, a alíquota de contribuição do segurado contribuinte individual que trabalhe por conta própria, sem relação de trabalho com empresa ou equiparado que optar pela exclusão do direito ao benefício de aposentadoria por tempo de contribuição é de 11% (onze por cento) sobre o valor correspondente ao limite mínimo mensal do salário de contribuição. Essa era a regra de contribuição até vigência da MP 529/2011, que produziu efeitos a partir do dia 1/5/2011. Lei n 8.212/91 Art. 21. A alíquota de contribuição dos segurados contribuinte individual e facultativo será de vinte por cento sobre o respectivo salário-de-contribuição. 2 É de 11% (onze por cento) sobre o valor correspondente ao limite mínimo mensal do salário-decontribuição a alíquota de contribuição do segurado contribuinte individual que trabalhe por conta própria, sem relação de trabalho com empresa ou equiparado, e do segurado facultativo que optarem pela exclusão do direito ao benefício de aposentadoria por tempo de contribuição. Em 7 de abril de 2011 foi publicada a Medida Provisória n 529 (convertida na Lei n , de 31 de agosto de 2011), com produção de feitos a partir do dia 1 de maio de 2011, alterando a redação do 2 do art. 21 da Lei n 8.212/91. Lei n 8.212/91 Art. 21. A alíquota de contribuição dos segurados contribuinte individual e facultativo será de vinte por cento sobre o respectivo salário-de-contribuição. 2o No caso de opção pela exclusão do direito ao benefício de aposentadoria por tempo de contribuição, a alíquota de contribuição incidente sobre o limite mínimo mensal do salário de contribuição será de: (Redação dada pela Lei nº , de 2011) I - 11% (onze por cento), no caso do segurado contribuinte individual, ressalvado o disposto no inciso II, que trabalhe por conta própria, sem relação de trabalho com empresa ou equiparado e do segurado facultativo, observado o disposto na alínea b do inciso II deste parágrafo; (Incluído pela Lei nº , de 2011) II - 5% (cinco por cento): (Incluído pela Lei nº , de 2011) a) no caso do microempreendedor individual, de que trata o art. 18-A da Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006; Professor Fernando Aprato 2

3 Observe que se a contribuição se deu até abril de 2011 a alíquota do MEI será de 11%, porém, se a contribuição se deu a partir da competência maio de 2011 a alíquota do MEI será de 5%. Pelo acima exposto, dependendo do período em que se deu o recolhimento, a alternativa correta pode ser a letra A ou letra D, portanto, solicito que a questão seja ANULADA. Questão nº 38 Prova tipo João trabalhou na lavoura em sua pequena propriedade, sem o auxílio de terceiros, salvo de sua família, no período de janeiro de 1975 a 1990, sem contribuição, ocasião em que mudou-se para a cidade e passou a exercer a função de pedreiro, como empregado de uma construtora, até completar 60 anos, em janeiro de Nessa situação, João (A) não terá direito a aposentar-se por idade em (B) não possui a carência exigida par aposentar-se por idade em (C) terá direito a aposentar-se por idade em (D) terá direito a aposentar-se por tempo de contribuição em (E) terá direito à aposentadoria especial em O gabarito oficial é letra A. De acordo com o art. 48 da Lei n 8.213/91, a aposentadoria por idade será devida ao segurado que, cumprida a carência exigida nesta Lei, completar 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e 60 (sessenta), se mulher. O examinador nos informa que João de 1975 a 1990 na lavoura (15 anos de atividade rural). Posteriormente mudou-se para a cidade e passou a exercer atividade remunerada de pedreiro, como empregado em uma construtora. Há também a informação de que em janeiro de 2011 João completou 60 anos de idade. No período de 1990 a janeiro de 2011, João exerceu a atividade de pedreiro, na qualidade de segurado empregado, contando com 21 anos e 1 mês de contribuição nessa qualidade. Se somarmos o tempo de serviço na lavoura 15 anos com o tempo de contribuição na qualidade de segurado empregado, João possui 36 anos e 1 mês. De acordo com o art. 56 o Regulamento da Previdência Social (Decreto n 3.048/99), a aposentadoria por tempo de contribuição será devida ao segurado após trinta e cinco anos de contribuição, se homem, ou trinta anos, se mulher De acordo com o art. 60, inciso X do Regulamento da Previdência Social (Decreto n 3.048/99): Art. 60. Até que lei específica discipline a matéria, são contados como tempo de contribuição, entre outros:. X - o tempo de serviço do segurado trabalhador rural anterior à competência novembro de 1991; Pelo acima exposto concluímos que João não poderá se aposentar por idade, mas pode se aposentar por tempo de contribuição, o que nos leva a duas alternativas corretas letra A e D. Pelo acima exposto solicita-se que a questão seja ANULADA. Professor Fernando Aprato 3

4 Questão nº 45 Prova tipo Maria trabalhou de 02 de janeiro de 1990 até 02 de fevereiro de 2005 como empregada de uma empresa, desligando-se do emprego para montar um salão de beleza. Apesar de ter passado á categoria de contribuinte individual, deixou de recolher contribuições para a Previdência Social durante dois anos, até fevereiro de Nessa situação, o período de graça de Maria é de (A) 12 (doze) meses. (B) 24 (vinte e quatro) meses. (C) 36 (trinta e seis) meses. (D) 48 (quarenta e oito) meses. (E) 60 (sessenta) meses. O gabarito oficial é letra B De acordo com o art. 13, Inciso II do RPS, o período de graça é de: II - até doze meses após a cessação de benefício por incapacidade ou após a cessação das contribuições, o segurado que deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração; 1º O prazo do inciso II será prorrogado para até vinte e quatro meses, se o segurado já tiver pago mais de cento e vinte contribuições mensais sem interrupção que acarrete a perda da qualidade de segurado. Observe que o período de graça só será considerado se o segurado deixar de exercer atividade remunerada abrangida pela previdência social ou estiver suspenso ou licenciado sem remuneração. Na assertiva em tela o examinador afirma que Maria passou a categoria de segurado obrigatório na qualidade de contribuinte individual, portanto, Maria está exercendo atividade remunerada e nessa situação não há que se falar em período de graça. Pelo acima exposto solicita-se que a questão seja ANULADA. Questão nº 48 Prova tipo José recebe aposentadoria especial no Regime geral de Previdência social. Nessa situação, José (A) não poderá retornar à função que ocupava anteriormente á aposentadoria. (B) gozará de isenção da contribuição previdenciária se retornar ao mercado de trabalho. (C) está inválido para o exercício da atividade laborativa. (D) deve provar o nexo causalidade entre o agente nocivo e o trabalho desempenhado. (E) não poderá retornar ao mercado de trabalho. Gabarito oficial é letra A De acordo com o art. 57 da Lei n 8.213/91, a aposentadoria especial será devida, uma vez cumprida a carência exigida nesta Lei, ao segurado que tiver trabalhado sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física, durante 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos, conforme dispuser a lei. O art. 57, 8º da Lei n 8.213/91, manda o legislador aplicar o disposto no art. 46 ao segurado aposentado nos termos deste artigo que continuar no exercício de atividade ou operação que o sujeite aos agentes nocivos constantes da relação referida no art. 58 desta Lei. O art. 46 da Lei n 8.213/91, comanda que aposentado por invalidez que retornar voluntariamente à atividade terá sua aposentadoria automaticamente cancelada, a partir da data do retorno. Pelo acima exposto podemos concluir que o segurado beneficiado com aposentadoria especial poderá retornar á função que desempenhava anteriormente a aposentadoria. Se retornar á função que desempenhava antes da aposentadoria ou voltar a exercer atividade laborativa que enseje aposentadoria especial, terá sua aposentadoria automaticamente cancelada, a partir da data do retorno. Professor Fernando Aprato 4

5 Pelo acima exposto verifica-se que não há nenhuma letra correta, portanto, solicito que a questão seja ANULADA. Questão nº 55 Prova tipo José foi segurado da Previdência Social até janeiro de 2010 e recebia a título de auxílio-doença R$ 580,00 (quinhentos e oitenta) reais. Nessa ocasião, envolveu-se com drogas e foi recolhido à prisão em regime fechado, fugindo em julho de Ele foi casado com Lídia com quem teve dois filhos, menores de 21 anos, na data do recolhimento à prisão. Posteriormente à prisão, Lídia separou- se de José e casou-se com João, em janeiro de Nessa situação, (A) o auxílio-reclusão será devido à Lídia, desde a data da prisão até suas novas núpcias. (B) o auxílio-reclusão será devido aos filhos de José, desde o recolhimento à prisão até que completem 21 anos. (C) Lídia não poderá receber auxílio-reclusão. (D) nenhum dependente poderá receber o auxílio-reclusão. (E) o auxílio-reclusão será devido a todos os dependentes, da data do recolhimento à prisão até a data da fuga. Gabarito oficial é letra E Observe que o examinador afirma que José foi segurado da previdência até janeiro de 2010 e recebia a título de auxílio-doença R$ 580,00. Podemos aferir que em Janeiro de 2010 José estava em gozo de auxílio-doença. De acordo com o art. 80 da Lei n 8.213/91, o auxílio-reclusão será devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado recolhido à prisão, que não receber remuneração da empresa nem estiver em gozo de auxílio-doença, de aposentadoria ou de abono de permanência em serviço. Portanto, se José foi recolhido á prisão em janeiro de 2010, quando estava em gozo do auxílio-doença, seus dependentes não terão direito ao recebimento do auxílio-reclusão. Podemos aferir que após janeiro de 2010 José não era mais segurado da Previdência Social. Portanto, se José foi recolhido à prisão após janeiro de 2010, quando não detinha a posse da qualidade se segurado, seus dependentes não terão direito ao recebimento do auxílio-reclusão. Se levarmos em conta as considerações acima o gabarito correto é a letra D. Observe que o examinador afirma que ele (José) foi casado com Lídia com quem teve dois filhos, menores de 21 anos, na data do recolhimento à prisão. Posteriormente à prisão, Lídia separou- se de José e casou-se com João, em janeiro de Não há informação de que após a separação que Lídia passou a receber pensão alimentícia. O art. 80 da Lei n 8.213/91 comanda que o auxílio-reclusão será devido nas mesmas condições da pensão por morte, ou seja, para efeito de dependentes e da perda da qualidade de dependentes devemos nos reportar ás regras da pensão por morte. De acordo com art. 76, 2º da Lei nº 8.213/91, 2º O cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato que recebia pensão de alimentos concorrerá em igualdade de condições com os dependentes referidos no inciso I do art. 16 desta Lei. Portanto, conclui-se que Lídia só concorrerá ao recebimento do auxílio-reclusão, se na data do recolhimento de João á prisão, a mesma estivesse recebendo pensão alimentícia do mesmo. Pelo acima exposto não há como manter o gabarito da letra E. Solicito a troca de gabarito da letra E para a letra D. Professor Fernando Aprato 5

6 Questão nº 58 Prova tipo José trabalhou como empregado na empresa São João Ltda., no período de 01/09/2004 a 01/09/2007, quando pediu demissão do emprego. Voltou a trabalhar em julho de 2010 e no terceiro mês de trabalho, outubro de 2010, foi acometido de apendicite que o impedia de exercer suas atividades habituais. Nessa situação, José (A) não terá direito ao auxílio-doença. (B) terá direito ao auxílio-doença. (C) terá direito à aposentadoria por invalidez. (D) terá direito ao auxílio-acidente. (E) não terá direito à aposentadoria por invalidez. Gabarito oficial é letra A Observe que o examinador afirma que José trabalhou como empregado no período de 01/09/2004 a 01/09/2007 (36 contribuições), voltou a trabalhar em julho de 2010 e no terceiro mês de trabalho, outubro de 2010, foi acometido de apendicite que o impedia de exercer suas atividades habituais. Ora outubro de 2010 não é o terceiro mês de trabalho de José e sim o quarto mês (julho, agosto, setembro e outubro). Portanto, após ter voltado a laborar José possui quatro contribuições. De acordo com o art. 27-A do Regulamento da Previdência Social (Decreto n 3.048/99). havendo perda da qualidade de segurado, as contribuições anteriores a essa perda somente serão computadas para efeito de carência depois que o segurado contar, a partir da nova filiação ao Regime Geral de Previdência Social, com, no mínimo, um terço do número de contribuições exigidas para o cumprimento da carência. De acordo com o art. 25 da Lei n 8.213/91, a concessão das prestações pecuniárias do Regime Geral de Previdência Social depende dos seguintes períodos de carência: I - auxílio-doença e aposentadoria por invalidez: 12 (doze) contribuições mensais; Pelo acima exposto observamos que José, quando foi acometido de apendicite, já conta com 4 contribuições, que equivale a 1/3 de 12 contribuições, portanto, José pode computar as contribuições anteriores a perda da qualidade de segurado (36 contribuições) para efeito de carência, portanto, José tem direito ao recebimento do auxílio-doença. Pelo acima exposto não há como manter o gabarito da letra A. Solicito a troca de gabarito da letra A para a letra B. Professor Fernando Aprato 6

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes 1. ERRATA Página 180 No primeiro parágrafo do item 2.10.1 (Beneficiários): Onde se lê: Os beneficiários da pensão por morte

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005 1 Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 e o 9º do art. Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 da 195 da Constituição Federal, para dispor sobre o Constituição Federal, para dispor sobre o sistema sistema especial

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO Legislação Artigo 201, 7º, I, da CF Artigo 52 a 56 Lei 8213/91 Artigo 56 a 63 Decreto 3048/99 Artigo 234 a 245, da IN 77/2015 CONTRIBUIÇÃO Conceito É o benefício devido ao segurado

Leia mais

AUXÍLIO- RECLU L SÃO

AUXÍLIO- RECLU L SÃO LEGISLAÇÃO Artigo 201, IV, CF; Artigo 80, Lei 8213/91; Artigos 116 a 119 do Decreto 3048/99; e Artigo 381 a 395, da IN 77. CONCEITO É o benefício previdenciário pago aos dependentes do segurado que for

Leia mais

Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes

Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes (Questão elaborada) - Veja a situação hipotética apresentada e analise as questões abaixo. Carlos e Patrícia são casados há 05 anos e trabalham na mesma

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

PENSÃO POR MORTE. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3.

PENSÃO POR MORTE. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3.048/99; e Artigos 364 a 380, da IN 77. CONCEITO A pensão por morte é o benefício previdenciário

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES 1 MODALIDADES APOSENTADORIA POR IDADE (urbana, rural e mista) APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (comum, especial e mista) LC142 (por

Leia mais

PONTO 1: Aposentadoria 1. APOSENTADORIA. Art. 201, 7º da CF (EC nº. 20). Condições:

PONTO 1: Aposentadoria 1. APOSENTADORIA. Art. 201, 7º da CF (EC nº. 20). Condições: 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Aposentadoria 1. APOSENTADORIA Art. 201, 7º da CF (EC nº. 20). Condições: I 35 anos de contribuição para o homem e 30 anos de contribuição para a mulher; II 65 anos de

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011 Altera o art. 18 da Lei n 8.213, de 24 de julho de 1991, para ampliar os benefícios previdenciários devidos ao aposentado que retornar ao trabalho. Art.

Leia mais

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007)

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal,

Leia mais

O objetivo do benefício é garantir a sobrevivência do núcleo familiar, diante da ausência temporária do provedor/segurado.

O objetivo do benefício é garantir a sobrevivência do núcleo familiar, diante da ausência temporária do provedor/segurado. AUXÍLIO-RECLUSÃO - Orientações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 28/02/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Auxílio-reclusão 3 - Beneficiários - Dependentes 4 - Requisitos 4.1 -

Leia mais

Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO

Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO Sidnei Rodrigo Paulo da Cunha Neves é sócio do escritório Rodrigues, Ehlers & Neves. Formado em Administração de Empresas e Direito no Centro Universitário do

Leia mais

ReabilitAÇÃO Profissional. e o Retorno do Trabalhador à Atividade Laborativa

ReabilitAÇÃO Profissional. e o Retorno do Trabalhador à Atividade Laborativa e o Retorno do Trabalhador à Atividade Laborativa Considerações Iniciais A Previdência Social é um seguro social, mediante contribuição previdenciária, com a finalidade de prover subsistência ao trabalhador,

Leia mais

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social S UMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social... 1 1.1. Seguridade Social... 1 1.1.1. A Saúde... 2 1.1.2. A Assistência Social... 5 1.1.3. A Previdência Social... 10 1.1.3.1. Natureza jurídica

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE 2009 Altera a Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a Organização da Seguridade Social, institui o Plano de Custeio e dá outras providências,

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO. 1. Carência:

DIREITO PREVIDENCIÁRIO. 1. Carência: 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Carência PONTO 2: Prazos de carência previstos em Lei PONTO 3: Diferença entre carência e tempo de contribuição 1. Carência: Conceito do cidadão: uma condição para fazer

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA Revogada pela PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06/01/2012 Republicada no DOU 19/07/2011 Dispõe sobre

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos demais valores constantes

Leia mais

Dependentes para fins de Imposto de Renda

Dependentes para fins de Imposto de Renda Dependentes para fins de Imposto de Renda 318 - Quem pode ser dependente de acordo com a legislação tributária? Podem ser dependentes, para efeito do imposto sobre a renda: 1 - companheiro(a) com quem

Leia mais

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física...

ÍNDICE. 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015... 2. 2. Exemplos Práticos... 3. 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... ÍNDICE 1. Tabela Progressiva - a partir de Abril/2015.... 2 2. Exemplos Práticos... 3 2.1. Declarante 1 Empregador pessoa física... 3 2.2. Declarante 2 Rendimento pago ao exterior Fonte pagadora pessoa

Leia mais

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 . CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS REPORTANDO-SE À ÉPOCA DOS INSTITUTOS DE APOSENTADORIA

Leia mais

Regime de Tributação de Imposto de Renda

Regime de Tributação de Imposto de Renda Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu Plano de Contribuição Variável. Com a publicação da

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. SIMPLES Alterações na Lei nº 9.317/96

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL. SIMPLES Alterações na Lei nº 9.317/96 TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL SIMPLES Alterações na Lei nº 9.317/96 Orientador Empresarial LEI nº 11.307/2006 DOU: 22.05.2006 (Íntegra) Altera as Leis

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 9 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.135, DE 17 DE JUNHO DE 2015. Vigência Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 664, de 2014 Altera

Leia mais

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Artigo 18 Ao Participante que tiver completado 50 (cinqüenta) anos de idade após ter cumprido a carência de 120 (cento e vinte) meses de contribuições

Leia mais

Guia Previdenciário: Auxílio-reclusão. Resumo: 1) Introdução: 2) Abrangência:

Guia Previdenciário: Auxílio-reclusão. Resumo: 1) Introdução: 2) Abrangência: Guia Previdenciário: Auxílio-reclusão Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os principais aspectos que envolvem a concessão do auxílio-reclusão. Para tanto, utilizaremos como base de

Leia mais

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA Piracaia, 24 de Julho de 2.015 APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REQUISITO Geral Magistério SEXO HOMEM MULHER HOMEM

Leia mais

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo;

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; Instrução SP-PREVCOM / TJ nº 04/2013. Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; A Fundação de Previdência Complementar

Leia mais

MANUTENÇÃO, PERDA E REAQUISIÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO

MANUTENÇÃO, PERDA E REAQUISIÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO MANUTENÇÃO, PERDA E REAQUISIÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO MANUTENÇÃO, PERDA E REAQUISIÇÃO DA QUALIDADE DE SEGURADO A Previdência Social tem caráter contributivo e de filiação obrigatória. Pela lógica, os

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO AUXÍLIOS 1 Cláudio Basques

DIREITO PREVIDENCIÁRIO AUXÍLIOS 1 Cláudio Basques DIREITO PREVIDENCIÁRIO AUXÍLIOS 1 Cláudio Basques 9. AUXILIO ACIDENTE (ART. 86) - É INDENIZATÓRIO, POIS O SEGURADO FICA COM SUA CAPACIDADE REDUZIDA APÓS ACIDENTE DE QUALQUER NATUREZA - DOMÉSTICO, AVULSO

Leia mais

Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue os itens subsecutivos.

Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue os itens subsecutivos. DPU/Defensor _Público/CESPE/2015 Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue os itens subsecutivos. 1. Aquele que, como contrapartida pelo desempenho das atividades de síndico do condomínio

Leia mais

1. SEGURADOS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. 1) Segurado (art. 11 a 15 Lei n. 8.212) e dependente (art. 16, Lei n 8.212)

1. SEGURADOS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. 1) Segurado (art. 11 a 15 Lei n. 8.212) e dependente (art. 16, Lei n 8.212) 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Segurados do Regime Geral de Previdência Social PONTO 2: Do Segurado PONTO 3: Da Contribuição do produtor rural, do pescador segurado especial PONTO

Leia mais

Auxílio Doença 01/09/2015

Auxílio Doença 01/09/2015 Auxílio Doença Lei 8213/91 Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início

Leia mais

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005..

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. Autoria: Prefeito Municipal. ALTERA O ANEXO DE METAS FISCAIS DA LEI Nº 6.081, DE 4 DE JULHO DE 2005, QUE DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

REQUERIMENTO DE PENSÃO

REQUERIMENTO DE PENSÃO Versão 9 REQUERIMENTO DE PENSÃO SEGURADO (A) Segurado(a): CPF nº: Cargo: Órgão de origem: DATA DO ÓBITO: / / Ativo: ( ) Inativo: ( ) NOME DEPENDENTES PREVIDENCIÁRIOS Data de Nascimento Parentesco Estado

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr)

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr) Questão 1 FCC/TRT23 Técnico Judiciário - Área Administrativa - 2016 (FCC_TRT23_TÉCNICO_JUDICIÁRIO_ÁREA_ADMINISTRATIVA_2016) De acordo com a Lei Complementar no 150 de 2015, no tocante às férias do empregado

Leia mais

EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016. Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm

EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016. Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016 De acordo com o edital do concurso e com a obra: Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm ITENS DO EDITAL TECNICO INSS TÓPICO DO

Leia mais

PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1.1 AUXÍLIO DOENÇA 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Art. 59 e seguintes da Lei 8.213/91. Carência: 12 C.M. (regra).

Leia mais

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS)

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) QUAL É O CONCEITO DE SÍNDICO PREVISTO NO CÓDIGO CIVIL DE 2002? O Síndico é definido como sendo administrador do Condomínio (art. 1.346).

Leia mais

PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 DA CONCESSIONÁRIA INFRAMÉRICA S.G. DO AMARANTE.

PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 DA CONCESSIONÁRIA INFRAMÉRICA S.G. DO AMARANTE. PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 DA CONCESSIONÁRIA INFRAMÉRICA S.G. DO AMARANTE. Considerando, suas funções institucionais, e a constante luta pela melhoria das condições gerais de trabalho, o Sindicato

Leia mais

Legislação Previdenciária

Legislação Previdenciária Legislação Previdenciária Reis, Camila Oliveira. R375l Legislação previdenciária / Camila Oliveira Reis. Varginha, 2015. 52 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

REQUERIMENTO DE PENSÃO

REQUERIMENTO DE PENSÃO Versão 12 REQUERIMENTO DE PENSÃO SEGURADO (A) Segurado(a): CPF nº: Cargo: Órgão de origem: DATA DO ÓBITO: / / Ativo: ( ) Inativo: ( ) NOME DEPENDENTES PREVIDENCIÁRIOS Data de Nascimento Parentesco Estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MENSAGEM Nº 464, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015. Senhor Presidente do Senado Federal, Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do 1 o

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social REFORMA DA PREVIDÊNCIA Regra Atual, PEC n.º 40/03, Substitutivo da Comissão Especial de Reforma da Previdência, Cenários e Projeções

Leia mais

Cometários à Prova INSS 2012 Prof. Kadu Leite CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Cometários à Prova INSS 2012 Prof. Kadu Leite CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cometários à Prova INSS 2012 Prof. Kadu Leite CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21. A Seguridade Social encontra-se inserida no título da Ordem Social da Constituição Federal e tem entre seus objetivos: (A) promover

Leia mais

RELATÓRIO. O EXMO. DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (Relator Convocado):

RELATÓRIO. O EXMO. DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (Relator Convocado): PROCESSO Nº: 0800943-44.2012.4.05.8000 - APELAÇÃO RELATÓRIO O EXMO. DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (Relator Convocado): Trata-se de apelação e remessa oficial, tida por interposta, contra

Leia mais

PARECER: Fel_004/2010 Data: 30/06/2010

PARECER: Fel_004/2010 Data: 30/06/2010 PARECER: Fel_004/2010 Data: 30/06/2010 ASSUNTO: Manutenção e perda da qualidade de segurado. CONSULENTE: MUNICÍPIO DE FELIXLÂNDIA MG INTERESSADO(A): IPREMFEL RELATÓRIO O Instituto de Previdência Municipal

Leia mais

Prova 02. No que se refere ao regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir.

Prova 02. No que se refere ao regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir. Prova 02 No que se refere ao regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir. 01) É presumida, por força de lei, a dependência econômica dos pais do segurado para fins de atribuição da qualidade

Leia mais

o INSS indeferiu o pedido de aposentadoria, vez que computou tempo de contribuição de apenas 22 anos e O 1 dia, cf. documento de fls. 17.

o INSS indeferiu o pedido de aposentadoria, vez que computou tempo de contribuição de apenas 22 anos e O 1 dia, cf. documento de fls. 17. IDnIA RIIIA! 1111I ns.. 801.. PROCESSO N. 2139-83.2013.4.01.3821 CLASSE: 51201- CÍVEL/PREVID CONC BENEF/JEF AUTOR: FLAVIANO RIBEIRO DA SILVA RÉU: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS SENTENÇAl Trata-se

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Regulamentação dos planos Resolução CONSU 10 Art. 2º, 2º Nos contratos de planos coletivos, não é obrigatória a cobertura para os procedimentos relacionados

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES Em relação às fontes do direito previdenciário: (A) o memorando é fonte primária. (B) a orientação normativa é fonte primária. (C) a instrução normativa é fonte secundária. (D) a lei delegada é fonte secundária;

Leia mais

1) Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: DPU Prova: Analista Técnico Administrativo

1) Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: DPU Prova: Analista Técnico Administrativo QUESTÕES DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA INSS 2016 Prof. Henrique Sartori 1) Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: DPU Prova: Analista Técnico Administrativo Maria foi contratada como empregada da empresa Souza

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DA RAIS ANO-BASE 2005

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DA RAIS ANO-BASE 2005 ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DA RAIS ANO-BASE 2005 PREENCHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS DAS CONTRIBUIÇÕES PAGAS PELAS EMPRESAS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Entidade Sindical Patronal beneficiada

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS As instruções abaixo se referem aos créditos recebidos por

Leia mais

de todas as pessoas da unidade familiar CPF

de todas as pessoas da unidade familiar CPF Após concluir a sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá validar suas informações na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA). Seguem documentos necessários a serem apresentados na

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário DO AUXÍLIO-DOENÇA 1.1. Fato gerador O auxílio-doença é um benefício não programado, concedido em face da incapacidade relativa ou temporária do segurado para o trabalho ou para o exercício de suas atividades

Leia mais

Conheça a proposta que muda o fator previdenciário

Conheça a proposta que muda o fator previdenciário Silvia Barbara* A Câmara dos Deputados sentiu a pressão do governo e acabou adiando para a próxima semana a votação do PL 3.299, que trata de mudanças no fator previdenciário. Na tarde do dia 21, o projeto

Leia mais

Resolução CGSN nº 58, de 27 de abril de 2009

Resolução CGSN nº 58, de 27 de abril de 2009 Resolução CGSN nº 58, de 27 de abril de 2009 DOU de 28.4.2009 Alterada pela Resolução CGSN nº 60, de 22 de junho de 2009. Dispõe sobre o Microempreendedor Individual MEI no âmbito do Simples Nacional.

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 155, DE 2010 Regulamenta o pagamento de adicional de insalubridade e a concessão de aposentadoria especial ao trabalhador que exerça as atividades de coleta de

Leia mais

Nota Legislativa: Nova fórmula do Fator Previdenciário Emenda Vetada e MP 676/15

Nota Legislativa: Nova fórmula do Fator Previdenciário Emenda Vetada e MP 676/15 Após anúncio do veto da emenda 45, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), incluída na MP 664/14, o Poder Executivo editou e foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (18), a Medida

Leia mais

REDENOMINA A CARREIRA GUARDA PENITENCIÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

REDENOMINA A CARREIRA GUARDA PENITENCIÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 14.582, 21 de dezembro de 2009. REDENOMINA A CARREIRA GUARDA PENITENCIÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. Faço saber que a Assembleia Legislativa decretou e eu sanciono

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I ANEXO I DA COMPROVAÇÃO DE RENDA DO CANDIDATO CLASSIFICADO EM VAGAS RESERVADAS DE QUE TRATA O INCISO I DO ART. 3º DA PORTARIA NORMATIVA Nº 18 DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 Todos os procedimentos para comprovação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO EDITAL Nº. 002/2010

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO EDITAL Nº. 002/2010 Processo Seletivo Simplificado para preenchimento de cargos em caráter temporário, com fulcro na Lei Municipal nº 6.690/2005 que alterou o art. 4º, da Lei Municipal nº 4.302/1994 e no Decreto 5727/2008,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade 02/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 6 7.

Leia mais

O que você precisa saber sobre a Previdência Social

O que você precisa saber sobre a Previdência Social CARTILHA DE INFORMAÇÕES O que você precisa saber sobre a Previdência Social A Previdência Social é a melhor proteção contra os riscos sociais. É uma conquista e um patrimônio dos trabalhadores. Sua utilidade,

Leia mais

ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE ABRIL DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 15/2016

ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE ABRIL DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 15/2016 ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE ABRIL DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 15/2016 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS AUXÍLIO DOENÇA OU ACIDENTÁRIO - ATUALIZAÇÃO CONFORME O DECRETO Nº 8.691/2016 CONSIDERAÇÕES... Pág. 436

Leia mais

PROFESSOR CARLOS MACHADO

PROFESSOR CARLOS MACHADO DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS PROFESSOR CARLOS MACHADO Brasil Todo território nacional 0800 887 0499 atendimento@legiaodosconcurseiros.com.br www.legiaodosconcurseiros.com.br DICA 1 Irredutibilidade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 243/2001. LUIZ DE FAVERI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, TÍTULO I

LEI COMPLEMENTAR 243/2001. LUIZ DE FAVERI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, TÍTULO I 1 LEI COMPLEMENTAR 243/2001 DISPÕE SOBRE A LEI ORGÂNICA DA PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ARTUR NOGUEIRA - LOPMAN, INSTITUINDO O ESTATUTO DO FUNDO DE PREVIDÊNCIA E BENEFÍCIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17

SUMÁRIO. Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17 SUMÁRIO Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17 1. Evolução hist rica e composição... 17 2. Definição e natureza jurídica... 18 3. Competência legislativa... 19 4. Princípios informadores... 20

Leia mais

AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É o registro do tempo de serviço/contribuição

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA - Lei 12.546/2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL LEI 13.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA - Lei 12.546/2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL LEI 13. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA - Lei 12.546/2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL LEI 13.161/2015 Conceito A desoneração da folha de pagamento consiste

Leia mais

O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO MARANHÃO, no exercício de suas atribuições legais e regimentais.

O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO MARANHÃO, no exercício de suas atribuições legais e regimentais. RESOLUÇÃO CRCMA Nº 520/2014 REGULAMENTA DO ARTIGO 96, INCISO IV DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO MARANHÃO APROVADO COM RESOLUÇÃO 491/2010. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG nº 42, de 8 de julho de 2003 Estabelece procedimento para a concessão de auxílio-doença,

RESOLUÇÃO SEPLAG nº 42, de 8 de julho de 2003 Estabelece procedimento para a concessão de auxílio-doença, RESOLUÇÃO SEPLAG nº 42, de 8 de julho de 2003 Estabelece procedimento para a concessão de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e auxílioacidente a servidor não titular de cargo de provimento efetivo,

Leia mais

Saiba mais sobre seu plano

Saiba mais sobre seu plano Saiba mais sobre seu plano Plano Funbep I 1 Índice A proteção da previdência complementar... 03 As contribuições para o plano... 04 Em caso de desligamento... 06 Na hora da aposentadoria... 09 Cuide bem

Leia mais

Prova 06. 2- Antes mesmo da edição da Lei Eloy Chaves, já tinha legislação sobre o acidente do trabalho.

Prova 06. 2- Antes mesmo da edição da Lei Eloy Chaves, já tinha legislação sobre o acidente do trabalho. Prova 06 1- A Lei Eloy Chaves foi o primeiro ato normativo que tratou de previdência social no Brasil. Antes dela, os trabalhadores eram amparados pelas casas de misericórdia. 2- Antes mesmo da edição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.016.678 - RS (2007/0300820-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : AYRES LOURENÇO DE ALMEIDA FILHO E OUTRO(S)

Leia mais

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução 1. Introdução Com a publicação da Medida Provisória 563/12 convertida na Lei 12.715/12 e posteriormente regulamentada pelo Decreto 7.828/12, determinadas empresas de vários setores terão a contribuição

Leia mais

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição Objetivo O objetivo deste material é manter os leitores da 13ª edição do Curso Prático de Direito Previdenciário atualizados em relação

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROCESSO SELETIVO BAAE I AUXÍLIO ALUGUEL AUXÍLIO ESTÁGIO MORADIA ESTUDANTIL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROCESSO SELETIVO BAAE I AUXÍLIO ALUGUEL AUXÍLIO ESTÁGIO MORADIA ESTUDANTIL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA PROCESSO SELETIVO BAAE I AUXÍLIO ALUGUEL AUXÍLIO ESTÁGIO MORADIA ESTUDANTIL Não serão aceitos documentos originais, somente CÓPIAS! DOCUMENTOS REFERENTES AO PERFIL DO ALUNO

Leia mais

Empregado Doméstico Trimestral - NIT/PIS/PASEP - (que recebe até um salário mínimo)

Empregado Doméstico Trimestral - NIT/PIS/PASEP - (que recebe até um salário mínimo) CÓDIGO DE GUIAS GPS Recolhimento Relação de Códigos de Pagamento Código Descrição 1007 Contribuinte Individual - Recolhimento Mensal NIT/PIS/PASEP 1104 Contribuinte Individual - Recolhimento Trimestral

Leia mais

Para iniciantes os primeiros 90 dias:

Para iniciantes os primeiros 90 dias: CIRCULAR CONJUNTA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DATA BASE - NOVEMBRO DE 2013 O SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO, celebrou com os SINDICATOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição. 1) Alterações da Lei 13.183, de 04/11/2015.

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição. 1) Alterações da Lei 13.183, de 04/11/2015. Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição Objetivo O objetivo deste material é manter os leitores da 13ª edição do Curso Prático de Direito Previdenciário atualizados em relação

Leia mais

ERRATA Nº 001/LCRF-1/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 074/LCRF/SBJU/2016

ERRATA Nº 001/LCRF-1/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 074/LCRF/SBJU/2016 ERRATA Nº 001/LCRF-1/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 074/LCRF/SBJU/2016 CONCESSÃO DE USO DE ÁREAS, LOCALIZADAS NO AEROPORTO DE JUAZEIRO DO NORTE - ORLANDO BEZERRA DE MENEZES, EM JUAZEIRO/CE, DESTINADAS À EXPLORAÇÃO

Leia mais

Constituição Federal para Concursos (CF) 6a ed.: Rev., amp. e atualizada (2015)

Constituição Federal para Concursos (CF) 6a ed.: Rev., amp. e atualizada (2015) Constituição Federal para Concursos (CF) 6a ed.: Rev., amp. e atualizada (2015) 1) Art. 198: ATUALIZAÇÔES Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada

Leia mais

Apresentação... 3. Quem pode solicitar pensão por morte junto ao INSS... 5. Procedimentos INSS - Cônjuge... 6

Apresentação... 3. Quem pode solicitar pensão por morte junto ao INSS... 5. Procedimentos INSS - Cônjuge... 6 Apresentação... 3 Quem pode solicitar pensão por morte junto ao INSS... 5 Procedimentos INSS - Cônjuge... 6 -OBSERVAÇÕES -PARA REQUERIMENTO DE PENSÃO POR MORTE JUNTO A INSS -DOCUMENTAÇÃO -COMPROVAÇÃO DE

Leia mais

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ NOSSAS AGÊNCIAS: MAUÁ RIBEIRÃO PIRES SANTO ANDRÉ SÃO CAETANO DO SUL ATENDIMENTO: População de Rio Grande da Serra Nossa Gerência: 3.000 atendimentos

Leia mais

Prova 03. A respeito dos benefícios e serviços do RGPS, julgue os próximos itens.

Prova 03. A respeito dos benefícios e serviços do RGPS, julgue os próximos itens. Prova 03 A respeito dos benefícios e serviços do RGPS, julgue os próximos itens. 01 - O fator previdenciário só incidirá na aposentadoria por idade quando a sua aplicação for mais vantajosa ao segurado.

Leia mais

Prova 05. Ainda em relação aos segurados da previdência social, julgue os itens a seguir.

Prova 05. Ainda em relação aos segurados da previdência social, julgue os itens a seguir. Prova 05 Em cada um dos itens subsequentes, é apresentada uma situação hipotética acerca dos segurados da previdência social, seguida de uma assertiva a ser julgada. 01 Paulo, advogado, é aposentado por

Leia mais