notas de aula funções de várias variáveis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "notas de aula funções de várias variáveis"

Transcrição

1 notas de aula de unções de várias variáveis ciências uema Elaborada por : aimundo Merval Morais Gonçalves Licenciado em Matemática/UFMA Proessor Assistente/UEMA Especialista em Ensino de Ciências/UEMA São Luís Ma AGOSTO / 011

2 ÍNDICE 1 Funções de várias variáveis 03 p Limites e Continuidade 07 3 Derivadas Parciais 10 4 egra da Cadeia 15 5 Derivadas Parciais Direcionais 0 6 Plano Tangente e eta Normal 4 7 Pontos Etremos Máimos e Mínimos 6 8 Máimos e Mínimos estritos 9 9 Integrais Duplas 3 10 Integrais Triplas Coordenadas Polares 44

3 3 FUNÇÕES DE VÁIAS VAIÁVEIS 1 INTODUÇÃO Vamos estender o conceito de unção a unções de mais de uma variável independente Tais unções ocorrem requentemente em situações práticas Por eemplo, a área aproimada da superície do corpo de uma pessoa depende do seu peso e altura O volume de um cilindro circular reto depende de seu raio e a altura De acordo com a lei do gás ideal, o volume ocupado por um gás coninado é diretamente proporcional à sua temperatura e inversamente proporcional à sua pressão O custo de um determinado produto pode depender do custo do trabalho, preço de materiais e despesas gerais Para ampliar o conceito de unção a unções de um número qualquer de variáveis, precisamos primeiro considerar pontos num espaço numérico n-dimensional Da mesma orma que denotamos um ponto em por um número real, um ponto em por um par ordenado de números reais (, ) e um ponto em 3 por um tripla ordenada de números reais (,, z ), um ponto do espaço n- dimensional, n, é representado por uma ênupla de números reais, sendo comumente denotado por P ( 1,, 3,, n ) FUNÇÕES DE DUAS VAIÁVEIS DEFINIÇÃO : Uma unção de duas variáveis reais a valores reais é uma unção ƒ : A B, onde A Uma tal unção associa a cada par (, ) A, um único número ƒ(, ) O domínio é todo o plano ou parte dele EXEMPLOS : a) ƒ(, ) b) g(, ) c) z OBSEVAÇÃO : Quando os valores de uma unção são dados por uma órmula e não descrevemos eplicitamente o Domínio da unção, admitimos que o domínio consista de todos os pontos (, ) para os quais a órmula é deinida 1 GÁFICO O gráico de uma unção ƒ(, ) é uma superície que representa o conjunto de pontos (,, z ) 3 para os quais (, ) ( domínio) e z ƒ(, )

4 4 CUVAS DE NÍVEL A representação geométrica de uma unção de duas variáveis não é tarea ácil Então quando se pretende ter visão geométrica da unção, utiliza-se as suas curvas de nível, por ser mais ácil de se obter a sua representação geométrica Uma curva de nível de uma unção ƒ(, ) é a curva ƒ(, ) c ( c cte ) no plano, logo a curva de nível consiste dos pontos (, ) onde a unção tem valor c 3 FUNÇÕES DE TÊS VAIÁVEIS DEFINIÇÃO : Uma unção de três variáveis reais, deinida em A 3, é uma unção que associa, a cada terno (,, z ) A, um único número real w ƒ(,, z ) O domínio é todo o 3 ou parte dele EXEMPLOS : a) ƒ(,, z ) z b) g(,, z ) z 3 c) w 3z 3 1 SUPEFÍCIES DE NÍVEL O gráico de uma unção de três variáveis é um subconjunto do espaço de quatro di - mensões e, como tal, não temos a possibilidade de representá-lo em um desenho Dizemos que se trata de uma hipersuperície de 4 De modo geral, o gráico de uma unção ƒ : A, onde A n é uma hipersuperície do espoco n 1 Como já oi dito não é possível visualizar o gráico de uma unção de três variáveis, pois o gráico é em 4 dimensões Em vez disso, consideramos suas Superícies de Nível Uma superície de nível de ƒ(,, z ) é uma superície ƒ(,, z ) c no 3, onde a unção tem valor constante EXECÍCIOS POPOSTOS 1 Seja a unção deinida por ƒ(, ) 1 3 Determine : a) Domínio de ƒ ; b) ƒ( 1, 4 ) c) ƒ( 0, 9 ) d) ƒ( 1, 1 ) Determinar as superícies de nível da unção w z Dar eemplos de três pontos pertencentes ao gráico de w 3 Determinar o domínio e descrever o mesmo das unções : a) ƒ(, ) ln ( ) b) ƒ(, ) 4 c) ƒ(,, z ) ln ( z ) d) ƒ(, ) 1

5 5 LISTA DE EXECÍCIOS 1 Encontrar uma unção de várias variáveis que nos dê : a) O volume de água necessário para encher uma piscina redonda de metros de raio e metros de altura b) A temperatura nos pontos de uma esera, se ela, em qualquer ponto, é numericamente igual a distância do ponto ao centro da esera Seja a unção g(, ) Calcule a imagem dos pontos abaio a) P( 3, 5 ) b) M( 4, 9 ) c) T(, 4 4 ) ; 5 3 Esboce o gráico das unções abaio : a) ƒ(, ) 4 b) g(, ) c) h(, ) 5 d) ƒ(, ) 1 4 Encontre o domínio e conjunto imagem das unções de duas variáveis abaio a) ƒ(, ) 1 b) g(, ) ln ( 1) c) z d) g(, ) e) ƒ(, ) e g) h(, ) 9 5 Trace algumas curvas de nível das unções abaio: a) ƒ(, ) b) g(, ) c) ƒ(, ) sen d) z e) h(, ) 9 6 Encontre o domínio das unções abaio : a) ƒ(,, z ) z b) g(,, z ) ln ( 4) c) ƒ(,, z ) 1 z d) ƒ( r, s, v, p ) rs tg v 4sv 1 e) h(, ) 9 ) h(,, z ) 5

6 6 7 Dada a unção h(, ) 5 a) Determine o seu domínio e o represente no plano ; b) Escreva a equação da curva de nível c 4 e a represente no plano 8 A temperatura do ponto P(, ) de uma chapa é dada por T(, ) 6 Determine a equação da isoterma que passa pelo ponto A( 1, 4 ) e a represente no plano 10 9 O potencial elétrico em uma região do plano é dado por V(, ) volts) (V é medido em a) Qual é o lugar geométrico dos pontos cujo potencial é 30 volts? b) Determine a curva equipotencial que passa pelo ponto P( 1, 1 ) 10 Seja (, ) 3 a receita de vendas de dois produtos de qualidades e Esboce o gráico dos (, ) para os quais 10, tal curva é chamada em Economia de iso receita 11 Sejam e as quantidades vendidas de dois produtos, cujos preços unitários são $ 10,00 e $ 30,00 respectivamente a) Determine a unção receita (, ) ; b) Calcule ( 0, 40 ) ; c) epresente graicamente os pares para os quais $ 100,00 b) $ 1400,00 1 Seja ƒ(, ) 3 Calcule: a) ƒ( 1, 1 ) b) ( h, ) h (, ) a ) 1 e b) 3 13 Considere a unção ƒ dada por ƒ(, ) 1 a) Determine o conjunto domínio e o conjunto imagem da unção ; b) Esboce algumas curvas de nível da unção 14 Hughes 99 A temperatura ajustada pelo ator vento( sensação térmica ) é a temperatura que você sente como resultado da combinação do vento e da temperatura, conorme tabela a) Se a temperatura é de 0º C e a velocidade do vento é de 15 km/h, que temperatura você sente? b) Se a temperatura é de 35º C e a velocidade do vento é de 15 km/h, que temperatura você sente?

7 7 15 Hughes 306 Esboce um diagrama de curvas de nível correspondente à unção C ( d, m ) 40d 0,15m Inclua curvas de nível com os valores C 50, C 100, C 150 e C Hughes 306 A igura abaio representa as curvas de nível da unção z ƒ(, ) A unção z é crescente ou decrescente em relação à variável? E em relação à variável?

8 8 LIMITES E CONTINUIDADE 1 INTODUÇÃO Enquanto um ponto variável num eio coordenado pode se aproimar de um ponto io o por apenas dois sentidos, um ponto variável (, ) num plano coordenado pode se aproimar de um ponto io P( o, o ) por um número ininito de caminhos DEFINIÇÃO : Dizemos, que o limite de ƒ(, ) é o número L e escrevemos lim ) (, P (, ), desde que o valor de ƒ(, ) da unção em (, ) tende a L, quando (, ) tende a ( o, o ) sobre todos os caminhos que estão no domínio de ƒ ou seja : L lim (, ) L P para todo ε > 0, eiste δ > 0 tal que, para todo (, ) D ƒ, (,) 0 < ( ) ( < δ ƒ(, ) L < ε o o ) 1 1 POPIEDADES Se lim (, ) L P e lim g(, ) M (,) P, então: (,) a),) P lim ( ( ƒ g ) L M b) lim (,) P (ƒ g) L M c),) P lim ( ( ƒ g) L M d) lim (,) P k ƒ k L, onde k e) lim (,) P L g M, com M 0 1 EGA DOS DOIS CAMINHOS Há casos em que o limite de uma unção de duas variáveis não eiste, então nesta situação, para mostrar que o limite não eiste, utilizamos conjuntos particulares convenientes( caminhos ), dados geralmente por curvas que passem em ( o, o ) Se para dois caminhos dierentes para um mesmo ponto P resulta em dois limites dierentes, ou em um dos caminhos o limite não eiste, então esse tal limite não eiste EXECÍCIO POPOSTO : Mostre que o limite lim P (0,0) não eiste

9 9 CONTINUIDADE DEFINIÇÃO : Uma unção ƒ(, ) é Contínua em um P( o, o) D ƒ, se e somente se, lim (,) P ƒ(, ) ƒ( o, o), ou seja: a) ƒ é deinida em ( o, o) ; b) lim (,) P ƒ(, ) eiste e c) lim (,) P ƒ(, ) ƒ( o, o) EXECÍCIO POPOSTO : Veriique se a unção ƒ(, ) é contínua no ponto P( 1, ) Se ƒ or contínua em todos os pontos de um subconjunto A de D ƒ, então ƒ é contínua em A Se ƒ e g orem unções contínuas em um ponto P( o, o) que pertencem a seus domínios, então ƒ g, ƒ g, ƒ g e, com g 0, também serão contínuas nesse ponto g Se z ƒ(, ) or uma unção contínua de e e w g( z ) or uma unção contínua de z, então a composta w g(ƒ(, ) é contínua Se unção pode possui uma descontinuidade evitável ( ou não essencial ), então é possível redeinir a unção, obtendo assim uma unção contínua EXECÍCIO POPOSTO : As unções, são descontínuas na origem Determine se a descontinuidade é removível ou não Se a descontinuidade or removível, redeina ƒ( 0, 0 ), de tal modo que a nova unção seja contínua na origem a) G(, ) b) ƒ(, ) 3 c) g(, ) 4

10 10 LISTA DE EXECÍCIOS 1 Determine os limites, caso eistam a) lim p (,1) ( 4 ) b) lim P ( 5,3) 3 c) lim p (1,4) d) 3 lim e e) P (0,0) lim e ) lim z 1 P (0,ln ) P (1,3,4) g) lim P (0,0) e sen h) lim P (0,0) i) lim P (0,0) j) lim P (1,1) l) lim P (0,0) 3 1 m) lim P (1,) 4 5 Mostre pela deinição que lim ( 3 4 ) 1 P (3,) 3 Determine o conjunto no qual a unção é contínua a) ƒ(, ) ln ( 1 ) b) g(, ) c) ƒ(,, z ) tg z 5 d) ƒ(, ) 1 e) h(, ) sen ) F(, ) arc sec ( ) 4 Para cada item abaio φ g o ƒ, determine o conjunto de pontos para os quais a unção resultante é contínua a) ƒ(, ) z tg e g( z ) z 1 b) ƒ(, ) w ln e g( w ) e w 5 Dada a unção ƒ(, ) seja contínua em P (, ) 10, k, se se (, ) (, ) (,) (,), determine o valor de k, para que ƒ k 8

11 11 DEIVADAS PACIAIS 1 INTODUÇÃO Podemos aplicar o cálculo de derivadas de Função a uma variável para uma Função de duas variáveis Podemos, por eemplo, tomar ou constante e considerar ƒ(, ) como uma unção da outra variável As derivadas das unções resultantes são denominadas Derivadas Parciais DEFINIÇÃO 1 : A derivada parcial de ƒ(, ) em relação a é obtida, tomando-se como constante e derivando-se em relação a, ou seja: lim 0 (, ) (, ) DEFINIÇÃO : A derivada parcial de ƒ(, ) em relação a é obtida, tomando-se como constante e derivando-se em relação a, ou seja : lim 0 (, ) (, ) Na maioria dos casos, não temos que calcular os limites acima, para determinar as deriva - das parciais da unção Ao invés disso, utilizamos as regras de derivação de unções de uma variável EXECÍCIO POPOSTO : Calcule as derivadas parciais das unções abaio: a) ƒ(, ) 3 b) ƒ(, ) sen( ) OBSEVAÇÃO : Se a unção possui três variáveis ou mais variáveis o procedimento para cálculo das Derivadas Parciais é análogo ao cálculo para unções de duas variáveis EXECÍCIOS POPOSTOS 1 Encontrar as derivadas parciais das seguintes unções a) ƒ(,, z ) z z b) g(,, z, r, t ) r z t r t z r t Seja a unção abaio, calcule as derivadas parciais ƒ(, ), 0, se se (, ) (0, 0) (, ) (0, 0)

12 1 DEIVADAS PACIAIS DE ODEM SUPEIO Se ƒ é uma unção de duas variáveis, então, em geral, suas derivadas parciais de 1ª ordem são, também, unções de duas variáveis Se as derivadas dessas unções eistem, elas são chamadas derivadas parciais de ª ordem de ƒ Para uma unção z ƒ(, ) temos quatro derivadas parciais de ª ordem Já vimos como encontrar as unções unções: e, então utilizando o mesmo procedimento, podemos encontrar as ƒ ƒ 3 ƒ ƒ ƒ EXECÍCIOS POPOSTOS : 1 Seja ƒ(, ) 3 5 Encontre as derivadas parciais até a ª ordem Seja a unção G(,, z ) ² ³ z ² ³ 4 z 5 Encontre as seguintes derivadas parciais de 3ª ordem : g, g z, g z, g z z 1 IGUALDADE DAS DEIVADAS PACIAIS TEOEMA : Se ƒ(, ) e suas derivadas parciais ƒ, ƒ, ƒ e ƒ orem deinidas numa região que contenha o ponto ( o, o) e orem contínuas nesse ponto, então : ƒ ( o, o) ƒ ( o, o) 3 DIFEENCIABILIDADE DEFINIÇÃO : Uma unção ƒ é dierenciável em um ponto ( o, o) D ƒ se as derivadas parciais ƒ e ƒ eistirem e orem contínuas neste ponto EXECÍCIO POPOSTO : Veriique se a unção ƒ(, ) ³ é dierenciável nos pontos do seu domínio Se or dierenciável, calcule o dierencial no ponto P( 1, ), utilizando a órmula : dz a b, onde a ƒ ( P ) e b ƒ ( P )

13 13 LISTA DE EXECÍCIOS 1 Stewart 917 O índice de sensação térmica W é a temperatura que se sente quando a temperatura real or T e a rapidez do vento( v ) e portanto podemos escrever W ƒ( T, v ) Baseando se nos dados da tabela abaio, Estime os valores de W r ( 15, 30 ) e W v ( 15, 30 ) e dê uma interpretação para os resultados Aplique a deinição para encontrar as derivadas parciais de 1ª ordem das unções abaio : a) ƒ(, ) 3 ² ² b) g(, ) Determine as derivadas parciais das unções abaio : a) ƒ(, ) b) ƒ(, ) ( 3 ) c) ƒ(, ) sen 3 cos d) ƒ(, ) e sen e) ƒ( u, v ) u v e ) ƒ(, ) e ln g) ƒ(, ) cos( ) h) ƒ( r, s, t ) r e s cos t i)ƒ(,, z ) e z e z e j) ƒ(,, z ) z e z l) ƒ(, ) sec ( ) m) ƒ( u, v, w, ) ln (u v w ) 4 Seja ƒ(, ) e a, 0, se se (, ) (, ) (0, (0, 0) 0), encontre as derivadas parciais da unção ƒ em relação a 5 Considere a unção ƒ(, ) 3 Calcule : a) ƒ ( 3, ) b) ƒ ( 3, ) 6 ; O volume de cone circular reto de altura h com raio r é V( r, h ) π 3 r h Qual é a taa de variação do volume em relação ao raio quando r m e h 6m? 8π m ³

14 14 7 Uma placa de metal aquecida em um plano de modo tal que a temperatura T no ponto (, ) é dada por T(, ) 10( ) Determine a taa de variação de T em relação à distância no ponto P( 1, ) na direção do eio dos e na direção do eio dos 00 ; Encontre a inclinação da reta tangente à curva z 6, resultante da interseção de z ƒ(, ) com, no ponto P(, 1, 1 ) 9 Encontre a inclinação da reta tangente à curva z 5 1, resultante da interseção de z ƒ(, ) com 1, no ponto P(, 1, 6 ) 10 Seja C o traço do parabolóide z 9 no plano 1 Determine a equação da tangente a C no ponto P( 1,, 4 ) 1 z Suponha que, em um dia, quando operários constituem a orça de trabalho e são usadas máquinas, um abricante produza ƒ(, ) mesas onde : ƒ(, ) 4 3 ; 4 5 e 3 10 a) Ache o número de mesas produzidas em 1 dia que compareceram 10 operários e oram usadas 5 máquinas b) Determine ƒ ( 10, 5 ) ; c) Determine ƒ ( 10, 5 ) ; d) Interprete os resultados dos itens b e c ; 375 ; 40 ; 70 1 A temperatura de um ponto qualquer de uma chapa de aço é dada por T(, ) 4 ( T em Celsius, e em metros ) a) Determine a equação da isoterma que passa no ponto P( 0, 1 ) ; b) Determine as taas de variação na direção dos eios coordenados e, no ponto P(, 1 ) ; c) Com relação ao item anterior, em qual direção a temperatura da chapa aumenta mais rapidamente 4º C ; 8º C ; eio 13 Anton 957 De acordo com a lei dos gases ideais, a pressão, a temperatura e o volume de um gás estão relacionados por P kt, onde k é a constante de proporcionalidade Suponha que V seja medido em polegadas cúbicas( pol 3 ), T seja medido em kelvins( K ), e que para um certo gás a constante V de proporcionalidade( k 10 pol/k )

15 15 a) Determine a taa de variação instantânea da pressão em relação à temperatura se a temperatura or 80 K e o volume permanecer constante em 50 pol 3 b) Determine a taa de variação instantânea do volume em relação à pressão se a pressão or 16 lb/pol e a temperatura permanecer constante em 80 K 14 Calcule as derivadas de ª ordem das unções abaio: a) ƒ(, ) 4 5 b) ƒ(, ) 3 ² 5 ² ² c) ƒ(, ) ln ( 3 ) 15 Seja ƒ(, ) 3 4, encontre: a) ƒ (, 1 ) b) ƒ (, 1 ) c) ƒ (, 1 ) 16 Seja g(, ) 3 e - 4, encontre g ( 0, ) 1 ; 3 ; Calcule ƒ, ƒ z e ƒ z para ƒ(,, z ) e 3 sen( 4z ) 18 Seja um tanque cilíndrico a ser construído em chapa galvanizada Encontre o aumento aproimado de seu volume quando o raio aumenta de 3m para 3,05 e sua altura de 10 m para 10,1 m 3,9π m ³ 19 Sabe-se que certa unção z ƒ(, ) é tal que ƒ( 1, ) 3 e suas derivadas satisazem ƒ ( 1, ) e ƒ ( 1, ) 5, aça uma estimativa razoável para ƒ, U 0 A energia consumida num resistor elétrico é dada por P watts Se U 10 volts e 1 ohms, calcular um valor aproimado para a variação de energia quando V decresce de 0,001 volts e aumenta de 0,00 ohms 0,w 1 Um recipiente de metal, echado, na orma de um cilindro circular reto, tem sua altura interna de 6cm, um raio interno de cm, e uma espessura de 0,1 cm Se o custo do material a ser usado é de $ 1,50 por centímetro cúbico Ache por dierenciais o custo aproimado do metal que será empregado na produção do recipiente $ 15,07 Stewart 94 Utilizando a tabela do eercício 1, da página 1, determine a aproimação linear para a sensação térmica W ƒ( T, v ) quando T está próimo de 15 º C e v está próimo de 30 km/h Use essa estimativa do índice de calor quando T 17 ºC e v 33 km/h

16 16 EGA DA CADEIA 1 INTODUÇÃO No estudo de unções de uma variável utilizamos a regra da cadeia para calcular a derivada de uma unção composta Vamos, também utilizar a regra da cadeia para o caso de unções de várias variáveis Inicialmente vamos trabalhar com unções de duas variáveis FUNÇÕES DE DUAS VAIÁVEIS 1 1º CASO : Se w ƒ(, ) tem derivadas parciais ƒ e ƒ contínuas e se, ( t ) e ( t ) são unções dierenciáveis em t, então a unção composta w ƒ( ( t ), ( t ) ) é uma unção dierencial de t e : dw ƒ [ ( t ), ( t ) ) ] ' ( t ) ƒ [ ( t ),( t ) ] ' ( t ) ou dt dw dt d dt d dt EXECÍCIOS POPOSTOS : 1 Sejam as unções ƒ(, ), ( t ) t 1 e ( t ) t 4 Encontre, utilizando a regra da cadeia d dt Qual é a derivada de G( t ) H( t 3, 5t ) em t 1, se H(, ) tem derivadas de 1ª ordem contínuas e H ( 1, 5) 4, H ( 1, 5)? 3 Seja a lei do gás ideal PV k T Encontre a taa segundo a qual a temperatura está variando no instante em que o volume do gás é 10m 3 e o gás está sob uma pressão de 8N/m se o volume está aumentando a uma taa de m 3 / s e a pressão está decrescendo a uma taa de 0,1 N /m por segundo Considere k 10 º CASO : Sejam w ƒ(, ), ( u, v ), ( u, v ) e w possui derivadas parciais de 1ª ordem contínuas então: w u u u e w v v v EXECÍCIOS POPOSTOS : 1 Sejam as unções ƒ( u, v ) u v 4, u(, ) e v(, ) Encontre as derivadas ƒ e ƒ em unção de e Sejam as unções ƒ(, ), ( r, s ) 3r s e ( r, s ) r s Encontre as derivadas ƒ r e ƒ s em unção de r e s

17 17 3 EGA DA CADEIA PAA FUNÇÕES DE TÊS VAIÁVEIS 31 1º CASO : Suponhamos que ƒ(,, z ) tem derivadas de 1ª ordem contínuas e que ( t ), ( t ), z z( t ) são unções dierenciáveis em t, então : d dt ƒ [( t ), ( t ), z( t )]'( t ) ƒ [( t ), ( t ), z( t )]'( t ) ƒ z [( t ), ( t ), z( t )]z'( t ) t d dt d dt dz z dt EXECÍCIO POPOSTO : Suponhamos que as derivadas parciais de ƒ(,, z ) sejam contínuas e que ƒ ( 1, 1, 1 ) 4, ƒ ( 1, 1, 1 ) 5, ƒ z ( 1, 1, 1 ) 6 Qual é a derivada d em t 1, se t, t 3 e z t? dt 3 º CASO : Se G ƒ(,, z ), ( u, v, w ), ( u, v, w ) e z z( u, v, w ), então possuem derivadas de 1ª ordem contínuas, então: G u u u z z u G v v v z z v G w w w z z w EXECÍCIOS POPOSTOS : 1 Sejam as unções G(,, z ) z, ( r, s ) r, ( r, s ) 3r s e z z( r, s ) s Encontre as derivadas G r e G s Calcule F ( 0, 0, 0 ), F ( 0, 0, 0 ), F ( 0, 0, 0 ) e F z( 0, 0, 0 ), sendo F(,, z ) (,, z) L( 0, 0, 0 ) 9, L ( 0, 0, 0 ) 5, L ( 0, 0, 0 ) 4 e L z ( 0, 0, 0 ) ; ; ; 6 3 L e 4 DEIVAÇÃO IMPLÍCITA No estudo das unções de uma variável, vimos que uma unção ƒ(, ) é deinida implicitamente pela equação F(, ) 0 se ao substituirmos por ƒ( ), essa equação se transorma numa identidade

18 18 EXECÍCIO POPOSTO : A equação 1, deine implicitamente a unção 1 ², logo F(, ) 0 é uma identidade Do mesmo modo, dizemos que uma unção z ƒ(, ) é deinida implicitamente pela equação F(,, z ) 0 se, ao substituirmos z por ƒ(, ), essa equação se reduz a uma identidade 41 DEIVADAS PACIAIS DE UMA FUNÇÃO IMPLÍCITA z ƒ(, ) Seja a equação F(,, z ) 0, onde F é uma unção implícita de duas variáveis ( e ), tal que z ƒ(, ), para todo (, ) D ƒ, então : z F F z (, (,, z), z) z F F z (, (,, z), z) EXECÍCIO POPOSTO : Encontre as derivadas parciais da unção F(,, z ) z 4 z 3 0, onde z ƒ(, ) 4 DEIVADA DAS FUNÇÕES ( ) e z z( ) DEFINIDAS IMPLICITAMENTE PO F(,, z) 0 G(,, z) 0 Suponhamos que as unções dierenciáveis ( ) e z z( ) sejam deinidas implicitamente pelo sistema F(,, z) 0, onde F e G são unções dierenciáveis G(,, z) 0 d dz Para obter as derivadas e, basta derivarmos as equações F e G em relação a d d, utilizando-se para isto a egra da Cadeia, ou seja : F d d G d d F d d G d d F z dz d G dz z d 0 0 EXECÍCIO POPOSTO : Sejam as unções ( ) e z z( ) deinidas pelo sistema z d dz, com z > 0, encontre e d d

19 19 LISTA DE EXECÍCIOS 1 Seja ƒ(, ) sen( ), ( t ) t 5 e ( t ) t 3, encontre d dt Seja ƒ(, ) ln ( ), ( u, v ) u e v e ( u, v ) u v 3, encontre ƒ u e ƒ v 3 Calcule g( ) e ƒ ( 8, 16 ) 7 dg ( ), para g( t ) ƒ( t 3, t 4 ), onde ƒ( 8, 16 ) 3, ƒ ( 8, 16 ) 5 e dt 3; Encontre dw, quando w z, e t cos t, e t sen t, z e t dt 5 Determine W u, se W, u v, v e u e dê a resposta em unção de e 6Determine W v, quando u 0, v 0, se W ( ) 4 ( ) 3, u v 1 e u v 7 As dimensões de um sólido com orma de paralelepípedo, num determinado instante t o, são : L( t o ) 13cm ( comprimento ), W( t o ) 9cm ( largura ) e H( t o ) 5cm( altura ) Se L e H crescerem à razão de cm/s e W decrescer à 4cm/s Determine as taas de variação do volume e da área total no instante t o 64 ; Zero 8 Uma unção z z(, ) é deinida pela equação z 5 z 6 e pela condição z( 1,1 ) 1 Calcule z ( 1, 1 ) e z ( 1, 1 ) 1 ; 1 9 Seja g( t ) ƒ ( 3t, t 1 ) a) Encontre g'( t ) b) Calcule g'( 0 ), admitindo ƒ ( 0, 1 ) Mostre que z u z v 0, se z ƒ( u v, v u ) b) 1 dz 11 Se z e sen t, cos t, achar, utilizando a regra da cadeia Veriicar o resulta- dt do substituindo e pelos seus valores antes de derivar 1 Se u t z e 1 t, 1 t 3, z 1 t 4, achar du dt

20 0 13 Um ponto móvel se desloca sobre a curva interseção da superície z com o plano 0 Achar as velocidades com que crescem e z no instante em que 3 Sabendo que neste instante cresce com uma velocidade de duas unidades por segundo Qual a velocidade do móvel? 4 ' ; z' ; v 4, Em um cilindro o raio da base decresce à razão de 0,1 dm/s e a altura de 0, dm/s com que velo - cidade decresce o volume no momento em que o raio é igual a 4dm e a altura igual a 6dm? 8π dm³ / s 15 Num instante genérico t, as coordenadas de um ponto móvel P, são : 3 t, 3t Achar a velocidade angular do raio vetor OP quando t 1s 1 rad / s 16 Sejam ƒ(, ) 3, 3t e t 1 Calcule g''( t ), utilizando a regra da cadeia, sendo g( t ) ƒ(, ) 17 Supondo que as unções dierenciáveis ( ) e z z( ), z > 0, sejam deinidas implicitamente pelo sistema dado, determinar as derivadas d dz e d d z z 4 18 Sejam ƒ(, ) 3, 3t e t 1 Calcule g''( t ), utilizando a regra da cadeia, sendo g( t ) ƒ(, ) 19 Seja z ƒ( u v, v u ) onde ƒ(, ) é de classe C ² num aberto de ² Epresse z u u em termos de derivadas parciais de ƒ, utilizando regra da cadeia 0 Stewart931 A pressão P ( Kpa ), o volume V( litros ) e a temperatura T( K ) de um mol de um gás ideal estão relacionados por meio da órmula PV 8,31T Determine a taa de variação da pressão quando a temperatura é de 300K está aumentando com a taa de 0,1 K/s e o volume é de 100l está aumentando com a taa de 0, l/s

21 1 DEIVADAS DIECIONAIS 1 INTODUÇÃO A derivada em relação a ( ƒ ) e a derivada em relação a ( ƒ ), só nos dizem as taas de variação de ƒ(, ), quando (, ) se desloca paralelamente aos eios dos ou dos Para se ter um completo conhecimento da unção, precisamos saber suas taas de variação, quando (, ) se desloca em outras direções Tais taas de variação são chamadas Derivadas Direcionais A derivada direcional de ƒ, a partir de um ponto P( o, o ) é determinada pela reta orientada ( r ) que orma com o eio- um ângulo α 11 DEFINIÇÃO : Se ƒ(, ) é dierenciável no ponto P( o, o ) então ƒ(, ) tem derivadas direcionais neste ponto em qualquer direção e vale : ƒ α ( o, o ) ƒ ( o, o ) cos α ƒ ( o, o ) sen α Podemos determinar a direção de uma reta r através do seu vetor diretor u ou então do seu versor ( v ), portanto podemos escrever que : ƒ u ( o, o ) D u ƒ( o, o ) ƒ ( o, o ) a ƒ ( o, o ) b, onde v a i b j EXECÍCIO POPOSTO : Encontre a derivada direcional da unção ƒ(, ) 4 ² ² em P( 1, ), sendo α 60º VETO GADIENTE DEFINIÇÃO : Chama-se Gradiente de ƒ(, ) no ponto ( o, o ) e é representado todo por grad ƒ( o, o ) ou ƒ( o, o ), o vetor : ƒ( o, o ) ƒ ( o, o ) i ƒ ( o, o ) j EXECÍCIO POPOSTO : Seja a unção g(, ) 4² ² Encontre o vetor gradiente da unção no ponto A(, 3 )

22 A órmula para encontrar uma derivada direcional pode ser escrita em unção do Vetor Gradiente e do versor( v ) do vetor diretor da reta, ou seja : ƒ u ( o, o ) ƒ( o, o ) v 1 POPIEDADES DO GADIENTE Seja ƒ dierenciável no ponto (, ) 1ª : Se grad ƒ (, ) 0, então D u ƒ(, ) 0, para todo u ; ª : A direção de crescimento máimo de ƒ é dada por ƒ(, ) O valor máimo de D u ƒ(, ) é ƒ(, ) 3ª : A direção de crescimento mínimo de ƒ é dada por ƒ(, ) O valor mínimo de D u ƒ(, ) é ƒ(, ) 3 DEIVADA DIECIONAL E VETO GADIENTE PAA FUNÇÕES DE TÊS VAIÁVEIS Para as unções de três variáveis temos que a derivada direcional é dada por : ƒ u ( o, o, z o ) ƒ ( o, o, z o ) cos α ƒ ( o, o, z o ) cos β ƒ z ( o, o, z o ) cos γ, onde : cos α, cos β e cos γ são os cossenos diretores da reta r : Utilizando as coordenadas do vetor diretor da reta temos : ƒ u ( o, o, z o ) ƒ ( o, o, z o ) a ƒ ( o, o, z o ) b ƒ z ( o, o, z o ) c, onde v ( a, b, c ) ou ƒ u ( o, o, z o ) ƒ( o, o, z o ) v, onde v é o versor de u O vetor gradiente para unção de três variáveis é calculado através da epressão : ƒ ƒ i ƒ j ƒ z k EXECÍCIOS POPOSTOS 1 Seja a unção ƒ(,, z ) ² ² 4z, encontre a derivada direcional e o vetor gradiente de ƒ no ponto B(, 1, 1 ) Stewart 949 A temperatura T em uma bola de metal é inversamente proporcional à distância do centro da bola, que tomamos como sendo a origem A temperatura no ponto P( 1,, ) é de 10º a) Determine a taa de variação de T em P( 1,, ) em direção ao ponto T(, 1, 3 ) b) Qual é a direção de maior crescimento da temperatura na bola?

23 3 LISTA DE EXECÍCIOS 1 Qual é a derivada de ƒ (, ) 3 no ponto P(, 1 ) na direção do vetor AB e B( 4, 3 )?, onde A( 3, 1) Calcule o gradiente da unção e a derivada direcional no ponto, na direção e no sentido indicados : 3 a) ƒ(, ) sen( ), em P, π, 4 1 u i j 5 5 b) ƒ(, ) e, em P (4, 3 ), u i 3 j π π π c) ƒ(,, z ) sen sen z z sen, em P,, 6 3, u i k 4 3 v i j, então, quan ; Se D uƒ( 1, ) para u i j e D vƒ( 1, ) 0 para to valem ƒ ( 1, ) e ƒ ( 1, )? 4 Determine a direção segundo a qual ƒ decresce mais rapidamente a partir de P( 1, 1 ) e a razão de variação de ƒ nessa direção sendo ƒ(, ) 5 Quais as duas direções em que a derivada de ƒ(, ), no ponto P(, 5 ), é nula? 6 Calcule a derivada direcional de ƒ(, ) 3 no ponto P( 1, 1 ) e na direção da reta tangente à curva no ponto P, no sentido dos crescentes Achar as derivadas direcionais das seguintes unções no ponto dado e segundo a direção indicada Achar ainda o módulo e a direção do gradiente no mesmo ponto a) z ; P(, 1 ) e α 60º b) z ln ; P(, 1 ) e α 30º c) w z ; P( 1,, 3 ) na direção da reta determinada pelos pontos P( 1,, 3, ) e Q( 3, 5, 0 ) d) w z z ; P( 1, 1, 1 ) e α 60º, β 45º e γ 60º e) z 3 ; P( 1, 1 ) na direção da tangente à parábola, no sentido positivo

24 ( E V ) no ponto P(, 3 ) 0, Seja T a epressão da temperatura de um disco metálico, no ponto (, ) relativamente a um sistema cartesiano com a origem no centro do disco Achar a razão de variação da temperatura no ponto P(, 1 ), na direção α que az um ângulo de 30º o eio dos Achar o gradiente da temperatura no mesmo ponto 0, Um potencial elétrico é dado pela órmula V Achar a intensidade do campo elétrico π 10 Calcule a derivada direcional da unção ƒ(, ) sen( ) no ponto P 1, e na direção : a) do eio dos b) do vetor i j c) em que ela é máima ; 4 ; 5 11 Uma partícula que procura o calor está localizada no ponto P(, 3 ) de uma placa lisa de metal, cuja temperatura em um ponto (, ) é : T(, ) 10 8 Determine uma equação para a trajetória da partícula se ela se mover se continuamente na direção do aumento máimo da temperatura

25 5 PLANO TANGENTE E ETA NOMAL 1 PLANO TANGENTE E ETA NOMAL As retas normais são muito importantes na análise de superícies e sólidos Por eemplo, considere a colisão de duas bolas de bilhar Quando uma bola em repouso é atingida em um ponto P de sua superície, ela se movimenta ao longo da reta de impacto determinada pelo ponto P e pelo centro da bola Essa reta de impacto é a reta normal à superície da bola no ponto P No processo de achar uma reta normal a uma superície, seremos capazes, também, de re - solver o problema de encontrar um plano tangente à superície DEFINIÇÃO : Seja F dierenciável no ponto P ( o, o, z o ) de uma superície S dada por F(,, z ) 0, onde F( o, o, z o ) 0 1 O plano contendo P e perpendicular a em P ; F( o, o, z o ) é chamado de plano tangente de S A reta contendo P e contendo a mesma direção que F( o, o, z o ) é chamada de reta normal ou perpendicular a S em P ; 11 EQUAÇÃO DO PLANO TANGENTE Seja F dierenciável no ponto P ( o, o, z o ) então a equação do plano tangente à superície S dada por F(,, z ) 0, em ( o, o, z o ) é : F ( P ) ( o ) F ( P ) ( o ) F z( P ) ( z z o ) 0 EXECÍCIO POPOSTO : Seja ƒ(, ) 3 Determine as equações do plano tangente no ponto P( 1,, 5 ) 1 EQUAÇÕES DA ETA NOMAL Seja F dierenciável no ponto P ( o, o, z o ) então as equações da reta normal ao plano tangente da superície S dada por F(,, z ) 0, em ( o, o, z o ) são : z z o o o λ λ λ F F F z ( ( ( P P P ) ) ) EXECÍCIOS POPOSTOS 1 Encontre a equação da reta normal ao gráico de ƒ(, ) 4, no ponto P( 1, ) Determine as equações do plano tangente e a reta normal à superície G(,, z ) 3z 4 no ponto P( 1,, 1 ) OBSEVAÇÕES : 1 O plano tangente é normal A reta normal é paralela a F em P F em P

26 6 LISTA DE EXECÍCIOS 1 Para cada unção abaio, encontre a equação do plano tangente e da reta normal no ponto indicado : a) ƒ(,, z ) 3 3 z 76 em P( 1,, 3 ) b) ƒ(, ) 3, em P(, 1 ) c) z 3 z 3 3z, em P( 1, 1, ) d) g(, ) ³, em P(, ) e) z 108, em P(, 1, 3 ) Determine os pontos da hiperbolóide 4z 16 em que o plano tangente é paralelo ao plano 4 4z 5 3 Para cada uma das superícies abaio, encontre a equação de um vetor perpendicular à superície no ponto P indicado 1 1 a) z 9 ; P( 1,, ) b) z ; P,1, c) z 0 ; P(, 3, 6 ) 4 Encontre a equação das retas que passam pela origem e são normais à superície z 0 e z 1 5 Achar a equação do plano tangente e as equações da reta normal do cone z no ponto P( 3, 4, 5 ) 6 Achar a equação do plano tangente e as equações da reta normal para a parabolóide z no ponto P(, 3, 6 ) 7 Achar os pontos da superície z 4 6 9, em que o plano tangente é paralelo ao plano O P(, 3, 4 ) 8 Obtenha as equações paramétricas da reta tangente à curva de interseção do parabolóide z e o elipsóide 3 z 9 no ponto P( 1, 1, ) espostas : 5 r : 3 6λ ; 4 8λ ; z 5 10λ e π : 3 4 5z π : 3 z 6 0 e r : 3λ ; 3 λ ; z 6 λ 8 r : 1 6λ ; 1 7λ ; z λ

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática DISCIPLINA: CALCULO B UNIDADE III - LISTA DE EXERCÍCIOS Atualizado 2008.2 Domínio, Imagem e Curvas/Superfícies de Nível y2 è [1] Determine o domínio

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA Prof. Francisco Leal Moreira / SUMÁRIO. FUNÇÕES DE DUAS VARIÁVEIS.. FUNÇÕES HOMOGÊNEAS.. CURVAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática 3 a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 241

Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática 3 a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 241 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Matemática a Lista de exercícios de Cálculo III - MAT 41 1. Calcule, se existirem, as derivadas parciais f f (0, 0) e (0, 0) sendo: x + 4 (a) f(x, ) = x,

Leia mais

2. Funções. Definição: Uma função matemática é uma relação entre dois conjuntos quaisquer que

2. Funções. Definição: Uma função matemática é uma relação entre dois conjuntos quaisquer que . Funções O conceito de unção está relacionado à idéia de associação de um elemento a outro, segundo uma regra especíica. Assim, por eemplo, podemos considerar o tamanho de uma população relacionado apenas

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013)

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) I N T E G R A L ac C Á L C U L O Prof. ADRIANO CATTAI 03 Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC DO VESTIBULR 0 D UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. Em de outubro de 0, Feli Baumgartner uebrou o recorde de velocidade em ueda livre. O salto foi monitorado oficialmente

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II

MAT2454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II MAT454 - Cálculo Diferencial e Integral para Engenharia II a Lista de Exercícios -. Ache os pontos do hiperboloide x y + z = onde a reta normal é paralela à reta que une os pontos (,, ) e (5,, 6).. Encontre

Leia mais

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3 1 Lista 2 de Cálculo Diferencial e Integral II Funções de Várias Variáveis e Diferenciação Parcial 1. Determine, descreva e represente geometricamente o domínio das funções abaixo: (a) f(x, y) = xy 5 x

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

3. Trace os gráficos das retas de equação 4x + 5y = 13 e 3x + y = -4 e determine seu ponto de intersecção.

3. Trace os gráficos das retas de equação 4x + 5y = 13 e 3x + y = -4 e determine seu ponto de intersecção. Assunto: Função MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA 67-000 - VIÇOSA - MG BRASIL a LISTA DE EXERCÍCIOS DE MAT 0 0/0/0. a) O que é uma unção? Dê um eemplo. b) O que é domínio

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes

NOTAS DE AULA. Cláudio Martins Mendes NOTAS DE AULA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS - DIFERENCIAÇÃO Cláudio Martins Mendes Segundo Semestre de 2005 Sumário 1 Funções de Várias Variáveis - Diferenciabilidade 2 1.1 Noções Topológicas no R n.............................

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados Capítulo 5 Máimos e Mínimos em Intervalos Fechados 5. Motivação Na Seção.., estudamos o problema da caia, onde queríamos montar uma caia recortando retângulos nos quatro cantos de uma lâmina de plástico

Leia mais

Capítulo V: Derivação 137

Capítulo V: Derivação 137 Capítulo V: Derivação 37 Esboço de gráicos: Para esboçar o gráico de uma unção deve-se sempre que possível seguir as seguintes etapas: Indicar o domínio; Determinar os zeros (caso eistam); Estudar a paridade;

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

11. Problemas de Otimização

11. Problemas de Otimização 11. Problemas de Otimização Nesta seção veremos vários eemplos de problemas cujas soluções eigem a determinação de valores máimos e/ou mínimos absolutos das funções que os representam. São chamados de

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

MA211 - Lista 09. Coordenadas Esféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 2015

MA211 - Lista 09. Coordenadas Esféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 2015 MA2 - Lista 9 Coordenadas sféricas e Mudança de Variáveis 7 de outubro de 25. Marque o ponto cujas coordenadas esféricas é (,, ) e encontre as coordenadas retangulares do ponto. 2. Mude o ponto (, 3, 2

Leia mais

Cálculo diferencial em IR n

Cálculo diferencial em IR n Cálculo diferencial em IR n (Eercícios) DMAT Abril 2003 1 Eercícios propostos 1.1 Funções de IR n em IR m Eercício 1 Determine os domínios das funções seguintes e represente-os graficamente. 2 + 2 9 ;

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco Lista de eercícios Trigonometria Problemas Gerais Prof ºFernandinho Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco 01.(Fuvest) Se é um ângulo tal que 0 < < 90 e sen =,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real Análise Matemática - 009/010 - Generalidades sobre unções reais de variável real.1-deinição e Propriedades De..1 Sejam A e B conjuntos, e uma correspondência de A para B, isto é um processo de associar

Leia mais

Problemas de O-mização. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html

Problemas de O-mização. Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Problemas de O-mização Material online: h-p://www.im.ufal.br/professor/thales/calc1-2010_2.html Roteiro para resolver problemas de o-mização 1. Compreenda o problema a) O que é desconhecido? b) Quais as

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 1 3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 3.3.1 Sistema de Coordenadas Tridimensionais Como vimos no caso do R, para localizar um ponto no plano precisamos de duas informações e assim um ponto P

Leia mais

01- Assunto: Matrizes. Dadas as matrizes A = e B =, calcule AB + A t.

01- Assunto: Matrizes. Dadas as matrizes A = e B =, calcule AB + A t. EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES - MATEMÁTICA - ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== - Assunto: Matrizes 5 Dadas as matrizes A

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

Lista 4. 2 de junho de 2014

Lista 4. 2 de junho de 2014 Lista 4 2 de junho de 24 Seção 5.. (a) Estime a área do gráfico de f(x) = cos x de x = até x = π/2 usando quatro retângulos aproximantes e extremidades direitas. Esboce os gráficos e os retângulos. Sua

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof.

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof. COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II Notas de aula de Matemática 3º ano/ensino Médio Prof. Andrezinho NOÇÕES DE GEOMETRIA ESPACIAL Notas de aula de Matemática Prof. André

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas Eercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas ) (ITA-004) Considere todos os números z = + i que têm módulo e estão na elipse + 4 = 4. Então, o produto deles é igual a 9 49 8 4 ) (VUNESP-00) A figura

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I Acadêmico(a): Turma: 9/ Capítulo : Funções Cálculo I. ANÁLISE GRÁFICA DAS FUNÇÕES.. EXERCÍCIOS Abaio estão representadas graficamente algumas funções. Analise cada uma dessas

Leia mais

MATEMÁTICA APLICADA FIGURAS PLANAS

MATEMÁTICA APLICADA FIGURAS PLANAS MATEMÁTICA APLICADA FIGURAS PLANAS Áreas e Perímetros de Figuras Planas Quadrado A = L x L A = L² Onde: A = Área (m², cm², mm²,...) L = Lado (m, cm, mm,...) P = Perímetro P = L + L + L + L P =. L Retângulo

Leia mais

PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 0 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouveia. O PIB per capita de um país, em determinado ano, é o PIB daquele ano dividido pelo número de habitantes.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

Mudança de Coordenadas

Mudança de Coordenadas Mudança de Coordenadas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 13 de deembro de 2001 1 Rotação e Translação

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Matematica Prof. Juan Carlos Vila Bravo Curitiba, 1 de Dezembro de 005 1. A posição de uma particula é dada por: r(t) = (sen t)i+(cost)j

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2 Número de pontos Dívida ($ bilhão) 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 010/ 1. A dívida pública dos EUA (em bilhões de dólares) para alguns anos encontra-se no gráfico abaio. 400 300 00 100 000 1900 1800

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2).

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2). MAT1157 Cálculo a uma Variável A - 2014.1 Lista de Exercícios 7 PUC-Rio Função afim: 1. (a) Qual é a inclinação de uma reta horizontal (paralela ao eixo-x)? (b) Qual é a expressão da função cujo gráfico

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2011 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Um varal de roupas foi construído utilizando uma haste rígida DB de massa desprezível, com

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples.

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ 4.O gráfico apresentado mostra a elongação em função do tempo para um movimento harmônico simples. Eercícios Movimento Harmônico Simples - MHS 1.Um movimento harmônico simples é descrito pela função = 7 cos(4 t + ), em unidades de Sistema Internacional. Nesse movimento, a amplitude e o período, em unidades

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici 8 C U RVA S 8.1 parametrização de curvas No Capítulo 3 estudamos as equações de uma reta no espaço e vimos que tal entidade geométrica pode ser representada pelas equações paramétricas: x r : z = a+v 1

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

(1) FÍSICA (2) (3) PROVA A 1

(1) FÍSICA (2) (3) PROVA A 1 FÍSICA 0 - O gráfico ao lado apresenta a superposição de três gráficos de uma grandeza (z) em função do tempo (t). A grandeza (z) pode representar: (0) no caso (), o espaço em um movimento uniforme. (0)

Leia mais

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas Capítulo 14 Derivação Implícita e Taxas Relacionadas 14.1 Introdução A maioria das funções com as quais trabalhamos até agora é da forma y = f(x), em que y é dado diretamente ou, explicitamente, por meio

Leia mais

Capítulo 8. Conservação do momento. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 8. Conservação do momento. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo 8 Conservação do momento Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Até agora consideramos o movimento de uma única partícula submetida à ação de uma força resultante. Esta descrição

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada

Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada Centro Federal de Educação Tecnológica Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Disciplina: Matemática Aplicada MATEMÁTICA APLICADA 1. SISTEMA ANGULAR INTERNACIONAL...2 2.

Leia mais

02 A prova PODE ser feita a lápis 03 - PROIBIDO o uso de calculadoras e similares 04 - Duração: 2 HORAS

02 A prova PODE ser feita a lápis 03 - PROIBIDO o uso de calculadoras e similares 04 - Duração: 2 HORAS UNIVESIDADE FEDEAL DE ITAJUBÁ CÁLCULO POVA DE TANSFEÊNCIA FACULTATIVA E PAA POTADO DE DIPLOMA DE CUSO SUPEIO // Candidato: Curso Pretendido: OBSEVAÇÕES: Prova SEM consulta A prova PODE ser eita a lápis

Leia mais

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CEFET/RJ - Cálculo a Várias Variáveis Professor: Roberto Thomé e-mail: rthome@cefet-rj.br homepage: www.rcthome.pro.br LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Seja f = 36 9x 2 4y 2. Então : (a) Calcule f, f(2, 0) e

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem:

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem: 46 c FÍSICA Um corpo de 250 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezível e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura abaixo. O atrito entre as

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Cinemática Unidimensional

Cinemática Unidimensional Cinemática Unidimensional 1 INTRODUÇÃO Na Cinemática Unidimensional vamos estudar o movimento de corpos e partículas, analisando termos como deslocamento, velocidade, aceleração e tempo.os assuntos que

Leia mais

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES

4.1 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES CAPÍTULO 4 67 4. MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL COM FORÇAS CONSTANTES Consideremos um bloco em contato com uma superfície horizontal, conforme mostra a figura 4.. Vamos determinar o trabalho efetuado por uma

Leia mais

2.1 Vetores e Escalares

2.1 Vetores e Escalares CAPÍTULO 17.1 Vetores e Escalares Uma partícula movendo-se ao longo de uma linha reta pode se deslocar em apenas dois sentidos. Podemos arbitrar o seu movimento como positivo em um destes sentidos e negativo

Leia mais

Capítulo 4. 4.1.1 O problema da caixa

Capítulo 4. 4.1.1 O problema da caixa Capítulo Funções e Gráficos. Motivação Vimos no capítulo anterior que problemas onde é necessário a determinação dos valores máimos e/ou mínimos de uma função aparecem comumente no nosso dia a dia e que,

Leia mais

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N Disciplina de Física Aplicada A 2012/2 Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa DINÂMICA FORÇA: LEIS DE NEWTON A partir de agora passaremos a estudar a Dinâmica, parte

Leia mais

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Matemáticas Gerais (Licenciatura em Geologia Caderno de eercícios (eercícios propostos e tabelas Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática CADERNO DE ATIVIDADES DESENVOLVIMENTO DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

Leia mais

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA ISSN 794 UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE º E º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA Valeria Ap. Martins Ferreira, Viviane Carla Fortulan Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo- USP. Professora da Faculdade de

Leia mais

Taxas Relacionadas. Começaremos nossa discussão com um exemplo que descreve uma situação real.

Taxas Relacionadas. Começaremos nossa discussão com um exemplo que descreve uma situação real. 6/0/008 Fatec/Tatuí Calculo II - Taxas Relacionadas 1 Taxas Relacionadas Um problema envolvendo taxas de variação de variáveis relacionadas é chamado de problema de taxas relacionadas. Os passos a seguir

Leia mais

Função Quadrática Função do 2º Grau

Função Quadrática Função do 2º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Quadrática 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 º Bimestre/13 Aluno(a): Número: Turma: Função Quadrática

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais