O processo do alto-forno e a produção de aço

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O processo do alto-forno e a produção de aço"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO Processos Industriais - Módulo Aço O processo do alto-forno e a produção de aço Prof. Armin Isenmann 1. O Ferro e suas ligas 1.1. História do ferro Ferro se conhece há 6000 anos, quando foi descoberto em meteoritos. Desde 3000 ante Cristo o ferro foi produzido pelo homem, por aquecimento de minérios junto ao carvão da lenha - semelhante ao processo moderno de hoje. A produção mundial de ferro e aço hoje é superior a 1000 milhões de toneladas por ano, desta forma o Fe representa o mais importante metal de uso técnico Propriedades físicas e químicas do ferro Ferro quimicamente puro é um metal de aparência prateada, é relativamente mole e dúctil e de considerável reatividade química. Por exemplo, é facilmente oxidado a Fe 2+ : ε 0 (a ph 0)= -0,4 V; ε 0 (a ph 14)= -0,88V). Sua densidade é de 7,873 g cm -3, ele existe em três modificações sólidas, funde a 1539 C e ferve a 3070 C. Fe-α (ccc) 906 C 1401 C 1539 C Fe-γ Fe-δ (cfc) (ccc) Fe fundido O ferro-α, igual ao Ni e Co, é ferromagnético. Sua temperatura de Curie é de 768 C, acima da qual perde o ferromagnetismo, ficando apenas o paramagnetismo. O magnetismo de ferro puro se perde após retirar o campo magnético externo. Certas ligas do ferro, porém, mantêm uma polarização permanente. Isto vale, por exemplo, para o aço onde se tem uma liga com carbono e outros metais. Antigamente, acreditava-se na formação de uma outra forma cristalina ("Fe-β") logo acima de 768 C, mas não: o Fe continua na modificação α até 906 C. O ferro dispõe do núcleo mais estável de todos os elementos. Isto explica, em partes, a abundância deste elemento no universo. Toda a matéria do universo tem a tendência de converter-se em ferro e níquel, por serem os elementos aproximadamente no meio de todos os elementos estáveis. Isso acontece ou por fusão dos núcleos mais leves, ou por cisão dos núcleos mais pesados. O ferro natural consiste dos isótopos e Fe (0,3%). Fe (5,8%), Fe (91,7%), Fe (2,2%) 1.3. O uso do ferro O ferro quimicamente puro tem relativamente pouca importância técnica, enquanto as ligas com carbono são bastante espalhadas na indústria, na construção civil, automobilística, etc. Os tipos mais importantes destas ligas são (para a discussão mais aprofundada das ligas Fe-C, ver p. 14): 1

2 Ferro fundido cinzento: contém segregações de grafita; é de dureza média, quebradiço, não amolece aos poucos, portanto não é possível transformá-lo por forjamento ou soldagem. É usado em artigos baratos de pequenas dimensões (ferragens, guarnições, peças decorativas,... tudo produzido por moldagem simples). Ferro fundido branco: contém cementita; é bastante duro, não pode ser soldado ou forjado. É usado para artigos de massa de elevada performance mecânica (martelos, chaves, parafusos, fundamentos...) Os ferros fundidos contêm de 2 a 4% de C e servem para produzir peças em dimensões exatas (por exemplo: torneiras, chapas de fogão, peças de máquinas...), via fundição. Aço de ferramenta: contém 0,4 a 1,7% de C (para molas, ferramentas, facas, cabos de aço, trilhos de trem,...) e é geralmente feito a partir do ferro fundido branco. Aço doce: contém < 0,4% de C, usado na construção civil e para carrocerias de carros (latas, chapas finas, pregos, fios de solda, tubos, vigas, aços de casco de navios, carrocerias...) 1.4. Exemplos de ligas importantes Geralmente usam-se aços com outros metais ou semi-metais que formam ligas com qualidades especiais. Os materiais mais importantes contêm Ni, Cr e W. Também importantes são os elementos Si, Ti, P, V, Mo, Mn. O níquel aumenta especialmente a tenacidade do aço. Uma peça com 25% de Ni pode ser esticada, sem romper, até o dobro do seu comprimento. Um aço com 36% de Ni mostra a particularidade de quase não dilatar-se no calor. Este "aço de invar" é, portanto, muito utilizado em instrumentos e ferramentas de precisão. Cromo deixa o aço mais duro. Especialmente a combinação Fe - Ni - Cr se destaca por ser uma liga extremamente dura e ao mesmo tempo tenaz. É utilizado para rodas da ferrovia, armas e tanques de guerra, eixos,... O aço "V2A", por exemplo, contém 71% Fe, 20% Cr e 8% Ni, além de Si, C e Mn (0,2% cada). Destaca-se, além de ser muito duro, por ter alta resistência química, em contato com ar, água salgada ou ácidos diluídos. Portanto é muito usado em equipamentos da indústria química. O aço "WT4" é um aço de invar com pouco cromo e tem o mesmo coeficiente de dilatação que vidro. Sendo assim, pode ser usado na fabricação de lâmpadas, substituindo a mais cara platina, a ser fundido junto com o vidro. Tipos de aço com teor elevado de tungstênio (por exemplo, 15-18% W, 2-5% Cr e 1-3% V) não amolecem - mesmo ao ser aquecidos até ao rubro. Assim, servem como pontas de ferramentas do torno rápido. O molibdênio e vanádio têm um efeito semelhante ao do tungstênio. Aços com cobalto e W se destacam por ter qualidades magnéticas excelentes, então servem para ímãs (permanentes) em motores elétricos. Exemplo: 50% Fe, 40% Co, 7% W, 2,5% Cr, 0,5% C. Um conteúdo de 10 a 13% de silício aumenta bastante a resistência do aço contra ácidos. Assim servem para equipamentos da indústria de química inorgânica. Além disso, são usados pela própria indústria siderúrgica, grandes volumes de "ferrossilício", onde funciona como agente desoxidante do ferro gusa. Especialmente desvantajosa, para a maioria das aplicações, é a presença de N em forma de nitretos de ferro (exceção: nitretação superficial, para aumentar a dureza e resistência química), o enxofre em forma de sulfetos e o hidrogênio em forma de hidretos de ferro. Esses elementos deixam o material demasiadamente quebradiço, já que impedem uma boa aderência na beirada dos grãos metálicos. 2. Produção de ferro no alto-forno 2.1. Equipamento do alto-forno Altura ~30 m. Diâmetro interior: ~10 m (no local do anel de suporte) Conteúdo: 500 a 800 m³ Operação ininterrupta (24 horas, durante 10 anos) 2

3 Produção: cerca de 1 milhão de toneladas de Fe por ano, Consumo: 3, t de matéria prima sólida. Fig. 1. Estrutura do alto forno, junto às temperaturas operacionais. O alto-forno é um processo de redução carbotérmica através do qual se produzem diversos metais, a partir dos seus minérios oxídicos: além do Fe, isto são Mn, Cr, Sn, Pb e Zn. Por outro lado, este processo não serve para produzir os metais Ta, Ti, V, Hf, Nb, Zr e Be, pois estes mostram afinidade elevada para o carbono e/ou endotermia exagerada. Com estes óxidos formam-se exclusivamente os carbetos metálicos, em vez dos metais livres. Também desvantajosos são quaisquer minérios de natureza sulfídica, pois os gases de escapamento têm elevado impacto ao meio-ambiente, além de mostrar balanço energético desvantajoso da formação dos compostos voláteis contendo enxofre. Isto são, em particular, os compostos CS 2 e SO 2, por sua vez bem menos estáveis do que o CO 2. Embora a redução do minério de ferro seja um processo endotérmico, a combustão do carvão libera energia o suficiente para desidratar e aquecer o minério (na parte superior da cuba) e derreter o ferro gusa (na parte inferior do alto-forno). O calor é excessivo, portanto o fundamento até a zona mais larga do forno (altura do anel de suporte no qual se assenta a cuba), tem que ser resfriado por água circulando. A cuba mesmo, por outro lado, é apenas resfriada por ar que posteriormente é injetado pré-aquecido, pelos bicos na altura da zona de fusão. 3

4 Fig. 2. Esquema do alto forno junto aos meios de transporte de matérias primas e produtos. O carregamento do alto-forno ocorre pela extremidade superior, via um sistema de eclusa em forma de cones móveis. A carga geralmente forma camadas alternadas, coque e [minério misturado com aditivo], aproximadamente nas proporções em peso de 1 a 2. Cada uma das camadas tem uma espessura de cerca de 50 cm. Ascender um alto-forno é uma etapa demorada, complicada e cara: o forno cheio até cerca de 1/3 da sua altura toda, contendo aproximadamente 4 camadas de coque / minério, é tratado com um chato de ar pré-aquecido a 1300 C (!). Somente nessas condições o coque se abrasa. Após o estabelecimento das reações a cuba é cuidadosamente completada pelas demais camadas de coque e [minério+aditivo]. Reagentes e produtos do alto-forno, em relação a uma tonelada de ferro gusa: Reagentes: 2 t de minério; 1 t de coque; ½ t de aditivo; 5½ t de "vento". Produtos: 1 t de gusa; 1 t de escória; 7 t de gases de escapamento Discussão das reações na camada do coque (ou no carvão) O carvão (coque) tem basicamente 4 funções no alto-forno, das quais as primeiras duas sejam discutidas em detalhe a seguir: 4

5 1) sua combustão (= reação com oxigênio) fornece energia para as altas temperaturas, necessárias para as reações e a fusão dos materiais sólidos (ferro e escória). 2) é a fonte do agente redutor principal, o monóxido de carbono, cujo papel é a liberação do ferro metal dos seus óxidos. 3) Por manter as dimensões sob altas temperaturas, o coque (aplicado em britas de 5 a 10 cm de diâmetro) estabiliza vazios ao longo de toda cuba. Estes pequenos canais são essenciais para deixar passar os gases redutores e os gases de descarga. 4) O carbono é um elemento de liga que se incorpora no metal produzido ("ferro gusa"; ver discussão da cementita na p. 10), desta maneira abaixa o ponto de fusão e modifica as propriedades mecânicas do produto. Fonte de energia por combustão Combustões: Reações com umidade: C + 0,5 O 2 CO + 110,6 kj 131,4 kj + C + H 2 O (g) CO + H 2 CO + 0,5 O 2 CO ,2 kj CO + H 2 O (g) CO 2 + H ,2 kj C + O 2 CO ,8 kj 90,2 kj + C + 2 H 2 O (g) CO H 2. As combustões fornecem muita energia que levam o forno a mais de 1500 C, perto dos bicos injetores de ar até 2300 C. Logicamente, as combustões exotérmicas acontecem nas camadas do coque (ou carvão). Note que o calor da combustão completa (2 a reação) é muito mais alto do que da combustão incompleta. Explicação: para formar o CO (gasoso) cada carbono tem que ser solto da rede da grafita onde está fixado muito firme (energia de atomização: +717 kj.mol -1 ), então custa energia. Já o CO 2 (g) forma-se a partir do CO (g), então não há consumo de energia para soltar um átomo da estrutura sólida. Portanto, a unificação do carbono com o segundo oxigênio libera mais energia do que a primeira. Além do efeito secador, o calor das combustões é suficiente para decompor a água liberada da matéria prima. Essas reações ocorrem em todas as camadas; são endotérmicas e produzem hidrogênio e os óxidos do carbono. Sob certas condições o hidrogênio produzido por essa via pode funcionar como redutor: são necessárias temperaturas baixas assim que a presença de traços catalíticos de Ni, Pd ou Pt. No alto-forno, porém, as condições geralmente não permitem uma redução do minério por H 2 em larga escala. Sua presença - embora de ser inevitável - é então desvantajosa para o processo, já que pode levar à liga, hidreto de ferro que confere má qualidade mecânica ao material. Única vantagem: o H 2 aumenta o valor energético dos gases de escapamento que são utilizados em outros processos da própria indústria metalúrgica (caldeiras, pré-aquecedores do ar, coqueria...). Lembre-se que a combustão do hidrogênio, conforme H 2 + ½ O 2 H 2 O(g) kj, fornece muita energia! A composição dos gases de escapamento varia entre: 50 a 55% de N 2, 25 a 30% de CO, 10 a 16% de CO 2, 0,5 a 5% de H 2 e 0 a 3% de CH 4, Assim, a mistura representa uma importante fonte de energia. Sua combustão fornece cerca de 4000 kj m - ³. Produção do redutor, CO. O equilíbrio de Boudouard é uma reação de CO 2 com carbono (em excesso), na ausência de oxigênio. 172,6 kj + CO 2 + C 2 CO Boudouard Tarefa 1: Derive o calor do equilíbrio de Boudouard, via lei de Hess, a partir das reações de combustão do carbono. 5

6 Note que esta reação é bastante endotérmica, então seu equilíbrio pode ser deslocado para o lado direito, aumentando a temperatura (Princípio de LeChatelier). Fig. 3. Monóxido de carbono e dióxido de carbono em equilíbrio térmico (seg. Boudouard). Atenção: O equilíbrio de Boudouard não se estabelece na presença de ar, nem na insuficiência de carbono. Sob estas condições têm-se apenas as reações de combustão (ver acima). Uma possível conversão de CO 2 em CO, sob condições "oxidantes", também podemos levar em consideração: 283,17 kj + CO 2 CO + ½ O 2. Porém, a alta endotermia desta reação faz com que a posição deste equilíbrio fique totalmente ao lado esquerdo - até mesmo sob as maiores temperaturas atingidas no alto-forno. Em outras palavras: a preponderância do CO 2 no equilíbrio CO 2 CO + ½ O 2 é estabelecida em quase todos os processos industriais que ocorrem abaixo de 2200 C. O equilíbrio de Boudouard tem importância em processos industriais onde substratos com alto número de oxidação devem ser reduzidos por um excesso de carvão a temperaturas elevadas (> 1000 C). Um óxido de metal, MO, quando pode ser reduzido a temperaturas relativamente baixas, se converte ao metal e o subproduto CO 2 : 2 MO + C 2 M + CO 2 (isto é a resumida equação da "redução direta", mencionada na p. 7). Uma redução a temperaturas significativamente mais altas, por outro lado, leva à produção de grandes partes de monóxido de carbono: MO + C M + CO (variação da "redução direta"). O problema em ambas essas equações é o fato de que os dois reagentes são sólidos, sendo assim de baixa mobilidade. Podemos esperar reações bastante lentas - inaceitável para a maioria dos processos industriais. Melhor funciona, por este motivo, um redutor gasoso, em nosso caso representado pelo monóxido de carbono: MO (s) + CO (g) M + CO 2. A temperaturas médias, como estão realizadas na produção de ferro gusa no alto-forno, obtém-se, além do ferrogusa, uma mistura de CO e CO 2 (ver composição do gás de escapamento em baixo). A relação entre CO e CO 2 se desloca, como pode ser visto na Fig. 3, para o lado do CO 2 ao abaixar as temperaturas. No entanto, não devemos esquecer que existe um impedimento cinético (= alta barreira de ativação) da reação de CO para CO 2, na ausência de catalisadores (= princípio do "catalisador" nos carros, para reduzir as emissões do tóxico monóxido de carbono). No caso do monóxido de carbono em nosso ambiente, é melhor falar de "durável" 6

7 ou "meta-estável", em vez de "estável", porque deveria decompor-se imediata e completamente em C e CO 2, conforme a reversa da reação de Boudouard. Sua existência à temperatura ambiente tem somente explicação cinética, mas não termodinâmica. Bem conhecidas são as intoxicações de pessoas por CO, ao ser expostas a incêndios, motores ligados em ambiente fechado etc Resumo das reações de redução que acontecem nas camadas do minério Na zona inferior, "zona de fusão", a mais quente do alto-forno, se discute uma "redução direta" do ferro, pois partes do minério se liquefazem e entram em contato com o coque que funciona como redutor. Essa reação entre o minério e carbono elementar é altamente endotérmica, então está promovida pelas altas temperaturas (>>1500 C) que existem perto das entradas do ar. A reação 2 Fe 2 O C 4 Fe + 3 CO 2, ao mesmo tempo, pode ser vista como "resumo" bastante simplificado de todos os processos que ocorrem no altoforno, já que os ingredientes principais são minério e coque e os produtos principais são ferro e gás carbônico. Todavia, a redução direta não é considerada sendo a reação principal, pelo fato que os dois reagentes são em maiores partes sólidos (= imobilidade) que se encontram em locais distantes. Grande quantidade do calor produzido está sendo gasto para a fusão do material, produzindo ferro-gusa líquido e escória líquida. O material líquido está gotejando através do coque em brasa (sempre sólido) e acumula-se no reservatório do fundamento ("cadinho"). Como a densidade da escória fica inferior à do ferro-gusa, então a escória funciona como camada protetora para o metal que, por sua vez, acumula-se no fundo do cadinho e não está suposto ao ar injetado no forno, diretamente acima do reservatório. Sendo assim, não se corre o perigo de re-oxidar o produto metálico. Note que, pela penetração do carbono no ferro, o ponto de fusão abaixa-se, de 1539 C do ferro puro a C (o abaixamento do ponto de congelamento em misturas é um dos fenômenos conhecidos na termodinâmica como "efeitos coligativos", ver justificativa para o acréscimo de aditivo fundente, p. 8). Na zona menos quente da cuba (500 a 900 C), chamada de "zona de redução", não há fusão da matéria prima. Ainda, o equilíbrio de Boudouard (ver p. 5) não se estabelece com velocidade suficiente, então a redução do minério ocorre pelo CO contido na mistura CO/CO 2, dentro dos gases em fluxo ascendente. Estabeleceu-se a expressão "redução indireta" para o conjunto das reações mostradas a seguir. Nota-se que na sequência hematita magnetita wüstita, o teor em oxigênio decresce, isto é, a porcentagem em ferro aumenta. Sendo assim, uma matéria prima rica em Fe 2+ é sempre uma vantagem para o processo redutor. No entanto, a hematita (só Fe 3+ ) é o mineral mais abundante e barato no território brasileiro, portanto o mais usado: 3 Fe 2 O 3 + CO 2 Fe 3 O 4 + CO ,3 kj 36,8 kj + Fe 3 O 4 + CO 3 FeO + CO 2 FeO + CO Fe + CO ,2 kj. Tarefa 2: Calcule a energia envolvida na redução da hematita ao ferro metal, usando o redutor monóxido de carbono. (Resposta: Fe 2 O CO 2 Fe + 3 CO ,2 kj) O agente redutor é, em qualquer uma destas reações, o monóxido de carbono. Todas as etapas de redução nesta altura da cuba decorrem somente levemente exo ou endotérmicas. Junto com a decomposição do aditivo (ver 7

8 abaixo) pode-se afirmar um balanço endotérmico na camada do minério. Portanto, a temperatura dentro de uma camada de minério cai e o monóxido de carbono torna-se instável, quer dizer, reativo no sentido das três equações dadas acima. Na sua subida o gás reagido (principalmente CO 2 ) entra na próxima camada de coque onde a temperatura é mais alta, devido às combustões, e o teor de CO nos gases é novamente aumenta, conforme o equilíbrio de Boudouard (ver p. 5). Nas camadas mais altas ainda (temperaturas no topo da cuba: C) não ocorrem mais reações químicas. Lá, o material é apenas pré-aquecido e pré-secado. O monóxido de carbono que chega nesta altura não é convertido em CO 2, devido à velocidade insuficiente da reação. Então escapa junto com os demais gases Material de partida: minério de ferro e aditivo fundente Magnetita, Fe 3 O 4 (= FeO Fe 2 O 3 ; estrutura cristalina de espinelo inverso). Este mineral contém 45 a 70% de Fe; têm-se grandes depósitos na Escandinávia, África do norte e nos Estados Unidos. Hematita, Fe 2 O 3 x H 2 O, é de aparência marrom-vermelho. O maior depósito mundial se encontra na Lagoa Superior nos Estados Unidos, de onde vêm ¾ da produção norte-americana de ferro e aço. Também a Espanha tem grandes depósitos. Este mineral é o mais abundante e contém até 60% de Fe. Minério oxídico mais rico em ferro (mas menos abundante) é a wustita, "FeO", cuja composição é aproximadamente de Fe 0,95 O devido ao fato que Fe 2+ na natureza é sempre acompanhado por certa quantidade de Fe 3+. Para manter a eletro-neutralidade dentro do cristal, o Fe deve ser sub-representado. Um modelo da estrutura cristalina deficitária da wustita é mostrada a seguir: Fonte secundária de ferro é a siderita, FeCO 3 que contém entre 25 e 40% de Fe. Contém argilas em quantidades consideráveis. O desprendimento de CO 2 diminui a cristalinidade deste mineral e assim facilita o processo da fusão. A pirita (= FeS 2 ; grandes depósitos principalmente na Espanha), não é apropriada para a produção de ferro, mas é útil para a produção de ácido sulfúrico. Por dois motivos os sulfetos são inapropriados para o processo carbotérmico: 1) A formação de CS 2 é bem menos exotérmica do que a formação do CO 2. Desta maneira, não sustentará a alta temperatura, necessária para o funcionamento do processo. 2) A eliminação do CS 2 é problemática e pode causar impactos ambientais. Qualquer minério com destino alto-forno e produção de ferro deve ser torrado antes da sua aplicação, para eliminar o enxofre ao máximo possível. Além disso, o enxofre e também o fósforo prejudicam o equipamento da fábrica, além disso fornecem materiais de performance mecânica inferior. O mesmo motivo é seguido na coqueria, onde o tratamento do carvão mineral tem por objetivo retirar os compostos voláteis (principalmente compostos aromáticos da fração de nafta) e os compostos com enxofre. Tarefa 3: Calcule, através da lei de Hess, o calor da reação global do alto-forno. Calcule igualmente o calor da redução direta da magnetita, Fe 3 O 4 e da wustita, FeO. 0 (Dados: Entalpias de formação dos óxidos: (FeO) = -266 kj. mol -1 0, (Fe 2 O 3 ) = -823 kj. mol -1 ; 0 H f (Fe 3 O 4 ) = kj. mol -1 ) H f H f 8

9 Resposta: A partir da hematita obtém-se: 464 kj + 2 Fe 2 O C 4 Fe + 3 CO 2, ou seja, H = +116 kj a cada mol de Fe produzido. A partir da magnetita como matéria prima calcula-se: 332 kj + Fe 3 O C 3 Fe + 2 CO 2, ou seja, H = +110 kj a cada mol de Fe produzido. A partir da wustita: 138 kj + 2 FeO + C 2 Fe + CO 2 ; ou seja, H = +69 kj a cada mol de Fe produzido. Vimos que todas essas reações são endotérmicas. Também era de esperar que na redução da α-hematita se gasta mais energia do que nos outros minérios, já que o cristal da hematita é mais estável que os outros óxidos. Também podemos argumentar que a taxa do oxigênio dentro da hematita é maior do que nos outros minérios. Pelos mesmos argumentos a redução da wustita requer a menor energia destas três reações. Para a maioria dos minérios usados no Brasil conta-se com aproximadamente H = +140 kj a cada mol de Fe produzido. Os valores de energia realmente gasta, no entanto, são consideravelmente mais altos do que os teóricos - devido às perdas de calor para o ambiente e à umidade contida nas matérias primas. Para que serve o "aditivo fundente"? Para facilitar a liquefação da escória. A escória é o subproduto sólido neste processo; é produzida em maior volume do que o próprio ferro-gusa. A escória provém dos silicatos, carbonatos e aluminatos que acompanham todo minério. Sua estrutura é má definida (isto é, grande parte amorfa ou micro-cristalina) e a composição varia consideravelmente. Todavia, observam-se composições favoráveis, x CaO y Al 2 O 3 z SiO 2, nas quais o ponto de fusão é especialmente baixo ("eutéctico"). Dado como exemplo, a composição química média da escória de altoforno da ArcelorMittal em Tubarão (Valores de Referência em massa) FeO 0,45% SiO 2 33,65% Al 2 O 3 12,42% CaO 41,60% MgO 7,95% TiO 0,73% Na maioria dos casos o minério é rico em argila e areia (Al 2 O 3 e SiO 2 ), então requer da adição de calcário, barrilha ou dolomita (CaCO 3, (Na,K) 2 CO 3 ou MgCa(CO 3 ) 2, respectivamente), para acertar uma relação x : y : z otimizada. O uso do calcário tem vantagens e desvantagens: A decomposição do calcário é endotérmica, então uma reação que consome energia. Além disso, libera CO 2, um subproduto sem valor: 9

10 178,44 kj + CaCO 3 CaO + CO 2 Ao mesmo tempo, a "cal queimada", CaO, produto da queima do calcário, aumenta o valor dessa escória para a indústria cimenteira - certamente um aspecto que supera todos os argumentos negativos. Além disso, é vantajoso abaixar a temperatura na camada de minério, já que uma temperatura mais baixa desestabiliza o CO e então fornece o argumento termodinâmico para sua reatividade como redutor. Já em casos mais raros o minério é rico em carbonato/óxido de cálcio. Daí se adiciona um aditivo rico em alumínio ou silicato, tal como feldspato ou ardósia. A escória do alto-forno, produzida em toneladas aproximadamente iguais ao ferro gusa, é em geral um material de baixo valor agregado. Sua densidade baixa e estrutura irregular permitem seu uso em construções leves de concreto, como material de calçamentos, além de ser componente principal, na produção do cimento Portland tipo III, como já mencionado acima O produto principal do alto-forno: Ferro gusa O que resulta do processo de alto-forno é um ferro rico em carbono (entre 2,5 e 4% de C; "Ferro gusa") que não pode ser soldado (por não amolecer aos poucos, mas fundir de repente) nem forjado (torna-se tenso e quebradiço ao esfriar). Para superar estas inconveniências, o teor de C no Fe é reduzido abaixo de 1,7%, daí se tem o material para produzir aço. A composição média do gusa é, além do Fe: Carbono 2,5-4%; silício 0,5-3%; manganês 0,5-6%; fósforo 0-2%; enxofre 0,01-0,05%. A cada 3 ou 4 dias o ferro gusa é tirada do reservatório (na Usiminas: a cada 4 horas), através de um buraco que foi feito na parte inferior do cadinho, logo acima da pedra do fundo. A maioria deste gusa, ainda líquido, é levada em "carros torpedo" para a aciaria onde está sendo refinada. Após a saída completa do gusa segue a escória que é direcionada a um outro reservatório ou ao pátio para resfriamento e britagem. Depois da retirada o buraco deve ser imediatamente selado por tijolos refratários especiais. Quando o resfriamento do ferro gusa é feito em leitos de areia, a temperatura cai suficientemente lenta para que grandes partes do carbono separem-se da solução com o ferro, no qual a solubilidade máxima é apenas de 2,1% (ver discussão do diagrama das fases, na p. 14). Além disso, o Fe 3 C conhecido como cementita, se decompõe aos poucos por ser um composto endotérmico: 21,8 kj + 3 Fe + C Fe 3 C. A temperaturas mais baixas a cementita torna-se instável e, devido à baixa barreira de ativação, esta reação se inverte liberando ferro α e grafita. A aparência escura da grafita se percebe na superfície dos grãos metálicos, em áreas frescas do material quebrado. Portanto o material é denominado de ferro fundido cinzento (T fus 1200 C). Uma outra condição para a excreção da grafita é um teor mínimo de Si, em relação ao Mn (> 2% Si e < 0,2% Mn). Devido a sua consistência rala no estado fundido este material é usado preferencialmente para artigos em massa (barato, ver p. 1). Quando, por outro lado, o resfriamento é feito rapidamente (em formas de ferro chamadas de "coquilhas"), a separação da grafita fica ausente e todo o carbono fica soluto em forma de cementita. Este material é denominado de ferro fundido branco (T fus 1100 C), seu quase único destino é a aciaria. Esta vez é favorável ter um alto teor de manganês que opõe à tendência do carbono separar-se: < 0,5% Si e > 4% Mn. Ao se ter um material muito rico em Mn ("Ferro espelho" de 5-30% Mn ou "ferromanganês" de 30-80% Mn), a solubilidade do carbono no metal 10

11 é especialmente alta. Estas ligas têm duas finalidades: a re-carbonização de aço doce produzido na aciaria e como agente desoxidante: FeO + Mn Fe + MnO. 3. Produção de aço - "Aciaria" 3.1. Processos oxidantes da aciaria A remoção do carbono do ferro-gusa ocorre hoje quase exclusivamente por técnicas oxidantes, usando oxigênio nas seguintes formas: 1. Ar (Processo de Thomas, ultrapassado), através de centenas de orifícios no fundo do convertedor. 2. Oxigênio puro (Processo LD 1, processo moderno), de 5 a 7 bar, através de uma lança introduzida de cima e ajustável na sua altura. 3. Sucata (= ferro velho ferrujado) ou 4. Novamente minério de ferro, sendo fontes de oxigênio. Os dois primeiros processos ocorrem sob desenvolvimento violento de calor, devido à exotermia das reações descritas a seguir; a perda de calor devido ao sopro de ar frio (ou oxigênio), é mais do que compensada, então o ferro é mantido líquido e ralo, de fácil manipulação. Os aditivos neste processo são os metais de liga desejados e a cal que tem o papel de fixar os fosfatos e sulfatos em forma de escória. Reações de oxidação nos processos LD e Thomas: Si + O 2 SiO ,6 kj P + 1,25 O 2 0,5 P 2 O ,5 kj C + O 2 CO ,8 kj Mn + 0,5 O 2 MnO + 385,5 kj Como pode ser visto nas equações, a combustão do Si e do P fornecem a maior parte de energia no processo oxidante da aciaria. Sob este aspecto um teor suficientemente alto nestes elementos (> 1,5% e > 1,0%, respectivamente) é até necessário para o bom funcionamento deste processo. A seqüência das combustões depende de vários fatores: As queimas geralmente começam com Si e Mn, depois segue o C que se percebe com um barulho típico de trovão e pela luz extremamente clara da sua chama. O fósforo e o enxofre 2 queimam depois do C ("pós-queima"). A presença destes últimos elementos requer um convertedor de revestimento alcalino, como será descrito mais em baixo, que facilita sua remoção em forma de escória. Os produtos desta etapa oxidante bóiam em forma de "escória de Thomas" em cima do metal fundido (pequena parte escapa do convertedor em forma dos gases voláteis, SO 2 e P 2 O 5 ). Embora seja mais caro usar oxigênio puro do que simplesmente ar, o processo LD tem certas vantagens acima do processo de Thomas. O nitrogênio e a umidade contidos no ar podem levar à formação de nitretos e hidretos metálicos. Estes compostos reduzem a tenacidade e tornam o aço mais quebradiço e difícil a ser soldado. 1 LD = Linz-Donawitzer, inventado na Áustria. 2 Um teste rápido para estimar o teor em enxofre é a "Tiragem de Baumann": Um papel fotográfico que foi mergulhado em um ácido sulfúrico ou clorídrico (diluídos), é apertado por 30 s na superfície lapidada do corpo de prova. O ácido libera os sulfetos contidos na liga, em forma de H 2 S. Imediatamente este gás se une com a prata do papel, formando Ag 2 S (marrom escuro). Após a fixação, conhecida da fotografia, a intensidade das manchas é comparada com padrões onde o teor de S foi calibrado. 11

12 Fig. 4. Convertedores dos processos oxidativos da aciaria. Quando o carbono se esgota, isto é após cerca de 15 minutos, o processo é encerrado. As peras são viradas e a escória removida da superfície por um rodo. Como não é possível parar os processos de Thomas e LD a um definido teor de C, então o produto primário é "aço doce", quer dizer 0% carbono. Para recolocar a quantidade desejada de C, pode-se misturar o ferro líquido-ralo com a quantidade controlada de ferro gusa do alto-forno, com ferro-espelho (= liga de Fe/Si) ou ferromanganês - dependendo da finalidade do aço. Junto ao componente que provoca a re-carbonização são adicionados nesta etapa os metais de liga desde que estejam desejados no produto acabado (aditivos mais usados, especialmente em aço inoxidável: Cr, Ni, Mn, Mo, W). Finalmente o metal líquido é derramado em uma forma retangular, resfriado e transportado, via esteiras de rolos resfriadas, para a lingotaria. Lá, o aço sai de maneira contínua em forma de barra grossa ("lingote", espessura 40 cm; largura 1,50 m, cortado por uma chama quente no comprimento de ~15 m). Como visto acima, os processos LD e Thomas somente funcionam por que as "impurezas" do ferro gusa queimam mais rapidamente do que o próprio ferro. Mesmo assim, se perdem inevitavelmente 10 a 12% do Fe nestes processos, em forma de óxido de ferro que fica boiando em cima do metal fundido e é removido junto com os outros componentes da escória. Em partes o ferro oxidado pode ser recuperado pela presença de manganês que tem o papel de desoxidante 3 (ver acima). Tarefa 4: Procure a energia envolvida na oxidação do próprio ferro metálico, para wustita, FeO, e para hematita, Fe 2 O 3 (reações paralelas e indesejadas na aciaria!). Indique as energias relacionadas a 1 mol de ferro. (Resposta: Fe + 1/2 O 2 FeO kj; Fe + 3/4 O 2 1/2 Fe 2 O kj) A veemência das reações com o oxigênio exige aos convertedores que sejam equipados com um material de revestimento interno extraordinariamente resistente. Ao se ter tipos de gusa com alto teor em fósforo, o refratário do convertedor é feito de preferência de óxidos de Ca e Mg, por mostrarem propriedades básicas 4. Além disso, deve-se adicionar cal queimada (CaO) o suficiente à gusa. Todas essas medidas têm por objetivo a fixação do óxido de fósforo, P 4 O 10, o anidrido do ácido fosfórico, por óxidos básicos. Sua fixação em forma de fosfato de cálcio previne a inversão da sua formação (= redução) que iria liberar novamente fósforo, sob a influência redutiva do ferro. 3 Outros elementos com efeitos desoxidantes frente o FeO são: Al, Ti, Zr, Cr, Si. Todos são aplicados ao aço doce, em forma de suas ligas com o ferro. 4 Informe-se num site de produtor de tijolos industriais, por exemplo: 12

13 Tipos de gusa sem notável teor em P, por outro lado, podem ser tratados também em convertedores com revestimento "ácido". Isto é um material de clínquer feito de quartzo e argila. Ao contrário da escória do alto-forno, a escória de Thomas é um material procurado e altamente valorizado. Devido à sua solubilidade em água e seu alto teor em cálcio e fósforo (10 a 25%), essa escória é moída e comercializada como "Farinha de Thomas", um fertilizante na agropecuária. Um dos seus componentes principais (nem todos foram identificados) é a silica-carnotita, Ca 5 (PO 4 ) 2 [SiO 4 ] (= "5 CaO P 2 O 5 SiO 2 "). Com os processos dos pontos 3 e 4 da lista acima, se consegue uma remoção "direta" do carbono. Por serem mais controlados e devagar, esses processos permitem a retirada da porcentagem necessária de carbono, para fornecer diretamente a matéria prima para o aço. Mais conhecido é o processo de Siemens-Martin, onde a oxidação está provocada por gases quentes contendo oxigênio. São conduzidos devagar em cima de ferro fundido de 1500 C. O efeito oxidante é apoiado pela adição de sucata (= ferro velho enferrujado) ou minério de ferro, sendo ambos fontes de oxigênio. Suas porcentagens na mistura com o gusa são consideráveis: 65-80% e 20%, respectivamente. Igualmente necessário neste processo é a adição de calcário, para remover o excesso de fósforo. Em vez da produção química do calor que é necessário neste processo, pode-se usar também energia elétrica. Este método, o forno a arco elétrico produzindo "aço-elétro", porém, é reservado a países com energia hidroelétrica em abundância, entre eles o Brasil. Altas temperaturas (até 3500 C!) podem ser atingidos, ao estabelecer um arco entre os elétrodos de grafita e a mistura de ferro gusa, sucata, minério, ligas desoxidantes e o aditivo cal, para segurar as impurezas não desejadas. A mistura se aquece então, torna-se inteiramente líquida e pode ser aditivada por metais cujos pontos de fusão são elevadas (pro exemplo, W e Mo). Sendo assim, o teor em carbono pode ser acertado de forma direta, já que o processo elétrico é menos violento do que LD e Thomas e dura em torno de 30 minutos. Este processo é especialmente adequado para produzir valiosos aços inoxidáveis e especiais. Fig. 5. Aquecimento elétrico no forno de Siemens-Martin. O conteúdo de um convertedor de Siemens-Martin fica entre 100 e 500 t, os convertedores de Thomas e LD (que são enchidos somente por 1/7 do seu conteúdo total) têm uma capacidade em torno de 400 ton. 13

14 Existe uma série de métodos mais raros, tal como o processo de Puddel, onde o ferro-gusa é aquecido num convertedor revestido por óxidos de ferro, até próximo do seu ponto de fusão, e mexido com barras de metal. O efeito oxidante neste processo vem do próprio revestimento e dos gases de combustão do aquecimento. A têmpera serve para converter pequenos objetos de ferro fundido, produzidos em altos números (chaves, dobradiços de janelas,...), em aço. O objetivo é evidentemente melhorar o alto quebradiço do ferro utilizado na fundição. Por fim de retirar o carbono do artigo prontamente formado, é necessário colocá-lo num leito de minério em pó e depositá-lo por 4 a 6 dias numa mufla de C. Sob estas condições o carbono consegue difundir com velocidades suficientes através do Fe sólido e queimar na superfície por juntar-se com o oxigênio do minério. A geometria e a superfície trabalhada do artigo não sofrem mudança, enquanto seu caráter quebradiço melhora bastante. A profundidade da migração do carbono é de alguns milímetros. A vantagem deste processo é a dispensa do trabalhoso forjamento manual do artigo. O processo inverso da têmpera é a cementação, onde o artigo feito de aço doce é carbonizado. Para este fim é aquecido num leito de grafita. Temperaturas e tempos necessários são semelhantes aos da têmpera. A carbonização endurece a superfície do artigo e então aumenta a sua durabilidade, enquanto o miolo fica elástico-macio. Aproveitam da cementação: pequenas peças de máquinas, engrenagens, Discussão do diagrama das fases ferro-carbono 5 A solubilidade de C em Fe-α é muito baixa: < 0,018% (este valor é atingido a 738 C). Bem mais carbono é solúvel em Fe-γ: até 2,1%, o que acontece a 1153 C. Em ferro fundido a solubilidade do C é de < 4,3%; ela ainda aumenta com a temperatura. A questão prioritária a ser respondida pelo conhecimento do diagrama das fases é: o que acontece na estrutura do aço ao resfriá-lo? Ao resfriar muito devagar o ferro fundido saturado em carbono, com teor de C > 4,3%, a grafita pode-se separar do conjunto, para deixar atrás uma solução de 4,3% em carbono (linha tracejada superior). Finalmente a mistura congela a 1153 C, sob formação de um eutéctico feito de [Fe-γ / C] e grafita (linha tracejada horizontal). Como a separação do carbono fica cada vez mais lenta ao aproximar-se à temperatura de fusão do eutéctico, o sistema entra facilmente num estado de supersaturação (isto é, fora do equilíbrio termodinâmico, situação irreversível das transformações; isto também significa que o sistema está fora dos limites das fases, estabelecidos pelo gráfico logo abaixo). A partir destas soluções supersaturadas pode formar-se, ao lado da grafita ou até em vez da grafita, a cementita, Fe 3 C (linhas contínuas, em vez das tracejadas, no gráfico abaixo). Uma mistura Fe / C (com C > 4,3%) que não foi resfriada muito devagar, produz então cementita até chegar a uma porcentagem de 4,3% em carbono. Finalmente a mistura solidifica sob formação de uma fase conhecida como "ledeburita" (= mistura eutéctica, isto é, cristais mistos de Fe-γ e cementita onde a porcentagem em C é de 4,3%) e cementita (linha horizontal a 1147 C). Como resultado têm-se domínios de cementita, em uma matriz de mistura microcristalina e quase-homogênea de Fe-γ e cementita. 5 Uma discussão mais aprofundada, ver artigo "Entender o diagrama das fases do aço". 14

15 Fig. 6. Parte tecnicamente relevante do diagrama das fases do sistema Fe-C. As linhas contínuas valem para a separação de Fe 3 C (ferro fundido branco), as linhas tracejadas para a separação de grafita (ferro fundido cinzento). Resfriamos, por outro lado, uma mistura líquida que contém menos de 4,3% de C, então cristaliza desta uma solução sólida de Fe-γ e C ("austenita"). Isto acontece tanto tempo quanto a solução precisa para atingir novamente um teor de 4,3% de C - que por sua vez se transforma em ledeburita a 1147 C. Como resultado se obtêm domínios de austenita, em uma matriz de ledeburita. Podemos distinguir mais um caso: o resfriamento de uma austenita saturada em carbono (2,1%), quando levada abaixo de 1147 C, provoca a cristalização de cementita. Uma conseqüência é o empobrecimento da austenita em carbono. A partir do momento em que a austenita somente contém de 0,8% de C ela se transforma em uma fase com estrutura lamelar - sua vez indesejada e desvantajosa para as propriedades mecânicas. É a chamada de "perlita" e pode ser reconhecida por seu brilho parecido a madrepérola, com dureza e quebradiço bastante altos que torna-se forjável apenas a temperaturas suficientemente altas. A perlita é uma mistura de Fe-α / C ("ferrita") e cementita (linha contínua a 723 C). A geometria das linhas de saturação, ao redor do ponto [723 C / 0,8 % de C], é semelhante à do ponto eutéctico que a gente estabeleceu para a formação da ledeburita (1147 C / 4,3% de C). Porém, no caso da perlita trata-se de uma transformação de fases sólida em outra fase sólida, então não é um ponto eutéctico, na sua definição clássica. É denominado, portanto, de ponto eutectóide, (~óide significa: semelhante a...; neste caso: um ponto semelhante ao ponto eutéctico). Somente por um resfriamento choque (100 s -1 ou mais) pode-se evitar a separação de Fe 3 C da austenita, isto é, impedir a formação da perlita. Em vez desta acontece uma transformação do Fe-γ em Fe-α cuja rede cúbica foi distorta no sentido tetragonal. 15

16 Esta fase, C soluto em Fe-α, é meta-estável e se conhece como martensita. A martensita é altamente valorizada como material duro e tenaz. Pergunta: Qual é a diferença, então, entre a ferrita (= Fe-α + C) e a martensita (= Fe-α + C)? Resposta: Enquanto a ferrita é uma fase termodinamicamente estável, a martensita contém carbono além do limite de solubilidade, ou seja, é uma fase termodinamicamente metaestável. Portanto, a martensita não consta do diagrama das fases, já que os diagramas de fases sempre se referem às transformações perfeitamente equilibradas, tudo reversível. O teor de carbono mais vantajoso para a produção de aços de baixa liga fica entre 0,4 e 1,7%. O material amolece aos poucos, em vez de fundir de repente. Além disso, um resfriamento choque permite o congelamento de fases que se formaram a altas temperaturas. Sendo assim, uma peça que foi aquecida a 800 C e resfriada tipo choque (mergulhada em água fria) se destaca por ser mais dura, mesmo assim ficar tenaz. As ferramentas são produzidas a partir deste tipo de material. O endurecimento do metal pode ser entendido a base do diagrama das fases de Fe-C. Enquanto um aço não tratado contém finos cristalitos ("grãos") de cementita, Fe 3 C, e ferrita (= ferro na modificação α), um tratamento com temperaturas acima de 750 C produz uma solução sólida de carbono em ferro γ, a austenita. O resfriamento rápido deste pode congelar seus rearranjos irregulares ou amorfos, somente permitindo uma leve modificação na rede cristalina, do Fe-γ para Fe-α. Uma solução meta-estável de carbono em Fe-α é denominada de martensita que se destaca por ser mais duro e elástico do que o ferro forjável. Ao aquecer essa peça de novo e submetê-la a um resfriamento lento, o processo se reverte; a segregação dos grãos (cementita + ferrita) reforma a boa forjabilidade e a baixa resistência mecânica do material original - características da perlita. Sendo assim, a maioria das exigências que se tem ao material de ferramentas, tais como tenacidade, dureza e resistência mecânica, são atendidas pela martensita - muito mais do que pela perlita. Certos metais de liga, tais como Ni, Mn, Cr, Mo ou W, quando adicionados em pequenas partes, desaceleram bastante qualquer transformação entre as fases de Fe 3 C, Fe-γ e Fe-α. Sendo assim, basta um resfriamento da peça no ar, para manter a estrutura da martensita. Em casos extremos conserva-se até a estrutura da austenita, até chegar a temperatura ambiente. Podem-se atingir estados intermediários, entre aço forjável e a martensita. Basta aquecer o material a temperaturas perto de 700 C que tem o efeito de permitir em partes a estabilização da solução meta-estável, por segregação parcial dos cristais. O processo é chamado de "revenido" e serve para aliviar tensões internas. Além disso, permite ajustar as propriedades mecânicas, dureza e tenacidade, entre as dos extremos, (cementita + ferrita) e martensita, respectivamente. Um aço quando produzido com < 0,4% de C não pode ser endurecido por resfriamento choque. Porém, é um material mais flexível (quer dizer: você pode dobrar o fio / chapa / barra - sem quebrar ou rachar a peça), então serve no setor de construção civil (grades forjadas, ferraduras, vergalhões, arames, pregos, chapas), na automobilística (carrocerias) e em muitos outros setores que aproveitam de embalagens em forma de latas. Os aços de tão baixo teor de carbono consistem principalmente de ferrita e são denominados de "aços doces". Fonte: Holleman, G., Wiberg, E., Lehrbuch der Anorganischen Chemie, Walter degruyter Berlin 1985 Monografia disponível no CEFET: L.H.VanVlack, Princípios de Ciência dos Materiais, Edgard Blücher São Paulo

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço

Matéria prima. Fabricação de aço. Fabricação de aço Matéria prima A fundição é usada para fabricação de componentes acabados. Também p/ produzir lingotes ou placas que serão posteriormente processados em diferentes formas, tais como: vergalhões, barras,

Leia mais

É hora de fabricar o aço

É hora de fabricar o aço É hora de fabricar o aço Introdução Mesmo quando os métodos de fabricação eram bastante rudimentares os artesãos da Antigüidade, na Ásia e, mais tarde, na Europa medieval, conseguiam fabricar o aço. O

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

gases combust CO 17-25% H 2

gases combust CO 17-25% H 2 minérios de ferro Alto Forno (Fe) gusa Ferro fundido Escória (~300Kg/t gusa) Fe 94-95% 95% 3-4,5%C 0,3-0,7% 0,7% Si 0,2-0,8 0,8 Mn

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Austenita: É uma solução sólida de carbono em ferro gama. Somente é estável as temperaturas superiores a 723 ºC, desdobrando-se por reação eutetóide, a

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote O Papel do Alumínio na Galvanização Contínua por imersão a quente 2.4 Rev1.1mar 09

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. Prof. Carlos Falcão Jr. 2Al(OH) 3 Al 2 O 3 + 3H 2 O(vapor) 1200ºC INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS 1.1) Ustulação Processo metalúrgico conduzido a altas temperaturas, mas não ocorrendo fusão parcial

Leia mais

SIDERURGIA Processos de Produção de Ferro Gusa e Aço

SIDERURGIA Processos de Produção de Ferro Gusa e Aço CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-MG CAMPUS V CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL ENGENHARIA MECATRÔNICA 1 PERIODO PROF.: RENATO SIDERURGIA Processos de Produção de Ferro Gusa e Aço DANIEL LACERDA

Leia mais

Prof. Casteletti. MRG Medidas e Representações Gráficas

Prof. Casteletti. MRG Medidas e Representações Gráficas MRG Medidas e Representações Gráficas Classificação e características dos materiais Escolha do material X Produto Avaliar o material: -suas qualidades mecânicas; -custo. Página 133 Classificação e características

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV Siderurgia e Tratamento Térmico dos Aços Prof. Jaques Jonas

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana 1. O iso-octano é um combustível automotivo. A combustão desse material ocorre na fase gasosa. Dados a massa molar do iso-octano igual a 114g/mol, o volume molar de gás nas "condições ambiente" igual a

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II 1 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA SOLDAGEM II METALURGIA DA SOLDAGEM 1- Introdução A soldagem é geralmente realizada com a aplicação de calor e/ou deformação plástica. como resultado, alterações das

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos

Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Andreilton P. Santos, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2010 AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA O aço é uma liga de ferrocarbono

Leia mais

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL

RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL RECICLAGEM DE ESCÓRIA DE ALTO FORNO NO BRASIL Vanderley M. John (1), Vahan Agopyan (2) (1) Prof. Dr., john@poli.usp.br (2) Prof. Titular, vahan.agopyan@poli.usp.br Departamento de Engenharia de Construção

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

Materiais de construção de máquinas

Materiais de construção de máquinas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Materiais de construção de máquinas 1. Introdução

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II

Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Adições Minerais ao Concreto Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Adições Minerais Fonseca, 2010: Aditivos químicos ASTM C125

Leia mais

CIÊNCIA DE MATERIAIS I

CIÊNCIA DE MATERIAIS I CIÊNCIA DE MATERIAIS I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS PARA AS LICENCIATURAS EM ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL ENGENHARIA QUÍMICA Compilação efectuada por Alexandre Velhinho, Lucelinda Cunha,

Leia mais

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO de Matérias-Primas na Indústria Siderúrgica Tecnologia confiável Disponibilidade elevada 60 anos de experiência As melhores referências CARVÃO COQUE ArcelorMittal Tubarão,

Leia mais

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Termoquímica 1 História A sociedade é movida a energia e a invenção da máquina a vapor contribuiu decisivamente na Revolução Industrial, que levou ao aumento da produtividade e diminuição da influência

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade.

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Ciclo de Vida Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Sua análise permite a quantificação das emissões ambientais e o

Leia mais

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo II 2 a série do ensino médio Fase 02 Aluno: Idade: Instituição de Ensino: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do. Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção, Aplicações e Propriedades

Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do. Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção, Aplicações e Propriedades Aula 11 Temática: Metais da Família do Boro e do Carbono Carbono. Boa aula! Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do METAIS DA FAMÍLIA DO BORO Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção,

Leia mais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 1 2 3 Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 4 Agregado de cátions mergulhados em um mar de elétrons livres Rede Cristalina Disposição

Leia mais

Mineração GLOSSÁRIO. Aço: liga de ferro contendo carbono, manganês, silício e outros elementos.

Mineração GLOSSÁRIO. Aço: liga de ferro contendo carbono, manganês, silício e outros elementos. GLOSSÁRIO Mineração Acabamento: a aparência superficial dos produtos laminados é determinado pelas características superficiais do aço base juntamente com as condições do revestimento que, no caso das

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Aços. Adilson de Melo Poggiato

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Aços. Adilson de Melo Poggiato Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Aços Adilson de Melo Poggiato Noções básicas de siderurgia: O ferro é um metal que existe em grande quantidade na natureza principalmente

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto Variação de entalpia nas mudanças de estado físico Prof. Msc.. João Neto Processo Endotérmico Sólido Líquido Gasoso Processo Exotérmico 2 3 Processo inverso: Solidificação da água A variação de entalpia

Leia mais

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008

PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos. ABM - Março / 2008 PRIMUS Tecnologia para Reciclagem de Resíduos ABM - Março / 2008 SUSTENTABILIDADE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO Paul Wurth 2008 Residuos siderúrgicos: Onde estão? A industria siderúrgica tem uma longa

Leia mais

SISTEMAS DE ABSORÇÃO DE USO DOMESTICO

SISTEMAS DE ABSORÇÃO DE USO DOMESTICO SISTEMAS DE ABSORÇÃO DE USO DOMESTICO Sistemas de Absorção são baseados em diversos combinações de substâncias que tem uma propriedade rara, uma substancia, liquida, que executa a função de refrigerante

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade).

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade). TRATAMENTOS TÉRMICOS 1. Funções: remoção de tensões internas aumento ou diminuição de dureza aumento da resistência mecânica melhora da ductibilidade melhora da usinabilidade melhora da resistência ao

Leia mais

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa;

Feam. e) alto forno a carvão vegetal: alto forno que utiliza o carvão vegetal como combustível e redutor no processo de produção do ferro gusa; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.Curvas de transformação contínua para os aços. as curvas ttt (tempo-temperatura-transformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. hoje em dia

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos:

2. Para aplicação deste anexo deverão ser consideradas as seguintes definições dos termos: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 9ª reunião do Grupo de Trabalho de Fontes Fixas Data: 29 e 30 de novembro de 2010 Processo n 02000.002780/2007-32 LIMITES

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES. Profa Lia Lorena Pimentel MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - A AGLOMERANTES Profa Lia Lorena Pimentel Aglomerantes: Terminologia (NBR 11172) Aglomerante de origem mineral Produto com constituintes minerais que, para sua aplicação,

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

SIDERURGIA. 1- Introdução

SIDERURGIA. 1- Introdução SIDERURGIA Siderurgia 1 1- Introdução Os metais encontrados no estado nativo são o ouro, a prata, a platina, o cobre, o arsênico e o bismuto. Estes metais eram encontrados na superfície ou próximo desta,

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

Química. 2º Ano. Nome completo: N.º

Química. 2º Ano. Nome completo: N.º Data: / /2012 Química 2º Ano Jesus 2ª UA B Nome completo: N.º ASSUNTO: TERMOQUÍMICA e CNÉTICA QUÍMICA PROFESSOR: JESUS I-Termoquímica Conceito: É o estudo das trocas de energia, na forma de calor, envolvidas

Leia mais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais

Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Indústrias Química, do Plástico, do Vidro e dos Metais Trabalho realizado por: Leonardo Vieira R. da Silveira Marcelo Henrique G. Bueno Ralf Marcelo. S. de Oliveira Professor: Renato de Sousa Dâmaso Disciplina:

Leia mais

Material: Substância pura ou composta que é produzida/obtida com alguma motivação tecnológica (APLICAÇÃO).

Material: Substância pura ou composta que é produzida/obtida com alguma motivação tecnológica (APLICAÇÃO). Resumo ICPOM P1: 1) Definições Básicas: Matéria-Prima ou 1º material: Pode ser mineral ou vegetal, de ocorrência natural nas minas. Material: Substância pura ou composta que é produzida/obtida com alguma

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 1 COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 2 PRINCIPAIS RESERVAS DE COBRE Encontram-se no Chile, EUA, Canadá,, antiga URSS, Peru, Zambia e Zaire CUSTO 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET)

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Tratamentos Térmicos Ciência dos Materiais Prof. Alcindo Danilo Oliveira Mendes 340.261-4 EP6P01 2009 2 Sumário SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 TÊMPERA...6

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais