ANVISA e INDÚSTRIAS QUÍMICAS e FARMACÊUTICAS: proposições para o aprimoramento dessa relação visando melhorias na regulação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANVISA e INDÚSTRIAS QUÍMICAS e FARMACÊUTICAS: proposições para o aprimoramento dessa relação visando melhorias na regulação"

Transcrição

1 ANVISA e INDÚSTRIAS QUÍMICAS e FARMACÊUTICAS: proposições para o aprimoramento dessa relação visando melhorias na regulação por Eduardo Ferreira da Silva e Guilherme Perussolo* Curitiba Artigo Revista 4.indd :36:49

2 Sumário 1. Introdução 2. Intervencionismo, um breve histórico 3. Investigação dos fundamentos da intervenção estatal no mercado farmacêutico 3.1. O papel da ANVISA 3.2. Fundamentos da Intervenção Estatal I. Elasticidade da demanda e essencialidade II. Alternativas ao controle de preços 4. Referências Bibliográficas 2 Artigo Revista 4.indd :36:50

3 1. Introdução O presente trabalho tem a intenção de apontar alternativas à regulação de mercado encabeçada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária sobre o setor farmacológico. Começou-se com um breve histórico das origens do intervencionismo estatal na economia. Seguindo, localizou-se o papel da ANVISA no controle de preços dos medicamentos no Brasil, abordando os aspectos legais e políticos atinentes a questão. Ato contínuo, foram identificados os fundamentos que levaram, e ainda levam, a forte regulação do setor farmacêutico pela dita agência reguladora. Por fim, foram apresentadas alternativas à regulação de mercado, não sem antes desmistificar os principais argumentos que atualmente norteiam a política de controle de preços da ANVISA. 3 Artigo Revista 4.indd :36:51

4 2. Intervencionismo, um breve histórico O intervencionismo estatal no domínio econômico, tal como o conhecemos atualmente é algo totalmente novo na História, fruto de uma proposta neoliberal, que surgiu para suprir a total deficiência do Estado de Bem-Estar. Porém o intervencionismo como forma de ingerência do Estado no domínio econômico já existe há muitos séculos. Exemplificam-se, para tanto, as condições econômicas da Inglaterra do século XVII, com centenas de instituições feudais que faziam com que o Rei possuísse poder absoluto. Talvez seja até mesmo por isso, que foi justamente na ilha bretã, que proliferou a maior quantidade de escritos econômicos à época. Entretanto, para o presente escrito, convém limitar-se a épocas de maior relevância para o nosso tempo, possuidoras de maior eco histórico. O primeiro grande crítico do intervencionismo estatal foi Adam Smith ( ), descendente de toda tradição iluminista escocesa, sua teoria conquistou hegemonia na ciência econômica até o século XIX, a obra onde a expôs foi An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations (Investigação sobre a natureza e causas da riqueza das nações). Nela Smith analisa como uma sociedade comercial pode prosperar, apesar de os homens estarem perseguindo os próprios interesses. Ele supõe, porém, um arcabouço de justiça sem o qual a sociedade seria destruída, e é nele que surgem os benefícios da liberdade. 1 É com essa obra, também, que surge o lema mais conhecido de toda história da economia, o laissez-faire, laissez-passer - deixai fazer, deixai passar em outras palavras é uma defesa à liberdade natural, uma terceira opção aos dois sistemas conhecidos pelo autor, o sistema mercantil e o sistema da fisiocracia (agropastoril). Contrapunha-se ferozmente à qualquer tipo de privilégio que o governo pudesse oferecer, entre eles o Monopólio, conforme trecho a seguir: O monopólio... é um grande inimigo da boa administração, que jamais pode ser aplicada universalmente, mas em conseqüência disso [há] a competição livre e universal, que força todo mundo a recorrer a ela a título de autodefesa. 2 Através da livre competição os recursos são desviados para as áreas que mais necessitam, os indivíduos são levados pela mão invisível a promover um fim que não fazia parte de sua intenção. O único papel do Estado aí seria o de garantir um sistema de justiça, para que o sistema de liberdade efetivamente funcionasse. Tanto os gastos com a justiça como com as forças armadas, embora improdutivos, eram essenciais para o pleno funcionamento do sistema. Outra exceção que Smith acreditava ser um dever do soberano era a de manter as instituições públicas e suas obras, como transporte e educação primária, mas, mesmo assim era favorável à cobrança de pedágios e tarifas, pois assim os usuários pagariam o máximo possível e os empregados, a exemplo dos professores, teriam um incentivo para exercer seu labor da melhor maneira. Já no séc. XIX, surge o primeiro grande contraponto a Adam Smith, baseando-se na economia de David Ricardo, porém transcendendo-a, apresenta-se a figura de Karl Marx ( ). Contaminado pelas idéias hegelianas propagadas na Universidade de Berlim, e acreditando que Hegel, com sua flagrante paralaxe cognitiva, fugia constantemente do mundo real, resolveu aplicar a dialética a todo campo do conhecimento, criando assim o materialismo histórico e acreditando ser ele a fonte da evolução da humanidade, tratando a natureza tão-somente como um plano de fundo a ser dominado e transformado pelo ser humano. Cada fase da história possuía uma classe dominante, comparável à tese da dialética, como sua antítese apareceria a classe de oprimidos que se rebelaria, e, por fim, desse embate, a classe operária, mais numerosa, triunfaria, criando uma nova sociedade (síntese) mais justa e humana. O feudalismo deu seu lugar ao capitalismo, que por sua vez daria seu lugar ao socialismo, e por fim ao comunismo, o estágio mais alto da sociedade, semelhante em vários aspectos a aldeias tribais primitivas, principalmente da América do Sul. Em sua obra máxima, Das Kapital (O Capital), Marx investiga a sociedade capitalista de dentro dela. Segundo o autor, o capital não era simplesmente o dinheiro, mas ele deveria ser inicialmente transformado em meios de produção e força de trabalho, depois em capital no processo de produção, adiante em mercadoria e, enfim, em dinheiro novamente. Essa era a clássica forma D-M-D (dinheiro mercadoria mais dinheiro) BACKHOUSE, Roger E. História da Economia Mundial. Primeira Ediçao. Estação Liberdade. São Paulo, p.152. SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Primeira Ediçao. 2 volumes. Martins Fontes. São Paulo, p.26. Artigo Revista 4.indd :36:52

5 De acordo com Karl Marx, a etapa precedente do comunismo, o socialismo, era constituída pela ditadura do proletariado, na qual era necessária a existência de um Estado inflado, que tivesse controle dos meios de produção, para que posteriormente esse Estado pudesse se auto-dissolver. Dessa forma pode-se considerar Marx o primeiro pensador que já possui a idéia de Estado moderno, e que pugna pela sua intervenção direta, para não dizer seu monopólio, no domínio econômico. É inevitável dizer que a economia marxista influenciou sobremaneira o sistema econômico dos regimes comunistas do séc. XX, mesmo com adaptações todos tiveram como pano de fundo a obra de Marx. Logo após a revolução bolchevique na URSS, Lênin tratou de imediatamente acelerar o capitalismo no país, pois acreditava que a República Soviética ainda não estava pronta para o salto de um regime tzarista-agrário, para um socialismoindustrial, para tanto adotou medidas que aos olhos de hoje, se assemelhariam muito com as medidas neoliberais de alguns países latinos. Porém, pouco depois as medidas protecionistas foram rapidamente tomando espaço, até a total estatização dos meios de produção e a regulação total do Estado na economia da República. É exatamente nessa fase que surge o intervencionismo como um sistema econômico político, sistema adotado em praticamente todo regime socialista soviético, o chamado NEP, New Economic Policy. Quando parecia que não despontariam mais críticos habilitados a refutar materialmente a teoria marxista, surge toda a escola austríaca com autores como Ludwig von Mises e Friedrich Hayek, e desbancam toda a teoria econômica marxista. A obra máxima sobre o tema foi de autoria de Mises e chama-se Kritik des Interventionismus (Crítica ao Intervencionismo), porém outras obras importantes foram publicadas pelos autores da escola, como Caminho para Servidão, Ação Humana, Sete Lições, etc. Em sua crítica, Mises conceitua intervencionismo inicialmente dizendo que ele foi criado devido à frustração de antigos militantes e membros do politburo em aplicar o puro socialismo, e dessa forma simplesmente trataram de travar a economia. Por sua vez, a justificativa para aplicação do intervencionismo em países cuja essência não era socialista, foi que com o controle da competição ocorreria a salvaguarda da propriedade, quando, em verdade, com essa intervenção prejudicava-se ambos, pois ao mesmo tempo em que se reduzia a competição também se restringia o uso da propriedade, esta sim, o verdadeiro objeto núcleo do liberalismo. Neste ponto, especificamente, ele diferencia o intervencionismo do socialismo, pois no intervencionismo o que sobrevinha era uma ordem limitadora de uma autoridade, enquanto no socialismo era impossível haver uma ordem limitadora da propriedade, vez que nela o Estado já era o responsável pela produção e distribuição. Dessa forma, o fenômeno do intervencionismo era um fenômeno que não ocorria necessariamente em países socialistas, mas em qualquer tipo de governo e sistema político. Após o duro embate pró e anti-intervencionistas, vários Estados optam por seguir uma possível terceira via que se lhes apresenta, e esta via é o Estado de Bem Estar Social, o Welfare State. Escritores como Sidgwick, Marshall e Pigou introduziram essa teoria, segundo a qual era do Estado o papel de fornecer o bem estar a sua população, ou seja, ele deveria permitir o acesso a todas as necessidades básicas para toda população, e, para além, não só às básicas, mas também às necessidades de acordo com o grau de utilidade momentânea e também de acordo com a necessidade de cada cidadão. Ou seja, uma teoria totalmente embasada no utilitarismo. Porém, com o passar do tempo, para poder embasar as suas teorias os autores tiveram que ir cada vez mais longe e explorar terrenos cada vez mais obtusos, criando uma distinção entre velha teoria do bem estar e nova teoria, e, por fim, Samuelson elaborou a teoria dos bens públicos puros. Esses bens são aqueles que são oferecidos para todos, em que ninguém pode se beneficiar dele sem reduzir os benefícios dos outros. Sua quantidade fornecida será sempre menor que a quantidade desejável. Essas crenças foram amplamente usadas para justificar a intervenção, para que o governo forneça bens que o mercado não suprirá e também para que o governo interfira em nível macroeconômico para garantir o pleno emprego. Como crítica final do Estado de bem estar, já ruindo, surgem teorias sobre o comportamento de eleitores, governos etc.teorias formuladas por James Buchanan, Gordon Tullock, Mancur Olson e Anthony Downs, questionavam se os governos seriam mesmo organizações desprendidas que agiriam pelo interesse público. Os políticos oferecem políticas que maximizarão o apoio que terão na eleição; e os administradores dirigem suas organizações de maneira a aumentar seu status e renda. Impostos e gastos governamentais seriam o resultado de processos políticos em que interesses concorrentes estavam expressos. Para essa crítica não foi apresentada nenhuma solução de contraponto que sustentasse o Welfare State. Assim, como o Estado já não suportava mais suprir diversas necessidades e não havia mais uma teoria que continuasse justificando a existência desse tipo de modelo econômico, o Welfare State ruía-se, mostrando-se como um modelo fadado ao fracasso. 5 Artigo Revista 4.indd :36:53

6 Com a falência do Estado de Bem Estar, surge uma nova proposta, a Neoliberal, que visa a diminuição gradativa do Estado através de privatizações, e, seguindo a Lei De Say, acredita que com o tempo e com a diminuição de poder dos sindicatos o número de empresas e investidores voltará a crescer, a oferta cria sua própria demanda. Com a constante privatização criou-se uma tributação regressiva, a ponto de surgir, como na Inglaterra de Tatcher, o Poll Tax, ou imposto comunitário. O exemplo da Primeira Ministra foi seguido por muitos, inclusive por Ronald Reagan. Foi nesse cenário de privatização e encolhimento estatal que surgiram as agências e empresas reguladoras, com regime jurídico diferenciado. Elas buscam estabelecer parâmetros e instituir regramentos para certas áreas econômicas, principalmente aquelas que forneceriam bens considerados indispensáveis ou de responsabilidade estatal, mas que, devido à total inviabilidade do Estado atuar nessas áreas, optou por privatizá-las e regulamentar sua fabricação ou seu preço e forma de venda. 3. Investigação dos Fundamentos da Intervenção Estatal no Mercado Farmacêutico 3.1. O papel da ANVISA A ANVISA ocupa a secretaria executiva da CMED - Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, órgão criado para intervir economicamente na atividade farmacêutica. A CMED foi instituída pela Lei n /03 e tem como objetivos a adoção, implementação e coordenação de atividades relativas à regulação econômica do mercado de medicamentos, voltados a promover a assistência farmacêutica à população, por meio de mecanismos que estimulem a oferta de medicamentos e a competitividade do setor. Sua competência é delineada pelo artigo 6 do referido diploma legal, o qual transcreve-se abaixo: 6 3 Art. 6. Compete à CMED, dentre outros atos necessários à consecução dos objetivos a que se destina esta Lei: I - definir diretrizes e procedimentos relativos à regulação econômica do mercado de medicamentos; II - estabelecer critérios para fixação e ajuste de preços de medicamentos; III - definir, com clareza, os critérios para a fixação dos preços dos produtos novos e novas apresentações de medicamentos, nos termos do art.7 o ; IV - decidir pela exclusão de grupos, classes, subclasses de medicamentos e produtos farmacêuticos da incidência de critérios de estabelecimento ou ajuste de preços, bem como decidir pela eventual reinclusão de grupos, classes, subclasses de medicamentos e produtos farmacêuticos à incidência de critérios de determinação ou ajuste de preços, nos termos desta Lei; V - estabelecer critérios para fixação de margens de comercialização de medicamentos a serem observados pelos representantes, distribuidores, farmácias e drogarias, inclusive das margens de farmácias voltadas especificamente ao atendimento privativo de unidade hospitalar ou de qualquer outra equivalente de assistência médica; VI - coordenar ações dos órgãos componentes da CMED voltadas à implementação dos objetivos previstos no art. 5 o ; VII - sugerir a adoção, pelos órgãos competentes, de diretrizes e procedimentos voltados à implementação da política de acesso a medicamentos; VIII - propor a adoção de legislações e regulamentações referentes à regulação econômica do mercado de medicamentos; IX - opinar sobre regulamentações que envolvam tributação de medicamentos; X - assegurar o efetivo repasse aos preços dos medicamentos de qualquer alteração da carga tributária; XI - sugerir a celebração de acordos e convênios internacionais relativos ao setor de medicamentos; XII - monitorar, para os fins desta Lei, o mercado de medicamentos, podendo, para tanto, requisitar informações sobre produção, insumos, matérias-primas, vendas e quaisquer outros dados que julgar necessários ao exercício desta competência, em poder de pessoas de direito público ou privado; XIII - zelar pela proteção dos interesses do consumidor de medicamentos; XIV - decidir sobre a aplicação de penalidades previstas nesta Lei e, relativamente ao mercado de medicamentos, aquelas previstas na Lei n o 8.078, de 11 de setembro de 1990, sem prejuízo das competências dos demais órgãos do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor; XV - elaborar seu regimento interno. 3 Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l htm>. Acesso em: 15 jul Artigo Revista 4.indd :36:54

7 Uma das formas de atuação deste órgão é a regulação de preços, onde a CMED, através de resoluções, estabelece os preços que devem ser praticados pelo mercado farmacêutico. Ocorre que esse excesso de intervenção acaba por inibir o desenvolvimento da atividade farmacêutica, trazendo graves prejuízos tanto para a indústria dos fármacos, quanto para a população. Se o objetivo fundamental da criação dessas agências é o acesso universal à saúde, com estímulo à competitividade no setor e a conseqüente baixa nos preços, não faz sentido engessar o mercado de fármacos. Afinal, é de conhecimento de todos que a regulação dos preços desestimula os investimentos na alma do negócio farmacêutico, qual seja, os investimentos em pesquisas e inovações tecnológicas, as quais propiciam a descoberta de milhares de novas drogas para a nossa população. Por certo que a intervenção excessiva do Estado nos setor afeta toda a cadeia produtiva, causando prejuízos tanto para a saúde da população, quanto para a saúde do mercado farmacêutico. Diante destes fatos, o que se propõe aqui não é a liberdade total do mercado para se auto-regular, mas sim a presença da ANVISA como um órgão monitorador, que é a função que a própria lei lhe outorgou. A Lei n 9.782/99 que instituiu a Agência Nacional de Vigilância Sanitária prescreveu as competências inerentes às atividades a serem desenvolvidas pela agência, dentre elas a competência para monitorar a evolução nos preços dos medicamentos, conforme dispõe o artigo 7, XXV: Art. 7º Compete à Agência proceder à implementação e à execução do disposto nos incisos II a VII do art. 2º desta Lei, de XXV - monitorar a evolução dos preços de medicamentos, equipamentos, componentes, insumos e serviços de saúde, podendo para tanto: a) requisitar, quando julgar necessário, informações sobre produção, insumos, matérias-primas, vendas e quaisquer outros dados, em poder de pessoas de direito público ou privado que se dediquem às atividades de produção, distribuição e comercialização dos bens e serviços previstos neste inciso, mantendo o sigilo legal quando for o caso; b) proceder ao exame de estoques, papéis e escritas de quaisquer empresas ou pessoas de direito público ou privado que se dediquem às atividades de produção, distribuição e comercialização dos bens e serviços previstos neste inciso, mantendo o sigilo legal quando for o caso; c) quando for verificada a existência de indícios da ocorrência de infrações previstas nos incisos III ou IV do art. 20 da Lei no 8.884, de 11 de junho de 1994, mediante aumento injustificado de preços ou imposição de preços excessivos, dos bens e serviços referidos nesses incisos, convocar os responsáveis para, no prazo máximo de dez dias úteis, justificar a respectiva conduta; d) aplicar a penalidade prevista no art. 26 da Lei no 8.884, de 1994; 4 Ou seja, a própria lei que criou a ANVISA conferiu-lhe a competência de órgão monitorador, sendo essa a intenção do legislador ao definir as competências da agência, e não de órgão interventor e regulador de preços. Dessa forma, a atuação da ANVISA no mercado farmacêutico seria plausível em momentos de desequilíbrios econômicos, e de maneira provisória até sua estabilização. No mais, sua atuação deve ficar adstrita a função monitoradora Fundamentos da Intervenção Estatal O mercado dos medicamentos apresenta particularidades que o tornam pouco concorrencial, a despeito do grande número de firmas envolvidas na produção e comercialização. Em primeiro lugar, a baixa elasticidade-preço da demanda por medicamentos, em razão da essencialidade do produto, o que faz com que o consumo não diminua sensivelmente em razão de aumento de preços, ou aumente em razão de reduções. A assimetria de informações, na medida em que o paciente, em geral, desconhece a possibilidade de adquirir medicamento substituto ao medicamento prescrito, em particular em razão da referência, nas receitas, a medicamentos de marca, e não à denominação genérica do produto. A interveniência, na decisão de consumo, do profissional da medicina, não necessariamente sensível à variável preço. 5 (grifou-se) 4 5 Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l9.782.htm>. Acesso em: 15 jul Disponível em <http://www.seae.fazenda.gov.br/central_documentos/notas_imprensa/1998-1/3-nt981127>. Acesso em: 15 jul Artigo Revista 4.indd :36:55

8 Os apontamentos retro transcritos foram retirados de uma nota à imprensa emitida pela Secretaria de Acompanhamento Econômico, com o intuito de justificar a implementação de uma dada regulamentação ao setor farmacêutico. Através de tal nota identificamos uma série de falsas premissas que ainda hoje conduzem os órgãos governamentais nacionais a controlar os preços dos medicamentos, como se essa fosse a única saída para a universalização da saúde no Brasil. Este tópico tem o intuito, talvez pretensioso, de desmistificar a presente temática, apontando que as características do mercado farmacêutico não conduzem, necessariamente, ao intervencionismo estatal. I. Elasticidade da demanda e essencialidade De acordo com a Pró-Genéricos, atualmente, cerca de 15% da população brasileira é responsável pelo consumo de 50% dos medicamentos comercializados no país. Estima-se que cerca de 50% da população brasileira têm pouco ou nenhum acesso a qualquer tipo de medicamento, em função de seu baixo nível de renda 6 Fonte: Pró-Genêrico 8 Tal gráfico dá conta de demonstrar que o mercado de medicamentos não é exatamente inelástico, como muitos anunciam. Variações de preço podem SIM induzir o consumo de fármacos. Afinal, não obstante a notória essencialidade do produto aqui discutido, ele ainda não é acessível a todos. As variações apontadas pelo gráfico conduzem-nos à conclusão de que a variação do preço de um medicamento tem o condão de induzir ou inibir o seu consumo, exatamente como ocorre em outros setores da economia. A verdade é que para grande parte da população brasileira o preço do medicamento influi substancialmente na decisão de adquiri-lo ou não. Com um preço menor, os fabricantes teriam a oportunidade de atingir uma fatia maior do mercado e, assim, compensar a redução do preço. Entretanto, a forte regulamentação do setor estrangula a concorrência e faz com que os produtores vejam-se desmotivados a buscar processos mais eficientes e competitivos. Ora, os fabricantes têm suas margens de lucro condenadas pela opinião pública e balizadas pelo sistema de controle de mercado da Anvisa. Sem a intervenção da ANVISA, a indústria ver-se-ia inserida em um mercado mais sedutor e, portanto, mais competitivo. Compreende-se a preocupação do governo em relação aos medicamentos. Eles são de fato indispensáveis a concretização do desenvolvimento humano. Nada obstante, existe uma infinidade de produtos que também podem ser considerados indispensáveis, e nem por isso o Estado regula seus preços tão ferozmente. É o caso dos produtos da cesta básica, por exemplo. Trata-se de gêneros indispensáveis à mesa da família brasileira. Poder-se-ia até compará-los aos fármacos (afinal, a alimentação adequada é um direito de todos, bem como a todos deve ser garantido o acesso aos medicamentos). Se há um aumento generalizado e abusivo dos preços no setor agrícola, ou cartelização, o Estado utiliza-se de instrumentos legais para corrigir tais distorções, o CADE é um bom exemplo. Do contrário, se os preços estão subindo por conta de condições próprias do mercado, como inflação e custos de produção, o governo vale-se de medidas estimulantes da oferta, tal como a concessão de crédito barato e financiamento de produção. Jamais se cogita em impingir ao produtor rural os ônus do subdesenvolvimento nacional. Os preços de tais produtos não restam tabelados, como ocorre com o mercado farmacêutico. Se o Estado quer ver os preços dos medicamentos abaixarem, é só reduzir os custos de sua produção. Grande parte do custo de um medicamento vem da alta taxação do setor. Isso sem falar no sem-número de exigências burocráticas que acabam encarecendo o produto final. Se se demandasse esforços para combater os dois entraves retro apontados como se demanda para controlar os preços, certamente estes reduziriam significativamente. 6 Disponível em <http://www.mzweb.com.br/profarma/web/conteudo_pt.asp?idioma=0&tipo=3782&conta=28>. Acesso em: 15 jul Artigo Revista 4.indd :36:57

9 II. Alternativas ao controle de preços Atualmente pintam os agentes econômicos privados dos setores da indústria farmacêutica como os grandes vilões da problemática sanitária do país. Não se considera, entretanto, a grande contribuição que tais entidades oferecem para a evolução da saúde no mundo. Afinal, são os grandes laboratórios os responsáveis pelo desenvolvimento das inovações no setor. E isso só ocorre, frise-se, em virtude dos lucros que a indústria almeja alcançar futuramente. Essa é a lógica capitalista para todos os setores da economia. A inovação surge na indústria com o intuito de gerar lucros ao seu criador. Não obstante, tal desenvolvimento tecnológico acaba por beneficiar toda a sociedade. Obstaculizar a lucratividade e a livre regulação do setor farmacêutico é contribui com a estagnação tecnológica. Sem inovação, um sem-número de males que ainda atingem a saúde da população continuarão insolúveis, um evidente retrocesso histórico. Corroborando de tal entendimento colacionamos um recente estudo, o qual apontou que o tempo médio para lançamento de um medicamento no mercado norte-americano onde o controle se faz tão somente por meio das compras efetuadas pelo governo e pelos planos de saúde é de apenas quatro meses, enquanto na França país com maior controle os lançamentos se dão após 15 meses 7. Ainda nesta esteira é o estudo do Departamento de Comércio dos EUA, que estima a redução de investimentos em pesquisa e desenvolvimento farmacológico em termos globais na faixa de US$ 5 a US$ 8 bilhões por ano. Com isso, calcula-se que três a quatro novos princípios ativos deixem de ser desenvolvidos e lançados anualmente no mercado mundial. Números estarrecedores. A verdade é que muitos setores do atual governo, e da classe política brasileira como um todo, ainda são muito reticentes ao conferir uma postura de fato capitalista ao Brasil. Atitudes como estas contribuem para que o país continue a chafurdar no subdesenvolvimento econômico e social e fazem com que a nação brasileira fique de fora das inovações tecnológicas que tanto contribuem para o desenvolvimento humano. O problema não está na lucratividade do setor farmacêutico (que, aliás, é bastante salutar). O problema está no alto preço dos medicamentos. Alto, aliás, em termos. Os medicamentos no Brasil são considerados caros porque a população é pobre e o Estado também. Veja-se comparação com outros países. Fonte: Tabelas IMS Note-se que no estudo o Brasil aparece como o 4º na lista dos países com medicamentos mais baratos. Temos um dos menores preços do MUNDO. Tal informação evidencia ainda mais a desnecessidade da regulação aqui debatida. Em um estado liberal, como pretendemos ser, convém ao Estado intervir no domínio econômico tão somente em momentos de deflagrada crise. Não é o que se observa em relação aos fármacos. O que se tem é uma verdadeira bonança no que se refere aos preços dos medicamentos e uma palpável estabilidade nas condições econômico-financeiras do setor. Não há razões plausíveis para a atual política de controle de preços encabeçada pela ANVISA. 7 OHANA, Eduardo Felipe. Comparativo Internacional de Preços de Produtos Farmacêuticos em Edição Eletrônica. São Paulo: Artigo Revista 4.indd :36:58

10 Novamente, compreende-se o interesse dos governos em tornar o acesso aos medicamentos mais universal. Entretanto, cumpre salientar, que se há algum medicamento de fato indispensável, este deve ser subsidiado pelo governo, e não pelas indústrias e distribuidoras privadas. É papel do Estado suprir as necessidades básicas do cidadão. Se este não tem condições de arcar com dado medicamento, cabe ao Estado provê-lo, e não ao setor privado. Neste sentido, podemos citar uma série de medidas que vêm dando certo mundo afora. Os Estados Unidos, por exemplo, criaram um sistema de subsídio parcial na compra de fármacos. Ou seja, se o cidadão não tem condições de arcar com o valor integral do tratamento, bancará, ao menos, parte dele. Definem-se faixas de renda e sobre estas são estabelecidos os montantes percentuais de contribuição que o paciente arcará com o próprio tratamento. Tal iniciativa tem desonerado de forma significativa o orçamento da Saúde naquele país. Outra possibilidade é obrigar os planos de saúde a fornecer medicamentos dentro de seus planos. Tais instituições teriam maior poder de barganha diante da indústria (em virtude do volume das compras) e, assim, conseguiriam melhores preços. Outra possibilidade seria a realização de campanhas voltadas à população em geral. Tais campanhas teriam o objetivo de esclarecer a sociedade acerca da compra de medicamentos. Um consumidor mais informado teria condições de comparar os preços dos medicamentos, procurando-os através de seu princípio ativo, e não através da marca (resolvendo a problemática da assimetria de informações - citada pela nota à imprensa da SEAD). Alguns países e planos de saúde pelo mundo chegam a estabelecer orçamentos para cada médico. Assim, estes se motivam a procurar alternativas terapêuticas menos custosas ou a indicar medicamentos mais baratos, sem perder de vista, por óbvio, o tratamento mais adequado ao paciente. Enfim, existem uma séria de alternativas à regulamentação do mercado. Todas mais salutares que a atual política de controle de preços, pois não inibem a concorrência e a inovação do setor. É claro que os países desenvolvidos também possuem mecanismos de controle de preços de produtos farmacêuticos. Trata-se de alternativa que não pode ser ignorada, tendo em vista a relevância do setor para a saúde e para a poupança da população. Entretanto, as medidas de natureza estrutural alhures descritas, uma vez adotadas, poderão assegurar a evolução módica de preços nesse setor. Somos da opinião de que essas medidas devem ser implementadas antes da drástica medida aqui denominada controle de preços. Tal entendimento leva em consideração os efeitos indesejáveis que a instituição de sistema de controle de preços produz: inibição de investimentos no setor, inclusive em pesquisa e desenvolvimento; contração do processo de liberação de preços; introdução de distorções no funcionamento do setor com relação a preços, substituindo as decisões dos agentes econômicos pelas decisões do Governo. Por fim, cumpre destacar que a regulação do setor farmacológico tem sofrido inúmeras alterações durante os últimos 40 anos. O setor foi submetido a incontáveis regramentos que ora recrudesciam no controle de preços, ora assumiam uma postura mais liberal e menos interventora. Nota-se grande preocupação dos governantes em encontrar a melhor alternativa para o mercado de medicamentos no Brasil. Contudo, as seguidas alterações nas regras do jogo afugentam o capital financeiro, o que acaba contribuindo ainda mais na falta de competitividade e eficiência do setor. Faz-se mister a adoção de uma política de Estado (e não de governo) séria e comprometida com o desenvolvimento nacional, pensada a longo prazo e que seja capaz de coadunar interesses das indústrias, distribuidoras, consumidores, governo e sociedade em geral. 10 Artigo Revista 4.indd :37:00 15 Ibid.

11 4. Referências Bibliográficas BACKHOUSE, Roger E. História da Economia Mundial. Primeira Edição. Estação Liberdade: São Paulo, DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. (coord.). Direito Regulatório: Temas Polêmicos. 2ª Edição. Fórum: Belo Horizonte JUSTEN FILHO, Marçal. O Direito das Agências Reguladoras. Primeira Edição. Dialética: São Paulo MARX, Karl. O Capital. 16ª Edição. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro OHANA, Eduardo Felipe. Comparativo Internacional de Preços de Produtos Farmacêuticos em Edição Eletrônica. São Paulo: PRÓ-FARMA: Disponível em Acesso em: 15 jul. 08. ROMANO, Luiz Affonso Neiva. Intervenção e Regulação no Brasil. A Indústria Farmacêutica. Edição Eletrônica. São Paulo: SECRETARIA DE ACOMPANHAMENTO ECONÔMICO: Disponível em br/central_documentos/notas_imprensa/1998. Acesso em: 15 jul. 08. SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Primeira Edição. 2 volumes. Martins Fontes: São Paulo, VON MISES, Ludwig. Critique of Interventionism. 2ª Edição. Foundation for Economic Education: New York Artigo Revista 4.indd :37:01

12 12 * Eduardo Ferreira da Silva e Guilherme Perussolo, autores e ganhadores do 2º lugar do concurso SINQFAR 45 ANOS: Prêmio EDgar vianna rodbard. Ambos estudantes de Direito da Faculdade de Direito de Curitiba. Contato: e Artigo Revista 4.indd :37:01

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO II David Ricardo Profa. Enimar No século XVIIII tem início a fase científica da Economia. As Escolas Fisiocrata e Clássica foram as primeiras Escolas do Pensamento Econômico

Leia mais

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis.

David Ricardo. Já a riqueza era entendida como os bens que as pessoas possuem, bens que eram necessários, úteis e agradáveis. David Ricardo David Ricardo nasceu em Londres, em 18 ou 19 de abril de 1772. Terceiro filho de um judeu holandês que fez fortuna na bolsa de valores, entrou aos 14 anos para o negócio do pai, para o qual

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 MUITO BARULHO POR NADA - COMO COMPLICAR A EXPLICAÇÃO Autores - Marcos Lobo De Freitas Levy e Silvia V. Fridman A ANVISA prevê a elaboração de uma nova resolução para permitir a

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Qual o benefício que a etiqueta trará para o cidadão? A etiqueta de segurança lançada pela Anvisa trará duas grandes novidades: garantir que o medicamento é

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos Empresas Sem Fins Lucrativos Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula Curso de Especialização em Direito e Economia Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos A característica que define uma empresa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

O papel do Estado 20/3/2012

O papel do Estado 20/3/2012 O papel do Estado Na passagem do século XIX para o século XX Função Principal do Direito e Segurança garantia da liberdade da propriedade Século XIX nenhuma interferência na ordem natural da economia O

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Dezembro de 2009 Por Vítor Wilher Essa é uma pergunta que parece atordoar todos aqueles minimamente preocupados com

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina

PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina PREFEITURA MUNICIPAL DE POUSO REDONDO CNPJ 83.102.681/0001-26 Rua Antonio Carlos Thiesen, 74 89.172-000 Pouso Redondo Santa Catarina LEI N. 1925/06 de 25.07.2006. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Constituição de 1988 Implantação do SUS Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado * Rodrigo Alberto Correia da Silva O mercado brasileiro de produtos para a saúde sofre por conta da publicação

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015

Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas. Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 Perspectivas para a indústria farmacêutica brasileira, seus investimentos e suas pesquisas Ministério da Saúde Brasília, 12 de agosto de 2015 POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Define a assistência

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) Dá nova redação ao artigo 15 da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------------------- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ Data: 10/09/2012 Curso: DIREITO Disciplina: Direito Financeiro e Tributário I e Estágio II Professor: Arnaldo Santos Filho e Ilza Maria da Silva Facundes Turmas: 7º DIN

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária ria Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil 1. Contexto institucional 2. Determinação legal 3. Política Nacional de Aviação Civil e a concessão

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 75, de 2014, do Deputado George Hilton, que dispõe sobre a regulamentação da profissão de instrumentador cirúrgico.

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (ABRAIDI), o Instituto Ethos e as

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos

Gestão Financeira. Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira. Aula 1. Organização da Aula. Contextualização. Objetivos Gestão Financeira Aula 1 Diretrizes e Práticas da Gestão Financeira Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Organização da Aula Contextualização Abrangência da área financeira O profissional de finanças O mercado

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 997, DE 2011. (Apensos PLs n os 1.697 e 2.516, de 2011) Altera a Lei nº 10.826 de 22 de dezembro de 2003,

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA

A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA 1 A CRISE DOS ALIMENTOS EM 2007 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O MERCADO INTERNACIONAL WALDÊNIA JANINE FERREIRA SILVA INTRODUÇÃO As recentes altas dos preços dos alimentos remetem a vários questionamentos de

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS PROJETO DE LEI Nº 7.476/13. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRÂNSITO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE-MS A P R O V A: Art. 1º - Fica criado o Conselho

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário

Gastos Tributários do governo federal: um debate necessário do governo federal: um debate necessário Coordenação de Finanças Sociais Diretoria de Estudos e Políticas Sociais Assessoria Técnica da Presidência do Ipea Este Comunicado atualiza trabalho publicado ano

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais