A CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE MARÍLIA THIAGO DEGELO VINHA A CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS MARÍLIA 2006

2 THIAGO DEGELO VINHA A CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Direito da Universidade de Marília, como exigência parcial para a obtenção do grau de Mestre em Direito, sob orientação da Profa. Dra. Maria de Fátima Ribeiro. MARÍLIA 2006

3 Autor: Thiago Degelo Vinha Título: A Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico Incidente Sobre Combustíveis E Derivados Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Direito da Universidade de Marília, área de concentração Empreendimentos Econômicos, Desenvolvimento e Mudança Social, sob a orientação da Profa. Dra. Maria de Fátima Ribeiro. Aprovado pela Banca Examinadora em / / Profa. Dra. Maria de Fátima Ribeiro Profa. Dra. Marlene Kempfer Bassoli Prof. Dr. Paulo César Baria de Castilho

4 Dedico este trabalho à minha esposa Paula, que com muito carinho, ternura, amor e compreensão esteve sempre ao meu lado em todos os momentos de nossas vidas.

5 Agradeço a minha orientadora Profa. Doutora Maria de Fátima Ribeiro, que com brilhantismo e simplicidade trilhou meus caminhos para a conclusão deste trabalho. Aos meus pais, Pedro e Maria Lúcia, minha irmã Thaiana e meu irmão Pedro, pelo apoio incondicional demonstrado durante toda a minha vida. Aos meus colegas de escritório Ângela, Roberta, Juliana e Alexandre, que viabilizaram em grande parte a conclusão deste trabalho, tanto na troca de conhecimento, quanto na realização dos atos processuais relativos à advocacia, durante minha ausência. Um agradecimento especial ao Prof. Luis de França Costa Filho (in memoriam), à Profa. Denise Maria Weiss de Paula Machado e à Profa. Marlene Kempfer Bassoli, eternos mestres ao longo de todos os meus dias dedicados ao Direito.

6 A CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS Resumo: O presente trabalho se propõe a estudar as contribuições de intervenção no domínio econômico incidente sobre combustíveis e derivados. Para tanto, decompõe o tema em três capítulos estruturados em torno do estudo da interrelação entre o Estado e a Economia, do Sistema Tributário Nacional, e, ainda, acerca das contribuições interventivas. No primeiro capítulo, o trabalho se detém na influência da ciência econômica na confecção de normas jurídicas. Como decorrência natural dessa inter-relação, a intervenção do Estado nas atividades econômicas é reflexo do Estado Social sedimentado na Constituição Federal, a qual positiva os principais valores sociais relacionados com a ordem econômica, nos princípios inseridos no art. 170 da Carta Maior. Como forma de preservação e implementação desses princípios, o Estado poderá intervir na atividade econômica, seja de forma direta, quando atue como empresário, seja de forma indireta, quando intervenha como agente normativo e regulador da economia, por meio da fiscalização, da concessão de incentivos e do planejamento. No segundo capítulo, realiza-se o estudo do Sistema Tributário Nacional, procurando tecer considerações acerca da importância dos tributos na realização das atividades econômicas e de suas limitações inseridas na Constituição Federal, impostas pelos princípios constitucionais tributários, os quais são verdadeiros direitos fundamentais do contribuinte e que, dessa forma, protegem a sociedade contra os atos do Estado em relação ao seu poder de tributar. Ainda é analisada a classificação constitucional dos tributos, demonstrando que as contribuições são tributos autônomos das demais espécies tributárias, possuindo como sua principal característica a necessidade de estarem vinculadas a uma finalidade específica, a qual poderá ser uma finalidade social, interventiva ou de interesse de categorias profissionais. No terceiro capítulo, o trabalho destaca as contribuições de intervenção no domínio econômico, apontando suas principais características que as diferenciam, traduzidas na possibilidade de instituição somente pela União; na necessidade de possuírem uma finalidade interventiva; no equilíbrio entre a finalidade e a sua destinação, a qual, ainda, precisa ser efetiva; na criação por lei ordinária; na impossibilidade de criação de mais de uma contribuição interventiva para a realização de uma mesma finalidade e na impossibilidade dessas contribuições versarem sobre fatos que já sofram a incidência de tributos de competência dos Estados-membros e dos Municípios. Ainda é realizado estudo detalhado das contribuições de intervenção incidentes sobre combustíveis e derivados, por meio da decomposição de sua estrutura pela regra-matriz de incidência fiscal, além de confrontá-la com as características inerentes a todas as contribuições, concluindo que essas contribuições são inconstitucionais, pois suas finalidades ou não são interventivas, ou não possibilitam a realização da intervenção; há desvio de finalidade; versam sobre fatos econômicos já tributados pelos Estados-membros e, por fim, não respeitam os princípios constitucionais da legalidade e da anterioridade, além das regras de imunidade prevista no art. 155, 3º da Constituição Federal. Palavras-chave: Direito Tributário, CIDE, Tributo, Intervenção e Economia.

7 INTERVENTION CONTRIBUTION IN THE ECONOMIC DOMAIN INCIDENT ON FUEL AND ITS DERIVATIVES Summary: The purpose of the present work is to study the intervention contributions in the economic domain incident on fuel and its derivatives. In order to do that, it breaks the theme down in three chapters structured around the study of the interrelation between the State and the Economy, the National Tributary System, and, moreover, about the intervention contributions. In the first chapter, the work gives a close look at the influence of the economic science in the elaboration of juridical norms. As a natural result of that inter-relation, the intervention of the State in the economic activities is the reflex of the Social State, as established in the Federal Constitution, which turns the main social values positive in relation to the economic order, as per the principles inserted in art.170 of the Magna Chart. As a way of preservation and implementation of those principles, the State will be able to intervene in the economic activity, be it directly, when acting as a business entity, be it indirectly, when it intervenes as a normative and regulating economic agent, through auditing, concession of incentives and planning. In the second chapter, a study of the National Tributary System is carried out, seeking to weave considerations about the importance of taxes to perform the economic activities and the limitations inserted in the Federal Constitution, imposed by the tributary constitutional principles, which are the true fundamental rights of the taxpayer and that way protecting society against the acts of the State in relation to its power to tax. The constitutional classification of taxes is also analyzed, demonstrating that the contributions are autonomous taxes of other tributary kinds, having as their main characteristic the need to be for a specific finality, which can be social, of intervention or of the interest of professional categories. In the third chapter, the work highlights the intervention contributions in the economic domain, pointing out their main differentiating characteristics, translated into: the possibility of being established only by the Union; the need to have an intervention finality; the balance between their finality and their destination, which, moreover, needs to be effective; the creation by ordinary law; the impossibility of creating more than one intervention contribution for the same finality; and the impossibility of those contributions to deal with facts that already suffer the incidence of taxes that are the competence of the member-states and Municipalities. A detailed study is also carried out on the intervention contributions incident on fuel and its derivatives, breaking down its structure by the main fiscal incidence rule, besides its confrontation with the characteristics inherent to all the contributions, coming to the conclusion that those contributions are unconstitutional, since their finalities are either not of intervention or do not make the realization of the intervention possible; there is a deviation of finality; they deal about the economic facts already taxed by the member-states and, finally do not respect the constitutional principles of legality and anteriority, besides the immunity rules foreseen in art.155 of the Federal Constitution. Key words: Tributary Law, CIDE, Tax, Intervention, Economy.

8 LISTA DE ABREVIATURAS ADCT Ato das Disposições Constitucionais Transitórias ADIn Ação Direta de Inconstitucionalidade ANA Agência Nacional de Águas ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ANP Agência Nacional do Petróleo ANS Agência Nacional de Saúde ANATEL Agência Nacional de Telecomunicações ANT Agência Nacional dos Transportes Art. artigo CDC Código de Defesa do Consumidor CF Constituição Federal CIDE Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico CONDECINE Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica COFINS - Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social CPMF - Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira CREA Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CRO Conselho Regional de Odontologia CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CTN Código Tributário Nacional DOU Diário Oficial da União EC Emenda Constitucional FMI Fundo Monetário Internacional FNIT Fundo Nacional de Infra-Estrutura de Transportes

9 FUNTEL Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações IE Imposto de Exportação II Imposto de Importação ICMS Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação IOF Imposto sobre Operações Financeiras IPI Imposto sobre Produtos Industrializados IR Imposto de Renda OAB Ordem dos Advogados do Brasil PASEP Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS Programa de Integração Social RE Recurso Extraordinário SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAI Serviço nacional de Aprendizagem Industrial SENAR Serviço de Aprendizagem Rural SESC Serviço Social do Comércio STF Supremo Tribunal Federal

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ESTADO E ECONOMIA ECONOMIA, ESTADO E DIREITO: A ORDEM ECONÔMICA INSERIDA NO TEXTO CONSTITUCIONAL AS PRINCIPAIS ESCOLAS ECONÔMICAS FRENTE AO INTERVENCIONISMO ESTATAL NA ECONOMIA A Escola Liberal A Escola Social A Escola Neoliberal O CONSTITUCIONALISMO DIANTE DOS REFLEXOS DOS MOVIMENTOS SÓCIO-ECONÔMICOS A CONSTITUIÇÃO ECONÔMICA DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ORDEM ECONÔMICA DA INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL O TRIBUTO COMO OBJETO DE ESTUDO DO DIREITO TRIBUTÁRIO DOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS TRIBUTÁRIOS A REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA E A NORMA JURÍDICA TRIBUTÁRIA DAS ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS INSERIDAS NO ART. 145 DA CF DA NATUREZA TRIBUTÁRIA DOS EMPRÉSTIMOS COMPULSÓRIOS E DAS CONTRIBUIÇÕES DA CLASSIFICAÇÃO CONSTITUCIONAL DOS TRIBUTOS PARAFISCALIDADE, EXTRAFISCALIDADE E ESPECIALIDADE CLASSIFICAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES AS CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS CONSIDERAÇÕES INICIAIS

11 3.2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA CIDE AO LONGO DAS CONSTITUIÇÕES DO BRASIL DAS CARACTERÍSTICAS DA CIDE Possibilidade de Instituição Somente pela União Federal Finalidade de Intervenção no Domínio Econômico Equilíbrio Entre a Finalidade e a Destinação da Receita da CIDE A Destinação Precisa ser Efetiva Criação por Lei Ordinária Impossibilidade de Criação de mais de uma CIDE para a Mesma Finalidade Impossibilidade de Versarem Sobre Fatos Jurídicos de Competência dos Outros Entes Federados DA CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INCIDENTE SOBRE COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS Da Emenda Constitucional nº 33/ As Leis nº /01 e nº /02: Instrumentos de Positivação da Incidência da CIDE e de suas Finalidades Critério Material Critério Espacial Critério Temporal Critério Pessoal Critério Quantitativo Das Finalidades da CIDE Combustíveis Análise da CIDE Combustíveis à Luz do Texto Constitucional Suas Finalidades não são Interventivas Do Desvio de Finalidade Da Invasão de Competência dos Estados Do Desrespeito às Limitações ao Poder de Tributar CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

12 11 INTRODUÇÃO O Direito, a cada dia, passa por transformações que acompanham a sociedade como um todo. Dentre essas, os valores sociais, que vão sendo sedimentados ao longo do tempo, acabam por interferir na confecção das normas jurídicas. Muitos deles possuem conteúdo econômico, o que, necessariamente, trará transmutações para o ordenamento jurídico do Estado, inclusive o brasileiro. A influência dos valores econômicos no Direito não é nova, mas a forma de interpretá-la vem sendo alterada ao longo dos anos. As idéias econômicas iniciadas com os ensinamentos de Adam Smith, transformadas no Estado Social de Keynes e reestruturadas pela escola neoliberal de Hayek foram sendo absorvidas pelos textos jurídicos e pelas Constituições de vários países do mundo. Assim, o Texto Constitucional brasileiro traz contornos econômicos em seu ventre, sedimentados em uma infinidade de artigos espalhados por toda a sua estrutura, de forma a positivar os valores econômicos e, conseqüentemente, sociais. Com especial destaque, os arts. 1º, 3º e 170, da Carta Constitucional trazem as principais estruturas, objetivos e princípios econômicos informadores da sociedade, positivando os ideais sócio-econômicos delimitados pela sociedade brasileira, sedimentando ideologias sociais e liberais em perfeita harmonia constitucional. Como reflexo dessas ideologias, a intervenção do Estado vem à tona, para a preservação e a efetivação dos princípios constitucionais econômicos, em busca dos objetivos sociais da República Federativa do Brasil. É a justiça social interagindo com as normas jurídicas, promovendo as condutas estatais de forma a efetivá-la. No capítulo primeiro, o objetivo do presente estudo é promover a análise da intervenção do Estado nas atividades econômicas, procurando demonstrar a influência de suas ideologias na confecção de normas jurídicas, as quais acabam por autorizar o Estado a interferir nas relações econômicas dos particulares, procurando sistematizar o estudo da intervenção, trazendo os segmentos nos quais poderá ocorrer, quais os entes autorizados a intervirem e como essa intervenção é realizada, objetivando confrontá-la com os princípios constitucionais da ordem

13 12 econômica. Será ainda realizada uma análise das formas de intervenção, identificando suas principais modalidades de atuação, de forma a localizar os tributos interventivos como um dos meios de que dispõe o Estado para realizar o instituto em questão. No capítulo segundo, estudar-se-á o Sistema Tributário Nacional, trazendo a lume os princípios constitucionais tributários, procurando demonstrar a sua qualidade de verdadeiros direitos fundamentais na imposição de limitações constitucionais ao poder de tributar e ofertando limites para todas as espécies de tributos existentes no ordenamento. Ainda será realizado um estudo dessas espécies tributárias, procurando diferenciá-las uma das outras, com especial destaque para o estudo das contribuições especiais, as quais ainda guardam grande obscuridade na identificação de sua natureza jurídica, e de suas principais características dentro do Sistema Tributário Nacional. Dentre essas características, procurar-se-á demonstrar a natureza tributária autônoma das contribuições especiais e comprovar a importância da finalidade para a sua instituição, de forma a demonstrar ser esta finalidade a condição essencial para a sua implementação no cenário jurídico. No capítulo terceiro, realizar-se-á um estudo aprofundado das contribuições de intervenção no domínio econômico, promovendo uma leitura histórica desse instituto dentro das Constituições que vigeram no país ao longo de sua independência e procurando identificar quais são suas principais características dentro do ordenamento jurídico nacional. Merece especial destaque o estudo da suas finalidades, bem como a necessidade de uma destinação efetiva dos seus recursos para essas finalidades, de forma a demonstrar que, uma vez não destinados os recursos para os quais foram arrecadados, o tributo interventivo perde seu fundamento de validade no Texto Constitucional. Posteriormente, será realizado um estudo detalhado da contribuição de intervenção no domínio econômico incidente sobre petróleo e derivados, gás natural e derivados e álcool combustível, por meio da análise da EC nº 33, de 11 de dezembro de 2001 e das Leis nº , de 19 de dezembro de 2001 e , de

14 13 30 de dezembro de 2002, que introduziram e definiram os parâmetros de incidência do tributo interventivo in comento. Isso para procurar enquadrá-lo dentro da regramatriz de incidência tributária, bem como confrontá-lo com os princípios constitucionais da ordem econômica e do Sistema Constitucional Tributário, de forma a investigar se essa contribuição possui ou não finalidade interventiva e, ainda, se respeita os princípios constitucionais tributários, buscando descobrir se o tributo em análise encontra ou não fundamento de validade no Texto Constitucional.

15 14 1 ESTADO E ECONOMIA 1.1 ECONOMIA, ESTADO E DIREITO: A ORDEM ECONÔMICA INSERIDA NO TEXTO CONSTITUCIONAL A origem da palavra economia remonta aos primórdios da civilização grega, proveniente dos vocábulos oikos (casa) e nomos (norma, lei), traduzindo-se como a administração de uma unidade habitacional, ou modernamente, como a administração da coisa pública 1. Dessa forma, a Economia atinge o patamar de ciência social relacionada com a administração e gerenciamento da coisa pública, de forma a buscar maneiras de se possibilitar melhores condições de vida para a sociedade, ao tempo em que se realizam medidas de satisfação de necessidades publicas. WONNACOTT conceitua a Economia como sendo [...] o estudo de como as pessoas ganham a vida, adquirem alimentos, casa, roupa e outros bens, sejam eles necessários ou de luxo. Analisa, sobretudo, os problemas enfrentados pelas pessoas e as maneiras pelas quais esses problemas podem ser contornados. 2 A Economia se preocupa com o fato por meio do qual as pessoas, assim como o Estado, poderão buscar meios de satisfazer as necessidades dos indivíduos, possibilitando o seu desenvolvimento dentro do cenário social. Em outros termos, busca formular políticas para atender aos anseios sociais. Dentro dessa ótica, a ciência econômica traz como tema central o problema da escassez dos bens econômicos, enquanto as necessidades são muitas, atuando de forma a viabilizar a maximização dos bens para atender às grandes demandas sociais, levando ROSSETI a afirmar que a economia é a ciência que estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação existente entre as ilimitadas necessidades a satisfazer e os recursos que, embora escassos, se prestam a usos alternativos 3. 1 PASSOS, Carlos Alberto Martins e NOGAMI, Otto. Princípios de Economia. São Paulo: Pioneira, p WONNACOTT, Paul e WONNACOTT Ronald. Economia. GONDO, Celso Seiji, CORTADA, Martins e FRANCISCO JUNIOR, Jayme Fonseca (trad.) 2. ed. São Paulo: Makron Books, p ROSSETI, José Pascoal. Introdução à economia. 17. ed., reest., atual. e ampl. São Paulo: Atlas, p. 52; no mesmo sentido, Cf. NUSDEO, Fábio. Curso de Economia: uma introdução ao direito econômico. 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 31. Afirma o autor que a

16 15 No intuito de buscar atender às necessidades sociais, a Economia traz como temas correlatos ou metas econômicas, o alto nível de emprego, a estabilidade dos preços dos produtos, a eficiência do trabalho, a distribuição de renda de forma eqüitativa, bem como o crescimento econômico 4, os quais guardam similitude com diversos problemas enfrentados pelo Estado e são objeto de estudo do Direito. Estes fatos sociais, que a Economia toma como objeto de estudo, podem ser chamados de fatos econômicos. A ciência econômica enxerga os fatos sociais de forma objetiva, analisandoos sob uma ótica informativa, de modo a fornecer ao Estado elementos necessários para a realização de políticas públicas voltadas ao atendimento das demandas sociais. Por ser ciência relacionada com o mundo do ser, auxilia o legislador, assim como o administrador, a visualizar quais são os problemas sociais e sinaliza para possíveis soluções a serem desenvolvidas pelo Estado em busca de seus objetivos previstos no art. 3º da Constituição Federal. Por conseguinte, a Economia estuda o fato social de cunho econômico, na tentativa de entendê-lo e explicá-lo, apontando os principais problemas relacionados com as metas econômicas e propondo soluções para estes problemas. Estes fatos econômicos que são objeto de estudo da Economia, acabam por ser objeto de estudo do Direito, na medida em que exercem influência no ordenamento jurídico brasileiro. A política e a ciência econômica influenciam na confecção de normas pelo Estado, justificando a sua atenção por parte do Direito 5. Entretanto, ao invés de analisar estes fatos econômicos como eles são, analisa-os como deverão ser. É o estudo normativo, prescritivo, por parte do Direito, do fato economia existe porque os recursos são sempre escassos frente à multiplicidade de necessidades humanas. 4 WONNACOTT, Paul e WONNACOTT Ronald. Tradução de Celso Seiji Gondo, Martins Cortada e Jayme Fonseca Francisco Júnior. Economia. 2. ed. São Paulo: Makron Books, p NUSDEO, Fábio. Curso de Economia: uma introdução ao direito econômico. 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 31. Afirma o autor que há uma íntima relação entre o direito e a economia, a qual deriva da própria origem da palavra oikos nomos, pois os fatos econômicos são o que são e se apresentam de uma dada maneira em função direta de como se dá a organização ou normatização nomos a presidir a atividade desenvolvida na oikos ou num dado espaço físico ao qual ela possa se assimilar. E o nomos nada mais vem a ser do que as normas ou regras, estas objeto da ciência do Direito.

17 16 que a economia analisa de modo informativo, descritivo. 6 Dessa forma, o fato econômico atua como o liame entre o Direito e a Economia, possibilitando o estudo do direito sob um ótica econômica. Há [...] uma intercomunicabilidade de linguagem e de valores [...] 7 que apontam para uma inter-relação entre o mundo do ser econômico e o mundo do dever-ser jurídico, sendo o direito econômico [...] a área privilegiada de encontro e estudo desses novos desenvolvimentos, cabendo-lhe analisar a interacção existente e prosseguir a adequação possível e desejável entre o jurídico e o económico 8. Assim, o Direito Econômico surge como o intermediário entre o Direito e a Economia, objetivando estudar as normas que versam sobre conteúdo econômico, de forma a regular determinadas situações jurídicas em prol da busca pelos objetivos do Estado. MONCADA observa que o Direito Econômico não é um Direito da Economia, sob pena de se alargar em demasia o seu objeto, tornando-o sem conteúdo 9. Pelo contrário, afirma que a principal característica do Direito Econômico é o estudo de normas jurídicas incidentes sobre fatos econômicos, de forma a regulá-los por meio da atividade estatal, afirmando que o Direito Econômico é Direito público que tem por objectivo o estudo das relações entre os entes públicos e os sujeitos privados, na perspectiva da intervenção do Estado na vida económica 10. VAZ também traz a idéia de que a norma jurídica atua como regulamentadora da Economia. Apesar desta surgir antes no cenário econômico, por se tratar de ciência informativa, o Direito não se torna seu servo. Pelo contrário. Atua como limitador de suas atividades, embora sofra influência daquela na sua atuação 11. Essa inter-relação entre o Direito e a Economia produz grandes 6 SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5. ed. São Paulo: LTR, p VAZ, Manuel Afonso. Direito Económico. 4. ed., rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p VAZ, Manuel Afonso. Direito Económico. 4. ed., rev. e atual., Coimbra: Coimbra Editora, p MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed., rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editores, p MONCADA, Luis S. Cabral de. Direito Económico. 2. ed., rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editores, p VAZ, Manuel Afonso. Direito Económico. 4. ed., rev. e atual. Coimbra: Coimbra Editora, p

18 17 transformações na sociedade, na medida em que vão sendo criadas normas de caráter econômico, de forma a estabelecer novas premissas para as condutas sociais. O Estado, como grande realizador do bem-estar, acaba por sofrer a influência econômica na tentativa de implementar suas políticas públicas voltadas para este fim, variando a sua intensidade de acordo com as ideologias sedimentadas pelas doutrinas econômicas que estejam exercendo sua influência em determinada época da história, conforme será visto mais adiante. Nessa esteira, o Direito, por meio do Direito Econômico, preocupa-se com a interferência econômica na confecção de normas, procurando estudar essa inter-relação entre o Estado e as atividades econômicas, por meio da produção de normas que visem a regular as atividades econômicas, levando SANTOS a definir o [...] Direito Económico como o estudo da ordenação (ou regulação) jurídica específica da organização e direcção da atividade económica pelos poderes públicos e (ou) pelos poderes privados, quando dotados de capacidade de editar ou contribuir para a edição de regras com caráter geral, vinculativas dos agentes económicos. 12 Além da regulação das atividades econômicas, o Direito Econômico também objetiva a estudar fenômenos políticos, analisando as políticas públicas desenvolvidas pelo Estado na tentativa de atender as necessidades públicas demandadas pela sociedade, como bem afirma CELSO BASTOS: Direito econômico é o ramo autônomo do Direito que se destina a normatizar as medidas adotadas pela Política Econômica através de uma ordenação jurídica, é dizer, a normatizar as regras econômicas, bem como a intervenção do Estado na economia. 13 Na mesma esteira, LEOPOLDINO afirma que o objeto de estudo do Direito Econômico é a política econômica, na medida em que o Estado adota medidas políticas para relacionar o jurídico com o econômico, se utilizando de normas para regular a Economia, de forma a alcançar um equilíbrio. 14 Cumpre ainda destacar o conceito de SOUZA, o qual abrange todos os 12 SANTOS, António Carlos et. al. Direito Económico. Coimbra: Almedina, p BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Econômico. São Paulo: Celso Bastos Editora, p FONSECA, João Bosco Leopoldino da. Direito Econômico. 5. ed., rev. e atual. Rio de Janeiro: Forense, p. 19.

19 18 aspectos transcritos anteriormente, ofertando ao Direito Econômico, medidas que atentam para a intervenção estatal nas atividades econômicas, bem como para políticas econômicas realizadas pelo Estado: Direito Econômico é o ramo do Direito que tem por objeto a juridicização, ou seja, o tratamento jurídico da política econômica e, por sujeito, o agente que dela participe. Como tal, é o conjunto de normas de conteúdo econômico que assegura a defesa e harmonia dos interesses individuais e coletivos, de acordo com a ideologia adotada na ordem jurídica. Para tanto, utiliza-se do princípio da economicidade. 15 Ao se analisar o conceito acima transcrito, constata-se que o grande responsável pela harmonia das normas jurídicas em relação aos interesses econômicos traduzidos nas escolas econômicas, que serão estudadas adiante, é o princípio da economicidade. Um estudo mais aprofundado dos princípios será desenvolvido ao longo do presente trabalho, razão pela qual se deixa de colacionar ensinamentos acerca do vernáculo princípio, trazendo apenas o conteúdo do que vem a ser economicidade. Já foi destacado que as escolas econômicas influenciam na construção de normas, bem como na realização de políticas econômicas pelo Estado. Estas escolas econômicas não convivem de forma isolada, afastando sua atuação enquanto outra esteja no controle do Poder Estatal. Dessa forma, é necessário um mediador das idéias econômicas presentes na sociedade, capaz de possibilitar ao Estado a implementação de suas políticas destinadas à persecução de suas finalidades. Para tanto, o princípio da economicidade atua de forma a viabilizar a coexistência de diferentes pensamentos econômicos, em prol das necessidades públicas que o Estado precisa suprir, por meio de suas políticas públicas. Este princípio traz a idéia de flexibilidade das medidas econômicas em busca da justiça, além de atuar como instrumento de harmonização das escolas econômicas 16. É princípio interpretativo das variadas escolas presentes no ordenamento, além de ser informativo, na medida do justo econômico, orientando o Estado na busca da justiça e do bem-estar social. 15 SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5. ed. São Paulo: LTR, p SOUZA, Washington Peluso Albino de. Primeiras Linhas de Direito Econômico. 5. ed. São Paulo: LTR, p. 23.

20 19 É possível afirmar que os fatos econômicos são utilizados tanto para a ciência econômica, quanto para a ciência jurídica, de forma a servirem de objeto de estudo para ambas. Esses fatos econômicos, seja do ponto de vista da ciência econômica (fatos econômicos relacionados ao mundo do ser), seja do ponto de vista da ciência do direito (fatos jurídicos relacionados ao mundo do dever-ser), estão organizados em elementos e processos que possuem uma estrutura, constituindo-se em uma ordem 17. Por conseguinte, é possível falar da existência de uma ordem econômica do mundo do ser e uma ordem econômica do mundo do dever-ser, ou, como prefere MOREIRA, em uma ordem econômica e em uma ordem jurídica da economia 18. Assim, sob a expressão ordem econômica, é possível designar tanto os fatos econômicos existentes do mundo do ser, quanto os fatos positivados no mundo do dever-ser. Contudo, o Título VII da Constituição Federal, ao introduzir seus preceitos relativos à Ordem Econômica, está se referindo à ordem econômica normativa, pois estabelece os princípios e demais institutos jurídicos que irão regular as atividades econômicas ocorridas no mundo do ser. Para o desenvolvimento do presente trabalho, adotar-se-á a expressão atividade econômica ou domínio econômico para a designação da ocorrência dos fatos econômicos relacionados com o mundo do ser e ordem econômica para a designação do conjunto de princípios e normas destinados a regular os fatos econômicos em prol dos objetivos e finalidades constitucionais. 1.2 AS PRINCIPAIS ESCOLAS ECONÔMICAS FRENTE AO INTERVENCIONISMO ESTATAL NA ECONOMIA Ao se analisar a inter-relação entre o direito e a economia, verifica-se que as atividades econômicas exercem grande influência na sociedade e, conseqüentemente, demandam um grande interesse por parte do direito no tocante à sua regulação. Nada obstante, as atividades econômicas, por pertencerem ao mundo do ser, procuram uma maior ou menor independência do mundo do dever- 17 MOREIRA, Vital. Economia e Constituição: para um conceito de constituição económica. 2. ed., Coimbra: Coimbra Editora, p MOREIRA, Vital. Economia e Constituição: para um conceito de constituição económica. 2. ed., Coimbra: Coimbra Editora, p. 53.

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

ESTADO E ECONOMIA: O INTERVENCIONISMO ESTATAL NO ATUAL CENÁRIO JURÍDICO-ECONOMICO BRASILEIRO

ESTADO E ECONOMIA: O INTERVENCIONISMO ESTATAL NO ATUAL CENÁRIO JURÍDICO-ECONOMICO BRASILEIRO ESTADO E ECONOMIA: O INTERVENCIONISMO ESTATAL NO ATUAL CENÁRIO JURÍDICO-ECONOMICO BRASILEIRO Thiago Degelo Vinha * Sumário: 1. Introdução; 2. Evolução do Pensamento Econômico em Face da Intervenção Estatal

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO

CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO ECONÔMICO CONCEITO DE DIREITO ECONÔMICO SUJEITO - OBJETO CONCEITO DIREITO ECONÔMICO É O RAMO DO DIREITO QUE TEM POR OBJETO A JURIDICIZAÇÃO, OU SEJA, O TRATAMENTO

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - 1. Conceituação a) condição de pessoa como requisito único para ser titular de direitos humanos. b) dignidade humana. 2. Histórico Declaração americana

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Tributos em orçamentos

Tributos em orçamentos Tributos em orçamentos Autores: Camila de Carvalho Roldão Natália Garcia Figueiredo Resumo O orçamento é um dos serviços mais importantes a serem realizados antes de se iniciar um projeto. É através dele

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D - 13 PERÍODO: 4 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO FINANCEIRO E ECÔNOMICO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

Leia mais

PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA EFICIÊNCIA E O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DO ICMS

PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA EFICIÊNCIA E O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DO ICMS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROPPEC CENTRO DE EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CEJURPS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS

valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS valorização profissional e pessoal dos Associados SERVIDORES EFETIVOS DAS AGÊNCIAS REGULADORAS FEDERAIS ANER SEDE ANER SHIS QI 23 Conjunto 13 casa 19 Lago Sul Brasília - DF Entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011

Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 Terceirização e plano Brasil Maior são destaques em palestras na Câmara 18/08/2011 A oitava reunião mensal do ano da Comissão Trabalhista e de Gestão Empresarial superou as expectativas. 50 representantes

Leia mais

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se:

2. Condições de Equilíbrio do Modelo No modelo keynesiano simples, a economia estará em equilíbrio se: Macroeconomia Aula 2 1. Modelo Keynesiano Simples 1.1. Clássicos x Keynes Para os economistas clássicos, a economia de mercado era auto-regulável e tendia quase que automaticamente para o pleno emprego.

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Atualização e Capacitação Sobre Formulação e Gestão de Políticas Públicas Módulo III Gestão das Políticas Públicas Aula 5 Parcerias na gestão e execução

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902. Primeiro curso superior 1946

A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902. Primeiro curso superior 1946 A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902 Primeiro curso superior 1946 Os Primórdios O que não passou na TV Globo No início foi fortemente influenciada pela Escola Italiana.

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL

CONTABILIDADE COMERCIAL CONTABILIDADE COMERCIAL Klebson Moura Rodrigues Prof. Tutor Externo: Diana Claudia Freire Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB 0043) Prática do Módulo IV 22/05/2012

Leia mais

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO 1 I - O DIREITO TRIBUTÁRIO E O DIREITO FINANCEIRO 1- A atividade financeira do Estado 2- O Direito Financeiro e o Direito Tributário 3- A autonomia do Direito

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes

TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA. Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Formas de Redução Marco Aurélio Carvalho Gomes I Da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS Conforme prescrito nas Leis Complementares nº`s 07/70

Leia mais

O papel do Estado 20/3/2012

O papel do Estado 20/3/2012 O papel do Estado Na passagem do século XIX para o século XX Função Principal do Direito e Segurança garantia da liberdade da propriedade Século XIX nenhuma interferência na ordem natural da economia O

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E PREMISSAS 1.1 Justificativa - p. 51 1.2 Objetivo - p. 53 1.3 Pressuposto metodológico e delimitação do objeto - p. 54 1.4 O fenômeno jurídico - p. 58 1.4.1 Direito e regra jurídica

Leia mais

Em defesa da Saúde pública para todos

Em defesa da Saúde pública para todos Boletim Econômico Edição nº 57 março de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Em defesa da Saúde pública para todos 1 A saúde pública faz parte do sistema de Seguridade Social

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Apresentação Direitos sociais e econômicos Desafios Dados Distribuição renda Exemplo mundo Situação Brasil Conceituação a) condição de pessoa como requisito

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 53/2006 FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO (FUNDEB) Ary Jorge Advogado

Leia mais

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO 08/10/2013 Para as desonerações tributárias, as entidades podem ser divididas em dois campos: 1) as imunes 2) as isentas 2 IMUNIDADE

Leia mais

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região

Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região. Sindicato dos Químicos e Plásticos de São Paulo e Região 1 Entidades proponentes: Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté Sindicato dos Químicos e Plásticos

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 45.013, DE 15 DE JULHO DE 2004 Regulamenta a Lei nº 13.833, de 27 de maio de 2004, que dispõe sobre a criação do Programa de Incentivos Seletivos para a área leste do Município de São Paulo.

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Administração Direta. Empresas Estatais

Administração Direta. Empresas Estatais Ordem Social Ordem Econômica Administração Indireta Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Consórcio Público

Leia mais

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos

A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO. Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos A GESTÃO DA FORÇA DE TRABALHO NO SETOR PÚBLICO SOB O PRISMA PREVIDENCIÁRIO Marcus Vinícius de Souza Maria Thais da Costa Oliveira Santos Painel 46/162 Uma visão de longo prazo da Força de Trabalho no setor

Leia mais

ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA:

ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA: CARLOS AUGUSTO VALENZA DINIZ ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA: POSSIBILIDADE E LIMITES DE APLICAÇÃO NAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PATRONAIS DESTINADAS À SEGURIDADE SOCIAL BRASÍLIA 2003 CARLOS AUGUSTO VALENZA DINIZ ANTECIPAÇÃO

Leia mais

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos importantes para um melhor entendimento de temas futuros, ok! 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES 1. FATO GERADOR/ HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil

Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil Brasília, 23 de novembro de 2011 Discurso do diretor Luiz A Pereira da Silva no SICOOB - Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil 1. Senhoras e senhores, boa tarde. 2. Inicialmente, eu gostaria de

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO

O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO 5.11.05 O TIGRE E A DEMOCRACIA: O CONTRATO SOCIAL HISTÓRICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Primeira versão, 5.11.2005; segunda, 27.2.2008. No século dezessete, Hobbes fundou uma nova teoria do Estado que

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 03 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal O Turismo Rural não tem leis e regulamentos específicos que normatizem a sua diversidade, até por

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs)

Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Curso de Atualização de Direito Tributário 2010 Módulo II 21 de agosto de 2010 Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDEs) Ricardo Maitto ricardomaitto@gmail.com Visão geral Base Constitucional

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais