HOLOGRAFIA. João Santos nº 69881, João Pedrosa nº 79833

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOLOGRAFIA. João Santos nº 69881, João Pedrosa nº 79833"

Transcrição

1 HOLOGRAFIA João Santos nº 69881, João Pedrosa nº Instituto Superior Técnico Av. Rovisco Pais, Lisboa, Portugal ABSTRACT Neste artigo começa-se por explicar o que é um holograma e referem-se as condições para ver o holograma como reprodução 3D de um objecto. A história da holografia é revista, desde a invenção dos primeiros hologramas até à actualidade. Apresentam-se os principais métodos para obter um holograma: Transmissão, Reflexão e Arco-Íris. É ainda feita uma breve comparação entre a holografia e a fotografia, e descritas as principais aplicações da holografia como segurança, aviação e armazenamento de dados. Analisa-se o impacto destas aplicações e da holografia em geral no mundo actual e apresenta-se uma projecção sobre o futuro da holografia. Palavra Chave Holografia, Holograma, Imagem Tridimensional, Fotografia, transmissão, reflexão, arco-íris. 1. INTRODUÇÃO O nome holografia vem do grego HOLOS: todo, inteiro; e GRAPHOS: sinal, escrita, pois é um método de registo "integral" com relevo e profundidade[1]. Um holograma é uma figura tridimensional obtida por registo, em película própria, dos efeitos da sobreposição de duas ondas (figura de interferência) provenientes de uma mesma fonte luminosa (raios laser), sendo uma onda directa e a outra reflectida pelo objecto (que se quer reproduzir) na película. O Laser é a fonte de luz necessária para a criação de uma inscrição microscópica criada de tal maneira que com a presença de luz adequada, a imagem integral de um objecto é projectada tridimensionalmente. Quando uma luz incide sobre o holograma, as imagens guardadas saltam para o espaço, isto é, forma-se uma imagem virtual que reconstitui o objecto a 3 dimensões. Devido à propriedade ondulatória da luz, é possível gerar imagens de objectos no espaço. O holograma é constituído por um filme no qual se fazem incidir dois feixes de raio laser. O primeiro é reflectido por um espelho e o segundo, pelo objecto que se deseja fotografar. O filme fica impressionado pela figura de interferência dos dois feixes. Quando o holograma é iluminado com a luz coerente (com diferença de fase estável) do mesmo comprimento de onda usado na impressão, surge no filme uma imagem virtual do objecto holografado. O ângulo de observação da imagem coincide com o do objecto. Neste artigo, vamos dar a conhecer a história da holografia, como se produz holografia, os vários tipos de hologramas existentes, e também, o que pode ser o futuro nesta área. 2. HISTÓRIA DA HOLOGRAFIA O conceito de holografia surgiu lado a lado com a fotografia. Ter possibilidade de produzir uma fotografia em 3D é algo absolutamente fascinante, e apesar de ainda não ser totalmente possível, já há bastante tempo se trabalha para isso. A holografia propriamente dita surgiu em 1947 às mãos de um cientista de nome Dennis Gabor quando este tentava melhorar a precisão de um microscópio electrónico. Foi este cientista que criou a palavra holograma, que deriva do grego Holos: todo, inteiro; e Graphos: sinal, escrita, pois é um método de registo completo com profundidade[2]. Este primeiro holograma era muito primitivo pois era produzido com uma luz filtrada de uma lâmpada a arco de mercúrio. A sua descoberta foi mais tarde posta em prática quando em 1960 o cientista norte-americano Theodore Maiman descobriu o Laser, que é a fonte ideal para produção de hologramas. Em 1962, dois engenheiros de seu nome Emmett Leith e Juris Upatnieks apresentam o primeiro Laser de uso prático e, utilizando a técnica descoberta por Gabor, realizaram os primeiros hologramas de grande qualidade a três dimensões. Também em 1962 em o físico Yuri N.Denisyuk, que anteriormente também havia descoberto uma técnica de holografia, embora sem reconhecimento, produz agora um holograma de reflexão com luz branca, i.e., que podia ser visto com luz de uma lâmpada normal. 1

2 Em 1968, Stephen A. Benton, inventa a holografia de transmissão com luz branca, que além de poder ser vista com uma lâmpada normal oferece a possibilidade de gravar um holograma numa película de plástico. Esta técnica de gravação possibilita a reprodução em massa de hologramas. Corria o ano de 1972 quando Lloyd Cross combinou a técnica de Stephen Benton com a cinematografia para produzir imagens tridimensionais em movimento. Sequências de imagens de um objecto 2D.[3] de referência. Quando se pretende iluminar um objecto mais complexo, um feixe único de luz é insuficiente para se conseguirem resultados adequados. Além disso, não se pode controlar a razão entre as intensidades do feixe de referência e o feixe do objecto, factor importante para a obtenção de hologramas eficientes. Este holograma tem a vantagem de ter a sua imagem reconstruída com luz branca incoerente, permitindo a sua visualização com uma lâmpada incandescente comum, no entanto não é possível fazer cópias, o que o torna limitativo.[5] 3. PRODUÇÃO DE HOLOGRAFIA A holografia à semelhança da fotografia requer uma fonte de iluminação, uma película para registar o objecto e uma forma de revelação para que o objecto possa então ser visto, no caso do holograma, tridimensionalmente. No entanto, a criação de um holograma é um processo mais trabalhoso, que utiliza feixes de raios laser para criar uma matriz com a informação do objecto, esta matriz fica registada numa película com características especiais por serem sensíveis à luz. A inscrição feita na matriz é microscópica e em qualquer pedaço do holograma é recebida e registada a luz proveniente de todo o objecto. Deste modo, qualquer parte do holograma reproduz o objecto por inteiro. No entanto fálo apenas para uma única perspectiva, para obter uma imagem em 3D é necessário juntar todas as partes. Só assim é possível observar a imagem reconstruída de vários ângulos. Os feixes de raio laser têm origem num só que depois é dividido em dois, ambos atingem a película de holograma um é reflectido pelo objecto e o outro é reflectido por um espelho. Todos os espelhos utilizados em holografia são espelhos com reflexão na primeira face, ao contrário dos espelhos convencionais que são espelhados por trás. Existem várias técnicas de produção de hologramas: reflexão, transmissão e arco-íris.[4] 3.1. Holografia por reflexão Na holografia por reflexão, o laser passa por uma lente, pela película de gravação e atinge o objecto. A lente espalha o feixe laser de modo a cobrir todo o objecto. O objecto reflecte o laser directamente para a película, esta é atingida pelo laser original na face oposta, criando-se a figura de interferência. Neste tipo de holograma, apenas a parte do objecto mais próxima ao filme será bem registada. Não existe flexibilidade para variar a iluminação do objecto, pois a mesma será sempre alinhada com o ângulo do feixe Figura 1 - Holograma por Reflexão 3.2. Holografia por transmissão A holografia por transmissão consiste na gravação de uma película com uma interferência entre dois feixes do mesmo laser, um vindo directamente do laser outro obtido por reflexão do objecto a registar. Para a imagem ser vista, fazse incidir sobre a película um laser com as mesmas características e ângulo de incidência. São usados laser por estes serem monocromáticos (tem apenas uma única frequência), desta forma as ondas por ele emitidas avançam todas em fase. O laser comum possui um comprimento de coerência de apenas alguns centímetros, o que limita o volume do objecto a ser holografado com esta técnica. Por este motivo as zonas do objecto mais próximas da película ficam com melhor definição. A grande dificuldade está em distribuir uniformemente a luz sobre o objecto o que pode comprometer seriamente a sua iluminação. Figura 2 - Holograma por transmissão 2

3 3.3. Holografia por arco-íris Os hologramas em arco-íris são criados a partir de uma holograma normal (transmissão ou reflexão) que é usado como objecto e um outro holograma criado com uma abertura. A abertura limita a perspectiva da imagem evitando a paralaxe. Este processo elimina a necessidade de luz coerente permitindo visualizar a imagem 3D com luz ambiente comum. Se o observador se mover no eixo vertical, embora não seja visível, a cor da imagem varre as cores do arco-íris. Um holograma tem uma capacidade muito maior de armazenamento de informação quando comparado com uma fotografia. Uma lente é necessária para gravar uma fotografia, enquanto que num holograma apenas a luz dispersada é utilizada. Uma fotografia pode ser vista numa panóplia de diferentes condições, enquanto que um holograma apenas pode ser visto quando existem as condições certas de iluminação. 5. APLICAÇÕES A holografia é uma área que pode ser bastante explorada, pois ainda existem bastantes áreas pouco desenvolvidas. De seguida apresentam-se as aplicações mais comuns Etiquetas Este tipo de hologramas é o mais observado pelo utilizador comum, e podem ser encontrados em notas, cartões e etiquetas, pois têm um custo de produção bastante baixo e oferecem simplicidade. São também muito vantajosos pois oferecem segurança contra falsificações. Figura 3 - Holografia por Arco-Íris Este tipo de hologramas consiste na gravação dos mesmos em películas utilizando o método inventado por S.A. Benton em Conforme a luz incidente, estes hologramas mostram diferentes cores. 4. FOTOGRAFIA VS HOLOGRAFIA A fotografia e a holografia diferem bastante entre si, enquanto que a primeira é uma representação bidimensional de um objecto em que apenas é representada a intensidade da luz, na holografia tem informação acerca da profundidade, oferecendo portanto uma representação tridimensional. Uma fotografia para ser revelada requer um negativo, enquanto que num holograma não é necessário. Esta particularidade perdeu o seu interesse nos dias que correm com a introdução da fotografia digital. Quando uma fotografia é cortada a meio, cada parte mostra exactamente metade do cenário. Quando um holograma é cortado a meio, o cenário inteiro ainda pode ser visto em cada uma das metades. Tal acontece pois numa fotografia cada ponto representa a luz espalhada de um ponto do cenário, enquanto que num holograma, cada ponto do holograma contém informação da luz espalhada de todos os pontos do cenário. Num holograma, caso este seja repartido em partes, cada uma dessas partes contém informação acerca do holograma original como um todo, sendo por isso possível a sua reconstrução, enquanto que numa fotografia, a perda de apenas uma pequena parte resulta em destruição informação que não pode voltar a ser recuperada. Figura 4 - Holograma de uma nota de Head Up Display Este tipo de dispositivos consistem em imagens geradas num ecrã transparente. Foram criados para a aviação, nomeadamente militar, e ainda hoje é essa a sua principal aplicação. Aqui, o objectivo é colocar diversas informações no ecrã, para que o piloto possa ter sempre essa informação no seu campo de visão, sem ter necessidade de desviar o olhar, não causando assim perda de atenção ao que se passa a sua frente. 3

4 Esta tecnologia surgiu na década de 60 e foi utilizada em aviões de combate para os sistemas de mira e rapidamente se percebeu que melhorava o desempenho dos pilotos. No final dos anos 80 a tecnologia chegou à industria automóvel, apresentando informações acerca de velocidade e também outras informações acerca do veículo, no entanto nesta área ainda hoje é apenas utilizada nos modelos de gama alta Figura 5 - Head Up Display num caça F Televisão Muitas especulações têm aparecido relativamente à televisão holográfica. Algumas experiências foram feitas mas os problemas persistem e são ainda basicamente dois. Em primeiro lugar, é necessário transmitir à frequência vídeo toda a informação necessárias para reproduzir o holograma num terminal de recepção. A largura de banda do sistema de transmissão deve ser gigantesca, pois um holograma contém muito mais informação do que uma simples cena bidimensional, o que se compreende facilmente por se tratar do registo não de uma única perspectiva mas de múltiplas perspectivas de objectos tridimensionais. Em segundo lugar, o holograma deve ser reconstruído no posto de recepção, com um feixe luminoso adequado. A tecnologia dos cristais líquidos e de outros dispositivos electro-ópticos ou magneto-ópticos não permite ainda a massificação de tais equipamentos[6][7]. se intersectam sobre o disco é gravado um holograma. Bastando fazer incidir depois o sinal referência nessa superfície para ler os dados lá guardados. O sinal de referência funciona como um endereço para obter os dados. Como se recupera um holograma que vai conter muitos dados que são assim lidos em paralelo conseguem-se obter boas velocidades de leitura. Isto é especialmente importante pois estamos a falar de discos que vão armazenar grandes quantidades de dados que têm de ser facilmente acessíveis. O formato HVD (Holographic Versatile Disc) é o formato em desenvolvimento pelo consórcio HSD constituído por vários construtores asiáticos (entre os quais a Fujifilm). O consórcio dedica-se a standardização (norma ISO) de discos e respectivas drives além de tentar resolver grande parte dos problemas de desenvolvimento. Espera-se que cada disco possa atingir os 3,9TB. A tecnologia usada permite que ambos os lasers se encontrem alinhados do mesmo lado do disco pois a sua combinação é feita com uma única lente. Este formato tem uma grande vantagem ao permitir a leitura de dados apenas com o hardware encontrado nos actuais leitores de DVD (para ler só preciso do laser vermelho). Isto acontece porque a tecnologia foi desenvolvida de modo a acrescentar uma camada de gravação holográfica por cima de um disco óptico convencional. O outro formato é o tapestry da InPhase Technologies. Este já se encontra à venda, tendo cada disco 300GB, 800GB ou mesmo 1,6TB e com as velocidades de leitura a subirem com o tamanho do disco (20, 80 e 120MB/s respectivamente). Também este formato aproveita lasers e um base semelhante á dos disco da tecnologia actual, DVD e Blu-ray. No entanto nem toda a sua óptica se encontra de um lado do disco. Esta característica permite no entanto variar o ângulo de incidência do sinal de referencia o que permite gravar vários hologramas no mesmo volume, aumentando assim a densidade de dados armazenados. A empresa anuncia ainda que os dados se mantêm em bom estado durante 50 anos, contra os 20 do Blu-ray. Actualmente o seu mercado são sistemas de backup/armazenamento de dados para empresas. Em ambos os formatos é oferecida encriptação óptica dos dados gravados através de hardware Armazenamento de Dados Ao aplicar hologramas para guardar informação é possível ter discos em que se atingem maiores densidades de dados. Isto é possível pois ao contrário das actuais tecnologias que apenas usam a superfície de um disco os hologramas usam todo o volume disponível. Para tal são usados 2 lasers, um com o sinal de dados (verde ou azul) e outro uma referência (vermelho). Quando ambos Figura 6 - Evolução dos discos holográficos 4

5 6. A HOLOGRAFIA E O MUNDO ACTUAL O maior impacto do hologramas vem como é de esperar dos mais desenvolvidos, ou seja, os hologramas de segurança. Estes permitem e maneira simples e barata garantir um bom nível de segurança contra falsificações. Estão presentes na maioria das embalagens de discos tanto de música como vídeo e até software. No entanto a verdadeira prova da sua eficácia em segurança pode ser vista no seu uso em cartões de crédito/débito, identificação e nas notas. A arte é também uma área que soube aproveitar os desenvolvimentos já existentes de modo a criar novos meios de expressão ao permitir a aceder a mais uma dimensão física na representação de imagens/objectos. Tanto museus como outras instituições podem recorrer a hologramas para ter uma representação mais realista/detalhada de objectos até então apenas descritos ou relatados em texto, ou fórmulas/equações. A outra tecnologia de hologramas com um desenvolvimento bastante bom são os Head-Up-Dispalys que começaram por revolucionar a aviação, onde já são hoje norma quer em aviões militares como civis. Permitem um rendimento muito grande dos pilotos ao permitirem aceder aos dados/instrumentos mais importantes sem necessidade de sair do campo visual do piloto. Actualmente já entram no sector automóvel mas ainda se encontram restritos aos modelos topo de gama. A holografia revela-se como uma técnica extraordinariamente eficiente para o registo fiel de objectos tridimensionais. A película holográfica, por sua vez, é um meio fácil de ser copiado e barato de se transportar quando se deseja utilizá-lo em demonstrações e exposições, permitindo uma maior democratização cultural ao se realizarem verdadeiros museus holográficos itinerantes. 7. FUTURO É talvez no domínio dos materiais holográficos que se irão registar progressos mais significativos neste fim de milénio. da holografia a objectos estáticos ou a sequência de objectos estáticos. Uma área de evolução será seguramente a das memórias ópticas reutilizáveis, para aplicações digitais. Importa com efeito encontrar meios passiveis de acumular quantidades significativas de informação para utilizar como memórias de massa, desde que o utilizador possa, com rapidez, alterar o seu conteúdo. Os materiais magneto-ópticos surgem actualmente como os mais promissores, embora as exigências de reutilização continuem a levantar problemas. Refira-se que os materiais magneto-ópticos, com os quais se têm realizado protótipos de discos ópticos, têm sido sujeitos a gravações pontuais com feixes laser devidamente focados Não está então em causa a utilização da codificação holográfica da informação tridimensional, pressuposto para o registo não de dados digitais mas sim de cenas tridimensionais, de bibliotecas de objectos ou de ambientes[7]. O outro grande campo em que é previsível, embora a um prazo mais longo, um aumento da utilização é a imagem e vídeo a 3D com hologramas. Os hologramas ainda estão nos domínio dos protótipos pois ainda utilizam muita informação e como tal exigem muita capacidade de processamento assim como o desenvolvimento dos lasers e restantes materiais usados para que se tornem mais baratos e simples. A quantidade de informação terá de ser resolvida através de codificações eficazes na compressão dos dados tridimensionais. Estes possuem mais uma dimensão que os tradicionais sinais de imagem e vídeo que terá de ser convenientemente explorada. Quanto aos materiais em si é natural que ao longo do tempo se desenvolvam e se tornem mais simples, eficazes e baratos, como acontece com qualquer tecnologia. O conceito de holografia associado a vídeo 3D poderá ser muito útil por exemplo para facilitar diagnósticos médicos em que uma melhor visualização de órgãos, cavidades ou outras partes do corpo a 3D podem revelar pormenores que actualmente não são tão visíveis. Esta mais valia também é válida para projecto/visualização de peças/objectos a 3D assim como conjuntos destes, por exemplo peças mecânicas. Uma vez que o mercado da holografia estará no grande consumo no futuro, as duas grandes áreas que deverão sofrer mais alterações face ao seu formato actual serão a publicidade e o entretenimento. Na publicidade claramente as 3 dimensões permitem captar mais atenção de cada pessoa e de mais pessoas, ou seja, assenta que nem uma luva no objectivos da publicidade ao passar a mensagem de maneira muito mais eficaz. No entretenimento trata-se de atingir uma maior telepresença ao dar mais realismo e detalhe á experiência proporcionada aos utilizadores. 8. CONCLUSÃO A holografia é a técnica de criação de imagens tridimensionais através do uso de um filme fotográfico exposto a uma projecção laser. É de notar que o holograma difere da fotografia tradicional porque esta apenas grava a intensidade da luz reflectida pelo objecto, ao passo que o holograma grava também a fase. Importa ainda referir que os hologramas são uma excelente protecção contra a pirataria porque são difíceis de serem copiados. Desta forma a holografia não deve ser confundida simplesmente como mais uma forma de visualização de 5

6 imagens em 3 dimensões, mas sim como um processo de se codificar uma informação visual e depois (através do laser) descodificá-la recriando "integralmente" esta mesma informação. Esta área terá um forte desenvolvimento no futuro, sendo uma área onde o investimento será seguramente muito forte dadas todas as suas possibilidades. 9. REFERÊNCIAS [1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] Holografia Wikipédia, a enciclopédia livre. [Online]. Available: [Accessed: 10-Dec-2014]. History of the holography. [Online]. Available: [Accessed: 10-Dec-2014]. The History and Development of Holography. Holophile.com. Holography Concepts. [Online]. Available: [Accessed: 10-Dec-2014]. Technology of the holography. [Online]. Available: [Accessed: 10-Dec-2014]. MIT unveils holographic TV system.. M. Rebord, HOLOGRAFIA : A Holografia permite registar e utilizar as características tridimensionais reais, pp , João Santos, nascido em Santarém, Portugal em Janeiro de Actualmente finalista do Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores no Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa. João Pedrosa, nascido em Santarém, Portugal em Julho de Actualmente finalista do Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores no Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa. 6

Gravação de redes holográficas de difracção

Gravação de redes holográficas de difracção Gravação de redes holográficas de difracção Introdução teórica Princípio da holografia A holografia consiste na utilização do fenómeno interferência como mecanismo para codificar e guardar informação.

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais

Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais Livro branco: PROVA DIGITAL Explicação, Vantagens e Comparação com Sistemas de Prova Tradicionais O presente livro branco introduz a prova digital e explica o seu valor para a obtenção de cores consistentes

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228

Cristiano Sebolão Nº 26748. Pedro Arcão Nº 22408. João Marques Nº 27228 Cristiano Sebolão Nº 26748 Pedro Arcão Nº 22408 João Marques Nº 27228 Para que os dados não se percam, precisam de ser gravados num dispositivo de armazenamento como disquetes, disco rígidos, discos ópticos

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.2. Aplicação da tecnologia laser scanning à reabilitação do espaço construído.

Leia mais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais

Enquadramento e Conceitos Fundamentais Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Computação Gráfica Enquadramento e Conceitos Fundamentais Edward Angel, Cap. 1 Questão 9, exame de 29/06/11 [0.5v] Identifique e descreva os três

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI

ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA PREGOLINI ÓPTICA GEOMÉTRICA É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

Imagens ópticas (1)ë - Dióptros

Imagens ópticas (1)ë - Dióptros Imagens ópticas (1)ë - Dióptros Dióptros Dióptro : sistema óptico constituído por dois meios transparentes homogéneos, separados por uma superfície bem definida. Se a superfície de separação é plana, chama-se-lhe

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

PDA CAM MANUAL DO UTILIZADOR

PDA CAM MANUAL DO UTILIZADOR PDA CAM MANUAL DO UTILIZADOR Português Manual do utilizador Índice Preparações... 2 Conteúdo da embalagem... 2 Requisitos do sistema... 2 Ficar a conhecer o PDA Cam... 3 Componentes do PDA Cam... 3 Instalação...

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

Sistemas Operativos. Funções genéricas de um S.O.

Sistemas Operativos. Funções genéricas de um S.O. Introdução Funções genéricas de um S.O.! O S.O. é a primeira camada de software indispensável para que o sistema informático possa funcionar! Tem por funções controlar e gerir os recursos de hardware Torná-los

Leia mais

Kit de ótica. Material. Montagem

Kit de ótica. Material. Montagem Som, Luz e Materiais Kit de ótica Um pouco de história Embora as propriedades óticas de ampliação e redução de objetos convexos e côncavos transparentes fossem conhecidas desde a Antiguidade, as lentes,

Leia mais

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL - 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL A invenção consiste num sistema de medida em tempo real dos consumos de linha da canela em máquinas de ponto preso (classe 300

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS:

A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: A CÂMARA DIGITAL A CAPTURA DE UMA IMAGEM NUMA CÂMARA DIGITAL ENVOLVE OS SEGUINTES PROCESSOS: EXISTEM TRÊS TIPOS DE SENSORES UTILIZADOS NAS CÂMARAS DIGITAIS: CCD - Charge Coupled Device CMOS - Complimentary

Leia mais

Curso de Óptica Aplicada

Curso de Óptica Aplicada Curso de Óptica Aplicada TE 2 - Reflexão e refracção. Espelhos, dioptros e lentes Documento de preparação do Trabalho Experimental TE 2 - Reflexão e refracção. Espelhos, dioptros e lentes Finalidade A

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO

ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO ALUNO: Nº SÉRIE: DATA: / / PROF.: VICTOR GERMINIO EXERCÍCIOS DE REVISÃO II UNIDADE FÍSICA 3º ANO ENSINO MÉDIO 1) Em uma atividade de um engenheiro civil, o mesmo precisa determinar a altura de um edifício.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Electromagnetismo e Óptica

Electromagnetismo e Óptica Electromagnetismo e Óptica Laboratório 3 - Óptica geométrica e ondulatória 1. OBJECTIVOS Obter o valor do índice de refracção de um vidro. Medir o ângulo limite de reflexão total. Montar um sistema óptico

Leia mais

Papéis Fragmentados na medida certa para sua proteção

Papéis Fragmentados na medida certa para sua proteção DIN 66399 Papéis Fragmentados na medida certa para sua proteção Papéis, CDs, cartões de crédito e discos rígidos destruídos de acordo com a Norma DIN 66399. 1 NORMA DIN 66399 SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES Substitui

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm).

Óptica. Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Óptica Estudo da luz, como sendo a onda eletromagnética pertencentes à faixa do espectro visível (comprimento de 400 nm até 700 nm). Fenômenos ópticos Professor: Éder (Boto) Sobre a Luz O que emite Luz?

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FERNANDO DUTKA LEONARDO ZEQUINELLI BIBOLOTTI MAICON ÉDER MOTELIEVICZ ROBERTO FERNANDO NEHLS MAFRA - SC

Leia mais

Física IV. Interferência

Física IV. Interferência Física IV Interferência Sears capítulo 35 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Interferência Arco-íris = Bolha de sabão refração interferência Princípio da superposição Quando duas ou mais ondas se superpõem,

Leia mais

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531

Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Realizado por: Nuno Barros nº27283 Filipe Gonçalves nº27285 Ângelo Sousa nº28158 André Martins nº28531 Também conhecido por digitalizador Scanner é um periférico de entrada Leitura de textos e imagens

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos

Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos Lista de Revisão Óptica na UECE e na Unifor Professor Vasco Vasconcelos 0. (Unifor-998. CE) Um objeto luminoso está inicialmente parado a uma distância d de um espelho plano fixo. O objeto inicia um movimento

Leia mais

Películas Interactivas Vidros Montras

Películas Interactivas Vidros Montras Películas Interactivas Vidros Montras Bem-vindo à PARTTEAM Películas Interactivas para vidros e montras a nossa meta? fabrico, comercialização e instalação de Sistemas Multimédia e Interactivos que se

Leia mais

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO

ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO ARMAZENAMENTO SECUNDÁRIO Benefícios do Armazenamento Secundário: Espaço: grande quantidade de espaço disponível; Confiabilidade: altamente confiável; Conveniência: usuários autorizados

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA INFORMÁTICO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA INFORMÁTICO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DE UM SISTEMA INFORMÁTICO Nesta apresentação, aprenderá a reconhecer os principais periféricos ou dispositivos de entrada/saída de dados/informação. 23-10-2008 1 DISPOSITIVOS

Leia mais

SANTOS, M. Técnica, espaço e tempo: Meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 28.

SANTOS, M. Técnica, espaço e tempo: Meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 28. 2 a EM 1. Leia o texto a seguir. O processo de unificação se faz por intermédio do que se chama de redes. Seria, portanto, pela unificação que adviria o fracionamento. As redes são vetores de modernidade

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

1º Teste Computação Gráfica

1º Teste Computação Gráfica 1º Teste Computação Gráfica LEIC-Tagus/LERCI Prof. Mário Rui Gomes Prof. João Brisson Lopes 23 de Abril de 25 Nº Nome: Responda às questões seguintes justificando adequadamente todas as respostas. O Teste

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

Prova experimental. Sábado, 30 de Junho de 2001

Prova experimental. Sábado, 30 de Junho de 2001 Prova experimental Sábado, 30 de Junho de 001 Por favor, ler estas instruções antes de iniciar a prova: 1. O tempo disponível para a prova experimental é de 5 horas.. Utilizar apenas o material de escrita

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

1 Introdução. 2 História

1 Introdução. 2 História UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Informática e Estatística Disciplina: Sistemas Operacionais I INE5355 / INE5412 Professor: Antônio Augusto Fröhlich Alunos: Amanda Costa Corrêa 06232602

Leia mais

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions Certificado Eficiência Eficiência para para vencer... vencer... Num Num mercado mercado exigente! exigente! Software Registado e Certificado pela AT LAVA i Índice Introdução Apresentação da Empresa Pág.

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

Fotografia digital. Aspectos técnicos

Fotografia digital. Aspectos técnicos Fotografia digital Aspectos técnicos Captura CCD (Charge Coupled Device) CMOS (Complementary Metal OxideSemiconductor) Conversão de luz em cargas elétricas Equilíbrio entre abertura do diafragma e velocidade

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

5/Dez/2012 Aula 21. 21. Polarização das ondas EM 21.1 Por absorção 21.2 Por reflexão 21.3 Por birrefringência 21.4 Equações de Fresnell

5/Dez/2012 Aula 21. 21. Polarização das ondas EM 21.1 Por absorção 21.2 Por reflexão 21.3 Por birrefringência 21.4 Equações de Fresnell 5/Dez/2012 Aula 21 21. Polarização das ondas EM 21.1 Por absorção 21.2 Por reflexão 21.3 Por birrefringência 21.4 Equações de Fresnell 7/Dez/2012 Aula 22 22. Óptica geométrica 22.1 Espelhos planos 22.2

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA 2010-2011 Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.A Conceitos Matemáticos Fundamentais Coordenadas Cartesianas e representação gráfica de uma função Função Seno e Co-seno

Leia mais

a) I b) II c) III d) IV e) V

a) I b) II c) III d) IV e) V 1. (Cesgranrio 1991) Sobre uma lente semiesférica de vidro incide um raio de luz, cuja direção é paralela ao eixo óptico da lente. Qual dos raios (I, II, III, IV ou V) indicados na figura a seguir que

Leia mais

ultimate design and technology.

ultimate design and technology. ultimate design and technology. -- Do it or do not. There is no try. yoda, 1980 4 DIGITAL IMPULSE DIGITAL IMPULSE 5 estas são as nossas raízes. -- Quando dizemos que somos de um sítio, o verbo não poderia

Leia mais

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica

1. Introdução. 2. Fontes de luz. Óptica geométrica 1. Introdução Óptica geométrica Vamos iniciar nosso estudo, fazendo uma breve introdução sobre a óptica geométrica. Quando estudamos a Óptica nos centramos na compreensão da natureza e propriedades da

Leia mais

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006 Trabalho Prático Nº 3 ESTUDO DA DIFRAÇÃO Tópicos de Física Moderna ano 005/006 Objectivos: Familiarização com os fenómenos de interferência e difracção da luz, com utilização de uma rede de difracção para

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica

Física. Resolução das atividades complementares. F7 Introdução à Óptica geométrica Resolução das atividades complementares 3 Física F7 Introdução à Óptica geométrica p. 10 1 (FMTM-MG) O princípio da reversibilidade da luz fica bem exemplificado quando: a) holofotes iluminam os atores

Leia mais

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas.

Reflexão. A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. Ótica Reflexão A reflexão ocorre quando a luz incide sobre a superfície de separação entre dois meios com propriedades distintas. A reflexibilidade é a tendência dos raios de voltarem para o mesmo meio

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

CH & TCR. Tecnologias de Identificação

CH & TCR. Tecnologias de Identificação Tecnologias de Identificação Código de barras O sistema de identificação conhecido por código de barras teve origem nos EUA, em 1973, com o código UPC (universal product code) e, em 1977, esse sistema

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA - 1 Mauricio Baggio ÍRIS / DIAFRAGMA Dispositivo que permite o controle da quantidade de luz que atinge o filme ou o sensor no interior da câmera. Este controle é realizado definindo-se

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Optimização de um Mundo Virtual

Optimização de um Mundo Virtual secção 3.2 Optimização de um Mundo Virtual Dadas as limitações impostas pela actual tecnologia, um mundo virtual que não seja cuidadosamente optimizado torna-se necessariamente demasiado lento para captar

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

O nosso foco é inovar a segurança onde mais precisa

O nosso foco é inovar a segurança onde mais precisa O nosso foco é inovar a segurança onde mais precisa 2 Sistemas de vídeo Sistemas de vídeo 3 A Bosch Security Systems oferece uma vasta gama de soluções de segurança e comunicações. Estas incluem: A procurar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

elementos para discussão - Comércio Electrónico

elementos para discussão - Comércio Electrónico elementos para discussão - Comércio Electrónico Multimédia, Hipermédia Realidade virtual Internet 2 1 Objectivos - apresentação e enquadramento das tecnologias de informação emergentes - apresentação de

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Principais parâmetros na definição de qualidade numa imagem digitalizada

Principais parâmetros na definição de qualidade numa imagem digitalizada Principais parâmetros na definição de qualidade numa imagem digitalizada reprodução de tom reprodução de cor resolução ruído e luz parasita aberrações e erros de registo. Principais parâmetros na definição

Leia mais

Estrutura e Funcionamento de um Computador

Estrutura e Funcionamento de um Computador Estrutura e Funcionamento de um Computador ESE Viseu 2009/2010 Docente: Maribel Miranda Pinto O hardware é a parte física do computador, a parte palpável do computador, ou seja, é o conjunto de componentes

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA

SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA SIGNIFICADO DO COTIDIANO SIGNIFICADO DA FÍSICA O QUE É A LUZ? Se alguém lançar uma pedra sobre um local que contenha água parada, como uma piscina, perceberá a formação de circunferências que sairão do

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL 1. Objectivo Estudo da interferência óptica. Medição do comprimento de onda da radiação de um laser

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo

Se ouço esqueço, se vejo recordo, se faço aprendo Se ouço o esqueço, se vejo recordo, se faço o aprendo Meios de Armazenamento Secundário Principais Dispositivos de Entrada Principais Dispositivos de Saída Outros Dispositivos de Entrada/Saída Meios de

Leia mais

Iluminando com Luz Fria

Iluminando com Luz Fria 1 Fonte: Lumatek Iluminação http://www.luzfria.com.br/web/catalogo/tutorial_iluminando_lf.htm Iluminando com Luz Fria As lâmpadas fluorescentes são uma eficiente fonte de luz, com qualidades que nenhum

Leia mais

Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo

Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo Curso de Óptica Aplicada TE 4 O laser e fibras ópticas Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo TE4 O laser e fibras ópticas Finalidade A finalidade deste documento é contribuir para que todos

Leia mais