GOVERNO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA DIRECÇÃO REGIONAL DOS ASSUNTOS EUROPEUS E DA COOPERAÇÃO EXTERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA DIRECÇÃO REGIONAL DOS ASSUNTOS EUROPEUS E DA COOPERAÇÃO EXTERNA"

Transcrição

1 CONTRIBUTO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PARA A CONSULTA PÚBLICA SOBRE A ESTRATÉGIA PARA AS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS: PROGRESSOS ALCANÇADOS E PERSPECTIVAS FUTURAS NOTA PRÉVIA Em Maio de 2004 a Comissão Europeia adoptou a Comunicação Uma parceria reforçada para as Regiões Ultraperiféricas onde deu a conhecer a estratégia de desenvolvimento global preconizada para as Regiões Ultraperiféricas (RUP) assente em três eixos: acessibilidade, competitividade e inserção regional e enunciou um conjunto de medidas para dar corpo àquela estratégia. Passados três anos, a Comissão adopta uma nova Comunicação onde apresenta um balanço da sua actuação relativamente à aplicação daquela Estratégia; aponta medidas susceptíveis de serem adoptadas no curto prazo; e lança um amplo debate sobre a forma de fazê-la evoluir para ter em conta questões essenciais ao futuro das RUP, designadamente a questão das alterações climáticas, a futura política marítima, a agricultura, a gestão dos fluxos migratórios e a evolução demográfica. Face ao que precede e, tendo em conta que nas conclusões do Conselho Europeu de Bruxelas, de Dezembro de 2007, o Conselho Europeu aguarda com expectativa as conclusões da consulta pública que foi lançada e convida a Comissão a apresentar as propostas pertinentes o mais tardar em Outubro de 2008, a Região Autónoma da Madeira decidiu apresentar o seu Contributo, o qual retoma questões que vão além dos temas propostos à consulta pública. Deste modo, o presente Contributo encontra-se estruturado em três partes: 1ª parte apreciação ao balanço; 2ª parte medidas para melhorar a estratégia no curto prazo; 3ª parte visão da Região sobre as perspectivas futuras e conclusões. 1. BALANÇO DA ACÇÃO COMUNITÁRIA EM PROL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA E DEMAIS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS A Região Autónoma da Madeira, embora reconhecendo a relevância do aprofundamento da parceria entre a Comissão, RUP e respectivos Estados e a pertinência de algumas medidas adoptadas nos mais diversos domínios, não pode subscrever a afirmação da Comissão de que preencheu o seu mandato em todos os domínios de intervenção comunitária na execução da estratégia preconizada para as RUP. É disso exemplo a aplicação do quadro geral de elegibilidade à política de coesão, com a consequente quebra de unidade de tratamento das RUP. Mesmo em domínios onde se registaram progressos como sejam as novas orientações sobre auxílios estatais de finalidade regional e a compensação dos sobrecustos os mesmos não foram

2 - 2 - totalmente conseguidos. Noutras áreas foram claramente insuficientes como a da energia e das Redes Transeuropeias. Chama ainda a atenção para o facto de parte das medidas que constituem essa estratégia só terem sido efectivamente vertidas em legislação comunitária no decurso de 2006/07 e de algumas delas ainda nem sequer terem tido execução. É assim precoce proceder a uma avaliação de medidas que não obstante o facto de já terem sido legisladas não foram ainda postas em prática. Referimo-nos, por exemplo à coordenação entre o FEDER e o FED, à abrangência das RUP pelas novas Tecnologias de Informação e Comunicação, à inserção regional nos espaços geográficos próximos, à inovação e competitividade e ao reforço do capital humano. Noutros domínios como os Serviços de Interesse Económico Geral não foram ainda tomadas iniciativas por parte da Comissão. No balanço há a registar, por um lado a referência a medidas de direito comum que não correspondem a medidas específicas em favor das RUP, sem qualquer aplicabilidade à Região Autónoma da Madeira e, e por outro a generalização dos benefícios de determinadas medidas ao conjunto das Regiões Ultraperiféricas quando só algumas foram beneficiárias. Deste modo a Região considera que várias questões essenciais continuam até hoje sem resposta positiva, como a seguir se evidencia em diversos domínios: 1.1 Politica de Coesão Traduzindo-se esta política na expressão, por excelência, do princípio da solidariedade europeia e principal instrumento de concretização da estratégia de desenvolvimento delineada para as RUP assistiu-se, no entanto, à aplicação do seu quadro geral a esta Região sem ter em devida conta o seu estatuto ultraperiférico, ou seja, reduzindo tudo a uma mera questão de PIB. O nosso enquadramento no actual período de programação é prova disso mesmo. Com efeito: Pela primeira vez foi quebrada a unidade de tratamento das RUP nesta política em termos de elegibilidade com a divisão das RUP em dois grupos. Em nosso entender esta solução é manifestamente incoerente com o n.º 2 do artigo 299.º do TCE porque os handicaps das RUP, tais como são reconhecidos pelo mencionado artigo, são comuns às sete regiões e constituem um conceito que é único e diferente dos problemas das outras regiões europeias. Nesta norma do Tratado está implícita a unidade de tratamento. Verifica-se, deste modo, que os handicaps das RUP, reconhecidos ao nível do direito primário, afinal não estão suficientemente protegidos, pois com efeito o seu reconhecimento acaba por depender da comparação com outras regiões em que a situação estrutural não é comparável.

3 - 3 - Quebra de unidade, igualmente, no que se refere ao enquadramento da Região Autónoma da Madeira no novo Objectivo da Cooperação Territorial Europeia por via da sua exclusão da vertente cooperação transfronteiriça. Neste âmbito, discordamos da Comissão quando esta refere no anexo à Comunicação que a política de coesão reformada contribuiu para reforçar a posição das RUP francesa e espanhola, mais interessadas nesta problemática, no âmbito do novo objectivo da cooperação territorial, nomeadamente através da elegibilidade nova ao abrigo da cooperação transfronteiriça. A Região Autónoma da Madeira demonstrou ao longo das negociações o seu interesse em participar nesta vertente da cooperação apresentando, para o efeito, sucessivos pedidos de flexibilização do critério de elegibilidade o qual não obtive aceitação, da parte da Comissão, conduzindo assim à exclusão das RUP portuguesas. Fraca dotação adicional destinada à compensação dos sobrecustos das RUP face à dimensão dos constrangimentos destas regiões, sobretudo se atendermos a que a Comissão aprovou para este período uma série de dotações financeiras para outras regiões relativamente às quais não são reconhecidos quaisquer condicionalismos. 1 Quanto ao critério de distribuição, baseado unicamente na população, reiteramos que o mesmo não é o mais equitativo no contexto da realidade ultraperiférica. 1.2 Auxílios de estado Neste domínio assiste-se novamente a uma quebra na unidade de tratamento das Regiões Ultraperiféricas. A Comissão Europeia prevê uma diferenciação na majoração suplementar ultraperiférica, tendo por base o nível do PIB das regiões majoração de 20 pontos para as RUP cujo PIB por habitante é inferior a 75% e de 10 pontos para as outras RUP. A majoração deveria ter sido idêntica para todas as Regiões dado que as desvantagens associadas à Ultraperiferia são as mesmas para todas elas. Todas as RUP, independentemente do nível de desenvolvimento alcançado, têm de enfrentar um conjunto de constrangimentos específicos que prejudicam fortemente a realização de investimentos nos seus territórios. Igualmente, as novas Orientações prevêem uma redução significativa das taxas de intensidade base dos auxílios cuja incidência assume uma amplitude especialmente negativa na Região Autónoma da Madeira. 1.3 Transportes A política europeia de transportes visa proporcionar aos europeus sistemas de transporte eficientes e eficazes, que permitam um nível elevado de mobilidade para as pessoas e empresas em toda a União contribuindo deste modo para concretizar a livre circulação de pessoas, mercado- 1 Como por exemplo às regiões da Suécia, da Áustria, aos Lander Orientais da Alemanha, Córsega, Praga, entre outras.

4 - 4 - rias e serviços, para melhorar a coesão social e económica e para garantir a competitividade da indústria europeia. Esta Região partilha tais orientações. Todavia, constata que em matéria de política europeia de transportes no que às RUP respeita (Regiões caracterizadas pela descontinuidade territorial, com dificuldades acrescidas em matéria de acessibilidade que nenhuma outra região da UE conhece) a actuação da União continua a ficar-se por um conjunto de boas intenções sem resultados práticos. Isto porque a Comissão fica-se pela referência explícita à necessidade de integrar a dimensão ultraperiférica em todas dimensões da politica comum de transportes, não havendo, contudo, qualquer evolução positiva na sua concretização. Se há política onde os efeitos da ultraperiferia mais se fazem sentir essa é a dos transportes. Daí que não se percebe que iniciativas tão importantes como por exemplo o programa MARCO POLO II mencione apenas que «se possível, os recursos das RUP também devem ser integrados». Parece-nos que, na prática, tal menção não terá efeitos positivos traduzindo-se uma vez mais na exclusão, de facto, das RUP dos benefícios de mais um programa comunitário. Sublinhe-se, naquele contexto, os apoios à criação da Rede Europeia de Auto-Estradas do Mar concebidas para resolver os problemas de congestionamento do tráfego rodoviário e poluição ambiental através de um sistema de tráfego intermodal, iniciativa destinada a promover a coesão das regiões costeiras e ilhas geograficamente próximas do espaço continental europeu. Como é que a Comissão subscreve uma estratégia de desenvolvimento para as RUP, na qual um dos pilares é precisamente o da melhoria das acessibilidades e, simultaneamente, exclui as Regiões Ultraperiféricas do benefício dos principais instrumentos da politica de transporte? Isto é tanto mais contraditório quanto na última revisão intercalar do Livro Branco da Comissão de 2001 sobre os Transportes Manter a Europa em movimento Mobilidade sustentável para o nosso continente, de Junho de 2006, a Comissão veio novamente reconhecer o grande défice de acessibilidade das RUP, não apenas em relação ao mercado interno continental como também em relação às suas próprias zonas interiores, e que os instrumentos da política de transportes e os auxílios estatais poderiam ser utilizados para atenuar os efeitos do afastamento, propondo acções que visassem designadamente a ligação das Regiões Ultraperiféricas ao continente, sem contudo as concretizar. Verifica-se, assim, que neste domínio as RUP não são objecto de propostas que equacionem verdadeiramente a resposta às características permanentes da sua situação; as respostas são deixadas para mais tarde e para outra sede. 1.4 Politica de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (IDT) O desenvolvimento de uma política de IDT europeia que fomente a plena participação da Região Autónoma da Madeira no Espaço Europeu de Investigação (EEI) está ainda longe de ser conseguida, isto porque falham alguns dos pressupostos essenciais à sua concretização como sejam:

5 - 5 - Inexistência, no âmbito do 7º Programa-quadro de Investigação ( ), de um eixo específico para as RUP, como solicitado, de forma a que estejam reflectidas as suas circunstâncias especiais; Adopção de medidas que não são destinadas apenas às RUP mas também a todas as regiões de convergência, isto é, foram incluídas no mesmo eixo uma grande diversidade de regiões com necessidades muito distintas; Os critérios de elegibilidade têm representado, igualmente, um entrave a uma maior participação naquele Programa, pois foram definidos critérios, como a massa crítica ou a excelência dos projectos que dificultam o acesso de regiões com as características da Região Autónoma da Madeira; 1.5 Energia Como corolário, as iniciativas para catalisar o potencial de investigação desta Região e demais Regiões Ultraperiféricas e melhorar a sua integração no EEI, bem como a intenção de utilizar os Programas-Quadro comunitários para reforçar a competitividade da sua economia e vencer os desafios da globalização não se tem traduzido em resultados práticos para estas. A comprovar esta situação estão as dificuldades sentidas pelas RUP para acompanharem a implementação dos objectivos da Estratégia de Lisboa, como se encontra patente no IV Relatório da Coesão onde as RUP estão no grupo das regiões europeias com níveis mais baixos no Índice Sintético de Lisboa. Neste domínio as medidas adoptadas foram claramente insuficientes, persistindo a impossibilidade da Região Autónoma da Madeira aceder aos benefícios do mercado interno da energia em virtude da sua descontinuidade territorial e grande afastamento. O pedido reiterado de um programa de apoio específico ao desenvolvimento das energias renováveis na Região Autónoma da Madeira, complementar aos fundos estruturais, que na esteira do Poseima Energia, desse novo impulso ao sector capacitando-a para enfrentar melhor, designadamente os desafios das alterações climáticas, não teve acolhimento. Por outro lado, a inclusão de projectos desta Região relativos à melhoria da rede eléctrica e à introdução de um terminal de gás natural, no âmbito das redes transeuropeias de energia, não teve qualquer resultado prático até a data. Isto acontece devido à baixa taxa de cofinanciamento prevista associada à classificação de tais projectos como projectos comuns não prioritários. 1.6 Fiscalidade e Alfândegas As características específicas das RUP implicam a existência de uma estratégia nos domínios da fiscalidade indirecta (IVA e Accises) e aduaneira, tendo como objectivo promover a diversificação do tecido económico regional e a sua competitividade.

6 - 6 - Assumem particular importância para a Região Autónoma da Madeira as questões ligadas ao chamado Pacote IVA cujos resultados penalizaram esta Região nomeadamente nas regras de tributação dos serviços electrónicos por Internet. Neste processo, aspectos tais como a descontinuidade territorial, que limitam e condicionam as alternativas de promoção da competitividade e diversificação das actividades económicas, não foram tidos em conta. A criação de clusters tecnológicos e a promoção de parcerias constituiu uma das apostas desta Região para promover a competitividade do tecido económico regional. Todavia, com as novas regras de tributação do IVA esta Região perde, a partir de 2015, um dos seus principais instrumentos financeiros na atracção do investimento estrangeiro e na dinamização do comércio electrónico. Mais uma vez pode-se constatar que neste domínio, tal como em outros, não houve a devida salvaguarda da especificidade ultraperiférica de forma a evitar os efeitos contraditórios das opções feitas em diferentes sedes. 2. O DESAFIO ACTUAL: APROVEITAR AS OPORTUNIDADADES DA ESTRATÉGIA DE 2004 A Comissão insta as RUP a aproveitarem as oportunidades da estratégia de 2004 e para tal tece considerações e propõe medidas, de natureza genérica, que cobrem os três eixos daquela estratégia a aplicar ainda no actual período de programação , sem contudo as concretizar nem as calendarizar. Embora a Comissão se tenha pronunciado reiteradamente por uma verdadeira estratégia global e coerente de desenvolvimento sustentável para as RUP, a verdade é que as iniciativas que têm sido adoptadas pela União não parecem estar em harmonia com tal ambição. Em suma, não propõe nenhuma medida inovadora e específica para o aprofundamento da estratégia em prol das RUP no curto prazo, ficando-se pela inventariação do conjunto de instrumentos actualmente disponíveis, designadamente os programas operacionais e programas comunitários. A Região Autónoma da Madeira vê a sua possibilidade de aproveitar as oportunidades inventariadas fortemente condicionada, designadamente pela quebra de apoios comunitários para o corrente período de programação e por um enquadramento pouco adequado no âmbito dos diversos programas comunitários, conforme ilustrado no ponto precedente relativo ao balanço. Esta Região considera, ainda, a sua capacidade de aproveitar tais oportunidades limitada pelo facto de determinados dossiers em negociação na União (inclusão da aviação no CELE ) não salvaguardarem a sua situação específica e colocarem mesmo em causa a consistência da estratégia preconizada. Por conseguinte, num contexto de dificuldades acrescidas para uma Região como a nossa que pretende manter ritmos de crescimento da economia e do emprego sustentados, assegurando em simultâneo a protecção do ambiente, a coesão social e o aprofundamento da coesão territo-

7 - 7 - rial, importa que no actual período de programação sejam apresentadas medidas no âmbito dos supra mencionados eixos estratégicos. 2.1 Redução do défice de acessibilidade e dos efeitos das outras dificuldades específicas das RUP Transportes Os transportes aéreos e marítimos assumem um papel estratégico e vital para o desenvolvimento global da Região Autónoma da Madeira, dado constituírem o único meio de ligação com o exterior. Assumem, ainda, uma importância acrescida quando o principal pilar da sua economia é o turismo e apresenta, além do mais, uma dependência estrutural da sua economia face ao exterior. Esta situação exige o estabelecimento de ligações eficientes, eficazes e devidamente operacionais com o exterior, tanto no que se refere aos transportes marítimos, como aos aéreos com vista a oferecer um nível elevado de mobilidade integrada para as pessoas, empresas e mercadorias. Tais ligações postulam a necessidade da política comunitária de transportes e respectivos instrumentos de apoio, numa lógica de concretização do princípio da continuidade territorial, promoverem tais objectivos nos seus territórios mais distantes, dos quais esta Região se sente excluída presentemente, em virtude da sua distância à Europa continental. Importa pois que a Comissão avance decididamente com propostas que visem a redução dos desequilíbrios territoriais, pois tal como ela própria afirma no 3º Relatório da Coesão Económica e Social nenhum cidadão ou empresa pode ser penalizado devido ao local da UE onde resida ou desenvolva a sua actividade. Por conseguinte, a aplicação daquele princípio deverá nortear a actuação da União, sob pena da estratégia de desenvolvimento delineada em prol da ultraperiferia, a qual coloca a questão das acessibilidades no topo das preocupações, perder muita da sua eficácia no que respeita ao esbater dos efeitos negativos associados à descontinuidade territorial. Face ao que precede esta Região considera que a definição dos projectos de ligação das RUP ao continente, no âmbito das Redes Transeuropeias de Transportes, como projectos prioritários, constituiria, igualmente, um contributo importante. Neste âmbito, a Região Autónoma da Madeira espera que na Comunicação sobre Política de transportes marítimos a adoptar em Outubro do corrente ano, a Comissão apresente iniciativas que promovam uma maior integração das RUP naquela política. Tecnologias de Informação e de Comunicação (TIC) Trata-se de um sector fundamental para o desenvolvimento sustentável da Região Autónoma da Madeira, para a sua afirmação num mundo globalizado e competitivo. O distanciamento em relação aos espaços continentais evidencia a importância de redes de telecomunicações eficientes,

8 - 8 - de disponibilidade de serviços avançados de tecnologias de informação e comunicação e de capital social (competências e rede social) no esbater da descontinuidade territorial, no desenvolvimento de negócios, no fomento da cooperação com outras regiões, em suma, no solucionar das disparidades territoriais associadas à ultraperiferia e que prejudicam a competitividade da economia regional. Neste contexto, em matéria de acesso à banda larga, apesar da mesma estar disponível em toda a Região, a concorrência não funciona em pleno muito devido à pequena dimensão do mercado, o que implica custos acrescidos comparativamente aos praticados no território continental português e não só. Para ultrapassar estes problemas, é necessário possibilitar a elegibilidade das despesas de funcionamento na disponibilização da banda larga no âmbito dos projectos co-financiados por fundos comunitários, já que o grande problema (neste e noutros casos, designadamente ao nível das novas TIC) não é tanto o financiamento do investimento inicial (elegível no âmbito dos Programas Operacionais), mas sim o financiamento dos (elevados) custos de manutenção dos serviços e de upgrade dos equipamentos. Neste domínio esta Região considera, igualmente, importante a sua inclusão na área de cobertura geográfica do projecto europeu de navegação por satélite EGNOS. Política Agrícola Comum (PAC) Health Check A reforma prevista no âmbito do Health ChecK da PAC aponta para certos riscos para as RUP, nomeadamente no âmbito da modulação e do pagamento único das ajudas. Estranha-se que a Comissão não expresse nenhuma preocupação ou referência à situação específica das RUP neste quadro. Consideramos essencial que a situação específica das RUP seja tida plenamente em conta naquele processo, o qual vai decorrer em paralelo com a discussão da Comunicação da Comissão Reformar o Orçamento, mudar a Europa. As questões centrais que são levantadas no Health Check sistema de pagamento único, actualização dos instrumentos de apoio ao mercado em consonância com os efeitos do alargamento e da globalização e adaptação da PAC para enfrentar os novos desafios poderão ter impactes nas acções de política agrícola a favor das RUP, pois implicarão uma revisão das prioridades orçamentais que têm sido seguidas até a data. Face ao que precede, qualquer reforma intercalar que resulte do Health Check deverá ter em consideração as características específicas das RUP, em particular, no âmbito da modulação e do pagamento único, simplificação da aplicação da condicionalidade e delimitação do seu campo de actuação e limitação máxima e mínima das ajudas, além dos aspectos relativos à gestão de riscos, alterações climáticas, gestão da água, biodiversidade e produção de bio-combustíveis.

9 - 9 - O Health Check constitui, assim, um desafio para as RUP tendo em conta a necessidade de reformular a PAC face aos novos desafios, tornando ainda mais complexa a problemática do apoio à agricultura nestas regiões. A concretizar-se uma redução do orçamento da PAC deverá ser salvaguardado o financiamento disponível para as RUP, isto porque qualquer avaliação que tenha por base a execução do novo POSEI será penalizadora, em virtude da execução financeira do mesmo só se iniciar no corrente ano. POSEI Neste âmbito será necessário avançar com a adopção de propostas que visem uma maior abertura para o exterior das empresas regionais, nomeadamente, a redução dos custos elevados das ligações marítimas e aéreas, contribuindo para um eficiente aproveitamento da capacidade produtiva instalada nas agro-indústrias regionais, potenciando assim a criação de sinergias. Revela-se, igualmente, oportuno e necessário introduzir um quadro de apoios comunitários que privilegie tais sectores industriais regionais, fomentando a exportação de produtos agroindustriais. Banana Com as recentes alterações no regime de apoio ao sector agrícola nas RUP, resultantes da reforma do Programa POSEI e da OCM banana, a Comissão teve em atenção os problemas específicos deste sector nas Regiões Ultraperiféricas. Todavia, esta Região considera que determinadas negociações internacionais por parte da UE com os países ACPs e com outros países terceiros relativamente à importação de bananas para o mercado europeu poderão conduzir a um aumento significativo da oferta de banana no mercado comunitário pondo em causa a comercialização da banana produzida no espaço da União e o rendimento dos respectivos produtores. Na última reforma da OCM da banana a verba que foi acordada para apoio ao rendimento dos produtores comunitários teve em consideração o nível de tarifa que era considerada como a de equilíbrio face à situação anterior de contingentes pautais para países terceiros ACPs e não ACPs, 230 /ton e a tarifa fixada de 176 /ton, em vigor. Este equilíbrio é posto em causa com a negociação dos Acordos de Parceria Económica (APE) dado que estes prevêem para a banana o princípio de duty and quota free. É ainda agravado pela proposta de redução de tarifa para a banana de países terceiros não ACPs, em resultado do diferendo em curso na OMC, opondo a União ao Equador e aos Estados Unidos. Uma eventual redução da tarifa de 176 /ton em vigor, já fixada a um nível considerado baixo pelas RUP, teria resultados desastrosos. Face ao exposto, qualquer alteração ao regime de importação de bananas provenientes de países terceiros terá de assegurar a manutenção dos rendimentos dos produtores de banana desta

10 Região, pelo menos ao nível do rendimento assegurado por ocasião da última reforma da OCM da banana. Por último, a Comissão recusa-se a considerar a banana como um produto sensível, a exemplo do que propôs para o arroz e o açúcar no quadro dos APE, pois considera que a avaliação de impacto que efectuou, antes de avançar com a reforma da OCM banana, já teve em conta todo o contexto internacional relativo ao comércio de bananas, incluindo a total liberalização do acesso ao mercado comunitário para as bananas ACP. Considera, ainda, que as últimas alterações introduzidas no regime de apoio ao sector agrícola nas RUP permitem cobrir eventuais perturbações no mercado. Esta argumentação não pode ser aceite pela Região Autónoma da Madeira, pois, na dita avaliação de impacte constata-se que as necessidades orçamentais para manter o rendimento dos produtores aumentariam significativamente com a crescente liberalização do mercado, atingindo valores muito recentemente inscritos no POSEI. Reforma da Organização Comum de Mercado vitivinícola Está em curso uma profunda reforma da OCM vitivinícola na qual as especificidades das produções desta Região deverão ser tidas em consideração, dado que nos termos em que foi proposta poderia ocasionar graves prejuízos. Afigura-se, assim, necessário que a UE salvaguarde determinados aspectos de grande importância para a Região, em especial, no que se refere à continuação do actual regime de reestruturação das vinhas (previstas no POSEI até 2013) e dos apoios à destilação e produção de mostos concentrados, bem como a respectiva exclusão das produções regionais da medida de arranque das vinhas, fundamental para a manutenção da paisagem rural da Região. Pescas Neste domínio a Região entende que devem ser tidos em conta os seguintes aspectos: A garantia da perenidade dos apoios atribuídos no âmbito do POSEI Pesca e do ajustamento do respectivo envelope financeiro com vista a atenuar a escalada de preços dos produtos e das matérias-primas essenciais; A criação de um programa específico de renovação e modernização das frotas de pesca das Regiões Ultraperiféricas, permitindo a derrogação às medidas de enquadramento da frota na Política Comum de Pescas, designadamente quanto à construção de novas embarcações, com a possibilidade de recorrer a apoios comunitários através de fundos estruturais permitindo, assim, melhorar as condições de trabalho a bordo, de segurança e de conservação dos produtos da pesca, medidas estas que não colocam em causa a estabilidade das diferentes espécies e são imprescindíveis para a atractividade dos jovens e consequente desenvolvimento da actividade pesqueira; A exploração de recursos haliêuticos nas águas das Zonas Económicas Exclusivas deve ser feita primordialmente pelas frotas registadas localmente, não abrindo as mesmas a grandes

11 frotas estrangeiras, com as inerentes consequências de um esforço de pesca excessivo e prejudicial aos recursos endógenos; Apoio da União Europeia ao desenvolvimento da aquacultura nas RUP, dado tratar-se de um domínio onde as suas potencialidades são incontestáveis. 2.2 Reforçar a competitividade das RUP Política de coesão Neste âmbito, a Região Autónoma da Madeira vê-se confrontada com problemas acrescidos quanto aos meios necessários para assegurar a necessária sustentabilidade do seu crescimento económico, em virtude da sua saída do antigo Objectivo 1. É, pois, fundamental que a União analise todas as consequências que esta situação poderá ter na consolidação do processo de desenvolvimento sustentável em curso nesta Região. Naquele sentido, impõe-se a realização pela Comissão Europeia de um estudo que analise os impactes, os efeitos da saída do Objectivo 1 da Madeira e das Canárias, em conformidade com o compromisso assumido pela Comissária Danuta Hubner durante a XIII Conferência de Presidentes realizada no Funchal, em Outubro de É também essencial que, no quadro da reflexão em curso sobre a futura política de coesão, sejam considerados indicadores alternativos ao PIB para aferir do desenvolvimento da Região. Consideramos que o PIB, enquanto indicador do nível de riqueza e de desenvolvimento das regiões europeias, por si só, tem-se revelado cada vez mais insuficiente, desde logo, porque a própria noção de desenvolvimento e o conjunto de prioridades políticas que esta comporta têm evoluído significativamente como o atesta a importância crescente que as vertentes do ambiente, do crescimento económico mais harmonioso social e territorialmente e da competitividade global vêm assumindo na agenda da UE. Por conseguinte, a real situação económica e social de regiões como as ultraperiféricas, afectadas por constrangimentos estruturais permanentes, com efeitos significativos sobre o respectivo desenvolvimento global, não é traduzida convenientemente por aquele indicador. Serviços de Interesse Económico Geral (SIEG) A Região Autónoma da Madeira considera importante conhecer as conclusões da análise efectuada pela Comissão relativamente às RUP neste domínio, designadamente quanto às medidas que poderão vir a ser implementadas futuramente pela Comissão numa área onde os constrangimentos da ultraperiferia associados à dimensão dos mercados, à sua fragmentação, à distância e às condições climáticas colocam dificuldades acrescidas ao funcionamento de certos serviços de rede como as telecomunicações, o transporte, a água, a energia ou o tratamento de resíduos. Esta Região entende que a adaptação dos Serviços de Interesse Económico Geral às necessidades do mercado regional possibilita a correcção de alguns factores que afectam negativamente a sua competitividade.

12 Assim, deverão ser perspectivadas medidas discriminatórias positivas que promovam a atractividade da economia desta Região e demais Regiões Ultraperiféricas. Fiscalidade e Alfândegas A Região Autónoma da Madeira considera o instrumento fiscal e aduaneiro como um meio essencial à redução dos constrangimentos estruturais que afectam uma pequena economia ultraperiférica como a sua, uma vez que pode funcionar como factor de atractividade para os investimentos (exemplo taxas reduzidas de IVA), de diversificação da actividade económica e de fortalecimento do tecido empresarial regional. Actualmente, naquelas áreas, encontram-se em apreciação nos Serviços da Comissão Europeiatrês pedidos desta Região: Derrogação às taxas aplicadas dos impostos especiais sobre o consumo aplicado à cerveja; Suspensão dos direitos autónomos da Pauta Aduaneira Comum à importação na Região Autónoma da Madeira de bens de equipamento para utilização comercial e industrial e de matérias-primas, peças e componentes para manutenção e transformação industrial, bem como de determinados produtos da pesca; Prorrogação, até ao final de 2020, do regime que suspende temporariamente os direitos autónomos da Pauta Aduaneira Comum que incidem sobre um determinado número de produtos industriais destinados a equipar a Zona Franca da Madeira. Atendendo à importância de tais medidas, as quais poderão auxiliar a inserção da economia regional no mercado interno e a implementação de instrumentos que permitam o reforço da competitividade das empresas regionais, esta Região considera que uma maior flexibilidade da Comissão Europeia na sua análise é necessária. Investigação, Desenvolvimento Tecnológico, Inovação e Competitividade A Região Autónoma da Madeira entende que deverão ser previstas medidas específicas que possibilitem uma maior participação nos programas-quadro comunitários dado que constituem instrumentos essenciais, quer para a concretização do objectivo da inserção plena da Região no Espaço Europeu de Investigação, no Espaço Europeu de Aprendizagem ao Longo da Vida, quer para o incremento da competitividade e inovação, designadamente nos três eixos da economia do conhecimento: investigação, inovação e educação. Assim, só um tratamento diferenciado no acesso a tais programas-quadro e demais iniciativas comunitárias nos domínios prioritários para a Região poderá permitir uma evolução no sentido de uma plena inserção na economia do conhecimento. Por conseguinte, tal objectivo só será uma realidade quando, no plano europeu, forem previstas medidas adaptadas à sua situação particular, as quais passam pela criação de um eixo específico dentro de cada um daqueles instrumentos destinado, em exclusivo, ao financiamento de projectos desenvolvidos pelas RUP, isoladamente ou em parceria entre si ou com outras entidades ou

13 regiões e, pela majoração da taxa de co-financiamento dos projectos desenvolvidos em parceria, designadamente, nos domínios da inovação, da investigação e desenvolvimento tecnológico, da ciência, do acesso ao conhecimento e das energias renováveis. Por outro lado, tendo em conta os resultados do Estudo sobre a identificação de indústrias de ponta a implementar nas RUP e áreas adequadas de reforço e especialização do capital humano das RUP, considera-se, igualmente, pertinente que a Comissão Europeia preveja o financiamento de um certo número de estágios ao capital humano das RUP junto de grandes Centros de Investigação e Inovação, quer europeus quer internacionais, de modo a permitir a aquisição de know how e a especialização em áreas potenciadoras de desenvolvimento para esta Região e demais RUP. A adopção de tais medidas permitiria, por um lado, adequar as iniciativas da UE às especificidades da Região e demais RUP e, por outro lado permitir melhorar o aproveitamento das oportunidades proporcionadas pela UE, designadamente para financiamento de projectos de investigação e de inovação em domínios como a energia, o ambiente, a preservação da biodiversidade, TIC, saúde, isto é, maximizar as potencialidades que detêm nalguns destes domínios e que constituem uma importante mais-valia que importa desenvolver em benefício desta Região e da UE. Consideramos, igualmente, importante que tais programas contribuam decisivamente para a introdução de uma estratégia centrada em pólos de excelência, capaz de se afirmar no espaço Europeu e de atrair e fixar conhecimento na Região Autónoma da Madeira. A conjugação de esforços políticos, humanos e financeiros em torno deste objectivo deverá traduzir uma aposta conjunta da Região e da Comissão Europeia, quer em termos de investimento financeiro quer em termos de comprometimento organizacional com uma eficaz concertação da rede de actores regionais e da sua inserção nas redes globais. O compromisso em torno dos Pólos de Excelência deverá ser de muito longo prazo e de interesse múltiplo Europeu e Regional, conjugando e materializando as políticas europeias e regionais. Os objectivos de sustentabilidade das Regiões Ultraperiféricas e da diversidade Europeia e a necessidade de afirmação global justificam "a discriminação territorial" e um envolvimento mais expressivo da Comissão Europeia. Esta Região precisa que lhe sejam facultados os mecanismos para aproveitar as oportunidades que a Economia do Conhecimento oferece a territórios distantes e de reduzida dimensão, caso contrário a fragilidade da sua economia será mais expressiva e terá mais dificuldades em competir. Em resumo, o esforço efectuado em termos da política de coesão, através dos programas operacionais, e dos Programas Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico e da Competitividade e Inovação deverá ser aprofundado e complementado com uma política conjunta, europeia e regional, em torno do conceito de Pólo de Excelência e que contemple o capital humano, a rede social e as estruturas da economia do conhecimento.

14 Inserção regional Neste âmbito, a Região Autónoma da Madeira considera importante que a União Europeia desenvolva, efectivamente, uma política de integração nos respectivos espaços geográficos para o conjunto das RUP e não apenas para algumas delas como sucede actualmente ao excluir, no quadro do Objectivo da Cooperação Territorial Europeia, as RUP portuguesas da vertente da cooperação transfronteiriça. Esta situação limita a possibilidade desta Região desenvolver uma maior cooperação na sua zona geográfica de inserção. Entendemos que as mesmas possibilidade que são oferecidas às demais Regiões, de estreitarem relações com os seus países vizinhos terceiros com recurso aos meios financeiros disponibilizados no âmbito da Cooperação Territorial Europeia, deverão ser-lhe igualmente aplicáveis. Uma Política de Vizinhança para as RUP que não ofereça as mesmas oportunidades a todas elas é uma política desequilibrada, que atenta contra o princípio da unidade de tratamento destas regiões, conforme decorre do Tratado. Não pode, por isso, ser condicionada por conceitos e critérios que colidem com a estratégia europeia de desenvolvimento para as RUP, designadamente com a efectivação de um dos seus eixos, o da melhoria da integração regional do conjunto das RUP. Outro aspecto que importa desenvolver prende-se com os laços de cada RUP com os países com os quais os respectivos Estados têm fortes ligações por razões históricas, culturais e linguísticas. A viabilização de projectos de transporte marítimo de curta distância entre as RUP e entre os Estados terceiros vizinhos daria, igualmente, um impulso à política de inserção das RUP no espaço geográfico circundante. Para a Região Autónoma da Madeira seria, assim, importante não só estreitar laços de cooperação com os países mais próximos geograficamente, como é o caso de Cabo Verde, mas também com países com quem mantém uma proximidade histórica ou sócio-cultural. São disso exemplo o Brasil, a Venezuela ou a África do Sul onde a Região tem comunidades de emigrantes bastante expressivas. Esta Região chama a atenção para a necessidade dos acordos entre a União Europeia e países como o Brasil, a Africa do Sul e a Venezuela preverem mecanismos que permitam estreitar as relações com as nossas comunidades de emigrantes aí residentes, privilegiando a troca de conhecimentos e de experiências potenciadoras do dinamismo empresarial, bem como as relações culturais e linguísticas. 2.4 Instrumentos de apoio para compensar os efeitos dos constrangimentos Quantificação de sobrecustos A Comissão pretende avançar com orientações, relativas à quantificação de sobrecustos associados aos condicionalismos das RUP, com o objectivo de garantir a proporcionalidade dos apoios concedidos face aos sobrecustos que visam compensar.

15 As recomendações resultantes do Estudo lançado pela Comissão, apresentadas nas reuniões de parceria, são consideradas pela Região, demais RUP e respectivos Estados, de grande complexidade, muito onerosa e com diversas limitações operacionais, nomeadamente quanto à obtenção de informação estatística. Enquanto se mantiverem tais pressupostos, os cenários que têm vindo a ser apresentados não poderão ser aceites pela Região Autónoma da Madeira, uma vez que não possui os recursos técnicos e financeiros necessários. Terão, assim, de ser encontradas outras alternativas que visem o objectivo proposto e que sejam viáveis e aceites por todas as partes envolvidas. Por outro lado, não podemos subscrever a afirmação da Comissão, a propósito da disponibilidade dos dados sobre os custos da ultraperiferia, de que os mesmos estão actualmente disponíveis na sua grande maioria quando em diversas reuniões de parceria dedicadas a esta temática quer as RUP quer os respectivos Estados-Membros alertaram para a indisponibilidade dos mesmos. Inclusive, a própria entidade consultora chamou a atenção para este problema. É sabido que uma grande parte dos custos da ultraperiferia é de difícil quantificação, pelo que a Região reafirma a necessidade de prosseguir, em parceria, os trabalhos com vista a encontrar uma solução consensual para todas as partes interessadas. Para este efeito, consideramos, igualmente, essencial o apoio financeiro da União, designadamente ao nível da obtenção e tratamento dos dados estatísticos necessários, os quais acarretam um custo muito elevado para as RUP. Esta Região reafirma a necessidade do carácter opcional, das Orientações que a Comissão se prepara para aprovar, nesta matéria e a sua aplicação condicionada à disponibilidade de dados. Em circunstância alguma, poderão tais Orientações metodológicas constituir um obstáculo à concessão de apoios a esta Região e demais RUP. 3. PERSPECTIVAS FUTURAS A Comissão ao propor-se reflectir sobre o futuro da estratégia europeia para as RUP, sem prejuízo do resultado da revisão do orçamento da União, está a subordinar a definição da estratégia global em prol da ultraperiferia às orientações que serão determinadas no âmbito da revisão orçamental. Se por um lado a iniciativa de proceder a uma reflexão é positiva, por outro lado a reserva que a Comissão introduz na sua Comunicação constitui um elemento de insegurança que deixa entender que a estratégia para as RUP poderá ser afectada pelas evoluções orçamentais em curso. A Região Autónoma da Madeira entende que a estratégia para as Regiões Ultraperiféricas deverá ser tangível, traduzida nas políticas e em acções específicas e não um mero exercício retórico. Neste contexto, a reflexão sobre a futura estratégia europeia para as RUP não deve circunscrever-se às temáticas propostas pela Comissão que correspondem, sobretudo, a grandes desafios

16 que relevam das prioridades políticas da União, pese embora os seus efeitos também se façam sentir, de forma muito particular, nestes territórios. Esta Região apoia naturalmente a abordagem da Comissão, mas, considera, igualmente, importante que, desde já, se debatam outras temáticas cruciais para o seu desenvolvimento futuro e que contribuem decisivamente para a execução da estratégia de O desafio das alterações climáticas A problemática das alterações climáticas está no topo da agenda europeia constituindo uma das prioridades políticas da actual Comissão, a qual, designadamente com a apresentação recente do pacote energia clima, com metas e objectivos ambiciosos, pretende reforçar a liderança internacional da UE no combate às alterações climáticas e o fomento de uma economia europeia pobre em CO2. Global na sua natureza, o fenómeno das alterações climáticas coloca à Região Autónoma da Madeira, bem como às demais Regiões Ultraperiféricas, problemas acrescidos ao seu desenvolvimento, tanto presente como futuro, em virtude da fragilidade ambiental do seu território e condicionantes de natureza geográfica. Um Arquipélago como o da Madeira é, assim, especialmente vulnerável às alterações climáticas dado que depende de recursos naturais particularmente sensíveis à mudança do clima (os recursos hídricos, as zonas costeiras, os recursos energéticos renováveis e a biodiversidade) e, porque as possíveis medidas de adaptação estão em geral condicionadas por fortes limitações de natureza geográfica. A especial vulnerabilidade desta Região é demonstrada pelo resultado do estudo desenvolvido no âmbito do projecto Climaat II Clima e Meteorologia dos Arquipélagos Atlânticos, projecto cofinanciado pelo INTERREG B, o qual analisou os potenciais impactes das alterações climáticas sobre os recursos hídricos; florestas; agricultura; biodiversidade; energia; saúde humana; e turismo. O estudo em causa, no qual foram utilizados um conjunto de cenários de emissões desenvolvidos pelo Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), aponta para a Região várias consequências, destacando-se: Até ao final do século XXI, um aquecimento da temperatura média entre 2ºC a 3ºC; Uma redução significativa da precipitação até ao final do século XXI, na ordem de um terço da precipitação anual actual; A diminuição do volume de água doce disponível até ao final do século na ordem dos 50%, com forte probabilidade de ocorrência de situações de escassez de água potável; Em matéria de biodiversidade, estima-se que o aumento progressivo da temperatura terá um impacte negativo nos habitats de altitude podendo conduzir mesmo à extinção de espécies de flora e fauna;

17 No âmbito da energia, prevêem-se substanciais aumentos das necessidades de energia para edifícios e transportes; No domínio da saúde foram estudadas, designadamente doenças transmitidas por roedores e invertebrados, estimando-se que, no futuro, as alterações climáticas na Região poderão proporcionar condições mais favoráveis à sobrevivência dos mosquitos e ao desenvolvimento de parasitas, aumentando, de forma preocupante, o risco de transmissão de doenças como a dengue e a febre-amarela; No sector do turismo, os estimados aumentos no risco de transmissão de doenças infecciosas tropicais poderão ter um efeito muito negativo na imagem da Região como destino turístico. Por outro lado, este sector poderá também ser penalizado com a adopção de medidas de mitigação das alterações climáticas que encareçam a energia usada nos transportes aéreos. Esta Região é, deste modo, confrontada, por um lado, com as consequências de um fenómeno global para o qual muito pouco contribuiu, cujas incidências negativas se farão sentir sobre diversos sectores económicos e, por outro lado, com medidas comunitárias de adaptação, de combate às alterações climáticas que, nalguns casos, são susceptíveis de afectar seriamente o seu processo de desenvolvimento integrado, os esforços tendentes à coesão territorial, a mobilidade dos seus cidadãos e empresas, o fluxo de turistas. De notar que a Região Autónoma da Madeira, à sua escala, contribui desde há muito tempo, para o combate às alterações climáticas, designadamente através de uma forte aposta nos recursos renováveis endógenos (hídrica, eólica, solar, biomassa e resíduos) 2 e, em acções de economia de energia. A RAM foi pioneira no planeamento energético a nível regional, tendo elaborado planos energéticos em 1989, 1992 e 2002, que, para além da importância para a estruturação das políticas regionais, serviram também de modelo a outras regiões insulares e territórios continentais. A RAM foi também pioneira no planeamento ambiental a nível regional, tendo elaborado um plano de política de ambiente em A Região está, assim, na linha da frente no que respeita às regiões europeias com melhor desempenho em termos de política energética, prosseguindo uma estratégia alinhada com as grandes orientações da política energética europeia. Para tal muito tem contribuído o apoio da UE. Por conseguinte, tendo em conta que a própria União Europeia está consciente que os efeitos das alterações climáticas não são homogéneos, não se repercutem de igual forma pelas distintas realidades geográficas, tendo impactes distintos em diferentes regiões as quais apresentam também diferentes graus de vulnerabilidade, como acima ilustrado, esta Região considera que 2 Em 2005, a contribuição das fontes de energia endógenas (hídrica, eólica e resíduos) para a produção de electricidade atingiu os 138 GWh, tendo-se evitado a emissão para atmosfera de toneladas de CO2 nas centrais termoeléctricas a fuelóleo fonte AREAM

18 para poder enfrentar, adequadamente, o desafio das alterações climáticas deve a União Europeia intuir e assumir o seguinte: O respeito pelo princípio do tratamento diferenciado. Tomada em consideração das especificidades desta Região face a eventuais incidências negativas de algumas das propostas que a União tem vindo a tomar com vista a reduzir a vulnerabilidade e aumentar a sua capacidade de adaptação aos efeitos das alterações climáticas. Neste âmbito, embora apoiando a proposta da Comissão de debater com as RUP e Estados respectivos os desafios que as alterações climáticas colocam hoje e no futuro ao desenvolvimento da ultraperiferia europeia constata-se, pela negativa, que a iniciativa de inclusão do sector da aviação no CELE, em negociação, no Conselho, não atende às especificidades da Região Autónoma da Madeira e compromete seriamente, desde já, a estratégia de desenvolvimento sustentável preconizada pela própria Comissão Europeia, em 2004, assente em três eixos: acessibilidade, competitividade e inserção regional, afectando, particularmente, os dois primeiros eixos. A proposta em causa colide, assim, com aquela estratégia prejudicando os esforços tendentes à coesão territorial ao não contribuir para o objectivo do desenvolvimento harmonioso e equilibrado de todo o território comunitário, isto é, a igualdade entre todos os cidadãos da UE, independentemente do território, designadamente no tocante ao acesso aos serviços, às infra-estruturas e ao conhecimento; aprofunda o défice de acessibilidade; e atenta, pela primeira vez, contra a própria essência da ultraperiferia, o seu traço mais marcante e distinto, isto é, o seu grande afastamento e, com isso, ameaça a sustentabilidade de sectores marcadamente importantes para esta Região como o do turismo. Defendemos, por isso, um tratamento diferenciado para esta Região, o qual passa pela exclusão do referido regime dos voos domésticos, isto é, as ligações aéreas entre as duas Regiões Autónomas com o território continental português, bem como as ligações aéreas no interior destas duas Regiões e entre RUP. No caso de a Comissão Europeia manter a sua total intransigência face ao tratamento diferenciado solicitado por esta Região, entendemos que ao menos deveria rever a sua proposta no sentido de admitir nas RUP a utilização de parte das receitas dos leilões para financiamento de projectos de investimento na área do ambiente, das energias renováveis e das florestas (reflorestação). Igualmente, deveria prever, explicitamente, uma avaliação ex-post do impacte da aplicação do regime nas RUP, a exemplo do que é proposto para as ilhas e regiões periféricas. O princípio da coerência entre políticas. Dada a transversalidade e o impacte das medidas de mitigação equacionadas pela UE em matéria de alterações climáticas, revela-se imprescindível assegurar a adequada coerência entre políticas comunitárias para que não se anulem mutuamente. A coerência entre políticas é um princípio que deve ser assumido, em definitivo, pela União, sob pena de afectar negativamente a política comunitária delineada para a ultraperiferia. O exemplo acima referenciado ausência de articulação entre a política ambiental e a de transportes ilus-

19 tra bem os efeitos negativos que poderão advir para a Região Autónoma da Madeira em resultado de uma incorrecta articulação entre políticas comunitárias. Com efeito, dada a total dependência desta Região e demais RUP do transporte aéreo, no que respeita às ligações com o exterior, o objectivo da redução de emissões irá afectar fortemente a acessibilidade traduzindo-se em impactes negativos nos sectores turístico, na economia em geral e na mobilidade da população, uma vez que deverão ser aplicadas taxas mais elevadas sobre a aviação para mitigação das emissões de gases com efeito de estufa devido à integração da aviação civil no regime de comércio de licenças de emissão. Por conseguinte, a Região Autónoma da Madeira tornar-se-á um destino mais caro comparativamente com mercados concorrentes devido ao seu posicionamento geográfico e, consequentemente, menos acessível. A necessidade de uma avaliação ex-ante. Entendemos essencial assegurar que qualquer politica ou medida susceptível de ter incidências negativas para esta Região deve ser objecto de uma avaliação ex-ante, de modo a determinar o seu impacte na mesma e, no caso de incidências negativas, a necessária abertura e flexibilidade da Comissão para desenvolver opções de adaptação, igualmente eficazes, e com menos custos para este Arquipélago. A avaliação à posteriori de eventuais impactes negativos sobre o desenvolvimento desta Região decorrentes de tais propostas não pode, em circunstância alguma, constituir a regra como parece estar a acontecer em matéria de alterações climáticas e de outras. Em síntese: Para que o objectivo da redução das emissões não tenha um impacte negativo na acessibilidade, na economia e nos cidadãos da Região Autónoma da Madeira, é absolutamente necessário que a política comunitária em favor da ultraperiferia evolua no respeito pelo princípio do tratamento diferenciado que é devido a realidades distintas, com estatuto próprio no Tratado, no respeito pelo princípio da proporcionalidade, na observância da coerência entre políticas, e na necessidade de avaliação ex-ante de políticas e medidas susceptíveis de afectar negativamente a Região. Quanto aos critérios a seguir para integrar aquela preocupação numa avaliação ex-ante, consideramos essencial a tomada em consideração dos seguintes aspectos: Quantidade de emissões de CO2 da Região e demais Regiões Ultraperiféricas, face ao conjunto global de emissões da União Europeia; Capitações de emissão de CO2 da RAM, face às da UE; Meios de transporte equacionáveis e viáveis na ligação com o exterior; Descontinuidade territorial; Distância em relação ao território continental europeu; Emissões de CO2 evitadas em virtude de investimentos em energias renováveis e acções de economia de energia;

20 Tomada em consideração dos sumidouros de carbono que representam a vasta ZEE da Região e a área florestal que cobre grande parte do território; Posicionamento da Região face às metas comunitárias traçadas para as energias renováveis; Contributo das RUP para a UE como laboratórios de investigação, demonstração e desenvolvimento de novas tecnologias para reduzir as emissões de CO2, com potencial de aplicação na UE e países terceiros; Contributo das RUP para a UE como observatórios para a monitorização das consequências das alterações climáticas, em várias regiões do Globo; Sobre a melhor forma de maximizar os pontos fortes naturais que esta Região apresenta com vista a melhorar a sua balança energética e reforçar a sua competitividade, na luta contra as alterações climáticas, revela-se essencial a tomada em consideração dos seguintes aspectos: A necessidade de criação de um programa de apoio específico com vista a maximizar o aproveitamento das energias endógenas renováveis e a eficiência energética nos edifícios e nos transportes, e promover a utilização de combustíveis mais limpos, contribuindo, deste modo, para reduzir a dependência do petróleo e os impactes ambientais, diversificar as fontes de energia, melhorar a segurança do abastecimento e fortalecer a competitividade da economia da RAM, em consonância com as grandes orientações da política energética europeia. Em alternativa poderiam ser considerados eixos específicos nos programas comunitários pertinentes; Devido à sua situação geográfica e à fragilidade dos seus ecossistemas esta Região e demais RUP constituem observatórios e laboratórios privilegiados para, na prática, monitorizarem e estudarem a questão das alterações climáticas, fulcral para o futuro da humanidade; A Região Autónoma da Madeira e demais RUP constituem os melhores exemplos, a nível da União Europeia, para experimentar medidas de redução de emissões de CO 2, para desenvolver as energias renováveis, entre as quais as oceânicas emergentes (ondas, correntes marítimas, aproveitamentos off-shore, culturas energéticas marinhas) e para promover as boas práticas e novas tecnologias na utilização racional de energia, através da aplicação do princípio da ilha incubadora. Quanto aos progressos na redução da dependência energética dos combustíveis fósseis através da máxima exploração do potencial de poupança de energia é assumido que este é bastante elevado, por razões directas e indirectas. No que toca às poupanças em energia eléctrica (razões directas) a utilização de equipamentos eficientes e uma correcta gestão de recursos na óptica da procura (demand side management) constitui uma medida indispensável. Indirectamente, a qualidade da construção de edifícios assume um papel relevante no consumo de electricidade. Assim, existindo ou estando em curso nesta Região Autónoma a procura de soluções consentâneas com a maximização da eficiência energética revela-se importante:

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

XI Confer6ncla dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Reunião - Saint-Denis - 01 a 04 de Setembro de 2005

XI Confer6ncla dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Reunião - Saint-Denis - 01 a 04 de Setembro de 2005 XI Confer6ncla dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Reunião - Saint-Denis - 01 a 04 de Setembro de 2005 INSTRUMENTO DE GRANDE VIZINHANÇA: A Conferência congratula-se com o facto da Comissão ter

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Em primeiro lugar, quero saudar a Senhora Presidente

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Desenvolvimento Regional 11.1.2012 2011/2195(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre o papel da política de coesão nas regiões ultraperiféricas da União Europeia no contexto

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

SESSÃO DE PARCERIA. Sexta-feira, 14 de Setembro (09:00/12:50) INTERVENÇÃO

SESSÃO DE PARCERIA. Sexta-feira, 14 de Setembro (09:00/12:50) INTERVENÇÃO SESSÃO DE PARCERIA Sexta-feira, 14 de Setembro (09:00/12:50) «Aprofundar e concretizar a Estratégia Europeia para as RUP no quadro 2014-2020» INTERVENÇÃO Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores,

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO LOCAL ORIENTADO PARA A COMUNIDADE POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011 Esta

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL

CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL CONTRIBUTO DA UGT SOBRE O PROGRAMA INTEGRADO DO REFORÇO DO COMBATE À EVASÃO E À FRAUDE FISCAL I. INTRODUÇÃO No âmbito dos compromissos assumidos pelo Governo em sede de Concertação Social, o Governo apresentou

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência

As regiões Portuguesas: Lisboa: Competitividade e Emprego; Madeira: Phasing-in; Algarve: Phasing-out; Norte, Centro, Alentejo, Açores: Convergência A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu Nuno Teixeira CCDR-LVT 26.Novembro.2010 A Nova Agenda da Política de Coesão no Espaço Europeu 1 ÍNDICE I. A coesão no espaço europeu II. O Tratado

Leia mais

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012 Estudos de Fundamentação do Parecer de Iniciativa Competitividade das Cidades, Coesão Social e Ordenamento do Território Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade

Leia mais

O que é o Portugal 2020?

O que é o Portugal 2020? O que é o Portugal 2020? Portugal 2020 é o novo ciclo de programação dos fundos europeus, que substitui o antigo QREN (Quadro Estratégico de Referência Nacional). Foi acordado entre Portugal e a Comissão

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO

PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 03 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROJECTOS INDIVIDUAIS E DE COOPERAÇÃO Nos termos do

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial

XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES. Moção Sectorial XV CONGRESSO REGIONAL DO PARTIDO SOCIALISTA AÇORES Moção Sectorial Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I) - Potenciar a Sociedade do Conhecimento nos Açores O trinómio Investigação, Desenvolvimento

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 30 de julho 2014 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal submeteu à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades

Leia mais

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008

Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Orientação de Gestão nº 06/POFC/2008 Enquadramento no Sistema de Apoio às Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SAESCTN) de Projectos de IC&DT em todos os domínios científicos Projectos

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia.

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. PORTUGAL A INOVAR O Desafio do Desenvolvimento Regional AGENDA Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. Objectivos Plano Tecnológico, a resposta portuguesa

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 15.9.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o mandato externo do BEI Comissão dos Orçamentos Relator: Ivailo Kalfin DT\830408.doc PE448.826v01-00 Unida na

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais