Inovação e Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME): uma Pesquisa em Andamento. Autoria: Nathalia Gandolfi Figueiredo, Dante Pinheiro Martinelli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação e Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME): uma Pesquisa em Andamento. Autoria: Nathalia Gandolfi Figueiredo, Dante Pinheiro Martinelli"

Transcrição

1 Inovação e Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME): uma Pesquisa em Andamento Autoria: Nathalia Gandolfi Figueiredo, Dante Pinheiro Martinelli RESUMO As pequenas e médias empresas (PME) vêm assumindo, nas últimas décadas, um papel cada vez mais relevante na economia, pois, entre outros fatores, possuem maior flexibilidade de ação, o que é muito desejável num ambiente instável. Apresentam também outras vantagens em termos gerenciais, como capacidade de empreendimento e agilidade no processo de tomada de decisão. O artigo analisa os resultados de uma pesquisa de iniciação científica realizada durante o ano de Durante a pesquisa, buscou-se coletar, tratar e analisar dados que permitam compreender as dificuldades e apontar as diferenças estratégicas nas pequenas e médias empresas (PME) quanto às suas atividades exportadoras e capacidade de inovação. O estudo aborda quatro domínios de inovação: tecnológico, comercial, organizacional e institucional. Também poder-se-á verificar que 72% das PME analisadas consideram a exportação como estratégica e apontam que isso é fator essencial para a busca constante de tais empresas por seguidas inovações. Não se pretende ainda tirar conclusões definitivas, mas sim expor os resultados preliminares obtidos, bem como permitir questionamentos, críticas e considerações que gerem a busca por novas explicações e soluções para o melhor desenvolvimento do caráter exportador da PME brasileira. INTRODUÇÃO O artigo objetiva fazer uma análise da relação entre inovação e exportação nas PME do Estado de São Paulo, tomando como base a pesquisa de iniciação científica realizada pela primeira autora, sob orientação do segundo autor, dentro do programa de Bolsas de Iniciação Científica da FAPESP. Essa pesquisa teve por objetivo coletar, tratar e analisar dados que permitam compreender as dificuldades e apontar as diferenças estratégicas entre as pequenas e médias empresas (PME) quanto às suas atividades exportadoras e respectiva capacidade de inovação. As pequenas e médias empresas (PME) vêm assumindo um papel de importância crescente na economia. Para uma extensa linha de produtos e modelos que reúnem certas características como, por exemplo, fornecimento em pequenos lotes para certos nichos de mercado -, estas empresas estão mais bem dotadas para conseguir economias de escala. Possibilitam maior flexibilidade, o que é muito desejável num ambiente instável. Apresentam também outras vantagens em termos gerenciais e de empreendimento, bem como na geração de postos de trabalho. (Kruglianskas, 1996:7) Em economias desenvolvidas, têm-se verificado que pequenas empresas têm provido a maior parte dos novos empregos e a maior parte das inovações e invenções voltadas para o crescimento das empresas (micro-eletrônica, tecnologia de informação, bioquímica, etc.) têm emergido ou sido iniciadas por pequenas empresas (Amato Neto, 2000). Essa grande capacidade de crescimento e geração de renda, das pequenas e médias empresas, agora começa a ser aproveitada no Brasil, como é feito em vários países, sendo a Itália o principal exemplo. No Brasil já existem aglomerados regionais de PME de um mesmo setor, trabalhando com qualidade em todos os processos de uma grande variedade de

2 2 produtos, como os calçados em Franca e Novo Hamburgo, além de móveis em Rio Negrinho e São Bento do Sul. No entanto, de um modo geral, as empresas brasileiras dão pouca ênfase às atividades de exportação. Em um estudo realizado pelo Sebrae (1998:5), as micro e pequenas empresas paulistas concentram seus esforços de exportação em poucos mercados no exterior (53% dessas empresas com atividades exportadoras concentram esses esforços em um único mercado e apenas 9% exportam para mais de cinco mercados). A necessidade de se discutir PME e suas atividades exportadoras no Brasil é imensa, tendo em vista a crescente atuação das mesmas, tanto no mercado externo como interno. Sabe-se, no entanto, que suas bases para estruturar o trabalho não são adequadas, tendo em vista a imensa quantidade de PME que fecham suas portas antes de completar cinco anos (35% das MPEs - Micro e Pequenas Empresas - recém-criadas não chegam a concluir o seu primeiro ano de atividade; outras 11% não chegam ao segundo ano e outras 10% não chegam a concluir o terceiro ano de atividade, segundo Sebrae, 1999). A fim de fazer uma análise mais detalhada da inovação nas empresas, a pesquisa aborda quatro domínios de inovação: tecnológico, comercial, organizacional e institucional. O artigo apresenta uma análise dos dados coletados, além das informações bibliográficas, tomadas como base de estudo para a pesquisa. REVISÃO DA LITERATURA Pequenas e Médias Empresas Guimarães (1982) e Solomon (1986) (apud Amato Neto, 2000), descrevem algumas características marcantes nas pequenas empresas. A primeira delas é que elas tendem a desempenhar atividades com baixa intensidade de capital e com alta intensidade de mão-deobra. Além disso, apresentam melhor desempenho nas atividades que requerem habilidades ou serviços especializados (principalmente nos casos de produtos ou serviços projetados ou prestados para atender a demanda de um único ou pequeno grupo de clientes, tais como agentes imobiliários, alfaiates, tradutores, dentre outros). Geralmente familiares, as pequenas e médias empresas têm chamado a atenção, de maneira cada vez mais intensa, de pesquisadores e governantes, por sua imensa capacidade de geração de emprego e renda. Verificou-se, durante a pesquisa, que vários órgãos como o SEBRAE e as Universidades estão se empenhando no combate à alta mortalidade a que essas empresas estão expostas. Uma alternativa é referente às incubadoras, hoje instaladas em praticamente todos os estados do país. Muitas delas em parcerias com Universidades. A partir desses trabalhos têm-se explanações e análises de vários autores sobre o papel e a importância das PME no contexto brasileiro. A existência de um grande número de pequenas e médias empresas (PME) na economia leva à menor concentração de mercado e induz à melhor distribuição de renda, favorecendo a estabilidade social e política. Uma estrutura de mercado menos concentrada permite maior dinamismo, além de proporcionar a redução dos problemas inflacionários, decorrentes da existência dos oligopólios com grande poder sobre o estabelecimento de preços no mercado (Kruglianskas, 1996). Como parte da comunidade empresarial, as PME contribuem para o bem-estar econômico da nação, produzindo uma parte do total dos bens e serviços. Além da contribuição econômica, possuem algumas qualidades que acabam por oferecer contribuições excepcionais, na medida que fornecem novos empregos, introduzem inovações, estimulam a

3 3 competição, auxiliam as grandes empresas e produzem bens e serviços com eficiência (Longenecker et al., 1997). A falta de uma política bem definida de ajuda e de incentivos à indústria, comércio e serviços faz com que as PME não tenham competitividade nos mercados em que atuam. Elas precisam buscar uma forma de inovação para poder competir com o mercado global. Uma das soluções é a formação de alianças estratégicas entre empresas, resultando nas redes de inovação tecnológica (Goedert & Abreu, 2000). A chave dos fatores internos que dificultam a competitividade das pequenas empresas está na área da inovação, pois a carência de informações gerenciais e a concentração de atribuições do pequeno empresário ocasionam um encadeamento de problemas e vícios na estrutura administrativa, que acabam resultando em uma má administração e na perda de competitividade (Sauer & Colossi, 1997). Inovação As inovações constituem, essencialmente, mudanças empreendidas e adotadas pela empresa. Quando a empresa introduz um novo bem ou serviço, ou usa um novo método, seja em atividades de manufatura, seja de serviços ou gerencial, ou, ainda, utiliza outros tipos de insumos, que são novos para tal empresa, está implantando uma mudança tecnológica (Marquis apud Kruglianskas, 1996). Burgelman et Sayles (1987) definem a inovação como o desenvolvimento de um produto ou tecnologia que traga uma novidade radical. Para os fins aqui propostos, a definição citada servirá de base às reflexões: a inovação é a adoção de uma mudança por uma empresa ou organização; tal mudança está considerada no objetivo de aumentar a produtividade global, em resposta às novas exigências do mercado ou de ataque a novos mercados. É utilizada aqui a tipologia de inovação de Berreyre (1975) apud Gasse & Carrier (1992), para melhor ilustrar as diferentes formas de inovação que se pode encontrar nas empresas. De acordo com este autor, pode-se falar de quatro grandes categorias de inovação: a inovação de domínio tecnológico, a de domínio organizacional, a comercial e a institucional. A análise do caráter inovador das pequenas e médias empresas estudadas será feita através dessa divisão. 1. Inovação de Domínio Tecnológico Nesta categoria se encaixam as mudanças relativas aos aspectos técnicos de produtos ou serviços, como também os processos e métodos de produção ou de prestação de serviços utilizados pelas empresas. Como exemplo, tem-se a utilização de nova matéria prima, adoção de novos processos de fabricação, o desenvolvimento de novos formatos para o produto, a utilização de novos ingredientes ou novos tipos de energia, permitindo produzir o mesmo produto a partir de diferentes recursos. 2. Inovação de Domínio Comercial Esta categoria agrupa o conjunto de mudanças que visam a um melhoramento profundo das formas de comercialização em vigor na empresa. O desenvolvimento de novos produtos pode até ser considerado como parte predominante deste tipo de inovação. Ele permite, entre outras coisas, que a empresa satisfaça melhor seu mercado ou consiga atingir novos. Esse tipo de inovação engloba o desenvolvimento de um novo modo de distribuição de um dado produto, novas apresentações de produtos conhecidos para facilitar o acesso ao consumidor, uma nova aplicação de um produto já existente, visando a melhorar a venda de

4 4 outro, o desenvolvimento de um novo sistema comercial, expansão da oferta de produtos e serviços de forma a aumentar a clientela, entre outros. 3. Inovação de Domínio Organizacional Pode-se incluir nesta forma de inovação todas as mudanças que venham a modificar os modos de organização da empresa, assim como os procedimentos nessa modalidade de desenvolvimento. Este tipo de inovação afeta, geralmente de forma direta ou indireta, a própria estrutura interna da empresa. Pode-se agir na ocorrência de inovações relativas à composição do pessoal, às modificações de políticas nos procedimentos corriqueiros ou ainda uma mudança maior que tenha efeito sobre a estratégia global de uma empresa. Abertura de capital, a instalação de um novo departamento de pesquisa e desenvolvimento em uma empresa, novas estruturas de prevenção, as formas de departamentalização e adaptação aos objetivos da empresa e a instauração de máquinas de serviço ou guichês automáticos para certas instituições, são algumas das aplicações concretas possíveis do conceito de inovação de domínio organizacional. 4. Inovação de Domínio Institucional Falar-se-á aqui da instauração de novos sistemas e de novas normas que vigoram nas empresas. Haverá algo mais específico integrando este tipo de inovação à categoria anterior, em um contexto onde se estará especialmente preocupado com o setor de pequenas e médias empresas. Nesta categoria de inovação cita-se, a título de exemplo, a instauração de sistemas de participação do pessoal para o benefício da empresa na participação de uma quantidade crescente das empresas, em termos de engajamento social e econômico no seu ambiente. Segundo as indicações de Furtado (apud Dacorso & Yu, 2000), as economias latinoamericanas, em particular, estão sendo submetidas a pressões crescentes para desregular os seus mercados, eliminando as tarifas alfandegárias e unificando o mercado financeiro, surgindo uma nova fase do desenvolvimento capitalista. Nesse ambiente de intensa competição, a eficiência e produtividade adquirem importância decisiva e deixam de ser um diferencial competitivo, para se tornarem condições necessárias para a sobrevivência das empresas. Assim, as empresas sobreviventes passam a competir em um novo patamar de eficácia, com novos fatores de diferenciação competitiva. A capacidade de inovar, segundo alguns pesquisadores, é o grande diferencial que emerge da organização industrial desta década (Dacorso & YU, 2000). Tanto as PME como as grandes empresas têm vantagens materiais para gerar e adotar inovações. Enquanto as grandes empresas têm tais vantagens devido à sua maior capacidade de P&D, as pequenas e médias empresas têm vantagens comportamentais relacionadas à sua maior flexibilidade e capacidade de adaptação a mudanças no mercado (Rothwell & Dogson, 1993 apud La Rovere & Medeiros, 2000). A maioria das PME introduz inovações apenas quando elas percebem claramente as oportunidades de negócio ligadas à inovação (Gagnon & Toulouse, 1996 apud La Rovere & Medeiros, 2000) ou então porque estão sob pressão de clientes e/ou fornecedores. Isso ocorre devido às especificidades do processo de aprendizado tecnológico das PME, onde a busca e seleção de informações são afetadas por limitações de tempo e de recursos humanos (DG XIII/E 1996 apud La Rovere & Medeiros, 2000). Pode-se dizer que, nestas empresas, as atividades de P&D estão refletidas nos esforços orientados para a resolução de problemas rotineiros da produção, envolvendo desde pequenas melhorias incrementais em produtos, até a modernização de processos de manufatura ou introdução de novas tecnologias (Cornelsen et al., 2000). Tais observações são claramente verificáveis na análise dos dados deste artigo.

5 5 METODOLOGIA DA PESQUISA A organização e a implementação da pesquisa foram divididas em fases baseadas em Selltiz et alli (1975), que incluem: Formulação e Planejamento, na qual foi feita a seleção das empresas participantes juntamente com o estudo bibliográfico, que teve o objetivo de criar embasamento para a produção do questionário e análise dos dados que seriam coletados, sendo que, para este segundo item, foi feita uma revisão bibliográfica tendo em vista uma melhor adequação da análise ao resultado apresentado na pesquisa de campo. Em seguida foi montado o questionário com perguntas objetivas e questões abertas, com pré-teste realizado em três empresas da região de Ribeirão Preto. Em uma terceira fase, foram distribuídos os questionários e iniciada a coleta de dados. Na criação do questionário, procurou-se fazer questões objetivas, que abordassem o caráter inovador e exportador da empresa, além das dificuldades e vantagens que encontram para atuar no mercado externo. O questionário foi elaborado exclusivamente para empresas exportadoras, por ser esse o principal foco da pesquisa. A montagem do questionário iniciou-se com base no questionário utilizado durante pesquisa feita em 1999 (por André Joyal, em pesquisa realizada no Canadá) sobre o uso de informação e capacidade de exportação e de inovação nas PME. Por ser o foco da pesquisa, a autora procurou complementar o questionário voltando as perguntas para as quatro classificações de inovação citadas, entre outros dados complementares para análise. As empresas selecionadas são estritamente nacionais, de pequeno e médio porte, e as perguntas estarão voltadas para o foco da inovação em toda sua amplitude aqui considerada, que inclui as quatro divisões já citadas: inovação tecnológica, comercial, organizacional e institucional. Para a análise dos dados, foi utilizado como instrumento de auxílio estatístico o software SPSS, que teve a principal função de fazer o cruzamento de dados para posterior análise. Alguns resultados apresentados pelo uso do software, bem como sua análise para os fins deste artigo, estão apresentados a seguir. COLETA DE DADOS O método de obtenção das respostas foi feito através do envio do questionário via correio, correio eletrônico e fax. Para a segunda opção foi desenvolvido um arquivo protegido em modelo formulário, que indica os locais de resposta e onde o respondente tem total liberdade quanto ao número de palavras digitadas e suas respostas podem ser mais completas, no caso das questões abertas. Nas questões onde o respondente deve identificar um item, o modelo permite que tal identificação, no caso um x, seja feito através do mouse. Tal coleta de dados teve início em julho e percebeu-se que os respondentes tiveram preferência pelo envio por correio eletrônico, além de se constatar que a maioria das respostas bem sucedidas ocorreu através desse método. A coleta foi feita entre os meses de julho e novembro de Baseando-se em uma listagem do Siscomex Sistema Integrado de Comércio Exterior, organismo do Ministério da Fazenda que atua no controle das transações comerciais entre empresas brasileiras com estrangeiras, foi feito contato telefônico com mais de 400 empresas, solicitando o endereço eletrônico ou comum, para que fosse enviado o questionário. Algumas empresas preferiram

6 6 responder o questionário via fax. A coleta de dados resultou em 38 questionários, dos quais 29 foram considerados válidos e selecionados para a amostra final a ser analisada. RESULTADOS O principal objetivo da pesquisa foi analisar, através dos dados obtidos com o estudo bibliográfico e pesquisa de campo, o funcionamento da atual estrutura exportadora das PME no Brasil (e mais especificamente no estado de São Paulo) e quais são os investimentos feitos nessa área em termos de inovação. Outro objetivo foi angariar informações sobre as facilidades e dificuldades das pequenas e médias empresas nacionais em relação à exportação de seus produtos, bem como entender como o ambiente em que as empresas estão inseridas influencia no seu potencial de exportação. O perfil da amostra obtida é de empresas entre 16 e 30 anos de atividade (41,4% da amostra), apresentado ao todo empresas de quatro a 53 anos de atividade, atuando como exportadoras há mais de seis anos em média (havendo empresas exportadoras há um e 20 anos) e com sede em cidades próximas à Capital (50%). Em sua maioria, são indústrias de máquinas e equipamentos de médio ou pequeno porte, tendo faturado em média 20,95 milhões de reais no ano de O critério escolhido para a classificação do porte de empresas foi o tradicionalmente utilizado pelo SEBRAE (Sebrae/NA & Sebrae/UF, 1998) em estudos sobre PME. A referência para a indicação do tamanho é o número de funcionários das empresas, de acordo com o setor. Desta forma, considera-se como Microempresa aquelas com até 19 empregados na indústria e até 9 no comércio e no setor de serviços; as Pequenas Empresas são aquelas que possuem, na indústria, de 20 a 99 empregados, e no comércio e serviços, de 10 a 49 empregados; as Médias Empresas são as que possuem de 100 a 499 funcionários na indústria e de 50 até 99 funcionários no comércio e serviços. Esse critério atinge um universo um pouco maior de empresas, em relação ao critério baseado em faturamento, como o estabelecido na Lei N 9.317/96, conhecido como SIMPLES (Sebrae/NA & Sebrae/UF, 1998). Os resultados da pesquisa apontaram que 24,1% da amostra representam as Microempresas, 34,5% as Pequenas e 37,9% as Médias. O número médio de funcionários da amostra é de 117,93, com um desvio padrão de 122,86, sendo que a empresa com menor número de funcionários emprega cinco pessoas e a com maior número de funcionários, 450.

7 7 classificação das empresas por porte valores válidos pequena 35,7% media 39,3% micro 25,0% Figura 1: Porte das empresas da amostra (baseada em número de funcionários) As empresas da amostra, em sua maioria, não possuem contatos formais com outras empresas, não se utilizando também das redes de informação e tecnologia, assim como de aglomerados abordados como tema do estudo e revisão bibliográfica. Da mesma forma, não participam de qualquer tipo de cooperativas de desenvolvimento de exportação, apenas 10,3% afirmam participar desse tipo de cooperação em parceria com apenas uma empresa. Os entrevistados afirmam que nunca tiveram qualquer tipo de apoio governamental para exportação, mas mantém contato com suas respectivas associações setoriais, que estão primordialmente situadas em São Paulo (capital). Elas destinam a maior parte de suas vendas para o estado de São Paulo (média de 49%) e uma média de 13,36% do faturamento total para o exterior. Com relação ao faturamento, as empresas da amostra exportaram em média 5,06% em A Argentina é o principal destino das exportações dessas empresas. Apesar disso, o país que apresentou maior retorno com relação à venda de exportação sobre faturamento total foi o Chile, que apresentou uma média sobre faturamento de 17,48%. Um valor bastante expressivo apresentado pelas empresas da amostra é o crescimento da representatividade das exportações sobre o faturamento dessas empresas ao longo dos três últimos anos. A média deste valor cresceu de 6,82% em 1998 para 14,31% em A expectativa das empresas é que este número cresça 25% em um ano e 83% em três anos. Em termos de facilitadores na atividade de exportação, as empresas possuem preferência pelas publicações do IBGE (utilizadas por 14% da amostra) e internet (utilizada por 29,4% da amostra), fontes de informação rápidas, baratas e atualizadas. Foram identificados, dentro da amostra, os mais variados tipos de indústria. Procurouse agrupá-los de forma a não interferir no potencial econômico referente à exportação. Na divisão de categorias, foram considerados o tipo de produto e a tecnologia de produção utilizada, desconsiderando o tipo de cliente de cada indústria. A indústria de máquinas e equipamentos representa 34,5% da amostra; já a indústria metalúrgica apresenta um índice de 20,7% das empresas pesquisadas, seguida pela indústria de embalagens e a de alimentos e bebidas, com 10,3% cada, conforme mostra a tabela 8.

8 8 Tabela 1: Classificação das empresas por setor industrial Freqüência Porcentagem Porcentagem Acumulada Agropecuária 3 10,3 10,3 Alimentos e Bebidas 1 3,4 13,7 Editoração 3 10,3 24 Embalagens 1 3,4 27,4 Extrativismo 10 34,5 61,9 Máquinas e Equipamentos 6 20,7 82,6 Metalurgia 1 3,4 86 Químico/Farmacêutico 2 6,9 92,9 Têxtil 2 6,9 100 Total A indústria que apresenta maior tempo médio de atuação em atividade exportadora é a de editoração, com dez anos (porém, há que se considerar que esse dado é de apenas uma empresa). Em seguida aparece a indústria de embalagens, com 8,67. No entanto, este valor apresenta um desvio padrão de 9,87. A terceira indústria que apresenta maior tempo médio atuando com exportação é a de alimentos e bebidas (7,33 anos e desvio padrão de 4,33). Seqüencialmente estão as indústrias de máquinas e equipamentos, agropecuária, têxtil, químico/farmacêutico, etc. A indústria que apresenta menor desvio padrão com relação ao tempo em que a empresa exporta é a metalúrgica, que apresenta um tempo médio de 5,33 anos e desvio padrão 3,33 (tabela em anexo). Entre as pequenas empresas presentes na amostra, 60% são do setor industrial de máquinas e equipamentos, 20% do setor de agronegócios, 10% do setor metalúrgico e 10% do extrativista. As médias empresas da amostra estão representadas pelos setores de metalurgia e embalagens, com 27,2% cada setor, 18,2% pelo setor de alimentos e bebidas, 9% pelos setores químico/farmacêutico, têxtil e de máquinas e equipamentos. As microempresas são compostas pelos setores de máquinas e equipamentos e metalurgia, com 28,6% cada; os setores têxtil, editoração e alimentos e bebidas representam 14,28% das microempresas cada. Praticamente todas as empresas da amostra demonstraram interesse em aumentar o alcance do mercado externo, pelo próprio crescimento da empresa ou por motivos estratégicos, principalmente, já que 72% das respondentes consideram a exportação como essencial na estratégia da empresa. Segundo Kruglianskas (1997), a existência de um processo formal de P&D se constitui, para a empresa, numa poderosa arma de que dispõe para favorecer a inovação tecnológica. Todavia, o custo para se manter pessoal exclusiva ou prioritariamente dedicado às atividades de P&D é proibitivo, para a maior parte das PME dos setores tradicionais. Neste caso, a amostra contrariou, de certa forma, a afirmação acima, pois as empresas afirmam investir na pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, além de testarem constantemente novos recursos de produção. Isso mostra que as empresas estão evoluindo e valorizando cada vez mais P&D e o foco nas inovações. Em sua maioria, elas são médias e pequenas e algumas são de setores tradicionais, mas mesmo assim buscam de maneira cada vez mais intensa as inovações. No entanto, a citação acima é verificável na maior parte da bibliografia estudada. No caso de inovação tecnológica, as empresas da amostra demonstraram destinar a maior parte de seus investimentos ao aperfeiçoamento de produtos, que é mais barato do que a criação de novos produtos, além de permitir atualização constante.

9 9 Tabela 2: Comparação do percentual de empresas da amostra que investem nas várias possibilidades de inovação tecnológica Aperfeiçoamento dos produtos pelo menos a cada dois anos 75,90% Investimento em P&D 62,10% Teste de novos recursos de Produção 55,20% Adaptação de equipamentos 55,20% Novas tecnologias de produção 41,40% Contato com centros de pesquisa 27,60% O contato com centros de pesquisa foi apresentado como a inovação tecnológica menos utilizada pelas empresas. Sobre esse assunto, Soares (1994, apud Kruglianskas, 1997) recomenda, para um melhor desempenho em termos de inovação tecnológica, aproximar as PME das instituições de pesquisa, mediante maior divulgação dos tipos de serviços oferecidos e do perfil de seus pesquisadores, bem como criar mecanismos que tornem factíveis as contratações dos serviços destas instituições. Essa realidade é bem diferente em países que conseguem aproximar mais os institutos de pesquisa do mercado empresarial e das PME de um modo geral. Pratten (1991, apud Kruglianskas, 1997) identificou como as principais fontes de competitividade das PME o desenvolvimento de produtos e a qualidade dos serviços propiciados aos clientes. As principais inovações de domínio comercial citadas pelas empresas referem-se à criação de novos produtos (73,1%) ou alteração na apresentação de produtos já comercializados (63%). Com relação aos clientes, não são considerados grande preocupação pela maioria das empresas da amostra. A inovação comercial menos utilizada pelas PME é a publicidade em jornais e revistas, seguida por exposição em feiras setoriais. Com relação à essa realidade, Soares (1991, apud Kruglianskas, 1997) recomenda aos agentes de desenvolvimento subsidiar e facilitar a participação das PME em feiras e exposições, bem como nas atividades ligadas à implantação de novos processos e produtos. Tabela 3: Comparação do percentual de empresas da amostra que investem nas várias possibilidades de inovação comercial Criação de novos produtos 73,10% Alterações na apresentação dos produtos 63,00% Modificação do produto 53,60% Participação em feiras setoriais como expositor 42,90% Publicidade em jornais e revistas estrangeiras 21,40% No caso de inovações organizacionais, o maior investimento é feito em cursos de formação internos, especialmente treinamento técnico. Em seguida, muito próximos, estão: consultoria sobre exportação, política formal de exportação e departamento de exportação. Considerou-se que tal proximidade de resultados ocorre devido à existência de uma relação entre tais inovações, pois uma consultoria provavelmente estará implantando uma política formal de exportação, o que por sua vez leva à definição de um responsável sobre essa política, que acaba resultando em um novo departamento na empresa.

10 10 Tabela 4: Comparação do percentual de empresas da amostra que investem nas várias possibilidades de inovação organizacional Cursos de formação internos 51,70% Consultoria em comércio exterior 48,10% Política formal de exportação 44,80% Departamento de exportação 44,80% Meios de comunicação internos 41,40% Cursos de formação externos 41,40% Sistema de informação integrado ao comércio exterior 17,20% As empresas possuem baixos investimentos em sistemas de informação. Geralmente são produtos muito caros e quase sempre possuem soluções muito mais complexas do que as buscadas por pequenas empresas. A principal inovação institucional utilizada pela amostra é o contato com órgãos socioeconômicos, além de investimentos em programa de participação de funcionários. A certificação ISO é a que possui menor investimento por parte da amostra (20% das empresas da amostra possuem ISO). No entanto, ao se comparar com resultados apresentados em Ghisi et al. (2000), conforme tabela 6, verifica-se que, em pesquisa feita em 1999 com PME no estado de São Paulo, que foi tomada como ponto de partida para o projeto desta bolsa de iniciação científica, apenas 3% da amostra pesquisada possuía certificação ISO. Considera-se que tal diferença seja causada, principalmente, pelo fato de que, na amostra apresentada no artigo de Martinelli et al. (2000), as PME pesquisadas não eram necessariamente exportadoras, ao contrário da amostra analisada neste relatório. Ou seja, o fato de serem exportadoras faz com que as empresas busquem com maior intensidade melhorias exigidas por um mercado mais competitivo. Tabela 5: Comparação do percentual de empresas da amostra que investem nas várias possibilidades de inovação institucional Contato com órgãos socioeconômicos 51,70% Política de participação dos funcionários 44,80% Relacionamentos com Universidades 31,00% Mudança cultural 27,60% Certificação ISO 20,70% Tabela 6: Caráter inovador das PME Pesquisa Martinelli & Joyal % das em presas que realizam essas Práticas de Inovação práticas P&D 77% Novas Tecnologias de P rodução 72% Design dos P rodutos 62% Form ação do P essoal 60% Concepção de Novos P rodutos 58% A perfeiçoam ento dos produtos/processos 80% Certificação IS O 3% E m vias de Certificação IS O 13% Fonte: Martinelli, D. P. & Joyal, A. (2000) Tal observação encontra apoio em artigo de La Rovere et al. (2000) citando: A maioria das PME introduz inovações apenas quando elas percebem claramente as

11 11 oportunidades de negócio ligadas à inovação (Gagnon & Toulouse, 1996) ou então porque estão sob pressão de clientes e/ou fornecedores. Isto ocorre devido às especificidades do processo de aprendizado tecnológico das PME, onde a busca e seleção de informações é afetada por limitações de tempo e de recursos humanos (DG XIII/E 1996 apud La Rovere et al., 1996 ). Tabela 7; Comparação dos usos de cada tipo de inovação feitos pela amostra Inovação de Domínio Tecnológico 52,90% Inovação de Domínio Comercial 50,80% Inovação de Domínio Organizacional 41,34% Inovação de Domínio Institucional 35,16% A tabela 7 faz uma comparação das médias dos quadros anteriores, de cada tipo de inovação apresentados ao longo da pesquisa. Verifica-se que as inovações de domínio tecnológico, apresentadas às empresas através do questionário, são as que possuem maior investimento por parte das PME, seguidas pelas inovações de domínio comercial, organizacional e institucional, pela ordem. Além dos custos envolvidos em determinados tipos de inovação, avalia-se também que o prazo de retorno dos diferentes tipos de inovação influencia as PME na escolha de seus investimentos, entre outros fatores. As principais vantagens das PME frente a seus concorrentes, conforme apontadas pela amostra, são a confiabilidade dos produtos da empresa (48,3% das respostas), a oferta de produtos muito especializados e de alta categoria (37,9%) e a qualidade ou desempenho dos produtos (37,9%). Verifica-se nessas respostas o caráter altamente tecnológico das empresas pesquisadas, buscando sempre o melhor desempenho dos produtos. Muitas vezes as PME estão atuando como fornecedoras de novas tecnologias às grandes empresas, como,por exemplo, através da terceirização da atividade de P&D das mesmas. Tabela 8: Comparação dos itens considerados grande vantagem para as PME da amostra com relação à concorrência itens que obtiveram nota cinco em uma escala entre 1 e 5. Vantagens* A confiabilidade dos produtos da empresa 48,30% Oferta de produtos muito especializados ou de alta categoria 37,90% A qualidade ou desempenho dos produtos 37,90% Vantagem tecnológica, tecnologia de produção 27,60% O serviço pós-venda 27,60% Preços 24,10% Custos de fabricação 17,20% Visibilidade da empresa no mercado, reputação 17,20% O design dos produtos da empresa 13,80% Oferta de ampla gama de produtos 6,90% A inovação, o desenvolvimento de novos produtos 6,90% Métodos de marketing, de colocação no mercado 6,90% A rede de distribuição da empresa 3,40% *foram computadas somente as respostas "vantagem importante" A principal desvantagem das PME brasileiras na sua atuação no mercado, conforme apontado pela amostra, é a rede de distribuição, seguida pelos métodos de marketing e

12 12 colocação no mercado. Para efeito de comparação, em pesquisa feita por Kruglianskas (1997), os pontos mais vulneráveis residem na comunicação mercadológica praticada, nos efeitos da concorrência e na falta de agressividade das equipes de vendas das PME. Quanto às preocupações das PME, verificou-se na análise de dados que a principal delas é quanto às garantias de recebimento (48,3% das empresas consideraram preocupação muito importante). Por ser uma comercialização mais complexa, as empresas ainda têm receio do não recebimento do pagamento, enquanto o comprador teme o extravio da carga. Em seguida, têm-se a identificação e contato com o cliente potencial (44,8%), o que pode causar dificuldades devido às diferenças culturais e à distância entre fornecedor e mercado ou cliente, que por sua vez aumenta consideravelmente o preço de venda do produto. Tabela 9: Comparação das principais preocupações das PME quanto à atuação em atividades de exportação - itens que obtiveram nota cinco de uma escala entre 1 a 5. Preocupações As garantias de recebimento (da empresa importadora) 48,30% Identificar ou contatar clientes em potencial 44,80% Os preços do mercado 41,40% Potencial, o desempenho, a boa adaptação dos produtos da empresa 37,90% Os períodos de entrega a serem respeitados 37,90% As normas técnicas ou regulamentações no exterior 37,90% Os concorrentes 34,50% Os novos produtos no mercado 31,00% Como desenvolver os contatos e as relações da empresa no meio 31,00% Investimentos 27,60% A demanda, os gostos ou necessidades dos consumidores e clientes 24,10% Contratos e aspectos legais do comécio internacional 24,10% O serviço pós-venda comum no mercado 20,70% Conhecer os principais meios de distribuição 20,70% Informações sobre o transporte e a liberação na alfândega dos produtos 20,70% Informações de caráter bastante geral sobre o mercado 17,20% Aperfeiçoar ou desenvolver a distribuição atual 17,20% As possibilidades de parceria com outras empresas 13,80% Marketing dos produtos ou métodos promocionais 6,90% *foram computadas somente as respostas "vantagem importante" CONSIDERAÇÕES FINAIS E PERSPECTIVAS DE TRABALHOS FUTUROS A pesquisa demonstrou, principalmente, que as empresas que exportam possuem certa necessidade de inovar. Tal fato pode ser percebido quando se relacionam os tipos de investimentos em cada inovação. No caso de inovação tecnológica, 55,2% das empresas responderam que fazem algum tipo de investimento em produção para atender demandas externas. No âmbito das inovações comerciais, 42,9% das empresas entrevistadas afirmaram investir em feiras comerciais internacionais periodicamente, aumentando assim o contato com novas perspectivas dos mercados em que atuam e sendo, com isso, motivadas a investir na inovação nas suas empresas. Em termos de inovação organizacional, 44,8% afirmam possuir uma política formal de exportação e 48,1% contratam consultoria a fim de melhorar essa atividade. O caso da inovação institucional foi explicitado através da comparação do percentual de PME investindo em certificações ISO, no caso de uma amostra exclusivamente exportadora (20% das empresas possuem ISO) e de outra sem essa condição (3% das empresas possuem ISO). Através dos quadros apresentados, que demonstram as vantagens e preocupações das empresas com relação à exportação, pode-se concluir que as PME que têm um foco específico

13 13 voltado para as exportações tomam por base para as suas atividades produtos com bom desenvolvimento e investimento em tecnologia. Por outro lado, elas ainda possuem dificuldades quanto à burocracia da atividade como forma de recebimento e suas garantias e contato com cliente. Ainda parece haver também uma forte barreira comercial, pois também possuem grande preocupação com relação ao ganho de competitividade no mercado internacional. A partir da base de dados coletada através da pesquisa citada, e explorada neste artigo, os autores pretendem dar continuidade às pesquisas nesse assunto bem como à análise dos dados obtidos. Nesta nova fase, estar-se-á trabalhando em estudos de casos com empresas que possuem o mesmo perfil, a fim de aprofundar questões referentes à motivação em investir nas atividades de exportação, maior exploração do caráter exportador das PME e posicionamento estratégico da atividade de exportação para a pequena e média empresa brasileira. NOTA DE FINAL DE TEXTO A pesquisa na qual este artigo está baseado foi desenvolvida com o apoio da FAPESP, em bolsa de iniciação científica concedida à primeira autora sob orientação do segundo autor e co-orientação do Prof. Dr. Edmundo Escrivão Filho, da Escola de Engenharia de São Carlos, durante o ano de BIBLIOGRAFIA FUNDAMENTAL Amato Neto, J. (2000). Redes de Cooperação Produtiva e Clusters Regionais: Oportunidades para as Pequenas e Médias Empresas. São Paulo: Atlas, Burgelman, R. A. & Sayles, L. (1987). Les intrapreneurs: stratégie, structure et géstion de l innovation dans l entreprise. Paris: McGraw-Hill. Casarotto Filho, N. & Pires, L. H. (1998). Redes de Pequenas e Médias Empresas e Desenvolvimento Local. São Paulo: Atlas, Cornelsen, S. G. & Buoro, F. & Sbragia, R. & Larubia, A. C. Inovação nas Pequenas Indústrias: Resultados do Programa Mobilização Tecnológica. São Paulo: Dacorso, A. L. R. & Yu, A. S. O. (2000). Inovação e risco na pequena empresa. XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. São Paulo: Ferrari, F. M., Martinelli, D. P. & Joyal, A. (2000). Uso da informação e capacidade de inovação das PME brasileiras, Congresso de Inovação Tecnológica, São Paulo, novembro de 2000 Gasse, Y. & Carrier, C. (1992). Gérer la croissance de sa PME. Montreal: Les éditions de l entrepreneur. Ghisi, F. A. & Martinelli, D. P. & Joyal, A. (2000). Capacidade de exportação e caráter inovador das PME: uma pesquisa no estado de São Paulo. Apresentado e publicado nos anais do V SEMEAD, São Paulo, Goedert, A. R. & Abreu, A. F. (2000). Rede de inovação: uma aplicação para a apicultura catarinense. XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. São Paulo: 2000.

14 14 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1999), Contas Regionais do Brasil, Rio de Janeiro: IBGE. Kruglianskas, I. Tornando a Pequena e Média empresa competitiva. São Paulo: Instituto de Estudos Gerenciais e Editora, La Rovere, R. L. & Medeiros, J. R. (2000). Gestão da Inovação em Pequenas e Médias Empresas: um Estudo de Caso. XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. São Paulo: Longenecker, J. G. & Moore, C. W. & Petty, J. W. (1997). Administração de Pequenas Empresas. São Paulo: Makron Books. Martinelli, D. P. & Joyal, A. (2000). Estudo comparativo sobre inovação nas PME brasileiras e canadenses. Proposto ao Congresso de Inovação Tecnológica, São Paulo, Martinelli, D. P. & Cônsoli, M. A. & Joyal, A. (2000). Comparação da Realidade das PME Brasileiras e Canadenses Uma Pesquisa em Andamento, apresentado e publicado nos Anais do SIMPOI FGV, São Paulo. Sauer, L.& Colossi, N. (1997). A visão das associações comerciais e industriais de Santa Catarina sobre os fatores de sucesso de pequenas e médias empresas. XVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Anais, Gramado/Canela, Rio Grande do Sul/RS: Sebrae (1998a). Desempenho potencial exportador das MPEs paulistas (relatório de pesquisa). Sebrae-SP Junho/1998 Sebrae (1998b). A Micro e Pequena Empresa no Comércio Exterior 2ª Parte. Brasília: Agosto de Selltiz et alli (1975). Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. São Paulo: E.P.U.

Especificidades ambientais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metal-mecânico de São José do Rio Preto

Especificidades ambientais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metal-mecânico de São José do Rio Preto Especificidades ambientais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metal-mecânico de São José do Rio Preto Ana Laura Wiethaus Bigaton (EESC/USP) alwb@hotmail.com Bolsista FAPESP Edmundo Escrivão

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras

Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Inovação nas Médias Empresas Brasileiras Prof. Fabian Salum 2012 Com o intuito de auxiliar no desenvolvimento estratégico e na compreensão da importância da inovação como um dos possíveis diferenciais

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social.

Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Semeando Competência Gerencial em Micro e Pequenas Empresas e Colhendo Emprego, Renda e Inclusão Social. Prof. Dr. Cleber Carvalho de Castro Universidade Federal de Lavras clebercastro@ufla.br Andréia

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais

Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Núcleo Bradesco de Inovação Resultados da Pesquisa Inovações Ambientais Encontro CRI- MG 4 de Outubro de 2012 Apoio: Objetivo da Pesquisa Compreender como ocorrem as inovações ambientais nas empresas brasileiras;

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas.

Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Modelo de sistema de informação para apoio ao processo decisório em micro e pequenas empresas. Francisco Ignácio Giocondo César (UNIMEP) giocondo@merconet.com.br Osvaldo Elias Farah (UNIMEP) oefarah@unimep.br

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA

O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA VAREJO Julho - 2012 O MARKETING COLETIVO COMO FORÇA COMPETITIVA Fonte imagem: Disponível em:< http://4.bp.blogspot.com/_caqa6tpillu/tjevn_ah_ei/ AAAAAAAAAAM/3dTp5VPhJ9E/s1600/69589_Papel-de-Parede-Todos-juntos_1280x800.

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Tabela 32 Empresas de Serviços que Utilizaram Instrumentos Gerenciais, segundo Tipos de Instrumentos Estado de São Paulo 2001

Tabela 32 Empresas de Serviços que Utilizaram Instrumentos Gerenciais, segundo Tipos de Instrumentos Estado de São Paulo 2001 Estratégias de Gestão Os resultados da Paer mostram que a maioria das empresas pesquisadas preocupava-se com a informatização, sobretudo das atividades administrativas (72,93%), mas também das atividades

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

Pesquisa: Inovação nas médias empresas. Prof. Fabian Salum - 2012

Pesquisa: Inovação nas médias empresas. Prof. Fabian Salum - 2012 Pesquisa: Inovação nas médias empresas Prof. Fabian Salum - 2012 Empresas Participantes: De acordo com a classificação de porte de empresas adotada pelo BNDES, todas as empresas participantes da pesquisa

Leia mais

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado:

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 005 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

BPM - Sem Processos, Sem Nada!

BPM - Sem Processos, Sem Nada! BPM - Sem Processos, Sem Nada! Márcio Teschima email: marcio@teschima.com Cientista da Informação, Pós Graduado em Qualidade, Processos e Projetos e com MBA em Gestão Empresarial, busco a oportunidade

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial

SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial SISTEMAS DE SUGESTÕES: uma estratégia de gestão empresarial Rosângela de Fátima Stankowitz Penteado-(UTFPR) zanza2007@gmail.com João Luiz Kovaleski - (UTFPR) kovaleski@utfpr.edu.br Resumo: O presente trabalho

Leia mais

ÍNDICE QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS; CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO : 1.FINEP; 2.BNDES; 3.AGE-RIO; 4.DESENVOLVE SP; 5.BNB;

ÍNDICE QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS; CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO : 1.FINEP; 2.BNDES; 3.AGE-RIO; 4.DESENVOLVE SP; 5.BNB; ÍNDICE QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS; CAPTAÇÃO DE FINANCIAMENTO : 1.FINEP; 2.BNDES; 3.AGE-RIO; 4.DESENVOLVE SP; 5.BNB; 2 QUEM SOMOS & O QUE PROPOMOS Soluções conservadoras e com total segurança para nossos

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC

SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC SOLICITAÇÃO DE ENTRADA NO BH-TEC DE... (Candidato)... (Data) 1. CARTA DE CANDIDATURA (Minuta) (Candidato) declara seu interesse em instalar-se no BH-TEC - Parque Tecnológico de Belo Horizonte. Na oportunidade,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

CAPITAL DE RISCO PARA CAPITALIZAÇÃO DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS CRITÉRIOS PARA CAPITALIZAÇÃO.

CAPITAL DE RISCO PARA CAPITALIZAÇÃO DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS CRITÉRIOS PARA CAPITALIZAÇÃO. CAPITAL DE RISCO PARA CAPITALIZAÇÃO DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE OS CRITÉRIOS PARA CAPITALIZAÇÃO. Julio Vieira Neto (UFF) julion@ccard.com.br José Rodrigues de Farias Filho

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Autoria: Anielson Barbosa da Silva, Andreia Aparecida Pereira

Autoria: Anielson Barbosa da Silva, Andreia Aparecida Pereira Fatores de influência na gestão das empresas de pequeno e médio porte da grande Florianópolis/SC Autoria: Anielson Barbosa da Silva, Andreia Aparecida Pereira Resumo As pequenas e médias empresas representam

Leia mais

Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS

Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Unidade de Gestão Estratégica UGE Inovação nos PEQUENOS NEGÓCIOS Dezembro/2013 2014 Serviço Brasileiro de

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MELHOR IDADE - SERVIÇOS DE CUIDADOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MELHOR IDADE - SERVIÇOS DE CUIDADOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO MELHOR IDADE - SERVIÇOS DE CUIDADOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ESCOLA DE IDIOMAS PARA CRIANÇAS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS OS IMPACTOS DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ENTERPRISE RESOURCE PLANNING - ERP) EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SELMA MARIA DA SILVA (IFG) profasms@hotmail.com Sandrerley Ramos Pires (UFG)

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Energia Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 33/COGEN/SEAE/MF Brasília, 14 de outubro de 2011. Assunto: Audiência

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro SEBRAE/RJ Área de Tecnologia e Qualidade Projeto informatize

Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro SEBRAE/RJ Área de Tecnologia e Qualidade Projeto informatize Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro SEBRAE/RJ Área de Tecnologia e Qualidade Projeto informatize Nível de Informatização da Micro e Pequena Empresa Fluminense. Execução:

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

SEBRAE - SP apresenta :

SEBRAE - SP apresenta : SEBRAE - SP apresenta : 2015 O SEBRAE-SP O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) - em SP, tem a missão de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 573 5.2 ESFORÇOS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS E INOVATIVAS Silvio A. F. Cário * A estrutura industrial do estado de Santa Catarina respondeu de forma positiva à mudança no marco regulatório da economia brasileira

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro de 2009

Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro de 2009 Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras Setembro de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar a questão da inovação e da competitividade no universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras.

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso W o r k s h o p Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso Gerando mais Receita e Lucratividade A Arte de combinar Marketing com Vendas e Estruturar

Leia mais

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E A SUSTENTABILIDADE JULIANA APARECIDA DE SOUZA REIS MAIARA NATALIA MARINHO DUARTE SUSELI SANTOS DIAS RESUMO Neste artigo temos por objetivo apresentar que as micros e pequenas

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO INOVA AGRO INOVA AGRO 2013 Modelo de Plano de Negócios Outubro de 2013 1 Introdução Este documento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FOTOGRAFIA E FILMAGEM

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FOTOGRAFIA E FILMAGEM OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FOTOGRAFIA E FILMAGEM 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais