PRODUÇÃO DE POLI-BETA-HIDROXIBUTIRATO ATRAVÉS DE GLUCONACETOBACTER DIAZOTROPHICUS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE POLI-BETA-HIDROXIBUTIRATO ATRAVÉS DE GLUCONACETOBACTER DIAZOTROPHICUS."

Transcrição

1 CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MODALIDADE DE PRODUÇÃO QUÍMICO-BIOLÓGICA. PRODUÇÃO DE POLI-BETA-HIDROXIBUTIRATO ATRAVÉS DE GLUCONACETOBACTER DIAZOTROPHICUS. Rômulo dos Santos Aguiar. Rio de Janeiro 2012

2 RÔMULO DOS SANTOS AGUIAR. Aluno do curso de Ciências biológicas. Matrícula: PRODUÇÃO DE POLI-BETA-HIDROXIBUTIRATO ATRAVÉS DE GLUCONACETOBACTER DIAZOTROPHICUS. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de graduação em Ciências Biológicas Modalidade de produção químico-biológica, da Universidade Estadual da Zona Oeste, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciências Biológicas sob orientação da professora Vânia Lúcia Muniz de Pádua. Orientadora: Dr. Vânia Lúcia Muniz de Pádua. Laboratório de Biologia - UEZO Co-orientadora: Dr. Cristiane Pimentel Victório Laboratório de Biologia UEZO Rio de Janeiro Dezembro de 2012

3 A282 Aguiar, Rômulo dos Santos. Produção de poli-beta-hidroxibutirato através de Gluconacetobacter diazotrophicus / Rômulo dos Santos Aguiar f.; 30 cm. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) Centro Universitário Estadual da Zona oeste, Rio de Janeiro, Bibliografia: f Cana-de-açúcar. 2. Polihidroxibutirato. 3. Plástico biodegradável. I. Título. CDD

4 ii PRODUÇÃO DE POLI-BETA-HIDROXIBUTIRATO ATRAVÉS DE GLUCONACETOBACTER DIAZOTROPHICUS. Elaborado por Rômulo dos Santos Aguiar. Aluno do curso de Ciências Biológicas da UEZO Este trabalho de graduação foi analisado e aprovado com grau: Rio de Janeiro, de dezembro de Doutor: Ronaldo Figueiró Portella Pereira (Examinador 1) UEZO. Mestre: Adriano Arnóbio José da Silva e Silva (Examinador 2) UEZO. Dra. Vânia Lúcia Muniz de Pádua (presidente) UEZO. RIO DE JANEIRO, RJ-BRASIL DEZEMBRO/2012

5 iii AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter me proporcionado esta oportunidade única de poder cursar uma instituição de nível superior, sem Ele provavelmente não chegaria nem no início dessa caminhada, pois é dele que provém minha força, minha ousadia e inspiração. Agradeço a minha orientadora, professora Vânia, por sua orientação, por me transmitir seus conhecimentos, por sua paciência no decorrer desse trabalho, principalmente por me ensinar que os valores éticos para execução de um trabalho acadêmico se estendem além de uma sala de aula e a todos os meus professores que colaboraram com a construção do meu aprendizado ao longo de toda minha trajetória acadêmica. Agradeço também a minha mãe Rosângela, minha heroína, por todo apoio e compreensão oferecido durante esses quatro anos, mesmo quando discordávamos de algo, ela sempre soube o que é o melhor para mim. Aos meus colegas da turma , foram quatro anos de parceria, companheirismo, aprendizado e crescimento mútuo. Vou sentir saudades das festinhas surpresas que já nem eram tão surpresas, das caminhadas até o centro de Campo Grande com a Célula coesa (Rafael O arrogante, Marcelle A que se acha feia, Yasmim A Benhê, Alessandra A eterna folhinha, Pedro Pai de todos, Agatha A pequenininha, Felipe O distraído e sem contar que ninguém esquecerá do famoso bate aqui... coração. Além da célula, agradeço as amizades que construi ao longo do tempo, Juliana Chal, Cristiane Farinelle, Cristiane Porto, Nataly, Ezaine, Valéria, Ranúzia, Bárbara, Josílio, Vanessa, Tamires, Amanda e Luana. Agradeço também a ajuda e companheirismo de todos os meus queridos amigos, Diogo Wosny, Ramon, Zé, Sônia, David, Rodrigo, Tony e Gisele, que tornaram meus dias os mais divertidos e mais felizes, amo vocês e não abro mão. Ao Nathan Regis que tem estado sempre ao meu lado, não deixando com que eu desanime ou olhe pra trás, acreditando em mim, mesmo quando eu não tinha motivos para acreditar... Adoro-te garoto! A toda equipe de colaboradores, técnicos e laboratoristas que estão sempre nos auxiliando com experimentos, preparo de soluções e até mesmo, dicas para elaboração do trabalho de conclusão de curso. E que a paz de Deus que excede todo entendimento abençoe a todos que de alguma forma contribuíram para a conclusão desse trabalho.

6 iv Resumo Os produtos plásticos derivados do petróleo são amplamente utilizados na medicina, na indústria alimentícia, brinquedos, utensílios domésticos etc. Entretanto, a exigência das leis ambientais e a conscientização da sociedade mundial em preservar o meio ambiente têm levado a pesquisas de novos produtos que utilizem recursos renováveis. A obtenção de plásticos biodegradáveis, dentre eles o polihidroxibutirato (PHB) adquirido a partir de sistemas bacterianos, constitui-se em uma importante e inovadora proposta para a substituição dos plásticos convencionais. A Gluconacetobacter diazotrophicus é uma bactéria que interage naturalmente com a cana-de-açúcar, promovendo a fixação de nitrogênio atmosférico, além, de produzir fitorreguladores, promovendo o desenvolvimento da vegetal. Após análise do genoma, completamente sequenciado, foram identificadas proteínas envolvidas na biossíntese do polímero biodegradável, demonstrando assim que G. diazotrophicus, possui potencial para produção de polihidroxibutirato. O objetivo principal desse trabalho é avaliar o potencial de produção do biopolímero pela bactéria, através de análise in silico das proteínas envolvidas na via do metabolismo do butanoato, tornando uma investigação útil para os demais, no sentido de que seja inovador e relevante, podendo assim, futuramente empregar G. diazotrophicus a indústria do plástico biodegradável. Palavras-chave: Cana-de-açúcar, polihidroxibutirato, plástico biodegradável.

7 v Abstract The plastic products derived from petroleum are widely used in medicine, food, toys, household items etc. However, the requirement of environmental laws and awareness of society in preserving the global environment have led to research new products that use renewable resources. Obtaining biodegradable plastics, among them polyhydroxybutyrate (PHB) purchased from bacterial systems, constitutes an important and innovator proposal for substitution of conventional plastics. The Gluconacetobacter diazotrophicus is a bacterium that interacts naturally with cane sugar, promoting the fixation of atmospheric nitrogen, in addition, to produce plant hormones, promoting the development of the plant. After analysis of the genome completely sequenced were identified proteins involved in the biosynthesis of the biodegradable polymer, thus demonstrating that G. diazotrophicus, has potential for production of polyhydroxybutyrate. The main objective of this study is to evaluate the potential for biopolymer production by the bacterium through in silico analysis of proteins involved in metabolism via butanoate, making research useful for others, in the sense that is innovative and relevant, and thus can in future employ G. diazotrophicus industry of biodegradable plastic. Keywords: Sugarcane, polyhydroxybutyrate, plastic biodegradable.

8 vi SUMÁRIO Página Resumo...iv Abstract...v 1. Introdução Gluconacetobacter diazotrophicus O que é plástico? Os diferentes tipos de plásticos Polipropileno Polietileno Poliestireno Polibutileno PVC (Policloreto de vinila) Processos de reaproveitamento e destino dos resíduos plásticos Incineração Reciclagem Plásticos Biodegradáveis Justificativa Objetivos Objetivos gerais Objetivos específicos Materiais e métodos Análise in silico Quantificação de PHB Resultados e discussão Conclusão...21 Referências Bibliográficas...22

9 1 1 INTRODUÇÃO: 1.1 Gluconacetobacter diazotrophicus: A Gluconacetobacter diazotrophicus (figura 1) é uma bactéria encontrada nos espaços intercelulares de diversas plantas de famílias como Poaceae, Convolvulaceae, Rubiaceae e Bromeliaceae, além de interagir naturalmente com a cana-de-açucar, onde é bastante abundante e considerada modelo de estudo de interação planta-bactéria (Muñoz- Rojas e Caballero-Mellado, 2003). Uma vez presente no tecido vegetal, a G. diazotrophicus, estabelece uma relação benéfica com a planta, produzindo fitorreguladores, dentre eles vitaminas, hormônios e outras substâncias de interesse vegetal, possuindo ainda ação antagonista a agentes patogênicos, além de fixar nitrogênio atmosférico, sendo responsável por até 70% do nitrogênio incorporado a biomassa vegetal (Muñoz-Rojas e Caballero-Mellado, 2001). Figura 1: Gluconacetobacter diazotrophicus PAL5 O aumento da contribuição ao desenvolvimento vegetal pode levar à redução do uso de fertilizantes e adubos nitrogenados, acarretando na diminuição dos custos de produção e gerando um impacto ambiental e social positivo, reduzindo a contaminação do ar e das águas pluviais em decorrência do acúmulo de nitratos e outros produtos tóxicos. Além disso, um de seus hospedeiros naturais, a cana-de-açúcar, apresenta uma importância significativa no setor agrícola, uma vez que o Brasil é atualmente o seu maior produtor

10 2 mundial, com produção de cerca de 27 milhões de toneladas de açúcar e 17 bilhões de litros de álcool/ano, (Conab, 2005) levando a uma economia de 29,16 milhões de U$ dólares/ano no país (Döbereiner, 1992; Baldani et al., 1997; Olivares, 1997; James e Olivares, 1998). Muitas bactérias patogênicas, simbiontes e comensais são capazes de transitar entre a vida no ambiente e no hospedeiro, e devem adaptar-se às mudanças repentinas na disponibilidade de nutrientes, assim como à resposta de defesa secundária do hospedeiro (Jefferson, 2004). G. diazotrophicus, por exemplo, deve-se adaptar à interação com insetos, esporos de fungos e principalmente a diferentes espécies de plantas e em diferentes circunstâncias. Um exemplo particularmente importante da adaptação bacteriana é a capacidade de crescer como biofilme como parte de uma comunidade séssil encoberta de polímeros secretados pela própria bactéria (Jefferson, 2004). O ciclo de desenvolvimento de um biofilme, embora organizado com fases distintas, ocorre com uma liberdade fenotípica que permite que as bactérias se adaptem às alterações impostas pelo ambiente ao qual estão submetidas. A transição entre um estado e outro é feita de maneira controlada e é altamente complexa sob o ponto de vista fisiológico, bioquímico e molecular (O Toole et al., 1999). O biofilme parece ser um modo de crescimento bacteriano que fornece as condições básicas para que permaneça em um nicho favorável, enquanto as culturas planctônicas seriam na verdade um artefato in vitro (Jefferson, 2004). A formação de biofilme por G. diazotrophicus pôde ser observada sobre lã-de-vidro através de microscopia eletrônica de varredura, onde foi analisado o padrão de biofilme de uma bactéria selvagem e uma mutante deficiente na formação de biofilme (Figura 2) A B C A D E F Figura 2: Estudo comparativo por microscopia eletrônica de varredura do padrão de biofilme formado pela bactéria selvagem (A) e a mutante EAL na formação de biofilme (B). Pádua et al., 2010 B

11 3 O genoma de G. diazotrophicus PAL5 foi depositado pela primeira vez no banco de genomas do NCBI (Nacional Center for Biotechnology information) em dezembro de 2007 e atualizado em julho de 2008, sendo composto por pares de nucleotídeos dispostos em um único cromossomo circular (número de acesso AM889285; 3,944,163 bp) e dois plasmídeos (Plasmídeo pgdipal5i com número de acesso AM e tamanho 38,818 bp e plasmídeo pgdipal5ii com número de acesso AM e tamanho 16,610 bp) (Bertalan et al., 2009). Após o sequenciamento de seu DNA e durante o trabalho de anotação do seu genoma, foram identificadas sequencias codificantes de proteínas componentes de vias biológicas importantes para a formação de biofilme, sendo que algumas eram compartilhadas com aquelas que estão ligadas à síntese de um polímero da família dos polihidroxialcanoatos, um bioplástico. Os bioplásticos são importantes no mecanismo bacteriano relacionado à adaptação e sobrevivência, conforme sugerido abaixo, e o biofilme também. A identificação de rotas metabólicas ligadas à síntese de polihidroxialcanoatos é uma forte sugestão de que G. diazotrophicus, possui potencial para ser empregada na indústria dos plásticos biodegradáveis. 1.2 O que é o Plástico? A palavra plástico deriva do grego plastikó, próprio para ser moldado ou modelado. (Andrade et al.2001). São materiais macromoleculares que podem ser moldados sob ação de temperatura e pressão; são basicamente constituídos por ligações covalentes entre carbonos que se repetem ao longo de uma cadeia denominada cadeia polimérica. (Mano e Mendes, 1999). Os produtos plásticos derivados do petróleo são largamente utilizados na construção civil, medicina, no setor automobilístico, na indústria farmacêutica, alimentícia, utensílios domésticos, brinquedos, calçados etc. O plástico é um produto muito versátil e ganhou um grande espaço no mercado por ser um material barato, leve e durável e tornando-se indispensável em nosso cotidiano, (Cangemi et al. 2005) o plástico possui propriedades interessantes como o isolamento térmico e elétrico, além de ser resistente à corrosão. Entretanto, devido às inúmeras vantagens e benefícios que os produtos plásticos nos oferecem, o uso dos mesmos vem aumentando significativamente nos últimos anos em

12 4 todo o mundo conforme mostra a tabela 1, chegando a mais de duzentos e sessenta e cinco milhões de toneladas de plástico produzidos por ano no mundo (Plastics Europe, 2011), consequentemente aumentando a quantidade de resíduos plásticos descartados no meio ambiente (Franchetti e Marconato, 2006). Devido a sua alta durabilidade e resistência, os plásticos sintéticos podem levar décadas e até séculos degradando no ambiente, além disso, a ausência de leis ambientais e conscientização da sociedade mundial em preservar o meio ambiente, tem tornado, o acúmulo desses resíduos ocasionados pelo descarte inadequado um dos grandes agravos ambientais de nosso século. Tabela 1: Produção mundial de plásticos em milhões de toneladas. Fonte: Plastics Europe, O consumo de plásticos no Brasil tem se tornado cada vez mais crescente. Segundo dados da ABIPLAST (2010), o brasileiro possui um consumo per capita médio de 28 kg de plástico por ano. Ainda com base nessa pesquisa foi observada uma produção de quase 5,2 milhões de toneladas de plástico de origem petroquímica no ano de 2009, quando também foi registrado um consumo de 5,4 milhões de toneladas, como ilustram respectivamente as figuras 3 e 4.

13 5 Figura 3: Produção do setor de produtos plásticos no Brasil (em milhões de toneladas). Fonte: ABIPLAST, Figura 4: Consumo aparente de produtos plásticos no Brasil (em milhões de toneladas). Fonte: ABIPLAST, Os diferentes tipos de plástico: Os plásticos são divididos em dois grandes grupos: os plásticos termorrígidos e os termoplásticos. Os plásticos termorrígidos, como o próprio nome sugere, são plásticos que uma vez moldados e endurecidos, não podem ser novamente fundidos. Desta forma estes plásticos não oferecem condições para serem reaproveitados através da reciclagem, como é o caso de plásticos usados na indústria automobilística, em telhas transparentes etc. (Guamá et al. 2008). Os termoplásticos por sua vez são sensíveis à temperatura, podendo ser facilmente moldados sob ação de temperatura e pressão. O processo pode ser repetido várias vezes, tornando viável a reciclagem dos mesmos (Parente, 2006). Os principais termoplásticos são: Polipropileno, polietileno, poliestireno, polibutileno e o PVC ou policloreto de vinila.

14 Polipropileno: O polipropileno (PP) tem origem no grupo dos polímeros poliolefínicos e é um dos mais importantes plásticos de massa. De aspecto transparente ou opaco, incolor ou colorido em todas as cores e tonalidades, embora a sua cor natural seja o branco leitoso, é obtido a partir da polimerização do propileno, que resulta da destilação do petróleo, num procedimento semelhante ao do polietileno de alta densidade (PEAD), isto é, sob pressão e na presença de catalisadores (Santos et al., 2004). O polipropileno é amplamente empregado em todo o mundo no setor automobilístico, utensílios domésticos, brinquedos, embalagens, isolamentos de cabos elétricos, dentre outras funções atendidas pelas suas características de baixa densidade associada a alta rigidez e dureza. A estrutura química do polipropileno é mostrada abaixo. Figura 5: Estrutura química do polipropileno Polietileno: O polietileno é considerado o polímero mais comum, pela cadeia simples (CH 2 - CH 2 ) n. Possui alta produção em escala mundial, sendo o polímero mais barato. O polietileno é sintetizado a partir da polimerização do etileno. São flexíveis, parcialmente cristalinos e inertes à maioria dos produtos químicos comuns, devido a sua natureza parafínica, seu alto peso molecular e sua estrutura parcialmente cristalina. Além disso, os polímeros etilênicos podem não apresentar toxicidade, podendo ser usados em contato com alimentos e produtos farmacêuticos (Coutinho et al, 2003).

15 Poliestireno: O poliestireno é um plástico que se obtém através da polimerização do estireno (um líquido oleoso, incolor e de forte odor). Caracteriza-se por ser um material muito frágil, apesar das vantagens que são: Resistência a humidade, brilhante, inodoro e não ser prejudicial à saúde (Gorni, 2003). O poliestireno é amplamente empregado na indústria por ser um material leve, econômico e de fácil manuseio, sendo utilizado na construção civil e confecção de caixas térmicas para armazenamento de bebidas e alimentos, sendo popularmente conhecido como isopor (Costa, 2007). Na figura 6, é mostrada a estrutura química do poliestireno. Figura 6: Estrutura química do poliestireno Polibutileno: O polibutileno caracteriza-se por ser um termoplástico de elevada resistência mecânica, tal característica, o permite ser usado em tubulações e sistemas de tubos aquecidos, uma vez que ele permite com que a velocidade do fluído aumente sem causar problemas de abrasão. Possui elevada flexibilidade mesmo a baixas temperaturas e

16 8 resistência a alguns agentes químicos como o cloro e agentes físicos como radiação UV (Cobrigas, 2009) PVC (Policloreto de vinila): O PVC é o material ideal para as mais diversas aplicações. É o único termoplástico que não é 100% derivado do petróleo, contendo em peso, 57% de cloro e 43% de eteno (Nunes et al, 2002). O policloreto de vinila consiste em um plástico que se obtém por polimerização do cloreto de vinilo. A fórmula geral do PVC é (CH 2 -CHCl)n. É um material termoplástico tenaz e rígido, mas que por ação de plastificantes pode se tornar flexível e elástico (Gorni, 2003). Devido a sua resistência à corrosão é empregado na elaboração de placas, tubos, placas, folhas e peças moldadas para torneiras e materiais de construção, isolantes de cabos elétricos e também um ponto de partida para fabricação de fibras e vernizes. Apesar de ser um termoplástico de vasta aplicação, em elevadas temperaturas pode liberar cloreto de hidrogênio que acumula-se na atmosfera, gerando assim um grave problema relacionado à eliminação dos seus desperdícios (Vieira, 2001). Atualmente, o PVC é o segundo termoplástico mais consumido em todo o mundo, com uma demanda mundial superior a 27 milhões de toneladas no ano de 2001, sendo a capacidade mundial de produção de resinas de PVC estimada em cerca de 31 milhões de toneladas/ano. Dessa demanda total, o Brasil foi responsável pelo consumo de cerca de 2,5% de resinas de PVC. Esses dados mostram o potencial de crescimento da demanda de resinas de PVC no Brasil, uma vez que o consumo per capita, na faixa de 4,0 kg/hab/ano, ainda é baixo quando comparado ao de outros países (Nunes et al, 2002). 1.4 Processos de reaproveitamento e destino dos resíduos plásticos: Todos os plásticos possuem em comum o fato de não serem biodegradáveis, pois são de origem petrolífera, podendo levar até séculos degradando no ambiente. Mas existe uma crescente demanda por sua produção e consumo, resultando na elaboração de algumas

17 9 estratégias que visam minimizar os impactos causados pelo acúmulo de resíduos plásticos. Algumas das estratégias empregadas são citadas abaixo: Incineração: É o termo usado para designar a combustão do lixo municipal. Um incinerador apropriadamente projetado e operado permite que a redução de volume de material a ser aterrado seja substancial. Em muitos países, a incineração é realizada para a conversão de resíduos plásticos em energia. Deve-se levar em conta que o valor energético dos plásticos é equivalente ao de um óleo combustível (37,7 MJ/kg) e, por esta razão, podem-se constituir em valiosa fonte energética (Cepis, 2004). Apesar da vantagem citada acima, a incineração ainda não é utilizada em grande escala devido ao elevado custo dos fornos de aquecimento e por ser um método potencialmente arriscado. Alguns plásticos como o cloreto de polivinila (PVC), quando em combustão liberam na atmosfera gases tóxicos, como o ácido clorídrico (HCl), uma substância tóxica, que quando acumulada na atmosfera pode gerar chuva ácida (Franchetti e Marconato, 2006). A reação da combustão do PVC está representada abaixo: 2[CH 2 CHCl]n + 5O 2 2HCl + 4CO 2 + 2H 2 O Reciclagem: É um método viável de reaproveitamento dos resíduos plásticos oriundos de lixões, sucatas e sistemas de coleta seletiva que são fundidos e transformados em novos produtos que poderão futuramente ser comercializados (Cangemi et al., 2005). Os programas de educação desenvolvidos nas escolas, comunidades e empresas estão dando suporte para a implantação de projetos de coleta seletiva, os quais, além de auxiliarem na geração de empregos e na conservação do meio ambiente, fornecem também matéria-prima de melhor qualidade para a indústria de reciclagem (Pires, 2002). A reciclagem de plásticos envolve um grande trabalho prévio de separação, identificação e limpeza dos materiais. Apesar desta demanda, o material reciclado é cerca de 50% mais barato que o polímero na forma virgem. No mundo, cerca de 20% dos

18 10 plásticos são reciclados. No Brasil, a reciclagem vem crescendo em volume e aumentando a diversidade e qualidade dos produtos reciclados (Franchetti e Marconato, 2006). Apesar da grande vantagem apresentada pela reciclagem, ainda há grandes desafios tais como: Dificuldade na separação dos diversos tipos de plásticos. Escassez de indústrias interessadas em comprar o material separado. Dificuldade em garantir um fornecimento contínuo de matéria prima de boa qualidade aos compradores Plásticos Biodegradáveis: Os plásticos biodegradáveis, também denominados plásticos biológicos ou bioplásticos, foram descobertos há cerca de 10 anos e ainda possuem uma participação mínima no mercado internacional (Franchetti e Marconato, 2006). Diferente dos plásticos convencionais derivados do petróleo, os bioplásticos uma vez lançados no meio ambiente, são degradados por microrganismos em um curto espaço de tempo, podendo com relativa facilidade integrar-se totalmente à natureza, sem causar danos à mesma, representando assim uma alternativa sustentável. Uma substância é biodegradável se os microrganismos presentes no meio ambiente forem capazes de convertê-la a substâncias mais simples, existentes naturalmente em nosso meio (Snyder, 1995). Em função de ser um material biodegradável, o bioplástico é considerado uma alternativa interessante para minimizar os impactos decorrentes de resíduos plásticos. Pesquisas com bioplástico vêm ocorrendo em todo o mundo, algumas envolvendo testes empregando óleo de mamona, cana-de-açúcar, beterraba, ácido lático, milho e proteína de soja, entre materiais de origem vegetal (Viveiros, 2003) e de origem microbiana (Squio e Aragão, 2004; Franchetti e Marconato, 2006). Polímeros da família dos polihidroxialcanoatos (PHAs), que são produzidos por algumas bactérias a partir de açúcares, possuem propriedades semelhantes às dos plásticos petroquímicos, com a vantagem de poderem ser biodegradados por microrganismos

19 11 presentes no meio ambiente, em curto espaço de tempo, após o descarte. O principal representante dos PHAs é o poli-β-hidroxibutirato (PHB), semelhante ao polímero sintético, polipropileno (PP), em propriedades físicas e mecânicas (Franchetti e Marconato, 2006). O polihidroxibutirato (Figura 7) serve a muitas bactérias como uma maneira de armazenar no interior celular, materiais que podem servir de reserva para obtenção de carbono e como fonte de energia para o caso de ausência de algum nutriente, podendo acumular até 90% de seu peso seco (Figura 8). Figura 7: Estrutura química do polihidroxibutirato. Figura 8: Fotomicrografia eletrônica de células bacterianas contendo grânulos do polímero biodegradável, da família dos polihidroxialcanoatos (PHA) acumulados no seu interior. Fonte: SILVA et al., Estes biopolímeros possuem propriedades físico-químicas e termoplásticas muito similares aos plásticos de origem petroquímica. São completamente biodegradáveis e biocompatíveis, produzidos a partir de matérias-primas renováveis, podendo ser reciclados e incinerados sem a geração de produtos tóxicos, o que os torna de grande aplicabilidade

20 12 em relação aos plásticos petroquímicos e possíveis candidatos a sua substituição (Byrom, 1987; Hanggi, 1995; Steinbuchel & Fuchtenbusch, 1998). O PHB pode ser amplamente utilizado na produção de embalagens de produtos de limpeza, higiene pessoal, recipientes para ferramentas agrícolas e vasos para mudas de plantas. Além disso, por ser biocompatível e facilmente absorvido pelo organismo humano, pode ser empregado na área médico-farmacêutica, prestando-se à fabricação de fios de sutura, próteses ósseas e cápsulas que liberam gradualmente medicamentos na corrente sanguínea (Bohmert et al., 2002). Algumas bactérias encontradas livremente na natureza - solo, água, plantas e efluentes - são responsáveis pela transformação de substratos em polihidroxialcanoatos (Byrom, 1987), e vem se tornando um valioso objeto de estudo nos últimos anos. Dentre os microrganismos produtores de PHAs, existe a bactéria Cupriavidus necator (Figura 9), que atualmente possui um amplo emprego na indústria dos bioplásticos, produzindo um polímero de alto peso molecular utilizando uma grande variedade de substratos orgânicos como frutose, glicose, acetato, lactato, glutamato, entre outros (Fiorese, 2008). Além dessa bactéria existem outros microrganismos produtores de PHA já descritos, como por exemplo Burkholderia sacchari, Bacillus megaterium e Pseudomonas oleovarans. Alguns microrganismos estão sendo foco de estudos avaliativos sobre o potencial de produção do polímero biodegradável, como é o caso da Gluconacetobacter diazotrophicus, o nosso objeto de estudo. Figura 9: Cupriavidus necator em fase de produção. Fonte: AMPE, 1995; SUDESH et al., 2000.

21 13 2 JUSTIFICATIVA: Considerando a grande demanda mundial de produtos plásticos e o constante apelo por uma política de conservação do meio ambiente, o presente trabalho busca elucidar como um interessante caminho pode ser traçado a partir do potencial desenhado na estrutura do genoma de G. diazotrophicus, podendo ser empregada na indústria do plástico biodegradável, utilizando como substrato principal, o bagaço da cana-de-açúcar. 3 OBJETIVOS: 3.1 Objetivos gerais: Abrir espaço para novas pesquisas qualitativas, a fim de avaliar o potencial de produção de biopolímero plástico por G. diazotrophicus, contribuindo futuramente para a preservação ambiental e para o aumento do conhecimento e o desenvolvimento de soluções tecnológicas e inovadoras para a substituição dos plásticos que causam poluição. 3.2 Objetivos específicos: O presente trabalho tem como principal objetivo, realizar a análise in silico das proteínas relacionadas na síntese de PHB com posterior quantificação por cromatografia gasosa, através do método descrito por Riss e Mai, 1988.

22 14 4 MATERIAIS E MÉTODOS: 4.1. Análise in silico: A sequência da proteína poly-beta-hydroxybutyrate polymerase de Cupriavidus necator (sinônimo Ralstonia eutropha) H16 (P ) do Genkbank, um banco de dados de sequências de DNA e de aminoácidos localizado no Centro Nacional de Informação Biotecnológica NCBI (http://www.ncbi.nlm.nih.gov), foi empregada como base para identificação do seu ortólogo no genoma de G. diazotrophicus. O NCBI fornece um conjunto de ferramentas de bioinformática para analisar estas sequencias de DNA e de aminoácidos, como o Blast (Basic Local Aligment Search Tool), que permite comparar a sequencia de interesse, com base na similaridade identificada em um alinhamento local, com todas as sequências de domínio público depositadas no Banco (Altschul et al., 1997). Há várias modalidades de BLAST. A modalidade adotada neste trabalho foi o tblastx, onde a informação Query (segmento de DNA pesquisado e usado como isca) e base de dados (Subject) são sequências de nucleotídios. Antes mesmo de verificar a homologia, o programa realiza as seis traduções possíveis de cada sequência de nucleotídios, ou seja, tanto a seqüência pesquisada quanto cada uma das presentes na base de dados são transformadas em seis proteínas. Esta etapa é interessante já que as proteínas de dois organismos são mais parecidas entre si que os nucleotídios que as codificam. Após realizar todas as traduções possíveis, o programa faz alinhamentos entre seus resultados e devolve para proteína Query - proteína Subject. Nesta análise, apenas uma das seis leituras possui significado biológico; as demais geram resultados que são descartados. Neste trabalho só existe interesse em comparar a sequencia de interesse de C. necator H16 àquelas depositadas no Banco e derivadas de G. diazotrophicus PAL5. C. necator foi adotada como ponto de partida já que acumula o biopolímero em até 90% de seu peso seco, quando exposta a altas concentrações de açúcar (Pohlmann et al., 2006). O resultado da análise por BLAST serviu para a identificação de sequências com similaridade suficiente dentro do Banco Query de G. diazotrophicus permitindo atribuir a mesma função do segmento de DNA usado para a busca (derivada de C. necator), que teve a função conhecida experimentalmente. Um parâmetro calculado pelo BLAST é mostrado como valor "E". Este valor

23 15 expressa o grau de similaridade, sendo que quanto menor, menor a chance da identidade achada na comparação das sequencias ser por acaso. Além do BLAST, a análise in silico prosseguiu empregando outras Bases de dados mais comuns como as que são abrigadas pelo Instituto TIGR - Instituto para Pesquisa em Genômica (www.biochipnet.com/node/2103) e o banco de dados de proteínas Pfam (http://pfam.sanger.ac.uk/). Com base no programa Clustaw, abrigado no Instituto de Bioinformática Europeu - European Molecular Biology Laboratory (EBI EMBL) (http://www.ebi.ac.uk/), as sequencias identificadas como PHB sintase em G. diazotrophicus, bem como a sequência de C. necator utilizada como isca e outras sequencias ortólogas derivadas de bactérias já integradas à indústria e produtoras do biopolímero de interesse foram alinhadas. O Clustaw realiza múltiplos alinhamentos com sequenciais de DNA e de proteínas para a construção das árvores filogenéticas. Embora o programa permita a personalização dos parâmetros de alinhamento múltiplo para a construção da árvore filogenética, este trabalho utilizou a configuração padrão oferecida, já que atendia às necessidades. As aproximações evolutivas apresentadas através das árvores filogenéticas são uma maneira de entender a relação entre os dados usados na comparação. O banco KEGG (http://www.genome.ad.jp/kegg) é a representação computacional completa da célula e do organismo, permitindo a predição, com altos níveis de complexidade, dos processos celulares a partir de informações moleculares e genômicas. Este Banco possui dados de genomas e de vias metabólicas de várias espécies; sendo também útil para o estudo das vias relacionadas à produção de PHB em G. diazotrophicus e de bactérias relacionadas, com interesse industrial. 4.2 Quantificação de PHB: Para quantificação da massa de PHB acumulado pela bactéria seguiu-se o método da propanólise visando a posterior análise por cromatografia gasosa, segundo método descrito por Riss e Mai (1988). Este método é baseado na hidrólise e transesterificação do P(3HB) com propanol e ácido clorídrico, levando à formação de um éster, o 3- hidroxibutirato de propila, que é quantificado por cromatografia gasosa.

24 16 Foram utilizadas culturas de G. diazotrophicus PAL5 cultivadas em meio DYGS com a seguinte composição em g L -1 : Glicose, 2; peptona, 1,5; extrato de levedura, 2; KH 2 PO 4, 0,5; MgSO 4.7H 2 O, 0,5; ácido glutâmico, 1,5; completados com água destilada até 1000 ml; ph 6,0; à 30ºC, durante 24 horas em tubos Falcon de 30 ml. Em seguida, o meio contendo a cultura foi lavado com água destilada estéril, em uma proporção 1:10 (meio/água), e sucessivamente foram realizadas duas centrifugações à 4000rpm à 5 ºC por 20 minutos cada uma. A massa de bactérias obtidas após a centrifugação foi lavada duas vezes com água destilada estéril e posteriormente transferida para tubos de vidro com vedação, com auxílio de 2 ml de propanólise. A propanólise consiste numa solução com proporção de 1 ml de ácido clorídrico: 4 ml de propanol, totalizando 5 ml de solução. Após a transferência do pellet bacteriano com auxílio da propanólise, para os tubos de vidro, foram adicionados 2 ml de dicloroetano, os tubos foram vedados e aquecidos em banho-maria a 100 ºC durante 2 horas. Após o tempo de aquecimento, retirou-se do banho, para resfriamento, o reagente dos tubos foi evaporado por completo, mesmo os tubos estando hermeticamente fechados, tornando-se necessária a repetição do experimento mais duas vezes, porém, ainda assim não foi obtido sucesso. Segundo Riss e Mai, após as duas horas de aquecimento, os tubos deveriam ser retirados do banho-maria, e após resfriamento, adicionados 4 ml de água destilada estéril, tornando-se possível a observação de uma separação de fases: Uma fase orgânica e uma fase aquosa. Da fase orgânica, eram extraídos 2 ml e desse volume eram adicionados 0,2 ml de uma solução de 40mg/ml de benzoato de etila em propanol que funciona como um padrão interno para a cromatografia gasosa. Após o preparo das amostras, alíquotas de 0,2 µl eram injetadas no cromatógrafo gasoso e quantificadas.

25 17 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO: O alinhamento por BLAST da proteina PHB polymerase da R. eutropha H16 com a da G. diazotrophicus PAL 5 revelou uma similaridade significativa, conforme evidenciado na figura 9. Figura 9: Matriz de ponto (alinhamento local por Blast2 seq) mostrando similaridade entre as sequências de poly-beta-hidroxibutirato sintase de Ralstonia eutropha H16, uma bactéria produtora de PHB e de G. diazotrophicus (similaridade = 5/9 = 56%) A relação ao nível de sequência sugere funções comuns. Foi realizada uma análise complementar a partir da busca de domínios conservados funcionais, usando as bases de dados mais comuns como os abrigados pelo Instituto TIGR- Instituto para Pesquisa em Genômica (www.biochipnet.com/node/2103) e o banco de dados de proteínas Pfam (http://pfam.sanger.ac.uk/). A análise revelou similaridade com o domínio TIGR01836: PHA_synth_III_C (Evalue: 2.20e-34), correspondente a função sintase de ácido poli (R)-hidroxialcanóico classe III, subunidade PHAc. Este representa a subunidade PHAc de uma forma heterodimérica ácido de Poli hidroxialcanóico sintase (PHA). Excetuando-se os PHAc de Bacillus megaterium, todos os membros exigem Pha e (TIGR01834) para a atividade e são designadas de classe III. Esta enzima constrói polímeros de ésteres de carbono para armazenamento de energia que se acumulam nas inclusões bacterianas.

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado Plásticos x Meio Ambiente Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado JUSTIFICATIVA A maioria das invenções modernas estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são

Leia mais

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos.

Título do experimento: Identificando os plásticos. Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Título do experimento: Identificando os plásticos Conceitos: Química Orgânica: Polímeros A química dos Plásticos. Materiais: - Plásticos diversos; - Lamparina; - Pinça; - Tesoura; - Pedaço de fio de cobre;

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS

INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS INTRODUÇÃO AOS PLÁSTICOS Antonio Augusto Gorni Editor Técnico, Revista Plástico Industrial - POLÍMEROS: MATERIAIS DE NOSSO DIA A DIA O plástico é um dos materiais que pertence à família dos polímeros,

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 3 Variáveis e Constantes Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil

IX Congresso Brasileiro de Análise Térmica e Calorimetria 09 a 12 de novembro de 2014 Serra Negra SP - Brasil ESTUDO TERMOANALÍTICO DE COMPÓSITOS DE POLI(ETILENO-CO-ACETATO DE VINILA) COM BAGAÇO DE CANA-DE-AÇÚCAR Carla R. de Araujo, Igor B. de O. Lima, Cheila G. Mothé Departamento de Processos Orgânicos - Escola

Leia mais

Os plásticos são todos iguais?

Os plásticos são todos iguais? CEEJA QUÍMICA CONTEÚDO PARA U. E. 16 O QUE VAMOS APRENDER? Propriedades dos plásticos Termoplásticos Organizar uma tabela Os plásticos são todos iguais? A matéria-prima usada para fabricar detergentes

Leia mais

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais.

-Estrutura, composição, características. -Aplicações e processamento. -Tecnologias associadas às aplicações industriais. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Teófilo Otoni - MG Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Tópicos : -Estrutura, composição, características.

Leia mais

EMBALAGENS DE POLIETILENO: consumo e descarte

EMBALAGENS DE POLIETILENO: consumo e descarte EMBALAGENS DE POLIETILENO: consumo e descarte Resumo 1 Samir Monteiro Andrade 1 Taís de Souza Alves Coutinho 2 Este trabalho tem por objetivo aprofundar os estudos sobre a forma como são usadas as embalagens

Leia mais

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Curso: Engenharia Ambiental Aluno: André Lenz de Freitas Disciplina: Ecologia Geral Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens Resíduos Sólidos Redução de Embalagens GUILHERME SCHULZ Ecólogo e Biólogo Mestre em Engenharia Bioma Pampa Ecologia guilherme@biomapampa.com.br www.biomapampa.com.br Gestão Ambiental Considerações: Prevenção

Leia mais

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Polímeros 1 São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Celulose Classificação quanto a natureza Naturais (Madeira, borracha, proteínas) Sintéticos

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE DANIELLE PATRÍCIA NASCIMENTO DE OLIVEIRA (IC) 1 ILTON SÁVIO BATISTA MARTINS (PG) 1 JACKSON DA SILVA SANTOS (PG) 1 KATIA LIDIANE DA SILVA (IC) 1 MARIA DO CÉU AZEVEDO

Leia mais

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE MESTRADO EM POLITICAS E GESTÃO AMBIENTAL LOGISTICA REVERSA AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE ATUAÇÃO RESPONSAVEL QUANTO A GERAÇÃO DO LIXO DESCARTAVEL

Leia mais

Processos Fermentativos

Processos Fermentativos CONCEITOS Reações químicas x Reações Bioquímicas Processos químicos: Realizado entre compostos químicos usando-se catalisadores químicos. Processos Enzimáticos: Transformação química realizada por catalisadores

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS 2015 CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS Vanessa C. S. Becker - COGEMAS SAMAE de Brusque 05/01/2015 Atualmente ouvimos falar muito sobre consciência ambiental e desperdício. Porém algumas vezes agimos de forma

Leia mais

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE

POLÍMEROS POLIETILENO DE BAIXA DENSIDADE POLÍMEROS Os polímeros são macromoléculas formada pela união de pequenas unidades que se repetem, os monômeros. Existem basicamente dois tipos de polimerização: adição e condensação. Na polimeirzação por

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13

RESÍDUOS SÓLIDOS. N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13 RESÍDUOS SÓLIDOS N u t r i ç ã o e D i e t é t i c a outubro, 13 UNINASSAU FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Centro Universitário Maurício de Nassau Fazendo Parte de Sua Vida Professor Adriano Silva RESÍDUOS

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

I Simpósio dos Pós Graduandos em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP

I Simpósio dos Pós Graduandos em Engenharia Civil e Ambiental da UNESP ANÁLISE TERMOGRAVIMÉTRICA DE RESÍDUOS DE EVA PROVENIENTES DA INDÚSTRIA CALÇADISTA VISANDO A RECICLAGEM QUÍMICA Raquel Martins Montagnoli¹, Sabrina Moretto Darbello Prestes 1, Sandro Donnini Mancini 1,

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP

MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas - PGMP MICROPROPAGAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Roberto FARIA ; Sérgio Tadeu SIBOV ; Diego José CALDAS 2 ; Victor Fernando Rodrigues da SILVA 2 Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS AULA 01 Polímeros Definição de Polímeros Tipos de Polímeros Aplicações dos Polímeros Definições gerais para Polímeros Peso Molecular Arquitetura Molecular Estado de Conformação

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group

Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Organica é uma marca registrada da Divisão de Energia do Keter Group Todo dia é Dia da Terra. 04 05 Sem energia não há vida... mas, o crescente uso da energia atual representa a maior ameaça à vida. Na

Leia mais

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool.

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Microorganismos são fontes ricas de produtos naturais, podem ser usadas como combustíveis, produtos químicos: polímeros e drogas. A habilidade de manipular

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA

REVISÃO QUÍMICA. Profº JURANDIR QUÍMICA REVISÃO QUÍMICA Profº JURANDIR QUÍMICA DADOS 01. (ENEM 2004) Em setembro de 1998, cerca de 10.000 toneladas de ácido sulfúrico (H 2 SO 4 ) foram derramadas pelo navio Bahamas no litoral do Rio Grande

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Síntese Artificial de Peptídeos

Síntese Artificial de Peptídeos Síntese Artificial de Peptídeos Rebeca Bayeh Seminário apresentado para a disciplina Princípios Físicos Aplicados à Fisiologia (PGF530) Prof. Dr. Adriano Mesquita Alencar Segundo semestre de 2013 Motivação

Leia mais

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem

Compostagem. Usina de compostagem. Horticultura orgânica utiliza-se dos produtos da compostagem Compostagem A compostagem é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal formando um composto. A compostagem propicia um destino

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto Anotação de Genomas Fabiana G. S. Pinto Obtenção de Seqüências geradas pelo MegaBace 1000 Dados brutos (medidas analógicas) de saída do seqüênciamento Base calling BIOINFORMÁTICA * PHRED: - Transforma

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

UTILIZE MENOS SACOLINHAS PLÁSTICAS

UTILIZE MENOS SACOLINHAS PLÁSTICAS PROJETO: MEIO AMBIENTE SACOLAS PLÁSTICAS: SUSTENTABILIDADE? INTRODUÇÃO SACOLAS PLÁSTICAS: sustentabilidade? É verdade que a morte de uns é a vida de outros e que, neste sentido, as diferenças que formam

Leia mais

Preparo de Amostras. Linha de produtos. ::: Clear Solutions in Sample Preparation

Preparo de Amostras. Linha de produtos. ::: Clear Solutions in Sample Preparation Preparo de Amostras Linha de produtos ::: Clear Solutions in Sample Preparation Multiwave PRO Soberano nos métodos de preparo de amostras 4 O sistema de reação assistido por micro-ondas Multiwave PRO oferece

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 03 Síntese do Oxalato de Bário UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 03 Síntese do Oxalato

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

Banco de Dados aplicado a Sistemas Biológicos

Banco de Dados aplicado a Sistemas Biológicos Dados Biológicos Banco de Dados aplicado a Sistemas Biológicos A internet mudou a maneira como os cientistas compartilham os dados e possibilitou que um depósito central de informações atendesse totalmente

Leia mais

RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS

RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS COLÉGIO PRO CAMPUS MATERIAL COMPLEMENTAR DE QUÍMICA 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº DATA: TURMA: PROF(A): PROF. CARLOS ALBERTO RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS 01. 01.Um

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS.

BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. BIOTECNOLOGIA SUSTENTÁVEL: POSSIBILIDADES DE UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR E ÁLCOOL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL ATRAVÉS DE MICROALGAS. Dágon Manoel Ribeiro¹, Hânia Cardamoni Godoy 3, Gustavo

Leia mais

Lista 1 de Exercícios Professor Pedro Maia

Lista 1 de Exercícios Professor Pedro Maia Lista 1 de Exercícios Professor Pedro Maia Questão 01 - (UEPG PR) As mudanças de estado físico, classificadas como fenômenos físicos, ocorrem com a variação de entalpia ( ). Sobre esses processos, assinale

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características

Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características Tintas Um problema Como escolher a tinta adequada a determinado serviço? A resposta a essa questão requer, primeiro, conhecimentos das características e tipos de tintas. Introdução Na aula anterior, vimos

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor.

REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR. O caminho para um futuro melhor. R R R REDUZIR REUTILIZAR RECICLAR O caminho para um futuro melhor. A FGR se preocupa com o planeta. v Reduza o quanto puder; Reutilize tudo que puder; Recicle o máximo que puder. 2 A qualidade de vida

Leia mais

Biodegradação de plásticos com Eco-One. Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos:

Biodegradação de plásticos com Eco-One. Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos: Biodegradação de plásticos com Eco-One Este documento fornecerá uma visão geral sobre os seguintes tópicos: Biodegradação Biodegradação em Aterros Sanitários Os plásticos biodegradáveis Mecanismo de Biodegradação

Leia mais

VÍRUS E BACTÉRIAS. Disciplina: Ciências Série: 6ª série EF - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Vírus e Bactérias

VÍRUS E BACTÉRIAS. Disciplina: Ciências Série: 6ª série EF - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Vírus e Bactérias Disciplina: Ciências Série: 6ª série EF - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Vírus e Bactérias VÍRUS E BACTÉRIAS Vírus e bactérias foram, por muito tempo, juntamente com seres unicelulares

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

IA 364M MÉTODOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

IA 364M MÉTODOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO IA 364M MÉTODOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ATIVIDADE 07 Daniela Diniz Ehrhahdt RA 151771 Prof. Dr. Ivan L.M.

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL.

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL. PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DO ÓLEO DE FRITURA: UMA ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL. M. A. C. BUMBA 1, R. K.OI 2 e H. YAMAMURA 3 1 Universidade Católica de Santos, Departamento de Engenharia de Produção 2 Universidade

Leia mais

BIOETANOL, BIODIESEL E BIOCOMBUSTÍVEIS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO*

BIOETANOL, BIODIESEL E BIOCOMBUSTÍVEIS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO* BIOETANOL, BIODIESEL E BIOCOMBUSTÍVEIS: PERSPECTIVAS PARA O FUTURO* Luiz Fernando de Lima Luz Jr.** Moacir Kaminski** Ricardo Henrique Kozak*** Papa Matar Ndiaye** 1 INTRODUÇÃO O Brasil produz etanol a

Leia mais

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas

Tempo de secagem: 30 minutos a 1 hora Tempo de cura: 18 a 24 horas COLAS Conhecer os diversos tipos de materiais é muito importante para o desenvolvimento de um cosplay. Nesse tutorial vamos conhecer um pouco do universo das colas. Encontramos no mercado uma infinidade

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

Introdução aos Polímeros Os Plásticos e o Ambiente Módulo V

Introdução aos Polímeros Os Plásticos e o Ambiente Módulo V Introdução aos Polímeros Os Plásticos e o Ambiente Módulo V Maria da Conceição Paiva, Guimarães Abril 2005 Maria da Conceição Paiva 1 degradação dos polímeros Os polímeros degradam em certas condições

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

DELIMITAÇÃO DO OBJETO Empresa de embalagem em EPS para alimentos, localizada em Arujá/SP, no período compreendido entre agosto e outubro de 2007.

DELIMITAÇÃO DO OBJETO Empresa de embalagem em EPS para alimentos, localizada em Arujá/SP, no período compreendido entre agosto e outubro de 2007. RECICLAGEM DE ISOPOR - ALTERNATIVA DE SUSTENTABILIDADE Talita Cristina Castellani Orientadora: Prof.ª MSc. Maria Cristina Tagliari Diniz Co-Orientação Esp. Ivan Michaltchuk Coordenação Geral do Prof. MSc.

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

ISSN2175-5000 POLIETILENO VERDE

ISSN2175-5000 POLIETILENO VERDE POLIETILENO VERDE Roberto Werneck do Carmo, Rodrigo Belloli, Antonio Morschbacker A demanda de mercado por materiais renováveis tais como bioplásticos trouxe para a indústria química o desafio de criar

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE)

EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFEITO DA APLICAÇÃO DE PULSO DE AMIDO NO CULTIVO DE Bacillus firmus CEPA 37 PARA A PRODUÇÃO DA ENZIMA CICLOMALTODEXTRINA-GLUCANO-TRANSFERASE (CGTASE) Jéssica

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Informações de Tabela Periódica CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA CADERNO DE QUESTÕES 2014/2015 Folha de Dados Elemento H C N O F Al Cl Zn Sn I Massa atômica (u) 1,00 12,0 14,0

Leia mais

Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza

Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL MICROBIOLOGIA APLICADA Princ ipa is funç õe s dos mic rorga nis mos na na tureza Profa.Ana Maria Curado

Leia mais