CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE. Capítulo 5. O Conceito e Metodologia de Benchmarking

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE. Capítulo 5. O Conceito e Metodologia de Benchmarking"

Transcrição

1 1 CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 5. O Conceito e Metodologia de Benchmarking ÍNDICE 5.1 Princípios, Domínios e Categorias do Benchmarking 5.2 As Fases do Processos de Benchmarking 5.3 O Benchmarking Estratégico

2 Capítulo 5. O Conceito e Metodologia de Benchmarking 2 Diapositivos Princípios, Domínios e Categorias do Benchmarking

3 5.1 - Princípios, Domínios e Categorias do Benchmarking 3 Fundamentos do Benchmarking Filosofia Melhoria contínua Propósito Adquirir uma vantagem competitiva sustentável, identificando a melhor prática Objectivos Eliminar os processos que não acrescentam valor Identificar aspectos ou áreas que sustentem o sucesso contínuo Identificar aspectos onde estão a ser mal aplicados recursos Aproveitar as oportunidades de melhoria

4 4 Fundamentos do Benchmarking Desempenhos específicos Tarefas (FCS) Processos Eficácia e Eficiência Elementos definidores Ser dotado de propósito Referenciar-se num alvo externo Basear-se em medidas Exigir intensidade de informações Ser objectivo Gerar acção

5 5 Conceito É a comparação dos métodos de trabalho dos outros com os nossos, passando assim a dispor de um vasto conhecimento de métodos e resultados acerca de uma actividade ou tarefa Vai além da cópia e imitação É um instrumento que pretende actuar ao nível da qualidade pela via das normas, orientando a empresa para a melhoria contínua O benchmarking bem implementado provoca uma melhoria no sentido da redução de custos e no aumento da eficiência operacional Baseia-se nos processos de aprendizagem e partilha.

6 Benchmarking 6 Benchmarking é um instrumento para assegurar a mudança visando a melhoria contínua. Objectivos Estratégicos Reestruturar Processos 3 Reestruturar Recursos 4 Processo de Mudança Informações 2 Factores Críticos de Sucesso EMPRESA 1 BENCHMARKING Contexto Externo (concorrentes) Áreas de Excelência VANTAGEM COMPETITIVA VALOR AOS INVESTIDORES

7 7 Benchmarking Factores que podem desencadear o benchmarking Programas de Qualidade Processo de Redução de Custos Tentativas de melhorar as operações Mudanças de gestão Novas operações/ novos empreendimentos Revisão das estratégias existentes Ataques competitivos/ crises O benchmarking pode-se aplicar Às tarefas Aos processos Às Questões Estratégicas O benchmarking estabelece um ciclo de mudança para eliminar as práticas ineficientes, criando uma forma objectiva de as analisar. é um instrumento de aproveitamento do ciclo de mudança, que sucessivamente modifica o quadro empresarial e ocasiona mudanças a l/prazo.

8 8 Princípios do Benchmarking Analogia Analisar empresas com processos semelhantes. Saber adaptar as lições aprendidas. Reciprocidade Partilhar informação para obter benefícios mútuos. Validade Utilizar métodos estatísticos para validar o estudo. Medição Comparar o desempenho de várias empresas. Seleccionar indicadores compatíveis entre os participantes.

9 Origens do Benchmarking A primeira pessoa a fazer benchmarking, foi a segunda pessoa a fazer fogo (seguindo o método da primeira pessoa a fazer lume) TEMPO Após 2ªG.M. as empresas japonesas já o tinham feito, observando as suas congéneres acidentais e adoptaram os seus métodos incorporando e adaptando os produtos ocidentais à cultura e modo de produção da empresa Xerox foi a primeira empresa a introduzir o conceito nos seus moldes actuais em 1979 dando origem a um novo ramo do conceito de qualidade Actualmente, muitas empresas têm deptº de benchmarking com gestores especializados Processo fácil e com baixos custos, que quando bem implementado, atinge bons resultados 9

10 Aspectos do Benchmarking Benchmarking divide-se em 3 áreas 1) QUALIDADE Perceber como é que as organizações com comportamentos de qualidade excelente, gerem as suas relações com os clientes, como os fidelizam e como identificam as suas necessidades. Estudar como é que o nosso parceiro de benchmarking conseguir articular os sistemas desenhados para assegurar a produção de qualidade e as especificações e normas exigidas pelo mercado. Identificação das principais variáveis responsáveis pelo desenvolvimento organizacional 2) PRODUTIVIDADE Procura-se sobretudo, descobrir quais os passos, que as empresas com elevadas taxas de produtividade, deram para minimizar a alocação de recursos necessários à produção. 3) TEMPO O estudo dos tempos, permite identificar os tempos produtivos e os tempos improdutivos de valor não acrescentado. 10

11 11 Porquê usar o Benchmarking? Não porque está na moda e não porque os concorrentes o usem, mas porque: Ajuda as empresas a concentrarem-se em melhorias com significado e não só no crescimento Fornece um sistema de avaliação dos seus próprios processos É uma forma de assegurar a qualidade e um controlo de processos eficaz Expressa a disposição dos gestores em adoptarem uma filosofia de mudança pro-activa Exige o estabelecimento de objectivos e medidas de desempenho significativas Antecipa a noção de desvantagem competitiva Promove o trabalho em equipa competitivo e racional

12 Objectivos do Benchmarking Aumentar a eficiência operacional e estratégica da empresa Reorientar a cultura da organização no sentido da aprendizagem e no aperfeiçoamento de aptidões Encerra em si a noção de eficiência operacional e estratégica EFICIÊNCIA Estratégica 1.Produtos 2.Mercados 3.Aplicações 4.Posição Concorrencial 5.Rendibilidade e Lucro 6.Preço Operacional 1.Custos 2.Capital 3.Qualidade 4.Produtividade 5.Eficiência Funcional 6.Resultados Poder acompanhar a concorrência aos mais altos padrões de qualidade e a nível mundial Não se oculta o processo de benchmarking, como de espionagem se tratasse Fonte: Karlof e Ostblom, Benchmarking: um marco para a Excelência em Qualidade e Produtividade,p

13 13 Objectivos do Benchmarking Mesmo que não se aprenda nada de novo com os nossos companheiros, já é positivo a nossa reflexão sobre o modo como trabalhamos Sensibilização das pessoas para o processo e para uma busca contínua de aperfeiçoamento do modo de trabalho Dirige a empresa para uma learning organization Empresa com desejo de desenvolvimento contínuo de competências PORQUÊ? O QUÊ? CLIENTE COMO?

14 14 Objectivos do Benchmarking Porque é que se quer fazer benchmarking? O que se quer melhorar? Em que medida se quer melhorar? Não definir os objectivos em termos de: Rendibilidade Facturação Resultados Mas sim, tendo em atenção o CLIENTE Para ajudar a empresa a adaptar-se às alterações das necessidades dos clientes O lucro virá por inerência bom trabalho que a empresa desenvolver...

15 Objectivos do Benchmarking 15 Alcançar a inter-funcionalidade da cadeia de valores Eliminar processos que estão a prejudicar a organização ou a gastar recursos excessivos sem gerar valor plausível Identificar oportunidades de desenvolvimento e melhoria Dirigir os esforços para as actividades com maiores falhas, e para se tornar na melhor das melhores Atingir Benchmarks = Metas de Desempenho = Referenciais

16 16 Objectivos do Benchmarking Então, antes de qualquer estudo de benchmarking, devem-se estudar os clientes por forma a perceber o que eles querem: É do interesse dos nossos clientes? Diz respeito a uma actividade crucial da nossa actividade? Encontra-se numa área onde informações adicionais podem influenciar planos e acções? É significativo em termos de custos ou encerra indicadores não financeiros? O benchmarking é uma forma de tornar a nossa organização numa organização em aprendizagem

17 Vantagens do Benchmarking 17 Satisfação das exigências dos clientes Adaptação dos melhores métodos do ramo Tornar-se mais competitivo Estabelecer objectivos relevantes e atingíveis Desenvolver medidas de produtividade Por comparação com os parceiros

18 18 Vantagens do Benchmarking Criar apoio a uma mudança cultural interna Estabelecer e aperfeiçoar a estratégia Aviso de falha Restruturação Promover melhores soluções para a resolução dos problemas Testar eficácia do programa de qualidade

19 Objecções ao Benchmarking Muitas organizações e administradores desencorajam o benchmarking, porque: É batota ou espionagem industrial (Mas quem aprende depressa diz que pode aprender com qualquer um, o que encoraja a partilha de ideias e de sistemas não privados) Não é mais que uma imitação, um sistema que não deixa lugar para o aperfeiçoamento (Mas os que têm mais sucesso com o benchmarking sabem que não se adopta, adapta-se) Não querem expor os seus pontos fracos aos modelos dos melhores a nível mundial (Mas será que o orgulho é importante? Nós jogamos na mesma divisão que esses parceiros?) 19

20 20 Objecções ao Benchmarking A nossa organização pode-se dar ao luxo de: Parar de se aperfeiçoar? Parar de aprender? Parar de lutar pelo seu lugar no mercado? Se se responder NÃO a alguma destas questões Fazer BENCHMARKING Se se responder SIM a todas as questões Resta esperar para ser ULTRAPASSADO

21 21 Tipos de Benchmarking Tipologias Benchmarking interno Benchmarking externo Benchmarking sectorial Benchmarking empresarial Benchmarking interno Benchmarking colaborativo Benchmarking concorrencial Benchmarking sombra Benchmarking funcional Benchmarking world-class

22 22 Tipos de Benchmarking Benchmarking interno Orienta-se para a análise da prática em diferentes departamentos ou divisões da organização, procurando-se o melhor desempenho Benchmarking externo Orienta-se para for a afim de identificar o desempenho de outros concorrentes directos. É um importante passo conhecer as forças e fraquezas dos concorrentes Benchmarking sectorial Orienta-se na busca de tendências do sector para o estabelecimento de linhas de base de desempenho Benchmarking empresarial Orienta-se no exame de múltiplos sectores na procura de práticas inovadoras independentes da fonte para o melhor desempenho

23 Tipos de Benchmarking Benchmarking interno É o primeiro tipo de benchmarking que qualquer empresa deve fazer É o mais fácil de gerir, porque ambas as partes trabalham na mesma empresa É o que apresenta menor nível de vantagens A principal vantagem é olhar para os processos internos e tentar aperfeiçoalos de forma inteligente Permite ensinar à empresa como funciona o benchmarking em termos de obtenção de informação Benchmarking colaborativo Envolve o intercâmbio limitado de informação de uma associação de empresas Bom meio para começar, uma vez que é mais barato que o benchmarking seguinte Utilidade limitada, e normalmente assenta em estatística quantitativa 23

24 24 Tipos de Benchmarking Benchmarking Concorrencial É dos mais difíceis porque se tem que partilhar informação com concorrentes directos Muitas empresas apenas pretendem iludir o concorrente Nem todo o benchmarking é cooperativo Faz-se recolhendo informação (90% da informação é pública): Em registos públicos Em artigos de revista Pela força de vendas Antigos trabalhadores da concorrência, que agora trabalham na empresa Fornecedores Comparar os processos com os da concorrência O risco é moderado, porque se trabalha com a informação dentro do ramo

25 25 Tipos de Benchmarking Benchmarking de sombra Quando se fazem comparações com um concorrente sem que ele saiba Os tipos de processo que mais ganham com o benchmarking de sombra são os que tem em comum o nosso parceiro A qualidade e relevância dos dados recolhidos dependem do parceiro escolhido e da equipa de benchmarking Os riscos de adaptação à organização são relativamente maiores porque se têm dados incompletos É sempre possível recolher novos dados que permitam um aperfeiçoamento dos processos

26 26 Tipos de Benchmarking Benchmarking Funcional Compara os processos, produtos e serviços com outros processos similares no ramo ou não O objectivo é identificar o comportamento ideal onde quer que ele esteja Visa funções específicas no âmbito de uma organização Implica mais tempo e preparação para os anteriores O número de potenciais parceiros é muito maior mas como não são concorrentes directos podem optar por cooperar no intercâmbio de dados Os riscos de adaptação de informação podem ser grandes Os benefícios estão associados ao facto de não se estar perante concorrentes directos

27 Tipos de Benchmarking Benchmarking world-class Compara processos que são independentes do ramo onde se opera, com as melhores organizações a nível mundial que não pertencem ao ramo Pode ser difícil pôr em prática porque os parceiros mais facilmente identificados estão muitas vezes relutantes a participar É difícil provar que eles podem retirar proveitos deste intercâmbio Uma alternativa menos dispendiosa é procurar parceiros que estão perto dos melhores a nível mundial A informação deste tipo de benchmarking é a mais difícil de transferir para a empresa porque os dados vêm de empresas muito diferentes Os riscos de adaptação da informação são muito altos diminuindo se houver a experiência de outros tipos de benchmarking 27

28 Código de Conduta Benchmarking Princípio de legalidade Exemplo, não se pode fazer um estudo de Benchmarking com o objectivo de fixar preços Princípio de confidencialidade A informação não pode ser revelada Princípio da troca Partilhar a informação equitativamente e de forma a compensar o investimento feito Princípio de uso Usar a informação para melhorar os processos organizacionais Princípio de compreensão e acção Acordar sobre a forma de tratamento de informação 28

29 29 Código de Conduta Benchmarking Princípio de preparação Trabalho a fazer antes de contactar o parceiro Princípio do primeiro contacto Responsável de benchmarking Gestor do processo a analisar Princípio da terceira parte Não partilhar com terceiros o nome das pessoas contactadas durante o estudo Princípio de conclusão Avaliar a capacidade para terminar o estudo de forma apropriada e nos prazos estipulados

30 Capítulo 5. O Conceito e Metodologia de Benchmarking 30 Diapositivos 5.2 A s Fases do Processos de Benchmarking

31 31 Processo de Benchmarking (KARLOF & OSTBLOM) FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 FASE 5 Decida o que submeter a benchmarking Identifique os parceiros de benchmarking Recolha de Informação Análise Passagem à prática REPETIÇÃO Fonte:: Karlof e Ostblom, Benchmarking: Um Marco para a Excelência em Qualidade e Produtividade, pp. 185

32 32 Processo de Benchmarking (KARLOF & OSTBLOM) FASE 1 - Decidir o que submeter a benchmarking Identificar as necessidades da empresa Como é que os outros vêem o desempenho da empresa? Estudar as operações da empresa Identificar os factores que são críticos para o desempenho e unidades de medição Adequar nível de profundidade do estudo FASE 2 - Identificar parceiros Decidir se o estudo é interno ou se se vai comparar com entidades externas Encontrar empresas excelentes Identificar potenciais candidatos a parceiros Estabelecer contactos com parceiros

33 Processo de Benchmarking (KARLOF & OSTBLOM) FASE 3 - Recolha de Informação Estruturar questionários Reunir informação e compilar dados da empresa Recolherinformação sobre parceiros Integrar informação de outras fontes Conferir e verificar as informações FASE 4 - Análise Seleccionar e organizar informação Controlar a qualidade da informaço Corrigir os factores não comparáveis Diferenças de conteúdo organizacional Diferenças de âmbito das operações Diferenças nas condições de mercado Diferenças de posição quanto ao custo Diferenças nacionais Identificar o potencial de desempenho face à empresa de excelência com que se vai comparar 33

34 Processo de Benchmarking (KARLOF & OSTBLOM) FASE 4 - Análise Análise de Fabrico-ou-compra Analisar se continuo cada operação como actividade interna ou se a compro no mercado (externalizar) Parametrizar a decisão com base Produtividade Valor na óptica do cliente Disponibilidade Foco no cerne do negócio Custos Fixos Custos de Conversão FASE 5 - Passagem à prática Considerar as implicações do resultados Fazer a integração com o plano regular de actividades Elaborar um plano de concretização Aplicar o plano como novas metas e objectivos 34

35 Processo de Benchmarking (Processo PRCA de Patterson) 35 FASE 0 FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Áreas Objectivos Processos Métodos Planeamento Realização Confirmação Acção Repetição

36 FASE 0 Processo de Benchmarking (Processo PRCA de Patterson) Identificar áreas que se quer aperfeiçoar Definir objectivos que se pretende atingir (em termos de satisfação das exigências dos clientes) Compreender os processos que pretendemos estudar Concentração nos métodos e processos em que nos baseamos para atingir melhores resultados nas áreas que queremos aperfeiçoar FASE 1 - Planeamento Todos os colaboradores da empresa sabem o que é o benchmarking Administração empenha-se no benchmarking Com o que é que se deve fazer benchmarking? Criar um plano de acção para o projecto de benchmarking Seleccionar parceiros de benchmarking 36

37 Processo de Benchmarking (Processo PRCA de Patterson) 37 FASE 2 - Realização Recolher dados de benchmarking com os parceiros Ter em atenção um limite de tempo para o estudo FASE 3 - Confirmação Comparar os processos com os parceiros Identificar diferenças entre o que é e o que deveria ser FASE 4 - Acção Analisar os dados recolhidos no processo de benchmarking Aplicar os dados recolhidos de modo a aperfeiçoar os processos da organização Partir das melhores práticas dos parceiros para adaptar aos processos testando-os durante um período e avaliando os resultados Se funcionar implementa-se e controla-se

38 Erros mais vulgares... (e respectivas soluções) 1. Falta de liderança (Todas as equipas têm que ter um chefe e um padrinho que percebam porquê do uso e implicações desta ferramenta) 2. Pessoas erradas na equipa (As melhores pessoas para a equipa, são as que estão directamente ligadas ao processo a ser estudado. Não pode haver participação à força) 3. Escolha errada dos parceiros (Deve haver a certificação que podemos dar algo em troca, pois as duas partes têm que ganhar) 4. Demasiadas pessoas na equipa (O ideal é uma equipa de 6 a 8 pessoas) 5. Equipas com demasiado trabalho (Os projectos muito gerais devem ser divididos) 38

39 Erros mais vulgares... (e respectivas soluções) Administração subestima as questões de tempo (Administração deverá ser informada do decorrer do processo e da sua duração mínima de 6 meses) 7. Não considerar objectivos estratégicos de longo prazo (O dever de preocupação maior com processos relacionados com a estratégia de longo prazo do que com problemas de curto prazo) 8. Partir do pressuposto de que todos os projectos exigem uma visita ao terreno (Ponderar se os proveitos daí retirados justificam o acréscimo de custos)

40 Erros mais vulgares... (e respectivas soluções) Administração não inspecciona resultados do benchmarking (Administração deve seguir e ser informada da evolução do projecto) 10. Não definir previamente objectivos (Antes de iniciar o estudo deve esclarecerse a utilidade dos dados) 11. Recolha de demasiados dados (Recolher apenas o essencial) 12. Maior concentração em objectivos numéricos do projecto que no processo (Só é salutar se servir para a equipa acelerar o aperfeiçoamento do desempenho da sua área)

41 41 Ética no Benchmarking Obedecer às leis não fazendo nada fraudulento na relação com os parceiros Preparar o processo para não gastar o tempo dos parceiros Estar preparado para fornecer aos parceiros informações do mesmo tipo das que se procura Respeitar a confidencialidade Respeitar hierarquias na estrutura dos parceiros Não partilhar os nomes dos parceiros sem comum acordo Ser honesto para o parceiro

42 Capítulo 5. O Conceito e Metodologia de Benchmarking 42 Diapositivos 5.3 O Benchmarking Estratégico

43 43 Evolução do Conceito de Benchmarking SOFISTICAÇÃO Terceira Geração Benchmarking de Processo Quinta Geração Benchmarking Global Quarta Geração Benchmarking Estratégico (BE) Segunda Geração Benchmarking Competitivo Primeira Geração Reverse Engineering TEMPO DE INTRODUÇÃO

44 Benchmarking Estratégico 1ª GERAÇÃO - Reverse engineering Processo que consiste na desmontagem integral de produtos concorrentes com o fim de descobrir e copiar as suas características 2ª GERAÇÃO - Benchmarking competitivo Comparação de processos e funções Desenvolvido pela XEROX quando se sentiu encurralada pela eficiência e agressividade da sua concorrente Canon 3ª GERAÇÃO - Benchmarking de processo Empresas que praticam benchmarking estudam empresas com métodos reconhecidos independentemente do tipo de negócio 4ª GERAÇÃO - Benchmarking estratégico Ver slide seguinte 5ª GERAÇÃO - Benchmarking global Interliga a distinção entre processos empresariais internacionais, culturas entre empresas e compreenção das suas implicações na organização 44

45 45 Benchmarking Estratégico Conceito Compreender e adaptar estratégias bem sucedidas de parceiros externos para implementar processos sistémicos para avaliar alternativas, implementar estratégias e melhorar o desempenho Não se procura apenas fazer como os melhores vai-se mais longe e procuramse estratégias iguais às dos líderes Benefícios Percorrer caminhos já trilhados e testados com sucesso Permitir corrigir alguns erros cometidos pela empresa imitada Alargar a discussão a todas as áreas da organização Reconhecer ser urgente traçar nova rota Implicar o reconhecimento de problemas Processar a aprendizagem

46 46 Benchmarking Estratégico Riscos Aplicar para o futuro uma estratégia de sucesso no passado Ser sempre seguidora a empresa que aplica o benchmarking Ter pouca autonomia Arriscar a entrar num combate com as armas erradas Para ultrapassar estes problemas Adaptar a estratégia e não imitar Ter em conta a nova realidade específica Assegurar competência da equipa para reconhecer perigos e situações de não aplicação Reconhecer o tipo de ambiente em que se opera...

47 47 Benchmarking Estratégico Benchmarking estratégico e adequação temporal TIPO DE AMBIENTE Estável Instável VELOCIDADE DE ADAPTAÇÃO DA ESTRATÉGIA Rápida Lenta Quase Saúde Sobrevivência Morte Lenta Morte Súbita

48 48 Benchmarking e Estratégia O benchmarking não é uma acção única sem contexto estratégico um pronto-socorro Deve ser repetido sucessivamente em busca da perfeição operacional Só é completo quando associado a um processo de benchlearning Processo de desenvolvimento da liderança e num programa de formação Em conjunto o benchmarking e benchlearning têm implicações estratégicas Criação de uma learning organization Mudança de comportamentos e atitudes

49 49 Benchmarking e Estratégia BENCHMARKING Eficiência BENCHLEARNING Proficiência Melhorar a eficiência Reduzir Diferenciais Mudança de Cultura para uma organização de aprendizagem Produtividade/ Qualidade Compreensão dos processos; Comportamentos de Sucesso; Codificação Custos mais baixos Receitas mais altas Mudanças de Atitudes e Comportamentos C/Prazo Operacional L/Prazo Estratégico Fonte:: Karlof e Ostblom, Benchmarking: Um Marco para a Excelência em Qualidade e Produtividade, p. 188

50 Benchmarking e Estratégia 50 Seis fases para se implementar o benchlearning: Ter vontade e coragem de fazer introspecção Descobrir o que se sabe sobre o assunto e quem sabe Adquirir informações e absorver conhecimentos Interiorizar e conjugar experiências Codificar o comportamento de sucesso e mudar o processo de trabalho Treinar aptidões aplicando conhecimentos e proficiências

51 Benchmarking e Estratégia 51 O benchmarking e o benchlearning devem enquadrar-se estrategicamente Estratégia Total Benchmarking Benchlearning Estratégia Geral Estratégia Operacional Subdivisões da estratégia segundo General Beaufre

52 Experiências Portuguesas 52 Poucas empresas utilizam o Benchmarking Razões: Receio de partilha de informação Problema Cultural Dúvidas quanto às vantagens XEROX 1ª empresa em Portugal a usar benchmarking (finais anos 70) Interno e externo Diversas áreas de actividade Múltiplas vantagens identificadas TISEP Usa o benchmarking ha mais de 18 anos Melhoria de processos Novas ideias

53 53 Experiências Portuguesas CABELAUTO Benchmarking externo Ligação a um grupo nipónico Conhecimento da concorrência Melhoramento das técnicas Vantagem competitiva Continental Mabor Desde 1993 Conhecimento da concorrência Correcção de falhas Inovação Melhoria de desempenho Bicc Celcat Programa Optimização das práticas de trabalho ( ) Redução em quatro semanas de stocks de produção Novo programa excelência de fabrico e gestão

54 Tendências de Benchmarking 54 Desenvolvimento de processos de benchmarking nas seguintes áreas: Sistemas de informação Recursos humanos e sistemas de retribuição Aos próprios processos de benchmarking Cada vez mais a toda a envolvente de qualidade - TQM

55 Metodologia p/ um Processo de Benchmarking Definição do Objectivo do Processo Análise das Práticas e Actividades Desenvolvi/º Inntru/os de Pesquisa ISSÃO Restrições e Constrangi/os Avaliação de Competidores Identificação de Empresas-Alvo Alvos Estratégicos Comunicar ÃO Avaliação Interna Referências Externas Estruturação do Processo Modelo Referencial Desenvolvi/º Processo bjectivos tratégicos Potenciali//s Identificação de Desenvolvi/º Ptos Excelência Concorrentes Parâmetros de Estudo Recolha de Dados MUDANÇA

56 O Processo de Benchmarking Interno Compreender Práticas Identificar Propulsores Responsabilidades Organização O PROBLEMA Desempenho Interno Aspectos-Chave Desempenho Estabelecer Oportunidades de Melhoria Recursos Examinar Actividades Documentar Procedimentos Identificação Pontos Excelência Alvos Identificados Pessoal Outros Capacidades Padronização Práticas Propulsores Identificados MUDANÇA PLANO Comparar e Identificar Contrastar Actividades em Actividades Valor Acrescent. Medidas Desempenho Seleccionadas 56 4

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de

E q n u q a u dr d a r me m n e t n o S st s e t m e a m d e d e Ge G s e t s ã t o d a d Q u Q a u lida d de Sistema de Gestão e de Garantia da Qualidade Agenda Enquadramento Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Garantia da Qualidade 2 Enquadramento Estatutos da ESHTE Prossecução de objectivos de qualificação

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT

Desenvolvimento. da Estratégica Competitiva. Chapter Title. 15/e PPT McGraw-Hill/Irwin 2007 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. 6 Desenvolvimento Chapter Title da Estratégica Competitiva 15/e PPT Screen graphics created by: Jana F. Kuzmicki, Ph.D. Troy

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

Modelos de Gestão Pública: Tipologias de Governação

Modelos de Gestão Pública: Tipologias de Governação Modelos de Gestão Pública: Tipologias de Governação Nas últimas décadas do século XX, o tema da reforma administrativa passou a estar na agenda de grande parte dos governos dos países industrializados.

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO ÁREA COMERCIAL ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO Como entusiasmar clientes pela forma de atender? Desenvolver competências técnicas e relacionais que potenciem a angariação e satisfação de clientes. Atendimento

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

Programas das cadeiras

Programas das cadeiras Programas das cadeiras Gestão de Unidades de Saúde Pretende-se que os participantes identifiquem os conceitos fundamentais de gestão e a sua aplicabilidade no contexto das unidades de saúde. Desenvolverse-á

Leia mais

Checklist sobre processos de reestruturação

Checklist sobre processos de reestruturação Checklist sobre processos de reestruturação Comissão Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral do Emprego, dos Assuntos Sociais e da Igualdade de Oportunidades Unidade F.3 Manuscrito concluído em Fevereiro

Leia mais

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING NOVAS TENDÊNCIAS DE CONTABILIDADE DE GESTÃO MESTRADO CONTABILIDADE E FINANÇAS 2009/2010 1 Introdução Actualmente, com a transformação de uma economia localizada

Leia mais

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias

Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias Manual de Procedimentos das Entidades Beneficiárias ÍNDICE Introdução...2 Capítulo I Programa Formação Ação para PME...3 I.1 Objetivos...3 I.2 Metodologia de Intervenção...4 I.3 Equipas de Intervenção...11

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 5/2008 Em sede do compromisso para uma "Better Regulation", assumido pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, foi proposta, nomeadamente,

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006 Termos e definições Auditoria Processo sistemático, independente e documentado para obter evidências de auditoria e respectiva avaliação objectiva

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy*

O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO. João de Quinhones Levy* Revista FOCUS e Diário Económico Maio / 2001 O NÍVEL DE INEFICIÊNCIA DAS EMPRESAS PROPOSTA DE NOVO INDICADOR DE GESTÃO João de Quinhones Levy* O custo de produção de uma empresa, quer se trate de um projecto,

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4 METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4.1 Introdução Vimos atrás, no ponto 2.9.3, uma justificação e uma descrição resumidas dos pontos que devem ser tratados sob este tema metodologias e pressupostos a adoptar

Leia mais

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica

Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base Tecnológica Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) Programas Operacionais Regionais do Continente REGULAMENTO ESPECÍFICO Sistema de Apoio a Parques de Ciência e Tecnologia e Incubadoras de Empresas de Base

Leia mais