GT - DIREITO TRIBUTÁRIO E INTERVENÇÃO DO ESTADO SOBRE O DOMÍNIO ECONÔMICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GT - DIREITO TRIBUTÁRIO E INTERVENÇÃO DO ESTADO SOBRE O DOMÍNIO ECONÔMICO"

Transcrição

1 GT - DIREITO TRIBUTÁRIO E INTERVENÇÃO DO ESTADO SOBRE O DOMÍNIO ECONÔMICO ISENÇÃO DO IPVA PARA CARROS ANTIGOS: UMA POLÍTICA ECONÔMICA INCOMPATÍVEL COM O DIREITO FUNDAMENTAL AO MEIO AMBIENTE SUSTENTÁVEL Allan Mark Azevedo Barroso, Discente do Curso de Direito da UFRN, Natal-RN, Brasil Endereço eletrônico: Fernando Laerd Soares Xavier, Discente do Curso de Direito da UFRN, Natal-RN, Brasil Endereço eletrônico: Júlio Rogério Rocha, Discente do Curso de Direito da UFRN, Natal-RN, Brasil Endereço eletrônico: Ítalo Mendonça Freire, Discente do Curso de Direito da UFRN, Natal-RN, Brasil Endereço eletrônico: Watson Andrade de Melo Lira, Discente do Curso de Direito da UFRN, Natal-RN, Brasil Endereço eletrônico: Sob a ótica do Sistema Jurídico brasileiro, em específico o Direito Constitucional e o Direito Tributário, este artigo objetiva estudar o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), em específico as isenções de cobrança que são direcionadas para proprietários de veículos antigos. Partindo desta premissa, é importante analisar os impostos de forma geral, bem como suas especificidades no ramo tributário nacional, passando pelo estudo da extrafiscalidade dos impostos e desembocando na capacidade extrafiscal do IPVA de se um imposto também relacionado a preservação do Meio Ambiente sustentável. Para tanto, é importante fazer uma análise da importância econômica do IPVA para os cofres públicos, não esquecendo de que, como característica principal, o imposto é uma espécie tributária não vinculada a qualquer prestação específica do Estado. Com todo o embasamento teórico a ser projetado no texto, será possível formar a tese de que as isenções do IPVA para carros antigos, prática realizada em grande parte dos Estados brasileiros, se contradiz com o Direito fundamental ao Meio Ambiente sustentável. Por fim, expor saídas indutoras à preservação do Meio Ambiente, como a isenção para carros híbridos ou que utilizem-se apenas de energia elétrica para locomoção, de modo que a privilegiar realmente o contribuinte que preza pela proteção ao Meio Ambiente. Palavras-Chave: Direito Tributário. Isenção do IPVA. Extrafiscalidade. Preservação ambiental.

2 ISENÇÃO DO IPVA PARA CARROS ANTIGOS: UMA POLÍTICA ECONÔMICA INCOMPATÍVEL COM O DIREITO FUNDAMENTAL AO MEIO AMBIENTE SUSTENTÁVEL 1 INTRODUÇÃO O presente artigo científico tem como objetivo estudar o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), discutindo-se a atual política deste tributo, que, atualmente, privilegia os proprietários de veículos mais antigos em vários Estados com a isenção fiscal, sob a égide do princípio da capacidade contributiva. Neste sentido, discute-se a ponderação entre o princípio da capacidade contributiva e a proteção ao meio ambiente e combate à poluição em todas as formas, objetivo constitucional trazido no art. 23, inc. VI da Constituição Federal de O IPVA, embora tenha conteúdo originariamente fiscal (arrecadatório), também possui natureza extrafiscal, cuja direção legislativa voltada ao meio ambiente poderá induzir comportamentos ambientalmente sustentáveis e benéficos, tema que não vem tendo atenção pela maioria dos Poderes Legislativos estatais. Logo, visualiza-se a necessidade de adoção de um sistema tributário voltado à proteção ambiental e para a restauração de danos causados ao meio ambiente, cuja extrafiscalidade do imposto deverá instigar uma ação mais ambientalmente consciente do contribuinte. Neste diapasão, busca-se evidenciar a atual direção política tributária adotada no Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que vai no sentido contrário às recomendações internacionais de proteção ao meio ambiente. Desta forma, observa-se a necessidade, cada vez maior, do Estado intervir sobre o domínio econômico a fim de melhor atender os preceitos constitucionais e o interesse coletivo de proteção ao meio ambiente. 2 OS IMPOSTOS E SUAS ESPECIFICIDADES O imposto é a espécie de tributo cuja obrigação tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica, diretamente

3 ligada à atividade ou patrimônio do contribuinte, conforme disposto no art. 16 do Código Tributário Nacional. Logo, o imposto está associado ao âmbito privado do contribuinte, cujo fato gerador está previsto em lei como necessário e suficiente à sua ocorrência, ou seja, uma situação que faça nascer à obrigação de pagar esta espécie de tributo. No caso do IPVA, o fato gerador está associado à propriedade de veículo automotor de qualquer espécie. Assim, para que lhe seja imposta o pagamento de um imposto, basta à realização, pelo particular, do fato gerador, não havendo a necessidade de uma contraprestação estatal que ofereça vantagens ao contribuinte. Trata-se de medida que objetiva a captação de riqueza para o tesouro público. A receita dos impostos visa custear as despesas públicas gerais e universais. O imposto, por outro lado, não pode estar atrelado a qualquer órgão, fundo ou despesa, consoante princípio da não afetação. Logo, a receita dos impostos, dada a sua natureza difusa, também tem por finalidade a proteção ao meio-ambiente. Quanto à classificação dos impostos, há vários critérios, podendo ser detalhados em impostos diretos ou indiretos, fiscais ou extrafiscais, etc. O imposto será direto quando a carga econômica a ser suportada for dirigida diretamente ao contribuinte que deu causa ao fato gerador previsto em lei, como é o caso do IPVA, que também é classificado como imposto de natureza real, tendo em vista a sua ligação direta de propriedade de bem ou coisa. 2.1 A extrafiscalidade dos impostos e o meio ambiente Os impostos são facilmente aplicados aos fins ambientais, pois, admitindo sua incidência sobre os mais diversos fatos econômicos, podem ser concebidos de modo a inviabilizar determinadas atividades pautadas na degradação ambiental, perfeitamente condizente com a aplicação do princípio da seletividade (TUPIASSU, 2006). Os tributos e os incentivos fiscais podem ser utilizados como forma de incentivar a preservação ambiental, estimulando condutas não poluidoras e ambientalmente desejáveis, inclusive na produção de veículos menos poluentes (IPVA).

4 O Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, editou a Lei n. 948/85, buscando privilegiar os carros com equipamento de gás natural, concedendo um desconto de 75% para esses veículos menos poluentes, em detrimento daqueles que utilizam gasolina e etanol. Tradicionalmente, o imposto tem como finalidade abastecer o tesouro público, visando custear a atividade estatal. No entanto, o abastecimento financeiro não é o único objetivo do Estado, que também deve prezar pelo seu próprio desenvolvimento, inclusive o seu desenvolvimento sustentável, preocupando-se em preservar o meio-ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas, conforme preceitua o art. 23, inciso VI da Constituição Federal de A utilização extrafiscal dos tributos tem sua origem relacionada ao crescimento da atividade intervencionista do Estado, pois, à medida que evoluem as funções sociais do Poder Público, se pode demonstrar de forma mais clara a ampla eficácia dos tributos enquanto elementos de regulação do mercado e reestruturação social, adquirindo fundamental importância a noção de extrafiscalidade, despindo a figura tributaria de seu caráter puramente arrecadatório (TUPIASSU, 2006, p. 119). 3 IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULO AUTOMOTOR (IPVA) A indústria automobilística instalou-se no Brasil a partir da década de 50, momento em que a produção de automóveis passou a ser realizada em larga escala, o que revolucionou o mercado consumidor desse meio de transporte. A integração do automóvel na vida econômica da sociedade brasileira fez nascer uma crescente demanda por serviços públicos de controle administrativo e de tráfego. Com isso, surgiu a necessidade de se alocar cada vez mais recursos para investimentos em infraestrutura, como a construção e manutenção de vias, rodovias, estradas e pontes. (OLIVEIRA, 2009, p. 357). Para suportar essas despesas, implementou-se a arrecadação de receitas por meio de tributação, competindo aos Estados e ao Distrito Federal a instituição dos impostos sobre propriedade de veículo automotor, nos termos do art. 155, III, da CF/88.

5 3.1 Fato Gerador Analisando as leis dos Estados brasileiros que versam sobre a implementação do IPVA em seus respectivos territórios, viu-se que, de maneira geral, esse imposto tem como fato gerador a propriedade de veículo automotor terrestre, anfíbio, aquático e aéreo, sendo devido o pagamento no local onde ele foi registrado ou licenciado. Segundo as lições de Oliveira (2009), o pressuposto de incidência do fato gerador do dever jurídico é a relação de domínio entre o proprietário pessoa natural ou jurídica e o seu bem veículo automotor, destinado ao transporte de pessoas ou cargas, impulsionado por motor movido a vapor, eletricidade ou combustível. Desse modo, a imposição do imposto não está condicionada à utilização do automóvel, mas à relação jurídica de propriedade havida entre o bem específico e o destinatário do tributo. Portanto, é irrelevante o fato de o automóvel ser utilizado mais ou menos tempo dentro do território de determinado Estado, a fim de se impor a contribuição, bastando saber o local em que ele foi licenciado. 3.2 Isenções As legislações estaduais preveem inúmeras hipóteses de isenção de pagamento do IPVA, dentre elas podem ser destacadas as que desobrigam os automotores agrícolas empregados exclusivamente em serviços rurais, as ambulâncias e os veículos de propriedade de corpo diplomático. A isenção encontra seu fundamento no equilíbrio econômico-social entre o Estado e o contribuinte. Ela incentiva o desenvolvimento de categorias profissionais agricultores, taxistas e bugueiros e de serviços públicos transporte coletivo e ambulâncias, além de favorecer a sociedade de baixa renda e os portadores de necessidades especiais. Nesse cenário desonerações, pode-se destacar que a maioria das leis isentam do IPVA os carros antigos, cuja variação de Estado para Estado situase entre 10 e 25 anos, contados a partir da data de sua fabricação.

6 Apenas dois Estados da Federação não proporcionam tal desobrigação, limitando-se a estabelecer reduções progressivas de acordo com o ano do veículo, são eles Minas Gerais e Pernambuco. Essa hipótese de isenção causa certa controvérsia entre doutrinadores e legisladores. Sustenta-se que essa prática de desonerar carros antigos está em desconformidade com a tendência mundial de renovação gradativa da frota veicular, haja vista o automóvel antigo ser mais poluidor do meio ambiente, quando comparado ao mais novo. 4 IPVA E SUA IMPORTÂNCIA NA ORDEM ECONÔMICA Oriundo da TRU (Taxa Rodoviária Única), o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, surgiu com a Emenda Constitucional nº 27, de , que acrescentou o inciso III ao art. 23 da Emenda nº 1, de 17 de outubro de Posteriormente, a Emenda Constitucional nº 3, de 1993, ratifica o poder dos Estados e do Distrito Federal em instituir o IPVA, incluindo o inciso III do artigo 155 da Constituição Federal de De acordo com o 13º da Emenda Constitucional nº 27, de 28 de outubro de 1985, o IPVA consiste em receita estadual e municipal numa proporção de 50% para cada ente, sendo as prestações municipais creditadas em contas especiais. O mesmo dispõe o artigo 158, inciso III, da Constituição Federal. O Sistema Constitucional Tributário deve estar em harmonia com o ordenamento econômico e financeiro, com as propostas e metas de desenvolvimento nacional, visando à mesma finalidade: satisfação das necessidades da população e o desenvolvimento econômico e social de forma sustentável. (RIBEIRO; MAIDANA, p. 7389, 2011). Diante da crise econômica nos dias de hoje, os municípios e estados brasileiros enfrentam sérias dificuldades financeiras de forma que toda receita é indispensável a saúde financeira das edilidades. Assim, o IPVA proporciona uma receita importantíssima aos entes da administração direta do Estado, até porque a aplicabilidade dos recursos originários do IPVA não é vinculada, podendo ser utilizado em diversas áreas de políticas públicas. Nessa esteira, faz-se mister dissertar um pouco sobre as políticas públicas nos dias de hoje. Uma das características do Estado moderno diz respeito ao incremento da implementação de políticas públicas no intuito de

7 intervenção do Estado na sociedade civil, com fito de cumprir seus deveres de concretizar os direitos fundamentais, assim reconhecidos na Constituição Federal. Neste sentido, é evidente que o Estado pode e deve promover políticas públicas para a tutela dos direitos fundamentais. Destarte, sendo o IPVA responsável por 30% da arrecadação de um município, possui grande importância no orçamento público municipal. Assim, por ser de tamanha relevância aos cofres das municipalidades, a destinação dessa receita não está voltada apenas no que concerne as políticas públicas referentes aos benefícios dos automóveis, tendo em vista que são oriundos destes, mas sim em qualquer área essencial aos municípios. Dessa forma, os recursos tributários provenientes dos automóveis não são utilizados apenas nas melhorias de rodovias, por exemplo, mas pode ser utilizado na saúde, na segurança ou em qualquer área que seja essencial à atividade pública. Ademais, deve ser destacado a sua função extrafiscal, que será vista no próximo tópico. Portanto, o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores é de extrema importância na esfera econômica estadual e municipal, por se tratar de uma fonte de receita de relevante valor e pela possibilidade de ser aplicado em diversas áreas essenciais às atividades estatais. 5 A CAPACIDADE EXTRAFISCAL DO IPVA COMO MEDIDA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL A utilização dos tributos como instrumento de proteção ambiental não descaracteriza-o do previsto na teoria geral da tributação (TORRES, p. 171, 2011). Desta feita, o IPVA, que tem função originariamente fiscal (arrecadatória), também tem natureza extrafiscal, pois sua isenção ou alíquota reduzida estimula a utilização de determinados veículos, que pode ter consequências positivas ou negativas a depender do modo de sua aplicação. O que notamos hoje é a necessidade de adaptação de todo o sistema tributário para o fim da proteção ambiental e da restauração dos danos já causados, quando possível for. Com isso, fica simples vincular o IPVA também a função de controle ambiental, tanto por meio da arrecadação de receitas para tal fim, como por intermédio de medidas indutoras de comportamentos ambientalmente sustentáveis, com a modificação de alíquotas para inibir posturas ecologicamente agressivas.

8 Em alguns estados a alíquota zero para os veículos elétricos (não poluentes), neste momento, instituiu-se também sua natureza extrafiscal, representando esta redução de alíquota um estímulo à diminuição da poluição causada pela emissão de gases oriundos dos veículos tradicionais. Neste caso, o IPVA se caracteriza como um exemplo de tributação em prol da proteção ambiental, embora o imposto originalmente não tenha sido instituído com esta finalidade. Entretanto, exemplos como o do Estado do Rio Grande do Norte e outros no país, que beneficiam proprietários de carros antigos com a isenção do IPVA, fazendo com que as frotas de veículos antigos se tornem um atrativo, principalmente, para a população brasileira de baixa renda que se utiliza da precária rede de transporte público para deslocamentos diários. Portanto, a isenção para os veículos antigos, é uma proposta antagônica à proteção do meio ambiente, considerando que tais veículos são mais poluentes do que os mais novos. Seus usuários não poderiam ser premiados com uma alíquota reduzida. Estamos, pois, diante de uma questão também de política ambiental e não meramente de política fiscal. 6 DIREITO AO MEIO AMBIENTE SUSTENTÁVEL vs PRINCÍPIO DA CAPACIDADE CONTRIBUTIVA E A ISENÇÃO DO IPVA O Direito fundamental a um meio ambiente sustentável antecede a Constituição Federal de 1988 e nos remete às Convenções da ONU para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável do início da década de A atual Carta Magna prevê em sua topografia o direito fundamental ao meio ambiente sustentável, mais precisamente, no artigo 225. De acordo com relatórios elaborados pela Organização das Nações Unidas, a sustentabilidade trata da exploração racional dos recursos naturais e a preservação dos ecossistemas para a atual e futura geração de habitantes, cujas diretrizes se espraiaram para as Constituições mais atuais, inclusive na Constituição Federal de Pela sua extensão e localização geográfica, o Brasil apresenta um dos patrimônios ecológicos mais expressivos e diversificados do mundo e sua proteção alcançou o corolário constitucional.

9 Neste sentido, observa-se a necessidade do legislador levar em consideração a adoção de leis que estimulem a atuação ambientalmente sustentável por parte dos contribuintes, por força das normas programáticas constitucionais que insculpiram a necessidade da República Federativa do Brasil em preservar o meio ambiente e combater todas as formas de poluição. O princípio tributário da capacidade contributiva não deve se justificar como fundamento maior para a isenção fiscal do IPVA de veículos automotores antigos, uma vez que o meio ambiente reclama uma atuação mais racional e sustentável da Sociedade, cujo atendimento não deve estar condicionado à capacidade contributiva dos indivíduos. É direito fundamental difuso e dever de todos o acesso e manutenção de um ecossistema sustentável. Neste sentido, os princípios norteadores do IPVA devem ser revistos, de forma a favorecer a utilização de frota veicular que atenda aos padrões mínimos de sustentabilidade, independentemente da idade dos automóveis. Paradoxalmente, veículos mais antigos, abarcados pela atual política de isenção tendem a ser mais poluentes, pelo próprio desgaste natural das peças que na maioria das vezes não são repostas. Inequivocamente esta é uma conotação do Direito Tributário desenvolvida sobre o Direito Ambiental. A minoração ou majoração de um imposto para fins ambientais através de regulamentação legislativa e de iniciativa política se delimita como uma medida louvável e de cunho notadamente ecológico. Também o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores IPVA vem sendo denominado de IPVA Verde, quando voltado ao fomento à circulação de carros mais eficientes no controle da emissão de gases. Já são sete estados brasileiros com alíquota zero para veículos não poluentes. São eles: Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe. Em mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo as alíquotas para os veículos não poluentes são reduzidas (CAVALCANTE, 2012). Como afirma Denise Lucena Cavalcante, tais inovações aplicadas ao direito tributário com efeitos no campo da ecologia e sustentabilidade, também se operam na esfera federal, neste caso, em outro imposto, o IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados):

10 No âmbito federal, o governo anunciou através da Lei n , de 17/09/2012, o novo regime automotivo brasileiro Inovar-Auto que será válido entre 2013 e 2017, cuja regulamentação está prevista no Decreto n , de 03/10/2012. Nessa legislação há a previsão de redução do IPI como incentivo as empresas que invistam em processos de fabricação e uso de componentes mais eficientes para reduzir o consumo de combustíveis e minimizar a poluição. A intenção do novo regime é propiciar a elaboração de carros mais eficientes, modernos, baratos e com menos emissão de carbono. (CAVALCANTE, 2012). 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Pelo exposto, observa-se que a atual política de isenção fiscal sobre o IPVA para veículos automotores antigos, adotada pela maioria dos Estados da República Federativa do Brasil, contribui para a elevação dos níveis de poluição, uma vez que a utilização desses veículos é indubitavelmente mais vantajosa do ponto de vista econômico, justamente pelas facilidades e isenções fiscais para esses veículos, mas altamente danosa para a preservação da saúde e do meioambiente constitucionalmente assegurados. A política adotada pelo IPVA na maioria dos Estados da Federação revela a despreocupação do Poder Legislativo em preservar o meio-ambiente, indo no sentido contrário ao atual direcionamento mundial de renovação das frotas veiculares, cuja prioridade tem sido a renovação para a utilização de veículos tecnologicamente mais econômicos e menos poluentes. Certamente, a renovação da frota nacional de veículos convergirá para níveis inferiores de emissão de gases poluentes na atmosfera, contribuindo enormemente para a melhoria das condições ambientais e mais salubres, principalmente nos grandes centros urbanos que sofrem com a poluição atmosférica em níveis elevados. Não obstante a isenção do IPVA para veículos nas unidades da federação corresponder a um incentivo econômico para a comercialização de veículos usados e sua constante manutenção, através do mercado de peças de reposição, deve-se avaliar o outro lado da moeda, cuja realidade reflete-se na utilização de veículos mais antigos, muitas vezes utilizados negligentemente por carência de reposição de peças que inibem a emissão de grande quantidade de poluentes, sobretudo de veículos que utilizam diesel, como caminhões e ônibus.

11 A questão ambiental tem ganho notoriedade nos últimos anos, principalmente nos países em desenvolvimento. O Brasil é um país inovador no tocante à criação de combustíveis renováveis, principalmente com experiências positivas experimentadas com o etanol veicular que data o início da década 1970 e o biodiesel no início do século XXI. Entretanto, questões referentes à produção e distribuição, emperraram ou simplesmente desestimularam a compra ou a utilização de veículos movidos a etanol. Prevalece até hoje a utilização da gasolina como combustível que favorece um maior rendimento, entretanto, com maior poluição. Louváveis e de vanguarda se mostram as isenções de IPVA para veículos movidos exclusivamente a etanol e na atualidade, os veículos elétricos. Este é um tema relevante, pois além da poluição do ar nos centros urbanos os níveis elevados de emissão de gases tóxicos também contribuem para elevar o efeito estufa e as mudanças climáticas. Em periódico publicado pela UNESCO, Mar Asunción Higueras explica: Los países industrializados, con su modelo de desarrollo basado en un elevado consumo de energía fundamentalmente procedente de combustibles fósiles, son los que más han contribuido históricamente a elevar lãs concentraciones de CO² en la atmósfera, y además son los que disponen de los recursos financieros y las tecnologías para hacer la transición hacia um modelo energético sostenible basado em el ahorro y la eficiência energética, así como em lãs energías renovables. p. 3. A isenção fiscal sobre o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de veículos movidos exclusivamente a etanol e gás natural, é um grande exemplo de que o Estado pode intervir diretamente sobre o domínio econômico a fim de contribuir positivamente para a preservação do meio ambiente, através de incentivos econômicos que motivam o contribuinte a exercer ações sustentáveis, que, coletivamente, poderá trazer resultados monumentalmente positivos ao meio-ambiente e ao bem comum social. BIBLIOGRAFIA CAVALCANTE, Denise Lucena. Tributação Ecológica: Os reflexos da tributação ambiental sobre o meio ambiente e como fator de sustentabilidade. Revista Enfoque Fiscal. 4ª ed. Dez

12 COSTA, Regina Helena. Curso de Direito Tributário. 4 ed. São Paulo: Saraiva, HIGUERRAS, Mar Asunción. Cambio Climático. UNESCO. 4p. Disponível em <www.unescoetxea.org/ext/manual_eds/pdf/03_cambio_castellano.pdf>. Acesso em: 07 mar OLIVEIRA, José Jayme de Macêdo. Impostos Estaduais: ICMS, ITCD, IPVA. São Paulo: Saraiva, RODRIGUES, Alessandra Mahé Costa et al. A Contribuição do IPVA à Proteção do Meio Ambiente. Congresso Nacional do CONPEDI (16 : 2007 : Belo Horizonte, MG). Anais do XVI Congresso Nacional do COMPEDI Florianópolis: Fundação Boiteux, TORRES, Heleno Taveira. Direito constitucional tributário e segurança jurídica: metódica da segurança jurídica do Sistema Constitucional Tributário. São Paulo: Revista dos Tribunais, TUPIASSU, Lise Vieira da Costa. Tributação ambiental: a utilização de instrumentos econômicos e fiscais na implementação do direito ao meio ambiente saudável. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A

TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A TRIBUTAÇÃO ECOLÓGICA Autor: Dr. Reinaldo Martins Ferreira OAB-RJ 61.460 e OAB-MG 923-A Para se compreender a tributação ecológica é necessário que se tenha uma noção ampla da necessidade e importância

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP Incidência de ISS ou ICMS nas Operações de Transportes- SP 16/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Incidência

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 37, DE 2009 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, e a Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997, para permitir a dedução, do imposto de renda das pessoas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

UNIDADE V Tributação sobre a propriedade. 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural. 1.1. Legislação. 1.1.1. Constituição (art.

UNIDADE V Tributação sobre a propriedade. 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural. 1.1. Legislação. 1.1.1. Constituição (art. UNIDADE V Tributação sobre a propriedade 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 153, inciso VI) 1.1.2. Lei n. 9.393, de 1996 1.1.3. Decreto n. 4.382,

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA DIREITO TRIBUTÁRIO. RIO 2ª parte. Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail. PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 2ª parte COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA RIA Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com SISTEMA TRIBUTÁRIO RIO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 2. Competência

Leia mais

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar.

Institui a chamada isonomia horizontal para que as pessoas que estejam na mesma situação, sejam tratadas de forma similar. Princípio da Isonomia Tributária Primeiramente, cabe demarcar toda a difícil compreensão do princípio isonomia no Direito, vez que a mera sintetização tratamento pela igualdade, demanda a estipulação de

Leia mais

Tributação Ambiental no Brasil: Oportunidades e Desafios

Tributação Ambiental no Brasil: Oportunidades e Desafios Tributação Ambiental no Brasil: Oportunidades e Desafios Ronaldo Seroa da Motta (UERJ) SEMINÁRIO POLÍTICA TRIBUTÁRIA E SUSTENTABILIDADE: uma plataforma para a nova economia Brasília, 29/10/2013 Senado

Leia mais

É o relatório, passa-se a opinar.

É o relatório, passa-se a opinar. São Paulo, 18 de outubro de 2013. A ABMI ASSOCIAÇAO BRASILEIRA DA MUSICA INDEPENDENTE Ref: Parecer EC75-2013 Transmitido para o endereço eletrônico: lpegorer@abmi.com.br Prezada Sra. Luciana, O breve parecer

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL

INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL INCENTIVOS FISCAIS, UMA VISÃO GERAL Danilo Brandani Tiisel danilo@socialprofit.com.br MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada e complexa: envolve marketing, comunicação,

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ALVARO DIAS I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 22, de 2011, do Senador Lindbergh Farias, que autoriza a União a conceder isenção fiscal,

Leia mais

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Tributário. Aula 05. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Tributário Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

O AVANÇO DA INJUSTIÇA TRIBUTÁRIA: CARRO NOVO NO DISTRITO FEDERAL É PARCIALMENTE ISENTO DE IPVA

O AVANÇO DA INJUSTIÇA TRIBUTÁRIA: CARRO NOVO NO DISTRITO FEDERAL É PARCIALMENTE ISENTO DE IPVA O AVANÇO DA INJUSTIÇA TRIBUTÁRIA: CARRO NOVO NO DISTRITO FEDERAL É PARCIALMENTE ISENTO DE IPVA Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade Católica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA

O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA O SEGURO DE VIDA COM COBERTURA POR SOBREVIVÊNCIA NO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO UMA ANÁLISE TRIBUTÁRIA O presente trabalho trata do seguro de vida com cobertura por sobrevivência, com especial enfoque

Leia mais

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro ICMS Ecológico Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais Wilson Loureiro Seminário Nacional sobre Pagamentos por Serviços Ambientais, 6, 7 e 8 de abril de 2009 Brasília Ministério

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos

ENTENDA OS IMPOSTOS. Impostos Diretos ou Indiretos, Progressivos ou Regressivos Página 1 de 10 ENTENDA OS IMPOSTOS As pessoas nem imaginam quão antiga é a origem dos tributos, estudos supõem que as primeiras manifestações tributárias foram voluntárias e feitas em forma de presentes

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENADOR DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, SENHOR JORGE AFONSO ARGELLO

EXCELENTÍSSIMO SENADOR DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, SENHOR JORGE AFONSO ARGELLO EXCELENTÍSSIMO SENADOR DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, SENHOR JORGE AFONSO ARGELLO Prezado Senador Gim Argello A UNICAM - União Nacional dos Caminhoneiros, em nome desta categoria de trabalhadores que

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I

EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO ICMS SP/2006 PARTE I Olá pessoal, com o intuito de auxiliá-los para a prova de AUDITOR do ICMS-SP/2006, seguem abaixo algumas questões que selecionei dos últimos concursos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) Institui o Programa Bicicleta Brasil, para incentivar o uso da bicicleta visando a melhoria das condições de mobilidade urbana. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA

DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA DIREITO FINANCEIRO JULIANA BRAGA CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO CONCEITO DE DIREITO FINANCEIRO Ciência das Finanças: estuda o fenômeno financeiro em geral, seus aspectos econômico,social; trata-se de uma

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Tributário II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno: 2798/A

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Tributário Professor Alessandro Spilborghs Data: 10/10/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 2: Princípios (continuação), Imunidade Tributaria. I. PRINCÍPIOS 1. Irretroatividade - Art. 150, III a CF A Lei Tributária não se aplica há fatos geradores anteriores a data

Leia mais

Exceção: Art. 156, 3º, II, CF c/c LC 116/03 Vedação da incidência de ISS na exportação de serviços para o exterior.

Exceção: Art. 156, 3º, II, CF c/c LC 116/03 Vedação da incidência de ISS na exportação de serviços para o exterior. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 12 Professor: Mauro Lopes Monitora: Carolina Meireles (continuação) 8) Princípio da vedação de isenção heterônoma Art. 151,

Leia mais

Atividade Financeira do Estado

Atividade Financeira do Estado Atividade Financeira do Estado O Estado desenvolve atividades políticas, econômicas, sociais, administrativas, financeiras, educacionais, policiais, com a finalidade de regular a vida humana na sociedade,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

Orientações sobre a definição e a notificação de «medida de caráter fiscal ou financeiro» para efeitos da Diretiva 98/34/CE

Orientações sobre a definição e a notificação de «medida de caráter fiscal ou financeiro» para efeitos da Diretiva 98/34/CE Orientações sobre a definição e a notificação de «medida de caráter fiscal ou financeiro» para efeitos da Diretiva 98/34/CE As presentes orientações representam exclusivamente o ponto de vista da Direção-Geral

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 1. CODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA Para melhor identificação da entrada dos recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina)

PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina) PROJETO DE LEI Nº de 2007 (Da Deputada Luiza Erundina) Cria isenção de Imposto de Renda para pessoas físicas beneficiárias de ações de cunho previdenciário e assistencial. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS

Aula 04 IMPOSTOS FEDERAIS IMPOSTOS FEDERAIS 1- IMPOSTO SOBRE IMPORTAÇÃO (II) É um tributo extrafiscal, pois sua finalidade principal não é arrecadar, mas sim controlar o comércio internacional (intervenção no domínio econômico)

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Guilherme Campos) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2007 (Do Sr. Guilherme Campos) Institui incentivos fiscais para a aquisição de bens e prestação de serviços necessários para a utilização de energia solar, eólica ou outras formas

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO.

ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. ILEGALIDADE NA INSTITUIÇÃO E COBRANÇA DE ICMS PELO ESTADO DO AMAZONAS: REGIME DE ESTIMATIVA E REGIME DE ANTECIPAÇÃO. Júlio Yuri Rodrigues Rolim Advogado OAB/CE 27.575 O Imposto sobre Circulação de Mercadorias

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Receita Orçamentária: conceitos, codificação e classificação 1 Para melhor identificação dos ingressos de recursos aos cofres públicos, as receitas são codificadas e desmembradas nos seguintes níveis:

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO ASSUNTO: Consulta Operações personalizadas de vendas que realiza. PARECER Nº 097/06/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE VENDAS PERSONALIZADAS PELO SENAC-RO À EXCEÇÃO DAS VENDAS DE LIVROS, QUE GOZAM DE

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE

A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE A CARGA TRIBUTÁRIA DE 2013 E O PACOTE DE ELEVAÇÃO DE TRIBUTOS: A PROFUNDA INJUSTIÇA FISCAL BRASILEIRA PERSISTE Aldemario Araujo Castro Mestre em Direito Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade

Leia mais

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos:

Ciências Econômicas. O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: Ciências Econômicas Padrão de Resposta O estudante deve redigir texto dissertativo, abordando os seguintes tópicos: A A ideia de que desenvolvimento sustentável pode ser entendido como proposta ou processo

Leia mais

Grupo da Qualidade. Grupos de Trabalho

Grupo da Qualidade. Grupos de Trabalho Grupos de Trabalho Grupo da Qualidade A finalidade do Grupo da Qualidade é promover ações para discussão e melhoria do sistema de gestão da qualidade das empresas associadas ao Sindipeças. Coordenador:

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS

CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS A DISTÂNCIA- EAD PARA SERVIDORES DO TCE E JURISDICIONADOS CATÁLOGO DE AÇÕES EDUCACIONAIS DA ESCOEX PREVISTOS - 2013 CURSOS - EAD PARA SERVIDORES DO TCE E CURSOS OBJETIVO PÚBLICO-ALVO CARGA HORÁRIA N. DE VAGAS MODALIDADE 1. As Novas Normas de Contabilidade Aplicada

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 TRIBUTOS Modalidades 1 MODALIDADES DE TRIBUTOS Como vimos tributo seria a receita do Estado, que pode estar ou não vinculada a uma contra-prestação. Entretanto existem

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS

PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS PLANO BRASIL MAIOR MEDIDAS TRIBUTÁRIAS REINTEGRA Medida Incentivo fiscal à exportação. Beneficiados Pessoa jurídica produtora que efetue exportação direta ou indireta. Condições Exclusivo para bens manufaturados

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário.

Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário. Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Tributário Tributos Federais Carga Horária: 56 h/a 1- Ementa Repartição de competência

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional:

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam a seguinte emenda constitucional: PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 Dispõe sobre o Imposto Sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal promulgam

Leia mais

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda:

Art. 3º A informação a que se refere o art. 2º compreenderá os seguintes tributos, quando influírem na formação dos preços de venda: DECRETO Nº 8.264, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Regulamenta a Lei nº 12.741, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe sobre as medidas de esclarecimento ao consumidor quanto à carga tributária incidente sobre mercadorias

Leia mais

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013

57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 Araxá, 08/03/13 57º Fórum Mineiro de Gerenciadores de Transporte e Trânsito 07 e 08 de Março de 2013 O Futuro do Transporte Urbano nas Cidades de Pequeno e Médio Porte Compete à União: XX instituir diretrizes

Leia mais

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES

Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES Olá, pessoal! Neste ponto, trago uma pequena noção sobre alguns conceitos importantes para um melhor entendimento de temas futuros, ok! 1.4.5. CONCEITOS IMPORTANTES 1. FATO GERADOR/ HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA;

CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE SER RENDA; DOS IMPOSTOS (CONTINUAÇÃO) IMPOSTO SOBRE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA ENCONTRA-SE PREVISTO NO ARTIGO 153, INCISO III, DA C.F.. CONCEITO DE RENDA DO PONTO DE VISTA JURÍDICO-TRIBUTÁRIO, PRESSUPÕE

Leia mais

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO

REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO Definição Regime Especial de Tributação (RET) é um processo administrativo por meio do qual a SEF concede, em caráter individual, tratamento especial ao contribuinte, considerando

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis

Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis Instrumentos Econômicos: Licenças Negociáveis O sistema de licenças negociáveis é um tipo especifico de direito de propriedade. O direito de propriedade consiste em uma licença por meio da qual os agentes

Leia mais

NÃO CUMULATIVIDADE: DO MITO TEÓRICO À OPERACIONALIZAÇÃO CONCRETA

NÃO CUMULATIVIDADE: DO MITO TEÓRICO À OPERACIONALIZAÇÃO CONCRETA Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas DIREITO GV NÃO CUMULATIVIDADE: DO MITO TEÓRICO À OPERACIONALIZAÇÃO CONCRETA Lívia Freitas Xavier Pós-graduanda latu sensu em Direito Tributário

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB

PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB DIREITO TRIBUTÁRIO RIO 4ª PARTE CARACTERÍSTICAS CONSTITUCIONAIS DOS IMPOSTOS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com DOS IMPOSTOS DA UNIÃO Art. 153. Compete

Leia mais

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão

Especial Área Fiscal Direito Tributário Professor Irapuã Beltrão 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? Em primeiro lugar, deve ser elaborado algum tipo de planejamento de estudo, com reserva de tempo para aulas num bom curso

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III.

PROGRAMA DE DISCIPLINA IV - OBJETIVOS ARTEC. I Curso DIREITO. II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PROGRAMA DE DISCIPLINA I Curso DIREITO II Disciplina DIREITO E LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA I (D-53) III. PRÉ-Requisito DIREITO FINANCEIRO ECONOMICO (D-46) Área: Ciências Sociais Ano: 2013.1 IIII Ementa Período:

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014

Reforma da Fiscalidade Verde. 16 de outubro 2014 Reforma da Fiscalidade Verde 16 de outubro 2014 OBJETIVOS: Reduzir a dependência energética do exterior Induzir padrões de produção e de consumo mais sustentáveis, reforçando a liberdade e responsabilidade

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais