1.1. Enumere as principais características e tendências da distribuição alimentar em Portugal.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1. Enumere as principais características e tendências da distribuição alimentar em Portugal."

Transcrição

1 CAPÍTULO Enumere as principais características e tendências da distribuição alimentar em Portugal Enumere as principais contribuições que a distribuição moderna trouxe ao nível da garantia da segurança alimentar Discuta as principais diferenças entre os diferentes modelos de canais de distribuição alimentar Descreva cinco más práticas por parte do consumidor nos pontos de venda e como estas podem influir na qualidade e segurança alimentar dos produtos comercializados Identifique cinco perigos potenciais associados às etapas de transporte de produtos alimentares Para cada um dos cinco perigos potenciais identificados na questão anterior, associados às etapas de transporte, identifique as medidas de controlo que considera apropriadas para reduzir ou eliminar a probabilidade de ocorrência desses perigos Identifique dos cinco perigos potenciais associados às etapas de armazenamento de produtos alimentares Para cada um dos cinco perigos potenciais identificados na questão anterior, associados às etapas de armazenamento, identifique as medidas de controlo que considera apropriadas para reduzir ou eliminar a probabilidade de ocorrência desses perigos Identifique quatro perigos potenciais associados à etapa de colocação dos produtos alimentares à disposição do consumidor no ponto de venda Para cada um dos quatro perigos potenciais identificados na questão anterior, associados à etapa de colocação dos produtos alimentares à disposição do consumidor no ponto de venda, identifique as medidas de controlo que considera apropriadas para reduzir ou eliminar a probabilidade de ocorrência desses perigos.

2 CAPÍTULO Enumere os principais aspectos a ter em consideração na selecção de um local para implantação de uma instalação de distribuição de produtos alimentares Enumere os principais factores que determinam a configuração e a dimensão de uma instalação de armazenamento refrigerada Enumere quais os principais aspectos a ter em consideração na concepção de instalação de armazenamento e distribuição de produtos refrigerados Através de que tipo de superfícies pode uma instalação de refrigeração trocar calor com o exterior? 2.5. Enumere as principais áreas que uma instalação de refrigeração deve ter Enumere as principais vantagens da existência de cais de carga e descarga refrigerados Identifique situações em que a existência de mangas em torno das áreas de acostagem de camiões não constitui uma mais valia significativa em termos de segurança alimentar Em que medida é que a concepção dos pavimentos é importante em termos de segurança alimentar? 2.9. Que factores devem ser tidos em consideração na selecção de uma porta para um armazém de refrigeração? Que tipos de isolamento podem ser considerados para isolar paredes numa instalação de refrigeração?

3 CAPÍTULO Justifique a importância dos sistemas de refrigeração na conservação de produtos alimentares Enumere as principais características que os fluidos frigorigéneos devem possuir Quais os principais fluidos frigorigéneos que podem ser considerados actualmente em sistemas de refrigeração associados a produtos alimentares? 3.4. Analise comparativamente os fluidos frigorigéneos R12 e R134a e conclua se o R134a é um bom substituto do R Que características possui o amoníaco que o tornam uma opção não adequada em sistemas de refrigeração na área alimentar? 3.6. Quais as características que um fluido frigorigéneo deve possuir que são relevantes em termos de segurança alimentar? 3.7. Descreva o ciclo de refrigeração Enumere os componentes essenciais de um sistema de refrigeração por compressão de vapor Identifique os equipamentos de regulação e de controlo mais usuais Quais os factores que influenciam o ciclo de refrigeração de modo que este se afaste da idealidade?

4 CAPÍTULO Identifique quais os principais tipos de equipamentos expositores refrigerados Em que situações é que normalmente se recorre à utilização de expositores verticais? 4.3. Para alimentos congelados que tipos de equipamentos expositores são normalmente utilizados? 4.4. Que tipo de características gerais devem ser tidas em consideração na concepção de expositores refrigerados? 4.5. Em que medida, na concepção de expositores refrigerados, deve-se ter em consideração elementos de marketing? Justifique Em que situações se justifica, em balcões frigoríficos verticais abertos, cortinas de ar tripla em alternativa a cortinas de ar simples? 4.7. Identifique o tipo de expositores que recomendaria para os seguintes produtos lácteos: iogurtes e queijos. Justifique Identifique o tipo de expositor que recomendaria para pescado ultracongelado. Justifique Identifique o tipo de expositor que recomendaria para produtos cárnicos refrigerados. Justifique Identifique o tipo de expositor que recomendaria para produtos hortofrutícolas minimamente processados. Justifique.

5 CAPÍTULO Enumere as cargas térmicas a que um equipamento expositor refrigerado está sujeito Qual das cargas térmicas identificadas tem uma maior preponderância nos equipamentos expositores abertos? 5.3. Quais os factores que podem influenciar a carga térmica por infiltração de ar ambiente? 5.4. Em que medida é que a temperatura do ar ambiente influencia a carga térmica por infiltração do ar ambiente? 5.5. Ao que corresponde a carga térmica por transmissão num equipamento expositor refrigerado? 5.6. O que entende por cargas térmicas internas num equipamento expositor refrigerado? 5.7. Em que situação a carga térmica dos produtos alimentares pode influenciar a eficiência do funcionamento de um expositor refrigerado? 5.8. Que tipo de produtos têm associados uma maior carga térmica ao próprio produto? 5.9. Que tipos de mecanismos de descongelação podem existir em equipamentos expositores refrigerados? Que tipo de resistências eléctricas podem existir num expositor refrigerado que comportem uma carga térmica a remover pelo equipamento?

6 CAPÍTULO Em que medida os requisitos de segurança alimentar podem determinar melhorias e novos desenvolvimentos ao nível dos equipamentos expositores refrigerados? 6.2. Na sua opinião é possível conciliar o reforço da segurança alimentar com a melhoria da eficiência energética dos equipamentos expositores refrigerados? Justifique Quais as principais barreiras ao desenvolvimento de equipamentos de refrigeração com desempenhos térmicos optimizados? 6.4. Como é que as alterações climáticas poderão, a médio prazo, influenciar os requisitos associados aos equipamentos expositores refrigerados? 6.5. Quais os tipos de expositores refrigerados menos eficientes e que, por esse motivo, apresentam um maior potencial de melhoria ao nível da eficiência energética? 6.6. Quais as principais tendências futuras ao nível dos sistemas de refrigeração? 6.7. Como é que pode ser possível a redução da carga térmica por radiação térmica num expositor refrigerado? 6.8. Quais as medidas que podem ser tomadas, ao nível da concepção dos equipamentos, para reduzir a carga térmica por infiltração do ar ambiente? 6.9. Quais as principais melhorias que poderão ser consideradas no componente evaporador de equipamentos expositores refrigerados? Quais os outros componentes nos quais é possível considerar desenvolvimentos que contribuam para a melhoria da eficiência energética dos expositores refrigerados?

7 CAPÍTULO Qual o Regulamento Comunitário que estabelece as normas de comercialização aplicáveis às frutas e produtos hortícolas frescos no respeitante à apresentação e marcação? 7.2. Qual o Regulamento Comunitário relativo ao controlo de conformidade com as normas de comercialização aplicáveis no sector das frutas e produtos hortícolas frescos? 7.3. Qual a legislação que aprova o Regulamento das Condições Higiénicas e Técnicas a observar na distribuição e venda de carnes e seus produtos? 7.4. Qual a legislação que define as condições a que deve obedecer a preparação e venda de carnes picadas para consumo humano? 7.5. Qual a legislação na qual se encontram regulamentadas as normas sanitárias aplicáveis à produção e colocação no mercado de leite tratado termicamente, destinado ao consumo humano? 7.6. Qual a legislação que estabelece as condições a que deve obedecer a comercialização de produtos da pesca e aquicultura, congelados, ultracongelados e descongelados? 7.7. Qual a legislação que estabelece a regime de rastreabilidade e de controlo das exigências de informação ao consumidor a que está sujeita a venda a retalho de produtos da pesca e da aquicultura? 7.8. Qual a legislação que estabelece as normas relativas à comercialização de pescado frescos? 7.9. Qual a legislação que estabelece as normas de comercialização aplicáveis aos ovos? Qual a legislação que estabelece o regime a que está sujeito a instalação de estabelecimentos de comércio (licenciamento de construção ou utilização de edifícios ou suas fracções) ou armazenagem de produtos alimentares (excepto estabelecimentos de restauração e de bebidas)? NOTA: Questão para resposta com recurso à consulta do respectivo manual técnico.

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte?

1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? CAPÍTULO 1 1.1. Quais os principais princípios para a escolha do transporte? 1.2. Quais os principais danos que podem ocorrer nos produtos alimentares durante o transporte? 1.3. Em que medida a respiração

Leia mais

Construção Sustentável

Construção Sustentável Construção Sustentável O Sistema de Certificação Energética e o seu Impacto Jornadas Certiel 2010, 16 Abril Sistema de Certificação Energética e de QAI Regulamentação dos edifícios Certificados Energéticos

Leia mais

O que é? HACCP Obrigação legal. HACCP Conceitos Gerais e aplicação na produção alimentar

O que é? HACCP Obrigação legal. HACCP Conceitos Gerais e aplicação na produção alimentar VI Fórum Nacional de Apicultura Lousã, 17 de Setembro de 200 HACCP Conceitos Gerais e aplicação na produção alimentar João Freire de Noronha CERNAS DCTA Escola Superior Agrária de Coimbra www.esac.pt/noronha

Leia mais

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes Definição de Alimento De acordo com o Código Nacional de Saúde, Decreto-Lei 986/1969, alimento é toda substância ou mistura de substâncias, no estado

Leia mais

PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS

PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS PREPARATIVOS PARA A NOVA LEGISLAÇÃO SOBRE EFICIÊNCIA E ROTULAGEM ENERGÉTICAS ATLANTIC E A NOVA NORMATIVA ENERGÉTICA Há mais de 40 anos que a Atlantic investiga e desenvolve, diariamente, soluções para

Leia mais

Esta importância reflete-se no elevado peso do Ar Comprimido nos custos energéticos das empresas.

Esta importância reflete-se no elevado peso do Ar Comprimido nos custos energéticos das empresas. O ar comprimido apresenta uma elevada importância na indústria, sendo utilizado num conjunto alargado de setores industriais com diversos tipos de aplicações. Esta importância reflete-se no elevado peso

Leia mais

LEGISLAÇÃO SANITÁRIA FEDERAL DE LEITE E DERIVADOS

LEGISLAÇÃO SANITÁRIA FEDERAL DE LEITE E DERIVADOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS LEGISLAÇÃO SANITÁRIA

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Especificação funcional Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho de novembro de 2011 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

PAVIMENTOS E REVESTIMENTOS Sika FloorJoint INOVADORA JUNTAS SEM RUÍDO E VIBRAÇÃO

PAVIMENTOS E REVESTIMENTOS Sika FloorJoint INOVADORA JUNTAS SEM RUÍDO E VIBRAÇÃO PAVIMENTOS E REVESTIMENTOS Sika FloorJoint INOVADORA JUNTAS SEM RUÍDO E VIBRAÇÃO Sika FloorJoint Junta Inovadora sem vibração, silenciosa e de rápida entrada em serviço. O RUÍDO E A SENSAÇÃO ao passar

Leia mais

Obrigações Legais dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de apoio social

Obrigações Legais dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de apoio social SEMINÁRIO GUARDA 17 de Junho de 2016 Obrigações Legais dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de apoio social Filomena Duros Inspetora da Delegação da ASAE de Castelo Branco D.L nº 33/2014 de 4 de

Leia mais

Higiene e Segurança Alimentar

Higiene e Segurança Alimentar Higiene e Segurança Alimentar Romana Neves Médica Veterinária Direcção de Serviços de Qualidade e Segurança Alimentar Direcção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural Santa Cruz, 10 de Maio de

Leia mais

ENERGIA SOLAR E AQUECIMENTO EM EDIFÍCIOS

ENERGIA SOLAR E AQUECIMENTO EM EDIFÍCIOS ENERGIA SOLAR E AQUECIMENTO EM EDIFÍCIOS Maio de 2006 enquadramento legal / regulamentar publicada recentemente nova legislação há muito aguardada enquadramento legal / regulamentar... SCE Dec. Lei nº

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA. Licenciamento industrial

CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA. Licenciamento industrial CÂMARA MUNICIPAL DE ALBUFEIRA Licenciamento industrial Sistema da Indústria Responsável - SIR (Decreto-Lei n.º 73/2015, de 11/5, com entrada em vigor em 1/06/2015) Eng.ª Jaquelina Ventura Albufeira, 12

Leia mais

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Junho 2013 á Em Portugal, a produção nacional de bens alimentares assegura cerca de 70% do consumo, gera aproximadamente 2% do PIB

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA SAÚDE E NAS INFRAESTRUTURAS SOCIAIS QUE CONTRIBUAM PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL, REGIONAL E LOCAL, PARA A REDUÇÃO

Leia mais

GUIA PARA A REABILITAÇÃO CLIMATIZAÇÃO. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

GUIA PARA A REABILITAÇÃO CLIMATIZAÇÃO. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus GUIA PARA A REABILITAÇÃO CLIMATIZAÇÃO PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria Oliveira & Irmão, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1. Anomalias no Funcionamento do Sistema

Leia mais

Sistemas Geotérmicos no Brasil Desafios e Oportunidades Edison Tito Guimarães Datum 24/02/2016 - Rio de Janeiro

Sistemas Geotérmicos no Brasil Desafios e Oportunidades Edison Tito Guimarães Datum 24/02/2016 - Rio de Janeiro Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers Sistemas Geotérmicos no Brasil Desafios e Oportunidades Edison Tito Guimarães Datum 24/02/2016 - Rio de Janeiro Execução Implementação

Leia mais

Conveni-Pack. Sistema integrado para refrigerados, congelados, aquecimento e climatização. Redução do consumo. Reduzidas emissões de CO 2

Conveni-Pack. Sistema integrado para refrigerados, congelados, aquecimento e climatização. Redução do consumo. Reduzidas emissões de CO 2 Conveni-Pack Redução do consumo de energia até 50%! Sistema integrado para refrigerados, congelados, aquecimento e climatização Reduzidas emissões de CO 2 Para instalações de pequena e média dimensão Poupança

Leia mais

Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid)

Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid) ISOLAR NEUTRALUX Edifício de escritórios em Josefa Valcárcel, 40 (Madrid) Vidros Câmara de ar Capa metálica Perfil separador Primeira barreira de selagem (Butil) Tamis molecular (Desidratante) Segunda

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 3 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Central Objetivos Específicos: Os apoios têm

Leia mais

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Aplicação Aérea. Foto: C. Machado

Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos. Aplicação Aérea. Foto: C. Machado Seminário Uso Sustentável de Produtos Fitofarmacêuticos Aplicação Aérea Foto: C. Machado É proibida a aplicação aérea de produtos fitofarmacêuticos em todo o território nacional São admitidas derrogações

Leia mais

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 1,62 mm Factor de redução r Cu 0,2

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 1,62 mm Factor de redução r Cu 0,2 0102 Designação para encomenda Características 2 mm nivelado Pode ser aplicado até SIL 2 conforme IEC 61508 Dados técnicos Dados gerais Função do elemento de comutação Contacto de ruptura NAMUR Intervalo

Leia mais

Segurança Alimentar. Parasitas nos produtos da pesca

Segurança Alimentar. Parasitas nos produtos da pesca Segurança Alimentar Direção Geral de Alimentação e Veterinária Parasitas nos produtos da pesca Esclarecimento 1/2014 Resumo: Clarificam-se as regras aplicáveis ao controlo de parasitas nos produtos da

Leia mais

Resistência térmica de contato

Resistência térmica de contato Experiência 5: estudo dos processos de transferência de calor na interface entre dois sólidos pedaço de porta de geladeira. o que observar:!"como é a área de contato entre as superfícies sólidas constante,

Leia mais

Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão

Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão Seminário Evolução da marcação Certificação do Controlo da Produção das Centrais de Betão João André Produção e controlo do betão Marcos históricos principais RBLH Anos 70, 80 e 90 (até 1996, formalmente);

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. PROJECTO DE ARQUITECTURA Equipamento com função de apoio de praia

MEMÓRIA DESCRITIVA. PROJECTO DE ARQUITECTURA Equipamento com função de apoio de praia REMODELAÇÃO E ALTERAÇÃO DO EDIFÍCIO A ONDA Praia da Nazaré - Nazaré. MEMÓRIA DESCRITIVA PROJECTO DE ARQUITECTURA Equipamento com função de apoio de praia 1. DESCRIÇÃO E JUSTIFICAÇÃO DA PROPOSTA Refere-se

Leia mais

maior lucro menores custos

maior lucro menores custos maior lucro menores custos aumente os lucros da sua empresa através da eficiência energética O setor industrial é responsável por 43% do consumo anual de energia em nosso país. Dentro deste setor, onde

Leia mais

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do

5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do 5. PROCEDIMENTOS 5.1 Processo de Avaliação de Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares O processo de avaliação e visita deve ser orientado pela aplicação do Manual Brasileiro de Acreditação das

Leia mais

ACSS. Instalações frigoríficas em edifícios hospitalares ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para.

ACSS. Instalações frigoríficas em edifícios hospitalares ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para. Guia para Especificações técnicas para Instalações frigoríficas em edifícios hospitalares ET 09/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

Perspectiva Para as Frutas Minimamente Processadas. IBRAF Moacyr Saraiva Fernandes

Perspectiva Para as Frutas Minimamente Processadas. IBRAF Moacyr Saraiva Fernandes Perspectiva Para as Frutas Minimamente Processadas IBRAF Moacyr Saraiva Fernandes 1. O QUE SÃO FRUTAS MINIMAMENTE PROCESSADAS? - São frutas individualmente ou em combinação, que foram fisicamente alterados

Leia mais

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior

NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior NET ZERO ENERGY BUILDING Adeilton Hilário Júnior 1 - PREOCUPAÇÃO AMBIENTAL MUNDIAL O aquecimento global é um dos mais graves problemas com que se depara o Planeta Terra. Aumento da concentração de gases

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

Ligações entre Agricultura, Nutrição, e Segurança Alimentar: Como Beneficiar do Crescimento Agrícola

Ligações entre Agricultura, Nutrição, e Segurança Alimentar: Como Beneficiar do Crescimento Agrícola Ligações entre Agricultura, Nutrição, e Segurança Alimentar: Como Beneficiar do Crescimento Agrícola Lourdes Fidalgo, ANSA Diálogo sobre Promoção de Crescimento Agrário em Moçambique 21 de Julho 2011,

Leia mais

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão Estruturas Pré-fabricadas em Betão Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

Resposta da REN Gasodutos à:

Resposta da REN Gasodutos à: Resposta da REN Gasodutos à: CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE RECONHECIMENTO MÚTUO DAS LICENÇAS DE COMERCIALIZAÇÃO NO MERCADO IBÉRICO DE GÁS NATURAL (MIBGAS) A REN reconhece a importância da harmonização

Leia mais

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR Miguel Coutinho PROJECTO ADAPTAÇÃO efeitos impactos MITIGAÇÃO CLIMA Adaptação: um conceito darwinista Diversidade genética Adaptação: um conceito

Leia mais

Evaporadores, Serpentinas e Resfriadores

Evaporadores, Serpentinas e Resfriadores Evaporador é o agente direto de resfriamento = é a interface entre o processo e o circuito frigorífico A maioria dos evaporadores refria o ar ou líquidos que serão os agentes de resfriamento no processo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 28.5.2008 COM(2008) 336 final 2008/0108 (CNS) Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 1234/2007 que estabelece uma organização

Leia mais

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS

TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS TELAS DE SOMBREAMENTO NO CULTIVO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS Andréia Cristina Silva Hirata Eng. Agr., Doutora, Pesquisadora científica do Polo Regional Alta Sorocabana/APTA andreiacs@apta.sp.gov.br Edson Kiyoharu

Leia mais

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH

Curso de Certificação de Projetista de Térmica- REH Nome: TODAS AS RESPOSTAS DEVERÃO SER JUSTIFICADAS Grupo 1 (7,5 valores) Considere as peças desenhadas anexas correspondentes ao projeto de uma moradia a construir no concelho de Alcochete, a uma altitude

Leia mais

FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES

FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091 ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL ATIVIDADES DE TATUAGEM E SIMILARES CAE REV_3: 96091

Leia mais

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME)

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) Projecto Simplificado de Inovação Dezembro de 2011 2 Enquadramento: Apoiar de forma simplificada a aquisição de

Leia mais

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira. Processos de registo e homologação prévia à exportação para o Brasil Área Alimentar

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira. Processos de registo e homologação prévia à exportação para o Brasil Área Alimentar Câmara de Comércio e Indústria Luso-Brasileira Processos de registo e homologação prévia à exportação para o Brasil Área Alimentar 21 de janeiro de 2014 APRESENTAÇÃO A ANCIPA (Associação Nacional de Comerciantes

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO PRODUÇÃO ARTIFICIAL DO FRIO

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO PRODUÇÃO ARTIFICIAL DO FRIO 1 CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO FRIO PRODUÇÃO ARTIFICIAL DO FRIO O frio industrial é produzido pela expansão de um gás, que tenha um baixo ponto de ebulição. Tabela 6.1. O gás escolhido é mantido sob pressão,

Leia mais

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto 3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS 3.1 Sistema Direto No sistema direto, as peças de utilização do edifício estão ligadas diretamente aos elementos que constituem o abastecimento, ou seja, a instalação é a própria

Leia mais

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação IV.. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos Tipologia de Investimento Eixo IV IV. Objectivo Consolidar a cobertura regional das infra-estruturas e equipamentos

Leia mais

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO

ENASE 2007 TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO ENASE 2007 A EXPANSÃO DA OFERTA E A SEGURANÇA DO ABASTECIMENTO TRANSMISSÃO DE ENERGIA: CENÁRIO ATUAL E EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO SETEMBRO DE 2007 SEGMENTO DA TRANSMISSÃO Dois mundos: Expansão / novas instalações

Leia mais

especificação das características de desempenho térmico de janelas, portas e fachadas leves com vidro

especificação das características de desempenho térmico de janelas, portas e fachadas leves com vidro DepARTAmenTO de EDIFÍCIOS Núcleo de Acústica, Iluminação, Componentes e Instalações Proc. 0809/11/17795 especificação das características de desempenho térmico de janelas, portas e fachadas leves com vidro

Leia mais

Monitorização de Energia

Monitorização de Energia Implementação de um Sistema de A definição de uma estratégia otimizada para a implementação de um sistema de gestão de energia é um dos grandes desafios para a obtenção da eficiência energética, determinante

Leia mais

Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma.

Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma. WWW.CS-TELHAS.PT Fachada Plasma, um novo tipo de fachada ventilada, cujo revestimento exterior é constituído por telhas cerâmicas Plasma. Plasma TX1, cor Antracite e Plasma TX2, cor Cinza Aço. As fachadas

Leia mais

E o que estamos fazendo sobre os pneus?

E o que estamos fazendo sobre os pneus? PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I PNEUS Vamos aos pneus! E o que estamos fazendo sobre os pneus? - O CONPET, programa criado pelo Governo Federal em 1991 e executado pela Petrobras, promove a eficiência

Leia mais

Ampla gama de bebidas Todas as possibilidades resultam da combinação de diferentes mesclas de café, leite fresco e chocolate.

Ampla gama de bebidas Todas as possibilidades resultam da combinação de diferentes mesclas de café, leite fresco e chocolate. OS MODELOS Nextage Master Top Nextage Master Duo Nextage Master Standard Nextage Master Horeca Gama completa de bebidas Ampla gama de bebidas Ampla gama de bebidas Ampla gama de bebidas Todas as possibilidades

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.1. Ensaios in situ. Eduardo S. Júlio 2011/2012 1/31 1/9 AVALIAÇÃO IN SITU DA

Leia mais

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores.

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores. Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores www.arena.com.pt arena@arena.com.pt População:241.000 habitantes Área:2.322 km 2 PIB: 1,7% de Portugal PIB per capita: 8.100 (70% de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I Eu tenho três filhos e nenhum dinheiro... Porque eu não posso ter nenhum filho e três dinheiros? - Homer J. Simpson UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Leia mais

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS

ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE ESPECIALISTAS NA CADEIA DE FRIO  RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ESPECIALISTAS EM SISTEMAS PARA MANUTENÇÃO DA CADEIA DE FRIO RESOLVEMOS PONTOS CRÍTICOS ADVANCED PRODUCTS SOLUÇÕES PARA A QUALIDADE NO TRANSPORTE CADEIA DE FRIO SOLUÇÕES PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS ALIMENTARES

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA ENGENHEIRO TAVARES DA SILVA, 107, 3º DTO POS Localidade ANADIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA ENGENHEIRO TAVARES DA SILVA, 107, 3º DTO POS Localidade ANADIA Válido até 14/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA ENGENHEIRO TAVARES DA SILVA, 107, 3º DTO POS Localidade ANADIA Freguesia ARCOS Concelho ANADIA GPS 40.437279, -8.438974 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP

PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP SIMILARIDADES E DIFERENÇAS ENTRE HACCP E ANÁLISE DE RISCOS BERNADETTE DGM FRANCO FCF / USP PERIGO? AVALIAÇÃO DE RISCOS?? ANÁLISE DE PERIGOS? ANÁLISE DE RISCOS? RISCO? HACCP Conceitos Fundamentos da Análise

Leia mais

DDS Prevenção de Quedas. Prevenção de Quedas

DDS Prevenção de Quedas. Prevenção de Quedas Prevenção de Quedas 1 Os escorregões, tropeções e quedas se constituem na causa mais frequente de acidentes no setor industrial desde a indústria de transformação pesada ao trabalho de escritório. A Agência

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A. PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A. PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL COZINHEIRO/A PERFIL PROFISSIONAL Cozinheiro/a Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO - Preparar, cozinhar

Leia mais

PATOLOGIA DO BETÃO ARMADO

PATOLOGIA DO BETÃO ARMADO PATOLOGIA DO BETÃO ARMADO Anomalias e Mecanismos de Deterioração António Costa Instituto Superior Técnico As estruturas de betão são duráveis!? Nenhum material é por si próprio prio durável; é a interacção

Leia mais

DIRETIVA MÁQUINAS. Intervenção Inspetiva. Carlos Montemor

DIRETIVA MÁQUINAS. Intervenção Inspetiva. Carlos Montemor DIRETIVA MÁQUINAS Intervenção Inspetiva Carlos Montemor 1. A Diretiva Máquinas 2. Âmbito de aplicação da Diretiva Máquinas 3. Responsabilidade do fabricante ou seu mandatário 4. Metodologia de intervenção

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização ALOJAMENTO LOCAL

Ficha Técnica de Fiscalização ALOJAMENTO LOCAL FTF: PPC/01//16 Versão: 01/ IDENTIFICAÇÃO Representante legal/proprietário/explorador Nº de registo /AL ASSINALAR A MODALIDADE DE Moradia Modalidade Apartamento Estabelecimento de Hospedagem (unidades

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

Turismo no Espaço Rural Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto

Turismo no Espaço Rural Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto Turismo no Espaço Rural Portaria nº 937/2008, de 20 de Agosto (atualizada em Abril 2016) Turismo no Espaço Rural 1. Os proprietários ou entidades exploradoras ou dos seus representantes podem ou não residir

Leia mais

PCC LIMITES CRÍTICOS

PCC LIMITES CRÍTICOS PLANO HACCP SUMÁRIO RECEPÇÃO DAS MATÉRIAS- PRIMAS Biológico: Presença e desenvolvimento de microrganismos em produtos: 1. fora da data de validade, 2. entregues a s incorrectas, 3. com embalagem deficiente

Leia mais

TROX FICHA TÉCNICA TABELAS DE SELEÇÃO RÁPIDA - GRELHAS- JANEIRO 2014 GRELHAS NA SITUAÇÃO DE INSUFLAÇÃO - COM EFEITO DE TECTO (1) (1)

TROX FICHA TÉCNICA TABELAS DE SELEÇÃO RÁPIDA - GRELHAS- JANEIRO 2014 GRELHAS NA SITUAÇÃO DE INSUFLAÇÃO - COM EFEITO DE TECTO (1) (1) TABELAS DE SELEÇÃO RÁPIDA - GRELHAS GRELHAS NA SITUAÇÃO DE INSUFLAÇÃO - COM EFEITO DE TECTO (1) NOTA: As grelhas com comprimento L = 1025 podem ser tomadas como referência para as grelhas lineares. As

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS ATIVIDADE URBANÍSTICA E OPERAÇÕES CONEXAS - 2014

TAXAS MUNICIPAIS ATIVIDADE URBANÍSTICA E OPERAÇÕES CONEXAS - 2014 CAPÍTULO II - SECÇÃO II - QUADRO I 1 Taxa a cobrar pela análise do requerimento inicial de informação prévia sobre as operações urbanísticas previstas no n.º 1, e n.º 2, para 1 unidade de ocupação, exceção

Leia mais

URE Edifícios. URE - Edifícios. 1

URE Edifícios. URE - Edifícios. 1 URE Edifícios URE - Edifícios. 1 Introdução Edifícios, Para Quê? Proporcionar condições de conforto aos utentes. URE - Edifícios. 2 Edifícios - Situação Portuguesa Conforto Pode afirmar-se que, apesar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA Nº 07, DE 19 DE MAIO DE 2010. O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA, no uso de suas atribuições,

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA Nº 07, DE 19 DE MAIO DE 2010. O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA, no uso de suas atribuições, INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA Nº 07, DE 19 DE MAIO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA, no uso de suas atribuições, TENDO EM VISTA o art. 87 da Constituição Federal, e de acordo com o disposto

Leia mais

recuperador de calor insert

recuperador de calor insert recuperador de calor insert O Recuperador de Calor é uma câmara de combustão em ferro fundido fechada, com porta em vidro cerâmico. Ao contrário da lareira aberta tradicional, onde 90% do calor simplesmente

Leia mais

Taxonomização de Factores. Regras de taxonomização. Individuo Tarefa Envolvimento. Individuais Sociais Culturais

Taxonomização de Factores. Regras de taxonomização. Individuo Tarefa Envolvimento. Individuais Sociais Culturais Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 2/1 Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 2/2 Objectivos Conhecer os diferentes factores que influenciam a aprendizagem. Perceber quais os efeitos observados

Leia mais

...acabe com o trabalho sujo

...acabe com o trabalho sujo ...acabe com o trabalho sujo ...acabe com o stress Preparação Misturar o Adesivo Colar Equipamento de Limpeza Limpar 1. Soudabond Easy: Aplicações 1. Aplicações 1. Acabamentos interiores: Painéis de gesso,

Leia mais

Já conhece o ciclo de Eficiência Energética nos edifícios?

Já conhece o ciclo de Eficiência Energética nos edifícios? Já conhece o ciclo de Eficiência Energética nos edifícios? Encontramo-nos perante o dilema da energia, em que temos de reduzir para metade as emissões de CO2, de modo a evitar o aquecimento global do planeta,

Leia mais

PT CONSERVAÇÃO DO FRIO

PT CONSERVAÇÃO DO FRIO PT CONSERVAÇÃO DO FRIO CONSERVAÇÃO DO FRIO Uma reserva de alimento sempre fresca e pronta Alimentos crus ou cozidos, o importante é conseguir conservá-los de modo ideal até o momento da utilização ou do

Leia mais

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Programa de formação sobre a aplicação de MÓDULO IV SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS TEMA 1 ASPECTOS TOXICOLÓGICOS DA APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊTICOS TENDO EM CONSIDERAÇÃO A

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO REPUBLICADA EM 04-06-09 SEÇÃO I PÁG. 44 RESOLUÇÃO SMA Nº 31, DE 19 DE MAIO DE 2009 Dispõe sobre os procedimentos para análise dos pedidos de supressão de vegetação nativa para parcelamento

Leia mais

Sistemas de Cogeração Aplicação em Edifícios. (2007-2008) L. Roriz

Sistemas de Cogeração Aplicação em Edifícios. (2007-2008) L. Roriz Sistemas de Cogeração Aplicação em Edifícios (2007-2008) L. Roriz Necessidades energéticas As necessidades energéticas variam com o tipo de edifício, e dentro dos edifícios de serviços podem apresentar

Leia mais

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital

Telefone laboratório Fax Email. Telefone (Chefe laboratório) Pessoal? Trabalho? Contacto Coordenador Regional o Distrital - Checklist Pré-Instalação Xpert Parte 1:Perfil laboratório Data da Avaliação/Auditoria Nome(s) e Afiliação do Assessor (es) Nome (s) contacto laboratório Telefone/email Nome laboratório Distrito Região

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

Certificação Energética em Edifícios Existentes

Certificação Energética em Edifícios Existentes Certificação Energética em Edifícios Existentes DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Sábado, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (inclui visita a um imóvel

Leia mais

Desconto de 10% nos produtos e serviços abaixo indicados, sobre o preço em vigor em cada momento.

Desconto de 10% nos produtos e serviços abaixo indicados, sobre o preço em vigor em cada momento. Desconto de 10% nos produtos e serviços abaixo indicados, sobre o preço em vigor em cada momento. Os preços apresentados já incluem 10% de desconto para as instituições; Aos preços indicados acresce IVA

Leia mais

AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES

AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES AGENDA EVENTOS SUPLEMENTOS ALIMENTARES NOVO PROCEDIMENTO DE NOTIFICAÇÃO DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES: DL 118/2015 23 de março 2016 ALEGAÇÕES DE SAÚDE EM SUPLEMENTOS ALIMENTARES 20 abril RECONHECIMENTO MÚTUO

Leia mais

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA

REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA REGULAMENTO DA RÁDIO/TV ESCOLA 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Este regulamento tem como objetivo assegurar o bom funcionamento das emissões produzidas na Rádio/TV Escola, na Escola Secundária do Agrupamento de

Leia mais

Come On Labels. Common appliance policy All for one, One for all Energy Labels. Contrato N : IEE/09/628/SI2.558219

Come On Labels. Common appliance policy All for one, One for all Energy Labels. Contrato N : IEE/09/628/SI2.558219 Come On Labels Common appliance policy All for one, One for all Energy Labels Contrato N : IEE/09/628/SI2.558219 Comparação entre os requisitos de eficiência presentes na legislação sobre rotulagem e na

Leia mais

Vários tipos / níveis de controlo

Vários tipos / níveis de controlo António Mantas, Filipa Teixeira A CERTIFICAÇÃO DA AGRICULTURA BIOLÓGICA Madeira * Setembro de 2010 sativa@sativa.pt A CERTIFICAÇÃO de um produto (ou de um processo ou de um serviço) é um meio de garantir

Leia mais

Módulo 08 - Mecanismos de Troca de Calor

Módulo 08 - Mecanismos de Troca de Calor Módulo 08 - Mecanismos de Troca de Calor CONCEITOS FUNDAMENTAIS Vamos iniciar este capítulo conceituando o que significa calor, que tecnicamente tem um significado muito diferente do que usamos no cotidiano.

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

LIC. EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL

LIC. EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL LIC. EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL ENERGIA E AMBIENTE PROGRAMA DA DISCIPLINA DOCENTE REGENTE: Prof. Doutor Albino Reis CARGA HORÁRIA SEMANAL: 2h Teórico-práticas + 1h Orientação Tutorial Disciplina

Leia mais

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal

A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal A Política e a Estratégia Nacional do Ar em Portugal Qualidade do Ar: um caso de jurisprudência para Portugal Filomena Boavida 19 maio 2015 Regulamentação da política do ar Recuperação do vapor da gasolina,

Leia mais

Necessidades da indústria relativamente à valorização de subprodutos de pescado

Necessidades da indústria relativamente à valorização de subprodutos de pescado Valorização de Pescado e Subprodutos: Tecnologias Alternativas e Garantia da Qualidade Necessidades da indústria relativamente à valorização de subprodutos de pescado Lisboa, 3 de dezembro de 2014 Organização:

Leia mais

A Nova Regulamentação dos Edifícios e o Sistema de Certificação Energética

A Nova Regulamentação dos Edifícios e o Sistema de Certificação Energética A Nova Regulamentação dos Edifícios e o Sistema de Certificação Energética 14 de Março o 2007 Consumo energia final Residencial 16% Seviços 13% Agricultura 2% Transportes 36% Contexto nacional energético

Leia mais

OS JOVENS AGRICULTORES EM PORTUGAL. Desafios na PAC 2014-2020

OS JOVENS AGRICULTORES EM PORTUGAL. Desafios na PAC 2014-2020 Desafios na PAC 2014-2020 Ameaça 1. Acesso à terra -Dificuldades do acesso ao trabalho e meios de produção noutras profissões -Existência de zonas com algum sub aproveitamento -Folga de progressão em aspectos

Leia mais

REINVENTANDO O REVESTIMENTO FINAL DE ISOLAMENTO

REINVENTANDO O REVESTIMENTO FINAL DE ISOLAMENTO REINVENTANDO O REVESTIMENTO FINAL DE ISOLAMENTO Reinventing how cork engages the world. COBERTURA DE FISSURAS COM ISOLAMENTO TÉRMICO E ACÚSTICO A solução rápida e simples para revestimentos finais. Mais

Leia mais

Termoacumuladores e caldeiras elétricas

Termoacumuladores e caldeiras elétricas Termoacumuladores e caldeiras elétricas TERMOACUMULADORES ELÉTRICOS Série 2 (instalação vertical) Série 5 (instalação horizontal) 54 54 CALDEIRAS ELÉTRICAS PACKS DE ALTA EFICIÊNCIA Série 5 (instalação

Leia mais

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização

A taxa do IRC para as PME. Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A taxa do IRC para as PME Alguns aspetos a ter em conta para a sua utilização A reforma do IRC criou uma nova taxa de 17% (n.º 2 do artigo 87.º do Código do IRC) para pequenas e médias empresas, aplicável

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e Injeção

CONSTRUÇÃO CIVIL. Impermeabilização e Injeção CONSTRUÇÃO CIVIL Impermeabilização e Injeção PROJETO E EXECUÇÃO DE IMPERMEABILIZAÇÃO EM PISCINAS COM MEMBRANA DE POLIURETANO PALESTRANTE: ENG. PAULO ROBERTO FERRAZ DATA: 14/04/2016 OBJETIVOS PROJETO E

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286)

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade

Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Solidariedade Portaria n.º 405/98 de 11 de Julho Documento Versão 1- Originária Cód. Documento 20201 O Decreto-Lei n.º 84/97, de 16 de Abril, que estabelece prescrições

Leia mais