Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP"

Transcrição

1 Custo de Produção Gerência de Custos de Produção- GECUP

2 GECUP Produtos Estimativas de custos de produção da agropecuária, atualizados bimestralmente; Análise do mercado de insumos e de fatores de produção; Relatórios das relações de trocas da agropecuária; Indicadores de demanda agregada dos fatores de produção, subsidiando o cálculo do Índice de Preços Pagos pelos Produtores -IPP.

3 Produtos amparados pela PGPM Grãos: arroz, feijão, girassol, milho, soja, sorgo e café; Cereais de Inverno: trigo, triticale, canola, aveia e cevada; Fibras: algodão, juta/malva e sisal; Regionais: alho, cera de carnaúba, castanha-do-brasil, castanha-de-caju, guaraná, mamona; Outros: amendoim, batata-semente, borracha, casulode-seda, leite, mandioca, milho-pipoca e uva

4 Produtos amparados pela PGPAF Grãos: arroz, café, feijão, girassol, milho, soja e trigo; Hortaliças: cebola, pimentão, quiabo, tomate, inhame, cará; Regionais: cera de carnaúba, castanha-de-caju, mamona, pimenta-do-reino; Outros: mandioca, ovinos/caprinos, cana-de-açúcar,, banana, abacaxi, laranja, tangerina, uva e leite bovino. Produtos previstos de serem incorporados ao Programa em 2013: algodão colorido e cacau. Totaliza 42 produtos da agropecuária em 2013.

5 Por que fazer? Conhecer as tecnologias utilizadas na agricultura; Conhecer a estrutura regionalizada dos custos, de modo a permitir análises comparativas entre regiões/países; Dispor de um instrumento que proporcione uniformidade metolológica, confiabilidade e consistência analítica; Subsídio às propostas de preços mínimos e ao bônus da garantia de preços da agricultura familiar.

6 Custo de Produção: Como se calcula Matriz de coeficientes técnicos (quantidades) X Vetor de preços dos fatores de produção = Custo de Produção

7 Organização das reuniões Identificar pólos de produção; Pesquisar os principais municípios produtores. Entrar em contato com técnicos de entidades do setor dos municípios selecionados e agendar encontros; Efetuar viagens para realizar o levantamento dos coeficientes técnicos (modais).

8 Participantes das Reuniões Engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas de: Cooperativas, associações e sindicatos; EMATER s e escritórios de planejamento agrícola; revendas de insumos/máquinas agrícolas; EMBRAPA e outras instituições de pesquisa; Secretarias de Agricultura Estaduais; Agentes financeiros; Produtores da agropecuária; Técnicos da CONAB.

9 FINALIDADADE Quantificando a tarefa PLANILHAS ELABORADAS E UTILIZADAS PELA GECUP PROGRAMA ATENDIDO MINISTÉRIO DEMANDANTE Nº DE CUSTOS Agricultura Empresarial PGPM MAPA 125 Agricultura Familiar PGPAF MDA 183 Aves e Suinos PGPM/PGPAF MAPA/MDA 42 Leite Empresarial PGPM MAPA 6 Leite Familiar PGPAF MDA 13 Caprinos e Ovinos PGPAF MDA 6 Pescados (sardinha) PGPM MPA 3 Sociobiodiversidade PGPM-Bio MMA/MAPA 64 TOTAL 442

10 Roteiro de Pesquisa PESQUISA DE COEFICIENTES TÉCNICOS DE PRODUÇÃO Produto: Sistema de Produção: Cidade: UF: Data: / / Instituição: Informante: Fone:( ) Produtividade Média: kg/ha Faixa Produt.: Área média cultivo: ha Terra própria: % Arrendada: % Valor terra: R$ /ha Arrendamento: R$ ha Municípios abrangidos: Área agricultável: ha

11 Roteiro de Pesquisa I - PREPARO DO SOLO INSUMOS/SERVIÇOS UNIDADE QUANT. INTENSIDADE ÉPOCA ESPECIFICAÇÃO P/HA DE USO DE USO (Potência, Marca, Modelo, Implemento, etc.) INVESTIMENTOS: Construção terraço (trator+implemento) Calcário Distribuição calcário (trator+implemento) Distribuição calcário - mão-de-obra Incorporação calcário (trator+implemento) kg dia/h Adubo corretivo: Adubo corretivo: Aplic. adubo corretivo (trator+implemento) Aplicação adubo corretivo - mão-de-obra kg kg dia/h

12 Roteiro de Pesquisa I - PREPARO DO SOLO INSUMOS/SERVIÇOS UNIDADE QUANT. INTENSIDADE ÉPOCA ESPECIFICAÇÃO P/HA DE USO DE USO (Potência, Marca, Modelo, Implemento, etc.) MANUTENÇÃO: Conserv. terraço (trator+implemento) Subsolagem (trator+subsolador) Escarificação (trator+escarificador) Aração (trator+arado) Gradagem aradora (trator+grade) Gradagem niveladora (trator+grade) Herbicida: Herbicida: Herbicida: Aplicação herbicida (trator+implemento) Aplicação herbicida - mão-de-obra Incorpor. herbicida (trator+implemento) Aplicação aérea de herbicida l l l dia/h Aplic.

13 Roteiro de Pesquisa II - PLANTIO INSUMOS/SERVIÇOS UNIDADE QUANT. INTENSIDADE ÉPOCA ESPECIFICAÇÃO P/HA DE USO DE USO (Potência, Marca, Modelo, Implemento, etc.) Semente: Fungicida: Inseticida: Inoculante: Preparo de semente - mão-de-obra Adubo: Adubo: Adubo: Plantio/adubação (trator+implemento) Plantio/adubação - mão-de-obra Herbicida: Herbicida: Herbicida: Aplicação herbicida (trator+implemento) Aplicação herbicida - mão-de-obra kg dia/h kg kg kg dia/h dia/h

14 III -TRATOS CULTURAIS Roteiro de Pesquisa INSUMOS/SERVIÇOS UNIDADE QUANT. INTENSIDADE ÉPOCA ESPECIFICAÇÃO Capina mecanizada (trator+implemento) Capina/repasse/catação - mão-de-obra Herbicida: Aplicação herbicida (trator+implemento) Aplicação herbicida - mão-de-obra Aplicação aérea herbicida Inseticida: Espalhante adesivo: Aplicação inseticida (trator+implemento) Aplicação inseticida - mão-de-obra Aplicação aérea inseticida Fungicida: Aplicação fungicida (trator+implemento) Aplicação fungicida - mão-de-obra Aplicação aérea fungicida Adubo cobertura: Aplic. adubo cobertura (trator+implemento) Aplicação adubo cobertura - mão-de-obra Despendoamento (produção sementes) dia/h dia/h Aplic. dia/h Aplic. dia/h Aplic. dia/h dia/h P/HA DE USO DE USO (Potência, Marca, Modelo, Implemento, etc.)

15 Roteiro de Pesquisa IV - COLHEITA INSUMOS/SERVIÇOS UNIDADE QUANT. INTENSIDADE ÉPOCA ESPECIFICAÇÃO P/HA DE USO DE USO (Potência, Marca, Modelo, Implemento, etc.) Colheita mecanizada (colheitadeira) Colheita - mão-de-obra Transporte interno (trator+implemento) Transporte interno mão-de-obra dia/h dia/h V - PÓS-COLHEITA Transporte externo (*) Transporte externo (% da produção) Distância média p/ transporte Limpeza/Secagem/Armazenagem t t km t (*) Retirada do produto da propriedade até a unidade de armazenagem (saca, litro de diesel, Real, etc.).

16 Estrutura dos Custos Custos Variáveis Despesas de Custeio Juros sobre custeio Outras despesas variáveis veis Custos Fixos Depreciação Outros custos fixos Juros sobre capital fixo Terra

17 CUSTOS VARIÁVEIS

18 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR FAIXA DE PRODUTIVIDADE: a 3.200kg/ha PRODUTIVIDADE MÉDIA: kg/ha Época de Quant Intens. Quant Preço Custo por INSUMOS/SERVIÇOS UtilizaçãoUnidade p/ha de uso p/ha por hectare 60 kg ponderadaunidade R$/ha R$/60 kg PREPARO DO SOLO (A) 39,42 0,88 Dessecação - trator 85 CV + pulveriz.barra l Out. 0, ,00% 0,200 28,38 5,68 0,13 Dessecação - mão-de-obra Out d/h 0, ,00% 0,050 20,00 1,00 0,02 Herbicida ROUNDUP (glifosato) Out l 1, ,00% 1,250 10,73 13,41 0,30 Herbicida 2,4 D Out l 0, ,00% 0,800 13,83 11,06 0,25 Transp. Água - trator 85 CV + tanque l Out. 0, ,00% 0,133 28,38 3,77 0,08 Mão-de-obra fixa Out sal 0, ,00% 0,250 18,00 4,50 0,10

19 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR FAIXA DE PRODUTIVIDADE: a 3.200kg/ha PRODUTIVIDADE MÉDIA: kg/ha Época de Quant Intens. Quant Preço Custo por INSUMOS/SERVIÇOS UtilizaçãoUnidade p/ha de uso p/ha por hectare 60 kg ponderadaunidade R$/ha R$/60 kg PLANTIO (B) 334,94 7,44 Semente de soja semi-precoce Nov kg 60, ,00% 60,000 1,43 85,80 1,91 Fungicida - tratam. sementes - DEROSAL 500 SC Nov l 0, ,00% 0,036 55,51 2,00 0,04 Fungicida - tratam. sementes - RHODIAURAM 700 Nov kg 0, ,00% 0,084 30,59 2,57 0,06 Inoculante turfoso Nov kg 0, ,00% 0,240 19,00 4,56 0,10 Inoculante NITRAGIN Nov l 0, ,00% 0,180 21,25 3,83 0,09 CoMo Nov l 0, ,00% 0, ,25 34,88 0,78 Mão-de-obra p/ tratamento de sementes Nov d/h 0, ,00% 0,021 20,00 0,42 0,01 Adubo Nov t 0, ,00% 0, ,56 167,11 3,71 Transp. interno insumos - trator 85 CV+ carreta 4 t Nov. 0, ,00% 0,133 28,38 3,77 0,08 Plantio - trator 110 CV+plant./adub. 8 linhas (DIRETO) Nov. 0, ,00% 0,667 32,23 21,50 0,48 Plantio - mão-de-obra Nov d/h 0, ,00% 0,200 20,00 4,00 0,09 Mão-de-obra fixa Nov sal 0, ,00% 0,250 18,00 4,50 0,10

20 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR FAIXA DE PRODUTIVIDADE: a 3.200kg/ha PRODUTIVIDADE MÉDIA: kg/ha Época de Quant Intens. Quant Preço Custo por INSUMOS/SERVIÇOS UtilizaçãoUnidade p/ha de uso p/ha por hectare 60 kg ponderadaunidade R$/ha R$/60 kg TRATOS CULTURAIS (C) 203,69 4,53 Aplic. herbicida - trator 85 CV + pulveriz.barra l Dez. 0, ,00% 0,280 28,38 7,95 0,18 Aplic. herbicida - mão-de-obra Dez d/h 0, ,00% 0,035 20,00 0,70 0,02 Herbicida - PIVOT + Nov l 0, ,00% 0,500 74,75 37,38 0,83 CLASSIC Nov kg 0, ,00% 0, ,46 22,86 0,51 Herbicida - SELECT 240 CE + Dez l 0,400 40,00% 0, ,19 27,87 0,62 Óleo mineral adjuvante - ASSIST Dez l 1,250 40,00% 0,500 8,05 4,03 0,09 Aplic. inseticida - trator 85 CV+pulveriz.barra l Fev. 0, ,00% 0,400 28,38 11,35 0,25 Aplic. inseticida - mão-de-obra Fev d/h 0, ,00% 0,050 20,00 1,00 0,02 Inseticida - DIMILIN Jan kg 0, ,00% 0, ,00 9,36 0,21 Inseticida - NUVACRON Fev l 0, ,00% 0,500 24,20 12,10 0,27 Fungicida - DEROSAL 500 SC Fev l 0, ,00% 0,500 55,51 27,76 0,62 Transp. Água - trator 85 CV+tanque l Fev. 0, ,00% 0,452 28,38 12,83 0,29 Capina/repasse - mão-de-obra Fev d/h 3,000 40,00% 1,200 20,00 24,00 0,53 Mão-de-obra fixa Fev sal 0, ,00% 0,250 18,00 4,50 0,10

21 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR FAIXA DE PRODUTIVIDADE: a 3.200kg/ha PRODUTIVIDADE MÉDIA: kg/ha Época de Quant Intens. Quant Preço Custo por INSUMOS/SERVIÇOS UtilizaçãoUnidade p/ha de uso p/ha por hectare 60 kg ponderadaunidade R$/ha R$/60 kg COLHEITA (D) 81,06 1,80 Colheita mecânica - colheitadeira 140 CV - 8 linhas Abr h/maq. 1,000 75,00% 0,750 72,78 54,58 1,21 Colheita mecânica - aluguel Abr saca 2,700 25,00% 0,675 32,57 21,98 0,49 Mão-de-obra fixa Abr sal 0, ,00% 0,250 18,00 4,50 0,10 SUBTOTAL (A+B+C+D) 659,11 14,65

22 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR FAIXA DE PRODUTIVIDADE: a 3.200kg/ha PRODUTIVIDADE MÉDIA: kg/ha Época de Quant Intens. Quant Preço Custo por INSUMOS/SERVIÇOS UtilizaçãoUnidade p/ha de uso p/ha por hectare 60 kg ponderadaunidade R$/ha R$/60 kg PÓS COLHEITA (E) 106,77 2,36 Transporte externo Abr t 2, ,00% 2,700 14,73 39,77 0,88 Recepção, limpeza, secagem e armazenagem 30-d Abr t 2, ,00% 2,700 10,41 28,11 0,62 PROAGRO Set % 3, ,71 0,57 Assistência Técnica Set % 2, ,18 0,29 DESPESAS FINANCEIRAS (F) 47,30 1,05 Juros a taxa de mercado (vide anexo) Mar 53,08 - (-) Transferência líquida via Crédito Rural (vide anexo) Mar (5,78) - Juros efetivamente pagos (vide anexo) Mar 47,30 1,05 TOTAL DOS CUSTOS VARIÁVEIS (A+B+C+D+E+F) 813,18 18,06

23 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR Produtividade media: kg/ha A PREÇOS DE: 30-jun-05 PARTICI- DISCRIMINAÇÃO PAÇÃO (R$/ha) (R$/60 kg) (%) I - DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA 1 - Operação com avião 0,00 0,00 0,00% 2 - Operação com máquinas 121,43 2,70 9,91% 3 - Aluguel de máquinas 21,98 0,49 1,79% 4 - Mão-de-obra temporária 31,12 0,69 2,54% 5 - Mão-de-obra fixa 18,00 0,40 1,47% 6 - Sementes 85,80 1,91 7,00% 7 - Fertilizantes 167,11 3,71 13,64% 8 - Defensivos 213,67 4,75 17,44% TOTAL DAS DESPESAS DE CUSTEIO DA LAVOURA (A) 659,11 14,65 53,80% II - DESPESAS PÓS-COLHEITA 1 - Transporte externo 39,77 0,88 3,25% 2 - Recepção, limpeza, secagem e armazenagem 30-d 28,11 0,62 2,29% 3 - PROAGRO 25,71 0,57 2,10% 4 - Assistência Técnica 13,18 0,29 1,08% Total das Despesas Pós-Colheita (B) 106,77 2,36 8,72% III - DESPESAS FINANCEIRAS 1 - Juros 47,30 1,05 3,86% Total das Despesas Financeiras (C) 47,30 1,05 3,86% CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) 813,18 18,06 66,38%

24 CUSTOS FIXOS

25 Depreciação 1. Máquinas e Implementos VI-VR VR VU X hs VI = Valor inicial VR = Valor residual VU = Vida útil do bem (em horas) hs = horas trabalhadas na cultura

26 Depreciação 2 Benfeitorias/instalações VI-VR VR VU X tx Área VI = Valor inicial VR = Valor residual VU = Vida útil do bem (em anos) tx= = taxa de ocupação do tratores Área = área cultivada do produto

27 Juros e seguros sobre o capital 1 - Máquinas e implementos VI 2 X CAT X h/ha X i VI = Valor inicial CAT = Capacidade Anual de Trabalho (Vida útil do bem em horas/vida utildo bem em anos) h/ha = horas trabalhadas por hectare, na cultura i = taxa de remuneração do capital ou prêmio de seguro

28 Juros e seguros sobre o capital 2 - Benfeitorias/instalações VI 2 X Tx. Ocup Xi Área VI = Valor inicial Tx. Ocup= = Taxa de ocupação dos tratores (horas trabalhadas/vida útil em horas) i = taxa de remuneração do capital ou prêmio de seguro Área = área cultivada do produto.

29 Valor da Terra Valor médio da terra, multiplicado pela taxa média da poupança.

30 CUSTO DE PRODUÇÃO ESTIMADO SOJA - PLANTIO DIRETO SAFRA DE VERÃO /2006 LOCAL: CAMPO MOURÃO- PR Produtividade media: kg/ha A PREÇOS DE: 30-jun-05 PARTICI- DISCRIMINAÇÃO PAÇÃO (R$/ha) (R$/60 kg) (%) CUSTO VARIÁVEL (A+B+C = D) 813,18 18,06 66,38% IV - DEPRECIAÇÕES 1 - Depreciação de benfeitorias/instalações 38,19 0,85 3,12% 2 - Depreciação de implem entos 29,53 0,66 2,41% 3 - Depreciação de máquinas 77,84 1,73 6,35% Total de Depreciações (E) 145,56 3,24 11,88% V - OUTROS CUSTOS FIXOS 1 - Manutenção periódica de m áquinas 30,43 0,68 2,48% 2 - Encargos sociais 10,62 0,24 0,87% 3 - Seguro do capital fixo 6,04 0,13 0,49% Total de Outros Custos Fixos (F) 47,09 1,05 3,84% Custo Fixo (E+F = G) 192,65 4,29 15,73% CUSTO OPERACIONAL (D+G = H) 1.005,83 22,35 82,11% VI - RENDA DE FATORES 1 - Remuneração esperada sobre capital fixo 96,51 2,14 7,88% 2 - Terra 122,68 2,73 10,01% Total de Renda de Fatores (I) 219,19 4,87 17,89% CUSTO TOTAL (H+I = J) 1.225,02 27,22 100,00% ELABORAÇÃO: CONAB/DIGEM/SUINF/GECUP

31 Safra de Verão-2005/ C.M ourão-pr Produtiv m édia: kg/ha DISCRIMINAÇÃO SOJA - ANÁLISE DE RENTABILIDADE Preço Mínimo Preço de Mercado 14,00 R$/60kg 27,20 R$/60kg ANÁLISE FINANCEIRA: R$/ha R$/60kg R$/ha R$/60kg A - Receita bruta (I*II) 630,00 14, ,00 27,20 B - Despesas: B1 - Despesas de Custeio (DC) 659,11 14,65 659,11 14,65 B2 - Custos Variáveis (CV) 813,18 18,06 813,18 18,06 B3 - Custo O peracional (CO) 1.005,83 22, ,83 22,35 a) - Margem Bruta s/ DC (A - B1) (29,11) (0,65) 564,89 12,55 b) - Margem Bruta s/ CV (A - B2) (183,18) (4,06) 410,82 9,14 c) - Margem Líquida s/ CO (A - B4) (375,83) (8,35) 218,17 4,85 ANÁLISE Q UANTITATIVA: kg/ha 60kg/ha kg/ha 60kg/ha Ponto de equilíbrio s/ DC , ,23 Ponto de equilíbrio s/ CV , ,90 Ponto de equilíbrio s/ CO , ,98 INDICADO RES: Receita sobre o Custeio (A / B1) 0,96 1,86 Receita sobre o Custo Variável (A / B2) 0,77 1,51 Receita sobre o Custo Operacional (A / B3) 0,63 1,22 Margem Bruta (DC) / Receita (a / A) -4,6% 46,2% Margem Bruta (CV) / Receita (b / A) -29,1% 33,6% Margem Líquida (CO) / Receita (c / A) -59,7% 17,8%

32 Safra de Verão-2005/ C.M ourão-pr Produtiv m édia: kg/ha DISCRIMINAÇÃO SOJA - ANÁLISE DE RENTABILIDADE Preço Mínimo Preço de Mercado 14,00 R$/60kg 27,20 R$/60kg ANÁLISE FINANCEIRA: R$/ha R$/60kg R$/ha R$/60kg A - Receita bruta (I*II) 630,00 14, ,00 27,20 B - Despesas: B1 - Despesas de Custeio (DC) 659,11 14,65 659,11 14,65 B2 - Custos Variáveis (CV) 813,18 18,06 813,18 18,06 B3 - Custo O peracional (CO) 1.005,83 22, ,83 22,35 a) - Margem Bruta s/ DC (A - B1) (29,11) (0,65) 564,89 12,55 b) - Margem Bruta s/ CV (A - B2) (183,18) (4,06) 410,82 9,14 c) - Margem Líquida s/ CO (A - B4) (375,83) (8,35) 218,17 4,85 ANÁLISE Q UANTITATIVA: kg/ha 60kg/ha kg/ha 60kg/ha Ponto de equilíbrio s/ DC , ,23 Ponto de equilíbrio s/ CV , ,90 Ponto de equilíbrio s/ CO , ,98 INDICADO RES: Receita sobre o Custeio (A / B1) 0,96 1,86 Receita sobre o Custo Variável (A / B2) 0,77 1,51 Receita sobre o Custo Operacional (A / B3) 0,63 1,22 Margem Bruta (DC) / Receita (a / A) -4,6% 46,2% Margem Bruta (CV) / Receita (b / A) -29,1% 33,6% Margem Líquida (CO) / Receita (c / A) -59,7% 17,8%

33

34 Obrigado Asdrúbal de Carvalho Jacobina Gerência de Custos de Produção Gerente Fone: (061)

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção.

Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. Soluções para a Agricultura Familiar Para todos os momentos da produção. bb.com.br/agronegocio O Banco do Brasil acredita na força da agricultura familiar brasileira. O Banco do Brasil reconhece a importância

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB

METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB METODOLOGIA DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DA CONAB Capítulo 2 ASPECTOS METODOLÓGICOS O método de cálculo adotado pela CONAB busca contemplar todos os itens de dispêndio, explícitos ou não, que devem

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS

O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS O CÁLCULO DO CUSTO TOTAL DE PRODUÇÃO COMO CRITÉRIO PARA A AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE CULTURAS ANUAIS 1. INTRODUÇÃO Este texto visa apresentar uma metodologia para o cálculo do custo total de produção de produtos

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA

DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA DETALHAMENTO DE ITENS QUE COMPÕEM O CUSTO DE PRODUÇÃO: COMPARAÇÕES ENTRE AS METODOLOGIAS DA CONAB E DO CEPEA Documento elaborado e aprovado pelas duas instituições Este documento apresenta um estudo comparativo

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Comunicado 330 Técnico

Comunicado 330 Técnico Comunicado 330 Técnico Foto: Paulo Ferreira ISSN 1517-4964 Setembro, 2013 Passo Fundo, RS Estimativas de viabilidade econômica do cultivo de canola no Rio Grande do Sul e no Paraná, safra 2013 Cláudia

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012 MATO GROSSO - Outubro/2012 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.208.516 3.159.861 1.615.657 617.912 1.747.076 8.349.020 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.190,90 R$ 1.178,31

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA RURAL SITUADA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA-PR CURITIBA

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

Caro Leitor, Carlos Rivaci Sperotto Presidente

Caro Leitor, Carlos Rivaci Sperotto Presidente Caro Leitor, É com alegria que lhe entregamos nosso Balanço da Agropecuária em 2013 e Perspectivas para 2014. Neste resumo elaborado pela nossa Assessoria Econômica buscamos mostrar-lhe o desempenho da

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS 04 de maio de 2009 RAZÃO DA POLÍTICA AGRÍCOLA CARACTERÍSTICA DA PRODUÇÃO Concentrada no tempo Consumo ao longo do ano Perecibilidade Baixo valor agregado Alta dispersão

Leia mais

A companhia Nacional de Abastecimento é uma empresa pública de direito privado, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

A companhia Nacional de Abastecimento é uma empresa pública de direito privado, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A companhia Nacional de Abastecimento é uma empresa pública de direito privado, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Missã o da Conab Contribuir para a regularidade

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Diretoria de Política Agrícola e Informações - Dipai Superintendencia de Gestão da Oferta - Sugof POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Por: Carlos Eduardo Tavares Maio de 2012 RAZÃO DA POLÍTICA

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Seguro da Agricultura

Seguro da Agricultura Seguro da Agricultura SEAFFamiliar Produzindo com Segurança 2 I Cobertura Padrão do SEAF (a partir de julho de 2015) 4 Enquadramento... 5 Cobertura... 7 Vigência do amparo do SEAF... 9 Comprovação de

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento.

ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. ABC. Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura - Programa ABC - Linha de crédito para investimento. São objetivos do ABC: Reduzir as emissões de gases de efeito estufa oriundas

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Canola. Brasília, Setembro de 2010.

Canola. Brasília, Setembro de 2010. Canola Brasília, Setembro de 2010. Canola: A canola ocupa o terceiro lugar entre as oleogionosas cultivadas no mundo. A internação no Brasil ocorreu em 1974 procedente do México, país criador da canola.

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Lei 12.593/12 institui o PPA 2012-2015 Programa 2028 Defesa Agropecuária Objetivo 0570 Assegurar a qualidade dos

Leia mais

Produto fortemente ligado aos mercados internos!

Produto fortemente ligado aos mercados internos! Produto fortemente ligado aos mercados internos! 1) Os Estados Unidos são os maiores produtores, consumidores e exportadores de milho. 2) A China está na segunda posição na produção e no consumo. 3)

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO

VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL RESUMO VIABILIDADE ECONÔMICA DE AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS PARA UMA PROPRIEDADE DE 1000HA COM PRODUÇÃO DE SOJA E GIRASSOL Josué G. Delmond 1 ; Gracielly Ribeiro de Alcântara 1 ; Suely M. Cavalcante

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 8 Política Agrícola

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 8 Política Agrícola Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ

VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ Claudia Brito Silva 1 Antonio Carlos Moretto 2 Rossana Lott Rodrigues 2 Resumo A agricultura de precisão envolve um conjunto de conceitos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA 03/034 Projeto da Agricultura Familiar 1. Função no Projeto: Consultor em Agronomia. 2. Nosso Número: 3. Antecedentes:

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Nº13. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 13 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 29-2012. Políticas de Crédito Cotações

Nº13. www.castrolanda.coop.br/circular. Nº 13 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 29-2012. Políticas de Crédito Cotações www.castrolanda.coop.br/circular Nº13 Nº 13 Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 29-2012 Previdência Privada Novilhas UPN Grupo de Estudos - suinocultores Políticas de Crédito Cotações

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES

WORKSHOP REGIONAL - PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2009 / 10 ESTADO DO PARANÁ PROPOSTAS / REAIS NECESSIDADES TEMAS VOLUME DE RECURSOS Ocorreu um aumento médio de 20% no custo de produção em relação à safra anterior. Crise as traddings, agroindútrias e cerealistas reduziram a oferta de crédito. O crédito oficial

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2008

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2008 5.1.1.4 - ATIVIDADE E FINALIDADE - ITEM - UNIDADE DA FEDERAÇÃO PRODUTOS (ITENS S) ACRE CUSTEIO Lavoura AMENDOIM 26 313.447,50 288,00 ARROZ DE SEQUEIRO 90 115.247,33 247,72 CUPUACU 1 180.00 135,00 FEIJAO

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores;

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores; RESOLUÇÃO Nº 3235 Promove ajustes complementares na regulamentação sobre Empréstimos do Governo Federal (EGF) para atender a financiamentos da safra 2004/2005. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 Nº I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, 23-2010 DESTAQUES Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 - Limites para custeio

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 ISSN 2176-2864, Versão Eletrônica Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 75 As estimativas dos custos e lucros de produção de uma determinada atividade agropecuária

Leia mais

BB Seguro Agrícola Faturamento. Brasília (DF), 06 de Julho de 2011

BB Seguro Agrícola Faturamento. Brasília (DF), 06 de Julho de 2011 BB Seguro Agrícola Faturamento Brasília (DF), 06 de Julho de 2011 1 Mitigadores de Produção/Intempéries. 2 Mitigadores de Preço. 3 Seguro de Faturamento. Exemplos. Mitigadores de Produção/Intemp ão/intempéries

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013 MATO GROSSO - Novembro/2013 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.344.084 3.224.679 1.686.704 641.603 1.774.382 8.671.453 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.007,21 R$ 1.530,19

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2011 Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 747 CEP 80.510-040 Curitiba PR - Fone (41) 3221-7504 Internet: http://www.claspar.pr.gov.br e.mail: claspar@claspar.pr.gov.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR

GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR GESTÃO DE CUSTOS O CONTROLE DOS GASTOS É ESSENCIAL PARA GARANTIR A RENDA DO BATATICULTOR Por João Paulo Bernardes Deleo e Álvaro Legnaro Colaboração: Carlos Alexandre Almeida e Jefferson Luiz de Carvalho

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014 MATO GROSSO - Janeiro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 257.129 1.458.698 519.693 170.289 601.101 3.006.910 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.049,89 R$ 1.141,83 R$

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE SEGUROS DO AGRONEGÓCIO (CTSA) MAPA GT ESTUDO SEGURO RURAL Até onde avançamos PEDRO LOYOLA Economista FAEP Julho - 2012 1 2 3 4 5 6 7 Seguro Agrícola no Brasil Uma visão estratégica de

Leia mais

Um plano da agricultura familiar para o Brasil

Um plano da agricultura familiar para o Brasil Um plano da agricultura familiar para o Brasil 1 Plano Safra da Agricultura Plano Safra Familiar da Agricultura Familiar 2008/09 2 Mais Alimentos Um plano da agricultura familiar para o Brasil 18 milhoes

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) *

Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) * Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) * Lucilio Rogerio Aparecido Alves ** Fábio Isaias Felipe *** Geraldo Sant Ana de Camargo Barros

Leia mais

L A T I N A M E R I C A

L A T I N A M E R I C A SAFRA 2008 2009: TENDÊNCIAS E DESAFIOS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Engº Agrº José Otavio Menten Diretor Executivo ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal 01/10/2008 ABMR / SP SAFRA 2008 2009 TENDÊNCIAS E

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Adelina Azevedo BOTELHO ( 1 ); Wander Luis Barbosa BORGES ( 1 ); Rogério Soares de

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais