Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Aula 04: Compartilhamento de Conhecimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Aula 04: Compartilhamento de Conhecimentos"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento EGC 7003 MÉTODOS E TÉCNICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Aula 04: Compartilhamento de Conhecimentos Professores: Gregório Varvakis & Neri Dos Santos

2 Síntese da Aula 04: Compartilhamento do Conhecimento Benchmarking; Melhoria Contínua; Comunidades de prática; Melhores práticas; Teambuilding; Networking.

3 Benchmarking: 1) Definição e objetivo da técnica; 2) Descrição geral da técnica; 3) Técnicas específicas; 4) Benefícios do Benchmarking.

4 1)Definição e objetivos da técnica: Benchmarking é uma ferramenta que ajuda a empresa a identificar as melhores práticas, que levam a resultados superiores, para aquelas empresas que a utilizam, os denominados best in class, com o objetivo de melhorar o seu próprio funcionamento. Benchmarking é o processo pelo qual uma organização compara, de modo contínuo, seu processos, produtos e serviços, com os das melhores organizações, do mesmo ramo ou similar (BALM, 1995). BALM, Gerald, J. Benchmarking: um guia para o profissional tornar-se e continuar sendo o melhor dos melhores. Rio de janeiro: Qualitymark, 1995.

5

6 2)Descrição geral da técnica: O Benchmarking consiste em medir os processos, produtos e/ou serviços de uma organização e compará-los ; Seu objetivo é estabelecer metas ambiciosas, porém alcançáveis, para melhorar o objeto da comparação, assim como conceber e implementar planos de ação que permitam alcançar, ou mesmo superar, um nível de eficácia e de resultados daqueles dos best in class;

7 Portanto, o benchmarking não é uma ação isolada, mas um processo contínuo que leva a: a) Uma melhor compreensão dos próprios processos; b) Uma comparação sistemática dos próprios processos e práticas com os mesmos processos e práticas dentro ou fora da organização, e dentro ou fora do próprio setor; c) Ações de melhoria que permitam a própria organização alcançar e superar as empresas best in class. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

8 Abordagem lógica do benchmarking 1. Decisão de onde aplicar benchmarking 2. Compreensão do objeto Pergunte aos clientes sobre suas necessidades para o produto A auto-avaliação sobre os fatores críticos identificados pelo cliente 3. Identificação das empresas best in class e coleta de dados 4. Análise e comparação dos resultados 5. Plano de melhoria para superar o best in class 6. Implementação do plano de ação 7. Melhoria contínua Passos chaves no Benchmarking Comunicação dos resultados do Benchmarking Justificativa em termos de recursos Determinação do quanto a organização pode melhorar Desenvolvimento de planos de ação Os planos de ação devem ser expressos em termos de tempo e recursos A implementação deve ser norteada pela flexibilidade Atualização constante e acompanhamento dos resultados da análise Especialmente importante não esquecer as possíveis melhorias alcançadas pelo concorrente

9 1.Decisão onde aplicar o benchmarking: Determinar quais atividades de valor na organização são as que permitem o negócio obter o máximo de melhoria. 2. Compreensão do objeto: Preparar um fluxograma onde pode-se representar as fases distintas e a documentação do processo; Contextualização do processo (próprio e do best in class);

10 Incluir a medida e os resultados quantitativos; A questão está em identificar quais são os indicadores-chaves que realmente mostram o resultado dos processos; As conseqüências do processo em termo de custos, qualidade e duração; O alcance do processo; Fluxo de informações. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

11 3. Identificação das empresas best in class e coleta de dados: Identificar a empresa best in class que será considerada como referência; Adotar maneira sistemática de coleta de informações e seus indicadores; Cuidados com as ordem legais, éticas na busca de informações confidenciais; É recomendável que as empresas best in class sejam do mesmo setor.

12 Principais fontes para identificação da empresa best in class : a)fontes primárias: Pessoas ou organizações que realmente geram dados. c)fontes secundárias: Inclui fornecedores, clientes e contatos profissionais. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

13 4. Análise e comparação dos resultados: Para realizar a análise e comparação dos resultados é necessário dispor de uma medida comum para a correta análise dos dados que se obtém de empresas distintas; Significa ter um só critério para diferentes empresas; O modelo desse processo de análise dá ênfase aos dados até que se revelem comparáveis de modo correto.

14 Indicadores Padronizados Próprios Comparação Best in class Indicadores Padrão Modelo para padronização Nossos Dados Best in class Dados Critérios para Identificação De parâmetros TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

15 5. Plano de melhoria para superar o best in class : Comparação dos resultados do benchmarking; Justificativa das recomendações em termos de recursos; Determinar como a organização pode melhorar; Desenvolver um Plano de Ação. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

16 Erros na aplicação do benchmarking: Uso de indicadores equivocados para comparação das empresas; Não padronização dos indicadores; A identificação das empresas best in class e seus resultados não são suficientes para compreender as diferenças entre elas.

17 O que fazer? É interessante identificar quais são os conceitos que permitem às empresas conseguir alcançar seus resultados promissores; A análise de cada empresa best in class pode conduzir a identificação de diversos tipos de ajudas e suporte que podem tornar mais claro o que se tem a fazer em nossa empresa para alcançar os resultados excelentes.

18 6. Implementação e monitoramento de planos de ação: Os planos de ação devem ser apresentados claramente em termos de tempo e recursos; A implementação deve realizar-se de forma flexível. 7. Melhoria contínua: Atualização e acompanhamento permanente das análises; Atenção para as melhorias dos concorrentes.

19 Fatores potenciais que facilitam alcançar o nível best in class CONCEITO CULTURA PROCESSOS Plano Instalações Equipamentos Materiais Capital Envolvimento da alta direção Auto-direção Atitude Comunicação Risco Tomada de decisões Autoridade/ responsabilidade Formação Pessoas Metas Estratégias Fluxos de trabalho Seqüências Políticas Procedimentos Medidas Controles Integração

20 3) Técnicas específicas para benchmarking As Técnicas Específicas dependem principalmente dos objetivos do Benchmarking; Podem ainda depender das pessoas envolvidas; Os Passos tem técnicas específicas. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

21 PASSOS TÉCNICAS 1) Decisão onde aplicar Auditoria. 2) Compreensão do Processo 3) Identificação e Compreensão das Best in Class e Coleta de Dados Técnicas Básicas de Representação de Processos. Serviços de Centros de Intercâmbio de Informação sobre Benchmarking.

22 PASSOS 4. Análise e Comparação de Dados 5. Plano de Melhoria para superar os Best in Class TÉCNICAS Técnicas Básicas Gestão de Projetos 6. Ativar e Controlar os Planos de Ação Gestão de Projetos 7. Melhoria Contínua PDCA (Kaizen) TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

23 4)Benefícios do benchmarking a) Garante o estabelecimento de metas de alto nível; b) Transmite credibilidade e confiança a partir das melhorias; c) Possibilita melhor compreensão da organização por ela própria; d) Propicia um diagnóstico objetivo do produto/processo; e) Estabelecimento de redes e fortalecimento de presença no mercado. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

24 Melhoria Contínua (Kaizen): 1) Definição e objetivos da técnica; 2) Descrição geral da técnica; 3) Visão geral do processo da técnica; 4) Técnicas Específicas. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

25 1)Definição e objetivos da técnica: A melhoria contínua (Kaizen) pode ser usada para obter melhorias em qualquer das dimensões de um determinado negócio (por exemplo, custo, qualidade, flexibilidade, redução do tempo e inovação) aproveitando-se a criatividade de todo o pessoal da organização e não somente do pessoal de nível gerencial. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

26 2)Descrição geral da técnica: No turbulento entorno empresarial atual todo o mundo busca melhorias contínuas para os produtos e os serviços que oferecem e para os métodos de produção dos mesmos; Independentemente de que isso chegue a um ocasional descobrimento ou inovação tipo «big bang», ou a pequenas melhorias e ajustes graduais, a mudança constante é essencial, não somente para seguir sendo competitivo, mas, sobretudo, para manter a sobrevivência do próprio negócio;

27 A melhoria contínua é um termo genérico que designa uma gama de atividades concebidas para engajar o pessoal de nível operacional na inovação; Na realidade, é um termo global para uma política organizativa (alta implicação) que se apóia em uma gama de ferramentas específicas. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

28 Fatores que participam na Melhoria Contínua 1 Sustentável 2 Envolve toda Organização 3 Processo Melhoria Contínua 4 Focalizada 5 Incremental 6 Inovação TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

29 3)Visão geral do processo da MC: Em relação ao processo, a MC trabalha com um modelo formado por cinco níveis ou fases de evolução da Melhoria Contínua; Cada um desses níveis tem o seu próprio tempo e não há garantia alguma de que as organizações progridam até alcançar o nível seguinte; Seguir em frente significa ter que encontrar maneiras de superar os obstáculos específicos que se associam às fases distintas;

30 Dominar a melhoria contínua implica um processo de aprendizagem que envolve, desde a aquisição de competências básicas, até a aquisição de competências essenciais, as quais permitem uma autêntica vantagem estratégica; O projeto de pesquisa CIRCA da Universidade de Brighton, da Inglaterra, desenvolveu um modelo que identifica as fases chave desse processo de aprendizagem:

31 Fases chave do processo de aprendizagem Desempenho Prática TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

32 NÍVEL PERFORMANCE PRÁTICA 0) Não há atividade de Melhoria Contínua. Não há impacto de Melhoria Contínua. Solução aleatória de problemas; Não há esforços ou estrutura formal; Iniciativas ocasionais interrompidos por inatividade e não participação; O modo dominante de RP é mediante especialistas; Benefícios a curto prazo; Não há impacto estratégico.

33 NÍVEL PERFORMANCE PRÁTICA 1) Provar as idéias Somente mínimos efeitos locais; Algumas melhorias nos ânimos e na motivação do pessoal. A MC se produz como resultado dos efeitos da curva de aprendizagem associada a um novo produto ou processo e logo volta a desaparecer; A MC é o resultado de uma contribuição de curto prazo, de formação, por ex., e causa um pequeno impacto em torno daqueles diretamente envolvidos; Esses efeitos têm vida curta e são muito localizados.

34 NÍVEL PERFORMANCE PRÁTICA 2) MC estruturada e sistemática. Efeitos de nível local; Atividade de MC mensurável, por ex., n de participantes, idéias geradas, etc.; Performance mensurável, efeitos restritos para projetos; Impacto escasso ou inexistente. Formalização para criar e manter a MC; Uso de um processo formal de RP; Uso da gestão participativa; Formação em ferramentas básicas de MC; Sistema estruturado de gestão de idéias; Sistema de reconhecimento; Com freqüência, sistema paralelo às operações; Pode-se ampliar o trabalho multifuncional, porém do tipo ad hoc.

35 NÍVEL PERFORMANCE PRÁTICA 3) MC estratégica. O desdobramento das diretrizes envolve as atividades de nível local e de projetos em objetivos estratégicos mais amplos; O gerenciamento dirige a melhoria nos temas que podem ser medidos em termos de impacto nos objetivos fins da empresa, por ex., na redução de custos, na melhoria da qualidade, etc. Além do anterior, o desdobramento formal dos objetivos estratégicos; Controle e medição da MC frente a esses objetivos; Sistema in line.

36 NÍVEL PERFORMANCE PRÁTICA 4) Inovação autônoma Benefícios estratégicos, incluídos os derivados de grandes inovações descontínuas, assim como da solução gradual de problemas. Além do anterior, mais responsabilidade dos mecanismos, programação, etc., que recai na unidade de resolução de problemas; Altos níveis de experimentação.

37 NÍVEL PERFORMANCE PRÁTICA 5) A organização que aprende (learning organisation) Inovação estratégica; Capacidade para desdobrar uma base de competências como vantagem competitiva. A MC como sistema dominante; Acessar e compartilhar automaticamente a aprendizagem; Todos participam ativamente no processo de inovação; Inovação incremental e radical.

38 4)Técnicas específicas: Ciclo de resolução de problemas (PDCA); Brainstorming; Diagramas de causa e efeito; Listas de verificação; Diagramas de fluxo; Desdobramento da função qualidade. TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

39 O ciclo de resolução de problemas (PDCA):

40

41 Comunidades de Prática: Comunidade de Prática é um grupo de pessoas que se importa com um conjunto comum de questões, que compartilham e desenvolvem conhecimentos nesse domínio e, assim, organizam uma competência crítica para o sucesso da organização. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

42 Qualquer organização é, geralmente, uma constelação de comunidades de prática, cada uma com sua mini-cultura local; Sejam elas de caráter formal ou informal, interagem entre si e também com outras comunidades externas à organização.

43 As dimensões do aprendizado na CoP: a) As dimensões do aprendizado estão centradas nas facilidades de engajamento, ou seja, na facilidade de encontros, na produção de conhecimentos que tragam à tona o conhecimento criado a partir da prática;

44 b) As dimensões do aprendizado estão centradas nas facilidades de imaginação, ou seja, na facilidade de localizar pessoas no espaço e no tempo, por meio de mapas, ferramentas de visualização, relatos de trajetórias, criação de modelos e representações de padrões, criação de protótipos, jogos e simulações;

45 c) As dimensões do aprendizado estão centradas nas facilidades de alinhamento, ou seja, nas facilidades para a criação de focos comuns, entendimentos compartilhados, criação de métodos, processos e procedimentos, práticas de fronteiras e de negociadores. Lave, J, and Wenger, E., Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

46 Atividades típicas de uma CoP: Membros de uma CoP tipicamente... Passam tempo juntos fazendo, pensando, falando; Ajudam-se a resolver problemas; Compartilham informações, visões e conselhos; Criam artefatos compartilhados. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

47 Com o tempo, desenvolvem uma história compartilhada... Uma identidade comum em torno de uma paixão; Relacionamentos, papéis e formas de interagir; Conhecimento, práticas e abordagens comuns. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

48 Nas organizações CoP encontram-se: Dentro de unidades de negócios e projetos; Entre unidades de negócios e projetos; Nas fronteiras das organizações; Entre organizações distintas. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

49 Relações da CoP com a organização: a)não reconhecida: Invisível para a organização e, às vezes, até mesmo para os próprios membros. b)contrabandeada: Visível apenas informalmente a um círculo de pessoas que conhecem, apesar de ser crucial para o sucesso da organização. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

50 c)legitimada: Sancionada como uma entidade valiosa na qual a participação é incentivada. d)apoiada: Recebe recursos diretos da organização. e)institucionalizada: Ganha um status e uma função oficial na organização. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

51 Diferenças entre Equipes e Comunidades: Equipes Guiadas por entregas: Objetivos e resultados compartilhados; Valor definido pela constituição; Valor no resultado entregue. Comunidades Guiadas pelo valor: Domínio de prática compartilhado; Valor descoberto / evolui; Valor no processo em andamento.

52 Equipes Definidas por tarefa: Tarefas interdependentes; Fronteiras claras. Comunidades Definidas por conhecimento: Conhecimento interdependente; Fronteiras permeáveis;

53 Equipes Desenvolver por plano: Todos contribuem; Gerenciadas por objetivos e plano; Líder ou gerente de equipe. Comunidades Desenvolver por meio do aprendizado: Contribuições variáveis; Gerenciadas através de conexões; Coordenador com o grupo central.

54 Equipes Ligadas pelo compromisso: Responsabilidade mútua por subtarefas; Confiança baseada no acordo explícito; Senso de conquista. Comunidades Ligadas pela identidade: Responsabilidade mútua pelo domínio; Confiança baseada na reciprocidade; Senso de participação. BERNTSEN, Kirsti; MUNKVOLD, Glenn and OSTERLIE, Thomas. "Community of Practice versus Practice of the Community: Knowing in collaborative work". ICFAI Journal of Knowledge Management, Vol. II, No. 4, pp

55 O ciclo de aprendizagem: capital de conhecimento aplicado comunidades de prática aprendizado grupos equipes processos capital de conhecimento organizado

56 Cadeia de Valor do Conhecimento: Estratégia de negócio Cadeia de valor do conhecimento Comunidades de prática Capital de conhecimento Processos de negócio Criação de valor Organização WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

57 Dimensões do Valor: WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

58 Comunidades de prática são a próxima fase no design organizacional: A organização funcional A organização orientada ao mercado A organização baseada em equipes A organização Multi-participativa WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

59 Comunidades de prática tecem a organização em torno de competências sem reverter as estruturas funcionais. Em dez anos elas serão tão naturais em nosso conceito de organização quanto as equipes se tornaram. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

60 CoP evoluem através de fases de ciclo de vida Descobrir/ preparar Iniciar/ incubar Enfocar/ expandir Sustentar/ renovar Deixar passar/ lembrar 1. Potencial 2. Unir 3. Amadurecer 4. Organizar 5. Legado WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

61 1)Potencial: Tópicos definidos? Necessidades compartilhadas identificadas? Rede encontrada? 2)Unir: O coordenador está pronto para liderar? O caso de ação está claro? Idéias sobre como ligar os membros? As pessoas estão se conectando, se ajudando, tendo algum sucesso? Começando a compartilhar conhecimento útil? 3)Amadurecer: Desenvolvendo uma identidade como comunidade? Enfocando o desenvolvimento de uma prática comum? Tornando-se visível? Crescendo?

62 4)Organizar: Passando por ciclos de atividade? Ganhando influência? Mudando a liderança? Mudando a participação? Crise de meia idade? Precisa repensar a direção? 5)Legado: Pouca atividade? Passou de sua utilidade? Ainda é um recurso? Ainda é uma fonte de inspiração e direção? WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

63 Visão geral de uma CoP: Domínio: 1)Resultados de negócio: Que resultados de negócio são importantes afetar? 2)Fatores críticos de conhecimento: Quais são os fatores críticos que influenciam esses resultados de negócio? 3)O que faremos (e não faremos): O que faremos (e não faremos) para afetar esses fatores críticos? 4)Qual a vantagem para mim: Como encontraremos pessoalmente valor em nossa comunidade? 5)Que influência queremos ter: Se pudéssemos mudar as coisas, que coisas seriam?

64 Prática: 1) Quais conhecimentos compartilhar: Quais conhecimentos temos? Que tipo de conhecimento? Quem o tem? Quem dele precisa? 2) Quais conhecimentos desenvolver: Quais conhecimentos não temos? 3) Quais conhecimento documentar: De que documentos, ferramentas e outros artefatos precisamos? 4) Oportunidades para ajuda e pensamento mútuos: Em que fóruns precisamos interagir e construir conhecimento? 5) Projetos de comunidade: Devemos empreender projetos específicos de aprendizado para desenvolver nossa prática? 6) Gerenciando a base de conhecimento: De que repositórios precisamos e como eles serão gerenciados? WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

65 Comunidade: 1) Espaços públicos: Que tipos de eventos? Com que freqüência? 2) Espaços privados: Que tipos de interconexões? Como promovê-las? 3) Coordenação: Quem organizará a comunidade? 4) Liderança de pensamento: Quem são os líderes de pensamento? Como envolvê-los? Precisamos de visões externas? 5) Participação: Todos estão aqui? Quem mais deveria estar? Que tipo de membros? E os novos membros? 6) Princípios de direção: O que estimulará a energia, a presença, a confiança, a participação? WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

66 Fatores Tecnológicos: Espaço e Tempo 1. Presença e visibilidade: Uma comunidade precisa ter uma presença na vida de seus membros e se tornar visível a eles. 2. Ritmo: Comunidades vivem no tempo e têm ritmos de eventos e rituais que reafirmam suas ligações e valores. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

67 Fatores Tecnológicos: Participação 3. Variedade de interações: Os membros de uma comunidade de prática precisam interagir para construir sua prática compartilhada. 4. Eficiência de envolvimento: Comunidades de prática competem com outras prioridades nas vidas de seus membros. A participação deve ser fácil. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

68 Fatores Tecnológicos: Criação do Valor 5. Valor a curto prazo: Comunidades de prática prosperam sobre o calor que entregam a seus membros e ao seu contexto organizacional. Cada interação deve criar algum valor. 6. Valor a longo prazo: Como membros se identificam com o domínio da comunidade, têm um compromisso a longo prazo com seu desenvolvimento. 7. Conexão com o mundo: Uma comunidade de prática pode criar valor fornecendo uma conexão com um campo ou comunidade maior com que seus membros queiram acompanhar.

69 Fatores Tecnológicos: Identidade 8. Identidade pessoal: Pertencer a uma comunidade de prática é parte da identidade de uma pessoa como praticante competente. 9. Identidade comunal: Comunidades de sucesso têm uma identidade forte, que os membros herdam para suas próprias vidas. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

70 Fatores Tecnológicos: Comunidade 10. Participação e relacionamentos O valor da participação não é meramente instrumental, mas também pessoal: interagir com colegas, desenvolver amizades, construir confiança. 11. Fronteiras complexas Comunidades de prática têm múltiplos níveis e tipos de participação. É importante que as pessoas na periferia sejam capazes de participar de alguma forma. E também dentro das comunidades, pessoas em subcomunidades sobre áreas de interesse. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

71 Fatores Tecnológicos: Desenvolvimento da comunidade 12. Evolução: amadurecimento e integração Comunidades de prática evoluem ao passar por estágios de desenvolvimento e encontrar novas conexões com o mundo. 13. Construção ativa da comunidade: Comunidades de prática de sucesso geralmente têm uma pessoa ou um grupo central que tem a responsabilidade ativa de movimentar a comunidade. WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

72 Integração atual entre trabalho e conhecimento Troca de conhecimento Bases de conhecimento Acesso à experiência Knexa Sharenet Quiq Webensino Verity Documentum Autonomy Espaços de E-learning WebCT Oracle Discovery Question Tacit Athenium LearningSpace Interwise Área de trabalho do trabalhador do conhecimento Organik Clerity AskMe BlackBoard DocuShare Notes Engenia K-station virtualteams Livelink Intraspect eproject eroom QuickPlace Comunidades de prática Infoworkspace Communispace Interações síncronas ArsDigita Prism CiviServer Teamware Plaza Espaços de projeto OpenItems Teamroom Bungo SharedPlanet InterCommunity Comunidades On line Caucus Coolboard Pensare Buzzpower TalkCity Webcrossing WeTalk PeopleLink Prospero ecircle Webex OpenTopic egroups PlaceWare Motet Webboard (AltaVista) Centra NetMeeting Evoke Blaxxun eshare UBB Astound SameTime StuffinCommon imeet VirtualMeeting PowWow Grupos de ConferenceRoom Ichat discussão Estruturas sociais Interações transitórias 8/16/11 Etienne Wenger

73 Estratégia para a análise de uma CoP IMAGINAÇÃO Orientação Reflexão Exploração ALINHAMENTO Convergência Coordenação Decisão DIFUSÃO INTERATIVA DO CONHECIMENTO TEORIA NONAKA CRIAÇÃO DE CONCEITOS ENGAJAMENTO Reciprocidade Competência TEORIA WENGER ESTRATÉGIA PARA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE CONSTRUÇÃO DE UM ARQUÉTIPO COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO TÁCITO Continuidade Reflexidade de resposta ESTILOS COGNITIVOS Holista Serialista Convergência de Pensamento Impulsividade Independência de Campo Divergência de Pensamento Dependência de Campo WENGER, E. Communities of practice. Cambridge: University Press, 1998.

74 Melhores Práticas: O compartilhamento de melhores práticas representa um dos primeiros passos na implementação de um SGC; Na maior parte das organizações, o compartilhamento de melhores práticas efetua-se sob diferentes formas: começase, muitas vezes, pelo levantamento de práticas comuns, sob a forma de manuais de instrução ou de linhas diretrizes. Em seguida, levanta-se e compartilha-se as melhores práticas;

75 Uma melhor prática é simplesmente um processo ou método que representa a forma, a mais eficaz, de alcançar um determinado objetivo; Alguns preferem utilizar a expressão «boa prática» porque, na realidade, é difícil afirmar que exista um único «melhor» método de fazer as coisas e, por outro lado, as práticas evoluem e são atualizadas constantemente; Pode-se, então, definir uma melhor prática nos seguintes termos: prática que foi demonstrada que funciona e que dá bons resultados e que pode ser, então, recomendada;

76 A maior parte dos conhecimentos sobre melhores práticas são tácitos; A maior parte dos programas de melhores práticas combinam dois elementos chaves: uma base de conhecimentos explícitos (banco de melhores práticas) e meios de compartilhar conhecimentos tácitos, tais como comunidades de prática; Todavia, como a melhor forma de compartilhar as melhores práticas consiste em mostrá-las na prática, é fundamental implementar comunidades e de estabelecer contatos com pessoas que já tiveram a oportunidade de implementar a prática em questão.

77 Vantagens das Melhores Práticas: Um compartilhamento eficaz de melhores práticas pode ajudar as organizações a: 1) Identificar e a substituir as práticas medíocres; 2) Melhorar o rendimento dos empregados médios para que eles se aproximem ainda mais dos melhores; 3) Evitar de ter que «reinventar a roda»; 4) Reduzir ao mínimo a quantidade de retrabalho em função de práticas medíocres; 5) Reduzir custos aumentando a produtividade e a eficácia; 6) Melhorar os serviços aos clientes.

78 Como identificar as melhores práticas? David Skyrme (2002) recomenda, para identificar e compartilhar as melhores práticas, uma abordagem em seis etapas, a saber: 1) Determinar as necessidades dos usuários; 2) Identificar as melhores práticas; 3) Documentar as melhores práticas (título, visão geral, contexto, recursos, descrição, medidas de melhoria, lições aprendidas, links com os recursos); 4) Validar as melhores práticas; 5) Difundir e aplicar as melhores práticas; 6) Criar uma infraestrutura de apoio. SKYRME, D,. Best Practices in Best Practices. 2002

79 Trabalho em Equipe (Teambuilding): 1) Objetivos da técnica; 2) Descrição geral da técnica; 3) Visão geral da técnica; 4) Técnicas específicas; 5) Benefícios do Teambuilding.

80 1)Objetivos da técnica: Os objetivos das técnicas de trabalho em equipe (teambuilding) são os seguintes: Desenvolver a cultura da organização na qual as equipes devem realizar suas atividades de trabalho; Decidir a composição de equipes específicas, contratando e gerenciando pessoas que as formarão, de modo a garantir uma adequada combinação de competências e experiências;

81 Trabalhar com a equipe para melhorar os níveis de confiança, cooperação e compreensão, a respeito as tarefas a serem realizadas; O trabalho em equipe é muito relevante para a gestão do conhecimento porque se relaciona com o modo de explorar a base de conhecimento da organização e com o modo de se desenvolver estrategicamente, como uma «organização que aprende». TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

82 2)Descrição geral da técnica: As equipes distinguem-se de grupos, comissões ou mesmo departamentos, observando-se os seguintes aspectos: A maneira de tomar decisões e de empreender ações que, normalmente, são mais independentes e com maior autocontrole; As responsabilidades e compromissos que são bem definidos; A relação de lealdade que é muito bem estabelecida.

83 3)Visão geral do processo: As tarefas a serem realizadas pelas equipes podem ser planificadas por um departamento de gestão, ou podem ser planificadas, de maneira autônoma, pelas próprias equipes; O trabalho em equipe reconhece que a burocracia pode obstaculizar a iniciativa individual e não ser operativa, especialmente durante períodos de incerteza e de rápidas mudanças;

84

85 TEMAGUIDE. A Guide to Technology Management and Innovation for Companies. Manchester: COTEC, 1998.

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Implantando Comunidadesde Prática

Implantando Comunidadesde Prática Implantando Comunidadesde Prática SUCESU 11 de Novembrode 2008 Cristiano Rocha, Milestone O mundomudou 80 s 2008 80 s 2008 O quedefine, hoje, a riquezadas organizações? surge uma economia baseada no conhecimento

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Intranets, Extranets e a Internet Uma intranet Sites é uma na rede Internet interna a uma organização que utiliza tecnologias da Internet para fornecer um ambiente do

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Módulo II - Aula 3 Comunicação

Módulo II - Aula 3 Comunicação Módulo II - Aula 3 Comunicação O surgimento da comunicação entre as pessoas por meio de computadores só foi possível após o surgimento das Redes de Computadores. Na aula anterior você aprendeu sobre a

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 7: Sistemas de Informação Colaborativos 7-1 Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Saraiva S/A Livreiros Editores, 2001 Editora Saraiva The McGraw-Hill

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21

AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 AMERICAN ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANS PARÂMETROS PARA O APRENDIZ DO SÉCULO 21 CONVICÇÕES COMPARTILHADAS A leitura é uma janela para o mundo. A leitura é uma competência fundamental para a aprendizagem,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais