A reparação dos acidentes de trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A reparação dos acidentes de trabalho"

Transcrição

1 Manual Prático para Oficiais de Justiça A reparação dos acidentes de trabalho CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça

2 Todas as referências legislativas usadas neste texto, sem menção contrária, referem-se à Lei n.º 98/2009, de 4 de setembro que regulamenta o regime de reparação de acidentes de trabalho e de doenças profissionais, incluindo a reabilitação e reintegração profissionais, nos termos do artigo 284.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro. 2

3 A REPARAÇÃO DOS ACIDENTES DE TRABALHO 1 A reparação é o ato ou conjunto de ações pelos quais se visa a restauração ou recomposição de um dano ou prejuízo, causado pela lesão de um direito subjetivo, de forma a reconstituir a situação anterior à lesão. O direito à reparação pertence aos trabalhadores sinistrados e seus familiares e tem caráter imperativo, isto é, não se trata de um direito cuja efetivação esteja na disponibilidade dos seus titulares. A obrigação de reparar compete às «pessoas singulares ou coletivas de direito privado e de direito público não abrangidas por legislação especial, relativamente aos trabalhadores ao seu serviço». Alegre, Carlos.Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais, Almedina O acidente de trabalho pode determinar incapacidade temporária ou permanente para o trabalho por parte da(o) sinistrada(o). A assistência médica, a hospitalização, a hospedagem e os transportes, a indemnização em capital e a pensão por incapacidade e os subsídios são prestações destinadas a compensar a(o) sinistrada(o) pela perda ou redução da sua capacidade de trabalho ou de ganho resultante de acidente de trabalho. A incapacidade temporária pode ser parcial ou absoluta. A indemnização por incapacidade temporária para o trabalho destina-se a compensar a(o) sinistrada(o), durante um período de tempo limitado, pela perda ou redução da capacidade de trabalho ou de ganho resultante de acidente de trabalho. A incapacidade permanente pode ser parcial, absoluta para o trabalho habitual ou absoluta para todo e qualquer trabalho. A incapacidade temporária converte-se em permanente decorridos que sejam 18 meses consecutivos, devendo a(o) perita(o) médica(o) do tribunal reavaliar o respetivo grau de incapacidade. Verificando-se que à/ao sinistrada(o) está a ser prestado o tratamento clínico necessário, o Ministério Público pode prorrogar o prazo fixado no número anterior, até ao máximo de 30 meses, a requerimento da entidade responsável e ou da(o) sinistrada(o). 1 Aplicável aos acidentes de trabalho ocorridos a partir de 1 de janeiro de 2010 art.º 188.º 3

4 O direito à reparação compreende as seguintes prestações: Em espécie: prestações de natureza médica, cirúrgica, farmacêutica, hospitalar e quaisquer outras, seja qual for a sua forma, desde que necessárias e adequadas ao restabelecimento do estado de saúde e da capacidade de trabalho ou de ganho da(o) sinistrada(o) e à sua recuperação para a vida ativa, tais como: - A assistência médica e cirúrgica, geral ou especializada, incluindo todos os elementos de diagnóstico e de tratamento que forem necessários, bem como as visitas domiciliárias; - A assistência medicamentosa e farmacêutica; - Os cuidados de enfermagem; - A hospitalização e os tratamentos termais; - A hospedagem; - Os transportes para observação, tratamento ou comparência a atos judiciais; - O fornecimento de ajudas técnicas e outros dispositivos técnicos de compensação das limitações funcionais, bem como a sua renovação e reparação; - Os serviços de reabilitação e reintegração profissional e social, incluindo a adaptação do posto do trabalho; - Os serviços de reabilitação médica ou funcional para a vida ativa; - Apoio psicoterapêutico, sempre que necessário, à família da(o) sinistrada(o). Em dinheiro: indemnizações, pensões, prestações e subsídios, tais como: - A indemnização por incapacidade temporária para o trabalho; - A pensão provisória; - A indemnização em capital e pensão por incapacidade permanente para o trabalho; - O subsídio por situação de elevada incapacidade permanente; - O subsídio por morte; - O subsídio por despesas de funeral; - A pensão por morte; - A prestação suplementar para assistência de terceira pessoa; - O subsídio para readaptação de habitação; - O subsídio para a frequência de ações no âmbito da reabilitação profissional necessárias e adequadas à reintegração da(o) sinistrada(o) no mercado de trabalho que é cumulável com algumas das prestações anteriores, não podendo no seu conjunto ultrapassar, mensalmente, o montante equivalente a seis vezes o valor de 1,1 do indexante de apoios sociais (IAS) 2 sendo, por conseguinte, atualizado anualmente na mesma percentagem em que o for o IAS (art.º 54.º, n.º 4). 2 Para 2012 o IAS é de 419,22. O IAS foi instituído pela Lei n.º 53-B/2006, de 29 de dezembro e atualizado pelas Portarias n.ºs 9/2008, de 3 de janeiro (IAS/2008), 1514/2008, de 24 de dezembro (IAS/2009), Dec. Lei n.º 323/2009, de 24 de dezembro (IAS/2010), e Leis n.ºs 55-A/2010, de 31 de dezembro - Aprova o Orçamento do Estado para Suspende o regime de atualização do IAS e 64- B/2011, de 30 de dezembro - Aprova o Orçamento de Estado para Suspende o regime de atualização do IAS. 4

5 Por outro lado, a(o) sinistrada(o) tem direito ao fornecimento ou ao pagamento de transportes e estadia 3, que devem obedecer às condições de comodidade impostas pela natureza da lesão ou da doença. Este fornecimento ou o seu pagamento abrangem as deslocações e permanência necessárias à observação e tratamento e as exigidas pela comparência a atos judiciais, salvo, quanto a estas, se for consequência de pedido que venha a ser julgado improcedente. A(O) sinistrada(o) utilizará os transportes coletivos, salvo não os havendo ou se outro for mais indicado pela urgência do tratamento, por determinação da(o) médica(o) assistente ou por outras razões ponderosas atendíveis. O pagamento de transporte é, igualmente, extensivo à/ao beneficiária(o) legal da(o) sinistrada(o) sempre que for exigida a sua comparência em tribunal e em exames necessários à determinação da sua incapacidade. A indemnização por incapacidade temporária e a pensão por morte e por incapacidade permanente, absoluta ou parcial, são calculadas com base na retribuição anual ilíquida normalmente devida à/ao sinistrada(o), à data do acidente. Entende-se por retribuição anual o produto de 12 vezes a retribuição mensal acrescida dos subsídios de Natal e de férias e outras prestações anuais a que a(o) sinistrada(o) tenha direito com caráter de regularidade. Retribuição mensal são todas as prestações recebidas com caráter de regularidade que não se destinem a compensar a(o) sinistrada(o) por custos aleatórios. Em nenhum caso a retribuição pode ser inferior à que resulte da lei ou de instrumento de regulamentação coletiva de trabalho. A indemnização em capital, o subsídio por situação de elevada incapacidade permanente, os subsídios por morte e despesas de funeral e o subsídio para readaptação de habitação são prestações de atribuição única. O valor de referência para o cálculo das prestações é o IAS (indexante dos apoios sociais, criado pela Lei n.º 53/2006, de 29 de Dezembro). 3 Quando a(o) sinistrada(o) for menor de 16 anos ou quando a natureza da lesão ou da doença ou outras circunstâncias especiais o exigirem, o direito a transporte e estada é extensivo à pessoa que a(o) acompanhar. 5

6 FÓRMULAS PARA O CÁLCULO DE PENSÕES E DE INDEMNIZAÇÕES A - PRESTAÇÕES POR INCAPACIDADE Se do acidente resultar redução na capacidade de trabalho ou ganho da(o) sinistrada(o), esta(e) terá direito às seguintes prestações: 1. NAS INCAPACIDADES PERMANENTES: A pensão por incapacidade permanente é fixada em montante anual e começa a vencer-se no dia seguinte ao da alta da(o) sinistrada(o). Sem prejuízo do disposto no Código de Processo do Trabalho, pode ser estabelecida uma pensão provisória por incapacidade permanente entre o dia seguinte ao da alta e o momento de fixação da pensão definitiva. A pensão provisória destina-se a garantir uma proteção atempada e adequada nos casos de incapacidade permanente sempre que haja razões determinantes do retardamento da atribuição das prestações. A pensão provisória por incapacidade permanente inferior a 30 % é atribuída pela entidade responsável e calculada nos termos da al. c) do n.º 3 do art.º 48.º, com base na incapacidade definida pela(o) médica(o) assistente e na retribuição garantida. A pensão provisória por incapacidade permanente igual ou superior a 30 % é atribuída pela entidade responsável, sendo de montante igual ao valor mensal da indemnização prevista na alínea e) do n.º 3 do artigo 48.º, tendo por base a incapacidade definida pela(o) médica(o) assistente e a retribuição garantida. Prestação suplementar para assistência a terceira pessoa A prestação suplementar da pensão destina-se a compensar os encargos com assistência de terceira pessoa em face da situação de dependência em que se encontre ou venha a encontrar a(o) sinistrada(o) por incapacidade permanente para o trabalho, em consequência de lesão resultante de acidente. Esta prestação suplementar é fixada em montante mensal e tem como limite máximo o valor de 1,1 do IAS 4 e é atualizada anualmente na mesma percentagem em que o for o IAS. 4 Atualmente 460,22. 6

7 Na incapacidade permanente absoluta para todo e qualquer trabalho - (I.P.A. tqt): Por incapacidade permanente absoluta para todo e qualquer trabalho pensão anual e vitalícia igual a 80 % da retribuição, acrescida de 10 % desta por cada pessoa a cargo 5, até ao limite da retribuição; Pensão anual = retribuição anual x 80 % (acrescida de 10 % por cada pessoa a cargo 6 ) Subsídios: Subsídio por situações de elevada incapacidade permanente = 12 x 1,1 IAS Subsídio readaptação da habitação = até 12 x 1,1 IAS 7 Subsídio por assistência por terceira pessoa = 1,1 IAS por mês Na incapacidade permanente absoluta para o trabalho habitual - (I.P.A. th) Por incapacidade permanente absoluta para o trabalho habitual - pensão anual e vitalícia compreendida entre 50 % e 70 % da retribuição, conforme a maior ou menor capacidade funcional residual para o exercício de outra profissão compatível; Pensão anual = retribuição anual x entre 50 % e 70 % x IPP Subsídio por situações de elevada incapacidade permanente = entre 70 % a 100 % de 12 X 1,1 IAS Subsídio readaptação da habitação = até 12 X 1,1 IAS 8 Subsídio por reabilitação = 1,1 IAS 9 Na incapacidade permanente parcial (I.P.P.) igual ou superior a 30 %: Por incapacidade permanente parcial - pensão anual e vitalícia correspondente a 70 % da redução sofrida na capacidade geral de ganho ou capital de remição da pensão. A incapacidade permanente parcial igual ou superior a 70 % confere ao beneficiário o direito a um subsídio correspondente ao produto entre 12 vezes o valor de 1,1 IAS 10 e o grau de incapacidade fixado. Pensão anual = retribuição anual x 70 % x IPP Capital de remição(parte remível) = retribuição anual x 70 % x IPP x taxa aplicavel Subsídio por situações de elevada incapacidade permanente (se maior do que 70 %) = entre 70 % a 100 % (consoante a IPP) de 12 X 1,1 IAS 5 Pessoa a cargo vd. art.º 49.º 6 Até ao limite da retribuição. 7 Ou limite das despesas efetuadas 8 Idem 9 Idem 10 Idem 7

8 Subsídio por reabilitação = 1,1 IAS 11 Na incapacidade permanente parcial (I.P.P.) inferior a 30 %: Por incapacidade permanente parcial - pensão anual e vitalícia correspondente a 70 % da redução sofrida na capacidade geral de ganho ou capital de remição da pensão. Pensão anual = retribuição anual x 70 % x IPP (se não for remível) Capital de remição = retribuição anual x 70 % x IPP x taxa aplicavel Subsídio por reabilitação = 1,1 IAS NAS INCAPACIDADES TEMPORÁRIAS: A indemnização por incapacidade temporária é devida enquanto a(o) sinistrada(o) estiver em regime de tratamento ambulatório ou de reabilitação profissional. A indemnização por incapacidade temporária é paga em relação a todos os dias, incluindo os de descanso e feriados, e começa a vencer-se no dia seguinte ao do acidente sendo paga mensalmente. Na incapacidade temporária superior a 30 dias é paga a parte proporcional correspondente aos subsídios de férias e de Natal, determinada em função da percentagem da prestação prevista nas alíneas d) e e) do n.º 3 do artigo 48.º Na incapacidade temporária absoluta - (I.T.A.): Por incapacidade temporária absoluta - indemnização diária igual a 70 % da retribuição nos primeiros 12 meses e de 75 % no período subsequente; Menos de 12 meses: Indemnização diária = Retribuição diária 70 % Mais de 12 meses: Indemnização diária = Retribuição diária 75 % Mais de 30 dias: Acresce proporcionais dos subsídios de férias e de Natal 11 Idem 12 Idem 8

9 Na incapacidade temporária parcial - (I.T.P.): Por incapacidade temporária parcial - indemnização diária igual a 70 % da redução sofrida na capacidade geral de ganho. Indemnização diária = Retribuição diária 70 % IPP Mais de 30 dias: Acresce proporcionais dos subsídios de férias e de Natal B - PENSÕES POR MORTE A pensão por morte, incluindo a devida a nascituro 13, é fixada em montante anual e vence-se a partir do dia seguinte ao do falecimento da(o) sinistrada(o) e cumula-se com quaisquer outras. Nestes casos, a pensão é devida aos seguintes familiares e equiparados da(o) sinistrada(o): cônjuge ou pessoa que com ele vivia em união de facto; ex-cônjuge ou cônjuge judicialmente separado à data da morte da(o) sinistrada(o) e com direito a alimentos; filha(o)s, ainda que nascituros, e a(o)s adoptada(o)s, à data da morte da(o) sinistrada(o), se estiverem nas condições previstas no n.º 1 do artigo 60.º; ascendentes que, à data da morte da(o) sinistrada(o), se encontrem nas condições previstas na alínea d) do n.º 1 do artigo 49.º; outra(o)s parentes sucessíveis que, à data da morte da(o) sinistrada(o), com ela(e) vivam em comunhão de mesa e habitação e se encontrem nas condições previstas no n.º 1 do artigo 60.º. A(O) enteada(o) da(o) sinistrada(o) é equiparada(o) a filha(o) o desde que este estivesse obrigada(o) à prestação de alimentos. Por outro lado, é considerada pessoa que vivia em união de facto aquela que preencha os requisitos do art.º 2020.º do Código Civil 14. Se do acidente resultar a morte, as pensões anuais serão as seguintes: À/Ao cônjuge ou a pessoa que com ele vivia em união de facto - 30 % da retribuição da(o) sinistrada(o) até perfazer a idade de reforma por velhice e 40 % a partir daquela idade ou da verificação de deficiência ou doença crónica que afete sensivelmente a sua capacidade para o trabalho; 1. Até perfazer a idade de reforma por velhice: 13 Segundo o Prof. José de Oliveira Ascensão, nascituro é a pessoa ainda não nascida mas que pode nascer de progenitor ou progenitores definidos. 14 Extrato do art.º 2020.º do CC União de Facto: 1. Aquele que, no momento da morte de pessoa não casada ou separada judicialmente de pessoas e bens, vivia com ela há mais de dois anos em condições análogas às dos cônjuges. 9

10 Pensão anual = Retribuição anual 30 % 2. A partir da idade de reforma ou da verificação de deficiência ou doença crónica: Pensão anual = Retribuição anual 40 % À/Ao ex-cônjuge ou cônjuge judicialmente separada(o) e com direito a alimentos a pensão estabelecida na alínea anterior e nos mesmos termos, até ao limite do montante dos alimentos fixados judicialmente. Pensão anual = à anterior, não podendo ultrapassar o montante dos alimentos fixados judicialmente À/Aos filha(o)s: 1. Se não forem órfãos de pai e mãe: Se do acidente resultar a morte, têm direito à pensão a(o)s filha(s) que se encontrem nas seguintes condições: idade inferior a 18 anos; entre os 18 e os 22 anos, enquanto frequentarem o ensino secundário ou curso equiparado; entre os 18 e os 25 anos, enquanto frequentarem curso de nível superior ou equiparado e sem limite de idade, quando afetada(o)s por deficiência ou doença crónica que afete sensivelmente a sua capacidade para o trabalho. O montante da pensão da(o)s filha(o)s é de 20 % da retribuição da(o) sinistrada(o) se for apenas um, 40 % se forem dois, 50 % se forem três ou mais, recebendo o dobro destes montantes, até ao limite de 80 % da retribuição da(o) sinistrada(o), se forem órfã(o)s de pai e mãe. 1 filha(o):... Pensão anual = Retribuição anual 20 % 2 filha(o)s:... Pensão anual = Retribuição anual 40 % 3 ou mais filha(o)s:... Pensão anual = Retribuição anual 50 % 2. Se forem órfãos de pai e mãe: 1 filha(o):... Pensão anual = Retribuição anual 40 % 2 ou mais filha(o)s... Pensão anual = Retribuição anual 80 % À/Aos ascendentes e outra(o)s parentes sucessíveis: 10

11 Se do acidente resultar a morte da(o) sinistrada(o), o montante da pensão da(o)s ascendentes e quaisquer parentes sucessíveis é, para cada, de 10 % da retribuição da(o) sinistrada(o), não podendo o total das pensões exceder 30 % desta. Na falta da(o)s anteriores beneficiária(o)s, a(o)s ascendentes que, à data da morte do sinistrado, tenham rendimentos individuais de valor mensal inferior ao valor da pensão social ou que conjuntamente com os do seu cônjuge ou de pessoa que com ele viva em união de facto não exceda o dobro deste valor, ou outros parentes sucessíveis que, à data da morte do sinistrado, com ele vivam em comunhão de mesa e habitação recebem, cada um(a), 15 % da retribuição da(o) sinistrada(o), até perfazerem a idade de reforma por velhice, e 20 % a partir desta idade ou no caso de deficiência ou doença crónica que afete sensivelmente a sua capacidade para o trabalho. Todavia, o total das pensões previstas no número anterior não pode exceder 80 % da retribuição da(o) sinistrada(o), procedendo-se a rateio, se necessário. C SUBSÍDIOS 1. SUBSIDIOS POR MORTE O subsídio por morte destina-se a compensar os encargos decorrentes do falecimento da(o) sinistrada(o). O subsídio por morte é igual a 12 vezes o valor de 1,1 IAS à data da morte, sendo atribuído: metade ao cônjuge, ex-cônjuge, cônjuge separado judicialmente ou à pessoa que com a(o) sinistrada(o) vivia em união de facto e metade às/aos filha(o)s que tiverem direito a pensão ou por inteiro ao cônjuge, ex-cônjuge, cônjuge separado judicialmente ou à pessoa que com a(o) sinistrada(o) vivia em união de facto ou aos filhos quando concorrerem isoladamente. O subsídio a atribuir ao ex-cônjuge e ao cônjuge separado judicialmente depende de esta(e) ter direito a alimentos da(o) sinistrada(o), não podendo exceder 12 vezes a pensão mensal que estiver a receber. O subsídio por morte não é devido se a(o) sinistrada(o) não deixar beneficiária(o)s descendentes. 2. SUBSIDIOS POR DESPESAS DE FUNERAL O subsídio por despesas de funeral destina-se a compensar as despesas efetuadas com o funeral da(o) sinistrada(o) sendo igual ao montante das despesas efetuadas com o mesmo, com o limite de quatro vezes o valor de 1,1 IAS, aumentado para o dobro se houver trasladação Transporte de restos mortais de uma pessoa, de uma sepultura para outra. 11

12 O direito ao subsídio por despesas de funeral pode ser reconhecido a pessoas distintas dos familiares e equiparados da(o) sinistrada(o) tendo a ele direito quem comprovadamente tiver efetuado o pagamento das despesas. O prazo para requerer o subsídio por despesas de funeral é de um ano a partir da realização da respetiva despesa. 3. SUBSÍDIO POR SITUAÇÕES DE ELEVADA INCAPACIDADE PERMANENTE Este subsídio destina-se a compensar a(o) sinistrada(o), com incapacidade permanente absoluta ou incapacidade permanente parcial igual ou superior a 70 %, pela perda ou elevada redução permanente da sua capacidade de trabalho ou de ganho resultante de acidente de trabalho. A incapacidade permanente absoluta para todo e qualquer trabalho confere à/ao sinistrada(o) o direito a um subsídio igual a 12 vezes o valor de 1,1 do IAS. A incapacidade permanente absoluta para o trabalho habitual confere à/ao beneficiária(o) direito a um subsídio a fixar entre 70 % e 100 % de 12 vezes o valor de 1,1 do IAS, tendo em conta a capacidade funcional residual para o exercício de outra profissão compatível. A incapacidade permanente parcial igual ou superior a 70 % confere à/ao beneficiária(o) o direito a um subsídio correspondente ao produto entre 12 vezes o valor de 1,1 do IAS vezes o grau de incapacidade concretamente fixado à/ao sinistrada(o). Para este efeito, o valor do IAS corresponde ao que estiver em vigor à data do acidente. Nos casos em que se verifique cumulação de incapacidades, serve de base à ponderação o grau de incapacidade global fixado nos termos legais. 4. SUBSÍDIO PARA READAPTAÇÃO DE HABITAÇÃO O subsídio para readaptação de habitação destina-se, tal como o nome indica, ao pagamento de despesas com a readaptação da habitação da(o) sinistrada(o) por incapacidade permanente para o trabalho que dela necessite, em função da sua incapacidade. A/O sinistrada(o) tem direito ao pagamento das despesas suportadas com a readaptação de habitação, até ao limite de 12 vezes o valor de 1,1 IAS em vigor à data do acidente. SUBSÍDIO PARA FREQUÊNCIA DE AÇÕES DE REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Este subsídio destina-se ao pagamento de despesas com ações que tenham por objetivo a reintegração da(o) sinistrada(o) no mercado de trabalho e restabelecer as aptidões e 12

13 capacidades profissionais da(o) sinistrada(o) sempre que a gravidade das lesões ou outras circunstâncias especiais o justifiquem. A atribuição deste subsídio depende de a(o) sinistrada(o) reunir, cumulativamente, as seguintes condições: ter capacidade remanescente adequada ao desempenho da profissão a que se referem as ações de reabilitação profissional; ter direito a indemnização ou pensão por incapacidade resultante do acidente de trabalho ou doença profissional; ter requerido a frequência de ação ou curso ou aceite proposta do IEFP ou de outra instituição por este certificada e obter parecer favorável da(o) perita(o) médica(o) responsável pela avaliação e determinação da incapacidade. O montante do subsídio corresponde ao montante das despesas efetuadas com a frequência do mesmo, sem prejuízo, caso se trate de ação ou curso organizado por entidade diversa do IEFP, do limite do valor mensal correspondente ao valor de 1,1 IAS. Este subsídio é devido a partir da data do início efetivo da frequência da ação de formação, não podendo a sua duração, seguida ou interpolada, ser superior a 36 meses, salvo em situações excecionais devidamente fundamentadas. Encontra-se prevista a possibilidade de cumulação deste subsídio profissional com a indemnização por incapacidade temporária para o trabalho, a pensão provisória, a indemnização em capital e pensão por incapacidade permanente para o trabalho e com o subsídio para readaptação de habitação, não podendo, porém, no seu conjunto ultrapassar mensalmente o equivalente a 6 vezes o valor de 1,1 do IAS. NOTAS: 1 - Deficiência ou doença crónica da(o) beneficiária(o) legal: Para os fins previstos nos artigos 59.º, 60.º e 61.º, considera-se com capacidade para o trabalho sensivelmente afetada a(o) beneficiária(o) legal da(o) sinistrada(o) que sofra de deficiência ou doença crónica que lhe reduza definitivamente a sua capacidade geral de ganho em mais de 75 %. 2 - Se não houver beneficiária(o)s com direito a pensão, reverte para o Fundo de Acidentes de Trabalho uma importância igual ao triplo da retribuição anual. 3 - As pensões por morte são cumuláveis, mas o seu total não pode exceder 80 % da retribuição da(o) sinistrada(o). 4 - Se as pensões referidas nos artigos 59.º a 61.º excederem 80 % da retribuição da(o) sinistrada(o), são sujeitas a rateio, enquanto esse montante se mostrar excedido. 13

14 5 - Se durante o período em que a pensão for devida às/aos filha(o)s qualquer um deles ficar órfão de pai e mãe, a respetiva pensão é aumentada para o dobro, até ao limite máximo de 80 % da retribuição da(o) sinistrada(o). 6 - As pensões da(o)s filha(o)s da(o) sinistrada(o) são, em cada mês, as correspondentes ao número dos que têm direito a pensão nesse mês. D - AGRAVAMENTO DA RESPONSABILIDADE - ATUAÇÃO CULPOSA DO EMPREGADOR Quando o acidente tiver sido provocado pela(o) empregador(a), seu representante ou entidade por aquela(e) contratada e por empresa utilizadora de mão-de-obra, ou resultar de falta de observação, por aqueles, das regras sobre segurança e saúde no trabalho, a responsabilidade individual ou solidária pela indemnização abrange a totalidade dos prejuízos, patrimoniais e não patrimoniais, sofridos pela(o) trabalhador(a) e seus familiares, nos termos gerais. É devida ainda uma pensão anual ou indemnização diária, destinada a reparar a redução na capacidade de trabalho ou de ganho ou a morte, fixada segundo as regras seguintes: a) Nos casos de incapacidade permanente absoluta para todo e qualquer trabalho, ou incapacidade temporária absoluta, e de morte, igual à retribuição; b) Nos casos de incapacidade permanente absoluta para o trabalho habitual, compreendida entre 70 % e 100 % da retribuição, conforme a maior ou menor capacidade funcional residual para o exercício de outra profissão compatível; c) Nos casos de incapacidade parcial, permanente ou temporária, tendo por base a redução da capacidade resultante do acidente. No caso de morte, a pensão prevista no número anterior é repartida pelos beneficiários da(o) sinistrada(o), de acordo com as proporções previstas nos artigos 59.º a 61.º CÁLCULO DO CAPITAL DE REMIÇÃO A remição consiste numa forma de reparação, em que, em vez de ser paga uma pensão anual e vitalícia, é calculado um determinado capital indemnizatório, que vai ser pago de uma só vez à/ao sinistrada(o) In Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais, 2.ª Edição, Almedina, Carlos Alegre 14

15 A remição, porém, não prejudica o direito às prestações em espécie, a revisão da prestação, a atualização da pensão remanescente 17 no caso de remição parcial bem como, em caso de falecimento da(o) sinistrada(o), os direito atribuídos às/aos respetiva(o)s beneficiária(o)s legais. O cálculo do capital de remição é da competência da secretaria judicial. O capital de remição é o produto da pensão anual por uma taxa correspondente à idade do sinistrado. Poderá perguntar-se se, no processo, deverá a secretaria abrir Vista ou Conclusão. Pensamos que qualquer das duas hipóteses é admissível, uma vez o M.º P.º vai não só verificar o cálculo, mas também ordenar as diligências necessárias à entrega do capital, designando data para um ato ao qual vai presidir. A pensão poderá ser fixada: 1 No auto de conciliação, devidamente homologado, caso tenha havido acordo na fase conciliatória (art.º 114.º do CPT); 2 Na decisão ou sentença final proferidas pelo juiz, na fase contenciosa (art.ºs 140.º, n.ºs 1 e 2 e 135.º do CPT. Neste caso haverá, porém, que aguardar o trânsito em julgado, para que a secretaria possa proceder ao cálculo. Assim e uma vez que a taxa depende da idade da(o) beneficiária(o), para a elaboração do respetivo cálculo são necessários os seguintes elementos: pensão anual, idade do sinistrado e taxa correspondente. Vejamos cada um deles: 1. Pensão anual Está fixada, no auto de conciliação ou na decisão proferida pelo juiz. 2. Idade do sinistrado Para saber a idade da(o) sinistrada(o), precisamos necessariamente de duas datas: a data do seu nascimento e a data a que se refere o cálculo. Ou, pondo a questão de outro modo: a idade que a(o) sinistrada(o) tinha quando? 17 Ou, segundo alguns autores, da pensão que não pode ser remida 15

16 A data do nascimento consta necessariamente do processo, mormente da certidão de nascimento que foi requisitada à respetiva Conservatória; Quanto à data a que se refere o cálculo, ela dependerá de a pensão ser ou não obrigatoriamente remível Se a pensão for obrigatoriamente remível, uma vez que a(o) sinistrada(o) (ou beneficiária(o)) não chega, de facto, a receber nenhuma pensão, haverá que considerar a sua idade na data em que aquela começaria a vencer-se, ou seja, no dia seguinte à data da alta definitiva ou da morte, por força do disposto na última parte do n.º 1 do art.º 75.º; 2.2. Se a pensão não for obrigatoriamente remível, quer dizer que a remição foi requerida e admitida pelo juiz depois de ouvidos o Ministério Público e a parte não requerente (n.º 1 do art.º 148.º CPT). Assim sendo, deveremos considerar a idade da(o) sinistrada(o) na data em que aquele magistrado autorizou o pedido de remição, sendo certo que, até essa data, o sinistrado tem direito a receber os proporcionais da sua pensão anual. Em resumo: para efeitos do cálculo do capital de remição, haverá que considerar a idade que a(o) sinistrada(o) tinha no dia seguinte ao da alta definitiva (se a pensão for obrigatoriamente remível ponto 2.1.) ou a idade que o sinistrado tinha na data em que o juiz deferiu o pedido de remição (no caso de esta ter sido requerida ponto 2.2.). 3. Taxas aplicáveis Apesar de a lei prever que as bases técnicas e as tabelas práticas são aprovadas por decreto-lei, enquanto este não for promulgado, mantém-se em vigor a Portaria n.º 11/2000, de 13 de janeiro. Assim sendo, para encontrar a taxa (correspondente à idade), há que consultar a tabela que a cada caso for aplicável. Note-se que, na aplicação daquelas tabelas, deverá tomar-se a idade correspondente ao aniversário mais próximo da data a que se refere o cálculo, ou seja, se tiverem já decorrido mais de seis meses desde o último aniversário, considera-se o aniversário seguinte. Assim, e como exemplo, se o pensionista tiver 37 anos e mais de seis meses, considera-se a taxa da tabela correspondente a 38 anos. Sendo a remição, como já vimos, a conversão em capital de uma pensão anual e vitalícia, é natural que, em igualdade de circunstâncias quanto ao montante da pensão de um(a) determinada(o) sinistrada(o), seja tanto menor o capital de remição quanto maior for a sua idade. 16

17 Assim, na tabela prática aplicável às/aos sinistrada(o)s, conforme a idade destes vai aumentando, vai a respetiva taxa diminuindo. A - REMIÇÃO OBRIGATÓRIA Vejamos agora um exemplo de como poderá ser feito, no processo, um cálculo de capital de remição de uma pensão de 740,84, devida a partir de 15 de fevereiro de 2012, e fixada em 20 de março do mesmo ano a um(a) determinada(o) sinistrada(o), nascida(o) no dia 03 de agosto de CÁLCULO DO CAPITAL DE REMIÇÃO Pensão anual ,84 IPP 7 % Data do nascimento de agosto de 1974 Data a que se refere o cálculo de fevereiro de 2012 Idade a considerar anos Taxa aplicável... 15, ,84 x 15,866 = ,17 Capital de remição: onze mil setecentos e cinquenta e quatro euros e dezassete cêntimos, a cargo d... (Data e assinatura) NOTAS: 1.ª - A pensão em causa, no montante de 740,84, é obrigatoriamente remível, nos termos do art.º 75.º, n.º 1, uma vez que a incapacidade permanente parcial é inferior a 30 % e o valor da pensão anual é inferior a 2.910,00 (seis vezes a remuneração mínima mensal garantida (RMMG) à data da alta: 485,00 x 6 = 2.910,00); 2.ª Sendo a pensão obrigatoriamente remível, a data a que se refere o cálculo é o dia seguinte à data da alta (ou da morte) (art.º 75.º, n.º 2, o que significa que, no caso em apreço, à/ao sinistrada(o) teria sido dada alta pela seguradora no dia 14 de fevereiro de ª Embora a(o) sinistrada(o), à data a que se refere o cálculo (15 de fevereiro de 2012) tenha ainda 37 anos de idade, há que considerar a idade correspondente ao 38.º aniversário, por este ser o mais próximo de facto, decorreram já mais de 6 meses desde que completou os 37 anos. 17

18 4.ª Sugere-se a expressão data a que se refere o cálculo e não data do cálculo utilizada por vezes em alguns tribunais. É que esta última poderá induzir em erro, por não ser, de facto, a data em que o cálculo é efetuado (este é datado e assinado pela(o) Oficial de Justiça) mas sim a data que se deve considerar para efeitos do cálculo. 5.ª Os elementos que constam do exemplo acima são os necessários e suficientes para que se possa proceder ao cálculo do capital de remição e, consequentemente, para que o M.º P.º, nos termos do n.º 4 do art.º 148.º do CPT, o possa verificar. 6.ª - Outra novidade é a referência à IPP do sinistrado. É que atualmente a remição obrigatória está limitada ao facto de a IPP ser inferior a 30 % não sendo, então, possível a remição de pensão de um sinistrado com uma IPP inferior a 30 % que seja superior a 6 vezes a RMMG ª Se houver mais do que uma entidade responsável pelo pagamento da pensão, as suas responsabilidades estarão necessariamente estabelecidas previamente, pelo que há que calcular o montante total do capital e aplicar, depois, e para cada um dos responsáveis, as respetivas proporções. 8.ª O resultado do cálculo deve ser arredondado nos termos gerais. Assim e no exemplo em questão, sendo o resultado do cálculo ,167, deverá o mesmo ser arredondado para ,17. B - REMIÇÕES PARCIAIS A seguir se alinham algumas notas, que esperamos tenham utilidade para o cálculo de remições parciais. Para que uma determinada pensão anual e vitalícia possa ser parcialmente remida tem necessariamente que respeitar, cumulativamente, os seguintes requisitos: a) Ser de montante superior a seis vezes a remuneração mínima mensal garantida (RMMG) à data da autorização da pensão; e b) A incapacidade ser igual ou superior a 30 % ou a pensão anual vitalícia do beneficiário legal. c) a requerimento do sinistrado ou beneficiário legal. 18 Se assim for levanta-se a questão sobre se esta pensão, não sendo remível, será objeto de atualização anual? Da leitura do n.º 2 do art.º 82.º parece que a resposta seria negativa Deixaremos esta questão para o prudente juízo do magistrado. 18

19 E isto porque basta que um destes requisitos não se verifique para que não seja possível a remição da pensão. Uma pensão anual e vitalícia, com aquelas características, pode ser parcialmente remida, a requerimento, desde que respeite os limites que veremos a seguir. Se assim for: 1. Uma parte dessa pensão é transformada em capital; 2. A parte restante (pensão sobrante) mantém a natureza de pensão anual, ficando a ser paga à/ao sinistrada(o) (ou beneficiária(o)) nos termos do art.º 72.º. O n.º 2 do art.º 75.º estabelece limites tanto para a pensão sobrante (al. a)) como para o capital resultante da remição (al. b)), nos seguintes termos: a) A pensão sobrante não pode ser inferior a seis vezes a remuneração mínima mensal garantida em vigor à data da autorização da remissão (6 x RMMG); b) O capital de remição não pode ser superior ao que resultaria da remição de uma pensão daquela(e) sinistrada(o) se calculada com base numa incapacidade de 30 %. Sendo a remição parcial requerida pela(o) sinistrada(o) (ou pela(o) beneficiária(o) legal), é natural que esta(e) pretenda que o respetivo capital seja o maior possível, dentro dos condicionalismos que a lei impõe. É esta realmente, na prática, a situação mais comum. Vejamos então como proceder para maximizar o capital de remição de uma pensão parcialmente remível. Para que a parte da pensão anual a remir seja o maior possível, a pensão sobrante (a parte não remível da pensão) deverá ser o menor possível. Como não pode ser inferior a seis vezes a RMMG à data da autorização da remição, vamos considerar este valor mínimo como a parte não remível da pensão. Assim, dividimos a pensão anual em duas partes, da seguinte forma: 1 - O valor mínimo não remível = 6 x RMMG; 2 - A parte excedente, ou seja, a diferença entre a pensão anual e esse valor = pensão anual 6 x RMMG. 19

20 Para facilitar vamos chamar P6 ao valor mínimo referido em 1 e PExced à parte excedente a esse valor, referida em 2. Então: P6 = 6 x RMMG PExced = Pensão anual P6 Porém, nem sempre a PExced pode ser remida na totalidade, uma vez que o n.º 2, al. b), do art.º 75.º impõe como limite para o capital de remição (parcial) o montante que resultaria da remição de uma pensão daquela(e) sinistrada(o) se calculada com base numa incapacidade de 30 %. Teremos então que calcular essa hipotética pensão, a que vamos chamar P30: P30 = Retribuição anual x 0,70 x 0,30 Obtido o valor de P30 há que compará-lo com o valor de PExced, uma vez que será sempre o menor deles que vai servir de base ao cálculo do capital de remição. Assim: Se PExced for inferior ou igual a P30, significa que PExced pode ser totalmente remida, uma vez que o capital resultante da remição dessa parte da pensão não seria superior ao que resultaria da remição de P30. O cálculo do capital de remição é então efetuado com base no valor de PExced, ficando o sinistrado a receber, como pensão sobrante, o mínimo permitido pela al. a) do n.º 2 do art.º 75.º, ou seja, o P6: Pensão sobrante = P6 = 6 x RMM Por outro lado, se PExced for superior a P30, significa que PExced não pode ser totalmente remida, uma vez que capital resultante da remição dessa parte da pensão seria superior ao que resultaria da remição de P30. O cálculo do capital de remição é então efetuado com base no valor de P30, ficando a(o) sinistrada(o) a receber, como pensão sobrante, um valor superior ao mínimo exigido (P6). De facto, a este valor mínimo acresce a diferença entre PExced e P30. Mas nem sequer teremos que fazer estes cálculos, uma vez que a pensão sobrante mais não é do que a diferença entre a pensão anual total e a parte desta pensão que foi objeto de 20

CÁLCULO DE PENSÕES E DE INDEMNIZAÇÕES

CÁLCULO DE PENSÕES E DE INDEMNIZAÇÕES Centro de Formaç ão de Oficiais de Justiç a ANEXOS FÓRMULAS PARA O CÁLCULO DE PENSÕES E DE INDEMNIZAÇÕES - 209 - Centro de Formaç ão de Oficiais de Justiç a Fórmulas para o cálculo de pensões e de indemnizações

Leia mais

Acidentes de Trabalho

Acidentes de Trabalho União Geral Trabalhadores Acidentes de Trabalho Saiba como Agir Departamento de Segurança e Saúde [2] Nota Introdutória Teve um acidente de trabalho e quer saber com o que pode contar? Então consulte este

Leia mais

Lei n.º 98/2009, de 4 de Setembro

Lei n.º 98/2009, de 4 de Setembro (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTAÇÃO DO REGIME DE REPARAÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO E DE DOENÇAS PROFISSIONAIS Lei n.º 98/2009, de 4 de Setembro Regulamenta o regime de reparação

Leia mais

Decreto-Lei n.º 248/99 de 2 de Julho

Decreto-Lei n.º 248/99 de 2 de Julho Decreto-Lei n.º 248/99 de 2 de Julho 1 - A reparação das doenças profissionais apareceu na legislação da maioria dos países, incluindo Portugal, intimamente ligada à dos acidentes de trabalho, quer com

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 5894 Diário da República, 1.ª série N.º 172 4 de Setembro de 2009 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 98/2009 de 4 de Setembro Regulamenta o regime de reparação de acidentes de trabalho e de doenças profissionais,

Leia mais

Doenças Profissionais

Doenças Profissionais União Geral de Trabalhadores Doenças Profissionais Guia de Perguntas e Respostas Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho P orque as Doenças Profissionais não acontecem só aos outros Saber mais para

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional - Certificação (N28 v4.09) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

4164 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 152 2-7-1999 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

4164 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 152 2-7-1999 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE 4164 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 152 2-7-1999 Assim: O Governo decreta, nos termos da alínea a) don. o 1 do artigo 198. o da Constituição, o seguinte: MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Decreto-Lei n. o 247/99

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.07) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.06) PROPRIEDADE

Leia mais

Guia de direitos Reparação dos acidentes de trabalho

Guia de direitos Reparação dos acidentes de trabalho Campanha de Reparação dos Acidentes de Trabalho Por uma cultura organizacional socialmente responsável Guia de direitos Reparação dos acidentes de trabalho 1 Reparação dos acidentes de trabalho (Artigo

Leia mais

SEGURO ACIDENTES DE TRABALHO

SEGURO ACIDENTES DE TRABALHO SEGURO ACIDENTES DE TRABALHO Acidentes de Trabalho 1 Consequências da falta de seguro 2 O que é um acidente de trabalho? 3 O que se entende por local e tempo de trabalho? 4 O que é a remição de uma pensão?

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a protecção na morte integra o âmbito de aplicação material da protecção social obrigatória e visa compensar os

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015

OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 OFÍCIO CIRCULAR Nº 2 / DGPGF / 2015 Às Escolas Básicas e Secundárias. Agrupamentos de Escolas Escolas Profissionais Públicas. X X X DATA: 2015/janeiro/07 ASSUNTO: Processamento de Remunerações em 2015

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SUMÁRIO. Sábado, 13 de Setembro de 1997 Número 212/97 I A. Assembleia da República. Ministério dos Negócios Estrangeiros

DIÁRIO DA REPÚBLICA SUMÁRIO. Sábado, 13 de Setembro de 1997 Número 212/97 I A. Assembleia da República. Ministério dos Negócios Estrangeiros Sábado, 13 de Setembro de 1997 Número 212/97 I A S É R I E Esta 1. a série do Diário da República é apenas constituída pela parte A DIÁRIO DA REPÚBLICA Sumario212A Sup 0 SUMÁRIO Assembleia da República

Leia mais

DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE ACIDENTES EM SERVIÇO E DOENÇAS PROFISSIONAIS. Saiba como Agir Guia para os Trabalhadores da Administração Pública

DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE ACIDENTES EM SERVIÇO E DOENÇAS PROFISSIONAIS. Saiba como Agir Guia para os Trabalhadores da Administração Pública 2012 DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE ACIDENTES EM SERVIÇO E DOENÇAS PROFISSIONAIS Saiba como Agir Guia para os Trabalhadores da Administração Pública [2] Índice Capítulo I... 5 Acidentes em Serviço e

Leia mais

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Incapacidade Temporária por Doença Profissional (N07

Leia mais

Caderno de Encargos. Aquisição de serviços Seguro de. Acidentes de Trabalho De 1 de. Agosto 2015 a 31 de dezembro de

Caderno de Encargos. Aquisição de serviços Seguro de. Acidentes de Trabalho De 1 de. Agosto 2015 a 31 de dezembro de Aquisição de serviços Seguro de Acidentes de Trabalho De 1 de Agosto 2015 a 31 de dezembro de 2017 O Município de Guimarães conta nesta data com 1535 trabalhadores ao seu serviço, com vínculo de emprego

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho

Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho Perguntas frequentes sobre o Seguro Acidentes de Trabalho O que é um acidente de trabalho? Por acidente de trabalho, entende-se o acidente: a) Que se verifique no local de trabalho ou no local onde é prestado

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE REPARAÇÃO DOS ACIDENTES DE TRABALHO E DAS DOENÇAS PROFISSIONAIS. (Adaptado de Verlag Dashofer, 2011 )

APONTAMENTOS SOBRE REPARAÇÃO DOS ACIDENTES DE TRABALHO E DAS DOENÇAS PROFISSIONAIS. (Adaptado de Verlag Dashofer, 2011 ) APONTAMENTOS SOBRE REPARAÇÃO DOS ACIDENTES DE TRABALHO E DAS DOENÇAS PROFISSIONAIS (Adaptado de Verlag Dashofer, 2011 ) LGQAS / Segurança do Trabalho / 2º Ano / 1º Semestre Síria Barros 2012/2013 Prevenção

Leia mais

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 11/2014, de 6 de março. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 11/2014, de 6 de março A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1. A presente lei estabelece mecanismos de convergência

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl REGIMES de Previdência Social: - Trabalhadores por Conta de Outrem - Trabalhadores por Conta Própria/Independentes - Agentes da Administração Pública Central -

Leia mais

Os artistas sujeitos ao regime dos independentes podem optar, como a generalidade dos restantes trabalhadores, entre dois esquemas de protecção.

Os artistas sujeitos ao regime dos independentes podem optar, como a generalidade dos restantes trabalhadores, entre dois esquemas de protecção. I. o regime de protecção social aplicável aos artistas tem algumas particularidades em relação ao regime geral, porque se reconhece que as condições do exercício da sua actividade, designadamente uma certa

Leia mais

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO

Gabinetes dos Secretários de Estado do Orçamento e da Administração Pública DESPACHO DESPACHO Para efeitos de apoio à implementação das medidas previstas na Lei do Orçamento do Estado para 2013, é aprovada a nota técnica em anexo, a qual deverá ser divulgada pela Direção Geral do Orçamento

Leia mais

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e ESTATUTO DO PESSOAL Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de 6 de Julho de 2000.

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PENSÕES DE ACIDENTES DE TRABALHO. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.

PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PENSÕES DE ACIDENTES DE TRABALHO. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1. PROJECTO DE REGULAMENTAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PENSÕES DE ACIDENTES DE TRABALHO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto 1 A presente Norma Regulamentar tem por objecto o estabelecimento de

Leia mais

Ficha do Produto. - Postal Proteção Doméstica - março 2012 1/5

Ficha do Produto. - Postal Proteção Doméstica - março 2012 1/5 Definição Cliente-Alvo Seguro de Acidentes de Trabalho, de cariz obrigatório. Destina-se a qualquer pessoa que tenha um(a) Empregado(a) Doméstico(a) ao seu serviço, a tempo inteiro ou a tempo parcial.

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE Maternidade, Paternidade, Adoção Guia da Parentalidade Ficha Técnica Autor: Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE O SUBSÍDIO POR MORTE? EM QUE SITUAÇÕES É PAGO PELA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES?

DÚVIDAS SOBRE O SUBSÍDIO POR MORTE? EM QUE SITUAÇÕES É PAGO PELA CAIXA GERAL DE APOSENTAÇÕES? DÚVIDAS SOBRE O SUBSÍDIO POR MORTE? O QUE É? O subsídio por morte é uma prestação única atribuída por morte de funcionário ou agente do Estado no ativo ou na situação de aposentado ou de reformado ou em

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes PARENTALIDADE A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao

Leia mais

REGIMES DA APOSENTAÇÃO GUIA DO UTENTE

REGIMES DA APOSENTAÇÃO GUIA DO UTENTE REGIMES DA APOSENTAÇÃO E DAS PENSÕES DE SOBREVIVÊNCIA GUIA DO UTENTE Caixa Geral de Aposentações Av. 5 de Outubro, 175 1050-053 LISBOA Tel. 21 780 78 07 Linha azul Fax 21 780 77 82 M@il cga@cgd.pt Website

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações compensatórias dos subsídios

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações em Espécie (N27 v4.09) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte (7011 v4.12) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho Considerando que a protecção social visa assegurar o bem estar das pessoas, das famílias e das comunidades através de acções de

Leia mais

Segurança Social Manual Prático

Segurança Social Manual Prático Segurança Social Manual Prático (8.ª Edição) Actualização N.º 3 Segurança Social Manual Prático 2 TÍTULO: AUTORES: SEGURANÇA SOCIAL MANUAL PRÁTICO Actualização N.º 3 Apelles J. B. Conceição EDITOR: EDIÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril No âmbito da concretização do direito à segurança social de todos os trabalhadores, a Lei n.º 4/2009, de 29 de Janeiro,

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 34/IX

PROPOSTA DE LEI N.º 34/IX PROPOSTA DE LEI N.º 34/IX ESTABELECE UM REGIME ESPECÍFICO DE REPARAÇÃO DOS DANOS EMERGENTES DE ACIDENTES DE TRABALHO DOS PRATICANTES DESPORTIVOS PROFISSIONAIS Exposição de motivos A Lei de Bases do Sistema

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte (7011 v4.13) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto. Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio

Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto. Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Lei n.º 23/2010, de 30 de agosto A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Alterações à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio Os artigos

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade Conciliação do Trabalho com a Família e a vida pessoal Para pais, filhos e avós SITRA 1 Este guia sumário de Direitos é apenas informativo e destina-se fundamentalmente a resolver

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Portugal

Os seus direitos de segurança social. em Portugal Os seus direitos de segurança social em Portugal O presente guia foi redigido e atualizado em estrita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009.

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 1/200 /2009 Data: 30 de Abril de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: PARENTALIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER Código do Trabalho Decreto-Lei nº91/2009, de 9 de Abril,

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v 09) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Instituto

Leia mais

Morada Código Postal - Localidade. N.º Identificação Bancária talão comprovativo) Banco Balcão

Morada Código Postal - Localidade. N.º Identificação Bancária talão comprovativo) Banco Balcão PRESTAÇÕES DE ENCARGOS FAMILIARES REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL REQUERIMENTO DE SUBSÍDIO POR MORTE DESTINADO AOS SERVIÇOS Registo de Entrada Núcleo de Pessoal Docente/Não Docente Registo de Entrada

Leia mais

DÚVIDAS SOBRE: - O ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS? - O ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NAT AL? - A BOLSA DE ESTUDO? - O SUBSÍDIO DE FUNERAL?

DÚVIDAS SOBRE: - O ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS? - O ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NAT AL? - A BOLSA DE ESTUDO? - O SUBSÍDIO DE FUNERAL? DÚVIDAS SOBRE: - O ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS? - O ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NAT AL? - A BOLSA DE ESTUDO? - O SUBSÍDIO DE FUNERAL? FUNDAMENTO LEGAL O regime das prestações por encargos familiares,

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade Conciliação do Trabalho com a Família e a vida pessoal Para pais, filhos e avós 1 Este guia sumário de Direitos é apenas informativo e destina-se fundamentalmente a resolver

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra

Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra Lei n.º 13/02 de 15 de Outubro Considerando que o Decreto n. º 28/92, de 26 de Junho não define nem salvaguarda de forma abrangente e eficaz os

Leia mais

Lei n.º 17/95 de 9 de Junho

Lei n.º 17/95 de 9 de Junho Lei n.º 17/95 de 9 de Junho Estabelece protecção social aos agregados familiares de que façam parte deficientes profundos e doentes crónicos A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º,

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR

REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR REGULAMENTO DO SEGURO ESCOLAR O presente documento constitui o regulamento do seguro escolar a estabelecer na Escola Secundária Soares Basto e tem por base a respectiva legislação, nomeadamente o Decreto-lei

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 1- Falta: Considera-se falta a ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

GUIA DO SEGURADO E DO CONTRIBUINTE DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

GUIA DO SEGURADO E DO CONTRIBUINTE DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA NOTA INTRODUTÓRIA O GUIA DO SEGURADO E DO CONTRIBUINTE DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA é um instrumento que oferece informação jurídica sistematizada sobre a forma de organização e o funcionamento deste

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO PARCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/18 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego Parcial (6002 v4.23) PROPRIEDADE

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória Legislação da Maternidade e da Paternidade Leis da maternidade e da paternidade (Código do Trabalho e Regulamentação do Código do Trabalho) Consagração do direito que assiste à familia, de protecção da

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

Manual de Procedimentos de Seguro Escolar. Seguro Escolar

Manual de Procedimentos de Seguro Escolar. Seguro Escolar Seguro Escolar De acordo com a Portaria nº 413/99 de 8 de Junho, apresenta-se um resumo para conhecimento de docentes, não docentes, Pais e Encarregados de Educação da aplicação da Portaria em caso de

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Manual de GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Regras Técnicas aprovadas no CAS Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010 REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME ESPECIAL DE PROTEÇÃO NA INVALIDEZ (ESCLEROSE MÚLTIPLA, ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA), DOENÇA DE PARKINSON (DP), DOENÇA DE ALZHEIMER (DA), ENTRE OUTRAS). INSTITUTO DA SEGURANÇA

Leia mais

A LEI DE ACIDENTES DE TRABALHO ASPETOS CONTROVERSOS DA SUA APLICAÇÃO 1

A LEI DE ACIDENTES DE TRABALHO ASPETOS CONTROVERSOS DA SUA APLICAÇÃO 1 A LEI DE ACIDENTES DE TRABALHO ASPETOS CONTROVERSOS DA SUA APLICAÇÃO 1 VIRIATO REIS 2 1 O presente texto, elaborado em fevereiro de 2014, corresponde à comunicação apresentada na Conferência Comemorativa

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL POR ADOÇÃO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL POR ADOÇÃO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL POR ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Social por adoção (3019 v01.12)

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro REPÚBLICA DE ANGOLA PRESIDENTE DA REPÚBLICA DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro Considerando a necessidade de se regulamentar de modo sistemático as prestações que integram o regime jurídico

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004.

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3/2004 Data:2 de Setembro de 2004 RECURSOS HUMANOS Nº PAUTA: 203.14 ASSUNTO: PROTECÇÃO DA MATERNIDADE E DA PATERNIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho e Regulamentação

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL PARENTAL

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL PARENTAL Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL PARENTAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Social Parental (3020 v1.12) PROPRIEDADE

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS I Encontro sobre Aleitamento Materno da ULS da Guarda, 7 e 8 Outubro 2011 Paula Rabaça Semana Mundial do Aleitamento Materno 2011: Comunicação! Aleitamento Materno Experiência

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v4.15) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro Institui o seguro social voluntário, regime contributivo de carácter facultativo no âmbito da Segurança Social, em que podem ser enquadrados os voluntários. Este

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE INVALIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE INVALIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE INVALIDEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Invalidez (7010 v4.23) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo

Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo Nota Justificativa Um dos grandes fatores que contribui para o abandono escolar e para o não prosseguimento dos estudos, após a conclusão da escolaridade

Leia mais

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe).

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Parentalidade Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Adopção equiparada à licença parental. Trabalhadores independentes com direitos alargados.

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento Específico Página 1 de 20 Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento

Leia mais

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Código do trabalho: Lei 99/2003, de 27 de Agosto Grávida, puérpera e lactante art. 34 Licença de maternidade 35º/68º Em situação de risco clínico na gravidez 35º/68º Licença

Leia mais